PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE ITIRAPINA/SP 1. Trata o presente Relato dos resultados gerenciais dos exames realizados sobre os 20 Programas de Governo executados na base municipal de ITIRAPINA/SP em decorrência do 19º Evento do Projeto de Fiscalização a partir de Sorteios Públicos. 2. As fiscalizações tiveram como objetivo analisar a aplicação dos recursos federais no Município sob a responsabilidade de órgãos federais, estaduais, municipais ou entidades legalmente habilitadas. 3. Os trabalhos foram realizados in loco no Município, por técnicos da Controladoria- Geral da União CGU, no período de 21 a 25 de novembro de 2005, sendo utilizados em sua execução as técnicas de inspeções físicas e documentais, realização de entrevistas, aplicação questionários e registros fotográficos. 4. Os Programas de Governo que foram objeto das ações de fiscalização, estão apresentados no quadro a seguir, por Ministério Supervisor, discriminando, a quantidade de fiscalizações realizadas e os recursos aproximados aplicados, por Programa. 4.1 Recursos recebidos e quantidade de fiscalizações realizadas Ministério Supervisor Ministério da Educação Ação Governamental Fiscalizada Quantidade de Valores Fiscalizações envolvidos Transporte Escolar-Nacional 1 R$ ,12 Alimentação Escolar 1 R$ ,65 Ministério da Pagamento de Aposentadoria e Pensões 1 Não se aplica Previdência Social Arrecadação de Receitas Previdenciárias 1 R$ ,25 Ministério de Minas e Energia Fiscalização e Controle da Produção Mineral 1 R$ ,40 Ministério da Saúde Incentivo Financeiro a Municípios Habilitados a Parte Variável do Piso de Atenção Básica Farmácia Básica 1 R$ ,75

2 Ministério Supervisor Ministério da Saúde (cont.) Ministério das Comunicações Ministério do Trabalho e Emprego Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ação Governamental Fiscalizada Incentivo Financeiro a Municípios certificados para epidemiologia e controle de doenças Atendimento assistencial básico nos municípios brasileiros Estruturação da rede de serviços de atenção básica de saúde Fiscalização da Universalização dos serviços de Telecomunicações Nacional Fiscalização da Prestação de serviços de Telecomunicações Nacional Operação do sistema de acesso a serviços públicos por meio eletrônico Nacional Gestão e administração do programa Comissão Municipal de Emprego Serviços de proteção socioassistencial a criança e ao adolescente Nacional Atendimento a criança e ao adolescente em ações socioeducativas e de convivência Nacional Serviço de proteção socioassistencial a pessoa idosa Nacional Serviços de proteção socioassistencial a pessoa com deficiência Nacional Funcionamento dos conselhos e comissões de gestão compartilhada da assistência social Nacional Transferência de renda diretamente as famílias em condição de pobreza e extrema pobreza Concessão de bolsa para jovens de 15 a 17 anos em situação de vulnerabilidade e/ou risco social Nacional Quantidade de Valores Fiscalizações envolvidos 1 R$ ,35 1 R$ ,72 1 R$ ,59 1 Não se aplica 1 Não se aplica 1 R$ 4.391,19 1 Não se aplica 1 R$ ,00 1 R$ ,00 1 R$ 8.177,28 1 R$ ,00 1 Não se aplica 1 R$ ,00 1 R$ ,00 TOTAL 20 R$ ,30 5. Os resultados das fiscalizações realizadas, sempre que os trabalhos tenham evidenciado fatos relevantes que indiquem impropriedades/irregularidades na aplicação dos recursos federais examinados, são demonstrados a seguir, em fascículos específicos por Ministério. Assim sendo, não foram preparados fascículos sobre os recursos oriundos dos Ministérios da Educação e do Trabalho e Emprego. 6. Os fascículos a seguir contemplam um detalhamento das seguintes constatações: Ministério da Previdência Social 2

3 1.1) Inconsistências entre os dados constantes do Sisobi e do Livro C. 2.1) Retenção e recolhimento a menor das contribuições previdenciárias de 11% sobre o valor bruto da mão-de-obra. Ministério de Minas e Energia 1.1) Ausência de fiscalização sobre a arrecadação da CFEM Compensação Financeira pelo Exploração de Recursos Minerais. 1.2) Ausência de controle da utilização dos recursos da CFEM Compensação Financeira pelo Exploração de Recursos Minerais. Ministério da Saúde 1.1) Inexistência de Plano Municipal de Saúde. 1.2) Ausência de elaboração do Relatório de Gestão ) Composição do Conselho Municipal de Saúde em desacordo com a Resolução do CNS 333/ ) Ineficácia do controle de estoque de medicamentos. 3.1) Aquisição de veículos antes da devida autorização do Ministério da Saúde. 3.2) Compra de equipamento não previsto no Plano de Trabalho do convênio. 3.3) Falta de identificação do título e número do convênio na Nota Fiscal. Ministério das Comunicações 1.1) Inobservância do prazo de instalação de acessos individuais em postos de saúde e escolas públicas. 1.2) Os telefones públicos não efetuam ligações para o serviço emergencial dos Bombeiros. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome 1.1) Divergência entre a meta informada e a efetivamente realizada. 1.2) Falta de aplicação financeira dos recursos não utilizados. 2.1) Crianças com freqüência inferior à mínima exigida na jornada ampliada. 3.1) Falta de atualização dos dados cadastrais dos alunos. 3.2) Inobservância da notificação de descumprimento de condicionalidade ao responsável, com relação à freqüência escolar mínima estabelecida pelo Programa. 3.3) Crianças não localizadas nas escolas. São Paulo, 30 de janeiro de

4 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 738 MUNICÍPIO DE ITIRAPINA - SP MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 19º Sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos Sorteio de Unidades Municipais 07/NOVEMBRO/2005

5 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 738 MUNICÍPIO DE ITIRAPINA - SP Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios, dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 21 a 25 de novembro de 2005 as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério da Previdência Social: Pagamento de Aposentadoria e Pensões Arrecadação de Receitas Previdenciárias Este relatório, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto àqueles sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, tendo se manifestado em 14/12/2005, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. Ressaltamos que o Município sob análise não vem cumprindo o disposto no artigo 2º da Lei nº 9.452/97, o qual versa sobre a determinação da Prefeitura do Município notificar os Partidos Políticos, Sindicatos de Trabalhadores e Entidades Empresariais, com sede no município, sobre a liberação de recursos por órgãos e entidades da administração federal direta, autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista. Constatações da Fiscalização 1 Programa: Previdência Social Básica. Ação: Pagamento de Aposentadorias e Pensões. Objetivo da Ação de Governo: Garantir o reconhecimento e o pagamento de direitos previdenciários previstos em lei. Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Confronto entre os óbitos registrados no livro C e as informações constantes do Sisobi, bem como o cumprimento do prazo de envio destas informações ao INSS. Agente Executor Local: Oficial de Registro Civil das Pessoas Naturais e Tabelionato de Notas de Itirapina. Qualificação do Instrumento de Transferência: Não se aplica. Montante de Recursos Financeiros: Não se aplica. Extensão dos Exames: Óbitos relativos a janeiro/2004 até setembro/2005, conforme registros constantes na base de dados do Sisobi (anexo I), encaminhados pelo órgão central. 1.1) Inconsistências entre os dados constantes do Sisobi e do Livro C : Confrontando as informações obtidas junto ao Sisobi com os dados constantes do Livro C, constatamos as seguintes inconsistências: 1

6 Nº do Termo Inconsistência Verificada 4323 Nome do falecido incorreto / incompleto 4281, 4352, 4368 e 4372 Nome da mãe incorreto / incompleto 4353, 4354, 4355, 4356 e 4357 Falta de registro do CPF do falecido 4305, 4306, 4307, 4308, 4309 e Identificação incorreta / incompleta do número da folha de registro 4353 Evidências: Relação de registros de óbitos constante da base de dados do Sisobi (anexo I) e Livro C do Oficial de Registro Civil das Pessoas Naturais e Tabelionato de Notas de Itirapina. 2 Programa: Arrecadação de Receitas Previdenciárias Ação: Fiscalização do Recolhimento das Contribuições Previdenciárias Objetivo da Ação de Governo: Aumentar a arrecadação da Previdência Social, mediante ação eficaz de fiscalização e cobrança de créditos previdenciários Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Retenção e recolhimento de contribuições previdenciárias constantes das notas fiscais e faturas de prestação de serviços. Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Itirapina- SP Qualificação do Instrumento de Transferência: Não se aplica Montante de Recursos Financeiros: R$ ,25 Extensão dos Exames: Verificação da retenção e recolhimento de contribuições previdenciárias constantes das notas fiscais e faturas de prestação de serviços pagas pela prefeitura, emitidas no período de 01/01/2004 a 31/10/ ) Retenção e recolhimento a menor das contribuições previdenciárias de 11% sobre o valor bruto da mão-de-obra. Constatamos que a prefeitura local reteve e recolheu contribuições previdenciárias de 11% sobre o valor bruto da mão-de-obra aplicada na prestação de serviços em valores inferiores ao que determina o disposto no art. 31 da Lei nº e MPS/SRP nº 3. O quadro apresentado a seguir relaciona as diferenças verificadas: Nº NF / Fatura Data Empresa Valor Tipo de Serviço Aliq. MO Contrib. devida Contrib. recolhida Difer. a recolher /3/2004 DATEC ,00 Terraplen. 4% 97, , /11/2004 Orlando Scienza Neto-ME 52 26/8/2004 Orlando Scienza Neto-ME 53 3/9/2004 Orlando Scienza Neto-ME 46 10/8/2004 Orlando Scienza Neto-ME 43 23/7/2004 Orlando Scienza Neto-ME 4.050,00 Plantio de grama 5.400,00 Plantio de grama 5.400,00 Plantio de grama 3.021,30 Plantio de grama 6.750,00 Plantio de grama 40% 178, ,20 40% 237, ,60 40% 237, ,60 40% 132, ,94 40% 297, ,00 2

7 Nº NF / Fatura Data Empresa Valor Tipo de Serviço Aliq. MO Contrib. devida Contrib. recolhida Difer. a recolher 40 30/6/2004 Orlando 4.191,75 Plantio de 40% 184, ,44 Scienza Neto-ME grama 38 14/6/2004 Orlando Scienza Neto-ME 3.105,00 Plantio de grama 40% 136, , /6/2004 Orlando Scienza Neto-ME 53 17/12/2004 Mosaico Edif. Constr. Ltda 34 13/7/2004 JR Com. Constr ,95 Plantio de grama 40% 140, , ,55 Drenagem 20% 709,49 178,35 531, ,00 Terraplen. 4% 60, , /6/2004 JR Com ,00 Terraplen. 4% 53, ,50 Constr /4/2004 Construarte ,81 Reforma 40% 1.552, , /3/2004 Construarte ,36 Reforma 40% 1.940, , /3/2004 Construarte ,27 Reforma 40% 2.124, , /5/2003 Construarte ,41 Reforma 40% 877, , /9/2004 Vitória 3.364,00 Dedetização 40% 148, ,02 Dedetizadora /10/2004 Vitória 929,67 Dedetização 40% 40, ,91 Dedetizadora /7/2004 Vitória 1.810,70 Dedetização 40% 79, ,67 Dedetizadora /7/2004 Vitória 1.540,78 Dedetização 40% 67, ,79 Dedetizadora /7/2004 Vitória 2.194,50 Dedetização 40% 96, ,56 Dedetizadora /8/2004 Vitória 1.127,61 Dedetização 40% 49, ,61 Dedetizadora 137 5/11/2004 Vitória 2.367,42 Dedetização 40% 104, ,17 Dedetizadora /6/2004 Vitória 6.867,50 Dedetização 40% 302, ,17 Dedetizadora /5/2004 Elemaia 3.250,00 Serviços de 40% 143, ,00 eletricidade /6/2004 Elemaia 3.250,00 Serviços de eletricidade 40% 143, , /12/2004 Lay-Out's Construções 26 15/12/2004 Lay-Out's Construções 55 21/6/2004 Geo Eng. E Obras Ltda. 52 1/6/2004 Geo Eng. E Obras Ltda ,11 Manut. / Conservação 40% 1.471, , ,11 Manut. / 40% 1.471, ,58 Conservação 3.577,84 Drenagem 20% 78, , ,40 Drenagem 20% 344, ,26 Soma , ,06 178, ,71 3

8 Evidências Notas fiscais/faturas relacionadas na tabela anterior. Manifestação do Prefeito: Esclarecemos que, as notas fiscais relacionadas no oficio emitido por Vossa Excelência, não foram efetuadas os devidos recolhimentos das contribuições previdenciárias de 11% sobre o valor bruto da mão-de-obra aplicada na prestação de serviços, pois julgamos ser aplicado no caso em tela, o princípio da responsabilidade solidária, por se tratar de empresas com personalidade jurídica constituída e algumas não se enquadravam na retenção, por ser o valor do recolhimento menor do que o estabelecido por lei. Análise da Equipe: Considerando que, ao contrário do alegado pela Prefeitura Municipal de Itirapina, a responsabilidade solidária não é uma opção do ente responsável pelo recolhimento das contribuições previdênciárias, mas sim uma potencial punição, a justificativa apresentada reconhece a deficiência no recolhimento das contribuições. Fica mantida a constatação. São Paulo, 30 de janeiro de

9 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 738 MUNICÍPIO DE ITIRAPINA - SP MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 19º Sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos Sorteio de Unidades Municipais 07/NOVEMBRO/2005

10 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 738 MUNICÍPIO DE ITIRAPINA - SP Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios, dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 21 a 25 de novembro de 2005 as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério de minas e Energia: Fiscalização e Controle da Produção Mineral Este relatório, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto àqueles sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, tendo se manifestado em 14/12/2005, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. Ressaltamos que o Município sob análise não vem cumprindo o disposto no artigo 2º da Lei nº 9.452/97, o qual versa sobre a determinação da Prefeitura do Município notificar os Partidos Políticos, Sindicatos de Trabalhadores e Entidades Empresariais, com sede no município, sobre a liberação de recursos por órgãos e entidades da administração federal direta, autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista. Constatações da Fiscalização 1 Programa: Mineração e Desenvolvimento Sustentável. Ação: Fiscalização e Controle da Produção Mineral. Objetivo da Ação de Governo: Verificar a observância à legislação quanto a atividade minerária no país. Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Arrecadação, aplicação e fiscalização da CFEM Compensação Financeira pelo Exploração de Recursos Minerais. Agente Executor Local: DNPM Departamento Nacional de Produção Mineral. Qualificação do Instrumento de Transferência: Não se aplica. Montante de Recursos Financeiros: R$ ,40. Extensão dos Exames: Arrecadação da CFEM Compensação Financeira pelo Exploração de Recursos Minerais, relativa aos anos de 2003, 2004 e ) Ausência de fiscalização sobre a arrecadação da CFEM Compensação Financeira pelo Exploração de Recursos Minerais. Constatamos que as empresas que realizam exploração mineral na cidade de Itirapina nunca foram fiscalizadas em relação ao pagamento da CFEM Compensação Financeira pelo Exploração de Recursos Minerais. 1

11 Evidências: Entrevista com as empresas detentoras de licenças de exploração na cidade de Itirapina. Declaração da Prefeitura de Itirapina. 1.2) Ausência de controle da utilização dos recursos da CFEM Compensação Financeira pelo Exploração de Recursos Minerais. Constatamos que a Prefeitura de Itirapina não realiza controle sobre a utilização dos recursos provenientes do CFEM Compensação Financeira pelo Exploração de Recursos Minerais, o que não permite confirmar o cumprimento da vedação de sua utilização para pagamento de dívidas ou do quadro de pessoal. Evidência: Declaração da Prefeitura de Itirapina. Manifestação do Prefeito: Informamos que os valores arrecadados a conta do CFEM, embora não tenham qualquer controle específico sobre sua utilização, os mesmos são utilizados dentro das normas estabelecidas, ou seja, não são utilizados para pagamento de quadro de pessoal e encargos, bem como para pagamento de dívidas municipais, sendo que o mesmo destina-se a programas de interesses de toda população, principalmente no meio ambiente. Análise da Equipe: Tendo em vista que a Prefeitura Municipal de Itirapina, em sua justificativa, reconhece a deficiência apontada, fica mantida a constatação. São Paulo, 30 de janeiro de

12 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 738 MUNICÍPIO DE ITIRAPINA - SP MINISTÉRIO DA SAÚDE 19º Sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos Sorteio de Unidades Municipais 07/NOVEMBRO/2005

13 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO N.º 738 MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - SP Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios, dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas, no período de 21 a 25 de novembro de 2005, as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério da Saúde: Atendimento Assistencial Básico nos Municípios Brasileiros Incentivo Financeiro a Municípios Habilitados à parte variável do Piso de Atenção Básica PAB para a Assistência Farmacêutica Básica Incentivo Financeiro aos Estados, Distrito Federal e Municípios Certificados para a Epidemiologia e Controle de Doenças Estruturação da Rede de Serviços de Atenção Básica de Saúde Este relatório, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Esclarecemos que os Executores Municipais dos Programas, quanto àqueles sob sua responsabilidade, já foram previamente informados sobre os fatos relatados, tendo se manifestado em 14/12/2005, cabendo ao Ministério supervisor, nos casos pertinentes, adotar as providências corretivas visando à consecução das políticas públicas, bem como à apuração das responsabilidades. Ressaltamos que o Município sob análise não vem cumprindo o disposto no artigo 2º da Lei nº 9.452/97, o qual versa sobre a determinação da Prefeitura do Município notificar os Partidos Políticos, Sindicatos de Trabalhadores e Entidades Empresariais, com sede no município, sobre a liberação de recursos por órgãos e entidades da administração federal direta, autarquias, fundações públicas, empresas públicas e sociedades de economia mista. Constatações da Fiscalização 1 Programa: PAB - Fixo Ação: Atendimento Assistencial Básico nos municípios brasileiros. Objetivo da Ação de Governo: Ampliar o acesso da população rural e urbana à atenção básica, por meio da transferência de recursos federais, com base em um valor per capita, para a prestação da assistência básica, de caráter individual ou coletivo, para a prevenção de agravos, tratamento e reabilitação, levando em consideração as disparidades regionais. Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Aplicação dos recursos destinados ao piso fixo para atenção básica de saúde. Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Itirapina Qualificação do Instrumento de Transferência: Fundo a Fundo Montante de Recursos Financeiros: R$ ,72 (janeiro de 2004 à setembro de 2005) 1

14 Extensão dos Exames: Verificou-se a utilização dos recursos destinados a Atenção Básica no município, a existência de Plano Municipal de Saúde referente aos exercícios de 2004 e 2005 e do relatório de gestão referente ao exercício de 2005, além da atuação do Conselho Municipal de Saúde. 1.1) Inexistência de Plano Municipal de Saúde. Fatos: A Secretaria Municipal de Saúde não formalizou o Plano Municipal de Saúde - PMS relativo ao quadriênio , que é requisito essencial para a habilitação do município nas condições de gestão previstas na NOB-SUS 96, e ratificadas na NOAS 01/2002, sendo necessário para a garantia da regularidade das transferências do Fundo Nacional de Saúde, conforme estabelecido no art. 4º da Lei n.º 8.142/90 e no Manual para a Organização da Atenção Básica, aprovado pela Portaria GM/MS 3.925, de 13/11/1998. Evidência: Livro de Atas do Conselho Municipal de Saúde; Declaração fornecida pela Secretário Municipal de Saúde. Manifestação do Prefeito: Quanto à inexistência do Plano Municipal de Saúde e ausência de elaboração do Relatório de Gestão/2004, esclarecemos que embora os mesmos não tenham sido elaborados, o atendimento à população da cidade de Itirapina e a população flutuante no setor de saúde, é um dos mais qualificados e avançados da região, pois dispomos de um hospital municipal totalmente equipado, inclusive nele se realizam pequenas cirurgias e partos tanto normal como cesarianas, quando há necessidade. Nosso programa de saúde é prioridade nesta administração e o nosso atendimento à população é considerado satisfatório, não deixando faltar medicamentos, materiais hospitalares e deslocamentos dos doentes que necessitam de tratamento especializado em outros municípios. Outrossim, esclareço ainda que dispomos de tratamento odontológico para toda população. Nosso hospital possui um corpo clínico de 19 médicos, enfermeiro padrão, além de outros profissionais especializados, enfim estamos oferecendo serviços médicos 24 horas ininterruptos, informando ainda, que não recebemos nenhuma queixa quanto ao nosso atendimento. Análise da Equipe: Tendo em vista que a Prefeitura Municipal de Itirapina, em sua justificativa, reconhece a deficiência apontada, fica mantida a constatação. 1.2) Ausência de elaboração do Relatório de Gestão Constatamos que o Município não elaborou o Relatório de Gestão 2004, contrariando o disposto no artigo 6º, do Decreto n.º 1651/95, na Portaria GM/MS n 3.925, de 13/11/98 e na NOAS- SUS 01/2001. Evidência: Livro de Atas do Conselho Municipal de Saúde; Declaração fornecida pela Secretário Municipal de Saúde. Manifestação do Prefeito: Quanto à inexistência do Plano Municipal de Saúde e ausência de elaboração do Relatório de Gestão/2004, esclarecemos que embora os mesmos não tenham sido elaborados, o 2

15 atendimento à população da cidade de Itirapina e a população flutuante no setor de saúde, é um dos mais qualificados e avançados da região, pois dispomos de um hospital municipal totalmente equipado, inclusive nele se realizam pequenas cirurgias e partos tanto normal como cesarianas, quando há necessidade. Nosso programa de saúde é prioridade nesta administração e o nosso atendimento à população é considerado satisfatório, não deixando faltar medicamentos, materiais hospitalares e deslocamentos dos doentes que necessitam de tratamento especializado em outros municípios. Outrossim, esclareço ainda que dispomos de tratamento odontológico para toda população. Nosso hospital possui um corpo clínico de 19 médicos, enfermeiro padrão, além de outros profissionais especializados, enfim estamos oferecendo serviços médicos 24 horas ininterruptos, informando ainda, que não recebemos nenhuma queixa quanto ao nosso atendimento. Análise da Equipe: Tendo em vista que a Prefeitura Municipal de Itirapina, em sua justificativa, reconhece a deficiência apontada, fica mantida a constatação. 2 Programa: Farmácia Básica Ação: Incentivo Financeiro a Municípios Habilitados à Parte Variável do Piso de Atenção Básica PAB Para a Assistência Farmacêutica Básica Objetivo da Ação de Governo: Ampliação do acesso aos medicamentos e à assistência farmacêutica. Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Sistemática de compra, estocagem e distribuição de medicamentos básicos Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Itirapina SP. Qualificação do Instrumento de Transferência: Termo de Parceria entre os Governos Federal, Estadual e Municipal Montante de Recursos Financeiros: R$ ,75 (outubro de 2004 a setembro de 2005) Extensão dos Exames: Verificação do funcionamento do Programa, da comprovação do recebimento dos medicamentos e da efetiva distribuição à população, entre outubro de 2004 e setembro de ) Ineficácia do controle de estoque de medicamentos. Os medicamentos do programa de Assistência Farmacêutica Básica são recebidos no Centro de Saúde III, que é a Unidade de Saúde localizada no centro do município de Itirapina. Nesta unidade os medicamentos são dispensados aos pacientes e, em menor quantidade, enviados à Unidade de Saúde do Bairro Nova Itirapina. Os medicamentos são controlados através de ficha de estoque, que indica a quantidade de saída diária e o quantitativo armazenado na prateleira. Realizou-se, para a verificação da eficácia do controle utilizado, o confronto entre a quantidade indicada na ficha de prateleira e a quantidade efetivamente armazenada, para uma amostra de 10 medicamentos. Desta amostra, obtivemos divergências significativas em 3 deles, conforme tabela abaixo: Medicamento Qtde. na Ficha Qtde. na Prateleira Diferença Amoxicilina comp 500 mg comp. Captopril 25 mg comp. Aminofilina comp comp. 3

16 Evidência: Fichas de estoque da Farmácia do Centro de Saúde III; Contagem física dos medicamentos. Manifestação do Prefeito: Quanto à ineficácia do controle de estoques de medicamentos apontada, esclarecemos que embora nossos controles sejam de ordem manual, os mesmos demonstram-se bastante eficaz, porém devido ao grande volume de pessoas que aportam em nosso Centro de Saúde, pode ser que eventualmente perder-se algum tipo de controle. Porém, o que podemos afirmar que nenhum medicamento é desviado, sendo os mesmos entregues às pessoas que deles fazem uso. Salientamos que esses medicamentos somente são distribuídos rigorosamente através de receituário médico expedido pelos nossos profissionais. Talvez, a diferença apontada no relatório, possa ser causada ante ao acúmulo de serviço, o que pode acontecer que o funcionário possa dar baixa no estoque, somente quando dispõe de tempo, após atendimento aos pacientes, o que ocorre no máximo no final do expediente, quando verifica o confronto entre o que está na ficha de controle e o físico existente na prateleira. Análise da Equipe: Em sua manifestação, a Prefeitura concorda que, devido à grande demanda no Centro de Saúde, pode haver falha em algum ponto do controle de medicamentos. Desta forma, a constatação é mantida. 3 Programa: Atenção Básica em Saúde Ação: Estruturação da Rede de Serviços de Atenção Básica de Saúde Objetivo da Ação de Governo: Garantir o atendimento da população rural e urbana na rede de atenção básica de saúde, assim como assegurar sua resolutividade de forma articulada com os outros níveis de atenção, visando à integralidade das ações e à redução das desigualdades regionais Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Aquisição de unidade móvel de saúde com o objetivo de fortalecer o Sistema Único de Saúde SUS Agente Executor Local: Prefeitura Municipal de Itirapina Qualificação do Instrumento de Transferência: Convênio n 1535/2003 Montante de Recursos Financeiros: R$ ,59 Concedente: R$ ,00 Contrapartida: R$ 9.600,00 Rendimentos de Aplicações Financeiras: R$ 6.225,59 Extensão dos Exames: Análise da execução físico-financeira da totalidade do valor do convênio 3.1) Aquisição de veículos antes da devida autorização do Ministério da Saúde. O convênio n.º 1535/2003 foi celebrado em 13/11/2003, entre o Fundo Nacional de Saúde e a Prefeitura Municipal de Itirapina, objetivando a aquisição de um ônibus odontológico. Em 22/06/2004, foi solicitado a alteração do objeto do Plano de Trabalho do convênio para compra de duas unidades móveis de saúde tipo ambulância simples remoção. Sem que o Ministério da Saúde tivesse se manifestado, foi dado início, em 12/07/2004, ao processo licitatório n.º 7/2004, na modalidade tomada de preços, que foi concluído, em outubro de 2004, com o efetivo pagamento dos veículos. Sendo que, somente em 19/05/2005, conforme Ofício-Sist n.º MS/SE/FNS, foi autorizada a reformulação do Plano de Trabalho do convênio. 4

17 Evidência: Termo de Convênio n 1.535/2003; Plano de Trabalho; Ofício-Sist n.º MS/SE/FNS; Parecer Técnico n.º 8104; Tomada de Preços n.º 7/2004. Manifestação do Prefeito: Quanto, a aquisição de veículos, antes da devida autorização do Ministério da Saúde, esclarecemos que a compra das duas unidades móveis de Saúde para o município, deu-se por motivo de urgência na aquisição desses veículos, e conforme pode-se verificar, fizemos o pedido bem antes de se proceder a Licitação, julgando-se que o Ministério da Saúde iria se manifestar o mais rápido possível, pois os veículos adquiridos iriam ser utilizados para transportes de pacientes, e os veículos que o município dispunha na época estava em condições precárias de uso, colocando em risco a vida do motorista e seus acompanhantes e do próprio paciente transportado. Diante dessa urgência, e como não poderíamos ficar sem veículos para transporte, resolvemos adquirir, entretanto embora sem autorização oficial do Ministério da Saúde, fizemos a comunicação na data anterior da abertura do processo licitatório, solicitando a alteração do Plano de Trabalho o que demonstra nossa lisura em relação ao fato apontado, mesmo porque a situação assim o exigia que procedêssemos dessa forma. Análise da Equipe: Mantemos a constatação, vez que, a justificativa apresentada pela Prefeitura Municipal de Itirapina não elide a deficiência apontada. 3.2) Compra de equipamento não previsto no Plano de Trabalho do convênio. Após a conclusão do objetivo do convênio, restou na conta específica n.º , agência 295-X do Banco do Brasil, um saldo de R$ 5.077,59, que, em 29/09/2005, por meio do cheque n.º , foi utilizado como parte de pagamento de um oximetro de pulso portátil no valor de R$ 5.630,00, não previsto no Plano de Trabalho do convênio, nem autorizado pelo Ministério da Saúde. Evidência: Termo de Convênio n 1.535/2003; Plano de Trabalho; Ofício-Sist n.º MS/SE/FNS; Parecer Técnico n.º 8104; Tomada de Preços n.º 7/2004. Manifestação do Prefeito: Quanto ao outro equipamento, aquele foi adquirido com recursos da conta especifica, por ser um aparelho de muita importância para nossos serviços de Saúde. Embora não previsto no Plano de trabalho, este equipamento foi destinado ao Serviço de Saúde e continua sendo de muita utilidade para nossos pacientes. Esclareço ainda que esta aquisição foi solicitação da equipe medica de nosso Hospital que necessitava do respectivo aparelho. Como havia recursos disponíveis na conta da Saúde e em se tratando de um equipamento destinado a Saúde, julgamos de bom alvitre adquiri-lo, julgando também que esta aquisição não contrariava as normas do Ministério da Saúde, inclusive quitamos o aparelho, com parte dos recursos do ministério e em parte com recursos do próprio município. Análise da Equipe: Mantemos a constatação, vez que, a justificativa apresentada pela Prefeitura Municipal de Itirapina não elide a deficiência apontada. 5

18 3.3) Falta de identificação do título e número do convênio na Nota Fiscal. Não consta, nas Notas Fiscais de n.º 129, emitida em 27/09/2004, pela empresa Vila Rica Veículos Ltda., no valor de R$ ,00, e de n.º 31657, emitida em 08/10/2004, pela empresa Jacep Veículos, Peças e Serviços Ltda., no valor de R$ ,00, a identificação do título e n.º do convênio, em desacordo ao disposto no art. 30 da IN STN n.º 01/97. Evidências: Nota Fiscal n.º 129 da empresa Vila Rica Veículos Ltda; Nota Fiscal n.º da empresa Jacep Veículos, Peças e Serviços Ltda. Manifestação do Prefeito: Em relação a falta de identificação do título e número do convênio na nota fiscal n.º 129 emitida em 27/09/04 e n.º emitida em 08/10/2004, esclarecemos que por um lapso de nossa parte, não foram colocados os carimbos ou números de identificação dos convênios, entretanto pela Prestação de Contas apresentadas, pode-se verificar que pelos números dos cheques que quitaram as referidas notas, trata-se realmente das contas do Convênio, e que doravante todas as notas que compõe as futuras Prestações de Contas, serão devidamente identificadas. Análise da Equipe: Tendo em vista que a Prefeitura Municipal de Itirapina, em sua justificativa, reconhece a deficiência apontada, fica mantida a constatação. São Paulo, 30 de janeiro de

19 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 738 MUNICÍPIO DE ITIRAPINA - SP MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES 19º Sorteio do Projeto de Fiscalização a Partir de Sorteios Públicos Sorteio de Unidades Municipais 07/NOVEMBRO/2005

20 RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Nº 738 MUNICÍPIO DE ITIRAPINA - SP Na Fiscalização realizada a partir de Sorteios Públicos de Municípios, dos Programas de Governo financiados com recursos federais foram examinadas no período de 21 a 25 de novembro de 2005 as seguintes Ações sob responsabilidade do Ministério das Comunicações: Operação do Sistema de Acesso a Serviços Públicos por meio Eletrônico Fiscalização da Universalização dos Serviços de Telecomunicações Fiscalização da Prestação dos Serviços de Telecomunicações Este relatório, destinado aos órgãos e entidades da Administração Pública Federal, gestores centrais dos programas de execução descentralizada, contempla, em princípio, constatações de campo que apontam para o possível descumprimento de dispositivos legais e contratuais estabelecidos para esse tipo de execução. Constatações da Fiscalização 1 - Programa: Universalização dos Serviços de Telecomunicações. Ação: Fiscalização da Universalização dos Serviços de Telecomunicações. Objetivo da Ação de Governo: Universalizar o acesso ao Serviço Telefônico Fixo Comutado. Ordem de Serviço: Objeto Fiscalizado: Plano Geral de Metas de Universalização PGMU. Atendimento a solicitação de instalação de telefones (individuais e coletivos) em instituições de ensino e de saúde. Agente Executor Local: Concessionária do Serviço Telefônico Fixo Comutado na Região do Plano Geral de Outorga na qual se insere o município Telefônica S.A. Qualificação do Instrumento de Transferência: Não se aplica. Montante de Recursos Financeiros: Não se aplica. Extensão dos Exames: Instalações solicitadas pela Prefeitura de Itirapina nos anos de 2004 e ) Inobservância do prazo de instalação de acessos individuais em postos de saúde e escolas públicas. Constatamos que a concessionária que atende a cidade de Itirapina excedeu o prazo de instalação de 1(uma) semana para instituições de saúde e estabelecimentos de ensino, nos acessos listados a seguir: Linha Prazo de instalação (dias)

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IEPÊ - SP 1. Trata o presente Relato dos resultados gerenciais dos exames realizados

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ACRE RELATO GERENCIAL ESTADO DO ACRE 1. Trata o presente Relato

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social

Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social Gestor - FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social O que é o FNAS - Fundo Nacional de Assistência Social? O FNAS, instituído pela Lei nº. 8.742, de 7 de dezembro de 1993, tem por objetivo proporcionar

Leia mais

Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e

Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e Número: 00224.000897/2010-27 Unidade Examinada: Município de Belo Horizonte/MG e Associação para Organização e Administração de Eventos, Educação e Capacitação CAPACITAR. Relatório de Demandas Externas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE BARRA DE SÃO FRANCISCO/ES

Leia mais

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais.

Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Cadastro Único: um cadastro, vários programas sociais. Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social. O CADASTRO ÚNICO é a porta de entrada para os Programas Sociais do Governo Federal e

Leia mais

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP

Número: 00190.010534/2012-04. Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Número: 00190.010534/2012-04 Unidade Examinada: Município de Diadema/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010534/2012-04 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP

Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Número: 00190.004342/2013-31 Unidade Examinada: Município de Marília/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.004342/ 2013-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL - PETI - PETI Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas

Leia mais

Programa de Fiscalização a Partir de Sorteio Público

Programa de Fiscalização a Partir de Sorteio Público Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Fiscalização a Partir de Sorteio Público 1º Sorteio Público Relato de Fiscalização Município Balneário Arroio do Silva/SC BALNEÁRIO ARROIO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE SÃO PAULO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS/SP 1. Trata o

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE TANGUÁ/RJ 1. Trata o

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO AUDITORIA GERAL DO ESTADO BOAS PRÁTICAS NA APLICAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS APLICAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS DE CONVÊNIOS

Leia mais

Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA.

Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA. Número: 00213.000058/2010-38 Unidade Examinada: Município de Portel/PA. Relatório de Demandas Externas n 00213.000058/2010-38 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA MUNICÍPIO: ESTADO: DATA: / / PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS - DMU DESTINAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA - APLICÁVEL PARA O EXERCÍCIO DE 2012 CODIFICAÇÃO UTILIZADA PARA CONTROLE DAS

Leia mais

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE JULIO DE CASTILHOS/RS

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE JULIO DE CASTILHOS/RS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE JULIO DE CASTILHOS/RS

Leia mais

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP

Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Número: 00225.000795/2012-63 Unidade Examinada: Município de Taubaté/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000795/2012-63 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

EDITAL Nº 06/2012 DISPÕE SOBRE O PROCESSO SELETIVO PARA BOLSAS DE ESTUDO NA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO COMERCIAL E MARKETING ESIC.

EDITAL Nº 06/2012 DISPÕE SOBRE O PROCESSO SELETIVO PARA BOLSAS DE ESTUDO NA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO COMERCIAL E MARKETING ESIC. EDITAL Nº 06/2012 DISPÕE SOBRE O PROCESSO SELETIVO PARA BOLSAS DE ESTUDO NA ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO COMERCIAL E MARKETING ESIC. A Escola Superior de Gestão Comercial e Marketing ESIC, mantido pela Associação

Leia mais

ROTEIRO DAS FISCALIZAÇÕES

ROTEIRO DAS FISCALIZAÇÕES ROTEIRO DAS FISCALIZAÇÕES A) CONHECER OS PROGRAMAS E POLÍTICAS PÚBLICAS B) PLANEJAR A AÇÃO DE CONTROLE/FISCALIZAÇÃO C) SOLICITAR INFORMAÇÕES PRÉVIAS D) VISITA AO LOCAL / INSPEÇÕES / ENTREVISTAS (TÉCNICAS

Leia mais

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO

Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Número: 00220000037-2008-17 Unidade Examinada: Município de Cerejeiras/RO Relatório de Demandas Externas n 00220000037-2008-17 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Programa Bolsa Família no Município de Manaus

Programa Bolsa Família no Município de Manaus SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE GESTÃO EDUCACIONAL DIVISÃO DE APOIO A GESTÃO ESCOLAR GERÊNCIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES E PROGRAMAS ESPECIAIS Programa

Leia mais

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE VISTA ALEGRE DO PRATA/RS

RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE VISTA ALEGRE DO PRATA/RS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE VISTA ALEGRE DO PRATA/RS

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14

LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 LISTA DE DOCUMENTOS PROUNI 2014 PORTARIA NORMATIVA Nº2, 06/01/14 DOCUMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE E DOS MEMBROS DE SEU GRUPO FAMILIAR O coordenador do ProUni deverá solicitar, salvo em caso de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINHOS Estado do Paraná CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO INSTRUÇÃO NORMATIVA CG Nº 001 DE 02 de junho de 2014 Institui o Plano de atividades de Auditoria Interna no ano de 2014 e dá outras providências. O CONTROLADOR GERAL DO MUNICPIO DE MATINHOS, no uso de

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 133 ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTÊNCIA SOCIAL Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social Decreto n o 2.173, de 5 de março de 1997 aprova o Regulamento da Organização e do Custeio da Seguridade Social. Decreto n

Leia mais

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS Curitiba, 11 de junho de 2010. Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS 1. SUAS WEB O SUAS-Web é um sistema informatizado que o Ministério do

Leia mais

Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA.

Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA. Número: 00205.000107/2010-31 Unidade Examinada: Município de Santo Amaro/BA. Relatório de Demandas Externas n 00205.000107/2010-31 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 01365 MUNICIPIO DE NOVA CANAA PAULISTA - SP E02º Sorteio do Projeto de Fiscalização

Leia mais

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010

INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 INDAIAL SANTA CATARINA CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO Nº 001/2010 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO BENEFÍCIO ALIMENTAÇÃO. O Conselho Municipal de Assistência Social de Indaial, no uso de suas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE PINDOBAÇU/BA 1. Trata o presente

Leia mais

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP

Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Número: 00225.000175/2012-24 Unidade Examinada: Município de Mogi Guaçu/SP Relatório de Demandas Externas n 00225.000175/2012-24 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Pagamento da Renda Mensal Vitalícia por Idade

Pagamento da Renda Mensal Vitalícia por Idade Programa 1282 Proteção Social ao Idoso Objetivo níveis de complexidade e demandas do território, em conformidade com os pressupostos do Sistema Único de Assistência Social, e primando pela convivência

Leia mais

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012

ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS AÇÕES DE AUDITORIA REALIZADAS PELO DENASUS EM 2012 Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento Nacional de Auditoria do SUS DENASUS ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS FEDERAIS TRANSFERIDOS AOS MUNICÍPIOS A PARTIR DAS

Leia mais

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014

PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 PORTARIA Nº 375, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2014 para aplicação em obras de ampliação e construção de entidades

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar - PNATE e o Programa de Apoio

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE GOIÁS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE GOUVELÂNDIA/GO 1. Trata o presente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO TOCANTINS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO TOCANTINS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO TOCANTINS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE AGUIARNÓPOLIS/TO 1. Trata o presente

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS EDITAL 001/2014 Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS TORNA PÚBLICO O PROCESSO DE SELEÇÃO DE ENTIDADES E ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, PROGRAMAS,

Leia mais

Ação Governamental Fiscalizada

Ação Governamental Fiscalizada PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DA BAHIA RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE BONINAL/BA 1. Trata o presente

Leia mais

RESOLUÇÃO SME N 08/2015

RESOLUÇÃO SME N 08/2015 Prefeitura de São José do Rio Preto, 13 de Agosto de 2015. Ano XII n 3511 - DHOJE RESOLUÇÃO SME N 08/2015 Dispõe sobre o processo de cadastramento de alunos, coleta de vagas, compatibilização demanda/vaga

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 7, DE 24 DE ABRIL DE 2007

FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 7, DE 24 DE ABRIL DE 2007 FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO N.º 7, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Estabelece os documentos necessários à comprovação de regularidade para transferência de recursos e para habilitação

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE RPPS 1 - O que vem a ser regime próprio de previdência social (RPPS)? R: É o sistema de previdência, estabelecido no âmbito de cada ente federativo, que assegure, por lei, ao

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

2. QUEM PODE PARTICIPAR

2. QUEM PODE PARTICIPAR EDITAL 1. Edital Instituto Walmart 1.1. Este edital é uma iniciativa do Instituto Walmart com o objetivo de identificar, reconhecer e estimular o desenvolvimento de projetos por organizações da sociedade

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

Ação Governamental Fiscalizada. Transferência de Renda Diretamente às Famílias em Condições de Pobreza e Extrema Pobreza (Lei nº 10.

Ação Governamental Fiscalizada. Transferência de Renda Diretamente às Famílias em Condições de Pobreza e Extrema Pobreza (Lei nº 10. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PARANÁ RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE ORTIGUEIRA/PR 1. Trata o presente

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE ESMERALDAS/MG 1. Trata

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE IAPU/MG 1. Trata o presente

Leia mais

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Relatório de Demandas Externas n 00190.012047/2013-59 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2006 PROCESSO Nº : 23036.000146/2007-28 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE

TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE TREINAMENTO PARA OS NOVOS DIRETORES DE DEPARTAMENTOS DA UNIVERSIDADE Salvador, 21 e 22 de julho de 2010 CONVÊNIOS EQUIPE: Alessandro Chaves de Jesus Ana Lucia Alcântara Tanajura Cristiane Neves de Oliveira

Leia mais

O Programa Bolsa Família

O Programa Bolsa Família Painel sobre Programas de Garantia de Renda O Programa Bolsa Família Patrus Ananias de Sousa Ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome República Federativa do Brasil Comissão de Emprego e Política

Leia mais

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

QUESTIONÁRIO DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Este questionário tem por objetivo fazer com que a sociedade participe da gestão pública, exercendo controle sobre as despesas efetuadas e orientando aos órgãos do governo para que adotem medidas que realmente

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Edição Número 251 de 30/12/2005 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N o 666, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005 Disciplina a integração entre

Leia mais

COMUNICADO. Assunto: Bolsas de Estudos 2015

COMUNICADO. Assunto: Bolsas de Estudos 2015 COMUNICADO Assunto: Bolsas de Estudos 2015 O Colégio Franciscano Santa Clara informa os critérios para concorrer à bolsa de estudos 2015, aos candidatos que cumprirem com as seguintes condições: 1º Requisitos:

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 303, DE 2013 Dispõe sobre a destinação dos recursos recuperados por meio de ações judiciais para o Fundo Nacional de Saúde e o Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE - Ufac PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - Proaes DIRETORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - DAE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE - Ufac PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - Proaes DIRETORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - DAE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE - Ufac PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - Proaes DIRETORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - DAE EDITAL Nº 12/2015 Proaes DAE PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Residência Estudantil

Leia mais

ANEXO III DECLARAÇÃO DE EGRESSO DE ESCOLA PÚBLICA (TERMO DE ESCOLA PÚBLICA) Assinatura do candidato/ responsável legal Local e Data:

ANEXO III DECLARAÇÃO DE EGRESSO DE ESCOLA PÚBLICA (TERMO DE ESCOLA PÚBLICA) Assinatura do candidato/ responsável legal Local e Data: ANEXO III DECLARAÇÃO DE EGRESSO DE ESCOLA PÚBLICA (TERMO DE ESCOLA PÚBLICA) Eu,, portador(a) do CPF:, aprovado(a) dentro das vagas reservadas para o curso, câmpus, do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF

CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF CONVÊNIO DE COLABORAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO E O INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DE PASSO FUNDO - SOLIDARIEDADE - IDPF 032/2014 - PGM O MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO, pessoa jurídica

Leia mais

Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA

Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA Número: 00213.000123/2010-25 Unidade Examinada: Município de Bujaru/PA Relatório de Demandas Externas n 00213.000123/2010-25 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN COMISSÃO PERMANENTE DE VESTIBULAR - COPEVE

PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN COMISSÃO PERMANENTE DE VESTIBULAR - COPEVE PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROEN COMISSÃO PERMANENTE DE VESTIBULAR - COPEVE EDITAL 002/2014 - PROCESSO DE ISENÇÃO DO PAGAMENTO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PARA O PROGRAMA DE ACESSO SERIADO (PAS) DA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação Gabinete do Secretário

Secretaria de Estado da Educação Gabinete do Secretário PORTARIA nº 080/2012 - SEED O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, usando das atribuições que lhe são conferidas pelo Decreto nº 0494/12, de 27 de fevereiro de 2012, com fundamento na Lei nº 1.230 de 29 de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PARANÁ

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PARANÁ PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA REGIONAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PARANÁ RELATO GERENCIAL UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PARANÁ 1. Trata

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PARÁ

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PARÁ PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DO PARÁ RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE GOIANÉSIA DO PARÁ 1. Trata o presente

Leia mais

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais Guia Rápido O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Janeiro de 2013 Apresentação Enfrentar a pobreza e as desigualdades

Leia mais

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE

CENTRO DE EXCELÊNCIA EM TECNOLOGIA DE SOFTWARE SOFTEX RECIFE AUDITORIA NO TERMO DE PARCERIA ENTRE A SOFTEX E A PREFEITURA DA CIDADE DO RECIFE NO PERÍODO DE JULHO A SETEMBRO DE 2007 Í N D I C E Páginas 1 PARECER DA AUDITORIA... 3 e 4 2 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO...

Leia mais

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social SUAS- FNAS SUAS MÉDIA COMPLEXIDADE ALTA COMPLEXIDADE BÁSICO abrigos albergues Cuidado no domicílio CENTRAIS DE

Leia mais

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano.

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano. 01) O que é AICE? Significa Acesso Individual Classe Especial. É um Plano básico e com regulamentação própria (Regulamentado pela Resolução Nº 586, da ANATEL, de 05 de abril de 2012). Modalidade de telefonia

Leia mais

MINUTA DE TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA - BOLSA FAMÍLIA

MINUTA DE TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA - BOLSA FAMÍLIA MINUTA DE TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA - BOLSA FAMÍLIA Pelo presente instrumento, na forma do artigo 5º, 6º, da lei n.º 7.347/85, alterado pelo artigo 113 da Lei n.º 8.078/90, o MINISTÉRIO PÚBLICO DO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO RELATÓRIO DE AUDITORIA ANUAL DE CONTAS TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO Nº

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 Regulamenta a Lei Complementar n 975/2013 que dispõe sobre a criação do Programa ISS Tecnológico, que institui benefícios

Leia mais

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal.

A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. A porta de entrada para você receber os benefícios dos programas sociais do Governo Federal. Para que serve o Cadastro Único? O Cadastro Único foi criado para o governo saber melhor quem são e como vivem

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO NO ESTADO DE MINAS GERAIS RELATO GERENCIAL MUNICÍPIO DE SÃO THOMÉ DAS LETRAS/MG

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 754, DE 20 DE OUTUBRO DE 2010 Estabelece ações, normas, critérios e procedimentos para o apoio à gestão e execução descentralizadas do Programa Bolsa Família, no âmbito dos municípios, e dá

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009

CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB. Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB Marcelo Augusto Sabbatini Passos Técnico Contábil MPGO Março/2009 FISCALIZAÇÃO DO FUNDEB pelo órgão de Controle Interno no âmbito da União (Controladoria Geral da União

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009.

LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. LEI MUNICIPAL Nº 545/2009. EMENTA: INSTITUI O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA, NA EMANCIPAÇÃO SUSTENTADA DAS FAMÍLIAS QUE VIVEM EM SITUAÇÃO DE EXTREMA POBREZA, CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA,

Leia mais

COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA COMPREV COMPENSAÇÃO PREVIDENCIÁRIA O QUE É? É o acerto de contas entre o Regime Geral de Previdência Social - RGPS, representado MPS/INSS e os Regimes Próprios de Previdência dos Servidores RPPS, dos Municípios,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 20/2015, DE 20 DE ABRIL DE 2015.

PROJETO DE LEI Nº 20/2015, DE 20 DE ABRIL DE 2015. PROJETO DE LEI Nº 20/2015, DE 20 DE ABRIL DE 2015. AUTORIZA O MUNICÍPIO CONCEDER CONTRIBUIÇÃO AO GRUPO DA MELHOR IDADE PAZ E AMOR, FIRMAR CONVÊNIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPORÉ-RS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. Ronaldo Nogueira) Dispõe o credenciamento de profissionais e de empresas da área de saúde, para o atendimento de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) em nível ambulatorial.

Leia mais

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro

Orientações para o. Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado. Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Orientações para o Controle de Convênios Alexandre Lages Cavalcante Controlador Geral do Estado Juliana Barros da Cruz Oliveira Superintendente de Controle Financeiro Maio/2010 Devolução de recursos de

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA.

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV?

QUEM PODE HABILITAR-SE NO SICONV? O QUE É SICONV? Criado pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, o SICONV Sistema de Convênio, tem como uma das finalidades, facilitar as apresentações de projetos aos programas ofertados pelo

Leia mais

Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP

Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010346/2010-14 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC

CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. Seminário Administrativo Itapema/SC CONVÊNIOS, TERMOS DE COOPERAÇÃO E SUAS PRESTAÇÕES DE CONTAS. TERMOS DE COOPERAÇÃO. DO CONTROLE DA NECESSIDADE AO NECESSÁRIO CONTROLE. COFEN-COREN Lei nº. 5.905, de 12/07/1973. Art. 1º. São criados o Conselho

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 01/2015

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 01/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 01/2015 A Prefeitura Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, através do Centro de Integração Empresa Escola - CIEE e com autorização do Prefeito Municipal Exmo. Srº

Leia mais

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 Estabelece orientações e diretrizes para o apoio financeiro às

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PROCESSO: 0007733-93.2015.4.02.5110 (2015.51.10.007733-0) AUTOR: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL REU: MUNICIPIO DE BELFORD ROXO Fls

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA.

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais