PSICOLOGIA EDUCACIONAL I 2003/2004 PLANO DE TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PSICOLOGIA EDUCACIONAL I 2003/2004 PLANO DE TRABALHO"

Transcrição

1 PSICOLOGIA EDUCACIONAL I 2003/2004 PLANO DE TRABALHO Tema: Bioética: clonagem Grupo: Sofia de Almeida Correia Rego de Freitas Curso: Química Objectivo geral do trabalho: Com o presente trabalho pretende-se avaliar o impacto do tema no universo escolar. Métodos de investigação: Pesquisa bibliográfica Inquéritos Análise de dados Verificação de manuais escolares Inquéritos: Universo: alunos do ensino secundário Análise do grau de conhecimento de cada um dos temas Estudo da consciência moral perante os temas Análise comparativa entre uma escola citadina e uma escola periférica Bibliografia: Literatura referente aos temas ética/moral e clonagem.

2 FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Relatório do trabalho: BIOÉTICA: CLONAGEM Realizado por: Sofia de Almeida Correia Rêgo de Freitas Disciplina de Psicologia Educacional I

3 Tema: Bioética: Clonagem Objectivo: Com este trabalho pretendeu-se avaliar o impacto deste tema tão controverso, no universo escolar de alunos com idades compreendidas entre os 15 e os 18 anos a frequentar o 10º, 11º e 12º ano de escolaridade. Introdução: Hoje em dia, nenhuma área de actividade e da nossa percepção do quotidiano pode considerar-se totalmente isolada da influência científica. Vivemos num mundo modelado pelos desenvolvimentos da ciência e da tecnologia, e esse mundo não se limita a tornar apenas mais fácil a vida de cada um, ou a prolongar as expectativas de duração dessa mesma vida. É um mundo que exige de todos nós uma responsabilidade no que se refere a estabelecer as leis de comportamento que vamos querer impôr a nós próprios, agora que as leis naturais já não bastam para regular o tipo de indivíduos que somos, nem a sociedade a que pertencemos. Esta responsabilidade não pode ser assumida sem que a comunidade esteja devidamente informada do que está a acontecer no domínio científico, e de quais são as implicações destes acontecimentos na sociedade. Clonar significa fazer cópia, artificialmente, de um ser vivo. A grande polémica surgiu aquando da primeira clonagem de mamíferos (Dolly) em laboratórios científicos e se concluiu que a clonagem de humanos não era uma meta inatingível. Este acontecimento suscitou uma série de dúvidas e questões éticas que hoje em dia tem dividido a comunidade científica, bem como toda a comunidade em geral. Sobre a clonagem humana, pode fazer-se uma apreciação ética de modo directo e sumário. O nosso imaginário remete-nos para a duplicação de seres humanos, em estilo franksteiniano ou nazista. Mas também, muito mais do que isso, temos consolidadas convicções sobre a dignidade do ser humano, a identidade única com que é vocacionado para a vida, para não conceder espaço ético à clonagem. Entretanto, para explorar analiticamente os diversos aspectos éticos emergentes neste assunto, é preciso analisar as possibilidades novas de produzir a vida e as razões e atractivos pelos quais algumas pessoas a defenderiam nos nossos dias.

4 Afinal, para quê clonar seres humanos? 1 Para aumentar as probabilidades de gravidez em pessoas submetidas à fertilização in vitro 2 Para permitir procedimentos de diagnóstico pré-implantório num dos embriões obtidos; 3 Para (o casal ou a pessoa) ter gémeos idênticos com intervalo de tempo; 4 Para permitir a um adulto ter um gémeo idêntico como o seu próprio filho/a; 5 Para se manter um embrião idêntico, como potencial substituto de uma criança que venha a morrer; 6 Para se manter um embrião idêntico a ser transferido e desenvolvido para quando um gémeo já nascido tiver necessidade de um órgão ou tecidos para transplante; 7 Para se manter um embrião idêntico como fonte potencial de tecido fetal, órgãos ou ovários; 8 Para produzir embriões a serem doados a outras pessoas.

5 Bibliografia: Clara Pinto Correia (1997)- Clonai e multiplicai-vos. Texto Editora Benjamin Lewin (1993) Genes V. Oxford University Press Pesquisa na internet

6 Para a análise deste tema na comunidade referida, foi utilizado o seguinte questionário: Inquérito Ano de escolaridade : 10º ano 11º ano 12º ano Idade: 1. Sabe o que é a clonagem? Sim Não Se respondeu Não,termina aqui o questionário. Se respondeu Sim, responda às restantes questões. 2. De entre as seguintes afirmações, escolha aquela que define clonagem: Método laboratorial de criação de uma nova célula/ novo ser vivo, geneticamente igual ao seu progenitor. Trata-se de um método comumente utilizado na reprodução assistida para a infertilidade conjugal. Método laboratorial para se criar um ser vivo sem imperfeições. Técnica laboratorial para aumentar a quantidade de seres vivos no planeta. 3. Acha qua há informação suficiente sobre a clonagem? Sim Não 4. Qual a fonte de informação mais importante, que lhe possibilitou os conhecimentos que tem de clonagem? 5. É praticante ou crente de alguma religião? Sim Não. Se Sim, Acha que a clonagem contraria os valores morais pelos quais se rege essa religião? Sim Não 6. Acha que há benefícios futuros na prática corrente da clonagem? Sim Não 7. Acha que os possiveis benefícios da clonagem são superiores às questões éticas inerentes à mesma? Sim Não Muito obrigada!

7 Efectuaram este inquérito 100 alunos que se predispuseram a fazê-lo de livre vontade. Os resultados obtidos para as questões efectuadas estão representados nas tabelas seguintes: Questão 1: Sabe o que é a clonagem? Questão 1 Sim Não 100 pessoas Sabe o que é a clonagem? 67% 33% sim não Questão 2: De entre as seguintes afirmações, escolha aquela que define clonagem Questão 2 Método laboratorial de criação de uma nova célula/ novo ser vivo, geneticamente igual ao seu progenitor. Trata-se de um método comumente utilizado na reprodução assistida para a infertilidade conjugal Método laboratorial para se criar um ser vivo sem imperfeições Técnica laboratorial para aumentar a quantidade de seres vivos no planeta. 67 pessoas 16 pessoas 35 pessoas 13 pessoas 3 pessoas

8 De entre as seguintes afirmações, escolha aquela que para si, define clonagem: 20% 4% 24% Afirmação1 Afirmação 2 Afirmação 3 Afirmação 4 52% Questão 3: Acha qua há informação suficiente sobre a clonagem? Questão 3 Sim Não 67 pessoas 48 pessoas 19 pessoas Acha que há informação suficiente sobre a clonagem? 28% sim não 72%

9 Questão 4: Qual a fonte de informação mais importante, que lhe possibilitou os conhecimentos que tem de clonagem? Questão 4 Televisão Revistas Científicas Conversas Imprensa inespecífica 67 pessoas 47 pessoas 3 pessoas 10 pessoas 7 pessoas Qual a fonte de informação mais importante, que lhe possibilitou os conhecimentos que tem de clonagem? 10% 15% 5% 70% Televisão Revistas científicas Conversas Imprensa inespecífica

10 Questão 5: É praticante ou crente de alguma religião? Questão 5 Sim Não 67 pessoas 62 pessoas 5 pessoas É praticante ou crente de alguma religião? 7% sim não 93% Se Sim, Acha que a clonagem contraria os valores morais pelos quais se rege essa religião? Sim Não 62 pessoas 40 pessoas 22 pessoas Acha que a clonagem contraria os valores morais pelos quais se rege essa religião? 36% 64% sim não

11 Questão 6: Acha que há beneficios futuros na prática corrente da clonagem? Questão 6 Sim Não 67 pessoas 31 pessoas 36 pessoas Acha que há benefícios futuros na prática corrente da clonagem? 53% 47% sim não Questão 7: Acha que os possíveis benefícios da clonagem são superiores às questões éticas inerentes à mesma? Questão 7 Sim Não 67 pessoas 39 pessoas 28 pessoas Acha que os possíveis benefícios da clonagem são superiores às questões éticas inerentes à mesma? 58% 42% sim não

12 Conclusão: Pelo que se pode compreender através dos inquéritos, a maioria dos alunos no Ensino Secundário, embora admitam que sabem o que é a clonagem e que já ouviram falar, não a sabem definir. A maior parte destes alunos pensa que é um método comumente utilizado na reprodução assistida para a infertilidade conjugal. A grande maioria destes alunos acha que não há grande informação sobre a clonagem e a fonte de informação mais importante, que lhes permitiu o conhecimento que têm, foi a televisão. Também se pode concluir que, embora a maioria dos alunos seja crente ou praticante de alguma religião, o número de alunos que acham que os possíveis benefícios da clonagem são superiores às questões éticas inerentes à mesma é muito idêntico ao número de alunos que acham que estes possíveis benefícios não são superiores às questões éticas. Desta forma pode-se concluir que este tema ainda não é suficientemente compreendido pela maioria das pessoas, pelo facto de suscitar muitas dúvidas e pôr problemas de vária ordem: social, ética e científica.

13 Auto-Avaliação: O plano de trabalho foi praticamente cumprido, à excepção da análise comparativa entre uma escola citadina e uma escola periférica. A razão de não ter efectuado esta análise, prende-se com o facto de ter tido dificuldades em implementar o inquérito em escolas da periferia, em parte devido à escassez de tempo em pedir autorizações aos Estabelecimentos de Ensino bem como aos Encarregados de Educação dos alunos. De resto penso que o trabalho está de acordo com o plano de trabalho: o inquérito está preciso, tem em conta o nível de conhecimento, mentalidade e contexto cultural da população-alvo. As questões são concisas e têm uma sequência lógica. Trabalhei com empenho em todo o trabalho, especialmente na elaboração do inquérito e na recolha e tratamento de dados.

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química

Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química MESTRADO EM ENSINO DA FÍSICA E DA QUÍMICA Relatório Anual da Comissão Científica do Mestrado em Ensino da Física e da Química 28-29 De acordo com ponto 4, alínea l) do artigo 4º, do regulamento geral de

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014

9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014 9.º ano, o ano antes da grande mudança! O que ter em conta antes de escolher! Maio, 2014 Percursos possíveis para o ensino secundário O Cursos científico-humanísticos Vocacionados para o prosseguimento

Leia mais

Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar!

Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar! ANEXO I UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade Ciências da Saúde Licenciatura em Medicina Dentária Questionário: Saúde oral na gravidez: Conhecer para optimizar! Pesquisador: Rafael Cardoso de Andrade

Leia mais

Prova º Ano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Prova º Ano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) INFORMAÇÃO-PROVA BIOLOGIA 2016 Prova 302 12º Ano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento visa divulgar as características da Prova de Equivalência à Frequência, do

Leia mais

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO

PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO PROTOCOLO DE ESTÁGIO DE VERÃO Entre: *** com sede na..., pessoa colectiva nº..., matriculada na Conservatória do Registo Comercial de... sob o nº..., com o capital social de Euros..., de ora em diante

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI EXTRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos

ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI EXTRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI ETRATERRESTRES: VERDADE OU MITO? Orientadora: Pricila Rocha dos Santos Imbé 2008 2 ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO FUNDAMENTAL REINALDO VACCARI ETRATERRESTRES:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIZELA VIZELA Escola sede: ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS DE VIZELA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE SOCIOLOGIA Prova: 344 / 2015 12.º Ano de Escolaridade Formação

Leia mais

1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família

1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família INDICE pp. INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO I - A TRANSIÇÃO PARA A PATERNIDADE 1. A parentalidade 1.1 A paternidade como uma etapa de desenvolvimento para o homem no contexto da família 10 10 14 1.2 O desejo de paternidade

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate.

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS. Discussão / Debate. ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: Ciências Naturais Turma: A, B, C, D ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES/ ESTRATÉGIAS AULAS

Leia mais

Ciências Naturais 5º ano

Ciências Naturais 5º ano Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Escola E.B.,3 Dr. António Chora Barroso Ciências Naturais 5º ano Planificação a Longo Prazo 013/014 Planificação, finalidades e avaliação Grupo Disciplinar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NA FASE DA ADOLESCÊNCIA ALEXANDRA SCHÜTZ

A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NA FASE DA ADOLESCÊNCIA ALEXANDRA SCHÜTZ 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE EDUCAÇÃO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE PSICOLOGIA A IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL NA FASE DA ADOLESCÊNCIA ALEXANDRA SCHÜTZ Itajaí, (SC) 2007 ALEXANDRA

Leia mais

Investigação sobre o currículo Síntese da discussão do grupo temático

Investigação sobre o currículo Síntese da discussão do grupo temático Grupo temático Investigação sobre o currículo Investigação sobre o currículo Síntese da discussão do grupo temático Cristina Loureiro Escola Superior de Educação de Lisboa Irene Segurado Escola B2,3 Rui

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Cursos Científico-Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL SOCIOLOGIA (12º ano) Página 1 de 6 Competências Gerais Desenvolver a consciência dos direitos e

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A

I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A Ministério da Educação e Ciência Agrupamento de Escolas de Anadia Ano letivo de 2015-2016 I N F O R M A Ç Ã O PROVA DE E Q U I V A L Ê N C I A À F R E Q U Ê N C I A CICLO CÓDIGO - DISCIPLINA ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Parceiros CRIT

Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Parceiros CRIT Relatório de Avaliação Grau de Satisfação - Parceiros CRIT - 21 Totalmente Não concordo nem discordo Totalmente Não Sei/Não se Aplica/Não Respondeu Questionário de Avaliação Nº de inquéritos recebidos

Leia mais

Projeto de Lei nº 131/XII. (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente)

Projeto de Lei nº 131/XII. (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente) Projeto de Lei nº 131/XII (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente) Procede à segunda alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho, que regula a utilização

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

Escola Secundária de Valongo

Escola Secundária de Valongo Escola Secundária de Valongo PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS 7º ANO Ano lectivo 2010/2011 TERRA NO ESPAÇO 1º PERÍODO ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PROPOSTA DE PLANIFICAÇÃO ANO LECTIVO DE 2010/2011 CIÊNCIAS

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO PROVA 602/C/12 Págs. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) Curso Geral Programa novo implementado em 2005 / 2006 Duração da prova: 120 minutos

Leia mais

93/CNECV/2017 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA

93/CNECV/2017 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA 93/CNECV/2017 CONSELHO NACIONAL DE ÉTICA PARA AS CIÊNCIAS DA VIDA RELATÓRIO E PARECER SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 32/XII (2.ª) GOV, RELATIVA AO REGIME JURÍDICO DE QUALIDADE E SEGURANÇA DOS TECIDOS E CÉLULAS

Leia mais

A Eutanásia em Portugal

A Eutanásia em Portugal [Escrever texto] [Escrever texto] [Escrever texto] 16-9-2010 A Eutanásia em Portugal [Escrever texto] Página 1 Índice Introdução... 3 A Eutanásia na nossa sociedade... 4 Primeiro estudo feito em Portugal

Leia mais

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT

OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA 12º ANO PLANIFICAÇÃO OBRA DA ÉPOCA MODERNA: FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES, DE KANT ESCOLA SECUNDÁRIA ALBERTO SAMPAIO 1 Ano lectivo de 2004 / 2005 FILOSOFIA

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA MERCADO DE TRABALHO O quadro sociodemográfico apresentado tem consequências directas no mercado de trabalho. Segundo os últimos Censos, os concelhos de Penamacor, Idanha-a-Nova e Vila Velha de Ródão surgiam

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Aula 05 Marketing Internacional e Global objetivos, funções, gráficos. E-mail: frentzen@labmundo.org MARKETING INTERNACIONAL Processo que visa otimizar os recursos e focar os objetivos

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Língua Gestual Portuguesa sobre

Leia mais

VIVER MELHOR NA TERRA 1º PERÍODO. Apresentação. - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde.

VIVER MELHOR NA TERRA 1º PERÍODO. Apresentação. - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde. p.1/8 VIVER MELHOR NA TERRA 40 1º PERÍODO OBSERVAÇÃO: Apresentação SAÚDE INDIVIDUAL COMUNITÁRIA E - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde. - Conhecer

Leia mais

Escola Secundária com o 3º ciclo do Ensino Básico de Valpaços CONTRADITÓRIO

Escola Secundária com o 3º ciclo do Ensino Básico de Valpaços CONTRADITÓRIO CONTRADITÓRIO 1.RESULTADOS É excluído por omissão o que foi escrito no documento de apresentação, no que concerne ao Contexto e caracterização da Escola, e proferido em reunião do painel do Conselho Executivo,

Leia mais

Enfermagem de Família :

Enfermagem de Família : V ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE COIMBRA ENCONTRO DO DIA INTERNACIONAL DA FAMILIA Unidade Científico-Pedagógica de Enfermagem de Saúde Pública, Familiar e Comunitária Enfermagem de Família : Percursos

Leia mais

SUMÁRIO. NOTA À 7. a EDIÇÃO 7

SUMÁRIO. NOTA À 7. a EDIÇÃO 7 SUMÁRIO NOTA À 7. a EDIÇÃO 7 1. CONCEITO DE ÉTICA 1 5 1.1 Introdução 15 1.2 Conceito de Ética 18 1.3 Moral absoluta ou relativa? 23 1.4 A classificação da Ética 26 1.4.1 A Ética empírica 27 1.4.1.1 A Ética

Leia mais

Processo de Inscrição 50 cc

Processo de Inscrição 50 cc Processo de Inscrição 50 cc Estrada da Luz, nº90, 1º - 1600-160 Lisboa Portugal Tel.+351 210 036 600 Fax. +351 210 036 649 www.prp.pt e-mail: prp@prp.pt Instruções para inscrição no curso de formação de

Leia mais

Professor Carlos Eduardo Foganholo

Professor Carlos Eduardo Foganholo Professor Carlos Eduardo Foganholo A bioética é a ética aplicada a vida e, abrange temas que vão desde uma simples relação interpessoal até fatores que interferem na sobrevivência do próprio planeta. O

Leia mais

Ano lectivo 2010 / 2011 Conteúdos programáticos essenciais

Ano lectivo 2010 / 2011 Conteúdos programáticos essenciais Ano de escolaridade: 7º ano Área curricular disciplinar de Ciências Naturais A Terra no Espaço Terra - Um Planeta com Vida. - Condições que permitem a existência de vida. - A Terra como um Sistema. Ciência,

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola.

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. Ex.mo/a Senhores/as Este questionário faz parte dum estudo que pretendemos realizar no âmbito da conclusão da etapa de Licenciatura, do

Leia mais

Reforma do Ensino Secundário Revisão Curricular Participação na Discussão Pública

Reforma do Ensino Secundário Revisão Curricular Participação na Discussão Pública Escola Secundária Dom Manuel Martins 2002 /200 Reforma do Ensino Secundário Revisão Curricular Participação na Discussão Pública ANÁLISE CRÍTICA O documento agora apresentado como proposta de Revisão Curricular

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DOCUMENTOS Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DOCUMENTOS Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular ANÁLISE DE DOCUMENTOS Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ANÁLISE

Leia mais

Planificação Anual de Ciências Naturais 5º ano

Planificação Anual de Ciências Naturais 5º ano Planificação Anual de Ciências Naturais 5º ano 1º Período ( 17 semanas) Ano Lectivo 2012/2013 Apresentação. Regras de trabalho na aula. Ficha diagnóstica. 3 Introdução Onde existe vida? Primeira abordagem

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE PENACOVA E O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PENACOVA

ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE PENACOVA E O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PENACOVA 1 Entre: Acordo de colaboração MUNICÍPIO DE PENACOVA, primeiro outorgante, pessoa colectiva n.º 506 657 957, aqui representada pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal, Ernesto Fonseca Coelho; AGRUPAMENTO

Leia mais

ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT)

ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT) Departamento de Saúde Pública JOVENS E TABACO - COMO INTERVIR? ARS NORTE: PROGRAMA ESCOLAS LIVRES DE TABACO (PELT) Rosa Branca Mansilha DSP da ARS Norte 29 Novembro 2013 PELT 2006-2009 PROGRAMA Escolas

Leia mais

Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA. Detalhamento da Matriz Curricular

Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA. Detalhamento da Matriz Curricular Faculdade Pernambucana de Saúde PSICOLOGIA Detalhamento da Matriz Curricular Eixo Temático Módulo Carga Horária Código subjetividade: o sujeito o seu meio e a cultura O Homem como ser Social 70 PSI01-01

Leia mais

COTAÇÕES. I pontos pontos. 46 pontos pontos pontos. II pontos pontos pontos

COTAÇÕES. I pontos pontos. 46 pontos pontos pontos. II pontos pontos pontos COTAÇÕES I 1.... 6 pontos 2.... 6 pontos.... 6 pontos 4.... 8 pontos 5.... 10 pontos Subtotal... 6 pontos II 1.... 9 pontos 2.... 10 pontos.... 6 pontos 4.... 6 pontos 5.... 6 pontos 6.... 6 pontos 7....

Leia mais

Relatório sobre o Inquérito aos Diplomados da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2013/2014. Gabinete para a Cultura da Qualidade

Relatório sobre o Inquérito aos Diplomados da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2013/2014. Gabinete para a Cultura da Qualidade Relatório sobre o Inquérito aos Diplomados da Escola Superior de Música de Lisboa: Ano letivo 2013/2014 Gabinete para a Cultura da Qualidade Março de 2015 Índice Geral ÍNDICE GERAL... II ABREVIATURAS,

Leia mais

Questionário da Investigação

Questionário da Investigação ANEXO 3 Tema: Percepções dos Pais e Professores face à problemática da criança com Perturbação Espectro Autista a criação de uma Unidade Ensino Estruturado Questionário da Investigação 161 Apresentação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I - SOCIOLOGIA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I - SOCIOLOGIA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO I SOCIOLOGIA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular ÉTICA E DEONTOLOGIA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ÉTICA

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo QUÍMICA TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM SITUAÇÕES E EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS AULAS TERRA

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS Regulamento Olimpíadas Científicas do ISPTEC

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS Regulamento Olimpíadas Científicas do ISPTEC INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS Regulamento Olimpíadas Científicas do ISPTEC Luanda, Outubro de 2015 ÍNDICE Preâmbulo...3 I. Objectivos...3 II. Elegibilidade...3 III. Comissão

Leia mais

V jornadas de avaliação

V jornadas de avaliação jornadas avaliação e Acreditação 14 Março Director Curso: Paula Prata Departamento Informática (DI) Departamento Informática (DI): Quem somos Trabalho senvolvido Objectivos para o futuro Licenciatura em

Leia mais

Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano

Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano Programa de Estudo do Meio / Ciências da Natureza 2º ano Introdução: Todas as crianças possuem um conjunto de experiências e saberes que foram acumulando ao longo da sua vida, no contacto com o meio que

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA 2016 Prova 302 2016 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 12.º Ano

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA Regimento da Comissão de Avaliação Interna Preâmbulo O conteúdo do presente Regimento resulta do desenvolvimento de uma conceção de avaliação justa e cooperativa

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento apresenta a definição, os objetivos, a caracterização e a explicitação das condições

Leia mais

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar

Regimento Interno. Departamento da Educação pré escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE 161718 Regimento Interno do Departamento da Educação pré escolar 2013//2014 Constituição do departamento O departamento curricular da educação pré-escolar é constituído

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO (Despacho Normativo Nº 13/2014 de 15 de setembro) A avaliação dos alunos do ensino básico e secundário incide sobre as aprendizagens e competências definidas

Leia mais

Como elaborar um relatório

Como elaborar um relatório Francisco Carrapiço, 2001 Biologia Celular Como elaborar um relatório 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência

Leia mais

A abordagem do Tema Energia integrada no programa Ecoescolas na ESJD: Projecto Plano Energético Escolar

A abordagem do Tema Energia integrada no programa Ecoescolas na ESJD: Projecto Plano Energético Escolar Seminário Nacional Ecoescolas, Coimbra, Janeiro de 2010 A abordagem do Tema Energia integrada no programa Ecoescolas na ESJD: Projecto Plano Energético Escolar Helena Barracosa Escola Secundária João de

Leia mais

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos)

Área: Formação Pessoal e Social. Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) Domínio: Identidade / Auto - estima (5anos) - No final da educação pré-escolar, a criança identifica as suas características individuais, manifestando um sentimento positivo de identidade e tendo consciência

Leia mais

[REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS]

[REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS] 2015-16 Escola Superior de Educação Jean Piaget/Almada [REGULAMENTO DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS] REGULAMENTO PARA A INSCRIÇÃO E FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS 2015/2016 Artigo 1º Destinatários

Leia mais

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola

Domínios temáticos, Conceitos, Metas de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades. Disciplina de Oferta de Escola Disciplina de Oferta de Escola 7º e 8º anos do 3º ciclo do Ensino Básico Domínios temáticos, Conceitos, de Aprendizagem e Propostas de Estratégias/Atividades José Carlos Morais Educação Ambiental para

Leia mais

Identificar e avaliar criticamente uma variedade métodos de investigação utilizados pelos investigadores.

Identificar e avaliar criticamente uma variedade métodos de investigação utilizados pelos investigadores. METODOLOGIAS DE INVESTIGAÇÃO [25800] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Fornecer os conceitos teóricos inerentes ao conhecimento científico e, por outro lado, fornecer os instrumentos metodológicos essenciais

Leia mais

Acesso à informação estatística oficial para fins de investigação científica. Jose A. PINTO MARTINS Diretor do Serviço de Difusão

Acesso à informação estatística oficial para fins de investigação científica. Jose A. PINTO MARTINS Diretor do Serviço de Difusão Acesso à informação estatística oficial para fins de investigação científica Jose A. PINTO MARTINS Diretor do Serviço de Difusão POLITICA DE DIFUSÃO DO INE ( ) As estatísticas oficiais são um bem público,

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 8º ANO -Sustentabilidade na Terra- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/ Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Tema I Ecossistemas

Leia mais

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo

Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Consultoria Técnica: Keypoint, Consultoria Científica, Lda. Operacionalização do estudo: Lénia Nogueira Relatório Estatístico: Ana Macedo 2015 Avaliação das práticas contracetivas das mulheres em

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência ENSINO SECUNDÁRIO Prova de Equivalência à Frequência de 302 - BIOLOGIA (ter como referência o Desp.Norm. nº 1-G/2016) Ano letivo 2015/2016 I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Nada disto. Sintomas característicos:

Nada disto. Sintomas característicos: Nada disto. Sabemos hoje que a Perturbação de Hiperactividade com Défice da Atenção tem uma base essencialmente neuropsicológica. Assim, compreendemos que o comportamento destas crianças resulta das suas

Leia mais

Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém

Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém Planeamento estratégico de sistemas de informação de Departamento de Informática e Métodos Quantitativos Licenciatura em Informática - 3º Ano Sistemas

Leia mais

2.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril)

2.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril) INFORMAÇÃO-PROVA CIÊNCIAS NATURAIS 2ºciclo 2016 Prova: Código 02 2.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho normativo n.º 1-G/2016, de 6 de abril) O presente documento divulga informação relativa à prova de

Leia mais

Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Conselho Acadêmico do Curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Conselho Acadêmico do Curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Conselho Acadêmico do Curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação Regulamento de Atividades Complementares São Paulo Março/2012 SUMÁRIO CAPÍTULO

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E A FÁBRICA DA IGREJA PAROQUIAL DA FREGUESIA DE SÃO PEDRO DO CONCELHO DE MANTEIGAS

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E A FÁBRICA DA IGREJA PAROQUIAL DA FREGUESIA DE SÃO PEDRO DO CONCELHO DE MANTEIGAS PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MANTEIGAS E A FÁBRICA DA IGREJA PAROQUIAL DA FREGUESIA DE SÃO PEDRO DO CONCELHO DE MANTEIGAS Considerando que: a) nos termos do disposto no artigo 23º da Lei

Leia mais

Perguntas e Respostas Frequentes

Perguntas e Respostas Frequentes Perguntas e Respostas Frequentes (Portaria n.º 644-A/2015, de 24 de agosto) Ano letivo 2015/2016 Relativas a AEC: P1: Nos casos em que os agrupamentos/escolas não agrupadas sejam as entidades promotoras

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES ANTES DA CONSULTA

PERGUNTAS FREQUENTES ANTES DA CONSULTA PERGUNTAS FREQUENTES ANTES DA CONSULTA ÍNDICE Quando devo procurar um especialista em Reprodução Humana? Porque não engravidamos se fazemos tudo certinho? Será que tentamos adequadamente nos últimos meses?

Leia mais

Anexo E. Pedido e Autorização da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) para realizar a investigação

Anexo E. Pedido e Autorização da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) para realizar a investigação Anexo E Pedido e Autorização da Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) para realizar a investigação Identificação da Entidade / Interlocutor Nome da entidade: Karina Formiga Luís

Leia mais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais

Código Deontológico. SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural. Artigo 1.º Princípios gerais Código Deontológico SECÇÃO I Do código deontológico do Terapeuta de Medicina natural Artigo 1.º Princípios gerais 1 - As intervenções de Medicina Natural são realizadas com a preocupação da defesa da liberdade

Leia mais

O DNA vai ao supermercado

O DNA vai ao supermercado O DNA vai ao supermercado Você já comeu DNA alguma vez na vida? O DNA está presente em todos os seres vivos, tais como plantas, frutas e animais. O que é o DNA? O DNA, sigla de ácido desoxirribonucléico,

Leia mais

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO

SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO SPO DECRETO-LEI Nº190/1991 DE 17 MAIO DECRETO-LEI Nº300/1997 DE 31 OUTUBRO / PORTARIA Nº 63 / 2001 DE 30 DE JANEIRO A escola e seus actores Agrupamento de Escolas de

Leia mais

Química 12.º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Química 12.º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Química 12.º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Lição n.º 54 Sumário: Continuação da aula anterior. Hidrocarbonetos: grupos funcionais. Isomeria. COMPETÊNCIAS

Leia mais

NA MATEMÁTICA TU CONTAS

NA MATEMÁTICA TU CONTAS PLANO AÇÃO ESTRATÉGICA 41ª MEDIDA NA MATEMÁTICA TU CONTAS OBJETIVO Melhorar o sucesso em Matemática. ANO(S) ESCOLARIDA A ABRANGER - Do 1.º ao 9.º de escolaridade. ATIVIDAS A SENVOLVER NO ÂMBITO DA MEDIDA:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ ORIGEM DO UNIVERSO, FORMAÇÃO DA VIDA NA TERRA ESTUDANDO FÓSSEIS: O CAMINHO DA EVOLUÇÃO DAS ESPÉCIES 1º semestre de 201 3ª feira, das 13h30 às 17h30 SANTO ANDRÉ

Leia mais

Carlos Augusto de Oliveira. Inovação da Tecnologia, do Produto e do Processo

Carlos Augusto de Oliveira. Inovação da Tecnologia, do Produto e do Processo Carlos Augusto de Oliveira Inovação da Tecnologia, do Produto e do Processo Prefácio........................................................................ 19 1. O Planejamento da Qualidade.....................................................

Leia mais

Curso: Educação de Infância. Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos

Curso: Educação de Infância. Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos Ano lectivo: 2005/2006 Estagiária: Curso: Educação de Infância 4º Ano Educadora Cooperante: Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/4.04.06 Áreas Domínios Objectivos Gerais Objectivos Específicos Actividade

Leia mais

GUIÃO DE APOIO AO RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES / RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM TÉCNICAS DE GERONTOLOGIA

GUIÃO DE APOIO AO RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES / RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM TÉCNICAS DE GERONTOLOGIA Campus Universitário de Viseu GUIÃO DE APOIO AO RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES / RELATÓRIO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM TÉCNICAS DE GERONTOLOGIA Ano Letivo de 2012-2013 Aspetos a

Leia mais

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos

Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar. Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Jornadas Regionais Organização e Sucesso escolar Sessão 4 Regime de Frequência e Avaliação dos Alunos Objetivos Promover o desenvolvimento adequado dos processos de avaliação dos alunos tendo em vista

Leia mais

Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora

Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora Plano de actividades para 2013 da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora JANEIRO 2013 1 Introdução Conforme previsto nos Estatutos da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de

Leia mais

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida

Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA DISCIPLINA DE ANATOMIA E HISTOLOGIA Sistema Reprodutor e Tecnologia da Reprodução Medicamente Assistida Carlos Plancha Instituto de Histologia e Biologia do Desenvolvimento

Leia mais

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO

PORTUGUÊS CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS. ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS PORTUGUÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO SECUNDÁRIO outubro

Leia mais

Sistema Educativo Português 2011/2012

Sistema Educativo Português 2011/2012 Sistema Educativo Português 011/01 Objectivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades e valores profissionais) Auto Conhecimento; Explorar o Mundo das Profissões; Explorar as oportunidades

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA

ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA ORIENTAÇÕES PARA O PLANO DE TURMA A melhoria da eficácia da resposta educativa decorre de uma articulação coerente entre: Projeto Educativo Currículo Plano de Turma Assim, o Plano de Turma, assume a forma

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

CONTABILIDADE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL

CONTABILIDADE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CONTABILIDADE ÁREA DE FORMAÇÃO Contabilidade e Fiscalidade PERFIL PROFISSIONAL Técnico Especialista em Contabilidade LEGISLAÇÃO APLICÁVELL Decreto-lei nº 88/2006, de

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja

Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Escola Secundária com 3º Ciclo D. Manuel I de Beja Psicologia B 12º ano Ano lectivo 2011/2012 Critérios de avaliação Competências: Equacionar a Psicologia no panorama geral das ciências; Capacidades de

Leia mais

P: Qual é o papel do Ministro da C&T?

P: Qual é o papel do Ministro da C&T? P: Qual é o papel do Ministro da C&T? Vamos dividir. Como ministro da Ciência tem nota positiva. Mas como ministro da Tecnologia é zero. Para não dizer menos 20 que é o máximo da nota negativa. José Tribolet

Leia mais