PSICOLOGIA EDUCACIONAL I 2003/2004 PLANO DE TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PSICOLOGIA EDUCACIONAL I 2003/2004 PLANO DE TRABALHO"

Transcrição

1 PSICOLOGIA EDUCACIONAL I 2003/2004 PLANO DE TRABALHO Tema: Bioética: clonagem Grupo: Sofia de Almeida Correia Rego de Freitas Curso: Química Objectivo geral do trabalho: Com o presente trabalho pretende-se avaliar o impacto do tema no universo escolar. Métodos de investigação: Pesquisa bibliográfica Inquéritos Análise de dados Verificação de manuais escolares Inquéritos: Universo: alunos do ensino secundário Análise do grau de conhecimento de cada um dos temas Estudo da consciência moral perante os temas Análise comparativa entre uma escola citadina e uma escola periférica Bibliografia: Literatura referente aos temas ética/moral e clonagem.

2 FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Relatório do trabalho: BIOÉTICA: CLONAGEM Realizado por: Sofia de Almeida Correia Rêgo de Freitas Disciplina de Psicologia Educacional I

3 Tema: Bioética: Clonagem Objectivo: Com este trabalho pretendeu-se avaliar o impacto deste tema tão controverso, no universo escolar de alunos com idades compreendidas entre os 15 e os 18 anos a frequentar o 10º, 11º e 12º ano de escolaridade. Introdução: Hoje em dia, nenhuma área de actividade e da nossa percepção do quotidiano pode considerar-se totalmente isolada da influência científica. Vivemos num mundo modelado pelos desenvolvimentos da ciência e da tecnologia, e esse mundo não se limita a tornar apenas mais fácil a vida de cada um, ou a prolongar as expectativas de duração dessa mesma vida. É um mundo que exige de todos nós uma responsabilidade no que se refere a estabelecer as leis de comportamento que vamos querer impôr a nós próprios, agora que as leis naturais já não bastam para regular o tipo de indivíduos que somos, nem a sociedade a que pertencemos. Esta responsabilidade não pode ser assumida sem que a comunidade esteja devidamente informada do que está a acontecer no domínio científico, e de quais são as implicações destes acontecimentos na sociedade. Clonar significa fazer cópia, artificialmente, de um ser vivo. A grande polémica surgiu aquando da primeira clonagem de mamíferos (Dolly) em laboratórios científicos e se concluiu que a clonagem de humanos não era uma meta inatingível. Este acontecimento suscitou uma série de dúvidas e questões éticas que hoje em dia tem dividido a comunidade científica, bem como toda a comunidade em geral. Sobre a clonagem humana, pode fazer-se uma apreciação ética de modo directo e sumário. O nosso imaginário remete-nos para a duplicação de seres humanos, em estilo franksteiniano ou nazista. Mas também, muito mais do que isso, temos consolidadas convicções sobre a dignidade do ser humano, a identidade única com que é vocacionado para a vida, para não conceder espaço ético à clonagem. Entretanto, para explorar analiticamente os diversos aspectos éticos emergentes neste assunto, é preciso analisar as possibilidades novas de produzir a vida e as razões e atractivos pelos quais algumas pessoas a defenderiam nos nossos dias.

4 Afinal, para quê clonar seres humanos? 1 Para aumentar as probabilidades de gravidez em pessoas submetidas à fertilização in vitro 2 Para permitir procedimentos de diagnóstico pré-implantório num dos embriões obtidos; 3 Para (o casal ou a pessoa) ter gémeos idênticos com intervalo de tempo; 4 Para permitir a um adulto ter um gémeo idêntico como o seu próprio filho/a; 5 Para se manter um embrião idêntico, como potencial substituto de uma criança que venha a morrer; 6 Para se manter um embrião idêntico a ser transferido e desenvolvido para quando um gémeo já nascido tiver necessidade de um órgão ou tecidos para transplante; 7 Para se manter um embrião idêntico como fonte potencial de tecido fetal, órgãos ou ovários; 8 Para produzir embriões a serem doados a outras pessoas.

5 Bibliografia: Clara Pinto Correia (1997)- Clonai e multiplicai-vos. Texto Editora Benjamin Lewin (1993) Genes V. Oxford University Press Pesquisa na internet

6 Para a análise deste tema na comunidade referida, foi utilizado o seguinte questionário: Inquérito Ano de escolaridade : 10º ano 11º ano 12º ano Idade: 1. Sabe o que é a clonagem? Sim Não Se respondeu Não,termina aqui o questionário. Se respondeu Sim, responda às restantes questões. 2. De entre as seguintes afirmações, escolha aquela que define clonagem: Método laboratorial de criação de uma nova célula/ novo ser vivo, geneticamente igual ao seu progenitor. Trata-se de um método comumente utilizado na reprodução assistida para a infertilidade conjugal. Método laboratorial para se criar um ser vivo sem imperfeições. Técnica laboratorial para aumentar a quantidade de seres vivos no planeta. 3. Acha qua há informação suficiente sobre a clonagem? Sim Não 4. Qual a fonte de informação mais importante, que lhe possibilitou os conhecimentos que tem de clonagem? 5. É praticante ou crente de alguma religião? Sim Não. Se Sim, Acha que a clonagem contraria os valores morais pelos quais se rege essa religião? Sim Não 6. Acha que há benefícios futuros na prática corrente da clonagem? Sim Não 7. Acha que os possiveis benefícios da clonagem são superiores às questões éticas inerentes à mesma? Sim Não Muito obrigada!

7 Efectuaram este inquérito 100 alunos que se predispuseram a fazê-lo de livre vontade. Os resultados obtidos para as questões efectuadas estão representados nas tabelas seguintes: Questão 1: Sabe o que é a clonagem? Questão 1 Sim Não 100 pessoas Sabe o que é a clonagem? 67% 33% sim não Questão 2: De entre as seguintes afirmações, escolha aquela que define clonagem Questão 2 Método laboratorial de criação de uma nova célula/ novo ser vivo, geneticamente igual ao seu progenitor. Trata-se de um método comumente utilizado na reprodução assistida para a infertilidade conjugal Método laboratorial para se criar um ser vivo sem imperfeições Técnica laboratorial para aumentar a quantidade de seres vivos no planeta. 67 pessoas 16 pessoas 35 pessoas 13 pessoas 3 pessoas

8 De entre as seguintes afirmações, escolha aquela que para si, define clonagem: 20% 4% 24% Afirmação1 Afirmação 2 Afirmação 3 Afirmação 4 52% Questão 3: Acha qua há informação suficiente sobre a clonagem? Questão 3 Sim Não 67 pessoas 48 pessoas 19 pessoas Acha que há informação suficiente sobre a clonagem? 28% sim não 72%

9 Questão 4: Qual a fonte de informação mais importante, que lhe possibilitou os conhecimentos que tem de clonagem? Questão 4 Televisão Revistas Científicas Conversas Imprensa inespecífica 67 pessoas 47 pessoas 3 pessoas 10 pessoas 7 pessoas Qual a fonte de informação mais importante, que lhe possibilitou os conhecimentos que tem de clonagem? 10% 15% 5% 70% Televisão Revistas científicas Conversas Imprensa inespecífica

10 Questão 5: É praticante ou crente de alguma religião? Questão 5 Sim Não 67 pessoas 62 pessoas 5 pessoas É praticante ou crente de alguma religião? 7% sim não 93% Se Sim, Acha que a clonagem contraria os valores morais pelos quais se rege essa religião? Sim Não 62 pessoas 40 pessoas 22 pessoas Acha que a clonagem contraria os valores morais pelos quais se rege essa religião? 36% 64% sim não

11 Questão 6: Acha que há beneficios futuros na prática corrente da clonagem? Questão 6 Sim Não 67 pessoas 31 pessoas 36 pessoas Acha que há benefícios futuros na prática corrente da clonagem? 53% 47% sim não Questão 7: Acha que os possíveis benefícios da clonagem são superiores às questões éticas inerentes à mesma? Questão 7 Sim Não 67 pessoas 39 pessoas 28 pessoas Acha que os possíveis benefícios da clonagem são superiores às questões éticas inerentes à mesma? 58% 42% sim não

12 Conclusão: Pelo que se pode compreender através dos inquéritos, a maioria dos alunos no Ensino Secundário, embora admitam que sabem o que é a clonagem e que já ouviram falar, não a sabem definir. A maior parte destes alunos pensa que é um método comumente utilizado na reprodução assistida para a infertilidade conjugal. A grande maioria destes alunos acha que não há grande informação sobre a clonagem e a fonte de informação mais importante, que lhes permitiu o conhecimento que têm, foi a televisão. Também se pode concluir que, embora a maioria dos alunos seja crente ou praticante de alguma religião, o número de alunos que acham que os possíveis benefícios da clonagem são superiores às questões éticas inerentes à mesma é muito idêntico ao número de alunos que acham que estes possíveis benefícios não são superiores às questões éticas. Desta forma pode-se concluir que este tema ainda não é suficientemente compreendido pela maioria das pessoas, pelo facto de suscitar muitas dúvidas e pôr problemas de vária ordem: social, ética e científica.

13 Auto-Avaliação: O plano de trabalho foi praticamente cumprido, à excepção da análise comparativa entre uma escola citadina e uma escola periférica. A razão de não ter efectuado esta análise, prende-se com o facto de ter tido dificuldades em implementar o inquérito em escolas da periferia, em parte devido à escassez de tempo em pedir autorizações aos Estabelecimentos de Ensino bem como aos Encarregados de Educação dos alunos. De resto penso que o trabalho está de acordo com o plano de trabalho: o inquérito está preciso, tem em conta o nível de conhecimento, mentalidade e contexto cultural da população-alvo. As questões são concisas e têm uma sequência lógica. Trabalhei com empenho em todo o trabalho, especialmente na elaboração do inquérito e na recolha e tratamento de dados.

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES

CAPÍTULO VI- CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES CAPITULO VI CONCLUSÕES, LIMITAÇÕES E RECOMENDAÇÕES Neste capítulo iremos apresentar as conclusões do presente estudo, tendo também em conta os resultados e a respectiva discussão, descritas no capítulo

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI EXTRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI EXTRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI ETRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos Imbé 2008 2 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI ETRATERRESTRES:

Leia mais

STC 7 FUNDAMENTOS (Clonagem)

STC 7 FUNDAMENTOS (Clonagem) STC 7 FUNDAMENTOS (Clonagem) Curso EFA NS Técnicas Administrativas Formadores: Dra. Irina Lopes / Dr. Nuno Duarte Formanda: Carmen Aguiar Airosa 15/10/2009 O que é a clonagem É a produção de indivíduos

Leia mais

1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família

1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família INDICE pp. INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO I - A TRANSIÇÃO PARA A PATERNIDADE 1. A parentalidade 1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família 10 10 14 1.2 O desejo de paternidade

Leia mais

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química MESTRADO EM ENSINO DA FÍSICA E DA QUÍMICA Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química 28-29 De acordo com ponto 4, alínea l) do artigo 4º, do regulamento geral de

Leia mais

Como é constituído o nosso corpo?

Como é constituído o nosso corpo? Clonagem Clonagem O que é a informação genética? Onde se localiza a informação genética? O que é a clonagem? A primeira clonagem. Vantagens e desvantagens da clonagem. A clonagem Humana. Como é constituído

Leia mais

Plano. para a Implementação Vertical. Ensino Experimental das Ciências

Plano. para a Implementação Vertical. Ensino Experimental das Ciências Plano para a Implementação Vertical Ensino Experimental das Ciências Panoias - Braga 2010/2011 ÍNDICE 1-INDRODUÇÃO--------------------------------------------------------------------------------- 3 2-OBJECTIVOS

Leia mais

I Inquérito Nacional sobre Asma INASma

I Inquérito Nacional sobre Asma INASma I Inquérito Nacional sobre Asma INASma Sumário do Inquérito Nacional de Controlo da Asma Direcção Geral de Saúde Dezembro 2010 I Inquérito Nacional sobre Asma Direcção geral de saúde / Comissão de Acompanhamento

Leia mais

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO Entre: *** com sede na..., pessoa colectiva nº..., matriculada na Conservatória do Registo Comercial de... sob o nº..., com o capital social de Euros..., de ora em diante

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

Perceções e atitudes dos estudantes e docentes sobre o plágio. Madalena Ramos

Perceções e atitudes dos estudantes e docentes sobre o plágio. Madalena Ramos Perceções e atitudes dos estudantes e docentes sobre o plágio Madalena Ramos 14-15 de julho 2016 Enquadramento Plano de Atividades 2015/16 do Conselho Pedagógico Eixos estratégicos do Conselho Pedagógico

Leia mais

...9º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher.

...9º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher. ...9º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher. http://aecc.ccems.pt/index.php/spo spo@aecoelhocastro.pt http://www.facebook.com/spo.fiaes Atualizado em 28.10.2016 9º ano

Leia mais

Prova º Ano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Prova º Ano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) INFORMAÇÃO-PROVA BIOLOGIA 2016 Prova 302 12º Ano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento visa divulgar as características da Prova de Equivalência à Frequência, do

Leia mais

9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014

9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014 9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014 Percursos possíveis para o ensino secundário O Cursos científico-humanísticos Vocacionados para o prosseguimento

Leia mais

Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar!

Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar! ANEXO I UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade Ciências da Saúde Licenciatura em Medicina Dentária Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar! Pesquisador: Rafael Cardoso de Andrade

Leia mais

Projeto de Lei nº 131/XII. (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente)

Projeto de Lei nº 131/XII. (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente) Projeto de Lei nº 131/XII (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente) Procede à segunda alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho, que regula a utilização

Leia mais

Condições Zootécnicas e Genealógicas

Condições Zootécnicas e Genealógicas Condições Zootécnicas e Genealógicas Legislação Consolidada Data de actualização: 24/01/2011 Texto consolidado produzido pelo sistema CONSLEG do serviço das publicações oficiais das comunidades Europeias.

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa

Critérios de Avaliação do Ensino Básico - 2º Ciclo. Língua Portuguesa Critérios de Avaliação do Ensino Básico - º Ciclo Língua Portuguesa DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS PONDERAÇÃO NA CLASSIFICAÇÃO TIPOLOGIA DOS INSTRUMENTOS DE FINAL AVALIAÇÃO POR PERÍODO Teste(s) de compreensão oral

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

Unidade Vértebro-Medular CHLC HSJ. Enf.ª Elisabete Dias Enf.º Paulo Salvado

Unidade Vértebro-Medular CHLC HSJ. Enf.ª Elisabete Dias Enf.º Paulo Salvado Unidade Vértebro-Medular CHLC HSJ Enf.ª Elisabete Dias Enf.º Paulo Salvado Tópicos Dar a conhecer a génese do projeto; Mostrar o percurso efetuado ; Apresentar os resultados e as conclusões obtidas; Apresentar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO

MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO MÉTODOS DE INVESTIGAÇÃO MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO A palavra método é derivada do grego Méthodos, que significa caminho para se chegar a um fim. Assim, entende-se por método, a ordem em que se devem dispor

Leia mais

...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Científico Humanístico.

...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Científico Humanístico. ...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Científico Humanístico. http://aecc.ccems.pt/index.php/spo spo@aecoelhocastro.pt http://www.facebook.com/spo.fiaes Atualizado em 29.01.2015

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO PROVA 602/C/12 Págs. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) Curso Geral Programa novo implementado em 2005 / 2006 Duração da prova: 120 minutos

Leia mais

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011 Relatório Final de Actividade Ano Lectivo 2010/2011 A) DESENVOLVIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNAÇÃO: (+)APOIAR_PAT RESPONSÁVEIS: MARTHA FERNANDES E LICÍNIO PEREIRA LOCAL: ESCOLA EB 2,3 DIOGO CÃO DINAMIZADORES:

Leia mais

93/CNECV/2017 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

93/CNECV/2017 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA 93/CNECV/2017 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 32/XII (2.ª) GOV, RELATIVA AO REGIME JURÍDICO DE QUALIDADE E SEGURANÇA DOS TECIDOS E CÉLULAS

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Ciências 8 o ano Unidade 3 5 Unidade 3 Nome: Data: 1. As bactérias não têm núcleo nem DNA. Você concorda com essa afirmação? Justifique. 2. Uma mulher de 40 anos de idade está

Leia mais

Produção de projeto de pesquisa na Blossom Educação em Terapia Floral

Produção de projeto de pesquisa na Blossom Educação em Terapia Floral Produção de projeto de pesquisa na Blossom Educação em Terapia Floral Dra. Léia Salles Coordenadora de pesquisa leia.salles@blossomedu.com.br As etapas de uma pesquisa são: Planejamento, execução, divulgação

Leia mais

PEDIDO DE COLABORAÇÃO

PEDIDO DE COLABORAÇÃO PEDIDO DE COLABORAÇÃO Lisboa, de Março de 2013 Exmo. Sr. Diretor No âmbito da tese de Mestrado em Psicologia da Educação, que está a ser realizada na Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa,

Leia mais

O Desenvolvimento da Genética. (na resolução de problemas da sociedade)

O Desenvolvimento da Genética. (na resolução de problemas da sociedade) HEREDITARIEDADE O Desenvolvimento da Genética (na resolução de problemas da sociedade) A Produção de Alimentos } Manipulação de seres vivos em laboratório, alterando o seu genomapara melhorar uma ou maias

Leia mais

Apresentação de Resultados CAF

Apresentação de Resultados CAF Apresentação de Resultados CAF Sumário Introdução Ponto de situação do projeto Fases do Projeto Resultados CAF Modelo CAF Resultados da(s) Grelha(s) de Autoavaliação Resultados dos questionários Plano

Leia mais

VIVER MELHOR NA TERRA 1º PERÍODO. Apresentação. - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde.

VIVER MELHOR NA TERRA 1º PERÍODO. Apresentação. - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde. p.1/8 VIVER MELHOR NA TERRA 40 1º PERÍODO OBSERVAÇÃO: Apresentação SAÚDE INDIVIDUAL COMUNITÁRIA E - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde. - Conhecer

Leia mais

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010

REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 REDE SOCIAL DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 EIXO I Promoção da Inclusão das famílias com especial enfoque às necessidades dos idosos OBJECTIVO GERAL Melhorar as condições de vida de

Leia mais

A Eutanásia em Portugal

A Eutanásia em Portugal [Escrever texto] [Escrever texto] [Escrever texto] 16-9-2010 A Eutanásia em Portugal [Escrever texto] Página 1 Índice Introdução... 3 A Eutanásia na nossa sociedade... 4 Primeiro estudo feito em Portugal

Leia mais

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa

Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Colectiva. Crianças e Adolescentes. Variável. Nome da prova: Autor(es): Versão: Portuguesa Nome da prova: Autor(es): Versão: Tipo de aplicação: População: Tempo de aplicação: Objectivos: Materiais incluídos no jogo (kit) completo: Construir o Futuro (I, II, III e IV) Pinto et al. Portuguesa

Leia mais

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA 12º ANO PLANIFICAÇÃO OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT ESCOLA SECUNDÁRIA ALBERTO SAMPAIO 1 Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA

Leia mais

Centro Novas Oportunidades da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa

Centro Novas Oportunidades da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa Centro Novas Oportunidades da Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa Rua Saraiva de Carvalho, nº41, 1269-099 Lisboa Tel: 21 114 89 00 Fax: 21 849 31 30 QUESTIONÁRIO IV Avaliação de Impacto (após 6 meses

Leia mais

GENÉTICA E HEREDITARIEDADE

GENÉTICA E HEREDITARIEDADE GENÉTICA E HEREDITARIEDADE NOÇÕES BÁSICAS DE HEREDITARIEDADE Os indivíduos de uma determinada espécie apresentam diferenças entre si, apesar de serem muito semelhantes. O QUE É A HEREDITARIEDADE E A GENÉTICA?

Leia mais

Investigação sobre o currículo Síntese da discussão do grupo temático

Investigação sobre o currículo Síntese da discussão do grupo temático Grupo temático Investigação sobre o currículo Investigação sobre o currículo Síntese da discussão do grupo temático Cristina Loureiro Escola Superior de Educação de Lisboa Irene Segurado Escola B2,3 Rui

Leia mais

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola.

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. Ex.mo/a Senhores/as Este questionário faz parte dum estudo que pretendemos realizar no âmbito da conclusão da etapa de Licenciatura, do

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR, BIOLOGIA MOLECULAR E GENÉTICA:

BIOLOGIA CELULAR, BIOLOGIA MOLECULAR E GENÉTICA: PÓS-GRADUAÇÃO BIOLOGIA CELULAR, BIOLOGIA MOLECULAR E GENÉTICA: DESENVOLVIMENTOS CIENTÍFICOS RECENTES E NOVAS PERSPECTIVAS DE ENSINO DIRECÇÃO DO CURSO Joana ROBALO Professora Auxiliar, ISPA - Instituto

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo QUÍMICA TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM SITUAÇÕES E EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS AULAS TERRA

Leia mais

FIM DAS DOENÇAS E ESCOLHA GENÉTICA DOS FILHOS?

FIM DAS DOENÇAS E ESCOLHA GENÉTICA DOS FILHOS? FIM DAS DOENÇAS E ESCOLHA GENÉTICA DOS FILHOS? Makele Galio NASCIMENTO 1 Cláudio SANCHEZ 2 RESUMO: Os benefícios e malefícios da manipulação genética, o mapeamento do genoma humano e os riscos e benefícios

Leia mais

Ano lectivo: 2007/2008. Trabalho Elaborado por: João Costa André Franco

Ano lectivo: 2007/2008. Trabalho Elaborado por: João Costa André Franco Ano lectivo: 2007/2008 Trabalho Elaborado por: João Costa André Franco Neste trabalho falo sobre: A Empregabilidade de um Engenheiro Agrónomo. Falo sobre os seguintes temas: As Funções de um Engenheiro

Leia mais

D FI F NIÇÃ Ç O F N U ÇÕ Ç E Õ S Prof. Bento

D FI F NIÇÃ Ç O F N U ÇÕ Ç E Õ S Prof. Bento ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO ESCOLAR DEFINIÇÃO E FUNÇÕES DE TEORIA Prof. Bento QUESTÕES Pré-teste Doc. # 1 Indique se é Verdadeira ou Falsa a seguinte afirmação UMA TEORIA É UMA EXPLICAÇÃO LÓGICA OU ABSTRACTA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ANÁLISE DA QUALIDADE GERAL E ESPECÍFICA DOS SERVIÇOS E INFRAESTRUTURAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA Novembro de 2007 1 PB RESULTADO DO INQUÉRITO AOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2014/2015

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2014/2015 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2014/2015 Designação Introdução à Psicologia do Desenvolvimento Docente (s) (Indicar também qual o docente responsável pela U.C.) Sara Bahia (responsável pela UC) João Moreira

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Unidade Universitária: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Curso: Ciências Biológicas Disciplina: Bioética Professor(es):Paulo Fraga da Silva Carga horária: 1,5 horas Ementa: DRT: 109713.7 Código

Leia mais

Abortamento. Bioética e Deontologia Profissional. 4º Ano da Licenciatura em Medicina

Abortamento. Bioética e Deontologia Profissional. 4º Ano da Licenciatura em Medicina Abortamento Bioética e Deontologia Profissional 4º Ano da Licenciatura em Medicina 1 Abortamento Interrupção da gravidez, antes de atingida a viabilidade fetal. Nunes, 2000 O aborto é o resultado do abortamento.

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Aula 05 Marketing Internacional e Global objetivos, funções, gráficos. E-mail: frentzen@labmundo.org MARKETING INTERNACIONAL Processo que visa otimizar os recursos e focar os objetivos

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM,

Leia mais

Metodologia da Pesquisa Científico. Profa. Ms. Daniela Cartoni

Metodologia da Pesquisa Científico. Profa. Ms. Daniela Cartoni Metodologia da Pesquisa Científico Profa. Ms. Daniela Cartoni Metodologia da Pesquisa Científico Aula 2 Construção de um Projeto de Pesquisa Revisão da Aula 1 Conhecimento, ciência e paradigma - Tipos

Leia mais

Prova Escrita de Psicologia B

Prova Escrita de Psicologia B Informação - Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita de Psicologia B Prova 340 2015 12.º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho O presente documento

Leia mais

Como elaborar um relatório

Como elaborar um relatório Francisco Carrapiço, 2001 Biologia Celular Como elaborar um relatório 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência

Leia mais

AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS

AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS Dia Mundial da Criança 1 de Junho 30 de Maio de 2005 AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS O conteúdo do presente Destaque está alterado na página 2, relativamente ao divulgado em 30-05-2005.

Leia mais

Escola Secundária de Valongo

Escola Secundária de Valongo Escola Secundária de Valongo PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 7º ANO Ano lectivo 2010/2011 TERRA NO ESPAÇO 1º PERÍODO ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PROPOSTA DE PLANIFICAÇÃO ANO LECTIVO DE 2010/2011 CIÊNCIAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Língua Gestual Portuguesa sobre

Leia mais

Professor Carlos Eduardo Foganholo

Professor Carlos Eduardo Foganholo Professor Carlos Eduardo Foganholo A bioética é a ética aplicada a vida e, abrange temas que vão desde uma simples relação interpessoal até fatores que interferem na sobrevivência do próprio planeta. O

Leia mais

A acção da catalase como função da temperatura

A acção da catalase como função da temperatura A acção da catalase como função da temperatura Barroso, F. - Escola Secundária de Fernão Mendes Pinto Farinha, R. - Colégio Militar Sobreira, A. - Escola Básica 2,3/S Michel Giacometti INTRODUÇÃO A presente

Leia mais

Representações e atitudes dos lisboetas face à homossexualidade Programa de Ocupação Cientifica de Jovens nas Férias

Representações e atitudes dos lisboetas face à homossexualidade Programa de Ocupação Cientifica de Jovens nas Férias Representações e atitudes dos lisboetas face à homossexualidade Programa de Ocupação Cientifica de Jovens nas Férias Investigadores responsáveis: André Afonso Catarina Delgado Inês Tavares Helena Figueiredo

Leia mais

Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática

Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INFORMÁTICA Regulamento da Disciplina de Dissertação/Estágio Mestrado em Engenharia Informática Rev. 7, Aprovado

Leia mais

Componente Curricular: DEONTOLOGIA E BIOÉTICA EM ENFERMAGEM PLANO DE CURSO

Componente Curricular: DEONTOLOGIA E BIOÉTICA EM ENFERMAGEM PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: DEONTOLOGIA E BIOÉTICA EM ENFERMAGEM Código: ENF-203 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

M e t o d o l o g i a de I n v e s t i g a ç ã o I

M e t o d o l o g i a de I n v e s t i g a ç ã o I M e t o d o l o g i a de I n v e s t i g a ç ã o I estrado: Formação Pessoal e Social ocente: Professora Doutora Isabel Chagas rabalho realizado por: Álvaro Minhava; Cristina Pires; Lina Benedito; Rita

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA /18 DE OUTUBRO, 2011 INSTRUÇÃO BIBLIOGRÁFICA E ZOTERO I

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA /18 DE OUTUBRO, 2011 INSTRUÇÃO BIBLIOGRÁFICA E ZOTERO I RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO CURSO DE FORMAÇÃO AVANÇADA /18 DE OUTUBRO, 2011 INSTRUÇÃO BIBLIOGRÁFICA E ZOTERO I A organização de Sessões de Instrução Bibliográfica tem sido uma prática da Biblioteca Norte Sul

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A Ministério da Educação e Ciência Agrupamento de Escolas de Anadia Ano letivo de 2015-2016 I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A CICLO CÓDIGO - DISCIPLINA ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

SUMÁRIO. NOTA À 7. a EDIÇÃO 7

SUMÁRIO. NOTA À 7. a EDIÇÃO 7 SUMÁRIO NOTA À 7. a EDIÇÃO 7 1. CONCEITO DE ÉTICA 1 5 1.1 Introdução 15 1.2 Conceito de Ética 18 1.3 Moral absoluta ou relativa? 23 1.4 A classificação da Ética 26 1.4.1 A Ética empírica 27 1.4.1.1 A Ética

Leia mais

...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Profissional.

...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Profissional. ...9º ano, o ano antes da grande mudança! Optar por um Curso Profissional. http://aecc.ccems.pt/index.php/spo spo@aecoelhocastro.pt http://www.facebook.com/spo.fiaes Atualizado em 29.10.2016 Mundo do Trabalho

Leia mais

Inquérito por questionário Alunos

Inquérito por questionário Alunos Inquérito por questionário Alunos INSTRUÇÕES A seguir apresentamos-te um conjunto de perguntas sobre as tuas aulas. Não há respostas certas nem erradas, por isso pedimos-te que respondas com verdade. Obrigado

Leia mais

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf

UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar Braga Telf UNIVERSIDADE MINHO Escola de Psicologia Campus de Gualtar 70-07 Braga Telf..60. Questionário de Comportamentos Parentais no Desporto (QCPD) Versão para pais Rui Gomes (rgomes@psi.uminho.pt) 008 Referências

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ÉTICA

Leia mais

Escola Secundária com o 3º ciclo do Ensino Básico de Valpaços CONTRADITÓRIO

Escola Secundária com o 3º ciclo do Ensino Básico de Valpaços CONTRADITÓRIO CONTRADITÓRIO 1.RESULTADOS É excluído por omissão o que foi escrito no documento de apresentação, no que concerne ao Contexto e caracterização da Escola, e proferido em reunião do painel do Conselho Executivo,

Leia mais

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008

Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008 6. TEMA EM ANÁLISE Situação dos migrantes e seus descendentes directos no mercado de trabalho Módulo ad hoc do Inquérito ao Emprego de 2008 Graça Magalhães* Instituto Nacional de Estatística 1. Introdução

Leia mais

Gestão de Processos. Tópico 4. Ferramentas de Qualidade: PDCA

Gestão de Processos. Tópico 4. Ferramentas de Qualidade: PDCA Gestão de Processos Tópico 4 Ferramentas de Qualidade: PDCA Sumário 1. O que é o Ciclo PDCA... 3 2. Importância do Ciclo PDCA... 3 3. Etapas do Ciclo PDCA... 3 3.1 Planejar (PLAN)... 3 3.1.1 Qual é o problema/processo

Leia mais

Prof a Cristiane Oliveira

Prof a Cristiane Oliveira Prof a Cristiane Oliveira *TEMAS DE ESTUDO: *Aborto *Fertilização in vitro *Eugenia e determinismo genético *Pesquisa com células-tronco embrionárias *INDICAÇÃO DE FILME/DOCUMENTÁRIO: * Gattaca: a experiência

Leia mais

QUESTIONÁRIO 1º CICLO

QUESTIONÁRIO 1º CICLO QUESTIONÁRIO 1º CICLO Numeração do Questionário Caro(a) aluno(a) Venho convidar-te a participar num estudo sobre Gestão de tempo e Desempenho escolar no Ensino Básico. Peço-te por este motivo, que respondas

Leia mais

Objectivos da Sessão. Curso de Iniciação ao Marketing & Publicidade. Introdução à Publicidade 1

Objectivos da Sessão. Curso de Iniciação ao Marketing & Publicidade. Introdução à Publicidade 1 Objectivos da Sessão Compreender o Conceito de Publicidade Análise da mensagem Publicitária Conceito de mensagem publicitária Tipos de mensagem publicitária Curso de Iniciação ao Marketing & Publicidade

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES-RJ SOBRE CIÊNCIA E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA

A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES-RJ SOBRE CIÊNCIA E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA A PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE CAMPOS DOS GOYTACAZES-RJ SOBRE CIÊNCIA E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA Lis P. Rocha - lispeixotoroch@gmail.com Rodrigo G. da Costa - rgarrett@iff.edu.br Instituto

Leia mais

Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida

Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida Fatores relacionados a prevalência e exclusividade do Aleitamento Materno em Portugal nos primeiros 6 meses de vida Alarcão V, Ferreira I, Simões R, Fernandes M, Nicola P 17 de Outubro de 2012 Projeto

Leia mais

JORNADAS DE REFLEXÃO. 6 e 7 de Setembro 2012

JORNADAS DE REFLEXÃO. 6 e 7 de Setembro 2012 JORNADAS DE REFLEXÃO 6 e 7 de Setembro 2012 Formação Científica Sólida BOM POFESSOR Competências Pedagógicas Envolvimento e Sucesso dos Alunos CONCEITO DE ANDRAGOGIA PEDAGOGIA ANDRAGOGIA Educação de Adultos

Leia mais

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DISCIPLINA DE ANATOMIA E HISTOLOGIA Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida Carlos Plancha Instituto de Histologia e Biologia do Desenvolvimento

Leia mais

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015 Terra, um planeta com vida Sistema Terra: da célula à biodiversidade 1. Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o único planeta com vida conhecida no Sistema Solar 1.1. Identificar a posição

Leia mais

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática

Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Universidade Federal de Roraima Departamento de matemática Metodologia do Trabalho Científico O Método Cientifico: o positivismo, a fenomenologia, o estruturalismo e o materialismo dialético. Héctor José

Leia mais

1.ª Parte do Workshop "Planeamento e Avaliação de Projectos Sociais"

1.ª Parte do Workshop Planeamento e Avaliação de Projectos Sociais 1.ª Parte do Workshop "Planeamento e Avaliação de Projectos Sociais" O workshop decorreu no dia 11 de Abril de 2007 com horário compreendido entre as 10-13h e as 14-17h na sala de formação do Monte - ACE

Leia mais

Regulamento Ser Cientista

Regulamento Ser Cientista Regulamento Ser Cientista 1- Objetivos 1.1 - "Ser Cientista" é um programa que tem por objetivo proporcionar aos alunos do ensino secundário uma aproximação à realidade da investigação científica pela

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL

TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL TÉCNICAS INVASIVAS DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA FETAL Texto da responsabilidade do Centro de Diagnóstico Prénatal da Maternidade Dr. Alfredo da Costa. Última revisão: Janeiro 2003 AMNIOCENTESE E CORDOCENTESE

Leia mais

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA

PROGRAMA ANUAL DE CONTEÚDOS ENSINO FUNDAMENTAL II - 7ª SÉRIE PROFESSOR EDUARDO EMMERICK FILOSOFIA FILOSOFIA 1º VOLUME (separata) FILOSOFIA E A PERCEPÇÃO DO MUNDO Unidade 01 Apresentação O Começo do Pensamento - A coruja é o símbolo da filosofia. - A história do pensamento. O que é Filosofia - Etimologia

Leia mais

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático

Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Investigação sobre o conhecimento e a formação de professores Síntese da discussão do grupo temático Ana Maria Boavida Escola Superior de Educação de Setúbal Maria de Fátima Guimarães Escola Superior de

Leia mais

MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM

MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM MATERIAL DE FORMAÇÃO COM BASE NOS RESULTADOS DA APRENDIZAGEM Organizar o Programa Educativo SFA-Fomentar novas qualificações e novos métodos de ensino para favorecer o desenvolvimento do SISTEMA DE FORMAÇÃO

Leia mais

Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova º Ano de Escolaridade

Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova º Ano de Escolaridade ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOSÉ AFONSO Informação-Prova de PSICOLOGIA B Prova 340 2014 12º Ano de Escolaridade Objeto de avaliação A prova a que esta informação se refere incide nos conhecimentos e nas competências

Leia mais

Equipa de Avaliação Interna da Escola Secundária de Lousada

Equipa de Avaliação Interna da Escola Secundária de Lousada A equipa de avaliação interna preparou um questionário on-line para ser feito aos alunos e aos professores sobre a INDISCIPLINA na escola. O trabalho apresentado baseou-se no tratamento estatístico das

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - FACIBIS CURSO DE PSICOLOGIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO 2009.2 COORDENAÇÃO DO CURSO DE PSICOLOGIA BELO

Leia mais

Métodos de pesquisa quantitativa e qualitativa para Ciência da Computação

Métodos de pesquisa quantitativa e qualitativa para Ciência da Computação Métodos de pesquisa quantitativa e qualitativa para Ciência da Computação Jacques Wainer Gabriel de Barros Paranhos da Costa Gabriel Dias Cantareira Metodologia de pesquisa científica em Ciências da Computação

Leia mais

Anexo E. Pedido e Autorização da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) para realizar a investigação

Anexo E. Pedido e Autorização da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) para realizar a investigação Anexo E Pedido e Autorização da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) para realizar a investigação Identificação da Entidade / Interlocutor Nome da entidade: Karina Formiga Luís

Leia mais

Trabalho realizado por: Data: Ana Isabel Coutinho n.º 2 Ana Sofia Dias n.º 3 Filipa Daniela Pereira n.º 9 Joana Soares n.

Trabalho realizado por: Data: Ana Isabel Coutinho n.º 2 Ana Sofia Dias n.º 3 Filipa Daniela Pereira n.º 9 Joana Soares n. Trabalho realizado por: Ana Isabel Coutinho n.º 2 Ana Sofia Dias n.º 3 Filipa Daniela Pereira n.º 9 Joana Soares n.º 11 Ano: 10º Turma: A Data: 2000-05-19 Índice: - Tema: - Página: Inquérito Pág. 3 Introdução

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NA FASE DA ADOLESCÊNCIA ALEXANDRA SCHÜTZ

A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NA FASE DA ADOLESCÊNCIA ALEXANDRA SCHÜTZ 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE PSICOLOGIA A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NA FASE DA ADOLESCÊNCIA ALEXANDRA SCHÜTZ Itajaí, (SC) 2007 ALEXANDRA

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO DISCIPLINA DE BIOLOGIA 2º Teste de Avaliação (V1) 12ºano Turma A e B TEMA: Manipulação da Fertilidade e Património Genético Nome: Nº Classificação:, valores A professora:

Leia mais