Overview da Tecnologia Profibus

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Overview da Tecnologia Profibus"

Transcrição

1 Overview da Tecnologia Profibus César Cassiolato Diretor de Marketing, Qualidade, Assistência Técnica, Instalações e Montagens Smar Presidente da Associação Profibus Brasil América Latina Smar Equipamentos Ind. Ltda. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 1

2 Cenário em termos de tecnologias Tipo de controle Controle de Processo Controle Lógico Sensorbus Seriplex ASI INTERBUSLoop Devicebus Device Net SDS Profibus DP LONWorks INTERBUS-S Fieldbus IEC/ISA SP50 Profibus PA HART Foundation Fieldbus bit byte bloco Tipo de Dispositivo Dispositivo Simples Dispositivo Complexo ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 2

3 Comunicação Transparente Nível de Fábrica Tempo de ciclo < 1000 ms Ethernet/TCP/IP CNC Router / Firewall Plant Backbone Células ETHERNET Tempo de ciclo < 100 ms VME/PC PLC DCS Nível de Campo PROFIBUS-DP PROFIBUS-PA Tempo de ciclo < 10 ms ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 3

4 PROFIBUS DP PROFIBUS Topologias de Rede Fibra ótica RS485 DP/PA link Par de fios trançados IEC RS 485: Profibus DP OLM OLM DP/PA link PROFIBUS PA RS 485 is: DP em áreas (Ex) IEC : Profibus PA OLM Fibra Ótica: Profibus DP Infravermelho: Profibus DP ILM Infra-vermelho ILM Repetidor DP/PA link Topologias de Rede: redundante PROFIBUS DP/iS Barreira + Repetidor PROFIBUS PA anel linha estrela Eex / Não-Eex ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 4

5 Técnica de Transmissão RS 485 (Profibus DP) Transmissão Assíncrona NRZ Baud rates de 9.6 kbit/s a 12 MBit/s selecionável Par trançado com shield 32 estações por segmento, max. 126 estações Distância dependente do baud rate 12 MBit/s = 100 m; 1.5 MBit/s = 200m; < kbit/s = 1000 m Distância expansível até 10Km com o uso de repetidores 9 PIN, D-Sub conector Vale lembrar que os equipamentos PROFIBUS DP não são alimentados pelo barramento. Possibilidade de Segurança Intrínseca: RS485-IS IEC (H1- Profibus PA) Transmissão Síncrona Manchester bi-fase, kbit/s, modo corrente Segurança Intrínseca (opcional) e alimentação via barramento (depende do fabricante) Par de cabo trançado com ou sem shield Distância de 1900 m por segmento, expansível até 10Km com o uso de repetidores (até 4) max. 126 estações, por segmento (dep. da classificação da área e do consumo dos equipamentos) ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 5

6 PROFIBUS-DP Principais catacterísticas: Excelente para substituir extensos cabeamentos entre PLC/SDCD/PC e E/S Muito rápido, transmite 1 kbyte de dado de entrada e saída em menos de 2ms Poderosas ferramentas reduzem os esforços de configuração e manutenção Suportado pelos principais fabricantes de PLCs e SDCDs Vários tipos de produtos, isto é, PLC, SDCD, PC, I/O remoto, Inversores de Frequência, CCMs inteligentes, Válvulas, Encoders Comunicação cíclica e acíclica(via funções DPV1) Comunicação Mono e multi mestres Até 244 bytes de dados de entrada e 244 bytes de saída por estação Distância Hamming HD = 4 HD 4 significa que até 3 falhas de transmissões ao mesmo tempo podem ser detectadas (feito pelo ASICs); ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 6

7 Comunicação Mestre e Escravo PLC, SDCD ou PC Industrial 24 V Profibus-PA kbit/s Remote I/O Acionamentos Equipamentos PA Sistemas com Mono mestre alcançam tempos de respostas muito curtos Eles consistem de - 1 Mestre DP (Classe 1) - 1 a 125 escravos DP - 1 Mestre DP (Classe 2) - opcional ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 7

8 Comunicação Multimestre, passagem do token Vários mestres DP podem acessar os escravos com as funções de leituras PLC / SDCD / PC token token token PC Industrial 24 V Profibus-PA kbit/s Remote I/O Drivers Um sistema multi-mestre consiste de: - múltiplos mestres (classe 1 ou 2) - 1 a 124 DP-Slaves no máximo - max. 126 devices em um mesmo bus Equipamentos PA ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 8

9 Cabo Profibus - DP Cabo Recomendado: Tipo A Impedância (Ω): 135 a 165 Freqüência (MHz) : 3 a 20 Capacitância (pf/m): < 30 Resistência de Loop (Ω/km): <110 Seção (mm²): >= 0.34 ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 9

10 PROFIBUS-DP: Distâncias Max. Permitidas Verificação das distâncias máximas permitidas Distâncias limites dependem do tipo do cabo assim como da taxa de comunicação Obs: Distâncias baseadas em velocidade de transmissão para cabo tipo A em RS485 Baud rate (kbit/s) Comprimento Total (m) ou Segmento (m) Tronco Máximo (m) Spur Máximo (m) Distância Mínima entre slaves deve ser respeitada - Com fibra ótica Sintética consegue-se Longa distância, > 80 km ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 10

11 Detalhes da instalação Terminação(RS485) Cada segmento necessita ser terminado nas duas extremidades; Terminação deve ser energizada todo o tempo; Se possível, usar uma terminação no mestre; A potência para a terminação precisa ser provida pelo equipamento. Terminação Terminação ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 11

12 PROFIBUS-DP: Repetidores Devemos colocar sempre o repetidor quando temos que expandir a capacidade de escravos no DP, considerando como limite 32 devices/segmento, sendo que o mestre conta como um device e o repetidor também Além disso, como o repetidor garante isolação galvânica, deve-se tê-lo sempre que tenhamos uma área geradora de ruídos e com isto reduziremos o ruído e potencial transientes em modo comum. Pode ser que tenhamos(e com grande probabilidade) diferença de terra entre as áreas por onde passa o DP e por isto, devemos colocar, como por exemplo no CCM, o repetidor DP para que tenhamos a isolação galvânica e ainda, isto fará com que o sinal não seja afetado pelo diferencial de terra de outra área ou mesmo afete outra área. Alguns fornecedores já providenciam o repetidor no CCM. Outro uso do repetidor DP é quando deseja-se criar braços além do tronco principal e existe uma regra que define a máxima distância entre duas estações. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 12

13 PROFIBUS-DP: Repetidores & Terminadores Repetidores & Terminadores Quando o mestre está localizado no início do barramento com um terminador ativo e o último escravo, o mais distante do mestre, também possui terminador ativo, deve-se atentar para que este último escravo deva permanecer alimentado o tempo todo, pois durante sua manutenção ou reposição, pode haver comunicação termitente com os outros devices. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 13

14 PROFIBUS-DP: Repetidores & Terminadores Repetidores & Terminadores Quando o mestre está localizado no início do barramento com um terminador ativo e se tem repetidores deve-se ter um terminador na chegada e saída do repetidor, sempre que se tem um segmento novo. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 14

15 PROFIBUS-DP: Repetidores & Terminadores Repetidores & Terminadores Quando devido à arquitetura e/ou topologia tem-se algo como a figura, onde se tem o mestre no meio do barramento, deve-se colocar os terminadores no primeiro escravo(o mais a esquerda do mestre) e no último(o mais distante), mantendo-os sempre energizados. Aqui também, durante a manutenção ou reposição, pode haver comunicação intermitente com os outros devices. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 15

16 PROFIBUS-DP: Terminadores Terminadores Verifique a posição de ativação dos terminadores de acordo com o que foi visto anterior e se certifique que apenas dois terminadores estejam ativos. No caso de repetidores, vale o que já vimos anteriormente. Um outro cuidado que se deve tomar é o excesso de terminação; alguns devices possuem terminação on-board. Verifique também se no caso de uma parada se os terminadores possuem energização suficiente. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 16

17 Profibus-DP: Formas de Onda Formas de onda no RS-485, entre o pino 3 e 8 A forma de onda dependerá da taxa de comunicação, sendo um sinal normalmente excursionando entre -7V e +12V. Pode ser encontrado excursões de -9V a +14V ou ainda -8V a +13V, dependendo do driver 485 usado. VODidle tensão diferencial em repouso(sem transmissão ativa) UODlow tensão diferencial na fase negativa UODhigh tensão diferencial na fase positiva UODss nivel máximo de saída, pico-a-pico UTH tensão de limiar do receptor (±0.2V de acordo com a EIA 485 /4/) ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 17

18 Profibus-DP: Formas de Onda & Terminadores Ativação do BT na posição indevida Terminação ativa na posição incorreta (fig. da esquerda) e com a terminação correta. Observe que tanto o nível quanto a forma de onda são degradados. O ativação incorreta do terminador causa descasamento de impedância e reflexões do sinal, uma vez que além do terminador ainda tem cabo com sua impendância. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 18

19 Profibus-DP: Formas de Onda & Terminadores Sem Ativação do BT A falta de terminação(esquerda), onde o não casamento de impedância faz com que o cabo Profibus fique susceptível a reflexão de sinal, atuando como uma antena. Na forma de onda à direita, podemos ver a falta de terminação. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 19

20 Profibus-DP: Formas de Onda & Terminadores O Tamanho do tronco além dos limites A forma de onda gerada pelo fato de um tamanho de tronco além do permitido (esquerda) e com o tamanho de tronco dentro dos limites(direita). Observe que tanto o nível quanto a forma de onda são degradados e há geração de spiking e ruídos. O tronco além dos limites causa descasamento de impedância e reflexões do sinal ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 20

21 PROFIBUS-DP: Shield & Aterramento Shield O shield (a malha, assim como a lâmina de alumínio) deve ser conectado ao terra funcional do sistema em todos os conectores DP do cabo, de tal forma a proporcionar uma ampla área de conexão com a superfície condutiva aterrada. Onde se tem um diferencial de tensão entre os pontos de aterramento recomenda-se passar junto ao cabeamento uma linha de equalização de potencial (às vezes a própria calha metálica pode ser usada ou um cabo AWG 10-12). ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 21

22 Profibus-DP: Instalações Mecânicas Instalações Mecâncias Verifique para cada equipamento, caixa de distribuição, caixa de junção, etc, se a classificação IP está adequada e ainda se a vedação de cabos e roscas estão adequadas, assim como, se os prensa-cabos estão adequados e vedados, etc. Além disso, verifique a rigidez das conexões elétricas e acabamentos das conexões, acabamento do shield, do aterramento, etc. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 22

23 Configuração Aberta Configuração do Sistema PLC / SDCD / PC (Mestre Classe 1) PROFIBUS Ferramenta de configuração (Mestre Classe 2) Device Data Base Files GSD-file PROFIBUS - DP Field device M I/O Sensor Drive Transmitter Field device ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 23

24 PROFIBUS - PA Process Fieldbus Process Automation É um protocolo de comunicação dedicado à Automação de Processos e otimizado para equipamentos de campo. Transmissores, Válvulas, Atuadores, Conversores, etc. Interligados e alimentados via barramento fieldbus. Cada equipamento de campo possui um endereço físico e único no barramento. Possibilidades de uso em áreas classificadas (Zonas 0, 1, e 2) em modo Intrinsecamente Seguro (Ex ia/ib). ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 24

25 Características Baseado no PROFIBUS-DP e transmissão IEC Interoperabilidade e intercambialidade devido ao perfil PROFIBUS-PA Blocos Funcionais Diagnósticos disponíveis nos instrumentos, facilitando a manutenção Baixo consumo de energia Distância até 1900m por segmento, sem repetidores ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 25

26 Características Baude rate: kbit/s Sinal de comunicação: codificação Manchester com a modulação de corrente Topologia: Barramento, árvore/estrela, ponto-a-ponto Alimentação: via barramento ou externa, 9-32Vdc em áreas não intrinsecamente seguras ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 26

27 Características Permite no máximo 32 equipamentos (non- Ex ) por segmento, num total de 126 equipamentos Aproximadamente 9 equipamentos (Explosion Group IIC) Aproximadamente 23 equipamentos (Explosion Group IIB) Cabeamento máximo de 1900m, sem repetidores Permite 4 repetidores: distâncias até 10Km. Spur max de 120m/spur. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 27

28 H kbit/s Modo Tensão I (ma) Equipamento Profibus BT302 Bus terminator 10 ~ ~ 20 ma Idle Transmitindo Terminador C é dimensionado para kbit/s Zeq= 50 Ω ( KHz ) 100 Ohm 100 Ohm V = 50 Ω x 20mA = 1000 mv FONTE ALIM. C C V (volt) Rede Profibus 9 ~ ~ 1 Vpp Obs: como opção, um dos terminadores pode ter derivação central aterrada para evitar acúmulo de tensão na rede Profibus. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 28

29 Profibus-PA: Sinais em função do BT ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 29

30 ElementosdaRedePROFIBUS Mestres: Possui dois tipos de mestres: Classe 1: responsável pelas operações cíclicas (leitura/escrita) e controle das malhas abertas e fechadas do sistema de controle/automação (PLC). Classe 2: responsável pelos acessos acíclicos dos parâmetros e funções dos equipamentos PA (estação de engenharia ou estação de operação: PDM). Obs: - os mestres trabalham com o meio físico RS485 ou fibra ótica (até 12 Mbits/s quando são utilizados os DP/PA Links + Couplers ou SK2/SK3 da P+F para os segmentos em Profibus PA) - os equipamentos de campo são somente escravos. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 30

31 ElementosdaRedePROFIBUS Couplers: São dispositivos utilizados para traduzir as características físicas entre o PROFIBUS DP (RS485) e o PROFIBUS PA (H1:31,25kbits/s) São transparentes para os mestres (não possuem endereço no barramento Profibus DP) Atendem aplicações de segurança intrínseca (Ex) e (Non-Ex), definindo e limitando o número máximo de equipamentos em cada segmento PA. O número máximo de devices depende da somatória das correntes dos devices no segmento e distâncias envolvidas no cabeamento. São alimentados com 24 Vdc. Exemplos: Couplers Pepperl+Fuchs (93.75 kbits/s SK2/SK3:12Mbits/s) e Siemens (45.45 kbits/s). ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 31

32 ElementosdaRedePROFIBUS Couplers Existe um diagrama de conexões ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 32

33 ElementosdaRedePROFIBUS Links: São dispositivos utilizados como escravos da rede PROFIBUS DP (RS485 até 12Mbits/s) e mestre da rede PROFIBUS PA (H1:31,25kbits/s). Possuem endereço físico no barramento Profibus DP. Permitem taxas de até 12Mbits/s no barramento Profibus DP. Permitem que sejam acoplados até 5 couplers, com um número máximo de dispositivos de 64, dependendo do número de slots (Function Blocks) ocupados pos cada instrumento e/ou atuador Exemplo: IM157 - Siemens ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 33

34 ElementosdaRedePROFIBUS Links Fonte de Alimentação 24 VDC IM 157 DP/PA Coupler 1 DP/PA Coupler 2 ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 34 Link Device: IM157

35 Qual Cabo Profibus PA Utilizar? Tipo de Cabo: Par trançado 1x2, 2x2 ou 1x4 com shield Diâmetro do Cabo: maior que 0.34 mm2 ( AWG 22 ) Impedância: 35 a 165 Ohm nas frequências de 3 à 20 MHz Capacitância do Cabo: Menor que 30 pf por metro ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 35

36 PROFIBUS-PA: Spur & Devices Quantidade Verifique o comprimento dos spurs. A quantidade de Equipamentos PA(deve ser considerado os repetidores quando houver) deve estar de acordo com a tabela. Em áreas classificadas o spur máximo é de 30m Total de Equipamentos PA por segmento coupler DP/PA Comprimento do Spur (m) com 01 equip. Comprimento do Spur (m) com 02 equip. Comprimento do Spur (m) com 03 equip. Comprimento do Spur (m) com 04 equip. Comprimento considerando a quantidade máxima de spurs (m) x 120 = x 90 = x 60 = x 30 = x 32 = 32 ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 36

37 PROFIBUS-PA: Dimensionamento em função do cabo, distâncias, equipamentos Dimensionando a rede PA ISeg = Σ IBN + IFDE + IFREE Sendo que ISeg < I C Onde : ISeg = corrente no segmento PA Σ IBN = somatória das correntes quiescentes de todos os equipamentos no segmento PA IFDE = corrente adicional em caso de fallha, normalmente desprezível IFREE = corrente de folga, útil em caso de expansão ou troca de fabricante, recomendado 20 ma IC = corrente drenada pelo coupler ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 37

38 Endereçamento do sistema PROFIBUS Couplers 1 PROFIBUS DP 24V Mestre PLC / SDCD / PC PROFIBUS-DP kbit/s ou kbit/s 24V PROFIBUS-PA kbit/s COUPLER DP/PA 2 Escravos 3 4 ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 38

39 Endereçamento do sistema PROFIBUS Links 1 PROFIBUS DP 2 PROFIBUS-PA kbit/s 24V 1 PLC / SDCD / PC PROFIBUS-DP até 12 Mbit/s 24V DP/PA LINK COUPLER Mestres 1 3 Max. 5 DP/PA Couplers por link IM157 2 Escravos 3 2 Max. 35 equipamentos por link IM157 - Ex Max. 64 equipamentos por link IM157 - Non-Ex ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 39

40 Topologia: Estrela ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 40

41 Topologia: Barramento ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 41

42 O que devemos ter em uma rede PROFIBUS-PA? Placa de comunicação PROFIBUS-DP no microcomputador (Mestre Classe 2) Software de configuração e diagnóstico de dispositivos de campo PROFIBUS- PA (Simatic PDM(Siemens), FieldCare(E+H, Metso), Pactware(Vega/Outros), ProfibusView(Smar), AssetView(Smar), SmartVision(ABB), etc ) DP/PA Coupler ou DP/PA Link + Coupler ou High Speed Couplers Controlador Lógico Programável, SDCD ou PC como Mestre Classe 1 Terminadores de rede Dispositivos de campo (transmissores, posicionadores de válvulas, etc) PROFIBUS-PA ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 42

43 Integração entre os segmentos PROFIBUS-PA e PROFIBUS-DP GSD (device master data) file: arquivo txt com detalhes de revisão de hardware e software, bus timing do equipamento PA e informações sobre troca de dados cíclicos. Deve ser um para cada tipo equipamento. DD (Device Description) para o Simatic PDM : arquivo ddl com a descrição de todos os parâmetros de todos os blocos funcionais e métodos (calibração) e menus operacionais. DTMs (Device Type Manager) para sistemas FDT: AssetView, SmartVision, FieldCare, Pactware ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 43

44 Arquivo GSD para um instrumento Profibus PA #Profibus_DP GSD_Revision = 2 Vendor_Name = "SMAR" Model_Name= "LD303" Revision= "1.0" Ident_Number= 0x0895 Protocol_Ident= 0 Station_Type= 0 Bitmap_Device = "Src0895n" FMS_supp= 0 Hardware_Release= "3.0" Software_Release= "1.17" 31.25_supp= _supp= _supp= _supp= 1 MaxTsdr_31.25= 100 MaxTsdr_45.45= 250 MaxTsdr_93.75= 1000 MaxTsdr_187.5= 1000 Redundancy= 0 Repeater_Ctrl_Sig= 0 24V_Pins= 0 Freeze_Mode_supp= 0 Sync_Mode_supp= 0 Auto_Baud_supp= 0 Set_Slave_Add_supp= 1 Min_Slave_Intervall= 250 Modular_Station= 1 Max_Module= 2 Max_Input_Len= 10 Max_Output_Len= 2 Max_Data_Len= 12 Max_Diag_Data_Len= 14 Slave_Family= 12 User_Prm_Data_Len= 0 ; ;Modules for Analog Input Module = "Analog Input (short) " 0x94 EndModule Module = "Analog Input (long) " 0x42, 0x84, 0x08, 0x05 EndModule ; ;Module for Totalizer Module = "Total " 0x41, 0x84, 0x85 EndModule Module = "Total_Settot " 0xC1, 0x80, 0x84, 0x85 EndModule Module = "Total_Settot_Modetot " 0xC1, 0x81,0x84, 0x85 EndModule ; ;Empty module Module = "EMPTY_MODULE" 0x00 EndModule ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 44

45 Analog Input Block ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 45

46 Analog Output Block ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 46

47 Totalizer Block ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 47

48 Valores medidos e Status da medição (qualidade) Measured variable IEEE Floating Point Format (4 Byte) Status Byte = bad = uncertain = good.... = Sub status = Limits o.k = low limit = high limit Parâmetrose variáveis de medição Comunicação cíclica Byte de status PROFIBUS PA provê alta resolução das variáveis de processos. Todas variáveis de processos possuem um byte de status. A avaliação do byte de status permite a validação da medição e pode ser usada como diagnóstico online. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 48

49 Diagrama de Bloco: PROFIBUS PA x 4-20 ma PROFIBUS DP Sensor Device Genérico PA DP/PA-Link A D μp PA- Interface PROFIBUS PA PROFIBUS DP Device Genérico 4-20mA Remote I/O A D μp D A 4 to 20 ma D A ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 49

50 Comunicação bidirecional multivariável Transmissor de Densidade Concentração PROFIBUS DP DP/PA-Link PROFIBUS PA PROFIBUS DP Remote I/O 4 a 20 ma Muitos equipamentos podem medir mais do que uma grandeza, podem receber e enviar valores aos controladores (PLC / SDCD / PC): Concentração(Brix), Densidade(Kg/m3), Temperatura(C) Medidor de vazão(4-20ma) Totalização de vazão com entrada de reset Totalização de vazão direta com entrada de reset Totalização de vazão reversa com entrada de reset Temperatura etc ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 50

51 Diagnóstico online cíclico em instrumentos PROFIBUS PA e via mestre classe 2 Sensor Transmissor de Temperatura PROFIBUS DP DP/PA-Link Diagnósticos online são trocados ciclicamente com o mestre classe 1 permitindo identificar a falha instantaneamente. PROFIBUS PA Sensor failure PROFIBUS DP Remote I/O > 20 ma or < 4 ma No 4-20mA uma falha pode ser detectada se a corrente sair desta faixa de 4-20mA, porém o usuário não consegue diferenciar entre uma falha de sensor e outra falha qualquer. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 51

52 Blocos Funcionais e Fail Safe Falha de Sensor AI IFS Iniciar Falha Segura Bad Falha de Sensor Boa Cascata IFS Iniciar Falha Segura PID Boa Cascata FSA Falha Segura Ativa AO Fail Safe Value: 50% Fail Safe Time: 3 s ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 52

53 Integração em sistemas PROFIBUS - DP ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 53

54 Adicionando um escravo ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 54

55 Adicionando um escravo ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 55

56 Configurando ciclicamente o equipamento PA ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 56

57 Mapeando Módulos para Blocos Funcionais ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 57

58 Rede Profibus ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 58

59 Estratégia de Controle ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 59

60 Live List Profibus ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 60

61 Obrigado César Cassiolato Smar Equipamentos Ind. Ltda. ASSOCIAÇÃO PROFIBUS BRASIL / AMÉRICA LATINA 61

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface Rede Profibus OS OS Internet PLC Manufacturing IPC PROFINET Process RS-485/FO PROFIBUS-DP IEC 61158-2 PROFIBUS-PA AS-Interface Rede Profibus PROFIBUS desenvolvido na Alemanha, inicialmente pela Siemens

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PROFIBUS www.profibus.org.br

ASSOCIAÇÃO PROFIBUS www.profibus.org.br Fundamentos e tecnologia do protocolo PROFIBUS Infra-estrutura de comunicação em Indústrias WORKSTATIONS Workstations Rede Industrial Fieldbus Ethernet Ethernet corporativa Rede corporativa LAN LAN Linking

Leia mais

O PROFIBUS, em sua arquitetura, está dividido em três variantes principais:

O PROFIBUS, em sua arquitetura, está dividido em três variantes principais: ARTIGO TÉCNICO CONTINUAÇÃO O que é PROFIBUS A tecnologia da informação tornou-se determinante no desenvolvimento da tecnologia da automação, alterando hierarquias e estruturas no ambiente dos escritórios

Leia mais

PROcess. cess FIeld BUS PROCESS FIELD BUS PROCESS FIELD BUS

PROcess. cess FIeld BUS PROCESS FIELD BUS PROCESS FIELD BUS PROcess cess FIeld BUS Arquitetura do Sistema Rede Planta Supervisão Comando Planejamento Banco de dados Rede Controle Controle em tempo real Segurança Interface Rede Campo Aquisição das variáveis Atuação

Leia mais

Manual da Comunicação Profibus DP

Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Relé Inteligente Série: SRW 01 Versão de Software: V1.3X Idioma: Português Documento: 10000089150 / 00 04/2008 Sumário SOBRE O MANUAL...5 1 A REDE PROFIBUS DP...6 1.1

Leia mais

ABINEE TEC 2005. Automação. Fieldbus - Visão da Indústria. Augusto Passos Pereira

ABINEE TEC 2005. Automação. Fieldbus - Visão da Indústria. Augusto Passos Pereira Automação Fieldbus - Visão da Indústria Augusto Passos Pereira Gerente de Engenharia de Aplicações e Marketing Yokogawa América do Sul Ltda. 1 Subtítulo Adequação da escolha dos protocolos digitais de

Leia mais

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução O PROFIBUS é um padrão aberto de rede de comunicação industrial, utilizado em

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE DADOS EM REDES DE AMBIENTES INDUSTRIAIS REDES PROFIBUS E DEVICENET

COMUNICAÇÃO DE DADOS EM REDES DE AMBIENTES INDUSTRIAIS REDES PROFIBUS E DEVICENET 1 COMUNICAÇÃO DE DADOS EM REDES DE AMBIENTES INDUSTRIAIS REDES PROFIBUS E DEVICENET João Paulo Pereira 1, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio

Leia mais

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO o PROTOCOLO FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO Sup. Eng. de Aplicação de Sistemas da YokogawaAmérica do Sul Neste trabalho discorre-se sobre a rede foundation fieldbus, situando-a dentro do universo

Leia mais

... Estrutura da automação industrial. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Industriais. Supervisor. Gerência de Informação.

... Estrutura da automação industrial. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Industriais. Supervisor. Gerência de Informação. Protocolos de Comunicação de Dados em Redes Estrutura da automação industrial Supervisor Base de Dados Gerência de Informação Rede de Comunicação de Dados Local Controlador Local 1 Condicionamento de sinais...

Leia mais

É uma interface Homem-Máquina em vários idiomas e trabalha em MS Windows 95, MS Windows NT4.0 e MS Windows 2000.

É uma interface Homem-Máquina em vários idiomas e trabalha em MS Windows 95, MS Windows NT4.0 e MS Windows 2000. Profibus PA PROFIBU-PA é a solução PROFIBU para automação de processos. Este protocolo conecta sistemas de automação e de controle de processos com instrumentos de campo, tais como transmissores de pressão,

Leia mais

Tecnologia PROFIBUS PA

Tecnologia PROFIBUS PA Tecnologia PROFIBUS PA Tendência no uso de comunicação no campo História da comunicação de campo Iantes 1980 pneumático, 0 20 ma, 4 20 ma Iinício 1980 Invenção do HART: superimposição do sinal digital

Leia mais

CPs Altus PROFIBUS-DP

CPs Altus PROFIBUS-DP CPs Altus PROFIBUS-DP Programa do Workshop 1 - Redes de Campo 2 - PROFIBUS 3 - PROFIBUS-DP 4 - PROFIBUS-DP Redundante 5 - CPs Altus PROFIBUS - DP 6 - Série AL-2000 PROFIBUS-DP 7 - Série Quark PROFIBUS-DP

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

PROFIBUS PA E PROFIBUS DP

PROFIBUS PA E PROFIBUS DP PROFIBUS PA E PROFIBUS DP Francisco José Targino Vidal Paulo Sérgio da Câmara Vilela fjtv@ufrnet.br paulo@dca.ufrn.br LECA-DCA-UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo: Este artigo descreve

Leia mais

web: www.smar.com/brasil2/faleconosco.asp

web: www.smar.com/brasil2/faleconosco.asp www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas dos endereços estão disponíveis em nosso site. web: www.smar.com/brasil2/faleconosco.asp

Leia mais

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X

Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas Relé Inteligente SRW 01 V4.0X Manual da Comunicação Profibus DP Manual da Comunicação Profibus DP Série: SRW 01 Versão do Firmware:

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas. Alexandre M. Carneiro

Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas. Alexandre M. Carneiro Técnicas de Interfaceamento de Sinais em Áreas Classificadas Alexandre M. Carneiro Liderando aplicações Ex Experiência comprovada e de longo termo Certificação Internacional Grande variedade de produtos

Leia mais

Profibus Process Fieldbus

Profibus Process Fieldbus Capítulo R3 Profibus Process Fieldbus 1 Profibus Introdução: Profibus é hoje um dos standards de rede mais empregados no mundo. Esta rede foi concebida a partir de 1987 em uma iniciativa conjunta de fabricantes,

Leia mais

Instrumentação Fieldbus: Introdução e Conceitos

Instrumentação Fieldbus: Introdução e Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Instrumentação Fieldbus: Outros Processos de Introdução e Conceitos Separação custo Prof a Ninoska Bojorge Introdução Competitividade Complexidade dos

Leia mais

Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus

Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus Inversor de Freqüência CFW-09PM Manual da Comunicação Fieldbus 12/2007 Série: CFW-09PM Versão: P/1 0899.5890 Sumário SOBRE O MANUAL...4 REDES FIELDBUS...4 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES...4 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA...4

Leia mais

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt

Eng.º Domingos Salvador dos Santos. email:dss@isep.ipp.pt Sistemas e Planeamento Industrial DOMÓTICA REDES DE CAMPO Eng.º Domingos Salvador dos Santos email:dss@isep.ipp.pt Outubro de 2010 Outubro de 2010 2/20 REDES DE CAMPO Fieldbus Fieldbus Estrutura da Apresentação

Leia mais

Derivadores de Rede. Foundation Fieldbus Profibus PA. www.sense.com.br

Derivadores de Rede. Foundation Fieldbus Profibus PA. www.sense.com.br Derivadores de Rede Foundation Fieldbus Profibus PA www.sense.com.br Introdução Este catálogo contém informações sobre as redes Profibus PA e Foundation Fieldbus e tem como objetivo, expor a linha de derivadores

Leia mais

DeviceNet Drive Profile CFW-09

DeviceNet Drive Profile CFW-09 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas DeviceNet Drive Profile CFW09 Manual da Comunicação Manual da Comunicação DeviceNet Drive Profile Série: CFW09 Idioma: Português Versão de Software:

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas CANespecial 1 SCA06 Manual do Usuário Manual do Usuário CANespecial 1 Série: SCA06 Idioma: Português N º do Documento: 10002922105 /

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro Material de Apoio IV TOPOLOGIAS

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Redes Fieldbus: Visão Geral

Redes Fieldbus: Visão Geral Redes Fieldbus: Visão Geral LOCAL AREA NETWORK I/O 4-20 ma CAMPO DPT101 PT101 FCV101 DPT102 PT102 FCV102 2 SISTEMA SUPERVISÓRIO L A N GATEWAY CAMPO DPT101 PT101 FCV101 DPT102 PT102 FCV102 3 CONCEITO FIELDBUS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE REDE DE CAMPO REDUNDANTE E CABEÇA DE REDE DE CAMPO REDUNDANTES PARA APLICAÇÕES EM PLATAFORMAS DE PETRÓLEO

DESENVOLVIMENTO DE REDE DE CAMPO REDUNDANTE E CABEÇA DE REDE DE CAMPO REDUNDANTES PARA APLICAÇÕES EM PLATAFORMAS DE PETRÓLEO DESENVOLVIMENTO DE REDE DE CAMPO REDUNDANTE E CABEÇA DE REDE DE CAMPO REDUNDANTES PARA APLICAÇÕES EM PLATAFORMAS DE PETRÓLEO Autores: Antonio Gabriel Rodrigues Arthur Tórgo Gómez Universidade do Vale do

Leia mais

1 2008-2010 Copyright Smar

1 2008-2010 Copyright Smar Introdução às Redes Industriais 1 2008-2010 Copyright Smar DCS - Estado Atual Sistemas Transacionais e Sistemas de Apoio à Decisão ERP (Enterprise Resource Planning) Asset Management Production Planning

Leia mais

Curso avançado de projeto, instalação, diagnósticos e certificação de redes Profibus DP e Profibus PA

Curso avançado de projeto, instalação, diagnósticos e certificação de redes Profibus DP e Profibus PA Descrição: Curso avançado de projeto, instalação, diagnósticos e certificação de redes Profibus DP e Profibus PA Proporcionar aos participantes as informações sobre como projetar, instalar, usar os diagnósticos

Leia mais

Associação Profibus Brasil América Latina

Associação Profibus Brasil América Latina Associação Profibus Brasil América Latina Cenário de Protocolos Tipo de controle Controle de Processo Controle Lógico Sensorbus Seriplex ASI INTERBUSLoop Devicebus Device Net SDS Profibus DP LONWorks INTERBUS-S

Leia mais

Camada Física. Camada Física

Camada Física. Camada Física Camada Física Camada Física lida com a transmissão pura de bits definição do meio físico, níveis de tensão, duraçãodeumbit,taxade transmissão,comprimento máximo, construção dos conectores 1 Camada Física

Leia mais

Protocolos de Comunicação: Conceitos

Protocolos de Comunicação: Conceitos Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF custo Protocolos de Comunicação: Conceitos Prof a Ninoska Bojorge Introdução competitividade desenvolvimento das empresas complexidade dos processos

Leia mais

PROFIsafe o perfil de segurança PROFIBUS

PROFIsafe o perfil de segurança PROFIBUS PROFIsafe o perfil de segurança PROFIBUS César Cassiolato Gerente de Produtos - Smar Equipamentos Industriais Ltda e Vice-Presidente da Associação PROFIBUS Brasil. INTRODUÇÃO A demanda por mais e mais

Leia mais

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos

Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Funções de Posicionamento para Controle de Eixos Resumo Atualmente muitos Controladores Programáveis (CPs) classificados como de pequeno porte possuem, integrados em um único invólucro, uma densidade significativa

Leia mais

Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial

Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial Christian Marcatto Fabio Elias Fluxograma geral do processo produtivo

Leia mais

INTERFACE USB PARA PROFIBUS PA

INTERFACE USB PARA PROFIBUS PA MANUAL DO USUÁRIO INTERFACE USB PARA PROFIBUS PA OUT / 12 PBI-PLUS P B I P L U S M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem prévia consulta. Informações atualizadas

Leia mais

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser configurados e instalados em modo redundante Disponibilidade

Leia mais

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda.

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. Artigos Técnicos Profibus: para todas as exigências Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. No novo contexto da automação, os barramentos de campo são normalmente

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet

Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet Soft-Starter SSW-06 Manual da Comunicação Profibus DP e DeviceNet 10/2007 Série: SSW-06 SSW-06: V1.4x 0899.5843 P/4 Sumário REDES FIELDBUS... 4 ABREVIAÇÕES E DEFINIÇÕES... 4 REPRESENTAÇÃO NUMÉRICA... 4

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina. Redes Industriais de Comunicação

Universidade Estadual de Londrina. Redes Industriais de Comunicação Universidade Estadual de Londrina Redes Industriais de Comunicação Redes Industriais Classificação Classificação Redes de controle Interligam o equipamentos e sistemas inteligentes de controle, como por

Leia mais

5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de Comunicação Industriais

5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de Comunicação Industriais UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE ENG. DE PRODUÇÃO E SISTEMAS - DEPS INFORMÁTICA INDUSTRIAL IFD 5. Sistemas Supervisórios e Protocolos de

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 3 Rede AS-I Actuador - Sensor - Interface Capítulo 3 Histórico A rede AS-Interface

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

2011 www.smar.com.br. Copyright Smar

2011 www.smar.com.br. Copyright Smar Introdução às Redes Industriais 1 2011 Copyright Smar Pirâmide da Automação 2 AS-i - Definição e Pontos Chave Actuator Sensor Interface (AS-i)... Barramento que interconecta produtos binários de custo

Leia mais

Allen-Bradley Logix para interface Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO

Allen-Bradley Logix para interface Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO Allen-Bradley Logix para interface Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO Rev 503 Agosto de 2007 1788HP-EN2PA Manual do Usuário Rev 503 Índice Capítulo 1 Introdução3 Capítulo 2 Operação e Instalação do Módulo4

Leia mais

HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus )

HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus ) HSE High Speed Ethernet (Novo padrão em backbones de redes de automação fieldbus ) Disciplina: Redes de Alta Velocidade Jean Willian de Moraes 782 Odemil Camargo 971 PAUTA DA APRESENTAÇÃO Evolução dos

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

O protocolo digital HART

O protocolo digital HART O protocolo digital HART César Cassiolato - Diretor de Marketing - cesarcass@smar.com.br SMAR Equipamentos Industriais Ltda Introdução Atualmente muito se fala em termos de redes fieldbus mas temse muitas

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Visão Geral do Protocolo CANBus

Visão Geral do Protocolo CANBus Visão Geral do Protocolo CANBus História CAN Controller Area Network. Desenvolvido, pela BOSCH, na década de 80 para a interligação dos sistemas de controle eletrônicos nos automóveis. 1. CAN, que foi

Leia mais

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA

OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA MANUAL DO USUÁRIO OPT-700 - CONVERSOR SERIAL PARA FIBRA ÓPTICA JUL / 05 OPT-700 VERSÃO 1 TM FOUNDATION O P T 7 0 0 M P smar www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420

CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420 CATÁLOGO DO TRANSMISSOR GRAVIMÉTRICO DE DENSIDADE UNIPROIV DG-420 Catálogo do Transmissor Gravimétrico de Densidade DG-420 Pág. 1 TRANSMISSOR UNIPRO IV ESPECIFICAÇÕES Alimentação: Alimentação universal

Leia mais

CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520

CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520 CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520. Para garantir o uso correto e eficiente do I-7520, leia este manual completo

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Grupo Lincoln Junqueira Grupo Alto Alegre Unidade Central Presidente Prudente/SP Unidade Floresta

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Permite visualização em campo de até 8 variáveis recebidas ciclicamente via mestre PROFIBUS-DP

Permite visualização em campo de até 8 variáveis recebidas ciclicamente via mestre PROFIBUS-DP Permite visualização em campo de até 8 variáveis recebidas ciclicamente via mestre PROFIBUS-DP Ideal para aplicações com qualquer dispositivo PROFIBUS-PA Trabalha com qualquer mestre classe 1 PROFIBUS-DP

Leia mais

CALIBRAÇÃO E REDES. José Carlos dos Santos josecarlos@krcontrol.com. Luiz Gonzaga Mezzalira avaliadorluiz@gmail.com

CALIBRAÇÃO E REDES. José Carlos dos Santos josecarlos@krcontrol.com. Luiz Gonzaga Mezzalira avaliadorluiz@gmail.com CALIBRAÇÃO E REDES José Carlos dos Santos josecarlos@krcontrol.com Luiz Gonzaga Mezzalira avaliadorluiz@gmail.com Certificação e Calibração Certificação de cabeamento de redes é em geral uma garantia concedida

Leia mais

Unidade Remota CANopen RUW-04. Guia de Instalação, Configuração e Operação. Idioma: Português. Documento: 10002081798 / 00

Unidade Remota CANopen RUW-04. Guia de Instalação, Configuração e Operação. Idioma: Português. Documento: 10002081798 / 00 Motors Automation Energy Transmission & Distribution Coatings Unidade Remota CANopen RUW-04 Guia de Instalação, Configuração e Operação Idioma: Português Documento: 10002081798 / 00 ÍNDICE 1 INSTRUÇÕES

Leia mais

Conexões bus estrutura de ligação DDL Estrutura de link DDL, acoplador de bus. Catálogo impresso

Conexões bus estrutura de ligação DDL Estrutura de link DDL, acoplador de bus. Catálogo impresso Estrutura de link DDL, acoplador de bus Catálogo impresso 2 Estrutura de link DDL, acoplador de bus Acoplador de bus com controlador design S Acoplador de bus com controlador Protocolo de bus de campo:

Leia mais

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TT301 TT301 TECNOLOGIA SMAR INTRODUÇÃO. Uma Família Completa de Instrumentos de Campo

TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TT301 TT301 TECNOLOGIA SMAR INTRODUÇÃO. Uma Família Completa de Instrumentos de Campo TRANSMISSOR INTELIGENTE DE TEMPERATURA TECNOLOGIA SMAR Uma Família Completa de Instrumentos de Campo INTRODUÇÃO O é um transmissor de temperatura programável, extremamente versátil, que pode ser usado

Leia mais

Migrando das clássicas tecnologias Fieldbus

Migrando das clássicas tecnologias Fieldbus EtherCAT simplifica a arquitetura de controle Exemplo: Arquitetura de controle de uma prensa hidráulica, Schuler AG, Alemanha Arquitetura de controle com Fieldbus clássicos Desempenho dos Fieldbus clássicos

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia

SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia Siemens Power Generation 2005. All Rights Reserved SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia Eder Saizaki - Energy Fossil Instrum. e Elétrica A história do SDCD SIEMENS em Plantas de Geração

Leia mais

Interface Ethernet DNP3 Servidor

Interface Ethernet DNP3 Servidor Descrição do Produto O módulo é uma interface de comunicação Ethernet para a UTR Hadron. Permite a integração da UTR HD3002 com centros de controle através do protocolo DNP3. Operando como um servidor

Leia mais

ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL

ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL ETHERNET E FIELDBUS FOUNDATION NO AMBIENTE INDUSTRIAL Antônio Pereira de Araújo Júnior, Christiano Vasconcelos das Chagas Raphaela Galhardo Fernandes DCA-CT-UFRN Natal - RN Resumo Este artigo mostra um

Leia mais

Configuração da Remota PROFIBUS Série Ponto

Configuração da Remota PROFIBUS Série Ponto Série Ponto Este documento orienta a configuração de uma Remota PROFIBUS-DP da Série Ponto IP20, de forma sistematizada através de diversas etapas. Recomenda-se ao usuário a leitura dos documentos de Características

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

SYSTEM302V7 STUDIO SYSTEM302 SYSTEM302 ARQUITETURA. O System302 é a solução da SMAR para Sistemas de Automação em industrias de transformação.

SYSTEM302V7 STUDIO SYSTEM302 SYSTEM302 ARQUITETURA. O System302 é a solução da SMAR para Sistemas de Automação em industrias de transformação. SYSTEM302V7 STUDIO ARQUITETURA 1 SYSTEM302 O System302 é a solução da SMAR para Sistemas de Automação em industrias de transformação. 2 SYSTEM302 O System302 é o pioneiro em Sistema de Controle Distribuído

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15 até 15.2.1 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3 até 6.3.1 1. Primeira prova 32 pt 2.

Leia mais

Nós estamos compromissados a promover e proteger os padrões em comunicação aberta no mercado de automação e controle de processos.

Nós estamos compromissados a promover e proteger os padrões em comunicação aberta no mercado de automação e controle de processos. Compromisso Nós somos e continuaremos sendo a organização líder mundial em redes digitais para a indústria e a automação de processos, servindo nossos clientes, nossos membros com as melhores soluções,

Leia mais

Profibus View - Software de Parametrização de Equipamentos Profibus PA

Profibus View - Software de Parametrização de Equipamentos Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO Profibus View - Software de Parametrização de Equipamentos Profibus PA Profibus View P R V I E W P A M P www.smar.com.br Especificações e informações estão sujeitas a modificações sem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Tecnologias de Automação na ALUNORTE. Apresentadora: Márcia Ribeiro Empresa: Alunorte/Hydro

Tecnologias de Automação na ALUNORTE. Apresentadora: Márcia Ribeiro Empresa: Alunorte/Hydro Tecnologias de Automação na ALUNORTE Apresentadora: Márcia Ribeiro Empresa: Alunorte/Hydro Sumário A Alunorte; Processo de Obtenção da Alumina; Automação na Alunorte; Sistemas Interligados; Projetos Futuros.

Leia mais

1 Componentes da Rede Gestun

1 Componentes da Rede Gestun PROCEDIMENTO PARA DETECÇÃO DE FALHAS EM REDES DATA: 23/06/14. Controle de Alterações DATA 23/06/14 MOTIVO Versão Inicial RESPONSÁVEL Márcio Correia 1 Componentes da Rede Gestun -Módulo de comunicação:

Leia mais

REDES INDUSTRIAIS AS-INTERFACE

REDES INDUSTRIAIS AS-INTERFACE Em 1990, na Alemanha, um consórcio de empresas elaborou um sistema de barramento para redes de sensores e atuadores, denominado Actuator Sensor Interface (AS-Interface ou na sua forma abreviada AS-i).

Leia mais

TECNOLOGIA GRATUÍTA: ARQUITETURAS DE REDE TOPOLOGIAS

TECNOLOGIA GRATUÍTA: ARQUITETURAS DE REDE TOPOLOGIAS TECNOLOGIA GRATUÍTA: ARQUITETURAS DE REDE TOPOLOGIAS Ulisses Thadeu Vieira Guedes 2012-1/10 - Conteúdo TOPOLOGIAS DE REDE...2 TOPOLOGIA PONTO-A-PONTO...2 TOPOLOGIA EM BARRAMENTO...3 TOPOLOGIA EM ANEL...4

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes

Descrição do Produto. Dados para Compra. Itens Integrantes Descrição do Produto As UCPs PO3x47 são destinadas a supervisão e controle de processos. Devido a sua arquitetura, é possível obter-se um alto desempenho em relação a série anterior de UCPs PO3x42. Com

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

Descrição do Produto. Dados para compra

Descrição do Produto. Dados para compra Descrição do Produto A funcionalidade e versatilidade da linha de Inversores de Freqüência NXL da Altus fazem dela a solução ideal para as mais diversas aplicações. Visa atingir motores com menores potências

Leia mais

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus smar Fieldbus Devices Relé Fieldbus Relé Fieldbus Características Saída Discreta de Conexão direta ao FOUNDATION Fieldbus TM ; Blocos Funcionais instanciáveis para ajuste e controle discreto em campo;

Leia mais

Rede PROFIBUS DP Redundante com Remota Ponto PO5063V5

Rede PROFIBUS DP Redundante com Remota Ponto PO5063V5 Nota de Aplicação Rede PROFIBUS DP Redundante com Sistema S7-400H e Remota Ponto PO5063V5 Altus Sistemas de Informática S.A. Página: 1 Sumário 1 Descrição... 3 2 Introdução... 3 3 Definição da Arquitetura

Leia mais