DOMÓTICA INTELIGENTE: AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL BASEADA EM COMPORTAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DOMÓTICA INTELIGENTE: AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL BASEADA EM COMPORTAMENTO"

Transcrição

1 DOMÓTICA INTELIGENTE: AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL BASEADA EM COMPORTAMENTO Orientado: JULIO ANDRÉ SGARBI Orientador: FLAVIO TONIDANDEL Outubro-2006

2 INTRODUÇÃO Domótica (Automação Residencial): Gerenciamento de recursos, Segurança, Conforto e Entretenimento. Regras previamente configuradas são aplicadas a eventos. Domótica Inteligente: Os sistemas devem interagir com os habitantes da casa e aprender com seus comportamentos. Os dados obtidos pelos sensores da casa devem ser analisados para criar regras de automação adaptadas ao comportamento dos habitantes.

3 SISTEMA ABC Automação Baseada em Comportamento. (Tonidandel et al, 2004). Atuador Sensores 1 Sensores 2 Ação Banco de Dados De Aquisição Controlador Regras de Segurança Manutenção De Regras ID3 Banco de Dados De Regras Ativas

4 SISTEMA ABC Deficiências: Não detecta seqüências causais de eventos de atuador no tempo. O algoritmo de indução de regras ID3, não trabalha com valores contínuos, somente com variáveis lógicas. Regras criadas pelo ID3 se tornam diretamente ativas, podendo desagradar o habitante da casa.

5 SISTEMA PROPOSTO ABC+ Atuador Habitante Sensores Controle Central Objetivo de corrigir o sistema ABC. Principais diferenças: Banco de Dados Janela de De Eventos Observação C4.5 Manutenção Banco de Dados De Regras De Regras Ativas Regras de Banco de Dados Segurança De Regras Embrionárias Janela de observação de eventos; Regras embrionárias; C4.5 (Quinlan, 1993); Novo processo de manutenção das regras.

6 JANELA DE OBSERVAÇÃO Habitante entra no quarto e acende a lâmpada Habitante entra no quarto e após uma hora acende a lâmpada. Objetivo: Detectar seqüências causais de eventos de atuador no tempo.

7 ALGORITMO C4.5 Extensão do ID3 que permite trabalhar com valores contínuos para os atributos. Medidores de temperatura, umidade e valores dos horários, eliminando restrição de valores discretos. Trabalha com atributos desconhecidos. Leitura de sensor indefinida, onde o valor fica desconhecido, o C4.5 aproveita os dados e também consegue generalizar regras.

8 REGRAS EMBRIONÁRIAS Objetivo: Criar uma etapa de validação da regra. Quando o habitante gera condições dos sensores iguais às condições de uma regra embrionária, o que acontece é que a regra ganha pontos positivos. Se gera condições e contraria a regra, a mesma ganha pontos negativos.

9 REDE PETRI DO SISTEMA ABC+ POSIÇÕES P1 Estado inicial de espera P2 Busca por RA existente P3 Realização da ação X, fazer ATIV=ATIV+1, com ATIV máximo=t e ordenação do BRA por ATIV P4 Busca por ES anterior recente (R segundos) P5 Busca por RA existente P6 Busca por ES posterior recente (R segundos) P7 Avaliação se a regra é igual ou contrária P8 Fazendo EXC=EXC+1, se EXC>K a regra é excluída do BRA P9 Armazenamento dos dados do ES posterior P10 Busca por RE existente P11 Avaliação se a regra é igual ou contrária P12 Fazendo OK+OK+1, se OK=Z regra vira RA P13 - Fazendo NOK=NOK+1, se NOK>Q regra é excluída do BRE P14 Colocação do evento no BE P15 C4.5 gera novas regras a partir de BE+BRA P16 As regras repetidas são ignoradas P17 - Regras antigas do BRE com OK<W são excluídas; coloca regras novas no BRE; para toda RA fazer ATIV=ATIV-1; se RA tem ATIV<J coloca-a no BRE p1. t4 t1 t2 t27 t3 p2 t6 p4 t7 t11 t20 p12 t21 p13 t22 t24 p16 t26 p17 t25 p3 t5 t12 p7 t8 p5 t13 t9 t15 p9 t10 p6 t16 t18 p11 t19 p14 t23 p15 LEGENDA EA=Evento Atuador ES=Evento Sensor BE=Banco de Eventos RA=Regra Ativa BRA=Banco de Regras Ativas RE=Regra Embrionária BRE=Banco de Regras Embrionárias p8 t14 p10 t17 TRANSIÇÕES T1 Novo evento de sensor T2 Novo evento de atuador T3 Existência de RA T4 Não existência de RA T5 Finalização da ação em P3 T6 Existência de ES anterior T7 Não existência de ES anterior T8 Existência de RA T9 Não existência de RA T10 - Existência de ES posterior T11 Não existência de ES posterior T12 A regra é igual T13 A regra é contrária T14 Finalização da ação em P8 T15 Finalização da ação em P9 T16 - Existência de RE T17 Não existência de RE T18 - A regra é igual T19 A regra é contrária T20 - Finalização da ação em P12 T21 Finalização da ação em P13 T22 BE não têm Y eventos T23 BE têm Y eventos T24 Alguma(s) nova(s) regra(s) está(ão) em BRA ou BRE T25 Nenhuma nova regra está em BRA ou BRE T26 - Finalização da ação em P16 T27 Finalização da ação em P17

10 TESTES INICIAIS Simulador criado para verificação inicial do sistema proposto:

11 TESTES INICIAIS Resultado: Funcionamento esperado, criação de regras novas e ação das mesmas em eventos posteriores. A janela de observação descartou eventos indesejados. O banco de regras embrionárias atuou como um filtro para validar regras antes das mesmas serem ativadas.

12 TRABALHO EM DESENVOLVIMENTO Para que o sistema possa ser melhor avaliado é necessário: Identificar o comportamento das variáveis do sistema através de simulações; Identificar quais parâmetros permite avaliar o comportamento das variáveis do sistema; Definir um banco de eventos que reflita a rotina de um habitante em uma residência; Analisar as simulações: Traçar gráficos de parâmetros em função das variáveis; Dependências de variáveis; Comparações de parâmetros. Identificar a ocorrência de loopings nas regras e propor solução.

13 TRABALHO EM DESENVOLVIMENTO Variáveis do sistema que devem ser avaliadas: Tempo anterior e posterior da janela de observação; Valor do campo OK do BDEmbrio para regra virar ativa; Valor do campo NOK do BDEmbrio para regra ser excluída; Número de eventos no BDEventos para acionar o C4.5; Valor do campo EXC do BDAtivas para excluir a regra; Valor do campo ATIV do BDAtivas para regra ir para o BDEmbrio, devido a desuso; Valor do campo OK do BDEmbrio para a regra ser excluída por desuso; Número máximo de regras em BDAtivas.

14 CONCLUSÃO O trabalho a ser desenvolvido terá como objetivo apresentar um novo sistema de automação residencial, sistema ABC+, o qual aprende regras por observação do comportamento do habitante de um ambiente. Como existem habitantes que se adaptam facilmente a inovações e outros não, os mesmos irão interagir diferentemente com o sistema ABC+. Portanto a identificação de parâmetros para mensurar o desempenho do sistema e a análise do comportamento das variáveis servirá para entender como o sistema pode ser moldado de forma a atender diversos perfis de habitante, com hábitos e gostos diferentes.

Domótica Inteligente: Automação Residencial baseada em Comportamento

Domótica Inteligente: Automação Residencial baseada em Comportamento Domótica Inteligente: Automação Residencial baseada em Comportamento Julio André Sgarbi, Flavio Tonidandel Centro Universitário da FEI UniFEI Av. Humberto de A. C. Branco, 3972 - CEP:09850-901 - São Bernardo

Leia mais

I - Introdução à Simulação

I - Introdução à Simulação 1 I - Introdução à Simulação Simulação é, entendida como a imitação de uma operação ou de um processo do mundo real. A simulação envolve a geração de uma história artificial de um sistema para a análise

Leia mais

Desenvolvimento de um Simulador de Controle de Dispositivos Residenciais Inteligentes: Uma Introdução aos Sistemas Domóticos

Desenvolvimento de um Simulador de Controle de Dispositivos Residenciais Inteligentes: Uma Introdução aos Sistemas Domóticos Desenvolvimento de um Simulador de Controle de Dispositivos Residenciais Inteligentes: Uma Introdução aos Sistemas Domóticos Aluno: Caio Augustus M. Bolzani Prof. Marcio Lobo Netto Introdução Automação

Leia mais

TS04. Teste de Software PLANOS DE TESTE. COTI Informática Escola de Nerds

TS04. Teste de Software PLANOS DE TESTE. COTI Informática Escola de Nerds TS04 Teste de Software PLANOS DE TESTE COTI Informática Escola de Nerds 1. PLANOS DE TESTE. Tipos de Testes de Software Teste Funcional Uma especificação funcional é uma descrição do comportamento esperado

Leia mais

Projeto Final - Modelo de Coordenação de Eventos para Simulação de Movimento Simples

Projeto Final - Modelo de Coordenação de Eventos para Simulação de Movimento Simples IF6AL Simulação de Eventos Discretos / Prof. Ricardo Equipe: Júlio César Nardelli Borges Marcelo Teider Lopes Projeto Final - Modelo de Coordenação de Eventos para Simulação de Movimento Simples Resumo

Leia mais

Tabela 4.1 Distribuição dos indicadores por tipo Tipo de Indicador No. de indicadores. Indicadores de Evento 93. Indicadores de Tendência 37

Tabela 4.1 Distribuição dos indicadores por tipo Tipo de Indicador No. de indicadores. Indicadores de Evento 93. Indicadores de Tendência 37 4 Estudo de Casos A metodologia proposta no capítulo 3 foi aplicada em casos reais coletados de equipamentos Caterpillar da Sotreq. As falhas aqui estudadas são referentes a dois componentes do caminhão:

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos

UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos UFBA PLANO DE ENSINO ENGC54 - LABORATÓRIO INTEGRADO VI Prof. Aurino Almeida Filho Prof. Tito Luís Maia Santos 2016.2 UNIDADE: ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO: ENGENHARIA ELÉTRICA CÓDIGO: ENGC54 MODALIDADE:

Leia mais

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para

CAPÍTULO 5 RESULTADOS. São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para CAPÍTULO 5 RESULTADOS São apresentados neste Capítulo os resultados obtidos através do programa Classific, para as imagens coletadas no verão II, período iniciado em 18/01 e finalizado em 01/03 de 1999,

Leia mais

Organização para Realização de Teste de Software

Organização para Realização de Teste de Software Organização para Realização de Teste de Software Quando o teste se inicia há um conflito de interesses: Desenvolvedores: interesse em demonstrar que o programa é isento de erros. Responsáveis pelos testes:

Leia mais

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso.

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Objetivo: Construção de uma ferramenta capaz de auxiliar a construção de modelos de casos de uso de sistemas,

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL. Marcelo Henrique dos Santos

VISÃO COMPUTACIONAL. Marcelo Henrique dos Santos VISÃO COMPUTACIONAL Marcelo Henrique dos Santos marcelosantos@outlook.com São Paulo SP, Agosto/2013 INTRODUÇÃO Processamento de imagens é um processo onde a entrada do sistema é uma imagem e a saída é

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO - FANEESP -

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO - FANEESP - REGIMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO - FANEESP - 2015 Ficha Catalográfica Preparada pela Faculdade Nacional de Educação e Ensino Superior do Paraná Faculdade Nacional de Educação e Ensino Superior

Leia mais

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia

Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia O Uso da Lógica Fuzzy na Avaliação dos Impactos de Projetos Socioeducacionais: O Caso do Projeto Travessia Autores: Vilma Guimarães Antonio Morim - Fabio Krykhtine Guilherme Weber Eduardo Sá Fortes A FERRAMENTA

Leia mais

PREDIÇÃO DE CASOS DE ALTÍSSIMO CUSTO E DETECÇÃO AUTOMÁTICA DE IMPROPRIEDADES EM CONTAS MÉDICAS. Marcelo Rosano Dallagassa

PREDIÇÃO DE CASOS DE ALTÍSSIMO CUSTO E DETECÇÃO AUTOMÁTICA DE IMPROPRIEDADES EM CONTAS MÉDICAS. Marcelo Rosano Dallagassa PREDIÇÃO DE CASOS DE ALTÍSSIMO CUSTO E DETECÇÃO AUTOMÁTICA DE IMPROPRIEDADES EM CONTAS MÉDICAS Marcelo Rosano Dallagassa 2 INTRODUÇÃO Apresentar os conceitos sobre IA Mineração de Dados Detalhar o processo

Leia mais

Configuração da Pesquisa no Ambiente de Trabalho Nepomuk. Sebastian Trueg Anne-Marie Mahfouf Tradução: José Pires

Configuração da Pesquisa no Ambiente de Trabalho Nepomuk. Sebastian Trueg Anne-Marie Mahfouf Tradução: José Pires Configuração da Pesquisa no Ambiente de Trabalho Nepomuk Sebastian Trueg Anne-Marie Mahfouf Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 4 1.1 Configuração Básica.................................... 4

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS. 1. Introdução. 2. Estufas Agrícolas. Automação de estufas agrícolas. Ronaldo Tadeu Murguero Junior

AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS. 1. Introdução. 2. Estufas Agrícolas. Automação de estufas agrícolas. Ronaldo Tadeu Murguero Junior AUTOMAÇÃO DE ESTUFAS AGRÍCOLAS Ronaldo Tadeu Murguero Junior 1. Introdução A utilização de estufas no plantio vem crescendo a cada ano, pois através da utilização de estufas consegue-se ter um controle

Leia mais

Sistema de acesso a dispositivos eletrônicos através da TV Digital interativa. Aluno: Rodrigo Brüning Wessler Orientador: Francisco Adell Péricas

Sistema de acesso a dispositivos eletrônicos através da TV Digital interativa. Aluno: Rodrigo Brüning Wessler Orientador: Francisco Adell Péricas Sistema de acesso a dispositivos eletrônicos através da TV Digital interativa Aluno: Rodrigo Brüning Wessler Orientador: Francisco Adell Péricas Roteiro da Apresentação Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

Experiência 5. Projeto e Simulação do Controle no Espaço de Estados de um Pêndulo Invertido sobre Carro

Experiência 5. Projeto e Simulação do Controle no Espaço de Estados de um Pêndulo Invertido sobre Carro Experiência 5 Projeto e Simulação do Controle no Espaço de Estados de um Pêndulo Invertido sobre Carro Professores: Adolfo Bauchspiess e Geovany A. Borges O objetivo deste experimento é projetar e simular

Leia mais

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida

Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Escolhendo um Modelo de Ciclo de Vida Ciclos de Vida 1 Ciclo de Vida de um Produto Qualquer desenvolvimento de produto inicia com uma idéia e termina com o produto pretendido. O ciclo de vida de um produto

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA.

NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. ANEXO 02 DA RESOLUÇÃO CGESA Nº 001, DE 27 DE MARÇO DE 2013. NORMAS PARA REDAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO (TCC) DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. A estrutura do TCC deverá ser composta por pré-texto,

Leia mais

JavaScript (Elementos de Programação e Programação Básica)

JavaScript (Elementos de Programação e Programação Básica) Linguagem de Programação para Web JavaScript (Elementos de Programação e Programação Básica) Prof. Mauro Lopes 1 Objetivos Iniciaremos aqui o nosso estudo sobre a Linguagem de Programação JavaScript. Apresentaremos

Leia mais

TCC EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO. Aula 9- Modelando um Sistema com a UML parte 2

TCC EM SISTEMAS DA INFORMAÇÃO. Aula 9- Modelando um Sistema com a UML parte 2 Aula 9- Modelando um Sistema com a UML parte 2 Objetivo desta sexta aula Identificar como deve ser o desenvolvimento da escrita do projeto. Apresentar exemplos de trabalhos modelados com a UML para que

Leia mais

Apostila de Portugol

Apostila de Portugol Apostila de Portugol TIPOS PRIMITIVOS DE DADOS INTEIRO ADMITE SOMENTE NÚMEROS INTEIROS. GERALMENTE É UTILIZADO PARA REPRESENTAR UMA CONTAGEM (QUANTIDADE). REAL ADMITE NÚMEROS REAIS (COM OU SEM CASAS DECIMAIS).

Leia mais

Motors Automation Energy Coatings. Bancada Didática - BDMW

Motors Automation Energy Coatings. Bancada Didática - BDMW Motors Automation Enery Coatins Bancada Didática - BDMW Bancada Didática WEG A linha de bancada didática WEG, além de moderna, está mais completa, modular e flexível. Foi criada com o objetivo de auxiliar

Leia mais

MB-300 SEMINÁRIO DE TESE

MB-300 SEMINÁRIO DE TESE MB-300 SEMINÁRIO DE TESE FORMULAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA Rodrigo A. Scarpel rodrigo@ita.br www.mec.ita.br/~rodrigo Roteiro: Motivação para formular projetos de pesquisa Roteiro de um projeto de pesquisa

Leia mais

Gerência de Projetos de Software: Cronograma

Gerência de Projetos de Software: Cronograma Gerência de Projetos de Software: Cronograma SSC-121 Engenharia de Software I Simone Senger de Souza ICMC/USP Plano de Projeto Cronograma A precisão nos cronogramas é mais importante que a precisão nos

Leia mais

PLANEJAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE

PLANEJAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE PLANEJAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE Cronograma no MS-Project (continuação) Profª Andrea Padovan Jubileu Desenvolvimento do Cronograma O cronograma é a disposição gráfica do tempo que será gasto na realização

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Sensores. Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica. Claudinei de Jesus Donato 10/2013

Sensores. Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica. Claudinei de Jesus Donato 10/2013 Sensores Interpretando o Ambiente Engenharia Eletrônica Claudinei de Jesus Donato 10/2013 Conforto 2 Segurança 3 Comodidade, Agilidade... 4 Resultado 5 Meio Ambiente Instinto de sobrevivência: dominar

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPI JOÃO CÂMARA RATIONAL UNIFIED PROCESS - RUP Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br Introdução 2 Modelo

Leia mais

1 Código de Trabalho ou de Projeto

1 Código de Trabalho ou de Projeto 1 Código de Trabalho ou de Projeto Os códigos de trabalho ou de projeto registados no terminal são calculados e avaliados no software. (Esta função não é possível na série TA655). Para o cálculo ou avaliação

Leia mais

Algoritmo e Introdução a Programação. Prof. Josino Rodrigues

Algoritmo e Introdução a Programação. Prof. Josino Rodrigues Algoritmo e Introdução a Programação Prof. Josino Rodrigues Um algoritmo é qualquer procedimento computacional bem definido que toma algum valor ou conjunto de valores como entrada e produz algum valor

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Análise da Decisão Pela própria natureza da vida, todos nós devemos continuamente

Leia mais

A experiência da Eletrobras Eletrosul na utilização de simuladores

A experiência da Eletrobras Eletrosul na utilização de simuladores A experiência da Eletrobras Eletrosul na utilização de simuladores ASTRO e OTS Jairo Gustavo Dametto Diogo Vargas Marcos Filipe Magno Mayrink Niquini Ferramentas da Eletrobras Eletrosul ASTRO Ambiente

Leia mais

CENTRAL DE PREDITIVA. Acompanhamento Preditivo de Instrumentos

CENTRAL DE PREDITIVA. Acompanhamento Preditivo de Instrumentos CENTRAL DE PREDITIVA Acompanhamento Preditivo de Instrumentos Carlos Alberto da Silva Camillo Martins Dias Neto Hebert Carvalho Ronilton Brandão Leonardo Carvalho Confiabilidade UNIB-4/PE-9/PP-5 01 Monitoramento

Leia mais

DOMÓTICA INTELIGENTE: AUTOMAÇÃO BASEADA EM COMPORTAMENTO

DOMÓTICA INTELIGENTE: AUTOMAÇÃO BASEADA EM COMPORTAMENTO DOMÓTICA INTELIGENTE: AUTOMAÇÃO BASEADA EM COMPORTAMENTO MARCELO TAKIUCHI, ÉRICA MELO E FLAVIO TONIDANDEL Centro Universitário da FEI UniFEI Av. Humberto de A. Castelo Branco, 3972 09850-901 - São Bernardo

Leia mais

O desafio: Desenvolver um analisador de segurança elétrica e desempenho para avaliação de marcapassos cardíacos externos e implantáveis.

O desafio: Desenvolver um analisador de segurança elétrica e desempenho para avaliação de marcapassos cardíacos externos e implantáveis. Analisador de marcapassos cardíacos "Com as condições ilustradas foi possível perceber que o programa desenvolvido em plataforma LabVIEW, com auxílio da interface para entrada e saída de sinais analógicos

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software aula 03

Princípios da Engenharia de Software aula 03 Princípios da Engenharia de Software aula 03 Prof.: José Honorato Ferreira Nunes Material cedido por: Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Modelos de processos de software: Evolucionário Tipos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004.

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA NOS PORTOS, TERMINAIS E VIAS NAVEGÁVEIS - CONPORTOS RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004. Dispõe sobre a regulamentação para a realização

Leia mais

OPENOFFICE PLANILHA SEMANA 3

OPENOFFICE PLANILHA SEMANA 3 OPENOFFICE PLANILHA SEMANA 3 Sumário Aula 1...3 Ordenação ou Classificação de Dados...3 Definir e Criar Nomes...4 Regras para os Nomes...4 Definir Nome...4 Excluir Nome...5 Aula 2...6 Teste Condicional...6

Leia mais

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA MÓVEL

INTRODUÇÃO À ROBÓTICA MÓVEL INTRODUÇÃO À ROBÓTICA MÓVEL Aula 19 Edson Prestes Departamento de Informática Teórica http://www.inf.ufrgs.br/~prestes prestes@inf.ufrgs.br Campos Potenciais Harmônicos É um metodo proposto por Connolly

Leia mais

SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi

SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC643 -Avaliação de Desempenho de Sistemas Computacionais Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Solução de Arquitetura para Testes Automatizados a Distância de IEDs Utilizando Equipamento de Teste. Marcelo Paulino Adimarco Ubiratan Carmo CHESF

Solução de Arquitetura para Testes Automatizados a Distância de IEDs Utilizando Equipamento de Teste. Marcelo Paulino Adimarco Ubiratan Carmo CHESF Solução de Arquitetura para Testes Automatizados a Distância de IEDs Utilizando Equipamento de Teste Marcelo Paulino Adimarco Ubiratan Carmo CHESF O Estabelecimento da Norma IEC 61850 Não é somente outro

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Nível Médio

Leia mais

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi

SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Sistemas de Computação SSC546 Avaliação de Sistemas Computacionais Parte 1 -Aula 3 Sarita Mazzini Bruschi Material

Leia mais

Seleção de pessoal. Para julgar com eficácia esses dois aspectos, é necessária, então, a coleta de dados do candidato sobre seus/suas:

Seleção de pessoal. Para julgar com eficácia esses dois aspectos, é necessária, então, a coleta de dados do candidato sobre seus/suas: Seleção de pessoal A etapa de seleção de pessoas é a que dá início a tudo, inserindo capital humano dentro da organização e fornecendo o recurso essencial para o funcionamento do PMC. O ponto principal

Leia mais

9. Comando de repetição com variável de controle (para.. de.. até.. faça)

9. Comando de repetição com variável de controle (para.. de.. até.. faça) 9. Comando de repetição com variável de controle (para.. de.. até.. faça) Com o uso das estruturas enquanto e repita é possível elaborar rotinas que efetuam a execução de um looping um determinado número

Leia mais

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon

Metodologias de PETI. Prof. Marlon Marcon Metodologias de PETI Prof. Marlon Marcon PETI O PETI é composto de: Planejamento Estratégico da organização, que combina os objetivos e recursos da organização com seus mercados em processo de transformação

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho UNIMED CAMPINA GRANDE. Registro funcional: Diretoria / Gerencia: Data da Avaliação:

Formulário de Avaliação de Desempenho UNIMED CAMPINA GRANDE. Registro funcional: Diretoria / Gerencia: Data da Avaliação: Formulário de Avaliação de Desempenho UNIMED CAMPINA GRANDE Nota Final: Para uso do RH Nome do Avaliado: Cargo: Registro funcional: Diretoria / Gerencia: Data da Avaliação: Nome do Avaliador: Cargo: ASSIDUIDADE

Leia mais

de Controladores Lógicos Programáveis

de Controladores Lógicos Programáveis Gílson Maekawa Kanashiro Reconstituição de Projetos de Controladores Lógicos Programáveis Uma abordagem para conversão da linguagem Ladder para Gráficos de Funções Seqüenciais Design Recovery for Relay

Leia mais

Data: 13 de junho de 2013 Horário: 10-12h; 14-17h Local: Anfiteatro (sala 807) FAU USP

Data: 13 de junho de 2013 Horário: 10-12h; 14-17h Local: Anfiteatro (sala 807) FAU USP bibfauusp.wordpress.com/workshop-competencia-em-informacao/ RELATÓRIO FINAL Workshop Desenvolvimento de Competência em Informação em Ambiente Acadêmico Data: 13 de junho de 2013 Horário: 10-12h; 14-17h

Leia mais

NORMALIZAÇÃO. Quantidade do Produto. Produto

NORMALIZAÇÃO. Quantidade do Produto. Produto NORMALIZAÇÃO 1. CONCEITUAÇÃO É o processo formal, passo a passo, que examina os atributos de uma entidade, com o objetivo de evitar anomalias observadas na inclusão, exclusão e alteração de registros.

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO

ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO ESTRUTURAS DE CONTROLE ESTRUTURAS DE REPETIÇÃO Baseado nos slides de autoria de Rosely Sanches Estruturas de Controle ESTRUTURA SEQUENCIAL ESTRUTURAS CONDICIONAIS Estrutura Condicional Simples Estrutura

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controle de Processos

Fundamentos de Automação. Controle de Processos Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controle

Leia mais

Analista de Negócio 3.0

Analista de Negócio 3.0 Estudo de Caso A industria Santos é uma empresa siderúrgica que possui duas plantas industriais em dois municípios do interior de Minas Gerais. A sede da empresa fica no estado de São Paulo, na cidade

Leia mais

5 Passos para Criar um Plano de Marketing para Pequenos Negócios

5 Passos para Criar um Plano de Marketing para Pequenos Negócios 5 Passos para Criar um Plano de Marketing para Pequenos Negócios Qual é a Sua Estratégia de Marketing? Um Plano de Negócios ajuda a traçar o rumo para o seu pequeno negócio e um Plano de Marketing bem

Leia mais

Como expandir uma rede de postos de combustíveis com GEO. Marketing

Como expandir uma rede de postos de combustíveis com GEO. Marketing Como expandir uma rede de postos de combustíveis com GEO Marketing 1 Introdução A Cognatis já realizou vários projetos para o segmento de distribuidores de combustível. No exemplo prático que vamos demonstrar

Leia mais

MANUTENÇÃO DINÂMICA DE MODELOS EM COMPUTAÇÃO SENSÍVEL AO CONTEXTO. PALAVRAS-CHAVE: CEP, Esper, Computação Sensível ao Contexto, SBE.

MANUTENÇÃO DINÂMICA DE MODELOS EM COMPUTAÇÃO SENSÍVEL AO CONTEXTO. PALAVRAS-CHAVE: CEP, Esper, Computação Sensível ao Contexto, SBE. MANUTENÇÃO DINÂMICA DE MODELOS EM COMPUTAÇÃO SENSÍVEL AO CONTEXTO Rodrigo Hernandez SOARES 1 ; Ricardo Couto Antunes da ROCHA 2 PALAVRAS-CHAVE: CEP, Esper, Computação Sensível ao Contexto, SBE. 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

DESENHAR COM PRECISÃO - O SISTEMA DE COORDENADAS

DESENHAR COM PRECISÃO - O SISTEMA DE COORDENADAS DESENHAR COM PRECISÃO - O SISTEMA DE COORDENADAS Para criar linhas, polígonos, sólidos ou outros objetos, sempre teremos que informar o Rhino o ponto de partida e o ponto final. Tais pontos podem ser criados

Leia mais

Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar

Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar Guia do Processo de Teste Metodologia Celepar Agosto de 2009 Sumário de Informações do Documento Documento: guiaprocessoteste.odt Número de páginas: 11 Versão Data Mudanças Autor 1.0 26/12/07 Criação.

Leia mais

Mineração de padrões frequentes

Mineração de padrões frequentes Mineração de padrões frequentes Fabrício J. Barth fabricio.barth@gmail.com Setembro de 2016 Objetivos Os objetivos desta aula são: Apresentar e discutir métodos para identificar associações úteis em grandes

Leia mais

Primeiro Projeto de PG: Lista de Temas Selecionados

Primeiro Projeto de PG: Lista de Temas Selecionados Primeiro Projeto de PG: Lista de Temas Selecionados Observações O sistema não pode apresentar estouro de memória, ou excessiva lentidão na execução. Haverá desconto na nota para este caso. Nenhum dos projetos

Leia mais

Click to edit Master title style

Click to edit Master title style Click to edit Master title style Lidera GP Primavera Risk Analysis Flávio Luiz Silva, PMP Recife, Dezembro de 2015 O que é o Risk Analysis Primavera Risk Analysis é uma ferramenta para gerenciamento de

Leia mais

O VAI E VOLTA DE UMA EMBALAGEM: O DESIGN AUXILIANDO O PROCESSO DE LOGÍSTICA REVERSA

O VAI E VOLTA DE UMA EMBALAGEM: O DESIGN AUXILIANDO O PROCESSO DE LOGÍSTICA REVERSA UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA - UNOESC CAMPUS XANXERÊ O VAI E VOLTA DE UMA EMBALAGEM: O DESIGN AUXILIANDO O PROCESSO DE LOGÍSTICA REVERSA Design 8º Período Trabalho de Conclusão de Curso Acadêmica:

Leia mais

Aprendizado por Árvores de Decisão

Aprendizado por Árvores de Decisão Universidade Federal de Santa Maria Departamento de Eletrônica e Computação Prof. Cesar Tadeu Pozzer Disciplina de Programação de Jogos 3D E-mail: pozzer@inf.ufsm.br Período: 2006/01 Aprendizado por Árvores

Leia mais

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (Parte I)

RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (Parte I) RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PREFEITURA DE BELO HORIZONTE (Parte I) TAUANE PAULA GEHM Mestre e doutorando em Psicologia Experimental Avaliação Psicológica: Fundamentos da medida psicológica; Instrumentos de avaliação:

Leia mais

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015

Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Etiquetagem Energética de Elevadores ABRIL 2015 Conteúdos Os elevadores em Portugal O Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos (SEEP) A etiquetagem energética de elevadores Aderir ao SEEP Próximos

Leia mais

Objeto de aprendizagem

Objeto de aprendizagem 3ª Ciências 4º Ano E.F. Objeto de aprendizagem O que é eletricidade? - Interação entre ímãs e entre cargas elétricas forças de atração e de repulsão. Perceber a existência de cargas elétricas. Objetivos

Leia mais

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Nº de aulas (45 minutos) 1º Período 2º Período 3º Período Total Previstas 41 31 27 99 /Correção 6 6 6 18 Tema 4: As atividades económicas*

Leia mais

4 Uma Linguagem Baseada em Máquinas de Estado 4.1. A Linguagem

4 Uma Linguagem Baseada em Máquinas de Estado 4.1. A Linguagem 4 Uma Linguagem Baseada em Máquinas de Estado 4.1. A Linguagem Acredita-se nesse trabalho que características reativas e fortemente baseadas em modelos tornam necessária a criação de uma linguagem específica

Leia mais

POR TERRA, ÁGUA E AR:

POR TERRA, ÁGUA E AR: ESTADO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DESEMBARGADOR MILTON ARMANDO POMPEU DE BARROS ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONALIZANTE TÉCNICO EM INFORMÁTICA ELISÂNGELA MAZEI DA SILVA LUCAS LOURENÇO

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Definir critérios para elaboração de Simulação Hidráulica para Sistemas de Abastecimento de Água de Pequeno Porte (até 12.500 ligações), Médio Porte (até 62.500 ligações)

Leia mais

Interações entre objetos

Interações entre objetos Interações entre objetos Interações entre Objetos Os serviços (casos de uso) são fornecidos através da colaboração de grupos de objetos Os objetos interagem através de comunicações Diagrama de Sequência

Leia mais

Genersys. Gestão de Riscos em Ativos - GRA. Gestão de Ativos. Operação e Manutenção. Camaçari, 13/05/2016. Slide 1.

Genersys. Gestão de Riscos em Ativos - GRA. Gestão de Ativos. Operação e Manutenção. Camaçari, 13/05/2016. Slide 1. Genersys Gestão de Ativos Operação e Manutenção Gestão de Riscos em Ativos - GRA Camaçari, 13/05/2016 Full power ahead Slide 1 Agenda 01 02 03 04 05 Introdução Ciclo de Gestão de Risco Ferramenta de Suporte

Leia mais

processo contínuo, dinâmico;

processo contínuo, dinâmico; Avaliação de Desempenho/Performance é a avaliação do desempenho atual ou passado do funcionário em relação a padrões de desempenho. O Processo envolve: a) Estabelecer padrões de desempenho; b) Avaliar

Leia mais

Manual Gestão Garantias

Manual Gestão Garantias Manual Gestão Garantias OUTUBRO/2013 Sumário Sumário... 2 1. Introdução... 3 2. Funcionalidade... 3 3. Navegação no Sistema... 3 4. Configuração... 6 4.1. Garantias... 6 4.1.1. Cadastrar... 7 4.1.2. Validar...

Leia mais

Projeto Novas Fronteiras Gráfico de Gantt

Projeto Novas Fronteiras Gráfico de Gantt Página 1 0 1 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 2 2.1 2.1.1 2.1.2 2.1.3 2.1.4 2.2 2.2.1 2.2.2 2.2.3 2.2.4 2.2.5 2.3 2.3.1 PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DIAGNÓSTICO Realizar o Kick-off Meeting do projeto Reunir a equipe

Leia mais

CST-311 Metodologia da Pesquisa Científica. André de Arruda Lyra. Análise da Tese:

CST-311 Metodologia da Pesquisa Científica. André de Arruda Lyra. Análise da Tese: CST-311 Metodologia da Pesquisa Científica André de Arruda Lyra Análise da Tese: BALANCO DE UMIDADE NA REGIÃO DO SISTEMA DE MONÇÃO DA AMERICA DO SUL EM CENARIOS CLIMATICOS FUTUROS (2071-2100) UTILIZANDO

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

Inteligência Computacional para Jogos Eletrônicos

Inteligência Computacional para Jogos Eletrônicos Inteligência Computacional para Jogos Eletrônicos Papéis da IA em Jogos Adversários Aliados Personagens de apoio NPC s (Non-player Character) Comentaristas Controle de câmera Geração de fases Nivelamento

Leia mais

Estudo heurístico de performance de estratégias de investimento simples baseadas na média móvel e desvio padrão no mercado ForEx

Estudo heurístico de performance de estratégias de investimento simples baseadas na média móvel e desvio padrão no mercado ForEx Estudo heurístico de performance de estratégias de investimento simples baseadas na média móvel e desvio padrão no mercado ForEx Lucas Roberto da Silva Centro de Automação, Gestão e Pesquisa em finanças

Leia mais

TS03. Teste de Software ESTÁGIOS DO TESTE DE SOFTWARE. COTI Informática Escola de Nerds

TS03. Teste de Software ESTÁGIOS DO TESTE DE SOFTWARE. COTI Informática Escola de Nerds TS03 Teste de Software ESTÁGIOS DO TESTE DE SOFTWARE COTI Informática Escola de Nerds Teste do Desenvolvedor O Teste do Desenvolvedor denota os aspectos de design e implementação de teste mais apropriados

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD

ORIENTAÇÃO TÉCNICA - DISTRIBUIÇÃO PLANO DE CONTIGÊNCIA PARA OPERAÇÃO DO COD 1/6 1. Objetivo O objetivo desta orientação técnica é estabelecer planos de contingência a serem aplicados nos casos de alteração das condições normais de operação do COD, seja por motivo de concentração

Leia mais

Diagrama de Comunicação

Diagrama de Comunicação Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Referências: Booch, G. et al. The Unified Modeling Language User Guide Medeiros, E. Desenvolvendo Software

Leia mais

II Workshop. Modelagem Matemática Aplicada ao Controle da Dengue no Brasil. Promovido pela Rede PRONEX de Modelagem em Dengue.

II Workshop. Modelagem Matemática Aplicada ao Controle da Dengue no Brasil. Promovido pela Rede PRONEX de Modelagem em Dengue. II Workshop Modelagem Matemática Aplicada ao Controle da Dengue no Brasil Promovido pela Rede PRONEX de Modelagem em Dengue www.dengue.mat.br PROGRAMAÇÃO 11 a 13 de abril de 2012 INPE, São José dos Campos,

Leia mais

Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática

Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática Marília Lessa de Vasconcelos Queiroz, José Antonio Delfino Barbosa Filho, Frederico Márcio Corrêa Vieira Núcleo de Estudos em

Leia mais

SERVIÇO VORTEX DE REENGENHARIA ANTIPOLUIÇÃO

SERVIÇO VORTEX DE REENGENHARIA ANTIPOLUIÇÃO A.RESUMO EXECUTIVO Definições: O Controle de Poluição Atmosférica Industrial é composto pelo Desempoeiramento Industrial e pelo Tratamento Químico de Gases Efluentes. Um Sistema Antipoluição para Desempoeiramento

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURRÍCULO PLENO BACHARELADO 1 CICLO/MÓDULO A Ciências Exatas I Cálculo Diferencial 06 0 06 120 Desenho Técnico 0 02 02 40 Física I Mecânica da Partícula 04 02 06 120 Projeto

Leia mais

Anexo 1. Determinação do Índice de Massa Corporal* Estatuto de peso corporal <18.5 Falta de peso Normal

Anexo 1. Determinação do Índice de Massa Corporal* Estatuto de peso corporal <18.5 Falta de peso Normal Anexo 1 Determinação do Índice de Massa Corporal* O índice de massa corporal (BMI) é um instrumento utilizado para determinar o estatuto de peso corporal nos seres humanos. Os seus valores variam em função

Leia mais

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO DE ESTUDOS DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CEPAC

Leia mais

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Processamento da Informação. Equivalência Portugol Java. Linguagem Java

Bacharelado em Ciência e Tecnologia Processamento da Informação. Equivalência Portugol Java. Linguagem Java Linguagem Java Objetivos Compreender como desenvolver algoritmos básicos em JAVA Aprender como escrever programas na Linguagem JAVA baseando-se na Linguagem Portugol aprender as sintaxes equivalentes entre

Leia mais

Capítulo 8 Avaliação e Gerenciamento do Desempenho

Capítulo 8 Avaliação e Gerenciamento do Desempenho Capítulo 8 Avaliação e Gerenciamento do Desempenho slide 1 Objetivos de aprendizagem 1. Explicar o propósito da avaliação de desempenho. 2. Responder à pergunta: Quem deve fazer a avaliação?. 3. Discutir

Leia mais

BUSINESS PARTNER RH. Estratégias, funções e práticas

BUSINESS PARTNER RH. Estratégias, funções e práticas 1 BUSINESS PARTNER RH Estratégias, funções e práticas 2016 BUSINESS PARTNER - RH Estratégias, funções e práticas Dia 18 de agosto 12:30/13:15 Transamerica Expo Center Auditório Principal Espaço Corners

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Sistema para Observação Didática das Correntes de Fluxo de Ar no Efeito Chaminé

1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO Sistema para Observação Didática das Correntes de Fluxo de Ar no Efeito Chaminé 1 RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE TRABALHO Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação, Extensão e Cultura - ProPPEC Departamento de Pesquisa Programa de Bolsas do Artigo 170 1 TÍTULO DO PROJETO DE TRABALHO

Leia mais

Breve apresentação: Características básicas: Clube CNC

Breve apresentação: Características básicas: Clube CNC Breve apresentação: Este driver é um aperfeiçoamento do já conhecido Driver Apoena1. Possui todas as características do Driver Apoena1 com algumas inovações a mais: Ele possui um microcontrolador supervisionando

Leia mais

Relatório de análise estatística Bairro : Dois Irmãos Recife/PE

Relatório de análise estatística Bairro : Dois Irmãos Recife/PE Relatório de análise estatística Bairro : Dois Irmãos Recife/PE 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é determinar fatores de risco e proteção para a ocorrência de ovos do mosquito Aedes aegypti para

Leia mais

NOVIDADES/MELHORIAS ERP SOLUTION. Versão

NOVIDADES/MELHORIAS ERP SOLUTION. Versão VERSÃO 008.017 NOVID AD ES E MELHORIAS E107A9 Jéssica Pinheiro 20/01/2016 2/24 NOVIDADES/MELHORIAS ERP SOLUTION Versão 008.017 1. Envio de cópia de e-mail.... 3 2. Bloqueio de emissão de cupom fiscal com

Leia mais

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3.

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3. LABORATÓRIO CLIMÁTICO Doc Path: Z:\Qualidade\6 - Registros SQ\Rg012_Documentos\DMT - Doctos treinamento\dmt015 - Apresentação Lab Climatico\DMT015r3-0_Apresentacao_CLIM (TCL001).doc Este documento contém

Leia mais