2 Cargas Móveis, Linhas de Influência e Envoltórias de Esforços

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 Cargas Móveis, Linhas de Influência e Envoltórias de Esforços"

Transcrição

1 2 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço 21 Introdução Para o dimenionamento de qualquer etrutura é neceário conhecer o eforço máximo e mínimo que ela apreentará ao er ubmetida ao carregamento que erá detinada Para etrutura ubmetida a carga móvei exite um diagrama, denominado de envoltória de eforço, que determina o valore limite, máximo ou mínimo, para a eçõe tranverai da etrutura A eguir, erão apreentado conceito, relacionado a carga móvei e traçado de linha de influência, neceário ao cálculo da envoltória de eforço, bem como erá exemplificada a determinação de uma envoltória de eforço e dicutida a maneira de obtê-la 22 Claificação da açõe atuante na etrutura De acordo com a NBR 8681 (1984), a açõe atuante na etrutura, que ão a caua que provocam eforço ou deformaçõe, podem er claificada egundo ua variabilidade no tempo em trê categoria: Açõe permanente ão a carga que ocorrem com valore contante ou de pequena variação em torno de ua média, durante praticamente toda a vida da contrução A açõe permanente ão dividida em direta, tai como o peo próprio do elemento da contrução, incluindo-e o peo próprio da etrutura e de todo o elemento contrutivo permanente, e indireta, como protenão, recalque de apoio e a retração do materiai Açõe variávei ão a carga que ocorrem com valore que apreentam variaçõe ignificativa em torno de ua média, durante a vida da contrução ão

2 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço 23 a carga móvei ou acidentai da contruçõe, ito é, carga que atuam na contruçõe em função de eu uo (peoa, mobiliário, veículo, materiai divero, etc) Ela podem er normai, quando pouem probabilidade de ocorrência uficientemente grande para que ejam obrigatoriamente coniderada no projeto da etrutura de um dado tipo de contrução, ou epeciai, como açõe ímica ou carga acidentai de natureza ou de intenidade epeciai Açõe excepcionai ão a carga que têm duração extremamente curta e muito baixa probabilidade de ocorrência durante a vida da contrução, ma que devem er coniderada no projeto de determinada etrutura Por exemplo, açõe excepcionai podem er decorrente de exploõe, choque de veículo, incêndio, enchente ou imo excepcionai 23 Carga óvei Divera etrutura ão olicitada por carga móvei Exemplo ão ponte rodoviária e ferroviária ou pórtico indutriai que uportam ponte rolante para tranporte de carga O eforço interno nete tipo de etrutura não variam apena com a magnitude da carga aplicada, ma também com a poição de atuação da mema Portanto, o projeto de um elemento etrutural, como uma viga de ponte, envolve a determinação da poiçõe da carga móvei que produzem valore extremo do eforço na eçõe do elemento No projeto de etrutura ubmetida a carga fixa, a poição de atuação de carga acidentai de ocupação também influencia na determinação do eforço dimenionante Por exemplo, o momento fletor máximo em uma determinada eção de uma viga contínua com vário vão não é determinado pelo poicionamento da carga acidental de ocupação em todo o vão Poiçõe elecionada de atuação da carga acidental vão determinar o valore limite de momento fletor na eção Aim, o projetita terá que determinar, para cada eção a er dimenionada e para cada eforço dimenionante, a poiçõe de atuação da carga acidentai que provocam o valore extremo (máximo e mínimo de um determinado eforço)

3 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço 24 Uma alternativa para ete problema eria analiar a etrutura para vária poiçõe da carga móvei ou acidentai e elecionar o valore extremo Ete procedimento não é prático nem eficiente de uma maneira geral, exceto para etrutura e carregamento imple O procedimento geral e objetivo para determinar a poiçõe de carga móvei e acidentai que provocam valore extremo de um determinado eforço em uma eção de uma etrutura é feito com auxílio de Linha de Influência 24 Linha de Influência Linha de Influência ( LI ) decrevem a variação de um determinado efeito (por exemplo, uma reação de apoio, um eforço cortante ou um momento fletor em uma eção) em função da poição de uma carga vertical unitária que paeia obre a etrutura Aim, a LI de momento fletor em uma eção é a repreentação gráfica ou analítica do momento fletor, na eção de etudo, produzida por uma carga concentrada vertical unitária, geralmente de cima para baixo, que percorre a etrutura Io é exemplificado na Figura 21, que motra a LI de momento fletor em uma eção indicada Neta figura, a poição da carga unitária P = 1 é dada pelo parâmetro x, e uma ordenada genérica da LI repreenta o valor do momento fletor em em função de x, ito é, LI = (x) Em geral, o valore poitivo do eforço na linha de influência ão deenhado para baixo e o valore negativo para cima x P = 1 (x) Figura 21 Linha de influência de momento fletor em uma eção de uma viga contínua Com bae no traçado de LI', é poível obter a chamada envoltória limite de eforço que ão neceária para o dimenionamento de etrutura ubmetida a carga móvei ou acidentai

4 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço Traçado de LI O FTOOL calcula a linha de influência de um eforço E utilizando o Princípio de üller-brelau (ÜEKIND, 1997), também conhecido como método cinemático para o traçado de LI, que foi formulado por üller-brelau no final do éculo 19 Ete método pode er demontrado atravé do Princípio do Delocamento Virtuai - PDV (artha, 2005) e pode er aplicado para qualquer tipo de etrutura, iotática ou hiperetática Embora ete método poa er utilizado para obtenção de LI de eforço e reaçõe, o FTOOL não calcula LI de reaçõe De uma maneira reumida, para e traçar a linha de influência de um efeito E (eforço ou reação), procede-e da eguinte forma (ÜEKIND, 1997): rompe-e o vínculo capaz de tranmitir o efeito E cuja linha de influência e deeja determinar; na eção onde atua o efeito E, atribui-e à etrutura, no entido opoto ao de E poitivo, um delocamento generalizado unitário, que erá tratado com endo muito pequeno; a configuração deformada (elática) obtida é a linha de influência O delocamento generalizado que e faz referência depende do efeito em conideração, tal como indicado na Figura 22 No cao de uma reação de apoio, o delocamento generalizado é um delocamento aboluto da eção do apoio Para um eforço normal, o delocamento generalizado é um delocamento axial relativo na eção de eforço normal Para um eforço cortante, o delocamento generalizado é um delocamento tranveral relativo na eção do eforço cortante E para um momento fletor, o delocamento generalizado é uma rotação relativa entre a tangente à elática adjacente à eção do momento fletor

5 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço 26 Efeito Reação de apoio V Delocamento generalizado = 1 Eforço normal = 1 N N Eforço cortante Q Q = 1 omento fletor θ = 1 Figura 22 Delocamento generalizado utilizado no método cinemático 25 Determinação de eforço extremo com bae em LI A determinação de valore máximo e mínimo de um eforço interno em uma eção de etudo é exemplificada para o cao do momento fletor na eção da Figura 21 O carregamento permanente, contituído do peo próprio da etrutura, é repreentado por uma carga uniformemente ditribuída g, tal como indica a Figura 23 g LI Figura 23 Carga permanente uniformemente ditribuída atuando em uma viga contínua Coniderando que a ordenada de LI ( ( x) ) = é função de uma carga concentrada unitária, o valor do momento fletor em devido ao carregamento permanente pode er obtido por integração do produto da carga infiniteimal gdx por ( x) ao longo da etrutura (Equação 21):

6 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço g = ( x) gdx = LI gdx (21) 0 0 Conidere que exite uma carga móvel atuando obre a etrutura, que é compota por uma carga concentrada P e por um carregamento acidental de ocupação que é repreentado por uma carga uniformemente ditribuída q Por er acidental, a carga q pode atuar parcialmente ao longo da etrutura O que e buca ão a poiçõe de atuação da carga P e q que maximizam ou minimizam o momento fletor em O valor máximo de é obtido quando a carga q etá poicionada obre ordenada poitiva da LI e a carga P etá obre a maior ordenada poitiva, e o valor mínimo é obtido quando a carga q etá poicionada obre ordenada negativa da maior ordenada negativa Io é motrado na Figura 24 e 25 LI e a carga P etá obre a P q q q LI Figura 24 Poicionamento da carga móvel para provocar máximo momento fletor em uma eção P q LI Figura 25 Poicionamento da carga móvel para provocar mínimo momento fletor em uma eção O valore máximo e mínimo de acidental podem er obtido por integração do produto devido omente ao carregamento LI qdx no trecho poitivo e negativo, repectivamente, da linha de influência, conforme equaçõe 22 e 23:

7 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço q ( ) = LI qdx + máx LI qdx (22) 9 q ( ) = LI qdx (23) mín O valore máximo e mínimo de er obtido pelo produto negativa da linha de influência, repectivamente : P máx ( ) LI P máx P mín ( ) LI P devido à carga concentrada podem LI P, onde LI é a maior ordenada poitiva ou = (24) = (25) mín Aim, o valore máximo e mínimo finai de carregamento permanente e pela carga móvel ão : g q P ( ) + ( ) + ( ) máx máx máx provocado pelo = (26) g q P ( ) + ( ) + ( ) mín mín mín = (27) Oberve que, no cao geral, o valor máximo final de um determinado eforço em uma eção não é neceariamente poitivo, nem o valor mínimo final é neceariamente negativo Ito vai depender da magnitude do valore provocado pelo carregamento permanente e acidental Quando máximo e mínimo tiverem o memo inal, o eforço dimenionante erá o que tiver a maior magnitude Quando máximo e mínimo tiverem entido opoto, principalmente no cao de momento fletor, ambo podem er dimenionante 26 Envoltória Limite de Eforço A envoltória limite de um determinado eforço em uma etrutura decrevem para um conjunto de carga móvei ou acidentai, o valore máximo e mínimo dete eforço em cada uma da eçõe da etrutura, de forma análoga a que decreve o diagrama de eforço para um carregamento fixo Aim, o objetivo da Análie Etrutural para o cao de carga móvei ou acidentai é a determinação de envoltória de máximo e mínimo de momento fletore, eforço cortante, etc, o que poibilitará o dimenionamento da

8 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço 29 etrutura ubmetida a ete tipo de olicitação A envoltória ão, em geral, obtida por interpolação de valore máximo e mínimo, repectivamente, de eforço calculado em determinado número de eçõe tranverai ao longo da etrutura A eguir é motrado um exemplo de determinação de envoltória de eforço interno de uma viga bi-apoiada com balanço, carga permanente e carga móvel (Figura 26) Na figura também etão indicada a eçõe adotada para o cálculo do valore limite e para o traçado da envoltória Devido a imetria da etrutura em relação à eção D, a obtenção do valore limite erá demontrada apena para a eçõe A, B, C e D, vito que a envoltória de eforço cortante erá anti-imétrica e a de momento fletor erá imétrica Carga óvel Carga Permanente A B C D E F G Beq Bdir Feq Fdir Etrutura e eçõe tranverai para envoltória Figura 26 Viga bi-apoiada com balanço, carga permanente e carga móvel O eforço devido à carga permanente foram primeiramente calculado, ou eja, determinaram-e o diagrama de eforço cortante e de momento fletor (Figura 27) A Beq Bdir C D E Feq G Fdir Carga Permanente: Eforço Cortante [kn] A B C D E F G Carga Permanente: omento Fletore [knm] Figura 27 Eforço interno da carga permanente Em eguida, determinaram-e o eforço cortante máximo e mínimo devido à carga móvel para cada eção tranveral adotada da etrutura (Figura 28 a 211) O poicionamento do trem-tipo para determinar o valore limite em cada eção egue o procedimento motrado na eção 25

9 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço 30 para Q Beq mínimo Beq (carga móvel não atuando) LIQ Beq para Q Beq máximo ( Q ) c m 100) + 10 ( 100) ) ] = 60 kn Beq 00 mín c m ( Q ) 0 Beq = máx Figura 28 Eforço cortante máximo e mínimo na eção eq B para Q Bdir mínimo Bdir LIQ Bdir para Q Bdir máximo ( Q ) c m 025) 025) ] = 8 kn Bdir mín 75 ( Q ) c m 100) + 10 (075) 025) 12 (100) ] = 91 kn Bdir máx + 25 Figura 29 Eforço cortante máximo e mínimo na eção dir B para Q C mínimo C LIQ C para Q C máximo ( Q ) m 025) 025) 025) ] = 12 kn c mín C 50 ( Q ) m 075) + 10 (050) 025) 9 (075) ] = 57 kn c máx + C 50 Figura 210 Eforço cortante máximo e mínimo na eção C

10 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço 31 para Q D mínimo D LIQ D para Q D máximo ( Q ) m 050) + 10 ( 025) 6 ( 050) 025) ] = 31 kn c mín D 25 ( Q ) m 050) + 10 (025) 6 (050) 025) ] = 31 kn c máx + D 25 Figura 211 Eforço cortante máximo e mínimo na eção D A Tabela 21 motra o reultado do eforço cortante máximo e mínimo na eçõe da etrutura devido a cada carregamento atuante e o valor final da envoltória de eforço cortante, que etão repreentada na Figura 212 O eforço cortante devido à carga móvel na extremidade livre do balanço correponde à carga de 20 kn poicionada obre eta eção Tabela 21 Envoltória de Eforço Cortante [kn] eção Carga Carga óvel Envoltória Permanente mínimo máximo mínimo máximo A Beq Bdir C D E Feq Fdir G

11 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço máximo carga permanente mínimo faixa de trabalho Envoltória: Eforço Cortante [kn] Figura 212 Envoltória de Eforço Cortante A Figura de 213 a 215 motram como foi feita a determinação do momento fletore máximo e mínimo devido à carga móvel para cada eção tranveral da etrutura para B mínimo B LI B (carga móvel não atuando) para B máximo ( ) m 300) 300) ] = 105 knm c mín B 00 c m ( ) 0 B máx = Figura 213 omento fletor máximo e mínimo na eção B para C mínimo C LI C para C máximo ( ) m 225) 225) 075) ] = 90 knm c mín C 00 ( ) m 225) + 10 (150) 12 (225) ] = 195 knm c máx + C 00 Figura 214 omento fletor máximo e mínimo na eção C

12 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço 33 para D mínimo D LI D para D máximo ( ) m 150) 150) 150) ] = 75 knm c mín D 00 ( ) m 300) + 10 (150) 12 (300) ] = 255 knm c máx + D 00 Figura 215 omento fletor máximo e mínimo na eção D A Tabela 22 motra o reultado do momento fletor máximo e mínimo na eçõe da etrutura devido a cada carregamento atuante e o valor final da envoltória de momento fletor, que etão repreentada na Figura 216 Tabela 22 Reultado obtido na envoltória de momento fletor eção Carga Carga óvel Envoltória Permanente mínimo máximo mínimo máximo A B C D E F G carga permanente mínimo máximo Envoltória: omento Fletore [knm] faixa de trabalho 525 Figura 216 Envoltória de momento fletor

13 Carga óvei, Linha de Influência e Envoltória de Eforço 34 Conforme vito, para determinar o valore limite de eforço em uma eção tranveral precia-e conhecer a poiçõe de atuação do trem-tipo que cauam ee eforço limite Para cao mai imple de trem-tipo e linha de influência, como no exemplo acima, é intuitiva a determinação dea poiçõe limite Porém, para cao mai complexo, torna-e impoível ea determinação por imple obervação Ee problema de determinar poiçõe limite contitui um problema de otimização, em que o objetivo é minimizar e maximizar o valore do eforço na eçõe tranverai do elemento etruturai em função da poição de atuação do trem-tipo Porém, não exite uma função matemática que decreva a envoltória de eforço de uma etrutura, o que torna impoível o uo da maioria do método cláico de otimização para reolver ete problema, já que muito dele utilizam derivada da função objetivo, como erá vito no capitulo eguinte

Considere as seguintes expressões que foram mostradas anteriormente:

Considere as seguintes expressões que foram mostradas anteriormente: Demontração de que a linha neutra paa pelo centro de gravidade Foi mencionado anteriormente que, no cao da flexão imple (em eforço normal), a linha neutra (linha com valore nulo de tenõe normai σ x ) paa

Leia mais

No dimensionamento à flexão simples, os efeitos do esforço cortante podem

No dimensionamento à flexão simples, os efeitos do esforço cortante podem FLEXÃO SIMPLES NA RUÍNA: EQUAÇÕES CAPÍTULO 7 Libânio M. Pinheiro, Caiane D. Muzardo, Sandro P. Santo. 12 maio 2003 FLEXÃO SIMPLES NA RUÍNA: EQUAÇÕES 7.1 HIPÓTESES No dimenionamento à flexão imple, o efeito

Leia mais

Critério de Resistência

Critério de Resistência CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS I. OBJETIVOS FUNDAMENTAIS Um corpo em equilíbrio, ujeito a carga externa ativa e reativa, poui em eu interior eforço. Ete eforço interno ou olicitaçõe

Leia mais

FÍSICA 2º ANO DIFERENÇA DE DOIS VETORES Duas grandezas vetoriais são iguais quando apresentam o mesmo módulo, a mesma direção e o mesmo sentido.

FÍSICA 2º ANO DIFERENÇA DE DOIS VETORES Duas grandezas vetoriais são iguais quando apresentam o mesmo módulo, a mesma direção e o mesmo sentido. FÍSICA º ANO I- ETOES - GANDEZA ESCALA E ETOIAL a) G Ecalar: é aquela que fica perfeitamente definida quando conhecemo o eu valor numérico e a ua unidade de medida Ex: maa, tempo, comprimento, energia,

Leia mais

MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO

MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO Diciplina de Fíica Aplicada A 1/ Curo de Tecnólogo em Getão Ambiental Profeora M. Valéria Epíndola Lea MOVIMENTOS VERTICAIS NO VÁCUO Agora etudaremo o movimento na direção verticai e etaremo deprezando

Leia mais

Física I. Oscilações - Resolução

Física I. Oscilações - Resolução Quetõe: Fíica I Ocilaçõe - Reolução Q1 - Será que a amplitude eacontantenafae de um ocilador, podem er determinada, e apena for epecificada a poição no intante =0? Explique. Q2 - Uma maa ligada a uma mola

Leia mais

8 Equações de Estado

8 Equações de Estado J. A. M. Felippe de Souza 8 Equaçõe de Etado 8 Equaçõe de Etado 8. Repreentação por Variávei de Etado Exemplo 4 Exemplo 8. 4 Exemplo 8. 6 Exemplo 8. 6 Exemplo 8.4 8 Matriz na forma companheira Exemplo

Leia mais

CÁLCULO DE ARMADURAS LONGITUDINAIS DE VIGAS RECTANGULARES DE BETÃO ARMADO SUJEITAS A FLEXÃO SIMPLES PLANA DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 2

CÁLCULO DE ARMADURAS LONGITUDINAIS DE VIGAS RECTANGULARES DE BETÃO ARMADO SUJEITAS A FLEXÃO SIMPLES PLANA DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO 2 Nº 6 NOV. 008 VOL. 6 ISSN 645-5576 CÁLCULO DE ARMADURAS LONGITUDINAIS DE VIGAS RECTANGULARES DE BETÃO ARMADO SUJEITAS A FLEXÃO SIMPLES PLANA DE ACORDO COM O EUROCÓDIGO E. JÚLIO Profeor Auxiliar DEC FCTUC

Leia mais

Cinemática Exercícios

Cinemática Exercícios Cinemática Exercício Aceleração e MUV. 1- Um anúncio de um certo tipo de automóvel proclama que o veículo, partindo do repouo, atinge a velocidade de 180 km/h em 8. Qual a aceleração média dee automóvel?

Leia mais

Graduação em Engenharia Civil Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ

Graduação em Engenharia Civil Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ orção Programa de Pó-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Metrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Profeor: Luciano Rodrigue Ornela de Lima 1. Introdução Momento toror () ecundário Combinado

Leia mais

Revisão de Alguns Conceitos Básicos da Física Experimental

Revisão de Alguns Conceitos Básicos da Física Experimental Revião de Algun Conceito Báico da Fíica Experimental Marcelo Gameiro Munhoz munhoz@if.up.br Lab. Pelletron, ala 245, r. 6940 O que é uma medida? Medir ignifica quantificar uma grandeza com relação a algum

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Probabilidade e Etatítica Material teórico Medida de Diperão ou Variação Reponável pelo Conteúdo: Profª M. Roangela Maura C. Bonici MEDIDAS DE DISPERSÃO OU VARIAÇÃO Introdução ao Conteúdo Cálculo da

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

φ p 400 mm. A carga de cálculo transmitida pela laje ao pilar é igual a Q d 1120 kn

φ p 400 mm. A carga de cálculo transmitida pela laje ao pilar é igual a Q d 1120 kn GBRITO UEL - CTU Departamento de Etrutura a. Prova TRU 04 Contruçõe em Concreto Etrutural C, 08005, 1a. Parte 1 a. Quetão ponto) ): Conidere, no ELU Punção, uma laje lia em viga), apoiada obre um pilar

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

1 s. Propriedades da transformada de Laplace A seguir apresentam-se algumas propriedades importantes da transformada de Laplace:

1 s. Propriedades da transformada de Laplace A seguir apresentam-se algumas propriedades importantes da transformada de Laplace: Secção 6 Tranformada de aplace (Farlow: Capítulo 5) Definição Tranformada de aplace A tranformada de aplace é, baicamente, um operador matemático que tranforma uma função numa outra Ea operação é definida

Leia mais

Função de Transferência. Função de Transferência

Função de Transferência. Função de Transferência Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Diciplina: TEQ10- CONTROLE DE PROCESSOS Função de Tranferência cuto Prof a Ninoka Bojorge Sumário metre Função de Tranferência 5. Função de tranferência

Leia mais

5 DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ROTAÇÃO PLÁSTICA

5 DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ROTAÇÃO PLÁSTICA 5 DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE DE ROTAÇÃO PLÁSTICA 5. Introdução O preente capítulo trata da determinação da capacidade de rotação plática de elemento unidimenionai de concreto armado que apreentam ecoamento

Leia mais

Transformadas de Distância

Transformadas de Distância Tranformada de Ditância Adelailon Peioto peioto@inf.puc-rio.br Luiz Velho lvelho@vigraf.impa.br PUC-Rio.Inf.MCC 35/00 Setembro, 2000 Reumo O cálculo de tranformada de ditância tem aplicaçõe na mai divera

Leia mais

EQUILÍBRIO INTERNO DE ESTRUTURAS

EQUILÍBRIO INTERNO DE ESTRUTURAS EQUILÍBRIO INTERNO DE ETRUTURA ORÇA AXIAL, CORTANTE E MOMENTO LETOR: Apesar de na prática uma estrutura possuir três dimensões, podemos reduzir este sistema em planos e semi-planos. ocalizaremos nossa

Leia mais

Calcular os pilares, a viga intermediária e a viga baldrame do muro de arrimo misto indicado na figura 40. Dados:

Calcular os pilares, a viga intermediária e a viga baldrame do muro de arrimo misto indicado na figura 40. Dados: 8.. uro e arrimo mito Calcular o pilare, a viga intermeiária e a viga balrame o muro e arrimo mito inicao na figura 4. Dao: Peo epecífico aparente o olo: 3 γ 18 kn/m ; Angulo e atrito natural o olo: j

Leia mais

AMBIENTE COMPUTACIONAL PARA ESTUDO DE ACIONAMENTO DE MOTORES DE PASSO

AMBIENTE COMPUTACIONAL PARA ESTUDO DE ACIONAMENTO DE MOTORES DE PASSO AMBIENTE COMPUTACIONAL PARA ESTUDO DE ACIONAMENTO DE MOTORES DE PASSO Frederico Toledo Ghetti frederico@ghetti.zzn.com Univeridade Federal de Juiz de Fora, Faculdade Engenharia Elétrica. Rua Benjamin Contant,

Leia mais

31.1 Treliça de Mörsch

31.1 Treliça de Mörsch Univeridade Católica de Goiá - Departamento de Engenharia Etrutura de Concreto Armado I - Nota de Aula conteúdo 31 cialhamento 31.1 Treliça de Mörch O comportamento de peça fletida (fiurada) de concreto

Leia mais

ESTATÍSTICA. Turma Valores Intervalo A [4,8] B 4 4 4,2 4,3 4, [4,8]

ESTATÍSTICA. Turma Valores Intervalo A [4,8] B 4 4 4,2 4,3 4, [4,8] .. - Medida de Diperão O objetivo da medida de diperão é medir quão próximo un do outro etão o valore de um grupo (e alguma menuram a diperão do dado em torno de uma medida de poição). Intervalo É a medida

Leia mais

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2 Reitência do Materiai SUMÁRIO 1. TESÕES DE CISLHMETO... 1 1.1 DIMESIOMETO... 1. EXEMPLOS... Cialhamento 0 Prof. Joé Carlo Morilla Reitência do Materiai 1. Tenõe de Cialhamento Quando dua força cortante

Leia mais

Aula 7 Resposta no domínio do tempo - Sistemas de segunda ordem

Aula 7 Resposta no domínio do tempo - Sistemas de segunda ordem FUNDAMENTOS DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 7 Repota no domínio do tempo - Sitema de egunda ordem Prof. Marcio Kimpara Univeridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema de primeira ordem Prof. Marcio Kimpara

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

CAPÍTULO VI FLEXÃO ELÁSTICA EM VIGAS

CAPÍTULO VI FLEXÃO ELÁSTICA EM VIGAS 1 CAPÍTULO VI FLEXÃO ELÁSTICA EM VIGAS I. ASPECTOS GERAIS As vigas empregadas nas edificações devem apresentar adequada rigidez e resistência, isto é, devem resistir aos esforços sem ruptura e ainda não

Leia mais

CAPÍTULO 02: Ações em Estruturas de Madeira

CAPÍTULO 02: Ações em Estruturas de Madeira CAPÍTULO 02: Ações em Estruturas de Madeira 2.1 Introdução Neste capítulo serão abordadas as principais ações atuantes em estruturas de madeira para coberturas. 2.2 Aspectos gerais das ações em estruturas

Leia mais

Capítulo 4 Diagramas de esforços em pórticos planos

Capítulo 4 Diagramas de esforços em pórticos planos Diagramas de esforços em pórticos planos Professora Elaine Toscano Capítulo 4 Diagramas de esforços em pórticos planos 4.1 Pórticos planos Este capítulo será dedicado ao estudo dos quadros ou pórticos

Leia mais

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS Anai do 47º Congreo Braileiro do Concreto - CBC005 Setembro / 005 ISBN 85-98576-07-7 Volume XII - Projeto de Etrutura de Concreto Trabalho 47CBC06 - p. XII7-85 005 IBRACON. ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Resolução dos exercícios complementares

Resolução dos exercícios complementares Hiper eolução do exercício complementare Fiica FM09 b O enunciado refere-e à terceira lei de Newton: a lei da ação e reação b Subtituindo (III) em (II), temo: ( F ) 8 F 8 + 8 F m g g m (contante) Como

Leia mais

6. MÉTODO DOS DESLOCAMENTOS

6. MÉTODO DOS DESLOCAMENTOS 6. MÉTODO DOS DESLOCAMENTOS Conforme foi introduzido na Seção.3 do Capítulo, o Método dos Deslocamentos pode ser considerado como o método dual do Método das Forças. Em ambos os métodos a solução de uma

Leia mais

Ondas e Óptica. No espelho côncavo, se o objeto está colocado entre o foco e o vértice ( s < f ) do espelho a imagem é virtual e direita.

Ondas e Óptica. No espelho côncavo, se o objeto está colocado entre o foco e o vértice ( s < f ) do espelho a imagem é virtual e direita. Onda e Óptica Epelho eférico V = Vértice do epelho = entro de curatura do epelho F = Foco do epelho = Ditância do objeto ao értice de epelho = Ditância da imagem ao értice do epelho f = Foco do epelho

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ÍNDICES FÍSICOS DO SOLO. Peso Específico dos Sólidos e Granulometria

DETERMINAÇÃO DE ÍNDICES FÍSICOS DO SOLO. Peso Específico dos Sólidos e Granulometria Univeridade do Etado de Mato Groo UNEMAT - Campu de Sinop Departamento de Engenharia Civil Mecânica do Solo I DETERMINAÇÃO DE ÍNDICES FÍSICOS DO SOO eo Epecífico do Sólido e Granulometria rof.: Flavio

Leia mais

1) Determine a energia de deformação (energia interna) da estrutura abaixo. Rigidez flexional = 4200 knm²

1) Determine a energia de deformação (energia interna) da estrutura abaixo. Rigidez flexional = 4200 knm² CE2 ESTABILIDADE DAS CONSTRUÇÕES II LISTA DE EXERCÍCIOS PREPARATÓRIA PARA O ENADE 1) Determine a energia de deformação (energia interna) da estrutura abaixo. Rigidez flexional 42 knm² Formulário: equação

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Análise dos Axiomas Incorporados em Soluções de Jogos Cooperativos que Modelam o Conceito da Decisão Racional

Análise dos Axiomas Incorporados em Soluções de Jogos Cooperativos que Modelam o Conceito da Decisão Racional Análie do Axioma Incorporado em Soluçõe de Jogo Cooperativo que Modelam o Conceito da Decião Racional AUTORAS FRANCISCO ANTONIO BEZERRA Univeridade Regional de Blumenau - FURB fbezerra@furb.br MARINES

Leia mais

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.71-81, Outubro, 2009 Método implificado para cálculo de laje maciça apoiada em viga fleívei: validação por meio da análie não linear Simplified method for

Leia mais

Tabela Periódica Princípio de Exclusão de Pauli

Tabela Periódica Princípio de Exclusão de Pauli Fíica IV Poi Engenharia Eétrica: 18ª Aua (3/10/014) Prof. Avaro Vannucci Na útima aua vimo: Grandeza fíica reacionada com o número quântico: (i) Número quântico orbita (azimuta) Momento Anguar Orbita L

Leia mais

Caso zero de carregamento: No caso zero de carregamento, aplicamos à isostática o carregamento da hiperestática.

Caso zero de carregamento: No caso zero de carregamento, aplicamos à isostática o carregamento da hiperestática. Módulo 4 - Resolução de estruturas uma vez hiperestáticas externamente e com todas as suas barras solicitadas por momento fletor, sem a presença de torção, através do Processo dos Esforços. O Processo

Leia mais

ESTRADAS DE RODAGEM PROJETO GEOMÉTRICO. Resolução dos Exercícios

ESTRADAS DE RODAGEM PROJETO GEOMÉTRICO. Resolução dos Exercícios ESTRADAS DE RODAGEM PROJETO GEOMÉTRICO Reolução do Exercício ESTRADAS DE RODAGEM PROJETO GEOMÉTRICO Solução do Exercício CAPÍTULO ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS Glauco Ponte Filho. Calcular o raio

Leia mais

GEOMETRIA DESCRITIVA EBER NUNES FERREIRA

GEOMETRIA DESCRITIVA EBER NUNES FERREIRA EER NUNES FERREIR INTRODUÇÃO SISTEMS DE PROJEÇÃO ESTUDO DO PONTO - COORDENDS - SINIS C- REPRESENTÇÃO EM ÉPUR D- TERCEIR PROJEÇÃO (IST DE PERFIL) ESTUDO D RET - DETERMINÇÃO DE RETS - POSIÇÕES RELTIS ENTRE

Leia mais

O MOTOR DE INDUÇÃO PARTES 1 E 2

O MOTOR DE INDUÇÃO PARTES 1 E 2 PEA 11 Introdução à Eletromecânica e à Automação 1 O MOTOR DE INDUÇÃO PARTES 1 E 1. Objetivo Motrar o apecto contrutivo eenciai da máquina de indução bem como ua variante quanto ao rotor. Apreentar o princípio

Leia mais

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Fíica Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Introdução: Ao uarmo uma chave de roda para retirar o parafuo para trocar o pneu de um automóvel, a roda inteira pode

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

Descolagem e Aterragem. Descolagem e Aterragem

Descolagem e Aterragem. Descolagem e Aterragem 7631 º Ano da Licenciatura em Engenharia Aeronáutica 1. Decolagem (1) A decolagem, para efeito de análie, pode er dividida em quatro fae: - Aceleração no olo dede o repouo; - Rotação para a atitude de

Leia mais

CAPÍTULO 1: MEDIDAS FÍSICAS, GRANDEZAS E UNIDADES 1.1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1: MEDIDAS FÍSICAS, GRANDEZAS E UNIDADES 1.1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1: MEDIDAS FÍSICAS, GRANDEZAS E UNIDADES 1.1 INTRODUÇÃO A neceidade de medir é muito antiga e remonta à origem da civilizaçõe. Por longo tempo cada paí, cada região, cada cidade teve eu próprio

Leia mais

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 1

Exercícios de Resistência dos Materiais A - Área 1 1) Calcular as reações de apoios da estrutura da figura para P1 = 15 kn, P2 = 10 kn; P3 = 2*P1 e q = 5kN/m H A = 30 kn; V A = 31,25 kn; V B = 3,5 kn 2) A prancha de Madeira apoiada entre dois prédios suporta

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

Engenharia/Engeineerring 125 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DE PARÂMETROS DE FLUIDIZAÇÃO

Engenharia/Engeineerring 125 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DE PARÂMETROS DE FLUIDIZAÇÃO Engenharia/Engeineerring 5 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DE PARÂMETROS DE FLUIDIZAÇÃO SILVA, M. B. da ; TOMAIN, L. F. Doutor em Engenharia Mecânica, Univeridade Federal do Triângulo Mineiro UFTM, Uberaba (MG),

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

Tensões no Solo Exercícios

Tensões no Solo Exercícios Tensões no Solo Exercícios 1. Dado o perfil geotécnico abaixo, calcule: a) as tensões devidas ao peso próprio do solo σ e σ e as pressões neutras; ( ) V V b) adotando o valor de k 0 = 0,5 para todas as

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE-832 - LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA INDUSTRIAL EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS 7. Introdução A máquina de corrente

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. FUNDAMENTAL 8-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 8. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. FUNDAMENTAL 8-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 8. uso escolar. Venda proibida. 8 ENSINO FUNMENTL 8-º ano Matemática tividade complementae Ete mateial é um complemento da oba Matemática 8 Paa Vive Junto. Repodução pemitida omente paa uo ecola. Venda poibida. Samuel aal apítulo 6 Ete

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

SINTAXE E SEMÂNTICA NA REFORMULAÇÃO DE ALGUMAS PRESCRIÇÕES GRAMATICAIS

SINTAXE E SEMÂNTICA NA REFORMULAÇÃO DE ALGUMAS PRESCRIÇÕES GRAMATICAIS 565 SINTAXE E SEMÂNTICA NA REFORMULAÇÃO DE ALGUMAS PRESCRIÇÕES GRAMATICAIS THE SYNTAX AND THE SEMANTICS IN THE REFORMULATION OF SOME GRAMMATICAL PRESCRIPTION 1 RESUMO: A preente reflexão tem por objetivo

Leia mais

Para ajudar em sua organização dos estudos, vale lembrar quais foram os conteúdos trabalhados durante o bimestre:

Para ajudar em sua organização dos estudos, vale lembrar quais foram os conteúdos trabalhados durante o bimestre: ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO 2 - MATEMÁTICA Nome: Nº 9ºAno Data: / / Profeore: Diego, Deny e Yuri Nota: (Valor 1,0) 2º Bimetre Apreentação: Prezado aluno, A etrutura da recuperação bimetral paralela do Colégio

Leia mais

Aula 06 Introdução e Equilíbrio de um corpo deformável

Aula 06 Introdução e Equilíbrio de um corpo deformável Aula 06 Introdução e Equilíbrio de um corpo deformável Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br Resistência dos Materiais Definição: É um ramo da mecânica que estuda as relações entre

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

APLICAÇÕES DE ANTENAS ADAPTATIVAS EM SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS LEANDRO CARÍSIO FERNANDES

APLICAÇÕES DE ANTENAS ADAPTATIVAS EM SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS LEANDRO CARÍSIO FERNANDES UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA APLICAÇÕES DE ANTENAS ADAPTATIVAS EM SISTEMAS DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS LEANDRO CARÍSIO FERNANDES ORIENTADOR: ANTONIO JOSÉ

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais

Caso (2) X 2 isolado no SP

Caso (2) X 2 isolado no SP Luiz Fernando artha étodo das Forças 6 5.5. Exemplos de solução pelo étodo das Forças Exemplo Determine pelo étodo das Forças o diagrama de momentos fletores do quadro hiperestático ao lado. Somente considere

Leia mais

Agrupamento de Escolas Luís António Verney - Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13

Agrupamento de Escolas Luís António Verney - Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13 Agrupamento de Ecola Luí António Verney - Ecola EB, Luí António Verney Ano lectivo de 01/1 CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS - 9º Ano de Ecolaridade Em trânito Tranporte e egurança rodoviária aula previta Tema

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) ªFASE

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) ªFASE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 013 ªFASE 1. 1.1. Aplicando o método de Hondt, o quociente calculado ão o eguinte: Lita A B C D Número de voto 13 1035

Leia mais

Intruçõe Breve Verão 1 0 junho 2005 INSTRUÇÕES APENAS PARA PESSOAL QUALIFICADO APERTO DO CONJUNTO DE SUPORTES AVISO: O funcionamento da ua coluna como componente de um itema upeno pode potencialmente expor

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE P U C R S PONTIFÍCI UNIERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI CURSO DE ENGENHRI CIIL CONCRETO RMDO II FORÇ CORTNTE Pro. lmir Schäer PORTO LEGRE MRÇO DE 006 1 FORÇ CORTNTE 1- Notaçõe principai

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM

MT DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM Método de Enaio Página 1 de 5 RESUMO Ete documento, que é uma norma técnica, apreenta o procedimento para determinação da maa epecífica aparente do olo, in itu, com emprego. Precreve a aparelagem, calibração

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

Revisão UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D48 Estruturas de Concreto Armado II

Revisão UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. SNP38D48 Estruturas de Concreto Armado II UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL SNP38D48 Estruturas de Concreto Armado II Prof.: Flavio A. Crispim (FACET/SNP-UNEMAT) SINOP - MT 2015 Compressão simples Flexão composta

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA. Exp. 2

CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA. Exp. 2 r od la ort no C UNESDADE DE MOG DAS CUZES - ENGENHAA EÉCA Prof. Joé oberto Marque CUSO DE ENGENHAA EÉCA EEÔNCA DE POÊNCA Ex. ONE CHAEADA PWM ABAXADOA BUCK Objetivo: O objetivo deta exeriência é demontrar

Leia mais

Conhecimento de pacientes com insuficiência renal crônica sobre o tratamento dialítico

Conhecimento de pacientes com insuficiência renal crônica sobre o tratamento dialítico Conhecimento de paciente com inuficiência renal crônica obre o tratamento dialítico Everaldo da Silva Roberto 1 Ellen Dornela do Santo 2 Luzitano Brandão Ferreira 3 Evandro Rei da Silva Filho 4 Reumo A

Leia mais

Com base na figura, e sendo a pressão atmosférica 700 mmhg, determine p gás_abs.

Com base na figura, e sendo a pressão atmosférica 700 mmhg, determine p gás_abs. 4 a Lita de Exercício. U dado fluido apreenta a aa epecífica igual a 750 kg/³ e vicoidade dinâica igual a,5 centipoie, pede-e deterinar a ua vicoidade cineática no itea internacional.. O peo de d³ de ua

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Exercícios de cargas axiais em barras rígidas - prof. Valério SA Universidade de São Paulo - USP

Exercícios de cargas axiais em barras rígidas - prof. Valério SA Universidade de São Paulo - USP São Paulo, dezembro de 015. 1. A barra rígida AC representa um muro de contenção de terra. Ela está apoiada em A e conectada ao tirante flexível BD em D. Esse tirante possui comprimento de 4 metros e módulo

Leia mais

FLEXÃO E FLEXO-COMPRESSÃO EM ELEMENTOS DE ALVENARIA ESTRUTURAL

FLEXÃO E FLEXO-COMPRESSÃO EM ELEMENTOS DE ALVENARIA ESTRUTURAL FLEXÃO E FLEXO-COPRESSÃO E ELEENTOS DE ALVENARIA ESTRUTURAL AURICIO ARTINELLI JOAQUI Diertação apreentada à Ecola de Engenharia de São Carlo, da Univeridade de São Paulo, como parte do requiito para obtenção

Leia mais

Mecânica Geral II Notas de AULA 6 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori

Mecânica Geral II Notas de AULA 6 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori Mecânica Geral II otas de AULA 6 - Teoria Prof. Dr. Cláudio S. Sartori Forças em vigas e em cabos Introdução Analisaremos dois tipos de forças internas em dois tipos de estruturas em engenharia:. Vigas.

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC Programa de Formação Técnica Continuada Categoria de Emprego para Motore CA / CC Índice.Introdução.... Chave manuai etrela triângulo.... O motore.... Motore de indução tipo gaiola.... Motore de indução

Leia mais

Corpos Rígidos Equilíbrio

Corpos Rígidos Equilíbrio CPÍTULO II Corpos ígidos Equilíbrio 30 30 kn/m E 45 kn C 20 kn/m 10 kn.m 30 kn/m D 1,0 m 2,0 m 3,0 m 4,0 m 2,0 m 3,0 m SEESTE VEÃO 2004/2005 aria Idália Gomes 1/24 Capitulo II Corpos ígidos Equilíbrio

Leia mais

FENÔMENO DE TRANSPORTE II: INTRODUÇÃO, MODOS DE TRANSFERÊNCIA E CONSERVAÇÃO DA ENERGIA PROF. GERÔNIMO

FENÔMENO DE TRANSPORTE II: INTRODUÇÃO, MODOS DE TRANSFERÊNCIA E CONSERVAÇÃO DA ENERGIA PROF. GERÔNIMO FENÔMENO DE TRANSPORTE II: INTRODUÇÃO, MODOS DE TRANSFERÊNCIA E CONSERVAÇÃO DA ENERGIA PROF. GERÔNIMO Tranferência de calor e energia térmica O QUE É TRANSFERÊNCIA DE CALOR? Tranferência de calor é a energia

Leia mais

Assunto: Estruturas Isostáticas Momento Fletor e Cortante Prof. Ederaldo Azevedo Aula 6 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 6.1 Generalidades As forças são classificadas em: externas e internas. Todos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY

A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 27 A PRODUÇÃO DE SENTIDOS NOS CAMINHOS DO HIPERTEXTO THE PRODUCTION OF SENSE IN THE HYPERTEXT WAY 1 RESUMO: A tecnologia da informação e comunicação - TIC ampliam o epaço para comunicação e interação na

Leia mais

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s

Inclusão Social dos Jovens nos Assentamentos Rurais de Areia com ênfase no trabalho da Tutoria e recursos das novas TIC s Incluão Social do Joven no Aentamento Rurai de Areia com ênfae no trabalho da Tutoria e recuro da nova TIC MIRANDA 1, Márcia C.V.; SILVA 2, Fátima do S.; FÉLIX 3, Jânio 1 Profeora orientadora e coordenadora

Leia mais

CIR CIR CIR m CIR 12 CIR 1. Problema

CIR CIR CIR m CIR 12 CIR 1. Problema roblema C B 4 A 3 4 m Calcule todas as reacções externas. As forças aplicadas actuam no meio das barras. Resolução (verificação da estatia: Estática) H A : libertação e a introdução da reacção incógnita

Leia mais

Figura 9.1: Corpo que pode ser simplificado pelo estado plano de tensões (a), estado de tensões no interior do corpo (b).

Figura 9.1: Corpo que pode ser simplificado pelo estado plano de tensões (a), estado de tensões no interior do corpo (b). 9 ESTADO PLANO DE TENSÕES E DEFORMAÇÕES As tensões e deformações em um ponto, no interior de um corpo no espaço tridimensional referenciado por um sistema cartesiano de coordenadas, consistem de três componentes

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

Sistemas de Tempo-Real

Sistemas de Tempo-Real Aula 8 Ecalonamento de tarefa aperiódica Execução conjunta de tarefa periódica e aperiódica Utilização de ervidore de tarefa aperiódica Servidore de prioridade fixa Servidore de prioridade dinâmica 1 Aula

Leia mais

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2 Fíica Báica: Mecânica - H. Moyé Nuenzveig, 4.ed, 003 Problea do Capítulo por Abraha Moyé Cohen Departaento de Fíica - UFAM Manau, AM, Brail - 004 Problea Na célebre corrida entre a lebre e a tartaruga,

Leia mais