FERIMENTOS. Classificação dos ferimentos abertos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERIMENTOS. Classificação dos ferimentos abertos"

Transcrição

1 FERIMENTOS Ferimentos são lesões resultantes de agressão sobre as partes moles, provocadas por um agente traumático, acarretando dano tecidual. Podem ser classificados em abertos ou fechados, superficiais ou profundos. Em geral, causam dor e sangramento de intensidades variáveis, com risco de infecção local. Nos ferimentos abertos, ocorre lesão aberta da pele ou mucosas, permitindo comunicação entre o meio interno e externo; pode apresentar sangramento evidente favorecendo o surgimento de infecção. Nos ferimentos fechados, as lesões estão localizadas nos tecidos ou órgãos abaixo da pele, podendo atingir órgãos profundos, como coração, pulmão, fígado, baço, grandes vasos sangüíneos e músculos. Classificação dos ferimentos abertos Abrasões ou escoriações: são lesões superficiais da pele, caracterizadas por fragmentação ou fricção, normalmente, causadas por atrito; Incisões: são lesões produzidas por agentes cortantes tais como, faca, estilete, lâmina de barbear ou navalha. Caracterizadas por bordas uniformes e predominância do comprimento sobre a profundidade; Corto-contusos: apresentam lesão tecidual aberta associada à contusão. O dano tecidual depende da velocidade e impacto do agente contundente; caracterizada pela presença de hematoma. As bordas podem ser irregulares e dilaceradas e, geralmente, são profundas; Penetrantes ou perfurantes: são provocados por objetos pontiagudos e afiados, como pregos, flechas, agulhas, etc. A gravidade deve ser avaliada de acordo com a profundidade e local da lesão; Pérfuro-contundentes: lesões produzidas por projéteis de arma de fogo, apresentando, em geral, orifício de entrada e saída; Incrustados ou encravados: lesão com objeto inserido ou incrustado que permanece fixo aos tecidos; Transfixantes: são as lesões corto-contusas e perfuro-contundentes quando atravessam segmentos do corpo; Lacerantes: lesões causadas por objeto com várias faces cortantes ou produzidas pela compressão da pele por ação violenta externa devido à contusão por máquinas, explosivos, ferragens, provocando arrancamento ou avulsão de tecidos; Mutilantes: produzidas quando o agente traumático atravessa determinada região do corpo de lado a lado, causando perda de certa porção, tal como nariz, orelha ou membros. Condutas nos ferimentos abertos Ferimento aberto superficial: lavar com água e sabão neutro, em seguida cobrir com gaze ou pano limpo para evitar contaminação. Ferimento aberto profundo: cubra o local com gaze ou pano limpo. Na presença de sangramento faça compressão local sobre o curativo. Se o ferimento estiver localizado no braço ou na perna eleve o membro ferido acima do nível do tórax. Observe se a vítima apresenta sinais de choque e encaminhe a um hospital, para realização do procedimento indicado, provavelmente, uma sutura cirúrgica. Atenção! Não eleve o membro se este movimento causar dor à vítima. Acione um serviço médico de emergência imediatamente quando houver sangramento abundante, ou seja, se o método de contenção manual (pressão local) não for suficiente para interromper a hemorragia ou quando a vítima apresentar sinais de choque hemorrágico. 1

2 Ferimentos Fechados Os ferimentos fechados têm como causas as contusões, caracterizando-se, externamente, por equimoses ou hematomas. Os órgãos sanguíneos atingidos internamente vão determinar a gravidade do caso. Nos pequenos ferimentos fechados, recomenda-se repousar a região ferida para evitar seu agravamento e aplicar bolsas de gelo ou compressas frias sobre a área de forma intermitente, por 15 minutos, principalmente nas primeiras 24 horas para diminuir a dor e o inchaço. Essa medida pode ser feita por até 72 horas. Nos grandes ferimentos fechados, que são caracterizados externamente por grandes hematomas, deve-se manter a atenção a sinais e sintomas de sangramento interno, tais como: pele pálida, fria e úmida; presença de cianose; pulso fino e rápido; agitação, sonolência ou inconsciência. FERIMENTOS ESPECIAIS Cabeça Os ferimentos na cabeça freqüentemente são acompanhados de lesões na coluna cervical, portanto, a imobilização da coluna cervical é obrigatória. Couro cabeludo Lesões abertas no couro cabeludo podem provocar sangramento importante, devido a um grande número de vasos sanguíneos nesta região. A gravidade das lesões no couro cabeludo relacionase ao mecanismo do trauma, podendo estar associado ao traumatismo craniano grave. Nos ferimentos fechados na cabeça, normalmente, há presença de edema (inchaço) e/ou hematoma no couro cabeludo. Internamente, pode ocorrer rompimento de vasos sanguíneos, causando sangramento intracraniano (localizado entre as meninges ou no próprio tecido cerebral), necessitando de avaliação médica especializada. Trauma de crânio Lesão cerebral, em geral associada à fratura dos ossos do crânio. São sinais sugestivos de traumatismo craniano: dor de cabeça, alteração da consciência (agitação, sonolência, amnésia, inconsciência), deformidades do crânio (afundamento, exposição de massa encefálica), sangramento pelo ouvido e/ou nariz, hematoma ao redor dos olhos, hematoma atrás das orelhas, pupilas de tamanhos diferentes, dificuldade para mover qualquer parte do corpo, vômitos e crise convulsiva. Nem todas as vítimas com ferimentos na cabeça apresentarão todos os sinais e sintomas descritos, algumas poderão apresentar sinais ou sintomas isolados. Portanto, a gravidade do caso é reconhecida por meio de observação e avaliação rigorosas. Quando o ferimento for provocado por objeto perfurante e este permanecer incrustado, não deve ser retirado. Realiza-se a imobilização do objeto, e aciona-se serviço de emergência médica. Na presença de ferimento na cabeça, durante a avaliação secundária, devem ser seguidos os passos descritos abaixo: Verificar os sinais vitais, como: respiração, pulso, cor e temperatura da pele; Fazer avaliação cuidadosa da cabeça por meio de inspeção e palpação; 2

3 Se houver ferimento superficial, lavar com água e sabão neutro e manter um curativo oclusivo com gaze ou pano limpo para evitar contaminação; Se o ferimento for profundo com sangramento abundante faça um curativo oclusivo, sem realizar compressão. Não remova objeto encravado, imobilize-o. Se a vítima estiver inconsciente ou evoluir com alteração da consciência, ou apresentar algum sinal ou sintoma sugestivo de lesão craniana, o socorrista deve acionar um serviço médico de emergência imediatamente. Face Nos ferimentos da face, a prioridade para o socorrista é desobstruir e assegurar as vias áreas pérvias. Em casos de objeto transfixante na bochecha que penetra na cavidade oral, deve-se removê-lo para evitar seu deslocamento e obstrução das vias aéreas. Olhos Ferimentos nos olhos tratados precocemente podem evitar a perda da visão. Entretanto, é difícil fazer uma avaliação detalhada da lesão, sendo primordial a consulta a um médico, assim que possível, preferencialmente a um oftalmologista. De maneira geral, as feridas oculares devem ser cobertas por curativos oclusivos não compressivos, mesmo na presença de sangramento palpebral, com a finalidade de evitar piora da lesão. Corpos estranhos de pequeno tamanho podem causar irritação ocular intensa, levando a vermelhidão e lacrimejamento abundante. Neste caso o olho afetado deve ser irrigado com 500 a 1000ml de soro fisiológico ou com água limpa. Se o corpo estranho não sair com a irrigação, os dois olhos deverão ser ocluídos com curativo leve e a vítima conduzida a um oftalmologista. Nas queimaduras químicas oculares produzidas por substâncias ácidas ou alcalinas, recomendase irrigação intensa do olho afetado com soro fisiológico ou água limpa, por cerca de 20 minutos, protegendo o olho sadio. Após o término da lavagem, os dois olhos devem ser ocluídos com curativo frouxo e a vítima levada a um oftalmologista. Objeto estranho inserido no olho não deve ser retirado, exceto por especialista com equipamentos ópticos especiais e com anestesia apropriada, especialmente, quando o caso se tratar de fragmentos de vidros de pára-brisas ou de objetos maiores como lápis ou objetos pontiagudos, que deverão ser imobilizados e os dois olhos deverão ser ocluídos. Na vigência de perfuração ocular, não pingar colírio ou qualquer outro medicamento no olho. A vítima deve permanecer em posição supina e ser transportada para atendimento especializado somente com um curativo leve sobre os olhos. Tórax Freqüentemente, o tórax é acometido por contusões, que produzem desde abrasões, equimoses ou hematomas na parede torácica até fraturas de costelas, esterno, clavículas, lesão pulmonares e cardíacas, assim como de grandes vasos sangüíneos. A gravidade das lesões está relacionada com o mecanismo do trauma, no qual a energia e dispositivos empregados para gerar a lesão irão orientar, inicialmente, o atendimento. As principais queixas são dor e dificuldade respiratória. No exame físico, é comum a presença de equimose, hematoma, crepitações ósseas, enfisema subcutâneo (ar sob a pele caracterizado pela sensação de crepitação, quando a área acometida é palpada), principalmente em vítimas com múltiplos ferimentos traumáticos. 3

4 Ferimento torácico aberto com extensão superior a 2cm caracteriza-se por ferida torácica soprante acarretando dificuldade respiratória. Nesta situação, faz-se um curativo cobrindo o ferimento com plástico e fixa-se com esparadrapo ou fita adesiva, fazendo uma vedação somente em três lados (curativo de três pontas ou curativo valvulado). Assim, o lado que ficar aberto serve de escape para o ar acumulado no tórax da vítima durante a fase expiratória e como tampão na fase inspiratória, não permitindo a entrada de ar pela lesão. Objetos encravados (pedaço de madeira, lança ou arma branca) não devem ser retirados, mas, imobilizados para evitar o deslocamento durante o transporte e, consequentemente, o agravamento da lesão. Solicitar serviço médico de emergência ou, em caso de impossibilidade, encaminhar a vítima imediatamente ao hospital mais próximo. Abdome Muitas vezes, as lesões abdominais fechadas não são evidentes. Desse modo, devem ser considerados como indicadores de lesão abdominal fechada: dor local, presença de equimoses ou hematomas. No exame físico, o socorrista relaciona o mecanismo do trauma com as lesões externas encontradas, para suspeitar de possível trauma abdominal fechado. Na presença de evisceração (exteriorização de órgãos da cavidade abdominal), o socorrista não deve tentar reintroduzir as vísceras, estas devem ser cobertas com plástico ou pano limpo, fazendo-se um curativo frouxo e, em seguida, manter a vítima aquecida e em posição confortável. Ela não deve ingerir líquidos ou alimentos e, em caso de vômito, vire sua cabeça para um dos lados. Se não houver suspeita de fraturas nos membros inferiores e na pelve, poderá ser colocado um cobertor enrolado sob os joelhos, diminuindo, assim, a pressão exercida na parede abdominal. Objetos encravados no abdome não devem ser removidos. O objeto deve ser imobilizado e o socorrista deverá acionar um serviço médico de emergência. Extremidades As orientações para os ferimentos de extremidades são as mesmas já citadas, para ferimentos abertos ou fechados. É importante lembrar que as roupas deverão ser cortadas para expor a lesão, movendo a vítima o mínimo necessário, a fim de evitar dor e contaminação. Imobilizar eventuais objetos encravados e não aplicar pomadas, pó de café ou outras substâncias sobre as lesões. HEMORRAGIA S Hemorragia é a perda aguda de sangue devido ao rompimento dos vasos sangüíneos (artérias, veias ou capilares). Quando o sangramento é arterial, ocorre maior perda de sangue, pois dentro desses vasos a pressão é elevada. Por isso, sangramentos arteriais são graves, podendo levar a vítima rapidamente a um estado de choque hemorrágico. No sangramento venoso (sangue vermelho escuro e não pulsátil), a perda de sangue ocorre de forma lenta e contínua. Hemorragia Interna: ocorre quando não há ferimento aberto, portanto, o sangramento não é visível, acumulando-se dentro das cavidades do corpo. Nesta situação, deve-se estar atento a sinais de choque hemorrágico e transportar a vítima, precocemente, ao hospital mais próximo. Hemorragia Externa: ocorre quando o sangramento é visível. Condutas para interromper o sangramento 4

5 Aplicar curativo compressivo com gaze ou pano limpo; Fazer pressão direta sobre o curativo com as mãos, atadura ou faixa de pano; Elevar o membro, se não houver suspeita de fratura; Adicionar curativos, caso não cesse a hemorragia (nunca retire um curativo já feito, pois pode ativar um sangramento já controlado); Aplicar pressão sobre o ponto arterial correspondente a lesão, caso o sangramento persista. Condutas na Amputação Cubra ou envolva o membro amputado com curativo, colocando-o em um saco plástico limpo e impermeável para, então, ser acondicionado dentro de um recipiente com gelo. A parte amputada deverá ser transportada com a vítima para possível reimplante. Sangramento Nasal: é comum o sangramento espontâneo do nariz, devido à ruptura de vasos sangüíneos, geralmente causada por infecção, problemas na coagulação sangüínea ou pressão arterial elevada. O socorrista deve: Tranqüilizar a vítima e deixá-la sentada, com a cabeça inclinada ligeiramente para frente; Pressionar continuamente as narinas por 5 minutos; Aplicar compressas frias ou bolsa de gelo sobre o nariz; Não permitir que a vítima assoe o nariz; Encaminhá-la ao hospital se o sangramento persistir por mais de 15 minutos. Grandes Hemorragias: podem ser decorrentes de sangramentos internos ou externos abundantes e a vítima poderá apresentar sinais de choque hemorrágico. O socorrista deve: Solicitar ajuda; Deitar a vítima; Manter as vias aéreas abertas; Controlar sangramentos evidentes (veja conduta para interromper sangramentos); Elevar os membros inferiores, aproximadamente 30 cm, se não houver suspeita de traumatismo craniano, trauma de coluna ou de membros inferiores. Esta medida aumenta o retorno de sangue para o coração, assegurando a irrigação dos órgãos nobres (cérebro, coração e pulmão); Imobilizar fraturas; Aquecer a vítima; Não oferecer líquidos ou alimentos à vítima. 5

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

Objetivos. Salvar a vida humana. Minimizar a dor. Evitar complicações

Objetivos. Salvar a vida humana. Minimizar a dor. Evitar complicações Primeiros Socorros Objetivos Salvar a vida humana Minimizar a dor Evitar complicações Abordagem na vítima Verificar Sinais Vitais Verificar se há sangramento, fraturas e etc. Informar-se,se possível o

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

Primeiros Socorros Volume I

Primeiros Socorros Volume I Manual Primeiros Socorros Volume I um Manual de Junho de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode

Leia mais

Choque incapaz perda de sangue

Choque incapaz perda de sangue Choque Profª Karin O bom samaritano Para ser um socorrista é necessário ser um bom samaritano, isto é, aquele que presta socorro voluntariamente, por amor ao seu semelhante. Para tanto é necessário três

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

FRATURA 21/6/2011. Ruptura total ou parcial de um osso.

FRATURA 21/6/2011. Ruptura total ou parcial de um osso. FRATURA Ruptura total ou parcial de um osso. CLASSES TRAUMATISMOS Fechada (simples): A pele não perfurada pelas extremidades ósseas. foi Aberta (exposta): O osso se quebra, atravessando a pele, ou existe

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir: FRATURAS OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão Definir: * Fratura,luxação e entorse; * Citar 4 sinais ou sintomas que indicam tais lesões; * Citar 2 importantes razões para efetuar a imobilização;

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto.

HEMORRAGIAS. Não deve tentar retirar corpos estranhos dos ferimentos; Não deve aplicar substâncias como pó de café ou qualquer outro produto. HEMORRAGIAS O controle de uma hemorragia deve ser feito imediatamente, pois uma hemorragia abundante e não controlada pode causar morte em 3 a 5 minutos. A hemorragia externa é a perda de sangue pelo rompimento

Leia mais

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS -

- CURSO PRIMEIROS SOCORROS - - CURSO PRIMEIROS SOCORROS - Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos autorais. (Lei nº 9.610). FRATURAS

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE)

AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE) AULA 4: TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO (TCE) 1- TRAUMA CRANIOENCEFÁLICO TCE é o principal motivo de morte na população jovem, cujas causas mais frequentes compreendem acidentes automobilísticos e agressões interpessoais.

Leia mais

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma.

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma. TRAUMATISMOS DOS MEMBROS Atendimento Inicial e Imobilizações ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Manter as prioridades da avalição ABC Não se distrair com lesões músculo-esqueléticas dramáticas que

Leia mais

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com QUEIMADURAS Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Problemática da queimadura no Brasil São lesões frequentes em acidentes de trabalho. Considera-se a quarta causa de óbitos

Leia mais

Manual de Primeiros Socorros

Manual de Primeiros Socorros Manual de Primeiros Socorros DSE - Departamento de Saúde Escolar Apresentação O Departamento de Saúde Escolar da Rede Educacional Franciscana responsável pela saúde dos alunos e funcionários elaborou este

Leia mais

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis tivessem mais orientações ou tomassem mais cuidado

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho. Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão

Prevenção de Acidentes do Trabalho. Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão Coisas simples e importantes da vida não poderão ser feitas em sua plenitude se nos faltar esse órgão No trabalho, todos os dias, toda hora, nossas mãos contribuem decisivamente para nos tornar hábeis,

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

Primeiros Socorros Volume III

Primeiros Socorros Volume III Manual Primeiros Socorros Volume III um Manual de Agosto de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Manualnão pode

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

Introdução: O Problema dos Acidentes

Introdução: O Problema dos Acidentes Introdução: O Problema dos Acidentes Os acidentes representam um dos mais sérios problemas de saúde pública, constituindo-se na principal causa de mortes e invalidez entre jovens e crianças. Os acidentes

Leia mais

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão

CONCEITO. É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão DRENOS CONCEITO É definido como um material colocado no interior de uma ferida ou cavidade, visando permitir a saída de fluídos ou ar que estão ou podem estar ali presentes. OBJETIVOS DOS DRENOS Permitem

Leia mais

Aula: Corpos Estranhos no Organismo. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc

Aula: Corpos Estranhos no Organismo. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Aula: Corpos Estranhos no Organismo Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc I- Corpos Estranhos nos Olhos Grande número dos acidentes oculares ocorre na faixa do 5 a 15 anos de idade. 75% das vítimas são

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

Frio» Enregelamento dos membros

Frio» Enregelamento dos membros Frio» Enregelamento dos membros O enregelamento é uma situação que resulta da exposição excessiva ao frio ou pelo contacto com objetos extremamente frios. Consiste no congelamento das camadas superficiais

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais

Primeiros Socorros. São ações que cada cidadão pode realizar para ajudar alguém que esteja passando por um momento de risco.

Primeiros Socorros. São ações que cada cidadão pode realizar para ajudar alguém que esteja passando por um momento de risco. PRIMEIROS SOCORROS Primeiros Socorros São ações que cada cidadão pode realizar para ajudar alguém que esteja passando por um momento de risco. Há um conjunto de procedimentos de emergências para vítima

Leia mais

VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde

VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL CIEVS- Centro de Informações Estratégicas em Saúde Boletim de Alerta do VIGIAR Palmas 09 de setembro de 2014 RECOMENDAÇÕES PARA ENFRENTAR SITUAÇÕES DE A BAIXA UMIDADE RELATIVA

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR SUMÁRIO 01. Apresentação 02. Definições de Termos 03. Síntese Histórica 04. Causas de Acidentes 05. Estatísticas de Acidentes 06. Prioridades

Leia mais

Pronto Atendimento no Esporte

Pronto Atendimento no Esporte Centro de Treinamento Autorizado Pronto Atendimento no Esporte Artur Padão Gosling Obter ajuda qualificada Preservar a vida PRIMEIRO ATENDIMENTO Funções do Socorrista Minimizar a dor e o agravamento das

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA E CUIDADOS PARA PREVENIR ACIDENTES NO LABORATÓRIO:

REGRAS DE SEGURANÇA E CUIDADOS PARA PREVENIR ACIDENTES NO LABORATÓRIO: Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Curitiba Diretoria de Graduação e Educação Profissional Departamento Acadêmico de Química e Biologia REGRAS DE SEGURANÇA E CUIDADOS PARA PREVENIR ACIDENTES

Leia mais

Quem ajuda, amigo é. Nas aulas anteriores deste módulo, um mesmo. Nossa aula. Até onde vão os primeiros socorros?

Quem ajuda, amigo é. Nas aulas anteriores deste módulo, um mesmo. Nossa aula. Até onde vão os primeiros socorros? A U A UL LA Quem ajuda, amigo é Introdução Nas aulas anteriores deste módulo, um mesmo fator foi sempre enfatizado: a PREVENÇÃO! Mas, e se apesar de todos os cuidados, um acidente acontecer na nossa frente?

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00 PLANO INSTRUCIONAL Ação/Atividade: PROMOÇÃO SOCIAL/ PRIMEIROS SOCORROS Carga Horária: 20 HORAS Nº MÍNIMO DE PESSOAS: 12 PESSOAS Nº MÁXIMO: 15 PESSOAS IDADE MINIMA: 16 ANOS Objetivo Geral: PROPORCIONAR

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS

NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS DGRH/DSS0/UNICAMP MEDICINA DO TRABALHO 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 03 2. AVALIAÇÃO DA VÍTIMA... 04 3. PLANO DE AÇÃO... 06 4. DESMAIO... 07 5. ASFIXIA... 08 6. HEMORRAGIA...

Leia mais

Primeiros Socorros. O que fazer imediatamente após acontecer um acidente?

Primeiros Socorros. O que fazer imediatamente após acontecer um acidente? Primeiros Socorros Dicas de Primeiros Socorros Você não precisa ser um socorrista experiente para conseguir ajudar alguém que se machucou no meio da natureza. Mas algumas coisas são fundamentais ter em

Leia mais

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester.

AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START. 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. AULA 1 TEÓRICO-PRÁTICA: ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO E METÓDO START 1- ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO 1.1- Triagem de prioridades na urgência sistema de Manchester. Sistema de triagem inicial

Leia mais

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS PREVENT SENIOR Sumário 1. PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)...1 1.1. Apresentação... 1 1.2. Causas... 1 1.3. Sintomas... 2 1.4. Como agir... 2 2. QUEDAS...2 2.1. Apresentação...

Leia mais

Apresentação. O que é Dengue Clássica?

Apresentação. O que é Dengue Clássica? Apresentação É no verão que acontecem as maiores epidemias de dengue devido ao alto volume de chuva. O Santa Casa Saúde, por meio do Programa Saúde Segura, está de olho no mosquito aedes aegypti e na sua

Leia mais

SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO

SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO Primeiros Socorros TST FILIPE MUNIZ RODRIGUES Introdução Primeiros Socorros, são as medidas imediatas aplicadas à uma vítima fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

QUEIMADURAS. Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção

QUEIMADURAS. Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção QUEIMADURAS Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção GRAVIDADE DAS QUEIMADURAS DEPENDE: Zona atingida pela queimadura Extensão da pele queimada Profundidade da queimadura: - 1ºGRAU - 2ºGRAU

Leia mais

CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE

CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE CAPÍTULO 10 HEMORRAGIA E CHOQUE 1. Introdução Para um melhor entendimento dos mecanismos (da hemorragia e do choque) faz-se necessário uma pequena revisão de alguns aspectos conceituais de anatomia e fisiologia

Leia mais

Lista das frases de risco e de segurança

Lista das frases de risco e de segurança Lista das frases de risco e de segurança FRASES DE RISCO R1 : Explosivo no estado seco. R2 : Risco de explosão por choque, fricção, fogo ou outras fontes de ignição. R3 : Grande risco de explosão por choque,

Leia mais

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo

Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo INTRODUÇÃO Bursite do Olécrano ou Bursite do Cotovelo Bursite do olécrano é a inflamação de uma pequena bolsa com líquido na ponta do cotovelo. Essa inflamação pode causar muitos problemas no cotovelo.

Leia mais

Duas coisas importantes que você deve possuir (entre outras é claro):

Duas coisas importantes que você deve possuir (entre outras é claro): Primeiros Socorros Primeiros Socorros são as primeiras providências tomadas no local do acidente. É o atendimento inicial e temporário, até a chegada de um socorro profissional. Para que servem as ações

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

Dicas de Segurança IV

Dicas de Segurança IV Dicas de Segurança IV Noções Básicas de Primeiros Socorros Ressuscitação Cardiopulmonar Também conhecida como respiração boca a boca (aeração). Utilizada em casos de paradas respiratórias. Procedimentos:

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfª. ROSANE INEZ BARAZETTI SCHIAVO SESMT/UCS

PRIMEIROS SOCORROS. Enfª. ROSANE INEZ BARAZETTI SCHIAVO SESMT/UCS PRIMEIROS SOCORROS Enfª. ROSANE INEZ BARAZETTI SCHIAVO SESMT/UCS SOCORROS AQUELE ATENDIMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO PRESTADO A UMA VITIMA EM SITUAÇÃO DE ACIDENTE. O PRINCIPAL OBJETIVO É MANTER A VITIMA

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito:

Doenças Vasculares. Flebite ou Tromboflebite. Conceito: Doenças Vasculares Tromboflebiteé uma afecção na qual se forma um coágulo numa veia, em conseqüência de flebite ou devido à obstrução parcial da veia. Flebiteé a inflamação das paredes de uma veia. Causas:

Leia mais

CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS PRIMEIROS SOCORROS

CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS PRIMEIROS SOCORROS CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS Núcleo de Educação em Urgência Rua Jaraguá, 858, Bom Retiro São Paulo SP - CEP 01129-000 PABX. 11.3396-1400 1 NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS I- DEFINIÇÕES

Leia mais

FEDERAÇÃO DE BANDEIRANTES DO BRASIL

FEDERAÇÃO DE BANDEIRANTES DO BRASIL FEDERAÇÃO DE BANDEIRANTES DO BRASIL NOME DA ATIVIDADE: AUXILIO DE EMERGÊNCIA DURAÇÃO GRUPO/RAMO Nº PARTICIPANTES 2h B1 e B2 - Conhecimentos a serem Adquiridos Primeiros socorros básicos. Aprender 1ºs socorros.

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

QUIDESOXIDADOR. Telefones de emergência: (41) 3376-2991 Curitiba 0800-7032991 Outras Regiões 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES

QUIDESOXIDADOR. Telefones de emergência: (41) 3376-2991 Curitiba 0800-7032991 Outras Regiões 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES QUIDESOXIDADOR 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA - Nome do produto: QUIDESOXIDADOR - Código interno: 418 - Aplicação: Desoxidador de chapa off-set positiva. Fabricante: Quimagraf Ind. Com. De Material

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PARA PRODUTOS QUÍMICOS 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial do produto: CJI URETANO AR ENDURECEDOR Nome da empresa: Endereço: Rua Hermínio Poltroniere,

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO

PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO PLANO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INCÊNDIO CONDOMINIO ESPAÇO MÉDICO EMPRESARIAL Telefones em caso de emergências: CORPO DE BOMBEIROS 193 SAMU 192 POLÍCIA MILITAR 190 JF BRIGADA`S JOÃO PAULO: 63 92090197

Leia mais

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira

Introdução. Renata Loretti Ribeiro - Enfermeira Introdução A função do sistema respiratório é facilitar ao organismo uma troca de gases com o ar atmosférico, assegurando permanente concentração de oxigênio no sangue, necessária para as reações metabólicas,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Característico, irritante ph ( Puro ) 0,45 0,65 Densidade 0,980 1,040 ( 25ºC ) Elaboração: 03/12 Revisão: 0-03/12 RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: LIMPA BAÚ Sinônimo: Detergente Ácido Composição: Linear Alquil Benzeno Sulfonado, Ácido Clorídrico, Ácido Cítrico,

Leia mais

Forças geradas por uma queda

Forças geradas por uma queda Forças geradas por uma queda Avaliar os riscos envolvidos em cada uma das etapas de trabalho e usar o equipamento adequado nem sempre é procedimento suficiente para impedir um acidente. É preciso considerar

Leia mais

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR Protocolo: Nº 72 Elaborado por: Antônio Osmar Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

05 Queimaduras em cozinhas

05 Queimaduras em cozinhas 05 Queimaduras em cozinhas As queimaduras mais comuns são as provocadas por líquidos e a maioria das vítimas são as crianças. O álcool líquido está envolvido em grande parte dos acidentes que provocam

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Cartilha de Primeiros - socorros para a Comunidade

Cartilha de Primeiros - socorros para a Comunidade Cartilha de Primeiros - socorros para a Comunidade Dra. Patricia Bover Draganov São Paulo 2007 INDICE Introdução Conteúdo - Hematroma e edema - Hemorragia - Epistaxe - Ferimentos - Queimaduras - Corpos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ )

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUIÍMICO ( FISPQ ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Anti Ruído Tradicional Aplicação: Reparação e emborrachamento de veículos. Fornecedor: Nome: Mastiflex Indústria e Comércio Ltda Endereço : Rua

Leia mais

Por Enf. Benvinda Brito

Por Enf. Benvinda Brito Por Enf. Benvinda Brito Os primeiros socorros são a primeira ajuda ou assistência dada a uma vítima de acidente ou doença súbita antes da chegada de uma ambulância ou do médico. A finalidade dos primeiros

Leia mais

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral

Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral Luxação do Ombro ou Luxação Gleno Umeral INTRODUÇÃO Oque é Luxação Gleno Umeral? Luxação é o termo empregado quando há perda de contato entre os ossos que compõem uma articulação. No caso do ombro a articulação

Leia mais

CAPÍTULO 5 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR. 2. Classificação dos Equipamentos e Materiais

CAPÍTULO 5 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR. 2. Classificação dos Equipamentos e Materiais Fig 5.2 Rádio portátil Equipamentos Utilizados no Atendimento Pré-Hospitalar CAPÍTULO 5 EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR 1. Introdução No atendimento a uma situação de emergência é

Leia mais

AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012

AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012 AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012 Formador: Enfermeiro Paulo Oliveira (HUC) Síntese elaborada por Ana Sofia Frias Quando ligamos para o 112, quem atende a nossa

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

Drenos. Prof. Claudia Witzel

Drenos. Prof. Claudia Witzel Drenos 1 Conceito É um material que quando necessário ;e colocado em uma cavidade, ou ferida, para saída de líquidos, secreções, e ou ar, pois estes não deveriam estar presentes no local. 2 Objetivos dos

Leia mais

Maria da Conceição M. Ribeiro

Maria da Conceição M. Ribeiro Maria da Conceição M. Ribeiro Segundo dados do IBGE, a hérnia de disco atinge 5,4 milhões de brasileiros. O problema é consequência do desgaste da estrutura entre as vértebras que, na prática, funcionam

Leia mais

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS FÉRIAS ESCOLARES X ACIDENTES DOMÉSTICOS As férias escolares exigem mais cuidados com os acidentes domésticos porque as crianças ficam mais tempo em casa e isso aumenta o risco de ocorrerem acidentes que

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

http://www.solidariar.hpg.ig.com.br downloads grátis Manual de Primeiros Socorros no Trânsito

http://www.solidariar.hpg.ig.com.br downloads grátis Manual de Primeiros Socorros no Trânsito Introdução Segundo o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a utilização das vias públicas é um direito de todos, ou seja, o espaço público pertence a todos de maneira igualitária. Mas a convivência social

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E PRIMEIROS SOCORROS ATENDIMENTO EM PRIMEIROS SOCORROS

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E PRIMEIROS SOCORROS ATENDIMENTO EM PRIMEIROS SOCORROS ATENDIMENTO EM PRIMEIROS SOCORROS Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E PRIMEIROS SOCORROS É o atendimento imediato e provisório prestado em caso de

Leia mais

RESPOSTAS RECEBIDAS PRIMEIRO DESAFIO TORNEIO VIRTUAL DE BIOLOGIA 2015 ORDEM EMBARALHADA. PARA SIMPLES CONFERÊNCIA.

RESPOSTAS RECEBIDAS PRIMEIRO DESAFIO TORNEIO VIRTUAL DE BIOLOGIA 2015 ORDEM EMBARALHADA. PARA SIMPLES CONFERÊNCIA. RESPOSTAS RECEBIDAS PRIMEIRO DESAFIO TORNEIO VIRTUAL DE BIOLOGIA 2015 ORDEM EMBARALHADA. PARA SIMPLES CONFERÊNCIA. Tendo em vista as características apresentadas, o motociclista pode ter sido vítima de

Leia mais

Criança com deficiência

Criança com deficiência Criança com deficiência Não espero pelos outros. Começo eu mesmo. Como toda criança, a criança com deficiência precisa de muito amor, atenção, cuidados e proteção. Precisa também brincar com outras crianças

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS)

TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) UNIDADE: 13 CONTUSÃO TREINAMENTO TEÓRICO CURSO: PRIMEIROS SOCORROS - BÁSICO (40 HORAS) MODALIDADE: ONLINE 13.01 CONTUSÃO A contusão é uma lesão sem o rompimento da pele, tratando-se de uma forte compressão

Leia mais

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos

09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos 09. Em relação ao Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS), é correto afirmar que: (RDC 306/2004) (A) os resíduos sólidos são definidos como os resíduos nos estados sólidos e semissólido,

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol

Rebrilhar Catalisador Ureia-Formol 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial do Produto: Nome da Empresa: Rebrilhar Resinas e Vernizes Ltda. Endereço: Rua Luiz de Moraes Rego, nº. 505 Jardim do Bosque Leme/SP Telefones: 19-35186900

Leia mais

Introdução O bom samaritano Lucas 10:25

Introdução O bom samaritano Lucas 10:25 PRIMEIROS SOCORROS Introdução Os Primeiros Socorros ou socorro básico de urgência são as medidas iniciais e imediatas dedicadas à vítima, fora do ambiente hospitalar, executadas por qualquer pessoa, treinada,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS BOM DESPACHO 2010 ÚLCERA VENOSA Conceito Lesões provocadas pela insuficiência venosa

Leia mais

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13

ACOLHIMENTO COM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO AGO/13 A emergência do Hospital Cristo Redentor é referência para atendimento ao trauma e neurocirurgia, atendendo sob os preceitos de acolhimento com classificação de risco. A classificação de risco deve se

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina da UFMG Projeto Creche das Rosinhas. Cartilha de Primeiros Socorros

Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina da UFMG Projeto Creche das Rosinhas. Cartilha de Primeiros Socorros Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Medicina da UFMG Projeto Creche das Rosinhas Cartilha de Primeiros Socorros Introdução Durante a infância, as crianças estão suscetíveis a inúmeras situações

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Corpo humano: Hemorragia: É a perda de sangue através de ferimentos, pelas cavidades naturais como: nariz, boca, ouvido; ela pode ser

Leia mais