resposta papular anormal para uma única ou 3 exposições consecutivas às radiação de UVB acima da DEM (90 mj/cm2) (Fig. 2).

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "resposta papular anormal para uma única ou 3 exposições consecutivas às radiação de UVB acima da DEM (90 mj/cm2) (Fig. 2)."

Transcrição

1 Luz ultravioleta é um fator ambiental que agrava lesões faciais de dermatite atópica do adulto. H. Deguchi, N. Umemoto, H. Sugiura, K. Danno e M. Uehara Dermatology Online Journal 4(1): 10 Traduzido para o portugues por Mauro Nemirovsky Siqueira, São Paulo, Brasil Um número crescente de pacientes adultos com dermatite atópica (DA) no Japão é afetado por lesões eczematosas persistentes na face (assim-chamada face vermelha do atópico) (Fig. 1). Fototestes foram realizados em 28 pacientes com face vermelha do atópico para testar a possibilidade da luz ultravioleta (UV) ser um fator agravante. Dermatite de Contato e de fotocontato foram descartadas por repetidos Testes de Contato e Fototestes de Contato. Todos os pacientes tiveram uma resposta normal a uma dose - teste de UVA (10 J/cm2) e uma dose eritematosa mínima (DEM) de UVB. Dez destes pacientes, porém, mostraram uma Figure 1 Figure 2 resposta papular anormal para uma única ou 3 exposições consecutivas às radiação de UVB acima da DEM (90 mj/cm2) (Fig. 2). O exame histológico das lesões papulares induzidas por UVB, efetuado em 3 pacientes, mostrou espongiose e infiltrado linfocitário na derme superior e epiderme (Fig. 3). Imuno-histoquimicamente, celulas CD4 + infiltrativas (Fig. 4) foram mais freqüentes que celulas CD8+ (Fig. 5) Figure 3 (relação, ), e muitos deles foram positivos para OKT 6. Os achados favorecem o desencadeamento das lesões de DA pela própria UVB em lugar de uma erupção polimorfa à luz que possa coexistir com Figure 4 Figure 5 DA porque uma relação CD4/CD8 nesta ultima condicao

2 é reportadamente tão baixo quanto 1.0. Os resultados doa fototestes sugerem que luz UV possa ser um dos fatores agravantes da face vermelha do atópico. Discussões J Epstein: Este é um relatório dos mais interessantes. Um dos assuntos mais difíceis em fotomedicina para mim tem sido diferenciar entre pacientes com dermatite atópica fotoagravada e esses com erupção polimorfa à luz (EPML) e dermatite atópica. Considerando que EPML e dermatite atópica são doenças relativamente comuns, a ocorrência delas no mesmo paciente não seria inesperada. Talvez, a relação CD4+ a CD8+ no infiltrado como Deguchi e colaboradores mostraram proverá um marcador. Qual é sua opinião? K Danno: Reações papulares anormais por UVB como nós mostramos em alguns pacientes com dermatite atópica do adulto com lesoes persistentes eczematosas de face (chamada face vermelha) podem sugerir dermatite atópica fotoagravada ou a coexistência de uma erupção polimorfa à luz. Concordando com os comentários do Dr.John Epstein, estas duas condições são dificilmente diferenciadas baseando-se só nos resultados dos testes de UVB. Porém, as características clínicas dos pacientes após exposição à luz solar foram a exacerbação da própria face vermelha, e nenhuma lesão sugestiva de EPML foi induzida em outra parte do corpo inclusive em face e em dorso de mão. A relação aumentada de CD4/CD8 no infiltrado linfocitário dos locais testados com UVB estava mais parecido com as lesões eczematosas agudas da dermatite atópica que com EPML, mas a diferença das características imunopatológicas podem alternativamente depender do estágio das doenças.

3 J Hanaffin: O relatório do grupo de Shiga é de interesse considerável, tanto por causa dos problemas sérios associados com o * face vermelha do atópico * e a incerteza persistente associada com a fotossensibilidade atópica. O último foi estudado por Frain-Bell muitos anos atrás (Br J Dermatol 85:105, 1971), mas nenhum achado consistente foi alguma vez demonstrado. KD: Embora muita atenção tenha sido prestada à face vermelha do atópico de pacientes adultos japoneses, as causas ainda são desconhecidas. Múltiplos fatores de exacerbação, como corticosteroides e influências ambientais, podem estar relacionados a este sintoma severo, intolerável. O Dr. Frain-Bell sugeriu que fotossensibilidade esteja associada com dermatite atópica em algumas crianças. Neste estudo, nós levamos a cabo testes-padrão de luz em um grande grupo dos assuntos e achou que mais pacientes além de expectativa tiveram fotossensibilidade a UVB. JMH: : Na faixa de um terco dos 28 pacientes com atópica face vermelha houve o desenvolvimento de lesões de papulares depois de uma a três exposições de UVB a 90 mj/cm2 no estudo presente. Estas exposicoes foram consideradas ligeiramente acima da DEM. A DEM normal no Japão é listada como mj (manual de Imamura), por isso não estah claro se alguns destes pacientes não apresentavam na realidade era um limiar reduzido para a DEM. Seria util conhecer a relacao da dose de 90 mj de UVB de acordo com as DEMS individualizadas de tais pacientes. Os pacientes tinha sido testados com testes de contato e Fototestes de contato, falando-se contra alergia por fotocontato. Fototoxicidade de UVA também aparece improvável. KD: A dose eritematosa mínima (DEM) de UVB era normal nos casos examinados exceto em um caso no qual a DEM estava diminuida consideravelmente. Três irradiaçoes sucessivas de luz de UVB à dose equivalente a um ou 1.5 de DEM

4 induziu uma resposta papular anormal no local de teste (dorso inferior). Nosso estudo prévio demonstrou que em três de 120 pacientes com dermatite atópica severa demonstraram fotossensibilidade a UVA. Um deles foi achado para ser antihistaminico - induzido. JMH: Os autores sugerem que estas reações sejam exacerbações de DA, e tal conceito tem sido ha muito tempo uma suposição para a fotossensibilidade do atópico mais moderado que nós vemos na maioria das localidades dos Estados Unidos. Esta condição pode ser mais evidente na área de Los Angeles (comunicação pessoal, M. Rappaport, 1997). Se confirmado, isto apoiaria uma associação de UV mais adiante. Porém, eu estou preocupado que pode haver uma influência genética como também uma influência ambiental que age para criar o síndrome de face vermelho. A possibilidade de erupções polimorfas à luz (EPML) persiste possivelmente análoga a prevalência notavel de EPML em alguns grupos de índios americanos. Necessitam-se de mais estudos nos quais sejam comparados fototestes e biópsias de pacientes de face vermelha com controles de EPML. E ainda assim, histológicos de PMLE podem ser atípicos em pacientes com DA. Infelizmente, marcadores celulares ainda não são contudo específicos o bastante para permitir distinções firmes. KD: Em todos os pacientes teste-positivos, e exacerbação das lesões faciais não cedeu dentro de um dia mas persistiu muito mais que alguns dias o que sugere os resultados dos testes de luz bem se correlacionam com as suas condições clínicas. Porém, fotossensibilidade à UVB em pacientes com faces vermelhas foi dificilmente diferenciado de controles de EPML. Também é possível que influências outras luz UV possam contribuir à exacerbação da face vermelha. JMH: Estes estudos preliminares são muito interessantes e apontam a necessidade por investigação adicional do papel de UV na face vermelha da DA.

5 1998 Dermatology Online Journal

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain 67 4.2 Estudo II Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain Enquanto anticorpos anti-t. gondii são

Leia mais

PORFIRIA CUTÂNEA TARDA NO PACIENTE INFECTADO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PORFIRIA CUTÂNEA TARDA NO PACIENTE INFECTADO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA PORFIRIA CUTÂNEA TARDA NO PACIENTE INFECTADO PELO VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA FUNDAÇÃO TÉCNICO-EDUCACIONAL SOUZA MARQUES / FUNDAÇÃO PELE SAUDÁVEL na Carolina Conde Almeida, Daniella de Nascimento

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 06 - julho/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma

Leia mais

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Reações de hipersensibilidade são mediadas por mecanismos imunológicos que lesam os tecidos. Tipos de doenças mediadas por anticorpos Dano causado por

Leia mais

GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOTA TÉCNICA 02/2016 Belo Horizonte, 26 de Janeiro de 2016 GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Diretor-Presidente Welfane Cordeiro Júnior Diretora Maria do Carmo Paixão Rausch Equipe técnica: Cíntia

Leia mais

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito!

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito! Paz e Bem 9º ano em AÇÃO Assunção contra o mosquito! Informações sobre o mosquito Mosquito doméstico Hábitos Reprodução Transmissão vertical DENGUE Transmissão: principalmente pela picada do mosquito

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO LESÕES CANCERIZÁVEIS DA BOCA Ubiranei Oliveira Silva INTRODUÇÃO Conceitos de Lesão e Condição Cancerizável Lesão cancerizável (pré-câncer, prémalignidade)

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RADIOTERAPIA INTRAOPERATÓRIA PARA O TRATAMENTO DE ESTÁDIOS INICIAIS

Leia mais

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

Probabilidade e Estatística, 2010/2

Probabilidade e Estatística, 2010/2 Probabilidade e Estatística, 2010/2 CCT - UDESC Prof. Fernando Deeke Sasse Testes de Hipóteses para médias 1. A temperatura média da água descartada por uma torre de resfriamento não deve ser maior que

Leia mais

LÍNGUA GEOGRÁFICA. Organizadores: Erno Harzheim Milena Rodrigues Agostinho Natan Katz. Autores: Carlos Pilz Vinicius Coelho Carrard

LÍNGUA GEOGRÁFICA. Organizadores: Erno Harzheim Milena Rodrigues Agostinho Natan Katz. Autores: Carlos Pilz Vinicius Coelho Carrard LÍNGUA GEOGRÁFICA Organizadores: Erno Harzheim Milena Rodrigues Agostinho Natan Katz Autores: Carlos Pilz Vinicius Coelho Carrard LESÕES BENIGNAS DA LÍNGUA Parte 1 - Língua Geográfica Introdução Também

Leia mais

PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g

PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g PROMERGAN Prometazina APRESENTAÇÃO Creme 20 mg/g, bisnaga de 30 g. USO TÓPICO. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS. COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

Microdermoabrasão

Microdermoabrasão Microdermoabrasão A microdermoabrasão é um dos procedimentos cosméticos mais populares e não invasivos realizados atualmente. Com o tempo, fatores como envelhecimento, fatores genéticos, danos causados

Leia mais

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral

Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral Disciplina: Semiologia Lesões e Condições Pré-neoplásicas da Cavidade Oral PARTE Parte 12 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 2012 LESÕES E CONDIÇÕES CANCERIZÁVEIS DA

Leia mais

CENÁRIO DO CÂNCER DE MAMA

CENÁRIO DO CÂNCER DE MAMA OUTUBRO ROSA Outubro Rosa é uma campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

Leia mais

THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro.

THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro. THALITAN Bronzeado mais rápido, seguro e duradouro. Thalitan é um complexo formado por um oligossacarídeo marinho quelado a moléculas de magnésio e manganês. Esse oligossacarídeo é obtido a partir da despolimerização

Leia mais

[DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP]

[DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP] www.drapriscilaalves.com.br [DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP] 2 É considerada a doença alérgica mais comum na rotina dermatológica, podendo corresponder a até 90% dos casos nos pacientes felinos

Leia mais

Genética e Fisiopatologia. Copyright MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP MARCELO ARNONE

Genética e Fisiopatologia. Copyright MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP MARCELO ARNONE Genética e Fisiopatologia MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP MARCELO ARNONE AMBULATÓRIO DE PSORÍASE HOSPITAL DAS CLÍNICAS FMUSP Conflito de Interesses Consultor e Palestrante

Leia mais

Radiação UV e fotodano cutâneo. Luis Fernando Tovo

Radiação UV e fotodano cutâneo. Luis Fernando Tovo Radiação UV e fotodano cutâneo Luis Fernando Tovo EXPECTRO DA RADIAÇÃO SOLAR FOTO-ENVELHECIMENTO X FOTODANO FOTO-ENVELHECIMENTO: superposição do dano crônico do sol sobre processo de envelhecimento intrínseco

Leia mais

Colágeno

Colágeno Colágeno Os preenchimentos injetáveis são umas das técnicas de rejuvenescimento facial mais populares. À medida que envelhecemos, os tecidos subjacentes que mantêm nossa pele com aparência jovem e firme

Leia mais

28-02-2015. Sumário. Atmosfera da Terra. Interação Radiação-Matéria 23/02/2015

28-02-2015. Sumário. Atmosfera da Terra. Interação Radiação-Matéria 23/02/2015 Sumário Na : Radiação, Matéria e Estrutura Unidade temática 2. O ozono como filtro protetor da Terra. Formação e decomposição do ozono na atmosfera. Filtros solares. Alternativas aos CFC. Como se mede

Leia mais

Aula Noções de Fototerapia 14º.Encontro Psoríase e Vitiligo 21 de maio de 2016. Dr Cid Yazigi Sabbag Dermatologista Centro Br Estudos em Psoríase

Aula Noções de Fototerapia 14º.Encontro Psoríase e Vitiligo 21 de maio de 2016. Dr Cid Yazigi Sabbag Dermatologista Centro Br Estudos em Psoríase Aula Noções de Fototerapia 14º.Encontro Psoríase e Vitiligo 21 de maio de 2016 Dr Cid Yazigi Sabbag Dermatologista Centro Br Estudos em Psoríase Fototerapia Vantagens: Melhor estratégia de fármaco-economia

Leia mais

Consensus Statement on Management of Steroid Sensitive Nephrotic Syndrome

Consensus Statement on Management of Steroid Sensitive Nephrotic Syndrome Consensus Statement on Management of Steroid Sensitive Nephrotic Syndrome Grupo Indiano de Nefrologia Pediátrica, Academia Indiana de Pediatria o Indian Pediatrics 2001; 38: 975-986 986 http://www.indianpediatrics.net/sept2001/sept-975

Leia mais

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6

MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDAS DE FREQUÊNCIA DE EVENTOS Aula 6 MEDIDA DA OCORRÊNCIA DE EVENTOS COMO DOENÇAS, AGRAVOS À SAÚDE (ACIDENTES, VIOLÊNCIAS) E MORTES. Exemplo: número de pessoas que apresentaram uma dada doença num certo

Leia mais

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE HISTÓRIA CLÍNICA PARA INVESTIGAÇÃO DE URTICÁRIA DATA / / NOME GÊNERO IDADE ESTADO CIVIL RAÇA ENDEREÇO TELEFONE PROFISSÃO 1. ANTECEDENTES A) história familiar: Urticária angioedema Doenças da tireóide Asma,

Leia mais

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity)

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TIPO IV (Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TARDIA

Leia mais

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Centros de Controle e Prevenção de Doenças Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Marc Fischer, MD, MPH Arboviral Diseases Branch 8 de junho de 2016 Objetivos Atualizar a epidemiologia

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia

Imagem da Semana: Fotografia Imagem da Semana: Fotografia Figura 1: Fotografia da região extensora do cotovelo. Figura : Fotografia da região dorsal do tronco. Enunciado Paciente do sexo masculino, 55 anos, relata surgimento de lesões

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) - PGM. Relatório de Avaliação da Satisfação Clientes/Familiares

Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) - PGM. Relatório de Avaliação da Satisfação Clientes/Familiares Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) - PGM Relatório de Avaliação da Satisfação Clientes/Familiares 2012 ÍNDICE Introdução... 3 Resultados Globais...... 3 Centro Educativo..... 6 Formação Profissional.....

Leia mais

2. Da fundamentação e análise

2. Da fundamentação e análise PARECER COREN-SP 001/2013 CT PRCI n 100.546 e Ticket n 256.298 Assunto: Manuseio de equipamento de fototerapia em dermatologia por Auxiliar de Enfermagem. 1. Do fato A profissional questiona se o Auxiliar

Leia mais

Módulo: Câncer de Colo de Útero

Módulo: Câncer de Colo de Útero Módulo: Câncer de Colo de Útero Caso 1 TR, 32 anos, médica, sem comorbidades Paciente casada sem filhos Abril/13 Citologia Útero- Negativo para células neoplásicas Abril/14 - Citologia uterina- Lesão alto

Leia mais

VITILIGO. Dra Thais Veloso

VITILIGO. Dra Thais Veloso VITILIGO Dra Thais Veloso www.vitiligo.med.br Impacto na qualidade de vida 50% dizem sofrer discriminação social VITILIGO COMO LIDAR? Dra Thaís Veloso COMO LIDAR COM O VITILIGO? Corpo e Mente Conhecer

Leia mais

Peeling Químico - Superficial

Peeling Químico - Superficial Peeling Químico - Superficial Os peelings químicos são um dos procedimentos cosméticos não invasivos mais populares realizados para rejuvenescer a aparência da pele. Com o tempo, fatores como danos causados

Leia mais

AA 2-G (Vitamina C estabilizada)

AA 2-G (Vitamina C estabilizada) AA 2-G (Vitamina C estabilizada) INCI NAME: Ácido ascórbico-2-glicosilado CAS Number: 129499-78-1 Descrição: O AA2G (Ácido Ascórbico 2-Glicosídeo) é a vitamina C (ácido ascórbico) estabilizada com glicose.

Leia mais

Caso 2 Citometria de Fluxo Detecção de Múltiplos Clones

Caso 2 Citometria de Fluxo Detecção de Múltiplos Clones Citometria de Fluxo Detecção de Múltiplos Clones Glicínia Pimenta Serviço de Hematologia/UFRJ Laboratório Sergio Franco/DASA RL,44 anos, branco,administrador, natural do Rio de Janeiro QP: febre, astenia,

Leia mais

Fisiopatologia Respiratória na Obesidade Mórbida. Implicações Perioperatorias

Fisiopatologia Respiratória na Obesidade Mórbida. Implicações Perioperatorias Introdução A obesidade constitui um dos problemas de saúde mais importantes das sociedades desenvolvidas Na Espanha os custos econômicos com a obesidade representam 6,9% do gasto sanitário O índice de

Leia mais

Bom, além disso, existem algumas doenças que são um tanto bizarras e tem alguns

Bom, além disso, existem algumas doenças que são um tanto bizarras e tem alguns 8 sintomas terríveis de doenças mortais A cada ano de vida que nós temos, o nosso corpo nos impressiona cada vez mais, a cada dia que passa nós descobrimos novas coisas sobre o nosso corpo que as vezes

Leia mais

VIII - Doenças alérgicas

VIII - Doenças alérgicas VIII - Doenças alérgicas Douglas A. Rodrigues Jane Tomimori Marcos C. Floriano Sofia Mendonça SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros RODRIGUES, DA., et al. Atlas de dermatologia em povos indígenas

Leia mais

Síndromes de dor nos membros

Síndromes de dor nos membros www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Síndromes de dor nos membros Versão de 2016 10. Osteocondrose (sinônimos: osteonecrose, necrose avascular) 10.1 O que é? A palavra "osteocondrite" significa

Leia mais

Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD)

Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD) Versão de 2016 1. O QUE É A MKD 1.1 O que é? A deficiência de mevalonato quinase é uma doença

Leia mais

OBJETIVO METODOLOGIA AMOSTRAGEM

OBJETIVO METODOLOGIA AMOSTRAGEM Agosto/2011 OBJETIVO Recolher informação sobre crenças, atitudes e comportamentos relacionados com os genéricos, tanto por parte da população adulta brasileira, quanto por parte da comunidade médica.

Leia mais

Sarampo e Doenças Degenerativas

Sarampo e Doenças Degenerativas Sarampo e Doenças Degenerativas Estudo Preliminar Maria Aparecida Melo Andrade Luciana Valentini Melo Cesarini Vania Lara Crelier Romeu Carillo Junior Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência

Leia mais

Observações: Subárea, sem hífen, conforme as novas regras ortográficas.

Observações: Subárea, sem hífen, conforme as novas regras ortográficas. GLOSSÁRIO EXPERIMENTAL DE PNEUMOPATIAS DO TRABALHO Ficha de Coleta atualizada em junho de 2012 Foco: português/variantes/ficha =verbete/definições em coleta FICHA NÚMERO: ( ) TERMO REALITER (x) TERMO NOVO

Leia mais

Palmitoyl hydrolyzed wheat protein

Palmitoyl hydrolyzed wheat protein Produto INCI Definição Propriedades DEEPALINE PVB Palmitoyl hydrolyzed wheat protein Peptídeo com forte ação em rugas causadas pela fadiga biológica e mecânica da pele. - Renova a epiderme, estimulando

Leia mais

Seminário Grandes Síndromes

Seminário Grandes Síndromes Seminário Grandes Síndromes TEMA: DISPEPSIA Residente: Paloma Porto Preceptor: Dr. Fortunato Cardoso DEFINIÇÃO De acordo com os critérios de Roma III, dispepsia é definida por 1 ou mais dos seguintes sintomas:

Leia mais

NANOFACTOR C Sodium Ascorbyl Phosphate Decapeptide 4

NANOFACTOR C Sodium Ascorbyl Phosphate Decapeptide 4 NANOFACTOR C Sodium Ascorbyl Phosphate Decapeptide 4 A forma mais ESTÁVEL da VITAMINA C potencializada com FATOR DE CRESCIMENTO (PEPTÍDEO BIOIDÊNTICO ) NANOLIPOSSOMADO elevada ESTABILIDADE e BIODISPONIBILIDADE

Leia mais

Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico

Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico Capítulo 16: Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico página: 473 anterior seguinte Abordagem algorítmica para um diagnóstico dermatológico Urticária página: 474 16.1 Urticária Urticárias

Leia mais

Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto

Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto Engagement, Burnout e Rotatividade: Que relação, fatores e impactos? alexandra marques pinto Agenda Stress profissional nos enfermeiros e seus impactos Burnout profissional Engagement com o trabalho Preditores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: CLÍNICA MÉDICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: CLÍNICA MÉDICA 128 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS MÉDICAS: CLÍNICA MÉDICA Alterações Clínicas, Dermatoscópicas, Histopatológicas e Imuno-histoquímicas

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

13ºEncontro do Núcleo de Especialidades Sociedade Brasileira de Patologia 23.jun.12. Dra. Sheila Ap. Coelho Siqueira Dr. Ariel Barreto Nogueira

13ºEncontro do Núcleo de Especialidades Sociedade Brasileira de Patologia 23.jun.12. Dra. Sheila Ap. Coelho Siqueira Dr. Ariel Barreto Nogueira 13ºEncontro do Núcleo de Especialidades Sociedade Brasileira de Patologia 23.jun.12 Dra. Sheila Ap. Coelho Siqueira Dr. Ariel Barreto Nogueira Identificação: - Masculino, 56 anos, pardo, casado, natural

Leia mais

LITERATURA JUVENILE IDEAL NO COMBATE A RUGAS, FUNDAMENTAL NO REJUVENESCIMENTO DE SUA PELE

LITERATURA JUVENILE IDEAL NO COMBATE A RUGAS, FUNDAMENTAL NO REJUVENESCIMENTO DE SUA PELE JUVENILE IDEAL NO COMBATE A RUGAS, FUNDAMENTAL NO REJUVENESCIMENTO DE SUA PELE INCI name: Alcohol, Punica Granatum Flower Extract, Sodium Ascorbyl Phosphate Uso: Externo Fator de Correção: Não se aplica

Leia mais

Dra Letícia Guimarães

Dra Letícia Guimarães Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica Residência em Dermatologia

Leia mais

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde

Epidemiologia. Tipos de Estudos Epidemiológicos. Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde Epidemiologia Tipos de Estudos Epidemiológicos Curso de Verão 2012 Inquéritos de Saúde TIPOS DE ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS Observacionais Experimental x Observacional Relatos de Casos Série de casos Transversal

Leia mais

Radiação UV, quais são os perigos? Toda pessoa está sujeita a melanomas, possua todas as informações para proteger você e sua família.

Radiação UV, quais são os perigos? Toda pessoa está sujeita a melanomas, possua todas as informações para proteger você e sua família. A referência médica online sobre os danos UV RISCOS SOLARES Radiação UV, quais são os perigos? Toda pessoa está sujeita a melanomas, possua todas as informações para proteger você e sua família. Faça a

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

Cromossomos sexuais e suas anomalias

Cromossomos sexuais e suas anomalias Cromossomos sexuais e suas anomalias Síndrome de Turner ou Monossomia do cromossomo X A Síndrome de Turner, descrita na década de 40, é característica do sexo feminino e ocorre numa proporção de 1:2500

Leia mais

RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE

RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA E CÂNCER DE PELE UNIFESP UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO ESCOLA PAULISTA DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIRURGIA PLÁSTICA REPARADORA Coordenadora e Professora Titular: Profa.Dra.Lydia Masako Ferreira RADIAÇÃO

Leia mais

Eco new farmers. Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica. Sessão 3 Qualidade alimentar

Eco new farmers. Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica. Sessão 3 Qualidade alimentar Eco new farmers Módulo 1 - Introdução á agricultura biológica Sessão 3 Qualidade alimentar Módulo 1 Introdução à agricultura biológica Sessão 3 Qualidade dos alimentos biológicos www.econewfarmers.eu 1.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO A CLIENTES DO INAC, I.P. PARA APRECIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PRESTADO

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO A CLIENTES DO INAC, I.P. PARA APRECIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PRESTADO INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. RELATÓRIO DO QUESTIONÁRIO A CLIENTES DO INAC, I.P. PARA APRECIAÇÃO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PRESTADO FICHA TÉCNICA Título Relatório do Questionário a Clientes do

Leia mais

Hemograma, plaquetas, creatinina, uréia. creatinina, uréia. Lúpus induzido por drogas, gestantes, lactantes e crianças devem ser tratados por médicos

Hemograma, plaquetas, creatinina, uréia. creatinina, uréia. Lúpus induzido por drogas, gestantes, lactantes e crianças devem ser tratados por médicos LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO Portaria SAS/MS n 100-7/02/2013 Medicamento AZATIOPRINA HIDROXICLOROQUINA METOTREXATO CID 10 L93.0, L93.1, M32.1, M32.8 Apresentação 50mg (comprimido) 400mg (comprimido) 2,5mg

Leia mais

NEOPANTOL. (dexpantenol)

NEOPANTOL. (dexpantenol) NEOPANTOL (dexpantenol) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Pomada dexpantenol 50 mg/g Neopantol - pomada - Bula para o profissional de saúde 1 I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO NEOPANTOL dexpantenol

Leia mais

Hipoalbuminemia mais um marcador de mau prognóstico nas Síndromes Coronárias Agudas?

Hipoalbuminemia mais um marcador de mau prognóstico nas Síndromes Coronárias Agudas? Hipoalbuminemia mais um marcador de mau prognóstico nas Síndromes Coronárias Agudas? Carina Arantes, Juliana Martins, Carlos Galvão Braga, Vítor Ramos, Catarina Vieira, Sílvia Ribeiro, António Gaspar,

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite Idiopática Juvenil Versão de 2016 2. DIFERENTES TIPOS DE AIJ 2.1 Existem tipos diferentes da doença? Existem várias formas de AIJ. Distinguem-se principalmente

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2012 PROVA TIPO C C / NP NEUROLOGIA PEDIÁTRICA 1 2 CONCURSO 2012 PARA RESIDÊNCIA MÉDICA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Uso de Substâncias e Dependência: Visão Geral

Uso de Substâncias e Dependência: Visão Geral Capítulo 1 Uso de Substâncias e Dependência: Visão Geral Do ponto de vista comportamental, dependência pode ser conceitualizada como um prejuízo na capacidade de inibir a busca por determinada droga em

Leia mais

Cenário de Prova: Apêndice ao Enunciado da P1 de INF1403 Introdução a IHC, Turma 3WB, Profa Clarisse

Cenário de Prova: Apêndice ao Enunciado da P1 de INF1403 Introdução a IHC, Turma 3WB, Profa Clarisse Cenário de Prova: Apêndice ao Enunciado da P1 de INF1403 Introdução a IHC, Turma 3WB, Profa Clarisse Este material foi disponibilizado para os alunos com mais de 48 horas de antecedência à data de prova,

Leia mais

EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL. 1,0 mg/g e 25,0 mg/g

EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL. 1,0 mg/g e 25,0 mg/g EPIDUO adapaleno e peróxido de benzoíla GEL 1,0 mg/g e 25,0 mg/g EPIDUO Gel adapaleno e peróxido de benzoíla APRESENTAÇÕES Gel contendo adapaleno 1mg/g e peróxido de benzoíla 25mg/g, apresentado bisnagas

Leia mais

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB Leonardo S. Carvalho OBJETIVOS Avaliar a capacidade da MDCT com MPRs, para a predição da ressecabilidade do adenocarcinoma pancreatico MATERIAL E MÉTODO Trabalho retrospectivo

Leia mais

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X

PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X PADRÃO DE HERANÇA LIGADA AO CROMOSSOMO X HOMENS: apresenta um X e um Y XY sexo heterogamético o seus gametas serão metade com cromossomo X e metade com cromossomo Y MULHER: apresenta dois X XX sexo homogamético

Leia mais

AULA PRÁTICA SOBRE CARIÓTIPO - Pg 1

AULA PRÁTICA SOBRE CARIÓTIPO - Pg 1 AULA PRÁTICA SOBRE CARIÓTIPO - Pg 1 Cada célula humana possui 46 cromossomos, que são iguais dois a dois, existindo na verdade 23 pares de cromossomos. Destes 23 pares, 22 são chamados de cromossomos autossômicos

Leia mais

Toxicologia Ocupacional

Toxicologia Ocupacional Toxicologia Ocupacional Introdução ACGIH NR 15 NR 9 Versão: Dezembro de 2016 1. Introdução / Conceitos básicos Toxicologia Ciência dos venenos Não existem substâncias inofensivas. O que diferencia um remédio

Leia mais

Cartão de alerta do paciente em uso de tocilizumabe 1

Cartão de alerta do paciente em uso de tocilizumabe 1 Cartão de alerta do paciente em uso de tocilizumabe 1 Este cartão de alerta do paciente contém informações de segurança importantes das quais pacientes e seus cuidadores precisam estar cientes antes, durante

Leia mais

Título do Trabalho: Ansiedade e Depressão em Pacientes com Esclerose Múltipla em Brasília Autores: Tauil CB; Dias RM; Sousa ACJ; Valencia CEU; Campos

Título do Trabalho: Ansiedade e Depressão em Pacientes com Esclerose Múltipla em Brasília Autores: Tauil CB; Dias RM; Sousa ACJ; Valencia CEU; Campos Introdução Esclerose Múltipla (EM) é desordem crônica, autoimune e desmielinizante do sistema nervoso central 1. Áreas de desmielinização levam a incapacidade e espectro heterogêneo de evoluções. Prognóstico

Leia mais

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS

INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS INTRODUÇÃO AO LINFOMA EM GATOS Rafael Fighera Laboratório de Patologia Veterinária Hospital Veterinário Universitário Universidade Federal de Santa Maria Linfoma em gatos (sinônimos) Linfoma Século XXI

Leia mais

FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA

FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA Objetivos desta aula Discutir a abordagem da criança com dispneia na

Leia mais

SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE

SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 DEGENERESCÊNCIA

Leia mais

LITERATURA PHYTOCELLTEC - SOLAR VITIS PROTEÇÃO UV ATRAVÉS DE CÉLULAS TRONCO

LITERATURA PHYTOCELLTEC - SOLAR VITIS PROTEÇÃO UV ATRAVÉS DE CÉLULAS TRONCO PHYTOCELLTEC - SOLAR VITIS PROTEÇÃO UV ATRAVÉS DE CÉLULAS TRONCO INCI name: Vitis vinifera (Grape) Fruit Cell Extract (and) Isomalt (and) Lecithin (and) Sodium Benzoate (and) Aqua / Water. PhytoCellTec

Leia mais

Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti: dengue, chikungunya e zika. Deborah Bunn Inácio

Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti: dengue, chikungunya e zika. Deborah Bunn Inácio Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti: dengue, chikungunya e zika Deborah Bunn Inácio Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti:

Leia mais

Curso de Dermocosmética

Curso de Dermocosmética Curso de Dermocosmética Módulo 3 - Fotoproteção Formador: Pedro Miranda Pedro.jmiranda@netcabo.pt Curso de Dermocosmética Módulo 3 - Fotoproteção 1ª Sessão Formador: Pedro Miranda Índice: 1. Introdução:...

Leia mais

Úlceras de Perna. Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF.

Úlceras de Perna. Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF. ÚLCERAS DE PERNA Úlceras de Perna Definição Epidemiologia Etiologia Manifestações Clínicas Diagnóstico Diferencial Tratamento 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA 2 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA 3 2015 ENF.ª MARTA MIRANDA

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 12 - outubro/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é

Leia mais

Mutagênese... a prevenção é o espelho do índice cultural de uma nação.

Mutagênese... a prevenção é o espelho do índice cultural de uma nação. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Graduação Departamento de Biologia Mutagênese Raimundo Jr, M.Sc. Genética / BIO1240 2013/1 Considerações Gerais Objetivando uma melhor qualidade

Leia mais

Inthos BULA PACIENTE. Polypodium leucotomos MEDICAMENTO FITOTERÁPICO

Inthos BULA PACIENTE. Polypodium leucotomos MEDICAMENTO FITOTERÁPICO BULA PACIENTE Inthos Polypodium leucotomos MEDICAMENTO FITOTERÁPICO NOMENCLATURA BOTÂNICA OFICIAL: Polypodium leucotomos NOMENCLATURA POPULAR: Polypodium FAMÍLIA: Polypodiaceae PARTE DA PLANTA UTILIZADA:

Leia mais

Sessão Televoter Pneumologia Como eu trato a DPOC

Sessão Televoter Pneumologia Como eu trato a DPOC 2012 4 de Maio Sexta-feira Sessão Televoter Pneumologia Como eu trato a DPOC Agostinho Marques Definição de DPOC GOLD 2011 A DPOC, uma doença prevenível e tratável, é caracterizada por limitação persistente

Leia mais

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções:

A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: CUIDADOS COM A PELE A pele é um sistema orgânico que, quando mantida sua integridade, tem como funções: Regular a temperatura do nosso corpo; Perceber os estímulos dolorosos e agradáveis; Impedir a entrada

Leia mais

Gripe Suína. o que as pessoas estão pensando? Reação global

Gripe Suína. o que as pessoas estão pensando? Reação global Gripe Suína o que as pessoas estão pensando? Reação global A iniciativa do estudo partiu da WIN Worldwide International Network of Market Research rede da qual o IBOPE Inteligência faz parte. A WIN é uma

Leia mais

Uso de agentes anti reabsortivos no manejo da osteporose. Reflexões. Dra. Fabiana Gonzalez Dra. Priscila Faggiano

Uso de agentes anti reabsortivos no manejo da osteporose. Reflexões. Dra. Fabiana Gonzalez Dra. Priscila Faggiano Uso de agentes anti reabsortivos no manejo da osteporose Reflexões Dra. Fabiana Gonzalez Dra. Priscila Faggiano A principal classe de drogas anti reabsortivas usadas na atualidade para o tratamento da

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

DESAFIO DE IMAGEM Nathália Denise Nogueira Sales 7º semestre

DESAFIO DE IMAGEM Nathália Denise Nogueira Sales 7º semestre DESAFIO DE IMAGEM Nathália Denise Nogueira Sales 7º semestre CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: R.C.N., sexo feminino, 39 anos, com queixa de disfagia progressiva há três meses, associada com emagrecimento de

Leia mais

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária

Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Yara Furtado Professora Adjunta UFRJ/UNIRIO Chefe do Ambulatório de Patologia Cervical IG/UFRJ e HUGG Presidente ABPTGIC Capítulo RJ Secretária Adjunta ABPTGIC ASC-US e ASC-H Significado clínico Sistema

Leia mais

Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade. Silvana Kitadai Nakayama Merck

Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade. Silvana Kitadai Nakayama Merck Aspectos de Segurança e Meio Ambiente Toxicologia e Biodegradabilidade Silvana Kitadai Nakayama Merck Repelentes de Insetos IR3535 DEET Óleo de Citronela Óleo de Neem Óleo de Andiroba e outros óleos naturais

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais