1. Diagrama de Blocos. 2. Gráfico de fluxo de sinais. Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Diagrama de Blocos. 2. Gráfico de fluxo de sinais. Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares"

Transcrição

1 Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares 1. Diagrama de Blocos 2. Gráfico de fluxo de sinais Fernando de Oliveira Souza pag.1 Engenharia de Controle Aula 3

2 Diagrama de Blocos U(s) G(s) Y (s) =G(s)U(s) Representação ilustrada de cada um dos componentes de um sistema e do fluxo de sinais correspondentes Inclui apenas informações sobre comportamento dinâmico (sistemas diferentes podem ter mesmo diagrama) FT são introduzidas nos blocos correspondentes nos quais: saída = entrada FT Fernando de Oliveira Souza pag.2 Engenharia de Controle Aula 3

3 Diagrama de Blocos R(s) Filtro Ctrl Atuador Processo Y (s) Sensor Fernando de Oliveira Souza pag.3 Engenharia de Controle Aula 3

4 Exemplo Filtro: Circuito RC R Diagrama de Blocos x(t) i(t) C y(t) Equação 1 i(t) = x(t) y(t) R I(s) = X(s) Y (s) R Fernando de Oliveira Souza pag.4 Engenharia de Controle Aula 3

5 Exemplo Filtro: Circuito RC R Diagrama de Blocos x(t) i(t) C y(t) Equação 2 I(s) y(t) = 1 C i(t)dt Y (s) = 1 C s Fernando de Oliveira Souza pag.5 Engenharia de Controle Aula 3

6 Exemplo Filtro: Circuito RC Equação 1 Diagrama de Blocos I(s) = X(s) Y (s) R X(s) 1 R I(s) Y (s) Fernando de Oliveira Souza pag.6 Engenharia de Controle Aula 3

7 Diagrama de Blocos Equação 2 Y (s) = 1 C I(s) s I(s) 1 sc Y (s) Fernando de Oliveira Souza pag.7 Engenharia de Controle Aula 3

8 Exemplo Filtro: Circuito RC Diagrama de Blocos Equação 1 X(s) 1 R I(s) Y (s) Equação 2 I(s) 1 sc Y (s) Fernando de Oliveira Souza pag.8 Engenharia de Controle Aula 3

9 Diagrama de Blocos Exemplo Filtro: Circuito RC X(s) 1 R 1 sc Y (s) Fernando de Oliveira Souza pag.9 Engenharia de Controle Aula 3

10 Diagrama de Blocos R(s) Filtro Ctrl Atuador Processo Y (s) Sensor Fernando de Oliveira Souza pag.10 Engenharia de Controle Aula 3

11 Diagrama de Blocos Planta R(s) Filtro Ctrl Atuador Processo Y (s) Sensor Fernando de Oliveira Souza pag.11 Engenharia de Controle Aula 3

12 Diagrama de Blocos Exemplo Atuador: Motor CC controlado pelo campo Fernando de Oliveira Souza pag.12 Engenharia de Controle Aula 3

13 Diagrama de Blocos Exemplo Atuador: Motor CC controlado pela armadura Fernando de Oliveira Souza pag.13 Engenharia de Controle Aula 3

14 Diagrama de Blocos Exemplo: Elemento ou sistema Fernando de Oliveira Souza pag.14 Engenharia de Controle Aula 3

15 Diagrama de Blocos Exemplo: Elemento ou sistema τ a = R 1 C 1, τ b = R 2 C 2, τ ab = R 1 C 2 Fernando de Oliveira Souza pag.15 Engenharia de Controle Aula 3

16 Diagrama de Blocos Exemplo: Elemento ou sistema Fernando de Oliveira Souza pag.16 Engenharia de Controle Aula 3

17 Diagrama de Blocos Exemplo: Elemento ou sistema Fernando de Oliveira Souza pag.17 Engenharia de Controle Aula 3

18 Redução de Diagrama de Blocos Exemplo: Diagrama de blocos Fernando de Oliveira Souza pag.18 Engenharia de Controle Aula 3

19 Redução de Diagrama de Blocos R(s) E(s) G(s) Y (s) Ponto de soma Ponto de junção H(s) R(s) sinaldereferência (set-point) Y (s) sinaldesaída (variável controlada) E(s) sinal de erro G(s) = Y (s)/e(s) FTdoprocesso H(s) FT da realimentação (sensor) Fernando de Oliveira Souza pag.19 Engenharia de Controle Aula 3

20 Redução de Diagrama de Blocos Exercício: Encontre a função de transferência em Malha Fechada G mf = Y (s) R(s) R(s) E(s) G(s) Y (s) Ponto de soma Ponto de junção H(s) Fernando de Oliveira Souza pag.20 Engenharia de Controle Aula 3

21 Redução de Diagrama de Blocos Solução: e Y (s) = G(s)E(s) E(s) = R(s) H(s)Y (s) logo Y (s) = G(s)[R(s) H(s)Y (s)] Y (s) G(s)H(s)Y (s) = G(s)R(s) Y (s)[1 G(s)H(s)] =G(s)R(s) Y (s) R(s) = G(s) 1G(s)H(s) Fernando de Oliveira Souza pag.21 Engenharia de Controle Aula 3

22 Redução de Diagrama de Blocos 1 - Combinando Blocos em Cascata Fernando de Oliveira Souza pag.22 Engenharia de Controle Aula 3

23 Redução de Diagrama de Blocos 2 - Deslocando para a frente um ponto de soma situado atrás de um bloco Fernando de Oliveira Souza pag.23 Engenharia de Controle Aula 3

24 Redução de Diagrama de Blocos 3 - Deslocando para trás um ponto de junção situado à frente de um bloco Fernando de Oliveira Souza pag.24 Engenharia de Controle Aula 3

25 Redução de Diagrama de Blocos 4 - Deslocando para frente um ponto de junção situado atrás de um bloco Fernando de Oliveira Souza pag.25 Engenharia de Controle Aula 3

26 Redução de Diagrama de Blocos 5 - Deslocando para trás um ponto de soma situado à frente de um bloco Fernando de Oliveira Souza pag.26 Engenharia de Controle Aula 3

27 Redução de Diagrama de Blocos 6 - Eliminando um laço de realimentação Fernando de Oliveira Souza pag.27 Engenharia de Controle Aula 3

28 Redução de Diagrama de Blocos Exercício 1: Reduza o diagrama de blocos Fernando de Oliveira Souza pag.28 Engenharia de Controle Aula 3

29 Redução de Diagrama de Blocos Solução Fernando de Oliveira Souza pag.29 Engenharia de Controle Aula 3

30 Redução de Diagrama de Blocos Solução Fernando de Oliveira Souza pag.30 Engenharia de Controle Aula 3

31 Redução de Diagrama de Blocos Solução Fernando de Oliveira Souza pag.31 Engenharia de Controle Aula 3

32 Redução de Diagrama de Blocos Exercício 2: Reduza o diagrama de blocos Fernando de Oliveira Souza pag.32 Engenharia de Controle Aula 3

33 Redução de Diagrama de Blocos Solução: Fernando de Oliveira Souza pag.33 Engenharia de Controle Aula 3

34 Redução de Diagrama de Blocos Solução: Fernando de Oliveira Souza pag.34 Engenharia de Controle Aula 3

35 Redução de Diagrama de Blocos Solução: Y (s) R(s) = G 1 G 2 1 G 1 G 3 1 G 1G 2 G 4 1 G 1 G 3 ( ) G 5 G 6 G 2 Y (s) R(s) = G 1G 2 G 5 G 1 G 6 1 G 1 G 3 G 1 G 2 G 4 Fernando de Oliveira Souza pag.35 Engenharia de Controle Aula 3

36 Redução de Diagrama de Blocos Exemplo: Usando o MatLab G1 = tf(2,1); G2 = tf(4, [1 0]); G3 = tf(1, [1 0]); Gp = parallel(g1,g2); Gs = series(gp,g3); G = feedback(gs,1,-1); % ou G = feedback(gs,1); G = 2s 4 s 2 2s 4 Fernando de Oliveira Souza pag.36 Engenharia de Controle Aula 3

37 Saída a Múltiplas Entradas R(s) E(s) C(s) U(s) W (s) G(s) D(s) Y (s) H(s) N(s) Uma Função de Transferência: Y R (s) R(s) = G(s)C(s) 1G(s)C(s)H(s) Fernando de Oliveira Souza pag.37 Engenharia de Controle Aula 3

38 Saída a Múltiplas Entradas R(s) E(s) C(s) U(s) W (s) G(s) D(s) Y (s) Y R (s) R(s) = H(s) G(s)C(s) 1G(s)C(s)H(s) Encontre as funções de transferência: Y W (s) W (s), Y D (s) D(s) e Y N(s) N(s) N(s) Fernando de Oliveira Souza pag.38 Engenharia de Controle Aula 3

39 Saída a Múltiplas Entradas R(s) E(s) C(s) U(s) W (s) G(s) D(s) Y (s) H(s) N(s) Encontre a saída Y (s) = Y R (s) Y W (s) Y D (s) Y N (s). Fernando de Oliveira Souza pag.39 Engenharia de Controle Aula 3

40 Saída a Múltiplas Entradas R(s) E(s) C(s) U(s) W (s) G(s) D(s) Y (s) H(s) N(s) Encontre a saída Y (s): Y (s) = G(s)C(s) 1G(s)C(s)H(s) R(s) 1 1G(s)C(s)H(s) D(s) G 1G(s)C(s)H(s) W (s) GCH 1G(s)C(s)H(s) N(s) Fernando de Oliveira Souza pag.40 Engenharia de Controle Aula 3

41 Saída a Múltiplas Entradas R(s) E(s) C(s) U(s) W (s) G(s) D(s) Y (s) H(s) N(s) Encontre a saída E(s): Fernando de Oliveira Souza pag.41 Engenharia de Controle Aula 3

42 Saída a Múltiplas Entradas R(s) E(s) C(s) U(s) W (s) G(s) D(s) Y (s) H(s) N(s) Encontre a saída E(s): E(s) = 1 1G(s)C(s)H(s) R(s) HG 1G(s)C(s)H(s) W (s) H 1G(s)C(s)H(s) D(s) H 1G(s)C(s)H(s) N(s) Fernando de Oliveira Souza pag.42 Engenharia de Controle Aula 3

43 Gráfico de Fluxo de Sinais Motor CC controlado pela armadura Fernando de Oliveira Souza pag.43 Engenharia de Controle Aula 3

44 Fórmula de Mason: Gráfico de Fluxo de Sinais Y (s) R(s) = k: número de percursos diretos k P k k P k : Ganho do k-ésimo percurso direto : Determinante do diagrama = 1 ( todos os ganhos de laços distintos) ( prod. ganhos de todas comb. de laços disjuntos 2 a 2) ( prod. ganhos de todas comb. de laços disjuntos 3 a 3)... k : removendo os laços que tocam o percurso k Fernando de Oliveira Souza pag.44 Engenharia de Controle Aula 3

45 Exemplo: Fórmula de Mason Gráfico de Fluxo de Sinais P 1 = G 1 G 2 G 3 G 4 e P 2 = G 5 G 6 G 7 G 8 Fernando de Oliveira Souza pag.45 Engenharia de Controle Aula 3

46 Gráfico de Fluxo de Sinais Exemplo: Fórmula de Mason L 1 = G 2 H 2 L 2 = G 3 H 3 L 3 = G 6 H 6 L 4 = G 7 H 7 =1 (L 1 L 2 L 3 L 4 )(L 1 L 3 L 1 L 4 L 2 L 3 L 2 L 4 ) Fernando de Oliveira Souza pag.46 Engenharia de Controle Aula 3

47 Exemplo: Fórmula de Mason Gráfico de Fluxo de Sinais =1 (L 1 L 2 L 3 L 4 )(L 1 L 3 L 1 L 4 L 2 L 3 L 2 L 4 ) P 1 : { L1 =0 L 2 =0 P 2 : { L3 =0 L 4 =0 1 =1 (L 3 L 4 ) e 2 =1 (L 1 L 2 ) Fernando de Oliveira Souza pag.47 Engenharia de Controle Aula 3

48 Gráfico de Fluxo de Sinais Exemplo: Fórmula de Mason Y (s) R(s) k = P k k = (G 1G 2 G 3 G 4 )[1 L 3 L 4 ](G 5 G 6 G 7 G 8 )[1 L 1 L 2 ] 1 (L 1 L 2 L 3 L 4 )(L 1 L 3 L 1 L 4 L 2 L 3 L 2 L 4 ) Fernando de Oliveira Souza pag.48 Engenharia de Controle Aula 3

49 Gráfico de Fluxo de Sinais Exemplo: Encontre a função de transferência de R(s) para Y (s) Fernando de Oliveira Souza pag.49 Engenharia de Controle Aula 3

50 Gráfico de Fluxo de Sinais Solução P 1 = G 1 G 2 G 3 G 4 =1 ( G 2 G 3 H 2 G 3 G 4 H 1 G 1 G 2 G 3 G 4 H 3 ) 1 =1 Y (s) = R(s) = k P k k G 1 G 2 G 3 G 4 1 ( G 2 G 3 H 2 G 3 G 4 H 1 G 1 G 2 G 3 G 4 H 3 ) Fernando de Oliveira Souza pag.50 Engenharia de Controle Aula 3

51 Gráfico de Fluxo de Sinais Exercício: Encontre a função de transferência de R(s) para Y (s) Fernando de Oliveira Souza pag.51 Engenharia de Controle Aula 3

Controle de Sistemas. Modelagem Matemática de Sistemas. Renato Dourado Maia. Universidade Estadual de Montes Claros. Engenharia de Sistemas

Controle de Sistemas. Modelagem Matemática de Sistemas. Renato Dourado Maia. Universidade Estadual de Montes Claros. Engenharia de Sistemas Controle de Sistemas Modelagem Matemática de Sistemas Renato Dourado Maia Universidade Estadual de Montes Claros Engenharia de Sistemas Motivação Básica Subsistemas de um Ônibus Espacial 2/25 Componentes

Leia mais

Aula 04 Representação de Sistemas

Aula 04 Representação de Sistemas Aula 04 Representação de Sistemas Relação entre: Função de Transferência Transformada Laplace da saída y(t) - Transformada Laplace da entrada x(t) considerando condições iniciais nulas. Pierre Simon Laplace,

Leia mais

Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID)

Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID) Sistemas Realimentados Regulação e Tipo de sistema: Entrada de referência Entrada de distúrbio Controladores: Proporcional (P) Proporcional e Integral (PI) Proporcional, Integral e Derivativo (PID) Fernando

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares

Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares Representação e Análise de Sistemas Dinâmicos Lineares 1. Funções de transferência de sistemas lineares 2. Diagramas de blocos 3. ráfico de fluxo de sinais 4. Modelagem matemática de sistemas físicos pag.1

Leia mais

Função de Transferência da Máquina cc

Função de Transferência da Máquina cc Função de Transferência da Máquina cc 2-1 Função de Transferência da Máquina cc V + - T - L (s) 1/La + 1/J s+ 1/τ a Ia(s) T(s) s+ 1/τm O motor cc comporta-se como um sistema em malha fechada devido a influência

Leia mais

Descrição de Sistemas LTI por Variáveis de Estados 1

Descrição de Sistemas LTI por Variáveis de Estados 1 Descrição de Sistemas LTI por Variáveis de Estado Os estados de um sistema podem ser definidos como o conjunto mínimo de sinais que descrevem o comportamento dinâmico do sistema. Sendo assim, dado o valor

Leia mais

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i

Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, , b i 3 6 ADL aula 2 Função de Transferência Comecemos escrevendo a forma geral de uma equação diferencial de ordem n, 1 inear e invariante no tempo, onde c(t) é a saída, r(t) é a entrada e os a i, b i e a forma

Leia mais

2.3- DIAGRAMAS DE BLOCOS E DE FLUXO DE SINAL. FÓRMULA DE MASON DIAGRAMA DE BLOCOS DB

2.3- DIAGRAMAS DE BLOCOS E DE FLUXO DE SINAL. FÓRMULA DE MASON DIAGRAMA DE BLOCOS DB 2.3 DIRMS DE BLOOS E DE FLUXO DE SINL. FÓRMUL DE MSON DIRM DE BLOOS DB Os sistemas de controle, geralmente, são constituídos por vários componentes ou partes interligadas. Para mostrar estas interconexões

Leia mais

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio da Frequência. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Modelagem no Domínio da Frequência Carlos Alexandre Mello 1 Transformada de Laplace O que são Transformadas? Quais as mais comuns: Laplace Fourier Cosseno Wavelet... 2 Transformada de Laplace A transf.

Leia mais

Professor Msc. Leonardo Henrique Gonsioroski

Professor Msc. Leonardo Henrique Gonsioroski Professor Msc. Leonardo Henrique Gonsioroski Professor Leonardo Henrique Gonsioroski UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CONTROLE E AUTOMAÇÃO Definições Um sistema que estabeleça

Leia mais

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência

EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência EA616B Análise Linear de Sistemas Resposta em Frequência Prof. Pedro L. D. Peres Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas 2 o Semestre 2013 Resposta em Frequência

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace

Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Sinais e Sistemas Unidade 5 Representação em domínio da frequência para sinais contínuos: Transformada de Laplace Prof. Cassiano Rech, Dr. Eng. rech.cassiano@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame, Me.

Leia mais

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos

Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos Modelagem Matemática de Sistemas Eletromecânicos Estudos e Analogias de modelos de funções de transferências. Prof. Edgar Brito Introdução Os sistemas elétricos são componentes essenciais de muitos sistemas

Leia mais

Sumário. CAPÍTULO 1 Introdução 1. CAPÍTULO 2 Terminologia dos Sistemas de Controle 14

Sumário. CAPÍTULO 1 Introdução 1. CAPÍTULO 2 Terminologia dos Sistemas de Controle 14 Sumário CAPÍTULO 1 Introdução 1 1.1 Sistemas de controle 1 1.2 Exemplos de sistemas de controle 2 1.3 Sistemas de controle de malha aberta e malha fechada 3 1.4 Realimentação 3 1.5 Características da realimentação

Leia mais

Modalidades de locomoção. Modalidades de locomoção. Modalidades de locomoção. Locomoção, motores e atuadores. Rodas. Esteiras

Modalidades de locomoção. Modalidades de locomoção. Modalidades de locomoção. Locomoção, motores e atuadores. Rodas. Esteiras Princípios de Controle de Robôs Departamento de Engenharia Elétrica (ENE) Universidade de rasília (Un) Rodas Locomoção, motores e atuadores Convencionais Prof. Geovany. orges e-mail: gaborges@unb.br 90

Leia mais

SISTEMAS DE CONTROLE E CONTROLE EM MALHA FECHADA

SISTEMAS DE CONTROLE E CONTROLE EM MALHA FECHADA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS SISTEMAS DE CONTROLE E CONTROLE EM MALHA FECHADA Apresentado ao professor Renato de Sousa Dâmaso, da disciplina de Contexto Social e Profissional

Leia mais

Introdução: Sistemas de Controle Realimentados

Introdução: Sistemas de Controle Realimentados Introdução: Sistemas de Controle Realimentados ENGC42: Sistemas de Controle I Departamento de Engenharia Elétrica - DEE Universidade Federal da Bahia - UFBA 11 de janeiro de 2016 Prof. Tito Luís Maia Santos

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 1.1 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada................ 5 1.2 Componentes de um sistema de controle............................ 5 1.3 Comparação

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DINÂMICOS NA FORMA DO ESPAÇO DOS ESTADOS. Espaço dos estados Representação da dinâmica de um sistema de ordem n usando n equações diferenciais de primeira ordem. Sistema é escrito

Leia mais

Aula 22. Conversão Sigma-Delta (continuação)

Aula 22. Conversão Sigma-Delta (continuação) Aula 22 Conversão Sigma-Delta (continuação) A estrutura mostrada na figura A.22.1 é chamado modulador Sigma-Delta (Σ- ). Esta estrutura, além de ser mais simples, pode ser considerada como uma versão suavizada

Leia mais

Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação

Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação Capítulo 3 Sistemas de Controle com Realimentação Gustavo H. C. Oliveira TE055 Teoria de Sistemas Lineares de Controle Dept. de Engenharia Elétrica / UFPR Gustavo H. C. Oliveira Sistemas de Controle com

Leia mais

Introdução ao Controle em Espaço de Estados - Escrevendo as Equações de Estado

Introdução ao Controle em Espaço de Estados - Escrevendo as Equações de Estado Introdução ao Controle em Espaço de Estados - Escrevendo as Equações de Estado Eduardo M. A. M. Mendes DELT - UFMG Curso de Engenharia de Controle e Automação Universidade Federal de Minas Gerais emmendes@cpdee.ufmg.br

Leia mais

Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade

Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade Laboratórios de CONTROLO (LEE) 2 o Trabalho Motor DC Controlo de Velocidade Baseado no trabalho Controlo de Velocidade de um motor DC de E. Morgado, F. Garcia e J. Gaspar João Miguel Raposo Sanches 1 o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO Sumário I Controle Contínuo Introdução 3. Sistemas de Controle

Leia mais

3. REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS

3. REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS 3. REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS A abordagem à teoria dos sistemas, seguida até agora, partiu de alguns exemplos de sistemas físicos, determinou descrições das suas dinâmicas em termos de equações diferenciais

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada de Laplace. Resposta ao Sinal Exponencial Resumo Sinais e Sistemas Transformada de aplace uís Caldas de Oliveira lco@istutlpt Instituto Superior Técnico Definição da transformada de aplace Região de convergência Propriedades da transformada de

Leia mais

Sintonia de Controladores PID. TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica

Sintonia de Controladores PID. TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica Sintonia de Controladores PID TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica Sintonia de Controladores Características Desejáveis do Controlador

Leia mais

Questões para Revisão Controle

Questões para Revisão Controle Questões para Revisão Controle 1. (PROVÃO-1999)A Figura 1 apresenta o diagrama de blocos de um sistema de controle, e a Figura 2, o seu lugar das raízes para K > 0. Com base nas duas figuras, resolva os

Leia mais

EN2607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2012

EN2607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2012 EN607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 fevereiro 03 EN607 Transformadas em Sinais e Sistemas Lineares Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 0

Leia mais

I Controle Contínuo 1

I Controle Contínuo 1 Sumário I Controle Contínuo 1 1 Introdução 3 11 Sistemas de Controle em Malha Aberta e em Malha Fechada 5 12 Componentes de um sistema de controle 5 13 Comparação de Sistemas de Controle em Malha Aberta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEPARTAMENTO DE AUTOMAÇÃO E SISTEMAS FUNDAMENTOS DE CONTROLE CLÁSSICO Sumário I Controle Contínuo Introdução 3. Sistemas de Controle

Leia mais

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação

Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF. Disciplina: TEQ102- CONTROLE DE PROCESSOS. Diagrama de Bode. Outros Processos de Separação Departamento de Engenharia Química e de Petróleo UFF Disciplina: TEQ1- CONTROLE DE PROCESSOS custo Diagrama de Bode Outros Processos de Separação Prof a Ninoska Bojorge Informação Papel Bode 1 3 Papel

Leia mais

Aula 8 Controladores do tipo Proporcional, Integral e Diferencial

Aula 8 Controladores do tipo Proporcional, Integral e Diferencial Aula 8 Controladores do tipo Proporcional, Integral e Diferencial Introdução Estrutura do Controlador PID Efeito da Ação Proporcional Efeito da Ação Integral Efeito da Ação Derivativa Sintonia de Controladores

Leia mais

Transformada de Laplace. Parte 3

Transformada de Laplace. Parte 3 Transformada de Laplace Parte 3 Elementos de circuito no domínio da frequência O resistor no domínio da frequência Pela lei de OHM : v= Ri A transformada da equação acima é V(s) = R I(s) O indutor no domínio

Leia mais

Resumo. Sistemas e Sinais Definição de Sinais e de Sistemas (2) Definição de Sistemas. Esta Aula

Resumo. Sistemas e Sinais Definição de Sinais e de Sistemas (2) Definição de Sistemas. Esta Aula Resumo Sistemas e Sinais Definição de Sinais e de Sistemas (2) lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Definição de sistemas. Espaço de funções. Equações diferenciais e às diferenças. Sistemas com e

Leia mais

Modelos Matemáticos de Sistemas

Modelos Matemáticos de Sistemas Modelos Matemáticos de Sistemas Introdução; Equações Diferenciais de Sistemas Físicos; Aproximações Lineares de Sistemas Físicos; Transformada de Laplace; Função de Transferência de Sistemas Lineares;

Leia mais

Resolução da Lista 5. Questão 1:

Resolução da Lista 5. Questão 1: Resolução da Lista 5 Questão 1: a) A- Ação do Controlador: Quando o nível aumenta (em relação ao set-point), a válvula deve abrir, para re restabelecê-lo ao set-point. Para a válvula abrir, como ela é

Leia mais

Engenharia de Controle

Engenharia de Controle Engenharia de Controle Prof. Fernando de Oliveira Souza Contato: Sala 2523 (BLOCO 1) e-mail: fosouza@cpdee.ufmg.br www.cpdee.ufmg.br/ fosouza Terças-feiras (20h55 às 22h35) e Sextas-feiras (19h00 às 20h40)

Leia mais

Função de Transferência de Malha Fechada

Função de Transferência de Malha Fechada Função de Transferência de Malha Fechada R(s) B(s) + - E(s) Controlador Gc(S) U(s) Sensor G(S) Planta C(s) C(s)=G(s)*U(s) H(S) C(s)=G(s)*Gc(s)*E(s) C(s)=G(s)*Gc(s)*[ R(s)-B(s) ] C(s)=G(s)*Gc(s)*[ R(s)-H(s)*C(s)

Leia mais

Princípios de Telecomunicações. PRT60806 Aula 10: Efeitos da FT / Diagrama de Bode Professor: Bruno Fontana da silva 2014

Princípios de Telecomunicações. PRT60806 Aula 10: Efeitos da FT / Diagrama de Bode Professor: Bruno Fontana da silva 2014 Princípios de Telecomunicações PRT686 Aula 1: Efeitos da FT / Diagrama de Bode Professor: Bruno Fontana da silva 214 1 Análise em frequência de sinais filtrados EFEITOS DE UM CANAL OU FILTRO SOBRE O SINAL

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS PERÍODO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA EMENTAS 2016.1 1 PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DISCIPLINA:

Leia mais

O Papel dos Pólos e Zeros

O Papel dos Pólos e Zeros Departamento de Engenharia Mecatrônica - EPUSP 27 de setembro de 2007 1 Expansão em frações parciais 2 3 4 Suponha a seguinte função de transferência: m l=1 G(s) = (s + z l) q i=1(s + z i )(s + p m ),

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16 CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/16 - Introdução - Método de avaliação - Data das provas: P1: 04/10/16 P2: 08/11/16 P3: 22/11/16 (somente para faltosos) - Suspensão de aulas: 09/08/16, 16/08/16, 15/11/16

Leia mais

Automação Industrial Unidade 2 Controle Automático

Automação Industrial Unidade 2 Controle Automático Automação Industrial Unidade 2 Controle Automático Prof. Rodrigo Cardoso Fuentes diretor.ctism@gmail.com Prof. Rafael Concatto Beltrame beltrame@mail.ufsm.br Objetivos da Aula 1. Conceituar Malha de controle

Leia mais

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15

CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15 CIRCUITOS ELÉTRICOS I PROGRAMAÇÃO 02/15 Aula 1 04/08/15 - Introdução - Método de avaliação - Data das provas: P1: 29/09/15 P2: 03/11/15 P3: 10/11/15 (somente para faltosos) - Suspensão de aulas: Não há

Leia mais

Identificação e Controle Adaptativo

Identificação e Controle Adaptativo Identificação e Controle Adaptativo Prof. Antonio A. R. Coelho 1 Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC Grupo de Pesquisa em Tecnologias de Controle Aplicado, GPqTCA Departamento de Automação e Sistemas,

Leia mais

Símbolos e Identificação

Símbolos e Identificação Símbolos e Identificação 1. Introdução A simbologia de instrumentação analógica e digital, compartilhada e integral, distribuída e centralizada se baseia nas seguintes normas americanas (geralmente traduzidas

Leia mais

Análise de Erro Estacionário

Análise de Erro Estacionário Análise de Erro Estacionário Sistema de controle pode apresentar erro estacionário devido a certos tipos de entrada. Um sistema pode não apresentar erro estacionário a uma determinada entrada, mas apresentar

Leia mais

Erros de Estado Estacionário. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Erros de Estado Estacionário. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Erros de Estado Estacionário Carlos Alexandre Mello 1 Introdução Projeto e análise de sistemas de controle: Resposta de Transiente Estabilidade Erros de Estado Estacionário (ou Permanente) Diferença entre

Leia mais

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva

UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva UNIVERSIDADE GAMA FILHO PROCET DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Disciplina de Controle II Prof. MC. Leonardo Gonsioroski da Silva 1. K. Ogata: Engenharia de Controle Moderno, 5 Ed., Pearson, 2011 2.

Leia mais

CONTROLE. Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação. Programa da disciplina 2 o Semestre de Prof.

CONTROLE. Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação. Programa da disciplina 2 o Semestre de Prof. Objetivos: CONTROLE Área de Ciências Exatas e Tecnologia Sub área de Computação Engenharia da Computação T7013A Programa da disciplina 2 o Semestre de 2008 Prof. Valdemir Carrara Conteúdo da disciplina

Leia mais

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados

Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados Desempenho de Sistemas de Controle Realimentados. Erro em estado estacionário de sistemas de controle realimentados 2. Erro em estado estacionário de sistemas com realimentação não-unitária 3. Índice de

Leia mais

Introdução Diagramas de Bode Gráficos Polares Gráfico de Amplitude em db Versus Fase. Aula 14. Cristiano Quevedo Andrea 1

Introdução Diagramas de Bode Gráficos Polares Gráfico de Amplitude em db Versus Fase. Aula 14. Cristiano Quevedo Andrea 1 Cristiano Quevedo Andrea 1 1 UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curitiba, Outubro 2012. 1 / 48 Resumo 1 Introdução 2 Diagramas de Bode 3

Leia mais

João Baptista Bayão Ribeiro USO DO SCILAB PARA O CÁLCULO DO ERRO EM ESTADO ESTACIONÁRIO

João Baptista Bayão Ribeiro USO DO SCILAB PARA O CÁLCULO DO ERRO EM ESTADO ESTACIONÁRIO João Baptista Bayão Ribeiro USO DO SCILAB PARA O CÁLCULO DO ERRO EM ESTADO ESTACIONÁRIO Rio de Janeiro 2014 2 ÍNDICE SUMÁRIO...3 INTRODUÇÃO...4 SISTEMAS DE REALIMENTAÇÃO UNITÁRIA...6 ERRO EM ESTADO ESTACIONÁRIO

Leia mais

5 Transformadas de Laplace

5 Transformadas de Laplace 5 Transformadas de Laplace 5.1 Introdução às Transformadas de Laplace 4 5.2 Transformadas de Laplace definição 5 5.2 Transformadas de Laplace de sinais conhecidos 6 Sinal exponencial 6 Exemplo 5.1 7 Sinal

Leia mais

Fig. 1 (a) Diagrama de Amplitude e (b) diagrama de fase de um filtro passa-baixo (um polo em s=ω o

Fig. 1 (a) Diagrama de Amplitude e (b) diagrama de fase de um filtro passa-baixo (um polo em s=ω o Fig. 1 (a) Diagrama de Amplitude e (b) diagrama de fase de um filtro passa-baixo (um polo em s=ω o ). 0 Fig. 2 (a) Diagrama de Amplitude e (b) diagrama de fase de um filtro passa-alto (um zero em s=0 e

Leia mais

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2005/2006. Controlo de velocidade de um motor D.C.

Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Controlo 2005/2006. Controlo de velocidade de um motor D.C. Instituto Superior Técnico Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Controlo 2005/2006 Controlo de velocidade de um motor D.C. Elaborado por E. Morgado 1 e F. M. Garcia 2 Reformulado

Leia mais

Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace

Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace Análise de Sistemas em Tempo Contínuo usando a Transformada de Laplace Edmar José do Nascimento (Análise de Sinais e Sistemas) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do

Leia mais

Representação de Fourier para Sinais 1

Representação de Fourier para Sinais 1 Representação de Fourier para Sinais A representação de Fourier para sinais é realizada através da soma ponderada de funções senoidais complexas. Se este sinal for aplicado a um sistema LTI, a saída do

Leia mais

Matrizes e Linearidade

Matrizes e Linearidade Matrizes e Linearidade 1. Revisitando Matrizes 1.1. Traço, Simetria, Determinante 1.. Inversa. Sistema de Equações Lineares. Equação Característica.1. Autovalor & Autovetor 4. Polinômios Coprimos 5. Função

Leia mais

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA

CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL ASSOCIADO A UM INVERSOR DE FREQUÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIENCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA LEMA LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA E CONTROLE AUTOMATIZADO DA IRRIGAÇÃO UTILIZANDO UM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

Leia mais

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE Joinville Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Sistemas de Controle - I ESTRUTURAS ESPECIAIS DE CONTROLE

Leia mais

CAP. 3 REALIMENTAÇÃO TE 054 CIRCUITOS ELETRÔNICOS LINEARES

CAP. 3 REALIMENTAÇÃO TE 054 CIRCUITOS ELETRÔNICOS LINEARES CAP. 3 REALIMENTAÇÃO INTRODUÇÃO Realimentação: uma amostra do sinal de saída é incorporada à entrada Realimentação: Positiva (regenerativa) Negativa (degenerativa) Vantagens da realimentação negativa Estabilização

Leia mais

Modelos Variáveis de Estado

Modelos Variáveis de Estado Modelos Variáveis de Estado Introdução; Variáveis de Estados de Sistemas Dinâmicos; Equação Diferencial de Estado; Função de Transferência a partir das Equações de Estados; Resposta no Domínio do Tempo

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2

Realimentação. gerados tanto por os componentes do circuito como interferências externas. (continua) p. 2/2 p. 1/2 Resumo Realimentação Dessensibilização do Ganho Extensão de Largura de Banda Redução de Ruído Redução de Distorção não Linear As quatro tipologias básicas Amplificadores de Tensão Amplificadores

Leia mais

LISTA /1. a) Quanto maior o tempo morto, maior deverá ser a ação b) Quanto maior o ganho do processo menor deverá ser o ganho do controlador.

LISTA /1. a) Quanto maior o tempo morto, maior deverá ser a ação b) Quanto maior o ganho do processo menor deverá ser o ganho do controlador. LISTA 006/ ) (005/, PARTE A) Um sistema dinâmico é modelado por função de transferência de primeira ordem com tempo morto. Comente sobre as seguintes afirmativas: a) Quanto maior o tempo morto, maior deverá

Leia mais

Função de Transferência do Amplificador re- alimentado

Função de Transferência do Amplificador re- alimentado p. 1/2 Resumo Efeito da Realimentação nos Pólos do Amplificador Amplificador só com um Pólo Amplificador com dois Pólos Amplificador com três ou mais Pólos Estabilidade usando Diagramas de Bode Compensação

Leia mais

Experiência 05: TRANSITÓRIO DE SISTEMAS RC

Experiência 05: TRANSITÓRIO DE SISTEMAS RC ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Sinais e Sistemas. Tempo para Sistemas Lineares Invariantes no Tempo. Representações em Domínio do. Profª Sandra Mara Torres Müller.

Sinais e Sistemas. Tempo para Sistemas Lineares Invariantes no Tempo. Representações em Domínio do. Profª Sandra Mara Torres Müller. Sinais e Sistemas Representações em Domínio do Tempo para Sistemas Lineares Invariantes no Tempo Profª Sandra Mara Torres Müller Aula 7 Representações em Domínio do Tempo para Sistemas Lineares e Invariantes

Leia mais

Aula 13 Análise no domínio da frequência

Aula 13 Análise no domínio da frequência Aula 13 Análise no domínio da frequência A resposta em frequência é a resposta do sistema em estado estacionário (ou em regime permanente) quando a entrada do sistema é sinusoidal. Métodos de análise de

Leia mais

Controle Digital. Henrique C. Ferreira. Universidade de Brasília. 2 o semestre 2015

Controle Digital. Henrique C. Ferreira. Universidade de Brasília. 2 o semestre 2015 Controle Digital Henrique C. Ferreira Universidade de Brasília 2 o semestre 2015 Henrique C. Ferreira (UnB) Controle Digital 2 o semestre 2015 1 / 25 Motivação Os sistemas de controle estudados até o momento

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo. Resposta ao Impulso. Representação de Sequências

Resumo. Sinais e Sistemas Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo. Resposta ao Impulso. Representação de Sequências Resumo Sinais e Sistemas Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico SLITs discretos. O somatório de convolução. SLITs contínuos. A convolução contínua. Propriedades

Leia mais

Controle de Sistemas. O Método do Lugar das Raízes. Renato Dourado Maia. Universidade Estadual de Montes Claros. Engenharia de Sistemas

Controle de Sistemas. O Método do Lugar das Raízes. Renato Dourado Maia. Universidade Estadual de Montes Claros. Engenharia de Sistemas Controle de Sistemas O Método do Lugar das Raízes Renato Dourado Maia Universidade Estadual de Montes Claros Engenharia de Sistemas Introdução No projeto de um sistema de controle, é fundamental se determinar

Leia mais

Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas

Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas Professor - Romeu Corradi Júnior Centro de Educação Profissional da Universidade Estadual de Campinas Atividades: Resolução de exercícios com alguns comentários (Lista 01-FSM1) 1. Obter as tabelas de transição

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

Simulação de Sistemas Dinâmicos Lineares Visão Geral do Matlab

Simulação de Sistemas Dinâmicos Lineares Visão Geral do Matlab Universidade de Brasília Laboratório de Análise Dinâmica Linear Experimento 01 - primeira parte Simulação de Sistemas Dinâmicos Lineares Visão Geral do Matlab Lab ADL (Experimento 01-1a parte) Simulação

Leia mais

Resposta em Frequência de Sistemas LTI 1

Resposta em Frequência de Sistemas LTI 1 Resposta em Frequência de Sistemas LTI A resposta em frequência de um sistema LTI fornece a caracterização intuitiva do comportamento entrada-saída do sistema. Isto ocorre porque a convolução no domínio

Leia mais

ADL A Representação Geral no Espaço de Estados

ADL A Representação Geral no Espaço de Estados ADL14 3.3 A Representação Geral no Espaço de Estados definições Combinação linear: Uma combinação linear de n variáveis, x i, para r = 1 a n, é dada pela seguinte soma: (3.17) onde cada K i é uma constante.

Leia mais

CONCEITOS EM CONTROLE. Introdução Não Matemática

CONCEITOS EM CONTROLE. Introdução Não Matemática CONCEITOS EM CONTROLE Introdução Não Matemática SISTEMAS O objeto de estudo da área de controle são os sistemas. Sistemas são conjuntos de elementos interconectados que trocam informação Como a teoria

Leia mais

Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada.

Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada. 1 Sistema de Controle: é um sistema cuja saída é controlada para assumir um valor determinado ou seguir uma determinada entrada. Fig.01 Sistema de controle manual para regular o nível de fluído em um reservatório.

Leia mais

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica. Sistemas de Controle Realimentados

Sistemas e Sinais. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia Elétrica. Sistemas de Controle Realimentados Critério de Estabilidade de Nyquist Introdução Princípio do Argumento Contorno de Nyquist Exemplos Problemas Propostos 1 Critério de Estabilidade de Nyquist { Estabilidade absoluta Estudo de Estabilidade

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores - MEEC CONTROLO. 1º semestre Introdução ao Matlab e Simulink

Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores - MEEC CONTROLO. 1º semestre Introdução ao Matlab e Simulink Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores - MEEC CONTROLO º semestre 0-0 Introdução ao Matlab e Simulink - Ensaios a realizar durante a sessão de Laboratório Objectivo: Familiarização

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controle de Processos

Fundamentos de Automação. Controle de Processos Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controle

Leia mais

p. 1/1 Resumo Filtros de Capacidades Comutadas

p. 1/1 Resumo Filtros de Capacidades Comutadas p. 1/1 Resumo Filtros de Capacidades Comutadas p. 2/1 Introdução Os circuitos activos RC apresentados tem duas propriedades que fazem a produção em circuito integrado impraticável que são: a necessidade

Leia mais

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas

Universidade Federal de São João del-rei. Material Teórico de Suporte para as Práticas Universidade Federal de São João del-rei Material Teórico de Suporte para as Práticas 1 Amplificador Operacional Um Amplificador Operacional, ou Amp Op, é um amplificador diferencial de ganho muito alto,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA

RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA RELATÓRIO FINAL: PROJETO DESAFIO CONTROLE DE POSIÇÃO DE UMA VÁLVULA Laboratório de Controle e Automação 1 ( LECI 1 ) Professor: Reinaldo Martinez Palhares Integrantes: Henrique Goseling Araújo, Hugo Montalvão

Leia mais

Ánalise de Circuitos. 1. Método Intuitivo

Ánalise de Circuitos. 1. Método Intuitivo Ánalise de Circuitos 1. Método Intuitivo Ramo de um circuito: é um componente isolado tal como um resistor ou uma fonte. Este termo também é usado para um grupo de componentes sujeito a mesma corrente.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA LUGAR DAS RAÍZES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA LUGAR DAS RAÍZES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA LUGAR DAS RAÍZES A função de transferência do circuito abaixo em malha fechada é: F(s) = C(s) = G(s)

Leia mais

Um sistema de controle consiste em subsistemas e processos (ou plantas) reunidos com o propósito de controlar as saídas dos processos.

Um sistema de controle consiste em subsistemas e processos (ou plantas) reunidos com o propósito de controlar as saídas dos processos. Sistemas de Controle Um sistema de controle consiste em subsistemas e processos (ou plantas) reunidos com o propósito de controlar as saídas dos processos. Exemplo: Uma caldeira produz calor como resultado

Leia mais

ANÁLISE DO LUGAR DAS RAÍZES

ANÁLISE DO LUGAR DAS RAÍZES VII- &$3Ì78/ 9,, ANÁLISE DO LUGAR DAS RAÍZES 7.- INTRODUÇÃO O étodo de localização e análise do lugar das raízes é ua fora de se representar graficaente os pólos da função de transferência de u sistea

Leia mais

Aula 2. Carlos Amaral Fonte: Cristiano Quevedo Andrea

Aula 2. Carlos Amaral Fonte: Cristiano Quevedo Andrea Aula 2 Carlos Amaral Fonte: Cristiano Quevedo Andrea UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná DAELT - Departamento Acadêmico de Eletrotécnica Curitiba, Agosto de 2011. Resumo Terminologias 1

Leia mais

Controle em Cascata. TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica

Controle em Cascata. TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica Controle em Cascata TCA: Controle de Processos 2S / 2012 Prof. Eduardo Stockler Universidade de Brasília Depto. Engenharia Elétrica (Exemplo) CONTROLE DE UM REATOR Realimentação Simples O Processo Reação

Leia mais

Método das Malhas. Abordagem Geral

Método das Malhas. Abordagem Geral Método das Malhas Abordagem Geral Método das Malhas 1. Associe uma corrente no sentido horário a cada malha fechada e independente do circuito. Não é necessário escolher o sentido horário para todas as

Leia mais

Aula 5. Mapas de Karnaugh. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira

Aula 5. Mapas de Karnaugh. SEL Sistemas Digitais. Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira Aula 5 Mapas de Karnaugh EL 44 - istemas Digitais Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira . Mapa de KARNAUGH ou Mapa K l É uma exposição visual de produtos fundamentais necessários para um solução de

Leia mais

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO

PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO PRINCÍPIOS DE COMUNICAÇÃO RUÍDO EM MODULAÇÕES ANALÓGICAS Evelio M. G. Fernández - 2011 Processo Aleatório (ou Estocástico): Função aleatória do tempo para modelar formas de onda desconhecidas. Processos

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara Equações Diferenciais Ordinárias Modelagem de Sistemas Dinâmicos Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle

Leia mais