SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIARS ACES LINHA DIRECTA N. 2"

Transcrição

1 Questões da Semana 1 Indicadores solicitados no âmbito do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde Relatórios SIARS a utilizar para o preenchimento do quadro pág.12 Com o objectivo de responder às diversas questões que têm sido colocadas e para uniformizar os critérios de preenchimento, sugerimos que sejam utilizados os seguintes mapas do SIARS para obter os dados solicitados. Consultas de Medicina Geral e Familiar * Consultas de Saúde infantil/ Saúde materna/ familiar Relatório SIARS Local Observações Atento às Notas Técnicas insertas na Portaria nº 1529/2008 de 26 de Consultas 1as e seguintes Consultas>SINUS Dezembro. As consultas urgentes não estão incluídas; Consultas 1as e seguintes Consultas>SINUS Adicionar ao relatório o atributo programa de saúde disponível na caixa do lado esquerdo objectos do relatório Vigilância de doentes diabéticos / hipertensos Nº de Consultas por programa de saúde Consultas> SAM O relatório devolve o total de consultas (1ª coluna) e o nº de 1as no ano (utilizadores) Consultas médicas no domicílio Domicílios médicos Consultas>SINUS Consultas de enfermagem no domicílio Contactos de Enfermagem em Domicílios SAPE Diferenças entre nº de consultas em programas de Saúde SAM e SINUS Na Linha directa 1 foram analisadas e explicadas as diferenças entre totais de consultas SINUS e SAM (Na ARS Norte em 2009 existem registos médicos de consultas e registos administrativos, diferença que nos parece aceitável). No entanto, vários ACES questionaram nos acerca das diferenças entre o nº de consultas em Programas de Saúde SINUS e SAM. Na verdade, os valores são bastante distintos, o que seria de prever, atendendo a que o registo SINUS é administrativo e que todas as consultas ocorridas em horário normal ficam adstritas a programas de saúde (específicos ou não como o caso da saúde de adultos). O registo SAM, efectuado pelo médico, deverá corresponder a uma verdadeira consulta em programa de vigilância. No entanto, apesar de os dois registos, terem forçosamente de apresentar valores diferentes, encontramos algumas incoerências nos registos SAM, pelo que, para o preenchimento deste relatório, se optou, em algumas situações, pelos 1

2 registos SINUS. Todas as consultas de vigilância não associadas aos programas de saúde tradicionais surgem no SIARS agrupadas na categoria Programa Especifico CS, correspondendo a mais de 50% de todas as consultas de vigilância. Seria interessante futuramente tipificar os problemas de saúde associados a estas consultas. Por outro lado, ao analisar o nº de consultas em programa de vigilância de Saúde Infantil por grupo etário verificámos que quer o total de consultas, quer a média de consultas por utilizador são muito inferiores ao recomendado. Estas questões vão ser analisadas e logo que sejam esclarecidas serão informados por esta via. 2 Indicadores oficiais A USF Baltar colocou algumas questões relacionadas com os indicadores oficiais, indicando algumas diferenças relativamente aos valores obtidos por outras fontes. É difícil aquilatar as diferenças mencionadas porque não sabemos a forma como foi feita localmente a pesquisa. No SIARS estes indicadores cumprem os requisitos emanados pela Missão de Cuidados de Saúde Primários. 2

3 Indicador 6.4 Percentagem de grávidas com revisão de puerpério efectuada: Que grávidas foram consideradas no cálculo: todas as inscritas na USF ou apenas as vigiadas na USF? Até quando consideram validada a consulta de puerpério? Às 6 semanas pós parto ou entre as 4 6 semanas pós parto? Critérios de inclusão: Numerador: Denominador; Ter consulta de revisão de puerpério realizada até 6 semanas (42 dias) após a data do parto. Denominador; Ter uma inscrição na Unidade Funcional (USF/UCSP) no período em análise; Ser mulher; Ter pelo menos um destes diagnósticos sinalizado como activo na sua lista de problemas (classificação ICPC W78, W79. W84); Ter compromisso de vigilância em Saúde Materna no período em análise; Ter completado 6 semanas (42 dias) após a data de parto, no período em análise. Indicador 5.13 Percentagem de inscritos com peso e altura registado nos últimos 12 meses (vigilância infantil): Quais os critérios: são consideradas todas as crianças ou apenas as vigiadas na USF? Critérios de inclusão: Numerador: Denominador Ter registo de peso e altura no mesmo dia no período de 12 meses prévios a completar 2 anos. Denominador: Ter uma inscrição na Unidade Funcional (USF/UCSP) no período em análise; Ter completado 2 anos no período em análise; Ter compromisso de vigilância em Saúde Infantil no período em análise. Indicador 5.13 Percentagem de hipertensos com registo de IMC nos últimos 12 meses; Critérios de inclusão: Numerador: Denominador; Ter registo de IMC nos últimos 12 meses; Se utente tiver menos de 20 anos o registo de altura deve ter sido efectuado há menos de 2 anos em relação ao período de tempo em análise. Denominador: Ter uma inscrição na Unidade Funcional (USF/UCSP) no período em análise; 3

4 Ter este diagnóstico sinalizado como activo na sua lista de problemas (classificação ICPC = K86 ou K87); Ter compromisso de vigilância na Unidade Funcional (USF/UCSP) no programa de Hipertensão. As fórmulas de cálculo de todos os indicadores oficiais estão disponíveis em: saude.pt/portals/0/calculo%20indicadores_2009.pdf 3 Médicos que não pertencem às Unidades de Saúde A USF do Mar pede que sejam corrigidos nos dados do SIARS os médicos que estão "atribuídos" à USF. Mais concretamente, o Dr. Oliveira Branco, o Dr. Miguel Fernandes e a Dr.ª Isabel Hora, não pertencem à USF do Mar. Dois dos médicos mencionados já não aparecem nos dados de 28 de Fevereiro de O Dr. Manuel Fernandes ainda aparece no relatório ainda que com apenas um inscrito. Estes erros nada têm que ver com o SIARS, o problema está na fonte, o SINUS, onde existem estas listas residuais que têm que ser eliminadas. Na 1ª informação mensal será enviada uma lista de todos os casos que necessitam de validação e correcção. 4

5 Novos desenvolvimentos Consultas>SINUS> Consultas 1as e seguintes Foi disponibilizado o atributo Programa de Saúde no relatório Consultas 1as e seguintes de Consultas SINUS. A coluna Não especificado corresponde às consultas de revisão de puerpério. Para efeitos de preenchimento do Relatório Anual de Acesso a Cuidados de Saúde, estas consultas devem ser adicionadas às seguintes. 5

6 Consultas>SAM>Acessibilidade ao médico de família Foi criado um novo relatório com dados sobre registos médicos de consultas (SAM) Acessibilidade ao médico de família, que seguramente será um óptimo instrumento de gestão. Neste relatório podem ser observadas, para cada médico, o número e % de consultas realizadas aos seus utentes, aos utentes de outros médicos e aos utentes sem médico de família. Removendo o atributo médico, é possível observar a informação global por Extensão/USF, Centro de Saúde e ACES. Num futuro próximo será disponibilizado um outro relatório com a taxa de utilização por médico de família.. 6

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO ACTA Nº1/2008 ADENDA Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h Participantes: Conselho Directivo Enf. Isabel Oliveira Depart. Contratualização: Dr.ª Manuela

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS), representada pelo seu Presidente, Dr. e a Unidade de Saúde Familiar (USF), representada pelo seu Coordenador, Dr., constituída com base na homologação pelo Conselho

Leia mais

- Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A

- Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A CARTA DE COMPROMISSO - Unidade de Saúde Familiar S. João de Ovar Modelo A O Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Baixo Vouga III, representado pelo seu Director Executivo, Dr. Manuel Sebe e a Unidade

Leia mais

CARTA DE COMPROMISSO

CARTA DE COMPROMISSO A Administração Regional de Saúde (ARS) do Centro, representada pelo seu Presidente, Dr. João Pedro Pimentel e a Unidade de Saúde Familiar (USF) São Julião, representada pelo seu Coordenador, Dr. José

Leia mais

Principais correcções efectuadas

Principais correcções efectuadas GIAE Versão 2.0.8 Janeiro de 2011 Com o objectivo de unificar a versão em todos os módulos do GIAE, incluindo o GestorGIAE, todos os módulos são actualizados para a versão 2.0.8. Muito Importante: Antes

Leia mais

Plataforma / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa

Plataforma  / SIARS / 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa Plataforma SIM@SNS SIM@SNS / SIARS / MIM@UF 30 de Maio de 2015 Isabel Barbosa 1 Agenda Agenda Enquadramento Caraterização (SIM@SNS / SIARS / MIM@UF) Evolução da plataforma SIM@SNS 2 Enquadramento Plataforma

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho

o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho CARTA DE COMPROMISSO Unidade de Saúde Familiar Condestável Modelo A o Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral 11,representado pela Presidente do Conselho Clínico, Dra. Maria Isabel Poças

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006. Relatório não técnico. Dieta para adultos

Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006. Relatório não técnico. Dieta para adultos Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006 Relatório não técnico Dieta para adultos Docente: Profª Drª Ana Isabel Leiria Discentes: Laurinda Fernandes

Leia mais

1. Introdução. 2. Acesso ao Portal - Código de Estabelecimento de Ensino

1. Introdução. 2. Acesso ao Portal - Código de Estabelecimento de Ensino Manual do Portal MyEscola 1. Introdução 2. Acesso ao Portal 3. Formulário de Login 4. Recuperação de Password 5. Portal 1. Mensagens 2. Documentos 3. Escola 4. Alunos 5. Professores 6. Horário 7. Calendário

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 16:00 às 22:00 2ª sessão - 9:00 às 14:00 INVESTIMENTO FORMADOR

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO 1ª sessão - 16:00 às 22:00 2ª sessão - 9:00 às 14:00 INVESTIMENTO FORMADOR ANáLISES CLíNICAS: DA COLHEITA à INTERPRETAçãO (MAI 2016) LISBOA A interpretação de exames laboratoriais é uma realidade incontestável do dia-a-dia dos enfermeiros. Mas será que todos os enfermeiros estão

Leia mais

Candidatura on-line Instruções operacionais de preenchimento

Candidatura on-line Instruções operacionais de preenchimento NOTA PRÉVIA A candidatura ao Programa Nacional de Financiamento a projectos pelo INR, I.P. efetua-se exclusivamente online, através da plataforma web disponível no separador Programas e Projetos em www.inr.pt.

Leia mais

Informática na Saúde E-SAUDE PCE RSE RSE PCE

Informática na Saúde E-SAUDE PCE RSE RSE PCE Informática na Saúde RIS E-SAUDE RSE PCE PCE RSE RIS Rede de Informação da Saúde É uma rede privada multimédia do Ministério da Saúde. Esta rede interliga as diversas redes locais existentes, que, por

Leia mais

Como Efetuar o Relatório Único - entrega em 2015?

Como Efetuar o Relatório Único - entrega em 2015? Como Efetuar o Relatório Único - entrega em 2015? A regulamentação do Código do Trabalho criou uma obrigação única a cargo dos empregadores, de prestação anual de informação sobre a atividade social da

Leia mais

Índice. Página 1 de 32 :: https://fenix.iscte.pt/ C7.01 (ext )

Índice. Página 1 de 32 :: https://fenix.iscte.pt/ C7.01 (ext ) Índice 1 1. Operações de Alunos... 3 1.1. Matricular aluno... 3 1.2. Visualizar alunos... 7 1.2.1. Visualizar dados pessoais... 8 1.3. Matrículas do aluno... 9 1.3.1. Detalhes da matrícula... 9 1.3.1.1.

Leia mais

Caracterização do ACES LISBOA NORTE

Caracterização do ACES LISBOA NORTE Caracterização do ACES LISBOA NORTE 2013 ACES Lisboa Norte Quem somos e onde estamos Missão Prestar Cuidados de Saúde Primários de qualidade, com eficiência e eficácia, à população da sua área geográfica

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA CONTRATUALIZAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA CONTRATUALIZAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA CONTRATUALIZAÇÃO EM CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS UNIDADES DE SAÚDE FAMILIAR (USF) E UNIDADES DE CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS (UCSP) ANO 2012 Departamento de Planeamento e Contratualização,

Leia mais

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC

RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC RELATÓRIO CANDIDATURAS E CONSTITUIÇÃO DE USF E UCC Data de referência da informação: 18 de Novembro de 2016 SUMÁRIO EXECUTIVO Os cuidados de saúde primários (CSP) constituem o primeiro ponto de contacto

Leia mais

Manual da Aplicação. REVVASE Livros e Material Escolar Bolsa de Manuais Escolares. DGEstE Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares

Manual da Aplicação. REVVASE Livros e Material Escolar Bolsa de Manuais Escolares. DGEstE Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Data do Manual: 20/05/2015 Atualizado em: 10/08/2016 Verifique a sua versão Manual da Aplicação REVVASE Livros e Material Escolar Bolsa de Manuais Escolares O Registo de Verbas e Valores da Ação Social

Leia mais

Objectivos da Qualidade

Objectivos da Qualidade Objectivos da Ano: 2008 Rev: 01 Objectivo da Aumentar adesão dos utentes ao rastreio do cancro do colo do útero cobertura (exames realizados) 4699 mulheres Aumentar adesão dos utentes ao rastreio do cancro

Leia mais

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO UN. SAÚDE FAMILIAR E UN. CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO CRITÉRIOS A OBSERVAR NA SUA IMPLEMENTAÇÃO 3 de Setembro de 2009 Versão revista a 19 de Fevereiro de 2010 Conteúdo

Leia mais

plataforma FADU guia de inscrição clubes

plataforma FADU guia de inscrição clubes plataforma FADU guia de inscrição clubes 1. apresentação O presente documento tem como objetivo auxiliar o administrador de um clube na utilização da plataforma de inscrições online da Federação Académica

Leia mais

Indicadores do Contrato Programa

Indicadores do Contrato Programa Indicadores de Acompanhamento dos s Regionais do Contrato Programa Doente padrão / Médico ETC Eficiência-Produtividade Entidade Gestora Medir a produção por médico ( com horários equiparados) Descrição

Leia mais

Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro

Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro Regulamento da Aplicação Informática do Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais da Universidade de Aveiro O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) está integrado na Divisão dos Serviços

Leia mais

O Regulamento de Inscrição prevê que o candidato a inscrição na OA, no âmbito do processo de admissão por estágio, frequente obrigatoriamente:

O Regulamento de Inscrição prevê que o candidato a inscrição na OA, no âmbito do processo de admissão por estágio, frequente obrigatoriamente: REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO O actual modelo da formação de apoio ao estágio de admissão à Ordem dos Arquitectos (OA) resulta da implementação do REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO (RI), aprovado em 12 de Setembro de

Leia mais

Guia do utilizador Catálogo Aleph

Guia do utilizador Catálogo Aleph Guia do utilizador Catálogo Aleph Fundação Universidade do Porto Faculdade de Letras Biblioteca Central Laura Gil Marlene Borges Miguel Simões Porto Julho 2009 1 UM GUIA PERTO DE SI NA SUA ESTANTE ON-LINE

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE 7004-(22) Diário da República, 1.ª série N.º 252 30 de dezembro de 2013 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SAÚDE Portaria n.º 377-A/2013 de 30 de dezembro A reforma dos Cuidados de Saúde Primários, iniciada

Leia mais

Com a linha dos Cuidados Bordamos a Saúde

Com a linha dos Cuidados Bordamos a Saúde Com a linha dos Cuidados Espere o melhor de nós Queremos tratá-lo com respeito. Queremos que tenha acesso a cuidados de saúde de qualidade. Compreendemos que queira recusar um acto médico ou que queira

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA MATRÍCULA

INFORMAÇÕES PARA MATRÍCULA INFORMAÇÕES PARA MATRÍCULA 2017 Belo Horizonte, 07 de outubro de 2016. Srs. pais ou responsáveis, Inicialmente, gostaríamos de parabenizar os alunos aprovados no Processo Seletivo do Colégio Bernoulli

Leia mais

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR:

RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: RECURSOS HUMANOS EM MEDICINA GERAL E FAMILIAR: SITUAÇÃO ACTUAL E PERSPECTIVAS DE FUTURO PAULA SANTANA HELENA PEIXOTO 27º Encontro Nacional de Clínica Geral, Vilamoura, Março de 2010 Objectivos do Estudo

Leia mais

Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global

Test. este Xpert MTB/RIF. Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global Test este Xpert MTB/RIF Ferramenta de avaliação e monitorização clínica Visita de avaliação global Esta ferramenta destina-se a ser utilizado por pessoal / consultores que realizam visitas de monitorização

Leia mais

Câmara Municipal de Penacova

Câmara Municipal de Penacova Câmara Municipal de Penacova Pen@cova Net.ureza Normas de utilização e funcionamento I Disposições Gerais Norma 1 Definição 1. O Espaço Internet de Penacova define-se como local destinado aos cidadãos

Leia mais

CAMPEONATO PAULISTA DE CANOAGEM 2000 E 5000m

CAMPEONATO PAULISTA DE CANOAGEM 2000 E 5000m CAMPEONATO PAULISTA DE CANOAGEM 2000 E 5000m - 2014 Seguem abaixo as informações sobre o Campeonato Paulista de Velocidade 2000 e 5000m - 2014 1. DATA e HORÁRIO: 22 de junho de 2014 (domingo) a partir

Leia mais

Proposta de Implementação da aplicação ABS ( ArFuture Bulk Sender ) N nweti. Agosto 2013 Ar Future

Proposta de Implementação da aplicação ABS ( ArFuture Bulk Sender ) N nweti. Agosto 2013 Ar Future Proposta de Implementação da aplicação ABS ( Bulk Sender ) N nweti Agosto 2013 Ar Future Índice Índice... 2 2. Sobre a... 3 3. Objecto da proposta... 4 4. A tecnologia ABS... 5 4.1 Principais características

Leia mais

Pagamento de Imposto Guia de Apoio

Pagamento de Imposto Guia de Apoio Pagamento de Imposto Guia de Apoio Pagamento de Imposto Guia de Apoio Pagamento de Imposto Guia de Apoio Enquadramento A Direcção Nacional de Impostos (DNI), entidade afecta ao Ministério das Finanças

Leia mais

PERFIL DIRETORIA E MUNICÍPIO

PERFIL DIRETORIA E MUNICÍPIO PERFIL DIRETORIA E MUNICÍPIO O perfil Diretoria/Município poderá realizar a manutenção (correção/alteração) dos seguintes campos: Denominação; Situação de Funcionamento; Regular/Vinculada; Endereço Principal;

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA À OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA INFORMÁTICO

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA À OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA INFORMÁTICO PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA À OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA INFORMÁTICO DEPARTAMENTO TECNICO OUTSOURCING Rua da Eira, nº18 Letra I e J Algés de Cima 1495-050 Algés Portugal Tel.:

Leia mais

MANUAL DE REGISTO DE NASCIMENTOS DE BOVINOS ATRAVÉS DA WEB, Produtor - Detentor. Mod. 255-B/DGAV

MANUAL DE REGISTO DE NASCIMENTOS DE BOVINOS ATRAVÉS DA WEB, Produtor - Detentor. Mod. 255-B/DGAV MANUAL DE REGISTO DE NASCIMENTOS DE BOVINOS ATRAVÉS DA WEB, Produtor - Detentor Mod. 255-B/DGAV SOLICITAÇÃO DE ACESSOS À BASE DE DADOS DO IDIGITAL Para se poder proceder ao Registo de Nascimentos de Bovinos

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilizador Perfil Aluno V1 17/06/2015 4450-298 Matosinhos Maputo Página 1 de 20 ÍNDICE 1. Página Pessoal Aluno 4 1.1 Alterar Fotografia 4 1.2 Configuração da Página Pessoal 5 1.3 Conta Corrente

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA SOCIEDADE PONTO VERDE Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para

Leia mais

FICHA TÉCNICA GESTWARE SÓCIOS

FICHA TÉCNICA GESTWARE SÓCIOS FICHA TÉCNICA GESTWARE SÓCIOS Esta aplicação permite automatizar de uma forma simples e eficaz a gestão dos sócios de uma Associação ou Colectividade. Possui uma interface simples e intuitiva com um vasto

Leia mais

Índice. 12. Aviso de Chegada Processos Fechados Agentes de Navegação... 7

Índice. 12. Aviso de Chegada Processos Fechados Agentes de Navegação... 7 Índice 1. Resposta ao Pedido de Manobra... 4 2. Marcação de Manobra... 4 3. E-mail Pedido de Alvará de Saída... 4 4. Lista de Registos de Execução do Serviço de Fornecimento/Abastecimento... 4 5. Taxa

Leia mais

Exercícios de Excel com Programação em VBA. Luís Vieira Lobo

Exercícios de Excel com Programação em VBA. Luís Vieira Lobo Exercícios de Excel com Programação em VBA Luís Vieira Lobo Enunciados 1) Considere o seguinte livro Excel constituído pelas folhas de cálculo Pauta e Exame (ver Fig. 1 e Fig. 2). Fig. 1 Folha de cálculo

Leia mais

Funcionamento Básico. Este documento é composto por 3 páginas principais que permitem a navegação entre elas:

Funcionamento Básico. Este documento é composto por 3 páginas principais que permitem a navegação entre elas: Guia do Utilizador O Guia do Utilizador procura auxiliá-lo na sua navegação pelo documento. Existe um conjunto de link s que permite aceder, de forma rápida, às páginas em consulta e regressar às páginas

Leia mais

CDNM Web Centro de Despacho de Navios e Mercadorias. CDNM Web GESTÃO PORTUÁRIA

CDNM Web Centro de Despacho de Navios e Mercadorias. CDNM Web GESTÃO PORTUÁRIA CDNM Web Centro de Despacho de Navios e Mercadorias CDNM Web GESTÃO PORTUÁRIA PÁGINA 2 DE 18 CDNM Centro de Despacho de Navios e Mercadorias 2 18 PÁGINA 3 DE 18 CDNM Centro de Despacho de Navios e Mercadorias

Leia mais

Projeto Testes Intermédios (TI) 2013/2014. Manual de utilização da Extranet TI. Diretores e Gestores de Projeto

Projeto Testes Intermédios (TI) 2013/2014. Manual de utilização da Extranet TI. Diretores e Gestores de Projeto Projeto Testes Intermédios (TI) 2013/2014 Manual de utilização da Extranet TI Diretores e Gestores de Projeto 17 de outubro de 2013 1 Leia com muita atenção este manual. A sua leitura é imprescindível

Leia mais

Registar data notificação e data limite apresentação documentos (7) Celebrar contrato Recepcionar documentos de habilitação Executar contrato

Registar data notificação e data limite apresentação documentos (7) Celebrar contrato Recepcionar documentos de habilitação Executar contrato Check list A check list depende essencialmente de três componentes, são eles o tipo de aquisição (bens móveis, serviços ou empreitadas), o tipo de procedimento (ajuste directo ou consulta a várias entidades)

Leia mais

PROCEDIMENTO Comunicação com os Utentes Versão: 02 Fevereiro 2013

PROCEDIMENTO Comunicação com os Utentes Versão: 02 Fevereiro 2013 1. OBJECTIVO Uniformizar as formas de comunicação com os utentes e manter atualizada a informação disponibilizada. 2. ÂMBITO Este procedimento aplica se a todos os sectores da USF, desde o momento em que

Leia mais

Manual de Autoavaliação

Manual de Autoavaliação Índice 1 Objetivo... 3 2 Pré-requisitos e acesso ao sistema... 3 2.1 Pré-requisitos... 3 2.2 Acesso ao sistema... 3 3 Primeiro Passo da Autoavaliação verificar se o avaliador já registou data de aceitação...

Leia mais

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO

PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS APOIO REMOTO À EXECUÇÃO DA CONTABILIDADE POC-EDUCAÇÃO PROPOSTA DE FORNECIMENTO DE SERVIÇOS (DESIGNAÇÃO DA ESCOLA) dia de mês de ano SNN SERVIÇOS DE GESTÃO APLICADA, LDA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS... 3 METODOLOGIA E CRONOGRAMA... 5 Metodologia...

Leia mais

P L A N O D E A C Ç Ã O

P L A N O D E A C Ç Ã O A d m i n i s t r a ç ã o R e g i o n a l d e S a ú d e d o N o r t e, I. P. A C E S E n t r e D o u r o e Vo u g a I I A v e i r o N o r t e P L A N O D E A C Ç Ã O 2 0 1 6-2 0 1 8 Aprovado em Conselho

Leia mais

Normalização de Entidades

Normalização de Entidades Normalização de Entidades A ferramenta de normalização de entidades é composta por 3 módulos. O primeiro tem por objectivo efectuar uma pesquisa de forma a encontrar entidades que de alguma forma possam

Leia mais

2º TERMO ADITIVO AO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

2º TERMO ADITIVO AO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 2º TERMO ADITIVO AO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Processo Seletivo de Candidatos aos Cursos de Graduação do - Unilavras Ingresso - 1º semestre de 2017 A Reitora do Unilavras, Profª Dra. Christiane Amaral

Leia mais

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9

Classificação_Estatística_Internacional_de_Doenças,_Traumatismos_e_Causas_de_Morte,_9ª_Revisão,_1975_(CID-9 Tabela de conteúdo 1 Definição 2 Objectivo 3 Estrutura 4 Implementação 5 Publicações 6 Notas 7 Ver também 8 Data da criação desta página e data da última modificação significativa Definição 9ª revisão

Leia mais

Orientações Clínicas para profissionais de saúde. Evolução da taxa de cesarianas em Portugal

Orientações Clínicas para profissionais de saúde. Evolução da taxa de cesarianas em Portugal Orientações Clínicas para profissionais de saúde Evolução da taxa de cesarianas em Portugal Lisa Ferreira Vicente Divisão de Saúde Sexual, Reprodutiva, Infantil e Juvenil Direção-Geral da Saúde Reduzir

Leia mais

Governação dos laboratórios: papel da regulação

Governação dos laboratórios: papel da regulação Governação dos laboratórios: papel da regulação César Carneiro Director do Departamento de Estudos e Regulação Económica Lisboa, 20 de Maio de 2016 Agenda 1. A Entidade Reguladora da Saúde 2. As actividades

Leia mais

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 VOLEIBOL REGULAMENTO

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 VOLEIBOL REGULAMENTO JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 VOLEIBOL REGULAMENTO 1. Organização A organização da competição de Voleibol nos Jogos do Futuro da Região de Setúbal 2016 é da responsabilidade da, em colaboração

Leia mais

Execute e controle de uma forma eficaz toda a gestão da sua oficina.

Execute e controle de uma forma eficaz toda a gestão da sua oficina. SOLUAUTO BENEFÍCIOS Muito fácil de utilizar; Solução embebida no PHC; Múltiplas funcionalidades orientadas para oficinas; Controlo on-line da actividades dos funcionários. CARACERÍSTICAS Folhas de Obra

Leia mais

Roteiro Pedagógico. Roteiro Pedagógico Curso de Formação Associado ao Estágio Profissional. Curso de Formação associado ao Estágio Profissional

Roteiro Pedagógico. Roteiro Pedagógico Curso de Formação Associado ao Estágio Profissional. Curso de Formação associado ao Estágio Profissional Roteiro Pedagógico Curso de Formação associado ao Estágio Profissional Página 1 de 19 Mês Módulo 0 - Apresentação do Curso Sessão Presencial Situação Profissional Módulo I - Situação Profissional da Psicologia

Leia mais

Biblioteca do Conhecimento Online b-on

Biblioteca do Conhecimento Online b-on Biblioteca do Conhecimento Online b-on Agenda Histórico da b-on Motivação Visão, missão e objectivos Estrutura administrativa Conteúdos Portal b-on Pesquisa rápida Metapesquisa Recursos Periódicos Área

Leia mais

FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR

FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR FUNCIONALIDADES DA ABA CEP NA PLATBR Versão 1.1 Histórico de Versão Versão Autor Data Descrição Equipe suporte Criação do 1.0 Plataforma Brasil 14/09/2012 Documento 1.1 Equipe suporte Plataforma Brasil

Leia mais

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave Frederico Vitório Lopes Barroso Morbidade Materna Grave Nos últimos anos, as mulheres que sobrevivem a complicações graves da gestação, near miss,

Leia mais

REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES ELETRÓNICOS DE IDENTIFICAÇÃO

REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES ELETRÓNICOS DE IDENTIFICAÇÃO REGULAMENTO DA UTILIZAÇÃO DOS CARTÕES ELETRÓNICOS DE IDENTIFICAÇÃO Artigo 1º Âmbito e função 1. O Cartão Eletrónico de Identificação tem por função identificar todos os utentes: alunos; pessoal docente

Leia mais

CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS

CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS CAMPEONATOS REGIONAIS DE EQUIPAS 2015-2016 Pressupostos básicos - Poderão participar nestes Campeonatos todos os atletas filiados na ATMM, independentemente do seu escalão. - Para poder participar num

Leia mais

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO

CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO UN. SAÚDE FAMILIAR E UN. CUIDADOS DE SAÚDE PERSONALIZADOS CÁLCULO DE INDICADORES DE DESEMPENHO CRITÉRIOS A OBSERVAR NA SUA IMPLEMENTAÇÃO 3 de Setembro de 2009 Conteúdo Enquadramento... 1 Processo de cálculo

Leia mais

Lúcia Rolim Santana de Freitas, Leila Posenato Garcia, Ana Cláudia Sant Anna, Luís Carlos Garcia de Magalhães, Adriana Pacheco Aurea.

Lúcia Rolim Santana de Freitas, Leila Posenato Garcia, Ana Cláudia Sant Anna, Luís Carlos Garcia de Magalhães, Adriana Pacheco Aurea. Condições de vida das famílias brasileiras e gastos com medicamentos: estudo das desigualdades a partir das Pesquisas de Orçamentos Familiares 2002-2003 e 2008-2009 Eixo: Financiamento dos Sistemas de

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA PARA A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

REGULAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA PARA A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MONDIM DE BASTO REGULAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA PARA A ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR I Objeto e Âmbito O presente documento define e regula o funcionamento do Sistema de Gestão

Leia mais

QUALIFICAÇÃO/AVALIAÇÃO FORNECEDORES/PRODUTOS

QUALIFICAÇÃO/AVALIAÇÃO FORNECEDORES/PRODUTOS QUALIFICAÇÃO/AVALIAÇÃO FORNECEDORES/PRODUTOS Santin e Cavalcanti (2004) afirmam que não existe um procedimento óptimo para avaliar e qualificar os fornecedores e as empresas desenvolvem diferentes procedimentos

Leia mais

Alteração da taxa de IVA - PHC

Alteração da taxa de IVA - PHC Manual do Utilizador Alteração da taxa de IVA - PHC Data última versão: 16-12-2010 Data última versão Base de Dados: Data criação: 16-12-2010 Versão: 1.00 R. Dr. José Filipe Alvares, 31 8005-221 FARO Telf.

Leia mais

Integração RDPC-UÉ com o CV DeGóis

Integração RDPC-UÉ com o CV DeGóis Integração RDPC-UÉ com o CV DeGóis Com a actualização do Repositório Digital de Publicações Científicas (RDPC) para a versão 1.6.2 da plataforma Dspace foi agora possível fazer a sua integração com a plataforma

Leia mais

GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento. Manual de Utilizador Front-Office

GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento. Manual de Utilizador Front-Office GAM Gestão de Acessibilidade ao Medicamento Manual de Utilizador Front-Office Aviso de Propriedade e Confidencialidade Este documento é propriedade do INFARMED, I.P., e toda a informação nele incluído

Leia mais

ETAPAS DA MIGRAÇÃO SITUAÇÃO DO ALUNO 2015

ETAPAS DA MIGRAÇÃO SITUAÇÃO DO ALUNO 2015 ETAPAS DA MIGRAÇÃO SITUAÇÃO DO ALUNO 2015 1ª ETAPA EXPORTAÇÃO PARA A MIGRAÇÃO A exportação de dados da Situação do Aluno visa exclusivamente a obtenção do Código de Identificação Única (ID) do aluno, do

Leia mais

Estágio Clínico do 6º Ano, 2016/2017. I. Caracterização Geral

Estágio Clínico do 6º Ano, 2016/2017. I. Caracterização Geral Estágio Clínico do 6º Ano, 2016/2017 I. Caracterização Geral 1. O Estágio Clínico do 6º Ano tem a duração de 36 semanas e decorre em Hospitais e Centros de Saúde associados ao ensino clínico, nas seguintes

Leia mais

QUANTOS ADOECEM E MORREM?

QUANTOS ADOECEM E MORREM? QUANTOS ADOECEM E MORREM? Medidas de frequência de doenças Razão, proporções, índice. Indicadores epidemiológicos de morbidade: Conceitos e exemplos de incidência e prevalência. O Enfoque epidemiológico

Leia mais

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Inscrições

RECENSEAMENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006 POPULAÇÃO ESCOLAR - Inscrições «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei 6/89, de 15 de Abril) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9746, válido até 31/12/2006» RECENSEAENTO ESCOLAR ANUAL 2005/2006

Leia mais

Investigação em serviços de saúde

Investigação em serviços de saúde Ministério da Saúde Cuidados de Saúde Primários Portugal Coordenação Estratégica Investigação em serviços de saúde Cuidados de saúde primários 2011-2015 Índice Tópicos Pág. Nota inicial.... 02 Prioridades

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Consentimento livre e esclarecido em Diagnóstico Pré-Natal Circular Normativa N.º 16/DSMIA Data: 05/12/2001 Para: A todos os estabelecimentos de saúde

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN

PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DO PAPIC- EINSTEIN Nº 02/2016 A Comissão Científica do

Leia mais

Processador de Texto (Word)

Processador de Texto (Word) Processador de Texto (Word) DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h30 às 13h00 e das 14h30 às 18h00

Leia mais

Viver com Saúde vantagens e benefícios

Viver com Saúde vantagens e benefícios ÍNDICE 1. Seja bem-vindo! 2. Planos de Saúde MEDICARE 3. Plano de Saúde MEDICARE Platinium 4. Plano de Saúde MEDICARE Sénior 5. Características dos Planos de Saúde MEDICARE 6. Rede Médica MEDICARE 7. Como

Leia mais

Semana 40 a 45 de 2016 (3 de outubro a 13 de novembro de 2016)

Semana 40 a 45 de 2016 (3 de outubro a 13 de novembro de 2016) Região de Saúde do Norte Gripe sazonal - Vigilância epidemiológica e vacinação Semana 40 a 45 de 2016 (3 de outubro a 13 de novembro de 2016) 1. Nota metodológica Este é o primeiro relatório com dados

Leia mais

Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM

Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM 1 2 Sistema de Gestão Integrado do Circuito do Medicamento - SGICM O SGICM como parte integrante do circuito do medicamento apresenta como vantagens:

Leia mais

1º TERMO ADITIVO AO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

1º TERMO ADITIVO AO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO 1º TERMO ADITIVO AO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Processo Seletivo de Candidatos aos Cursos de Graduação do Unilavras Ingresso 2º semestre de 2016 A Reitora do Unilavras, Profª Dra. Christiane Amaral Lunkes

Leia mais

Documentos Técnicos Duração: 60 minutos. 1ª Parte - Análise da Qualificação de Soldadores

Documentos Técnicos Duração: 60 minutos. 1ª Parte - Análise da Qualificação de Soldadores Documentos Técnicos Duração: 60 minutos Introdução Na prova prática de documentos técnicos, o aluno deve verificar se a qualificação dos soldadores, designados a soldar uma determinada junta, atende às

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO PROVA 715/C/11 Págs. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias Duração da prova: 120

Leia mais

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006.

ISS Eletrônico. Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE. Extensão do Arquivo JUNHO2006. ISS Eletrônico Formato de Arquivos para Transmissão de Documentos Declarados através do aplicativo OFFLINE Caro contribuinte. A transmissão de arquivos é uma facilidade fornecida pelo sistema de ISS Eletrônico

Leia mais

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções

A actividade fiscalizadora do agente de execução. 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A actividade fiscalizadora do agente de execução 1ª Conferência Internacional Promover a Eficácia das Execuções A Fiscalização através de meios informáticos A Fiscalização através de meios informáticos

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONCURSO VENDA DE IMÓVEIS

GUIA PRÁTICO CONCURSO VENDA DE IMÓVEIS GUIA PRÁTICO CONCURSO VENDA DE IMÓVEIS INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Concurso Venda de Imóveis PROPRIEDADE

Leia mais

Sistema GP Gestão de Pombos

Sistema GP Gestão de Pombos Sistema GP Gestão de Pombos ADENDA AO MANUAL COM ALTERAÇÕES DA VERSÃO 16.01 DO SISTEMA GPC Versão para 2016 (01-2016) EMAIL: GERAL@SISTEMAGP.COM SITE: WWW.SISTEMAGP.COM Um produto POMOR Software de Gestão,

Leia mais

Partilha de Recursos. Através da Plataforma DropBox

Partilha de Recursos. Através da Plataforma DropBox Partilha de Recursos Através da Plataforma DropBox Autor: Fernando Rui Campos Licenciamento: Attribution-Noncommercial-No Derivative Works 2.5 Portugal Versão 1.0 9 Janeiro 2011 Página 1 de 10 Introdução

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis

Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica (SINAVE) Desmaterialização da notificação obrigatória de doenças transmissíveis Cátia Sousa Pinto 2014 1 SINAVE Institui um sistema de vigilância em saúde

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA

REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA REGULAMENTO ESPECÍFICO ESGRIMA Índice Introdução 3 Capítulo I Regulamentação Geral 4 1. Condições Gerais de Participação 4 2. Escalões Etários 4 Capítulo II Participação / Organização 4 3. Formas de Competição

Leia mais

B.I Documento. Âmbito. Passo-a-passo. SiGES Objetivo. Resultado. Âmbito: Novas regras de faturação 2013 Emissão de ficheiro SAF-T PT

B.I Documento. Âmbito. Passo-a-passo. SiGES Objetivo. Resultado. Âmbito: Novas regras de faturação 2013 Emissão de ficheiro SAF-T PT B.I Documento Módulo: CXA Âmbito: Novas regras de faturação 2013 Emissão de ficheiro SAF-T PT Processamento: Módulos Afectados: CXA Keywords: CXA;Fatura Última Alteração: 11.2.9-13 16-01-2013. Âmbito Objetivo

Leia mais

GIAE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR MANUAL DE UTILIZADOR

GIAE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR MANUAL DE UTILIZADOR Página1 GIAE GESTÃO INTEGRADA DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR MANUAL DE UTILIZADOR 1. O que é o GIAE Online? O GIAE Online é uma aplicação instalada num servidor do Agrupamento. Serve para os Alunos, Encarregados

Leia mais

Manual de Utilização. Atualização Versão 3.6. Este documento tem como objetivo explicar o funcionamento das novidades que compõem a versão 3.6.

Manual de Utilização. Atualização Versão 3.6. Este documento tem como objetivo explicar o funcionamento das novidades que compõem a versão 3.6. Manual de Utilização Atualização Versão 3.6 Este documento tem como objetivo explicar o funcionamento das novidades que compõem a versão 3.6. SUMÁRIO Pré-Requisitos... 2 Telas... 6 Cadastro de Funcionário...

Leia mais

Manual do Utilizador do Connection Manager

Manual do Utilizador do Connection Manager Manual do Utilizador do Connection Manager Edição 1.0 2 Índice Sobre a aplicação Gestor de ligações 3 Actualizar a aplicação Gestor de ligações 9 Resolução de problemas de ligação 10 Como começar 3 Abrir

Leia mais

SECUNDÁRIA DE CAMARATE Área de informação para encarregados de educação e alunos

SECUNDÁRIA DE CAMARATE Área de informação para encarregados de educação e alunos SECUNDÁRIA DE CAMARATE DIGIT@L Área de informação para encarregados de educação e alunos Escola Secundária de Camarate Equipa PTE Conteúdo Introdução... 2 Como aceder... 2 Informações disponíveis... 3

Leia mais

Formulários VIII Vista de estrutura

Formulários VIII Vista de estrutura Formulários VIII Vista de estrutura Permite personalizar o conjunto de controlos de um formulário Cabeçalho, Detalhe e Rodapé do formulário Controlos dependentes: reflectem directamente o conteúdo do registo

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2011

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2011 ACES FEIRA ENTRE DOURO E VOUGA I / FEIRA- AROUCA ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE, IP. RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2011 UNIDADE DE SAÚDE FAMILIAR FAMÍLIAS Índice 1. Introdução 4 2. Actividade Geral

Leia mais

INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS

INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS RELATÓRIO FINAL DA ANÁLISE DOS DADOS DEZEMBRO 2010 Índice Índice... 2 1. Sumário... 3 2.

Leia mais