ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO"

Transcrição

1 FICHA DE MERCADO ANGOLA BREVE CARACTERIZAÇÃO Situa-se na região da África Subsariana, apresentando uma economia em forte crescimento, que converge para uma economia de mercado. É um país extremamente rico em recursos e detém uma balança comercial favorável com o mundo. Com uma superfície de milhares de Km 2, catorze vezes superior à de Portugal, com uma população estimada em 2012 de 20 milhões de habitantes, um PIB de 114,2 mil milhões de dólares (com um crescimento anual de 6,8%). Estes indicadores indiciam já uma recuperação da economia angolana, após vários anos de fraco crescimento, na esteira da crise financeira global, ainda que esta recuperação tenha sido muito impulsionada pelas vendas de petróleo. A extrema dependência da economia angolana das receitas de exportação de petróleo e das importações deixa-a extremamente vulnerável a choques externos. Balança Comercial Angola-Mundo A UE tem em curso, no âmbito das negociações para uma nova parceria económica com os países da região ACP (África, Caraíbas e Pacífico), um processo negocial com alguns dos países da SADC (Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral: Angola, Botswana, Lesoto, Moçambique, Namíbia e República da África do Sul) para a celebração de um Acordo de Parceria Económica (APE) Global, cobrindo uma série alargada de domínios para além do comércio de mercadorias. Angola é, nos mercados exteriores à União Europeia, um parceiro estratégico de Portugal. Ocupa a segunda posição entre os países fornecedores de Portugal no âmbito da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), depois do Brasil. As relações económicas e comerciais com Angola têm vindo a ser reforçadas e traduzidas num acentuado crescimento das exportações nacionais, nomeadamente no que se refere a produtos agroalimentares e florestais. Os fluxos de comércio e de investimento são bidirecionais entre as duas economias e potenciam uma parceria estratégica, com reciprocidade, abrindo caminho ao seu funcionamento como plataformas para outros mercados próximos, a uma escala regional/continental. Atualizado em setembro de

2 As empresas nacionais de produtos agroalimentares têm sabido, no âmbito dos seus processos de internacionalização, tirar partido crescente das oportunidades associadas à emergência de uma procura crescente no mercado angolano, em que os fatores linguísticos e culturais podem intervir como elemento facilitador na criação de um ambiente mais favorável aos negócios. Há um grande potencial de crescimento para as exportações nacionais de produtos agroalimentares para o mercado angolano, de que são um exemplo os produtos à base de cereais, de vegetais, de fruta, de carne, o pescado, o leite e lacticínios, o azeite. II PERSPETIVAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO Angola é um mercado atrativo para as exportações nacionais, exigindo, contudo que se conheça muito bem as obrigações a cumprir, que se prepare devidamente o processo de exportação e a abordagem a este mercado. Contudo, existem uma série de fatores que permitem que a posição portuguesa no mercado continue a ser privilegiada: Os produtos portugueses são quase na sua totalidade, conhecidos e preferidos pelo consumidor angolano. A comunidade portuguesa em Angola é representativa e ocupa lugares chave a nível económico, o que tem permitido a manutenção das relações existentes, a nível comercial, entre Portugal e Angola. No entanto, face às novas condicionantes do mercado, esses fatores correm o risco de se esbater, se, no curto prazo, esses laços não forem reforçados. Se isso acontecer, Portugal poderá perder a sua posição para países como a África do Sul, o Brasil ou Espanha, que têm tentado aproximar-se (a todo o custo) comercialmente de Angola. Portugal deve assim apostar claramente numa política estruturada e concertada com as empresas do setor agroalimentar com vista a aproveitar, com maior profundidade, as oportunidades decorrentes das características do mercado do angolano, nomeadamente, organização e financiamento de ações conjuntas, business intelligence, ações de procurement, construção e exploração de plataformas, ações diplomáticas, apostando, também, neste mercado como plataforma para atingir os mercados africanos circundantes. A agricultura e a agroindústria são setores críticos e chave da dinâmica de crescimento económico que Angola prossegue, sendo áreas de oportunidade de investimento para as empresas nacionais, que poderão estabelecer parcerias com angolanos para prosseguir objetivos de redução de custos, de limitação de dificuldades burocráticas e de ganhos de integração no mercado. III OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO / PRODUTOS COM MAIOR POTENCIAL EXPORTADOR PARA O MERCADO DE ANGOLA O azeite, o vinho (e outras bebidas tais como a cerveja), as preparações à base de carne/produtos vegetais e o pescado, para além das suas capacidades próprias, devem constituir referências importantes, em termos de produtos com estratégias de internacionalização consolidadas, nomeadamente, através das empresas atualmente exportadoras para esse mercado, que poderão servir de alavanca para a entrada de novos exportadores e, por conseguinte, permitir que se Atualizado em setembro de

3 obtenham ganhos de competitividade (maiores facilidades de financiamento, relacionamento e logística, observação e análise dos mercados just in time). A reforçar estas referências de oportunidade do mercado angolano, acresce-se que Angola deverá apostar em aumentos da produção, orientada para uma substituição das importações, para uma diversificação das fontes de receitas para a economia do país e para a exportação, no domínio da agricultura, pecuária e indústria transformadora, setores tidos como estratégicos para o desenvolvimento da sua economia e em que tem vindo a promover o investimento privado, nacional e estrangeiro. As empresas portuguesas podem beneficiar das necessidades angolanas de captação de investimentos estrangeiros para o seu desenvolvimento. Sobressaem como produções em que o país reúne condições e recursos para uma redução do seu grau de dependência do exterior os produtos hortícolas, frutas, cereais, algodão, oleaginosas, pescado. A estrutura da pauta aduaneira de Angola apresenta um direito médio para os produtos agrícolas de 9,8%. Os direitos aduaneiros variam entre 2% e 30% sobre o preço CIF dos produtos importados, com direitos mais elevados nos setores das bebidas, nomeadamente vinho (30%), cerveja (20%), outras bebidas alcoólicas (30%), produtos florestais (30%), produtos da pesca (20%), azeite (10%), preparações à base de carne (15%). Acresce à imposição de direitos aduaneiros, a cobrança de taxas variáveis consoante as categorias dos produtos (impostos de consumo, imposto de selo e outras contribuições especiais). Angola tem em curso uma série de reformas legislativas, quer em termos tributários, quer no que respeita à Lei de Investimento Estrangeiro. No contexto da reforma tributária, a Pauta Aduaneira vigente, que data de 2007, deverá ser atualizada, eventualmente ainda este ano, adequando-a à nova realidade de desenvolvimento económico do país, podendo vir a envolver um aumento dos direitos aduaneiros dos 30% atuais até 50% para alguns produtos (bebidas alcoólicas, nomeadamente cerveja, tabaco e produtos considerados supérfluos). No caso específico da cerveja, um aumento previsível dos direitos terá associado um elemento de proteção da indústria cervejeira angolana, relançada estrategicamente nos últimos anos. Acresce a importância que este mercado já tem em termos de destino das exportações nacionais, de que são exemplo as Bebidas (Vinho e Cerveja), Preparações de Carne e Azeite. Portugal tem nestes, como em outros produtos, uma orientação exportadora com alguma expressão, a par de uma garantia de qualidade da produção nacional, de que se passam a detalhar alguns dos indicadores de análise destes produtos no comércio internacional. Angola detém uma quota significativa como mercado destino da exportação nacional de vinho (da ordem dos 9,1% em volume e dos 18,2% em valor no ano de 2012), situando-se entre os dez principais destinos das exportações nacionais de vinho, e situa-se entre os cinco principais mercados terceiros da exportação nacional (com a Suíça, EUA, Canadá e o Brasil). Atualizado em setembro de

4 Vinho Indicadores de análise do Comércio Internacional (para todo o Mundo) Vinho - Indicadores de análise do Comércio Internacional Rubrica Unidade Produção toneladas Importação toneladas Exportação toneladas Orientação Exportadora % 28,9 21,7 34,1 45,1 45,3 36,2 40,1 61,1 53,7 43,3 35,0 52,0 Consumo Aparente toneladas Grau de Auto-Aprovisionamento % 99,0 99,3 114,9 134,8 128,2 117,8 136,0 163,0 125,7 106,8 116,9 139,6 Grau de Abastecimento do Mercado Interno % 70,4 77,7 75,7 73,9 70,2 75,2 81,5 63,4 58,2 60,6 76,0 67,1 Nota: Orientação Exportadora = Exportação / Produção x 100 Consumo Aparente = Produção + Importação - Exportação Grau de Auto-Aprovisionamento = Produção / Consumo Aparente x 100 Grau de Abastecimento do mercado interno = (Produção - Exportação) / Consumo Aparente x 100 Angola é atualmente o primeiro mercado destino das vendas nacionais de cerveja de malte, ultrapassando já Espanha e França como destinos das expedições nacionais. Atualizado em setembro de

5 Cerveja Indicadores de análise do Comércio Internacional (para todo o Mundo) Angola ocupa, nos anos mais recentes, a primeira posição como destino das exportações portuguesas de preparações de carne. Atualizado em setembro de

6 Preparações de Carne Indicadores de análise do Comércio Internacional (para todo o Mundo) Preparações de Carne - Indicadores de análise do Comércio Internacional Rubrica Unidade Produção toneladas Importação toneladas Exportação toneladas Orientação Exportadora % 7,8 13,7 13,5 13,9 17,1 20,1 22,1 25,0 24,7 22,1 16,5 Consumo Aparente toneladas Grau de Auto-Aprovisionamento % 96,5 97,7 96,0 94,9 98,1 100,6 102,0 105,1 104,5 101,5 101,6 Grau de Abastecimento do mercado interno % 88,9 84,3 83,0 81,7 81,3 80,4 79,5 78,8 78,6 79,1 84,8 Nota: Orientação Exportadora = Exportação / Produção x 100 Consumo Aparente = Produção + Importação - Exportação Grau de Auto-Aprovisionamento = Produção / Consumo Aparente x 100 Grau de Abastecimento do mercado interno = (Produção - Exportação) / Consumo Aparente x 100 No setor do azeite, o comportamento da balança comercial nacional foi-se alterando e ajustando a uma nova realidade da oferta nacional de azeite, sustentada pelo aumento de área nacional de olivais intensivos e superintensivos (com grande expressão no Alentejo que perfaz atualmente 79% da produção nacional de azeite), pelo recurso ao regadio, a par da preocupação de introdução de melhorias constantes da qualidade. Em 2011, a balança comercial nacional até então deficitária, atingiu um saldo positivo (29M ), fator que explica a evolução muito positiva do índice de orientação exportadora, que cresceu 30%, do final Atualizado em setembro de

7 dos anos 80, para valores superiores aos 75% nos últimos anos, sendo expectável um reforço e consolidação destes indicadores, para os próximos três anos, face a acréscimos na ordem dos 20% expectáveis em termos da produção nacional de azeite. Azeite Indicadores de análise do Comércio Internacional (para todo o Mundo) Azeite - Indicadores de análise do Comércio Internacional Rubrica Unidade Produção toneladas Importação toneladas Exportação toneladas Orientação Exportadora % 87,8 70,9 68,4 54,0 48,7 79,9 49,4 103,3 75,1 69,4 86,0 104,9 168,0 Consumo Aparente toneladas Grau de Auto-Aprovisionamento % 52,1 50,5 47,5 44,5 53,9 44,7 53,1 45,3 60,0 69,7 68,0 90,4 92,5 Grau de Abastecimento do Mercado Interno % 6,3 14,7 15,0 20,5 27,7 9,0 26,9-1,5 15,0 21,3 9,5-4,4-62,9 Nota: Orientação Exportadora = Exportação / Produção x 100 Consumo Aparente = Produção + Importação - Exportação Grau de Auto-Aprovisionamento = Produção / Consumo Aparente x 100 Grau de Abastecimento do mercado interno = (Produção - Exportação) / Consumo Aparente x 100 Os mecanismos de certificação de seis Denominações de Origem Protegida: Azeites do Norte Alentejano, Azeite de Trás-os-Montes, Azeites da Beira Interior (B. Baixa, B. Alta), Azeites do Ribatejo, Azeite de Moura e Azeite do Alentejo Interior, e o cumprimento da legislação no domínio da rotulagem asseguram a proteção da produção e são uma garantia para o consumidor final. Atualizado em setembro de

8 COMÉRCIO EXTERNO O saldo global da balança de comércio de mercadorias é francamente favorável a Portugal, com resultados positivos, marcados por uma redução significativa no ano de 2010, face a uma acentuada descida das exportações nacionais e a um aumento das importações de Angola. Este crescimento sustentado das importações está associado a acréscimos de transferências de combustíveis minerais, designadamente aquisições de petróleo, tendo o comportamento das exportações nacionais sido fundamental para reequilibrar a tendência de deterioração do saldo comercial em detrimento de Portugal. Balança comercial PT-Angola Total da economia (valores em milhares de euros) No quinquénio , Angola deteve a 1ª posição como principal destino, externo à UE, da exportação nacional de produtos agroalimentares e florestais, perfazendo 7,4% das nossas vendas ao exterior (logo a seguir a Espanha e França), ocupando a 106ª posição como cliente de Portugal e detendo, no cômputo global do comércio, a 8ª posição do ranking dos nossos principais parceiros comerciais. Portugal exportou para Angola em milhões de euros de produtos agroalimentares e florestais, tendo importado 1,2 milhões de euros. Balança comercial PT-Angola Agroalimentar e florestas (valores em milhares de euros) Como mercado cliente de Portugal, Angola absorve 7,4% do total agroflorestal exportado por Portugal, perfazendo as exportações de produtos agroalimentares e de produtos florestais, respetivamente 87% e 13% do valor total. Atualizado em setembro de

9 Nas exportações agroalimentares, têm particular relevância as bebidas (vinhos e cervejas), com uma representatividade próxima dos 40%, as preparações de carne (11,5%) e as gorduras (8,8%), sobretudo óleo de soja. Nos produtos florestais exportados merecem particular destaque o papel e o cartão (9,1%). Atualizado em setembro de

10 Angola, como país fornecedor, tem um peso relativo reduzido no total nacional importado (cerca de 0,01%), correspondendo 67% a produtos agroalimentares e 33% a produtos da floresta. Assumem maior relevância as importações nacionais de café, malte e especiarias (33,3%), madeiras (32,6%) e peixes e crustáceos (27,5%). No contexto do mercado das frutas frescas, Angola perfaz valores muito pouco significativos. Atualizado em setembro de

Estados Unidos da América

Estados Unidos da América FICHA DE MERCADO Estados Unidos da América I BREVE CARACTERIZAÇÃO Os EUA são um dos maiores países do mundo, ocupando a terceira posição tanto em termos de área, com uma superfície de quase 10 milhões

Leia mais

CHINA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

CHINA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO CHINA BREVE CARACTERIZAÇÃO A China, uma economia em forte crescimento, encetou em 1978, quando o país adotou a política de Reforma Económica e Abertura ao Exterior, um conjunto de processos

Leia mais

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE

FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE FICHA DE INTERNACIONALIZAÇÃO AZEITE CENÁRIO DE ANTECIPAÇÃO BREVE CARATERIZAÇÃO DIAGNÓSTICO O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FORTES O ANÁLISE INTERNA - PONTOS FRACOS O ANÁLISE EXTERNA - OPORTUNIDADES OU OPORTUNIDADES

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO Desenvolvimento Rural, Agricultura, Florestas e Sustentabilidade 17 de outubro de 2014 / GPP Eduardo

Leia mais

Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81%

Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81% 02 de abril de 2013 Abastecimento Alimentar em Portugal Grau de autossuficiência alimentar nacional situa-se nos 81% Portugal apresenta um grau de autossuficiência 1 alimentar de 81%, expresso em valor,

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu.

FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013. 1. Título Opções de financiamento para a CPLP não é meu. FRANCISCO MANTERO - PWC - CPLP 23/01/2013 1. Título "Opções de financiamento para a CPLP" não é meu. Poderia dar ideia que há opções de financiamento específicas para a CPLP em si mesma e para os Estados

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

Ficha de Mercado BRASIL. ALENTEJO 2015 Exportar+

Ficha de Mercado BRASIL. ALENTEJO 2015 Exportar+ Ficha de Mercado BRASIL ALENTEJO 2015 Exportar+ Dados Gerais Área: 8.515.692,3 km² População: 201 milhões (estimativa EIU 2013) Densidade populacional: 23,6 habitantes/km² Designação oficial: República

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2008

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2008 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 12 Dezembro 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Ordem para Exportar. Estratégia de Internacionalização do setor agroalimentar. Isabel Braga da Cruz Knowledge Division - PortugalFoods

Ordem para Exportar. Estratégia de Internacionalização do setor agroalimentar. Isabel Braga da Cruz Knowledge Division - PortugalFoods Ordem para Exportar Estratégia de Internacionalização do setor agroalimentar Isabel Braga da Cruz Knowledge Division - PortugalFoods III Jornadas em Ciência e Tecnologia Alimentar IPVC Viana do Castelo,

Leia mais

A importância do Agronegócio no contexto da Economia Nacional. Divanildo Monteiro (divanildo@utad.pt)

A importância do Agronegócio no contexto da Economia Nacional. Divanildo Monteiro (divanildo@utad.pt) A importância do Agronegócio no contexto da Economia Nacional Divanildo Monteiro (divanildo@utad.pt) Complexo Agroflorestal em Portugal Complexo agro-florestal: território, economia e sociedade 70% do

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer pelo conjunto

Leia mais

Mercados informação de negócios

Mercados informação de negócios Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Novembro 2008 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Geografia/Profª Carol

Geografia/Profª Carol Geografia/Profª Carol Recebe essa denominação porque parte dos territórios dos países platinos que constituem a região é banhada por rios que compõem a bacia hidrográfica do Rio da Prata. Países: Paraguai,

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014

Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã. 26 de novembro de 2014 Conferência Alemanha Europeia / Europa Alemã 26 de novembro de 2014 1. Empresas Alemãs em Portugal 2. Investimento Direto Alemão em Portugal 3. Exportação / Importação 1. Empresas Alemãs em Portugal Perspetiva

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

VANUATU Comércio Exterior

VANUATU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC VANUATU Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008

EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008 EXPORTAR MAIS - PLANO DE ACÇÃO 2008 AEP - Associação Empresarial de Portugal Direcção de Serviços às Empresas Internacionalização e Promoção Externa Leça da Palmeira, 26 de Junho de 2008 A/C Direcção Comercial/Exportação

Leia mais

2011 / Portugal 2012 / Brasil. 2013 / Angola. 2014 / Cabo Verde

2011 / Portugal 2012 / Brasil. 2013 / Angola. 2014 / Cabo Verde 2011 / Portugal 2012 / Brasil 2013 / Angola 2014 / Cabo Verde Índice: - Porquê GetOut? - O Congresso do Empreendedor Lusófono - Angola - Missão ao Congresso Porquê GetOut? Portugal: Crescimento económico

Leia mais

Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA

Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA Visão Perspectiva da Lei de Investimento Privado e a Nova Pauta Aduaneira - A NOVA PAUTA ADUANEIRA SUMÁRIO 1. Generalidades- Factores/Alterações 2. Fundamentos para as Alterações 3. Opções de Política

Leia mais

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20

PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 PROJEÇÕES DO AGRONEGÓCIO Brasil 2009/10 a 2019/20 AGE - ASSESSORIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA Chefe da AGE: Derli Dossa. E-mail: derli.dossa@agricultura.gov.br Equipe Técnica: José Garcia Gasques. E-mail: jose.gasques@agricultura.gov.br

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

POSIÇÃO DA CAP EM RELAÇÃO À PARCERIA TRANSATLÂNTICA DE COMÉRCIO

POSIÇÃO DA CAP EM RELAÇÃO À PARCERIA TRANSATLÂNTICA DE COMÉRCIO 1. APRECIAÇÃO GLOBAL De acordo com o primeiro estudo de impacto da TTIP 1, estima-se que deverá ser ter um efeito positivo para a União Europeia na medida que possa conduzir: ao aumento da produção dos

Leia mais

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis

Dos resíduos às matérias-primas rentáveis Dos resíduos às matérias-primas rentáveis 1 Dos resíduos às matérias-primas rentáveis O aumento da população e do nível de vida previstos para as próximas décadas, pressupõem um acréscimo na procura de

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS

EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÃO DE PEQUENA ESCALA: ABORDAGEM AOS MERCADOS INTERNACIONAIS 1.º Encontro Jovem Produtor de Queijo Serra da Estrela Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Enquadramento A aicep Portugal Global Canais de

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA

MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA 03 A 06 DE NOVEMBRO DE 2008 RELATÓRIO FINAL MISSÃO EMPRESARIAL À TUNÍSIA 03 A 06 DE NOVEMBRO DE 2008 1. Introdução À semelhança de iniciativas anteriores, a Nersant organizou

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Índice 1. Países de Língua Portuguesa/Comunidade de Países de Língua Portuguesa 1.1 Potencialidades da Espaço Lusófono 1.2 Comunidades Económicas Regionais

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES

PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES PLANTAS E ERVAS AROMÁTICAS (PAM) ENQUADRAMENTO E OPORTUNIDADES INTRODUÇÃO PRODUÇÃO, PRODUTORES E ESCOAMENTO VALOR DA PRODUÇÃO PRINCIPAIS ESPÉCIES PARA COMERCIALIZAÇÃO MERCADOS, ENQUADRAMENTO MUNDIAL E

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

A atual oferta de financiamento

A atual oferta de financiamento Ciclo de Conferências CIP Crescimento Económico: Diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Nuno Amado 28.nov.14 Centro de Congressos de Lisboa 5 Mitos sobre o financiamento

Leia mais

Cimeira do Fórum Índia África

Cimeira do Fórum Índia África REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Presidência da República Cimeira do Fórum Índia África Intervenção de Sua Excelência Senhor José Mário Vaz Presidente da República Nova Delhi, 29 de Outubro de 2015 Excelência,

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural

Programa de Desenvolvimento Rural Programa de Desenvolvimento Rural PDR 2020 do Continente Terra no Horizonte 2014-2020 Tavira, 13 Março 2014 1 2 Panorama Principais constatações Atuação Constrangimentos e Necessidades 3 Arquitetura 4

Leia mais

A Indústria Portuguesa de Moldes

A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes A Indústria Portuguesa de Moldes tem vindo a crescer e a consolidar a sua notoriedade no mercado internacional, impulsionada, quer pela procura externa, quer por uma competitiva

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS APRESENTAÇÃO A YOUNIC é especializada na assessoria a empresas com vista ao crescimento e expansão dos seus negócios num panorama internacional. Com uma atuação versátil,

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA ECONOMIA E FINANÇAS CENTRO DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS CLIMA DE INVESTIMENTOS EM MOÇAMBIQUE CONTEÚDO 1 Razões para investir em Moçambique 2 Evolução do Investimento

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO LUSOFONIA ECONÓMICA PLATAFORMAS CPLP ENTRE: A ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (AIP-CCI), com sede na Praça das Indústrias em Lisboa, 1300-307 Lisboa,

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Calçado português reforça aposta no mercado alemão

Calçado português reforça aposta no mercado alemão Calçado português reforça aposta no mercado alemão O mercado alemão é uma prioridade estratégica para a indústria portuguesa de calçado. Por esse motivo, a presença nacional na GDS, o grande evento do

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 07 Julho 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Índice. 1. Alguns factos. Competitividade da fileira hortofrutícola. 1. Alguns factos 2. Os desafios 3. As estratégias 4. Considerações finais

Índice. 1. Alguns factos. Competitividade da fileira hortofrutícola. 1. Alguns factos 2. Os desafios 3. As estratégias 4. Considerações finais Competitividade da fileira hortofrutícola Desafios da fruta qualificada (DOP/IGP) face às tendências de mercado Viseu 7 Novembro de 2007 Gonçalo Lopes COTHN Índice 2. Os desafios 3. As estratégias 4. Considerações

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA Seminário Estratégias de Internacionalização da Economia Portuguesa - O que podemos esperar do Tratado Transatlântico (TTIP) A economia

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais

Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina. Rui Trigo Morais Benchmarking Internacional de Transferência de Tecnologia América Latina Rui Trigo Morais Para caracterizar devidamente os instrumentos de transferência de I&D na América Latina, as suas especificidades,

Leia mais

17 a 24 JANEIRO DE 2016 FICHA DE MERCADO FICHA DE MERCADO CARACTERÍSTICAS GERAIS NOME OFICIAL: República Socialista do Vietname ÁREA: 331.210 km2 LIMITES: Faz fronteira com a República Popular da China

Leia mais

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos

Em Crise Profunda no Mercado Interno. Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos 2ª JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO ENGENHARIA CIVIL OS NOVOS DESAFIOS O PAPEL DA CONSTRUÇÃO NO FUTURO Índice: Onde Estamos Europa 2020 e Crescimento da Construção em Portugal

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo

Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo Senhora Presidente da Assembleia Legislativa da RAA Senhoras e senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores membros do Governo Em primeiro lugar, quero saudar a Senhora Presidente

Leia mais

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil

DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA. Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A GOVERNANÇA DA TERRA Alan Bojanic Representante da FAO no Brasil SEGURANÇA ALIMENTAR - O DUPLO DESAFIO ERRADICAR A FOME DO PRESENTE; ALIMENTAR A POPULAÇÃO DO FUTURO E NÃO TER

Leia mais

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011

ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 ÁFRICA DO SUL AERLIS - Oeiras 31.03.2011 Alguns factos históricos 1487 Bartolomeu Dias chega ao Cabo da Boa Esperança 1652 Holandeses, ao serviço da Dutch East India Company, instalam-se no Cabo. Colónia

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

Brasil-China: Uma Agenda de

Brasil-China: Uma Agenda de Brasil-China: Uma Agenda de Colaboração Jorge Arbache BNDES Palácio do Itamaraty, Rio de Janeiro, 17 de junho de 2011 1 China Principal parceiro comercial do Brasil Um dos principais investidores estrangeiros

Leia mais

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas

Quem somos Em que acreditamos Acreditamos nas pessoas Prioridades para 2014-2019 Quem somos Somos o maior grupo político da Europa, orientado por uma visão política de centro-direita. Somos o Grupo do Partido Popular Europeu do Parlamento Europeu. Em que

Leia mais

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010 Artur Alves Enquadramento A rede de países da CPLP apresenta um conjunto de valências, que exploradas

Leia mais

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano Brasil Maior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano Brasil Maior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais