A variação de energia térmica em um processo químico éamesmaseoprocesso se realiza em um ou em diversos estágios, pois a variação de energia de pende

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A variação de energia térmica em um processo químico éamesmaseoprocesso se realiza em um ou em diversos estágios, pois a variação de energia de pende"

Transcrição

1 Prof. Msc João Neto

2 Lei de Hess ou da aditividade dos calores de reação Prof. Msc João Neto

3 Lei de Hess A variação de energia térmica em um processo químico éamesmaseoprocesso se realiza em um ou em diversos estágios, pois a variação de energia de pende somente das propriedades p das substâncias iniciais e finais. Prof. Msc João Neto 3

4 Prof. Msc João Neto 4

5 C S CS (grafite ) ( rômbico ) ( l ) Prof. Msc João Neto 5

6 C grafite ) O( g ) CO( g ) H 394, 0 ( S( rômbico) O( g) SO( g) H CO 594,0 g) SO( g) CS( l) 3O( g) H 107 ( kj kj kj C grafite) S( rômbico) CS( l) H 84 ( kj Prof. Msc João Neto 6

7 Não está balanceada!! Prof. Msc João Neto 7

8 CH( g) C( s) H( g) H 54, kcal H 1 g) O( g) HO( l) H 68, 3 ( C( s) O( g) CO( g) H 188, kcal kcal 5 C H( g) O( g) CO( g) H O( l) H 310,7 kcal Prof. Msc João Neto 8

9 -inverter a primeira ea segunda; -manter a terceira. Prof. Msc João Neto 9

10 -inverter a primeira; -multiplicar a segunda; -manter a terceira. Prof. Msc João Neto 10

11 -inverter a primeira; -manter as outras. Prof. Msc João Neto 11

12 -manter a primeira; -Inverter a segunda; -dividir a terceira por Prof. Msc João Neto 1

13 Reação: CO + ½O CO -Inverter a primeira e dividir por ; -manter a segunda H=-85 kj Massa molar do CO =8g/mol CO + ½O CO 8g kJ (o sinal negativo indica que está liberando energia. Prof. Msc João Neto 13

14 -Inverter a primeira dividir por ; -manter a segunda e Prof. Msc João Neto 14

15 Prof. Msc João Neto 15

16 CINÉTICA QUÍMICA parte da Química que estuda a velocidade ou rapidez das reações. Prof. Msc João Neto 16

17 Teoria das colisões utiliza Cinética Química estuda Equilíbrio Químico para explicar Velocidade d das reações é modificada pela (o) Temperatura Permanece constante t é função Constante de Equilíbrio (K c ) Ca racteriz ado pela Catalisadores Concentração expressa em Ordem da reação indica Lei da velocidade Prof. Msc João Neto 17

18 Produtos (Formados) A + B AB Reagentes (Consumidos) Prof. Msc João Neto 18

19 Gráfico de Velocidade: Os reagentes são consumidos durante a reação e a sua quantidade diminui com a variação do tempo, enquanto os produtos são formados esuas quantidades aumentam com o tempo. Prof. Msc João Neto 19

20 A velocidade média da reação é a relação entre a quantidade consumida ou produzida e o intervalo de tempo gasto para que isso ocorra. v m m m n n ; v m t t V [ ] v m ; v m tt tt Prof. Msc João Neto 0

21 EXTRA Prof. Msc João Neto 1

22 EXTRA Produto Produto Reagente Prof. Msc João Neto

23 EXTRA Prof. Msc João Neto 3

24 EXTRA Prof. Msc João Neto 4

25 EXTRA Prof. Msc João Neto 5

26 EXTRA H O 1 O H mol y x 1mol mol 4 mol Prof. Msc João Neto 6

27 01 Prof. Msc João Neto 7

28 01 C4H10 4CO 1mol 4 44g 0,05mol x x 8,8 g 1min 60min y 58gg 8,8 g y Prof. Msc João Neto 8

29 Condições para ocorrer uma reação Química Condições fundamentais Condições acessórias Afinidade química Contato entre os reagentes. Ocorrer choque entre partículas ativadas energeticamente ocorrer uma boa orientação Prof. Msc João Neto 9

30 Prof. Msc João Neto 30

31 Caminho da reação Prof. Msc João Neto 31

32 EXTRA Prof. Msc João Neto 3

33 EXTRA Prof. Msc João Neto 33

34 Colocando as reações em ordem, da mais lenta para a mais rápida, temos: a) 1 < < 3 b) 3 < < 1 c) < 1 < 3 d) 1 < 3 < e) < 3 < 1 Prof. Msc João Neto 34

35 Colocando as reações em ordem, da mais lenta para a mais rápida, temos: a) 1 < < 3 b) 3 < < 1 c) < 1 < 3 d) 1 < 3 < e) < 3 < 1 Quanto maior a energia de ativação, mais lenta se rá a reação. Da mais lenta para a mais rápida, temos: (E a =5kJ/mol)<1 (E a =0kJ/mol)<3(E a = 15 kj/mol) 35 Prof. Msc João Neto

36 Quanto maior a energia de ativação, menor será a velocidade da reação. Prof. Msc João Neto 36

37 Quanto maior a energia de ativação, menor será a velocidade da reação. Prof. Msc João Neto 37

38 0 Prof. Msc João Neto 38

39 0 Prof. Msc João Neto 39

40 03 Prof. Msc João Neto 40

41 03 Quanto maior a energia de ativação, menor será a velocidade da reação. Prof. Msc João Neto 41

42 Superfície de contato SC Rapidez Fatores que alteram a rapidez de uma reação química Pulverizado > granulado > raspas > inteiro Temperatura T Rapidez Concentração dos reagentes [ ] Rapidez Prof. Msc João Neto 4

43 EXTRA Prof. Msc João Neto 43

44 EXTRA Prof. Msc João Neto 44

45 04 Prof. Msc João Neto 45

46 04 T Rapidez SC Rapidez Pulverizado > granulado > raspas > inteiro [ ] Rapidez Prof. Msc João Neto 46

47 05 Prof. Msc João Neto 47

48 05 Prof. Msc João Neto 48

49 Reações elementares: São aquelas que se processam com uma única colisão entre as moléculas reagentes; Lei da ação das massas ou lei de Guldberg-Waage. A B X v k [ A] [ B] Y N 3 H NH 3 3 v k [ N ][ H ] Prof. Msc João Neto 49

50 06 Prof. Msc João Neto 50

51 06 Quando uma reação ocorre em etapas, quem define a velocidade é a etapa mais lenta do processo. Prof. Msc João Neto 51

52 Reações não-elementares: São aquelas que se desenvolvem em duas ou mais etapas. Nesse caso, a velocidade é definida pela etapa mais lenta. v k [ 3 NO][ O ] ( etapa lenta) Prof. Msc João Neto 5

53 quando uma reação ocorre em várias etapas, cada etapa (reação elementar) tem sua própria energia de ativação. >Energia de ativação < velocidade d Etapa + lenta Prof. Msc João Neto 53

54 Prof. Msc João Neto 54

55 Prof. Msc João Neto 55

56 Prof. Msc João Neto 56

57 Prof. Msc João Neto 57

58 Atenção! Um catalisador acelera a reação, mas não aumenta seu rendimento, it isto é, ele produz a mesma quantidade de produto, mas num período de tempo menor. O catalisador não altera o H da reação. Um catalisador acelera tanto a reação direta quanto ainversa, pois diminuii i a energia de ativação de ambas. O catalisador não desloca o equilíbrio pois ele aumenta a velocidade da reação direta e inversa. Prof. Msc João Neto 58

59 EXTRA Prof. Msc João Neto 59

60 EXTRA A etapa determinante da velocidade da reação é a etapa I, pois quem determina a velocidade d de uma reação é sempre a etapa mais lenta. A velocidade da reação global é a velocidade da etapa lenta. Prof. Msc João Neto 60

61 EXTRA v k [ HOOH][ I ] ( etapa lenta) Prof. Msc João Neto 61

62 Considere a reação H + I HI feita em laboratório, mantendo a temperatura constante e variando a concentração dos reagentes: Lei da Velocidade d v k [ H ][ I ] [ k=éuma constante de proporcionalidade e pode ser denominada constante velocidade ou constante cinética. de Prof. Msc. João Neto 6

63 A constante k não depende da concentração dos reagentes, mas depende dos demais fatores que influem na velocidade das reações, principalmente da temperatura. Prof. Msc. João Neto 63

64 k x k x v I H k v k do Cálculo ] ][10 [ [01][01] 10 3 ] ][ [ 1 1 k k x k x k x v 3, , ] ][10 [ , [0,1][0,1] 10 3, 1ª x k x k x v ] 10 ][ [ [01][0 ] k k x x k x k x v 3, ,4 ] 10 ][ [ ,4 [0,1][0,] 10 6,4 ª x x k x k x v x ] 10 ][ 10 [ [0 ][0 ] k k x x x k x k x v 3, 10 1,8 ] 10 ][ 10 [ 10 1,8 [0,][0,] 10 1, ª Prof. Msc. João Neto Prof. Msc. João Neto x 10 4

65 O 3 x x 1 NO y y 1 v k [ NO ][ O3 ] Prof. Msc. João Neto 65

66 Cl x x 1 NO y 4 y v k [ NO ] [ Cl ] y Prof. Msc. João Neto 66

67 EXTRA Prof. Msc João Neto 67

68 EXTRA H x x 1 v k [ H ][ NO Prof. Msc João Neto ] ] NO y y y Prof. Msc João Neto 68 4

69 EXTRA Prof. Msc João Neto 69

70 EXTRA Energia de ativação Prof. Msc João Neto 70

71 EXTRA Prof. Msc João Neto 71

72 EXTRA F >Superfície de contato >Velocidade F > Temperatura >Velocidade V O catalisador diminui a energia de ativação F Prof. Msc João Neto 7

73 EXTRA Prof. Msc João Neto 73

74 EXTRA Prof. Msc João Neto 74

75 EXTRA Prof. Msc João Neto 75

76 EXTRA Temperatura Menor menor velocidade Maior maior velocidade d Superfície de contato Ferro em barras (menor) Limalha de ferro (maior) Concentração Ar 1% de O (menor) O puro (maior) Prof. Msc João Neto 76

77 EXTRA Prof. Msc João Neto 77

78 EXTRA Pressão não é um fator que altera a velocidade de uma reação. Os reagentes devem ser aumentados na mesma proporção Prof. Msc João Neto 78

79 Ordem da reação: é a soma dos expoentes que aparecem na fórmula da velocidade. d Indica a relação que existe entre a concentração e a velocidade da reação. v k [ NO ] [ H ] ª ordem ou ordem em relação ao participante NO; 1ª ordem ou ordem 1 em relação ao participante H ; 3ª ordem ou ordem 3 em relação a reação global. Prof. Msc João Neto 79

80 Molecularidade da reação: é o número mínimo de moléculas que precisam colidir para ocorrer reação. Não confundir com ordem de reação. Se a reação é elementar (ocorre somente em uma etapa), a molecularidade é igual à ordem de reação, que é dada pela soma dos coeficientes dos reagentes. NO v O k 3 NO [ NO ][ O3 ] O Ordem global: ª Molecularidade: ou bimolecular Prof. Msc João Neto 80

81 EXTRA Prof. Msc João Neto 81

82 EXTRA Quem define a velocidade de uma reação é a etapa mais lenta. V=k [N O 5 5] Reação ordem de primeira NO N O NO N N N 5 3 O O 5 4 O NO NO NO O 5 NO NO 4NO Molecularidade : N 3 O O 4 Prof. Msc João Neto 8

83 EXTRA Prof. Msc João Neto 83

84 EXTRA Reação sem catalisador Reação com catalisador Energia de ativação E Produto Produto < E Reagente H<0 Reação Exotérmica Prof. Msc João Neto 84

85 EXTRA Reação sem catalisador Reação com catalisador Prof. Msc João Neto 85

86 EXTRA Energia de ativação Reação com catalisador Energia de ativação = Complexo ativado Entalpia dos reagentes Energia de ativação = Energia de ativação =10 kcal Prof. Msc João Neto 86

87 EXTRA H H H H 10 P H 30 R 0kcal Prof. Msc João Neto 87

88 Prof. Msc João Neto 88

89 Prof. Msc João Neto 89

90 Prof. Msc João Neto 90

91 Prof. Msc João Neto 91

92 Prof. Msc João Neto 9

93 Prof. Msc João Neto 93

94 Prof. Msc João Neto 94

95 Prof. Msc João Neto 95

96 Prof. Msc João Neto 96

97 Prof. Msc João Neto 97

98 Prof. Msc João Neto 98

99 Prof. Msc João Neto 99

100 Prof. Msc João Neto 100

101 Prof. Msc João Neto 101

102 Prof. Msc João Neto 10

103 Quem define a velocidade de uma reação é a etapa mais lenta Prof. Msc João Neto 103

104 Prof. Msc João Neto 104

105 Prof. Msc João Neto 105

106 Prof. Msc João Neto 106

107 Prof. Msc João Neto 107

108 Prof. Msc João Neto 108

109 Prof. Msc João Neto 109

110 Equilíbrio Químico Prof. Msc João Neto 110

111 A (g) + B (g) C (g) + D (g) Em um sistema fechado, o equilíbrio é atingido quando: as propriedades macroscópicas ficam inalteradas; no estado final, coexistem reagentes e produtos; as concentrações das espécies participantes permanecem constantes; as velocidades das reações direta e inversa são iguais. Prof. Msc João Neto 111

112 Análise Gráfica do Equilíbrio Prof. Msc João Neto 11

113 Prof. Msc João Neto 113

114 Prof. Msc João Neto 114

115 Prof. Msc João Neto 115

116 Quando o equilíbrio é atingido com a concentração de reagente maior que ado produto: [R] >[P] no equilíbrio É uma reação que ocorre com maior extensão no sentido de formação dos reagentes e, evidentemente, com menor extensão no sentido de formação dos produtos. Prof. Msc João Neto 116

117 Quando o equilíbrio é atingido com maior concentração de produto do que de reagente: [P] > [R] no equilíbrio i A reação ocorre em maior extensão para a formação dos produtos e, evidentemente, t com menor extensão no sentido de formação dos reagentes Prof. Msc João Neto 117

118 Quando o equilíbrio é atingido com concentrações produto e de reagente: [R] =[P] no equilíbrio Ambas as intensidade. reações, direta e inversa, ocorrem com iguais de mesma Prof. Msc João Neto 118

119 Kc constante de equilíbrio em termos de unidades d de concentrações em quantidade de matéria (mol/l). X K Y c 3 XY 3 3] 3 ][ Y ] [ P] [ XY Kc [ R ] [ X Y De sua expressão, não participam substâncias que apresentam concentração constante como, por exemplo, um sólido, eo seu valor varia com a temperatura. Prof. Msc João Neto 119

120 Kp constante de equilíbrio em termos de unidades d de pressões parciais i (atm ou mmhg). X K Y p 3 XY 3 3) 3 )( py ) ( pp) ( pxy Kp ( pr ) ( px py De sua expressão, só participam substâncias gasosas, eo seu valor também varia com a temperatura. Prof. Msc João Neto 10

121 Sólidos e líquidos estão fora Só entra gases K p K ( RT ) c n Prof. Msc João Neto 11

122 Prof. Msc João Neto 1

123 Kc ekp só irão alterar-se se variar a temperatura. t A constante t de equilíbrio, i para uma dada reação, depende unicamente da temperatura. Se o valor de K é menor do que 1, a concentração do reagente predomina, isto é, a reação ocorre em pequena extensão, da esquerda para adireita. Se K é grande, a formação do produto é favorecida, isto é, a reação ocorre em grande extensão, da esquerda para a direita. it Prof. Msc João Neto 13

124 01 Prof. Msc João Neto 14

125 01 Prof. Msc João Neto 15

126 0 Prof. Msc João Neto 16

127 0 X K K c c 3Y XY [ P ] [ R] K [0,60] c [0,0][0,], ] 3 3 [ XY [ X K 3 ][ Y c ] ] 3 0,36 0,0016 K c 5M Prof. Msc João Neto 17

128 03 Prof. Msc João Neto 18

129 03 Endotérmica Exotérmica >Volume <Volume Aumentar o rendimento quer dizer que deveremos deslocar a reação no sentido direto, ou seja, para a direita, onde passaremos a ter mais metanol. Julgando as afirmativas: a) pressão desloca para olado que o volume é maior (esquerda); b) temperatura desloca para olado que a reação é endotérmica, ou seja, para a esquerda; c) H desloca para adireita onde será consumido; d)o catalisador não desloca o equilíbrio. Apenas aumenta a velocidade; e) CO o equilíbrio favorece olado que está o composto. Lado esquerdo. Prof. Msc João Neto 19

130 04 Prof. Msc João Neto 130

131 04 H>0 H<0 Castanho Incolor V P <V Direita i F V Prof. Msc João Neto 131

132 05 Prof. Msc João Neto 13

133 05 Endotérmico Prof. Msc João Neto 133

134 Prof. Msc João Neto 134

135 A expressão da constante de equilíbrio é feita pela concentração molar dos produtos elevados aos seus expoentes estequiométricos, dividida pelos reagentes elevados com seus expoentes. Prof. Msc João Neto 135

136 Prof. Msc João Neto 136

137 X Y XY H K c K c Prof. Msc João Neto [ P] [ R ] K c [1,56] [0,][0,] [ X [ XY ] ][ Y ] 0 137

138 Prof. Msc João Neto 138

139 Prof. Msc João Neto 139

140 Prof. Msc João Neto 140

141 Inic. R / C Equ. K K c c SO 3 SO O mol 5 L mol 3 x L mol L [ SO ].[ O [ SO ] 13,5 4 ] 0 mol 3 L mol 3 L K c 3 K c 3,375 [3] [].[1,5] 3,4 0 mol 1,5 L mol 1,5 L Prof. Msc João Neto 141 K c

142 Extra Prof. Msc João Neto 14

143 Extra Extra L mol L mol L mol L mol Inic H CO O H CO 1 1. / x x x x Equ x x x x C R L L L L ] ].[1 [1 ] ].[ [ 5 ] ].[ [ ] ].[ [ x x x x O H CO H CO K q c ] [1 ] [ 5 ] [1 ] [ 5 x x x x ] [1 ] [ 5 x x x x x x x x x x x Prof. Msc João Neto Prof. Msc João Neto ,5 0,5 ] [ ] [ 0,5 0,5 1 1 ] [ ] [ x H e CO x O H e CO

144 Extra Prof. Msc João Neto 144

145 Extra NbCl NbCl NbCl K p K p 4( g) ( pnbcl ( ( pnbcl 3 (1 10 )( ).( pnbcl 4 ) ) ).(1 10 3( g) p K p K ) ) 5( g) Prof. Msc João Neto 145

146 Extra Prof. Msc João Neto 146

147 PCl 5( g) PCl3( g) Cl ( g) Inic. 1mol 0 0 C / P 0,47mol 0,47mol 0,47mol equil. 0,53mol 0,47mol 0,47mol n 0,53 0,47 0,47 1 mol mol mol [ ] V 1L 1L 1L [ PCl5].[ Cl] (0,47).(0,47) K c K c [ PCl3] (0,53) K c 0, K 0,53 c 0,415 K c 0,4 Prof. Msc João Neto 147

148 Extra Prof. Msc João Neto 148

149 x y x>y V x >V y A B C D K c [ C].[ D] [ A ].[ B ] 1 K c K 4 c K c 0, Prof. Msc João Neto 149

150 Concentração Deslocamento de equilíbrio Pressão Temperatura Prof. Msc João Neto 150

151 [ ] desloca para o lado oposto Concentração [ ] fica do mesmo lado N + 3H NH 3 [N ] desloca p/ direita (favorece produtos) Prof. Msc. João Neto 151

152 T desloca para o lado ΔH>0 Temperatura T desloca para o lado ΔH<0 A + B AB ΔH=+10kJ Endotérmico Prof. Msc. João Neto 15

153 P desloca para o lado volume < Pressão P desloca para o lado volume > Volume > A (g) + B (g) AB (g) Volume < Prof. Msc. João Neto 153

154 Extra Exotérmico Prof. Msc João Neto 154

155 Extra Exotérmico volume Pressão Prof. Msc João Neto 155

156 ph log 1 [ H3 O ] Equilíbrio 1 poh log iônico [ [OH ] [ H3O ].[ OH ] Prof. Msc João Neto 156

157 Quanto maior o valor da constante de ionização (K i = K a ou K b ) ionizar = formar íons Mais ionizado está o ácido ou mais dissociado está a base dissociar = separar íons Maior será a sua força Prof. Msc João Neto 157

158 06 Prof. Msc João Neto 158

159 06 Ácido I 1,7x (menor valor) Ácido II 1,3x Ácido III 5,0x10 - Ácido IV,3x10-1 (maior valor) Prof. Msc João Neto 159

160 ph ph ph ph log[ H3O ] ou [ H3O 5 [ H 3 O 1 [ H3 O poh 14 ] 10 5 ] 10 1 (5º C) ] 10 ph Prof. Msc. João Neto 160

161 [H + ] ph caráter Ácido Neutro Básico Solução 1: ph=3 [H + ]=10-3 Solução : ph=5 [H + ]=10-5 Solução 1 é 100 vezes es mais ácida que solução Prof. Msc. João Neto 161

162 07 Prof. Msc João Neto 16

163 07 Neutro Básico Ácido Ácido Neutro Básico Prof. Msc João Neto 163

164 08 Prof. Msc João Neto 164

165 ) ( OH Al OH Al O H ].3 [ 10 ] ].[ [ H OH H 10 0,33 ] [ 10 ] [ ].3 [ 10 ] ].[ [ H H H OH H 10 3,3 ] [, ] [ 10 3 ] [ 10 5 H log ] [ 1 log ] [ 10 ph H ph 0,5 10 log3,3 log ,3 ] [ 10 ph ph H Prof. Msc João Neto Prof. Msc João Neto ph 9,48

166 Solução Tampão Conceito: Manter o ph constante, mesmo com ácidos ou bases. Composição Química: Ácido Fraco e sal derivado desse ácido Ex: Ácido Acético e Acetato de Sódio do meio praticamente adições moderadas de Base fraca e um sal derivado desta base Ex: Hidróxido de amônio e Cloreto de Amônio Obs: O tampão pode ser considerado d um equilíbrio i par conjugado ácido-base de Bronsted-Lowry Lowry. Prof. Msc. João Neto 166

167 Hidrólise Salina: Quando um sal é dissolvido em água, pode ocorrer uma reação chamada hidrólise, que é o inverso da reação de neutralização. Ácido Base neutralização hidrólise Sal água Prof. Msc João Neto 167

168 Prof. Msc João Neto 168

169 Prof. Msc João Neto 169

170 Prof. Msc João Neto 170

171 Caráter Hidrólise Ácido Forte Não Base Forte Neutro apresenta hidrólise Ácido Forte Base Fraca Ácido Fraco Base Forte Ácido Fraco Base Fraco Ácido Básico *** Hidrólise do cátion Hidrólise do ânion K K h h K h - K K w b K K w a Hidrólise do K cátion e do K w ***Depende do h ânion K a K b valor do K a e do K b Prof. Msc João Neto 171

172 09 Prof. Msc João Neto 17

173 09 NaCN Sal Básico de caráter ZnCl Sal de caráter Ácido Na SO Na CN Zn Cl Na SO NaOH Base Forte HCN Ácido Fraco Zn( OH) Base Fraca HCl Ácido Forte 4 H SO Sal Neutro de caráter 4 4 NH Cl 4 Sal de caráter Ácido NH Cl 4 NaOH Base Forte NH 4 Ácido Forte OH Base Fraca HCl Ácido Forte Prof. Msc João Neto 173

174 10 Prof. Msc João Neto 174

175 10 Prof. Msc João Neto 175

176 Extra Prof. Msc João Neto 176

177 Extra Sal de Neutro NaCl NaF caráter Sal de caráter Básico NH Cl 4 Sal de caráter Ácido NaF Acidez ph Na Cl NaOH HCl Ácido Base Forte Forte Na NaOH Base Forte F HF Ácido Moderado NaCl NH Cl Prof. Msc João Neto 4 NH 4 OH HCl NH Cl 4 ph Acidez Ácido Base Fraca Forte 177

178 Extra NaCl F H 4 Não O HF sofre hidrólise OH NH HO NH4OH H Prof. Msc João Neto 178

179 Produto de Solubilidade

180 Produto de solubilidade não deve ser confundido com solubilidade! Solubilidade é a quantidade máxima de uma substância que pode ser dissolvida em determinada quantidade de solvente, enquanto produto de solubilidade é o nome dado a uma constante de equilíbrio. Prof. Msc João Neto 180

181 11 Prof. Msc João Neto 181

182 11 Mg ( OH ) 110 K S K S K S K S 4 [ Mg Mg ][ OH ] 4 ( OH 110 ) 4 Prof. Msc João Neto 18

183 1 Prof. Msc João Neto 183

184 1 PbSO K S 4 [ Pb 1,3 10 1, Pb ][ SO 4 ] 110 [ SO 1,3 10 [ SO ] ] [ SO 4 SO ] 4 A[SO - 4 ]=1,3x mol/l satura a solução; logo, qualquer concentração superior a esse valor irá provocar a precipitação. Prof. Msc João Neto 184

185 Extra Prof. Msc João Neto 185

186 4 BaSO4 Ba SO a)k S [Ba ][SO 4 ] b)baso 4 Ba SO K K S [Ba ][SO 4 ] S 10 KS Prof. Msc João Neto 186

187 Extra Prof. Msc João Neto 187

188 CaF Ca F Ca CaF F g.mol 1mol 78g y 1,56 10 CaF 10 K K S g 1 y Ca F [Ca ][F 10 ] mol S 10 (4 10 ) K S 3, 10 Prof. Msc João Neto 188

189 Prof. Msc João Neto 189

190 Ag CrO 4 Ag CrO 4 K s x 4 10 [Ag ] [CrO [x] x 4 [x] M Ag 10 ] x CrO 4 4 M x x [Ag CrO4 ] 10 Ag 10 M M x CrO 10 4x M Prof. Msc João Neto 190

191 Extra Prof. Msc João Neto 191

192 Extra Extra SO Ca CaSO SO Ca CaSO 4 ] ][ [ S SO Ba K ] ][ [ S S K SO Ba K S S K K 5 10,5 S S K Prof. Msc João Neto Prof. Msc João Neto

193 Extra Prof. Msc João Neto 193

194 Extra Exotérmica Volumes iguais Aumentar a velocidade da reação direta quer dizer que deveremos deslocar a reação no sentido direto, ou seja, para a direita. É importante observar que os fatores que alteram a velocidade vão influenciar no resultado. Julgando as afirmativas: a) concentração desloca para o lado oposto ao qual está o composto. A concentração é um fator que aumenta a velocidade da reação lado direito; b) concentração desloca para olado que a reação é endotérmica, ou seja, para a esquerda; Quando diminuímos a concentração, reduzimos assim a velocidade. c) Temperatura aumenta a velocidade da reação; d)o catalisador aumenta a velocidade da reação tanto direta quanto inversa; e)pulverizar é reduzir a pó. Nesse caso a superfície de contato aumenta, aumentando assim a velocidade da reação. Prof. Msc João Neto 194

195 Exercícios Extraclasse Prof. Msc João Neto 195

196 Prof. Msc João Neto 196

197 Prof. Msc João Neto 197

198 Prof. Msc João Neto 198

199 Prof. Msc João Neto 199

200 Prof. Msc João Neto 00

201 K [ HmCO][ O] [ HmO ][ CO] 3 [ HmCO ]8,8 8 x [ HmO ], x10 10x,x10 8,8 8 x 10 5,5x105x10 5,5x10 5,5x x 10 3 [ HmCO ] [ HmO ] [ HmCO] [ HmO ] [ HmCO] [ HmO ] [ HmCO] [ HmO] Prof. Msc João Neto 01

202 Prof. Msc João Neto 0

203 Prof. Msc João Neto 03

204 Prof. Msc João Neto 04

205 Prof. Msc João Neto 05

206 Não altera Não altera Prof. Msc João Neto 06

207 menor maior Prof. Msc João Neto 07

208 maior menor Prof. Msc João Neto 08

209 maior menor Prof. Msc João Neto 09

210 maior menor Prof. Msc João Neto 10

211 1 Prof. Msc João Neto 11

212 1 Prof. Msc João Neto 1

213 1 ph 11 Mg( OH) [ H ] 10 [ OH ] 10 ph NaHCO3 [ H ] 10 [ OH ] razão razão razão 1000 Prof. Msc João Neto 13

214 13 Prof. Msc João Neto 14

215 ] [ 5 H? ] [ 14 OH 10 ] [ ] [ ] [ OH OH H 10 ] [ 10 ] [ OH OH ] [ ] [ ] [ ácido H OH 9 ] [ 1 log poh OH poh Prof. Msc João Neto Prof. Msc João Neto ] [OH

216 14 Prof. Msc João Neto 16

217 14 Bicarbonato sofre hidrólise, aumentando o ph (solução é básica (antiácido). Prof. Msc João Neto 17

218 15 Prof. Msc João Neto 18

219 15 Na 3x1 3 C x NaCN N 14x g / mol 1 mol 49 g x 4,9g 0,1 mol 50mL y 1000mL M 0,4mol / L NaCN Na Na CN NaOH HCN CN base forte ácido fraco CN H O HCN OH caráter básico x y 0,1 mol 0,4mol Prof. Msc João Neto 19

220 Prof. Msc João Neto 0

221 Prof. Msc João Neto 1

222 Prof. Msc João Neto

223 Prof. Msc João Neto 3

224 OH H ph 4 ] [ ] [, 10 ] [ 10 OH X então OH Se OH ,5 ] [ ] [, ] [ x X 4 4 ] ][10 10 [0 5 ] ][ [ x Kps OH X Kps ,5 ] ][10 10 [0,5 x Kps x Kps Prof. Msc João Neto Prof. Msc João Neto x kps

225 Prof. Msc João Neto 5

226 AgCl Ag Kps [ Ag ][ Cl ] Cl Kps Solubilidade Solubilidade Kps ( Solubilidade) ( Kps ) So lub ilidade Prof. Msc João Neto 6

227 I A acidez caiu!! II Verdadeira III Verdadeira IV - Verdadeira Prof. Msc João Neto 7

228 Prof. Msc João Neto 8

229 Extra Prof. Msc João Neto 9

230 Extra PbI Pb I K [ Pb ][ ].[ I ] K s Prof. Msc João Neto 30

231 Extra Prof. Msc João Neto 31

232 Extra Extra 3 ) ( PO Ca PO Ca 10 ) ( ] [ ] 10 [ 10 1 ] [ ] [ PO PO Ca K s ] [ ].[ ] 10 [ PO PO ] [ 10 0,15 ] [ 10 0, PO PO Prof. Msc João Neto Prof. Msc João Neto 3 3 ] [ 10 3,5 ] [ 10 0, PO PO

MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF

MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF MARATONA PISM III 2016 PROFESSOR: ALEXANDRE FIDELIS BLACK LICENCIADO E BACHAREL EM QUÍMICA -UFJF Parte da química que estuda a rapidez das reações Este estudo é importante para o nosso dia-a-dia, pois

Leia mais

Química C Semiextensivo V. 4

Química C Semiextensivo V. 4 Química C Semiextensivo V. Exercícios 01) E 02) B 0) D 0) C 05) B Quanto maior a constante ácida, maior a força do ácido (acidez). Assim, HF

Leia mais

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação:

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação: 3ª Série / Vestibular 01. I _ 2SO 2(g) + O 2(g) 2SO 3(g) II _ SO 3(g) + H 2O(l) H 2SO 4(ag) As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar

Leia mais

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração de O 2 as concentrações de NO 2 e de NO são

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016

CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 CINÉTICA QUÍMICA TUTOR: LUIZ EDUARDO NOCHI DISCIPLINA: QUÍMICA (FÍSICO QUÍMICA) CURSO ALCANCE (TURMA A E B ) DATA: 17/09/2016 O QUE É CINÉTICA QUÍMICA? É a área da química que estuda a velocidade das reações

Leia mais

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação.

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação. Setor 3306 Aula 20 Lei da velocidade das reações Complemento. As reações químicas podem ocorrer nas mais diferentes velocidades. Existem reações tão lentas que levam milhares de anos para ocorrer, como

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Cintia Disciplina: Química Turma: 3ª Série Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue em pasta

Leia mais

3. Exemplo prático: escreva a equação de Kc para a formação da amônia.

3. Exemplo prático: escreva a equação de Kc para a formação da amônia. 1. Defina. 2. Qual o significado de Kc? E Kp? 3. Exemplo prático: escreva a equação de Kc para a formação da amônia. 4. Qual a relação entre Kp e Kc? O que significa uma variação de número de mols nula?

Leia mais

1- Reação de auto-ionização da água

1- Reação de auto-ionização da água Equilíbrio Iônico 1- Reação de auto-ionização da água A auto- ionização da água pura produz concentração muito baixa de íons H 3 O + ou H + e OH -. H 2 O H + (aq) + OH - (aq) (I) ou H 2 O + H 2 O H 3 O

Leia mais

Exercícios de Equilíbrio Químico

Exercícios de Equilíbrio Químico Exercícios de Equilíbrio Químico 1. Para a produção de energia, os mamíferos oxidam compostos de carbono nos tecidos, produzindo dióxido de carbono gasoso, CO (g), como principal subproduto. O principal

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/07/10 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,14

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Equilíbrio Químico Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Reações completas Combustão do carvão C (s) + O 2 (g) CO 2 (g) Reações completas Reação do Ácido clorídrico com o Magnésio 2 HCl (aq) + Mg

Leia mais

Equilíbrio Ácido-base

Equilíbrio Ácido-base Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Disciplina Química das Soluções QUI084 II semestre 2016 AULA 03 Equilíbrio Ácido-base Hidrólise de Sais Profa.

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) 4ª Série de Exercícios EQUILÍBRIO QUÍMICO Tomar (2003) 1 Equilíbrio

Leia mais

Com base nesses dados, calcule: a) Concentração em g/l. b) Título em massa.

Com base nesses dados, calcule: a) Concentração em g/l. b) Título em massa. ALUNO(a): Nº: SÉRIE: ª TURMA: UNIDADE: VV JC JP PC DATA: / /06 Obs.: Esta lista deve ser entregue apenas ao professor no dia da aula de Recuperação Valor: 5,0. Uma solução contendo 4 g de cloreto de sódio

Leia mais

1º Questão: Escreva a distribuição eletrônica dos elementos abaixo e determine o número de valência de cada elemento: a) Fe (26):.

1º Questão: Escreva a distribuição eletrônica dos elementos abaixo e determine o número de valência de cada elemento: a) Fe (26):. FOLHA DE EXERCÍCIOS CURSO: Otimizado ASS.: Exercícios de Conteúdo DISCIPLINA: Fundamentos de Química e Bioquímica NOME: TURMA: 1SAU 1º Questão: Escreva a distribuição eletrônica dos elementos abaixo e

Leia mais

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos 1. Conceitue colisão efetiva, colisão não-efetiva, energia de ativação e complexo

Leia mais

Resolução de Química UFRGS / 2012

Resolução de Química UFRGS / 2012 26. Resposta C Resolução de Química UFRGS / 2012 Água super-resfriada é água líquida em temperatura abaixo do seu ponto de congelamento. Geralmente ocorre num resfriamento lento e sem agitação onde qualquer

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13 P - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados: T (K) = T ( C) + 73,15 R = 8,314 J mol -1 K -1

Leia mais

O CONCEITO DE ARRHENIUS PARA ÁCIDOS E BASES

O CONCEITO DE ARRHENIUS PARA ÁCIDOS E BASES ÁCIDOS E BASES O CONCEITO DE ARRHENIUS PARA ÁCIDOS E BASES Apresentado pelo químico, físico e matemático sueco Svante August Arrhenius (18591927) em 1887. Ácidos são substâncias que, quando dissolvidas

Leia mais

reagentes e produtos Conceito de equilíbrio químico Colocou-se 1 mol de N 2 O 4 em um recipiente de 1 L, mantido à temperatura constante de 100 º C.

reagentes e produtos Conceito de equilíbrio químico Colocou-se 1 mol de N 2 O 4 em um recipiente de 1 L, mantido à temperatura constante de 100 º C. Capítulo 23 Equilíbrio químico: a coexistência de Conceito de equilíbrio químico Colocou-se 1 mol de N 2 O 4 em um recipiente de 1 L, mantido à temperatura constante de 100 º C. N 2 O 4 (g) Incolor 2 NO

Leia mais

Equilíbrio de Precipitação

Equilíbrio de Precipitação Capítulo 4 Equilíbrio de Precipitação Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B Introdução Os equilíbrios ácido -base são exemplos de

Leia mais

Vm A = [A] t. Vm B = [B] t. Vm C = [C] t. Vm = Vm A = Vm B = Vm C a b c. 1

Vm A = [A] t. Vm B = [B] t. Vm C = [C] t. Vm = Vm A = Vm B = Vm C a b c.  1 I. INTRODUÇÃO É à parte da química que estuda a maior ou menor rapidez com que uma reação química ocorre e os fatores que a influenciam. Este estudo é importante para o nosso dia-a-dia, pois explica alguns

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03/12/05

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03/12/05 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 03//05 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol - K - = 8,34 J

Leia mais

FUNÇÕES INORGÂNICAS. As substâncias são agrupadas de acordo com as suas propriedades. ÁCIDO BASE SAL ÓXIDO

FUNÇÕES INORGÂNICAS. As substâncias são agrupadas de acordo com as suas propriedades. ÁCIDO BASE SAL ÓXIDO FUNÇÕES INORGÂNICAS As substâncias são agrupadas de acordo com as suas propriedades. ÁCIDO BASE SAL ÓXIDO ÁCIDOS e BASES de ARRHENIUS Acidos são substâncias que em solução aquosa liberam H +. Ex. HCl +

Leia mais

Apostila de Química 02 Termoquímica

Apostila de Química 02 Termoquímica Apostila de Química 02 Termoquímica 1.0 Introdução A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas; Não há reação química que ocorra sem variação de

Leia mais

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica

Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial. Termoquímica Universidade Federal do Acre Engenharia Agronômica PET- Programa de Ensino Tutorial Termoquímica Bolsista: Joyce de Q. Barbosa Tutor: Dr. José Ribamar Silva Termodinâmica Conceitos Básicos Termoquímica

Leia mais

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI Processos Químicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos tipos de substâncias presentes ou de suas proporções. Processos Físicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos

Leia mais

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar:

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar: LISTA DE EXERCÍCIOS CINÉTICA QUÍMICA 1) O NO 2 proveniente dos escapamentos dos veículos automotores é também responsável pela destruição da camada de ozônio. As reações que podem ocorrer no ar poluído

Leia mais

Gabarito Química Grupo J. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor. Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo,

Gabarito Química Grupo J. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor. Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo, VESTIB LAR Gabarito Química Grupo J 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo, I) 2-clorobutano II) hidroxi benzeno III) tolueno a) Escreva

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

Reações Químicas. Profº André Montillo

Reações Químicas. Profº André Montillo Reações Químicas Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É o processo no qual 1 ou mais substâncias (regentes) se transformam em 1 ou mais substâncias novas (produtos). Estão presentes em todos

Leia mais

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake Bloco 2. Soluções. Equilíbrio químico em solução aquosa 2.1 Ácidos e bases 1 Bibliografia - Exercícios selecionados Exercícios retirados dos seguintes livros-texto: J.E. Brady, G.E. Humiston. Química Geral,

Leia mais

CIAS LIO TÂNC CIAN. Prof. Msc João Neto 2

CIAS LIO TÂNC CIAN. Prof. Msc João Neto 2 Prof. Msc João Neto 2 DIFERENC CIAN DO SUBS TÂNC CIAS DE MISTURA AS COM AUXÍL LIO DAS CURVAS DE AQ QUEC CIME ENTO Prof. Msc João Neto 3 1 L 0,4 mol 0,1L x x 0, 04mol 0,0404 mol 100mL solução / L 900mL

Leia mais

ocorridas na concentração dos participantes das reações em função do tempo:

ocorridas na concentração dos participantes das reações em função do tempo: CINÉTICA QUÍMICA Fala Gás Nobre! Preparado para reagir? Então vamos para mais um resumo de química! Você já parou pra pensar, que a velocidade com que as reações químicas acontecem, podem estar relacionadas

Leia mais

Apostila de Química 19 Funções Inorgânicas

Apostila de Química 19 Funções Inorgânicas 1.0 Dissociação Apostila de Química 19 Funções Inorgânicas Teoria da dissociação (Arrhenius, 1903) Determinadas substâncias, quando dissolvidas em água, são capazes de originar cátions e ânions (íons livres).

Leia mais

Capítulo 8. Equilíbrios Iônicos. O) presentes numa solução 0,1 mol/l de H 2

Capítulo 8. Equilíbrios Iônicos. O) presentes numa solução 0,1 mol/l de H 2 Capítulo 8 Equilíbrios Iônicos 1. Calcule as concetrações em mol/l de todas as espécies (menos H 2 O) presentes numa solução 0,1 mol/l de H 2. Dadas as constantes de ionização do H 2 K 1 = muito elevado

Leia mais

Produto de solubilidade de sais

Produto de solubilidade de sais Produto de solubilidade de sais Nos sais pouco solúveis (solubilidade menor que 0,01mol/L) o produto da concentração molar de íons é uma constante a uma determinada temperatura, esse produto (Kps) é chamado

Leia mais

Fundamentos de Química

Fundamentos de Química FCiências Fundamentos de Química Apontamentos Equilíbrio químico, Ácido e Bases, Cinética Química Produzido por Filipa França Divulgado e Partilhado por FCiências Equilíbrio Químico FCiências Reações em

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 04

2005 by Pearson Education. Capítulo 04 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções David P. White Propriedades gerais das soluções aquosas Propriedades eletrolíticas As soluções aquosas

Leia mais

é uma alteração química onde matéria (um reagente ou reagentes) se convertem em uma nova substância ou substâncias (um produto ou produtos).

é uma alteração química onde matéria (um reagente ou reagentes) se convertem em uma nova substância ou substâncias (um produto ou produtos). REAÇÕES QUÍMICAS Reação Química é uma alteração química onde matéria (um reagente ou reagentes) se convertem em uma nova substância ou substâncias (um produto ou produtos). é um fenômeno onde os átomos

Leia mais

PAG Química Cinética 1.

PAG Química Cinética 1. 1. 2. 3. errata: a reação é em mais de uma etapa, os gráficos devem apresentar pelo menos duas!! 4. 5. Explique se cada uma das alternativas abaixo é correta ou não, para reações químicas que ocorrem

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

CINÉTICA QUÍMICA. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. CINÉTICA QUÍMICA Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs Cinética Química Lei de Velocidade Integrada Mostra a variação das concentrações

Leia mais

Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico Resolução comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R.

Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico Resolução comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R. Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R. Sensato 1) A constante de equilíbrio K c da reação: H 2 (g) + Cl 2 (g)

Leia mais

Produto de solubilidade de sais. Produto de solubilidade de sais

Produto de solubilidade de sais. Produto de solubilidade de sais Produto de solubilidade de sais Nos sais pouco solúveis (solubilidade menor que 0,01mol/L) o produto da concentração molar de íons é uma constante a uma determinada temperatura, esse produto (Kps) é chamado

Leia mais

6ª OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA EXAME 2011

6ª OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA EXAME 2011 Data da prova: 30.07.2011 Data da publicação do gabarito: 01.09.2011 GABARITO QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 1. (Peso 2) Uma vela de massa 34,5g é acesa e encoberta por um bequer. Após algum tempo a chama

Leia mais

Aluno(a): COMENTADA. Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016

Aluno(a): COMENTADA. Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016 QUÍMICA AVALIAÇÃO CLAUDI / SARA III UNIDADE Aluno(a): COMENTADA Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016 1. A prova é composta de 07 questões abertas e 03 questões objetivas. 2.

Leia mais

QUÍMICA. Prof. Daniel Pires TERMOQUÍMICA

QUÍMICA. Prof. Daniel Pires TERMOQUÍMICA QUÍMICA Prof. Daniel Pires TERMOQUÍMICA 1 QUESTÕES 1. (Uerj 13) A equação química abaixo representa a reação da produção industrial de gás hidrogênio. H O g C s CO g H g Na determinação da variação de

Leia mais

GABARITO - QUÍMICA - Grupo A

GABARITO - QUÍMICA - Grupo A GABARITO - QUÍMICA - Grupo A 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor O teor do íon Cl - existente nos fluidos corporais pode ser determinado através de uma analise volumétrica do íon Cl - com o íon

Leia mais

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor Fala gás nobre! Tudo bem? Hoje vamos para mais um assunto de química: A termoquímica. Você sabia que as reações químicas absorvem ou liberam calor, e desta forma, ocorre uma troca de energia? Pois é, a

Leia mais

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08 P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/1/08 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,314

Leia mais

Equilíbrio Químico. É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa.

Equilíbrio Químico. É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa. Equilíbrio Químico É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES Uma reação química diz-se completa quando leva ao esgotamento

Leia mais

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria.

TERMOQUÍMICA- 3C13. As transformações físicas também são acompanhadas de calor, como ocorre na mudanda de estados físicos da matéria. TERMOQUÍMICA- 3C13 As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece. A Termoquimica

Leia mais

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO EQUILÍBRIO QUÍMICO CONSTANTE DE EQUILÍBRIO A maneira de descrever a posição de equilíbrio de uma reação química é dar as concentrações de equilíbrio dos reagentes e produtos. A expressão da constante de

Leia mais

Componente de Química

Componente de Química Componente de Química 1.5 Controlo da produção industrial Alteração do estado de equilíbrio de um sistema O carácter dinâmico do equilíbrio (num sistema em equilíbrio, a uma dada temperatura, as velocidades

Leia mais

, para vários sais, assinale a opção correta. CrO 4. (aq) em concentrações iguais, haverá precipitação, em primeiro lugar, do sal PbSO 4

, para vários sais, assinale a opção correta. CrO 4. (aq) em concentrações iguais, haverá precipitação, em primeiro lugar, do sal PbSO 4 Resolução das atividades complementares 3 Química Q47 Coeficiente de solubilidade p. 72 1 (UFV-MG) Com base na tabela, na qual são apresentados os valores das constantes de produto de solubilidade,, para

Leia mais

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições

é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Cinética Química Cinética química é o estudo da velocidade das reações, de como a velocidade varia em função das diferentes condições Fatores que afetam a velocidade da reação: Concentração dos reagentes.

Leia mais

Banco de Questões para o 2º ano MEDF. 1. De acordo com o gráfico abaixo, assinale o caminho que sugere a presença de catalisador. Explique.

Banco de Questões para o 2º ano MEDF. 1. De acordo com o gráfico abaixo, assinale o caminho que sugere a presença de catalisador. Explique. Banco de Questões para o 2º ano MEDF Cinética Química 1. De acordo com o gráfico abaixo, assinale o caminho que sugere a presença de catalisador. Explique. Gabarito: O caminho que sugere a presença de

Leia mais

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M

a) 0,60 M e 0,20 M b) 0,45 M e 0,15 M c) 0,51 M e 0,17 M d) 0,75 M e 0,25 M ª série E.M. - APE 1. (Vunesp) Medicamentos, na forma de preparados injetáveis, devem ser soluções isotônicas com relação aos fluidos celulares. O soro fisiológico, por exemplo, apresenta concentração

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA. Adaptada da Tabela Periódica da IUPAC/versão 2007 Acesso: PROVA DE QUÍMICA - Caderno 1

PROVA DE QUÍMICA. Adaptada da Tabela Periódica da IUPAC/versão 2007 Acesso:  PROVA DE QUÍMICA - Caderno 1 PROVA DE QUÍMICA Adaptada da Tabela Periódica da IUPAC/versão 2007 Acesso: http://wwwiupacorg/reports/periodic_table/ 18 PROVA DE QUÍMICA - Caderno 1 QUESTÃO 25 1 Na extração do ouro, os garimpeiros costumam

Leia mais

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam.

Cinética Química. Cinética Química...? É o estudo da velocidade das reações químicas e dos fatores que as influenciam. Cinética Química...? Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciência e Tecnologia groalimentar Profª Roberlucia Candeia Disciplina: Química geral É o estudo da velocidade das reações químicas

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

Teoria Ácido-Base e Reações Químicas

Teoria Ácido-Base e Reações Químicas Teoria Ácido-Base e Reações s 1. (UFRO) Na reação entre um hidreto metálico e amônia líquida, representada pela equação abaixo, são bases de Brönsted: a) H e H2. b) NH2 e NH3. c) H2 e NH3. d) H e NH2.

Leia mais

Equilíbrio Químico. Equilíbrio. Sistema em equilíbrio. Equilíbrio físico Dinâmico. H 2 O (l) H 2 O (g)

Equilíbrio Químico. Equilíbrio. Sistema em equilíbrio. Equilíbrio físico Dinâmico. H 2 O (l) H 2 O (g) Química 3 ano Equilíbrio Parte I Décio Helena Fev/8 Parte I Equilíbrio Sistema em equilíbrio Equilíbrio físico Dinâmico H O (g) H O (l) No equilíbrio físico a água líquida evapora na mesma velocidade que

Leia mais

Reações Químicas GERAL

Reações Químicas GERAL Reações Químicas GERAL É o processo no qual 1 ou mais substâncias (reagentes) se transformam em 1 ou mais substâncias novas (produtos). Formação de ferrugem Combustão de um palito de fósforo Efervescência

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equilíbrio Químico EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-RS) Dada a expressão da constante de equilíbrio em termos de concentração de produtos e reagentes a equação química que pode ser representada por essa

Leia mais

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia

Fotossíntese das plantas, o sol fornece energia Unidade 6 - Conteúdo 13 - Termoquímica As transformações físicas e as reações químicas quase sempre estão envolvidas em perda ou ganho de calor. O calor é uma das formas de energia mais comum que se conhece.

Leia mais

Reacções incompletas e equilíbrio químico

Reacções incompletas e equilíbrio químico Reacções incompletas e equilíbrio químico Reversibilidade das reacções químicas Reversibilidade das reacções químicas Uma reacção química diz-se reversível quando pode ocorrer nos dois sentidos, isto é,

Leia mais

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia.

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Combustíveis Energia e Ambiente De onde vem a energia dos combustíveis? Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Sistema; Universo; Sistema Aberto, Fechado e Isolado; Estado final e Inicial; Energia

Leia mais

Vestibular UERJ 2016 Gabarito Comentado

Vestibular UERJ 2016 Gabarito Comentado Questão 1 O CO2 é um óxido não metálico e possui as seguintes nomenclaturas oficiais: anidrido carbônico dióxido de carbono óxido de carbono IV Moléculas com 3 átomos e que apresentam par de elétrons livres

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib.

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib. TERMOQUÍMICA Prof. Neif Nagib neifnagib@yahoo.com.br Os princípios fundamentais do calor e do trabalho se aplicam no estudo de uma reação química e nas mudanças do estado físico de uma substância. Nesses

Leia mais

Química 2ª série Ensino Médio v. 3

Química 2ª série Ensino Médio v. 3 Química ª série Ensino Médio v. Exercícios 01) E 0) B 0) D Ao se atingir um equilíbrio químico, as concentrações dos participantes podem ser diferentes. O que caracteriza o equilíbrio é o fato de as velocidades

Leia mais

AULA 17- ph e poh. Equilíbrio Iônico da Água. K w = [H + ].[OH - ] Tipos de Soluções (a 25 C)

AULA 17- ph e poh. Equilíbrio Iônico da Água. K w = [H + ].[OH - ] Tipos de Soluções (a 25 C) AULA 17- ph e poh Hoje iremos falar sobre um caso particular de equilíbrio iônico, o equilíbrio iônico da água. A água sofre uma auto-ionização, só que a água é um eletrólito muito fraco, portanto, ela

Leia mais

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake. Equilíbrio químico em solução aquosa. Soluções-tampão. Soluções tampão

Fundamentos de Química Profa. Janete Yariwake. Equilíbrio químico em solução aquosa. Soluções-tampão. Soluções tampão Equilíbrio químico em solução aquosa Soluções-tampão 1 Soluções tampão Definição: soluções que podem resistir a variações significativas de ph. (se adicionamos quantidades pequenas de ácidos fortes ou

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

O processo de dissolução

O processo de dissolução SOLUBILIDADE Sabemos que um soluto altera as propriedades do solvente. Solução sólida: silício dopado com fósforo eletrônica. indústria Sal sobre o gelo abaixa o ponto e congelamento se a temperatura é

Leia mais

Colégio João Paulo I. Questões complementares de Cinética Química. Prof. Cristiano Rupp

Colégio João Paulo I. Questões complementares de Cinética Química. Prof. Cristiano Rupp Colégio João Paulo I Questões complementares de Cinética Química Prof. Cristiano Rupp 1- A quimotripsina é uma enzima que catalisa a clivagem heterolítica das ligações peptídicas, processo que faz parte

Leia mais

Exercícios sobre Equilíbrio químico

Exercícios sobre Equilíbrio químico Exercícios sobre Equilíbrio químico 01 - (Ueg GO) Baseado na charge e em seus conhecimentos sobre Química, responda ao que se pede. a) Caso o cientista tivesse misturado quantidades adequadas de ácido

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 09/04/11 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados R = 0,0821 atm L mol -1 K -1 T (K) =

Leia mais

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v QUÍMICA 1ª QUESTÃO Umas das reações possíveis para obtenção do anidrido sulfúrico é a oxidação do anidrido sulfuroso por um agente oxidante forte em meio aquoso ácido, como segue a reação. Anidrido sulfuroso

Leia mais

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Química Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Re Resolução 1. O carbeto de cálcio CaC 2 (s) (massa molar = 64 g mol 1 ), também conhecido como carbureto, pode ser obtido aquecendo-se

Leia mais

Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues. Constante produto solubilidade

Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues. Constante produto solubilidade Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues Constante produto solubilidade Equilíbrio de Solubilidade Considerando uma solução saturada de cloreto de prata, AgCl. Se continuarmos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Podem ocorrer também modificações só perceptíveis a sensores colocados no meio reacional:

INTRODUÇÃO. Podem ocorrer também modificações só perceptíveis a sensores colocados no meio reacional: REAÇÕES INORGÂNICAS INTRODUÇÃO Uma reação química ocorre quando uma ou mais substâncias interagem de modo a formar novas substâncias. A ocorrência de uma reação pode ser detectada através de evidências

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Equilíbrio químico David P. White Conceito de equilíbrio Considere o N 2 O 4 congelado e incolor. À temperatura ambiente, ele se decompõe em NO 2 marrom: N 2 O 4 (g)

Leia mais

Nome do(a) candidato(a):

Nome do(a) candidato(a): Universidade Federal do Rio Grande do Norte Instituto de Química Programa de Pós Graduação em Química Concurso para Entrada no Curso de Mestrado/Doutorado do PPGQ UFRN 2016.2 Instruções 1. Não identifique

Leia mais

CaO + H2O Ca(OH)2 3 H2 + 1 N2 2 NH3 3 H2 + 1 N2 2 NH3 + 01) A equação refere-se à transformação de ozônio em oxigênio comum, representada pela equação: 2 O3 3 O2 Os números 2 e 3 que aparecem no lado esquerdo

Leia mais

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h Nome Completo : B. I. n.º Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos Candidatura 2013-2014 18 de Junho de 2013, 10:00 12.30 h Respostas às perguntas de escolha múltipla: assinale a resposta certa

Leia mais

QUÍMICA INORGÂNICA. Reaçõ. (qg. E qf.) Patricia Borim

QUÍMICA INORGÂNICA. Reaçõ. (qg. E qf.) Patricia Borim QUÍMICA INORGÂNICA (qg. E qf.) Reaçõ ções Químicas Patricia Borim e-mail: borim.patricia@gmail.com As reações químicas são processos que transformam uma ou mais substâncias, chamados reagentes, em outras

Leia mais

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 19 EQUILÍBRIO IÔNICO - PARTE 1

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 19 EQUILÍBRIO IÔNICO - PARTE 1 QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 19 EQUILÍBRIO IÔNICO - PARTE 1 H O 2 + H + 2 - H - 2 O + 2 - H + - H O 2 2 + H + - Como pode cair no enem (PUC) A tabela abaixo se refere a dados de forças relativas de ácidos

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

BC0307 Transformações Químicas. Cinética química

BC0307 Transformações Químicas. Cinética química Cinética química 1 É possível que ocorra uma determinada reação? Essa reação é espontânea? Termodinâmica Quão rápida é esta reação? Qual o mecanismo desta transformação química? Cinética 2 Modelo de colisão

Leia mais

REAÇÕES EM SOLUÇÕES AQUOSAS E ESTEQUIOMETRIA. Prof. Dr. Cristiano Torres Miranda Disciplina: Química Geral QM81A Turmas Q13 e Q14

REAÇÕES EM SOLUÇÕES AQUOSAS E ESTEQUIOMETRIA. Prof. Dr. Cristiano Torres Miranda Disciplina: Química Geral QM81A Turmas Q13 e Q14 REAÇÕES EM SOLUÇÕES AQUOSAS E ESTEQUIOMETRIA Prof. Dr. Cristiano Torres Miranda Disciplina: Química Geral QM81A Turmas Q13 e Q14 CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES EM SOLUÇÕES AQUOSAS Reações em soluções aquosas

Leia mais

1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s. Reação: A B

1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s. Reação: A B Físico-Química Prof. José Ginaldo Silva Jr. Lista de Exercícios de Cinética Química 1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s.

Leia mais

20 Não se fazem mais nobres como antigamente pelo menos na Química. (Folha de S. Paulo, ). As descobertas de compostos como o XePtF 6

20 Não se fazem mais nobres como antigamente pelo menos na Química. (Folha de S. Paulo, ). As descobertas de compostos como o XePtF 6 20 Não se fazem mais nobres como antigamente pelo menos na Química. (Folha de S. Paulo, 17.08.2000). As descobertas de compostos como o XePtF 6, em 1962, e o HArF, recentemente obtido, contrariam a crença

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL

ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL ROTEIRO PRÁTICO DE QUÍMICA GERAL 1- Objetivo 1. Estimar o ph de água destilada e de soluções aquosas usando indicadores ácidobase. 2. Diferenciar o comportamento de uma solução tampão. 2 Introdução Eletrólitos

Leia mais

Disciplina: Química Geral Docente Responsável: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran. Assunto: Ácidos e Bases de Lewis/ Óxidos/ Sais: classificação

Disciplina: Química Geral Docente Responsável: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran. Assunto: Ácidos e Bases de Lewis/ Óxidos/ Sais: classificação Disciplina: Química Geral Docente Responsável: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1 Assunto: Ácidos e Bases de Lewis/ Óxidos/ Sais: classificação 1. Ácidos e Bases: conceito de Lewis O modelo de Lewis baseia-se

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações

Leia mais

a) Escreva os nomes das substâncias presentes nos frascos A, B e C. A B C

a) Escreva os nomes das substâncias presentes nos frascos A, B e C. A B C PROVA DE QUÍMICA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006 (cada questão desta prova vale até cinco pontos) Questão 01 Foram encontrados, em um laboratório, três frascos A, B e C, contendo soluções incolores e sem rótulos.

Leia mais

Deve-se esperar uma redução na velocidade de rotação do hidrômetro em dias frios.

Deve-se esperar uma redução na velocidade de rotação do hidrômetro em dias frios. 01. Considere que dez litros de cada um dos seguintes gases estão nas mesmas condições de pressão e temperatura: PH 3, C 2 H 6 O, H 2, NH 3, Ne, Cl 2 e SO 2. A alternativa que apresenta corretamente os

Leia mais