Caprinocultura. Caprinocultura. Nome Caprinocultura Informação Produto Tecnológica Data Setembro Preço - Linha Caprinocultura Informações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caprinocultura. Caprinocultura. Nome Caprinocultura Informação Produto Tecnológica Data Setembro -2000 Preço - Linha Caprinocultura Informações"

Transcrição

1 1 de 9 10/16/aaaa 11:10 Caprinocultura Caprinocultura Nome Caprinocultura Informação Produto Tecnológica Data Setembro Preço - Linha Caprinocultura Informações Resenha resumidas sobre Caprinocultura Marcos Melo Meokarem- Autor(es) Zootecnista Heitor Bamberg Júnior - Engº Agrº Caprinocultura Menu Características Raças Atividade Sexual dos Caprinos Reprodução Cio Seleção de Reprodutores Seleção de Matrizes Estação de Reprodução Sistema de Acasalamento Método de Detecção de Prenhez Gestação Parto Manejo das Crias Descoma/Castração Manejo Sanitário Doenças 1 - Características Os caprinos são ruminantes com excelente capacidade de aproveitamento de forragens e subprodutos. Fornecem leite, carne com proteína de alto valor biológico e pele de excelente qualidade.

2 2 de 9 10/16/aaaa 11:10 Podem ser criados em pequenas áreas, pois são manejados com facilidade. Apresentam excelente adaptabilidade a diversos tipos de clima. Existem raças especializadas em: 2 - Raças produção de Leite ( Saanen, Pardo Alpina, Toggenburg ), Carne ( Anglo Nubiana, SRD, Boher, Bhuj Brasileira, La Mancha ),.dupla aptidão ( Anglo Nubiana, Mambrina ). Raças brasileiras: Moxotó, Repartida ou Surrão, Canindé, Marota ou Curaça, Gurguéia Atividade Sexual dos Caprinos O tamanho do dia ( fotoperíodo ) influencia a atividade sexual dos caprinos. No Nordeste do Brasil e Norte de Minas Gerais, onde a variação do fotoperíodo é reduzida, as cabras apresentam cio durante todo o ano, porém nas demais regiões, onde a variação do tamanho do dia é maior, as cabras apresentam vários cios durante o outono, e não manifestam cio no restante do ano Reprodução A puberdade dos caprinos depende : da raça,do sexo, do clima, da nutrição, do manejo e da sanidade. De modo geral, machos atingem a puberdade aos 4-5 meses, estando aptos à reprodução entre 6-8 meses de idade. A puberdade da fêmea chega entre 7-12 meses de idade ( kg peso vivo ), estando pronta para a reprodução

3 3 de 9 10/16/aaaa 11:10 quando atingir aproximadamente % do peso vivo de uma fêmea adulta de sua raça e ou tipo Cio O ciclo estral da cabra tem duração de 21 dias com a duração do estro ( cio verdadeiro) de 36 a 42 horas. Sinais característicos do cio: A fêmea fica inquieta. Monta as companheiras e se deixa montar A cauda apresenta movimentos laterais constantes. Berra freqüentemente. Apetite diminuído Procura o macho com grande interesse Vulva inchada, avermelhada e úmida Presença de secreção ( muco ). Observar o aspecto e a cor do muco: Início do cio : cristalino Durante o cio: creme claro Final do cio: esbranquiçado e viscoso 6 -Seleção de Reprodutores A escolha do reprodutor é fundamental para o sucesso da criação. Devemos selecionar os reprodutores a partir de 6 meses de idade, e no caso de compra-los, preferir animais entre 8-12 meses. Um bom reprodutor pode servir até 40 cabras na estação de monta. Características desejáveis: Padrão racial compatível com sua raça ou tipo. Não portar doenças, defeitos de aprumos. Sem defeitos nos cascos ou hereditários ( hérnia, agnatismo, prognatismo) Sem lesões penianas e com boa libido.

4 4 de 9 10/16/aaaa 11:10 Apresentar testículos normais ( exame andrológico ) Capacidade reprodutiva e fertilidade comprovadas. Aspecto masculino Obs.: Um reprodutor pode atuar no rebanho sem controle de cobertura, no máximo, de 2 a 3 anos, para evitar consangüinidade. 7 - Seleção de Matrizes O produtor deve definir se deseja produzir leite, carne ou pele, antes de selecionar suas matrizes. Características desejáveis: Aspecto feminino. Boa conformação do úbere com presença de apenas duas tetas. Evitar tetas demasiadamente grandes e/ou grossas. Boa aptidão para cria ( gestação e parto normais, habilidade materna ) Obs. Não adquirir matrizes com idade superior a 3 anos, ou que ainda não tenham parido. Observar os índices de fertilidade e produção das mães e crias. 8 - Estação de Reprodução Na região Centro-Sul do Brasil onde há grande variação do fotoperíodo a concentração da atividade sexual se dá nos meses de fevereiro a julho ( verão / outono ), com maior intensidade no mês de Abril. Em regiões onde a cabra cicla o ano todo ( ex.: Norte de Minas Gerais ) sugere-se a implementação de uma estação de monta e, em alguns casos, uma prática conhecida como sincronização de cios. Estas práticas favorecem o manejo reprodutivo, sanitário e alimentar, o melhoramento genético além de concentrar animais de mesmo porte para comercialização.

5 5 de 9 10/16/aaaa 11: Sistema de Acasalamento Observe, sempre, em qualquer sistema de acasalamento : Numero de saltos por reprodutor na estação de monta bode : meses: 25 saltos reprodutor adulto : 40 saltos Observar machos com a libido reduzida ( disposição para acasalamento ) Observar a repetição do cio em fêmeas ( proceder descarte orientado ) Monta natural Este sistema apresenta baixa produtividade. O macho fica junto com fêmeas a maior parte do ano, separando-se as cabras somente próximo da parição. Monta natural controlada / inseminação artificial Deixar o rufião com as fêmeas no piquete ou centros de manejo por 24 horas. Observar cuidadosamente as fêmeas 2 vezes por dia para detectar o cio. Momento ideal para a inseminação artificial O melhor momento se dá no intervalo de 12 a 18 horas após a aceitação da monta pelo rufião ou quando o muco vaginal tiver coloração CREME-CLARO e aspecto viscoso. Na prática, usa-se inseminar à tarde aquelas cabras que foram marcadas pelo rufião de manhã. As cabras marcadas pelo rufião à tarde, deverão ser inseminadas na manhã do dia seguinte Método de Detecção de Prenhez A - Dosagem de Progesterona no sangue : Realizada a partir de 21 dias da cobertura, com 98 % de confiabilidade. B - Ultra-som: Doppler ultra-sônico Detecta o pulso e os batimentos cardíacos do feto, a partir de 60 dias de gestação. Eco ultra-sônico Detecta a presença do líquido aminiótico entre 60 e 90 dias de gestação.

6 6 de 9 10/16/aaaa 11:10 C - Palpação Abdominal Externa Presença do feto na parte inferior do flanco direito. Melhores resultados após os 100 dias de gestação Gestação A duração da gestação da cabra varia de 146 a 150 dias, dependendo da raça, alimentação, etc.. A gestação de partos duplos é normalmente mais longa. Aproximadamente 70% do desenvolvimento fetal ocorre no terço final da gestação, ou seja, nos últimos 45 a 49 dias. Esta é a fase de maior exigência nutricional da cabra. Características da cabra gestante : Ausência do cio. Total desinteresse pelo macho Tranqüila Facilidade de engorda Após a metade da gestação, observa-se queda na produção de leite e crescimento do ventre. Próximo ao parto, nota-se aumento do volume do úbere, dilatação das tetas, e a garupa apresenta-se descarnada e caída.. Obs.: Recomenda-se secar a cabra 60 dias antes do parto Parto Quando aproxima-se o parto, a fêmea apresenta-se inquieta (deita/levanta), com modificações na garupa e depressão nos flancos; observa-se um corrimento opaco, ligeiramente amarelo. O tempo de nascimento é de aproximadamente 30 minutos. O animal sai normalmente de frente, com a cabeça entre as patas. É freqüente ocorrer parto duplo Manejo das Crias

7 7 de 9 10/16/aaaa 11:10 O produtor deve auxiliar o cabrito na primeira mamada para garantir a ingestão do colostro, essencial para a sobrevivência da cria. No caso de administração artificial de colostro, fornecer de 5 a 7 % do peso vivo do animal / dia. O umbigo deve ser cortado a 2 cm do abdome e desinfetado com tintura de Iodo a 10% por 2 a 3 dias. As crias devem ser mantidas no aprisco ( limpo, seco e arejado, protegido da chuva, ventos e frio ) por 15 a 20 dias, quando então poderão ter acesso às pastagens. Na caprinocultura de leite, as crias são separadas das mães imediatamente após o parto. Recebem leite artificialmente em mamadeiras ou baldes. Pode-se utilizar leite de vaca. A quantidade de leite por cabrito varia de 1 a 2 kg / dia, dependendo da faixa etária. A partir do 2º dia, fornecer feno e ração balanceada para estimular o desenvolvimento do rúmen. Obs.: Quando o cabrito é separado da mãe logo após o nascimento, o colostro deve ser pasteurizado e fornecido em mamadeiras nas 6 primeiras horas após o nascimento. Desmame As crias devem ser desmamadas e separadas por sexo aos 112 dias de idade. Recomenda-se o tratamento contra verminoses ao desmame e a suplementação alimentar, caso seja época da seca Descoma / Castração Realizar a descorna em cabritos com idade inferior a 10 dias, cortando-se os botões dos chifres e cauterizando-os com ferro em brasa. A castração é realizada a partir de 10 dias de idade e proporciona uma carne mais tenra, sem sabor e/ou odor desagradáveis. A castração pode ser cirúrgica, com a utilização do Burdizzo ou Anel Elástico. Para selecionar reprodutores espere até os 6-8 meses, a fim de avaliar melhor o desempenho ponderal Manejo sanitário

8 8 de 9 10/16/aaaa 11:10 A verminose é a principal causa da mortalidade de caprinos jovens. Bons resultados são alcançados com 3 tratamentos anti-helmínticos na estação seca e 1 tratamento, no meio da estação chuvosa. Outras recomendações : Utilizar vermífugo nas cabras 2-3 semanas antes da estação de monta Utilizar vermífugo nas cabras um mês antes e dias após a parição. Utilizar vermífugo nos cabritos 30 dias após a saída para o pasto. Utilizar vermífugo nos cabritos ao desmame ( 3-4 meses ) Utilizar vermífugo de uso oral ou injetável, alternando sempre o princípio ativo. Limpar e desinfetar as instalações ( formol comercial a 5%, soda cáustica a 2%, e produtos comerciais ) Utilizar esterqueiras e lança - chamas Fazer rotação de pastagens ( evitar o superpastejo ) Separar os animais por idade Utilizar vermífugo nos animais ao trocar de área Após a aplicação do vermífugo, manter os animais no mínimo 24 horas nas instalações e desinfetar o local após a saída do lote. Vedar o pasto onde estavam os animais por 21 dias 16 - Doenças Muitas doenças acometem os caprinos, causando enormes prejuízos. O produtor deve vacinar seus animais periodicamente, contra raiva, febre aftosa, carbúnculo sintomático e outras de acordo com orientação. Tomar as medidas profiláticas para evitar o surgimento e a instalação de doenças. Nota: Consulte um médico veterinário sempre que notar quaisquer alterações na saúde do rebanho. Principais doenças : Linfadenite caseosa : mal do - caroço Boqueira : ectima contagioso CAEV: artrite encefalite caprina a vírus Pododermite: doença dos cascos Ceratoconjuntivite infecciosa.

9 9 de 9 10/16/aaaa 11:10

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia

Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Gabriel Mantelato Rogatto Graduando 3º ano Zootecnia Introdução Brasil -> Nordeste Maior Produtor II)Canindé - Leite I)Boer - Carne III)Saanen - Leite Retirado de: www.caprilproduction.com Manejo Reprodutivo

Leia mais

CUROS DE OVINOCULTOR Disciplina: Manejo geral de Ovinos Prof. Weberte Alan Sombra Curso FIC

CUROS DE OVINOCULTOR Disciplina: Manejo geral de Ovinos Prof. Weberte Alan Sombra Curso FIC Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará CUROS DE OVINOCULTOR Disciplina: Manejo geral de Ovinos

Leia mais

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013

Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro Disciplina de Caprinocultura 2013 Manejo reprodutivo de caprinos Qual a importância de um bom manejo reprodutivo? Determina a eficiência do sistema de produção Estacionalidade

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS Prof. Dr. Jurandir Ferreira da Cruz Eng. Agr. Rita de Cássia Nunes Ferraz Introdução A eficiência da produção de um rebanho está diretamente relacionada com o número

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/pecuaria/inseminacao.ht... Página 1 de 6 Pecuária Inseminação Artificial em Bovinos Nome Inseminação Artificial em Bovinos Produto Informação Tecnológica Data Agosto - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013 RAÇAS DE CAPRINOS Profa. Alda Monteiro - 2013 As raças de cabras estão reunidas em 3 troncos distintos, sendo aceitas as subdivisões que se seguem: Tronco europeu: raças do sub-tronco europeu alpino, com

Leia mais

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação

MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS. Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação MANEJO GERAL DE REBANHO POR CATEGORIAS Cabras em gestação e lactação; cabritos em crescimento, desmame e terminação CABRAS GESTANTES Primeira fase (fase inicial): da cobertura até o terceiro mês de gestação:

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5

INFORMATIVO. Cruzamento Industrial e suas vantagens Pág. 5 INFORMATIVO Bauru, 21 de março 2008 nº 012 Saiba como aumentar a fertilidade em seu rebanho Pág. 2 O Informativo NOBRE desse mês, trás uma série de informações para seus leitores,sobretudo para quem deseja

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Diagnóstico do cio e manejo da cobertura: Tarefas importantes na criação Isabel R. Scheid 1 Ivo

Leia mais

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS

COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS COMO INICIAR UMA CRIAÇÃO DE OVINOS Cristiane Otto de Sá 1 e José Luiz de Sá 2 1. QUE TIPO DE PESSOA TEM VOCAÇÃO PARA CRIAR OVINOS O ovino foi um dos primeiros animais a ser domesticado pelo homem. Após

Leia mais

Criação de Porco Caipira

Criação de Porco Caipira Criação de Porco Caipira CRIAÇÃO DE PORCO CAIPIRA 1 - INTRODUÇÃO A criação de porco caipira, também chamada criação extensiva de suínos, criação tradicional de porcos ou criação de porco-banha, está presente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA BOVINOS LEITEIROS Prof. Ricardo Alexandre Silva Pessoa MANEJO DE VACAS SECAS E PERÍODO DE TRANSIÇÃO ponto de vista tecnológico = alimentar

Leia mais

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013

Nutrição e alimentação de ovinos. Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 Nutrição e alimentação de ovinos Profª Drª Alda Lúcia Gomes Monteiro 2013 EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS PARA OVINOS Tabelas de Exigências Nutricionais: NRC 1985 Primeira tabela de exigências nutricionais para

Leia mais

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE

PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE PRIMEIRO CIO PÓS-PARTO DAS CABRAS E OVELHAS NO NORDESTE Prof. Adelmo Ferreira de Santana Caprinocultura e Ovinocultura E-mail afs@ufba.br Departamento de Produção Animal Escola de Medicina Veterinária

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

Sistema Integrado Tropicana. Manual Tropicana de Manejo

Sistema Integrado Tropicana. Manual Tropicana de Manejo Sistema Integrado Tropicana Manual Tropicana de Manejo Manual Tropicana de Manejo INTRODUÇÃO Vantagens proporcionadas pela Estação de Monta No período de acasalamento No parto e nascimento Na desmama Na

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS

PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS PRÁTICAS DE MANEJO PARA CORRETA CRIAÇÃO DE BEZERRAS LEITEIRAS Ricardo Dias Signoretti 1 Em sistemas de produção de bovinos leiteiros a criação de bezerras na fase compreendida do nascimento ao desaleitamento,

Leia mais

Manual. do Produtor. de bezerro de corte

Manual. do Produtor. de bezerro de corte Manual do Produtor de bezerro de corte INTRODUÇÃO 02 A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracterizase como um período fundamental no processo de produção. As técnicas

Leia mais

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO!

PROJETO PECUÁRIO A EQUIPE DEVERÁ DEFENDER SUA A PROPOSTA NA APRESENTAÇÃO! PROJETO PECUÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE Nome: Sr. João das Rosas PROPOSTA DE FINANCIAMENTO (por ano) Finalidade : Custeio Pecuário - O cálculo do valor proposto deve ser com base no número de animais

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

MANUAL DO CRIADOR - Caprinos e Ovinos -

MANUAL DO CRIADOR - Caprinos e Ovinos - MANUAL DO CRIADOR - Caprinos e Ovinos - E-mail: caprileite@terra com.br Página na internet: www.accomig.com.br. 2 1. Introdução É importante definir o tipo de exploração leite, carne, lã, pêlos, pele,

Leia mais

Coleta e Análise de Dados

Coleta e Análise de Dados Uma ferramenta para melhorar os resultados no campo Renato Pavan Anderlini Médico Veterinário Mestrado UNESP Botucatu Cel: (11) 986 770 089 renato.pavan@multbovinos.com.br BeefExpo 2015 O que são dados?

Leia mais

ABC. da Agricultura Familiar. Criação de caprinos e ovinos

ABC. da Agricultura Familiar. Criação de caprinos e ovinos ABC da Agricultura Familiar Criação de caprinos e ovinos Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Informação Tecnológica Embrapa Caprinos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Indução e sincronização de cio em caprinos

Indução e sincronização de cio em caprinos Indução e sincronização de cio em caprinos Plínio de Oliveira FASSIO 1 ; Larissa de Oliveira FASSIO 2 ; Angélica Campos MARTINS 3 ; Claudiane de Assis SOUZA 3 ; Vanessa Daniela Lázara de ASSIS 3 ; André

Leia mais

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES

NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES NUTRIÇÃO DE OVELHAS GESTANTES Acadêmicas: Caroline Wrague e Luiza P. Nunes INTRODUÇÃO: A produção ovina ocorre predominantemente em sistemas de criação extensiva no Sul do Brasil. A quantidade e qualidade

Leia mais

Ciclo pecuário. Comportamento de preços

Ciclo pecuário. Comportamento de preços Comportamento de preços... Continuação da aula anterior 3 fenômenos de preço Sazonalidade: seca e águas / safra entre safra Ciclo da pecuária: Flutuação de preços que ocorre periodicamente na comercialização

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

Reprodução e Melhoramento

Reprodução e Melhoramento 2015, Hugo Novo e Laura Moura Animais em estado natural: 1 gestação/ano, parto a Primavera (crescimento dos dias, aumento de temperatura, maior produção vegetal) Animais domesticados: gestação em qualquer

Leia mais

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE

O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE O MANEJO SANITÁRIO E SUA IMPORTÂNCIA NO NOVO CONTEXTO DO AGRONEGÓCIO DA PRODUÇÃO DE PECUÁRIA DE CORTE Guilherme Augusto Vieira, MV, MSc gavet@uol.com.br 1 Danilo Gusmão de Quadros, Eng.Agro,DSc - uneb_neppa@yahoo.com.br

Leia mais

CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira.

CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira. CRIAÇÃO DE BEZERRAS EM ALEITAMENTO ARTIFICAL. Med. Vet. Eduardo Lopes de Oliveira. Cuidados Iniciais Fornecimento do Colostro Cura do Umbigo Identificação com brinco e tatuagem Remoção de tetas supranumerárias

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste

SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste SANTA INÊS: Uma boa alternativa para a produção intensiva de carne de cordeiros na região Sudeste INTRODUÇÃO Mauro Sartori Bueno Eduardo Antonio da Cunha Luiz Eduardo dos Santos Cecília José Veríssimo

Leia mais

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br

Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Sistemas de produção em bovinos de corte. Zootecnista José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br CLASSIFICAÇÃO NÍVEL DE TECNOLOGIA ADOTADO: extensivo, semi-extensivo, semi-intensivo e intensivo

Leia mais

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos

Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos Define-se como hipotermia (hipo: diminuição e termia: temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal,

Leia mais

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada.

Introdução. estacionalidade reprodutiva é o fotoperíodo, caso a nutrição esteja adequada. !"#"! $"%!! Introdução Durante sua evolução, os ovinos e os caprinos desenvolveram alternativas reprodutivas para assegurar o nascimento de suas crias nos períodos de maior fartura de água e alimentos.

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=340>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Manejo e comportamento reprodutivo de cabras 1 Victor Costa e Silva 2 1 Parte da monografia

Leia mais

Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais. Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago

Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais. Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago Projeto NELOGIR. Cruzamento Nelore x Gir como matriz para F1. Resultados parciais Dr. Ronaldo Lazzarini Santiago Colonial Agropecuária e Fazenda Calciolândia F-1, A MATRIZ MAIS ADEQUADA AO SISTEMA DE PRODUÇÃO

Leia mais

Projeto SIMGIR. 1 Introdução. 2 Escolha das Raças. 3 Parceria. 4 Produção. 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais. Receptoras.

Projeto SIMGIR. 1 Introdução. 2 Escolha das Raças. 3 Parceria. 4 Produção. 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais. Receptoras. Projeto SIMGIR 1 1 Introdução 2 Escolha das Raças 3 Parceria 4 Produção 5 Anexos: 5-1 Normas de Identificação de Animais Receptoras Bezerras F1 5-2 Calendário de Manejo 5-3 Projeto de Comercialização dos

Leia mais

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura!

ÍNDICE: INTRODUÇÃO: No final são apresentados os níveis de garantia dos nossos produtos. Boa leitura! ÍNDICE: INTRODUÇÃO: Este manual tem a finalidade de orientar os produtores, técnicos e vendedores a respeito da forma correta para a utilização de suplementos minerais, suplementos minerais protéicos,

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS]

[CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] [CICLO ESTRAL (CIO) NAS CADELAS] Somente as cadelas possuem ciclo estral e os machos sentem se atraídos pelas que estão no cio; 2 Ciclo estral (cio) nas cadelas O início dos cios nas cadelas sadias ocorre

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br

M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br M.V. Nathalia Angelo Avilla Especializada em Medicina Felina Email: animalvet@terra.com.br Os Felinos domésticos no geral tem sua domesticação recente quando comparada ao cão; Os gatos de raça pura para

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

Sílvio Renato Oliveira Menegassi Júlio Otávio Jardim Barcellos Leonardo Canali Canellas Tamara Esteves de Oliveira Jean Carlos dos Reis Soares

Sílvio Renato Oliveira Menegassi Júlio Otávio Jardim Barcellos Leonardo Canali Canellas Tamara Esteves de Oliveira Jean Carlos dos Reis Soares Sílvio Renato Oliveira Menegassi Júlio Otávio Jardim Barcellos Leonardo Canali Canellas Tamara Esteves de Oliveira Jean Carlos dos Reis Soares UFRGS FACULDADE DE AGRONOMIA DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA NESPRO

Leia mais

Importância do cachaço. Manejo do cachaço. Funções do cachaço. Preparação de cachaços jovens. Causas de impotência coeundi

Importância do cachaço. Manejo do cachaço. Funções do cachaço. Preparação de cachaços jovens. Causas de impotência coeundi Disciplina AZ044 - Suinocultura Manejo do cachaço Prof. Marson Bruck Warpechowski Importância do cachaço Eficiência reprodutiva: precocidade sexual, ritmo reprodutivo, raças e cruzamentos, alimentação,

Leia mais

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS

BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO BOVINOS RAÇAS SINTÉTICAS Disciplina: Exterior e raças Prof. Mauricio van Tilburg

Leia mais

CRIAÇÃO DE CABRAS LEITEIRAS

CRIAÇÃO DE CABRAS LEITEIRAS CRIAÇÃO DE CABRAS LEITEIRAS PRINCIPIOS E RECOMENDAÇÕES ATIVIDADE CAPRINOCULTURA LEITEIRA É UM DOS RAMOS QUE MAIS TEM SE DESENVOLVIDO NO PAÍS, SENDO UMA OPÇÃO VIÁVEL AO PEQUENO PRODUTOR DE LEITE DE VACA,

Leia mais

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO

MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO AZ042 Bovinocultura de Leite Aula 09 MANEJO E ALIMENTAÇÃO DE VACAS EM LACTAÇÃO Prof. Rodrigo de Almeida Ciclo de Produção - Curva de Lactação - Consumo de Matéria Seca - Escore de Condição Corporal - Desenvolvimento

Leia mais

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto

Nutrição e Manejo de Vacas de leite no pré-parto FCA-UNESP-FMVZ Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR Departamento de Melhoramento e Nutrição Animal-DMNA Site: www.gruponutrir.com.br diretorianutrir@gmail.com Nutrição e Manejo de Vacas de leite

Leia mais

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE

DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE-CAMPUS CONCÓRDIA DESEMPENHO REPRODUTIVO DE UM REBANHO OVINO DA RAÇA TEXEL NA REGIÃO DO ALTO URUGUAI CATARINENSE RODRIGO KRAMER RODRIGUES- Aluno do curso de M. Veterinária

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Conheça a primeira central de inseminação do mundo.

Conheça a primeira central de inseminação do mundo. Conheça a primeira central de inseminação do mundo. A primeira central de inseminação do mundo nasceu nos Estados Unidos e veste verde e amarelo há mais de 40 anos. A C.R.I. Genética é uma cooperativa

Leia mais

Prof. Cassio C. Brauner DZ FAEM -UFPel

Prof. Cassio C. Brauner DZ FAEM -UFPel Prof. Cassio C. Brauner DZ FAEM -UFPel Ciclo estral Poliéstricas estacionais Ciclos estrais normais durante uma determinada época do ano. Ciclo estral Poliéstricas estacionais Em zonas temperadas ambos

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Código da Disciplina: ZOO 05453 Disciplina: Bovinocultura de Leite PROGRAMA DA DISCIPLINA CAMPUS: Alegre CURSO:

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO E DO MANEJO DE VACAS LEITEIRAS EM PRODUÇÃO 1 Ricardo Dias Signoretti A atual situação econômica da cadeia produtiva do leite exige que os produtores realizem todas as atividades

Leia mais

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar

Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar ISSN 0103-376X Setembro, 2006 Instruções e planilhas para o controle de produção visando o melhoramento genético na bovinocultura de corte de base familiar 57 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Entrevistado: Marcelo Brandi Vieira Mestre em Reprodução Animal Diretor Técnico da Progen Inseminação Artificial BI: Qual a importância da Inseminação Artificial

Leia mais

Manual de Instruções DataCollection. Nome do Documento. Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.80

Manual de Instruções DataCollection. Nome do Documento. Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.80 Nome do Documento Novas Funcionalidades DataCollection versão 2.80 1. Carregar Observações O DataCollection permite que o usuário insira observações específicas aos animais. Estas observações serão exibidas

Leia mais

MANEJO DE BOVINOS LEITEIROS ADULTOS

MANEJO DE BOVINOS LEITEIROS ADULTOS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA CAMPUS DE ARAÇATUBA MANEJO DE BOVINOS LEITEIROS ADULTOS Prof. CECILIO VIEGA SOARES FILHO, Eng. Agr. Doutor em Produção Animal ARAÇATUBA - SP

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

Clube de Desbravadores - Estrela do Amanhã. Especialidade de Animais Domésticos EN03

Clube de Desbravadores - Estrela do Amanhã. Especialidade de Animais Domésticos EN03 Clube de Desbravadores - Estrela do Amanhã Especialidade de Animais Domésticos EN03 Khelven Klay Líder Graduando do Curso de Zootecnia/UFRN O hábito do ser humano de ter um cão ou um gato como animal doméstico

Leia mais

Bovinos de leite. Exognósia e Maneio Animal 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO

Bovinos de leite. Exognósia e Maneio Animal 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO Exognósia e Maneio Animal 4 de Novembro de 2008 Bovinos de leite 9. CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS DO GADO BOVINO E ZEBUÍNO Paulo P. Cortez IV. Principais raças de aptidão leiteira Instituto de Ciências

Leia mais

PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013

PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013 PADS 2013 PROVA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SENEPOL 2013 1. Introdução A PADS 2013, a ser promovida e organizada pelo Núcleo de Melhoramento da Raça Senepol sob supervisão técnica do GENEPLUS - Programa

Leia mais

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS:

AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: CENTRO DE ESTUDOS DE PEQUENOS RUMINANTES AUMENTO DA ASSINALAÇÃO DE CORDEIROS: Luiz Alberto O. Ribeiro Departamento de Medicina Animal Faculdade de Veterinária Porto Alegre / BRASIL Causas do baixo desempenho

Leia mais

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO

COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO COLOSTRAGEM DO BEZERRO RECÉM-NASCIDO O colostro é o leite obtido na primeira ordenha após o parto. Da segunda à 10 a ordenha pós-parto, o leite obtido se chama leite de transição, pois vai ficando mais

Leia mais