Líderes CRISTINA M. KOKRON EDECIO CUNHA NETO ÉSPER KALLÁS FÁBIO MORATO CASTRO PEDRO GIAVINA-BIANCHI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Líderes CRISTINA M. KOKRON EDECIO CUNHA NETO ÉSPER KALLÁS FÁBIO MORATO CASTRO PEDRO GIAVINA-BIANCHI"

Transcrição

1 Apresentação LIM 60

2 Descrição-LIM 60 Salas da FMUSP, algumas compartilhadas com o LIM 37 -Adota boas práticas de laboratório (BPL) -LIM do grupo A - Infraestrutura: Citometria de Fluxo (3 citômetros, de 8 a 18 cores) -Biologia Molecular ( PCR, PCR em tempo real) -Proteômica (identificação de alérgenos) -Testes funcionais de alergia e imunodeficiências -Experimentação animal

3 Líderes CRISTINA M. KOKRON EDECIO CUNHA NETO ÉSPER KALLÁS FÁBIO MORATO CASTRO PEDRO GIAVINA-BIANCHI

4 Linhas de pesquisa IMUNODEFICIÊNCIAS PRIMÁRIAS HIV/AIDS DENGUE ALERGIA

5 Linha de pesquisa: Imunodeficiências primárias MAIOR SERVIÇO DE IMUNODEFICIÊNCIAS PRIMÁRIAS EM ADULTO NO BRASIL ~ 420 pacientes em acompanhamento 370 pacientes com deficiência de anticorpos 121 pacientes com Imunodeficiência Comum Variável

6 PLoS One, 2013 Linha de pesquisa Imunodeficiência comum variável Blood, 2013

7 Linha de pesquisa HIV e AIDS:Vacina HIV B) Codon optimization AAG CTT ACC ATG GAG GAG CTG AGA AGC CTG TAC AAC ACC GTG GCC ACC CTG TAC TGC GTG CAC GGC CCC GGC CCC GGC AGC CCC GAG GTG ATC CCC ATG TTC AGC GCC CTG AGC GAG GGC CCC GGC CCC GGC AAG AGA TGG ATC ATC CTG GGC CTG AAC AAG ATC GTG AGA ATG TAC AGC CCC ACC AGC ATC GGC CCC GGC CCC GGC GAC AAG GAG CTG TAC CCC CTG GCC AGC CTG AGA AGC CTG TTC GGC GGC CCC GGC CCC GGC CAG AGA CCC CTG GTG ACC ATC AAG ATC GGC GGC CAG CTG AAG GAG GGC CCC GGC CCC GGC ACC CCC GTG AAC ATC ATC GGC AGA AAC CTG CTG ACC CAG ATC GGC GGC CCC GGC CCC GGC GGC AAG ATC ATC CTG GTG GCC GTG CAC GTG GCC AGC GGC TAC ATC GGC CCC GGC CCC GGC AGA GAC CTG CTG CTG ATC GTG ACC AGA ATC GTG GAG CTG CTG GGC AGA GGC CCC GGC CCC GGC ACC ATG CTG CTG GGC ATG CTG ATG ATC TGC AGC GCC GCC GGC CCC GGC CCC GGC GCC CTG TTC TAC AAG CTG GAC GTG GTG CCC ATC GAC GGC CCC GGC CCC GGC AAC ACC AGC TAC AGA CTG ATC AGC TGC AAC ACC AGC GTG ATC GGC CCC GGC CCC GGC AGC GAG CTG TAC CTG TAC AAG GTG GTG AAG ATC GAG CCC CTG GGC GTG GCC CCC GGC CCC GGC CCC GGC GAG CTG CTG AAG ACC GTG AGA CTG ATC AAG TTC CTG TAC CAG AGC AAC CCC GGC CCC GGC CCC GGC GAG GCC ATC ATC AGA ATC CTG CAG CAG CTG CTG TTC ATC CAC TTC GGC CCC GGC CCC GGC CAG CAG CTG CTG TTC ATC CAC TTC AGA ATC GGC TGC AGA CAC AGC AGA ATC GGC GGC CCC GGC CCC GGC AGC CTG CAG TAC CTG GCC CTG GTG GCC CTG GTG GCC CCC AAG AAG GGC CCC GGC CCC GGC GTG CTG GCC ATC GTG GCC CTG GTG GTG GCC ACC ATC ATC GCC ATC GGC CCC GGC CCC GGC GTG CTG GAG TGG AGA TTC GAC AGC AGA CTG GCC TTC CAC CAC GTGTAG CTC GAG AAG CTT Hind III site ACC ATG Kosak sequence TAG Stop Códon CTC GAG Xho I site GGC CCC GGC CCC GGC- spacers (GPGPG) Blood, 2013 Insertion into pvax1 plasmid Ribeiro, Cunha-Neto et al

8 Linha de pesquisa HIV e AIDS:Vacina HIV BALB/C mice 100ug DNA/dose, IM: HIVBr18 or pvax1 1st 2nd 3rd Cardiotoxin days antigen-specific T cell immune responses (pooled HIV-1 synthetic peptides) Ribeiro, Cunha-Neto et al

9 Linha de pesquisa HIV e AIDS:Vacina HIV HIVBr No peptide <PerCP-Cy5-5-A>: CD % <APC-A>: CD % CD3 + CD <FITC-A>: CFSE CD3 + CD <FITC-A>: CFSE Pooled HIV peptides <PerCP-Cy5-5-A>: CD % <APC-A>: CD % <FITC-A>: CFSE <FITC-A>: CFSE CFSE Ribeiro, Cunha-Neto et al

10 Linha de pesquisa HIV e AIDS:Vacina HIV spots/10 6 células BALB/c HLA-DR2 HLA-DR4 HLA-DQ6 HLA-DQ8 Resposta a peptídeos combinados do HIV Ribeiro, e cols

11 Colônia de macacos Rhesus do Instituto Butantan

12 Linha de pesquisa HIV e AIDS:Vacina HIV, macacos Rhesus 4000 IFN-g ELISPOT assay Rh #33 Rh #41 Rh #43 Rh #45 DR2 DR4 DQ6 DQ8 BALB/c SFU/ 10 6 cells Não publicado 0

13 Linha de pesquisa HIV e AIDS:marcadores de proteção ao desenvolvimento da doença Não publicado

14 Linha de pesquisa HIV e AIDS: PrEP New Engl J Med, 2010 Sci Transl Med, 2012 Lancet Infect Dis, 2014

15 Linha de pesquisa HIV e AIDS: PrEP Continuidade: projeto ponte para emprego em saúde pública Implementação da profilaxia Pré-Exposição (PrEP) ao HIV: Um Projeto Demonstrativo Financiado pela Fiocruz, Ministério da Saúde e FAPESP Fiocruz, CRT-DST/Aids, FMUSP 500 voluntários Homens gays, travestis, mulheres transexuais

16 Linha de pesquisa Dengue: Patogênese

17 Linha de pesquisa Dengue: Marcadores de progressão

18 Linha de pesquisa Dengue: Desenvolvimento de vacinas DEN-01-IB Ensaio Clínico Fase II Escalonado, Randomizado, Duplo-cego e Controlado para a Avaliação da Segurança e da Imunogenicidade da Formulação Liofilizada da Vacina Dengue 1,2,3,4 (atenuada) em Adultos Saudáveis

19 Linha de pesquisa Dengue: Desenvolvimento de vacinas Etapa A 50 volunt., Todos vacinados Etapa B 250 volunt., 40 vacinados 6 mo Soronegativos, por PRNT 50 voluntários: 20 vacina líquida, 20 vacina liofilizada, 10 placebos Coleta intensiva de amostras Soropositivos, por PRNT 40 voluntários: 30 vacina liofilizada, 10 placebos Coleta intensiva de amostras 00 5 anos 5 anos 210 em recrutamento Qualquer sorologia 210 voluntários: 140 vacina liofilizada, 70 placebos 5 anos

20 Linha de pesquisa: Alergia AINEs Agente etiológico Agente etiológico Dipirona ATBs Gravidade da reação Aun MV, et al. J Allergy Clin Immunol Pract 2014;2:414-20

21 Linha de pesquisa: Alergia

22 Linha de pesquisa: Alergia IDENTIFICAÇÃO DE NOVOS ALÉRGENOS EM FRUTAS TROPICAIS E VENENOS DE VESPAS PARA AUXÍLIO NO DIAGNÓSTICO E FUTURA OTIMIZAÇÃO DO TRATAMENTO

23 Linha de pesquisa: Alergia Identificação de proteínas alergênicas com análise proteômica gel nitrocelulose Western Blotting Transferência Soro de paciente e conjugado anti-ige

24 Linha de pesquisa: Alergia Identificação das Proteínas Espectrometria de Massas Maldi - ToF Peptide Mass Fingerprint Banco de Dados P ; Score: 106 (KCRS_HUMAN) Creatine kinase, sarcomeric mitochondrial precursor PM: pi: 8.46 Identificação da Proteína Espectrometria de Massas Maldi-ToF ToF (Sequenciamento direto) 24

25 Produção Científica LIM 60/Jan-Out ARTIGOS

26 Programa de Pós-Graduação em Alergia e Imunopatologia FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CONCEITO 6 PELA CAPES Website:

27 Website:

Desenvolvimento de vacinas contra o HIV-1

Desenvolvimento de vacinas contra o HIV-1 Desenvolvimento de vacinas contra o HIV-1 Daniela Santoro Rosa Laboratório de Vacinas Experimentais (LaVEx) Disciplina de Imunologia Universidade Federal de São Paulo- UNIFESP Simpósio sobre produção de

Leia mais

Material e Métodos Resultados e Discussão

Material e Métodos Resultados e Discussão Área: Melhoramento Genético Vegetal TRANSFERIBILIDADE DE PRIMERS MICROSSATÉLITES DE Phaseolus vulgaris PARA Vigna unguiculata Matheus Felipe Nogueira da Silva 1, Leidiane Bezerra Albuquerque 2, Rafaela

Leia mais

Clonagem Molecular. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica.

Clonagem Molecular. Esta tecnologia permite estudar os genes e os seus produtos, obter organismos transgênicos e realizar terapia gênica. Clonagem Molecular A clonagem molecular é o processo de construção de moléculas de DNA recombinante e da sua propagação em hospedeiros apropriados que possibilitam a selecção do DNA recombinante. Esta

Leia mais

Introdução à Bioquímica

Introdução à Bioquímica Introdução à Bioquímica Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Dra. Fernanda Canduri Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física.. UNESP São José do Rio Preto - SP. Genoma! O genoma de um organismo

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CITOMETRIA DE FLUXO. Dayane Alves Costa Priscilla Ramos Costa Programa de Alergia e Imunopatologia- LIM 60 USP

FUNDAMENTOS DE CITOMETRIA DE FLUXO. Dayane Alves Costa Priscilla Ramos Costa Programa de Alergia e Imunopatologia- LIM 60 USP FUNDAMENTOS DE CITOMETRIA DE FLUXO Dayane Alves Costa Priscilla Ramos Costa Programa de Alergia e Imunopatologia- LIM 6 USP CITOMETRIA DE FLUXO CITO METRIA DE FLUXO CÉLULA MEDIDA MOVIMENTO Caracterização

Leia mais

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006

ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006 ANEXO ÚNICO DO DECRETO Nº 28.397, DE 21/09/2006 PREÂMBULO Termo de Participação, via meio eletrônico, para a seleção da melhor proposta para aquisição por dispensa de licitação, nos termos do Decreto Estadual

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS COORD.: PROFa. CRISTIANA LIMONGI 1º & 2º TURNOS 3ª SÉRIE / ENSINO MÉDIO REGULAR & INTEGRADO ANO LETIVO 2015 PROFESSORES: FRED & PEDRO

Leia mais

Primers para PCR: Primers : oligonucleotídeos com 18 a 28 bases (fita única) escritos sempre na direção 5 3. São necessários dois primers :

Primers para PCR: Primers : oligonucleotídeos com 18 a 28 bases (fita única) escritos sempre na direção 5 3. São necessários dois primers : Primers para PCR: Primers : oligonucleotídeos com 18 a 28 bases (fita única) escritos sempre na direção 5 3 São necessários dois primers : Um complementar a um trecho da fita anti-sense» Primer sense (forward)

Leia mais

MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS

MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS LABORATÓRIO DE ANAERÓBIOS http://www.icb.usp.br/bmm/mariojac MÉTODOS DE ESTUDO DE BACTÉRIAS BUCAIS Prof. Dr. Mario J. Avila-Campos Para que isolar microrganismos? - Conhecer os diferentes tipos microbianos

Leia mais

Avaliação de reagentes anti-d na detecção dos antígenos D fraco e D parcial

Avaliação de reagentes anti-d na detecção dos antígenos D fraco e D parcial Barros C et al Rev. bras. hematol. hemoter. 2006;28(4):269-274 Artigo / Article Avaliação de reagentes anti-d na detecção dos antígenos D fraco e D parcial Evaluation of anti-d reagents in the detection

Leia mais

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Estratégias Isolamento em sistemas vivos Pesquisa de antígeno viral Pesquisa de anticorpos Pesquisa do ácido nucléico viral (DNA ou RNA) Pré requisitos para

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA Nome da Disciplina: Imunologia Curso: Farmácia Termo: 3º Carga Horária Semanal (h/a): 4 Carga Horária Semestral (h/a): 75 Teórica: 2 Prática: 2 Total: 4 Teórica: 30

Leia mais

Métodos imunológicos na avaliação da resposta à vacinação.

Métodos imunológicos na avaliação da resposta à vacinação. Métodos imunológicos na avaliação da resposta à vacinação. Patrícia Neves Laboratório de Tecnologia Imunológica VDTEC/Biomanguinhos Proteção vacinal A identificação de marcadores imunológicos que se correlacionem

Leia mais

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013

PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 PAULO CESAR NAOUM AC&T- 2013 HEMOGLOBINAS NORMAIS MOLÉCULA DA HEMOGLOBINA HUMANA NORMAL Hb A AS HEMOGLOBINAS HUMANAS SÀO COMPOSTAS POR QUATRO CADEIAS DE AMINOÁCIDOS CONHECIDAS POR GLOBINAS E INSERIDO EM

Leia mais

Imunodeficiência Primária (IDP)

Imunodeficiência Primária (IDP) Imunodeficiência Primária (IDP) Sinais de Alerta: Quatro ou mais infecções que necessitam uso de antibióticos no período de 1 ano (otite, bronquite, sinusite, pneumonia) Infecção de repetição ou infecção

Leia mais

Roteiro. Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Download da aula e links. Introdução. Fases de um programa sanitário. Parâmetros. PCR ou ELISA?

Roteiro. Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Download da aula e links. Introdução. Fases de um programa sanitário. Parâmetros. PCR ou ELISA? Roteiro Métodos diagnósticos: conceitos gerais. Apresentação de conceitos e suas inter relações. Reação de Elisa e PCR como exemplos. Prof. Dr. Fábio Gregori Laboratório de Biologia Molecular Aplicada

Leia mais

Transformando a medicina com abordagem sistemá2ca de dados gené2cos. Mauricio Carneiro Broad Ins2tute of MIT and Harvard

Transformando a medicina com abordagem sistemá2ca de dados gené2cos. Mauricio Carneiro Broad Ins2tute of MIT and Harvard Transformando a medicina com abordagem sistemá2ca de dados gené2cos Mauricio Carneiro Broad Ins2tute of MIT and Harvard Sequenciadores no mercado Illumina HiSeq 2500 Padrão do mercado, maior volume de

Leia mais

POLIMORFISMO DO CÓDON 72 DO GENE TP53 EM PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE

POLIMORFISMO DO CÓDON 72 DO GENE TP53 EM PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE POLIMORFISMO DO CÓDON 72 DO GENE TP53 EM PACIENTES COM LEUCEMIA MIELÓIDE Jeany Camelo Santos 1, Rafael Lucas Leonídeo 2, Flávio Monteiro Ayres 3,4 1 Bolsista PBIC/UEG. 2 Aluno de iniciação científica PVIC.

Leia mais

O CONTROLE DE PRODUTOS PRÉ E PÓS MERCADO E O INSTITUTO NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE EM SAÚDE- INCQS/FIOCRUZ

O CONTROLE DE PRODUTOS PRÉ E PÓS MERCADO E O INSTITUTO NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE EM SAÚDE- INCQS/FIOCRUZ O CONTROLE DE PRODUTOS PRÉ E PÓS MERCADO E O INSTITUTO NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE EM SAÚDE- INCQS/FIOCRUZ INCQS- LINHA DO TEMPO 1954 1978-81 Lei nº 2.187- cria o LCCDM- Laboratório Central de Controle

Leia mais

PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996

PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996 PESQUISA CLÍNICA (PESQUISA EM SERES HUMANOS) CNS/Res 196/1996 Pesquisa que, individual ou coletivamente, envolva o ser humano, de forma direta ou indireta, em sua totalidade ou parte dele, incluindo o

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil.

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Aula 3 Base racional da portaria 29 de 17/12/2013 SVS/MS A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Ao se elaborar uma portaria para normatizar

Leia mais

Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Download da aula e links.

Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Download da aula e links. Roteiro Testes sorológicos e moleculares no diagnóstico das doenças infecciosas: o que é necessário saber? Apresentação de conceitos e suas relações. Reação de Elisa e PCR como exemplos. Prof. Dr. Fábio

Leia mais

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

Caracterização genômica de um vírus dengue tipo 3, isolado de paciente com dengue clássico.

Caracterização genômica de um vírus dengue tipo 3, isolado de paciente com dengue clássico. Universidade de São Paulo Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto Programa de Pós-Graduação em Biociências Aplicadas à Farmácia Caracterização genômica de um vírus dengue tipo 3, isolado

Leia mais

Professor: David Vieira Valadão. Biologia

Professor: David Vieira Valadão. Biologia Professor: David Vieira Valadão Biologia 1981 registro de casos atípicos de pneumonia entre homens homossexuais em Los Angeles (EUA). 1983 descoberta de um novo vírus em um paciente com AIDS. 1984 descoberta

Leia mais

(11) (21) PI 0414073-7 A

(11) (21) PI 0414073-7 A (11) (21) PI 0414073-7 A (22) Data de Depósito: 31/08/2004 (43) Data de Publicação: 24/10/2006 República Federativa do Brasil (RPI 1868) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e do Comércio Exterior

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO E ANÁLISE DOS GENES DAS SUBUNIDADES ALFA E BETA DO HORMÔNIO FOLÍCULO ESTIMULANTE DE BOVINO (Bos taurus indicus)

SEQÜENCIAMENTO E ANÁLISE DOS GENES DAS SUBUNIDADES ALFA E BETA DO HORMÔNIO FOLÍCULO ESTIMULANTE DE BOVINO (Bos taurus indicus) SEQÜENCIAMENTO E ANÁLISE DOS GENES DAS SUBUNIDADES ALFA E BETA DO HORMÔNIO FOLÍCULO ESTIMULANTE DE BOVINO (Bos taurus indicus) Ângela Patrícia Santana, 1 Lidia Pepe Moraes, 2 Luci Sayori Murata 2 e Fernando

Leia mais

DNA, RNA E INFORMAÇÃO

DNA, RNA E INFORMAÇÃO DNA, RNA E INFORMAÇÃO OS ÁCIDOS NUCLEICOS Embora descobertos em 1869, por Miescher, no pus das bandagens de ferimentos, o papel dos ácidos nucleicos na hereditariedade e no controle da atividade celular

Leia mais

Desafios no desenvolvimento de uma vacina contra dengue. Expedito Luna Instituto de Medicina Tropical Universidade de São Paulo

Desafios no desenvolvimento de uma vacina contra dengue. Expedito Luna Instituto de Medicina Tropical Universidade de São Paulo Desafios no desenvolvimento de uma vacina contra dengue Expedito Luna Instituto de Medicina Tropical Universidade de São Paulo Curso de Vacinas em Saúde Pública ENSP/FIOCRUZ, Rio de Janeiro Julho, 2013

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais

REAÇÃO SOROLÓGICA ANTÍGENOS, OS ANTICORPOS E ELEMENTOS DE UMA REAÇÃO SOROLÓGICA ANTICORPO: MOLÉCULA GLICOPROTEICA (SEMPRE SOLÚVEL) ANTÍGENO

REAÇÃO SOROLÓGICA ANTÍGENOS, OS ANTICORPOS E ELEMENTOS DE UMA REAÇÃO SOROLÓGICA ANTICORPO: MOLÉCULA GLICOPROTEICA (SEMPRE SOLÚVEL) ANTÍGENO CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O USO DE REAÇÕES SOROLÓGICAS NO DIAGNÓSTICO DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS SOROLOGIA Proteína x Proteína Especificidade Antígeno Anticorpo BIOLOGIA MOLECULAR A. Nucléico x A. Nucléico

Leia mais

Tuberculose e imunobiológicos. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Tuberculose e imunobiológicos. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro Tuberculose e imunobiológicos Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro Mycobacterium tuberculosis Mycobacterium tuberculosis 10 micrômetros. Domina o mundo Dois bilhões de pessoas

Leia mais

Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos

Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos Padronização de imunoblot para diagnóstico sorológico da esquistossomose utilizando antígeno de vermes adultos Guedes, PP 1 ; Pinto, PLS 1 e Oliveira, KC 1. 1 Núcleo de Enteroparasitas, Centro de Parasitologia

Leia mais

Biotecnologia Geral TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO

Biotecnologia Geral TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO Biotecnologia Geral TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO DNA Replicação DNA Trasncrição Reversa Transcrição RNA Tradução Proteína Transcrição É o processo pelo qual uma molécula de RNA é sintetizada a partir da informação

Leia mais

Prática 00. Total 02 Pré-requisitos 2 CBI257. N o. de Créditos 02. Período 3º. Aprovado pelo Colegiado de curso DATA: Presidente do Colegiado

Prática 00. Total 02 Pré-requisitos 2 CBI257. N o. de Créditos 02. Período 3º. Aprovado pelo Colegiado de curso DATA: Presidente do Colegiado 1 Disciplina IMUNOLOGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Departamento DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Carga Horária Semanal Pré-requisitos Teórica 02 Prática 00 Total 02 Pré-requisitos Unidade ICEB Código CBI126

Leia mais

Imunologia 2ª parte. Aplicações práticas (alguns exemplos) Técnicas laboratoriais para diagnóstico e monitorização. das imunodeficiências primárias:

Imunologia 2ª parte. Aplicações práticas (alguns exemplos) Técnicas laboratoriais para diagnóstico e monitorização. das imunodeficiências primárias: Imunologia 2ª parte Aplicações práticas (alguns exemplos) Técnicas laboratoriais para diagnóstico e monitorização da doença alérgica das imunodeficiências primárias: Testes que avaliam os componentes humoral

Leia mais

Biologia - Grupos A - B - Gabarito

Biologia - Grupos A - B - Gabarito 1 a QUESTÃO: (1, ponto) Avaliador Revisor Foram coletados 1. exemplares do mosquito Anopheles culifacies, de ambos os sexos, em cada uma de duas regiões denominadas A e B, bastante afastadas entre si.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA SISTEMA DE SUICÍDIO CONDICIONAL PARA LEVEDURAS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA SISTEMA DE SUICÍDIO CONDICIONAL PARA LEVEDURAS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA SISTEMA DE SUICÍDIO CONDICIONAL PARA LEVEDURAS Andrea Balan e Ana Clara G. Schenberg CONTEXTO Organismos geneticamente modificados MICRORGANISMOS

Leia mais

PLANO DE ENSINO. OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA Possibilitar a compreensão das respostas imunológicas do organismo humano.

PLANO DE ENSINO. OBJETIVOS ESPECÍFICOS DA DISCIPLINA Possibilitar a compreensão das respostas imunológicas do organismo humano. PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Enfermagem Professora: Thaiz Malakoski thaizmalakoski@yahoo.com.br Período/ Fase: 2ª Semestre: 2º Ano:

Leia mais

IGC - Dia Aberto 2010 Unidade de Bioinformática e Biologia Computacional

IGC - Dia Aberto 2010 Unidade de Bioinformática e Biologia Computacional 2 I Como é que o DNA codifica para proteínas? Sabia que: O DNA é constituído por fiadas de quatro nucleótidos diferentes, representados pelas letras A G T C, em que A é adenina, G guanina, T timina e C

Leia mais

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos

1.4 Metodologias analíticas para isolamento e identificação de micro-organismos em alimentos Áreas para Submissão de Resumos (1) Microbiologia de Alimentos Trabalhos relacionados com micro-organismos associados aos alimentos: crescimento, identificação, biossíntese, controle, interação com o hospedeiro,

Leia mais

Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia a epitélio e proteínas de animais

Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia a epitélio e proteínas de animais IgE Específico Epitélios e Proteínas de Animais IgEs específicos para epitélios e proteínas de animais são testes que avaliam a presença, na amostra testada, de anticorpos IgE contra alérgenos derivados

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Colégio Técnico Plano de Ensino

Universidade Federal de Minas Gerais Colégio Técnico Plano de Ensino Disciplina: Carga horária total: Universidade Federal de Minas Gerais Plano de Ensino Biotecnologia II Ano: 2015 80 horas/aula Curso: Técnico em Análises Clínicas Regime: Semestral Série: 3 o Ano Observação:

Leia mais

Os conceitos I, II, III e IV podem ser substituídos, correta e respectivamente, por

Os conceitos I, II, III e IV podem ser substituídos, correta e respectivamente, por 01 - (FATEC SP) Mapas conceituais são diagramas que organizam informações sobre um determinado assunto por meio da interligação de conceitos através de frases de ligação. Os conceitos geralmente são destacados

Leia mais

Explorando bancos de dados genômicos e introdução à bioinformática. Guilherme Targino Valente Marcos Tadeu Geraldo. Bioinformática

Explorando bancos de dados genômicos e introdução à bioinformática. Guilherme Targino Valente Marcos Tadeu Geraldo. Bioinformática Explorando bancos de dados genômicos e introdução à bioinformática Guilherme Targino Valente Marcos Tadeu Geraldo 22/07/2011 Bioinformática É a aplicação de estatística e ciência da computação no campo

Leia mais

Dois estudos publicados na revista Science no

Dois estudos publicados na revista Science no [ Saúde ] Ciência A terceira onda Ricardo Zorzetto Ilustrações Pedro Hamdan Dois estudos publicados na revista Science no início de julho renovaram a esperança de que um dia, ainda que distante, se produza

Leia mais

A TERRA. Como Euclides ajudou os aliados na Segunda Guerra

A TERRA. Como Euclides ajudou os aliados na Segunda Guerra A TERRA Como Euclides ajudou os aliados na Segunda Guerra Mitos da criação Catolicismo Gaia Da Mitologia à Geometria A Geometria dos povos antigos Egípcios, babilônios e os gregos. Euclides e o método

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSOR: MÁRIO PAULO AMANTE PENATTI PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSOR: MÁRIO PAULO AMANTE PENATTI PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSOR: MÁRIO PAULO AMANTE PENATTI PLANO DE ENSINO FUNÇÃO: Apoio ao Diagnóstico SUBFUNÇÃO: Imunologia II

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Referência e Treinamento DST/Aids

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Referência e Treinamento DST/Aids SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Referência e Treinamento DST/Aids CONVITE ATUALIZAÇÃO - CROI 2017 A Coordenação Estadual DST/Aids-SP realizará no próximo dia

Leia mais

Vacina Dengue Sanofi Pasteur

Vacina Dengue Sanofi Pasteur Vacina Dengue Sanofi Pasteur Dra. Lucia Ferro Bricks, MD, PhD Brasília, 30 de março de 2016 1 Lucia Ferro Bricks, MD. PhD CRM 36.370 Pediatra, Doutora em Medicina pela FMUSP Ex-Professora do Departamento

Leia mais

PAPILOMA VÍRUS HUMANO

PAPILOMA VÍRUS HUMANO PAPILOMA VÍRUS HUMANO PAPILOMA VÍRUS HUMANO *INNO-LiPA HPV Genotipagem Extra 28 genótipos HPV Controles Praticidade Aplicações Automação ESCOLHA DE QUALIDADE PARA O SEU LABORATÓRIO. Genótipos: 28 genótipos

Leia mais

LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO. 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio.

LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO. 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio. PROVA DISCURSIVA LIVRETE DE QUESTÕES E RASCUNHO 1 O DIA VESTIBULAR 2015 INSTRUÇÕES 1) Confira seus dados e assine a capa deste Livrete de Questões e Rascunho somente no campo próprio. 2) Utilize-se dos

Leia mais

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Imunologia Básica

PLANO DE CURSO. 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Imunologia Básica PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Imunologia Básica Professor: Vanessa Simões Sandes email: vanessa@saludlaboratorio.com.br Código: Carga Horária: 40h

Leia mais

Materiais e Métodos 24. III. Materiais e Métodos

Materiais e Métodos 24. III. Materiais e Métodos Materiais e Métodos 24 III. Materiais e Métodos Materiais e Métodos 25 1. Pacientes No período de Outubro de 1996 a Outubro de 1997, estudamos pacientes HIV-positivos em seguimento na Unidade Especial

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Infecções Respiratórias Bacterianas Pesquisa de antígenos urinários Caio Mendes Consultor Médico em Microbiologia i Clínica Grupo de Consultoria em

Leia mais

Vacinas e Imunoterapia

Vacinas e Imunoterapia Como os organismos hospedeiros vertebrados podem adquirir Imunidade? Vacinas e Imunoterapia Prof. Helio José Montassier Imunidade Passiva É uma forma de imunidade temporária após transferência natural

Leia mais

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Atenção BásicaB Características Atuais do Diagnóstico do HIV/AIDS Predomina o diagnóstico tardio da infecção pelo HIV e Aids (43,6% dos diagnósticos) ( sticos

Leia mais

PNEUMONIAS ATÍPICAS Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR

PNEUMONIAS ATÍPICAS Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR PNEUMONIAS ATÍPICAS Testes Moleculares A Genética de Microorganismos do Hermes Pardini é reconhecida por oferecer uma gama de exames moleculares que auxiliam nas decisões

Leia mais

ROTINA DE AVALIAÇAO DE IMUNODEFICIENCIAS PRIMARIAS NO PSI HRAS. Dr.FABRICIO PRADO MONTEIRO

ROTINA DE AVALIAÇAO DE IMUNODEFICIENCIAS PRIMARIAS NO PSI HRAS. Dr.FABRICIO PRADO MONTEIRO ROTINA DE AVALIAÇAO DE IMUNODEFICIENCIAS PRIMARIAS NO PSI HRAS Dr.FABRICIO PRADO MONTEIRO INTRODUÇAO: O sistema imunológico é dividido didaticamente em inespecífico, representado pelos sistemas de fagócitos

Leia mais

Nova vacina frente à cura para a AIDS

Nova vacina frente à cura para a AIDS N o 18 Setembro/2013 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. MsC.

Leia mais

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Reações de hipersensibilidade são mediadas por mecanismos imunológicos que lesam os tecidos. Tipos de doenças mediadas por anticorpos Dano causado por

Leia mais

Português lidera estudo de remédio contra o VIH

Português lidera estudo de remédio contra o VIH Português lidera estudo de remédio contra o VIH UM CONSÓRCIO de cientistas de três países, liderado por um português, foi escolhido para receber um financiamento de 400 mil euros de uma iniciativa europeia

Leia mais

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS

IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS IMUNO ENSAIOS USANDO CONJUGADOS REAÇÕES USANDO REAGENTES MARCADOS Conjugado: molécula constituída por duas substâncias ligadas covalentemente e que mantêm as propriedades funcionais de ambas Ex: globulina

Leia mais

Acidentes Ocupacionais com Material Biológico

Acidentes Ocupacionais com Material Biológico Acidentes Ocupacionais com Material Biológico Orientações para o atendimento no PS - 2016 Atualizado por CCIH/HU-USP Risco de transmissão Quadro 1 Agente Material Exposição Risco estimado HIV sangue percutânea

Leia mais

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR

ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR ANÁLISE DA POPULAÇÃO DE CÉLULAS T REGULADORAS EM PACIENTES PORTADORES DE TUBERCULOSE PULMONAR Saara Barros Nascimento (bolsista do PIBIC/CNPQ), Raimundo Nonato da Silva (colaborador, UFPI), Rubens de Sousa

Leia mais

Introdução à Bioquímica

Introdução à Bioquímica Introdução à Bioquímica Nucleotídeos e Ácidos Nucléicos Dra. Fernanda Canduri Laboratório de Sistemas BioMoleculares. Departamento de Física.. UNESP São José do Rio Preto - SP. Tópicos! Estrutura e função

Leia mais

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa Enfermeira, Doutora em Ciências Membro do GEOTB e do GEO-HIV/aids Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Quais imagens temos do HIV? O

Leia mais

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio O Sistema Imune e os agentes infecciosos Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos Órgãos do sistema linfóide Introdução:

Leia mais

Ciências da Vida x MPE:

Ciências da Vida x MPE: Ciências da Vida x MPE: Oportunidades e desafios Fernando Kreutz, M.D./Ph.D. Diretor-Presidente FK-Biotec Professor Faculdade de Farmácia da PUCRS Pesquisador CNPq DT IB Conselheiro Anprotec Empreendedor

Leia mais

Concurso Público FIOCRUZ 2016 Edital 03 - Técnico em Saúde Pública Gabarito Definitivo da Prova Objetiva

Concurso Público FIOCRUZ 2016 Edital 03 - Técnico em Saúde Pública Gabarito Definitivo da Prova Objetiva Perfil: TE3001 Análises Clínicas Perfil: TE3002 Análises microbiológicas de insumos e produtos estéreis para a saúde 1 C 31 E 1 C 31 C 2 A 32 D 2 A 32 B 3 D 33 B 3 D 33 D 4 B 34 A 4 B 34 A 5 C 35 B 5 C

Leia mais

Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar?

Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? XVI WORKSHOP INTERNACIONAL DE HEPATITES VIRAIS DE PERNAMBUCO, 2012 Marcos Caseiro Médico Infectologista IIER-II Santos SP Centro de Referência em AIDS de Santos

Leia mais

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS

TEMAS LIVRES DO XXXI CONGRESSO BRASILEIRO DE ALERGIA APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS APRESENTAÇÃO: ORAL DATA.: 06/11/2004 SALA BRUM NEGREIROS NÚMERO TEMA LIVRE TÍTULO LEPTINA PARTICIPA DO CONTROLE DA APOPTOSE EM TIMO ATRAVÉS DE MECANISMO DE SINALIZAÇÃO DEPENDENTE DA VIA 001 IRS-1/PI 3-QUINASE

Leia mais

Árvores de genes serão iguais a árvores de espécies em monofiletismo recíproco

Árvores de genes serão iguais a árvores de espécies em monofiletismo recíproco Evolução Molecular Árvores de genes serão iguais a árvores de espécies em monofiletismo recíproco! Ao estudar as relações filogenéticas entre espécies usando alelos, estamos assumindo o monofiletismo

Leia mais

B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA

B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA 1 1 PROBLEMA DE PESQUISA O risco de eclampsia em mulheres grávidas com pressão arterial alta.

Leia mais

Riscos Biológicos. Acidente Ocupacional com Material Biológico. HIV, HCV e HBV

Riscos Biológicos. Acidente Ocupacional com Material Biológico. HIV, HCV e HBV Riscos Biológicos Acidente Ocupacional com Material Biológico HIV, HCV e HBV Sistema de Vigilância Monitorar práticas existentes Cobertura vacinal Características dos acidentes Riscos de adoecimento Estabelecer

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

2016 Dr. Walter F. de Azevedo Jr.

2016 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. 2016 Dr. Walter F. de Azevedo Jr. 000000000000000000000000000000000000000 000000000000000000000000000000000000000 000000000000111111111110001100000000000 000000000001111111111111111111000000001 000000000111111111111111111111111000000

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DE AGENTES OSMÓTICOS E MICROSSATÉLITES NA SELEÇÃO DE GENÓTIPOS DE TRIGO TOLERANTES À SECA LARISSA GIROTTO

AVALIAÇÃO DO USO DE AGENTES OSMÓTICOS E MICROSSATÉLITES NA SELEÇÃO DE GENÓTIPOS DE TRIGO TOLERANTES À SECA LARISSA GIROTTO AVALIAÇÃO DO USO DE AGENTES OSMÓTICOS E MICROSSATÉLITES NA SELEÇÃO DE GENÓTIPOS DE TRIGO TOLERANTES À SECA LARISSA GIROTTO 2006 LARISSA GIROTTO AVALIAÇÃO DO USO DE AGENTES OSMÓTICOS E MICROSSATÉLITES NA

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS BIOESTATÍSTICA Ementa: conceitos básicos; descrição e apresentação de dados; representação gráfica; análise descritiva; introdução

Leia mais

Proteoma em células do cumulus: identificação de biomarcadores de sucesso para técnicas de reprodução humana assistida

Proteoma em células do cumulus: identificação de biomarcadores de sucesso para técnicas de reprodução humana assistida Proteoma em células do cumulus: identificação de biomarcadores de sucesso para técnicas de reprodução humana assistida Daniela Paes Almeida Ferreira Braga, a,b,c Amanda Souza Setti, a,c Edson Guimarães

Leia mais

XIV ENCONTRO PERNAMBUCANO DE ANGIOLOGIA, CIRURGIA VASCULAR E ENDOVASCULAR. Disciplina de Cirurgia Vascular Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP

XIV ENCONTRO PERNAMBUCANO DE ANGIOLOGIA, CIRURGIA VASCULAR E ENDOVASCULAR. Disciplina de Cirurgia Vascular Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP XIV ENCONTRO PERNAMBUCANO DE ANGIOLOGIA, CIRURGIA VASCULAR E ENDOVASCULAR Disciplina de Cirurgia Vascular Faculdade de Medicina de Botucatu - UNESP Papel da angiogênese no tratamento da isquemia crítica.

Leia mais

Vigilância Epidemiológica, Sanitária e Ambiental

Vigilância Epidemiológica, Sanitária e Ambiental Saúde Pública Vigilância Epidemiológica, Sanitária e Ambiental Tema 8 Estudos em Epidemiologia Bloco 1 Danielle Cristina Garbuio Objetivo da aula Apresentar os principais desenhos de pesquisa em epidemiologia.

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral

Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais. Profa. Claudia Vitral Diagnóstico Laboratorial de Infecções Virais Profa. Claudia Vitral Importância do diagnóstico laboratorial virológico Determinar a etiologia e acompanhar o curso de uma infecção viral Avaliar a eficácia

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde PORTARIA Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde PORTARIA Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde PORTARIA Nº 151, DE 14 DE OUTUBRO DE 2009 A SECRETÁRIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUBSTITUTA, no uso das atribuições que lhe confere o Art. 45, do Decreto

Leia mais

Imunologia Clínica. Imunologia Clínica EXAMES COMPLEMENTARES IMUNOGLOBULINAS. IMUNOGLOBULINA IgG. IMUNOGLOBULINA IgG. Prof Manuel Junior

Imunologia Clínica. Imunologia Clínica EXAMES COMPLEMENTARES IMUNOGLOBULINAS. IMUNOGLOBULINA IgG. IMUNOGLOBULINA IgG. Prof Manuel Junior EXAMES COMPLEMENTARES Imunologia Clínica Prof Manuel Junior www.professormanueljunior.com Imunologia Clínica Setor do laboratório clínico que estuda os componentes do sistema imunológico Imuno-hematologia:

Leia mais

CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO

CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO CURSOS DE CITOMETRIA DE FLUXO - HOSPITAL AMARAL CARVALHO APRESENTAÇÃO DO CURSO A citometria de fluxo (CF) é uma metodologia de aplicabilidade abrangente nas diversas áreas das ciências biológicas, sobretudo

Leia mais

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio. Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos

Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio. Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos Resposta Imune Humoral Dr. Carlos R Prudencio Técnicas sorológicas e de biologia molecular no diagnóstico de agentes infecciosos O Sistema Imune e os agentes infecciosos Introdução Introdução: Sistema

Leia mais

Vigilância de sarampo e rubéola

Vigilância de sarampo e rubéola Vigilância de sarampo e rubéola Períodos na investigação de doenças em eliminação 1. Período de exposição / incubação; 2. Período de transmissibilidade ; 3. Período de aparecimento de casos secundários;

Leia mais

Terapia por anticorpos

Terapia por anticorpos Terapia por anticorpos Luís Delgado Serviço e Laboratório de Imunologia Estrutura dos anticorpos e base da sua diversidade. Anticorpos monoclonais e proteínas de fusão (FPs) com FcIgG1. Imunomoduladores

Leia mais

Perguntas e Respostas: Protocolo HVTN 910

Perguntas e Respostas: Protocolo HVTN 910 Perguntas e Respostas: Protocolo HVTN 910 Versão 1- Atualizado em 18/Nov/2011 1. O que é o Protocolo HVTN 910? O Protocolo HVTN 910 é um estudo clínico que avaliará por quanto tempo vacinas experimentais

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE ÁCIDOS NUCLÉICOS E SÍNTESE PROTÉICA

EXERCÍCIOS SOBRE ÁCIDOS NUCLÉICOS E SÍNTESE PROTÉICA Gabarito Exercícios Ácidos Nucléicos EXERCÍCIO EXERCÍCIOS SOBRE ÁCIDOS NUCLÉICOS E SÍNTESE PROTÉICA 1) O mofamento de grãos durante a estocagem causa perdas nutricionais e de valor de mercado, além de

Leia mais

EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA A PROF. MARCELO HÜBNER 01/08/2007

EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA A PROF. MARCELO HÜBNER 01/08/2007 EXERCÍCIOS DE BIOLOGIA A PROF. MARCELO HÜBNER 01/08/2007 1. (Unicamp 2005) Em 25 de abril de 1953, um estudo de uma única página na revista inglesa Nature intitulado "A estrutura molecular dos ácidos nucléicos",

Leia mais

vacina herpes-zóster (atenuada)

vacina herpes-zóster (atenuada) vacina herpes-zóster (atenuada) Merck Sharp & Dohme Farmacêutica Ltda. Pó Liófilo Injetável Cada dose de 0,65 ml contém: pelo menos 19.400 UFP (Unidades Formadoras de Placa) de vírus da varicela-zóster

Leia mais

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro

Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa. Reação Ag-Ac in vitro Métodos sorológicos de Diagnóstico e Pesquisa Reação Ag-Ac in vitro Testes sorológicos Uso de soro ou outros fluidos biológicos de paciente p/ diagnóstico laboratorial Demonstração de anticorpos específicos

Leia mais

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017

Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017 Vigilância e prevenção das Doenças de transmissão vertical 2016/2017 Principais Doenças de Transmissão Vertical no Brasil Sífilis congênita HIV-AIDS Hepatites B e C Rubéola congênita Toxoplasmose congênita

Leia mais

Cervicites: facilitando o diagnóstico

Cervicites: facilitando o diagnóstico TROCANDO IDÉIAS XIV DESAFIOS EM PATOLOGIA DO TRATO GENITAL INFERIOR Cervicites: facilitando o diagnóstico PROF. RENATO DE SOUZA BRAVO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTÔNIO PEDRO

Leia mais

ÁCIDOS NUCLÉICOS Alfredinho Alves

ÁCIDOS NUCLÉICOS Alfredinho Alves ÁCIDOS NUCLÉICOS Alfredinho Alves 1 1. Histórico Frederish Miescher, médico alemão, aos 20 anos de idade, observou a presença do DNA em células do pus, embora não pudesse detalhar a estrutura molecular

Leia mais

TRADUÇÃO PROTEICA. Tradução é o processo de leitura da seqüência de mrna e sua conversão em uma seqüência de aminoácidos.

TRADUÇÃO PROTEICA. Tradução é o processo de leitura da seqüência de mrna e sua conversão em uma seqüência de aminoácidos. TRADUÇÃO PROTEICA Tradução é o processo de leitura da seqüência de mrna e sua conversão em uma seqüência de aminoácidos. A tradução ocorre no citoplasma e ocorre em organelas citoplasmáticas chamadas ribossomos.

Leia mais