UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Nefrologia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Nefrologia"

Transcrição

1 I - UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Nefrologia COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no Programa, sendo um destes o Coordenador e o suplente do Coordenador, e 1 (um) representante discente, tendo cada membro titular seu suplente. Orientadores plenos do programa externos à USP poderão compor a CCP respeitado o disposto no artigo 35 do Regimento de Pós-graduação da USP. II - CRITÉRIOS DE SELEÇÃO II.1 Proficiência em língua estrangeira A proficiência em língua estrangeira será exigida para a inscrição no processo seletivo, conforme item V deste Regulamento. II.2 Requisitos para o Mestrado Os documentos para inscrição, o número de vagas disponíveis, os critérios para seleção, bem como informações sobre matrícula, constarão de Edital específico, a ser divulgado no Diário Oficial do Estado de São Paulo e na página eletrônica do programa. Os itens de avaliação são: a) desempenho em prova escrita de conhecimento específico na área do estudo proposto no plano de pesquisa, sendo esta prova eliminatória e com nota mínima de aprovação de 7,0 (sete) peso 2; b) avaliação da proposta de pesquisa, incluindo arguição sobre a mesma peso 6; c) análise do Curriculum Lattes peso 2; d) A nota mínima de aprovação será 7,0 (sete) II.3 Requisitos para o Doutorado Os itens de avaliação são: 1

2 a) publicação ou aceitação do trabalho de dissertação em periódico de circulação internacional, indexado no PubMed ou com indexação superior; b) desempenho em prova escrita de conhecimento específico na área de estudo proposto no plano de pesquisa, sendo esta prova eliminatória e com nota mínima de aprovação de 7,0 (sete)- peso 2 ; c) avaliação da proposta de pesquisa, incluindo arguição sobre o mesma peso 6; d) análise do Curriculum Lattes peso 2 ; e) a nota mínima de aprovação será 7,0 (sete) II.4 Requisitos para o Doutorado Direto Os itens de avaliação são: a) desempenho em prova escrita de conhecimento específico na área de estudo proposto no plano de pesquisa, sendo esta prova eliminatória e com nota mínima de aprovação de 7,0 (sete)- peso 2 ; b) avaliação da proposta de pesquisa, incluindo arguição oral sobra a mesma peso 4; c) Comprovação de publicação prévia de manuscritos em periódicos científicos de circulação internacional, indexados no PubMed ou com indexação superior e/ou a apresentação de trabalhos em congressos e/ou a realização de iniciação científica, e experiência prévia em área acadêmica de instituição de ensino superior - peso 4. d) a nota mínima de aprovação será 7,0 (sete) III PRAZOS III.1 No curso de Mestrado o prazo para depósito da dissertação é de 36 meses. III.2 No curso de Doutorado, para o(a) portador(a) do título de mestre outorgado pela USP ou por ela reconhecido, o prazo para depósito da tese é de 48 meses. 2

3 III.3 No curso de Doutorado, sem obtenção prévia do título de mestre outorgado pela USP ou por ela reconhecido, (Doutorado Direto), o prazo para depósito da tese é de 48 meses. III.4 Em qualquer um dos cursos, em casos excepcionais devidamente justificados, os estudantes poderão solicitar prorrogação de prazo por no máximo de 360 dias para o Mestrado e Doutorado e 720 dias para o Doutorado Direto. IV - CRÉDITOS MÍNIMOS IV.1 O(A) estudante de Mestrado deverá integralizar um mínimo de unidades de crédito, da seguinte forma: - 96 unidades de crédito, sendo 16 em disciplinas e 80 na dissertação. IV.2 O(A) estudante de Doutorado, portador do título de mestre outorgado pela USP ou por ela reconhecido, deverá integralizar um mínimo de unidades de crédito, da seguinte forma: unidades de crédito, sendo 8 em disciplinas e 176 na tese. IV.3 O(A) estudante de Doutorado, sem a obtenção prévia do título de mestre outorgado pela USP ou por ela reconhecido, deverá integralizar um mínimo de unidades de crédito, da seguinte forma: unidades de crédito, sendo 24 em disciplinas e 176 na tese. Poderão ser concedidos, como créditos especiais equivalentes aos de disciplina, no máximo 4 (quatro) créditos para o Curso de Mestrado, 2 (dois) créditos para o curso de Doutorado e 6 (seis) créditos para o curso de Doutorado Direto. Tais créditos estão especificados no item XVII Outras Normas, deste Regulamento. V - LÍNGUA ESTRANGEIRA Os estudantes deverão demonstrar proficiência em Inglês, tanto para o Mestrado quanto para o Doutorado. 1) Serão aceitos unicamente os seguintes testes de proficiência em inglês, com validade de 5 anos: a) Reading Test in English for Candidates for Postgraduate Courses, realizado pela Cultura Inglesa, exclusivamente para a Faculdade de Medicina da USP. 3

4 b) Toefl internet-based Test; c) Toefl Computer-based Test,; (d) Toefl Paper-based Test; UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO As notas ou conceitos mínimos para aceitação dos referidos exames serão diferenciadas para os cursos de mestrado e doutorado e divulgadas em edital do processo seletivo na página do Programa na Internet e no Diário Oficial do Estado de São Paulo. V.1 Aos alunos estrangeiros, além da proficiência em língua inglesa, é exigida também a proficiência em língua portuguesa, demonstrada por meio da apresentação do Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros, CELPE-BRAS, nível intermediário ou superior. V.2 Ao aluno estrangeiro que demonstrar a proficiência em língua portuguesa no Mestrado, não será exigido o exame no Doutorado. V.3 Os alunos estrangeiros deverão demonstrar proficiência em língua portuguesa em até 18 (dezoito) meses para o curso de Mestrado e 24 (vinte e quatro) meses para os cursos de Doutorado e Doutorado Direto, considerando-se a data de início do curso do aluno. VI DISCIPLINAS 1) Os critérios de credenciamento de disciplina no Programa deverão satisfazer pelo menos um dos itens abaixo: a) Mérito e importância para o programa ou; b) Conteúdo ligado às linhas de pesquisa ou; c) Competência específica dos responsáveis, avaliada por produção científica dos últimos cinco anos: publicação de artigos completos em revistas de corpo editorial de seletiva qualidade, de preferência de circulação internacional; livros; capítulos de livros; participação em congressos internacionais e nacionais, coordenação e participação em projetos de pesquisa financiados ou; d) Linha de pesquisa definida, coerente com o conteúdo da disciplina. 2) A solicitação terá que ter parecer circunstanciado, ouvida a CCP. 4

5 VII UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CANCELAMENTO DE TURMAS DE DISCIPLINAS 1) São critérios para cancelamento de turmas de disciplinas: (a) Não ter atingido o número mínimo de estudantes por turma; (b) Solicitação do ministrante devidamente justificada, aprovada pela CCP, até 15 (quinze dias) antes do início da turma. VIII EXAME DE QUALIFICAÇÃO (EQ) O Exame de Qualificação é exigido tanto no curso de Mestrado quanto no curso de Doutorado e Doutorado Direto. A inscrição no exame de qualificação é de responsabilidade do estudante e deverá ser feita no prazo máximo estabelecido pelo programa neste Regulamento (itens VIII.1.1, VIII.2.1 e VIII.3.1) O exame deverá ser realizado no máximo 60 dias após a inscrição. O estudante de pós-graduação que não realizar o exame no período previsto para o seu curso será desligado do programa, conforme item V do artigo 52 do Regimento de Pós- Graduação da USP. Na data da realização da qualificação, o aluno deverá ter integralizado no mínimo 8 (oito) créditos em disciplinas no curso de Mestrado, 4 (quatro) créditos em disciplinas no curso de Doutorado e 12 (doze) créditos em disciplinas no curso de Doutorado Direto. O aluno deverá entregar, no ato da inscrição e na Secretaria do programa, material escrito, contendo os objetivos iniciais e o desenvolvimento do seu projeto, em cinco cópias impressas. A secretaria do programa enviará os textos aos membros da comissão examinadora. A comissão examinadora deve ser constituída por três membros, com titulação mínima de doutor, devendo sua formação ser definida neste Regulamento em cada um dos cursos (mestrado, doutorado e doutorado direto). 5

6 VIII. 1 Mestrado VIII.1.1 O(A) estudante de Mestrado deverá inscrever-se no referido exame no máximo até 18 meses após sua primeira matrícula no curso, obedecendo o calendário estabelecido pelo programa e divulgado na página do programa na Internet. VIII.1.2 O objetivo do exame de qualificação no mestrado é avaliar o conhecimento adquirido em disciplinas e sobre o tema de seu projeto, além da capacidade do(a) estudante em executar seu projeto de pesquisa. O candidato deve apresentar material escrito contendo introdução, métodos, resultados e conclusões parciais e bibliografia do seu projeto de pesquisa no momento da inscrição. O Exame de Qualificação consistirá de : a) apresentação pelo aluno, em aula de até 45 minutos, dos resultados obtidos em seu projeto de dissertação; b) arguição do aluno pela comissão examinadora, baseada na apresentação do seu projeto de dissertação e os respectivos resultados alcançados. Cada examinador terá até 30 minutos para perguntas e o aluno terá até 30 minutos para responder a cada examinador. VIII.1.3 A Comissão Examinadora será composta por três Doutores(as). VIII.1.4 A CCP indicará o presidente da Comissão Examinadora obedecendo, sempre que possível, a hierarquia entre os seus membros. VIII.1.5 O(A) Orientador(a) e o(a) coorientador(a) não poderão fazer parte da Comissão Examinadora, participando apenas como moderadores(as) no referido exame. O orientador será o presidente da Comissão. VIII.2 Doutorado VIII.2.1. O(A) estudante de Doutorado deverá inscrever-se para a realização do exame de qualificação no máximo até 24 meses após o início do curso. VIII.2.2. O objetivo do exame de qualificação no Doutorado é avaliar a capacidade do(a) candidato(a) de desenvolver, de forma independente, o seu projeto de tese, na área de sua 6

7 pesquisa. O candidato deve apresentar material escrito contendo introdução, métodos, resultados e conclusões parciais e bibliografia do seu projeto de pesquisa no momento da inscrição. VIII.2.3 Para o Doutorado, o Exame de Qualificação consistirá de : a) apresentação pelo aluno, em aula de até 45 minutos, dos resultados obtidos em seu projeto de tese. Cada examinador terá até 30 minutos para perguntas e o aluno terá até 30 minutos para responder a cada examinador. b) arguição do aluno pela comissão examinadora, baseada na apresentação do seu projeto de tese e os respectivos resultados alcançados. VIII.2.4 A Comissão Examinadora será composta por três Doutores(as). VIII.2.5 A CCP indicará o presidente da Comissão Examinadora obedecendo, sempre que possível, a hierarquia entre os seus membros. VIII.2.6 O(A) Orientador(a) e o(a) coorientador(a) não poderão fazer parte da Comissão Examinadora, participando apenas como moderadores(as) no referido exame. O orientador será o presidente da Comissão. VIII.3 Doutorado Direto VIII.3.1 O estudante de Doutorado Direto deverá inscrever-se para a realização do exame de qualificação no máximo até 24 meses após o início do curso. É necessário que tenha integralização de todos os créditos exigidos em disciplinas. VIII.3.2 O objetivo do exame de qualificação no Doutorado Direto é o mesmo do Doutorado. O Exame será realizado de acordo com as normas do Doutorado. VIII.4 O estudante que for reprovado no exame de qualificação poderá inscrever-se novamente apenas uma vez, realizando nova inscrição no prazo de 180 após a realização do primeiro exame. O segundo exame deverá ser realizado no prazo de 60 (sessenta) dias após a inscrição. Persistindo a reprovação, o estudante será desligado do Programa e receberá certificado das disciplinas cursadas. 7

8 IX TRANSFERÊNCIA DE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO OU DE CURSO IX.1 A transferência do curso de Mestrado para o Doutorado direto será autorizada mediante decisão da CCP após análise de justificativa apresentada pelo orientador e de parecer circunstanciado emitido por relator convidado, abordando o desenvolvimento do projeto de pesquisa, sua relevância e originalidade, além do desempenho acadêmico do aluno. IX.2 Para a mudança de nível, deverão ser verificados os prazos para a realização de exame de qualificação e os créditos mínimos exigidos em disciplinas para a qualificação no novo curso. Caso estes quesitos não tenham sido cumpridos, a mudança não será possível. IX.3 No caso de mudança de nível de Mestrado para Doutorado Direto, a mudança só será efetivada se o aluno atender os critérios de proficiência em língua estrangeira especificados para o nível pretendido, conforme estabelecido em V. X DESEMPENHO ACADÊMICO E CIENTÍFICO INSATISFATÓRIO X.1 Além das regras estabelecidas no artigo 52 do Regimento de Pós-Graduação da USP, o(a) estudante poderá ser desligado do Programa de pós-graduação, em qualquer um dos cursos (Mestrado, Doutorado e Doutorado Direto), se não tiver seu relatório de atividades anual aprovado pela CCP e CPG, o qual deverá ser encaminhado pelo orientador, justificando os aspectos relacionados à improdutividade do aluno. Em caso de reprovação, o aluno poderá apresentar novo relatório, no prazo de 30 dias após a ciência da reprovação, sendo desligado se este último não for aprovado. XI ORIENTADORES E COORIENTADORES XI.1 O credenciamento de orientador será baseado em seu desempenho científico. O docente será avaliado por sua capacidade de conduzir um projeto de pesquisa e gerar publicações em periódicos com arbitragem. Será considerada sua participação em congressos e estágios de pós-doutorado. A coordenação e a participação do docente em projetos de pesquisa serão valorizadas. 8

9 XI.2 O orientador de Doutorado deverá preferencialmente assumir atividades didáticas no Programa de pós-graduação em Nefrologia. Serão considerados orientadores plenos os orientadores que atenderem os critérios de credenciamento do curso de Doutorado. XI.2.1 Critérios mínimos para credenciamento de orientadores do curso de mestrado a) Linha de pesquisa definida; b) Produção científica: 3 artigos completos no último triênio com fator de impacto (FI) 2,8 ou equivalente cites per doc (Cit./doc.) ou 4 artigos completos no último triênio com FI, sendo pelo menos 3 com 1,6 e 1 com 0,8 ou equivalente Cit./doc. ou 5 artigos, sendo pelo menos 2 com FI 1,6 ou equivalente Cit./doc. e 3 com FI 0,8 ou equivalente Cit./doc. XI.3 Critérios mínimos para credenciamento de orientadores plenos do curso de doutorado a) Linha de pesquisa definida b) Produção científica idêntica aos critérios de credenciamento de orientadores do curso de mestrado; c) Experiência prévia em orientação ou coorientação de alunos de pós-graduação sensu stricto, de iniciação científica ou de sensu lato, desde que esta orientação tenha gerado publicação de artigo completo, originado de pesquisa científica, em periódico com FI de 1,6. XI.4 Critérios mínimos para credenciamento de coorientadores a) Mesmos critérios para credenciamento de orientador para o curso de Mestrado e de Doutorado. b) Contribuição com tópicos específicos, complementando a orientação da dissertação ou tese. XI.5 Critérios mínimos para credenciamento de orientadores específicos para os cursos de Mestrado e Doutorado, incluindo orientadores externos a) Ter linha de pesquisa que englobe o tema abordado na dissertação ou tese em questão; 9

10 b) Apresentar produção científica no último triênio constituída por, no mínimo 3 artigos em periódicos indexados no JCR com FI 1,6, sendo pelo menos 1 artigo publicado em periódico com FI maior ou igual a 2,8. XI.6 Critérios mínimos para recredenciamento de orientadores plenos a) Preencher todos os critérios mínimos definidos para o credenciamento de orientadores para o curso em questão. b) Ter concluído ou estar na vigência de orientação ou coorientação de no mínimo 1 aluno, no período do credenciamento anterior, no programa. c) Apresentar, no último período de credenciamento, ou no período de credenciamento imediatamente anterior, no mínimo 1 publicação em periódico indexado no JCR com fator de FI maior ou igual a 1,6, oriunda das dissertações e teses orientadas. XI.7 O prazo para o credenciamento de coorientador no curso de mestrado será de 28 meses. XI.8 O prazo para o credenciamento de coorientador no curso de doutorado será de 38 meses. XI.9 O prazo para o credenciamento de coorientador no curso de doutorado direto será de 38 meses. XI.10 O número máximo de orientados por orientador é 10 (dez). Adicionalmente, o orientador poderá coorientar até 2 (dois) alunos. XI.11 O orientador com credenciamento pleno deverá solicitar renovação de seu credenciamento a cada 4 anos. No recredenciamento será utilizado o mesmo critério para credenciamento pleno. XI.12 Para o credenciamento de orientadores externos (Jovem Pesquisador, Pósdoutorando, Professor Visitante, Pesquisador Estagiário e outros) deverão ser observados os seguintes aspectos: Justificativa circunstanciada do solicitante quanto à contribuição inovadora do projeto para o programa de pós-graduação; Identificação do vínculo do interessado (ex: jovem pesquisador), mencionando a vigência do programa e linha de pesquisa; 10

11 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Demonstrar a existência de infraestrutura (física, material e/ou de equipamento); Demonstrar a existência de recursos para financiamento do projeto proposto para orientação do pós-graduando; Curriculum Lattes do interessado devendo constar, caso se aplique, as orientações concluídas e em andamento na USP e fora dela; Demonstrar a situação funcional e o vínculo institucional do interessado (caso o interessado não comprove vínculo institucional estável o período de permanência na instituição da USP deverá ser de no mínimo 27 meses para o curso de mestrado e 36 meses para o Doutorado e Doutorado Direto prazo máximo para o depósito da dissertação ou tese). XII PROCEDIMENTOS PARA DEPÓSITO DA DISSERTAÇÃO/TESE XII.1 O trabalho final no curso de mestrado será na forma de dissertação, contendo os seguintes itens: - Capa com nome do autor, título do trabalho, local e data; - Contra Capa com nome da unidade, nome do autor, título do trabalho, nome do orientador, local e data; -Ficha catalográfica; - Lista de Figuras, Ilustrações, Equações e tabelas; - Resumo em Português - Abstract em Inglês; - Introdução; - Material e Métodos, - Resultados; - Conclusões; - Sugestões para trabalhos futuros; - Bibliografia; - Anexos; - Apêndices 11

12 XII.2 O trabalho final no curso de doutorado será na forma de tese, contendo os seguintes itens: - Capa com nome do autor, título do trabalho, local e data; - Contra Capa com nome da unidade, nome do autor, título do trabalho, nome do orientador, local e data; Ficha catalográfica; - Lista de Figuras, Ilustrações, Equações e tabelas; - Resumo em Português - Abstract em Inglês; - Introdução; - Material e Métodos, - Resultados; - Conclusões; - Sugestões para trabalhos futuros; - Bibliografia; - Anexos; - Apêndices XII.3 Compilação de artigos O trabalho final nos cursos de mestrado e doutorado poderá ser na forma de compilação de artigos, todos em idioma único, caso sejam preenchidos todos os critérios abaixo: XII.3.1 As dissertações deverão conter, pelo menos, um artigo aceito para publicação ou publicado. XII.3.2 As teses deverão conter, pelo menos, dois artigos aceitos para publicação ou publicados. XII.3.3 A data da submissão do(s) artigo(s) deve ser posterior à matrícula do interessado no Programa. 12

13 XII.3.4 O(s) artigo(s) aceito(s)/publicado(s) deve(m) conter dados relacionados ao objetivo do projeto de pesquisa aprovado pela CAPPesq e encaminhado à CPG. XII.3.5 O aluno obrigatoriamente deverá ser primeiro autor do(s) artigo(s). XII.3.6 O orientador obrigatoriamente deverá ser coautor do(s) artigo(s). XII.3.7 A indexação do periódico que aceitou/publicou o(s) artigo(s) deverá seguir as normas específicas vigentes do Programa, no tocante aos procedimentos para depósito da dissertação/tese. XII.3.8 Os candidatos à obtenção do título de doutor, passiveis de serem enquadrados no que estabelece o artigo 8º do Regimento de Pós-Graduação (Resolução 6542, de 18 de abril de 2013) terão seu projeto de tese avaliado pela Comissão de Pós- Graduação e, uma vez aprovado, será encaminhado para a Congregação. Nesta situação particular, os itens XII3.2,XII. 3.3, XII.3.4, XII.3.5 e XII.3 6 não serão exigidos. XII.3.9 Forma de apresentação As teses e dissertações apresentadas na forma de compilação de artigos devem incluir obrigatoriamente: - Capa com nome do autor, título do trabalho, local e data; - Contra Capa com nome da unidade, nome do autor, título do trabalho, nome do orientador, local e data; - Ficha catalográfica; - Lista de Figuras, Ilustrações, Equações e tabelas; - Resumo em Português; - Abstract em Inglês; - Introdução; - projeto de pesquisa aprovado pela CAPPesq escrito em português; - manuscrito(s) aceito (s) / publicado (s); 13

14 - análise crítica em que as contribuições do artigo (s) sejam analisadas, discutidas e sintetizadas, no mesmo idioma dos artigos utilizados; - Conclusões; - Referências Bibliográficas; - Anexos; - Apêndices. XII.3.10 A apresentação e entrega da tese ou dissertação deverá ser em volume encadernado, contendo o projeto de pesquisa aprovado pela CAPPesq ou por Comissão de Ética da área na qual o trabalho foi desenvolvido, exceto para os candidatos contemplados pelo item XII.3.8, e análise crítica escrita no mesmo idioma dos artigos utilizados na compilação. XII.3.11 Citação completa dos artigos/manuscritos compilados e discutidos na tese. XII.3.12 Análise crítica em que as contribuições do artigo(s) sejam analisadas, discutidas e sintetizadas. XII.4. Deverão ser entregues na Secretaria do Programa, 8 exemplares impressos da dissertação de mestrado e 8 exemplares impressos da tese de doutorado e cópia da dissertação ou tese em formato PDF e seu resumo em formato DOC em meio digital, mediante emissão de recibo datado. Além disso, também será efetuado, pelo aluno, no Serviço de Pós-graduação da FMUSP e até ao final do expediente do último dia do prazo de depósito o depósito de 1 exemplar impresso e 1 cópia da dissertação ou tese em formato PDF e seu resumo em formato DOC em meio digital, com cópia do recibo emitido pelo programa e ofício, assinado pelo orientador e coordenador do Programa, atestando que o trabalho está apto para defesa, e que o mesmo foi submetido a publicação em periódico indexado XIII FORMAS ADICIONAIS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS 14

15 XIII.1 Os alunos serão avaliados periodicamente pelos seus relatórios de atividades. XIII.2 O relatório de atividades do aluno deverá ser entregue ao seu orientador a cada 12 meses contados a partir do início de contagem de prazo do aluno no curso. XIII.3 Os relatórios, com no máximo 10 páginas, deverão conter: - Título e Resumo do Projeto de Pesquisa - Objetivos - Resumo das atividades descritas em relatórios anteriores (se for o caso) - Descrição das atividades realizadas no período - Referências Bibliográficas - Cronograma de Execução completo, identificando atividades já realizadas e as futuras. O aluno estará sujeito ao desligamento se não tiver seu relatório de atividades anual aprovado pela CCP, cujo pedido deverá ser encaminhado pelo orientador, justificando os aspectos relacionados à improdutividade do aluno. Em caso de reprovação, o aluno poderá apresentar novo relatório, no prazo de 30 dias após a ciência da reprovação, sendo desligado se este último não for aprovado. XIV AVALIAÇÃO ESCRITA NO JULGAMENTO DAS DISSERTAÇÕES OU TESES Não se aplica, XV. IDIOMAS PERMITIDOS PARA REDAÇÃO E DEFESA DE DISSERTAÇÕES E TESES XV.1 Atendendo o artigo 89 do Regimento de Pós-Graduação da Universidade de São Paulo, todas as Dissertações e Teses deverão conter título, resumo e palavras-chave em português e inglês. XV.2 As Dissertações e Teses poderão ser redigidas e defendidas em português ou inglês. As Dissertações e Teses devem ser redigidas em um único idioma. XVI NOMENCLATURA DO TÍTULO XVI.1 O estudante de mestrado que cumprir todas as exigências do curso receberá o Título de Mestre(a) em Ciências. Programa: Nefrologia. 15

16 XVI.2 O estudante de Doutorado ou Doutorado Direto que cumprir todas as exigências do curso receberá o Título de Doutor (a) em Ciências. Programa: Nefrologia. XVII OUTRAS NORMAS XVII.1 Créditos Especiais XVII.1.1 Poderão ser concedidos, como créditos especiais equivalentes aos de disciplina, no máximo 4 (quatro) créditos para o Curso de Mestrado, 2 (dois) créditos para o curso de Doutorado e 6 (seis) créditos para o curso de Doutorado Direto. XVII.1.2 Poderão ser computadas no total de créditos especiais as seguintes atividades desenvolvidas pelo aluno: a) trabalho completo publicado em periódico indexado no PubMed ou ISI/JCR - 2 créditos; b) livro ou capítulo de livro de reconhecido mérito na área do conhecimento 1 crédito; c) participação em congresso científico internacional, com apresentação de trabalho, cujo resumo seja publicado em anais (ou similares) 1 crédito por trabalho; d) participação no Programa de Aperfeiçoamento do Ensino (PAE) 1crédito. XVII.1.3 Para fins de atribuição de créditos especiais, as atividades relacionadas em XVII.1.2.a, XVII.1.2.b, XVII.1.2.c e XVII.1.2.d deverão ser exercidas e comprovadas no período em que o aluno estiver regularmente matriculado no curso. Os créditos referentes a XVII.1.2.a, XVII.1.2.b e XVII.1.2.c somente serão considerados quando o aluno for autor e o tema seja pertinente ao projeto de sua dissertação ou tese. 16

Pneumologia - Normas Específicas

Pneumologia - Normas Específicas Pneumologia - Normas Específicas I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em Pneumologia será constituída pelo Coordenador do Programa e seu Suplente,

Leia mais

ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS

ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA será constituída pelo Coordenador do

Leia mais

CIÊNCIAS EM GASTROENTEROLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS

CIÊNCIAS EM GASTROENTEROLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS CIÊNCIAS EM GASTROENTEROLOGIA NORMAS ESPECÍFICAS I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-Graduação em Ciências em Gastroenterologia será constituída pelo Coordenador

Leia mais

Dermatologia Normas Específicas

Dermatologia Normas Específicas Dermatologia Normas Específicas I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em DERMATOLOGIA será constituída pelo Coordenador do Programa e seu suplente,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oncologia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oncologia Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oncologia I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no Programa,

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Direitos e Outras Legitimidades I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 10 (dez) orientadores

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Mestrado Profissional em Empreendedorismo

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Regulamento do Programa de Mestrado Profissional em Empreendedorismo Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Regulamento do Programa de Mestrado Profissional em Empreendedorismo I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

Leia mais

Universidade de São Paulo. Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP

Universidade de São Paulo. Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP Universidade de São Paulo Regulamento do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Transportes da Escola de Engenharia de São Carlos da USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A

Leia mais

NORMAS E REGULAMENTOS DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC-USP

NORMAS E REGULAMENTOS DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC-USP NORMAS E REGULAMENTOS DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC-USP I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP-Prod) A Comissão Coordenadora

Leia mais

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O

U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROJETOS EDUCACIONAIS DE CIÊNCIAS - PPGPE I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP- PPGPE) A Comissão Coordenadora

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO FILOLOGIA E LÍNGUA PORTUGUESA COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP)

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO FILOLOGIA E LÍNGUA PORTUGUESA COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO FILOLOGIA E LÍNGUA PORTUGUESA I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) deverá ser composta por quatro membros

Leia mais

Baixa o Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru - FOB

Baixa o Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Fonoaudiologia da Faculdade de Odontologia de Bauru - FOB 108 São Paulo, 124 (64) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 4 de abril de 2014 PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO Resolução CoPGr-6.781, de 1º-4-2014 Baixa o Regulamento do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Universidade de São Paulo. Escola de Engenharia de São Carlos. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO I - Composição da CCP Por se tratar de programa único a CCP é a

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós-Graduação Nutrição Humana Aplicada PRONUT

Regulamento do Programa de Pós-Graduação Nutrição Humana Aplicada PRONUT Regulamento do Programa de Pós-Graduação Nutrição Humana Aplicada PRONUT I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 05 (cinco) Orientadores Plenos, dentre

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MESTRADO PROFISSIONAL ENFERMAGEM NA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA

Leia mais

Normas do Programa Interunidades Nutrição Humana Aplicada PRONUT/USP I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA

Normas do Programa Interunidades Nutrição Humana Aplicada PRONUT/USP I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA Normas do Programa Interunidades Nutrição Humana Aplicada PRONUT/USP I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA Por se tratar de programa único, a Comissão Coordenadora de Programa (CCP) do será

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Instituto de Psicologia

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Instituto de Psicologia UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Psicologia NORMAS DO PROGRAMA PSICOLOGIA SOCIAL I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) de Psicologia Social

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) Engenharia de Transportes da Escola Politécnica

Leia mais

I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP)

I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Alunos Matriculados até dezembro de 2013 I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Pós Graduação. Normas Específicas do Programa de PG em Engenharia Elétrica - PPGEE

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Pós Graduação. Normas Específicas do Programa de PG em Engenharia Elétrica - PPGEE Normas Específicas do Programa de PG em Engenharia Elétrica - PPGEE I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (PPGEE) A CCP é constituída por 6 (seis) membros docentes e seus respectivos suplentes,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL (PPGMin) - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO 3134

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL. REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL (PPGMin) - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO 3134 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL (PPGMin) - ÁREA DE CONCENTRAÇÃO 3134 I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP é composta de quatro membros titulares,

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia Regulamento do Programa de Pós-Graduação de Oftalmologia I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no Programa,

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL DA FCA/UNESP

REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL DA FCA/UNESP REGULAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA FLORESTAL DA FCA/UNESP Seção de Pós-Graduação 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS CÂMPUS DE BOTUCATU REGULAMENTO DO PROGRAMA

Leia mais

I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP)

I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) Proposta de Normas do Programa de Mestrado Profissional em Inovação na Construção Civil do da Escola Politécnica da USP I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) A Comissão Coordenadora do

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP

Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto FEA-RP Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Economia PPGE I. Composição da Comissão Coordenadora de Programa (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no Programa,

Leia mais

Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos Seção de Pós-Graduação

Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos Seção de Pós-Graduação NORMAS DO PROGRAMA ENGENHARIA DE ALIMENTOS I- COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) 1. A CCP do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia de Alimentos terá seis (6) membros, assim

Leia mais

RESOLUÇÃO CoPGr 6887, DE 25 DE AGOSTO DE 2014

RESOLUÇÃO CoPGr 6887, DE 25 DE AGOSTO DE 2014 D.O.E.: 28/08/2014 RESOLUÇÃO CoPGr 6887, DE 25 DE AGOSTO DE 2014 Baixa o Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Pneumologia da Faculdade de Medicina. A Pró-Reitora de Pós-Graduação da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa

Leia mais

CARTILHA PARA OS ESTUDANTES DO PROTEN

CARTILHA PARA OS ESTUDANTES DO PROTEN Universidade Federal de Pernambuco Comissão Nacional de Energia Nuclear Departamento de Energia Nuclear Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Energéticas e Nucleares P R O T E N / U F P E CRCN- N E

Leia mais

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Oftalmologia, Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça e Pescoço I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) I.1 A CCP terá como membros titulares

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia

Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS ESPECÍFICAS DA CPG DA EPUSP Aprovada pela Câmara de Normas e Recurso em Sessão de 09.08.2006 ÍNDICE I TAXAS II CRITÉRIOS DE SELEÇÃO III PRAZOS IV CRÉDITOS MÍNIMOS EXIGIDOS V LÍNGUA ESTRANGEIRA VI

Leia mais

Resolução UNESP nº 65 de 23/04/2012

Resolução UNESP nº 65 de 23/04/2012 Resolução UNESP nº 65 de 23/04/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Ciências Odontológicas- Áreas de Odontopediatria, Ortodontia e Dentística Restauradora, Cursos de Mestrado Acadêmico

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FCA/UNESP

REGULAMENTO PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FCA/UNESP REGULAMENTO PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FCA/UNESP Estabelecido pela Resolução UNESP n. 21, de 15-4-2013 (Publicado no DOE de 16/04/2013, Seção I, Pág. 39 e 40) Alterada pela Resolução UNESP

Leia mais

Artigo 2º - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação.

Artigo 2º - Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação. RESOLUÇÃO UNESP Nº 45, DE 23 DE MARÇO DE 2012. Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Educação, Cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado, do Instituto de Biociências do Câmpus de Rio Claro.

Leia mais

I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP)

I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) Normas do Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) Será constituída por três membros docentes, sendo composta pelo Coordenador

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA EM ESTUDOS LINGÜÍSTICOS E LITERÁRIOS EM INGLÊS

NORMAS DO PROGRAMA EM ESTUDOS LINGÜÍSTICOS E LITERÁRIOS EM INGLÊS 1 NORMAS DO PROGRAMA EM ESTUDOS LINGÜÍSTICOS E LITERÁRIOS EM INGLÊS I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) O Programa de Pós-Graduação em Estudos Lingüísticos e Literários em Inglês conta

Leia mais

Normas do Programa Sistemática, Taxonomia Animal e Biodiversidade do Museu de Zoologia da USP

Normas do Programa Sistemática, Taxonomia Animal e Biodiversidade do Museu de Zoologia da USP Normas do Programa Sistemática, Taxonomia Animal e Biodiversidade do Museu de Zoologia da USP 1 I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa A Comissão Coordenadora de Programa (CCP) será a própria

Leia mais

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química

ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química EDITAL 2016/03: PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO DE ALUNOS REGULARES DE MESTRADO E DOUTORADO NO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA ABRIL A JUNHO 2016 A Comissão Coordenadora do da Escola Politécnica

Leia mais

MARILZA VIEIRA CUNHA RUDGE Vice-Reitora no exercício da Reitoria

MARILZA VIEIRA CUNHA RUDGE Vice-Reitora no exercício da Reitoria RESOLUÇÃO UNESP Nº 35, DE 11 DE ABRIL DE 2014 Publicada no D.O.E. de 12.04.14, Seção I, pág. 70 Aprova o Regulamento do Programa de Pósgraduação em Arquitetura e Urbanismo, Curso de Mestrado Acadêmico,

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA CIÊNCIAS ODONTOLÓGICAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA CIÊNCIAS ODONTOLÓGICAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA CIÊNCIAS ODONTOLÓGICAS FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa A Comissão Coordenadora do Programa (CCP) será constituída

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DO ENVELHECIMENTO CEPE 23/10/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Curso de Mestrado

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA COPPE/UFRJ PROGRAMA DE ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA O Doutorado em Engenharia Química exige, além do atendimento das condições dispostas na Regulamentação dos Cursos

Leia mais

MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MINUTA DE REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO DA FCHS Aprovado pela Congregação em 01/03/2011 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este regulamento normatiza o cumprimento

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LÍNGUA E LITERATURA ALEMÃ. I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP)

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LÍNGUA E LITERATURA ALEMÃ. I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LÍNGUA E LITERATURA ALEMÃ I Composição da Comissão Coordenadora do Programa (CCP) O Programa de Pós-Graduação em Língua e Literatura Alemã conta com uma Comissão

Leia mais

COMISSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FEUSP.

COMISSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FEUSP. COMISSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FEUSP. EDITAL 01 Bolsas de Mestrado e Doutorado (CNPq/CAPES) 2015/2016. BOLSAS NOVAS E RENOVAÇÕES 1. INSCRIÇÕES PARA BOLSAS NOVAS E SOLICITAÇÕES

Leia mais

Oncologia Normas Específicas

Oncologia Normas Específicas Oncologia Normas Específicas I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em ONCOLOGIA será constituída pelo Coordenador do Programa e seu Suplente; mais 1

Leia mais

Radiologia Normas Específicas

Radiologia Normas Específicas Radiologia Normas Específicas I COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) A CCP do Programa de Pós-graduação em RADIOLOGIA será constituída pelo Coordenador do Programa e seu Suplente, mais

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de História. Parágrafo único As Atividades Complementares

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA RESOLUÇÃO N o 01/PPGP de 03 de outubro de 2013 Dispõe sobre os critérios para credenciamento,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MESTRADO ACADÊMICO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM MESTRADO ACADÊMICO EM ENFERMAGEM INSTRUÇÃO NORMATIVA n o. 005/2012 do Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, de 23 de fevereiro de 2012. Cria normas para Sustentação de Dissertação no MAENF/UFMA O Colegiado do Curso de

Leia mais

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Universidade de São Paulo Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo Publicado no DO dia 11/02/14 I. Composição da Comissão Coordenadora do

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Nº 02/2016

REGIMENTO INTERNO Nº 02/2016 Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Formação de Professores Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO EM CIÊNCIAS - FMUSP ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: PEDIATRIA MANUAL DO CANDIDATO MESTRADO DOUTORADO APÓS MESTRADO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO EM CIÊNCIAS - FMUSP ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: PEDIATRIA MANUAL DO CANDIDATO MESTRADO DOUTORADO APÓS MESTRADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO SENSO ESTRITO EM CIÊNCIAS - FMUSP ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: PEDIATRIA MANUAL DO CANDIDATO Esse manual foi elaborado com o intuito de informá-lo em relação às normas que deverão ser

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES

PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES

Leia mais

Normas do Programa Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo

Normas do Programa Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Normas do Programa Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Publicado no Diário Oficial em 05/08/2009 I. Composição da Comissão Coordenadora do Programa Por se tratar de Programa

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE MEDICINA Regulamento do Programa de Pós-Graduação em Otorrinolaringologia I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP) A CCP terá como membros titulares 3 (três) orientadores plenos credenciados no

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA - MNPEF, POLO UFABC.

NORMAS DO PROGRAMA DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA - MNPEF, POLO UFABC. NORMAS DO PROGRAMA DE MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA - MNPEF, POLO UFABC. O Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física MNPEF, é um mestrado profissional em rede, coordenado

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS E PROCESSOS SUSTENTÁVEIS

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS E PROCESSOS SUSTENTÁVEIS UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS E PROCESSOS SUSTENTÁVEIS EDITAL Nº 01/PROPG-PPGEMPS/2014 SELEÇÃO EXTERNA DE

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES AO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA REGIONAL E LOCAL CAMPUS V

NORMAS COMPLEMENTARES AO REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA REGIONAL E LOCAL CAMPUS V Universidade do Estado da Bahia UNEB Reconhecida pela portaria ministerial n º 909 de 31 07 95 Departamento de Ciências Humanas/Campus V Santo Antonio de Jesus Programa de Pós-Graduação em História Regional

Leia mais

Art. 1º - Estabelecer as normas para implementação de Cursos e Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu.

Art. 1º - Estabelecer as normas para implementação de Cursos e Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Av. Ville Roy, 5315 Bairro São Pedro 69.301-001 - Boa Vista/RR Fone (095)621-3108 Fax (095)621-3101 Resolução

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO)

ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO) ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO) A Defesa de Projeto de Dissertação consiste na elaboração e apresentação oral, perante banca examinadora, do projeto de pesquisa que será

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LICENCIATURA EM FÍSICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e avaliação do

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS PPGCTA RESOLUÇÃO Nº 01/2016 PPGCTA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS PPGCTA RESOLUÇÃO Nº 01/2016 PPGCTA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS PPGCTA RESOLUÇÃO Nº 01/2016 PPGCTA Estabelece o regime didático para o Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2015/CAPES)

Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD 2015/CAPES) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA Edital 01/2015 SELEÇÃO PARA BOLSISTA DE PÓS-DOUTORADO (PNPD

Leia mais

EDITAL PPGH/UFGD N 018, de 04 de agosto de 2016.

EDITAL PPGH/UFGD N 018, de 04 de agosto de 2016. EDITAL PPGH/UFGD N 018, de 04 de agosto de 2016. O Coordenador do Programa de Pós-Graduação em História da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, Prof. Dr. Thiago Leandro Vieira Cavalcante,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA 2014

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA 2014 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA NUTRIÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA 2014 NORMAS PARA CONCESSÃO DE BOLSAS - CAPES/CNPq Todos os pedidos de concessão de bolsas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 2017

EDITAL DE SELEÇÃO 2017 EDITAL DE SELEÇÃO 2017 A Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGP), no uso de suas atribuições, torna pública a abertura das inscrições ao Curso de Mestrado para ingresso

Leia mais

APÊNDICE I EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016/2017

APÊNDICE I EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016/2017 APÊNDICE I EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016/2017 Pelo presente faz-se saber que estarão abertas, no período de 10 a 30 de junho de 2016, as inscrições para seleção de bolsistas do Programa Institucional

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá P O R T A R I A N º 0 9 9 / 2 0 1 3 - P B F A Prof.ª Dr.ª Márcia Edilaine Lopes Consolaro, coordenadora do Programa de Pós-graduação em Biociências e Fisiopatologia, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP

Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Programa de Iniciação Científica da Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas PIC DIREITO SP Edital n o 01/2016 Seleção de Projetos de Pesquisa A Coordenadoria do Mestrado Acadêmico e Pesquisa

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Geofísica Espacial (GES) do INPE, com áreas de concentração em (i) Ciência do

Leia mais

Regimento do Programa de Pós-Graduação em Psicologia em nível de Mestrado da Universidade Tuiuti do Paraná. Título I Objetivos

Regimento do Programa de Pós-Graduação em Psicologia em nível de Mestrado da Universidade Tuiuti do Paraná. Título I Objetivos Regimento do Programa de Pós-Graduação em Psicologia em nível de Mestrado da Universidade Tuiuti do Paraná Título I Objetivos Art 1º. O Programa de Pós-Graduação em Psicologia, em nível de Mestrado, visa

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA REGIMENTO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art. 1 o O Curso de pós graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

Edital para Candidatura à Bolsa PPSIG/UFF-PDSE/CAPES

Edital para Candidatura à Bolsa PPSIG/UFF-PDSE/CAPES Edital para Candidatura à Bolsa PPSIG/UFF-PDSE/CAPES - 2017 EMENTA: Normatiza os procedimentos para inscrição e seleção de alunos do PPSIG-UFF interessados na candidatura à Bolsa do Programa Institucional

Leia mais

RESOLUÇÃO UNESP Nº 49, DE 8 DE JULHO DE 2009.

RESOLUÇÃO UNESP Nº 49, DE 8 DE JULHO DE 2009. RESOLUÇÃO UNESP Nº 49, DE 8 DE JULHO DE 2009. Estabelece normas para Concurso visando o provimento de cargos de Professor Titular da UNESP. O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO

UNIVERSIDADE POSITIVO UNIVERSIDADE POSITIVO CHAMADA DE PROJETOS PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) CICLO 2012-2013 EDITAL N o 117 de 03/04/2012 Art. 1 o A Reitoria da Universidade Positivo (UP) torna público o presente

Leia mais

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas:

Versão: Dezembro/2012. O aluno poderá integralizar os créditos referentes às disciplinas ACH 2017 e ACH 2018 das seguintes formas: Normas para Realização do Projeto Supervisionado ou Trabalho de Graduação para o Curso de Sistemas de Informação da Escola de Artes, Ciências e Humanidades, da Universidade de São Paulo Versão: Dezembro/2012

Leia mais

FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE INGRESSO EXTRA - VESTIBULAR TRANSFERÊNCIA E POTADOR DE DIPLOMA

FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE INGRESSO EXTRA - VESTIBULAR TRANSFERÊNCIA E POTADOR DE DIPLOMA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE INGRESSO EXTRA - VESTIBULAR TRANSFERÊNCIA E POTADOR DE DIPLOMA EDITAL Nº 01/2014, DE 11 DE JUNHO DE 2014. A Faculdade Pernambucana de Saúde torna pública as Condições de

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS

MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES RECIFE/PE Atualizado em 21 de setembro de 2015 1 SUMÁRIO

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014.

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT. RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014. INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO SÃO JUDAS TADEU ISESJT RESOLUÇÃO CONSUP Nº 03/2014 Floriano, 10 de janeiro de 2014. Fixa normas para o Programa de Iniciação Científica, no Instituto Superior de Educação

Leia mais

EDITAL nº 01/2015 CHAMADA PARA CREDENCIAMENTO DE LIDERES DE GRUPOS DE PESQUISA

EDITAL nº 01/2015 CHAMADA PARA CREDENCIAMENTO DE LIDERES DE GRUPOS DE PESQUISA EDITAL nº 01/2015 CHAMADA PARA CREDENCIAMENTO DE LIDERES DE GRUPOS DE PESQUISA A Coordenação de Pesquisa e Extensão (COPEX) informa à comunidade acadêmica da Faculdade Leão Sampaio que está recebendo solicitações

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (GENÉTICA)

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (GENÉTICA) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (GENÉTICA) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 Dispõe sobre os critérios e normas que regem AS ATIVIDADES DO CORPO DISCENTE, Cursos de MESTRADO ACADÊMICO e DOUTORADO,

Leia mais

PROPOSTA DE MODELO DE REGULAMENTO PADRONIZADO

PROPOSTA DE MODELO DE REGULAMENTO PADRONIZADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA PROPOSTA DE MODELO DE REGULAMENTO PADRONIZADO Resolução UNESP nº 32 de 24/05/2013 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Medicina

Leia mais

CAPÍTULO I. Dos Objetivos da Pesquisa

CAPÍTULO I. Dos Objetivos da Pesquisa RESOLUÇÃO Nº 01/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO DO GRUPO DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. A Direção Geral da IES

Leia mais

PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UPE/UFPB

PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UPE/UFPB 1 PROGRAMA ASSOCIADO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UPE/UFPB NORMA PAPGEF UPE/UFPB N 004/015 - DISPÕE SOBRE O PROCESSO EM SISTEMA DE FLUXO CONTÍNUO PARA SELEÇÃO DE CANDIDATOS A INGRESSO NO CURSO DE

Leia mais

Políticas Públicas Educacionais 02

Políticas Públicas Educacionais 02 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO EDITAL Nº 01/2016 EDITAL DE INSCRIÇÃO E CREDENCIAMENTO DE DOCENTES NO QUADRO

Leia mais

NORMA INTERNA Nº 17/2016

NORMA INTERNA Nº 17/2016 NORMA INTERNA Nº 17/2016 Normatiza a seleção e avaliação de bolsistas do Programa de Pós-Graduação em Agronomia Área de Concentração Produção Vegetal da UFPR. O COLEGIADO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIC FACULDADE DAS AMÉRICAS EDITAL 2016/2 Abertura do Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica da Faculdade das Américas Artigo 1 o A Diretoria

Leia mais

Faculdade de Medicina do ABC

Faculdade de Medicina do ABC Faculdade de Medicina do ABC Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde Edital para Preenchimento da Cota Institucional de Bolsa de Doutorado-Sanduíche - CAPES A Faculdade de Medicina do ABC faz saber

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciências Pneumológicas Mestrado EDITAL EXTERNO N O 02/2015

Programa de Pós-Graduação em Ciências Pneumológicas Mestrado EDITAL EXTERNO N O 02/2015 Programa de Pós-Graduação em Ciências Pneumológicas Mestrado EDITAL EXTERNO N O 02/2015 O Programa de Pós-Graduação em Ciências Pneumológicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul torna público

Leia mais

1. PROCESSO DE PREPARAÇÃO PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO OU TESE

1. PROCESSO DE PREPARAÇÃO PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO OU TESE PROCEDIMENTOS PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO/TESE E DIPLOMAÇÃO STRICTO SENSU 1. PROCESSO DE PREPARAÇÃO PARA DEFESA DE DISSERTAÇÃO OU TESE Aluno: Após integralizar os requisitos necessários para obtenção do

Leia mais

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DO CURSO DE DIREITO. Título I Do Núcleo de Monografia

REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DO CURSO DE DIREITO. Título I Do Núcleo de Monografia REGULAMENTO DA MONOGRAFIA FINAL DO CURSO DE DIREITO Este regulamento destina-se a normatizar as atividades relacionadas com o Projeto de Monografia e a Monografia de Conclusão do Curso de Graduação em

Leia mais

SUGESTÃO PARA ELABORAÇÃO DE UM MEMORIAL PADRÃO PARA CONCURSO DA CARREIRA DOCENTE NA EACH

SUGESTÃO PARA ELABORAÇÃO DE UM MEMORIAL PADRÃO PARA CONCURSO DA CARREIRA DOCENTE NA EACH SUGESTÃO PARA ELABORAÇÃO DE UM MEMORIAL PADRÃO PARA CONCURSO DA CARREIRA DOCENTE NA EACH NA PRIMEIRA PÁGINA, COLOCAR O NOME E A FINALIDADE DO MEMORIAL ( Memorial de José Ribeiro, apresentado para o concurso

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF)

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA FLORESTAL (TCC EF) I. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares do Ministério da Educação, todo aluno do Curso de Engenharia Florestal deverá, obrigatoriamente,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO- BRASILEIRO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO- BRASILEIRO CENTRO UNIVERSITÁRIO ÍTALO- BRASILEIRO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 2016 PROGRAMA DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Bolsas de Iniciação Científica tem como objetivo incentivar

Leia mais