UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE NUTRIÇÃO Avaliação do estado nutricional de escolares de seis a doze anos da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes, localizada no bairro Campeche ao Sul da cidade de Florianópolis, Santa Catarina. Relatório elaborado por: Amanda Donini, Emelyn B. Furlani, Kamila, Manoella, Rafaela dos Santos, Shirley S. de Oliveira, Thaiany P. F. Bavaresco. Florianópolis, Junho de

2 Avaliação do estado nutricional de escolares de seis a doze anos da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes, localizada no bairro Campeche ao Sul da cidade de Florianópolis, Santa Catarina. Relatório elaborado pelas acadêmicas do Curso de Nutrição da Universidade Federal de Santa Catrina UFSC: Amanda Donini, Emelyn B. Furlani, Kamila, Manoella, Rafaela dos Santos, Shirley S. de Oliveira e Thaiany P. F. Bavaresco, como parte integrante das atividades práticas da disciplina de Avaliação Nutricional (NTR5604), sob a orientação da professora Yara Franco. Florianópolis, Junho de

3 AGRADECIMENTOS Agradecemos à disponibilidade da diretoria da Escola Básica Eduardo Brigadeiro Gomes que nos forneceu horários para que pudessem ser feitas as avaliações antropométricas dos alunos. Agradecemos aos funcionários da escola, que com muita dedicação nos auxiliaram nos momentos em que fazíamos a coleta de dados. Agradecemos à nossa orientadora, Yara Moreno Franco, que com sua experiência na área de avaliação nutricional, nos ensinou como realizar nosso trabalho com excelência. 3

4 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Classificação nutricional de crianças (5-10anos) e adolescentes (> 10anos), de acordo com o índice Estatura para idade Figura 2 Classificação nutricional de crianças (5-10 anos) de acordo com o índice Peso para idade Figura 3 Classificação nutricional de crianças (5-10 anos) e adolescentes (>10anos) de acordo com o índice IMC para idade Figura 4 Distribuição absoluta e relativa dos valores de escores z para os índices peso/idade (P/I), altura/idade (A/I), peso/estatura (P/Estatura) e Índice de Massa Corporal/Idade (IMC/I) para escolares entre cinco e doze anos, segundo sexo e faixa etária Figura 5 Valores de prevalência para o índice Peso/Idade para escolares de cinco a doze anos, segundo série Figura 6 Valores de prevalência para o índice Estatura/Idade para escolares de cinco a doze anos, segundo série Figura 7 Proporção do estado nutricional, segundo índice E/I (estatura para idade), de estudantes da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes Figura 8 Prevalência do diagnóstico nutricional de acordo com o índice IMC/I, de estudantes da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes Figura 9 Proporção do estado nutricional, segundo índice IMC/I (IMC para idade), de estudantes da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes

5 Figura 10 Valores de prevalência para o IMC/Idade para escolares do primeiro ao quinto ano...18 Figura 11 Média de score-z de CB (circunferência braquial), DCT (dobra cutânea tricipital), AMB (área muscular do braço) e AGB (área adiposa do braço) de estudantes da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes

6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS POPULAÇÃO E MÉTODOS RESULTADOS DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

7 1. INTRODUÇÃO A obesidade é um distúrbio crônico em expansão, com prevalência crescente em todas as faixas etárias, tanto em países desenvolvidos quanto naqueles em desenvolvimento (YANOVSKI; YANOVSKI, 2000). O aumento do sobrepeso e da obesidade e a diminuição da desnutrição, fatores que caracterizam a transição nutricional, tem sido observado inclusive em crianças. No Brasil, o panorama de prevalência crescente não é diferente, sendo que no inquérito Pesquisa Nacional sobre Demografia e Saúde PNDS, realizado em 1996, foi encontrado prevalência igual a 4,9%, e os inquéritos nacionais realizados nas décadas de 70, 80 e 90 demonstraram crescimento de 3,6% para 7,6% no sexo feminino, na população de quatro a cinco anos de idade. Foi relatada, em São Paulo, prevalência de 2,5% de obesidade em crianças menores de 10 anos, entre as classes econômicas menos favorecidas, e de 10,6% no grupo mais favorecido (MONTEIRO; MONDINI; POPKIN, 1995). A obesidade infantil vem-se constituindo em um dos principais problemas de saúde pública, considerando as evidências de que proporção significativa das crianças obesas torna-se adultos obesos, que a condição de obesidade na infância, persistindo na vida adulta, pode resultar em formas mais severas da obesidade, acompanhadas de elevadas taxas de morbi-mortalidade e que os efeitos negativos da obesidade vêm aumentando na população infantil, especialmente o diabetes mellitus (NSW Centre for Public Health Nutrition,2005; DIETZ; GORTMAKER, 2001; GILL, 1997). As crianças constituem, portanto, um dos principais grupos-alvo para estratégias de prevenção e controle do sobrepeso e da obesidade, não só devido às suas características como grupo de risco, mas também por conta das possibilidades de sucesso das ações a serem implementadas (NSW Centre for Public Health Nutrition,2005; GILL, 1997). No período da infância, além de exercer pouco controle sobre o ambiente em que vive, como por exemplo sobre a disponibilidade domiciliar de alimentos, a criança pode ainda sofrer forte influência do hábito alimentar e de atividade física de seus pais e familiares e estar sujeita às mudanças nos padrões ambientais e de comportamento por causa da sua inserção no ambiente escolar (NSW Centre for Public Health Nutrition, 2005). 7

8 O acompanhamento da situação nutricional das crianças de um país constitui-se de um instrumento essencial para a aferição das condições de saúde da população infantil, sendo uma oportunidade ímpar para a obtenção de medidas objetivas da evolução das condições de vida da população em geral (MASON et al., 1984). Assim como a obesidade e o sobrepeso, a desnutrição infantil também está relacionada a doenças, tanto à processos infecciosos quanto à falta de atendimento de necessidades básicas, tais como: alimentação, saneamento, assistência à saúde e educação, entre outros. A desnutrição em escolares dificulta o desenvolvimento cognitivo, prejudicando o aprendizado adequado, podendo afetar a futura carreira profissional na idade adulta e levando a baixas condições socioeconômicas e de alimentação, saneamento e saúde. A identificação de crianças desnutridas através de dados antropométricos pode indicar a presença de más condições de vida, de alimentação e de habitação de uma população, assim como a identificação de sobrepeso e obesidade na população infantil através desses mesmos métodos pode levar ao diagnóstico de doenças crônicas não transmissíveis ou impedir que as mesmas se desenvolvam na vida adulta. 8

9 2. OBJETIVOS O presente trabalho teve o objetivo de avaliar através de dados antropométricos de escolares matriculados na Escola de Ensino Básico Brigadeiro Eduardo Gomes, Campeche, Florianópolis, Santa Catarina para verificar o estado nutricional da população infantil deste bairro. 9

10 3. POPULAÇÃO E MÉTODOS A população pesquisada foi constituída por alunos regularmente matriculados na Escola de Educação Básica Brigadeiro Eduardo Gomes, localizada no bairro Campeche ao Sul da cidade de Florianópolis. A coleta de dados foi realizada no dia treze de maio de 2011, no período vespertino. Os estudantes foram selecionados através de sorteio de turmas, sendo selecionada uma turma por ano de ensino, totalizando cinco turmas. Foram avaliados cento e um escolares de ambos os sexos do primeiro ao quinto ano de ensino, com faixa etária variando de seis a doze anos. As medidas de peso e altura foram coletadas utilizando balança digital da marca Marte com capacidade máxima de 150 Kg e estadiômetro da marca Alterexata, respectivamente, seguindo os parâmetros de Lohman et al (1988). A circunferência braquial (CB) e a dobra cutânea tricipital (DCT) foram coletadas utilizando fita métrica não extensível milimetrada e adipômetro Lange, respectivamente. As medidas de CB e a DCT foram coletadas conforme o método de Lohman et. al (1988), seguindo os valores de referência de Frisancho (1989). O estado nutricional foi avaliado através dos indicadores estatura/idade (E/I), peso/idade (P/I) e IMC/idade (IMC/I), para crianças de cinco a dez anos incompletos. Para o estado nutricional de crianças com dez anos ou mais (adolescentes) os índices utilizados foram E/I e IMC/I, de acordo com os parâmetros das novas curvas publicadas pela Organização Mundial de Saúde OMS- em 2007, utilizando o software WHO AnthroPlus v Com os valores da DCT e CB foram calculadas a área muscular do braço (AMB) e a área adiposa do braço (AAB) segundo fórmulas propostas por Frisancho (1989). Os scores Z do perímetro braquial, das pregas cutâneas do tríceps, da área muscular braquial e a área gordurosa braquial foram calculados utilizando como valores de referência descritos por Frisancho (1993) com o programa SISCRES. De acordo com os parâmetros do SISVAN, para a classificação do estado nutricional de crianças de cinco a dez anos, são adotados critérios segundo os índices de E/I, P/I e IMC/I. Para adolescentes de dez a dezenove anos, os índices utilizados para classificação do estado nutricional são, somente, E/I e IMC/I. Os quadros 1, 2 e 3 10

11 ilustram a classificação do estado nutricional, de acordo com os índices de E/I, P/I e IMC/I, respectivamente. Quadro 1: Classificação nutricional de crianças (5-10anos) e adolescentes (> 10anos), de acordo com o índice Estatura para idade. Fonte: SISVAN Quadro 2: Classificação nutricional de crianças (5-10 anos) de acordo com o índice Peso para idade. Fonte: SISVAN Quadro 3: Classificação nutricional de crianças (5-10 anos) e adolescentes (>10anos) de acordo com o índice IMC para idade. 11

12 Fonte: SISVAN Todos os dados antropométricos foram coletados por acadêmicas da terceira fase do curso de nutrição da Universidade Federal de Santa Catarina UFSC, sob orientação da professora, do departamento de nutrição, Yara Franco. 12

13 4. RESULTADOS Em relação às características físicas dos escolares, observou-se diferença estatística entre os sexos para as variáveis de peso corporal e estatura, sendo que o peso médio dos meninos (32,5kg) foi estatisticamente superior ao apresentado pelas meninas (29,7kg). Os estudantes do sexo masculino, também, apresentaram médias mais elevadas de estatura (133,3 cm para os meninos e 128,2 cm para as meninas). O quadro 4 contém a distribuição absoluta e relativa dos valores de escores z, de acordo com os índices antropométricos P/I, E/I e IMC/I. Quadro 4: Distribuição absoluta e relativa dos valores de escores z para os índices peso/idade (P/I), altura/idade (A/I), peso/estatura (P/Estatura) e Índice de Massa Corporal/Idade (IMC/I) para escolares entre cinco e doze anos, segundo sexo e faixa etária, da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes localizada no bairro Campeche, Florianópolis, Santa Catarina, Score-z Índices antropométricos Idade P/I E/I IMC/I (meses) < -2 z -2z< +2z +2z < -2 Z -2z < -2 Z -2z< +2z Sexo masculino +2z % 85,70% 14,30% 0% 100% 0% 85,80% 14,20% ,70% 77,00% 15,30% 9,00% 91% 0% 91% 9% % 93,30% 6,70% 0% 100% 0% 93,30% 6,70% % 50% 50% 0% 100% 8,30% 66,70% 25% * * * 16,70% 83,30% 16,70% 83,30% 0% Total masculino 2,60% 82% 15,40% 4% 96% 4% 84,30% 11,70% Sexo feminino % 91,70% 8,30% 0% 100% 0% 91,70% 8,30% % 92,90% 7,10% 0% 100% 0% 87,50% 12,50% % 87,50% 12,50% 0% 100% 12,50% 62,50% 25% % 0% 100% 0% 100% 0% 77,80% 22, * * * 0% 100% 0% 100% 0% Total feminino 0% 88,60% 11,40% 0% 100% 2,10% 83,30% 14,60% TOTAL 1,40% 85,10% 13,50% 2% 98,00% 3,00% 83,90% 13,10% (masc.+fem.) Para o índice P/I, a prevalência para valores -2z < +2z foi maior para as meninas (5-10 anos) (88,6%). No entanto, para valores < -2 z e +2z, as maiores prevalências 13

14 foram encontradas em meninos (5-10anos) (2,6% e 15,4%, respectivamente). Destacase, então, que para o índice P/I, as meninas apresentaram maiores taxas de peso adequado para idade. O quadro 5 apresenta os valores de prevalência para o índice peso para idade de todos os escolares. É possível observar que 2,7% das crianças estão abaixo do peso, 83,78% estão eutróficas e 13,51% estão acima do peso. Destaca-se que o terceiro ano foi a turma onde houve a maior prevalência de crianças com peso elevado pra idade. Enfatiza-se que este indicador não é utilizado para avaliação de crianças com mais de dez anos, por isso, então, que os estudantes do quarto e quinto ano apresentaram os menores prevalências para todas as classificações referentes a este índice. Quadro 5: Valores de prevalência para o índice Peso/Idade para escolares de cinco a doze anos, segundo série, da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes, localizada no bairro Campeche, Florianópolis, Santa Catarina, em Para crianças acima de 5 anos de idade (Referência: OMS, 2007) Turma Total Alunos Total Avaliados Muito baixo peso da turma da Turma para Idade Baixo peso Peso Adequado Peso elevado Total para Idade para Idade para Idade N N N N N crianças de 5 a 10 anos 1 ano ano ano ano ano crianças maiores de 10 anos 4 ano ano Total (N) Total (%) ,7 83,78 13, (%) 2,7 83,78 13, Acima do Abaixo do peso Eutrofia peso 14

15 A prevalência para valores -2z para o índice E/I alcançou 98% para o sexo feminino e 96% para o sexo masculino. O quadro 6 indica a prevalência de baixa estatura para idade e estatura adequada para idade de todos os escolares. Observa-se que 1,01 % das crianças apresentaram baixa estatura para idade, enquanto 98,98% estão na faixa de adequação. Indicando, assim, que a maioria dos escolares analisados encontrase em uma faixa adequada de crescimento. A figura 1 ilustra, em proporção, o diagnóstico nutricional dos escolares, segundo o índice E/I. Quadro 6: Valores de prevalência para o índice Estatura/Idade para escolares de cinco a doze anos, segundo série, da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes, localizada no bairro Campeche, Florianópolis, Santa Catarina, em Para crianças acima de 5 anos de idade (Referência: OMS, 2007) Turma Total Alunos Total Avaliados Muito Baixa Altura Baixa Altura Alltura Adequada Total da turma da Turma para Idade para Idade para Idade N N N N crianças de 5 a 10 anos 1 ano ano ano ano ano crianças maiores de 10 anos 4 ano ano Total (N) Total (%) ,01 98, (%) 1,01 98, Baixa estatura Estatura adequada 15

16 Figura 1: Proporção do estado nutricional, segundo índice E/I (estatura para idade), de estudantes da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes localizada no bairro Campeche, Florianópolis, Santa Catarina, Estatura/Idade Baixa estatura Estatura Adequada Para o índice IMC/I, os meninos apresentaram a maior prevalência para valores < -2z e -2z< +2z (4% e 84,1%, respectivamente), enquanto as meninas apresentaram maior prevalência para valores +2z (14,6%). As figuras 2 e 3 ilustram a prevalência e a proporção, respectivamente, do diagnóstico nutricional dos escolares de acordo com o índice IMC/I. O quadro 7 indica os valores de prevalência para o índice de IMC/I. Observar-se que 61,61% dos escolares foram classificados com peso adequado (eutrofia), 4,04% abaixo do peso (magreza acentuada ou magreza) e 34,34% acima do peso (sobrepeso, obesidade ou obesidade grave). A prevalência de magreza acentuada e de magreza foi de 1,01% e 3,03%, respectivamente, enquanto a prevalência de obesidade grave foi de 3,03%. Os meninos apresentaram prevalência numericamente mais elevada de magreza acentuada (2,1%), sobrepeso (25,5%), obesidade (16,6%) e obesidade grave (2,1%). As meninas apresentaram maior prevalência de eutrofia (72,9%). Não houve diferença significativa, entre sexos, para o diagnóstico de magreza. 16

17 Figura 2: Prevalência do diagnóstico nutricional de acordo com o índice IMC/I, de estudantes da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes localizada no bairro Campeche, Florianópolis, Santa Catarina, ,00% 70,00% 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% 20,00% Magreza acentuada Magreza Eutrofia Sobrepeso Obesidade Obesidade Grave 10,00% 0,00% Meninas Meninos Total de crianças Figura 3: Proporção do estado nutricional, segundo índice IMC/I (IMC para idade), de estudantes da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes localizada no bairro Campeche, Florianópolis, Santa Catarina, IMC/I Abaixo do peso Eutrofia Acima do peso 17

18 Quadro 7: Valores de prevalência para o IMC/Idade para escolares do primeiro ao quinto ano, segundo série, da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes, localizada no bairro Campeche, Florianópolis, Santa Catarina, em Para crianças acima de 5 anos de idade (Referência: OMS, 2007) Turma Total Total Magreza Magreza Eutrofia Sobrepeso Obesidade Obesidade Alunos Avaliados da turma da Turma Acentuada grave N N N N N N crianças de 5 a 10 anos 1 ano ano ano ano ano crianças maiores de 10 anos 4 ano ano Total (N) Total (%) 100 1,01 3,03 61,61 20,2 11,11 3,03 (%) 4,04 61,61 34,34 Abaixo do peso Eutrofia Acima do peso Com as medidas de circunferência braquial (CB) e dobra cutânea tricipital (DCT) foi calculado, para cada estudante, a área muscular do braço (AMB) e a área adiposa do braço (AGB). A tabela 1 ilustra a média de score-z para CB, DCT, AMB e AGB de todos os escolares analisados. 18

19 Tabela 1: Média de score-z de CB (circunferência braquial), DCT (dobra cutânea tricipital), AMB (área muscular do braço) e AGB (área adiposa do braço) de estudantes da Escola Básica Brigadeiro Eduardo Gomes localizada no bairro Campeche, Florianópolis, Santa Catarina, Média de score-z sexo Feminino Masculino Total CB 0,47-0,01 0,46 DCT 0,76 0,51 1,27 AMB 0,01-0,55-0,28 AGB 0,65 0,41 0,53 19

20 5. DISCUSSÃO De acordo com a coordenação geral de Alimentação e Nutrição, a grande preocupação com o aumento da obesidade infantil e o lançamento do padrão de crescimento para crianças pré-escolares pela Organização Mundial da Saúde - OMS em abril de 2006 fizeram com que se tornasse urgente o desenvolvimento de uma referência de crescimento única para a avaliação de crianças, em idade escolar, e adolescentes. A avaliação antropométrica das crianças chama a atenção para o estado nutricional adequada da maioria das crianças. No que se refere evidenciado pelo índice IMC para idade em todas as faixas etárias observam- se casos de sobrepeso ou obesidade, apenas uma pequena minoria apresentou esse índice abaixo, diagnosticada como magreza. Valores do IMC para idade superiores a 2 escores z indicam acúmulo de tecido adiposo e são usualmente utilizados para diagnosticar a condição de obesidade (WOLRD HEALTH ORGANIZATION, 1995). No que se refere aos déficits de estatura foi observado apenas um caso. Porém, de acordo com Vitolo (2003), o crescimento longitudinal, ou seja, o ganho em altura, é proporcionalmente mais lento que o aumento de peso. Assim, na vigência de déficit nutricional em qualquer idade, a altura não sofre impacto imediato, mas o peso, sim. Por esse motivo é que se reconhece a importância de se manter as crianças com peso adequado, para que não haja prejuízo na estatura, pois quando esse torna presente, parece não haver condições de recuperação. De acordo com o a POF 2008/2009, a maior prevalência de déficit de altura foi encontrada na Região Norte (8,5%) e a menor na Região Sul (3,9%). Prevalências muito próximas à média nacional foram encontradas nas Regiões Nordeste (5,9%), Sudeste (6,1%) e Centro-Oeste (6,1%). No País como um todo, a prevalência de déficit de altura foi a mesma no meio urbano e no meio rural A prevalência de défi cit de altura na faixa etária de 5 a 9 anos foi de 6,8%, sendo ligeiramente maior em meninos (7,2%) do que em meninas (6,3%) e tendendo a diminuir com a idade. Conforme mencionado, a prevalência de défi cit de altura nessa faixa etária reflete, sobretudo, a magnitude da desnutrição infantil na primeira metade da década de (POF, 2009). 20

21 O índice peso para idade apontou a prevalência de casos de peso elevado para a faixa etária correspondente. Apenas dois casos de déficit de peso foram observados. A POF aponta que déficit de peso foi diagnosticado em 4,1% das crianças, com pouca variação entre os sexos e segundo os grupos de idade. Excesso de peso foi diagnosticado em cerca de um terço dos meninos e meninas, excedendo, assim, em mais de oito vezes a frequência de déficit de peso. Quadros de obesidade correspondeu a cerca de um terço do total de casos de excesso de peso no sexo feminino e a quase metade no sexo masculino. Observando comparativamente as prevalências apresentadas nos resultados com aquelas registradas a nível nacional e regional e ao padrão internacional esperado, estabelecido pela OMS, é observada a transição nutricional que vive o país. É possível identificar a evolução da prevalência de casos de obesidade e sobrepeso e o declínio da desnutrição. Nota- se, com os resultados apresentados, que o perfil nutricional das crianças segue na direção do padrão internacional. Avaliações do crescimento permitem conhecer o estado de bem-estar geral de crianças individualmente, de grupos de crianças, ou da comunidade onde vivem. Acompanhar adequadamente crianças desde seu nascimento permite prevenir e identificar desvios do crescimento normal e alertar sobre problemas gerais de saúde. O perfil nutricional de uma população está relacionado ao padrão de alimentação, educação, saneamento e serviços básicos de saúde. Distúrbios nutricionais afetam as habilidades físicas e intelectuais da população e expõem os indivíduos a riscos de morbidade e mortalidade. A avaliação do estado nutricional é uma etapa fundamental no estudo de uma criança, para que possamos verificar se o crescimento está se afastando do padrão esperado por doença e/ou por condições sociais desfavoráveis. Ela tem por objetivo verificar o crescimento e as proporções corporais em um indivíduo ou em uma comunidade, visando estabelecer atitudes de intervenção. De acordo com Saldiva (2010), uso das medidas antropométricas pode ser utilizado para se avaliar o estado nutricional e de saúde de uma população. Nesse sentido, a antropometria tem sido reconhecida internacionalmente como um importante 21

22 indicador do crescimento infantil, sendo uma técnica prática e imediatamente aplicável para o estudo do acompanhamento do crescimento durante os primeiros anos de vida. Embora, idealmente, a avaliação nutricional deva associar as medidas antropométricas com parâmetros bioquímicos, em trabalhos de campo, onde um grande número de indivíduos é avaliado, a antropometria, isoladamente, pode ser uma estratégia satisfatória para o rastreamento de fatores de risco nutricionais. (SALDIVA, 2010) 22

23 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Após analise das informações coletadas na Escola de Ensino Básicas Brigadeiro Eduardo Gomes, com crianças do primeiro ao quinto ano, observou-se que apesar de a maioria das crianças apresentarem um estado nutricional considerado adequado para a sua faixa etária, há um aumento significativo nas taxas de obesidade entre as mesmas. A obesidade infantil é um problema de dimensão mundial, que apresenta crescimento constante e que normalmente está associada a uma alimentação inadequada e a falta de atividade física, podendo, contudo está relacionada a outros fatores como, por exemplo, o fator genético. Para chegar a essas conclusões o grupo analisou as medidas das crianças com base no protocolo do SISVAN que coloca o percentil acima de 97 como peso elevado para idade, e essa característica foi encontrada em todas as turmas analisadas pelas acadêmicas. Outro ponto que chamou a atenção do grupo foi que dentre as 101 crianças analisadas foram encontradas apenas dois casos de magreza, que segundo o SISVAN são casos de percentil inferior a três. Apesar de a desnutrição também ser um problema que exige muitos cuidados, hoje vem apresentando redução em suas taxas, diferente da obesidade, onde as taxas se elevam mais a cada dia. Outra característica verificada foi que dentre todas as crianças avaliadas foram encontrados poucos casos de déficit de altura, sendo que nem todas as turmas apresentaram está característica, o que nos leva a crer que elas não estão tendo sua altura comprometida por problemas sérios e de larga escala como, por exemplo, a desnutrição. Sendo assim, o grupo pode concluir que as crianças analisadas apresentam, em sua maioria, padrões antropométricos considerados adequados segundo o protocolo do SISVAN, e que dentre os casos que se diferem, é necessário dar uma maior atenção à obesidade infantil, pois esta vem crescendo consideravelmente e acometendo crianças de todas as faixas etárias, que podem apresentar seu desenvolvimento comprometido em virtude deste problema. 23

24 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MASON, J. B. et al. Nutritional Surveillance. Geneva: WHO MARINS, V. M. R. V. et al. Perfil antropométrico de crianças de 0 a 5 anos do Município de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Rio de Janeiro, YANOVSKI, S.; YANOVSKI, J. Obesity MONTEIRO, C. A.; MONDINI, L. DE S. A. L.; POPKIN, B. M. The nutrition transition in Brazil DIETZ, W. H.; GORTMAKER, S. L. Preventing obesity in children and adolescents GILL, T. P. Key issues in the prevention of obesity TADDEI, J. A. A. C. Epidemiologia da obesidade na infância. In: Fisberg M. Obesidade na infância e adolescência. São Paulo: Fundação BIK; p.14-8 SALDIVA, S. R. D. M.; SILVA, L. F. F.; SALDIVA, P. H. N. Avaliação antropométrica e consumo alimentar em crianças menores de cinco anos residentes em um município da região do semiárido nordestino com cobertura parcial do programa bolsa família VITOLO, M. R. Nutrição da Gestação a Adolescência. Rio de Janeiro: Reichmann & Editores, NSW Centre for Public Health Nutrition. Best options for promoting healthy weight and preventing weight gain in NSW. New South Wales: University of Sidney, Universidade Federal de Santa Catarina. Departamento de Nutrição. Avaliação do estado nutricional de comunidades: medição da desnutrição manifesta - antropometria. Florianópolis; Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição. (INAN). Pesquisa nacional de saúde e nutrição: perfil de crescimento da população brasileira de 0 a 25 anos. Brasília; Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN. Disponível em: <http://nutricao.saude.gov.br/sisvan.> acesso em junho de Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. Disponível em: <www.ibge.gov.br >. Acesso em junho de

25 25

Avaliação antropométrica de crianças

Avaliação antropométrica de crianças Avaliação antropométrica de crianças Sylvia do Carmo Castro Franceschini Taís Cristina Araújo Magalhães Fabiana de Cássia Carvalho de Oliveira Viçosa Agosto, 2010 Peso: início da vida perda de peso fisiológica

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA Lilian dos Santos Rodrigues Sadeck Introdução O seguimento ambulatorial dos recém-nascidos (RN), iniciando até 7 dias após a alta hospitalar, é importante

Leia mais

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda Determinantes Sociais da Saúde Professor: Dr. Eduardo Arruda Conteúdo Programático desta aula Epidemiologia social e os Determinantes Sociais da Saúde (DSS); Principais Iniquidades em Saúde no Brasil;

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO

DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO DIAGNÓSTICO DA PREVALÊNCIA DA OBESIDADE INFANTIL NO ENSINO FUNDAMENTAL DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Eduardo Silva Pinheiro Neves (PIBIC-Jr/Fundação Araucária), Paulo César Paulino (Orientador),

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo...

ÍNDICE. CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO Introdução Pertinência do trabalho Objectivos e Hipóteses de Estudo... ÍNDICE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Pertinência do trabalho... 2 1.3. Objectivos e Hipóteses de Estudo... 2 CAPÍTULO 2: REVISÃO DA LITERATURA... 5 2.1. Obesidade Infantil... 5

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS A avaliação antropométrica em adultos envolve vários indicadores. A escolha do indicador dependerá do que se quer avaliar e

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Tainá Gomes Diniz; Caroline Severo de Assis; Suzy Souto de Oliveira Faculdade de Ciências

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

Aula prática. O roteiro da aula prática. O que se vai calcular no software Anthro/AnthroPlus. Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006)

Aula prática. O roteiro da aula prática. O que se vai calcular no software Anthro/AnthroPlus. Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) Anthro (WHO 2006) 5/6/217 Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição HNT21 Avaliação Nutricional O roteiro da aula prática 1 atividade:, versão 3 de 211 Aula prática a) Uso do software

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL E DO RISCO CARDIOVASCULAR DA CORPORAÇÃO DE BOMBEIROS DE MARINGÁ/PR Juciane Tonon Chinarelli 1 ; Renata Cristina Casale

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADOLESCENTES CAPÍTULO 2 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADOLESCENTES A avaliação nutricional dos adolescentes deve considerar a idade cronológica (peso, estatura e idade) e a idade biológica

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Marcos Felipe Silva de Lima marcosfelipe@ymail.com Larissa Praça de Oliveira

Leia mais

Curso: Nutrição. Disciplina: Avaliação Nutricional Professora: Esp. Keilla Cardoso Outubro/2016

Curso: Nutrição. Disciplina: Avaliação Nutricional Professora: Esp. Keilla Cardoso Outubro/2016 Curso: Nutrição Disciplina: Avaliação Nutricional Professora: Esp. Keilla Cardoso Outubro/2016 ANTROPOMETRIA CIRCUNFERÊNCIAS CIRCUNFERÊNCIAS Finalidade das Medidas de Circunferências Podem representar:

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS CADERNO DE EXERCÍCIOS MEDIDAS E AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Prof. Ms.C. Ana Beatriz Monteiro http://avaliacaoemeducacaofisica.webnode.com Nome: Introdução Crescimento é a atividade biológica dominante

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA

AUTOR(ES): LUIS FERNANDO ROCHA, ACKTISON WENZEL SOTANA, ANDRÉ LUIS GOMES, CAIO CÉSAR OLIVEIRA DE SOUZA, CLEBER CARLOS SILVA 16 TÍTULO: NÍVEL DE OBESIDADE ENTRE MÃES E FILHOS ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS PADRE ALBINO AUTOR(ES):

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO Profª. MSc. Karla Vanessa do Nascimento Silva PACIENTE ACAMADO Induvíduos altamente dependentes e que necessitam

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:775.543

Leia mais

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Coordenação: Deborah Carvalho Malta Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis

Leia mais

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN:

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 MANUAL DE AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE ADULTOS PARA ESTUDANTES DE NUTRIÇÃO Sônia Maria Ximenes Gomes Lilian Vasconcelos

Leia mais

Avaliação Nutricional

Avaliação Nutricional Avaliação Nutricional Prof a Renato Marques 5 o período de Enfermagem Importância e conceitos da Avaliação Nutricional ESTADO NUTRICIONAL Definição Condição de saúde de um indivíduo, influenciada pelo

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS

Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS Grande redução da desnutrição em crianças menores de 5 anos de idade nas últimas décadas: alcance antecipado de meta do

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Janaína V. dos S. Motta EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL Relatório Mundial de Saúde 1) Água contaminada e falta de saneamento; 2) Uso de combustíveis

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E FATORES ASSOCIADOS AO BAIXO PESO AO NASCER EM CRIANÇAS*

ESTADO NUTRICIONAL E FATORES ASSOCIADOS AO BAIXO PESO AO NASCER EM CRIANÇAS* ESTADO NUTRICIONAL E FATORES ASSOCIADOS AO BAIXO PESO AO NASCER EM CRIANÇAS* ALYNE PEREIRA MACEDO, MARIA GROSSI MACHADO Resumo: o objetivo foi diagnosticar o estado nutricional e verificar a associação

Leia mais

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti.

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. Obesidade Infantil Nutrição & Atenção à Saúde Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. A Obesidade Infantil O Problema da Obesidade Infantil É uma doença

Leia mais

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net)

FIEP BULLETIN - Volume 82 - Special Edition - ARTICLE I (http://www.fiepbulletin.net) CORRELAÇÃO ENTRE O ÍNDICE DE ADIPOSIDADE CORPORAL, ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E ESTIMATIVA DE ADIPOSIDADE CORPORAL POR MEIO DE DE DOBRAS CUTÂNEAS EM DIFERENTES FAIXAS ETÁRIAS RAFAEL MACEDO SULINO HENRIQUE

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE.

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: RELAÇÃO ENTRE INATIVIDADE FÍSICA E ÍNDICE DE MASSA CORPORAL EM CRIANÇAS DA REDE MUNICIPAL DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO PE. RAMON WAGNER BARBOSA DE HOLANDA PABLO RUDÁ FERREIRA BARROS

Leia mais

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ESCOLARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICA E PRIVADA EM UMA CIDADE DA REGIÃO NORTE RESUMO

COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ESCOLARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICA E PRIVADA EM UMA CIDADE DA REGIÃO NORTE RESUMO COMPOSIÇÃO CORPORAL DE ESCOLARES DA REDE DE ENSINO PÚBLICA E PRIVADA EM UMA CIDADE DA REGIÃO NORTE PEDROSA, Olakson Pinto. Professor do Curso de Educação Física da ULBRA * NETO, Wilson Nonato Rabelo. Graduado

Leia mais

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Nadine Herreria dos Santos 2 ; Talita Poli Biason 1 ; Valéria Nóbrega da Silva 1 ; Anapaula

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS.

IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. IMC DOS ALUNOS DO 4º PERÍODO DO CURSO TÉCNICO EM ALIMENTOS DO INSTITUTO FEDERAL DE GOIÁS CAMPI/INHUMAS. MÁXIMO, Jefferson Jorcelino 1 Introdução: O índice de massa corpórea IMC é uma medida simples do

Leia mais

ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA

ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA ANÁLISE DO CRESCIMENTO CORPORAL DE CRIANÇAS DE 0 À 2 ANOS EM CRECHES MUNICIPAIS DE GOIÂNIA Juliana Campos Rodovalho 1 ; Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga 2 ; Lílian Fernanda

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Jordana Lara de Miranda Camargo 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde Situação Alimentar e Nutricional no Brasil e no Mundo - O rápido declínio da desnutrição infantil no Brasil e o papel das políticas públicas na redução das desigualdades Coordenação-Geral da Política de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1

A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1 A INFLUÊNCIA DE UM PROGRAMA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS NA GORDURA CORPORAL DOS PARTICIPANTES DO PIBEX INTERVALO ATIVO 1 CARDOSO, Eduardo Rangel 2 ; PANDA, Maria Denise de Justo 3 ; FIGUEIRÓ, Michele Ferraz

Leia mais

PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins

PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins Gabriela de Medeiros Cabral 1, Avelino Pereira Neto 2 1 Professora do Ensino Básico,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PAPEL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NO PROGRAMA BOLSA FAMILIA A Secretaria Municipal de Saúde deverá conforme Art. 14 do Decreto n.º 5.209,

Leia mais

Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira

Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira Juliana Mayo Helena Recht Pombo 1 Sandra M. M. Rodrigues

Leia mais

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS?

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres CONDICIONALIDADES DE SAÚDE Mulheres entre 14 e 44 anos: Pré-natal

Leia mais

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN

Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde de 2006 e 2007 no SISVAN Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Incorporação da curvas de crescimento da Organização Mundial da

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL NA PRÁTICA CLÍNICA NUTRIÇÃO CLÍNICA 2010/2011 2º SEMESTRE OBJECTIVOS Verificar desvios nutricionais egrau Identificar doentes com necessidade de intervenção nutricional Avaliar a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: Bacharelado em Nutrição DEPARTAMENTO: Nutrição em Saúde

Leia mais

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE

DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE DIETOTERAPIA INFANTIL DOENÇAS CRÔNICAS NA INFÂNCIA OBESIDADE Um dos principais problemas de saúde pública da atualidade, Doença nutricional que mais cresce no mundo e de mais difícil tratamento; Etiologia

Leia mais

Enquanto isso, o texto desta semana trata da avaliação do estado nutricional de escolares. Os professores costumam nos perguntar como se faz para

Enquanto isso, o texto desta semana trata da avaliação do estado nutricional de escolares. Os professores costumam nos perguntar como se faz para 14 a Semana Chegamos à penúltima atividade do nosso curso. Estamos em fase de preparação para as apresentações dos projetos nos encontros presenciais que acontecerá nas cidades: 07/12 Marília 09/12 Leme

Leia mais

Profa. Raquel Simões. Índice de massa corpórea (IMC) = peso (kg)/altura (m) 2

Profa. Raquel Simões. Índice de massa corpórea (IMC) = peso (kg)/altura (m) 2 IMC/Idade Profa. Raquel Simões O que é IMC? Índice de massa corpórea (IMC) = peso (kg)/altura (m) 2 IMC é efetivo como ferramenta de triagem e não de diagnóstico (identificar indivíduos com baixo o excesso

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE ESCOLARES DE SETE A NOVE ANOS DE IDADE DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE MOGI GUAÇU, SÃO PAULO

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE ESCOLARES DE SETE A NOVE ANOS DE IDADE DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE MOGI GUAÇU, SÃO PAULO ISSN 0103-4235 ISSN 2179-4448 on line Alim. Nutr., Araraquara v. 22, n. 2, p. 191-196, abr./jun. 2011 AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE ESCOLARES DE SETE A NOVE ANOS DE IDADE DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE MOGI

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Alceste Ramos Régio

Leia mais

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE

Leia mais

INTRODUÇÃO PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÕES

INTRODUÇÃO PROBLEMA DE INVESTIGAÇÃO OBJECTIVOS METODOLOGIA RESULTADOS CONCLUSÕES ONOCOP Hotel Tivoli Marina Vilamoura 19 Novembro 2009 Joana Sousa Dietista Trabalho a ser desenvolvido no âmbito do Doutoramento em Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova

Leia mais

DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli. intervenções preventivas no início da vida trazem benefícios para a vida inteira

DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli. intervenções preventivas no início da vida trazem benefícios para a vida inteira 1 NUTRIÇÃO E SAÚDE DEPTO. DE ALIMENTOS E NUTRIÇÃO EXPERIMENTAL B14 Célia Colli 2 GRUPO DE NUTRIÇÃO ALIMENTOS E NUTRIÇÃO II/ FBA 417 Célia Colli Minerais em nutrição Fernando Salvador Moreno Dieta, nutrição

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA.

ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA. CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 ANÁLISE COMPARATIVA DE SOBREPESO E OBESIDADE NO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PARTICULAR E UMA ESCOLA PÚBLICA

Leia mais

EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O PESO CORPORAL E A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES OBESAS

EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS DE TREINAMENTO FÍSICO SOBRE O PESO CORPORAL E A COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES OBESAS A obesidade é uma doença crônica classificada como epidêmica, tendo apresentado importante aumento na sua prevalência nas últimas décadas, em diversos países, em todas as faixas etárias e níveis econômicos

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE I

INDICADORES DE SAÚDE I Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia INDICADORES

Leia mais

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave Frederico Vitório Lopes Barroso Morbidade Materna Grave Nos últimos anos, as mulheres que sobrevivem a complicações graves da gestação, near miss,

Leia mais

Ana Paula Aires², Ariane de Oliveira Botega², Flaviana Pedron², Gabriela Pinto², Naiani Ramos², Priscila Pereira² e Ana Lúcia de Freitas Saccol³

Ana Paula Aires², Ariane de Oliveira Botega², Flaviana Pedron², Gabriela Pinto², Naiani Ramos², Priscila Pereira² e Ana Lúcia de Freitas Saccol³ Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 10, n. 1, p. 77-86, 2009. ISSN 1982-2111 PERFIL NUTRICIONAL DE ALUNOS EM ESCOLA PÚBLICA¹ PROFILE NUTRITIONAL OF STUDENTS IN SCHOOL PUBLIC

Leia mais

Palavras chave: avaliação nutricional, estado nutricional, índice de massa corporal

Palavras chave: avaliação nutricional, estado nutricional, índice de massa corporal AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DOS ADOLESCENTES INGRESSOS NO PRIMEIRO ANO DO CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO, DO TURNO NOTURNO, NO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Campus São Miguel dos Campos. Lucas

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista)

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 CRESCIMENTO DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA POR QUINTIL (2002

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica - ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO A Pesquisa

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Antropometria O objetivo desta seção é apresentar a mediana das medidas de peso e altura aferidas no contexto da Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF 2008-2009, e analisá-las

Leia mais

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA

SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA SISTEMA ESPECIALISTA BASEADO EM REGRAS PARA AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ATRAVÉS DE MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS IMPLEMENTADO NO EXPERT SINTA Omero Francisco Bertol 1,2, Percy Nohama 1, Deborah Ribeiro Carvalho 3

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS

ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS 20 a 24 de outubro de 2008 ESTADO NUTRICIONAL E RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES EM IDOSOS Gizele Regina Fanhani Casarin 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO: O envelhecimento é um processo dinâmico e progressivo,

Leia mais

ADIPOSIDADE CORPORAL EM CRIANÇAS DE BAIXA RENDA

ADIPOSIDADE CORPORAL EM CRIANÇAS DE BAIXA RENDA Artigo Original Cinergis ISSN 1519-2512 ADIPOSIDADE CORPORAL EM CRIANÇAS DE BAIXA RENDA Andréa Jaqueline Prates Ribeiro 1,Sandra Fachineto 2, Eliéser Felipe Livinalli 3 RESUMO O objetivo deste estudo foi

Leia mais

AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES

AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES AVALIAÇÃO IMC E DE CONSUMO DE ALIMENTOS FONTE DE PROTEÍNA, VITAMINA C E MAGNÉSIO POR ESCOLARES RODRIGUES, Fernanda Nunes (UNITRI) nanda-nutricao@hotmail.com ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS LISTA DE ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT VII IX X XI XII

ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS LISTA DE ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT VII IX X XI XII ÍNDICE GERAL ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE TABELAS ÍNDICE DE FIGURAS LISTA DE ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT III VII IX X XI XII 1. INTRODUÇÃO 13 1.1. Pertinência do trabalho 14 1.2. Objectivos e Hipóteses de Estudo

Leia mais

ISSN Prevalência de excesso de peso infantil... Ribeiro, G. M.; Silva, L. M. L; Ibiapina, D. F. N. PESQUISA

ISSN Prevalência de excesso de peso infantil... Ribeiro, G. M.; Silva, L. M. L; Ibiapina, D. F. N. PESQUISA PESQUISA Prevalência de excesso de peso infantil em escolas públicas de Teresina - PI Prevalence of overweight children in public schools Teresina PI Prevalencia de niños con exceso de peso en escuelas

Leia mais

Transição demográfica

Transição demográfica Transição demográfica u Teoria da transição demográfica foi proposta considerando-se as relações entre crescimento populacional e desenvolvimento socioeconômico. u O desenvolvimento econômico e a modernização

Leia mais

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população.

A taxa ou coeficiente de mortalidade representa a intensidade com que os óbitos por uma determinada doença ocorrem em dada população. Mortalidade Mortalidade é uma propriedade natural das comunidades dos seres vivos. Refere-se ao conjunto dos indivíduos que morrem em um dado intervalo de tempo e em certo espaço. A taxa ou coeficiente

Leia mais

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ Praça Frei Aurélio 1397,Centro-Canindé-Ce CEP:62.700-000 Fone:(85)3343-1826 Fax:(85)3343-1838 E-mail:cnccaninde@yahoo.com.br RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL E PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA, RS

ESTADO NUTRICIONAL E PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA, RS Nutrição Santa Maria, v. 42, n.2, p. 203-213, jul./dez. 2016 ESTADO NUTRICIONAL E PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO MUNICÍPIO DE CAIÇARA, RS NUTRITIONAL STATUS AND BOLSA FAMILIA PROGRAM

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DE APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA A SAÚDE DE ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA

TÍTULO: ANÁLISE DE APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA A SAÚDE DE ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA 16 TÍTULO: ANÁLISE DE APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA A SAÚDE DE ESCOLARES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde OBJETIVOS DO SISVAN I -Fornecer informação contínua e atualizada sobre a situação alimentar

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DA CRECHE DO MUNICÍPIO DE BONITO-PE

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DA CRECHE DO MUNICÍPIO DE BONITO-PE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DA CRECHE DO MUNICÍPIO DE BONITO-PE Emanuel Siqueira Guimarães ¹ Diêgo Edmilson de Miranda ² Paulo Ricardo e Silva Esperidião Júnior ³ Ricardo João Da Silva Márcia Virgínia Bezerra

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SEGUNDO A CIRCUNFERÊNCIA DO BRAÇO E PREGA CUTÂNEA TRICIPITAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA- PB

ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SEGUNDO A CIRCUNFERÊNCIA DO BRAÇO E PREGA CUTÂNEA TRICIPITAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA- PB ESTADO NUTRICIONAL DE IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS SEGUNDO A CIRCUNFERÊNCIA DO BRAÇO E PREGA CUTÂNEA TRICIPITAL NA CIDADE DE JOÃO PESSOA- PB Daiane Veloso de Araújo (1); Larissa Raquel Gonzaga da Silva (1);

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DE MESES, A PARTIR DO USO COMPARATIVO DAS REFERÊNCIAS DE CRESCIMENTO CDC 200 E OMS 2005

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DE MESES, A PARTIR DO USO COMPARATIVO DAS REFERÊNCIAS DE CRESCIMENTO CDC 200 E OMS 2005 AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DE 24-60 MESES, A PARTIR DO USO COMPARATIVO DAS REFERÊNCIAS DE CRESCIMENTO CDC 200 E OMS 2005 Débora Deolindo Silva 1 Cintia Satie Gushiken¹ Mayumi Akiba¹ Luiza Cristina

Leia mais

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PÚBLICA. RESUMO

PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PÚBLICA. RESUMO PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PÚBLICA. Rodrigo Cabral Lacerda* Fábio Antônio Tenório de Melo** RESUMO O objetivo do estudo foi avaliar a prevalência de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FÍSICO E ESTADO NUTRICIONAL DOS ESCOLARES DA UNIDADE DE EDUCAÇÃO INFANTIL CREMAÇÃO - BELÉM, PARÁ, BRASIL- UM ESTUDO DE CASO.

AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FÍSICO E ESTADO NUTRICIONAL DOS ESCOLARES DA UNIDADE DE EDUCAÇÃO INFANTIL CREMAÇÃO - BELÉM, PARÁ, BRASIL- UM ESTUDO DE CASO. AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO FÍSICO E ESTADO NUTRICIONAL DOS ESCOLARES DA UNIDADE DE EDUCAÇÃO INFANTIL CREMAÇÃO - BELÉM, PARÁ, BRASIL- UM ESTUDO DE CASO. INTRODUÇÃO MAY DA COSTA MENDONÇA RENATA MENDONÇA DE

Leia mais

Evolução da desnutrição infantil no Brasil e o alcance da meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Evolução da desnutrição infantil no Brasil e o alcance da meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 4 Evolução da desnutrição infantil no Brasil e o alcance da meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Eduardo Augusto Fernandes Nilson, Ana Carolina Feldenheimer da Silva Sumário 14 Evolução da

Leia mais

APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS. Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1

APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS. Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1 APLICAÇÃO DO ÍNDICE DE RISCO NUTRICIONAL (IRN) E AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA EM IDOSOS Kiss, S. A., Caselato de Sousa, V.M. 1 Universidade do Vale do Paraíba/Nutrição 1 - Avenida Shishima Hifumi, 2.911 Urbanova

Leia mais

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS

INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS INDICE ANTROPOMÉTRICO-NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE BAIXA RENDA INCLUSAS EM PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS Carla Andréa Metzner 1 Ana Paula Falcão 2 RESUMO No presente trabalho coletou-se dados referente ao Indicador

Leia mais

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação

Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Estado nutricional de gestantes em diferentes períodos de gestação Juliany Piazzon Gomes 1 Cristina Simões de Carvalho Tomasetti 2 Rejane Dias Neves Souza 3 RESUMO: Acompanhou-se 33 gestantes com a finalidade

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

Avaliação antropométrica de pré-escolares residentes em zonas urbana e rural no município de Cajamar, São Paulo

Avaliação antropométrica de pré-escolares residentes em zonas urbana e rural no município de Cajamar, São Paulo Avaliação antropométrica de pré-escolares residentes em zonas urbana e rural no município de Cajamar, São Paulo Assessment of nutritional status of preschoolers residents in areas of urban and rural county

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU-PR.

PROMOÇÃO DA SAÚDE NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU-PR. 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PROMOÇÃO DA SAÚDE NUTRICIONAL DE ESCOLARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU-PR. Marieta Fernandes Santos 1 ; Oscar Kenji Nihei 2, Helder

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS - SUA RELAÇÃO COM A OBESIDADE

AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS - SUA RELAÇÃO COM A OBESIDADE ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS RESPIRADORAS ORAIS - SUA RELAÇÃO COM A OBESIDADE Denise

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS PATIENTS IN USE OF ANTIRETROVIRAL THERAPY

ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS PATIENTS IN USE OF ANTIRETROVIRAL THERAPY Disciplinarum Scientia, Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 4, n. 1, p. 95-102, 2004. 95 ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES HIV/AIDS EM USO DE TERAPIA ANTI-RETROVIRAL 1 NUTRITIONAL STATUS OF HIV/AIDS

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA ESCOLARES COMO MÉTODO PARA MODIFICAÇÃO DA PREFERÊNCIA ALIMENTAR

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA ESCOLARES COMO MÉTODO PARA MODIFICAÇÃO DA PREFERÊNCIA ALIMENTAR EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA ESCOLARES COMO MÉTODO PARA MODIFICAÇÃO DA PREFERÊNCIA ALIMENTAR Aline Jabur Castilho(Acadêmica/UNICENTRO), Adriana Honaiser (ICV/ UNICENTRO), Caroline Christ (Acadêmica/UNICENTRO),

Leia mais

ESTUDO DA POSSÍVEL CORRELAÇÃO ENTRE

ESTUDO DA POSSÍVEL CORRELAÇÃO ENTRE ESTUDO DA POSSÍVEL CORRELAÇÃO ENTRE CONSUMO DE DIVERSOS TAMANHOS DE CALÇAS COM GANHO DE MASSA CORPORAL DE UMA POPULAÇÃO DE TRABALHADORES Caro Salve 1 1 Departamento Ciências do Esporte Faculdade de Educação

Leia mais