I Simpósio Luso-Alemão sobre a qualificação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I Simpósio Luso-Alemão sobre a qualificação"

Transcrição

1 I Simpósio Luso-Alemão sobre a qualificação profissional em Portugal: Oportunidades e desafios SANA Lisboa Hotel A Educação e o Sistema Nacional de Qualificações Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho Diretivo da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro 2014

2 Sistema Nacional de Qualificações: O princípio Em Portugal, o Sistema Nacional de Qualificações (SNQ) teve o seu início com a Resolução do Conselho de Ministros n.º 173/2007, de 7 de novembro, que, para além de aprovar o projeto de decreto-lei que o institui: aprova a Reforma da Formação Profissional; aprova o projeto de decreto-lei que estabelece os princípios do Sistema de Regulação de Acesso a Profissões (SRAP).

3 A Reforma da Formação Profissional Coloca a qualificação no centro das opções de desenvolvimento do país; Define linhas estratégicas para a qualificação dos recursos humanos; Estabelece uma agenda de reforma para a formação profissional.

4 A agenda de reforma para a formação profissional pretendeu: Levar a cabo a Iniciativa Novas Oportunidades; Responder aos objetivos e preocupações expressos no acordo tripartido de 2006, impondo alterações profundas na área da formação profissional; Garantir que toda a formação assegura uma progressão escolar e profissional; Aumentar a relevância desta formação para a modernização empresarial; mediante uma reforma centrada em 5 linhas fundamentais.

5 As 5 linhas fundamentais da agenda de reforma para a formação profissional 1 - Estruturar uma oferta relevante e certificada Criação do Catálogo Nacional de Qualificações; Aplicação do princípio da dupla certificação; Expansão e consolidação do dispositivo de Reconhecimento e Validação de Competências.

6 As 5 linhas fundamentais da agenda de reforma para a formação profissional (continuação) 2 - Reformar as instituições e a regulação da formação Reforma do então Sistema Nacional de Certificação Profissional, criando a separação entre a certificação da formação e reconhecimento de adquiridos (Sistema Nacional de Qualificações - SNQ) e a regulação de acesso às profissões regulamentadas (Sistema de Regulação de Acesso a Profissões SRAP); Clarifica e reforça o papel da Agência Nacional para a Qualificação (ANQ), organismo que antecedeu à ANQEP.

7 As 5 linhas fundamentais da agenda de reforma para a formação profissional (continuação) 3 - Definir prioridades e modelos de financiamento adequados 4 - Promover a qualidade da formação 5 - Facilitar o acesso e promover a procura de formação

8 Regime Jurídico do Sistema Nacional de Qualificações (SNQ) decretolei n.º 396/2007, de 31 de dezembro Define as estruturas que asseguram o seu funcionamento: ANQ (que antecedeu à ANQEP); O Conselho Nacional da Formação Profissional e os Conselhos Setoriais para a Qualificação; Os Centros Novas Oportunidades (que antecederam aos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional); Os estabelecimentos de ensino básico e secundário; Os centros de formação e de reabilitação profissional de gestão direta e protocolares; Outras entidades com estruturas formativas certificadas; Empresas que promovam a formação dos seus trabalhadores ou outras entidades que concorram para o mesmo fim; As instituições de ensino superior.

9 Cria os seguintes instrumentos: O Quadro Nacional de Qualificações, tendo em conta os níveis do Quadro Europeu de Qualificações; O Catálogo Nacional de Qualificações; A Caderneta Individual de Competências.

10 O Quadro Nacional de Qualificações Em vigor, em Portugal, desde 1 de outubro de 2010, estrutura-se em 8 níveis de qualificação, cada um definido por um conjunto de indicadores que especificam os resultados de aprendizagem correspondentes às qualificações nesse nível, em termos de conhecimentos, aptidões e atitudes.

11 O Quadro Nacional de Qualificações (continuação) Cada nível é definido por um conjunto de indicadores que deverão especificar os resultados de aprendizagem correspondentes às qualificações desse mesmo nível. É um instrumento de referência único que permite classificar todas as qualificações produzidas no sistema educativo e formativo nacional independentemente das vias de acesso (formal, não formal e informal).

12 O Catálogo Nacional de Qualificações É um instrumento de gestão estratégica das qualificações de nível não superior integradas no Sistema Nacional de Qualificações. Para cada qualificação apresenta: Perfil Profissional Missão Atividades Competências Referencial de Formação Formação de Base/ Sociocultural e Científica Formação Tecnológica Referencial de RVCC Escolar Profissional

13 O Catálogo Nacional de Qualificações (continuação) Todas as qualificações encontram-se estruturadas em Unidades de Formação de Curta Duração (UFCD) que podem ser mobilizadas para a aquisição de uma qualificação que responda, de forma mais adequada, às necessidade de qualificação das entidades empregadoras. Todas as UFCD são capitalizáveis, possibilitando a sua certificação autónoma, a gestão de ritmos individualizados de formação e uma maior flexibilidade na construção e percursos de qualificação à medida.

14 O Catálogo Nacional de Qualificações (continuação) Este instrumento é atualizado através da atuação dos Conselhos Setoriais para a Qualificação e de um Modelo Aberto de Consulta. Atualmente existem 16 CSQ: - Agroalimentar; - Artesanato e Ourivesaria; - Comércio e Marketing; - Construção Civil e Urbanismo; - Cultura, Património e Produção de Conteúdos; - Energia e Ambiente; - Indústrias Químicas, Cerâmicas, Vidro e Outras; - Informática, Eletrónica e Telecomunicações; - Madeira, Mobiliário e Cortiça; - Metalurgia e Metalomecânica; - Moda; - Serviços às Empresas - Serviços Pessoais; - Saúde e Serviços a Comunidade; - Transportes e Logística; - Turismo e Lazer.

15 A Caderneta Individual de Competências Regista todas as competências que o seu titular adquiriu ou desenvolveu ao longo da vida, referenciadas ao CNQ, das correspondentes ações de formação que lhes deram origem, bem como das restantes ações de formação concluídas que não se reportem a referenciais incluídos neste Catálogo. O registo destas competências é efetuado pelas entidades formadoras ou pelos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP), através do Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa (SIGO). É disponibilizada em formato eletrónico, num site criado especificamente para o efeito, ao qual podem aceder os indivíduos (mediante autenticação eletrónica), bem como as entidades formadoras e os CQEP.

16 Os Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional CQEP Ao terem adquirido a valência de informação, orientação e encaminhamento de jovens e adultos para soluções de qualificação ou para o reconhecimento de competências (Portaria n.º 135-A/2013, de 28 de março), os CQEP assumem um papel preponderante na operacionalização e funcionamento do Sistema Nacional de Qualificações. Funcionam em rede (redes locais para a qualificação), estabelecendo parcerias a nível local, entre escolas, centros de formação, centros de emprego, associações, municípios, autarquias, empresas, etc.

17 Os Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional CQEP (continuação) Ocupam assim uma posição privilegiada na transição dos jovens da escola para o mercado de trabalho e na definição de trajetórias de qualificação, numa perspetiva de aprendizagem ao longo da vida. São portanto entidades que interligam todas as estruturas que integram o SNQ português. 17

18 Apostar na qualificação é projetar o futuro! Obrigado!

O Catálogo Nacional de Qualificações

O Catálogo Nacional de Qualificações Divisão de Gestão do Catálogo Nacional de Qualificações Vanina Marcelino 27-10-2016 Agenda 1. Dinâmica do Catálogo Nacional de Qualificações (CNQ) 2. Organização do CNQ e cobertura 3. Vias de obtenção

Leia mais

A resposta do Sistema Nacional de Qualificações na área da segurança e saúde

A resposta do Sistema Nacional de Qualificações na área da segurança e saúde A resposta do Sistema Nacional de Qualificações na área da segurança e saúde Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho Diretivo da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 9 de maio

Leia mais

O Sistema Nacional de Qualificações e respetivos instrumentos

O Sistema Nacional de Qualificações e respetivos instrumentos O Sistema Nacional de Qualificações e respetivos instrumentos Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP Sandra Lameira 25 de março de 2014 Sistema Nacional de Qualificações Objetivos

Leia mais

Conferência Nacional. Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos. Revisão por Pares": uma proposta inovadora?

Conferência Nacional. Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos. Revisão por Pares: uma proposta inovadora? Conferência Nacional Qualidade ao Serviço da Educação de Adultos Revisão por Pares": uma proposta inovadora? Maria João Alves CECOA 4 de maio 2017 Programa Qualifica Enquadramento Valorização da educação

Leia mais

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social BASES PARA UM ACORDO DE REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social BASES PARA UM ACORDO DE REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL BASES PARA UM ACORDO DE REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Considerando os Parceiros Sociais e o Governo que: A aposta estratégica na qualificação da população Portuguesa enquanto instrumento crítico para

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DIREÇÃO REGIONAL DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL DIVISÃO DE ENCAMINHAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS O que são? Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional Os CQEP são estruturas do Sistema Nacional

Leia mais

SIGO. SIGO é o Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa

SIGO. SIGO é o Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa SIGO SIGO é o Sistema de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa PLATAFORMA SIGO 1 SIGO O que é o SIGO e o que permite fazer? 2 Caderneta de Competências Consulta de Certificados e Diplomas

Leia mais

SIGO. Sistema Integrado de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa. Fórum Estatístico 2016 Lisboa, 13 de setembro de 2016

SIGO. Sistema Integrado de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa. Fórum Estatístico 2016 Lisboa, 13 de setembro de 2016 Sistema Integrado de Informação e Gestão da Oferta Educativa e Formativa Fórum Estatístico 2016 Lisboa, 13 de setembro de 2016 sigo@dgeec.mec.pt Paula Ferreira 1 Em Dezembro de 2005 foi constituído um

Leia mais

Desafios e oportunidades dos sistemas de educação e formação profissional

Desafios e oportunidades dos sistemas de educação e formação profissional Desafios e oportunidades dos sistemas de educação e formação profissional Gonçalo Xufre Silva Presidente do Conselho Diretivo da Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional Valença, 13

Leia mais

EFA CURSO DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE ADULTOS

EFA CURSO DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE ADULTOS EFA CURSO DE EDUCAÇÃO FORMAÇÃO DE ADULTOS Os Cursos de Educação e de Adultos (Cursos EFA) são uma oferta de educação e formação para adultos que pretendam elevar as suas qualificações. Estes cursos desenvolvem-se

Leia mais

Iniciativa Novas Oportunidades. Julho de Av. 24 de Julho, nº Lisboa Telf.: Fax:

Iniciativa Novas Oportunidades. Julho de Av. 24 de Julho, nº Lisboa Telf.: Fax: Iniciativa Novas Oportunidades Julho de 2010 1 Índice A. Iniciativa Novas Oportunidades...3 B. A rede nacional de Centros Novas Oportunidades...4 C. Protocolos de cooperação no âmbito da Iniciativa Novas

Leia mais

Diploma. Estabelece o regime jurídico do Sistema Nacional de Qualificações e define as estruturas que regulam o seu funcionamento

Diploma. Estabelece o regime jurídico do Sistema Nacional de Qualificações e define as estruturas que regulam o seu funcionamento Diploma Estabelece o regime jurídico do Sistema Nacional de Qualificações e define as estruturas que regulam o seu funcionamento Portugal realizou nas últimas décadas um significativo esforço de qualificação

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação

INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES. Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INICIATIVA NOVAS OPORTUNIDADES Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Ministério da Educação INDICE 1. OBJECTIVO 2. PORQUÊ A INICIATIVA? 3. PARA OS JOVENS: UMA OPORTUNIDADE NOVA 4. PARA OS ADULTOS:

Leia mais

A sua aprendizagem poderá ser reconhecida como conhecimento... Será um ponto de partida e não um ponto de chegada!

A sua aprendizagem poderá ser reconhecida como conhecimento... Será um ponto de partida e não um ponto de chegada! A sua aprendizagem poderá ser reconhecida como conhecimento... Será um ponto de partida e não um ponto de chegada! Iniciativa Novas Oportunidades Objectivos: Elevar o nível de qualificação da população

Leia mais

Seminário. Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo de funcionamento?

Seminário. Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo de funcionamento? Seminário A Indústria e o Sistema de Educação e Formação: contributos para a Estratégia Europa 2020 22 de março de 2013 Centros Para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Orientação que modelo

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I EIXOS PRIORITÁRIOS II ARRANQUE DO PROGRAMA III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL DE SEMPRE 8,8 mil M 8,8 Mil

Leia mais

Porto, 15 de Julho de 2016

Porto, 15 de Julho de 2016 Porto, 15 de Julho de 2016 Elevar o nível de qualificação da população adulta balanço 2007-2013 A intervenção do QREN com vista à qualificação de adultos consubstanciou-se num investimento sem precedentes

Leia mais

Separata BTE. N.º 6 9 novembro 2016

Separata BTE. N.º 6 9 novembro 2016 Separata BTE Propriedade Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social N.º 6 9 novembro 2016 Edição Gabinete de Estratégia e Planeamento Direção de Serviços de Apoio Técnico e Documentação PROJETO

Leia mais

Designação do Curso: Técnica Auxiliar de Ação Educativa

Designação do Curso: Técnica Auxiliar de Ação Educativa Designação do Curso: Área de Formação: 761 Serviços de Apoio a Crianças e Jovens Carga Horária: 100 horas presenciais + 160 horas estágio em contexto real de trabalho (facultativo) Descrição do curso:

Leia mais

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012

O POTENCIAL HUMANO PARA de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 28 de NOVEMBRO 2012 O POTENCIAL HUMANO PARA 2013 ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA O FUTURO - CAPITAL HUMANO PARA O CRESCIMENTO E O EMPREGO CONTRIBUTO DO POPH (ANOS 2013 E 2014)

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO SISTEMA NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES

REGIME JURÍDICO DO SISTEMA NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES DL n.º 396/2007, de 31 de Dezembro (versão actualizada) REGIME JURÍDICO DO SISTEMA NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES [ Nº de artigos:26 ] SUMÁRIO Estabelece o regime jurídico do Sistema Nacional de Qualificações

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO

CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO An 2-A Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo ACC 2 N.º /2009 1. DESIGNAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 31/08/2016 PO PO Concurso para apresentação de candidaturas - Melhorar o acesso aos serviços sociais (Açores) Melhorar o acesso aos serviços sociais Melhoria das infraestruturas de saúde Adaptação

Leia mais

Cursos Profissionais - Nível 4. - Técnico de Múltimédia. - Técnico de Comunicação. O que são?

Cursos Profissionais - Nível 4. - Técnico de Múltimédia. - Técnico de Comunicação. O que são? Cursos Profissionais - Nível 4 - Técnico de Múltimédia - Técnico de Comunicação O que são? Um dos percursos do nível secundário de educação, caracterizado por uma forte ligação com o mundo. pr Tendo em

Leia mais

SOLUÇÕES DE FORMAÇÃO PARA ENTIDADES EMPREGADORAS FORMAR PARA DESENVOLVER

SOLUÇÕES DE FORMAÇÃO PARA ENTIDADES EMPREGADORAS FORMAR PARA DESENVOLVER SOLUÇÕES DE FORMAÇÃO PARA ENTIDADES EMPREGADORAS FORMAR PARA DESENVOLVER A CONSULTUA - ENSINO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL coloca ao dispor das empresas/entidades empregadoras, um produto profissional de formação

Leia mais

Vias de conclusão do ensino secundário Decreto-Lei nº 357/2007

Vias de conclusão do ensino secundário Decreto-Lei nº 357/2007 Vias de conclusão do ensino secundário Decreto-Lei nº 357/2007 Objectivo? A quem se destina? Vias de Conclusão do Nível Secundário de Educação Que entidades? Como se operacionaliza? Objectivo Criar uma

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO 1 OBJECTIVOS Os cursos profissionais são uma modalidade de ensino que pretende desenvolver competências pessoais e profissionais específicas para o exercício de uma profissão a partir de uma preparação

Leia mais

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES

Escola Secundária 3EB Dr. Jorge Correia Tavira Direcção Regional de Educação do Algarve CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES Regulamento Artigo 1º Definição O Centro Novas Oportunidades é uma estrutura que tem como missão proporcionar a todos os adultos uma oportunidade de qualificação e de certificação, de nível básico ou secundário,

Leia mais

Formação e certificação de formadores Flexibilidade, diversidade e qualidade. Elsa Caramujo IEFP, I.P.

Formação e certificação de formadores Flexibilidade, diversidade e qualidade. Elsa Caramujo IEFP, I.P. Formação e certificação de formadores Flexibilidade, diversidade e qualidade Elsa Caramujo IEFP, I.P. Quadro de Regulação em Portugal Portaria nº 214/2011, de 30 de maio Estabelece o regime de formação

Leia mais

CHEQUE-FORMAÇÃO OBJECTIVOS:

CHEQUE-FORMAÇÃO OBJECTIVOS: CHEQUE-FORMAÇÃO OBJECTIVOS: O Cheque-Formação visa reforçar a qualidade e a celeridade das medidas ativas de emprego, em particular no que respeita à qualificação profissional, procurando, nomeadamente:

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento Documento de Apoio: Desagregação das medidas e das tipologias de atividades Desagregação das medidas e das tipologias de atividades ESTRATÉGIA NACIONAL

Leia mais

Para chegar a propostas concretas de encaminhamento, deverá percorrer o seguinte itinerário:

Para chegar a propostas concretas de encaminhamento, deverá percorrer o seguinte itinerário: Ficha 10 PERFIS-TIPO 7 para ENCAMINHAMENTO PREFERENCIAL O presente documento é um instrumento de apoio à etapa de Encaminhamento e tem como objectivo facilitar a tomada de decisão do/a Técnico/a de Diagnóstico

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Oferta Educativa

Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Oferta Educativa Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães Oferta Educativa Agarra o futuro vem até à Fernão, a escolha é tua. Ensino Secundário Diurno _ Cursos Científico Humanísticos Ciências e Tecnologias Matemática

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO SIMULAÇÃO EMPRESARIAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO SIMULAÇÃO EMPRESARIAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO SIMULAÇÃO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO A unidade curricular de Simulação Empresarial ministrada no Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO 2010 Previsional

PLANO DE FORMAÇÃO 2010 Previsional Profissional de Instituto do Emprego e Profissional, I.P. SISTEMA DE FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA APRENDIZAGEM Jovens com idades inferiores a 25 anos SAÍDA CONDIÇÕES DE ACESSO COMÉRCIO VENDAS I TÉCNICO( DE

Leia mais

Almada. o teu futuro passa por aqui. Oferta Formativa. a iniciar Ano Lectivo 2009/2010. Suplemento do Boletim Municipal Nº 149 Maio 2009

Almada. o teu futuro passa por aqui. Oferta Formativa. a iniciar Ano Lectivo 2009/2010. Suplemento do Boletim Municipal Nº 149 Maio 2009 Suplemento do Boletim Municipal Nº 149 Maio 2009 Oferta Formativa a iniciar Ano Lectivo 2009/2010 Almada o teu futuro passa por aqui Almada o teu futuro passa por aqui Almada Escolas Para a Vida Pelo terceiro

Leia mais

ASSSSUNTTO Cria Agência Nacional para a gestão das 2ªs fases dos programas de acção comunitária: Leonardo da Vinci e Socrates

ASSSSUNTTO Cria Agência Nacional para a gestão das 2ªs fases dos programas de acção comunitária: Leonardo da Vinci e Socrates DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : PPrrooggrraamaass EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério do Emprego e da Segurança Social ASSSSUNTTO Aprova o regime de apoio técnico e financeiro a programas de reabilitação

Leia mais

Proposta de Revisão do Programa

Proposta de Revisão do Programa Proposta de Revisão do 31 Dezembro 2010 Identificação Objectivos: Convergência e Competitividade e do Emprego PROGRAMA OPERACIONAL Período de programação: 2007-2013 Número do programa (CCI): 2007PT05UPO001

Leia mais

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania.

Promover condições de empregabilidade das pessoas com deficiências e incapacidades, visando a consagração do direito de exercício pleno da cidadania. Formação Profissional para Pessoas ou Grupos com Necessidades Especiais Práticas do Centro de Reabilitação Profissional da CERCIPENICHE Cooperativa de Educação e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de

Leia mais

TIM2. Até 30 de Novembro de 2013 (DL 79/2006)

TIM2. Até 30 de Novembro de 2013 (DL 79/2006) TIM2 Até 30 de Novembro de 2013 (DL 79/2006) 1. Candidatos COM curso de Eletromecânico de Refrigeração e Climatização, nível 2, e 2 anos de prática na instalação ou manutenção de equipamentos de AVAC.

Leia mais

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra

Orientação Escolar e Profissional. 9.º Ano e Agora. Serviço de Psicologia e Orientação. Psicóloga Eduarda Seabra Orientação Escolar e Profissional 9.º Ano e Agora Serviço de Psicologia e Orientação Psicóloga Eduarda Seabra Dossier Informação Escolar e Profissional Pág.1 1 Natureza dos Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

R E G I Ã O A U T Ó N O M A D A M A D E I R A GOVERNO REGIONAL. Portaria n.º /2016

R E G I Ã O A U T Ó N O M A D A M A D E I R A GOVERNO REGIONAL. Portaria n.º /2016 Portaria n.º /2016 No âmbito da Nova Estratégia Europeia para o emprego e crescimento, Europa 2020, constam várias iniciativas emblemáticas, das quais se destaca a Agenda para novas qualificações e novos

Leia mais

9º Ano E agora? PRINCIPAIS PERCURSOS POSSÍVEIS

9º Ano E agora? PRINCIPAIS PERCURSOS POSSÍVEIS 9º Ano E agora? PRINCIPAIS PERCURSOS POSSÍVEIS 9º Ano E agora? 1 - CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento de estudos Duração de 3 anos 10º, 11º e 12ºanos Sujeitos a 4 eames nacionais:

Leia mais

Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt

Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS. 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt Seminário: FORMAÇÃO DE FORMADORES NO ÂMBITO DO USO SUSTENTÁVEL DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS Santarém, Auditório da ESAS Joaquina Fonseca 1 de Abril de 2016 quina@dgadr.pt PAINEL I : REGULAMENTAÇÃO RELATIVA

Leia mais

Boas práticas. Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário

Boas práticas. Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário Jornadas de Formação Profissional Boas práticas Região Autónoma da Madeira Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário (Decreto lei nº 357/2007 de 29 de Outubro) Os melhores RUMOS para os Cidadãos

Leia mais

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS

ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS ANÚNCIO PARA PARTICIPAÇÃO NO LEVANTAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS PROCESSO DE MAPEAMENTO DAS INFRAESTRUTURAS TECNOLÓGICAS NACIONAIS 9 de agosto de 2016 Página 1 de 6 Índice

Leia mais

Rota do Guadiana Associação de Desenvolvimento Integrado. Apresentação Geral

Rota do Guadiana Associação de Desenvolvimento Integrado. Apresentação Geral Rota do Guadiana Associação de Desenvolvimento Integrado Apresentação Geral História e território Criada em 1992, a RG-ADI, assume-se como uma iniciativa de desenvolvimento, constituída com base em parcerias

Leia mais

Organização do Sistema Nacional de Educação e Formação Técnica Profissional de Cabo Verde

Organização do Sistema Nacional de Educação e Formação Técnica Profissional de Cabo Verde Organização do Sistema Nacional de Educação e Formação Técnica Profissional de Cabo Verde Ministério da Educação e Ensino Superior Ministério da Qualificação e Emprego 1 Ensino Ensino Superior Superior

Leia mais

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024

Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Desafios e Oportunidades para o Desenvolvimento da EPT no Brasil até 2024 Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação XXXIX edição da Reunião dos

Leia mais

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P. , ~.> ~.) I INSTITUTO NACIONAL -l.l.í!sj DE ADMINISTRAÇÃO. I-p. PROPOSTA DE MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A UNYLEYA - EDUCAÇÃO EFORMAÇÃO A DISTÂNCIA, SA E O INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO, I.P.

Leia mais

Sistema Educativo Português 2011/2012

Sistema Educativo Português 2011/2012 Sistema Educativo Português 011/01 Objectivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades e valores profissionais) Auto Conhecimento; Explorar o Mundo das Profissões; Explorar as oportunidades

Leia mais

Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO

Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO Cursos Técnicos Superiores Profissionais PARECER TÉCNICO Junho de 2014 Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP ÍNDICE GERAL Nota introdutória 3 Pág. 1. Identificação dos elementos

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

ESCOLA PORTUGUESA de MACAU RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO

ESCOLA PORTUGUESA de MACAU RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO ESCOLA PORTUGUESA de MACAU RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO ANO LETIVO 2014/2015 I Enquadramento legal 1.1. Enquadramento jurídico da Escola Portuguesa de Macau Despacho Conjunto ME/MNE n.º 79/1997, de 24 de

Leia mais

Oferta Formativa Ensino Secundário

Oferta Formativa Ensino Secundário Oferta Formativa 2012017 Ensino Secundário Que caminho seguir Cursos gerais Cursos profissionais INTERESSES APTIDÕES EMPREGABILIDDAE O teu futuro profissional começa agora Faz uma escolha ponderada e consciente

Leia mais

Medida Cheque-Formação

Medida Cheque-Formação Medida Cheque-Formação Sofia David CTCV Coimbra 15/10/2015 1 O CTCV como entidade Formadora: Desígnios Apoiar as empresas no Desenvolvimento de Projetos que conduzam ao desenvolvimento de competências

Leia mais

I (Comunicações) CONSELHO

I (Comunicações) CONSELHO I (Comunicações) CONSELHO Resolução do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre o reconhecimento do valor da aprendizagem não formal e informal no domínio

Leia mais

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS OFERTA FORMATIVA NÍVEL SECUNDÁRIO CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Os Cursos Científicos- Humanísticos destinam -se a jovens com o 9º ano de escolaridade ou equivalente que desejam prosseguir estudos 2 CURSO

Leia mais

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo

Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo DESDE 1990 O ISCET Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo é um estabelecimento de ensino superior politécnico, criado em 25 de

Leia mais

MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO

MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO MEDIDA ESTÁGIOS EMPREGO Entidades Promotoras: Entidades privadas, com ou sem fins lucrativos e Autarquias Locais. Destinatários: Jovens à procura de emprego, entre os 18 e os 30 anos, inscritos no IEFP

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA 1. Preâmbulo Face ao actual modelo de profissionalização e aos imperativos de modernização organizacional, técnica

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados,

Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados, É presente, hoje, a esta Assembleia, o diploma que adapta à Região Autónoma da Madeira,

Leia mais

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO

CENTRO DE INVESTIGAÇÃO DO CHL MAPA DE REVISÕES REGULAMENTO. Destinatários. Data Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Palavras-Chave: REGULAMENTO; INVESTIGAÇÃO Destinatários Todos Profissionais do CHL Elaboração Centro de Investigação do CHL Aprovação Conselho de Administração Assinatura (s) Responsável (eis) pela Aprovação

Leia mais

9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014

9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014 9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014 Percursos possíveis para o ensino secundário O Cursos científico-humanísticos Vocacionados para o prosseguimento

Leia mais

Quadro Europeu de Qualificações. um instrumento de transparência e de aprendizagem ao longo da vida

Quadro Europeu de Qualificações. um instrumento de transparência e de aprendizagem ao longo da vida Quadro Europeu de Qualificações um instrumento de transparência e de aprendizagem ao longo da vida Teresa Duarte Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP. 22 março de 2013 Quadro

Leia mais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais

Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais Plano de Atividades de 2015 do Centro de Relações Laborais A. ENQUADRAMENTO GERAL 1. O CRL foi criado, no seguimento de acordos de concertação social, para apoio técnico à negociação coletiva. É um organismo

Leia mais

Ensino Português no Estrangeiro (EPE) Aluno. Dados Pessoais. (Esta informação é necessária para posterior recuperação de password) Morada

Ensino Português no Estrangeiro (EPE) Aluno. Dados Pessoais. (Esta informação é necessária para posterior recuperação de password) Morada Inscrição para a frequência de cursos de Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário Aluno Dados Pessoais Nome completo*: Nacionalidade: Data de nascimento (dia/mês/ano): Local de nascimento: Doc.

Leia mais

1.Organização do Sistema Educativo-Formativo Português 3. 2.Modalidades de educação e formação para jovens 4

1.Organização do Sistema Educativo-Formativo Português 3. 2.Modalidades de educação e formação para jovens 4 Índice: 1.Organização do Sistema Educativo-Formativo Português 3 2.Modalidades de educação e formação para jovens 4 2.1. Cursos de Educação e Formação (CEF) 5 2.2. Cursos Profissionais 7 2.3. Sistemas

Leia mais

Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade

Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade Certificação de entidades formadoras Focus na qualidade Conferência Qualidade ao serviço da Educação de Adultos Revisão por Pares : uma proposta inovadora? Lisboa, 4 de Maio 2017 Sistema de Certificação

Leia mais

Formação Algarve PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE

Formação Algarve PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE PROGRAMA FORMAÇÃO ALGARVE Em que consiste Concessão de um apoio financeiro à renovação, à conversão de contratos de trabalho a termo ou à celebração de novos contratos de trabalho com ex-trabalhadores

Leia mais

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2014 Ministério da Educação e Ciência Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) MISSÃO: A qualificação de alto nível dos cidadãos, a produção e difusão do

Leia mais

CURSOS ARTISTICOS ESPECIALIZADOS

CURSOS ARTISTICOS ESPECIALIZADOS CURSOS ARTISTICOS ESPECIALIZADOS Telf: 234 340 220 * Fax: 234 343 272 * info@aesbernardo.pt * www.aesbernardo.pt Página 1 de 11 OBJETIVOS Os cursos artísticos especializados têm como objetivos proporcionar

Leia mais

ALV em PME Um guia de apoio CEPCEP, UCP Parceiro no projeto COPELLL

ALV em PME Um guia de apoio CEPCEP, UCP Parceiro no projeto COPELLL / ALV em PME Um guia de apoio CEPCEP, UCP Parceiro no projeto COPELLL Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação (comunicação) vincula exclusivamente o

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

(re) Construção de percursos formativos ao longo da vida: o caso dos Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA)

(re) Construção de percursos formativos ao longo da vida: o caso dos Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) (re) Construção de percursos formativos ao longo da vida: o caso dos Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) Lurdes Pratas Nico Ana Paula Romão Natália Galego Rui Gusmão Manuela Roque Susana Ramalho

Leia mais

Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação Rui Gato

Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação  Rui Gato Erasmus+ Agência Nacional Erasmus+ - Educação e Formação www.erasmusmais.pt Rui Gato Erasmus+ O Erasmus+ é o programa da UE nos domínios da educação, da formação, da juventude e do desporto para o período

Leia mais

Índice. Formações Modulares. Cursos do Ensino Secundário Recorrente Módulos Capitalizáveis. Centro Novas Oportunidades

Índice. Formações Modulares. Cursos do Ensino Secundário Recorrente Módulos Capitalizáveis. Centro Novas Oportunidades Índice Candidaturas Acesso a cursos EFA Entidades promotoras/ formadoras Diagnóstico e encaminhamento Avaliação Certificação e Protocolos Equipa pedagógica Habilitações dos docentes Língua estrangeira

Leia mais

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência?

VOCÊ SABE. O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? VOCÊ SABE O que faz o formador? Quais os requisitos de acesso à profissão de formador? O que é a habilitação própria para a docência? Setembro 2014 www.in-formacao.com.pt Formador/a O formador é o técnico

Leia mais

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o

ERASMUS+ OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO. E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o ERASMUS+ E d u c a ç ã o e F o r m a ç ã o OPÇÕES PARA O FUTURO DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO SEMINÁRIO DESAFIO PORTUGAL 2020 EDUCAÇÃO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO: IMPACTO NA ECONOMIA PORTUGUESA

Leia mais

Agrupamento de Escolas Júlio Dantas

Agrupamento de Escolas Júlio Dantas Agrupamento de Escolas Júlio Dantas Proposta de Oferta Formativa 2016/2017* Largo Prof Egas Moniz, Apartado 302 8601 904 Lagosl Telefone: 282 770 990 Email: info @ aejd.pt http://www.aejd.pt/ * A abertura

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2016 MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO

Volta de Apoio ao Emprego 2016 MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO Volta de Apoio ao Emprego 2016 MEDIDAS ATIVAS DE EMPREGO Centro de Emprego de Vila Nova de Famalicão 15 de Junho de 2016 Objetivo Contexto: - O que é o Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P.

Leia mais

Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional

Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional Formação Profissional O QUE DIZ A LEI Deveres do empregador no que respeita à Formação Profissional Contribuir para a elevação da produtividade e empregabilidade do trabalhador, nomeadamente proporcionando-lhe

Leia mais

Plano de formação do IEFP. 2007

Plano de formação do IEFP. 2007 APRENDIZAGEM Formação Inicial com Certificação Escolar e Profissional Estes cursos, com duração aproximada de 3 anos, desenvolvem-se em alternância, entre um Centro de Formação Profissional e uma empresa,

Leia mais

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo!

PORTUGAL Faça clique para editar o estilo apresentação. Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! apresentação PORTUGAL 2020 www.in-formacao.com.pt Não podemos prever o futuro mas podemos construí-lo! 03-02-2015 FAMALICÃO PORTO IN.03.03.00 1 INTRODUÇÃO O PORTUGAL 2020 é o Acordo de Parceria adotado

Leia mais

SESSÃO SOLENE DE ABERTURA DO ANO LETIVO 2015/2016

SESSÃO SOLENE DE ABERTURA DO ANO LETIVO 2015/2016 No passado dia 29 de outubro, pelas 10 horas, nas instalações do IPTrans em Loures teve lugar a Sessão Solene de Abertura do Ano Letivo. Num momento marcado por uma forte mudança institucional, com a participação,

Leia mais

Lisboa, 25 de novembro de 2011

Lisboa, 25 de novembro de 2011 Lisboa, 25 de novembro de 2011 A reabilitação urbana constitui um fator essencial no desenvolvimento do setor do turismo, enquanto elemento integrante da nossa oferta turística A regeneração urbana estabelece

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

DECRETO N.º 238/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 238/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 238/XII Estabelece o regime de acesso e de exercício da profissão de auditor de segurança rodoviária, de emissão dos respetivos títulos profissionais e de acesso e exercício da atividade de

Leia mais

Professores do Ensino Profissional

Professores do Ensino Profissional Professores do Ensino Profissional Regime jurídico - Decreto-Lei 4/98 de 8 de Janeiro Art 2 1 As escolas profissionais são, salvo o disposto no número seguinte, estabelecimentos privados de ensino. Art.

Leia mais

ESPAÇO CAPITAL HUMANO

ESPAÇO CAPITAL HUMANO ESPAÇO CAPITAL HUMANO PROGRAMAÇÃO 14 a 17 de abril POCH 1 www.poch.portugal2020.pt Espaço Capital Humano B1 ILHA 1 Sucesso Escolar B2 4 B3 Ilha 4 Qualidade e Inovação B4 B5 B6 Espaço Interativo B7 B8 Ilha

Leia mais

A Educação para os Media em Portugal

A Educação para os Media em Portugal A Educação para os Media em Portugal Experiências, Actores e Contextos Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Novembro de 2009 1. Enquadramento Teórico A Educação para os Media é hoje uma área-chave

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização

Quadro de Avaliação e Responsabilização ANO: Ministério da Educação e Ciência Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P. MISSÃO: A FCT tem por missão apoiar, financiar e avaliar o Sistema Nacional de Investigação e Inovação, desenvolver a cooperação

Leia mais

Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil

Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil Políticas Públicas para Educação Profissional e Tecnológica (EPT) no Brasil Marcelo Machado Feres Secretário de Educação Profissional e Tecnológica SETEC Ministério da Educação São Paulo, 01 de setembro

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO (APROVADOS EM CP 2014/2015)1 1.º Introdução A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos

Leia mais

5º Painel Formação e a sua evolução: A formar há cinco décadas, para onde vai a formação em Portugal

5º Painel Formação e a sua evolução: A formar há cinco décadas, para onde vai a formação em Portugal Publicação apoiada pelo projeto PEst-OE/EGE/UI4056/2014 UDI/IPG, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, pelo qual agradecemos. 5º Painel Formação e a sua evolução: A formar há cinco décadas,

Leia mais

ORIENTAÇÃO VOCACIONAL. Alunos do 8º e 9º ano Formandos do CEF

ORIENTAÇÃO VOCACIONAL. Alunos do 8º e 9º ano Formandos do CEF ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Alunos do 8º e 9º ano Formandos do CEF 1 O QUE QUERO SER? Projeto de vida Projeto profissional - Que profissão pretendo vir a ter? - Tenho condições para fazer o percurso escolar

Leia mais

Escola Secundária de Forte da Casa

Escola Secundária de Forte da Casa Escola Secundária de Forte da Casa Que Profissão? Que Futuro? AEFC Oferta Formativa Disponível Cursos Científico-Humanísticos Vocacionados para o ensino superior Exames nacionais 12º ano (Ciências e Tecnologias;

Leia mais

ESCLARECIMENTOS - Avisos n.ºs POISE e POISE

ESCLARECIMENTOS - Avisos n.ºs POISE e POISE ESCLARECIMENTOS - Avisos n.ºs POISE-24-2016-04 e POISE-31-2016-05 - De acordo com os artigos 111.º e 115.º do Regulamento (UE) n.º 1303/2013, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de dezembro, conjugados

Leia mais

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho

Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho Regulamento da Formação em Contexto de Trabalho A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer Curso Profissional e é indispensável para a obtenção de um

Leia mais