ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS"

Transcrição

1 Nº de Agosto 2012 ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS O preço antes de impostos nos países da UE Objetivo desta Folha de Opinião Um dos argumentos mais frequentemente usados para acusar a indústria petrolífera em Portugal de beneficiar de margens de lucro superiores ao que acontece noutros países europeus, é o de que os preços antes de impostos (PAI) em Portugal são, normalmente, superiores à média dos países da UE. Alguns autores vão mesmo ao limite de quantificar esse lucro excessivo, multiplicando simplesmente o diferencial pelo volume vendido em Portugal. O objetivo desta comunicação é mostrar a falta de rigor por trás daquelas afirmações, procurando explicar a cadeia de valor desde a saída da refinaria até ao abastecimento do consumidor final, identificando os fatores de custos e produtividade por trás de cada elo, e demonstrando que não é correto o raciocínio simplista que suporta aquelas afirmações. Aliás, seria muito estranho que as diferenças de preços entre os vários países europeus resultassem exclusivamente, ou mesmo essencialmente, das diferentes margens de lucro dos operadores. Isto não acontece nos mercados de retalho e o dos combustíveis não é exceção. Procuramos sempre suportar as nossas análises em dados quantitativos de fontes públicas e idóneas. Contudo, neste caso, teremos que nos limitar, algumas vezes, à simples análise qualitativa, já que não dispomos daqueles dados. Acreditamos, contudo, que esta comunicação poderá contribuir para desmistificar a afirmação de alguns autores - Os PAI em Portugal são mais elevados porque os Operadores arrecadam lucros superiores aos seus congéneres europeus.

2 A comparabilidade dos PAI publicados pela DGEN da UE A DGEN publica semanalmente os Preços Médios de Venda ao Público (PMVP) com base na informação que lhe é facultada pelos diversos Estados Membros. Estes são os preços em vigor na 2ª feira de cada semana e, como tal, não representam um valor médio da semana. Para além disso, o cálculo dos valores não é feito com um critério uniforme em todos os países, nomeadamente: em relação ao universo de Postos de Abastecimento de Combustível (PAC) considerados (em Portugal é a totalidade dos PAC registados no site da DGEG, noutro países usam-se amostras), à contabilização de descontos (em Portugal são estimados os descontos permanentes, como p. ex. cartões de frota, mas não se consideram os descontos resultantes de campanhas promocionais, outros países reportam os preços líquidos de todos os descontos, enquanto outros não os consideram), ao efeito da mistura de biocombustíveis (em Portugal incorpora-se cerca de 6.75% de FAME no gasóleo, não sendo esta percentagem uniforme na UE), à fiscalidade e regime de preços desses biocombustíveis (em Portugal deixou de haver isenção de ISP para o FAME a partir de 1 de Janeiro de 2011 ao mesmo tempo que se definiu um preço administrativo mensal e a obrigatoriedade de adquirir o FAME aos produtores nacionais; alguns países continuam a dar isenção total ou parcial de ISP aos biocombustíveis e permitem a sua aquisição nos mercados internacionais, normalmente com preços inferiores aos regulados em Portugal). Convém aqui recordar que os PAI não são reportados pelos países, mas calculados pela DGEN que subtrai ao PMVP as taxas e impostos (ISP, contribuição rodoviária e IVA, no caso português). Por isso, efeitos como por exemplo os dos biocombustíveis, não são contabilizados, introduzindo assim uma distorção nos PAI. Em Portugal e no caso do gasóleo, há um acréscimo entre 3 a 4 c/l (ver a nossa informação de Janeiro de 2011), dados também suportados pelo relatório da Autoridade da Concorrência do 1º Trimestre de Parece pois evidente, que a comparabilidade dos PAI nos diversos países europeus não assenta numa base uniforme e rigorosa. Deve, portanto, ser usada com reservas, como recomenda a própria DGEN, The prices communicated by the Member States are the prices most frequently charged, based on a weighted average. Comparisons between prices and price trends in different countries shall be carefully made. They are of limited validity because of differences in product quality, in marketing practices, in market structures, and to the extent that standard categories are representative of the total sales of a given product. (EUR 27 Weekly Oil Bulletin). (Os preços comunicados pelos Estados Membros são os mais frequentemente usados, baseados numa média ponderada. Comparações de preços e de tendências de preços nos diferentes países devem ser feitas cuidadosamente. Estas são de validade limitada devido a diferenças na qualidade dos produtos, nas práticas comerciais, nas estruturas dos mercados, e na medida em que as categorias de referência são representativas do total das vendas de um determinado produto). Acresce a tudo isto o fato de a média ser ponderada, fazendo com que os países de maiores volumes pesem mais na média. As economias de escala proporcionadas pelos grandes mercados, não podem também ser ignoradas. Parece-nos que todos estes fatos retiram credibilidade às conclusões imediatistas que referimos no início deste texto.

3 Apesar de tudo concordamos que, na ausência de informação mais rigorosa, os dados publicados servem para identificar tendências. É o que fazemos com a publicação semanal no nosso site de gráficos com os valores semanais dos PAI máximo e mínimo, média da zona euro, e Portugal, verificados no último ano. Preferimos usar a média da zona Euro, em vez da média dos EU-27, porque assim expurgamos os efeitos das taxas de câmbio que podem ter um impacto significativo. A cadeia de valor entre a saída da refinaria e o abastecimento do consumidor final Parece-nos oportuno descrever esta cadeia de valor e ao mesmo tempo refletirmos sobre os fatores que influenciam os custos de cada fase. Estamos em crer que, tal como nós, qualquer leitor atento perceberá que, só por mero acaso, é que eles seriam iguais nos diferentes países. Basta atentar nas diferenças existentes ao nível dos custos financeiros, de pessoal, da energia, e da produtividade, para citar apenas os mais significativos, para chegar àquela conclusão. Passemos, então, a descrever as principais operações que ocorrem entre a saída da refinaria e o abastecimento da viatura pelo consumidor final. Operação Transporte da refinaria ao armazém Receção e descarga no armazém Armazenagem e tratamento Mistura com biocombustíveis Equipamentos Navios tanque e Oleodutos Equipamentos de receção e tanques Tanques Tanques e equipamentos de blending Fatores que influenciam os custos Preço dos Fretes marítimos Preço dos biocombustíveis Aditivação Linhas de aditivação Preço dos aditivos Carregamento de camiões cisterna Linhas de enchimento e camiões cisterna Manutenção de CSOs Tanques e serviços (EGREP) Custos totais de posse dos stocks Transporte do armazém ao PAC Camiões cisternas Preço dos fretes rodoviários Receção e descarga no PAC Camiões cisternas e tanques dos PAC Armazenagem e tratamento no PAC Sistemas de deteção de fugas, etc. Abastecimento do veículo Bombas Suporte administrativo Sistemas de contabilidade e faturação Custos de processamento

4 Perante este quadro, não será difícil concluir que os países não dispõem todos das mesmas condições. Por exemplo, enquanto em muitos países há uma rede de oleodutos que liga os principais portos, refinarias e instalações de armazenamento de combustíveis, casos da Europa Central e mesmo de Espanha, em Portugal, temos basicamente um oleoduto entre a Refinaria de Sines e a CLC. Todos sabemos que o transporte por oleoduto é não só o mais rápido como o mais eficaz do ponto de vista de custos. O nosso mercado tem uma desvantagem competitiva nesta matéria. Depois, as operações da mistura de biocombustíveis e aditivos. Enquanto a primeira é transversal a todos os operadores do mercado, sujeitos aos mecanismos já referidos anteriormente e que variam de país para país, a aditivação é uma ferramenta de diferenciação e, como tal, totalmente dependente de cada operador. Também aqui não há uniformidade a nível da UE. A questão da manutenção das reservas obrigatórias, poucas vezes referida, é também importante. Nem todos os países estão sujeitas às mesmas obrigações. Os países da UE não membros da Agência Internacional de Energia têm menores obrigações. O mesmo acontece com os países exportadores líquidos, caso da Dinamarca. Em Portugal, as Empresas que introduzem combustíveis no mercado são obrigadas a constituir reservas equivalentes a 90 dias líquidos de consumo e a suportar os seus custos, quer elas estejam na posse da EGREP, quer nos próprios operadores. Isto não é o que se passa em todos os países, já que nalguns, a posse e os custos associados às reservas são total ou parcialmente suportados pelos Estado, p. ex. a Polónia. Um fator que imediatamente se afigura relevante para a maioria das operações desta cadeia é o volume médio por cada operação. Aqui, aparece o efeito de escala que se pode manifestar basicamente em duas fases: nas instalações de armazenagem, quer na receção quer na expedição dos produtos, e nos PAC, quer no seu abastecimento quer no abastecimento da viatura pelo consumidor final. Em relação à receção nas instalações, ela estará dependente do tipo de transporte usado: oleoduto, navio tanque ou carro tanque e, no último caso, da dimensão dos navios e carros tanques. Para os primeiros podemos afirmar que Portugal não tem uma situação privilegiada já que com exceção de Sines, todos os outros portos apresentam limitações severas em relação à dimensão dos navios que podem receber. Quanto à expedição de produtos, há países com limites de carga superiores aos de Portugal (40 ton) indo até às 60 ton, o que constitui uma vantagem para esses países. No que diz respeito aos custos associados à exploração dos PAC, poderemos dizer que eles estão fundamentalmente dependentes dos seguintes fatores: nº de empregados, horário de funcionamento, serviços oferecidos e volume de vendas. Em relação ao nº de empregados não temos dados comparativos mas sabemos que alguns países, p. ex. a Dinamarca, Holanda, Finlândia e Suécia, têm PAC completamente automatizados e sem a presença permanente de empregados. O mesmo referiremos em relação ao horário de funcionamento. Aqui, apenas mencionaríamos o caso das autoestradas, onde o funcionamento 24 horas por dia / 7 dias por semana é uma constante, apesar do diminuto tráfego nalgumas delas durante o período noturno. Mais uma vez temos dúvidas que Portugal, com uma elevada densidade de autoestradas e reduzidos fluxos de trânsito, seja dos países mais eficazes em termos de custos de operação dos PAC.

5 Finalmente em relação ao volume médio de vendas por posto, dispomos de alguma informação sobre alguns países europeus, relativos a É o que se apresenta no gráfico seguinte: Fonte: Apetro com base em dados recolhidos pelas suas congéneres Desta amostra resulta claro que Portugal tem vendas médias por PAC muito inferiores aos grandes países europeus, exceto Itália e Espanha, e inferiores à média. Se cruzarmos esta informação com os PAI para os mesmos países (usámos o valor médio gasolina + gasóleo) concluímos que tendencialmente, os países com vendas médias por posto superiores apresentam menores PAI. Para esta comparação usámos os valores médios de 2011 reportados pela DGEN. Fonte: DGEG

6 Este ranking não se mantém sempre igual, como p. ex. mostra o que se baseia nos valores mais recentes relativos a 20/8/2012, mas não invalida aquela conclusão. Será fácil de perceber que maiores volumes permitem diluir os custos fixos e, portanto, aumentar as margens ou, como parece ser o caso, reduzir o preço de venda. O mesmo deverá acontecer com o valor médio de cada abastecimento pelo consumidor final, mas sobre isto não temos dados. Contudo, face ao reduzido poder de compra dos portugueses, não nos surpreenderíamos que o abastecimento médio em Portugal também fosse inferior à média europeia. Fonte: EUR 27 Weekly Oil Bulletin n 1618, preços em 20/08/2012 Os dados e tendências apresentados confirmam claramente a análise qualitativa e as conclusões que apresentamos. Conclusões Resumindo: A comparabilidade dos PAI publicados pela DGEN é limitada e deve ser usada com cautela. A cadeia de valor da distribuição e venda de combustíveis tem caraterísticas diferentes nos diversos países da UE, não sendo portanto expectável que os PAI, que incluem os custos de armazenagem, distribuição e comercialização, sejam iguais em todos os países. O efeito de escala do mercado nacional, bem como o volume médio das transações nas instalações de armazenagem e o volume médio de vendas por PAC, tem um efeito significativo no PAI.

7 De tudo o que fica apresentado parece-nos que duas conclusões são pertinentes: 1. Não são sustentadas as conclusões de que o PAI em Portugal acima da média da UE resulta de uma maior margem de lucro dos seus operadores, revelando aquelas afirmações uma clara falta de rigor. 2. Existem fatos que claramente evidenciam que a posição relativa de Portugal é explicável pela sua dimensão, pelas características da sua logística e pelos volumes médios de venda por PAC, entre outros fatores mais dificilmente quantificáveis. Esperamos com este estudo poder contribuir para uma análise mais rigorosa desta questão, fugindo a análises simplistas que podem levar a conclusões erróneas que em nada beneficiam o esclarecimento do público.

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Comparação dos preços dos combustíveis entre Julho de 2008 e Janeiro de 2011 No passado mês de Dezembro, bem como já no corrente ano, foram muitos os Órgãos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre o mercado dos produtos petrolíferos em 2013 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução do mercado dos combustíveis

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 1º Trimestre de 2014 Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução

Leia mais

Conforme largamente noticiado, os preços dos combustíveis foram liberalizados a partir de 1 de Janeiro de 2004.

Conforme largamente noticiado, os preços dos combustíveis foram liberalizados a partir de 1 de Janeiro de 2004. Nº 26 - Janeiro 24 Conforme largamente noticiado, os preços dos combustíveis foram liberalizados a partir de 1 de Janeiro de 24. Por uma questão de rigor, deveria antes dizer-se que se completou o processo

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS O GPL Auto Uma opção com futuro Como é do conhecimento público, há muito que a APETRO defendia que o regime jurídico português relativo à utilização do GPL

Leia mais

O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA

O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA O DOMÍNIO DOS TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS PELOS PRIVADOS, O LOCK-OUT DOS PATRÕES, O PREÇO DO GASÓLEO E A MANIPULAÇÃO DA OPINIÃO PÚBLICA Eugénio Rosa Como consequência de uma política de transportes

Leia mais

Questão 1 Que problemas de funcionamento identifica no setor portuário nacional?

Questão 1 Que problemas de funcionamento identifica no setor portuário nacional? A Acembex congratula-se com a elaboração e colocação em consulta pública por parte da Autoridade da Concorrência do Estudo sobre a Concorrência no Setor Portuário, tendo em consideração a sua elevada qualidade

Leia mais

Auditorias Energéticas: uma ferramenta de apoio à gestão

Auditorias Energéticas: uma ferramenta de apoio à gestão Auditorias Energéticas: uma ferramenta de apoio à gestão Seminário de Transporte Rodoviário Transporte Rodoviário de Mercadorias : O desafio das empresas em contexto de incerteza Hotel Tiara Park Atlantic

Leia mais

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG

Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade. Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da DGEG Congresso da Associação Ibérica de Gás Natural para a Mobilidade A DIRETIVA EUROPEIA SOBRE INFRAESTRUTURAS DE COMBUSTÍVEIS ALTERNATIVOS Barcelona, 20 de outubro de 2015 Carlos Almeida Diretor-Geral da

Leia mais

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS News Release DATA: 30 de Janeiro CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS As vendas dos carros novos a gasóleo na Europa continuam a aumentar à medida que os consumidores trocam

Leia mais

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011

José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia. Lisboa, 20 de Junho de 2011 O papel dos biocombustíveis na política energética nacional Seminário Internacional sobre Políticas e Impactes dos Biocombustíveis em Portugal e na Europa José Perdigoto Director Geral de Energia e Geologia

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA. Artigo 7.º, n.º 3, da Diretiva 2002/21/CE: Sem observações

COMISSÃO EUROPEIA. Artigo 7.º, n.º 3, da Diretiva 2002/21/CE: Sem observações COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.7.2015 C(2015) 5529 final Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) Avenida José Malhoa n.º 12 1099-017 Lisboa Portugal Ao cuidado da Sr.ª D.ª Fátima Barros Presidente

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º Diploma: CIVA Artigo: 6º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Localização das operações Sujeito passivo na Holanda onde importa bens, os quais são vendidos a consumidores finais em território nacional, através de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Preço de Transferência método dos preços independentes comparados (PIC).

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Preço de Transferência método dos preços independentes comparados (PIC). Preço de Transferência método dos preços independentes comparados (PIC). 28/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1.

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 Ações O que são ações? Uma ação é um título que representa uma fração do capital social de uma empresa, constituída sob a forma de uma

Leia mais

PHC Faturação CS. Chegou o software de faturação para todos

PHC Faturação CS. Chegou o software de faturação para todos PHC Faturação CS Chegou o software de faturação para todos Simples e fácil de usar para pequenos negócios, PME e trabalhadores independentes. Tudo o que precisa para começar a faturar. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Projeto de Lei nº 478/XII/3.ª

Projeto de Lei nº 478/XII/3.ª Projeto de Lei nº 478/XII/3.ª Aprova o regime jurídico aplicável às relações intercedentes entre as instituições bancárias e as instituições prestadoras de serviços de cartões como meio de pagamento de

Leia mais

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Índice 1. Grupo Dourogás 2. O Gás Natural 3. UE: mobilidade sustentável 4.

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2

UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 UWU CONSULTING - SABE QUAL A MARGEM DE LUCRO DA SUA EMPRESA? 2 Introdução SABE COM EXATIDÃO QUAL A MARGEM DE LUCRO DO SEU NEGÓCIO? Seja na fase de lançamento de um novo negócio, seja numa empresa já em

Leia mais

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores,

Assunto: Consulta Pública nº1/2010. Exmos. Senhores, Assunto: Consulta Pública nº1/2010 Exmos. Senhores, Fundada em 13 de Outubro de 1994 por diversas empresas de Rádio e Televisão e Associações de Imprensa e de Rádio, a Confederação Portuguesa dos Meios

Leia mais

CIRCULAR. Publicação de Relatório sobre emprego e competências no sector do Comércio a nível Europeu (2014)

CIRCULAR. Publicação de Relatório sobre emprego e competências no sector do Comércio a nível Europeu (2014) CIRCULAR N/REFª: 04/2015 DATA: 05 de Janeiro de 2015 Assunto: Publicação de Relatório sobre emprego e competências no sector do Comércio a nível Europeu (2014) Exmos. Senhores, Pelo eventual interesse,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO. sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 21.1.2005 C(2005) 103/2 RECOMENDAÇÃO DA COMISSÃO sobre a oferta de linhas alugadas na União Europeia Parte 1 Principais condições de oferta grossista

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS

A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS A FORMAÇÃO DOS PREÇOS DO ETANOL HIDRATADO NO MERCADO BRASILEIRO DE COMBUSTÍVEIS Prof. Drº Nilton Cesar Lima Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Universidade Federal de Alagoas AGENDA Objetivos

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Tudo o que precisa de saber

Tudo o que precisa de saber Pág. 1 de 10 Com a publicação, no passado mês de Agosto, dos Decretos-Lei n. os 197/2012 e 198/2012, várias e (bastante) substanciais foram as alterações introduzidas em matéria de regras a observar ao

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

(VWXGRGH&DVR. ,QWURGXomR

(VWXGRGH&DVR. ,QWURGXomR (VWXGRGH&DVR,QWURGXomR O objetivo do estudo é determinar os custos para operação de movimentação interna de diversos tipos de contêineres utilizados para armazenamento e transporte de produtos químicos.

Leia mais

Parte I - A FATURAÇÃO

Parte I - A FATURAÇÃO Assuntos a tratar: o A Comunicação Obrigatória de Faturação o Regime dos Bens em Circulação Parte I - A FATURAÇÃO A COMUNICAÇÃO OBRIGATÓRIA DA FATURAÇÃO Criada pelo DL 198/2012 de 24 de Agosto em vigor

Leia mais

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014

Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014 Programa de Demostração de Mobilidade Elétrica no MAOTE Relatório de Monitorização I 16 Junho - 31 Agosto 2014 Indice Enquadramento Principais trabalhos no período Análise de resultados Indicadores de

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 23º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 23º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 23º Pessoa coletiva de utilidade pública, sem fins lucrativos - Métodos de dedução relativa a bens de utilização mista Processo: nº 2975, despacho do SDG

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2013-2014 e Parâmetros para o Período de Regulação 2013-2016 O Regulamento Tarifário do

Leia mais

O imposto sobre produtos petrolíferos (ISP) é um componente com um peso muito significativo no preço dos combustíveis.

O imposto sobre produtos petrolíferos (ISP) é um componente com um peso muito significativo no preço dos combustíveis. N º 3 7 - A b r i l 2 0 0 6 Terminado o 1º trimestre do ano, e tendo-se continuado a escrever e a falar tanto sobre o preço do petróleo, dos produtos petrolíferos e da fiscalidade dos mesmos, valerá a

Leia mais

NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E DE PRODUTOS DE GPL. II Trimestre de 2013

NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E DE PRODUTOS DE GPL. II Trimestre de 2013 NEWSLETTER DE ACOMPANHAMENTO DOS MERCADOS DE COMBUSTÍVEIS LÍQUIDOS E DE PRODUTOS DE GPL II Trimestre de 2013 Setembro de 2013 1 / 85 Índice Sumário Executivo... 3 1. A venda de petróleo bruto... 6 1.1.

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL

1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL Ineficiência energética agrava a crise económica e social em Portugal Pág. 1 A INEFICIENCIA ENERGÉTICA EM PORTUGAL AGRAVA A CRISE ECONÓMICA E SOCIAL RESUMO DESTE ESTUDO A baixa eficiência como é utilizada

Leia mais

O preço das Renováveis

O preço das Renováveis O preço das Renováveis Comissão de Especialização em Engenharia da OE Ciclo de encontros sobre o preço da energia Lisboa, 17 de Fevereiro de 2011 Pedro Neves Ferreira Director de Planeamento Energético

Leia mais

Prognos SMART OPTIMIZATION

Prognos SMART OPTIMIZATION Prognos SMART OPTIMIZATION A resposta aos seus desafios Menos estimativas e mais controlo na distribuição A ISA desenvolveu um novo software que permite o acesso a dados remotos. Através de informação

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

1 Conforme ponto D 31 da deliberação. 2 E passando a instalação de 750 euros para 500 euros.

1 Conforme ponto D 31 da deliberação. 2 E passando a instalação de 750 euros para 500 euros. INCUMPRIMENTO PELA PT COMUNICAÇÕES, S.A. DA DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO ICP-ANACOM DE 14 DE JUNHO DE 2012 SOBRE ALTERAÇÕES À ORCA E À ORCE 1. Antecedentes 1.1. A deliberação do ICP-ANACOM

Leia mais

PROTOCOLO. 1ª - REPSOL PORTUGAL COMERCIO DE PETROLEOS E DERIVADOS, LDA, sociedade

PROTOCOLO. 1ª - REPSOL PORTUGAL COMERCIO DE PETROLEOS E DERIVADOS, LDA, sociedade PROTOCOLO Entre: 1ª - REPSOL PORTUGAL COMERCIO DE PETROLEOS E DERIVADOS, LDA, sociedade por quotas, com o capital social de 43.450.000,01, com sede na Rua Mario Dionisio, nº 2, 2º e 3º andares, 2799-558

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Cartão Galp Frota Business. Apresentação e condições comerciais

Cartão Galp Frota Business. Apresentação e condições comerciais Cartão Galp Frota Business Apresentação e condições comerciais A Galp Energia acaba de lançar o mais recente elemento da família de cartões de combustível Galp Frota, o Galp Frota Business Cartão Galp

Leia mais

Sessão de esclarecimento sobre o euro. impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28. etapas

Sessão de esclarecimento sobre o euro. impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28. etapas Sessão de esclarecimento sobre o euro impacto nos negócios, na contabilidade e na fiscalidade 1998.Novembro.28 Consultores de Gestão etapas 1.Jan.1999 entra em vigor o EURO (moeda escritural) não obrigação

Leia mais

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 De acordo com os procedimentos estabelecidos no Regulamento Tarifário foi submetida, em outubro, à apreciação do Conselho Tarifário, da Autoridade

Leia mais

newsletter Nº 84 JANEIRO / 2014

newsletter Nº 84 JANEIRO / 2014 newsletter Nº 84 JANEIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Dezembro de 2013 2 O Porquê do Retrocesso na Nova Diretiva de Contabilidade 4 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Ministérios

Leia mais

Os combustíveis rodoviários e o setor da energia

Os combustíveis rodoviários e o setor da energia Os combustíveis rodoviários e o setor da energia António Ferreira Gomes Audição Parlamentar Comissão de Economia e Obras Públicas 11 de Fevereiro de 2015 Tópicos Combustíveis Rodoviários 1. Breve caracterização

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

NORMA sobre regras e princípios relativos à aprovação dos planos de investimentos referentes ao Sistema Logístico da CLC Companhia Logística de

NORMA sobre regras e princípios relativos à aprovação dos planos de investimentos referentes ao Sistema Logístico da CLC Companhia Logística de NORMA sobre regras e princípios relativos à aprovação dos planos de investimentos referentes ao Sistema Logístico da CLC Companhia Logística de Combustíveis, S.A. de transporte por conduta de produtos

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. MEUS PEDIDOS Consigo rastrear o minha Compra? Sim. As informações mais atualizadas sobre sua Compra e a situação de entrega de sua Compra estão disponíveis em Meus pedidos.

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES

FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES FAQ FISCALIDADE VERDE CONTRIBUIÇÃO SOBRE OS SACOS DE PLÁSTICO LEVES 1. Porquê a introdução de uma contribuição sobre os sacos de plástico leves (mais comummente designados por sacos de compras )? Para

Leia mais

Esclarecimento 13/2014

Esclarecimento 13/2014 Segurança Alimentar Registo de temperaturas e controlo metrológico de registadores automáticos Esclarecimento 13/2014 Resumo: A manutenção da cadeia de frio é essencial para a segurança de alguns géneros

Leia mais

Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014

Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014 Oradores: Cidade sem Carros & Fiscalidade Verde Novembro 2014 - Sousa Campos, diretor da divisão de marketing e vendas da Toyota Caetano Portugal - Mafalda Sousa, da associação ambientalista Quercus -

Leia mais

A comunicação obrigatória da faturação. Regime dos Bens de Circulação. O paradigma em mudança

A comunicação obrigatória da faturação. Regime dos Bens de Circulação. O paradigma em mudança Lisboa, 16 de Abril de 2013 União das Associações de Comércio e Serviços A comunicação obrigatória da faturação Regime dos Bens de Circulação O paradigma em mudança 1 Parte I A FATURAÇÃO 2 A COMUNICAÇÃO

Leia mais

Etiquetagem energética de janelas

Etiquetagem energética de janelas Etiquetagem energética de janelas Apresentação sumária Outubro 2012 Razões para um sistema de etiquetagem Ferramenta de comunicação de simples compreensão e suporte à decisão a tomar; Potencia a escolha

Leia mais

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural

Perguntas e respostas frequentes. Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural Perguntas e respostas frequentes Extinção das Tarifas Reguladas Eletricidade e Gás Natural 1. O que significa a extinção das tarifas reguladas? A extinção de tarifas reguladas significa que os preços de

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL Abril 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015

Internacionalização. Países lusófonos - Survey. Janeiro de 2015 Internacionalização Países lusófonos - Survey Janeiro de 2015 1 Índice 1. Iniciativa Lusofonia Económica 2. Survey Caracterização das empresas participantes 3. Empresas não exportadoras 4. Empresas exportadoras

Leia mais

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL O SECTOR ELÉCTRICO EM PORTUGAL CONTINENTAL CONTRIBUTO PARA DISCUSSÃO 31 de Março de 2011 O presente documento resume as principais conclusões do Estudo O Sector Eléctrico em Portugal Continental elaborado

Leia mais

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional

A Comunicação Estratégica. no âmbito da Mudança Organizacional A Comunicação Estratégica no âmbito da Mudança Organizacional Entrevista 3 Organização C Caracterização da Organização e Entrevistado Tipo ORGANIZAÇÃO - C Entidade Privada - Multinacional Americana, com

Leia mais

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10

RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS. Série Estudos nº10 RENTABILIDADE E RISCO NOS MERCADOS FINANCEIROS Luís Portugal Série Estudos nº10 2 de Março de 2010 Actuarial - Consultadoria 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES... 3 3. RENTABILIDADE E

Leia mais

Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA.

Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA. Condições Gerais de Venda da IMPORTINOX, LDA. 1. Encomendas 1.1 Qualquer encomenda só poderá ser considerada se for formalizada por escrito. 1.2 A formalização da encomenda pelo Cliente implica o reconhecimento

Leia mais

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas!

Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS. Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! Consultoria em COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS Rumo à COMPETITIVIDADE das Empresas! QUEM SOMOS A EZ Trade Center apoia as empresas na OTIMIZAÇÃO DE COMPRAS e REDUÇÃO DE CUSTOS operacionais, permitindo gerar

Leia mais

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015

Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 aurennews julho 2015 Flash informativo fiscal nº6 - julho 2015 Novo regime especial aplicável às entidades licenciadas na Zona Franca da Madeira a partir de 1 de janeiro de 2015 Foi publicada no dia 1

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=205762

http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=205762 http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=205762 PROJECTO DE DECISÃO REFERENTE A PREÇOS DOS SERVIÇOS DE INTERLIGAÇÃO PRATICADOS PELOS OPERADORES DE SERVIÇO MÓVEL TERRESTRE 1. Antecedentes 1.1. Em

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015 Nos termos dos seus Estatutos aprovados pelo Decreto-Lei n.º 97/2002, de 12 de

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de

DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO. que acompanha o documento. Proposta de COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 27.3.2014 SWD(2014) 119 final DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO que acompanha o documento Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2014 Nos termos regulamentarmente previstos, o Conselho de Administração da ERSE apresenta, a 15 de outubro de cada ano, uma proposta

Leia mais

Índice Apresentação Vantagens Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Profissional Funcionalidades Cartão Galp Frota Galp Frota Online

Índice Apresentação Vantagens Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Profissional Funcionalidades Cartão Galp Frota Galp Frota Online Índice Índice Apresentação Vantagens Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Cartão Galp Frota Profissional Funcionalidades Cartão Galp Frota Galp Frota Online Informação de Gestão Elementos de Personalização

Leia mais

Produtos e Sistemas Comercializados

Produtos e Sistemas Comercializados Aquapc Quality Computers Apresentação da Empresa, produtos e serviços, guia sobre formas de compra local e envio de encomendas para Cidadãos e Empresas Angolanas O Projecto Aquapc A Aquapc Quality Computers,

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Preços no setor das comunicações eletrónicas. Abril 2016

Preços no setor das comunicações eletrónicas. Abril 2016 Preços no setor das comunicações eletrónicas Abril 2016 1 AGENDA 1. 2. IPC SUB ÍNDICE SERVIÇOS TELEFÓNICOS E DE TELECÓPIA ESTUDOS INTERNACIONAIS 3. ANEXOS IPC sub índice serviços telefónicos e de telecópia

Leia mais

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008

5º Seminário. Propostas da campanha nacional. A Política Ambiental no Sector Energético Português. 3 de Julho de 2008 5º Seminário A Política Ambiental no Sector Energético Português 3 de Julho de 2008 Propostas da campanha nacional Índice da apresentação - O que é a RFA - RFA Europeia - Exemplos e comparação com PT -

Leia mais

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas?

10º Fórum da Indústria Têxtil. Que Private Label na Era das Marcas? Que Private Label na Era das Marcas? Vila Nova de Famalicão, 26 de Novembro de 2008 Manuel Sousa Lopes Teixeira 1 2 INTELIGÊNCIA TÊXTIL O Sector Têxtil e Vestuário Português e o seu enquadramento na Economia

Leia mais

REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO. Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia

REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO. Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia 1 REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO edp comercial abril 2013 Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia 2 No mercado regulado o preço da eletricidade e do gás natural é definido pelo governo, através

Leia mais

AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING

AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING 7 dicas para otimizar o Aluguer Operacional de Veículos www.gestao-frotas.com AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING

Leia mais

A unificação monetária européia

A unificação monetária européia A unificação monetária européia Especial Panorama Celeste Cristina Machado Badaró 06 de julho de 2007 A unificação monetária européia Especial Panorama Celeste Cristina Machado Badaró 06 de julho de 2007

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes Óleos Alimentares Usados (OAU) GERAL/ENQUADRAMENTO 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de óleos alimentares usados? 2. Quais as proibições previstas no âmbito da gestão

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais