ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III)"

Transcrição

1 Informação à Comunicação Social 16 de Outubro de 2 ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III) 2º Trimestre de 2 No segundo trimestre de 2, a taxa de desemprego na região Norte cifrou-se em 4,1%, registando uma subida, quer face ao valor observado no trimestre precedente (3,7%), quer em relação ao trimestre homólogo do ano anterior (3,6%). A região Norte continua a registar uma taxa de desemprego inferior à observada ao nível nacional; todavia, o diferencial diminuiu em quatro décimas de ponto percentual, em relação ao trimestre anterior. A população empregada residente na região Norte registou, no 2º trimestre de 2, um aumento de 0,2% face ao trimestre homólogo, o qual foi motivado exclusivamente pelo acréscimo da população empregada nos Serviços (+23 mil indivíduos), reforçando o domínio deste sector na estrutura regional do emprego. Taxas de Desemprego 7% 6% Região Norte Grande Porto Portugal 5% 4% 3%

2 REGIÃO NORTE Desemprego A taxa de desemprego na região Norte subiu quatro décimas de ponto percentual, entre o primeiro trimestre e o segundo trimestre de 2, em consequência do aumento do número de desempregados (mais de sete mil indivíduos) e da ligeira redução do número de indivíduos activos. No confronto com o trimestre homólogo, a taxa de desemprego também registou um aumento mas um pouco mais expressivo. No segundo trimestre de 2, a população desempregada residente na região Norte ascendeu a cerca de 78 mil indivíduos; trata-se de um valor superior ao observado nos trimestres anterior e homólogo, em +10,1% e +13,5%, respectivamente. Face ao trimestre anterior, a subida do desemprego foi motivada, quase exclusivamente, pelo aumento do número de desempregados de ambos do sexo feminino (mais 6,5 milhares de indivíduos). A taxa de desemprego entre a população activa feminina continua a ser mais elevada do que entre a população activa do sexo masculino, 4,8% e 3,5%, respectivamente. A população desempregada residente na região Norte, no segundo trimestre de 2, era composta, na maioria, por indivíduos à procura de um novo emprego - cerca de 87% do total de desempregados, proporção que aumentou face aos trimestres anterior e homólogo. Por outro lado, no segundo trimestre de 2, cerca de 29,5% dos desempregados residentes na região Norte tinham idade inferior a 25 anos, enquanto 21,5% tinham 45 ou mais anos de idade. No confronto com o trimestre homólogo, ressalta o aumento da proporção dos desempregados jovens e dos desempregados com idade superior a 44 anos. Em relação ao trimestre precedente, não se observam alterações assinaláveis na estrutura etária da população desempregada residente na região Norte. População Empregada A população empregada residente na região Norte cifrava-se, no segundo trimestre de 2, em cerca de 1822 milhares de indivíduos, traduzindo uma diminuição de 0,8% face ao trimestre precedente (-15 mil indivíduos) e um ligeiro aumento de 0,2% (+4,5 mil indivíduos) face ao trimestre homólogo. A redução trimestral estendeu-se a todos os grupos etários considerados mas o menos afectado foi o grupo dos indivíduos com 45 e mais anos de idade. O ligeiro acréscimo homólogo verificado no número de empregados foi acompanhado por uma redução do número de empregados jovens (-13 milhares de indivíduos). O crescimento homólogo do número de empregados beneficiou, em maior medida, a população activa do sexo feminino (+3 milhares de indivíduos) e, em menor medida, a população masculina (+1,5 milhares de indivíduos). Face ao trimestre precedente, a população empregada feminina diminuiu cerca de 15 milhares de indivíduos enquanto o número de empregados do sexo masculino não registou uma alteração assinalável. No período em análise, cerca de 57,4% da população empregada trabalhava entre 36 e 40 horas semanais. Apenas um quinto da população empregada trabalhava menos de 35 horas semanais e uma proporção ligeiramente superior (22%) revelava uma duração semanal de trabalho superior a 40 horas. A proporção de indivíduos empregados por conta de outrem fixou-se, no segundo trimestre de 2, em 72,1% enquanto cerca de um quarto da população empregada era constituída por trabalhadores por conta própria.

3 População Empregada Residente na Região Norte por Horas Semanais de Trabalho milhares de indivíduos Até 35 horas semanais horas semanais Mais de 40 horas semanais 400 Sectores de actividade 900 População Empregada residente na Região Norte, por sector de actividade milhares de indivíduos Agricultura, Silvicultura e Pesca Indústria e Construção Serviços Os Serviços têm-se mantido, desde o quarto trimestre de 1, o principal sector empregador da região Norte, onde continua a ser o maior dinamizador do crescimento do emprego. O crescimento homólogo do emprego

4 verificado no segundo trimestre de 2 foi motivado exclusivamente pelo aumento do emprego naquele sector (+23 milhares de indivíduos). Os sectores da Indústria e Construção e da Agricultura, Silvicultura e Pesca registaram decréscimos no número de indivíduos empregados de 17,7 e 1,1 milhares, respectivamente, face ao trimestre homólogo. Por outro lado, face ao trimestre precedente, a redução observada na população empregada foi promovida, exclusivamente, pelo sector dos Serviços (-17,2 milhares de indivíduos), uma vez que, face ao segundo trimestre de 1, a população empregada nos restantes sectores registou um aumento, ainda que ligeiro (no conjunto, 2,1 milhares de indivíduos). Assim, no segundo trimestre de 2, os Serviços ocupavam 44,7% dos activos empregados residentes no Norte enquanto a Indústria e Construção absorvia 43,3%. Entre os Serviços, destaca-se sobretudo o ramo Comércio, Alojamento e Restauração, com 18,7%. No sector secundário, por seu turno, o realce cabe às indústrias do Têxtil, Vestuário e Calçado, com 14,8% do emprego total. As actividades da Agricultura, Silvicultura e Pesca continuavam a evidenciar uma expressão diminuta, absorvendo, no trimestre em análise, 12,0% da população empregada residente na região. População Activa 700 População Activa por Nível de Instrução na Região Norte 600 Milhares de indivíduos º trim 0 3º trim 0 4º trim 0 1º trim 1 2º trim 1 3º trim 1 4º trim 1 1º trim 2 2º trim 2 Sem Nível de Instrução 1º Ciclo do Ensino Básico 2º Ciclo do Ensino Básico 3º Ciclo do Ensino Básico Ensino Secundário Ensino Superior A população activa residente no Norte ascendia, no segundo trimestre de 2, a milhares de indivíduos (-7,9 mil indivíduos que no trimestre precedente e +13,8 mil indivíduos que no trimestre homólogo), representando cerca de 52% da população residente na região. O confronto do número de activos com o total de residentes com 15 ou mais anos de idade resultava numa taxa de actividade de 62,5%, semelhante às observadas nos trimestres anterior e homólogo. Entre a população activa residente na região Norte, mais de 68,6% tinha, no trimestre em estudo, um nível de instrução inferior ao 3º ciclo do ensino básico. Os níveis de instrução predominantes eram o 1º e o 2º ciclos do ensino básico (35,5% e 25,4%, respectivamente) enquanto 7,7% da população não possuía qualquer nível de instrução. Apenas 10,4% da população activa possuía o ensino secundário como nível de instrução e menos de 7,5% o ensino superior.

5 População Inactiva No segundo trimestre de 2, o número de indivíduos inactivos residentes na região Norte era de 1 782,9 milhares, traduzindo aumentos de 1,0% e 1,2%, face aos trimestres anterior e homólogo, respectivamente. A população feminina representava, no trimestre em análise, 58,4% daquele total. Por outro lado, 35,2% da população inactiva eram estudantes enquanto que cerca de 27% era composto por indivíduos reformados. Desemprego GRANDE PORTO No segundo trimestre de 2, a taxa de desemprego do Grande Porto fixou-se nos 6,3%. Esta sub-região continua a exibir valores claramente acima das médias regional (4,1%) e nacional (4,5%). A população desempregada residente no Grande Porto era de cerca de 40 mil indivíduos, representando 51% da população desempregada residente no Norte. Do total de desempregados da sub-região, 54% pertenciam ao sexo feminino cuja taxa de desemprego era superior à registada entre os indivíduos do sexo masculino (7,5% contra 5,3%). Entre o primeiro e o segundo trimestres de 2, a taxa de desemprego do Grande Porto subiu cerca de 1,2 pontos percentuais, acompanhando o sentido da evolução regional, mas com um crescimento mais acentuado. Comparando com o trimestre homólogo, o acréscimo na taxa de desemprego foi ligeiramente menos acentuado (passou de 5,2% para 6,3%). Sublinhe-se que, quer face ao trimestre precedente, quer em relação ao trimestre homólogo se observou um aumento da proporção de indivíduos desempregados com idade inferior a 25 anos. Com efeito, no trimestre em estudo, um quarto da população desempregada residente no Grande Porto era constituído por jovens. População Empregada No segundo trimestre de 2, o número de indivíduos empregados residentes no Grande Porto ascendia a 593,7 milhares de indivíduos, correspondendo a cerca de um terço dos empregados residentes na região Norte. O número de indivíduos empregados residentes no Grande Porto diminuiu, face ao trimestre anterior, em 2,6 milhares de indivíduos, devido exclusivamente à redução da população empregada do sexo feminino (-6 milhares) e, sobretudo, dos indivíduos com idade compreendida entre os 25 e os 44 anos. Comparado com o trimestre homólogo, o aumento do número de empregados ascendeu a 13,8 mil indivíduos, o que corresponde a um crescimento de 2,4%. Este aumento da população empregada beneficiou tanto os indivíduos do sexo masculino (+9,0 mil) como os do sexo feminino (+4,8 mil). No trimestre em análise, cerca de um terço da população empregada no Grande Porto tinha mais de 44 anos de idade e apenas 12,4% tinha menos de 25 anos de idade. Dos indivíduos empregados residentes no Grande Porto, no segundo trimestre de 2, tal como no trimestre anterior, cerca de quatro quintos exerciam a actividade profissional enquanto trabalhadores por conta de outrem. No segundo trimestre de 2, dois terços da população empregada residente no Grande Porto trabalhava entre 36 e 40 horas semanais (na região Norte, esta proporção ficava-se pelos 57,4%). Quanto aos restantes indivíduos, 17% trabalhavam menos de 36 horas e outros 17% trabalhavam mais de 40 horas semanais.

6 População Empregada Residente no Grande Porto por Horas Semanais de Trabalho milhares de indivíduos Até 35 horas semanais horas semanais Mais de 40 horas semanais Sectores de Actividade População Empregada Residente no Grande Porto por Sector de Actividade milhares de indivíduos Serviços Indústria e Construção Durante o segundo trimestre de 2, a população residente no Grande Porto e empregada no sector dos Serviços ascendeu a 364 mil indivíduos, representando 61% do total do emprego (na região Norte, esta proporção era de 45%). Em particular, importa destacar as actividades ligadas ao Comércio, Alojamento e

7 Restauração que absorviam perto de um quarto da população empregada. Por outro lado, a população empregada no sector da Indústria e Construção cifrou-se em 211 mil indivíduos, o que corresponde a 35,6% do total do emprego na sub-região. Sublinhe-se, ainda, a menor proporção que assumem na população empregada as indústrias do Têxtil, Vestuário e Calçado e as actividades da Agricultura, Silvicultura e Pesca face ao observado para a região Norte (7,7% contra 14,8%, no primeiro caso, e 3,1% contra 12,0%, no segundo caso). Sublinhe-se que, em termos trimestrais, a quebra ocorrida na população empregada se estendeu aos três sectores de actividade enquanto, em termos homólogos, o acréscimo observado se deveu exclusivamente aos Serviços, responsáveis pelo aumento de cerca de 27 milhares de indivíduos empregados, uma vez que o emprego na Indústria e Construção sofreu um decréscimo, acentuando a terciarização do emprego no Grande Porto. População Activa A população activa residente no Grande Porto correspondia, no segundo trimestre de 2, a perto de 634 mil indivíduos, revelando um acréscimo de 22 mil indivíduos face ao trimestre homólogo. Cerca de um terço dos indivíduos activos residentes no Grande Porto tinha como nível de instrução o 1º ciclo do ensino básico e cerca de 23,3% o 2º ciclo do ensino básico. A população activa sem qualquer nível de instrução residente no Grande Porto era de 3,1% do total da população activa enquanto 10,5% detinha habilitações ao nível do ensino superior. Da comparação entre as estruturas da população activa do Grande Porto e da região Norte, por nível de instrução, ressalta a maior importância que assume o ensino superior no Grande Porto (10,5% contra 7,5%) e a menor expressão relativa da população activa sem qualquer nível de instrução (3,1% contra 7,7%). População Inactiva A população inactiva residente no Grande Porto, no segundo trimestre de 2, ascendia a 620 milhares de indivíduos, dos quais 59% pertenciam ao sexo feminino. Os estudantes e os reformados representavam 32,2% e 29,3%, respectivamente, daquela população. Outras NUTS III Entre as NUTS III da região Norte, o Minho-Lima e o Cávado exibiam, no trimestre em análise, as taxas de actividade mais elevadas (66,8% e 66,2%, respectivamente). Na situação oposta, surgiam o Douro (56,5%), o Grande Porto (60,7%), o Ave (61,3%) e o Alto Trás-os-Montes (62,0%), com taxas de actividades inferiores à observada para a região Norte (62,5%). Em relação ao trimestre homólogo, a sub-região do Grande Porto registou um acréscimo na taxa de actividade de 1,7 pontos percentuais enquanto o Minho-Lima registou um decréscimo superior a três pontos percentuais. Face ao trimestre anterior, não há alterações expressivas a assinalar. Em qualquer uma das oito sub-regiões, a população empregada pertencia na maioria ao sexo masculino. A proporção de mulheres empregadas era maior no Minho-Lima (49,8%) e menor no Tâmega (41,8%). Relembre-se que, na região Norte, a proporção de indivíduos empregados do sexo feminino era de 44,8%. Relativamente ao trimestre homólogo de 1, de entre as oito sub-regiões, apenas o Grande Porto, o Tâmega e o Ave registaram acréscimos na população empregada; as maiores reduções foram observadas no Minho-Lima e no Douro (-4,4% e -4,0%, respectivamente). Em relação ao trimestre precedente, sublinhese a diminuição ocorrida na população empregada residente no Entre Douro e Vouga (-3,8%). A análise da população empregada por grupo etário sugere que o Tâmega era a sub-região cuja população empregada era mais jovem: um quinto destes indivíduos tinham idade compreendida entre os 15 e os 24. A

8 sub-região do Douro era a que possuía a menor proporção de empregados jovens. Por outro lado, o Alto Trás-os-Montes e o Minho-Lima eram as sub-regiões com a população empregada mais idosa, exibindo uma proporção de indivíduos empregados com mais de 45 anos que, no caso do Alto Trás-os-Montes, ascendia a 46%. % 3 2 Taxas de Variação Trimestral e Homóloga da População Empregada 2º trimestre de 2 variação face ao trimestre anterior variação face ao trimestre homólogo do ano anterior Minho-Lima Cávado Ave Grande Porto Tâmega Entre Douro e Vouga Douro Alto Trás-os- Montes Região Norte PORTUGAL As actividades da Agricultura, Silvicultura e Pesca assumiam uma importância na estrutura sectorial do emprego particularmente expressiva nas sub-regiões do Minho-Lima, do Douro e do Alto Trás-os-Montes (superior a 30%, em qualquer dos casos). Por seu turno, o sector da Indústria e Construção empregava mais de três quintos do emprego no Ave e no Entre Douro e Vouga. Também no Tâmega e no Cávado, este sector se destacava, absorvendo 54% e 48%, respectivamente, da população empregada. O Grande Porto exibia o perfil marcadamente mais terciário uma vez que os Serviços absorviam mais de três quintos da população empregada residente naquela NUTS III. O Alto Trás-os-Montes e o Minho-Lima eram as sub-regiões onde a proporção de indivíduos empregados que trabalhavam menos de 36 horas semanais era mais elevada, 41% e 37%, respectivamente. Pelo contrário, a proporção de indivíduos que apresentava uma duração semanal média de trabalho superior a 40 horas era particularmente elevada no Tâmega (36% da populaça empregada). O Alto Trás-os-Montes apresentava, no trimestre em estudo, a maior proporção de empregados por conta própria (cerca de dois quintos da população empregada). No Ave e no Grande Porto, pelo contrário, cerca de quatro quintos da população empregada trabalhava por conta de outrem. NOTA: Os valores disponibilizados são estimativas que têm uma margem de erro associada (coeficientes de variação) diminuta na maioria das variáveis consideradas e não superior a 20%, pelo que a informação apresenta um grau de fiabilidade que satisfaz os requisitos de difusão do INE. No entanto, é requerida alguma cautela na leitura das variáveis de menor expressão quantitativa, que podem ter associados coeficientes de variação próximos daquele limiar. Para mais resultados consulte a Informação Rápida das Estatísticas do Emprego - Região Norte, disponível em

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9% 05 de agosto de 2014 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9 A taxa de desemprego estimada para o 2º trimestre de 2014 foi 13,9.

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1%

A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1% 09 de maio de 2014 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2014 foi 15,1. Este

Leia mais

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 4 de Março de 2004 Dia Internacional da Mulher DIA INTERNACIONAL DA MULHER O Instituto Nacional de Estatística não quis deixar de se associar à comemoração do Dia Internacional da Mulher, 8 de Março, apresentando

Leia mais

A taxa de desemprego estimada foi 13,5%

A taxa de desemprego estimada foi 13,5% 4 de fevereiro de 2015 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2014 A taxa de desemprego estimada foi 13,5 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2014 foi 13,5. Este valor é superior em 0,4

Leia mais

A Madeira no Feminino

A Madeira no Feminino A Madeira no Feminino 2000-2014 ELABORAÇÃO: Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho Direção Regional do Trabalho 2 de março 2015 1 A MADEIRA NO FEMININO (indicadores de evolução 2000-2014) População

Leia mais

Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates. Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse

Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates. Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse Portugal subiu nove lugares no ranking do desemprego com o Governo PS/ Sócrates Desemprego aumentou desde que o Governo PS/Sócrates tomou posse Portugal passou do 14º para o 5º lugar do ranking do desemprego

Leia mais

Estatísticas do Emprego

Estatísticas do Emprego População e Sociedade B tema ISSN - 0872-7570 Estatísticas do Emprego 4º Trimestre 2008 Boletins e Folhas de Informação Rápida População e Sociedade B tema Estatísticas do Emprego 4º Trimestre 2008 Boletins

Leia mais

A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9%

A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9% 06 de janeiro de 2015 Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego embro de A taxa de desemprego estimada para novembro foi 13,9% A taxa de desemprego (15 a 74 anos) ajustada de sazonalidade estimada para

Leia mais

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2010 1. Variáveis das empresas A fabricação de máquinas para trabalhar madeira insere-se na CAE 294 Fabricação de máquinas ferramentas, que, por sua vez, está contemplada

Leia mais

INTENSIFICAÇÃO DAS TROCAS COMERCIAIS ENTRE O NORTE DE PORTUGAL E A GALIZA

INTENSIFICAÇÃO DAS TROCAS COMERCIAIS ENTRE O NORTE DE PORTUGAL E A GALIZA 15 de Dezembro de 2004 Trocas comerciais entre a Região Norte de Portugal e a Galiza 2000-2002 INTENSIFICAÇÃO DAS TROCAS COMERCIAIS ENTRE O NORTE DE PORTUGAL E A GALIZA As trocas comerciais entre a Região

Leia mais

Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação. Escolas

Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação. Escolas Estudantes à saída do secundário em 2012/2013 taxas de participação Neste processo de inquirição foram convidadas a participar todas as escolas públicas e privadas de Portugal continental (807 escolas,

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

Estatísticas do Emprego. 4.º Trimestre. Edição 2010

Estatísticas do Emprego. 4.º Trimestre. Edição 2010 Estatísticas do Emprego 2010 4.º Trimestre Edição 2010 Estatísticas do Emprego 2010 4.º Trimestre Edição 2010 FICHA TÉCNICA Em Abril de 1996 o Fundo Monetário Internacional (FMI) criou o Special Data

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 76 junho / 2014 CONSTRUÇÃO CAI 6% NO 1.º TRIMESTRE COM PERSPETIVAS MAIS FAVORÁVEIS PARA O 2.

Conjuntura da Construção n.º 76 junho / 2014 CONSTRUÇÃO CAI 6% NO 1.º TRIMESTRE COM PERSPETIVAS MAIS FAVORÁVEIS PARA O 2. Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 76 junho

Leia mais

Obras licenciadas atenuaram decréscimo

Obras licenciadas atenuaram decréscimo Construção: Obras licenciadas e concluídas 1º Trimestre de 2014- Dados preliminares 12 de junho de 2014 Obras licenciadas atenuaram decréscimo No 1º trimestre de 2014 os edifícios licenciados diminuíram

Leia mais

2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção

2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção (milhares) 2012: Uma nova vaga de desempregados da Construção Durante a última década (2002-2012), o setor da Construção viveu a crise mais prolongada e intensa da sua história recente, com o ano de 2012

Leia mais

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Inscritos no 1.º ano, pela 1.ª vez, em estabelecimentos de ensino superior 1 Em 2014/15, inscreveram-se em estabelecimentos

Leia mais

Estatísticas do Emprego. 2.º Trimestre. Estatísticas oficiais

Estatísticas do Emprego. 2.º Trimestre. Estatísticas oficiais Estatísticas do Emprego 2012 2.º Trimestre Edição 2012 e Estatísticas oficiais Estatísticas do Emprego 2012 2.º Trimestre Edição 2012 FICHA TÉCNICA Em Abril de 1996 o Fundo Monetário Internacional (FMI)

Leia mais

A RAA em números. Geografia

A RAA em números. Geografia 09 Foto: Espectro A RAA em números Geografia O arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas dispersas no Atlântico Norte ao longo de 600 km, segundo uma orientação noroeste-sudeste e enquadrado

Leia mais

ASPECTOS ESTRUTURAIS DO MERCADO DE TRABALHO

ASPECTOS ESTRUTURAIS DO MERCADO DE TRABALHO Com muita festa, animação e presentes!!! ASPECTOS ESTRUTURAIS DO MERCADO DE TRABALHO Informação recolhida até 11.05.2011 Ficha Técnica Equipa Técnica Teresa Pina Amaro Teresa Sabido Costa Miguel Ângelo

Leia mais

Emprego. População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011

Emprego. População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011 População Empregada, por Sexo Anos de 2001 e 2011 População Empregada, por Sexo Total Masculino Feminino 2001 2011 2001 2011 2001 2011 Portugal 4 650 947 4 361 187 2 599 088 2 275 974 2 051 859 2 085 213

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente

Valor médio de avaliação bancária acentuou tendência crescente Dez-14 Jan-15 Fev-15 Mar-15 Abr-15 Mai-15 Jun-15 Jul-15 Ago-15 Set-15 Out-15 Nov-15 Dez-15 Inquérito à Avaliação Bancária na Dezembro de 2015 25 de janeiro de 2016 Valor médio de avaliação bancária acentuou

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA

MERCADO DE TRABALHO. GRÁFICO - Taxa de actividade segundo os Censos (%) nos Municípios - Ranking. Fontes/Entidades: INE, PORDATA MERCADO DE TRABALHO O quadro sociodemográfico apresentado tem consequências directas no mercado de trabalho. Segundo os últimos Censos, os concelhos de Penamacor, Idanha-a-Nova e Vila Velha de Ródão surgiam

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 1º trimestre 2014 Apreciação Global A análise dos diversos indicadores relativos ao primeiro trimestre de 2014, para além de confirmar a tendência de abrandamento

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO Portugal na União Europeia Alguns indicadores estatísticos

O MERCADO DE TRABALHO Portugal na União Europeia Alguns indicadores estatísticos Informação à Comunicação Social 22 de arço de 2000 O ERCADO DE TRABALO na União Europeia Alguns indicadores estatísticos A propósito da realização, em Lisboa, a 23 e 24 de arço de 2000, da Cimeira extraordinária

Leia mais

DESTAQUE ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO ELEMENTOS AUXILIARES PONTOS FORTES PONTOS FRACOS

DESTAQUE ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO ELEMENTOS AUXILIARES PONTOS FORTES PONTOS FRACOS INDICADORES GLOBAIS DA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA 7,4% 20,4% 11,1% 25,9% 16,7% 13,0% 5,6% Indicador de Confiança dos Consumidores da região do (3º trimestre de 2003): - 41 Variação homologa do Índice

Leia mais

AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS

AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS Dia Mundial da Criança 1 de Junho 30 de Maio de 2005 AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS O conteúdo do presente Destaque está alterado na página 2, relativamente ao divulgado em 30-05-2005.

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 11 de outubro 2016 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2015 População residente Em 31 de dezembro de 2015, a população residente na Região Autónoma da Madeira (RAM) foi estimada em

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004

Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana do Rio de Janeiro Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

Mulheres no com o ensino superior no período 2000/2010 no Dia Internacional da Mulher Pág. 1

Mulheres no com o ensino superior no período 2000/2010 no Dia Internacional da Mulher Pág. 1 Mulheres no com o ensino superior no período 2000/2010 no Dia Internacional da Mulher Pág. 1 AA MULHER NO ENSINO E COM O ENSINO SUPERIOR: - são em número superior ao dos homens, mas a sua repartição por

Leia mais

Dia Internacional da Família 15 de maio

Dia Internacional da Família 15 de maio Dia Internacional da Família 15 de maio 14 de maio de 14 (versão corrigida às 16.3H) Na 1ª página, 5º parágrafo, 3ª linha, onde se lia 15-65 anos deve ler-se 15-64 anos Famílias em Portugal As famílias

Leia mais

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA

MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA MERCADO DE TRABALHO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE Divulgação ano 2008 BALANÇO DE 2008 MENOR TAXA DE DESEMPREGO DA SÉRIE HISTÓRICA DA PESQUISA 1. Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego, em 2008, a População

Leia mais

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem:

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: I - NATURAL Relacionados com condicionalismos naturais, já que a atividade agrícola está muito dependente de fatores

Leia mais

Fundamentação Económica da Proposta Sindical

Fundamentação Económica da Proposta Sindical Fundamentação Económica da Proposta Sindical CALÇADO CCT 2008 GABINETE DE ESTUDOS DA FESETE Enquadramento macroeconómico De acordo com a informação do Banco de Portugal 1 e com a estimativa rápida das

Leia mais

Presença feminina nas empresas em Portugal

Presença feminina nas empresas em Portugal Presença feminina nas empresas em Portugal 4ª Edição, Março 2014 ESTUDO INFORMA D&B A Informa D&B, como especialista no conhecimento da informação sobre o tecido empresarial, tem vindo a acompanhar esta

Leia mais

Estatísticas do Emprego. 4.º Trimestre. Estatísticas oficiais

Estatísticas do Emprego. 4.º Trimestre. Estatísticas oficiais Estatísticas do Emprego 2012 4.º Trimestre Edição 2012 e Estatísticas oficiais Estatísticas do Emprego 2012 4.º Trimestre Edição 2012 FICHA TÉCNICA Em Abril de 1996 o Fundo Monetário Internacional (FMI)

Leia mais

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015 Índice de Preço no Consumidor Folha de informação Rápida - I Trimestre 2015 Abril-2015 1 Índice I.PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO ÍNDICE... 4 1 - Amostra de bens e serviços seleccionados... 4 2 - Amostra

Leia mais

Censos 2011 revelam o maior excedente de alojamentos em Portugal

Censos 2011 revelam o maior excedente de alojamentos em Portugal Parque Habitacional em Portugal: Evolução na última década 2001-2011 07 de dezembro de 2012 Censos 2011 revelam o maior excedente de alojamentos em Portugal Em 2011, o número de alojamentos em Portugal

Leia mais

SECTOR AGRO-ALIMENTAR

SECTOR AGRO-ALIMENTAR SECTOR AGRO-ALIMENTAR AEP / Gabinete de Estudos Março de 2007 A indústria alimentar e das bebidas ( 15 1 ) é um sector com forte expressividade na economia nacional, o que não é de estranhar dada a sua

Leia mais

(112,47) ^^encia a 413,36

(112,47) ^^encia a 413,36 (112,47) ^^encia a 413,36 Este documento pretende proceder a uma análise sintética das principais variáveis sociais, económicas e demográficas do Distrito de Évora salientando os aspetos que se afiguram

Leia mais

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO]

[DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] [DINÂMICAS REGIONAIS NA REGIÃO CENTRO] O PIB REGIONAL UMA ANÁLISE APLICADA À REGIÃO CENTRO O Produto Interno Bruto (PIB) é um indicador habitualmente utilizado para aferir e comparar o grau de desenvolvimento

Leia mais

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012

Perfil da presença feminina no tecido empresarial português. 8 de Março 2012 Perfil da presença feminina no tecido empresarial português Sumário executivo Em Portugal : 54,9% das empresas têm pelo menos uma mulher nos seus cargos de gestão e direcção: 44,8% têm uma equipa mista,

Leia mais

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO

A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Novembro de 2009 A DESIGUALDADE ENTRE NEGROS E NÃO-NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO, NO PERÍODO As informações captadas pela Pesquisa de

Leia mais

Quebras de Produção Intensificam-se

Quebras de Produção Intensificam-se Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO

PESQUISA MENSAL DE EMPREGO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE J ANE I R O DE 2004 REGIÕES METROPOLITANAS DE: RECIFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO PAULO e PORTO ALEGRE I) INTRODUÇÃO Para o primeiro

Leia mais

Desempregados da Construção já ultrapassam os 110 mil

Desempregados da Construção já ultrapassam os 110 mil Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 67 Fevereiro

Leia mais

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - IV Trimestre 2014

Índice de Preço no Consumidor. Folha de informação Rápida - IV Trimestre 2014 Índice de Preço no Consumidor Folha de informação Rápida - IV Trimestre 2014 Janeiro-2015 1 Índice I.PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DO ÍNDICE... 4 1 - Amostra de bens e serviços seleccionados... 4 2 - Amostra

Leia mais

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal

A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Distrito Federal A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO - 2014 MARÇO - 2012 A inserção das mulheres no mercado de trabalho do Inúmeras têm sido as abordagens sobre a crescente presença feminina

Leia mais

Condição perante a atividade económica dos Jovens Jovens Inativos A população inativa corresponde ao conjunto de indivíduos que, na semana de referência no momento censitário, não são considerados economicamente

Leia mais

1. POPULAÇÃO RESIDENTE

1. POPULAÇÃO RESIDENTE 1. POPULAÇÃO RESIDENTE No fim do ano de 2007 a estimativa da população residente de Macau era de 538 0, tendo-se verificado um aumento de 24 700 pessoas em comparação com o número estimado no fim do ano

Leia mais

Residentes em Portugal realizaram 15,4 milhões de viagens turísticas em 2010

Residentes em Portugal realizaram 15,4 milhões de viagens turísticas em 2010 PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES Janeiro a Dezembro de 2010 30 de Maio de 2011 Residentes em Portugal realizaram 15,4 milhões de viagens turísticas em 2010 Em 2010 foram realizadas cerca de 15,4 milhões

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Índice Introdução Preço Médio por Dormida Proveito Médio de Aposento por Cama Conceitos Anexos Proveitos e Custos nos Estabelecimentos Hoteleiros Ano de 2004 Página 2

Leia mais

A População Estrangeira em Portugal 2011 População estrangeira cresceu cerca de 70% na última década

A População Estrangeira em Portugal 2011 População estrangeira cresceu cerca de 70% na última década 17 de dezembro de 2012 (Destaque ad-hoc) A População Estrangeira em Portugal 2011 População estrangeira cresceu cerca de 70% na última década Segundo os Censos 2011, à data de 21 de Março em Portugal residiam

Leia mais

Produtividade e Rendimento no Minho Lima: uma breve análise

Produtividade e Rendimento no Minho Lima: uma breve análise Viana do Castelo Produtividade e Rendimento no Minho Lima: uma breve análise FICHA TÉCNICA TÍTULO PRODUTIVIDADE E RENDIMENTO NO MINHO LIMA: UMA BREVE ANÁLISE AUTOR HÉLDER PENA NÚCLEO DISTRITAL DE VIANA

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 2001

UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 2001 Informação à Comunicação Social 15 de Março de 22 UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PELAS FAMÍLIAS 21 No terceiro trimestre de 21, cerca de um quarto das famílias portuguesas - 24%

Leia mais

Estudo de Insolvências Ano de 2008

Estudo de Insolvências Ano de 2008 Estudo de Insolvências IIC Ano de 2008 Estudo de Insolvências Ano de 2008 Análise Geral Os resultados de 2008 confirmaram a tendência de crescimento verificada em 2007, tendo-se registado um total de 2.785

Leia mais

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO

INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INSTITUTO REGIONAL DE EMPREGO INDICADORES DO MERCADO DE EMPREGO SÍNTESE SETEMBRO-2007 SETEMBRO/06 AGOSTO/07 SETEMBRO/07 VARIAÇÃO % V.A. % V.A. % V.A. % Mês Homólogo Mês Anterior DESEMPREGO REGISTADO 7946

Leia mais

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística

movimentos aéreos movimentos marítimos dormidas hóspedes estada média taxas ocupação proveitos médios balança turística Variações entre os valores anuais de 2005 e 2006: +4,2% no movimento de passageiros desembarcados de voos internacionais clássicos; +38,6% movimento de passageiros desembarcados de voos low-cost; -0,8%

Leia mais

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Boletim Mensal Situação Monetária e Cambial Estudos Económicos Maio 2016 Índice 1. Situação Monetária... 1 1.1. Base Monetária (BM)... 1 1.2. Massa Monetária (M3)... 2 1.2.2. Activo Externo Líquido...

Leia mais

15 de junho de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA

15 de junho de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA 15 de junho de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA janeiro a abril 2016 Na Região Autónoma dos Açores, no mês de abril, os estabelecimentos hoteleiros registaram 117,6 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo

Leia mais

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios

Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios Estimativas de População Residente 09 de Junho 2010 Estimativas de População Residente, Portugal, NUTS II, NUTS III e Municípios A evolução demográfica em caracteriza-se por um ligeiro crescimento da população

Leia mais

Em Julho, empresários da Construção Revelam-se mais pessimistas

Em Julho, empresários da Construção Revelam-se mais pessimistas Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas.

Macroeconomia, FDUNL Exercícios. O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. Macroeconomia, FDUNL Exercícios Miguel St. Aubyn, 18.Fev.2009 O Que é a Macroeconomia? Escolha a resposta correcta de entre as alternativas colocadas. 1. Qual dos seguintes pontos não é um assunto essencialmente

Leia mais

Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve

Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve Tábuas de Mortalidade 2013-2015 30 de setembro de 2016 Esperança de vida mais elevada à nascença no Centro e aos 65 anos no Algarve A esperança de vida à nascença foi estimada em 80,41 anos para o total

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS S i ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 3º Trimestre de Introdução Como habitualmente, apresentamos uma análise da evolução

Leia mais

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX

EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX EVOLUÇÃO DA TN EM PORTUGAL DESDE MEADOS DO SÉCULO XX A tendência do número de nascimentos em Portugal neste período é de um decréscimo. O período de 1975 a 1977 contraria esta evolução devido a fatores

Leia mais

ÍNDICE. Efetivos por tipo de contrato. Efetivos por grupos profissionais. Efetivos por níveis de habilitações. Efetivos por níveis salariais

ÍNDICE. Efetivos por tipo de contrato. Efetivos por grupos profissionais. Efetivos por níveis de habilitações. Efetivos por níveis salariais 213 213 ÍNDICE 2 3 5 6 7 8 9 1 11 12 13 1 15 16 17 Evolução de efetivos Efetivos por tipo de contrato Efetivos por grupos profissionais Efetivos por níveis de habilitações Pirâmide etária Pirâmide de antiguidades

Leia mais

GANHOS MÉDIOS. Abril Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho e da

GANHOS MÉDIOS. Abril Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do Trabalho e da GANHOS MÉDIOS Abril 2015 Fonte: Inquérito aos Ganhos e Duração do Trabalho Direção de Serviços de Estatísticas do Trabalho da Direção Regional do trabalho e da Ação Inspetiva e Gabinete de Estratégia e

Leia mais

Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal

Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal Impacto da demografia no mercado de trabalho e emprego em Portugal José Rebelo dos Santos ESCE / IPS jose.rebelo@esce.ips.pt Lisboa, 7 de outubro de 2016 Sumário: Objetivos Contextualização do desemprego

Leia mais

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas

Crise da construção acentua-se, embora com quebras menos pronunciadas Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 70 Julho

Leia mais

INQUÉRITO ÀS PLANTAÇÕES DE ÁRVORES DE FRUTO 2002

INQUÉRITO ÀS PLANTAÇÕES DE ÁRVORES DE FRUTO 2002 Informação à Comunicação Social 16 de Dezembro de INQUÉRITO ÀS PLANTAÇÕES DE ÁRVORES DE FRUTO Introdução O Inquérito às Plantações de Árvores de Fruto é um operação estatística obrigatória (Directiva 1/9/CE

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE SINES DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS DEMOGRAFIA E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 1 INDICADOR: População residente e taxa de variação, 1991 e 2001 População Variação 1991 2001 Portugal 9867147 10356117 5,0 Alentejo 782331 776585-0,7 Alentejo Litoral

Leia mais

16 de maio de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA

16 de maio de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA 16 de maio de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA janeiro a março 2016 Na Região Autónoma dos Açores, no mês de março, os estabelecimentos hoteleiros registaram 95,1 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo

Leia mais

Alto Alentejo Caracterização Socio-económica

Alto Alentejo Caracterização Socio-económica Research Sectorial Alto Caracterização Socio-económica Conceição Leitão Espírito Santo Research Sectorial Elvas, 15 de Abril 2010 Enquadramento. NUTS II - ALENTEJO 5 NUTS III 34% do território nacional

Leia mais

Estatísticas do Turismo 2001

Estatísticas do Turismo 2001 Informação à Comunicação Social 29 de Agosto de 22 Estatísticas do Turismo 21 Estando disponível na Internet a publicação Estatísticas do Turismo 21, o INE apresenta os principais resultados referentes

Leia mais

15 de março de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA

15 de março de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA 15 de março de 2016 ATIVIDADE TURÍSTICA janeiro a fevereiro 2016 Na Região Autónoma dos Açores, no mês de fevereiro, os estabelecimentos hoteleiros registaram 63,6 mil dormidas, representando um acréscimo

Leia mais

As dinâmicas territoriais da requalificação do edificado, da empregabilidade e da inovação

As dinâmicas territoriais da requalificação do edificado, da empregabilidade e da inovação Retrato Territorial de Portugal 27 16 de Junho de 29 As dinâmicas territoriais da requalificação do edificado, da empregabilidade e da inovação O INE divulga o Retrato Territorial de Portugal, sob uma

Leia mais

A Evolução Recente do Desemprego

A Evolução Recente do Desemprego A Evolução Recente do Desemprego Relatório Documento de trabalho provisório Junho de 212 Desemprego - Relatório Junho 212 Índice 1. Sumário... 5 2. Evolução do desemprego em Portugal... 9 2.1. Desemprego

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS INFORMAÇÃO Nº 49 EVOLUÇÃO DO MERCADO DOS COMBUSTÍVEIS RODOVIÁRIOS 2º TRIMESTRE DE - COTAÇÕES E PREÇOS GASOLINA 95, GASÓLEO RODOVIÁRIO E GPL AUTO INTRODUÇÃO

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012

A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO EM 2012 Em comemoração ao dia 20 de novembro, Dia da Consciência

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização ( )

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização ( ) 995 136 2221 1141 1149 2199 1821 1772 2231 258 26 239 371 3116 265 3742 5485 5295 5417 532 4474 Julho de 213 Boletim n.º 9 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 1º Trimestre de 213 Estatísticas trimestrais sobre

Leia mais

Atividade Turística Abril 2013

Atividade Turística Abril 2013 Atividade Turística Abril 2013 17 de junho de 2013 Hotelaria com reduções nos hóspedes, dormidas e proveitos As dormidas na hotelaria ascenderam a 3,1 milhões em abril de 2013 (-4,0% que em abril de 2012).

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros como, por exemplo, do investimento em infra-estruturas de grande envergadura, do papel da RAEM como plataforma de serviços entre o Interior da China e os países de língua portuguesa, assim como da estratégia

Leia mais

INE divulgou estatísticas da Actividade Turística Abril 2007

INE divulgou estatísticas da Actividade Turística Abril 2007 Data Tema Acontecimento 12/06 Turismo 14/06 Ciência & Tecnologia 14/06 Economia 18/06 Preços 21/06 Economia 21/06 Economia INE divulgou estatísticas da Actividade Turística Abril 2007 http://www.ine.pt/prodserv/destaque/2007/d070612-3/d070612-3.pdf

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO ESTATÍSTICAS DO EMPREGO DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2.º Trimestre de 2015 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada

Leia mais

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015

A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2016 A PRESENÇA FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO NAREGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2015 Em 2015, a taxa de participação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS nas i ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS Informação sobre a evolução do mercado dos produtos petrolíferos no 3º Trimestre 2015 Cotações e Preços Introdução Como habitualmente, apresentamos

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO FORMAL DA ENGENHARIA EM MINAS GERAIS

O MERCADO DE TRABALHO FORMAL DA ENGENHARIA EM MINAS GERAIS 2 FONTE DE REFLEXÃO E MATÉRIA-PRIMA PARA NOSSA INTERVENÇÃO Com esta publicação, o Sindicato de Engenheiros no Estado de Minas Gerais (Senge-MG) cumpre, mais uma vez, a tarefa de atualizar os dados relativos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE EMPRESAS PETROLÍFERAS INFORMAÇÃO Nº 53 EVOLUÇÃO DO MERCADO DOS COMBUSTÍVEIS RODOVIÁRIOS 3º TRIMESTRE DE - COTAÇÕES E PREÇOS GASOLINA 95, GASÓLEO RODOVIÁRIO E GPL AUTO INTRODUÇÃO

Leia mais

Indicadores IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 3º trimestre de Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Indicadores IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 3º trimestre de Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua trimestre de 2016 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Michel Miguel Elias Temer Lulia

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: CEARÁ O número de empregos formais no estado alcançou 1,552 milhão em dezembro de 2014, representando

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 5 - julho 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 2.

Leia mais

GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO

GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO 25-213 GABINETE DE ESTRATÉGIA E PLANEAMENTO Equipa de Estudos e Políticas de Segurança Social Sistema de Proteção Social de Cidadania Subsistema de Solidariedade Eventualidades: Insuficiência de recursos,

Leia mais

Diversidade Demográfica

Diversidade Demográfica Municípios de Borda D Água do Tejo Diversidade Demográfica Exposição de Trabalhos 1º Ano, Turma G 2 a 6 de novembro/215 Diversidade demográfica dos municípios borda d água do Tejo Azambuja e Almada Municipio

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Rio de Janeiro Balanço de 2011

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Rio de Janeiro Balanço de 2011 GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Rio de Janeiro Balanço de 2011 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, FEVEREIRO DE 2012 08 2012 O ano de 2011 foi marcado

Leia mais

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES

EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO SECTOR DAS CARNES Versão actualizada em Fevereiro de 211 Observatório dos Mercados Agrícolas e das Importações Agro-Alimentares EVOLUÇÃO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS DO

Leia mais

VALOR MÉDIO DA AVALIAÇÃO BANCÁRIA DE HABITAÇÃO DIMINUI

VALOR MÉDIO DA AVALIAÇÃO BANCÁRIA DE HABITAÇÃO DIMINUI Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação 1º Trimestre de 2006 28 de Abril de 2006 VALOR MÉDIO DA AVALIAÇÃO BANCÁRIA DE HABITAÇÃO DIMINUI No 1º trimestre de 2006, o valor médio de avaliação bancária

Leia mais

TURISMO EM FOCO 2005 A 28 de Junho de 2010 perdeu 1,8 milhões de dormidas entre 2007 e Depois de, entre 2005 e 2007, ter apresentado uma tendência de crescimento nos números de dormidas e de hóspedes,

Leia mais

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA

Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO Características do Emprego Formal RAIS 2014 Principais Resultados: SANTA CATARINA O número de empregos formais no estado alcançou 2,274 milhões em dezembro de 2014, representando

Leia mais

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MARÇO - 2012 MARÇO - 2012 MARÇO 2013 O TRABALHO DAS MULHERES NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO EM 2013: MUDANÇAS E PERMANÊNCIAS

Leia mais