03/02/2016. Métodos físicos e instrumentais de análise de alimentos INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, MÉTODOS FÍSICOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "03/02/2016. Métodos físicos e instrumentais de análise de alimentos INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, MÉTODOS FÍSICOS"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, Disciplina: Análise de Alimentos CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Métodos físicos e instrumentais de análise de alimentos MÉTODOS FÍSICOS Densimetria Densidade é uma das medidas mais simples e comuns na análise de alimentos. Principalmente usada em amostras líquidas; Eventualmente pode ser usada em amostras sólidas. Proª. Me. Dayana do Nascimento Ferreira Currais Novos, Fevereiro de OBS: 1g de água pura = 1 ml de água pura à 4ºC APLICAÇÃO METODOLOGIA DE ANÁLISE Determinação da concentração de soluções puras de açúcar em produtos açucarados e de álcool em bebidas alcoólicas(tabelas). Determinação de sólidos solúveis de suco de tomate e leite (tabelas). Caracterização de óleos, vinhos, sucos, bebidas e outros produtos (adulteração). Determinação da textura de frutas. Picnometria Medida do peso de um volume conhecido do líquido em um frasco, volume este que seja calibrado de acordo com o peso de água pura no mesmo frasco. Picnômetros são frascos feitos de vidro resistente, com baixo coeficiente de expansão térmica (normalmente em 25mL ou 50mL de volume) Determinação da maturação de leguminosas como ervilha, milho e feijão. PICNÔMETROS PROCEDIMENTO DA MEDIDA O picnômetro deve ser pesado vazio, após lavado e secado completamente; Antes da medida, deve ser calibrado com água destilada (enche com água destilada, secando o excedente, mede-se a T e em seguida pesa-se). Amostra problema mesmo procedimento da calibração. OBS: Tomar cuidado com a formação de bolhas durante a análise. 1

2 ERROS DO MÉTODO Evaporação de líquidos durante a pesagem; MÉTODOS POR FLUTUAÇÃO Baseado no princípio de Arquimedes: Absorção de umidade ambiente na superfície do frasco durante a pesagem; Flutuações de temperatura; Presença de bolhas de ar. Lei da flutuação: Um corpo total ou parcialmente imerso em um líquido flutua por uma força igual ao peso do líquido deslocado. Hidrometria O mesmo corpo desloca pesos iguais de qualquer líquido em que ele flutue V Volume d - densidade HIDROMETRIA REFRATOMETRIA Índice de refração é a razão entre a velocidade de radiação de uma frequência particular no vácuo e a velocidade de radiação da mesma frequência no meio considerado. Quando um raio de radiação eletromagnética atinge uma superfície plana num determinado ângulo, o raio pode ser: Dirigido para cima (Refletido) Dirigido para baixo (Refratado) REFRATOMETRIA ANÁLISE QUANTITATIVA O índice de refração de uma solução varia regularmente com a concentração do soluto. Aumenta linearmente com a concentração somente quando esta for expressa em peso do soluto por volume do solvente. Para determinação da concentração de soluções de açúcar tem uma série de vantagens em relação ao método por densidade, tais como: Velocidade, facilidade de manipulação e quantidade de amostra necessária. 2

3 REFRATÔMETROS MEDIDAS DE PH PH PH PH - IMPORTÂNCIA EQUIPAMENTOS Deterioração do alimento com crescimento de microrganismos; Atividade das enzimas; Textura de geleias e gelatinas; Retenção do sabor-odor de produtos de frutas; Estabilidade de corantes artificiais em produtos de frutas; Verificação do estado de maturação de frutas; Escolha da embalagem. 3

4 AW WATER ACTIVITY ATIVIDADE DE ÁGUA Aa Atividade de água Relação entre a pressão de vapor de água em equilíbrio sobre o alimento (Ps) e a pressão de vapor da água pura (Po), à mesma temperatura, que expressa o teor de água livre no alimento. Aw = Ps/Po Onde: Ps = Pressão parcial de vapor de água no sistema Po = Pressão de vapor na temperatura considerada da água pura POR QUE MEDIR ATIVIDADE DE ÁGUA? EQUIPAMENTOS Prever o desenvolvimento microbiano Avaliar as reações químicas e vida de prateleira Estabilidade física Embalagem proteção contra umidade ambiente. Transferência de umidade entre ingredientes Intercâmbio de umidade com o meio ambiente Predição da curva de isoterma umidade vs aw ACIDEZ Os ácidos orgânicos presentes nos alimentos influenciam o sabor, odor, cor, estabilidade e a manutenção da qualidade. Acidez titulável de frutas varia de 0,2 a 0,3% em frutas de baixa acidez (maçãs, bananas) 0,2% em ameixas Acima de 6% em limão. Os tecidos vegetais (exceção do tomate) possuem acidez baixa, variando de 0,1% em abóbora a 0,4% em brócolis. Produtos marinhos, aves e produtos cárneos possuem baixa acidez ( ácido predominante é o ácido láctico. APLICAÇÃO Valor nutritivo; Indicação de pureza e qualidade em produtos fermentados (vinhos, derivados lácteos); Indicação de deterioração por bactérias. Indicação de deterioração de óleos e gorduras; Critérios de identidade de óleos e gorduras (caracterização dos ácidos graxos presentes); Estabilidade do alimento/deterioração Produtos mais ácidos são naturalmente mais estáveis quanto à deterioração. 4

5 TIPOS DE ACIDEZ 1. Compostos naturais dos alimentos. 2. Formados durante a fermentação ou outro tipo de processamento. 3. Adicionados durante o processamento. TIPOS DE ÁCIDOS NATURAIS EM ALIMENTOS Os principais são Cítrico (limão, laranja, figo, pêssego, pêra, abacaxi, morango e tomate). Málico (maçã, alface, brócolis, espinafre) Oxálico Succínico Tartárico (uvas e tamarindo). Outros:isocítrico, fumárico, oxalacético e cetoglutárico 4. Resultado de deterioração do alimento. MÉTODOS DE ANÁLISE Acidez total titulável Titulação usando indicador Não é eficiente em amostras coloridas (dificuldade de observar a viragem. A acidez total titulável é a quantidade de ácido de uma amostra que reage com uma base de concentração conhecida. Indicador utilizado: fenolftaleína Titulação usando um phmetro Utilizado para amostras coloridas Titula-se uma amostra com NaOH padronizado, até 8,1 utilizando um agitador magnético MÉTODOS DE ANÁLISE Acidez volátil Pode ser determinado pela separação dos ácidos voláteis presentes, principalmente ácido acético e traços de ácido fórmico. A determinação é feita por titulação do destilado ou do resíduo com uma base padrão até o ponto final (viragem da fenolftaleína) Evaporação em banho-maria, destilação direta, destilação à vapor Identificação dos ácidos orgânicos Determinação quantitativa individual (cromatografia) ATIVIDADE Dúvidas Pesquisar sobre espectrofotometria: Definição Princípio Aplicação Equipamentos 5

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais O método empregado depende do objetivo. O que estou necessitando? Rapidez? Precisão? Exatidão? Medir em tempo real? Umidade: métodos Quantitativos Métodos

Leia mais

FOODCARE. HI84432 mini-titulador e Medidor de ph Automático Para Determinação de Acidez Titulável em Sumos de Fruta DIGITAL. BPL Boas.

FOODCARE. HI84432 mini-titulador e Medidor de ph Automático Para Determinação de Acidez Titulável em Sumos de Fruta DIGITAL. BPL Boas. HI84432 mini-titulador e Medidor de ph Automático Para Determinação de Acidez Titulável em Sumos de Fruta Titulador de sumo de fruta, Medidor de ph, Eléctrodo de ph e Agitador Magnético numa unidade compacta!

Leia mais

Prática 11 Ácidos, bases e curvas de titulação potenciométrica

Prática 11 Ácidos, bases e curvas de titulação potenciométrica UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 11 Ácidos, bases e curvas de titulação potenciométrica

Leia mais

Teor de MO e Densidade de solos

Teor de MO e Densidade de solos Teor de MO e Densidade de solos 29/01/2012 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 1ª Parte Dia Mês Aula Programação Apresentação do Curso. 4 1ª Coleta e preparação de amostras. Caracterização

Leia mais

ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico

ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico AULA PRÁTICA 01 ASSUNTO: Uso do Microscópio Luminoso e Microscópio Estereoscópico Microscópio Luminoso Microscópio Estereoscópico AMOSTRA: com fragmentos Fragmentos em placas 1. Observar as lâminas no

Leia mais

Técnicas Analíticas. PROFESSORA: Me. Erika Liz

Técnicas Analíticas. PROFESSORA: Me. Erika Liz Técnicas Analíticas PROFESSORA: Me. Erika Liz Normas e ensaios de identidade Tem por objetivo comprovar que a amostra a ser examinada é a da substância que deve ser. Observação visual cor, aspecto (pó

Leia mais

17/05/2014 POLPAS DE FRUTAS POLPAS DE FRUTAS

17/05/2014 POLPAS DE FRUTAS POLPAS DE FRUTAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ INTRODUÇÃO À TECNOLOGIA DE FRUTAS E HORTALIÇAS O objetivo de todo o processo tecnológico utilizado para a conservação de frutas e hortaliças é paralisar e/ou retardar

Leia mais

TECNOLOGIA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS CRÉDITOS: 04

TECNOLOGIA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS CRÉDITOS: 04 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT

Leia mais

Análise de Alimentos. Análise de Alimentos controle de qualidade. fabricação estocagem caracterização alimentos in natura

Análise de Alimentos. Análise de Alimentos controle de qualidade. fabricação estocagem caracterização alimentos in natura Análise de Alimentos Análise de Alimentos controle de qualidade fabricação estocagem caracterização alimentos in natura Análise de Alimentos Análise de Alimentos controle de qualidade Aplicação indústria

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Engenharia Química para contato:

Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Engenharia Química  para contato: AVALIAÇÃO QUÍMICA, FÍSICA E REOLÓGICA DO PÓ DE GRAVIOLA OBTIDO A PARTIR DO PROCESSO DE SECAGEM DE MISTURAS DE GRAVIOLA E LEITE EM SECADOR DE LEITO DE JORRO G. F. CARLOS 1, A. K. T. MACHADO 1, T. M. DELMIRO

Leia mais

NOME DO LABORATÓRIO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO

NOME DO LABORATÓRIO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO da Prova Prática QUESTÃO 1: Cargo: D-46 Técnico em Química Metrologia Química Esboce um certificado de calibração com as informações mínimas obrigatórias que nele devem estar contidas. Use o formato a

Leia mais

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA FERMENTADOS ACÉTICOS

ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA FERMENTADOS ACÉTICOS ANEXO REGULAMENTO TÉCNICO PARA FIXAÇÃO DOS PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA FERMENTADOS ACÉTICOS 1.ALCANCE 1.1.Objetivo: Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade a que deverão

Leia mais

Introdução aos métodos volumétricos de análise química

Introdução aos métodos volumétricos de análise química LCE-190 Química Analítica Aplicada Introdução aos métodos volumétricos de análise química Wanessa Melchert Mattos Titulometria: inclui um grupo de métodos analíticos baseados na determinação da quantidade

Leia mais

Recepção. Beneficiamento do leite

Recepção. Beneficiamento do leite Recepção Beneficiamento do leite Seleção do leite Provas de plataforma Provas sensoriais: aspectos visuais e aroma Prova do alizarol: leite deve ser estável alizarol 72%v/v Características de um leite

Leia mais

Introdução aos métodos titulométricos volumétricos. Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B

Introdução aos métodos titulométricos volumétricos. Prof a Alessandra Smaniotto QMC Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Introdução aos métodos titulométricos volumétricos Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica - Farmácia Turmas 02102A e 02102B Definições ² Métodos titulométricos: procedimentos quantitativos

Leia mais

Funções dos Ingredientes na Panificação

Funções dos Ingredientes na Panificação UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE AGROINDUSTRIAL DISCIPLINA DE TECNOLOGIA DE PANIFICAÇÃO E PRODUÇÃO DE AMIDO Funções dos Ingredientes na Panificação Prof. ª Elessandra

Leia mais

CROMATOGRAFIA GASOSA PÓS-DOUTORANDO: DANILO SANTOS SOUZA

CROMATOGRAFIA GASOSA PÓS-DOUTORANDO: DANILO SANTOS SOUZA CROMATOGRAFIA GASOSA PÓS-DOUTORANDO: DANILO SANTOS SOUZA SETEMBRO 2015 1 2 3 4 FE / FM 5 FM = LÍQUIDO CROMATOGRAFIA LÍQUIDA FM = GÁS CROMATOGRAFIA GASOSA (CG) SÓLIDA CGS FE em CG LÍQUIDA CGL 6 VANTAGENS

Leia mais

Mecânica dos solos AULA 4

Mecânica dos solos AULA 4 Mecânica dos solos AULA 4 Prof. Nathália Duarte Índices físicos dos solos OBJETIVOS Definir os principais índices físicos do solo; Calcular os índices a partir de expressões matemáticas; Descrever os procedimentos

Leia mais

Pregão 2016 ADOÇANTE, ASPECTO FÍSICO LÍQUIDO LÍMPIDO TRANSPARENTE, INGREDIENTES CICLAMATO + FRASCO SACARINA, CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS BICO

Pregão 2016 ADOÇANTE, ASPECTO FÍSICO LÍQUIDO LÍMPIDO TRANSPARENTE, INGREDIENTES CICLAMATO + FRASCO SACARINA, CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS BICO Pregão 2016 Edital pregão eletrônico SRP nº 27/2016 Processo 23079.026310/2015-31 Objeto: Aquisição de Estocáveis Achocolatado e outros, para atender o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho/, como

Leia mais

Função Destinado ao estudo das áreas de Física, Matemática, Química e Biologia no ensino médio.

Função Destinado ao estudo das áreas de Física, Matemática, Química e Biologia no ensino médio. Centro Industrial de Equipamentos de Ensino e Pesquisa LTDA. Conjunto multidisciplinar FQBM, ensino médio EQ304 Função Destinado ao estudo das áreas de Física, Matemática, Química e Biologia no ensino

Leia mais

Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar.

Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2012 CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: posicionamento da Coordenação Geral do Programa de Alimentação Escolar a respeito da aquisição de suco de laranja para a alimentação escolar. A Coordenação

Leia mais

REAGENTES H 2 C N CH 2 CH 2 N CH 2

REAGENTES H 2 C N CH 2 CH 2 N CH 2 PRÁTICA 2 DETERMINAÇÃ DE CÁLCI EM LEITE Metodologia de análise: Volumetria de Complexação MATERIAIS Bureta de 25 ml Béquer 100 e 250 ml Erlenmeyer de 250 ml Proveta de 50 ml Balão volumétrico 100 ml Pipetas

Leia mais

UMIDADE E SÓLIDOS TOTAIS 11/11/2015. Umidade, Sólidos Totais e Cinzas INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIOGRANDE DONORTE

UMIDADE E SÓLIDOS TOTAIS 11/11/2015. Umidade, Sólidos Totais e Cinzas INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIOGRANDE DONORTE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIOGRANDE DONORTE Disciplina: Análise de Alimentos Umidade, Sólidos Totais e Cinzas Proª. Me. Dayana do Nascimento Ferreira INTRODUÇÃO Composição centesimal

Leia mais

EXPERIÊNCIA 02 DESTILAÇÃO

EXPERIÊNCIA 02 DESTILAÇÃO EXPERIÊNCIA 02 DESTILAÇÃO 1- INTRODUÇÃO Destilação é uma técnica utilizada, geralmente, para remover um solvente, purificar um líquido ou para separar os componentes de uma mistura de líquidos, ou ainda

Leia mais

Processos físicos de separação de misturas

Processos físicos de separação de misturas Processos físicos de separação de misturas Misturas heterogêneas sólido-sólido Catação Peneiração Flutuação Separação Magnética Dissolução Fracionada Sublimação CATAÇÃO Baseia-se na identificação visual

Leia mais

Preparação e padronização de soluções

Preparação e padronização de soluções INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano 1º Semestre) Trabalho Prático nº 2 Preparação e padronização de soluções

Leia mais

Composição de alimentos por 100 gramas Fonte: Tabela nutricional da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas)

Composição de alimentos por 100 gramas Fonte: Tabela nutricional da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) Composição de alimentos por 100 gramas Fonte: Tabela nutricional da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) Cereais e derivados Arroz, integral, cru 12 359 1502 8 2 0 78 5,0 Arroz, tipo 1, cru 13 359

Leia mais

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NP 4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NaEt C 10 H 18 4 Na C 2 H 6 C 8 H 12 3 (202,2) (23,0) (46,1) (156,2) Classificação Tipos

Leia mais

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob DIAGRAMA DE FASES 1) O gráfico abaixo apresenta a variação das pressões de vapor do sulfeto de carbono, metanol, etanol e água em função da temperatura. De acordo com o gráfico, assinale a afirmativa INCORRETA.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: Bacharelado em Nutrição DEPARTAMENTO: Tecnologia dos Alimentos

Leia mais

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016

Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho. Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano ANO LETIVO 2015/2016 1.º Período Escola Básica do 2.º e 3.ºciclos Álvaro Velho Planeamento Curricular de Físico-Química 7.º ano I Espaço 1. Universo 2. Sistema Solar 1.1 Constituição do Universo 1.2 Observação do céu 1.3 Evolução

Leia mais

EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS

EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS 1 UFSC Departamento de Química QMC 5119 Introdução ao Laboratório de Química 2015.1 EXPERIÊNCIA 04: DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE DE LÍQUIDOS E SÓLIDOS 1. Densidade Densidade (d) é uma grandeza expressa pela

Leia mais

PRÁTICA 07: PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES

PRÁTICA 07: PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES PRÁTICA 07: PADRONIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 1- INTRODUÇÃO Análise volumétrica refere-se a todo procedimento no qual o volume de um reagente necessário para reagir com um constituinte em análise é medido. - Em

Leia mais

FICHA DE PREPARAÇÃO PARA O TESTE Nº5 FQ -7ºANO

FICHA DE PREPARAÇÃO PARA O TESTE Nº5 FQ -7ºANO FICHA DE PREPARAÇÃO PARA O TESTE Nº5 FQ -7ºANO -CLASSIFICAÇÃO DOS MATERIAIS - SUBSTÃNCIAS E MISTURAS - SOLUÇÕES -TRANSFORMAÇÕES QUÍMICAS E FÍSICAS 1. A Química é a ciência que estuda as propriedades e

Leia mais

Destilação Fracionada e Misturas Azeotrópicas

Destilação Fracionada e Misturas Azeotrópicas 1. Introdução Destilação Fracionada e Misturas Azeotrópicas O ponto de ebulição normal de uma mistura binária líquida é a temperatura na qual a pressão de vapor total da mistura é igual a 1 atm. Ou seja,

Leia mais

Tabela I - Ésteres encontrados em alguns aromas

Tabela I - Ésteres encontrados em alguns aromas 1º Ciclo Enologia Química rgânica I TRABALH PRÁTIC Nº2 SÍNTESE DE ÉSTERES CM ARMA INTRDUÇÃ s ésteres são compostos extremamente comuns. Por exemplo, os óleos vegetais, como o azeite, são misturas de diversos

Leia mais

PHMETRO: é um medidor de potencial hidrogeniônico que indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade das amostras.

PHMETRO: é um medidor de potencial hidrogeniônico que indica a acidez, neutralidade ou alcalinidade das amostras. ESTUFA PARA ESTERILIZAÇÃO E SECAGEM: Estufas de Esterilização e Secagem são empregadas para a eliminação de toda e qualquer manifestação microbiológica que pode haver nos instrumentos laboratoriais e secagem

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell

LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell LISTA DE EXERCÍCIOS # 05 QUÍMICA ANALÍTICA PROF. Wendell 1. Considere uma solução aquosa de NH 3, preparada na concentração de 0,100 mol L -1. Calcule o ph desta solução. Use K b = 1,8 10-5. 2. Uma alíquota

Leia mais

LOTE 01 V.TOTAL MARC A Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL

LOTE 01 V.TOTAL MARC A Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL LOTE 0 Nº GÊNERO PERECÍVEL E NÃO PERECÍVEIS UNID. TOTAL 9 MARC A V. UNIT. Charque bovino embalado à vácuo com composição nutricional e SIF, embalagem de 00g, acondicionados em caixa de papelão produtos

Leia mais

Concentração de soluções e diluição

Concentração de soluções e diluição Concentração de soluções e diluição 1. Introdução Uma solução é uma dispersão homogênea de duas ou mais espécies de substâncias moleculares ou iônicas. É um tipo especial de mistura, em que as partículas

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação Anual Física e Química A 11ºAno 2015 / º Período

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação Anual Física e Química A 11ºAno 2015 / º Período Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Planificação Anual Física e Química A 11ºAno 2015 / 2016 1º Período Conteúdos / Outras atividades Número de tempos previstos (45 minutos) Apresentação

Leia mais

Professora Vanessa Bernardelli

Professora Vanessa Bernardelli Tecnologia de Alimentos Professora Vanessa Bernardelli Esterilização UHT/UAT do Creme de Leite André Luis Cruz Fernanda Cabral Roncato Natália Chiapetta Tarcísio Henrique Zabarelli Thaisa Mendonça PRODUTO

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANÃ Secretaria Municipal de Educação CNPJ/ /

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARACANÃ Secretaria Municipal de Educação CNPJ/ / PAUTA DOS GENEROS ALIMENTICIOS REFERENTE A 10 PARCELAS DE 2015. PROGRAMAS DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAEF, PANEP, PANE EJA, PANE- MEDIO E MAIS EDUCAÇÃO. TERMO DE REFERENCIA ITE DESCRIÇÃO / MARCA / VALIDADE

Leia mais

POLPA DE FRUTA NÉCTAR SUCO

POLPA DE FRUTA NÉCTAR SUCO ZEA 0666 / 2012 Tecnologia de Produtos Vegetais POLPA DE FRUTA NÉCTAR SUCO Padrões de Identidade e Tecnologias de Processamento POLPA DE FRUTA PURÊ Produto obtido pelo esmagamento da parte comestível de

Leia mais

Destilação a vácuo. pressão menor, p.e. menor!

Destilação a vácuo. pressão menor, p.e. menor! Destilação a vácuo pressão menor, p.e. menor! como controlar a pressão? o capilar é capaz de regular a pressão permitindo uma pequena entrada de ar (controlavel por uma pinça de Moore por exemplo) além

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 5

Química Geral Experimental - Aula 5 Química Geral Experimental - Aula 5 Título da Prática: Construção e calibração do densímetro. Objetivos: Construir e utilizar um densímetro de baixo custo; Determinar a densidade de líquidos puros e soluções;

Leia mais

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos 2016 QUÍMICA Conteúdos Programáticos MATERIAIS - Origem - Constituição e composição dos materiais: - Constituição

Leia mais

Que tipo de gordura estou consumindo?

Que tipo de gordura estou consumindo? Que tipo de gordura estou consumindo? Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição- PPGAN Ciclo de palestras Palestrante: Cinthia de Carvalho

Leia mais

ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO. Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado

ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO. Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado ACTIVIDADE LABORATORIAL - QUÍMICA 12º ANO Produção de BIODIESEL a partir de óleo alimentar usado 1. Objectivo: Reutilizar os óleos vegetais rejeitados 2. O que se pretende: 2.1 Seleccionar material adequado

Leia mais

Cromatografia Iônica. Alexandre Martins Fernandes Orientador: Prof. Jefferson Mortatti. Novembro 2006.

Cromatografia Iônica. Alexandre Martins Fernandes Orientador: Prof. Jefferson Mortatti. Novembro 2006. Cromatografia Iônica Alexandre Martins Fernandes Orientador: Prof. Jefferson Mortatti Novembro 2006. Roteiro 1. O que é troca iônica. 2. Cromatografia iônica. 3. Dionex ICS-90. 4. Vantagens. 5. Desvantagens.

Leia mais

ANÁLISE DA VIDA DE PRATELEIRA DE DIFERENTES MARCAS DE LEITE UHT/UAT ENCONTRADAS NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA- RJ.

ANÁLISE DA VIDA DE PRATELEIRA DE DIFERENTES MARCAS DE LEITE UHT/UAT ENCONTRADAS NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA- RJ. ANÁLISE DA VIDA DE PRATELEIRA DE DIFERENTES MARCAS DE LEITE UHT/UAT ENCONTRADAS NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA- RJ. Rodrigo dos Santos NASCIMENTO 1, Jeferson Manoel TEIXEIRA 1, Lívia Nolasco Macedo MURUCI

Leia mais

Determinação de Fluoreto em Soluções por Eletrodo Íon Seletivo (ISE)

Determinação de Fluoreto em Soluções por Eletrodo Íon Seletivo (ISE) Determinação de Fluoreto em Soluções por Eletrodo Íon Seletivo (ISE) Desenvolvido por: Nilton Pereira Alves em 07/08/1999 QUIMLAB - Química e Metrologia Av. Shishima Hifumi, No 2911 Campus UNIVAP - Incubadora

Leia mais

Sistemas, Substâncias puras e Misturas Separação de Misturas

Sistemas, Substâncias puras e Misturas Separação de Misturas INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO Campus Valença Sistemas, Substâncias puras e Misturas Separação de Misturas Professor: José Tiago Pereira Barbosa 1 Sistemas Para facilitar a

Leia mais

QUARTA-FEIRA 21/01. Arroz integral Feijão Ovo poché Batata em cubinhos Agrião e cenoura picadinhos cozidos. Papa de banana. ameixa.

QUARTA-FEIRA 21/01. Arroz integral Feijão Ovo poché Batata em cubinhos Agrião e cenoura picadinhos cozidos. Papa de banana. ameixa. 19/01 20/01 21/01 22/01 23/01 Feriado Manga em fatias Suco de maracujá integral Ovo poché Batata em cubinhos Agrião e cenoura picadinhos cozidos Coração de frango ao molho Purê de aipim Bertalha picadinha

Leia mais

PREÇO TOTAL PREÇO UN ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA

PREÇO TOTAL PREÇO UN ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA ADENDO PLANILHA SIMPLIFICADA PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA. ÍTEM QUANT UN ESPECIFICAÇÃO DAS MERCADORIAS MARCA 1 4880 kg 2 380 kg 3 2235 kg Polpa de fruta (natural), congelada, pacote de 1 kg, sabores: maracujá,

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO

PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO PRINCÍPIOS BÁSICOS E MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO Conservação e Rotulagem de Alimentos 3º Módulo Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado ASSEPSIA Recipiente de transporte e de manipulação sujos, falta de cuidado

Leia mais

FQ A - 10ºF FÍSICO-QUÍMICA 1. PO TOS DE MUDA ÇA DE ESTADO FÍSICO DA MATÉRIA

FQ A - 10ºF FÍSICO-QUÍMICA 1. PO TOS DE MUDA ÇA DE ESTADO FÍSICO DA MATÉRIA FÍSICO-QUÍMICA 1. PO TOS DE MUDA ÇA DE ESTADO FÍSICO DA MATÉRIA O ponto de fusão designa a temperatura à qual uma substância passa do estado sólido ao estado líquido nas condições normais de pressão, coexistindo

Leia mais

MATERNAL FEVEREIRO 2012 Dias Desjejum Almoço Lanche Jantar

MATERNAL FEVEREIRO 2012 Dias Desjejum Almoço Lanche Jantar MATERNAL FEVEREIRO 2012 02/02 Leite com achocolatado Pão de forma com Tiras refogadas com ervilhas Salada de batatas Abacaxi Bolo de milho Iogurte Risoto de frango 03/02 Leite com café Pão de leite com

Leia mais

PERÍODO DE 18 A 22/08/2014

PERÍODO DE 18 A 22/08/2014 CARDÁPIO BERÇÁRIO I 1ª FASE MATUTINO COLAÇÃO Papinha de Papinha de Papinha de Papinha de Maçã raspadinha 8H30 banana manga melão mamão legumes legumes legumes (abóbora legumes (mandioca, (mandioquinha,

Leia mais

PROMOVE- PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Extração

PROMOVE- PROCESSOS DE SEPARAÇÃO. Extração Extração Extração Deseja-se extrair ou remover líquidos que possuam o mesmo volatilidade relativa baixa( extração por solvente); Ou remover algum composto de sólidos(lavagem ou lixiviação); Extração por

Leia mais

LABORATÓRIO DA CVRVV Lista de Ensaios Acreditados

LABORATÓRIO DA CVRVV Lista de Ensaios Acreditados ALIMENTOS E AGRO-ALIMENTAR FOOD AND AGRI-FOOD PRODUCTS 1 Aguardente Vínica e 2 Aguardente Vínica e 3 Aguardente Vínica e 4 Aguardente Vínica e 5 Aguardente Vínica e 6 Aguardente Vínica e 7 Aguardente Vínica

Leia mais

28/01/2013 UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE)

28/01/2013 UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE) SECAGEM DE SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE) 4 º TIPO: ÁGUA DE IMPREGNAÇÃO

Leia mais

Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12

Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12 Escola Secundária de Lousada Conteúdos a leccionar na disciplina de Física e Química A 11º ano 11 /12 Turma: C 1º Período Aulas previstas: 39 COMPONENTE DE FÍSICA Unidade 1 Movimentos na Terra e no espaço

Leia mais

Equilíbrio Heterogéneo

Equilíbrio Heterogéneo Equilíbrio Heterogéneo Aulas 7 Equilíbrio Heterogéneo: Produto de Solubilidade Efeito do ião comum, ph e iões complexos Titulações de precipitação Equilíbrio Heterogéneo Um equilíbrio heterogéneo (sólido-líquido)

Leia mais

SEGUNDA - FEIRA TERÇA - FEIRA QUARTA - FEIRA QUINTA - FEIRA SEXTA - FEIRA 01/08/ /08/ /08/ /08/ /08/2016

SEGUNDA - FEIRA TERÇA - FEIRA QUARTA - FEIRA QUINTA - FEIRA SEXTA - FEIRA 01/08/ /08/ /08/ /08/ /08/2016 01/08/2016 02/08/2016 03/08/2016 04/08/2016 05/08/2016 Pão francês com queijo branco Suco de maracujá Bisnaguinha com geléia de morango Tostex (queijo e peito de peru) Banana Torrada com Leite com chocolate

Leia mais

Extração Sólido-Líquido

Extração Sólido-Líquido Extração Sólido-Líquido Prof. Universidade Federal do Pampa BA310 Curso de Engenharia Química Campus Bagé 1 de novembro de 2016 Extração Sólido-Líquido 1 / 34 Introdução Extração Sólido-Líquido 2 / 34

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA

IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA IDENTIFICAÇÃO DE SUBSTÂNCIAS E AVALIAÇÃO DA SUA PUREZA O que se pretende Utilizar técnicas experimentais de determinação de propriedades físicas características das substâncias como métodos de identificação

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO MÁXIMO E QUANTIDADES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO MÁXIMO E QUANTIDADES ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Administração e da Previdência - SEAP Departamento de Administração de Material - DEAM Sistema GMS - GESTÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS, PREÇO

Leia mais

Tecnologias de processamento de frutas e hortaliças

Tecnologias de processamento de frutas e hortaliças Tecnologias de processamento de frutas e hortaliças Eng. Agr. Paula Porrelli Moreira da Silva Doutora em Ciências (CENA/USP) Pós Doutoranda Lab. Fisiologia e Bioquímica Pós Colheita (LCB/ESALQ/USP) COMO

Leia mais

01- (UFRRJ 2001) O hidróxido de lítio (LiOH), usado na produção de sabões de lítio para a

01- (UFRRJ 2001) O hidróxido de lítio (LiOH), usado na produção de sabões de lítio para a 01- (UFRRJ 2001) O hidróxido de lítio (LiOH), usado na produção de sabões de lítio para a fabricação de graxas lubrificantes a partir de óleos, é obtido pela reação do carbonato de lítio (Li COƒ) com o

Leia mais

CARDÁPIO BERÇÁRIO B 1 e Meio MÊS DE AGOSTO/16 Juliana Simonetti Ribeiro/ Nutricionista- CRN com mandioquinha + Salada de acelga

CARDÁPIO BERÇÁRIO B 1 e Meio MÊS DE AGOSTO/16 Juliana Simonetti Ribeiro/ Nutricionista- CRN com mandioquinha + Salada de acelga REFEIÇOES LANCHE DA MANHÃ ALMOÇO LANCHE DA TARDE JANTAR 01/08 Mamão em cubos Arroz integral + feijão+ frango com mandioquinha + Salada de acelga pera Pão integral com Sopa creme de ervilha +Batata em cubos

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL INTRODUÇÃO Os índices físicos determinados

Leia mais

1ºDia Café da manhã 1 xícara (chá) de café com leite desnatado 1 pão francês integral com 1 colher (café) de margarina 1 mamão

1ºDia Café da manhã 1 xícara (chá) de café com leite desnatado 1 pão francês integral com 1 colher (café) de margarina 1 mamão 1 Cardápio Dieta Dash para 7 dias. Isto é uma sugestão para iniciarmos a dieta, você deve procurar o profissional especializado que é o nutricionista para avaliação e dieta individualizada. 1ºDia 1 xícara

Leia mais

Seminário de Química Orgânica Experimental n 7. Destilação Fracionada do Sistema Limoneno - Hexano

Seminário de Química Orgânica Experimental n 7. Destilação Fracionada do Sistema Limoneno - Hexano Seminário de Química Orgânica Experimental n 7 Destilação Fracionada do Sistema Limoneno - Hexano Responsáveis: Prof. Dr. José Eduardo de Oliveira (docente) Profª. Amanda Coelho Danuello (docente) Rafael

Leia mais

SISTEMAS MATERIAIS. Conceitos Fundamentais, Classificação, Purificação. Reis, Oswaldo Henrique Barolli.

SISTEMAS MATERIAIS. Conceitos Fundamentais, Classificação, Purificação. Reis, Oswaldo Henrique Barolli. SISTEMAS MATERIAIS Conceitos Fundamentais, Classificação, Purificação Reis, Oswaldo Henrique Barolli. R375s Sistemas materiais : conceitos fundamentais, classificação, purificação / Oswaldo Henrique Barolli.

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDO MUN. DE ASSIST. SOC. DE BRACO DO TROMBUDO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 9/2014. Página: 1/5

ESTADO DE SANTA CATARINA FUNDO MUN. DE ASSIST. SOC. DE BRACO DO TROMBUDO ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº: 9/2014. Página: 1/5 Página: 1/5 1 Açúcar refinado especial (pct 5 kg) (1360) PCT ALTO ALEGRE 0 8,2300 1 2 Adoçante dietético líquido ciclamato de sódio e sacarina sódica gotas 200 ml (1361) UND AZUCRIM 0 4,3613 1 3 Água mineral

Leia mais

Review. Processos Químicos Industriais II

Review. Processos Químicos Industriais II Review Processos Químicos Industriais II Sacarose > 15% Extração de 94 a 97 % da sacarose gerando bagaço com umidade final de 50%. Concentrar o caldo decantado, através da retirada de água, elevando

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 4. Equilíbrio de Misturas Líquidas Binárias com o Vapor

LISTA DE EXERCÍCIOS 4. Equilíbrio de Misturas Líquidas Binárias com o Vapor DEPARTAMENTO DE FÍSICO-QUÍMICA DISCIPLINA QUI 03310 FÍSICO-QUÍMICA II-B INTRODUÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS 4 Equilíbrio de Misturas Líquidas Binárias com o Vapor Na presente unidade, será examinado o comportamento

Leia mais

SECTOR PRODUTO OBSERVAÇÃO

SECTOR PRODUTO OBSERVAÇÃO GELATINA PACOTE / 2 KG. GELATINA IOGURTE DE AROMA MOUSSE DE CHOCOLATE PACOTE / 2 KG. MOUSSE DE CHOCOLATE (SOBREMESA) ALHEIRAS BIFE DE PERÚ CHOURIÇO CORRENTE COELHO COSTELETAS ENTRECOSTO ENTREMEDADA FÊVERA

Leia mais

Extração e Purificação do Óleo de Amendoim

Extração e Purificação do Óleo de Amendoim Extração e Purificação do Óleo de Amendoim Determinação do Índice de Saponificação e Íodo Objetivo Extração e purificação do Óleo de Amendoim Introdução Teórica. O processo de extração com solventes é

Leia mais

4 4

4 4 4 4 5 6 7 8 9 0 O parâmetro mais importante é a condutividade eléctrica: É uma função dos componentes dos alimentos: 4 iónicos (sal) ácidos lípidos aumento da condutividade eléctrica diminuição de álcool.

Leia mais

Qual o papel do leite na natureza????

Qual o papel do leite na natureza???? INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, Disciplina: Análise de Alimentos CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Análise de Leite Métodos qualitativos e quantitativos INTRODUÇÃO Qual o papel do leite na natureza????

Leia mais

6 a 12 meses Obs. Frutas: amassadas ou raspadas; Comida: amassada com o garfo.

6 a 12 meses Obs. Frutas: amassadas ou raspadas; Comida: amassada com o garfo. 1 semana (01/09 até 02/09) Quinta Sexta Jantar: fruta Abacate Chuchu e Brócolis refogados Manga ( Aleitamento materno ou fórmula infantil Acima de 12 meses Obs. Frutas: cortadas; Comida: normal. ACIMA

Leia mais

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico 4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico H levedura C 8 H 12 3 C 8 H 14 3 (156,2) (158,2) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias

Leia mais

QUI219 QUÍMICA ANALÍTICA (Farmácia) Prof. Mauricio X. Coutrim

QUI219 QUÍMICA ANALÍTICA (Farmácia) Prof. Mauricio X. Coutrim QUI219 QUÍMICA ANALÍTICA (Farmácia) Prof. Mauricio X. Coutrim (mcoutrim@iceb.ufop.br) SOLUÇÃO TAMPÃO Tampão Ácido Qual o ph de uma solução de ácido fórmico 1,00.10-1 mol.l -1 e formiato de sódio 1,00 mol.l

Leia mais

Enliten (Ingredion/EUA)

Enliten (Ingredion/EUA) Enliten (Ingredion/EUA) Enliten (Ingredion/EUA) Adoçante natural de alta intensidade Nome Científico: Stevia rebaudiana Bertoni (parte utilizada: folhas) Os consumidores de hoje estão à procura de alimentos

Leia mais

ITENS PARA AQUISIÇÃO RECURSO LIVRE MERCADO EDUCAÇÃO INFANTIL + ENSINO FUNDAMENTAL

ITENS PARA AQUISIÇÃO RECURSO LIVRE MERCADO EDUCAÇÃO INFANTIL + ENSINO FUNDAMENTAL 1 COMPRA ITENS 1 COMPRA 2014 ESCOLA MUNICIPAL ITENS PARA AQUISIÇÃO RECURSO LIVRE MERCADO EDUCAÇÃO INFANTIL + ENSINO FUNDAMENTAL QUANT. PRODUTO 14 PES ALFACE 9 UNID. ALHO EMBALAGEM DE 100GR 40 UNID AMIDO

Leia mais

Reacções químicas. Soluções ácidas e básicas Indicadores ácido-base Escala de ph Reacções ácido-base

Reacções químicas. Soluções ácidas e básicas Indicadores ácido-base Escala de ph Reacções ácido-base Reacções químicas Soluções ácidas e básicas Indicadores ácido-base Escala de ph Reacções ácido-base Soluções ácidas e básicas Ciências Físico-Químicas O que são soluções ácidas? E soluções básicas? Algumas

Leia mais

SEGUNDA - FEIRA TERÇA - FEIRA QUARTA - FEIRA QUINTA - FEIRA SEXTA - FEIRA 01/08/ /08/ /08/ /08/ /08/2016

SEGUNDA - FEIRA TERÇA - FEIRA QUARTA - FEIRA QUINTA - FEIRA SEXTA - FEIRA 01/08/ /08/ /08/ /08/ /08/2016 01/08/2016 02/08/2016 03/08/2016 04/08/2016 05/08/2016 Pão francês com queijo branco Suco de maracujá Bisnaguinha com geléia de morango Tostex (queijo e peito de peru) Banana Torrada com Leite com chocolate

Leia mais

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS

Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS Experiência 2. DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FUSÃO DE SUBSTÂNCIAS 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - Identificar compostos e determinar suas purezas usando

Leia mais

Análise de Alimentos. Prof. Tânia Maria Leite da Silveira

Análise de Alimentos. Prof. Tânia Maria Leite da Silveira Análise de Alimentos Prof. Tânia Maria Leite da Silveira Análise de alimentos Indústria de alimentos: controle da qualidade, fabricação e armazenamento do produto acabado; Universidades e institutos de

Leia mais

O presente regulamento é obrigatório em todos os seus elementos e directamente aplicável em todos os Estados-Membros.

O presente regulamento é obrigatório em todos os seus elementos e directamente aplicável em todos os Estados-Membros. 2.3.2005 Jornal Oficial da União Europeia L 56/3 REGULAMENTO (CE) N. o 355/2005 DA COMISSÃO de 28 de Fevereiro de 2005 que altera o Regulamento (CEE) n. o 2676/90 que determina os métodos de análise comunitários

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Controles de Qualidade Analítica POA

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Controles de Qualidade Analítica POA Página: 1 de 12 Elaboração: Camila Cheker Brandão RQ Nome Função Assinatura Data Análise crítica: Rosana Aparecida Freitas RQ Substituta Aprovação: Zelita de O. Lopes Brasil RT 1. Objetivo Descrever instruções

Leia mais

03/01/2016. Proteína INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE CADEIA PROTÉICA FUNÇÕES FUNÇÕES BIOLÓGICAS

03/01/2016. Proteína INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE CADEIA PROTÉICA FUNÇÕES FUNÇÕES BIOLÓGICAS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Disciplina: Química e Bioquímica de Alimentos Componentes principais Proteína INTRODUÇÃO Proteínas Macromoléculas compostas de vários

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: H5 Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro São Paulo

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO ITEM 1 CÓDIGO: 10.309 ESPECIFICAÇÃO ÓLEO DE SOJA, Tipo 1 - Embalagem com 900 ml. ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO Óleo vegetal de soja, refinado, tendo sofrido processo tecnológico adequado com

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE DRACENA SP ANEXO VII

PREFEITURA MUNICIPAL DE DRACENA SP ANEXO VII PREFEITURA MICIPAL DE DRACENA SP Item Especificações Unid. Quantidade 1 ABACAXI ABACAXI 2 ABÓBORA PAULISTA ABÓBORA PAULISTA 3 ACHOCOLATADO EM PÓ DE 400 GR. ACHOCOLATADO EM PÓ DE 400 GR 4 ALFACE CRESPA

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE ABACATE

DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE ABACATE DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIA PARA EXTRAÇÃO DO ÓLEO DE ABACATE G. B. HERMSDORFF 1, V. P. de BRITO 1 e V. S. AGUIAR 1,2 1 Faculdade de Engenharia de Sorocaba, FACENS 2 Universidade Estadual de Campinas,

Leia mais