1. APRESENTAÇÃO. 2.1 As definições da Lei

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. APRESENTAÇÃO. 2.1 As definições da Lei"

Transcrição

1

2 1. APRESENTAÇÃO Este é o manual da ART - Anotação de Responsabilidade Técnica, em sua primeira versão, elaborado com o propósito de auxiliar o usuário do CREA- PA. O que motivou esta edição foram as modificações introduzidas no próprio formulário da ART, replanejado para tornar seu uso mais rápido e fácil. Por isso mesmo, clareza e concisão foram diretrizes fundamentais na elaboração do texto deste Manual. A reformulação da ART e este manual tomaram como base os critérios adotados pelos CREA-SP, e outros CREAs, mas também atendeu à necessidade de agilização operacional do Conselho paraense. O CREA-PA está, assim, dando um passo à frente em termos de coletas e processamento de informações. e oferecendo sua contribuição para a melhoria dos serviços prestados em todo o País, pelo sistema CONFEA/CREAs. São várias as informações introduzidas na ART. Por exemplo, reestruturação dos blocos de informações do formulário com maior detalhamento para constituição do acervo técnico do profissional, inclusão no verso de um roteiro explicativo, em nível de campos, procedimentos e objetivos. Também foi criado a 3o via, que deverá permanecer obrigatoriamente na obra ou serviço e ser devolvida ao CREA-PA quando do término da responsabilidade do profissional na obra/serviço objeto da ART, passo este necessário para a obtenção da Certidão de Acervo Técnico-CAT. Paralelamente à implantação da nova ART, todo o setor de atendimento do CREA-PA vem sendo reestruturado e melhor aparelhado, com a aquisição de equipamentos e sistemas de informática mais sofisticados, treinamento de funcionários, replanejamento e descentralização das atividades. 2. FINALIDADES DA ART 2.1 As definições da Lei A Anotação de Responsabilidade Técnica atende ao dispositivo da Lei 6.496/77 e resoluções do CONFEA, dando melhor oportunidade aos profissionais de registrarem nos CREAs suas obras e serviços, cargos ou responsabilidade técnica do profissional. Pela lei, todo contrato escrito ou verbal para execução de obras ou prestações de quaisquer serviços profissionais referentes a engenharia, arquitetura, agronomia, geologia, meteorologia e geografia fica sujeito à ART. Assim, quando o profissional presta algum serviço -desde uma simples consulta até uma grande obra -deverá fazer previamente uma ART. Da mesma forma a ART deve ser feita para o desempenho do cargo ou função técnica. 2.2 Vantagens da ART para o profissional Currículo Oficial Através das Certidões de Acervo Técnico - CATs - o profissional poderá atestar sua bagagem profissional. Nelas estão registradas todas as atividades que desenvolveu ao longo de sua carreira. As CATs funcionam como um currículo oficial, que tem "fé pública" Garantia de mercado O Acervo Técnico, ou seja, o conjunto dos registros de ARTs é propriedade única e exclusiva do profissional pessoa física; é ele que detém o conhecimento técnico e é o cérebro da pessoa jurídica, no que concerne à tecnologia. Para que uma empresa se mantenha tecnicamente habilitada, no que diz respeito ao Acervo Técnico, é necessário que, ao substituir um profissional de seu quadro funcional por

3 outro, este possua no mínimo um histórico de Acervo Técnico idêntico ou semelhante. Só assim a empresa estará habilitada a continuar as atividades inerentes a sua área. Desse modo, a ART contribui para preservar mercado de trabalho para o profissional, valorizando a autoria e a qualificação do trabalho intelectual Aposentadoria aos 25 anos A ART e a CAT, com as datas de recolhimento e especificações corretas das atividades desenvolvidas, são documentos hábeis que poderão caracterizar a atividade profissional sob condições especiais que sejam ou venham a ser consideradas prejudiciais à saúde ou integridade física (insalubridade), enquadrando o profissional na legislação que permite a aposentadoria especial aos 25 anos de profissão. De acordo com o Decreto 357, Art. 60, 2, alínea B, que regulamenta os benefícios da Previdência Social, é necessária uma certidão de inscrição em órgão de fiscalização profissional, acompanhada de documento (CAT) que comprove o exercício da atividade Salário mínimo profissional A ART de desempenho de cargo ou função é, para os assalariados, um documento legal que poderá comprovar, junto ao Ministério do Trabalho, o cumprimento do salário mínimo profissional, por parte do empregador (Lei Federal A e art. 82 da Lei Federal 5.194/66), e também para possível aposentadoria. A ART funciona, portanto, como um instrumento de fiscalização do salário mínimo profissional Delimitação da responsabilidade profissional A ART define e caracteriza os limites da responsabilidade técnica e legal de cada profissional, em determinada atividade ou empreendimento que inclui participação de vários outros profissionais Apoio à Mútua 20% da arrecadação das ARTs destinam-se à Mútua de assistência aos profissionais da Engenharia, Arquitetura, Agronomia, braço assistêncialista do Sistema CONFEA/CREAs. Através da ART, portanto, o profissional tem acesso a mais este benefício Garantia da qualidade dos serviços prestados A ART é um importante documento de fiscalização do exercício profissional porque impede o leigo de exercer qualquer atividade nas áreas tecnológicas, garantindo ao profissional o privilégio estabelecido pela Constituição Federal, que define o livre exercício de qualquer trabalho, ofício e profissão, desde que atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelece Garantia dos Honorários Profissionais Mínimos A ART é um instrumento de fiscalização do cumprimento das Tabelas de Honorários Profissionais Mínimos, elaboradas pelas Entidades de Classe e registradas nos CREAs, de acordo com as atribuições conferidas pela Lei Federal 5.194/66, Art. 34, alínea "r" e também, no Código de Ética (Art. 5 ), coibindo a concorrência desleal. O seu cumprimento será observado pelo Departamento de Fiscalização. Quando da verificação dos dados da ART, qualquer irregularidade terá o prazo de 15 (quinze) dias para correção ou após será anulada a ART. 2.3 ART e o Código de Defesa do Consumidor Com o estabelecimento da lei Federal 8.078/90, que constitui o Código de Defesa do consumidor, consolidou-se definitivamente, através de seu Artigo 50, a proteção contratual e legal, permitindo que 3

4 os direitos básicos do consumidorcontratante sejam respeitados. A eficácia da legislação em vigor (Leis Federais 5.149/66, 6.469/77 e 8.078/90), especialmente da lei que criou a ART, é inquestionável: ela permite uma perfeita fiscalização e, conseqüentemente, a punição dos maus profissionais e empresas inscritas no CREA, potenciais fornecedores de serviços da área tecnológica, impossibilitando que prejudiquem a sociedade, pois, neste caso, poderiam ser retirados do mercado de consumo, sem prejuízo para o consumidor do ressarcimento pelos danos que porventura tenham causado. Profissionais e empresas registrados no CREA, enquanto fornecedores, estão obrigados a emitir garantias contratuais e legais ao consumidor. Com o Código de Defesa do Consumidor, tais garantias, ganharam importância relevante e deixar de fornecêlas caracteriza infração, com pena de detenção ou multa (art. 50 e 74 da Lei Federal 8.078/90-C.D.C.): No que se refere aos serviços e obras da área tecnológica, esta garantia contratual legal emitida ao consumidor pode ser a ART. 3. LEGISLAÇÂO A ART está amparada pela Lei Federal n 6.496, de 07 DEZ 1977 e pela Resolução n 307, de 28 FEV 1986, do CONFEA. O Acervo Técnico está amparado pela Resolução n 317, de 31 OUT 1986, do CONFEA. 4. OBRIGATORIEDADE Todo profissional registrado no CREA-PA é obrigado a emitir e recolher a ART sobre todas as suas obras ou serviços, desempenho de cargo ou função técnica e ainda, receituário/receita agronômica Cada ART deve corresponder a um contrato A ART deve ser recolhida apenas nas Inspetorias do Interior do Estado do Pará, deverão ser recolhidas nos bancos autorizados O CREA-PA reserva pra si o direito de analisar, e detectando irregularidades, comunicar ao contratado para ajustar os dados e valores informados e efetuar a cobrança da diferença. No caso da(s) irregularidade(s) não ser(em) corrigida(s) no prazo máximo de 15(dias), cancelar a ART Deixar de cumprir com o dever legal, no que concerne à emissão e recolhimento da ART, sujeita o infrator a processo administrativo (CREA-PA), por infração à lei 6.496/77, com conseqüente multa; 5. FORMULÁRIO Deve ser preenchido em quatro vias, conforme modelo incluído no anexo deste manual. 5.1 Destinação 1ª via Parte "A" e "B": destina-se ao CREA-PA. 2ª via Parte "A" e "B": destina-se a permanecer na obra/serviço (obrigatoriamente), para apresentação a autoridades e órgãos públicos e à fiscalização do CREA-PA. Esta via poderá ficar em poder do profissional, desde que mantida xerox na obra/serviço. Deverá ser enviada ao CREA-PA informando a baixa de responsabilidade da obra/serviço (no verso). 3ª via Parte "B": Ficha de Caixa- Banco 4

5 4ª via Parte "A" e "B": CREA-PA (Inspetoria) Verso da 1ª e 2ª vias: Instruções de preenchimento e informações. 5.2 Obtenção do formulário Deverá ser adquirida na sede do CREA-PA, em Belém, ou nas inspetorias do CREA-PA no interior do Estado, mediante preenchimento de requisição apropriada. 5.3 Preenchimento A ART deverá ser preenchida obrigatoriamente à máquina Topo a) No caso de o profissional pertencer a uma empresa, não é necessário que ele seja o responsável técnico da mesma. O nome deste campo indica o profissional efetivamente responsável somente pelo objeto do contrato; b) O profissional indicado neste campo deverá ter registro ou visto no CREA- PA, e estar com a anuidade do exercício corrente quitada. c) O mesmo profissional deverá assinar, obrigatoriamente, o campo 31 da ART. Campo 5: TÍTULO PROFISSIONAL Anote o titulo constante da Carteira de Identidade do CREA ART N º /A MICROFILMAGEM DIGITAÇÃO Contratado Campo 1: N DAART (PRÉ- IMPRESSO) Campo 2: Nº MICROFilMAGEM (USO DO CREA-PA) Campo 3: Nº DIGITAÇÃO (USO DO CREA-PA) Campo 6: TELEFONE P/ CONTATO Preencha o telefone do profissional com DDD e ramal. Campo 7: CARTEIRA/VISTO CREA-PA Preencha com o número do registro do CREA-PA, ou o número do visto do CREA-PA do profissional contratado. CONTRATADO PROFISSIONAL EMPRESA NOME COMPLETO TELEFONE P/ CONTATO NOME COMPLETO 07 CARTEIRA/VISTO CREA-PA TÍTULO PROFISSIONAL 10 REGISTRO/VISTO CREA-PA 11 C.G.C 12 TELEFONE P/ CONTATO C.P.F Profissional Campo 4: NOME DO PROFISSIONAL Preencha o nome completo (sem abreviações) do profissional que está sendo anotado. Campo 8: CPF Preencha o CPF do profissional (todos os 11 dígitos). Observações: EMPRESA 5

6 Utilize os campos 9, 10, 11 e 12 apenas no caso do contrato ser pessoa jurídica. Campo 9: NOME COMPLETO Anote a razão social da pessoa jurídica contratada para executar a obra ou Serviço. Observações: a) Não utilize nome de fantasia; b) O profissional anotado no item 04 deve ter vínculo com a empresa. Poderá ser solicitado a qualquer tempo o documento comprobatório. c) A empresa deverá ter registro ou visto no CREA-PA, e deverá estar com as anuidades dos exercícios anteriores e corrente quitadas. Campo 10: N DO REGISTRO OU VISTO NO CREA-PA Preencha o número do registro da empresa no CREA-PA, ou o número do VISTO da mesma no CREA-PA. Observações: a) No caso de empresas, o visto só tem validade para os primeiros 180 dias. Para obras/serviços mais demorados, torna-se obrigatório o registro no CREA-PA. Campo 11: C.N.P.J Preencha o C.N.P.J. da empresa contratada (14 dígitos). Campo 12: TELEFONE PARA CONTATO Telefone da empresa que vai executar a obra/serviço. 3 Classificação da ART CLASSIF 13 TIPO DE ART. 1-NORMAL 2- CO-RESPONSABILIDADE 3-OUTROS 14 CLASSIFICAÇÃO DE ART 1-SUBSTITUIÇÃO 2- INCLUSÃO 3-ALTERAÇÃO 4-COMPLEMENTAÇÃO 5- RECEITUÁRIO AGRÔNOMICO 6- CARGO OU FUNÇÃO 7- outros ÁREA DE ATUAÇÃO 17 VINCULADA À(S) ART.(S) SUB-EMPREITADA Sim Não Campo 13: TIPO DE ART 1. NORMAL: Quando não existirem outros profissionais responsáveis pelas mesmas atividades em outra ART. 6

7 2. CO-RESPONSABlLIDADE: Quando existirem outros profissionais também responsáveis pelas mesmas atividades em outra ART 3. OUTROS: Quando ocorrer casos não enquadráveis (previstos) nos itens anteriores. Campo 14: CLASSIFICAÇÃO ART 1. SUBSTITUIÇÃO -Quando um profissional substitui um outro anterior. 2. INCLUSÃO - Quando se deseja incluir um profissional em atividades já registradas em outra ART. 3. AL TE RAÇÃO - Quando se deseja alterar atividades já registradas em outra ART. 4. COMPLEMENTAÇÃO - Quando se deseja complementar dados a atividades já registradas em outra ART. 5. CARGO OU FUNÇÃO - Quando se deseja anotar nomeações designações, etc., de funções técnicas. 6. OUTROS -Quando ocorrer casos não enquadráveis nos itens anteriores. Campo 15: ÁREA DE ATUAÇÃO Preencha o código da área em que o profissional está atuando: 00 - Outros 41 - Engª de Minas 10 - Engª Civil 50 - Engª Química 11 - Engª Sanitária 51 - Alimentos 20 - Engª Elétrica 53 - Têxtil 21 - Engª Eletrônica 60 - Agrimensura 22 - Engª Telecomunicações 61 - Geografia 30 - Engª Mecânica 70 - Arquitetura 31- Engª Metalúrgica 71 - Urbanismo 32 - Engª Naval 80 - Agronomia 33 - Engª Aeronáutica 81 - Meteorologia 40 - Geologia 82 - Engª Florestal 83 - Engª Ambiental Campo 16: SUBEMPREITADA Informe um dos códigos abaixo: 1. (Sim) No caso do contratado ter relação de subcontrato com o contratante do campo 18. Neste caso o contratante não é proprietário. 2. (Não) Quando o contrato tem relação direta de contrato com o proprietário do serviço. 7

8 Campo 17: VINCULAÇÃO Preencher com o número da ART principal, nos casos de substituição alteração, inclusão ou complementação Contratante CONTRATANTE 18 NOME COMPLETO 19 9 TELEFONE P/ CONTATO Campo 18: NOME COMPLETO Preencha o nome completo do contratante, seja ela pessoa física ou Jurídica. Campo 19: TELEFONE P/CONTATO Preencha o telefone do contratante com DDD e ramal Proprietário PROPRIETÁRIO 20 NOME COMPLETO 21 9 TELEFONE P/ CONTATO Preencha apenas quando for apresentado comprovante de propriedade da obra ou serviço, ou no caso de sub-empreitada (campo 16 afirmativo) Campo 20: NOME COMPLETO Preencha o nome completo do proprietário, seja ele pessoa física ou jurídica. Campo 21: TELEFONE P/ CONTATO Preencha o telefone do contratante com DDD e ramal Objeto do Contrato 22 ENDEREÇO DO OBJETO CONTRATO (INCLUINDO BAIRRO E MUNICÍPIO) 23 NATUREZA 24 UN 25 QUANTIFICAÇÃO 26 ATIVIDADE TÉCNICA 23 NATUREZA 24 UN 25 QUANTIFICAÇÃO 26 ATIVIDADE TÉCNICA OBJETO DO CONTRATO 27 VALOR DO CONTRATO / HONORÁRIOS 30 RESUMO DO CONTRATO: DESCRIÇÃO DA E/OU SERVIÇO CONTRATADO, PRAZOS, QUANTIFICAÇÃO, CUSTOS, E OUTRAS INFORMAÇÕES. 8

9 Campo 22: ENDEREÇO DO OBJETO DO CONTRATO Preencha o endereço da obra ou serviço objeto do contrato. Inclua o bairro e município. Campo 23: NATUREZA Preencher um código por campo, conforme Tabela 2 do anexo. Campo 24: UNIDADE Preencha o código da Unidade de Medida correspondente à atividade, conforme Tabela 3 do anexo. Campo 25: QUANTIFICAÇÃO Preencha a quantificação da natureza de acordo com a unidade indicada no campo 24. Campo 26: ATIVIDADE TÉCNICA Preencha com até 3 códigos para classificar os tipos de atividades técnicas desenvolvidas para cada natureza, conforme a Tabela 1 do anexo. Campo 27: VALOR DO CONTRATO/HONORÁRIO Preencha o valor global da obra ou serviço objeto da ART, em moeda da época em que o contrato foi firmado. Campo 28: DATA DO CONTRATO Preencha obrigatoriamente a data da.celebração do contrato. Para ART do tipo "Desempenho de cargo ou função" (campo 17 do tipo 6),com a data de efetivação no Cargo ou função. Campo 29: DATA DE INÍCIO DA EXECUÇÃO Preencha com a data efetiva do inrcio da obra ou serviço. Para ART do tipo "Desempenho de cargo ou função" (campo 17 do tipo 6), preencha com a data de efetivação no Cargo ou função. Observação: A ART deve ser recolhida até esta data. Campo 30: RESUMO DO CONTRATO Preencha este campo com a descrição resumida da obra ou serviço contratado. a) Mencione, se for o caso, as condições, os prazos, as quantificações, os custos, as mais relevantes informações para Acervo Técnico, etc. 9

10 b) Utilize para as demais informações Assinaturas 31 LOCAL / DATA: PROFISSIONAL: CONTRATANTE: Campo 31: LOCAL, DATA E ASSINATURAS a) Acima da rubrica "profissional" deve assinar o responsável pela obra ou serviço mencionado no campo 04. Esta assinatura não é delegável. Observações: ART será nula de pleno direito caso não seja assinada pelo profissional citado no campo Valor a pagar 35 VALOR A PAGAR: DATA DE VENCIMENTO: / / : : TOTAL: Campo 32 E 35: VALOR DA TAXA A PAGAR Consulte o Setor de Atendimento do CREA-PA. Observações: a) A data máxima para recolhimento da ART é a data de inicio da obra ou serviço; b) Caso a data do contrato seja mais antiga que a data de recolhimento, o valor do contrato deverá ser atualizado monetariamente. Para tanto oriente-se junto ao CREA-PA. Campo 33 E 36: 36 AUTENTICAÇÃO BANCÁRIA FICHA DE CONTABILIDADE CREA Campo destinado a autenticação bancária Observações a) A autenticação deve ser efetuada na frente da 1ª,2ª,3ª e 4ª vias; b) A data e o valor registrados neste campo são referenciais para o controle e fiscalização; c) A data de autenticação deve ser associada ao N CREA-PA do profissional para qualquer contato; 10

11 d) O Banco deverá reter a 1ª e 4ª vias - partes A e B (Ficha de Contabilidade CREA/Ficha de Compensação), e a 38 Via parte B (Ficha de Caixa), devolvendo ao profissional a 2ª parte A e 3ª parte A e B. Campo 37: Para uso exclusivo do fiscal do CREA-PA, quando em visita à obra. 37 DATA DA VISITA FASE DE EXECUÇÃO ASSINATURA DO FISCAL ASSINATURA DO RESPONSÁVEL Baixa de Responsabilidade Técnica Campo 38: Baixa de Responsabilidade técnica Após o término do período de vigência de sua responsabilidade técnica pela obra/serviço objeto de uma ART, envie ao CREA-PA a 3ª via da mesma com seu verso preenchido. 38 BAIXA DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MOTIVO 1- PROJETO NÃO APROVADO: 2- OBRA/SERVIÇO CONCLUÍDO 3- TRANSFERÊNCIA A OUTRO RESPONSÁVEL TÉCNICO 4- RESCISÃO CONTRATUAL 39 ASSINATURA DO RESPONSÁVEL TÉCNICO LOCAL E DATA ASSINATURA DO CONTRATANTE OBS: ENCAMINHAR ESTA VIA AO CREA-PA QUANDO DA BAIXA DE RESPONSABILIDADE 11

12 MANUAL DE /A ART Campo 39: N DA ART (PRÉ-IMPRESSO) Campo 40: MICROFILMAGEM (USO DO CREA-PA) Campo 41: DIGITAÇÃO (USO DO CREA-PA) TABELAS 12

13 Atividades Técnicas 01 Análise 13 Desenho técnico 25 Execução de obra 37 Projeto 02 Avaliação 14 Direção de obra 26 Experimentação 38 Perícia 03 Arbitramento 15 Divulgação técnica 27 Fiscalização de obra 39 Parecer técnico 04 Assessoria 16 Estudo 28 Instalação de equipamento 40 Pesquisa ANEXOS 05 Assistência 17 Especificação 29 laudo 41 Padronização 06 Análise/Classificação 18 Estudo de viabilidade técnica 30 levantamento 42 Produção técnica e especializada TABELA 1 07 Coordenação 19 Ensino 31 Mensuração/locação 43 Serviço técnico 08 Consultoria 20 Ensaio 32 Montagem 44 Supervisão, regularização, legalização 09 Cargo e função 21 Extensão 33 Manutenção e reparo 45 Vistoria 10 Controle de qualidade 22 Elaboração de orçamentos 34 Operação 99Outras 11 Condução de trabalho técnico 23 Execução 35 Orientação técnica 12 Condução de equipe de instalação 24 Execução e instalação 36 Planejamento Tabela de natureza TABELA 2 GRUPO A1 EDIFICAÇÕES Edifícios de madeira Edifícios de madeira Para fins residenciais Edifícios de madeira Para fins comerciais Edifícios de madeira Para fins industriais Edifícios de madeira Para fins especiais Edifícios de alvenaria Para fins residenciais Edifícios de alvenaria Para fins comerciais Edifícios de alvenaria Para fins industriais Edifícios de alvenaria Para fins especiais Edifícios de alvenaria Para fins diversos Edifícios de materiais mistos e especiais Para fins residenciais Edifícios de materiais mistos e especiais Para fins comerciais Edifícios de materiais mistos e especiais Para fins industriais Edifícios de materiais mistos e especiais Para fins especiais Edifícios de materiais mistos e especiais Para fins diversos Sistemas de pré-fabricação em moradia econômica Edifícios residenciais Conjuntos Arquitetônicos Arquitetura de interiores Monumentos Paisagismo para edifícios Edifício específico Galpão Edifícios específicos Ginásio de esportes Edifício específicos Igreja Edifícios específicos Auditório, teatro ou cinema Edifícios específicos Hotel ou motel Edifício específicos Hospital Edifício específicos Decoração Serviços afins e correlatos em edificações URBANISMO Parcelamento do solo Desmembramento Parcelamento do solo Remembramento Loteamento Parcelamento do solo Assentamento urbano Parcelamento do solo Cidade nova Desenvolvimento físico -territorial Urbano Desenvolvimento físico -territorial Regional Desenvolvimento físico -territorial Setorial Infra estrutura urbanas Instalação urbanas Instalação urbanas Equipamento urbano Instalação urbanas Parques e jardins Paisagismo Serviços afins e correlatos em urbanismo ESTRUTURA E CONCRETO Estrutura de concreto armado Estrutura metálica A1001 A1002 A1003 A1004 A1005 A1006 A1007 A1008 A1009 A1010 A1011 A1012 A1013 A1014 A1015 A1016 A1017 A1018 A1019 A1020 A1021 A1022 A1023 A1024 A1025 A1026 A1027 A1028 A1099 A1101 A1102 A1103 A1104 A1105 A1106 A1107 A1108 A1109 A1110 A1111 A1112 A1199 A1201 A

14 Estrutura argamassa armada Estrutura de madeira Estrutura de concreto pré- moldado Lajes pré- fabricada Concreto usinado Pré- moldados de concreto Estrutura de material sintético Casca Painel Estrutura em arco Serviços afins e correlatos em estruturas e concretos SANEAMENTO Aquaduto ou adutora Saneamento Rede de água Rede de esgoto Emissário submarino Estação de tratamento de água Estação tratamento de esgoto Estação tratamento efluentes industriais Lagoa de estabilização Estação elevatória Estação de tratamento de lixo Limpeza urbana UI Tratamento de resíduos Barragem de concreto Barragem de terra Diques Redes de águas pluviais Galeria pluvial Tanques ou reservatórios em aço Tanques ou reservatórios em concreto armado Tanques em reservatórios em fibras sintéticas Piscinas Impermeabilização Canais Rede hidro-sanitária Serviços afins e correlatos em saneamento TRANSPORTES Rodovia Ferrovia Hidrovia Metrô Aeroporto Pavimentação asfáltica Pavimentação de concreto Pavimentação de lajotas Pavimentação de paralelepípedos Calçamento com pedras Túneis Pontes Viadutos ou elevadores de concreto Metálicos Pontes de madeira Porto Dragagem Atracadouro Oleoduto Gasoluto Retificação de rios e canais Obras submarinas Transportes rodoviário de carga Transportes rodoviário de passageiros Transportes ferroviário Transportes hidroviário Transportes marítimo Transportes aéreo Sinalização Bueiro Tráfego Trânsito A1203 A1204 A1205 A1206 A1207 A1208 A1209 A1210 A1211 A1213 A1299 A1301 A1302 A1303 A1304 A1305 A1306 A1307 A1308 A1309 A1310 A1311 A1312 A1313 A1314 A1315 A1316 A1317 A1318 A1319 A1320 A1321 A1322 A1323 A1324 A1325 A1399 A1401 A1402 A1403 A1404 A1405 A1406 A1407 A1408 A1409 A1410 A1411 A1412 A1413 A1414 A1415 A1416 A1417 A1418 A1419 A1420 A1421 A1422 A1423 A1424 A1425 A1426 A1427 A1428 A1429 A1430 A

15 Serviços afins e correlatos em transportes OBRA EM TERRA (TERRAPLANAGEM) Fundações profundas Fundações superficiais Estaqueamento Terraplenagem Drenagem Irrigação Obras de proteção de Encostas Muros de contenção Terra armada Túneis Galerias Serviços afins e correlatos em obras em terra e terraplenagem UNIDADES INDUSTRIAIS Usinas de concreto Central de britagem Exploração de pedreiras Usinas de asfalto Usinas de solos Serviços afins e correlatos em unidades Industriais SERVIÇOS GERAIS Astronomia Geodésia Aerofotogrametria Topografia Batimetria Geologia Geotécnica Sondagem Prospecção Perfurações de poços Cartografia Cubação de jazidas Meio ambiente Meteorologia Hidro- geologia Hidrologia Avaliação econômica de projetos Ensaios de solos Ensaios de matérias Obra de cunho artístico Desenho industrial Comunicação visual Acessibilidade Serviço não- relacionado SEGURANÇA NO TRABALHO EPI Equipamento de proteção individual (NR6) Riscos químicos (NR9) Riscos físicos (NR9) Atividades insalubres (NR15) Atividades perigosas (NR16) Proteção contra incêndios e catástrofre (NR23) Equipamento de segurança do trabalho Instalações de segurança do trabalho PPRA - Programa de prevenção de risco ambiental PCMAT - Plano de controle no meio ambiente do trabalho Serviços afins e correlatos de segurança do trabalho A1499 A1501 A1502 A1503 A1504 A1505 A1506 A1507 A1508 A1509 A1510 A1511 A1599 A1601 A1602 A1603 A1604 A1605 A1699 A1701 A1702 A1703 A1704 A1705 A1706 A1707 A1708 A1709 A1710 A1711 A1712 A1713 A1714 A1715 A1716 A1717 A1718 A1719 A1720 A1721 A1722 A1723 A1799 A1801 A1802 A1803 A1804 A1805 A1806 A1807 A1808 A1809 A1810 A1899 GRUPO A2 COMUNICAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Antena Antena parabólica Antena coletiva Cableagem telefônica predial A2001 A2002 A2003 A

16 Central de comunicações telex Central de telecomunicações Central telefónica privativa Circuito fechado de TV Comunicação Porteiro eletrônico/interfone Radiofusão sonora Radiofusão de sons e imagens Sistema de comunicação Sistemas de rádio para comunicações privadas Sistemas de telecomunicações Sonorização Telecomunicações Telefonia Telegrafia Televisão Tubulação para antena coletiva, parabólica ou antena para outras aplicações Rede telefônica interna Rede telefônica externa Rede externa para dutos para telefonia Tubulação telefônica residencial, predial e comercial Tubulação para porteiro eletrônico ou interfone Serviço afins correlatos em comunicações ou telecomunicações CONTROLE ELÉTRICO OU ELETRÔNICO Controle elétrico Controle eletrônico Sistema de comando Sistema de controle elétrico Sistema de controle eletrônico Sistema de proteção Sistema no break Serviços afins e correlatos em controle DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Distribuição de energia elétrica Rede de distribuição de energia elétrica Sistema de distribuição de energia elétrica Subestação de energia elétrica Serviço afins e correlatos em distribuição de energia elétrica EQUIP. ELÉTRICO OU ELETRÔNICO Alarme Aparelho elétrico ou eletrônico para fins domésticos ou pessoal Aparelho elétrico ou eletrônico para fins industriais ou comerciais Aparelho elétr. Eletrônico para fins terapêuticos, eletroquimicos ou outro uso técnico Equipamento de comun. ou telecomunicação Equipamentos elétrico Equipamento elétrico de baixa tensão Equipamento elétrico de alta tensão Equipamento elétrico para veículo Equipamento eletrônico Quadro comando Relógio sincronizado Sinalização Para- raios Serviços afins e correlatos em equipamentos elétricos ou eletrônicos GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Geração de energia elétrica Sistema de geração de energia elétrica Serviços afins e correlatos em geração de energia elétrica MÁQUINAS ELÉTRICAS Motores elétricos Transformadores Reguladores Retificadores Serviços afins e correlatos em máquinas elétricas MÁTERIAIS ELÉTRICOS OU ELETRÔNICOS Componentes elétricos Componentes eletrônicos Materiais elétricos Materiais eletrônicos Serviços afins e correlatos em materiais elétricos ou eletrônicos A2005 A2006 A2007 A2008 A2009 A2010 A2011 A2012 A2013 A2014 A2015 A2016 A2017 A2018 A2019 A2020 A2021 A2022 A2023 A2024 A2025 A2026 A2099 A2101 A2102 A2103 A2104 A2105 A2106 A2107 A2199 A2201 A2202 A2203 A2204 A2299 A2301 A2302 A2303 A2304 A2305 A2306 A23O7 A2308 A2309 A2310 A2311 A2312 A2313 A2314 A2399 A2401 A2402 A2499 A2501 A2502 A2503 A2504 A2599 A2601 A2602 A2603 A2604 A

17 MEDIÇÃO ELÉTRICA OU ELETRÔNICA Medição elétrica Medição eletrônica Sistema de medição elétrica Sistema de medição eletrônica Serviços afins e correlatos em medição elétricas ou eletrônica PROCESSAMENTO DE DADOS Equipamento Sistema Programa (software) Programa (hardware) Rede elétrica para informática Climatização Serviços afins e correlatos em processamentos de dados TRANSMISSÃO E UTILIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Linha de transmissão de energia elétrica Sistema de transmissão de energia elétnca Fator de potência Iluminação Instalação elétrica em alta tensão Para fins industriais Instalação elétrica em alta tensão Para fins residenciais/comerciais Instalação Elétrica em baixa tensão Para fins industriais Instalação Elétrica em baixa tensão Para fins residenciais/comerciais Fator de demanda Carga instalada Serviço afins de correlatos com transmissão e utilização de energia elétrica A2701 A2702 A2703 A2704 A2799 A2801 A2802 A2803 A2804 A2805 A2806 A2899 A2901 A2902 A2903 A2904 A2905 A2906 A2907 A2908 A2909 A2910 A2999 GRUPO A3 AERONÁUTICA Aeronaves e seus componentes Máquinas, motores e equipamentos Instalações industriais e mecânicas para aeronaves Infra-estrutura aeronáutica Operação, tráfego e serviços de comunicação de transporte aéreo Serviço afins e correlatos em aeronáutica MECÂNICA Instalações industriais e mecânicas Plantas de fábricas Processos mecânicos, de conformação, de usinagem Estruturas mecânicas Instalação de fluido canalizado (água, ar, vapor, gases) Instalação de GLP Instalação de vapor d água Máquinas em geral Máquinas para ind. de alimentos Máquinas para ind. de madeira Máquinas para ind de plásticos Máquinas para ind. Mobiliária Máquinas para ind. de celulose e papel Máquinas para ind. têxtil Equipamentos mecânicos e eletromecânicos Elevadores Escadas rolantes Veículos automotores Retifica de motores Regulagem de bomba injetora Sistemas de produção, transmissão e utilização de calor Gerador de vapor (caldeiras) Vasos (recipientes) sob pressão Extintores- ensaio hidrostático Aquecedor solar Gaseificador Sistema de refrigeração e ar condicionado Ar condicionado Câmaras frigoríficas Serviços afins e correlatos em mecânica NAVAL Embarcação e seus componentes Máquinas e motores marítimos A3001 A3002 A3003 A3004 A3005 A3099 A3101 A3102 A3103 A3104 A3105 A3106 A3107 A3108 A3109 A3110 A3111 A3112 A3113 A3114 A3115 A3116 A3117 A3118 A3119 A3120 A3121 A3122 A3123 A3124 A3125 A3126 A3127 A3128 A3129 A3199 A3201 A

18 Equipamentos para embarcações Instalações industriais e mecânicas Diques e porta-batéis Tráfego e serviços de comunicação de transportes hiviários Serviços afins e correlatos na área naval TÊXTIL Indústria têxtil Produtos têxteis Serviços afins e correlatos em área têxtil METALURGIA Processos metalúrgicos Instalação destinada à ind. metalúrgica Equipamentos destinados à ind.metalúrgica Beneficiamento de minérios Produtos metalúrgicos Serviços afins e correlatos em metalurgia A3203 A3204 A3205 A3206 A3299 A3301 A3302 A3399 A3401 A3402 A3403 A3404 A3405 A3499 GRUPO A4 MINERAÇÃO/GEOLOGIA Plano de pesquisa mineral Relatório de pesquisa mineral Licenciamento Mineral Lavra de Minas Plano de aproveitamento econômico de jazida Relatório anual de lavra Beneficiamento de minérios Abertura de vias subterrâneas Captação de águas subterrâneas Plano de Lavra Garimpeira PLG Serviços afins e correlatos em Mineração e Geologia A4001 A4002 A4003 A4004 A4005 A4006 A4007 A4008 A4009 A4010 A4099 Jazidas petrolíferas Transportes de petróleo Industrialização de petróleo Serviço afins e correlatos em petróleo PETRÓLEO A4101 A4102 A4103 A4199 GRUPO A5 TIPO MINERAÇÃO/GEOLOGIA Indústria de produtos de minerais não metálicos Indústria de papel, papelão e celulose Indústria de borracha Indústria de couro, peles e assemelhados Indústria química Indústria de perfumaria, sabões e velas Indústria de produtos de matérias plásticas Indústria de produtos alimentares Indústria de bebidas Indústria do fumo Refino do petróleo e destilação de álcool Indústria de calçados Serviços afins e correlatos A5001 A5002 A5003 A5004 A5005 A5006 A5008 A5009 A5010 A5011 A5012 A5013 A5099 GRUPO A6 MEIO AMBIENTE Elaboração de EIA/RIMA Plano de recuperação de área degradada PCA - Plano de controle ambiental PEA - Projeto de Engenharia Ambiental Afins e correlatos em Meio Ambiente A6001 A6002 A6003 A6004 A

19 GRUPO C1 TIPO Agroindústria Agrometeorologia Agropecuária Agrostologia Alimentos Ambientes estuárinos Apicultura Aquicultura Avicultura Beneficiamento e classificação dos produtos vegetais Beneficiamento do pescado Beneficiamento dos produtos animais Biometria Bovinocultura do corte Bovinocultura do leite Bromatologia Bubalinocultura Capineiras Caprinocultura Climatologia Conservação dos produtos animais Conservação do produtos vegetais Conservação dos recursos naturais renováveis Conservação e tecnlogia de sementes Construções para fins florestais e suas instalações complementares Contruçâo para fins rurais e suas instalações complementares Controle e erosão Controle e poluição dos recursos naturais Corretivos Crédito rural Crédito rural para fins florestais Criações de camarões Cultura da soja Cultura da batata Cultura da cana de açúcar Cultura da mandioca Cultura de riqueza biológica dos mares Cultura do alho Cultura do arroz de sequeiro Cultura do arroz irrigado Cultura do feijão Cultura do fumo Cultura do milho Cultura do tomate Cultura do trigo Cunicultura Cursos d'água Defensivos agrícolas Defesa sanitária florestal Defesa sanitária vegetal/fitossanidade Drenagem de solos Ecologia Economia rural Economia rural para fins florestais C1001 C1002 C1003 C1004 C1005 C1006 C1007 C1008 C1009 C1010 C1011 C1012 C1013 C1014 C1015 C1016 C1017 C1018 C1019 C1020 C1021 C1022 C1023 C1024 C1025 C1026 C1027 C1028 C1029 C1030 C1031 C1032 C1033 C1034 C1035 C1036 C1037 C1038 C1039 C1040 C1041 C1042 C1043 C1044 C1045 C1046 C1047 C1048 C1049 C1050 C1051 C1052 C1053 C

20 Edafologia Enleivamento Ensilagem Expurgo Extração vegetal Fenação Fertilizantes Floricultura Forragicultura Fruticultura temperada Fruticultura tropical Hidráulica agrícola Implementos agrícolas Implementos florestais Informática agrícola Inventário florestal Irrigação Jardins Lagos Levantamento florestal Loteamentos para fins rurais Manejo florestal Mecanização na floresta Mecanização rural Melhoramento animal Melhoramento florestal Melhoramento vegetal Microbiologia agrícola Nutrição animal Olericultura Ordenamento florestal Outras atividades da pecuária Outras culturas perenes Outras culturas temporárias Ovinocultura Parques Pastagens Pesca Piscicultura Plasticultura Produção de fertilizantes orgânicos Produção de mudas Produção de plantas medicinais Produção de sementes Produtos florestais - sua industrialização Produtos florestais - sua tecnologia Pulverização aérea Química agrícola Rações e nutrição animal Ranicultura Receituário agronômico Recursos naturais agricólas Recursos naturais renovàveis Reflorestamento Saneamento agrícola Sericultura C1055 C1056 C1057 C1058 C1059 C1060 C1061 C1062 C1063 C1064 C1065 C1066 C1067 C1068 C1069 C1070 C1071 C1072 C1073 C1074 C1075 C1076 C1077 C1078 C1079 C1080 C1081 C1082 C1083 C1084 C1085 C1086 C1087 C1088 C1089 C1090 C1091 C1092 C1093 C1094 C1095 C1096 C1097 C1098 C1099 C1100 C1101 C1102 C1103 C1104 C1105 C1106 C1107 C1108 C1109 C

Governo do Estado do Pará Corpo de Bombeiros Militar do Pará Centro de Atividades Técnicas CAT/CBMPA

Governo do Estado do Pará Corpo de Bombeiros Militar do Pará Centro de Atividades Técnicas CAT/CBMPA Governo do Estado do Pará Corpo de Bombeiros Militar do Pará Centro de Atividades Técnicas CAT/CBMPA Especificações necessárias para o preenchimento da ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) ou RRT

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

2. FINALIDADES DA ART 1. APRESENTAÇÃO

2. FINALIDADES DA ART 1. APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO Este é o manual da ART - Anotação de Responsabilidade Técnica, em sua primeira versão, elaborado com o propósito de auxiliar o usuário do CREA- PA. O que motivou esta edição foram as modificações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO PARÁ - CREA-PA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO PARÁ - CREA-PA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E DO PARÁ - CREA-PA Relação entre os serviços da ART utilizado no antigo sitema e os serviços do Sistema Atual (serviços mais utilizados) Grupo Sistema

Leia mais

Descrição dos Serviços - Grupo A Edificações

Descrição dos Serviços - Grupo A Edificações CÓDIGOS PARA CLASSIFICAÇÃO Códigos A0101 A0102 A0103 A0104 A0105 A0106 A0107 A0108 A0109 A0110 A0111 A0112 A0113 A0114 A0115 A0116 A0117 A0118 A0119 A0120 A0121 A0122 A0123 A0124 A0125 A0126 A0127 A0128

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 497, DE 25 DE AGOSTO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 497, DE 25 DE AGOSTO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 497, 25 AGOSTO 2006 Fixa os valores de registro de ART e dá outras providências. O CONSELHO FERAL ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe confere a alínea

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 502, DE 21 DE SETEMBRO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº 502, DE 21 DE SETEMBRO DE 2007 RESOLUÇÃO Nº 502, DE 21 DE SETEMBRO DE 2007 Fixa os valores de registro de ART e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Resposta: 2 - Favor observar o item 24.6.4.7 do Projeto Básico (Grupo I e II - Desempenho Profissional e Desempenho das Atividades)

Resposta: 2 - Favor observar o item 24.6.4.7 do Projeto Básico (Grupo I e II - Desempenho Profissional e Desempenho das Atividades) : Solicitamos da comissão de licitação da ICMBio, os seguintes esclarecimentos: 1 De acordo com edital capitulo da proposta de preços item 36/38, estabelece que nos preços estejam inclusos despesas como

Leia mais

NÍVEIS OBJETO/ATIVIDADE TÉCNICA. ENTENDIMENTO Está relacionado com a atuação do profissional, completando o descrito no Objeto/Atividade Técnica.

NÍVEIS OBJETO/ATIVIDADE TÉCNICA. ENTENDIMENTO Está relacionado com a atuação do profissional, completando o descrito no Objeto/Atividade Técnica. OBJETO/ATIVIDADE TÉCNICA NÍVEIS ANALISE 45 LEVANTAMENTO 23 ANTE-PROJETO 86 LOCAÇÃO 27 ARBITRAMENTO 17 MANUTENÇÃO 58 ASSISTÊNCIA TÉCNICA 85 MENSURAÇÃO 51 AVALIAÇÃO 16 MONTAGEM 55 CARGO OU FUNÇÃO 00 OPERAÇÃO

Leia mais

1º A taxa de ART referente à execução incide sobre o valor do custo da obra.

1º A taxa de ART referente à execução incide sobre o valor do custo da obra. ATO NORMATIVO Nº. 34/09 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea-ES, para o exercício de 2010 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005

ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005 ATO NORMATIVO Nº 57 / 2005 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea-ES, para o exercício de 2006 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL

CREA-RS. Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL CREA-RS Integrando Profissionais e Sociedade CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL INSPEÇÃO TÉCNICA DE SEGURANÇA VEICULAR O QUE FISCALIZAR ONDE FISCALIZAR PARÂMETRO LEGISLAÇÃO Inspeção Empresas

Leia mais

CREA- São Paulo. PRESIDENTE (em exercício): ENG. AGR. ÂNGELO PETTO NETO

CREA- São Paulo. PRESIDENTE (em exercício): ENG. AGR. ÂNGELO PETTO NETO CREA- São Paulo PRESIDENTE (em exercício): ENG. AGR. ÂNGELO PETTO NETO LEGISLAÇÃO E EXERCÍCIO PROFISSIONAL Câmara Especializada de Agronomia CREA/SP Eng. Agr. Daniel Antonio Salati Marcondes ( CEA (Coordenador

Leia mais

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria;

CATEGORIAS E GRUPOS PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE. 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; CATEGORIAS E PARA ENQUADRAMENTO IMPORTANTE 1.- Para cada x assinalado, enviar no mínimo 02 (dois) atestados de cada categoria; 2.- Os atestados deverão: 2.1.- Ser apresentados rigorosamente de acordo com

Leia mais

O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem. Manual do Síndico

O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem. Manual do Síndico O bom síndico deixa seu condominio sempre em ordem Manual do Síndico O que é o CREA-RO? O C o n s e l h o R e g i o n a l d e E n g e n h a r i a e Agronomia do Estado de Rondônia - CREA- RO é uma autarquia

Leia mais

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA

LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ENGENHARIA ELÉTRICA TÓPICOS INSTRUMENTOS LEGAIS APLICÁVEIS LEGISLAÇÃO: CONSTITUIÇÃO FEDERAL, LEIS, DECRETOS e RESOLUÇÕES FORMAÇÃO E ATRIBUIÇÃO PROFISSIONAL DELIBERAÇÕES NORMATIVAS

Leia mais

Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Ceará Crea-CE. Manual de preenchimento ART Resolução Nº. 425 Lei 6.496

Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Ceará Crea-CE. Manual de preenchimento ART Resolução Nº. 425 Lei 6.496 Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Ceará Crea-CE. Manual de preenchimento ART Resolução Nº. 425 Lei 6.496 Coordenadoria de Tecnologia da Informação - CTI 2009 ÍNDICE INFORMAÇÕES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO NORTE MANUAL DE ART

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO NORTE MANUAL DE ART SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO NORTE MANUAL DE ART OBJETO/ATIVIDADE TÉCNICA (TABELA 01) ASSESSORIA 92 ANALISE 45 LEVANTAMENTO 23 ANTE-PROJETO

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA ART - ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA -

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA ART - ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - MANUAL DE PREENCHIMENTO DA ART - ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - 1 DIRETORIA DO CREA/TO Presidente: Engº Agrônomo ROGERIO CESAR DE VASCONCELOS 1 Vice Presidente Eng Eletr. LUIZ CLAUDIO WERNER 2

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Meio Ambiente Anexo I a que se refere o Art. 2º, da Resolução do COEMA nº 107, de 08 de março de 2013. TIPOLOGIA SUB-TIPOLOGIA CONDIÇÃO ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições

RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições RESOLUÇÃO Confea 313 - Atribuições Dispõe sobre o exercício profissional dos Tecnólogos das áreas submetidas à regulamentação e fiscalização instituídas pela Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966, e dá outras providências.

Leia mais

ÍNDICE. Obra ou Serviço... 4 Desempenho de Cargo e Função... 13 Múltipla - Obra ou Serviço de Rotina... 20 Múltipla - Receituário Agronômico...

ÍNDICE. Obra ou Serviço... 4 Desempenho de Cargo e Função... 13 Múltipla - Obra ou Serviço de Rotina... 20 Múltipla - Receituário Agronômico... ART+FÁCIL 1 CREA-SP 2 ÍNDICE Obra ou Serviço... 4 Desempenho de Cargo e Função... 13 Múltipla - Obra ou Serviço de Rotina... 20 Múltipla - Receituário Agronômico... 27 CREA-SP MANUAL DE PREENCHIMENTO DA

Leia mais

A empresa Expernet Telemática Ltda., solicita os seguintes esclarecimentos: O subitem 2.3 Documentos Relativos à Qualificação Técnica alínea b) exige:

A empresa Expernet Telemática Ltda., solicita os seguintes esclarecimentos: O subitem 2.3 Documentos Relativos à Qualificação Técnica alínea b) exige: COP-148/2009 Processo nº 000578-14.89/09-2 Assunto: Esclarecimento A empresa Expernet Telemática Ltda., solicita os seguintes esclarecimentos: Questionamento 1. O subitem 2.3 Documentos Relativos à Qualificação

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2005

RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2005 RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE AGOSTO DE 2005 Fixa os valores de registro de ART e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA Confea, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

INDICATIVO DAS ÁREAS DE COMPETÊNCIAS DE ENGENHEIROS, AGRÔNOMOS, ARQUITETOS, GEÓLOGOS, METEOROLOGISTAS E GEÓGRAFOS COM ÊNFASE

INDICATIVO DAS ÁREAS DE COMPETÊNCIAS DE ENGENHEIROS, AGRÔNOMOS, ARQUITETOS, GEÓLOGOS, METEOROLOGISTAS E GEÓGRAFOS COM ÊNFASE INDICATIVO DAS ÁREAS DE COMPETÊNCIAS DE ENGENHEIROS, AGRÔNOMOS, ARQUITETOS, GEÓLOGOS, METEOROLOGISTAS E GEÓGRAFOS COM ÊNFASE EM PERÍCIAS, AVALIAÇÕES E AUDITORIAS, COM BASE NA LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL VIGENTE

Leia mais

PORTARIA Nº 9, DE 29 DE JUNHO DE 2006

PORTARIA Nº 9, DE 29 DE JUNHO DE 2006 PORTARIA Nº 9, DE 29 DE JUNHO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de sua competência e em conformidade com o estabelecido no 1o- do art 10, da Lei no- 11.091, de 12 de janeiro de 2005, resolve:

Leia mais

Desoneração da Folha de Pagamentos

Desoneração da Folha de Pagamentos Desoneração da Folha de Pagamentos Legislação Constituição Federal Art. 195, 12 e 13 Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991 Art. 22, inciso I e III Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011 Como isso funciona

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional Missão do Curso A função primordial do Engenheiro Agrônomo consiste em promover a integração do homem com a terra através da planta e do animal, com empreendimentos de interesse social e humano, no trato

Leia mais

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Agricultura Sustentável Agrimensura Agroecologia Agroindústria Agroindústria - Alimentos Agroindústria - Madeira Agronegócio

Leia mais

Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal

Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal Anexo C Cursos de capacitação que não sejam de educação formal Para todos os ambientes organizacionais para todos os servidores, independentemente do ambiente organizacional: Administração pública Estado,

Leia mais

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER

CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER CARTILHA CAU/RS 2014 INSTRUÇÕES PARA ARQUITETURA DE INTERIORES SHOPPING CENTER APRESENTAÇÃO O CAU/RS Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul, na qualidade de Autarquia Federal deve na

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Fl. 1 de 5 CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA ARQUITETURA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL NORMA DE FISCALIZAÇÃO DA CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA ELÉTRICA Nº 002, DE 26 DE AGOSTO DE 2011. Dispõe sobre

Leia mais

CATÁLOGO AUXILIAR DOCENTE

CATÁLOGO AUXILIAR DOCENTE CATÁLOGO DE AUXILIAR DOCENTE Atualizado em Novembro/2015 RELAÇÃO DE REQUISITOS MÍNIMOS PARA INGRESSO NO EMPREGO PÚBLICO PERMANENTE DE AUXILIAR DOCENTE I Este documento tem por finalidade apresentar os

Leia mais

Manual do Síndico. Síndico bom é aquele que mantém o seu condomínio sempre em ordem.

Manual do Síndico. Síndico bom é aquele que mantém o seu condomínio sempre em ordem. Manual do Síndico Síndico bom é aquele que mantém o seu condomínio sempre em ordem. Conheça o papel do Crea Ao fiscalizar o exercício profissional da Engenharia, Arquitetura, Agronomia, Geologia, Geografia,

Leia mais

I Seminário de Licitações e Contratos Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes DNIT

I Seminário de Licitações e Contratos Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes DNIT I Seminário de Licitações e Contratos Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes DNIT -ATESTAÇÃO TÉCNICA - Palestrante: Engenheiro Civil Reinaldo Teixeira Vieira - CONFEA - O Conselho Federal

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral Contribuinte, Confira os dados de Identificação da Pessoa Jurídica e, se houver qualquer divergência, providencie junto à RFB a sua atualização cadastral.

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro

TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro TABELA DAS ATIVIDADES SUJEITA A DESONERAÇÃO (Antes da MP 612/2013) - Elaborada por Daniel Pinheiro Prestação de Serviços e Comércio varejista Início Atividade de indústria Início TI e TIC exclusivamente:

Leia mais

NORMA nº 02/2011 - CEGM

NORMA nº 02/2011 - CEGM NORMA nº 02/2011 - CEGM Dispõe sobre a fiscalização e regularização das atividades de planejamento, pesquisa, locação, perfuração, ensaios, limpeza e manutenção de poços tubulares para captação de água

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR CURSOS DE GRADUAÇÃO

ESTRUTURA CURRICULAR CURSOS DE GRADUAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PERÍODO DISCIPLINAS C.H. 1º Antropologia e Sociologia 60 Língua Portuguesa 60 Matemática Básica 60 Metodologia Científica 60 TGA I 60 2º Ciências da Religião 60 Instituições do Direito Público

Leia mais

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005

Dados gerais referentes às empresas do setor industrial, por grupo de atividades - 2005 Total... 147 358 6 443 364 1 255 903 923 1 233 256 750 157 359 927 105 804 733 1 192 717 909 681 401 937 511 315 972 C Indústrias extrativas... 3 019 126 018 38 315 470 32 463 760 4 145 236 2 657 977 35

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA A VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA A VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA A VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL BRASÍLIA 2015 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO... 3 II. MISSÃO INSTITUCIONAL DO SISTEMA CONFEA/CREA... 3 III. PERFIL DAS MODALIDADES PROFISSIONAIS

Leia mais

PROGRESSÃO POR CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS

PROGRESSÃO POR CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS PROGRESSÃO POR CAPACTAÇÃO DOS SERVDORES TÉCNCOS-ADMNSTRATVOS O que é É a progressão que consiste na mudança de nível de capacitação dos servidores que obtiverem certificados de capacitação profissional

Leia mais

AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011

AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011 AUXILIAR DOCENTE Atualizado em maio/2011 RELAÇÃO DE REQUISITOS MÍNIMOS PARA INGRESSO NO EMPREGO PÚBLICO PERMANENTE DE AUXILIAR DOCENTE I Este documento tem por finalidade apresentar os requisitos de titulação

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA

DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA 06/ 05/ INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO º SEMESTRE 05 ANEXO II EDITAL Nº 8/05 DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS PARA PROFESSOR E FORMAÇÃO NECESSÁRIA Técnico em Redes de Computadores

Leia mais

CONSULTORIA AMBIENTAL E CONSTRUÇÃO CIVIL

CONSULTORIA AMBIENTAL E CONSTRUÇÃO CIVIL CONSULTORIA AMBIENTAL E CONSTRUÇÃO CIVIL A EMPRESA A PROXXAMBIENTAL atua no ramo de meio ambiente oferecendo soluções para os problemas ambientais de sua empresa, buscando o desenvolvimento sustentável.

Leia mais

ANEXO II (Instrução Normativa IBAMA n. 10, de 27.05.13) ENQUADRAMENTO DE ATIVIDADE DE PESSOA FÍSICA. Legenda

ANEXO II (Instrução Normativa IBAMA n. 10, de 27.05.13) ENQUADRAMENTO DE ATIVIDADE DE PESSOA FÍSICA. Legenda NEXO II (Instrução Normativa IBM n. 10, de 27.05.13) ENQUDRMENTO DE TIVIDDE DE PESSO FÍSIC Legenda ID B Tipo de documento de identificação exigido Documento de identificação oficial emitido por Conselho

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE - SEA INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 25 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2010 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA REQUERIMENTO DAS LICENÇAS

Leia mais

ART ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MANUAL DE PROCEDIMENTOS. REVISÃO I julho de 2013. Página 1 de 38

ART ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MANUAL DE PROCEDIMENTOS. REVISÃO I julho de 2013. Página 1 de 38 ART ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MANUAL DE PROCEDIMENTOS REVISÃO I julho de 2013 Página 1 de 38 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART 1. PREENCHIMENTO E INFORMAÇÕES

Leia mais

URBES TRÂNSITO E TRANSPORTES

URBES TRÂNSITO E TRANSPORTES CADASTRO DE FORNECEDORES RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA CADASTRAMENTO NESTA EMPRESA PÚBLICA, CONFORME ARTIGOS 27 A 31 DA LEI FEDERAL 8.666/93 E SUAS ALTERAÇÕES, EM ATENDIMENTO AO ARTIGO 35 DA REFERIDA

Leia mais

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033.

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033. CRIAÇÃO DO IPAAM O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas IPAAM foi criado no dia 11/03/1996, através do Decreto Estadual Nº 17.033. É vinculado diretamente a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento

Leia mais

PRÉ - REQUISITOS PARA ABERTURA DE PROCESSOS DOCUMENTOS GERAIS

PRÉ - REQUISITOS PARA ABERTURA DE PROCESSOS DOCUMENTOS GERAIS PESSOA FÍSICA PRÉ - REQUISITOS PARA ABERTURA DE PROCESSOS - Requerimento (modelo Secretaria) - RG e CPF (cópia) - Telefone para contato DOCUMENTOS GERAIS - Documento da Propriedade (Título Definitivo,

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO A SER APRESENTADA PARA EMISSÃO DE CERTIDÃO DE ACERVO TÉCNICO:

DOCUMENTAÇÃO A SER APRESENTADA PARA EMISSÃO DE CERTIDÃO DE ACERVO TÉCNICO: O QUE É ACERVO TÉCNICO? O Acervo Técnico é o conjunto das atividades desenvolvidas ao longo da vida do profissional, compatíveis com suas atribuições desde que registradas no Crea-ES por meio de ARTS -Anotações

Leia mais

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ

ANEXO I QUADRO DAS ÁREAS DE ESTUDO. Lotação 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ 01 MARACANAÚ Código/Área de Estudo. Desenho Técnico, Desenho Assistido por Computador (CAD), Informática 02. Materiais para Construção Mecânica, Corrosão e Tribologia 03. Termodinâmica, Refrigeração, Transferência

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS SUBPROJETOS

CLASSIFICAÇÃO DOS SUBPROJETOS Infraestrutura Obras Civis Abastecimento D água Singelo ADS Infraestrutura Obras Civis Abastecimento D água Completo ADC Infraestrutura Obras Civis Adequação de Abastecimento D água AAD Açude Adutora Caixa

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PLANTAÇÃO/VEGETAÇÃO NATIVA IBAMA, 2014 Guia de Preenchimento

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

REQUERIMENTO DE PROGRESSÃO POR CAPACITAÇÃO

REQUERIMENTO DE PROGRESSÃO POR CAPACITAÇÃO P. 1/2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul 1. DADOS DO SERVIDOR Data do ingresso / / Nome

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO 1 MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO Boletim de Serviço - Ano XIII - nº 06 - junho de 2007 S U M Á R I O Atos do Procurador Geral da República...01 Escola Superior do Ministério Público da União...68 Secretaria

Leia mais

Áreas do Conhecimento - Engenharias

Áreas do Conhecimento - Engenharias Áreas do Conhecimento - Engenharias Engenharias Engenharia Civil Construção Civil Materiais e Componentes de Construção Processos Construtivos Instalações Prediais Estruturas Estruturas de Concreto Estruturas

Leia mais

NR-13 Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações. O Papel do Engenheiro Mecânico

NR-13 Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações. O Papel do Engenheiro Mecânico NR-13 Caldeiras, Vasos de Pressão e Tubulações 24 de julho de 2014 ABEMEC-RS Eng Mec. Milton Mentz julho 2014 1 Responsabilidade do Profissional Habilitado x Responsabilidade do Empregador: julho 2014

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos

Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos TABELA PRÁTICA DE RETENÇÃO DE INSS DOS OPTANTES DO SIMPLES NACIONAL NAS ATIVIDADES DE CONSTRUÇÃO CIVIL Autor: Alexandre Marques Andrade Lemos Atualizada até 20 de outubro de 2014 (É proibida a reprodução

Leia mais

2.4.0 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E SERVIÇOS RELACIONADOS

2.4.0 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E SERVIÇOS RELACIONADOS Listagem Categorias Criticas Portugal Esta é a listagem de categorias de produto/serviço consideradas criticas pelas empresas que compõem a omunidade RePro em Portugal. Caso tenha inscrito ou pretenda

Leia mais

GEOLOGIA Geologia Básica Hidrogeologia Assessoria, Consultoria e Laudos

GEOLOGIA Geologia Básica Hidrogeologia Assessoria, Consultoria e Laudos GEOLOGIA Geologia Básica Mapeamento Geológico e Estrutural Sensoriamento Remoto, Aerogeofísica e Imagem de Satélite Descrições Microscópicas em Luz Transmitida e Refletida Acompanhamento e Interpretação

Leia mais

ART ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MANUAL DE PROCEDIMENTOS. REVISÃO Novembro de 2009. Página 1 de 36

ART ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MANUAL DE PROCEDIMENTOS. REVISÃO Novembro de 2009. Página 1 de 36 ART ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MANUAL DE PROCEDIMENTOS REVISÃO Novembro de 2009 Página 1 de 36 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART 1. PREENCHIMENTO E INFORMAÇÕES

Leia mais

Serviços Relacionados à ART

Serviços Relacionados à ART Serviços Relacionados à ART Documentos obrigatórios para: BAIXA DE ART POR CONCLUSÃO DE OBRA OU SERVIÇO - Requerimento para baixa da ART assinado pelo profissional, caso a ART não esteja baixada de forma

Leia mais

PORTFÓLIO INFORMAÇÕES E CADASTRO EMPRESARIAL

PORTFÓLIO INFORMAÇÕES E CADASTRO EMPRESARIAL INFORMAÇÕES E CADASTRO EMPRESARIAL PORTFÓLIO SOUZA NETO ENGENHARIA E PLANEJAMENTO LTDA Av. Gov. Agamenon Magalhães, 2615 - Emp. Burle Marx 9º Andar - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50.050-290 Tel: (81)

Leia mais

SISTEMAS PROFISSIONAIS

SISTEMAS PROFISSIONAIS SISTEMAS PROFISSIONAIS Prof. Dr. Eng. Mec. Amarildo Tabone Paschoalini Docente Departamento de Engenharia Mecânica UNESP Ilha Solteira Coordenador da Câmara Especializada de Eng. Mecânica e Metalúrgica

Leia mais

Manual de Fiscalização. Câmara Especializada de Engenharia Mecânica e Metalúrgica CEEMM

Manual de Fiscalização. Câmara Especializada de Engenharia Mecânica e Metalúrgica CEEMM Manual de Fiscalização Câmara Especializada de Engenharia Mecânica e Metalúrgica CEEMM 2011 Conselho Regional de Engenharia Arquitetura e Agronomia do Estado de São Paulo APRESENTAÇÃO DO MANUAL DE FISCALIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº. 001/2014 - CONCURSO PÚBLICO ANEXO IV DOS CARGOS, QUALIFICAÇÃO E REQUISITOS

EDITAL Nº. 001/2014 - CONCURSO PÚBLICO ANEXO IV DOS CARGOS, QUALIFICAÇÃO E REQUISITOS EDITAL Nº. 001/2014 - CONCURSO PÚBLICO ANEXO IV DOS CARGOS, QUALIFICAÇÃO E REQUISITOS ENSINO 2º GRAU: ASSISTENTE ADMINISTRATIVO Requisito: Ensino médio completo (2º grau) Descrição Sumária de Atividades:

Leia mais

1º Para aplicação da Tabela I, será considerado o valor da obra, no caso de atividade de execução e o valor dos serviços para as demais atividades.

1º Para aplicação da Tabela I, será considerado o valor da obra, no caso de atividade de execução e o valor dos serviços para as demais atividades. ATO NORMATIVO Nº 55/03 Dispõe sobre os valores das taxas de registro de ART devidas ao Crea ES, para o exercício de 2004 e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA

Leia mais

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES

RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES RETENÇÃO PREVIDENCIÁRIA SOBRE CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA DRA. VALÉRIA DE SOUZA TELLES CONCEITOS CESSÃO DE MÃO-DE-OBRA Colocação à disposição da contratante Em suas dependências ou nas de terceiros indicadas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS EDITAL Nº 073, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011 RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 068/2011 DO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS

Leia mais

ART ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MANUAL DE PROCEDIMENTOS. REVISÃO Agosto de 2010. Página 1 de 35

ART ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MANUAL DE PROCEDIMENTOS. REVISÃO Agosto de 2010. Página 1 de 35 ART ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA MANUAL DE PROCEDIMENTOS REVISÃO Agosto de 2010 Página 1 de 35 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA - ART 1. PREENCHIMENTO E INFORMAÇÕES

Leia mais

Formulário de Resíduos Sólidos

Formulário de Resíduos Sólidos Quem deve preencher este formulário? Geradores de resíduos sólidos, perigosos ou não, que realizem atividades relacionadas no Anexo I da Instrução Normativa Ibama nº 13/12, disponível no link abaixo (também

Leia mais

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013 Edição n 1165

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013 Edição n 1165 ANEXO ÚNICO DA LEI MUNICIPAL Nº 1.501 DE 16 DE OUTUBRO DE 2013 3011-3/01 Construção de embarcações de grande porte 3311- Manutenção e reparação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras, 2/00 exceto

Leia mais

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico

Manual da Construção. Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico Manual da Construção Secretaria Municipal de Planejamento e Desenvolvimento Econômico APRESENTAÇÃO A presente cartilha é uma contribuição da Prefeitura Municipal de Viana, através da Secretaria de Planejamento

Leia mais

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto

Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares. Check-List. Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Relação de Documentos necessários para Aprovação de Projetos Particulares Check-List Gerência de Serviços Técnicos - Departamento de Projeto Diretoria de Serviços Operacionais 1. RESUMO Relação de documentos

Leia mais

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA DISA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário,

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Data: Janeiro 2015. Este catálogo é especifico para serviços da área ambiental da empresa

CATÁLOGO DE SERVIÇOS. Data: Janeiro 2015. Este catálogo é especifico para serviços da área ambiental da empresa ME THODOS CONSU LTORIA AGRONÔMICA & AMBIENTAL CATÁLOGO DE SERVIÇOS Data: Janeiro 2015 Este catálogo é especifico para serviços da área ambiental da empresa Outorga de Recurso Hídrico Licenciamento Ambiental

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

ATIVIDADES DE MINERAÇÃO. A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa.

ATIVIDADES DE MINERAÇÃO. A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa. IN-08 ATIVIDADES DE MINERAÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS: A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa. Sempre que julgar necessário a FMMA solicitará

Leia mais

ATIVIDADES PERMITIDAS EM ESCRITÓRIO VIRTUAL

ATIVIDADES PERMITIDAS EM ESCRITÓRIO VIRTUAL 3011-3/01 Construção de embarcações de grande porte 3250-7/06 Serviços de prótese dentária 3311-2/00 Manutenção e reparação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras, exceto para veículos 3312-1/01

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA PORTARIA Nº 20, DE 27 DE JUNHO DE 2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA PORTARIA Nº 20, DE 27 DE JUNHO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA PORTARIA Nº 20, DE 27 DE JUNHO DE 2013 O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO, no uso das

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso I MÓDULO I TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso Habilitar e qualificar profissionais para desenvolver atividades de projeto, especificação, instalação, montagem e manutenção de sistemas eletromecânicos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO E DIMENSIONAMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Eduardo Pereira Nunes Elisio Contini Apresentação à Diretoria da ABAG 13 de setembro de 2000 - São Paulo O PROBLEMA Controvérsias sobre contribuição

Leia mais

Custos Totais de Implantação do Empreendimento PLANILHA 01 AEROPORTO

Custos Totais de Implantação do Empreendimento PLANILHA 01 AEROPORTO Custos Totais de Implantação do PLANILHA 01 AEROPORTO 1. Custo de aquisição do terreno, reassentamentos (com toda infraestrutura) e outras ações de caráter indenizatório. 2. Estudos ambientais 3. Projetos

Leia mais

COORDENADORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL E DE PROTEÇÃO DE RECURSOS NATURAIS PORTARIA CPRN N. 4, DE 05.03.2003

COORDENADORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL E DE PROTEÇÃO DE RECURSOS NATURAIS PORTARIA CPRN N. 4, DE 05.03.2003 COORDENADORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL E DE PROTEÇÃO DE RECURSOS NATURAIS PORTARIA CPRN N. 4, DE 05.03.2003 Estabelece procedimentos no âmbito da CPRN e seus órgãos executores, disciplinando a aplicação

Leia mais

Manual de Fiscalização. Câmara Especializada de Engenharia Mecânica e Metalúrgica CEEMM

Manual de Fiscalização. Câmara Especializada de Engenharia Mecânica e Metalúrgica CEEMM Manual de Fiscalização Câmara Especializada de Engenharia Mecânica e Metalúrgica CEEMM 2012 Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de São Paulo APRESENTAÇÃO DO MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM As empresas prestadoras de serviços (construção e/ou manutenção

Leia mais