introdução Análise da intencionalidade discursiva do mundo Fiat por meio de sua comunicação interna Wilma P. T. Vilaça - USP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "introdução Análise da intencionalidade discursiva do mundo Fiat por meio de sua comunicação interna Wilma P. T. Vilaça - USP"

Transcrição

1 Análise da intencionalidade discursiva do mundo Fiat por meio de sua comunicação interna Wilma P. T. Vilaça - USP introdução INTERESSES CONFLITANTES EM QUALQUER ORGANIZAÇÃO: a interação desafia o consenso As relações organizacionais se pautam pela ambiguidade, que a comunicação se dedica a relativizar ou suprimir. Discurso liberal/moderno X ações que carregam um cultura autoritária e pouco participativa

2 Fundamentação teóricametodológica e o objeto de estudo Comunicação interna (CABRAL, 2004; KUNSCH, 2003) CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROBLEMA: A comunicação interna da Fiat automóveis; Público interno: empregados e familiares; 2006: diagnóstico apontando o desejo por ações segmentadas; a partir daí, 3 públicos prioritários: líderes, empregados e familiares. 3 eixos contemplados no plano de comunicação: INFORMAÇÃO, DIÁLOGO e CLIMA/MOTIVAÇÃO (p. 4) Premissa da Fiat: imagem institucional forte nasce de dentro para fora

3 ANÁLISE DO DISCURSO/SEMIOLINGUÍSTICA: contrato de comunicação (CHARAUDEAU, 2009) Finalidade do discurso (para que dizer?); identidade dos envolvidos (quem fala a quem?), o propósito da fala (do que se fala?) e os dispositivos utilizados (em que circunstâncias materiais ocorre a troca?) Espaço de significação situacional (circuito externo/extralinguístico): Sujeitos comunicantes e sujeitos interpretantes Espaço de significação do dizer (circuito interno/intralinguístico): Sujeitos enunciadores e sujeitos destinatários (criados pelo comunicante ao produzir o ato de linguagem) Assimetria entre os sujeitos envolvidos Discursos que visam fortalecer o ethos organizacional Coenunciação: engajamento dos sujeitos P. 8 Intencionalidade discursiva: fazer fazer; fazer saber; fazer crer; fazer sentir

4 A pesquisa Questões-Problema: Quais são as intencionalidades em jogo no chamado mundo Fiat? Os efeitos desejados pelo sujeito comunicante, ao produzir seu discurso, foram alcançados? Objeto de análise: revistas Fiat em Família e Expresso Fiat. Objetivos: Elucidar como foi construído o jogo discursivo e qual a intencionalidade latente para fazer com que os empregados Fiat se comportassem de determinada forma, transformando-os em replicadores dos saberes adquiridos. Elucidar se foi possível levá-los a acreditar que o discurso elaborado pela Fiat era, de fato, pertinente, fazendo-os presas de sentimentos como o orgulho de fazer parte daquele grupo. Avaliar como o Eu comunicante fala por meio de seus Eus enunciadores e como ele se denomina, como se refere a si mesmo (imagens que a organização constrói de si mesma ethos) e ao empregado.

5 Descrição e análise dos corpora (RESULTADOS OBTIDOS) 6 edições da Expresso Fiat (2010), revista corporativa (foco nas pessoas, do ponto de vista profissional) Personalizada: cada exemplar traz o nome e o setor do destinatário Modos dominantes do discurso das editorias: argumentativos (predominância do fazer fazer/influenciar o interpretante) 12 da revista Fiat em Família (2010), dirigidas ao público interno e suas famílias Capas: empregados e famílias em poses de alegria, sucesso e conquista. Sorridentes, com roupas com cores quentes, encenam o tema da matéria de capa (educação, eventos, saúde, benefícios e promoções dos programas da Fiat). Há um controle sobre a produção e a distribuição das revistas, a fim de alinhar os interesses do comunicante aos do interpretante; mas não se tem o controle sobre o uso que é feito delas. Nem sempre o interpretante se dedica à leitura e tem interesses condizentes com o da organização, como faz parecer o sujeito destinatário. O ethos de credibilidade e identificação nem sempre é aceito.

6 Conclusões A INTENCIONALIDADE DISCURSIVA DO ENUNCIADO: O fazer fazer: Modelos para que o funcionário se comporte da maneira desejada pela organização. O fazer saber: Informações visando a ampliação do conhecimento sobre a práxis cotidiana etc. O fazer crer: Construção do discurso de forma consistente, com dados quantitativos, exemplos de sucesso e balizados por experts (argumento de autoridade/voz da verdade) e empregados da organização (como se dissesse não sou eu quem está dizendo ) O fazer sentir: Estímulo a estados emocionais de orgulho por fazer parte deste time; de alegria, pela profusão de sorrisos... Uso recorrente de adjetivos, evidenciando uma imagem de si positiva, que enaltece conquistas e vitórias.

OS DIFERENTES NÍVEIS DE ABRANGÊNCIA DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO

OS DIFERENTES NÍVEIS DE ABRANGÊNCIA DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO OS DIFERENTES NÍVEIS DE ABRANGÊNCIA DO PLANEJAMENTO PEDAGÓGICO O QUE É O PLANEJAMENTO? O planejamento escolar é um processo de reflexão sobre os desafios do cotidiano tendo em vista o comprometimento com

Leia mais

Tema: EVP mais que uma proposta de valor, um passo para o Engajamento Palestrante: Renata Mazoco - VALE

Tema: EVP mais que uma proposta de valor, um passo para o Engajamento Palestrante: Renata Mazoco - VALE Tema: EVP mais que uma proposta de valor, um passo para o Engajamento Palestrante: Renata Mazoco - VALE Vamos falar de... EXPERIÊNCIA EXPERIÊNCIA = cria sentido, vínculo, relevância, oportunidade, mexe

Leia mais

Objetivos. Pilares de Engajamento Seguros Unimed

Objetivos. Pilares de Engajamento Seguros Unimed Pilares de Engajamento Seguros Unimed Objetivos Cuidar de pessoas é o valor mais importante da Seguros Unimed e isso começa dentro de casa. Gestão de Pessoas é um dos pilares estratégicos da Seguradora,

Leia mais

Gestão de Pessoas. Comunicação como Ferramenta de Gestão. Professora Amanda Lima Tegon.

Gestão de Pessoas. Comunicação como Ferramenta de Gestão. Professora Amanda Lima Tegon. Gestão de Pessoas Comunicação como Ferramenta de Gestão Professora Amanda Lima Tegon www.acasadoconcurseiro.com.br Administração COMUNICAÇÃO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO A comunicação está presente em todas

Leia mais

LÍDER COACH. 08 a 11 de outubro de a 12 de novembro de 2016

LÍDER COACH. 08 a 11 de outubro de a 12 de novembro de 2016 LÍDER COACH 08 a 11 de outubro de 2014 09 a 12 de novembro de 2016 Informação importante Para atuar como COACH é necessário uma formação específica. 2 Alguns conceitos Coche (O que leva de um lugar ao

Leia mais

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL

FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL FORMAÇÃO EDUCACIONAL: NOVA DIDÁTICA E FORMAÇÃO DO PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL Arthur Henrique Teixeira Faustino 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Arthurtfaustino@gmail.com Auricélia Lopes Pereira

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO I E II E DO ARTIGO CIENTÍFICO DE ESTÁGIO II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO USJ

MANUAL DE ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO I E II E DO ARTIGO CIENTÍFICO DE ESTÁGIO II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO USJ CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ MANUAL DE ELABORAÇÃO DOS RELATÓRIOS DE ESTÁGIO I E II E DO ARTIGO CIENTÍFICO DE ESTÁGIO II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO USJ - 2011-2 O Estágio Supervisionado

Leia mais

NÃO EXISTE GESTÃO SEM COMUNICAÇÃO DANIEL COSTA

NÃO EXISTE GESTÃO SEM COMUNICAÇÃO DANIEL COSTA NÃO EXISTE GESTÃO SEM COMUNICAÇÃO DANIEL COSTA O que é engajamento? Engajamento no trabalho é uma forma de agir em que o indivíduo, motivado por uma causa, expressa sua vontade e predisposição de fazer

Leia mais

ATITUDE E EXPECTATIVAS DO CONSUMIDOR: A CRIAÇÃO DE VÍNCULOS COM AS MARCAS

ATITUDE E EXPECTATIVAS DO CONSUMIDOR: A CRIAÇÃO DE VÍNCULOS COM AS MARCAS 9º ENCONTRO DE MARKETING DA UNIMED DO BRASIL ATITUDE E EXPECTATIVAS DO CONSUMIDOR: A CRIAÇÃO DE VÍNCULOS COM AS MARCAS SHARON HESS Engajamento para construção de marca Transcendência da função para o

Leia mais

Promoção. Prof. Me. André F. A. Fagundes 1. Disciplina: Administração Mercadológica 2º semestre de 2009

Promoção. Prof. Me. André F. A. Fagundes 1. Disciplina: Administração Mercadológica 2º semestre de 2009 Disciplina: Administração Mercadológica 2º semestre de 2009 Promoção Prof. M e André F. A. Fagundes Prof. M e André F. A. Fagundes 1 Comunicação de marketing É o meio pelo qual as empresas buscam informar,

Leia mais

Design Centrado no Usuário

Design Centrado no Usuário Universidade Federal do Vale do São Francisco -UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação Design Centrado no Usuário Prof. Jorge Cavalcanti Jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.twitter.com/jorgecav Importância

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

05/05/2014 LIDERANÇA ESTILOS DE LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER

05/05/2014 LIDERANÇA ESTILOS DE LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER LIDERANÇA DIFERENCIAR CHEFE DE LÍDER 1 LIDERANÇA Você já sentiu que não recebeu o reconhecimento merecido quando atingiu uma meta imposta por seu chefe ou realizou uma tarefa com sucesso? E, no entanto,

Leia mais

Branding para a Eletrobras

Branding para a Eletrobras Branding para a Eletrobras por onde passamos: Reunião de kickoff Entrevistas com executivos da Eletrobras e formadores de opinião 1º Comitê - Diagnóstico de Branding º Comitê - Plataforma da Marca 3º Comitê

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã/SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza Componente Curricular: Biologia

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico CENÁRIO Roberto César 1 13:51 A elaboração dos cenários estratégicos é a culminação de um processo que deve considerar todos os executivos-chaves da empresa que, normalmente, são

Leia mais

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º PARÂMETROS GERAIS DE AVALIAÇÃO Integração escolar e profissionalizante Intervenções e Atividades na sala de aula: PESOS PARÂMETROS ESPECÍFICOS INSTRUMENTOS Peso 2 Peso 5 Comportamento-assiduidade-pontualidadecumprimento

Leia mais

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p.

Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Koch, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 1997, 124 p. Resenhado por: Adriana Sidralle Rolim O texto e a construção dos sentidos é um livro que aborda questões referentes ao

Leia mais

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Prof. Saravalli OBJETIVOS 08/03/2016

COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Prof. Saravalli OBJETIVOS 08/03/2016 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Saravalli ademir_saravalli@yahoo.com.br O comportamento organizacional é um campo de estudos que investiga o impacto que indivíduos, grupos e a estrutura têm sobre o

Leia mais

Dale Carnegie Training

Dale Carnegie Training Dale Carnegie Training Copyright 2015 Dale Carnegie & Associates, Inc. All rights reserved. Dynamics_Engagement_031015_Portuguese QUAL É O GRAU DE ENGAJAMENTO DOS SEUS COLABORADORES? Um funcionário totalmente

Leia mais

O Papel da Controladoria sob o Enfoque da Gestão Econômica

O Papel da Controladoria sob o Enfoque da Gestão Econômica O Papel da sob o Enfoque da Gestão Econômica Prof. Carlos Alberto Pereira : necessidade ou modismo??? Foco: para se alcançar os objetivos é preciso clarificá-los Sinergia: a otimização isolada das partes

Leia mais

Cultura Organizacional

Cultura Organizacional Cultura Organizacional Curso de Especialização em Gestão da Comunicação Organizacional e Relações Públicas ECA/USP A tradição antropológica Sistemas Simbólicos Antropologia Social Antropologia Cultural

Leia mais

Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo. Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares

Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo. Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares Agenda Cultura e Identidade Cultura e Clima Organizacional Construção e Mudança O que é Cultura? Uma definição

Leia mais

Políticas Públicas II O Ciclo das Políticas Públicas

Políticas Públicas II O Ciclo das Políticas Públicas Políticas Públicas II O Ciclo das Políticas Públicas Professora: Geralda Luiza de Miranda Agosto/2011 Tema da aula Visões do ciclo de política: clássica; processo simples e linear; Implementação como formulação

Leia mais

FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES

FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES sala 5 1ª sessão Professor Apresentador: Danival Mascarini de Souza Realização: Foco O Projeto Fotonovela foi elaborado visando à melhoria do processo

Leia mais

Água em Foco Introdução

Água em Foco Introdução Água em Foco Introdução O Água em Foco tem como principais objetivos: (I) a formação inicial, com os alunos do Curso de Licenciatura em Química da UFMG, e continuada de professores, para trabalhar com

Leia mais

SELEÇÃO DE PROJETOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - FUNASA ANEXOS

SELEÇÃO DE PROJETOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - FUNASA ANEXOS SELEÇÃO DE PROJETOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL - FUNASA ANEXOS ANEXO I PROJETO BÁSICO Identificação da instituição Proponente (Papel Timbrado) I. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE PROPONENTE: 1.1. Identificação da

Leia mais

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência

A Importância da Liderança na Cultura da Excelência XIX Seminário de Boas Práticas CIC Caxias do Sul A Importância da Liderança na Cultura da Excelência Msc. Eng. Irene Szyszka 04/ABR/2013 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão dos clientes e mercado;

Leia mais

LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS: DO EU-COMUNICANTE AO TU-INTERPRETANTE

LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS: DO EU-COMUNICANTE AO TU-INTERPRETANTE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS: DO EU-COMUNICANTE AO TU-INTERPRETANTE READING AND TEXT PRODUCTION: FROM THE COMMUNICATING-ME TO THE INTERPRETING-YOU Matheus Seiji Bazaglia Kuroda 1 Léa Sílvia Braga de Castro

Leia mais

ÍNDICE. Desenvolvimentos das atividades do Curso, Seminário e Simpósio e de formação...24 a 27

ÍNDICE. Desenvolvimentos das atividades do Curso, Seminário e Simpósio e de formação...24 a 27 3 Convênio 027/2015 4 ÍNDICE Apresentação do Projeto... 6 Objetivo...7 Justificativa...8 e 9 Metodologia...10 e 11 Marco Legal...12 Cidades Contempladas...13 Pessoas Beneficiadas...14 Parceiros...15 Cronograma

Leia mais

ABORDAGENS/CONCEPÇÕES PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA

ABORDAGENS/CONCEPÇÕES PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ABORDAGENS/CONCEPÇÕES PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO FÍSICA Abordagens Pedagógicas Surgem da década de 80 influenciadas por discussões na área educacional com o intuito de romper com o modelo hegemônico do esporte

Leia mais

Gestão e Empreendedorismo

Gestão e Empreendedorismo Unidade III Gestão e Empreendedorismo Eliomar Borges Furquim Plano de negócios (PN): uma Visão geral. Objetivo específico - Ao concluir este módulo, você vai ser capaz de compreender o que é um Plano de

Leia mais

Influência e Persuasão

Influência e Persuasão Influência e Persuasão Persuasão Trazer para nosso lado mudando apenas a maneira como apresentamos nossos argumentos. Como desenvolver a persuasão? O elemento básico da persuasão é você exercer a empatia,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Página 1 de 6 RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento sobre a Política Nacional de Comunicação (PNC) no âmbito do Sistema CFN/CRN e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO

LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO LEITURA E ESCRITA COM ÊNFASE NA PRODUÇÃO DE CORDEL DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA ESTADUAL JOÃO TOMÁS NETO Maria Solange de Lima Silva FCU/UNIFUTURO Sol_lyma@hotmail.com INTRODUÇÂO A característica básica

Leia mais

Tarde aula 1. Rodrigo Machado Merli Diretor Escolar da PMSP Pedagogo Didática de Ensino Superior PUC/SP Estudante de Direito

Tarde aula 1. Rodrigo Machado Merli Diretor Escolar da PMSP Pedagogo Didática de Ensino Superior PUC/SP Estudante de Direito Tarde aula 1 Rodrigo Machado Merli Diretor Escolar da PMSP Pedagogo Didática de Ensino Superior PUC/SP Estudante de Direito 1 INDAGAÇÕES SOBRE CURRÍCULO: CURRÍCULO E AVALIAÇÃO BRASIL MEC FERNANDES, FREITAS

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

Dinâmica interna de Grupos

Dinâmica interna de Grupos Dinâmica interna de Grupos Cap. 6 - A dinâmica interna dos grupos, do livro: BEAL, G., BOHLEN, J., RAUDABAUGH, J. N. Liderança e dinâmica de grupo. Rio de Janeiro: Zahar, 1990. pag 59 a 90 Manifestações

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

INTELIGÊNCIA NEGÓCIOS RESULTADOS NEUROBUSINESS #BRAINS4BUSINESS DESENVOLVENDO NEGÓCIOS DE MÁXIMA PERFORMANCE E LUCRO!

INTELIGÊNCIA NEGÓCIOS RESULTADOS NEUROBUSINESS #BRAINS4BUSINESS DESENVOLVENDO NEGÓCIOS DE MÁXIMA PERFORMANCE E LUCRO! NEGÓCIOS INTELIGÊNCIA RESULTADOS NEUROBUSINESS #BRAINS4BUSINESS DESENVOLVENDO NEGÓCIOS DE MÁXIMA PERFORMANCE E LUCRO! O QUE É NEUROBUSINESS O Neurobusiness estuda os fenômenos humanos nas interações entre

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O MODELO DE ANÁLISE DO DISCURSO DE PATRICK CHARAUDEAU

CONSIDERAÇÕES SOBRE O MODELO DE ANÁLISE DO DISCURSO DE PATRICK CHARAUDEAU CONSIDERAÇÕES SOBRE O MODELO DE ANÁLISE DO DISCURSO DE PATRICK CHARAUDEAU Cláudio Marques Martins Nogueira i cmmn@uol.com.br RESUMO O artigo discute o modelo de análise do discurso de Patrick Charaudeau.

Leia mais

03/11/2015. Aula 7. Liderança. Agenda. Seminário. Liderança. Teorias sobre liderança

03/11/2015. Aula 7. Liderança. Agenda. Seminário. Liderança. Teorias sobre liderança Aula 7 Liderança Agenda Seminário Liderança Teorias sobre liderança 2 1 Liderança O que é liderança? Capacidade de influenciar um grupo para o alcance de objetivos. 2 Importância do tema Liderança é um

Leia mais

Gênero em sala de aula: identidade discursiva em anúncios publicitários

Gênero em sala de aula: identidade discursiva em anúncios publicitários Gênero em sala de aula: identidade discursiva em anúncios publicitários Lucila Carneiro Guadelupe (UFF) Neste trabalho, nos propomos a apresentar alguns aspectos da teoria semiolingüística de Patrick Charaudeau,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

A Cultura da Equipe: Fator Crítico de Sucesso. Rackel Valadares OpenText Maio/2016

A Cultura da Equipe: Fator Crítico de Sucesso. Rackel Valadares OpenText Maio/2016 A Cultura da Equipe: Fator Crítico de Sucesso Rackel Valadares OpenText Maio/2016 O que é Cultura Organizacional? Cultura Organizacional a) É o que dá as pessoas um senso de como se comportar e o que convém

Leia mais

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Competência Interpessoal. Professor Rafael Ravazolo. Administração Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX COMPETÊNCIA INTERPESSOAL Qualquer organização que queira obter êxito não admite mais profissionais individualistas.

Leia mais

Estágios de Liderança Braskem Competências de Cultura

Estágios de Liderança Braskem Competências de Cultura Estágios de Liderança Braskem ------------------------- Competências de Cultura 01 Clarificando Estágios de Liderança Braskem o PA do Líder 01 Estágios de Liderança Braskem Os Estágios de Liderança Braskem

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO INTERNA DA UNIMED CAMPO GRANDE Núcleo de Comunicação e Marketing agosto de 2016

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO INTERNA DA UNIMED CAMPO GRANDE Núcleo de Comunicação e Marketing agosto de 2016 POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO INTERNA DA UNIMED CAMPO GRANDE Núcleo de Comunicação e Marketing agosto de 2016 1. INTRODUÇÃO A imagem da Unimed Campo Grande é uma responsabilidade de todos. A forma como nos comunicamos

Leia mais

Análises de práticas discursivas como mediadoras do poder no contexto das organizações: um diálogo entre a semiolinguística e Van Dijk

Análises de práticas discursivas como mediadoras do poder no contexto das organizações: um diálogo entre a semiolinguística e Van Dijk Análises de práticas discursivas como mediadoras do poder no contexto das organizações: um diálogo entre a semiolinguística e Van Dijk Regina Aparecida Gaspar de Souza Lima* Resumo Pela articulação entre

Leia mais

ANEXO VI DA DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 124, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2012 PARECER DO DIRIGENTE DO ÓRGÃO DE CONTROLE INTERNO

ANEXO VI DA DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 124, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2012 PARECER DO DIRIGENTE DO ÓRGÃO DE CONTROLE INTERNO ANEXO VI DA DECISÃO NORMATIVA TCU Nº 124, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2012 (art. 13 da Instrução Normativa nº 63/2010-TCU). Concluído o Relatório de Auditoria de Gestão nº 001/2013-SCINT, elaborado pelas áreas

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4 GRUPO 1 GRUPO GRUPOS 3e UFG/CS RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS GRUPO I ADEQUAÇÃO A-ao tema = 0 a pontos B-à leitura da coletânea = 0 a pontos C-ao gênero textual = 0 a pontos D-à modalidade = 0 a pontos CRITÉRIOS

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 6-17/02/09 1 Negociação Comercial CONCEITOS BSC - BALANCE SCORECARD 2 O QUE É BALANCE SCORECARD O BSC é uma nova abordagem para administração estratégica, desenvolvida por Robert

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

AULA 2 ADMINISTRAÇÃO

AULA 2 ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informações AULA 2 ADMINISTRAÇÃO Prof. Walteno Martins Parreira Jr waltenomartins@yahoo.com waltenomartins@hotmail.com Objetivos da unidade Apresentar o conceito de identidade organizacional

Leia mais

Guia Prático do Planejamento Estratégico

Guia Prático do Planejamento Estratégico Guia Prático do Planejamento Estratégico Introdução A todo o momento surgem ideias para melhorar nossas vidas. A maior parte destas ideias morre, porque não são sistematizadas. Numa empresa também é assim,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS)

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS) REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DE IMAGEM E COMUNICAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL (GI.COM-IPS) I ÂMBITO E FINALIDADE 1. O Gabinete de Imagem e Comunicação do Instituto Politécnico de Setúbal

Leia mais

Gestão à Vista: Indicadores como Instrumento de Gestão

Gestão à Vista: Indicadores como Instrumento de Gestão Gestão à Vista: Indicadores como Instrumento de Gestão Jacqueline Canuto Gerente de Qualidade e Risco - Hospital São Rafael Consultora da Qualidade Hospital do Subúrbio jaccanuto@gmail.com São Paulo, 22/05/2013

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS

Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Linha de Pesquisa 2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS Esta linha de pesquisa objetiva o exame dos processos de construção do conhecimento docente do professor de línguas, com ênfase no papel da linguagem

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Jornalismo (POSJOR)

Programa de Pós-Graduação em Jornalismo (POSJOR) Programa de Pós-Graduação em Jornalismo (POSJOR) Ementário - Doutorado Eixo de Disciplinas Comuns Metodologia de Pesquisa em Jornalismo M e D Obrigatória 60 horas 04 Conhecimento e campo científico. Campo

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação: estrutura, organização e processos a experiência da Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP)

Comissão Própria de Avaliação: estrutura, organização e processos a experiência da Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) Comissão Própria de Avaliação: estrutura, organização e processos a experiência da Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) Explicitando o início da autoavaliação institucional A Unicap se inscreve

Leia mais

Administração. Níveis de Planejamento. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Níveis de Planejamento. Professor Rafael Ravazolo. Administração Níveis de Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX TIPOS OU NÍVEIS DE PLANEJAMENTO A divisão mais comum do planejamento é a hierárquica, separando-o

Leia mais

O objectivo da argumentação é estudar as estratégias capazes de tornar os argumentos convincentes.

O objectivo da argumentação é estudar as estratégias capazes de tornar os argumentos convincentes. Francisco Cubal Chama-se argumentação à actividade social, intelectual e discursiva que, utilizando um conjunto de razões bem fundamentadas (argumentos), visa justificar ou refutar uma opinião e obter

Leia mais

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos. 3/6/5AD836_1.jpg

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos.  3/6/5AD836_1.jpg Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos http://images.quebarato.com.br/photos/thumbs/ 3/6/5AD836_1.jpg Olá, Pessoal, Vamos acompanhar mais uma aula da prof. Alessandra. Hoje falaremos sobre alguns gêneros

Leia mais

NAGEH Pessoas. Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015. Compromisso com a Qualidade Hospitalar

NAGEH Pessoas. Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015. Compromisso com a Qualidade Hospitalar Eixo: Capacitação e Desenvolvimento de Pessoal 28/09/2015 Agenda: 28/09/2015 8:30 as 9:00 h Recepção dos participantes 9:00 as 11:00 h Eixo: Capacitação e Desenvolvimento 11:00 as 11:30 h Análise de Indicadores

Leia mais

O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL

O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL O PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL Manaus, abril/2016 www.ifam.edu.br www.ifam.edu.br O QUE É PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL? É um documento teórico metodológico

Leia mais

10 DICAS PARA AUMENTAR SEU INÍCIOS!!!

10 DICAS PARA AUMENTAR SEU INÍCIOS!!! 10 DICAS PARA AUMENTAR SEU INÍCIOS!!! Internamente usamos a expressão entrevista de início. Não use esta expressão com as potenciais iniciadas, porque elas não sabem o que é isso!! Para suas potenciais

Leia mais

Unidade: Planejamento de Marketing. Unidade I:

Unidade: Planejamento de Marketing. Unidade I: Unidade: Planejamento de Marketing Unidade I: 0 Unidade: Planejamento de Marketing Planejar é definir procedimentos de atuação com o objetivo de atingir determinada situação. No caso de um planejamento

Leia mais

A Dimensão Social e o Conceito de Desenvolvimento Sustentável

A Dimensão Social e o Conceito de Desenvolvimento Sustentável V Mesa-Redonda da Sociedade Civil Brasil EU A Dimensão Social e o Conceito de Desenvolvimento Sustentável Apresentação da Conselheira Lúcia Stumpf Porto, Portugal 7 a 9 de novembro de 2011 1 Contextualização

Leia mais

Gênero Textual e Sequência Textual

Gênero Textual e Sequência Textual Gênero Textual e Sequência Textual Os gêneros textuais são os textos que circulam na sociedade e que desempenham diferentes papéis comunicativos. São tipos relativamente estáveis de enunciados produzidos

Leia mais

INDEPAC MISSÃO VISÃO

INDEPAC MISSÃO VISÃO O INDEPAC é especializado em serviços de Consultoria e Assessoria Educacional, nas dimensões: administrativa, jurídica e pedagógica, além de oferecer cursos de formação em serviço, voltados para o aprimoramento

Leia mais

Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010. Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família. Oficina Pedagógica

Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010. Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família. Oficina Pedagógica Diretoria de Ensino Região Guarulhos Norte Relatório de Avaliação do Programa Escola da Família 2º Semestre/2010 Raquel Maria Rodrigues PCOP Programa Escola da Família Oficina Pedagógica Guarulhos, Dezembro

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2014

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Médio ETEC MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ/SP Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas tecnologias Componente Curricular: Química Série:

Leia mais

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE SELEÇÃO 01-2015. Processo de Cotação 03-2015

CÁRITAS BRASILEIRA EDITAL DE SELEÇÃO 01-2015. Processo de Cotação 03-2015 EDITAL DE SELEÇÃO 01-2015 Processo de Cotação 03-2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE CONTRATAÇÃO DE PESSOAL POR TEMPO DETERMINADO A Cáritas Brasileira Regional do Piauí, organismo da CNBB (Conferencia

Leia mais

O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo. Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17

O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo. Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17 O Projeto Político-Pedagógico na perspectiva do planejamento participativo Curso de Especialização em Gestão Escolar 18/05/17 É necessário conhecer e apreender a realidade de cada instituição escolar que

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I)

OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Identificação do Projeto OPAS/OMS Representação do Brasil Programa de Cooperação Internacional em Saúde - TC 41 Resumo Executivo de Projeto (Modelo I) Rede de Cooperação Técnica em Saúde da União de Nações

Leia mais

A ESCOLA COMO PROJETO SÓCIO-CULTURAL E OS PROJETOS DE

A ESCOLA COMO PROJETO SÓCIO-CULTURAL E OS PROJETOS DE In: Boletim Vida e natureza, ambiente e cultura. MEC/TV Escola, abril, 2004. Texto subídio para Programa Salto para o Futuro, TV Escola, exibido de 26 a 30 de abril de 2004. A ESCOLA COMO PROJETO SÓCIO-CULTURAL

Leia mais

À VANGLÓRIA PERDIDA: Complexo de Inferioridade GILDEMAR DOS SANTOS

À VANGLÓRIA PERDIDA: Complexo de Inferioridade GILDEMAR DOS SANTOS À VANGLÓRIA PERDIDA: Complexo de Inferioridade GILDEMAR DOS SANTOS VITORIA DA CONQUISTA - BA AGO / 2016 1 Gildemar dos Santos Pr. Presidente: Assembleia de Deus Ministerio Pentecostal Chamas do Espirito

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO A 2018

PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO A 2018 PLANO DE GESTÃO ESCOLAR PLEITO - 2016 A 2018 NOVA ANDRADINA MS SETEMBRO/2015 ABMAEL ROCHA JUNIOR ROSIMEIRE DA SILVA OLIVEIRA E. E. PROFESSORA FÁTIMA GAIOTTO SAMPAIO PROJETO GESTÃO ESCOLAR PLEITO 2016 A

Leia mais

PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL PROGRAMA DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL TERESÓPOLIS - 2017 APRESENTAÇÃO A Comissão Própria de Avaliação CPA do Centro Universitário Serra dos Órgãos UNIFESO apresenta o Programa de Autoavaliação Institucional

Leia mais

Sejam Bem-Vindos! Mary Kay Ash

Sejam Bem-Vindos! Mary Kay Ash Sejam Bem-Vindos! Vislumbrei uma companhia na qual qualquer mulher poderia ter tanto sucesso quanto desejasse. As portas estariam abertas às oportunidades para as mulheres que estiverem dispostas a pagar

Leia mais

Benefício do Coaching para Escritórios de Advocacia

Benefício do Coaching para Escritórios de Advocacia Benefício do Coaching para Escritórios de Advocacia Por que Coaching para Escritórios de Advocacia? Os escritórios são, nos dias de hoje, uma empresa e isso não tem mais volta. Assim, não dá para o advogado

Leia mais

Promoção Comunicação

Promoção Comunicação Promoção Comunicação 1 Propaganda, Promoção de Vendas e Publicidade 2 3 Mix de Comunicação de Marketing ou Mix de Promoção Consiste em uma composição de instrumentos de comunicação como propaganda, venda

Leia mais

ENDP 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO ARIO ZIMMERMANN. PORTO ALEGRE/RS, Setembro de 2015

ENDP 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO ARIO ZIMMERMANN. PORTO ALEGRE/RS, Setembro de 2015 ENDP 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO ARIO ZIMMERMANN PORTO ALEGRE/RS, Setembro de 2015 PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E GESTÃO» ROTEIRO PLANEJAMENTO e GESTÃO GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA GESTÃO PLANEJAMENTO

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA CELEBRAÇÃO DE CARTA ACORDO

MATERIAL DE APOIO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA CELEBRAÇÃO DE CARTA ACORDO MATERIAL DE APOIO PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO PARA CELEBRAÇÃO DE CARTA ACORDO A nossa ideia de projeto é que ele sirva para embasar e orientar um roteiro de trabalho compartilhado de um grupo, sendo muito

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Gestão da Qualidade Profa. Maria do Carmo Calado Aula 2 A Era da Qualidade Total Objetivos: Possibilitar a compreensão das características, princípios

Leia mais

Workshop Comunicação Interpessoal e Comportamento

Workshop Comunicação Interpessoal e Comportamento Workshop Comunicação Interpessoal e Comportamento Profª Ms. Flávia Mendes Apresentação Possui 13 anos de atuação nas áreas de Comunicação Corporativa em empresas como Grupo Estado, Cinemateca Brasileira,

Leia mais

Qualificação dos Administradores no Setor Privado

Qualificação dos Administradores no Setor Privado Qualificação dos Administradores no Setor Privado Adm. Carlos Ogliari Ago, 2011 Grupo Volvo 2011 Missão Ao criar valor para os nossos clientes, nós criamos também valor para os nossos acionistas. Nós usamos

Leia mais

A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO USINA CORURIPE

A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO USINA CORURIPE A COMUNICAÇÃO INTERNA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO USINA CORURIPE APRESENTAÇÃO: Anderson Tsuchida Jornalista, Publicitário e Pós Graduado em Comunicação Empresarial Por que a Comunicação Interna é tão

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmio de Incentivo à Educação é uma iniciativa das empresas do Polo Industrial, através do Comitê de Fomento Industrial de Camaçari - COFIC. Tem por objetivo

Leia mais

Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea. Carlos Henrique Paganetto Roma Junior

Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea. Carlos Henrique Paganetto Roma Junior Instituto Equipav viabiliza ação social em municípios atendidos pela Aegea Carlos Henrique Paganetto Roma Junior SUSTENTABILIDADE NA SOCIEDADE Problemas centrais Uso insustentável e predatório dos recursos

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino.

Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. Da teoria da ação mediada ao modelo topológico de ensino. A idéia de ação mediada que trazemos para compreender a sala de aula inspira-se nos estudos de James Wertsch, discutidas em seu livro Mind as Action

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

Por que a qualidade importa nos cursos on-line e semipresenciais

Por que a qualidade importa nos cursos on-line e semipresenciais Por que a qualidade importa nos cursos on-line e semipresenciais Dra. Linda Crawford Diretora de Garantia de Qualidade Laureate Network Office 2016 Laureate International Universities Confidencial & Registrado

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Atualizado em 22/10/2015 GESTÃO POR COMPETÊNCIAS As competências não são estáticas, tendo em vista a necessidade de adquirir agregar novas competências individuais

Leia mais