MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL"

Transcrição

1 1 EXMO. SR. JUIZ FEDERAL DA VARA FEDERAL CÍVEL DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE CANOAS RS. DISTRIBUIÇÃO POR DEPENDÊNCIA AOS AUTOS DA AÇÃO POPULAR Nº URGENTE PEDIDO DE LIMINAR O vem, com fulcro na Constituição Federal (artigo 129, incisos II, III e IX), na Lei Complementar nº 75/93 (artigo 5º, incisos II, alínea d, III, alíneas b e e, e V, alíneas a e b ; artigo 6º, incisos VII, alíneas a, b e c, e XIV, alínea f ), na Lei nº 7.347/85 (artigo 1º, inciso IV; artigos 3º, 4º e 5º; artigos 11 e 12) e na Lei nº 8.429/92 (artigos 16 e 17), propor AÇÃO CIVIL PÚBLICA, EM DEFESA DO PATRIMÔNIO PÚBLICO, CUMULADA COM AÇÃO CIVIL POR ATO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA, face de pelos fundamentos de fato e de direito a seguir expostos, em MARCOS ANTÔNIO RONCHETTI, brasileiro, vivendo em regime de união estável, Prefeito Municipal, nascido aos 27/11/1956, natural de Encantado (RS), filho de Osmildo Maurecy Ronchetti e Olga Machado Ronchetti, RG nº SSP/RS, CPF nº , com endereços na Rua Ângelo Possebon, nº 165, apto. 601

2 2 (residencial) e na Rua 15 de Janeiro, nº 481, sala 306, Bairro Centro, CEP (oficial), ambos neste Município; FRANCISCO JOSÉ DE OLIVEIRA FRAGA, vulgo CHICO FRAGA brasileiro, casado, Secretário Municipal, nascido aos 19/01/1951, natural de Porto Alegre (RS), filho de Jorge de Oliveira Fraga e Leotany Catarina Fraga, RG nº SSP/RS, CPF nº , com endereços na Rua Rodrigues Alves, nº 749, Bairro Niterói, CEP (residencial) e na Rua 15 de Janeiro, nº 481, sala 307, Bairro Centro, CEP (oficial), ambos neste Município; MARCOS ANTÔNIO GIACOMAZZI ZANDONAI, brasileiro, casado, Secretário Municipal, nascido aos 13/04/1959, natural de Porto Alegre (RS), filho de Alcides Zandonai e Mercedes Maria G. Zandonai, RG nº SSP/RS, CPF nº , com endereços na Rua Domingos Martins, nº 1049, CEP (residencial) e na Rua 15 de Janeiro, nº 481, sala 214/10, Bairro Centro, CEP (oficial), ambos neste Município; MUNICÍPIO DE CANOAS, pessoa jurídica de direito público, representada por seu Procurador-Geral, com sede administrativa na Rua Quinze de Janeiro, nº 481, sala 313, Centro, neste Município; ELOIZO GOMES AFONSO DURÃES, brasileiro, nascidos aos 08/12/1950, filho de Anita Gomes de Oliveira, CPF nº , com endereço na Rua Rio de Janeiro, nº 224, apartamento 63, Bairro Higienópolis, São Paulo/SP, CEP ; VALMIR RODRIGUES DOS SANTOS, brasileiro, nascidos aos 04/05/1965, filho de Ernestina Maria dos Santos, CPF nº , com endereço na Rua Caetano de Andrea, nº 228, Bairro Jardim Maria Helena, Guarulhos/SP, CEP ;

3 3 VILSON DO NASCIMENTO, brasileiro, nascidos aos 17/09/1959, filho de Selomi Tereza do Nascimento, CPF nº , com endereço na Rua Pedro Inácio de Araújo, nº 40, casa 47, Bairro Pio Pequeno, São Paulo/SP, CEP ; CARLOS ROBERTO MEDINA, brasileiro, nascidos aos 13/11/1944, filho de Wanda Medina, CPF nº , com endereço na Av. Manoel dos Reis Araújo, nº 188, Bairro Jardim Marajoara, São Paulo/SP, CEP ; SP ALIMENTAÇÃO E SERVIÇOS LTDA., CNPJ / , com sede na Av. Diógenes Ribeiro de Lima, 3063, Bairro Alto da Lapa, São Paulo/SP, CEP , e filial em Canoas na Rodovia Federal BR-386, nº 1106, Bairro São Luis, CEP ; SÍLVIO MARQUES, brasileiro, nascido aos 11/08/1958, filho de Maria da Conceição Sá Marques, CPF nº , com endereço na Rua Almeida Maia, 38, Apto 71, Jardim Franca, São Paulo/SP, CEP ; EDIVALDO LEITE DOS SANTOS, brasileiro, nascido aos 08/10/1965, filho de Isaltina Eugenia dos Santos, CPF nº , com endereço na Rua Santa Rita do Passa Quatro, 191, Jardim Brasil, São Paulo/SP, CEP ; GOURMAITRE COZINHA INDUSTRIAL E REFEIÇÕES LTDA., CNPJ / , com sede na Av. Morarrej, nº 787, Vila Leopoldina, São Paulo/SP, CEP Do objeto da ação e do procedimento preliminar A presente ação almeja obter a imposição, aos réus (com exceção do MUNICÍPIO DE CANOAS), das penalidades previstas nos artigos 37, 4º, da Constituição Federal e 12 da Lei nº 8.429/92, pela prática de atos de improbidade administrativa decorrentes de fraudes perpetradas no contrato celebrado entre os réus MUNICÍPIO DE CANOAS e SP ALIMENTAÇÃO E SERVIÇOS LTDA. Além disso, visa a presente ação a obter a tutela jurisdicional adequada à proteção e à recomposição do patrimônio público que foi e está sendo lesado pela celebração e pela execução do referido contrato.

4 4 O incluso inquérito civil público nº / foi instaurado no âmbito da Procuradoria da República no Município de Canoas após o recebimento de representação do Sr. Willian Oliveira Machado, dando conta de irregularidades na terceirização do fornecimento de merenda escolar no MUNICÍPIO DE CANOAS. A aludida representação consubstancia síntese do quanto exposto na inicial da ação popular nº , em trâmite nessa 2ª Vara Federal, cujo autor é o mesmo Sr. Willian Oliveira Machado. A partir da notícia inicial (fls. 2/11), recebida no MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL em 18 de novembro de 2005, este Órgão empreendeu uma série de medidas investigatórias calcadas, principalmente, na realização de auditorias pelos Tribunais de Contas (do Estado e da União), na requisição de informações e na oitiva de testemunhas que, alfim, permitem concluir e evidenciar a ocorrência de graves irregularidades administrativas praticadas pelo MUNICÍPIO DE CANOAS, imputáveis aos gestores MARCOS ANTÔNIO RONCHETTI, FRANCISCO JOSÉ DE OLIVEIRA FRAGA e MARCOS ZANDONAI, com favorecimento da empresa SP ALIMENTAÇÃO E SERVIÇOS LTDA. (e seus sócios-gerentes, ora réus), de tudo decorrendo vultoso desvio de dinheiro público, como será devidamente detalhado abaixo. É bem de ver, ainda, que foi realizada recentemente (em setembro ou outubro de 2007) nova auditoria do Tribunal de Contas do Estado sobre a terceirização da merenda escolar em Canoas. Tal atuação foi deflagrada na esteira da divulgação das fraudes envolvendo a empresa SP ALIMENTAÇÃO (que será melhor abordada no decorrer desta peça). Entretanto, solicitada pelo MINISTÉRIO PÚBLICO cópia do relatório e dos documentos atinentes a essa nova auditoria em 19/11/2007 (fl. 1410) a resposta não foi enviada até a presente data, sob a justificativa de que o relatório está em fase de revisão. Assim, considerando que a urgência de algumas medidas aqui pleiteadas não permite esperar indefinidamente a remessa de informações pelo TCE, a ação está sendo proposta sem esses dados, o que evidentemente não obsta a posterior complementação da inicial, tão logo haja resposta da Corte de Contas. 2. Da legitimidade e da competência A legitimidade ativa do para o aviamento da presente ação exsurge da ampla gama de atribuições acometidas pela Carta Política de 1988 e pelas leis infraconstitucionais que a sucederam ou foram por ela recepcionadas, notadamente daquelas descritas no parágrafo inaugural da presente peça. Com efeito, não desperta maior dúvida a legitimidade do MPF para atuar em defesa do patrimônio público e da

5 5 probidade administrativa, naquelas hipóteses em que lesado o patrimônio público da União ou de criatura sua. No caso específico aqui versado, há ainda a regra de atribuição do estatuída no artigo 5º, 2º e 3º, da Medida Provisória nº /01. Bem a propósito, o teor do verbete nº 329 da Súmula do Superior Tribunal de Justiça, bem como os seguintes precedentes daquela Corte (originais sem destaques): Súmula 329 O Ministério Público tem legitimidade para propor ação civil pública em defesa do patrimônio público (DJ de 10/08/2006). CONSTITUCIONAL E PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA.. LEGITIMAÇÃO ATIVA AD CAUSAM. Por força dos arts. 129, III, da Constituição Federal e 5º, V, "b" e 6º, VII, "b", da Lei Complementar 75/93, o Ministério Público Federal está legitimado para promover ação civil pública visando defender o patrimônio público e social (neste embutido o princípios da legalidade e moralidade), dito lesado por contratação irregular, sem a prévia licitação, de prestadora de serviço ao Sistema Único de Saúde - SUS. Paralelamente a eventual interesse da UNIÃO, faz-se presente o interesse de agir daquele órgão. O Ministério Público é parte legítima, defende o interesse da coletividade, o patrimônio público. A Justiça Federal é competente para processar e julgar a causa. Improvimento ao agravo. (AG /MA; AGRAVO DE INSTRUMENTO, Relator Juiz Hilton Queiroz, Quarta Turma, DJ de 13/08/1998 P. 77). CONSTITUCIONAL. MINISTÉRIO PÚBLICO. AÇÃO CIVIL PÚBLICA PARA PROTEÇÃO DO PATRIMÔNIO PÚBLICO. ART. 129, III, DA CF. Legitimação extraordinária conferida ao órgão pelo dispositivo constitucional em referência, hipótese em que age como substituto processual de toda a coletividade e, conseqüentemente, na defesa de autêntico interesse difuso, habilitação que, de resto, não impede a iniciativa do próprio ente público na defesa de seu patrimônio, caso em que o Ministério Público intervirá como fiscal da lei, pena de nulidade da ação (art. 17, 4º, da Lei nº 8.429/92). Recurso não conhecido. (RE /SP, STF, Tribunal Pleno, Rel. Min. Ilmar Galvão, DJ de , p. 0105). Pois bem. Como será visto abaixo, o caso ora trazido à apreciação do Poder Judiciário diz com o desvio de recursos destinados à execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), popularmente conhecido como merenda escolar. No PNAE, recursos do orçamento da União são repassados aos Estado e Municípios para compor o

6 6 valor gasto em cada refeição servida nas escolas públicas, conforme disciplina dada pela Medida Provisória nº /01. Os réus, a seu turno, são legitimados passivos para a causa por força do disposto nos artigos 2º (réus MARCOS ANTÔNIO RONCHETTI, FRANCISCO JOSÉ DE OLIVEIRA FRAGA e MARCOS ZANDONAI) e 3º (réus ELOIZO GOMES AFONSO DURÃES, VALMIR DOS SANTOS, VILSON DO NASCIMENTO, CARLOS ROBERTO MEDINA, SP ALIMENTAÇÃO E SERVIÇOS LTDA., SÍLVIO MARQUES, EDIVALDO LEITE DOS SANTOS e GOURMAITRE COZINHA INDUSTRIAL E REFEIÇÕES LTDA.) da Lei nº 8.429/92. A possibilidade de responsabilização de terceiros particulares pelas condutas ímprobas encontra respaldo legal e adequação fática nos autos, consoante lição da doutrina: A participação de terceiro, na dicção legal, dá-se por indução ou concurso para a prática do ato de improbidade administrativa. E sempre que, sob qualquer forma direta ou indireta, auferir benefício ilícito. Indução é o ato de instigar, sugerir, estimular, incentivar agente público a praticar ou omitir ato de ofício caracterizador de improbidade administrativa. O concurso é atividade de auxílio, de participação material na execução por agente público de ato de improbidade administrativa. Auferir benefício é tirar proveito patrimonial direto ou indireto, de ato ímprobo cometido por agente público, seja ajustado previamente com este, seja sem associação ilícita, agindo, nesse caso, o terceiro de má-fé, ciente da improbidade cometida e dela se locupletando. (PAZZAGLINI FILHO, Marino. Lei de Improbidade Administrativa Comentada, 2006) Ademais, sob a ótica da proteção e da recomposição do patrimônio público, todos esses réus devem ser chamados à responsabilidade pelo desvio de dinheiro público que empreenderam e, no caso específico do MUNICÍPIO DE CANOAS, há necessidade de readequação de seu agir administrativo mal conduzido pelos réus MARCOS ANTÔNIO RONCHETTI, FRANCISCO JOSÉ DE OLIVEIRA FRAGA e MARCOS ZANDONAI aos ditames da legalidade e da moralidade, com vistas unicamente à consecução do interesse público, o que no presente caso significa a cessação da contratação danosa da terceirização da merenda escolar e a adequada estrutura (e funcionamento) do Conselho de Alimentação Escolar (CAE). Tal questão será melhor compreendida após toda a exposição dos fatos e com a síntese de autoria lançada no item 10 desta peça. De salientar, ainda, que a presença do MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL (órgão da União) como autor da ação, agindo estritamente dentro do campo de atuação delimitado pela Constituição Federal vale dizer, com clara

7 7 legitimidade atrai a competência da Justiça Federal para processar e julgar a ação, na clara dicção do artigo 109, inciso I, da Lei Maior. Tal questão já foi pacificada no âmbito do Superior Tribunal de Justiça, por ocasião do julgamento do Conflito de Competência nº /RJ, cuja ementa estabelece: CONFLITO POSITIVO DE COMPETÊNCIA. JUSTIÇA FEDERAL E JUSTIÇA ESTADUAL. AÇÕES CIVIS PÚBLICAS. EXPLORAÇÃO DE BINGO. CONTINÊNCIA. COMPETÊNCIA JURISDICIONAL DA JUSTIÇA FEDERAL. 1. Havendo continência entre duas ações civil públicas, movidas pelo Ministério Público, impõe-se a reunião de ambas, a fim de evitar julgamentos conflitantes, incompatíveis entre si. 2. A competência da Justiça Federal, prevista no art. 109, I, da Constituição, tem por base um critério subjetivo, levando em conta, não a natureza da relação jurídica litigiosa, e sim a identidade dos figurantes da relação processual. Presente, no processo, um dos entes ali relacionados, a competência será da Justiça Federal, a quem caberá decidir, se for o caso, a legitimidade para a causa. 3. É da natureza do federalismo a supremacia da União sobre Estados-membros, supremacia que se manifesta inclusive pela obrigatoriedade de respeito às competências da União sobre a dos Estados. Decorre do princípio federativo que a União não está sujeita à jurisdição de um Estado-membro, podendo o inverso ocorrer, se for o caso. 4. Em ação proposta pelo Ministério Público Federal, órgão da União, somente a Justiça Federal está constitucionalmente habilitada a proferir sentença que vincule tal órgão, ainda que seja sentença negando a sua legitimação ativa. E enquanto a União figurar no pólo passivo, ainda que seja do seu interesse ver-se excluída, a causa é da competência da Justiça Federal, a quem cabe, se for o caso, decidir a respeito do interesse da demandada (súmula 150/STJ). 5. Conflito conhecido e declarada a competência do Juízo Federal. (Primeira Turma, unânime, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, DJ 17/05/2004, p Grifei). Comentando a respeito do alcance (e da importância) desse julgado para a orientação atual da jurisprudência do STJ, escreveu recentemente o Procurador da República André de Vasconcelos Dias: Dessa feita, o cerne da controvérsia transfere-se da competência à legitimidade ativa. Desde então, todos os julgados que se sucederam ao CC /RJ adotaram idêntica orientação. Um desses arestos do Superior Tribunal de Justiça RESP nº /SE, julgado em 18/11/2004, conduzido, à unanimidade, pelo eminente Ministro Teori Albino Zavascki, fornece-nos valiosos

8 8 critérios hermenêuticos para a identificação da legitimidade ativa do Ministério Público Federal, no tocante à propositura de ações na defesa dos interesses transindividuais. Vale conferir a íntegra da ementa: PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. TUTELA DE DIREITOS TRANSINDIVIDUAIS. MEIO AMBIENTE. COMPETÊNCIA. REPARTIÇÃO DE ATRIBUIÇÕES ENTRE O E ESTADUAL. DISTINÇÃO ENTRE COMPETÊNCIA E LEGITIMAÇÃO ATIVA. CRITÉRIOS. 1. A ação civil pública, como as demais, submete-se, quanto à competência, à regra estabelecida no art. 109, I, da Constituição, segundo a qual cabe aos juízes federais processar e julgar as causas em que a União, entidade autárquica ou empresa pública federal forem interessadas na condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes, exceto as de falência, as de acidente de trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e a Justiça do Trabalho. Assim, figurando como autor da ação o Ministério Público Federal, que é órgão da União, a competência para a causa é da Justiça Federal. 3. Não se confunde competência com legitimidade das partes. A questão competencial é logicamente antecedente e, eventualmente, prejudicial à da legitimidade. Fixada a competência, cumpre ao juiz apreciar a legitimação ativa do Ministério Público Federal para promover a demanda, consideradas as suas características, as suas finalidades e os bens jurídicos envolvidos. 4. À luz do sistema e dos princípios constitucionais, nomeadamente o princípio federativo, é atribuição do Ministério Público da União promover as ações civis públicas de interesse federal e ao Ministério Público Estadual as demais. Considera-se que há interesse federal nas ações civis públicas que (a) envolvam matéria de competência da Justiça Especializada da União (Justiça do Trabalho e Eleitoral); (b) devam ser legitimamente promovidas perante os órgãos Judiciários da União (Tribunais Superiores) e da Justiça Federal (Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais); (c) sejam da competência federal em razão da matéria as fundadas em tratado ou contrato da União com Estado estrangeiro ou organismo internacional (CF, art. 109, III) e as que envolvam disputa sobre direitos indígenas (CF, art. 109, XI); (d) sejam da competência federal em razão da pessoa as que devam ser propostas contra a União, suas entidades autárquicas e empresas públicas federais, ou em que uma dessas entidades figure entre os substituídos processuais no pólo ativo (CF, art. 109, I); e (e) as demais causas que envolvam interesses federais em razão da natureza dos bens e dos valores jurídicos que se visa tutelar. 6. No caso dos autos, a causa é da competência da Justiça Federal, porque nela figura como autor o Ministério Público Federal, órgão da União, que está legitimado a promovê-la,

9 9 porque visa a tutelar bens e interesses nitidamente federais, e não estaduais, a saber: o meio ambiente em área de manguezal, situada em terrenos de marinha e seus acrescidos, que são bens da União (CF, art. 20, VII), sujeitos ao poder de polícia de autarquia federal, o IBAMA (Leis 6.938/81, art. 18, e 7.735/89, art. 4º). 7. Recurso especial provido. (STJ, REsp nº / SE, Rel. Min. Teori Albino Zavascki, 1ª Turma, j. 18/11/2004, DJ p. 195). (in Ministério Público Federal na Tutela Coletiva e Justiça Federal: Uma Questão de Legitimidade Ativa, Boletim dos Procuradores da República, nº 73, março/2007, pp. 9/10. Destaquei). Merecem registro, ainda, os seguintes julgados do Superior Tribunal de Justiça, a cuidar da competência em ações (cível e criminal) que discutiam especificamente desvio de recursos oriundos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), verbis: CONFLITO DE COMPETÊNCIA. DESVIO DE VERBA PÚBLICA. FNDE. SUJEIÇÃO À FISCALIZAÇÃO POR ÓRGÃOS FEDERAIS E À PRESTAÇÃO DE CONTAS PELO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. APLICAÇÃO DA SÚMULA 208/STJ. CONFLITO CONHECIDO PARA DETERMINAR COMPETENTE A JUSTIÇA FEDERAL. 1. Compete à Justiça Federal o julgamento de demanda instaurada contra ex-prefeito, para apurar possível desvio de verbas públicas federais, sujeitas à fiscalização de órgãos federais e à prestação de contas ao Tribunal de Contas da União, sobressaindo efetivo interesse da União Federal. Incidência do teor da Súmula 208/STJ. 2. Ação em que a parte autora pede a citação do FNDE (autarquia federal) como litisconsorte ativa. 3. Conflito conhecido para determinar a competência do Juízo Federal da 1ª Vara de Rio Grande SJ/RS. (Primeira Seção, CC 41635/RS, Rel. Min. José delgado, DJ 17/10/2005, p. 162) PROCESSUAL PENAL. CRIME EM PROCESSO DE LICITAÇÃO. LEI 8.666/93. PROGRAMA FUNDESCOLA. SUJEIÇÃO AO CONTROLE DO TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. VERBA NÃO INCORPORADA AO PATRIMÔNIO MUNICIPAL. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. ORDEM CONCEDIDA. 1. Na linha do entendimento inserto nos enunciados nº 208 e 209 da Súmula deste STJ, compete à Justiça Federal processar e julgar crimes de desvio de verbas oriundas de órgãos federais, sujeitas ao controle do Tribunal de Contas da União e não incorporadas ao patrimônio do Município. 2. Sendo o Programa FUNDESCOLA vinculado ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE, eventual fraude em processos licitatórios para sua implementação deverá ser examinada pela Justiça Federal.

10 10 3. Ordem concedida. Processo anulado ab initio, no tocante aos atos decisórios. (Quinta Turma, HC 62998/RO, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, DJ 12/03/2007, p. 282). A competência da Justiça Federal mostra-se patente, outrossim, pela presença de interesse jurídico da União, em razão da ofensa ao seu patrimônio, e do FNDE, autarquia responsável pelos repasses federais e pelo controle do gasto. Referidos entes deverão ser oportunamente intimados para compor a lide na qualidade de litisconsortes, por força do que dispõe o artigo 17, 3º, da Lei de Improbidade e o artigo 5º, 2º, da Lei da Ação Civil Pública. Nesse ponto, de rigor enfrentar a manifestação do FNDE encartada às fls. 403/404 da ação popular nº Em suma, ao ser chamada a compor a lide naquele processo em que se discute justamente a malversação de recursos da merenda escolar, parte dos quais tem origem no orçamento da União e é por si repassado a autarquia cingiu-se a afirmar que, se constatada alguma irregularidade na utilização das verbas federais, é formalizada tomada de contas especial, posteriormente enviada ao Tribunal de Contas da União e lá julgada. Assim, ao cabo de todo esse procedimento (anos e anos, certamente), será então movida uma execução fiscal contra o gestor. Ademais, na ausência de prestação de contas, o Município ficará impedido de receber verbas (exceto se comprovar ter movido, igualmente, execução contra o referido gestor). Diante de todas essas possíveis medidas, o FNDE recusou sua inclusão no pólo ativo da ação popular. Não deixa de causar perplexidade que o órgão repassador dos recursos federais se negue a compor um processo em que está sendo levantado justamente o desvio dessas verbas, com um lastro probatório mínimo das irregularidades narradas (como acontece nos autos da ação popular em foco). Assim, preferiu o FNDE simplesmente ignorar isso e apegar-se à existência de um suposto sistema de fiscalização e recomposição de eventual prejuízo sabidamente ineficiente e meramente formal. Ora, basta analisar a resposta da auditoria do FNDE à requisição de fiscalização do Ministério Público (fls. 201/202 dos autos do ICP) para verificar que a autarquia não dispõe de estrutura mínima de fiscalização dos recursos (fls. 224/225) e que o resultado da fiscalização não ostenta nenhuma conseqüência prática quanto à responsabilização dos gestores envolvidos em irregularidades (fls. 626/646 e 807/828). Além disso, como sabido, o órgão público que se depara com malversação de seus recursos não deve ater-se unicamente à recomposição do valor desfalcado a tão decantada execução fiscal mas também empenhar-se na aplicação de sanções aos agentes dolosamente

11 11 envolvidos, inclusive como medida pedagógica para evitar a proliferação dessas condutas danosas nos diversos Municípios do País. Nesse sentido, é clara a dicção dos artigos 14, 16 e 17 da Lei nº 8.429/92, do artigo 116, inciso XII, da Lei nº 8.112/90 e do artigo 4º, 4º, da Medida Provisória nº /01 dispositivos que, aparentemente, são ignorados pelo FNDE. Bem a propósito, falar em execução fiscal contra o gestor nessa visão formal, será unicamente o Prefeito após vários anos da ocorrência do desfalque, certamente trará resultado efetivo nulo, pois, no mundo real dos fatos, não se vai conseguir recompor um desfalque público de milhões de reais (como o aqui tratado) a partir do patrimônio declarado de uma pessoa física. Além disso, a penalidade de suspensão do repasse dos recursos federais em nada atinge os responsáveis pelas irregularidades, servindo apenas para castigar os beneficiários do programa (estudantes crianças e adolescentes de baixa renda) com a possível interrupção da merenda escolar. Em suma, por mais que os representantes legais do FNDE por injunções políticas, que não cabe aqui perscrutar, ou por outro motivo ligado à vontade ou à capacidade de atender à demanda de trabalho insistam em ignorar a necessidade (ou melhor, obrigatoriedade) de intervir em uma ação que discute recomposição de verbas federais utilizadas indevidamente, e a conseqüente imputação aos responsáveis por tal ilícito, essa omissão não retira o interesse federal na solução do caso, pois parte de cada merenda escolar servida no Município de Canoas é proveniente do orçamento da União. E é justamente para garantir a tutela desse direito coletivo é que atua (e atuará) o. 3. Da distribuição por dependência A presente ação deverá ser distribuída por dependência, na forma do artigo 253, inciso I, do CPC, tendo em vista a evidente conexão com a ação popular nº Como já antecipado linhas acima, os fatos aqui tratados irregularidades na terceirização da merenda escolar em Canoas abrangem aqueles englobados na referida ação popular, acrescentando ainda outras irregularidades que naquele feito deixaram de ser incluídas (principalmente porque o autor popular não dispunha de acesso aos relatórios das auditorias dos Tribunais de Contas da União e do Estado do RS, bem assim do FNDE). Forçoso, portanto, que a presente ação seja distribuída ao Juízo Titular da Vara Federal Cível de Canoas, para que seja apensada à

12 12 mencionada ação popular e analisada conjuntamente, em vista da identidade de objeto. 4. Breves esclarecimentos sobre o PNAE O fornecimento da merenda escolar nos estabelecimentos de ensino municipais, tal como ocorre em Canoas, é reputado pela Constituição Federal como parte integrante do dever do Estado com a educação, consoante estatui seu artigo 208, inciso VIII. Na mesma toada, preconiza a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN, Lei nº 9.394/96): Art. 4º O dever do Estado com educação escolar pública será efetivado mediante a garantia de: VIII - atendimento ao educando, no ensino fundamental público, por meio de programas suplementares de material didático-escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde; (Grifei). No cumprimento desse dever, e como forma de demarcar devidamente a responsabilidade de cada ente estatal no fornecimento da merenda escolar nas escolas públicas, foi criado o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), atualmente regido, em suas linhas fundamentais, pela Medida Provisória nº /01 (que acabou inserida no ordenamento jurídico como norma permanente, à semelhança das leis em sentido estrito, por força do disposto no artigo 2º da Emenda Constitucional nº 32/01). De relevante à compreensão do objeto da presente ação, destaco inicialmente os seguintes dispositivos dessa norma de regência: Art. 1 o Os recursos consignados no orçamento da União para execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE serão repassados em parcelas aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, observadas as disposições desta Medida Provisória. 1 o O montante dos recursos financeiros a ser repassado será calculado com base no número de alunos devidamente matriculados no ensino pré-escolar e fundamental de cada um dos entes governamentais referidos no caput deste artigo. 3 o Para o cálculo do montante dos recursos de que tratam os 1 o e 2 o, serão utilizados os dados oficiais de matrículas obtidos no censo escolar relativo ao ano anterior ao do atendimento. 5 o A assistência financeira de que trata este artigo tem caráter suplementar, conforme disposto no inciso VII do art. 208 da

13 13 Constituição Federal, e destina-se, exclusivamente, à aquisição de gêneros alimentícios. Art. 2 o A transferência de recursos financeiros, objetivando a execução descentralizada do PNAE, será efetivada automaticamente pela Secretaria-Executiva do FNDE, sem necessidade de convênio, ajuste, acordo ou contrato, mediante depósito em conta-corrente específica. 1 o Os recursos financeiros de que trata o caput deverão ser incluídos nos orçamentos dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios beneficiados. Art. 3 o Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão, por instrumento legal próprio, no âmbito de suas respectivas jurisdições, um Conselho de Alimentação Escolar - CAE, como órgão deliberativo, fiscalizador e de assessoramento, constituído por sete membros e com a seguinte composição: I - um representante do Poder Executivo, indicado pelo Chefe desse Poder; II - um representante do Poder Legislativo, indicado pela Mesa Diretora desse Poder; III - dois representantes dos professores, indicados pelo respectivo órgão de classe; IV - dois representantes de pais de alunos, indicados pelos Conselhos Escolares, Associações de Pais e Mestres ou entidades similares; V - um representante de outro segmento da sociedade local. 2 o Cada membro titular do CAE terá um suplente da mesma categoria representada. 3 o Os membros e o Presidente do CAE terão mandato de dois anos, podendo ser reconduzidos uma única vez. 4 o O exercício do mandato de Conselheiro do CAE é considerado serviço público relevante e não será remunerado. 5 o Compete ao CAE: I - acompanhar a aplicação dos recursos federais transferidos à conta do PNAE; II - zelar pela qualidade dos produtos, em todos os níveis, desde a aquisição até a distribuição, observando sempre as boas práticas higiênicas e sanitárias; III - receber, analisar e remeter ao FNDE, com parecer conclusivo, as prestações de contas do PNAE encaminhadas pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios, na forma desta Medida Provisória. 6 o Sem prejuízo das competências estabelecidas nesta Medida Provisória, o funcionamento, a forma e o quorum para as deliberações do CAE, bem como as suas demais competências, serão definidas pelo Conselho Deliberativo do FNDE.

14 14 7 o Fica o FNDE autorizado a não proceder o repasse dos recursos do PNAE aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, na forma estabelecida pelo seu Conselho Deliberativo, comunicando o fato ao poder legislativo correspondente, quando esses entes: I - não constituírem o respectivo CAE, no prazo de noventa dias, a contar de 5 de junho de 2000; II - não utilizarem os recursos de acordo com as normas estabelecidas para execução do PNAE; III - não aplicarem testes de aceitabilidade e não realizarem controle de qualidade dos produtos adquiridos com os recursos do PNAE, ou o fizerem em desacordo com a regulamentação aprovada pelo FNDE; IV - não apresentarem a prestação de contas nos prazos e na forma estabelecidos. 8 o Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios garantirão infraestrutura necessária à execução plena das competências do CAE, estabelecidas no 5 o deste artigo. Art. 4 o Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios apresentarão prestação de contas do total dos recursos recebidos à conta do PNAE, que será constituída do Demonstrativo Sintético Anual da Execução Físico-Financeira, na forma do Anexo I desta Medida Provisória, acompanhado de cópia dos documentos que o CAE julgar necessários à comprovação da execução desses recursos. 1 o A prestação de contas do PNAE será feita ao respectivo CAE, no prazo estabelecido pelo Conselho Deliberativo do FNDE. 2 o O CAE, no prazo estabelecido pelo Conselho Deliberativo do FNDE, analisará a prestação de contas e encaminhará ao FNDE apenas o Demonstrativo Sintético Anual da Execução Físico- Financeira dos recursos repassados à conta do PNAE, com parecer conclusivo acerca da aplicação dos recursos. 3 o Constatada alguma das situações previstas nos incisos II a IV do 7 o do art. 3 o, o CAE, sob pena de responsabilidade solidária de seus membros, comunicará o fato, mediante ofício, ao FNDE, que, no exercício da supervisão que lhe compete, adotará as medidas pertinentes, instaurando, se necessário, a respectiva tomada de contas especial. 4 o A autoridade responsável pela prestação de contas, que inserir ou fizer inserir documentos ou declaração falsa ou diversa da que deveria ser inscrita, com o fim de alterar a verdade sobre o fato, será responsabilizada civil, penal e administrativamente. 5 o Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios manterão em seus arquivos, em boa guarda e organização, pelo prazo de cinco anos, contados da data de aprovação da prestação de contas do concedente, os documentos a que se refere o caput deste artigo, juntamente com todos os comprovantes de pagamentos efetuados com os recursos financeiros transferidos na forma desta Medida Provisória, ainda que a execução esteja a cargo das respectivas escolas, e estarão obrigados a disponibilizá-los, sempre que

15 15 solicitado, ao Tribunal de Contas da União - TCU, ao FNDE, ao Sistema de Controle Interno do Poder Executivo Federal e ao CAE. 6 o O FNDE realizará, nos Estados, no Distrito Federal e nos Municípios, a cada exercício financeiro, auditagem da aplicação dos recursos do PNAE, por sistema de amostragem, podendo, para tanto, requisitar o encaminhamento de documentos e demais elementos que julgar necessário, bem como realizar fiscalização in loco ou, ainda, delegar competência a outro órgão ou entidade estatal para fazê-lo. Art. 6 o Os cardápios do programa de alimentação escolar, sob a responsabilidade dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, serão elaborados por nutricionistas capacitados, com a participação do CAE e respeitando os hábitos alimentares de cada localidade, sua vocação agrícola e preferência por produtos básicos, dando prioridade, dentre esses, aos semi-elaborados e aos in natura. Parágrafo único. Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios utilizarão, no mínimo, setenta por cento dos recursos do PNAE na aquisição dos produtos básicos. De salientar, ainda, a regulamentação oriunda do Conselho Deliberativo do FNDE, estabelecendo os critérios de execução do PNAE e as formas de transferência dos recursos complementares federais. Essa disciplina foi dada, no período aqui tratado, primeiramente pela Resolução nº 38/04, posteriormente substituída pela Resolução nº 32/06 (atualmente em vigor). Essa última norma nesse ponto, acompanhando as disposições da resolução anterior determina: Art. 2º. São princípios do Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE: I - a universalidade do atendimento da alimentação escolar gratuita, o qual consiste na atenção aos alunos da educação infantil e ensino fundamental da rede pública de ensino; IV a descentralização das ações, pelo compartilhamento da responsabilidade pela oferta da alimentação escolar entre os entes federados, conforme disposto no art. 208 da Constituição Federal; V a participação social no controle e acompanhamento das ações realizadas pelos Estados, Distrito Federal e Municípios, para garantir a oferta da alimentação escolar saudável e adequada. Art. 6º. Participam do PNAE: I o FNDE como responsável pela assistência financeira, em caráter suplementar, na forma do artigo 19 desta Resolução, bem como pela normatização, coordenação, acompanhamento, monitoramento e fiscalização da

16 16 execução do programa, além de promover a avaliação da sua eficiência, efetividade e eficácia; II a Entidade Executora EE como responsável pelo recebimento e complementação dos recursos financeiros transferidos pelo FNDE, bem como pela execução e prestação de contas do PNAE, representada por: b) Municípios, como responsáveis pelo atendimento das creches, pré-escolas, escolas do ensino fundamental da rede municipal e da rede estadual e federal, na forma autorizada nesta Resolução, e dos estabelecimentos mantidos por entidades filantrópicas; Art. 12. A Entidade Executora que optar por adquirir as refeições, mediante terceirização de serviços, somente poderá utilizar os recursos repassados pelo FNDE à conta do PNAE para o pagamento dos gêneros alimentícios, ficando as demais despesas necessárias ao fornecimento dessas refeições a seu cargo. 1º No instrumento convocatório de licitação deverá conter a descrição dos alimentos que comporão a alimentação escolar, os quais deverão ser cotados por item. 2º A opção de que trata este artigo não exime a EE de suas responsabilidades sobre a execução do PNAE, bem como o CAE de desenvolver suas atribuições, conforme estabelecido nesta Resolução. Art. 13. Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios ficam obrigados a: I - garantir ao CAE, como órgão deliberativo, de fiscalização e de assessoramento, a infraestrutura necessária à plena execução das atividades de sua competência, tais como: a) local apropriado com condições adequadas para as reuniões do Conselho; b) disponibilidade de equipamento de informática; c) transporte para deslocamento dos seus membros aos locais relativos ao exercício de sua competência, inclusive, para as reuniões ordinárias e extraordinárias do CAE; d) e disponibilidade de recursos humanos necessários às atividades de apoio, com vistas a desenvolver as suas atividades com competência e efetividade; II - fornecer ao CAE, sempre que solicitado, todos os documentos e informações referentes à execução do PNAE em todas as suas etapas, tais como: editais de licitação, extratos bancários, cardápios, notas fiscais de compras e demais documentos necessários ao desempenho das atividades de sua competência.

17 17 Art. 19. A transferência dos recursos financeiros do orçamento do FNDE para execução do PNAE, em caráter suplementar aos aportados pelas Entidades Executoras, será feita automaticamente, sem necessidade de convênio, ajuste, acordo, contrato ou instrumento congênere, nos termos do disposto na Medida Provisória nº , de 24 de agosto de 2001, de forma a garantir, no mínimo, uma refeição diária ao público-alvo do programa e sua operacionalização processar-se-á da seguinte forma: II - o valor per capita da alimentação escolar, a ser repassado a partir do mês de maio de 2006, será de R$ 0,22 (vinte e dois centavos de real) para os alunos matriculados nas creches, pré-escolas e nas escolas do ensino fundamental e de R$ 0,44 (quarenta e quatro centavos de real) para os alunos matriculados em creches e escolas indígenas e nas localizadas em áreas remanescentes de quilombos; III - o número de dias de atendimento a ser considerado no cálculo dos valores devidos às EE será de 200 dias letivos/ano; IV - recursos financeiros apurados na forma do inciso I deste artigo serão transferidos pelo FNDE a cada Entidade Executora, em dez parcelas mensais, entre os meses de fevereiro a novembro, até o último dia útil de cada mês, não podendo cada parcela exceder à cobertura de 20 dias letivos; V - os recursos financeiros de que trata o inciso anterior serão creditados, mantidos e geridos em contas correntes específicas, a serem abertas pelo FNDE, em agência e banco indicados pela Entidade Executora, dentre aqueles que mantém parceria com FNDE, conforme relação divulgada na Internet, no endereço VI para a indicação do domicílio bancário de que trata o inciso V deste artigo, a Entidade Executora deverá observar a seguinte ordem de prioridade: a) Banco do Brasil S/A ou na Caixa Econômica Federal ou outra instituição financeira oficial, inclusive de caráter regional, ou em instituições financeiras submetidas a processo de desestatização ou, ainda, naquela adquirente de seu controle acionário; b) banco parceiro local, caso inexista no município agência dos bancos descritos na alínea a deste inciso; VII O FNDE abrirá uma conta corrente para cada modalidade de atendimento assistida pelo Programa. VIII as contas-correntes abertas na forma estabelecida nos incisos V a VII deste artigo ficarão bloqueadas para movimentação até que a EE compareça à agência do banco onde a conta foi aberta e proceda a sua regularização de acordo com as normas bancárias vigentes; XII - os saques de recursos da conta específica somente serão permitidos para a aquisição de gêneros alimentícios para o Programa, transferência às creches, pré-escolas e escolas do ensino fundamental, entidades filantrópicas e entidades mantidas pela União, na forma dos artigos 8º, 9º, 10 e 11 desta Resolução, ou para

18 18 aplicação financeira, devendo sua movimentação realizar-se, exclusivamente, mediante cheque nominativo ao credor ou ordem bancária, transferência eletrônica disponível ou outra modalidade de saque autorizada pelo Banco Central do Brasil em que fique identificada sua destinação e, no caso de pagamento, o credor; XVI - as transferências de recursos efetuadas na forma deste artigo deverão ser incluídas nos orçamentos dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios beneficiados; XXI a Entidade Executora que não utilizar os recursos financeiros repassados à conta do PNAE durante o ano letivo, na forma estabelecida nos incisos I a III do artigo 19, também deverá devolvêlos ao FNDE, acrescidos de juros e correção monetária; Como se observa, há explícita divisão de competências entre os entes públicos, de molde que os Municípios (responsáveis pela execução do programa) recebem recursos federais para complementação de cada unidade de merenda servida (R$ 0,22), submetendo-se a rígido regime jurídico de controle qualitativo e quantitativo desse gasto público. Aliás, nem poderia ser diferente, pois além do controle da verba em si (que, pela sua natureza pública, exige transparência, retidão e prestação de contas) há a nota diferencial de se cuidar de programa voltado à alimentação de estudantes, na sua maioria crianças, o que recomenda ainda maior cautela e controle adequado da forma de execução. Ademais, nota-se que os recursos federais repassados aos Municípios não se incorporam ao patrimônio dessas pessoas políticas. Na sistemática do PNAE, as verbas da União são mantidas em conta-corrente específica aberta pelo FNDE em instituição oficial federal (Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil). Ou seja, os valores repassados à conta do PNAE são sempre mantidos separadamente na contabilidade oficial. Demais disso, expresso o dever de prestar contas ao órgão federal responsável pelo repasse (FNDE) e ao Tribunal de Contas da União. 5. Do Conselho de Alimentação Escolar (CAE) Como visto nas normas transcritas no item anterior, a sistemática criada para desenlace da obrigação (constitucional e legal) de fornecimento da alimentação escolar prevê a instituição de um órgão específico em cada Estado e Município: o Conselho de Alimentação Escolar (CAE). E a razão da previsão de existência do CAE é evidente: o controle das obrigações dos entes políticos, quanto à correta utilização das

19 19 verbas do programa e quanto à qualidade da alimentação fornecida aos estudantes, é bem mais eficaz quando realizado por órgão especificamente criado para esse fim e composto de representantes de diversos segmentos da sociedade. É a aplicação da experiência do controle social dos gastos públicos. Por isso mesmo, as normas em questão cercaram o exercício das funções do CAE de diversas garantias, tornando explícitas suas competências de solicitação de dados (e obrigatoriedade de resposta do órgão executor instado) e de fiscalização de todas as etapas da execução do PNAE. No mesmo passo, foi inequívoco o comando aos administradores públicos sobre sua obrigação de garantir infra-estrutura necessária à execução plena das competências do CAE (MP nº /01, artigo 3º, 8º), chegando a norma do FNDE a esmiuçar os padrões mínimos da infra-estrutura a ser concedida ao conselho (Resolução nº 32/06, artigo 13, inciso I). Lamentavelmente, como será visto abaixo, o Município de Canoas esforçou-se para, de todas as formas, esvaziar a operatividade do Conselho de Alimentação Escolar local, conduta que coincide como não poderia deixar de ser com a perpetração de diversos ilícitos na gestão do PNAE. 6. Da opção pela terceirização Em 28/12/2004, o réu MARCOS ZANDONAI, Secretário de Educação do Município de Canoas, despacha folha de encaminhamento ao GP/SG (Gabinete do Prefeito/Secretaria de Governo), dirigida ao Senhor Secretário (o titular da pasta é o réu FRANCISCO FRAGA), com os seguintes dizeres: Encaminho para apreciação e deliberação do senhor Prefeito Municipal para posterior encaminhamento, a minuta do Edital para contratação de empresa especializada em fornecimento de alimentação escolar para a rede Municipal de Ensino Fundamental e Educação Infantil. Ressaltamos que o referido edital sofreu análise criteriosa desta Secretaria, por parte do Serviço de Alimentação Escolar, sendo aprimorado em diversos itens a fim de que se garanta a qualidade dos serviços. A retomada deste processo que, no ano de 2003, resultou na Concorrência nº 009/2003, é uma das grandes prioridades desta Secretaria. Temos a convicção de que com esta terceirização conseguiremos modernizar, agilizar, racionalizar e otimizar este

20 20 importante serviço que é oferecido a todos os alunos da rede municipal. Em anexo a este encaminhamento encontra-se o levantamento financeiro atualizado até o ano de 2004 para a determinação do preço unitário estimado por merenda. A sua consideração ( sic fl. 68 do Apenso 5). Outrossim, foi firmado pelo réu MARCOS ZANDONAI, no dia 29/12/2004, o Pedido e Autorização PA nº 52402, para a mesma contratação (fl. 6 do Apenso 5). O curioso é que esse réu assina duas vezes o referido documento, como responsável pelo pedido e como secretário que o autoriza. Destaco que consta na autorização, subscrita pelo réu MARCOS ZANDONAI: Autorizo o pedido e declaro sua compatibilidade com o PPA, LDO e LOA conforme artigo 8º, inciso V do Decreto 280/02 (grifei). Logo abaixo, o documento Pedido e Autorização PA foi assinado pelo réu MARCOS RONCHETTI, outorgando a autorização definitiva para o início do procedimento de contratação. Embora não conste a data desse ato do Prefeito, certamente ocorreu entre 29/12/2004 (data do encaminhamento pelo réu MARCOS ZANDONAI) e 06/01/2005 (data do recebimento do pedido no Departamento de Compras, Licitações e Contratos da Secretaria Municipal de Administração. Outrossim, interessante notar que há uma outra via do mesmo documento ( Pedido e Autorização PA nº 52402), cópia juntada à fl. 78 do Apenso 5, que é diferente daquela acima referida, pois as assinaturas (dos réus MARCOS ZANDONAI e MARCOS RONCHETTI) não coincidem, assim como a aposição de datas nos despachos e a existência de manuscritos em cada qual. Isso indica uma das seguintes realidades: (1) a tramitação açodada do processo; (2) desorganização administrativa no âmbito da Prefeitura; (3) um misto das duas hipóteses anteriores. Assim, foi originado o processo administrativo nº 2004/25523, que ensejou, logo em seguida, o lançamento do edital da Concorrência nº 003/2005, com o objetivo de terceirizar o fornecimento da merenda escolar no Município (o procedimento licitatório foi formalizado no processo administrativo nº 2005/5). Como destacado no despacho acima transcrito, anteriormente havia sido encetado um outro procedimento licitatório (Concorrência nº 009/2003), com o mesmo desiderato. Entretanto, esse certame sofreu uma série de questionamentos por parte de possíveis licitantes e acabou não prosseguindo.

MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Presidência da República Controladoria-Geral da União MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) MERENDA ESCOLAR O Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE, conhecido como Merenda

Leia mais

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Art. 1 o Para os efeitos desta Lei, entende-se por alimentação escolar todo alimento oferecido no ambiente escolar, independentemente de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA LEI Nº 2.255/2007 Dá nova redação a Lei nº 1.453/200 que cria o Conselho de Alimentação Escolar e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE MOSSORÓ,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 38, DE 19 DE AGOSTO DE 2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 38, DE 19 DE AGOSTO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 38, DE 19 DE AGOSTO DE 2008 Estabelece critérios para o repasse de recursos financeiros,

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica, altera a Lei nº 10.880, de 9 de junho de 2004; revoga dispositivos da Medida Provisória

Leia mais

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO LEI DE N 142/2013 de 18 de abril de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito Projeto de Lei nº 13 de 09 de janeiro de 2009 Cria o Programa de Qualificação Municipal da Alimentação Escolar no Ensino Fundamental PQMAE, institui a transparência e o controle social na gestão, dispondo

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar - PNATE e o Programa de Apoio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Este questionário tem por objetivo orientar a participação do cidadão na gestão pública a partir do controle das despesas públicas efetuadas e da oferta de sugestões aos órgãos do governo, para que estes

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 111/2001, de 29 de Novembro de 2001.

LEI MUNICIPAL Nº 111/2001, de 29 de Novembro de 2001. LEI MUNICIPAL Nº 111/2001, de 29 de Novembro de 2001. Revoga a Lei Municipal n.º 084/2001, dá novas disposições sobre a criação do Conselho de Alimentação Escolar do Município e dá outras providências.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE CANOAS Mensagem nº 62, de 2011 Canoas, 29 de agosto de 2011. A Sua Excelência o Senhor Vereador César Augusto Ribas Moreira Presidente da Câmara Municipal de Canoas Canoas - RS Senhor Presidente, Na forma da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 11 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.947, DE 16 DE JUNHO DE 2009. Conversão da Medida Provisória nº 455, de 2008 Dispõe sobre o atendimento da

Leia mais

Lei Nº 11.947, de 16 de junho de 2009

Lei Nº 11.947, de 16 de junho de 2009 Lei Nº 11.947, de 16 de junho de 2009 Conversão da Medida Provisória nº 455, de 2008 Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica;

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 63, DE 1º DE SETEMBRO DE 2010 Estabelece normas de organização e de apresentação dos relatórios de gestão e das peças complementares que constituirão os processos de contas

Leia mais

Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica.

Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. LEI Nº 11.947, DE 16 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica. Conversão

Leia mais

GRUPO I CLASSE II 2ª Câmara TC-031.085/2013-0

GRUPO I CLASSE II 2ª Câmara TC-031.085/2013-0 GRUPO I CLASSE II 2ª Câmara TC-031.085/2013-0 Natureza: Tomada de Contas Especial. Entidade: Município de Flores/PE. Responsável: Arnaldo Pedro da Silva, CPF n. 093.945.404-15. SUMÁRIO: TOMADA DE CONTAS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 8 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.947, DE 16 DE JUNHO DE 2009. Conversão da Medida Provisória nº 455, de 2008 Dispõe sobre o atendimento da alimentação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE LEI 2510 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE JUNHO DE. DOWNLOAD PARA IMPRESSÃO Lei 2510 ***** TEXTO COMPLETO *****

Leia mais

URGENTE PEDIDO DE LIMINAR

URGENTE PEDIDO DE LIMINAR EXMO. SR. JUIZ FEDERAL DA VARA FEDERAL CÍVEL DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE CANOAS RS. URGENTE PEDIDO DE LIMINAR O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL vem, com fulcro na Constituição Federal (artigo 129, incisos II,

Leia mais

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012

REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 562-A, DE 2012 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 10 DE 2012 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dispõe sobre o apoio técnico ou financeiro da União no âmbito do Plano de Ações

Leia mais

LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014.

LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014. LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre adequação da Lei nº 1.253, de 12 de abril de 1996 que instituiu o Conselho de Alimentação Escolar do Município de Ananindeua, e dá outras providências.

Leia mais

Prestação e Tomada de Contas Responsabilização. Auditora Milene Dias da Cunha

Prestação e Tomada de Contas Responsabilização. Auditora Milene Dias da Cunha Prestação e Tomada de Contas Responsabilização. Auditora Milene Dias da Cunha Quando entregamos nosso dinheiro nas mãos de alguém para que cuide do nosso futuro, o que esperamos? O que acontece quando

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO AUDITORIA INTERNA SECRETARIA DE ORIENTAÇÃO E AVALIAÇÃO PARECER SEORI/AUDIN-MPU Nº 2.898/2014 Referência : Correio eletrônico, de 17/9/2014. Protocolo AUDIN-MPU nº 1693/2014.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N. 029/2015

RECOMENDAÇÃO N. 029/2015 IC 1.14.006.000151/2015-51 RECOMENDAÇÃO N. 029/2015 Ementa: Necessidade de condições mínimas para funcionamento do CAE; necessidade de publicidade quanto às verbas recebidas pelo PNAE; necessidade de fornecimento

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Coordenação-Geral do Programa Nacional de Alimentação Escolar (CGPAE)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 1 9 6 3 1 9 6 3 PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 Lei nº 299/ 2008. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal do Idoso, do Fundo Municipal do Idoso e dá outras

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA JUDICIÁRIA DE BELÉM/PA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA JUDICIÁRIA DE BELÉM/PA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA JUDICIÁRIA DE BELÉM/PA VARA DA SUBSEÇÃO Referência: Inquérito Civil nº 1.23.000.000854/2012-88 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por meio do Procurador da República

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE MIMOSO DO SUL GABINETE DA PREFEITA PROJETO DE LEI Nº /2013 DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE MIMOSO DO SUL, ESTADO DO ESPÍRITO SANTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Título I Das Disposições Preliminares Art. 1º A organização

Leia mais

Instituição essencial à Justiça EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE ITABUNA/BA

Instituição essencial à Justiça EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE ITABUNA/BA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE ITABUNA/BA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA, por seu órgão de execução, no exercício de suas atribuições funcionais,

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG O QUE É O PDDE... Consiste na assistência financeira anual, pelo FNDE, às escolas públicas da educação básica das redes estaduais, municipais e do Distrito Federal. O objetivo

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO PROCURADORIA GERAL CONVÊNIO Nº 014/PGM/2013 - PROCESSO Nº 09.0070/2013

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO PROCURADORIA GERAL CONVÊNIO Nº 014/PGM/2013 - PROCESSO Nº 09.0070/2013 1 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO/SEMED, DE UM LADO, E DE OUTRO A ASSOCIAÇÃO DE MORADORES E AMIGOS DO BAIRRO CONCEIÇÃO - ESCOLA

Leia mais

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso Fonte: Ministério Público do Rio Grande do Norte Responsável: Dra. Janaína Gomes Claudino Criação do Conselho Municipal do Idoso Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14/2011 Ver também IN 7/13 Disciplina a organização e a apresentação das contas anuais dos administradores e demais responsáveis por unidades jurisdicionadas das administrações direta

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 23/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 30/08/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.169 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação Gabinete do Secretário

Secretaria de Estado da Educação Gabinete do Secretário PORTARIA nº 080/2012 - SEED O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando das atribuições que lhe são conferidas pelo Decreto nº 0494/12, de 27 de fevereiro de 2012, com fundamento na Lei nº 1.230 de 29 de

Leia mais

Irregularidade: abertura de créditos adicionais sem recursos disponíveis

Irregularidade: abertura de créditos adicionais sem recursos disponíveis RELATOR: AUDITOR GILBERTO DINIZ Irregularidade: abertura de créditos adicionais sem recursos disponíveis DICOM TCEMG EMENTA: PRESTAÇÃO DE CONTAS PREFEITURA MUNICIPAL EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ABERTURA DE CRÉDITOS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005.

PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005. PROJETO DE LEI Nº 1.870 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2005. Dispõe sobre a organização do Sistema Municipal de Defesa do Consumidor, institui o Departamento de Defesa do Consumidor e o Fundo Municipal de Defesa

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná aprovou e eu, ALBARI GUIMORVAM FONSECA DOS SANTOS, sanciono a seguinte lei: LEI Nº 1580/2010 Dá nova nomenclatura a Conferência, ao Conselho e ao Fundo Municipal de Assistência ao Idoso criado pela Lei nº 1269/2004 e dá outras providencias. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã LEI Nº. 721/2007 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Estado de Mato Grosso, seguinte Lei: EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS MINUTA DE LEI LEI N Dispõe sobre a Política Municipal do Idoso e dá outras providências. A Câmara Municipal de Piraí, aprova e eu sanciono a seguinte Lei, TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Esta Lei dispõe

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos Civil DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios

Leia mais

ESTADO DO ACRE MINISTÉRIO PÚBLICO Promotoria Cumulativa da Comarca de Manoel Urbano/AC TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

ESTADO DO ACRE MINISTÉRIO PÚBLICO Promotoria Cumulativa da Comarca de Manoel Urbano/AC TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA ESTADO DO ACRE MINISTÉRIO PÚBLICO Promotoria Cumulativa da Comarca de Manoel Urbano/AC TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA CONSIDERANDO que ao Ministério Público compete à defesa da ordem jurídica, do regime

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013

ESTADO DO PARANÁ EDIFÍCIO ODOVAL DOS SANTOS - CNPJ. 76.290.691/0001-77 www.santaceciliadopavao.pr.gov.br LEI Nº. 720/2013 LEI Nº. 720/2013 SÚMULA: ALTERA A LEI Nº. 593/2010 QUE INSTITUIU O FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE (FMS) E INCLUI O CAPÍTULO IX COM OS ARTIGOS 12º E 13º E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. RESOLUÇÃO No- 465, DE 23 DE AGOSTO DE 2010

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. RESOLUÇÃO No- 465, DE 23 DE AGOSTO DE 2010 CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS RESOLUÇÃO No- 465, DE 23 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre as atribuições do Nutricionista, estabelece parâmetros numéricos mínimos de referência no âmbito do Programa de

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

Superavit financeiro em balanço patrimonial de autarquia como fonte de recurso para abertura de crédito suplementar

Superavit financeiro em balanço patrimonial de autarquia como fonte de recurso para abertura de crédito suplementar RELATOR: CONSELHEIRO MAURI TORRES Superavit financeiro em balanço patrimonial de autarquia como fonte de recurso para abertura de crédito suplementar DICOM TCEMG EMENTA: CONSULTA CONTROLADORIA-GERAL DO

Leia mais

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012

Lei Complementar 141/12. Regulamentação da EC 29/00. CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Lei Complementar 141/12 Regulamentação da EC 29/00 CT Gestão e Financiamento Março - 2012 Regulamenta: 1. Regulamenta o 3º do art. 198 da Constituição Federal para dispor sobre os valores mínimos a serem

Leia mais

MARCO ANTÔNIO TEOBALDI, ex-prefeito MUNICIPAL DE JOINVILLE ASSUNTO

MARCO ANTÔNIO TEOBALDI, ex-prefeito MUNICIPAL DE JOINVILLE ASSUNTO Fls. 353 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES INSPETORA 2 DIVISÃO 6 PROCESSO Nº REP 09/00054654 UNIDADE GESTORA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

Leia mais

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007

DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 SENADO FEDERAL SUBSECRETARIA DE INFORMAÇÕES DECRETO Nº 6.029, DE 1º DE FEVEREIRO DE 2007 Institui Sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.166 MATO GROSSO RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. LUIZ FUX :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 71, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a instauração, a organização e o encaminhamento ao Tribunal de Contas da União dos processos de tomada de contas especial. O TRIBUNAL

Leia mais

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. MÁRCIO CASSIANO DA SILVA, Prefeito Municipal de Jaciara, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 562/93 - DE, 22 DE NOVEMBRO 1.993. DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DO BEM ESTAR SOCIAL E CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL A ELE VINCULADO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. MÁRCIO CASSIANO DA

Leia mais

6) o que determinam os itens II e III do 7º do art. 3 e os artigos 6º, 7º e 8º da Medida Provisória nº. 2.178-38, de 24 de agosto de 2001;

6) o que determinam os itens II e III do 7º do art. 3 e os artigos 6º, 7º e 8º da Medida Provisória nº. 2.178-38, de 24 de agosto de 2001; 1 RESOLUÇÃO CFN Nº 358/2005 Dispõe sobre as atribuições do Nutricionista no âmbito do Programa de Alimentação Escolar (PAE) e dá outras providências. O Conselho Federal de Nutricionistas, no uso das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO T.C. Nº 0020/2005

RESOLUÇÃO T.C. Nº 0020/2005 RESOLUÇÃO T.C. Nº 0020/2005 EMENTA: Dispõe sobre os institutos da Organização Social OS e da Organização da Sociedade Civil de Interesse Público OSCIP, regulamenta a prestação de contas dessas entidades

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 ** 1 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 Acrescenta parágrafo ao art. 6º da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, para tornar a carne suína obrigatória nos cardápios

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128 DE 2006 Altera o 1º do art. 1º da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, para incluir os estudantes da educação fundamental de jovens e adultos como beneficiários

Leia mais

RESOLUÇÃO TC n 227, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Publicação: D.O.E: 29.08.2011 Republicação: D.O.E: 02.09.2011 Republicação: D.O.E: 05.09.

RESOLUÇÃO TC n 227, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Publicação: D.O.E: 29.08.2011 Republicação: D.O.E: 02.09.2011 Republicação: D.O.E: 05.09. RESOLUÇÃO TC n 227, DE 25 DE AGOSTO DE 2011 Publicação: D.O.E: 29.08.2011 Republicação: D.O.E: 02.09.2011 Republicação: D.O.E: 05.09.2011 Dispõe sobre a criação, implantação, manutenção e fiscalização

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB pelo órgão de Controle Interno no âmbito da União (Controladoria Geral da União

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Após regular certame licitatório, vencido pelo consórcio Mundo Melhor, o Estado X celebrou contrato de obra pública, tendo por objeto a construção de uma rodovia

Leia mais

ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara

ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara ACÓRDÃO N. 368/2008, TCE 1ª Câmara 1. Processo n: 1905/2006 2. Processo Auxiliar Apenso: 5461/2005 Auditoria Programada 3. Classe de Assunto: 04 Prestação de Contas 3.1. Assunto: 05 Prestação de Contas

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar,

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, no Município de São Paulo, como um direito constitucional

Leia mais

Processo nº 0117284-44.2015.4.02.5001 (2015.50.01.117284-7)

Processo nº 0117284-44.2015.4.02.5001 (2015.50.01.117284-7) Fls 263 Classe: ORDINÁRIA/OUTRAS Autor(es): SINDICATO DOS ARQUITETOS E URBANISTAS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Réu(s): CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESPÍRITO SANTO - CREA/ES DECISÃO Trata-se

Leia mais

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO

GENILDO LINS DE ALBUQUERQUE NETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 126, DE 25 DE JUNHO DE 2014 O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES Interino, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei;

PROJETO DE LEI Nº 004/2013. O Prefeito Municipal de Governador Lindenberg ES, Estado do Espírito Santo apresenta o presente projeto de lei; PROJETO DE LEI Nº 004/2013 Ementa: Dispõe sobre o cargo de controlador interno e auditor público interno do Município de Governador Lindenberg ES e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Governador

Leia mais

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 5026 DE 19 DE MAIO 2009 Dispõe sobre a qualificação de entidades como Organizações Sociais e dá outras providências. Autor: Poder Executivo O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, faço saber que

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE GABINETE DO(A) PREFEITO(A) MUNICIPAL. Decreto Municipal n --, de -- de -- de 2.013.

ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE GABINETE DO(A) PREFEITO(A) MUNICIPAL. Decreto Municipal n --, de -- de -- de 2.013. ESTADO DE GOIÁS MUNICÍPIO DE GABINETE DO(A) PREFEITO(A) MUNICIPAL Decreto Municipal n --, de -- de -- de 2.013. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas COMPOD. O(A) Prefeito(a)

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTA FLORESTA 6ª VARA. Vistos.

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DE ALTA FLORESTA 6ª VARA. Vistos. Autos n.º 3022-48.2012.811.0007. Código nº 101526. Ação de Obrigação de Fazer. Vistos. Trata-se de ação nominada Ação Cominatória de Obrigação de Fazer com pedido expresso de tutela de urgência interposta

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 9.424, DE 24 DE DEZEMBRO DE 1996. Dispõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002,

RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) CONSIDERANDO a Instrução Normativa do Tribunal de Contas da União nº 42 de 03 de julho de 2002, RESOLUÇÃO Nº 392 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2002 (*) 1014 Ementa: Estabelece manual de normas e procedimentos orçamentários, contábeis e financeiros, e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 Dispõe sobre a entrega, o envio e a disponibilização dos dados e das informações em meio informatizado, que os responsáveis pelos órgãos ou entidades da administração direta

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP EMENTA

APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP EMENTA APELAÇÃO CÍVEL Nº 0008220-49.2010.4.03.6100/SP. EMENTA AÇÃO ORDINÁRIA. PIS/COFINS. RECOLHIMENTO NA FORMA DAS LEIS Nº 10.637/02 E 10.833/03. EXCEÇÃO ÀS PESSOAS JURÍDICAS REFERIDAS NA LEI Nº 7.102/83. SITUAÇÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015

Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Decreto nº 10.606, de 22 de JANEIRO de 2015 Estabelece normas para execução orçamentária, e define a programação financeira para o exercício de 2015 e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Roberlayne de Oliveira Borges Roballo Assunto: Quadro Técnico

Leia mais

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 6.555, DE 8 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. Dispõe sobre a Política de Assistência Social No Município, cria o Conselho Municipal de Assistência Social e o Fundo Municipal de Assistência Social

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.572, DE 28 DE SETEMBRO DE 2011. Regulamenta dispositivos da Medida Provisória n o 535, de 2 de junho de 2011, que tratam

Leia mais