A URBANIZAÇÃO PELA INDUSTRIALIZAÇÃO: MODIFICAÇÃO DO ESPAÇO PELA CRIAÇÃO DO DISTRITO INDUSTRIAL RENAULT EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS- BAIRRO BORDA DO CAMPO.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A URBANIZAÇÃO PELA INDUSTRIALIZAÇÃO: MODIFICAÇÃO DO ESPAÇO PELA CRIAÇÃO DO DISTRITO INDUSTRIAL RENAULT EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS- BAIRRO BORDA DO CAMPO."

Transcrição

1 A URBANIZAÇÃO PELA INDUSTRIALIZAÇÃO: MODIFICAÇÃO DO ESPAÇO PELA CRIAÇÃO DO DISTRITO INDUSTRIAL RENAULT EM SÃO JOSÉ DOS PINHAIS- BAIRRO BORDA DO CAMPO. Helen Caroline Cunha BARBOSA Universidade Federal do Paraná UFPR, Curitiba PR. 1. INTRODUCÃO E OBJETIVOS A industrialização na cidade de São José dos Pinhais, estado do Paraná, trouxe para a cidade a modificação do espaço rural em áreas urbanizadas. Como é o caso do Distrito Industrial Renault, que se localiza no bairro Borda do Campo, que anteriormente à criação do Distrito era essencialmente rural. Essas modificações podem ser verificadas por imagens de satélite e fotografias aéreas da localidade em um período de mais de 10 anos, e com esses dados podemos mapear as modificações ocorridas e também verificar a infraestrutura que foi implantada para que esse espaço rural se tornasse urbanizado, uma tendência que vem ocorrendo em grandes cidades por todo o Brasil. A observação dos aspectos relacionados à instalação da Renault, especialmente no bairro onde esta se encontra, traz informações importantes para demonstrar os impactos que essas grandes indústrias multinacionais causaram e causam à comunidade do entorno, em todos seus aspectos sócioespaciais. Nesse sentido, o principal objetivo deste trabalho é avaliar as teorias sobre os impactos sócioespaciais dos grandes investimentos industriais mediante estudo de caso sobre a implantação da montadora Renault no bairro Borda do Campo, em São José dos Pinhais Paraná.

2 2. MÉTODOS O presente estudo será realizado no município de São José dos Pinhais, especificamente no Bairro Borda do Campo, que se localiza na BR277, dentro deste município, que faz parte da Região Metropolitana de Curitiba. A metodologia de pesquisa consiste no estudo histórico das transformações sócioespaciais acarretadas pela implantação da Renault na área de estudo por meio de: a) pesquisa bibliográfica e documental, em teses, artigos, livros, periódicos, verificação dos cadastros da Prefeitura de São José dos Pinhais de estabelecimentos comerciais no bairro, dados de IDH, população, por exemplo. Material bibliográfico não somente na área de Geografia, mas também em outras áreas das ciências sociais e de planejamento urbano. b) aplicações de questionários com perguntas abertas e fechadas para a comunidade local e comerciantes do bairro Borda do Campo. Desta forma tendo acesso a dados de grande importância para melhores resultados da pesquisa, pois elucida a vivencia dos moradores e dos comerciantes ao longos dos anos desde a implantação da montadora Renault.

3 3. DISCUSSÃO E RESULTADOS ESPERADOS Após os anos 1990, diversas empresas estrangeiras encontraram no Brasil uma possibilidade de expansão comercial. Com incentivos fiscais, se fixaram em cidades como as da Região Metropolitana de Curitiba, no caso a cidade objeto desse estudo, São Jose dos Pinhais. Que teve seu crescimento populacional e também econômico acentuados por ocasião da instalação dessas empresas. E com esse crescimento viu-se alterado a dinâmica de bairros como Borda do Campo, em que a empresa Renault instalou-se. Segundo (TAVARES, 2004) em sua pesquisa sobre os impactos da criação dos distritos industriais em São José dos Pinhais para a implantação das montadoras como a Renault, no âmbito socioespacial, a cidade apresentou nos anos 90 um grande crescimento populacional, neste período a taxa de urbanização cresceu muito, chegando há cerca de 90% da população vivendo no município. A análise elaborada por Lilian Tavares em 2004, abrangeu o município de São José dos Pinhais, ao passo que a pesquisa proposta aqui é especifica do Bairro Borda do Campo, local no município onde foi instalado o Distrito Industrial Renault. Segundo (SANTOS, 1994) quanto mais à globalização se aprofunda, impondo regulações verticais novas às regulações horizontais preexistentes, tanto mais forte a tensão entre globalidade e localidade, entre o mundo e o lugar. Mas quanto mais o mundo se afirma, tanto mais este último se torna único. Essas configurações regionais surgem da integração entre horizontalidades e verticalidades. Milton Santos repete sumariamente a idéia de tensão entre globalidade e localidade, e segundo (LOCK; DINIZ FILHO,2014) não explica essa afirmação com descrições de qualquer processo histórico, que possa servir como exemplo das tensões entre horizontalidades e verticalidades, e nem mesmo com comprovação de aspectos sociais e econômicos negativos, que tem como fator de causa o mercado mundial. Podemos então

4 verificar com este projeto, se esta tensão entre globalidade e localidade existe na região estudada, que recebeu uma empresa transnacional através do processo de globalização E analisando a seguir uma fotografia aérea de 1999 e outra imagem de satélite de 2015, figuras 1 e 2, pode ser verificada a ocorrência de uma grande urbanização no entorno do Distrito Industrial da Renault, e com o aprofundamento do estudo poderemos chegar aos aspectos econômicos, espaciais e sociais que ocorreram neste local pela industrialização. BAIRRO BORDA DO CAMPO Figura 1- Mapa de Localizacão da Área Industrial Renault no Bairro Borda do Campo, São José dos Pinhais, no ano de Fonte: Prefeitura Municipal de São José dos Pinhais Áreas U Áreas Urbanizadas

5 Fábrica Fábrica da Renault BAIRRO BORDA DO CAMPO Figura 2- Mapa de Localizacão da Área Industrial Renault no Bairro Borda do Campo, São José dos Pinhais, no ano de Fonte: Google Earth Áreas U Áreas Urbanizadas Fábrica Fábrica da Renault

6 4. CONCLUSÕES De acordo com (DAVID, 2001) citado por Lilian Tavares em sua pesquisa, o bairro Borda do Campo em São Jose dos Pinhais, já apresentava um fluxo migratório acentuado em 2001, e já apresentava problemas de infraestrutura como saneamento básico, ocupação do solo, aproveitamento dos recursos hídricos. Isto porque o crescimento migratório nessa região aconteceu em proporções maiores que as projetadas. E nos dias de hoje, com a definição de Distrito Industrial de São Jose dos Pinhais consolidada no bairro, serão verificadas quais as alterações nesse processo de crescimento urbano ocorreram. E também há necessidade de estudos empíricos para testar o diagnóstico critico de Milton Santos, exposto no presente trabalho.

7 5. AGRADECIMENTOS Agradeço a Universidade Federal do Paraná pela oportunidade de poder estudar geografia e utilizar meus conhecimentos para elaboração deste projeto. E ao professor Dr. Luis Lopes Diniz Filho, por me orientar neste projeto que será continuado num futuro mestrado.

8 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DAVID, V. L. Impacto Ambiental com o processo migratório no município de São José dos Pinhais Estudos de Caso: Bairros do Guatupê e Borda do Campo. Curitiba, DOZENA, A. São Carlos e seu desenvolvimento: contradições urbanas de um pólo tecnológico, São Paulo,2008. LOCH, F. A. S; DINIZ FILHO, L L. O Brasil na globalização: cirtica à perspectiva de Milton Santos. Revista Geografar, Curitiba, V.9,n.1,p.63-98, junho de SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, TAVARES, L. P. O. São José dos Pinhais no contexto da recente industrialização metropolitana: Reflexos Socioespacias. Curitiba,2004. Fotografia aérea do bairro Borda do Campo de Fornecida pela Prefeitura Municipal de São José dos Pinhais, Secretaria de Urbanismo, marco de Imagem de satélite do bairro Borda do Campo de Disponível em acessado em 30/04/2015.

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais

a) b) c) d) e) 3 2 1

a) b) c) d) e) 3 2 1 SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 7 ª TURMA(S):

Leia mais

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR

Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Vegetação Amenizadora da Poluição Industrial no Bairro Cidade Industrial de Curitiba / PR Debora Cristina LOPES Universidade Federal do Paraná A questão da cobertura vegetal em áreas urbanas possui cada

Leia mais

POLLO FERREIRA ALVES SÉRIE: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO:

POLLO FERREIRA ALVES SÉRIE: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: P L A N O D E E N S I N O A N O D E 2 0 1 3 ÁREA / DISCIPLINA: Humanas / Geografía Professor(a): MARCO POLLO FERREIRA ALVES SÉRIE: Nº DE HORAS/AULA SEMANAL: TOTAL DE HORAS/AULA/ANO: 1ª 02 COMPETÊNCIA GERAL:

Leia mais

Tese de Doutorado em Ciências Sociais, UFRN, 2006

Tese de Doutorado em Ciências Sociais, UFRN, 2006 LAZER EM NATAL Tese de Doutorado em Ciências Sociais, UFRN, 2006 METODOLOGIA Foi feita a análise dos equipamentos públicos de lazer existentes em diversos bairros da cidade do Natal, e estabelecida a relação

Leia mais

MACROMODELO DE GLEBAS E A RELAÇÃO GLEBA/LOTE

MACROMODELO DE GLEBAS E A RELAÇÃO GLEBA/LOTE XIV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES MACROMODELO DE GLEBAS E A RELAÇÃO GLEBA/LOTE EngºMarcelo Medvid Arqª Cynthia Marília Carraro de Assis EngºLuciano Ventura AVALIAÇÃO DE GLEBAS

Leia mais

ESTILO E PREÇO CURITIBA E REGIÃO GANHAM SEU PRIMEIRO OUTLET

ESTILO E PREÇO CURITIBA E REGIÃO GANHAM SEU PRIMEIRO OUTLET ESTILO E PREÇO CURITIBA E REGIÃO GANHAM SEU PRIMEIRO OUTLET Uma estrutura à altura para receber a sua marca O Grupo Amalfitana tem a satisfação de apresentar ao mercado o primeiro outlet de Curitiba e

Leia mais

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO:

MOTIVO DA URBANIZAÇÃO: URBANIZAÇÃO CONCEITO: É a transformação de espaços naturais e rurais em espaços urbanos, concomitantemente à transferência em larga escala da população do campo para a cidade êxodo rural em razão de diversos

Leia mais

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE

Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE http://dx.doi.org/10.12702/viii.simposfloresta.2014.210-469-2 Uso de geotecnologias livres para o mapeamento das plantações de Eucalipto, Nossa Senhora do Socorro-SE Janisson B. de Jesus 1, Dráuzio C.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA EIXO TEMÁTICO: O MUNDO 1 O ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES Compreender o espaço geográfico como resultante das interações históricas entre sociedade e natureza

Leia mais

PLANO DE AULA. Geografia Urbana de Natal/RN: Problemas ambientais e falta de planejamento

PLANO DE AULA. Geografia Urbana de Natal/RN: Problemas ambientais e falta de planejamento Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Educação Departamento de Práticas Educacionais e Currículo Estágio Supervisionado para Formação de Professores para o Ensino Médio Curso de Geografia

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD

COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD COLÉGIO ESTADUAL LUIZ AUGUSTO MORAS REGO- ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL - PTD Professor (a):rosi Magda Guimarães Disciplina:Geografia Ano:2015 Bimestre: 2º ano A 1º bimestre ESTRUTURANTES: :

Leia mais

As transformações que a Revolução Industrial trouxe para o campo e para a cidade;

As transformações que a Revolução Industrial trouxe para o campo e para a cidade; A DINÂMICA INDUSTRIAL E A CONCENTRAÇÃO FINANCEIRA 1 A Dinâmica Industrial As transformações que a Revolução Industrial trouxe para o campo e para a cidade; As cidades negras; Mudanças nas relações sociais;

Leia mais

Workshop Internazionale Equinox 2016 Atelier de Criação Urbana- Wellbeing and Creative City Ascoli Piceno, Itália settembre 2016

Workshop Internazionale Equinox 2016 Atelier de Criação Urbana- Wellbeing and Creative City Ascoli Piceno, Itália settembre 2016 Workshop Internazionale Equinox 2016 Atelier de Criação Urbana- Wellbeing and Creative City Ascoli Piceno, Itália 12-24 settembre 2016 Apresentação POLÍTICA HABITACIONAL E PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO NA

Leia mais

FORMATAÇÃO E MODELO PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

FORMATAÇÃO E MODELO PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO FORMATAÇÃO E MODELO PARA RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO O relatório deverá ser entregue em formato pdf, sendo dispensada a forma impressa. Para a elaboração do Relatório de Estágio Supervisionado

Leia mais

6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria.

6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria. HABILITAÇÃO: BACHARELADO 1ª Série 6GEO052 CARTOGRAFIA Noção de Astronomia de Posição; Sistema de Referência Terrestre; Cartografia Sistemática; Cartometria. 6GEO054 CLIMATOLOGIA Bases teóricas da climatologia:

Leia mais

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO

MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO MOBILIDADE METROPOLITANA E PROJETO URBANO SEMINÁRIO RIO METROPOLITANO: DESAFIOS COMPARTILHADOS O FUTURO DA MOBILIDADE NA METRÓPOLE VERTICALIDADES Aspectos metropolitanos HORIZONTALIDADES Interações entre

Leia mais

O Aterro Sanitário Intermunicipal de Quissamã RJ: uma reflexão sobre os instrumentos legais pertinentes à gestão de resíduos em pequenos municípios.

O Aterro Sanitário Intermunicipal de Quissamã RJ: uma reflexão sobre os instrumentos legais pertinentes à gestão de resíduos em pequenos municípios. O Aterro Sanitário Intermunicipal de Quissamã RJ: uma reflexão sobre os instrumentos legais pertinentes à gestão de resíduos em pequenos municípios. Álvaro Goulart Fulgencio Caroline Cabral Tudesco Glayce

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO 250.3102.3 GEOGRAFIA HUMANA E ECONÔMICA PROFESSOR (A) OBJETIVOS 1ª 02 34

Leia mais

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem

Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL. No processo ensino-aprendizagem Ana Maria de Jesus Ferreira DINÂMICA GRUPAL No processo ensino-aprendizagem Rio de Janeiro 2005 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO VEZ DO MESTRE DINÂMICA GRUPAL OBJETIVOS: Estudar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DOS OCUPADOS NA INDÚSTRIA DA TRANSFORMAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DOS OCUPADOS NA INDÚSTRIA DA TRANSFORMAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA DOS OCUPADOS NA INDÚSTRIA DA TRANSFORMAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Djalma de Sá Economista, bolsista do IPEA/PROREDES E-mail: djalmadesa@gmail.com Anael Pinheiro

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 PROFESSORA: Daianny de Azevedo Lehn DISCIPLINA: Geografia ANO: 7º A ESTRUTURANTES: Dimensão econômica do espaço geográfico; Dimensão política do espaço Geográfico; Dimensão

Leia mais

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação:

O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: SUGESTÃO Nº 113 Autor: MÁRCIA O. KAUFFMAN O 2º do artigo 22 passa a vigorar com a seguinte redação: Art. 22 -... 1º -... 2º - Para a elaboração de Planos de Estruturação Urbana, conforme o estabelecido

Leia mais

O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS

O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS O III PLANO DIRETOR E A ZONA NORTE: A questão do rururbano na cidade de Pelotas-RS Carlos Vinícius da Silva Pinto Juliana Cristina Franz Giancarla Salamoni 1 INTRODUÇÃO A expansão do perímetro urbano,

Leia mais

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010

A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 A CONCENTRAÇÃO DO PIB MEDIDA PELO ÍNDICE HERFINDAHL- HIRSCHMAN: O CASO DAS MESORREGIÕES GEOGRÁFICAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1985 A 2010 Iniciação Científica Karoline Almeida Cavalcanti Universidade Estadual

Leia mais

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 População brasileira cresce quase 20 vezes desde 1872 A população do Brasil alcançou a marca de 190.755.799 habitantes na data de referência do

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU

DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU DIAGNÓSTICO DE RISCOS AMBIENTAIS E ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DE TRECHO DO RIO GUANDU Albieri, Rafael 1 ; Firmino, Felipe 2 ; Ribeiro, Ariel 2 1 Colégio Técnico da Universidade Federal Rural

Leia mais

Centro-Sul Brasileiro

Centro-Sul Brasileiro Centro-Sul Brasileiro 1. Analise o mapa, que representa as concentrações industriais no Brasil. Concentrações Industriais no Brasil A partir da análise do mapa e de seus conhecimentos, assinale a alternativa

Leia mais

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 ETAPAS DO EXAME 19/09 - Divulgação eletrônica da lista de estudantes inscritos e convocados ao Enade 2014 21/10 a 23/11 Período para resposta eletrônica ao Questionário do Estudante

Leia mais

O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP

O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP O crescimento urbano e suas implicações na água subterrânea: o exemplo de Mirassol/SP Marcelo Marconato Prates Josiane Lourencetti Orientador: Prof. Dr. Jefferson Nascimento de Oliveira Bonito, M.S Outubro,

Leia mais

PROGRAMA INTEGRADO MUNICÍPIO SUSTENTÁVEL Benevides em foco

PROGRAMA INTEGRADO MUNICÍPIO SUSTENTÁVEL Benevides em foco PROGRAMA INTEGRADO MUNICÍPIO SUSTENTÁVEL Benevides em foco Coordenação Geral Prof. Dra.Ana Maria Vasconcellos Prof. Dr. Mário Vasconcellos Profa. MsC. Rose Martins Tavares Concepção A ideia surgiu: Discussões

Leia mais

CRESCIMENTO DAS CIDADES. Profº Anderson Carlos

CRESCIMENTO DAS CIDADES. Profº Anderson Carlos CRESCIMENTO DAS CIDADES Profº Anderson Carlos URBANIZAÇÃO É o crescimento da proporção entre a população que vive em cidades em comparação com os habitantes de zonas rurais. A transferência da população

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS E DESASTRES NATURAIS NA AMAZÔNIA PLANO DE TRABALHO ANÁLISE DOS IMPACTOS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS NO

Leia mais

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira Entendida como um conjunto de centros funcionalmente articulados, constitui-se num REFLEXO SOCIAL, resultante da ação de vários agentes sociais. UNIVERSIDADE

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014

PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ANDRIA, Leandro Ribeiro de 1 ROSA, Tatiana Diair Lourenzi Franco 2 A

Leia mais

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990

ESTRUTURA E DINÂMICA DO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO BRASIL: UMA ANÁLISE DOS EMPREGOS E SALÁRIOS NA DÉCADA DE 1990 Isabel Caldas Borges Mestranda do Programa de Pós Graduação em Economia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Marconi Gomes da Silva Professor Doutor do Departamento de Economia da Universidade

Leia mais

Leonardo Martins 1ª SÉRIE E.M. Geografia. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Leonardo Martins 1ª SÉRIE E.M. Geografia. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Geografia 3ª Leonardo Martins 1ª SÉRIE E.M. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Capitalismo Neoliberalismo Tecnologias para a produção Produção agrícola Agronegócio H1- Identificar elementos

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO. TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi

PROJETO DE EXTENSÃO. TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi PROJETO DE EXTENSÃO TÍTULO O FORTALECIMENTO DO CIRCUITO INFERIOR NA REGIÃO DO POTENGI: projeto ambiental para a feira livre de São Paulo do Potengi COORDENADOR: Thiago Augusto Nogueira de Queiroz RESUMO

Leia mais

RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina.

RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina. RESUMO FRACASSO, Rafael Monari. Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina. 2015. 202 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal Área: Produção Florestal) Universidade do

Leia mais

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014

Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 Monitoramento das alterações da cobertura vegetal e uso do solo na Bacia do Alto Paraguai Porção Brasileira Período de Análise: 2012 a 2014 1 Sumário Executivo Apresentação A Bacia Hidrográfica do Alto

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Geografia Trimestre: 1º PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 1. Mundo contemporâneo: economia e geopolítica: - Processo de desenvolvimento do capitalismo - Geopolítica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO - CEPAE PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA NO 3. ANO DO E.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO - CEPAE PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA NO 3. ANO DO E. UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO - CEPAE PLANO DE ENSINO DE GEOGRAFIA NO 3. ANO DO E. MÉDIO - 2014 PROF. PAULO C. V. DE ARAÚJO EMENTA Características e crescimento

Leia mais

PLANTÕES DE FÉRIAS GEOGRAFIA

PLANTÕES DE FÉRIAS GEOGRAFIA PLANTÕES DE FÉRIAS GEOGRAFIA Nome: Nº: Série: 2º ANO Turma: Profª JÉSSICA CECIM Data: JULHO 2016 1. ROTEIRO a) Industrialização Brasileira e Urbanização 2. EXERCÍCIOS 1. A respeito do processo da industrialização

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Geografia Trimestre: 1º

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Milton Satoshi Matsushita Instituto Emater e Facsul Curitiba Paraná Brasil

Leia mais

introdução ao marketing - gestão do design

introdução ao marketing - gestão do design introdução ao marketing - gestão do design Universidade Presbiteriana Mackenzie curso desenho industrial 3 pp e pv profa. dra. teresa riccetti Fevereiro 2009 A gestão de design, o management design, é

Leia mais

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Palavras Chave: segunda residência; produção do espaço urbano; dinâmica imobiliária; Santos SP; segregação socioespacial 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA INSTITUCIONAL/IFSP PROJETO DE PESQUISA TÍTULO DO PROJETO: O turismo de segunda residência na Baixada Santista e a dinâmica imobiliária em Santos - SP Área do Conhecimento (Tabela do CNPq): 6. 1 3. 0 0.

Leia mais

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

PLANO DE CURSO DISCIPLINA:Geografia ÁREA DE ENSINO: Fundamental I SÉRIE/ANO: 3 ANO DESCRITORES CONTEÚDOS SUGESTÕES DE PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS UNIDADE 1 OS LUGARES E SUAS PAISAGENS *Reconhecer semelhanças e diferenças entre as paisagens. *Perceber que as paisagens são constituídas por elementos naturais e culturais. *Compreender que a paisagem

Leia mais

Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH

Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH SEMINÁRIO NACIONAL AS METRÓPOLES E AS TRANSFORMAÇÕES URBANAS: 9, 10 e 11 DE DEZEMBRO DE 2015 Fragmentação e segregação socioespacial na RMBH Jupira Mendonça Luciana Andrade Alexandre Diniz História marcada

Leia mais

ATUAÇÃO DA SH/CDHU Portfólio

ATUAÇÃO DA SH/CDHU Portfólio Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo ATUAÇÃO DA SH/CDHU Portfólio Reunião do Grupo de Trabalho sobre Responsabilidade com o Investimento 16 de junho de 2014 PORTFÓLIO

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA. o verificado nos anos anteriores. Cobrou assuntos importantes e aguardados. Mesmo diante do desequilíbrio entre

COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA. o verificado nos anos anteriores. Cobrou assuntos importantes e aguardados. Mesmo diante do desequilíbrio entre COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA A prova de geografia da 2ª fase do vestibular UFPR/2016 manteve o caráter de uma prova difícil e abrangente, como o verificado nos anos anteriores. Cobrou assuntos importantes

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ GEOGRAFIA PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA EIXO TEMÁTICO I MUNDO 1. ESPAÇO MUNDIAL COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. A reestruturação do espaço mundial:modos de 1. Entender a reestruturação

Leia mais

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL

Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL Universidade Federal do Pará Processo Seletivo Especial 4-2011 Conteúdo de Geografia 1. ESPAÇO MUNDIAL EIXO TEMÁTICO I MUNDO COMPETÊNCIAS HABILIDADES CONTEÚDOS 1. Entender a reestruturação do espaço mundial

Leia mais

LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA BÁSICA EM SÃO JOÃO DEL REI BRASIL: RESULTADO PRELIMINAR

LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA BÁSICA EM SÃO JOÃO DEL REI BRASIL: RESULTADO PRELIMINAR III Congresso Internacional III Congresso Internacional, I Simpósio Ibero-Americano e VIII Encontro Nacional de Riscos Guimarães LEVANTAMENTO DA CONCEPÇÃO DE RISCO AMBIENTAL E ÁREAS DE RISCO NA ESCOLA

Leia mais

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS

10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS 10º Ano Módulos 1, 2 e 3 Total de horas: 81 ou seja, 54 aulas de 90 minutos MÓDULOS/ CONTEÚDOS Módulo 1 O Quadro natural de O Relevo COMPETÊNCIAS A - Compreender as grandes características do relevo de

Leia mais

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1

SUMÁRIO. Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 SUMÁRIO Pág. LISTA DE FIGURAS... xxi LISTA DE TABELAS... xxv INTRODUÇÃO... 1 CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO RURAL... 7 1.1 O Panorama Mundial... 7 1.2 O Panorama Brasileiro... 9 1.2.1

Leia mais

RODADA DE NEGÓCIOS. I INTERNATIONAL SEMINAR ON GREEN ECONOMY Ecosystem and Environmental Goods and Services and Finantial Compensation.

RODADA DE NEGÓCIOS. I INTERNATIONAL SEMINAR ON GREEN ECONOMY Ecosystem and Environmental Goods and Services and Finantial Compensation. RODADA DE NEGÓCIOS I INTERNATIONAL SEMINAR ON GREEN ECONOMY Ecosystem and Environmental Goods and Services and Finantial Compensation Maio / 2012 Agenda Introdução Projeto Verde Rio Etapa Rio Cuiabá Projeto

Leia mais

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES

A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES 47 A EXPANSÃO URBANA NA REGIÃO LESTE DA CIDADE DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA (SP) E A FORMAÇÃO DE NOVAS CENTRALIDADES Nathália Oliveira Silva Costa 1 ; Alexandre Carvalho de Andrade 2. 1 nathaliacosta40@hotmail.com;

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA

MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA MONITORIZAÇÃO DAS DINÂMICAS DO USO DO SOLO NA CIDADE AFRICANA Cristina HENRIQUES Faculdade de Arquitectura Universidade Técnica de Lisboa e-geo Centro de Estudos de Geografia e Planeamento Regional Universidade

Leia mais

Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento

Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento Fórum das Instituições de Ensino Superior IES 4º Distrito: Sociedade, Inovação e Desenvolvimento Porto Alegre, 2015 Se encontra no cruzamento da área central e municípios da Região Metropolitana; Grande

Leia mais

SIG para levantamento de riscos e atendimento a desastres naturais no Vale do Ribeira e Litoral Sul de SP, Brasil

SIG para levantamento de riscos e atendimento a desastres naturais no Vale do Ribeira e Litoral Sul de SP, Brasil SIG para levantamento de riscos e atendimento a desastres naturais no Vale do Ribeira e Litoral Sul de SP, Brasil Arlei Benedito Macedo Fábio Rodrigo de Oliveira Alex Joci dos Santos Isis Sacramento da

Leia mais

GEOGRAFIA FUVEST E UNICAMP

GEOGRAFIA FUVEST E UNICAMP GEOGRAFIA FUVEST E UNICAMP 1- (FUVEST 2010) Durante muito tempo, a população da então Vila de São Paulo foi pouco expressiva. Seu crescimento foi, contudo, extremamente rápido durante o século XX. Esse

Leia mais

A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL)

A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL) I Seminário da Rede Incêndios-Solo e I Simpósio Ibero-Afro-Americano de Riscos 4 a 7 Nov 2015 A AMEAÇA QUE VEM DO MAR: A ÁREA DE RISCO DA PRAIA DE ATAFONA (RJ-BRASIL) Cláudio Henrique Reis Departamento

Leia mais

AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem

AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem 1 AULA 10 Questão de pesquisa e amostragem Ernesto F. L. Amaral 03 de setembro de 2010 Metodologia (DCP 033) Fonte: Flick, Uwe. 2009. Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed. pp.33-42 & 43-55.

Leia mais

Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais

Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Seminário Nacional com as Instituições Responsáveis por Limites Político-Administrativos Brasília - DF, 1 de Julho de 2008 Sumário Gestão Pública e

Leia mais

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive.

H1. Conhecer o objetivo do estudo da Geografia para entender o espaço em que vive. 2ª Geografia 4º Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade C1- CATEGORIAS DA GEOGRAFIA: Compreender a Geografia como ciência do espaço geográfico, reconhecendo-se, de forma crítica, como elemento

Leia mais

CONHECIMENTO DOS MORADORES DA ÁREA DE INVASÃO MONTE DAS OLIVEIRAS (BOA VISTA-RR) SOBRE AS FORMAS DE TRANSMISSÃO E PREVENÇÃO DA MALÁRIA

CONHECIMENTO DOS MORADORES DA ÁREA DE INVASÃO MONTE DAS OLIVEIRAS (BOA VISTA-RR) SOBRE AS FORMAS DE TRANSMISSÃO E PREVENÇÃO DA MALÁRIA CONHECIMENTO DOS MORADORES DA ÁREA DE INVASÃO MONTE DAS OLIVEIRAS (BOA VISTA-RR) SOBRE AS FORMAS DE TRANSMISSÃO E PREVENÇÃO DA MALÁRIA Autor: Creomar Oliveira Silva ESTRUTURA DO TRABALHO INTRODUÇÃO OBJETIVOS

Leia mais

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5

Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 Sumário Introdução, 1 Parte I Dimensões do Uso de Tecnologia de Informação, 5 1 Direcionadores do Uso de Tecnologia de Informação, 7 1.1 Direcionadores de mercado, 8 1.2 Direcionadores organizacionais,

Leia mais

Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3

Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone 3 OPÇÃO DE VENDA TRIMESTRAL DO CAFÉ BENEFICIADO, EM UM MODELO DE SIMULAÇÃO APLICADO AO PLANEJAMENTO DE PROJETOS DE IRRIGAÇÃO PARA A CULTURA DO CAFEEIRO 1 Jorge Luiz Moretti de Souza 2, José Antônio Frizzone

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Contabilidade

Leia mais

Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos.

Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos. Título: Impactos derivados da implantação dos corredores metropolitanos. Autores: Angelique Joseli de Oliveira 1 ; Tamara Crioruska Tarasiuk 1 ¹ Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo

Leia mais

O CRESCIMENTO URBANO E OS IMPACTOS SÓCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS:

O CRESCIMENTO URBANO E OS IMPACTOS SÓCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS: O CRESCIMENTO URBANO E OS IMPACTOS SÓCIOAMBIENTAIS NO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS: o caso da Ponta D Areia SÃO LUÍS/MA/BRASIL. Francisco Wendell Dias Costa (Geografia-UFMA) wendeldis@ibest.com.br Getúlio Estefânio

Leia mais

Criação de Indicadores Urbanísticos: Impacto do Metrô na Dinâmica Imobiliária.

Criação de Indicadores Urbanísticos: Impacto do Metrô na Dinâmica Imobiliária. 14 ª SEMANA DE Criação de Indicadores Urbanísticos: Impacto do Metrô na O Caso do Mercado Imobiliário no Entorno da Linha 3 do Metrô de São Paulo. Engº Socióloga Arquitª Irany Mariana Santos Miranda Setembro

Leia mais

URBANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO PARANÁ

URBANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO PARANÁ URBANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO NOS MUNICÍPIOS DO PARANÁ Édipo de Medeiros Ázaro Junior 1 Gustavo Nunes Mourão 2 INTRODUÇÃO Este trabalho tem por tema discutir a urbanização e o desenvolvimento humano

Leia mais

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade.

Palavras-chave: mortalidade perinatal, risco atribuível, peso e evitabilidade. Mortalidade perinatal e evitabilidade risco atribuível aos óbitos com peso acima de 2,5kg na Cidade do Rio de Janeiro, segundo áreas de planejamento, 1995 a 2014. Palavras-chave: mortalidade perinatal,

Leia mais

AS EXPERIÊNCIAS NO CURSO DE CAPACITAÇÃO PRÁTICA DO USO DO GEOPROCESSAMENTO EM PROJETOS

AS EXPERIÊNCIAS NO CURSO DE CAPACITAÇÃO PRÁTICA DO USO DO GEOPROCESSAMENTO EM PROJETOS AS EXPERIÊNCIAS NO CURSO DE CAPACITAÇÃO PRÁTICA DO USO DO GEOPROCESSAMENTO EM PROJETOS RESUMO ARCANJO 1, Amanda Maria de Freitas SILVA 2, Camila Coelho SANTOS 3, Edinilza Barbosa dos REIS 4, Christiane

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

VAB Emprego Crédito Mercado Investimentos Perspectivas

VAB Emprego Crédito Mercado Investimentos Perspectivas Balanço 2014 VAB Emprego Crédito Mercado Investimentos Perspectivas Taxa de crescimento do VAB (PIB) Construção Civil (%) Fonte: IBGE * valor projetado pela CBIC Taxa de crescimento do VAB (PIB) - 3º trimestre

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 4 4. Área

Leia mais

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO DOS DOMICILIOS QUE POSSUEM BANHEIROS DAS ÁREAS RURAIS E URBANAS DAS MESORREGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ

SITUAÇÃO DO SANEAMENTO DOS DOMICILIOS QUE POSSUEM BANHEIROS DAS ÁREAS RURAIS E URBANAS DAS MESORREGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ SITUAÇÃO DO SANEAMENTO DOS DOMICILIOS QUE POSSUEM BANHEIROS DAS ÁREAS RURAIS E URBANAS DAS MESORREGIÕES DO ESTADO DO CEARÁ Francisco Henrique Ximenes da Cruz (1) Graduando em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

Levantamento de unidades de produção de biogás no Brasil para fins energéticos ou Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL)

Levantamento de unidades de produção de biogás no Brasil para fins energéticos ou Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) Levantamento de unidades de produção de biogás no Brasil para fins energéticos ou Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) WORKSHOP REDE BIOGÁSFERT A relação do biogás com a agricultura, pecuária e agroindústria

Leia mais

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas

Plano Metropolitano de Habitação. Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Plano Metropolitano de Habitação de Interesse Social da Região Metropolitana de Campinas Apresentado pelo representante do Ministério das Cidades Histórico Aprovado pelo Conselho de Desenvolvimento

Leia mais

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE

A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE A CENTRALIDADE DE DUQUE DE CAXIAS NA OFERTA DE SERVIÇOS DE SAÚDE PARA BELFORD ROXO NA BAIXADA FLUMINENSE Autor: Celso Guilherme de Souza Silva Estudante de Geografia da Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

A EMPRESA TERRA E INFRAESTRUTURA

A EMPRESA TERRA E INFRAESTRUTURA A EMPRESA TERRA E INFRAESTRUTURA A FAZENDAS BRAZIL AGRONEGÓCIOS é uma empresa com mais de 15 anos no mercado do agronegócio brasileiro. Atualmente a FAZENDAS BRAZIL é possuidora de uma grande quantidade

Leia mais

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA A cidade de João Pessoa, na Paraíba, possui bastantes obras modernas importantes e interessantes, mas que não foram levantadas devidamente, para fins acadêmicos.

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO Visando subsidiar a proposição de propostas a CHAMADA INTERNA DA PROPI/IFTM EDITAL MCT/FINEP/CT-INFRA-PROINFRA 02/2014, apresentamos a seguir os critérios a serem considerados quando da avaliação das mesmas:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE ARACAJU: geotecnologias aplicadas à gestão e análise regional

ORGANIZAÇÃO ESPACIAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE ARACAJU: geotecnologias aplicadas à gestão e análise regional UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE -UFS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA - POSGRAP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA - NPGEO 30 ANOS DE CONTRIBUIÇÃO À GEOGRAFIA São Cristóvão, 29 e 30 de Agosto

Leia mais

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte

Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte. Prefeitura de Belo Horizonte Política de Combate a Inundações de Belo Horizonte Prefeitura de Belo Horizonte Belo Horizonte, fevereiro/2011 ASPECTOS GERAIS DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Área superficial : 330 km 2 População : 2,5 milhões

Leia mais

BOLETIM DO EMPREGO DE SANTA ROSA

BOLETIM DO EMPREGO DE SANTA ROSA BOLETIM DO EMPREGO DE SANTA ROSA Ano 3 - N 9 Setembro 216 Curso de Ciências Econômicas Laboratório de Economia Aplicada Projeto de Extensão: Apoio ao Desenvolvimento de Arranjos Produtivos Locais Este

Leia mais

Boa Prova! Observe o infográfico abaixo:

Boa Prova! Observe o infográfico abaixo: 7º Geografia Rodrigo Aval. Trimestral 01/11/12 As questões deverão ser respondidas à caneta esferográfica azul ou preta. Questões objetivas não poderão ser rasuradas caso aconteça serão consideradas erradas

Leia mais

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU SUL BAIRRO PORTAL DA ALEGRIA

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU SUL BAIRRO PORTAL DA ALEGRIA Prefeitura de Teresina Secretaria de Planejamento e Coordenação - SEMPLAN TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU SUL BAIRRO PORTAL DA ALEGRIA Teresina (PI), Julho/2016 PORTAL DA ALEGRIA 0 Julho/2016

Leia mais

1º ano. Cultura, Diversidade e o Ser Humano

1º ano. Cultura, Diversidade e o Ser Humano Culturas, Etnias e modernidade no mundo e no Brasil A diversidade cultural Capítulo 11 - Item 11.4 O choque entre culturas e etnocentrismo Capítulo 11 Relativismo cultural e tolerância Capítulo 11 Civilização

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases

ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases ESTRUTURA CURRICULAR 2005 DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSCar Periodização das Disciplinas comuns às Ênfases 1º PERÍODO 1 02010-9 Introdução à Computação 4-2 06216-2 Leitura e produção de textos para

Leia mais

1 RELATÓRIO DE ESTÁGIO

1 RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 RELATÓRIO DE ESTÁGIO É o documento que relata formalmente os resultados ou processos obtidos em investigação de pesquisa e desenvolvimento ou que descreve a situação prática ou de observação de uma questão

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA Nome: Nº 1 a. Série Data: / / Professores: Fabiana, Adriana, Nelson Nota: (valor: 1,0) 1º bimestre A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e você

Leia mais

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO SÃO JOAQUIM

TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO SÃO JOAQUIM TERESINA - PERFIL DOS BAIRROS - REGIONAL SDU CENTRO NORTE BAIRRO SÃO JOAQUIM Teresina (PI), Março/2014 SÃO JOAQUIM 0 Março/2014 EXPEDIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA

Leia mais

ESTIMATIVA DO PIB INDUSTRIAL DO ESTADO DO TOCANTINS 2002 A 2011

ESTIMATIVA DO PIB INDUSTRIAL DO ESTADO DO TOCANTINS 2002 A 2011 ESTIMATIVA DO PIB INDUSTRIAL DO ESTADO DO TOCANTINS 2002 A 2011 PALMAS - TO, Setembro de 2012 Estimativa do PIB Industrial do Estado do Tocantins 2002 A 2011 Relatório realizado pelo Prof. Dr. Waldecy

Leia mais

AVALIAÇÃO ESPÁCIO-TEMPORAL DAS PRECIPITAÇÕES EXTREMAS E SEUS IMPACTOS NO MEIO URBANO: UM CASO BRASILEIRO

AVALIAÇÃO ESPÁCIO-TEMPORAL DAS PRECIPITAÇÕES EXTREMAS E SEUS IMPACTOS NO MEIO URBANO: UM CASO BRASILEIRO AVALIAÇÃO ESPÁCIO-TEMPORAL DAS PRECIPITAÇÕES EXTREMAS E SEUS IMPACTOS NO MEIO URBANO: UM CASO BRASILEIRO :Autoras: Marina Sória Castellano nina_soria@yahoo.com.br Lucí Hidalgo Nunes luci@ige.unicamp.br

Leia mais

Série Estudo das Desigualdades Regionais

Série Estudo das Desigualdades Regionais CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA - COFECON COMISSÃO DE POLÍTICA ECONÔMICA E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL Série Estudo das Desigualdades Regionais BREVE RADIOGRAFIA DO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL

Leia mais