A VIDA CULTURAL NA BAIXA IDADE MÉDIA (Séc. XI-XIV) História da Igreja I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A VIDA CULTURAL NA BAIXA IDADE MÉDIA (Séc. XI-XIV) História da Igreja I"

Transcrição

1 A VIDA CULTURAL NA BAIXA IDADE MÉDIA (Séc. XI-XIV) História da Igreja I

2 Onde Estudar? Os séculos XI, XII, XIII e XIV foram de grande atividade intelectual. Dentro dos mosteiros e nas escolas das catedrais, houve o desenvolvimento do pensamento teológico e jurídico. No século XIII, as universidades, uma das grandes invenções da Idade Média, se tornaram importantes centros que atraíam jovens de toda a Europa. Antes, quem desejasse estudar, precisava não somente do tempo e da oportunidade, mas dos meios para empreender viagens em busca de mestres dispersos. com a universidade, os mestres estavam reunidos todos no mesmo lugar.

3 AS UNIVERSIDADES EUROPÉIAS

4 Nos primeiros séculos da Idade Média, a atividade intelectual estava praticamente restrita aos mosteiros. Centros religiosos, mas, também de estudos, eles produziram alguns dos mais importantes intelectuais do período. Anselmo da Canterbury ( ) foi um desses intelectuais Nascido na Itália, em Aosta, de família nobre aos 15 anos desejava se tornar monge a oposição do pai o impediu.

5 Aos 23 anos, abandou a casa paterna dirigiu-se para a França. Atraído pela fama do abade Lanfranc, terminou entrando para o mosteiro de Bec, na Normandia. Tornou-se noviço tarde, aos 27 anos foi feito abade em 1078, quando Lanfranc se tornou arcebispo de Canterbury. Em 1093, Anselmo foi escolhido como arcebispo de Canterbury sua carreira eclesiástica foi marcada por conflitos com o rei por defender os princípios da reforma gregoriana.

6 Anselmo escreveu muito sua obra principal chama-se Por que Deus se fez homem um dos pais da Escolástica. Anselmo tenta conciliar fé e razão primeiro é necessário crer, para depois compreender a razão elucida a fé. Argumento ontológico questão da existência de Deus. A ofensa é medida por quem é ofendido, não por quem ofende pecado contra Deus é infinito Só Cristo poderia saná-lo.

7 ESTUDANDO NA UNIVERSIDADE Classe universitária Aproximadamente 1350.

8 A Escolástica é um método de pensamento crítico e aprendizado que marcou ambiente universitário durante a Idade Média buscavam defender a ortodoxia e conciliar a fé e a razão. O argumento dialético era a base de todo o discurso e os debates entre alunos e professores e entre os professores eram estimulados. Um dos objetivos dos escolásticos era conciliar a tradição cristã com o pensamento filosófico grego, especialmente Aristóteles, e, em alguns casos, o que era percebido empiricamente. Os principais nomes da Escolástica são Anselmo de Canterbury, Pedro Abelardo, Alexandre de Hales, Alberto Magno, Duns Scotus, Guilherme de Ockham, Boaventura e Tomás de Aquino.

9 Anselmo escreveu muito sua obra principal chama-se Por que Deus se fez homem um dos pais da Escolástica. Anselmo tenta conciliar fé e razão primeiro é necessário crer, para depois compreender a razão elucida a fé. Argumento ontológico questão da existência de Deus. A ofensa é medida por quem é ofendido, não por quem ofende pecado contra Deus é infinito Só Cristo poderia saná-lo.

10 Amantes & Intelectuais Túmulo de Abelardo e Heloísa

11 Pedro Abelardo ( ) Bretão é outro precursor da Escolástica lecionou na Escola de Paris, que deu origem à universidade. Na juventude foi um clérigo andarilho goliardo. Na maturidade, tornou-se o mais famoso dos professores de Paris. Terminou apaixonando-se por uma aluna, Heloísa a tragédia o tio da moça mandou castrá-lo acabou conduzindo-o à vida monástica, mas continuou lecionando.

12 As idéias de Abelardo sempre foram controversas viveu no limite da heresia. Sínodo de Soissons 1121 condenou seus escritos sobre a Trindade, que foram queimados. Perseguido por Bernardo de Claraval, que questionava seu uso da razão, foi condenado como herege, em Protegido por Pedro, o Venerável, abandonou o ensino e retirou-se para Cluny só assim salvou-se da morte.

13 Abelardo defendia que Cristo havia morrido para nos dar exemplo e estímulo para que cumpríssemos a vontade de Deus. Em sua obra Sim e Não, expõe, em 158 perguntas, as contradições presentes tanto nas explicações patrísticas e de outras autoridades, quanto nos textos bíblicos. O método dialético de Abelardo é o mesmo que vai marcar os argumentos usados pelos mestres da escolástica universitária a partir do século XIII.

14 Pedro Lombardo ( ) pobre estudou na escola da catedral de Novara. Recomendado à Bernardo de Claraval pelo Bispo Odo de Lucca, pode estudar em Paris e Reims Tornou-se bispo de Paris em Em seu livro Sentenças, segue o modelo de Abelardo, mas não contradiz a ortodoxia e busca dar respostas às perguntas se não podia responder, admitia a ignorância. Sistematizador acusado de heresia seus ensinos terminaram por triunfar.

15 ESTUDANDO NA UNIVERSIDADE

16 A Universidade Medieval era uma corporação de ofício especial doutores, mestres, estudantes (aprendizes). O ensino é apanágio da Igreja mesmo universidades fundadas por reis e imperadores, precisam da permissão da autoridade religiosa. Os mestres da universidade tinham a jus ubique docendi. Havia quatro cursos universitários: Artes (inferior), Direito, Medicina e Teologia (superiores).

17 Os estudantes muitas vezes recebiam privilégios traziam dinheiro para a cidade. Não havia um padrão, então, algumas universidades recebiam até crianças. A Igreja, os reis, davam bolsas para alunos pobres. O bacharelado em Artes durava em média dois anos. Depois de obtido o mestrado em Artes, o aluno deveria estudar mais seis anos para conseguir o doutorado em Medicina.

18 O doutorado em Teologia exigia entre quinze e dezesseis anos de estudos seis anos eram como ouvinte e incluíam quatro anos de comentários bíblicos + dois anos de estudo das Sentenças de Pedro Lombardo. A presença das ordens mendicantes geraram conflito proselitismo, não faziam greve. Fundação dos Colégios controle e proteção dos estudantes caridade.

19 Aristóteles chega às universidades no século XIII via Espanha Muçulmana. A tradição cristã neoplatônica X filosofia de Aristóteles leitura de Averróis. Averróis defendia a independência da filosofia em relação à teologia. A filosofia de Aristóteles foi condenada várias vezes pela Santa Sé 1210, 1215, 1228 seu ensino proibido em Paris. Com o tempo as condenações foram caindo em desuso e sendo esquecidas.

20 Dois dos maiores teólogos do século XIII foram o franciscano Boaventura ( ) e o dominicano Tomás de Aquino ( ) amigos, receberam o doutorado no mesmo dia são ambos doutores da Igreja Católica. Boaventura desempenhou grande papel para impedir que a Ordem Franciscana fosse colocada na heresia. Místico, defendia que não era pela razão que se poderia chegar à Deus, mas pela oração, exercício das virtudes e meditação. Especializado nas Sentenças de Pedro Lombardo, Boaventura era platônico em um mundo cada vez mais aristotélico.

21 Para Boaventura, a razão não deveria ser desprezada, mas a fé era em tudo superior a ela. Buscou reafirmar em sua obra a inportância da herança de Santo Agostinho. Condenava os que tentavam separar a filosofia aristotélica de fé católica. Tentou conciliar a teologia católica e Aristóteles. Irá apontar equívocos em Aristóteles (*eternidade do mundo*) Cristo seria o único mestre perfeito. Cristo seria o centro de todo o conhecimento O objetivo da alma humana seria se juntar à Deus.

22 Tomás de Aquino é o maior dos teólogos católicos medievais conseguiu cristianizar a obra de Aristóteles. Foi discípulo de Alberto Magno distinção entre filosofia, que parte de princípios autônomos, e da razão e a teologia, que parte da verdade revelada, que não pode ser reduzida à razão. Aquino poderia ter seguido uma vida monástica tradicional foi colocado em um mosteiro beneditino aos cinco anos aos 14 anos foi para a Universidade de Paris em 1244, tornou-se dominicano.

23 Enfrentou grande oposção da família os dominicanos eram uma ordem nova depois de escapar dos seus, terminou seus noviciado em Colônia, supervisionado por Alberto Magno. Sua obra mais conhecida é a Suma Teológica árduo trabalho em cima dos textos de Aristóteles. A teologia tomista é extensa e vamos focar em alguns pontos: Há questões que podem ser compreendidas pelo uso da razão, mas há outras que precisam ser compreendidas pela fé À Filosofia são destinadas as primeiras, já a Teologia pode cuidar de ambas.

24 Crer em Deus é fundamental para a salvação esta se faz pela fé, mas, também é possível compreender a existência da divindade mediante a razão. Anselmo (Platônico) o verdadeiro conhecimento está no campo das idéias X para Tomás (Aristotélico) é pelos sentidos que compreendemos muita coisa. Tomás de Aquino doma Aristóteles. Na Suma Teológica ele trata de lei, fé, razão, respeito às autoridades. Apesar de encontrar alguma resistência no início, sua teologia se tornou base para a Igreja Católica.

25 Prof.ª Valéria Fernandes Brasília, 26 de junho de É permitido o uso deste material, desde que devidamente creditado.

FILOSOFIA MEDIEVAL: ESCOLÁSTICA 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP

FILOSOFIA MEDIEVAL: ESCOLÁSTICA 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP 3ªSÉRIE DO ENSINO MÉDIO DRUMMOND 2017 PROF. DOUGLAS PHILIP Por Filosofia Escolástica entende-se a filosofia dominante no período compreendido entre os séculos IX e XIV XV, ensinada comumente nas escolas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO.. Manual sobre a História da Filosofia Medieval:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO.. Manual sobre a História da Filosofia Medieval: 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Departamento de Filosofia. Site: www.fil.ufes.br. Manual sobre a História da Filosofia Medieval: www.unisi.it/ricerca/prog/fil-med-online/index.htm PROGRMA DA DISCIPLINA

Leia mais

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média

FÍSICA FILOSOFIA. Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA. Características Fundamentais da Idade Média FILOSOFIA FÍSICA Resumex JáEntendi 1. A FILOSOFIA NA IDADE MÉDIA O período histórico comumente chamado de Idade Média inicia- se no século V e termina no século XV. Portanto, ele representa mil anos de

Leia mais

FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II

FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II FILOSOFIA MEDIEVAL E OUTROS TEMAS PROFESSOR DANILO BORGES FILOSOFIA 9º ANO ENSINO FUNDAMENTAL II FILOSOFIA NA IDADE MEDIEVAL A IDADE MÉDIA INICIOU-SE NA Europa com as invasões germânicas ou bárbaras no

Leia mais

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira

2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7. Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 2º bimestre 1ª série 12 - Era Medieval Formação e consolidação da Igreja Caps. 3.2, 3.3 e 7 Roberson de Oliveira Roberson de Oliveira 1 Igreja na Era Medieval Importância: 1. Único poder universal. 2.

Leia mais

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL Santo Agostinho séc. IV São Tomás de Aquino séc. XIII PATRÍSTICA e ESCOLÁSTICA Platão séc. IV a.c. Aristóteles séc. III a.c A RELAÇÃO ENTRE FÉ E RAZÃO Questões fundamentais para

Leia mais

A IGREJA MEDIEVAL. História 1 Aula 13 Prof. Thiago

A IGREJA MEDIEVAL. História 1 Aula 13 Prof. Thiago A IGREJA MEDIEVAL História 1 Aula 13 Prof. Thiago A IGREJA MEDIEVAL Instituição centralizada, poderosa, hierárquica, supranacional e autoritária Única instituição coesa com o fim do Império Romano Controle

Leia mais

Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação ideias novas.

Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação ideias novas. Escolástica: a filosofia das escolas cristãs 3º BIMESTRE 7º Ano A filosofia cristã na Escolástica Você sabe por que vamos à escola? Ensino é responsabilidade do Estado e de que todos têm direito à educação

Leia mais

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO

ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO 1 ALBERTO MAGNO E TOMÁS DE AQUINO A ESCOLÁSTICA E OS PRINCIPAIS REPRESENTANTES ALBERTO MAGNO TOMÁS DE AQUINO Buscaram provar a existência de Deus utilizando argumentos racionais. 2 A UNIDADE ENTRE A FÉ

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ - ESALQ/USP

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ - ESALQ/USP ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ - ESALQ/USP CAIO HENRIQUE AMPARO ROSATELI JOÃO PEDRO BACCHIN MILANEZ PEDRO INNOCENTE COLLARES VINÍCIUS HORSTMANN FERNANDES SÃO TOMÁS DE AQUINO Piracicaba

Leia mais

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média:

Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: EXERCÍCIOS ON LINE 3º BIMESTRE DISCIPLINA: Filosofia PROFESSOR(A): Julio Guedes Curso TURMA: 2101 e 2102 DATA: Teste: Prova: Trabalho: Formativo: Média: NOME: Nº.: Exercício On Line (1) A filosofia atingiu

Leia mais

Aula 08 Terceiro Colegial.

Aula 08 Terceiro Colegial. Aula 08 Terceiro Colegial Cristianismo: Entre a Fé e a Razão Busca por uma base racional para sustentar a fé Formulações filosóficas se estendendo por mais de mil anos Cristianismo Palavra de Jesus, que

Leia mais

Tema 2 - Um panorama histórico da física II

Tema 2 - Um panorama histórico da física II Universidade Federal de Ouro Preto ICEB - Departamento de Física Professor Armando Brizola FIS119 - A física no mundo moderno Tema 2 - Um panorama histórico da física II Assunto: A ciência no mundo medieval

Leia mais

FILOSOFIA CRISTÃ. Jesus Cristo Pantocrator, Uma das mais antigas imagens de Jesus (séc. VI-VII). Monastério Sta. Catarina, Monte Sinai.

FILOSOFIA CRISTÃ. Jesus Cristo Pantocrator, Uma das mais antigas imagens de Jesus (séc. VI-VII). Monastério Sta. Catarina, Monte Sinai. Jesus Cristo Pantocrator, Uma das mais antigas imagens de Jesus (séc. VI-VII). Monastério Sta. Catarina, Monte Sinai. FILOSOFIA CRISTÃ Unidade 01. Capítulo 04: pg. 53-54 Convite a Filosofia Unidade 08.

Leia mais

O homem é composto de substância corporal e de substância espiritual, sendo esta por via da sua subsistência, incorruptível.

O homem é composto de substância corporal e de substância espiritual, sendo esta por via da sua subsistência, incorruptível. S. TOMÁS DE AQUINO Nasceu em Roccasecca em 1225. Ingressou na ordem dos dominicanos, tal como Alberto Magno, de quem foi aluno. Faleceu em 1274. É indubitavelmente o maior dos filósofos escolásticos. S.

Leia mais

Patrística e Escolástica

Patrística e Escolástica Patrística e Escolástica 1. (Uff 2012) A grande contribuição de Tomás de Aquino para a vida intelectual foi a de valorizar a inteligência humana e sua capacidade de alcançar a verdade por meio da razão

Leia mais

Filosofia na Idade Média. Patrística e Escolástica

Filosofia na Idade Média. Patrística e Escolástica Filosofia na Idade Média Patrística e Escolástica Tomai cuidado para que ninguém vos escravize por vãs e enganadoras especulações da filosofia, segundo a tradição dos homens, segundo os elementos do mundo,

Leia mais

Idade Média Século V - XV

Idade Média Século V - XV Séc V Séc XI Séc XV Idade Média Século V - XV IDADE MÉDIA Século V XV Alta Idade Média Séc. V XI (formação e apogeu feudalismo) Baixa Idade Média Séc. XI XV (desagregação do feudalismo) Principais passagens

Leia mais

Idade Média Século V - XV

Idade Média Século V - XV Séc V Séc XI Séc XV Idade Média Século V - XV IDADE MÉDIA Século V XV Alta Idade Média Séc. V XI (formação e apogeu feudalismo) Baixa Idade Média Séc. XI XV (desagregação do feudalismo) Principais passagens

Leia mais

Plano de Aula. História da Universidade e a Educação no Brasil. Introdução. Download da aula, plano e links. Introdução

Plano de Aula. História da Universidade e a Educação no Brasil. Introdução. Download da aula, plano e links. Introdução Plano de Aula História da Universidade e a Educação no Brasil. Ser capaz de inferir, através da evolução histórica da universidade, a função da mesma e a estruturação das universidades brasileiras. Breve

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 1ª EM TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Esta atividade contém

Leia mais

Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior

Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior Fatores religiosos: Corrupção do clero religioso : Venda de relíquias sagradas; venda de indulgencias; lotes celestiais; Ignorância do clero a maior parte dos sacerdotes desconhecia a própria doutrina

Leia mais

Ciência, tecnologia e sociedade

Ciência, tecnologia e sociedade Ciência, tecnologia e sociedade Aula 2 e 3 _O surgimento da ciência moderna: mitos e história institucional. profa. Maria Caramez Carlotto SCB 2 quadrimestre de 2016 Como ler? Quem foi Robert K. Merton?

Leia mais

Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO. Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus

Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO. Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus Filosofia / Sociologia 3ª Série do Ensino Médio Prof. Danilo Arnaldo Briskievicz SANTO AGOSTINHO Entre a cidade dos homens e a cidade de Deus VIDA E OBRA Aurélio Agostinho destaca-se entre os Padres como

Leia mais

FILOSOFIA Introdução à Filosofia Prof. Dr. Álvaro Maia AULA SEGUNDA: O PENSAMENTO MEDIEVAL. 1. Entre Aristóteles e a Patrística

FILOSOFIA Introdução à Filosofia Prof. Dr. Álvaro Maia AULA SEGUNDA: O PENSAMENTO MEDIEVAL. 1. Entre Aristóteles e a Patrística FILOSOFIA Introdução à Filosofia Prof. Dr. Álvaro Maia AULA SEGUNDA: O PENSAMENTO MEDIEVAL 1. Entre Aristóteles e a Patrística Após o período sistêmico percorrido pela tríade Sócrates, Platão e Aristóteles,

Leia mais

PROVA FINAL DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À TEOLOGIA BÍBLICA

PROVA FINAL DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À TEOLOGIA BÍBLICA INSTITUTO EDUCACIONAL DE TEOLOGIA EVANGÉLICA[1] PROVA FINAL DA DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À TEOLOGIA BÍBLICA SISTEMA EAD DE NATUREZA JURÍDICA LIVRE ALUNO (A): MAT: 000/2014 MATÉRIA: INTRODUÇÃO À TEOLOGIA

Leia mais

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes

Unidade 2: História da Filosofia. Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Unidade 2: História da Filosofia Filosofia Serviço Social Igor Assaf Mendes Períodos Históricos da Filosofia Filosofia Grega ou Antiga (Séc. VI a.c. ao VI d.c.) Filosofia Patrística (Séc. I ao VII) Filosofia

Leia mais

A Disputa pelos Eslavos

A Disputa pelos Eslavos No Oriente, na Palestina e na África, os muçulmanos estavam estabelecidos. No parte ocidental da Europa, a Igreja Romana tinha conseguido abraçar os germanos. Restava aos bizantinos, até por questão de

Leia mais

A caridade divina em São Tomás de Aquino

A caridade divina em São Tomás de Aquino RICARDO FIGUEIREDO A caridade divina em São Tomás de Aquino segundo o Comentário ao Evangelho de São João Índice Lista de siglas e abreviaturas 9 Prefácio, Professor Doutor José Jacinto Ferreira de Farias

Leia mais

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval

História 6A Aula 17. A Cultura Medieval História 6A Aula 17 A Cultura Medieval Cultura Medieval Síntese de elementos grecoromanos, cristãos e germânicos, reformulados com novas experiências. IGREJA CATÓLICA Instituição mais poderosa do mundo

Leia mais

Relação ciência e religião

Relação ciência e religião UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE FÍSICA LICENCIATURA EM FÍSICA GRAVITAÇÃO Relação ciência e religião Julgamento de Galileu Galilei Alunos Gabriel Almeida Bispo dos Santos nº USP: 9051293 Lucas Vieira

Leia mais

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra.

As grandes navegações iniciadas. principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 01/06/2015 As grandes navegações iniciadas no século XV e principalmente a descoberta das Américas vão alterar radicalmente a própria imagens que os homens faziam da Terra. 1 As teorias científicas de

Leia mais

REFORMA E CONTRA-REFORMA

REFORMA E CONTRA-REFORMA REFORMA E CONTRA-REFORMA As reformas religiosas no século XVI Crises religiosas anteriores ao século XVI Séculos XII-XIII: Heresia dos Cátaros (França). Século XIV: John Wycliff contesta a autoridade do

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A. 10.maio.2012 NOME: Nº

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A. 10.maio.2012 NOME: Nº ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS - BARREIRO Ficha de avaliação de História A 10º Ano Professor: Renato Albuquerque Duração da ficha: 15 minutos. Tolerância: 5 minutos 3 páginas 10.maio.2012 NOME: Nº 1.

Leia mais

A EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA E A INFLUÊNCIA DA IGREJA NO PENSAMENTO OCIDENTAL

A EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA E A INFLUÊNCIA DA IGREJA NO PENSAMENTO OCIDENTAL A EDUCAÇÃO NA IDADE MÉDIA E A INFLUÊNCIA DA IGREJA NO PENSAMENTO OCIDENTAL Caritas Maria da Silveira Oliveira Tutora Externa: Marileny de A. Oliveira Professora: Patricia Maria Matedi Centro Universitário

Leia mais

HISTÓRIA 1 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO

HISTÓRIA 1 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO HISTÓRIA 1 ANO PROF. AMAURY PIO PROF. EDUARDO GOMES ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Conceitos sobre Era Medieval e Feudalismo 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 12.2 Conteúdo As Reformas Religiosas

Leia mais

!" #$! %&% '( CAUSAS: ! "# $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0*

! #$! %&% '( CAUSAS: ! # $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0* º º !" #$! %&% '( CAUSAS:! "# $ % & ' $ (% & ) * + *, -$. / ++.) */ 0.) 0 0 0* -/ - !"#$%&'(#)*' $%+&,)* $-./0*1+2 23)4 15 $$ '6 & ) * + *, -$. / ++.) */ Séc. XIV e XV John Wyclif (Inglaterra) Jan Hus

Leia mais

No contexto da fé cristã, a teologia não é o estudo de Deus como algo abstrato, mas é o estudo do Deus pessoal revelado na Escritura.

No contexto da fé cristã, a teologia não é o estudo de Deus como algo abstrato, mas é o estudo do Deus pessoal revelado na Escritura. Franklin Ferreira No contexto da fé cristã, a teologia não é o estudo de Deus como algo abstrato, mas é o estudo do Deus pessoal revelado na Escritura. Necessariamente isso inclui tudo o que é revelado

Leia mais

A FILOSOFIA NA HISTÓRIA DA IDADE MÉDIA

A FILOSOFIA NA HISTÓRIA DA IDADE MÉDIA A FILOSOFIA NA HISTÓRIA DA IDADE MÉDIA RESENHA DO LIVRO DE KURT FLASCH 1. Para Kurt Flasch, professor de filosofia medieval, no seu livro Introduction à la philosophie médiévale (1987), as melhores referências

Leia mais

HISTÓRIA DA IGREJA. Prof. GUILHERME WOOD. APOSTILA NO SITE:

HISTÓRIA DA IGREJA. Prof. GUILHERME WOOD. APOSTILA NO SITE: HISTÓRIA DA IGREJA Prof. GUILHERME WOOD APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf Primitiva Imperial Medieval Escolastic Reforma Moderna Contemporânea Linha do Tempo: História

Leia mais

1. (Enem 2008) A Peste Negra dizimou boa parte

1. (Enem 2008) A Peste Negra dizimou boa parte 1. (Enem 2008) A Peste Negra dizimou boa parte da população europeia, com efeitos sobre o crescimento das cidades. O conhecimento médico da época não foi suficiente para conter a epidemia. Na cidade de

Leia mais

O saber na Idade Média

O saber na Idade Média O saber na Idade Média Já não falamos hoje em dia da Noite da Idade Média (...) nem do Renascimento, que na postura de arqueiro vencedor lhe dissipou as trevas para sempre (...) E isto porque nos convencemos

Leia mais

IDADE MODERNA A REFORMA PROTESTANTE

IDADE MODERNA A REFORMA PROTESTANTE REFORMA PROTESTANTE REFORMA PROTESTANTE OTESTANT IDADE MODERNA Definição: movimento religioso que rompeu com a autoridade da Igreja Católica, dando origem a novas religiões cristãs; Quando: a partir do

Leia mais

Reforma Religiosa. Século XVI

Reforma Religiosa. Século XVI Reforma Religiosa Século XVI Motivos A Igreja representava e defendia o estamento feudal (alto e baixo clero) Pode-se considerar que, na época, a Igreja era semelhante a uma multinacional com sede em Roma

Leia mais

FILOSOFIA ESCOLÁSTICA

FILOSOFIA ESCOLÁSTICA FILOSOFIA ESCOLÁSTICA 1 O que é Escolástica? Ensino teológico-filosófico da doutrina aristotélico tomista; Conjunto de elaborações filosóficas dos doutores da Igreja; Ministrada nos conventos, catedrais

Leia mais

ANTÔNIO RUZZA ANO: 2011

ANTÔNIO RUZZA ANO: 2011 IDENTIFICAÇÃO DO DOCENTE ANTÔNIO RUZZA ANO: 2011 RA: Titulação: E ( ) M( X ) D( ) Regime contratual: Celetista ( X ) RPA ( ) CURSO: FILOSOFIA GRUPO DE PESQUISA: FILOSOFIA MEDIEVAL IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO

Leia mais

A prova da existência de Deus em Guilherme de Ockham

A prova da existência de Deus em Guilherme de Ockham 1 A prova da existência de Deus em Guilherme de Ockham Autor: Sávio Laet de Barros Campos. Bacharel-Licenciado e Pós-Graduado em Filosofia Pela Universidade Federal de Mato Grosso. Introdução Guilherme

Leia mais

Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS:

Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Baixa Idade Média 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS: Decadência do feudalismo. Estruturação do modo de produção capitalista. Transformações básicas: auto-suficiência para economia de mercado; novo grupo social:

Leia mais

Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano

Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano Baixa Idade Média Igreja medieval Cruzadas Renascimento: Comercial e Urbano Cristianismo Surge com a crucificação de Cristo. Se difunde pela necessidade do povo em acreditar em algo além da vida terrena.

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE SÃO BOAVENTURA DE BAGNOREGIO

UM ESTUDO SOBRE SÃO BOAVENTURA DE BAGNOREGIO doi: 10.4025/10jeam.ppeuem.04012 UM ESTUDO SOBRE SÃO BOAVENTURA DE BAGNOREGIO SANTIAGO, Viviane Paes (PIBIC/ Fundação Araucáruia-UNESPAR/FAFIPA) PERIN, Conceição Solange Bution (FAFIPA-GTSEAM) Introdução

Leia mais

A arte medieval Estilo românico e estilo gótico

A arte medieval Estilo românico e estilo gótico A arte medieval Estilo românico e estilo gótico Das imagens que aqui se apresentam, quais relacionas com o estilo românico? E com o estilo gótico? A B C Estilo românico A D E Sainte-Chapelle, Paris, séc.

Leia mais

PLATÃO E O MUNDO IDEAL

PLATÃO E O MUNDO IDEAL Introdução: PLATÃO E O MUNDO IDEAL - A importância do pensamento de Platão se deve justamente por conseguir conciliar os mundos: dos Pré-Socráticos, com suas indagações sobre o surgimento do Cosmo (lê-se:

Leia mais

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015

Aula Véspera UFU Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 Aula Véspera UFU 2015 Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Uilson Fernandes Uberaba 16 Abril de 2015 NORTE DA AVALIAÇÃO O papel da Filosofia é estimular o espírito crítico, portanto, ela não pode

Leia mais

Os Poliedros de Platão

Os Poliedros de Platão Os Poliedros de Platão Poliedro é um sólido geométrico cuja superfície é composta por um número finito de faces, cujos vértices são formados por três ou mais arestas em três dimensões (eixo dos "X", "Y",

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de

Leia mais

Escola Ryle de Teologia. Grade Curricular 1º Ano

Escola Ryle de Teologia. Grade Curricular 1º Ano Escola Ryle de Teologia Ensinando o poder do evangelho de Cristo Grade Curricular 1º Ano Introdução à Bíblia Como não se pode fazer teologia sem a Palavra de Deus, vamos dar início com esse tema. Este

Leia mais

Capacete de um chefe saxão

Capacete de um chefe saxão Capacete de um chefe saxão Fivela de ouro (séc. VI, Museu Britânico, A Europa no início do século VI Londres, Inglaterra). 2 Fim do Império Romano do Ocidente Guerras civis. Descrédito do Imperador. Fixação

Leia mais

As Cruzadas, a Crise do Sistema Feudal, Renascimento Comercial, Renascimento Urbano, Pré-Capitalismo. Prof. Alan Carlos Ghedini

As Cruzadas, a Crise do Sistema Feudal, Renascimento Comercial, Renascimento Urbano, Pré-Capitalismo. Prof. Alan Carlos Ghedini As Cruzadas, a Crise do Sistema Feudal, Renascimento Comercial, Renascimento Urbano, Pré-Capitalismo Prof. Alan Carlos Ghedini A Crise do Sistema Feudal Como era a produção? Utilizava trabalho servil Baixo

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL DE FILOSOFIA

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO Valor: 2,0 pontos Nota: Data: / /2016 Professor: WAGNER GUEDES Disciplina: FILOSOFIA Nome: n o : SÉRIE: 2ª 4º bimestre TRABALHO DE RECUPERAÇÃO BIMESTRAL DE FILOSOFIA 1. O nascimento do conhecimento

Leia mais

Período de nova cultura com a diversidade das culturas romana, germânica, celta e eslava.

Período de nova cultura com a diversidade das culturas romana, germânica, celta e eslava. Alquimia Islamica chines Hindu Europeia ou Medieval ALQUIMIA MEDIEVAL OU EUROPÉIA Qual era o cenário da Idade Média?...Idade Média como um longo e obscuro parêntesis na história da civilização ocidental,

Leia mais

CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER ABERTURA HISTÓRIA E RELEVÂNCIA 08/02/2017

CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER ABERTURA HISTÓRIA E RELEVÂNCIA 08/02/2017 CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER ABERTURA HISTÓRIA E RELEVÂNCIA 08/02/2017 Mausoléu nacional - 17 reis estão enterrados ali - + 3.000 túmulos de figuras britânicas: - Isaac Newton - Lawrence Olivier -

Leia mais

O QUE FOI A IDADE MÉDIA?

O QUE FOI A IDADE MÉDIA? Idade Média O QUE FOI A IDADE MÉDIA? A Idade Média ou Idade Medieval foi um período intermédio numa divisão esquemática da História da Europa em quatro "eras": a Idade Antiga, a Idade Média', a Idade Moderna

Leia mais

Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos de Jesus.

Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos de Jesus. Como estudamos anteriormente, no final de Idade Média e início da Idade Moderna, muitas pessoas estavam insatisfeitas com os abusos da Igreja. Queriam uma religião mais simples, mais próxima dos ensinamentos

Leia mais

REFORMA PROTESTANTE. 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa.

REFORMA PROTESTANTE. 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa. REFORMA PROTESTANTE 1- CONTEXTO HISTÓRICO: 1.1- Início do século XVI no Norte da Europa. 1.2- Processo final de formação das monarquias nacionais absolutistas. 1.3- Grandes navegações: transformações econômicas,

Leia mais

RENASCIMENTO CULTURAL

RENASCIMENTO CULTURAL RENASCIMENTO CULTURAL O termo renascimento, ou renascença, faz referência a um movimento intelectual e artístico ocorrido na Europa, entre os séculos XV e XVI, durante a transição da Idade Média para a

Leia mais

A IGREJA MEDIEVAL. Profª. Maria Auxiliadora

A IGREJA MEDIEVAL. Profª. Maria Auxiliadora A IGREJA MEDIEVAL Profª. Maria Auxiliadora Organização Interna da Igreja Católica Clero Secular (Alto Clero) Papa, bispos, padres (ocupavam-se das coisas terrenas bens materiais) Clero Regular (Baixo Clero)

Leia mais

Ideias. Ideias Políticas. Doutrinas Políticas. Pensamento Político. Ideologia e Utopia.

Ideias. Ideias Políticas. Doutrinas Políticas. Pensamento Político. Ideologia e Utopia. HISTÓRIA DAS IDEIAS POLÍTICAS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Ideias. Ideias Políticas. Doutrinas Políticas. Pensamento Político. Ideologia e Utopia. (Paul Ricoeur, Ideologia e Utopia, pp. 93 a 213-291 a 323; António

Leia mais

06. REFORMAS RELIGIOSAS

06. REFORMAS RELIGIOSAS 06. REFORMAS RELIGIOSAS O clero e a Igreja Católica Igreja Católica instituição mais poderosa na Baixa Idade Média (séc. XI ao XV) única autoridade espiritual líder religioso único maior poder do que os

Leia mais

3. Introdução do Livro Depois de ter estudado agora leia a introdução ao livro de Filemom que está no final da lição.

3. Introdução do Livro Depois de ter estudado agora leia a introdução ao livro de Filemom que está no final da lição. Estudando Filemon 1. Competência a ser construída: Criar o hábito de estudar a Bíblia. A prática constrói o hábito! Encontro 05 2. Ouvindo os alunos A maior riqueza desse encontro é ver e ouvir o que os

Leia mais

História do Direito (d)

História do Direito (d) História do Direito (d) LOPES, José Reinaldo de Lima. O Direito na História. 3ª edição. São Paulo: Atlas, 2008. GILISSEN, J. Introdução Histórica ao Direito. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1988. Formação

Leia mais

Condições Gerais. Políticas: Crise do Feudalismo Crescimento da Burguesia Rei não aceita interferência da Igreja Supranacionalismo Papal

Condições Gerais. Políticas: Crise do Feudalismo Crescimento da Burguesia Rei não aceita interferência da Igreja Supranacionalismo Papal Condições Gerais Políticas: Crise do Feudalismo Crescimento da Burguesia Rei não aceita interferência da Igreja Supranacionalismo Papal Econômicas: Nobreza interessada nas Terras da Igreja Burguesia contra

Leia mais

latim se baseava na possibilidade de manter a comunicação entre povos que falavam línguas distintas. Por outro lado, os analfabetos, que constituíam

latim se baseava na possibilidade de manter a comunicação entre povos que falavam línguas distintas. Por outro lado, os analfabetos, que constituíam Sumário Introdução... 7 A Bíblia traduzida... 11 A distância que separa os primeiros leitores dos modernos... 15 Confirmação arqueológica... 19 A exegese e a interpretação da Bíblia... 25 Onde está a vontade

Leia mais

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO

PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO PROBLEMA DA ORIGEM DO CONHECIMENTO Questão Problema: O conhecimento alcança-se através da razão ou da experiência? (ver página 50) Tipos de conhecimento acordo a sua origem Tipos de juízo de acordo com

Leia mais

Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares

Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares AULA 1 - Sociologia Filosofia e Sociologia PROFESSOR: Alexandre Linares 1 Sociologia Uma ciência que tem a totalidade da vida social do homem como sua esfera. Leonard Hobhouse (1864-1929) Sociologia Origens

Leia mais

O CONCEITO DE HÁBITO EM TOMÁS DE AQUINO: ESTUDO NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO (SÉC. XIII)

O CONCEITO DE HÁBITO EM TOMÁS DE AQUINO: ESTUDO NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO (SÉC. XIII) doi: 10.4025/10jeam.ppeuem.04013 O CONCEITO DE HÁBITO EM TOMÁS DE AQUINO: ESTUDO NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO (SÉC. XIII) SARACHE, Mariana Vieira (IC Balcão-CNPq/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (GTSEAM/ PPE/UEM) Introdução

Leia mais

SEMINÁRIO TEOLÓGICO DO NORDESTE MEMORIAL IGREJA PRESBITERIANA DA CORÉIA CURSO DE BACHAREL EM TEOLOGIA A NECESSIDADE DA EXPIAÇÃO

SEMINÁRIO TEOLÓGICO DO NORDESTE MEMORIAL IGREJA PRESBITERIANA DA CORÉIA CURSO DE BACHAREL EM TEOLOGIA A NECESSIDADE DA EXPIAÇÃO SEMINÁRIO TEOLÓGICO DO NORDESTE MEMORIAL IGREJA PRESBITERIANA DA CORÉIA CURSO DE BACHAREL EM TEOLOGIA A NECESSIDADE DA EXPIAÇÃO André Aloísio Oliveira da Silva Trabalho apresentado ao Rev. Maely Vilela

Leia mais

IDADE MODERNA A REFORMA! PROTESTANTE REFORMA PROTESTANTE

IDADE MODERNA A REFORMA! PROTESTANTE REFORMA PROTESTANTE REFORMA PROTESTANTE O Que foi?: movimento religioso que questiona a autoridade da Igreja Católica, dando origem a novas religiões cristãs;! Quando aconteceu?: a partir do século XVI;! Onde aconteceu?:

Leia mais

CRONOLOGIA DA ORDEM BENEDITINA EM PORTUGAL

CRONOLOGIA DA ORDEM BENEDITINA EM PORTUGAL CRONOLOGIA DA ORDEM BENEDITINA EM PORTUGAL 1 de Fevereiro 1562 A Bula Eximiae Devotionis de Pio IV dá a D. Sebastião e seus sucessores o padroado dos mosteiros beneditinos 8 de Abril de 1569 Fr. Pedro

Leia mais

ENTRE DOIS MUNDOS 7º ANO

ENTRE DOIS MUNDOS 7º ANO ENTRE DOIS MUNDOS 7º ANO INTRODUÇÃO Renascimento: Período de transição entre Idade Média e Idade Moderna; Misturam-se o jeito de ser e pensar de dois momentos da sociedade europeia ocidental; Não é possível

Leia mais

CIÊNCIA E TECNOLOGIA NA IDADE MÉDIA. PALAVRAS-CHAVE: sociedade; era ; pensar e criar; ciência; evolução; tecnologia.

CIÊNCIA E TECNOLOGIA NA IDADE MÉDIA. PALAVRAS-CHAVE: sociedade; era ; pensar e criar; ciência; evolução; tecnologia. CIÊNCIA E TECNOLOGIA NA IDADE MÉDIA Lucia Eugênia dos Santos* Vanessa Nascimento* RESUMO: O presente artigo propõe mostrar que a humanidade passa por um processo de evolução, cada um em sua era em que

Leia mais

Roteiro de estudos para recuperação trimestral

Roteiro de estudos para recuperação trimestral Roteiro de estudos para recuperação trimestral Disciplina: Professor (a): FILOSOFIA JOSÉ LUCIANO GABEIRL Conteúdo: Referência para estudo: A Filosofia de Aristóteles A Filosofia Helenística Idade Média

Leia mais

A arte medieval: o estilo românico e o gótico

A arte medieval: o estilo românico e o gótico COLÉGIO SALESIANO A arte medieval: o estilo românico e o gótico Prof. Maria José CULTURA MEDIEVAL. Século V ao XV: Idade das Trevas - Humanistas As construções que mais representam o período medieval são:

Leia mais

HISTÓRIA DA IGREJA. Prof. GUILHERME WOOD. APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf

HISTÓRIA DA IGREJA. Prof. GUILHERME WOOD. APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf HISTÓRIA DA IGREJA Prof. GUILHERME WOOD APOSTILA NO SITE: http://www.ibcu.org.br/apostilas/historiaigreja.pdf História da Igreja - Revisão Igreja Primitiva (I a III) Perseguições Judeus Romanos Apologias

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS HISTÓRIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS HISTÓRIA DO DIREITO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS HISTÓRIA DO DIREITO 1. O mundo se apresentava ao homem medieval de forma bastante peculiar, principalmente pela relação que este estabelecia com a natureza.

Leia mais

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA

FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA FILOSOFIA BREVE PANORAMA GERAL FILOSOFIA ANTIGA SOBRE FILOSOFIA DEFINIÇÃO TRADICIONAL (segundo a perspectiva ocidental) TEOLOGIA CIÊNCIA certezas dúvidas Bertrand Russell (1872-1970) utiliza seus temas

Leia mais

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 4

Sugestões de avaliação. História 7 o ano Unidade 4 Sugestões de avaliação História 7 o ano Unidade 4 5 Nome: Data: Unidade 4 1. Complete as sentenças. a) O foi um movimento cultural que surgiu entre as elites das ricas cidades, no século XIV, e se estendeu,

Leia mais

FILOSOFIA DA CIÊNCIA. A filosofia e a ciência no mundo medieval

FILOSOFIA DA CIÊNCIA. A filosofia e a ciência no mundo medieval FILOSOFIA DA CIÊNCIA 1 A filosofia e a ciência no mundo medieval» Nesta matéria iremos aprender sobre as idéias que circulavam no período medieval, a partir de autores como Santo Tomás de Aquino e Pedro

Leia mais

História 5A - Aula 15: O Renascimento Comercial e Urbano

História 5A - Aula 15: O Renascimento Comercial e Urbano História 5A - Aula 15: O Renascimento Comercial e Urbano A partir do ano 1000 Europa período de relativa tranquilidade. Produção ocidental era baixa (ameaça de fome). Revolução agrícola série de inovações

Leia mais

CRISTO, IDEAL DA PROCURA DE DEUS COMO CONVERSÃO. CIMBRA 2014 MOSTEIRO DA TRANSFIGURAÇÃO SANTA ROSA RS

CRISTO, IDEAL DA PROCURA DE DEUS COMO CONVERSÃO. CIMBRA 2014 MOSTEIRO DA TRANSFIGURAÇÃO SANTA ROSA RS CRISTO, IDEAL DA PROCURA DE DEUS COMO CONVERSÃO. CIMBRA 2014 MOSTEIRO DA TRANSFIGURAÇÃO SANTA ROSA RS Introdução A fidelidade ao espírito do evangelho e aos ensinamentos de São Paulo, o sentido da Igreja

Leia mais

PADRES APOLOGISTAS, APOSTÓLICOS E CONTROVERSISTAS... PROFESSOR UILSON FERNANDES 19/09/2016

PADRES APOLOGISTAS, APOSTÓLICOS E CONTROVERSISTAS... PROFESSOR UILSON FERNANDES 19/09/2016 PADRES APOLOGISTAS, APOSTÓLICOS E CONTROVERSISTAS... PROFESSOR UILSON FERNANDES 19/09/2016 DEFINIÇÕES CONCEITUAIS... O nome patrística advém diretamente das figuras desse grande primeiro momento da Filosofia

Leia mais

FILOSOFIA Capítulo 08 A Escolástica e Santo Tomás de Aquino

FILOSOFIA Capítulo 08 A Escolástica e Santo Tomás de Aquino FILOSOFIA Capítulo 08 A Escolástica e Santo Tomás de Aquino CONTEXTO HISTÓRICO 01 SANTO TOMÁS DE AQUINO E O ARISTOTELISMO CRISTÃO 07 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 13 EXERCÍCIOS PROPOSTOS 13 SEÇÃO ENEM 14 A Escolástica

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA

REFORMA E CONTRARREFORMA REFORMA E CONTRARREFORMA CONHECER E COMPREENDER A REFORMA PROTESTANTE Porque houve uma Reforma religiosa na Europa? Venda de indulgências Luxo da Igreja Corrupção Falta de vocação de membros do Clero Afastamento

Leia mais

e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada,

e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor, como igualmente o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada, ao falar acerca destes assuntos, como, de fato, costuma

Leia mais

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I

Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I Disciplina: Filosofia Série: 10 Unidade: Primeira Content Area: Philosophy Grade 10 Quarter I 1.1 1.2 1.3 Conhecimento filosófico, religioso, científico e senso comum. Filosofia e lógica. Milagre Grego.

Leia mais

UNIDADE 1 - Do Mito à Filosofia

UNIDADE 1 - Do Mito à Filosofia FILOSOFIA UNIDADE 1 - Do Mito à Filosofia A curiosidade humana levou o homem a buscar explicações para os fenômenos do cotidiano. Numa época em que não havia nenhuma fundamentação científica capaz de

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO. PAULO E A CARTA AOS romanos

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO. PAULO E A CARTA AOS romanos IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula XVIII O fim do PROGRAMA DE PAULO E A CARTA AOS romanos A SEGUNDA CARTA AOS CORÍNTIOS Conteúdo A segunda carta

Leia mais

www.autoresespiritasclassicos.com

www.autoresespiritasclassicos.com www.autoresespiritasclassicos.com A Importância da Bíblia para a Doutrina Espírita Astrid Sayegh Filósofa, é Diretora de Cursos Básicos da Federação Espírita do Estado de São Paulo A Humanidade já foi

Leia mais

As Igrejas Anglicanas Livres

As Igrejas Anglicanas Livres As Igrejas Anglicanas Livres No século XIX, descontentes principalmente com os rumos tomados pelo movimento Anglo Católico, alguns bispos anglicanos entenderam que a Igreja estava outra vez sendo "romanizada"

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba História 7ºs anos Profª Marilia Coltri. Adaptado de Alex Federle do Nascimento

Colégio Ser! Sorocaba História 7ºs anos Profª Marilia Coltri. Adaptado de Alex Federle do Nascimento Colégio Ser! Sorocaba História 7ºs anos Profª Marilia Coltri Adaptado de Alex Federle do Nascimento Império Bizantino O Império Bizantino foi o Império Romano do Oriente durante a Antiguidade Tardia e

Leia mais