PRI 638/311 DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO IMPACTO SEGUNDO ISO INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRI 638/311 DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO IMPACTO SEGUNDO ISO INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS"

Transcrição

1 PRI 638/311 DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO IMPACTO SEGUNDO ISO INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS REVISÃO 02 PÁGINA 1 DE 5 DOCUMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - PROCEDIMENTO 1 OBJETIVO Este documento descreve o método de ensaio para a determinação da resistência ao impacto em próteses mamárias de silicone, conforme ISO Anexo E2. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO O conteúdo deste documento é válido para o Laboratório do Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros. 3 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA ISO 14607:2007(E) Non-active surgical implants - Mammary implants - Particular requirements 4 DEFINIÇÕES IMPLANTE MAMÁRIO Implante planejado para adicionar ou substituir volume do seio PROJEÇÃO ANTERIOR Altura máxima do implante quando colocado com sua base sobre uma superfície horizontal plana, com seu volume nominal. 5 AUTORIDADE E RESPONSABILIDADE Revisão: Verificação: Emitente: Aprovação: Josemar Luis Stefens Marcelo Alves de Carvalho Taís Cristina dos Santos Machado Viviane Meyer Hammel Lovison 6 METODOLOGIA/DETALHAMENTO Este ensaio é baseado na queda livre de uma massa padrão (4,4 kg), sobre o implante e a transição de um valor de força especificada para o mesmo, que é proporcional à massa do implante. A força do impacto pode ser modificada por meio de ajuste da distância vertical (altura da queda). 6.1 APARELHAGEM Balança Semi Analítica BL3200H Com capacidade de medição de no mínimo 3200 g e resolução de + 0,1 g Dispositivo para Ensaio de Impacto

2 O equipamento para o ensaio de resistência ao impacto em próteses mamária de silicone, consiste em uma estrutura metálica com régua graduada de 99 cm em sua altura e um dispositivo móvel, massa padrão de (4,4kg), conforme mostra a Figura 1. Massa móvel Gabarito Altura de Queda Base da superfície de queda Prótese de Silicone centralizada Régua Graduada Figura 1 - Dispositivo para ensaio de resistência ao impacto em próteses de silicone e prótese a ser ensaiada 6.2 PREPARAÇÃO DOS CORPOS DE PROVA Identificar e numerar os corpos de prova utilizando caneta adequada Para realização deste ensaio, serão necessárias duas próteses. 6.3 CONDICIONAMENTO DOS CORPOS DE PROVA A temperatura de ensaio deve ser entre 23 2 C, sendo que os corpos de prova devem ser preferencialmente pré-condicionados durante o mínimo de 3 horas nestas condições antes da realização do ensaio Caso haja solicitação de que o teste seja feito em temperatura diferente da indicada, essa deve constar no relatório. 6.4 EXECUÇÃO DO ENSAIO Preencher todos os campos do documento no RQ 638/311 Determinação da Resistência ao Impacto segundo ISO Anexo I Com o auxílio de uma balança, efetuar a pesagem de cada prótese mamária. Registrar no campo a massa da amostra, com aproximação de 0,1 g no RQ 638/311/01 Determinação da Resistência ao Impacto segundo ISO Anexo I. REVISÃO 02 - Confira a lista mestra para assegurar o uso da revisão atualizada 2/5

3 6.4.3 A altura da queda da massa móvel sobre a prótese é dada pelas equaçães: h (mm) = 0,95 x (m) h (cm) = h (mm) 10 Onde: h = altura da queda; m = massa do implante, em gramas (g) Calcular a altura da queda em centímetros, especificada de acordo com a massa do implante, como descrito no item 6.4.3, para cada prótese mamária. Registrar no campo altura de queda com aproximação 0,1cm no RQ 638/311/01 Determinação da Resistência ao Impacto segundo ISO Anexo I Utilizando a régua graduada posicionar a placa móvel (4,4Kg), de modo que a distância total entre a sua superfície inferior e a base da superfície de queda, corresponda à altura da queda (h) calculada no item 6.4.3, conforme mostra Figura Centralizar a prótese de silicone diretamente sob a superfície de queda, com auxílio do gabarito na base da superfície de queda, conforme mostra Figura Soltar a placa de impacto sobre a prótese de silicone Inspecionar o implante submetido ao impacto para verificar se ocorreu rupturas ou outro dano qualquer na amostra ensaiada e registrar no RQ 638/311/01 Determinação da Resistência ao Impacto segundo ISO Anexo I Proceder para cada corpo de prova apartir do item RESULTADOS As amostras ensaiadas não devem apresentar com avaliação visual rupturas após queda. Registrar os resultados no RQ 638/311/01 - Determinação da resistência ao impacto segundo ISO Anexo I. 6.6 RESÍDUOS DE ENSAIOS Os resíduos dos ensaios devem ser descartados conforme orientações do documento Armazenamento e Descarte de Produtos Químicos - PRI 638/ DOCUMENTAÇÃO A apresentação dos resultados dos ensaios deve ser efetuada conforme documento Apresentação dos Resultados dos Ensaios - PRI 638/3; No relatório deve constar: - Identificação completa do material ensaiado; - Os resultados do ensaio, conforme item 6.5; - Norma de referência utilizada; - Número de corpos de prova testados; REVISÃO 02 - Confira a lista mestra para assegurar o uso da revisão atualizada 3/5

4 - O número de horas do condicionamento dos corpos de prova; - Temperatura do laboratório de ensaio, se diferente do especificado; A utilização dos equipamentos deve ser registrada e controlada conforme documento Controle dos Equipamentos - PRI 638/ ARQUIVAMENTO O controle e arquivamento dos registros da qualidade, já utilizados, devem ser efetuados conforme orientações do documento PRR GEITEC/3 Elaboração e Controle de Documentos do Sistema de Gestão. O armazenamento das amostras deve ser efetuado conforme documento Armazenamento das Amostras em Ensaio e Contraprovas - PRI 638/7. 7 REGISTROS DA QUALIDADE - RQ 638/311/01 - Determinação da resistência ao impacto segundo ISO Anexo I. 8 ALTERAÇÕES Revisão: 01 - No item 1 e 3 foi realizada a adequação do nome da norma - No item descrito o cálculo de forma mais clara. Revisão: 02 - No item 5, inclusão das responsabilidades pela revisão, verificação, emissão. - Item 6.8, alterado procedimento PRR EQS/4 para PRR GEITEC/3. - Alterado nome do laboratório de CETEPO para Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros. REVISÃO 02 - Confira a lista mestra para assegurar o uso da revisão atualizada 4/5

5 ANEXO I INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS RQ 638/311/01/02 DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA AO IMPACTO SEGUNDO ISO ORDEM DE SERVIÇO N º: DATA: / / TÉC. EXECUTOR: MÉTODO: ISO (E) ANEXO E2. DISPOSITIVO PARA ENSAIO DE IMPACTO: ES022. BALANÇA SEMI ANALÍTICA BL3200H DATA E HORA DO CONDICIONAMENTO DOS CDP A 23 2 C OUTRO: INÍCIO: / / h min FIM: / / h min Nº DE HORAS DE CONDICIONAMENTO: 3hs OUTRO: CONDICIONAMENTO EM: CÂMARA CLIMÁTICA LABORATÓRIO FÍSICO CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO LABORATÓRIO: 23 2 C AMOSTRA: CDP Massa da amostra (g) Altura de Queda (cm) Resultados 1 Apresentou Rupturas: SIM NÃO 2 Apresentou Rupturas: SIM NÃO 3 Apresentou Rupturas: SIM NÃO 4 Apresentou Rupturas: SIM NÃO 5 Apresentou Rupturas: SIM NÃO Resultado APROVADA NÃO APROVADA OBSERVAÇÃO: A altura da queda (cm) é dada pelas equações: Onde: h (mm) = 0,95 x (m) h (cm) = h (mm) 10 h = altura da queda (cm); m = massa do implante, em gramas (g). REVISÃO 02 - Confira a lista mestra para assegurar o uso da revisão atualizada 5/5

O conteúdo desse procedimento é válido para o Laboratório do Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros.

O conteúdo desse procedimento é válido para o Laboratório do Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros. PRI 638/326 DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE VOLUMÉTRICA DE SACOS PARA ACONDICIONAMENTO DE LIXO REVISÃO 03 PÁGINA 1 DE 8 INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS DOCUMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

O conteúdo desse procedimento é válido para o Laboratório do Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros.

O conteúdo desse procedimento é válido para o Laboratório do Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros. PRI 638/162 COLETA DE AMOSTRAS DE AR PARA DETERMINAÇÃO DE N-NITROSAMINAS EM AMBIENTE DE TRABALHO REVISÃO 02 PÁGINA 1 DE 5 INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS DOCUMENTO DO SISTEMA DE

Leia mais

Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM

Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM 54 4.4.2 Ensaio de impacto Foram realizados nos corpos de prova prismáticos com base no método A da norma ASTM D 256-03 (método Izod), na temperatura de 28 C, em um equipamento de impacto por pêndulo conforme

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DETERMINAÇÃO DAS RESISTÊNCIAS MECÂNICAS DO CIMENTO. DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Regulamento UTFPR- 2015

Regulamento UTFPR- 2015 5ª Competição de Ponte de Macarrão da UTFPR- Câmpus Pato Branco Departamento de Engenharia Civil Universidade Tecnológica Federal do Paraná a) Disposições gerais: Regulamento UTFPR- 2015 1. Cada grupo

Leia mais

Este documento aplica-se ao Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros.

Este documento aplica-se ao Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros. PRI 638/1 RECEPÇÃO E EXPEDIÇÃO DE SERVIÇOS DE STI INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM ENGENHARIA DE POLÍMEROS REVISÃO 03 PÁGINA 1 DE 20 DOCUMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - PROCEDIMENTO 1. OBJETIVO

Leia mais

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO IMEDIATA E APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS EM ESTUFA

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO IMEDIATA E APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS EM ESTUFA Método de Ensaio Folha : 1 de 11 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem 6_ Execução do ensaio 7_ Resultados 8_ Anexos A, B, C, D, E e F 1_ OBJETIVO

Leia mais

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS AO AR

COLA PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO APÓS CÂMARA ÚMIDA DE CORPOS DE PROVA COLADOS AO AR Método de Ensaio Folha : 1 de 10 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem 6_ Execução do ensaio 7_ Resultados 8_ Anexos A, B, C, D, E e F. 1_ OBJETIVO

Leia mais

ENSAIO DE PENETRAÇÃO DA IMPRIMADURA

ENSAIO DE PENETRAÇÃO DA IMPRIMADURA Métodos de Ensaios: Penetração da Imprimadura ENSAIO DE PENETRAÇÃO DA IMPRIMADURA 1. OBJETIVO Este ensaio tem como objetivo determinar, em laboratório, a quantidade e tipo de imprimadura betuminosa adequada

Leia mais

Ensaio Visual e Dimensional Duração: 180 minutos. 1ª PARTE Inspeção Visual e Dimensional de Juntas. Preparadas Para Soldagem

Ensaio Visual e Dimensional Duração: 180 minutos. 1ª PARTE Inspeção Visual e Dimensional de Juntas. Preparadas Para Soldagem Ensaio Visual e Dimensional Duração: 180 minutos Introdução Nesta prova prática, o aluno deve verificar as condições exigíveis para a realização de ensaio visual e dimensional de juntas preparadas para

Leia mais

RELATÓRIO DE RESULTADOS. ENSAIO BALÍSTICO PARA DETERMINAÇÃO DA V 50 COMPARATIVO CDP s PLANOS & CURVOS REL. N TEC/

RELATÓRIO DE RESULTADOS. ENSAIO BALÍSTICO PARA DETERMINAÇÃO DA V 50 COMPARATIVO CDP s PLANOS & CURVOS REL. N TEC/ RELATÓRIO DE RESULTADOS ENSAIO BALÍSTICO PARA DETERMINAÇÃO DA V 50 COMPARATIVO CDP s PLANOS & CURVOS REL. N TEC/15-2012 Campo Limpo Paulista, 03 de setembro de 2012 1- INTRODUÇÃO Este relatório apresenta

Leia mais

DIRETORIA SUPERINTENDENTE EIP GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 ESPECIFICAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO 02-18/03/96 PRODUTO CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA SUPERINTENDENTE EIP GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 ESPECIFICAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO 02-18/03/96 PRODUTO CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Compras Suc GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 02 GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01/01 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 0

Leia mais

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR /

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR / Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR 15270-1 / 15270-2 Página 1/1 Revisão: 01 Data: 05/05/2016 Código: FT - 076 FORNECEDOR: ENDEREÇO

Leia mais

Conceitos e ferramentas da qualidade. PROFESSORA: Erika Liz

Conceitos e ferramentas da qualidade. PROFESSORA: Erika Liz Conceitos e ferramentas da qualidade PROFESSORA: Erika Liz Introdução e Definições As organizações, ao longo de suas existências, sempre buscaram, ainda que de modo empírico, caminhos para suas sobrevivência

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO N.º 0826 / 2005

RELATÓRIO DE ENSAIO N.º 0826 / 2005 Pág.: 1 / 16 INTERESSADO: INOVATEC ENGENHARIA E TECNOLOGIA LTDA. NATUREZA DO TRABALHO: Verificação da resistência à impactos de corpo mole e impactos de corpo duro, Comportamento sob ação de cargas provenientes

Leia mais

Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA.

Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA. RL 0154 acordo com a NBR ISO/IE 17025 Relatório de Análises e Ensaios de Produtos (RAE) N.º 1220705 Pág.: 1 / 5 Data de emissão: 03/08/2005 1 Solicitante: BVQI do Brasil Sociedade ertificadora Ltda. Rua:

Leia mais

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega NBR NM 65 CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega OBJETIVO: CIMENTO TEMPO DE PEGA Determinar os tempos (intervalos) de início e fim de pega da pasta de cimento Portland; DEFINIÇÕES: CIMENTO TEMPO

Leia mais

Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA.

Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA. RL 0154 Laboratório de ensaio acreditado pela gcre/inmetro de acordo com a NBR ISO/IE 17025 Relatório de Análises e Ensaios de Produtos (RAE) N.º 1250705 Pág.: 1 / 5 Data de emissão: 03/08/2005 1 Solicitante:

Leia mais

Esta Norma estabelece os procedimentos para verificação e inspeção de carroçaria para carga sólida.

Esta Norma estabelece os procedimentos para verificação e inspeção de carroçaria para carga sólida. VERIFICAÇÃO E INSPEÇÃO DE CARROÇARIA PARA CARGA SÓLIDA NORMA N o NIE-DIMEL-052 APROVADA EM FEV/04 N o 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de aplicação 3 Responsabilidade 4 Siglas 5 Documento de referência

Leia mais

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3.

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3. LABORATÓRIO CLIMÁTICO Doc Path: Z:\Qualidade\6 - Registros SQ\Rg012_Documentos\DMT - Doctos treinamento\dmt015 - Apresentação Lab Climatico\DMT015r3-0_Apresentacao_CLIM (TCL001).doc Este documento contém

Leia mais

5.1 Ensaio Hidrostático Estanqueidade do dispositivo eliminador de ar

5.1 Ensaio Hidrostático Estanqueidade do dispositivo eliminador de ar Relatório Técnico nº 96 289-205- 6/10 5 RESULTADOS 5.1 Ensaio Hidrostático Estanqueidade do dispositivo eliminador de ar Durante o teste hidrostático (estanqueidade), o dispositivo foi submetido à constante

Leia mais

Determinação dos fatores influentes na incerteza de medição para ensaios mecânicos de implantes mamários realizados segundo a norma ABNT NBR ISO 14607

Determinação dos fatores influentes na incerteza de medição para ensaios mecânicos de implantes mamários realizados segundo a norma ABNT NBR ISO 14607 Determinação dos fatores influentes na incerteza de medição para ensaios mecânicos de implantes mamários realizados segundo a norma ABNT NBR ISO 14607 Bruna Prades Bitencourt 1, Cristian Duarte Nunes 1,

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO LIMITE DE LIQUIDEZ

DETERMINAÇÃO DO LIMITE DE LIQUIDEZ DETERMINAÇÃO DO LIMITE DE LIQUIDEZ 1. Objetivo Determinar o limite entre o estado líquido e o estado plástico do solo. 2. Definição O limite de Liquidez é o teor de umidade do solo com que se unem, em

Leia mais

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante

Teste de Coeficiente de Absorção em Câmara Reverberante Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Grupo de Tecnologia em Vibrações e Acústica Fone: (48) 99539377-32340689 / 37217716 Ramal 22 e-mail: arcanjo@lva.ufsc.br Teste

Leia mais

ME-55 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO EXPEDITA DO ÍNDICE MINI-CBR POR PENETRAÇÃO DINÂMICA

ME-55 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO EXPEDITA DO ÍNDICE MINI-CBR POR PENETRAÇÃO DINÂMICA ME-55 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO EXPEDITA DO ÍNDICE MINI-CBR POR PENETRAÇÃO DINÂMICA DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 255/ 266 / 15

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 255/ 266 / 15 Folha 1/6 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Argamassa Brasil Pedido n º 255/14 Endereço: R9 QD 15 Cidade: Maricá CEP: 24900-000 DADOS DO MATERIAL ENSAIADO

Leia mais

I COMPETIÇÃO DA PONTE DE MACARRÃO

I COMPETIÇÃO DA PONTE DE MACARRÃO I COMPETIÇÃO DA PONTE DE MACARRÃO REGULAMENTO 1. INTRODUÇÃO O Grupo PET - Estruturas do Curso de Engenharia Civil da Universidade Católica de Brasília estará realizando neste semestre a I Competição da

Leia mais

POQ 6 Determinação do teor de Lípidos

POQ 6 Determinação do teor de Lípidos POQ 6 Determinação do teor de Lípidos Elaboração: RQ Verificação: DT e RDQ Aprovação: DT e RQ Entidade Emissora: RQ POQ 6 E0 (18-10-2013) 1/7 Historial de Versões Edição Data Motivo da Emissão/Alterações

Leia mais

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Carina Branta Lopes Rios Engenheira de Alimentos 10 de outubro de 2016 História Desenvolvido pela Pillsburry Company em resposta as solicitações da NASA;

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Geral: Objetivos Capacitar o aluno a usar a metrologia e ensaios no desenvolvimento e fabricação de produtos. Específicos: Contextualizar

Leia mais

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa

Caixa para medidor polifásico com trava na tampa FIRUGA 1: CAIXA COM TAMPA 227 VISTA SUPERIOR 114 57 A 14 209 345 171 46 PRÉ-FURO Ø5 53 VISTA LATERAL ESQUERDA Ø2 FURO PARA LACRE A VISTA FRONTAL MÍN. 10,5 15 LUVA W1/4 VISTA LATERAL DIREITA 48 48 46 27

Leia mais

REGULAMENTO: CONCURSO GUINDASTE DE PAPEL

REGULAMENTO: CONCURSO GUINDASTE DE PAPEL REGULAMENTO: CONCURSO GUINDASTE DE PAPEL A engenharia estrutural é o ramo da engenharia civil que utiliza cálculos concepção de estruturas. De forma simplificada, é a aplicação da mecânica das estruturas

Leia mais

Determinação de acidez em mel por potenciometria

Determinação de acidez em mel por potenciometria Página 1 de 5 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a acidez em mel. 2 Fundamentos Este método consiste na neutralização da solução ácida de mel, mediante o uso de uma solução de hidróxido

Leia mais

ITS LDA - Metodologia para Teste de Sólidos

ITS LDA - Metodologia para Teste de Sólidos Data: 050 Rev.: Página: 5 ITS0.08LDA Metodologia para Teste de Sólidos. OBJETIVO Estabelecer a metodologia para verificação da porcentagem de sólidos nas tintas e vernizes de impressão.. REFERÊNCIAS POS0

Leia mais

Blumenau Engenharia Civil

Blumenau Engenharia Civil Blumenau Engenharia Civil Disciplina TOPOGRAFIA E GEODÉSIA I Aula 7: Medição de Distâncias Medidas Indiretas Medição de Direções Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. Medição Indireta MEDIÇÃO INDIRETA Uma

Leia mais

Técnicas de determinação das características de infiltração

Técnicas de determinação das características de infiltração UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA CURSO DE MESTRADO EM IRRIGAÇÃO E DRENAGEM Disciplina: AD 732 - Irrigação por superfície Professor: Raimundo

Leia mais

Laboratório de Energia Solar UFRGS

Laboratório de Energia Solar UFRGS RELATÓRIO TÉCNICO LABSOL UFRGS Nº 11/15 PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM ENSAIO DE MÓDULO FOTOVOLTAICO CANADIAN SOLAR CS6X 310P Solicitante: CANADIAN SOLAR BRASIL SERVIÇOS DE CONSULTORIA EM ENERGIA SOLAR

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO DETERMINAÇÃO DO TEMPO DE PRESA E DA EXPANSIBILIDADE DO CIMENTO. DOCENTE: Engº Elson Almeida 2006

Leia mais

E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando

Leia mais

DIRETORIA OPERACIONAL NÚMERO EMP TECNOLOGIA FOLHA 1/5 ESPECIFICAÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA REV DATA 21-19/12/06 REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO

DIRETORIA OPERACIONAL NÚMERO EMP TECNOLOGIA FOLHA 1/5 ESPECIFICAÇÃO DE MATÉRIA-PRIMA REV DATA 21-19/12/06 REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO TECNOLOGIA FOLHA 1/5 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 12 26/04/00 ALT. ITEM 3 (PROPRIEDADES - DIÂMETRO DAS CPC S 81409, 81412, 81415, 81439, 81443, 81444, 81448, 81416 E EXCL. UNIFORM.

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES... 3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES... 3 Página 1 de 15 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 3 6. MECANISMO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE... 4 7. ETAPAS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

agrupados Nº DET 1

agrupados Nº DET 1 CAIXA COM TAMPA VISTA SUPERIOR 22 100 27 53 FURO PARA LACRE Ø2 20 VISTA LATERAL DIREITA ROSCA W 1/4" PARA PARAFUSO DE SEGURANÇA 11 DET 1 VISTA INFERIOR DET 1 Código 6790320 Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei

Leia mais

ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS E TRATAMENTO DE DADOS

ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS E TRATAMENTO DE DADOS ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS E TRATAMENTO DE DADOS 1.0 Objetivos Utilizar algarismos significativos. Distinguir o significado de precisão e exatidão. 2.0 Introdução Muitas observações na química são de natureza

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 542 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 542 / 13 Folha 1/6 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 103/13 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

PROJETO INTERNO TELHA FRANCESA PICSL

PROJETO INTERNO TELHA FRANCESA PICSL Pág. 1 de 6 1 OBJETÍVO Este projeto fixa as condições exigíveis para a aceitação de telhas planas de encaixes, modelo Telhas Francesas, destinadas à execução de telhados de edificações. 2 APLICAÇÃO DE

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 539 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 539 / 13 Folha 1/7 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 103/13 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

Considerando que o disposto no artigo 5º da Lei nº 5.966/73, bem como o estabelecido nas Resoluções nº 05/78 e nº 06/78 do CONMETRO;

Considerando que o disposto no artigo 5º da Lei nº 5.966/73, bem como o estabelecido nas Resoluções nº 05/78 e nº 06/78 do CONMETRO; Código: 4693 Portaria Federal Nº 200 INMETRO - Ins.Nac. Metrol.Normaliz.Qual.Indus. Data: 6/10/1994 Norma : PORTARIA INMETRO Nº 200, DE 6 DE OUTUBRO DE 1994.. Norma expressamente revogada pela Portaria

Leia mais

Estudo da densidade de fluidos incompressíveis através de um tubo em U

Estudo da densidade de fluidos incompressíveis através de um tubo em U Engenharia Ambiental Física II Estudo da densidade de fluidos incompressíveis através de um tubo em U Andrea Garcia Daniele Golçalves Isabella Perri Maria Luiza Campanari Melissa Pegoraro Sorocaba Abril/2014

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE ANEXO VIII - PROJETO DE TELHA COLONIAL

MANUAL DA QUALIDADE ANEXO VIII - PROJETO DE TELHA COLONIAL Página: 01/09 1. OBJETIVO Este documento visa estabelecer diretrizes para a sistemática dos requisitos dimensionais, físicos e mecânicos exigidos para as telhas cerâmicas da Lemos de Neves Ltda. (Cerâmica

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 189 / 092 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 189 / 092 / 13 Folha 1/5 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 189/12 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/ Nº 129, de 06 de agosto de 2003.

Leia mais

DNIT. Emulsões asfálticas para pavimentação Especificação de material. Setembro/2013 NORMA DNIT 165/ EM

DNIT. Emulsões asfálticas para pavimentação Especificação de material. Setembro/2013 NORMA DNIT 165/ EM DNIT Setembro/2013 NORMA DNIT 165/2013 - EM Emulsões asfálticas para pavimentação Especificação de material MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE IN- FRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA

Leia mais

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões REPRODUÇÃO LIVRE NBR 8964 JUL 1985 Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões Origem: Projeto 01:022.05-004/1985 CB-01 - Comitê Brasileiro de Mineração e Metalurgia CE-01:022.05 - Comissão

Leia mais

DNIT. Emulsões asfálticas catiônicas modificadas por polímeros elastoméricos Especificação de material. Resumo

DNIT. Emulsões asfálticas catiônicas modificadas por polímeros elastoméricos Especificação de material. Resumo DNIT Abril/2010 NORMA DNIT 128/2010 - EM Emulsões asfálticas catiônicas modificadas por polímeros elastoméricos Especificação de material MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA

Leia mais

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CONCURSO CONCREBOL FATEC TATUAPÉ 2016

REGULAMENTO DO PRIMEIRO CONCURSO CONCREBOL FATEC TATUAPÉ 2016 REGULAMENTO DO PRIMEIRO CONCURSO CONCREBOL FATEC TATUAPÉ 2016 1 OBJETIVO 1.1 O objetivo deste concurso é testar a habilidade dos competidores no desenvolvimento de métodos construtivos e produção de concretos

Leia mais

ENSAIO DE PERDA DE MASSA POR IMERSÃO

ENSAIO DE PERDA DE MASSA POR IMERSÃO ENSAIO DE PERDA DE MASSA POR IMERSÃO Os resultados fornecidos pelo Ensaio de Perda de Massa por Imersão é utilizado para classificação do solo segundo a Sistemática MCT, permitindo distinguir os solos

Leia mais

Alcance, A - Dá o valor máximo que um aparelho pode medir. Pode existir também uma gama de valores, isto é, um valor máximo e um mínimo.

Alcance, A - Dá o valor máximo que um aparelho pode medir. Pode existir também uma gama de valores, isto é, um valor máximo e um mínimo. 6. APARELHOS DE MEDIDA E MEDIÇÕES ------- Alcance, A - Dá o valor máximo que um aparelho pode medir. Pode existir também uma gama de valores, isto é, um valor máximo e um mínimo. Menor divisão da escala

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 571 / 13

RELATÓRIO DE ENSAIOS N.º 103 / 571 / 13 Folha 1/5 ARGAMASSA COLANTE INDUSTRIALIZADA PARA ASSENTAMENTO DE PLACAS CERÂMICAS Cliente: Saint-Gobain do Brasil Produtos Ind. e para Construção Ltda. Pedido n º 103/13 Divisão Weber Quartzolit Endereço:

Leia mais

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6 Número: EEM 80998 Rev.: 0 Fl. 1/6 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 00 06/10/2015 Emissão inicial em substituição a especificação EEM 80998 Rev07 Gerson Andreoti Coordenador CQ Mário Alonso

Leia mais

Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação

Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação Seminário Desenvolvimento e Avaliação de Embalagens de Transporte e Distribuição Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação Eng. Tiago B. H. Dantas Pesquisador - CETEA O que é Dimensionamento

Leia mais

DIRETORIA GERAL NÚMERO EMP TECNOLOGIA FOLHA 1/6 ESPECIFICAÇÃO DE MATÉRIA PRIMA ÍNDICE DE REVISÕES

DIRETORIA GERAL NÚMERO EMP TECNOLOGIA FOLHA 1/6 ESPECIFICAÇÃO DE MATÉRIA PRIMA ÍNDICE DE REVISÕES TECNOLOGIA FOLHA 1/6 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 01 25/04/94 REVISÃO GERAL DA ESPECIFICAÇÃO. 02 04/11/94 INCL. ITEM 2.2, ALT. EXIGIDO EME-231; EXCLUSÃO DO MESMO. 03 17/01/95 ALTERAÇÃO

Leia mais

PP-5EN Rev.B ESTANQUEIDADE INSTRUÇÕES AO CANDIDATO EXAME PRÁTICO

PP-5EN Rev.B ESTANQUEIDADE INSTRUÇÕES AO CANDIDATO EXAME PRÁTICO 1. OBJETIVO Anexo A 1.1. Este procedimento tem como objetivo fornecer aos candidatos as instruções necessárias para a execução do exame prático no ensaio não destrutivo por meio de Estanqueidade, de acordo

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PESAGEM USADOS EM ENSAIOS DE MATERIAIS

INSTRUMENTOS DE PESAGEM USADOS EM ENSAIOS DE MATERIAIS INSTRUMENTOS DE PESAGEM USADOS EM ENSAIOS DE MATERIAIS C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2014 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ET- 231-02 09/2014 ET 231 pg1 - Centro de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

E-QP-ECD-095 REV. A 15/Abr/2008

E-QP-ECD-095 REV. A 15/Abr/2008 ENGENHARIA CONTROLE DIMENSIONAL TOPOGRAFIA NIVELAMENTO GEOMÉTRICO Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e a

Leia mais

Número: EMP Rev.: 0 Fl. 1/5

Número: EMP Rev.: 0 Fl. 1/5 Número: EMP 82501 Rev.: 0 Fl. 1/5 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 00 26/07/2016 Emissão inicial. Robson Rodrigues Qualidade do Material Mário César Engenharia de Produto Número: EMP 82501

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/ BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 19x19x39cm N01 ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/ BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 19x19x39cm N01 ENSAIOS DIVERSOS Fl.: 1/ 8 Relatório nº 1062/14-01 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/14-01 BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 19x19x39cm N01 ENSAIOS DIVERSOS Interessado: CCB CENTRO CERÂMICO DO BRASIL Rua Nossa Senhora do Carmo,

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/ BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 11,5x19x39cm N03 ENSAIOS DIVERSOS

RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/ BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 11,5x19x39cm N03 ENSAIOS DIVERSOS Fl.: 1/ 8 Relatório nº 1062/14-03 RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 1062/14-03 BLOCO CERÂMICO VEDAÇÃO VERTICAL 11,5x19x39cm N03 ENSAIOS DIVERSOS Interessado: CCB CENTRO CERÂMICO DO BRASIL Rua Nossa Senhora do Carmo,

Leia mais

Massa Específica. Massa Específica MASSA ESPECÍFICA. Massa Específica Aparente ou Unitária. Massa Específica Real ou Absoluta.

Massa Específica. Massa Específica MASSA ESPECÍFICA. Massa Específica Aparente ou Unitária. Massa Específica Real ou Absoluta. Associação Educativa Evangélica UniEvangélica Curso de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL II AGREGADOS MASSA ESPECÍFICA 2 As definições de massa específica e massa

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética Segundo Anexo Res. ANATEL 442

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética Segundo Anexo Res. ANATEL 442 A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation LET-EMC-RE 1644-0900-02-C 01.00 (Pt) de 29-Nov-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios de Compatibilidade Eletromagnética

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 07: Lançamento de Projéteis Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /20 Alunos: 1: 2: 3: 4: 5: 1/11 07 - Lançamento de Projéteis 1.1.

Leia mais

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20.08.2013 00 Emissão inicial. Revisão para maior clareza no texto do documento. Adequação da responsabilidade

Leia mais

LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão Simples e Diametral

LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão Simples e Diametral UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO de MECÂNICA dos SOLOS - Noções de Resistência à Compressão - Ensaio de Compressão

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA COLAPSIBILIDADE EM AREIAS DE MACHARIA

MATERIAIS PARA FUNDIÇÃO DETERMINAÇÃO DA COLAPSIBILIDADE EM AREIAS DE MACHARIA Método de Ensaio Folha : 1 de 7 SUMÁRIO 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem 6_ Confecção do corpo de prova 7_ Execução do ensaio 8_ Resultados 1_ OBJETIVO

Leia mais

Caixa concentradora de disjuntores

Caixa concentradora de disjuntores FIGURA 1 - CAIXA COM TAMPA 532 15 4 2,5 162 120 42 DETALHE 1 VISTA SUPERIOR DETALHE 2 49 ALINHAMENTO ENTRE A JANELA PARA DISJUNTOR E O TRILHO PARA DISJUNTOR TAMPA DA JANELA PARA DISJUNTOR JANELA VENEZIANA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE ENGENHARIA, MODELAGEM E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES (BC 1105) ENSAIOS MECÂNICOS PARTE A ENSAIOS DE TRAÇÃO E FLEXÃO 2 1. INTRODUÇÃO Algumas

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Nota técnica: 01/2009. Trabalho realizado para: Serviços do Ministério Público de Mogadouro

RELATÓRIO TÉCNICO. Nota técnica: 01/2009. Trabalho realizado para: Serviços do Ministério Público de Mogadouro RELATÓRIO TÉCNICO Nota técnica: 01/2009 Trabalho realizado para: Serviços do Ministério Público de Mogadouro Trabalho realizado por: Débora Ferreira Hermínia Morais Índice 1 - Introdução... 3 2 - Descrição

Leia mais

Número: EEM Rev.: 2 Fl. 1/14

Número: EEM Rev.: 2 Fl. 1/14 Número: EEM-80779 Rev.: 2 Fl. 1/14 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 0 06/06/2013 1 15/07/2013 Emissão Inicial, em substituição ao documento EEM80779 revisão 14. Alteração das CPC s 80767

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SINALIZAÇÃO VERTICAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO Esta especificação técnica fixa condições exigíveis para o fornecimento de placas de orientação, simples e moduladas para sinalização vertical de trânsito,

Leia mais

AULA PRÁTICA_ MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL_ ECV5330_ Profa Janaíde Cavalcante Rocha_ turma 540A e 542

AULA PRÁTICA_ MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL_ ECV5330_ Profa Janaíde Cavalcante Rocha_ turma 540A e 542 AULA PRÁTICA 05_ARGAMASSA 17) DETERMINAÇÃO DO ÍNDICE DE CONSISTÊNCIA - NBR 13276 Preparação da argamassa a base de cal: Quantidade de material: 1500 a 2000g de material seco. - Misturar a areia, cal e

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2014/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2014/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 02 Física Geral e Experimental III 2014/1 Dilatação Térmica Volumétrica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

Métodos de Localização de Terremotos

Métodos de Localização de Terremotos AGG 0110 Elementos de Geofísica Métodos de Localização de Terremotos Prof. Dr. Marcelo B. de Bianchi m.bianchi@iag.usp.br 2016 Revisando O que são ondas Ondas P Ondas S Ondas de Superfície Velocidade das

Leia mais

Nota: CÓPIA CONTROLADA (Documento impresso não é controlado) Página 1 de 8

Nota: CÓPIA CONTROLADA (Documento impresso não é controlado) Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. AUTORIDADE E RESPONSABILIDADE 3. DETALHAMENTO 4. REGISTROS DA QUALIDADE HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REV. ITENS REVISADOS ALTERAÇÃO REALIZADA 19/12/11 00 Elaboração Inicial Nota:

Leia mais

Trilhamento e erosão de isoladores e pára-raios poliméricos

Trilhamento e erosão de isoladores e pára-raios poliméricos 1/6 Title Trilhamento e erosão de isoladores e pára-raios poliméricos Registration Nº: (Abstract) 220 Company Centro de Pesquisas de Energia Elétrica (CEPEL) Authors of the paper Name Country e-mail Darcy

Leia mais

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria NBR 7170/1983 Tijolo maciço cerâmico para alvenaria OBJETIVO: Fixar condições no recebimento de tijolos maciços cerâmicos destinados a obras de alvenaria, com ou sem revestimento; DEFINIÇÕES: 1. Tijolo

Leia mais

DIRETORIA GERAL NÚMERO EEM TECNOLOGIA FOLHA 1/13 ESPECIFICAÇÃO DE EMBALAGEM ÍNDICE DE REVISÃO

DIRETORIA GERAL NÚMERO EEM TECNOLOGIA FOLHA 1/13 ESPECIFICAÇÃO DE EMBALAGEM ÍNDICE DE REVISÃO TECNOLOGIA FOLHA /3 ÍNDICE DE REVISÃO REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 00 4/03/94 EMISSÃO ORIGINAL. 0 0/07/94 ALT. NOS ITENS 2.6 E 2.7 E ANEXO 2; INC. DO FORN. HOMOL..3.; 02 08/08/05 ALT DO DOCUMENTO PARANOVAFORMATAÇÃO;

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Nº Ensaios de caracterização e desempenho de argamassa para chapisco colante

RELATÓRIO TÉCNICO Nº Ensaios de caracterização e desempenho de argamassa para chapisco colante RELATÓRIO TÉCNICO Nº 113 595-205 Ensaios de caracterização e desempenho de argamassa para chapisco colante CENTRO DE TECNOLOGIA DE OBRAS DE INFRAESTRUTURA Laboratório de Materiais de Construção Civil Cliente:

Leia mais

A propriedade dos objetos: comprimento, área, massa e capacidade

A propriedade dos objetos: comprimento, área, massa e capacidade A propriedade dos objetos: comprimento, área, massa e capacidade Estudar o sistema de medidas é importante nos estudos da matemática, visto sua grande aplicabilidade. Porém, para aplicá-lo, é preciso entender

Leia mais

Consulta Pública 1/2014

Consulta Pública 1/2014 Consulta Pública 1/2014 Acordo quadro para o fornecimento de mobiliário - Anexo A2.TE: Testes e ensaios - Março de 2014 2012 espap Entidade de Serviços Partilhados da Administração Pública, I.P. Direitos

Leia mais

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de torsão Conjunto de extensão do aparelho de torsão Instruções de uso

3B SCIENTIFIC FÍSICA. Aparelho de torsão Conjunto de extensão do aparelho de torsão Instruções de uso 3B SCIENTIFIC FÍSICA Aparelho de torsão 1018550 Conjunto de extensão do aparelho de torsão 1018787 Instruções de uso 11/15 TL/UD 1. Descrição O aparelho de torsão destina-se à determinação do torque restaurador

Leia mais

Amostras grátis deverão seguir regras do medicamento original 27 de novembro de 2009

Amostras grátis deverão seguir regras do medicamento original 27 de novembro de 2009 AULA 4 Acesse o site e leia a apostila on-line: http://pt.scribd.com/doc/5520737/3/folha-de-eercicios 4.1) O conjunto de valores abaixo representa medidas em gramas de uma amostra. Organize uma tabela

Leia mais

LABSOL Laboratório de Energia Solar UFRGS

LABSOL Laboratório de Energia Solar UFRGS RELATÓRIO TÉCNICO LABSOL/UFRGS Nº 002/12 PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM ENSAIO DE MÓDULO FOTOVOLTAICO TALESUN TP672M 295 Solicitante: MES ENERGIA SOLUÇÕES EM ENERGIAS ALTERNATIVAS E RENOVÁVEIS LTDA.

Leia mais

Apostila de Instrumentação. Módulo: Micrômetro

Apostila de Instrumentação. Módulo: Micrômetro Módulo: Micrômetro AUTORES: Prof. Msc. SAMUEL MENDES FRANCO Prof. Msc. OSNI PAULA LEITE Prof. Msc. LUIS ALBERTO BÁLSAMO 1 Micrômetros Introdução Em 1638 foi desenvolvido um instrumento provido de um parafuso

Leia mais

Roteiro. Procedimento: Verificação do peso corporal em balança plataforma mecânica.

Roteiro. Procedimento: Verificação do peso corporal em balança plataforma mecânica. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE ENFERMAGEM DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM GERAL E ESPECIALIZADA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM 2017 Roteiro Unidade: Avaliação clínica do estado

Leia mais

MANUAL DE COMUNICAÇÃO VISUAL PARA COMARCAS

MANUAL DE COMUNICAÇÃO VISUAL PARA COMARCAS MANUAL DE COMUNICAÇÃO VISUAL PARA COMARCAS Este Manual tem por objetivo estabelecer o padrão de comunicação visual para as Comarcas da Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Sul. Foi utilizado como

Leia mais

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS Página 1 de 10 SUMÁRIO DE REVISÕES Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 0 07/08/2013 Emissão original consolidando práticas adotadas no PSS, anteriormente não documentadas em forma de procedimento

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO

DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO DETERMINAÇÃO DA PERMEABILIDADE DO SOLO 1. Objetivo Determinar o coeficiente de permeabilidade à carga constante e à carga variável, com percolação de água através do solo em regime de escoamento laminar.

Leia mais

E-QP-ECD-096 REV. A 15/Abr/2008

E-QP-ECD-096 REV. A 15/Abr/2008 ENGENHARIA CONTROLE DIMENSIONAL TOPOGRAFIA VERIFICAÇÃO DE NÍVEL ÓTICO Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta

Leia mais

PLACA DE SUPORTE: PTZ / AMR

PLACA DE SUPORTE: PTZ / AMR ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 442 11 de maio de 2012 Página 2 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 3 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Definições / Siglas... 4 5. Características de fabrico...

Leia mais