Professor: Disciplina:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Professor: Disciplina:"

Transcrição

1 Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR Turma: 04º semestre Prof. Esp. Marcos Morais de Sousa 1

2 Prof. Esp. Marcos Morais de Sousa 2

3 Já falamos sobre O que é Software Classificação e Tipo de Softwares O que é Engenharia de Software Métodos; Ferramentas e Processos 08 - Ciclo de Vida de um Software Qualidade de software Melhoria de Processos de Software Prof. Esp. Marcos Morais de Sousa 3

4 Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR Prof. Esp. Marcos Morais de Sousa 4

5 Introdução Desenvolvimento orientado a objetos Utilização de ferramentas CASE Desenvolvimento de componentes Reusabilidade de software

6 Qualidade de Software? Não sabemos especificar certas características de qualidade, por exemplo, manutenibilidade, proteção, eficiência É muito difícil escrever especificações de softwares completas = insatisfação do cliente Qualidade é algo subjetivo Não se faz somente no começo e no final com testes Qualidade não é uma fase do ciclo de desenvolvimento de software... é parte de todas as fases Desenvolvimento de Normas e Padrões Representa a base da garantia da qualidade Cuidado com o excesso de burocracia

7 TQM (Total Quality Management) Elementos chave

8 Modelo de MacCall Os Fatores da Qualidade de McCall.

9 Colocações Pressman Definir explicitamente o termo qualidade de software, quando o mesmo é dito Criar um conjunto de atividades que irão ajudar a garantir que cada produto de trabalho da engenharia de software exiba alta qualidade Realizar atividades de segurança da qualidade em cada projeto de software Usar métricas para desenvolver estratégias para a melhoria de processo de software e, como conseqüência, a qualidade no produto final

10 Gerenciamento de Qualidade

11 Qualidade de processo e produto Qualidade de processo afeta a qualidade do produto No desenvolvimento de software é mais complexo Equipe de garantia de qualidade deve ir além do gerente de projetos Definir processo Desenvolver o produto Avaliar a qualidade do produto Aprimorar o processo Não Qualidade OK? Sim Padronizar o processo Modelo Processo manufatura

12 Atividades Principais Garantia de qualidade Estabelecimento de um framework de procedimentos organizacionais e padrões que conduzem a um software de alta qualidade Planejamento de qualidade Seleção de procedimentos e padrões apropriados deste framework, adaptados a um projeto de software específico Controle de qualidade Definição e aprovação de processos que assegurem que a equipe de desenvolvimento tenha seguido os procedimentos e padrões de qualidade de projeto

13 Garantia de Qualidade x Controle de Qualidade

14 Garantia de Qualidade Define como a qualidade do software pode ser atingida Define como a organização sabe que o software possui o nível de qualidade necessário Relacionada à definição e seleção de padrões que devem ser aplicados ao processo de desenvolvimento de software ou ao produto de software Padrões de produtos Documentos (Estrutura do documento de requisitos, documentações de classes), padrões de codificação Aplicam-se à saída do processo de software Padrões de processo Como os processos devem ser seguidos durante o desenvolvimento Descrição dos documentos que devem ser escritos ao longo dos processos.

15 Garantia de Qualidade Como iremos definir padrões?

16 Planejamento de Qualidade Deve selecionar os padrões de qualidade apropriados Como? Analisando o produto e o processo Plano de qualidade deve conter: Apresentação do produto Planos do produto Descrições do processo Metas de qualidade Riscos e gerenciamento de riscos

17 Planejamento de Qualidade (Atributos de qualidade) Segurança Modularidade Complexidade Proteção Adaptabilidade Portabilidade Confiabilidade Facilidade de Recuperação Robustez Facilidade de Testes Facilidade de Compreensão Facilidade de Aprendizado Facilidade de Uso Facilidade de Reuso Eficiência

18 Controle de Qualidade Monitoração do processo Produtos são verificados de acordo com os padrões definidos Abordagens para verificar a qualidade dos produtos de projeto: Grupo de pessoas Automatizado por meio de software

19 Melhoria de Processo de Software É considerada hoje uma das grandes prioridades Busca por produtos com maior qualidade Entrega a curto prazo Menor custo de desenvolvimento Entender as características dos processos existentes e fatores que afetam a sua capacidade Planejar, justificar e implementar ações que modificarão os processos Avaliar os impactos e benefícios ganhos, comparando-os com os custos advindos das mudanças realizadas

20 Avaliação de Processo Contexto Interno Externa Terceiros fornecedor é avaliado Objetivos Melhoria dos processos Determinar a capacidade dos processos de uma organização Escopo Todos os processos da organização Um subconjunto selecionado de processos Um projeto em específico

21 Análise Causal de Defeitos É considerada na maioria das abordagens de melhoria de processo de software: MPS.BR, CMMI, Six Sigma, Lean

22 Análise Causal de Defeitos Causas podem revelar oportunidades de melhoria em ativos de processos organizacionais Uma das principais características de qualidade do produto são os defeitos encontrados em seus artefatos. O esforço para realizar a análise causal varia entre 0,5 e 1,5% A revisão média na taxa de defeitos tem sido superior a 50% Traz alto retorno de investimento para a organização

23 Análise Causal de Defeitos Pode ser resumida em seis passos: Selecionar a amostra do problema Classificar problemas selecionados Identificar erros sistemáticos Identificar principais causas Desenvolver proposta de ação Documentar resultados da Reunião

24 Análise Causal de Defeitos selecionar a amostra do problema Em organizações maduras a análise causal pode ser disparada por instabilidade detectada em um gráfico de controle estatístico.

25 Análise Causal de Defeitos classificar problemas selecionados Características: Tipo de defeito Omissão, informação estranha, ambiguidade, fato incorreto, informação inconsistente. Momento (ou fase de desenvolvimento) da sua introdução Momento da sua detecção Esforço necessário para removê-lo Uso de check-list Uso de tabelas cruzadas

26 Análise Causal de Defeitos identificar erros sistemáticos São aqueles que resultam na introdução de tipos de defeitos similares em diferentes ocasiões São geralmente relacionados a uma atividade específica ou parte de um produto Encontrar erros sistemáticos indica a existência de oportunidade de melhoria para os ativos de processos organizacionais

27 Análise Causal de Defeitos identificar principais causas Vários fatores podem gerar um erro sistemático Tratar todos os fatores pode ser inviável economicamente Esforço deve ser empregado a fim de encontrar as principais causas Conhecer o contexto organizacional é imprescindível Diagrama de Ishikawa ou espinha de peixe

28 Análise Causal de Defeitos desenvolver propostas de ação Propostas de ação devem ser desenvolvidas para evitar a ocorrência daquelas causas em iterações ou projetos futuros O número de propostas deve ser pequeno Métodos implicam em mudanças no processo Pessoas treinamento Entradas/Requisitos mudança no plano de comunicação com o cliente Ferramentas mudança no ambiente de desenvolvimento

29 Análise Causal de Defeitos Documentar resultados da reunião Registros são necessário para assegurar que as ações sejam implementadas Uma equipe de ação deve ser estabelecida de maneira que a implementação das ações possa ser gerenciada

30

31

32 Melhoria de Processo no Desenvolvimento Ágil Princípio: Em intervalos regulares o time deve refletir sobre como se tornar mais efetivo e ajustar seu comportamento de acordo com esta reflexão.

33 Melhoria de Processo no Desenvolvimento Ágil Todo o time é responsável pela melhoria de processo; As melhorias propostas são resultados da experiência do time sobre o que pode melhorar em seu próprio comportamento sem a necessidade de indicadores formais ou critérios bem definidos; As mudanças propostas pelo time entram em vigor a partir da próxima iteração, ou seja, já é incorporado ao processo da equipe não precisando de projetos pilotos;

34 Melhoria de Processo no Desenvolvimento Ágil A avaliação das mudanças ocorre pelo sentimento da equipe durante o que aconteceu durante aquela iteração, então se a mudança funcionou, a equipe pode manter aquela mudança; As mudanças são propostas em intervalos bem definidos, esses intervalos podem durar de uma a poucas iterações; O time tem autonomia para se auto-organizar e determinar como o processo será seguido e determinar que ações realizar quando não conformidades forem encontradas.

35 Melhoria de Processo no Desenvolvimento Ágil Modelos organizacionais para melhoria de processo de software Modelo tradicional: A melhoria do processo tem um caráter organizacional As melhores práticas se tornarão parte do processo padrão da empresa. Existirão indicarão de quando usá-las Ocorre um aprendizado organizacional Modelo ágil: As melhores arquiteturas, requisitos e projetos surgem de times auto-organizados. No contexto ágil, as decisões do time são mais prioritárias do que aquelas vidas da organização Não há um processo padrão definido Podem utilizar a mesma abordagem: XP

36 Melhoria de Processo no Desenvolvimento Ágil Processos padrões e avaliação de processos Modelo Tradicional: Modelos como CMMI e MPS.BR são referências atuais no mercado Ajudam a medir a evolução da MPS na organização Todo programa de melhoria deve ser avaliado de forma objetiva, seguindo critérios bem definidos e não ambíguos Não existe nenhum método de avaliação que se mostre melhor para todos os casos Modelo Ágil: Não possui indicadores definidos Avaliações são realizadas de forma subjetiva A alteração no processo também é subjetiva e informal A experiência do time define o que será utilizado Nokia Test IEEE 1648

37 Adaptação de processos Modelo tradicional: Não se mostram universalmente aplicáveis Possuem boas práticas que podem ser adaptadas aos processos Modelo ágil: Melhoria de Processo no Desenvolvimento Ágil São adaptados com mais frequência e de forma não sistematizada O desenvolvimento é baseado em um ambiente com mudanças frequentes Cada projeto pode ter suas adaptações

38 Implantação de processos Modelo tradicional: Busca a melhoria de processo como um todo, abordando o processo organizacional Podem escolher a abordagem Big-Bem ou por pedaços Modelo ágil: Melhoria de Processo no Desenvolvimento Ágil Mudanças ocorrem normalmente como um todo em vez de partes

39 Medição Método tradicional: Entender o desenvolvimento e manutenção Controlar projetos Melhorar processos e produtos São baseados nas fases, atividades e produtos desenvolvidos ao longo do projeto Método ágil: Melhoria de Processo no Desenvolvimento Ágil Software funcionando é a primeira métrica de progresso

40 Experiência, conhecimento e aprendizado Modelo tradicional: Lições aprendidas em projetos correntes devem ser testadas em outros projetos e, se o resultado for positivo, o mesmo deve ser adicionado à base de conhecimento da organização É analisado em que contexto este resultado pode ser reproduzido Modelo ágil: Melhoria de Processo no Desenvolvimento Ágil Em intervalos regulares, o time deve refletir sobre como se tornar mais efetivo, então ajustar seu comportamento de acordo com a reflexão. A ênfase é dada ao aprendizado coletivo Os times são encorajados a mostrar seus erros e aprender com eles

41 Melhoria de Processo no Desenvolvimento Ágil - Considerações A MPS no desenvolvimento ágil é muito distinta daquela vista nos modelos tradicionais Pouco formalismo e forma não sistemática É focada na melhoria do comportamento em ambientes de mudanças constantes Os times podem se auto-organizar para se adaptar a uma situação

42 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration SW-CMM criado pelo SEI (Software Engineering Institute) e -encomendado pelo Pentágono Foi criado focando no processo de engenharia de software Melhoria contínua Buscando a disciplina e controle no desenvolvimento e manutenção É uma das principais referências de modelo de qualidade

43 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Observou-se com o passar do tempo que poderia ser aplicado em outras disciplinas: Engenharia de sistemas Aquisição de software Gestão e desenvolvimento de mão-de-obra Desenvolvimento integrado de produtos e processos Em 2000, foi criado o primeiro modelo CMMI, combinando suas várias disciplinas em uma única estrutura, flexível e componentizada

44 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration

45 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration

46 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration

47 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration

48 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration

49 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Definição e objetivos É um modelo de maturidade de melhoria de processos para desenvolvimento de produtos e serviços Apresenta as melhoras práticas voltadas para atividades de desenvolvimento e manutenção Abrange todo o ciclo de vida, desde a concepção até a manutenção Envolve a avaliação da maturidade da organização, a capacitação das suas áreas de processo, estabelecimento de prioridades e a implementação de ações de melhorias

50 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Constelações CMMI for Development CMMI-DEV CMMI for Services CMMI-SVC CMMI for Acquisition CMMI-ACQ Processos: Monitoração Medição Gerenciamento Serviços: Entrega Interna Entrega Externa Produtos e Serviços: Aquisição

51 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Componentes do Modelo Componentes Requeridos Componentes Esperados Componentes Informativos O que devemos fazer para satisfazer uma área do processo? O que podemos implementar para alcançar um componente requerido? Como podemos começar a se aproximar dos componentes requeridos e esperados? Metas (específicas e genéricas) Práticas Produtos de Trabalho e subpráticas

52 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration

53 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration O propósito da área de processo denominada Definição do Processo Organizacional (OPD) é Estabelecer e manter um conjunto utilizável de ativos de processos organizacionais, padrões no ambiente de trabalho, e as regras e diretrizes para as equipes."

54 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Um exemplo das notas introdutórias do Controle e Monitoração do Projeto é: "Quando o estado atual se desvia significativamente dos valores esperados, medidas adequadas devem ser tomadas como ações corretivas"

55 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Um exemplo de uma referência encontrada na seção Áreas de Processo Relacionadas da área de processo Planejamento do Projeto é "Consulte a área de processo Gestão de Riscos para obter mais informações sobre a identificação,análise de riscos e mitigação de riscos."

56 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Uma das metas ou objetivos específicos da área de processo Gerenciamento de Configuração é "integridade das baselines é estabelecida e mantida."

57 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Um exemplo de uma meta ou objetivo genérico é: "O processo é institucionalizado como um processo definido."

58 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Uma prática específicas na área de Controle e Monitoração do Projeto é: Monitorar os compromissos confome identificados no plano de projeto.

59 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Uma prática genérica para o objetivo genérico O processo é institucionalizado como um processo definido é Disponibilizar recursos adequados para executar o processo, desenvolvendo os produtos do trabalho e fornecer os serviços do processo

60 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Um produto de trabalho para a prática específica Monitorar parâmetros do planejamento do projeto na área de processo denominada Controle e Monitoração do projeto é Registros dos desvios significativos

61 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Uma subprática para a prática especifica tomar uma ação corretiva na área de processo denominada Controle Monitoração do Projeto é Determinar e documentar as ações apropriadas necessárias para enfrentar os problemas identificados

62 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration uma elaboração de prática genérica depois da prática genérica "Estabelecer e manter uma política organizacional para planejar e executar o processo" para a área de processo Planejamento do Projeto é "Esta política estabelece expectativas organizacionais para estimar os parâmetros de planejamento, tomada de compromissos internos e externos, e desenvolver o plano de gerenciamento do projeto. "

63 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration

64 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Nível Níveis de Capacidade da Abordagem Contínua Níveis de Maturidade da Abordagem por Estágios Nível 0 Incompleto --- Nível 1 Executado Inicial Nível 2 Gerenciado Gerenciado Nível 3 Definido Definido Nível Gerenciado Quantitativamente Nível Otimizando

65 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration

66 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration

67 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Nível Níveis de Capacidade da Abordagem Contínua Níveis de Maturidade da Abordagem por Estágios Nível 0 Incompleto --- Nível 1 Executado Inicial Nível 2 Gerenciado Gerenciado Nível 3 Definido Definido Nível Gerenciado Quantitativamente Nível Otimizando Um processo incompleto é um processo que, ou não é executado ou está parcialmente cumprido. Um ou mais dos objetivos específicos da área de processo não está satisfeito e não existem objetivos genéricos para este nível, pois não há razão para institucionalizar um processo parcialmente cumprido.

68 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Nível Níveis de Capacidade da Abordagem Contínua Níveis de Maturidade da Abordagem por Estágios Nível 0 Incompleto --- Nível 1 Executado Inicial Nível 2 Gerenciado Gerenciado Nível 3 Definido Definido Nível Gerenciado Quantitativamente Nível Otimizando Na capacidade de nível 1, o processo é caracterizado como um processo executado. Um processo executado é um processo que realiza o trabalho necessário para produzir produtos de trabalho, os objetivos específicos da área de processo estão satisfeitos.

69 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Nível Níveis de Capacidade da Abordagem Contínua Níveis de Maturidade da Abordagem por Estágios Nível 0 Incompleto --- Nível 1 Executado Inicial Nível 2 Gerenciado Gerenciado Nível 3 Definido Definido Nível Gerenciado Quantitativamente Nível Otimizando Na capacidade de nível 2, o processo é caracterizado como um processo gerenciado. Um processo gerenciado é um processo executado que é planejado e executado de acordo com uma política; emprega pessoas qualificadas e tem recursos adequados para produzir saídas controladas; envolve as partes interessadas; é monitorado, controlado e revisto, e é avaliada para a adesão à sua descrição do processo.

70 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Nível Níveis de Capacidade da Abordagem Contínua Níveis de Maturidade da Abordagem por Estágios Nível 0 Incompleto --- Nível 1 Executado Inicial Nível 2 Gerenciado Gerenciado Nível 3 Definido Definido Nível Gerenciado Quantitativamente Nível Otimizando Na capacidade de nível 3, o processo é caracterizado como um processo definido. Um processo definido é um processo gerenciado que é adaptado do conjunto da organização de processos padronizados de acordo com as diretrizes da organização; tem uma descrição do processo mantida; e contribui com as experiências relatadas para os ativos de processos organizacionais.

71 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Nível Níveis de Capacidade da Abordagem Contínua Níveis de Maturidade da Abordagem por Estágios Nível 0 Incompleto --- Nível 1 Executado Inicial Nível 2 Gerenciado Gerenciado Nível 3 Definido Definido Nível Gerenciado Quantitativamente Nível Otimizando Na nível de maturidade 1, os processos são caóticos. A organização geralmente não fornecem um ambiente estável para apoiar os processos. Sucesso nestas organizações depende da competência e heroísmo das pessoas na organização e não sobre o uso de processos comprovados. Apesar do caos, a maturidade de nível 1 nas organizações muitas vezes produz produtos e serviços que funcionam, mas eles freqüentemente ultrapassam o orçamento e cronograma documentados nos seus planos. No nível de maturidade 1 as organizações são caracterizadas por uma tendência de abandonar os seus processos em tempo de crise, e ser incapaz de repetir seus sucessos.

72 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Nível Níveis de Capacidade da Abordagem Contínua Níveis de Maturidade da Abordagem por Estágios Nível 0 Incompleto --- Nível 1 Executado Inicial Nível 2 Gerenciado Gerenciado Nível 3 Definido Definido Nível Gerenciado Quantitativamente Nível Otimizando No nível de maturidade 2, os projetos têm garantido que os processos são planejados e executados de acordo com a política, os projetos empregam pessoas qualificadas que tenham recursos adequados para produzir saídas controladas; envolver as partes interessadas relevantes; são monitorados, controlados e revisados, e são avaliados para aderência às descrições de seu processo. A disciplina de processo refletida por nível de maturidade 2 ajuda a garantir que as práticas existentes são mantidas durante os períodos de stress. Quando estas práticas estão no local, os projetos são executados e geridos de acordo com seus planos documentados. Também no nível de maturidade 2, o status dos produtos de trabalho são visíveis para a gestão em pontos definidos (por exemplo, nos marcos principais, após a conclusão das tarefas principais). Compromissos são estabelecidos entre as partes interessadas relevantes e são revisados conforme necessário. Produtos de trabalho são controlados adequadamente. Os produtos de trabalho e serviços de satisfazer as suas descrições de processo especificadas, normas e procedimentos.

73 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Nível Níveis de Capacidade da Abordagem Contínua Níveis de Maturidade da Abordagem por Estágios Nível 0 Incompleto --- Nível 1 Executado Inicial Nível 2 Gerenciado Gerenciado Nível 3 Definido Definido Nível Gerenciado Quantitativamente Nível Otimizando No nível de maturidade 3, os processos são bem caracterizados e compreendidos, e estão descritos nas normas, procedimentos, ferramentas e métodos. Define os processos padrões da organização, que é a base para o nível de maturidade 3, é estabelecido e melhorado ao longo do tempo. Estes processos padrões são usados para estabelecer coerência em toda a organização. Projetos estabelecem seus processos definidos de acordo com os processos padronizados da organização.

74 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Nível Níveis de Capacidade da Abordagem Contínua Níveis de Maturidade da Abordagem por Estágios Nível 0 Incompleto --- Nível 1 Executado Inicial Nível 2 Gerenciado Gerenciado Nível 3 Definido Definido Nível Gerenciado Quantitativamente Nível Otimizando No nível de maturidade 4, a organização e projetos estabelecem objetivos quantitativos para a qualidade e o desempenho de processos e usá-los como critérios na gestão de projetos. Objetivos quantitativos são baseados nas necessidades do cliente, os usuários finais, organização e implementadores do processo. Desempenho de qualidade e processo é entendido em termos estatísticos e é gerido ao longo da vida de projetos.

75 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Nível Níveis de Capacidade da Abordagem Contínua Níveis de Maturidade da Abordagem por Estágios Nível 0 Incompleto --- Nível 1 Executado Inicial Nível 2 Gerenciado Gerenciado Nível 3 Definido Definido Nível Gerenciado Quantitativamente Nível Otimizando No nível de maturidade 5, uma organização melhora continuamente seus processos com base em um entendimento quantitativo dos seus objetivos de negócio e as necessidades de desempenho. A organização utiliza uma abordagem quantitativa para entender a variação inerente ao processo e as causas dos resultados do processo.

76 CMMI Capabiliy Maturity Model Integration Resultados obtidos com a implementação do CMMI

77 MPS.BR

78 MPS.BR

79 MPS.BR

80 MPS.BR

81 MPS.BR

82 Até a próxima! Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Prof. Esp. Marcos Morais de Sousa 82

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Melhorias de Processos de Engenharia de Software

Melhorias de Processos de Engenharia de Software Melhorias de Processos de Engenharia de Software CMMI 1 Profa. Reane Franco Goulart O que é CMMI? O Capability Maturity Model Integration (CMMI) é uma abordagem de melhoria de processos que fornece às

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMMI E METODOLOGIAS Á G EIS CMMI E METODOLOGIAS ÁGEIS Os métodos de desenvolvimento Ágeis e

Leia mais

Modelo de Qualidade CMMI

Modelo de Qualidade CMMI Modelo de Qualidade CMMI João Machado Tarcísio de Paula UFF - Campus Rio das Ostras Resumo Este trabalho tem como objetivo explicar de forma simples o que é e como funciona o modelo de qualidade CMMI,

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

CMMI: Capability Maturity Model Integration

CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model Integration Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 21/10/2015 Adriano J. Holandahttp://holanda.xyz CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado.

Década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado. Aécio Costa CMM Década de 80, o Instituto de Engenharia de Software (SEI) foi criado. Objetivos Fornecer software de qualidade para o Departamento de Defesa dos EUA Aumentar a capacitação da indústria

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS

ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS PMO PROJETOS PROCESSOS MELHORIA CONTÍNUA PMI SCRUM COBIT ITIL LEAN SIX SIGMA BSC ESCRITÓRIO RIO DE PROJETOS DESAFIOS CULTURAIS PARA IMPLANTAÇÃO DANIEL AQUERE DE OLIVEIRA, PMP, MBA daniel.aquere@pmpartner.com.br

Leia mais

Melhoria de Processos CMMi

Melhoria de Processos CMMi Melhoria de Processos CMMi Prof. Marcelo Maia 1 O que é o CMMI? Um modelo previamente comprovado de melhoria de processos na organização; Um framework para organizar e priorizar atividades de melhoria;

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Qualidade de Software. Qualidade de Software. Adequado à Especificação. Alguns Atributos de Qualidade. Equipe de Qualidade

Qualidade de Software. Qualidade de Software. Adequado à Especificação. Alguns Atributos de Qualidade. Equipe de Qualidade DCC / ICEx / UFMG Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo A qualidade de software tem se aprimorado nos últimos 15 anos Empresas têm adotado novas técnicas Orientação a objetos se difundiu

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini

Unidade VI GOVERNANÇA DE TI. Profa. Gislaine Stachissini Unidade VI GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Capability Maturity Model Integration CMMI SW-CMM (Software Capability Maturity Model): prove informações para o aprimoramento de processos de desenvolvimento

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration)

Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration) Introdução ao CMM (CapabilityMaturityModel) e CMMI (Capability Maturity Model Integration) CMM CapabilityMaturityModel O CMM é um modelo desenvolvido pelo Software Engineering Institute (SEI) em parceria

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL

Gerenciamento de Qualidade. Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Gerenciamento de Qualidade Paulo C. Masiero Cap. 24 - SMVL Introdução Melhoria nos níveis gerais de qualidade de software nos anos recentes. Diferenças em relação ao gerenciamento da qualidade na manufatura

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10

CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 CobiT 4.1 Plan and Organize Manage Projects PO10 Planejar e Organizar Gerenciar Projetos Pedro Rocha http://rochapedro.wordpress.com RESUMO Este documento trás a tradução do objetivo de controle PO10 (Gerenciamento

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães

A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software. Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães A Importância do Controle da Qualidade na Melhoria de Processos de Software Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães Agenda Contextualização da Qualidade Dificuldades na construção de software Possíveis soluções

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e

MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e MODELO SPICE Software Improvement and Capacibilty Determination Avalia o software com foco na melhoria de seus processos (identifica pontos fracos e fortes, que serão utilizados para a criação de um plano

Leia mais

Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM)

Modelos de Maturidade (CMMI, MPS-BR, PMMM) UNEB - UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA - DCET1 COLEGIADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DISCIPLINA: ENGENHARIA DE SOFTWARE PROFESSOR: EDUARDO JORGE Modelos de Maturidade

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps)

Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto mps Br: Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software CMMI SPICE SCAMPI MODELO PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOFTWARE

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK

Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Residência em Arquitetura de Software Demais Áreas de Conhecimento do PMBOK Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Desenvolvimento 2008.2 Faculdade de Computação

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Gerência de Projetos Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Laboratório de Tecnologia de Software LTS www.ufpa.br/lts Rede Paraense de Pesquisa em Tecnologias de Informação

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro

Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Projeto: mps Br melhoria de processo do software Brasileiro Introdução ao Modelo de Referência para melhoria do processo de software (MR mps) Realidade das Empresas Brasileiras ISO/IEC 12207 ISO/IEC 15504 CMMI Softex Governo Universidades Modelo de Referência para

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

Modelos de Maturidade: MPS.BR. Aécio Costa

Modelos de Maturidade: MPS.BR. Aécio Costa Modelos de Maturidade: MPS.BR Aécio Costa Criado em 2003 pela Softex para melhorar a capacidade de desenvolvimento de software nas empresas brasileiras. Objetivo: Impulsionar a melhoria da capacidade de

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES

Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO INSTRUÇÕES P1-MPS.BR - Prova de Introdução ao MPS.BR Data: 21 de maio de 2007 Horário: 13:00 às 15:00 horas (hora de Brasília) Nome: e-mail: Nota: INSTRUÇÕES Você deve responder a todas as questões. O total máximo

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br

Qualidade de Software Aula 6 / 2010. luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Qualidade de Software Aula 6 / 2010 Prof. Dr. Luís Fernando Garcia luis@garcia.pro.br www.garcia.pro.br Introdução As três dimensões críticas Introdução Começando MAL CMMI Impeditivos CMMI Desculpas CMMI

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Garantia da Qualidade de Processo e Produto Direitos de Uso do Material Material desenvolvido pela ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. É permitido o uso deste material

Leia mais

Atividade da gerência da qualidade

Atividade da gerência da qualidade O que é qualidade de software? Qualidade, de forma simplista, significa que o produto deve esta de acordo com a especificação. Problemas: Tensão entre requisitos do cliente: Eficiência, confiança, etc.

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Qualidade de Software. Anderson Belgamo

Qualidade de Software. Anderson Belgamo Qualidade de Software Anderson Belgamo Qualidade de Software Software Processo Produto Processo de Software Pessoas com habilidades, treinamento e motivação Processo de Desenvolvimento Ferramentas e Equipamentos

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br TMMi Test Maturity Model integration Erika Nina Höhn erikahohn@asrconsultoria.com.br Agenda Fundamentos Estrutura do TMMi TMMi x CMMi Proposta de avaliação e diagnóstico Custos

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002

Gerência e Planejamento de Projeto. SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Gerência e Planejamento de Projeto SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto

Leia mais

Visão Geral da Qualidade de Software

Visão Geral da Qualidade de Software Visão Geral da Qualidade de Software Glauber da Rocha Balthazar Faculdade Metodista Granbery (FMG) Bacharel em Sistemas de Informação Rua Batista de Oliveira, 1145-36010-532 - Juiz de Fora - MG glauber_rochab@yahoo.com.br

Leia mais

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software

Gerenciando Riscos no Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, MSc rafael.espinha@primeup.com.br João Condack, MSc condack@primeup.com.br Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Gerenciando Riscos

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001.

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Qualidade de Software Produto de Software Processo de Software Modelo de Qualidade CMM Qualidade Qualidade de Software Na visão popular: Luxo Mais caro, complexo = maior

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 9 1 Introdução 1.1. Motivação Ao longo das últimas décadas, observou-se um aumento enorme na complexidade dos sistemas de software desenvolvidos, no número de profissionais que trabalham nesta área, na

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM M P S. B R : M E L H O R I A D E P R O C E S S O D O S O F T W A R E B R A S I L E I R O A

Leia mais

Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito

Este atributo evidencia o quanto o processo atinge o seu propósito Alterações no Guia Geral:2011 Este documento lista todas as alterações realizadas nos resultados esperados de processos e resultados esperados de atributos de processo presentes no MR-MPS versão de 2011

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais