E se as plantas não tivessem nome? A importância do Código de Nomenclatura Botânica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E se as plantas não tivessem nome? A importância do Código de Nomenclatura Botânica"

Transcrição

1 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA E se as plantas não tivessem nome? A importância do Código de Nomenclatura Botânica Elton John de Lírio 1,* & Valderes Bento Sarnaglia Júnior 1 1 Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. * para correspondência: Desde tempos remotos os seres humanos nomeiam tudo que é possível para facilitar o uso no dia-a-dia, desde objetos, a pessoas, animais e plantas. Se você vai à feira, na tarefa de comprar uma dúzia de ovos, um quilo de bananas ou de feijão é necessário o uso dos nomes que cada produto possui. Já imaginou como seria muito mais difícil ter que descrever para o vendedor cada desejado de lista? Ou ainda podemos imaginar, se cada pessoa utilizasse um nome diferente para cada produto. Sem dúvida, pedir por um item e o vendedor lhe trazer outro seria um tanto embaraçante. Mas se analisar um pouco, é possível perceber que várias plantas tem nomes diferentes ao redor do mundo; seja de um país para outro, de região para região ou até no mesmo local. Tais nomes são chamados nome popular ou nome vernáculo. A exemplo, podemos citar o aipim (Manihot esculenta Crantz), espécie da família Euphorbiaceae, de origem sulamericana, largamente utilizada na alimentação, especialmente suas raízes, que também pode ser conhecida em algumas regiões do Brasil como macaxeira ou mandioca, ou cassava no inglês (EMBRAPA 2014). Outro exemplo é o gengibre (Zingiber officinale Roscoe, Zingiberaceae), utilizado na medicina e na alimentação, é conhecido como mangarataia na região Norte do Brasil, e em inglês como ginger (Mahady et al. 2003). Por outro lado, diferentes espécies podem compartilhar o mesmo nome, inclusive espécies de famílias distintas. O boldo pode se referir a Plectranthus barbatus Andrews, da família Lamiaceae, Gymnanthemum amygdalinum (Delile) Sch. Bip. ex Walp., Asteraceae e Peumus boldus Molina, Monimiaceae; é necessário notar que neste caso as espécies são de diferentes famílias, mas tem uma finalidade semelhante na medicina popular; possuem o mesmo nome numa mesma região e duas delas apresentam efeitos colaterais (Agra et al. 2008). Outro caso de diferentes espécies que compartilham o mesmo nome popular são as espécies do gênero Piper, família Piperaceae e Pilocarpus microphyllus Stapf. ex Wardleworth, Rutaceae, popularmente conhecidas como jaborandi (Guimarães &

2 70 LÍRIO & SARNAGLIA: NOMENCLATURA BOTÂNICA. Monteiro 2006, Taveira et al. 2003), mas que possuem aplicações bastante diferentes, P. microphyllus é utilizado no combate à calvície e as espécies do gênero Piper são utilizadas como ansiolítico, indutor de sono, relaxamento (Barbosa et al. 2013), antiinflamatório e antimicrobiano (Morandim-Giannetti et al. 2011). Deste modo, o emprego de nomes científicos possibilita que por meio de um binômio (acompanhado por seu autor), seja reconhecida a identidade de uma espécie em qualquer canto do mundo, pois cada espécie é portadora de um único binômio. Isso te assegura que quando comprar um xampú antiqueda, estará adquirindo um produto com extrato de P. microphyllus e não de Piper umbellatum L., por exemplo. Mas é importante salientar que os nomes vernáculos também tem importância para a sociedade, especialmente num contexto regional. O binômio é composto pelo gênero, epíteto específico e autor da espécie. Além de fornecer a identidade da espécie, o binômio também fornece pistas acerca do relacionamento filogenético, uma vez que o epíteto genérico fornece o gênero a que a espécie em questão pertence, ou seja, o grupo de plantas com quem esta espécie mais compartilha características, enquanto o epíteto específico informa qual é a identidade da espécie dentro do gênero. Obviamente é importante utilizar binômio e não somente o epíteto específico, pois os mesmos epítetos específicos podem se repetir em diferentes gêneros. É também importante o uso do autor que descreveu a espécie, uma vez que o mesmo binômio pode ter sido utilizado por outro autor, já que os epítetos muitas das vezes se referem a características das espécies ou ao coletor, e nesse caso é possível estar tratando de um nome para dois diferentes táxons (mas neste caso, obviamente, somente um dos nomes é válido, tem prioridade o mais antigo validamente publicado). O nome dos autores possui abreviações padrões, a relação de autores e suas respectivas abreviações padronizadas podem ser consultadas no IPNI (Índice Internacional de Nomes de Plantas, disponível em Os nomes científicos de plantas são elaborados à luz da nomenclatura botânica, que é regida por um código com princípios, artigos, regras e recomendações, o Código Internacional para Plantas, Fungos e Algas (CIPFA). O CIPFA auxilia na padronização desses nomes, previne para que não haja duplicidade de nomes, permite que ele seja aceito pela comunidade científica mundial e facilita a divulgação de informações atreladas às espécies. Os princípios presentes no CIPFA servem de base para a nomenclatura botânica, são estes seis relacionados a seguir: (1) a nomenclatura botânica é independente da nomenclatura

3 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA zoológica e bacteriológica. É aplicado a todos os grupos taxonômicos tratados como plantas, mesmo que originalmente não tenham sido tratados como tal ; fungos e cianobactérias são tratados no CIPFA; (2) a aplicação de nomes de grupos taxonômicos é determinada de acordo com tipos nomenclaturais. Os tipos nomenclaturais são geralmente amostras biológicas de plantas, denominadas exsicatas, que são depositadas em herbários. Cada nome tem um tipo nomenclatural ao qual ele está fixado, este tipo também serve como referência para determinar se outro espécime pertence àquela espécie, por meio de comparação. O tipo nomenclatural também pode ser em alguns casos, uma imagem, como uma ilustração ou fotografia; (3) cada grupo taxonômico com posição e nível pode ter apenas um nome correto, que é o primeiro que tenha sido publicado de acordo com CIPFA, exceto em casos específicos previstos pelo Código ; (4) os nomes científicos são tratados como nomes latinos, independente da palavra (s) de que seja (m) derivado (s), quando derivados de outros idiomas, devem ser latinizados; (5) as regras de nomenclatura são retroativas, exceto nos pontos em que tal retroatividade seja limitada pelo Código. Neste caso, para a generalidade, a retroatividade vai até 1 de maio de 1753, que se refere à publicação da obra Species Plantarum de Linnaeus, foi também nesta obra que o sistema binomial foi proposto. Anteriormente, no sistema polinomial, as espécies eram nomeadas de acordo com um conjunto de características que as distinguia das outras, por exemplo, Rosa sylvestris alba cum rubore folio glabro (Rosa silvestre branca com folhas avermelhadas sem pelos). Ao contrário do anterior, o sistema binomial não necessariamente precisa descrever uma planta, mas somente servir como identificação para aquele táxon. Atrelado aos binômios há fonte de informação inestimável. Seja na literatura disponível para as espécies, ou pelas coleções biológicas que desempenham um importante papel. Os espécimes depositados em herbários podem fornecer informações de habitat, distribuição geográfica, interações, variação morfológica, usos etnobotânicos, etc. As avaliações de risco de extinção das espécies são majoritariamente baseadas nas informações disponíveis nos herbários, principalmente, as informações de distribuição geográfica. Por isso, a aplicação adequada de um binômio é essencialmente para a conservação da espécie. Se um ou mais nomes não são bem aplicados, é possível que se esteja ampliando ou diminuindo a distribuição geográfica de uma ou mais espécies. Além de serem fonte da informação disponível por meio dos espécimes, as coleções biológicas também são o repositário dos espécimes tipo. O CIPFA prevê seis categorias de tipo, aqui vamos brevemente cada uma delas. Holótipo: o holótipo é o elemento principal

4 72 LÍRIO & SARNAGLIA: NOMENCLATURA BOTÂNICA. escolhido pelo autor para representar a espécie, ele é geralmente um espécime, mas pode ser também uma ilustração. Quando o autor não designa um holótipo, mas o material tipo é composto por um único espécime, este deve ser considerado holótipo. Isótipo: o isótipo é a duplicata do holótipo, ou seja, uma porção da coleta escolhida como holótipo depositada geralmente em um herbário diferente. O isótipo também pode ser um fragmento do holótipo, desde que o fragmento esteja depositado em um herbário. Parátipo: o parátipo é um material examinado pelo autor, e citado na obra de descrição da espécie, mas que se constitui de uma coleta diferente do holótipo. Síntipos: os síntipos são espécimes analisados pelo autor na descrição da espécie, quando há mais de um material tipo e o autor não designou um holótipo. Lectótipo: o léctótipo deve ser designado após a descrição da espécie, no caso de o material tipo ser composto por síntipos ou quando o holótipo foi destruído ou está perdido. O lectótipo deve ser escolhido prioritariamente na seguinte ordem: dos isótipos ou sintipos, quando existir, dos parátipos, quando existir, dos materiais originais não citados, quando existir, de ilustração original. Epítipo: um epítipo deve ser designado quando o material tipo disponível é dúbio ou impossibilita o reconhecimento do táxon. Ele serve como um complemento para o lectótipo ou holótipo. Neótipo: um neótipo deve ser designado quando nenhum espécime tipo ou ilustrações originais estão disponíveis, ele deve preferencialmente ser da mesma localidade em que o tipo da espécie foi coletado (localidade tipo). Se o holótipo for reencontrado, o lectótipo ou neótipo perdem sua validade. As provisões detalhadas estão divididas em regras, organizadas em artigos e recomendações. Exemplos são acrescidos às regras para ilustrá-las. As regras organizam a nomenclatura no passado e proveem para o futuro, para que um nome seja válido, este precisa estar de acordo com as regras. As recomendações buscam a padronização, mas não são obrigatórias para que o nome seja considerado válido. Mas o Código não é estático, alterações podem ser propostas continuamente por meio da submissão da proposta na Revista Táxon (IAPT, Associação Internacional para Taxonomia de Plantas), é posteriormente votada durante a sessão de nomenclatura do Congresso Internacional de Botânica. Dentre as principais novidades da última edição do Código (McNeil et al. 2012), estão as possibilidades de publicação de táxons com diagnose em inglês, ou seja, a descrição das características que diferenciam o táxon novo dos demais (anteriormente a diagnose deveria ser em latim), e a publicação de táxons em revistas online.

5 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA Literatura citada Agra M. F., Silva K. N., Basílio I. J. L. D., França P. F., Barbosa-Filho J. M Survey of medicinal plants used in the region Northeast of Brazil. Revista Brasileira de Farmacognosia 18: Barbosa D. R., Lenardon L, Partata K Kava-kava (Piper methysticum): uma revisão geral. Revista Científica do ITPAC, Araguaína, 6 (3): Embrapa Mandioca. Disponível em https://www.embrapa.br/mandioca-efruticultura/cultivos/mandioca., acessado 01/08/2014. Guimarães, E. F. & Monteiro D Piperaceae na Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 57 (3): Mahady G. B., Pendland S. L., Yun G. S., Lu Z. Z., Stoia A Ginger (Zingiber officinale Roscoe) and the gingerols inhibit the growth of Cag A+ strains of Helicobacter pylori. Anticancer Research (5A): McNeill J., Barrie F. R., Buck W. R., et al., eds International Code of Nomenclature for algae, fungi, and plants (Melbourne Code), Adopted by the Eighteenth International Botanical Congress Melbourne, Australia, July 2011 (electronic ed.). Bratislava: International Association for Plant Taxonomy. Morandim-Giannetti A. A., Cotinguiba F., Regasini L. O., Frigieri M. C., Varanda E. A., Coqueiro A, Kato M. J., Bolzani V. S. & Furlan M Study of Salmonella typhimurium mutagenicity assay of (E)-piplartine by the Ames test. African Journal of Biotechnology 10 (27): Taveira F. S. N., Andrade E. H. A., Lima W. N. & Maia J. G. S. Seasonal variation in the essencial oil of Pilocarpus microphyllus Stapf. Anais da Academia Brasileira de Ciências 75 (1): 27-31

Diretivas ABNT, Parte 2 Regras para a estrutura e redação de Documentos Técnicos ABNT

Diretivas ABNT, Parte 2 Regras para a estrutura e redação de Documentos Técnicos ABNT Diretivas ABNT, Parte 2 Regras para a estrutura e redação de Documentos Técnicos ABNT Rules for the structure and drafting of ABNT Technical Documents Primeira edição, 2007 Todos os direitos reservados.

Leia mais

FAQs sobre a publicação de artigos nos periódicos da SBFa. RSBF e JSBFa

FAQs sobre a publicação de artigos nos periódicos da SBFa. RSBF e JSBFa FAQs sobre a publicação de artigos nos periódicos da SBFa RSBF e JSBFa As dúvidas relacionadas neste documento foram coletadas ao longo de nosso trabalho editorial nas publicações da SBFa. Algumas respostas

Leia mais

Regras para o Acesso Legal ao Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional Associado

Regras para o Acesso Legal ao Patrimônio Genético e Conhecimento Tradicional Associado MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO SCEN, Trecho 2, Ed. Sede do IBAMA, Bloco G 70.818-900 Brasília DF Telefone: (61)4009-9518 Fax: (61) 4009-9509 http://www.mma.gov.br/port/cgen

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

MANUAL DE ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS 1 TEOBALDO CAMPOS MESQUITA MANUAL DE ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS 3ª Edição (Revista e atualizada) Fortaleza 2011 2 APRESENTAÇÃO O Manual de elaboração e apresentação de trabalhos

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

Regulamento de Execução do Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes. (texto em vigor a partir de 1 de Julho de 2014)

Regulamento de Execução do Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes. (texto em vigor a partir de 1 de Julho de 2014) Regulamento de Execução do Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (texto em vigor a partir de 1 de Julho de 2014) Nota do editor: Para ter conhecimento de pormenores relativos a modificações do Regulamento

Leia mais

VISITAR MUSEUS FAZ PARTE DA PRÁTICA CULTURAL DOS JOVENS?

VISITAR MUSEUS FAZ PARTE DA PRÁTICA CULTURAL DOS JOVENS? VISITAR MUSEUS FAZ PARTE DA PRÁTICA CULTURAL DOS JOVENS? Sibele Cazelli (doutora em educação) Museu de Astronomia e Ciências Afins MAST/MCT sibele@mast.br 1. Introdução Na perspectiva de uma aprendizagem

Leia mais

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación E-ISSN: 1696-4713 RINACE@uam.es

REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación E-ISSN: 1696-4713 RINACE@uam.es REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación E-ISSN: 1696-4713 RINACE@uam.es Red Iberoamericana de Investigación Sobre Cambio y Eficacia Escolar España Soares, José Francisco

Leia mais

Coleção Primeiros Passos 110

Coleção Primeiros Passos 110 A história da humanidade sempre foi marcada por contatos e conflitos entre culturas, isto é, entre modos diferentes de organizar a vida social, de conceber a realidade e expressála. A riqueza desse leque

Leia mais

CIF. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Classificação Detalhada com definições

CIF. Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Classificação Detalhada com definições Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde Classificação Detalhada com definições Todas as categorias com as suas definições, inclusões e exclusões Organização Mundial da Saúde

Leia mais

GUIA DE DEPÓSITO DE PATENTES ÍNDICE:

GUIA DE DEPÓSITO DE PATENTES ÍNDICE: GUIA DE DEPÓSITO DE PATENTES ÍNDICE: APRESENTAÇÃO...1 INTRODUÇÃO...2 INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI...2 Finalidade do INPI...2 PROPRIEDADE INTELECTUAL...2 Propriedade Industrial...3

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. MANUAL ARTIGO CIENTÍFICO (MAC) (PÓS-GRADUAÇÃO)

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. MANUAL ARTIGO CIENTÍFICO (MAC) (PÓS-GRADUAÇÃO) UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. MANUAL DE ARTIGO CIENTÍFICO (MAC) (PÓS-GRADUAÇÃO) São Paulo 2010 ARTIGO CIENTÍFICO ORIENTAÇÕES PARA SUA ELABORAÇÃO 1 Resumo O objetivo deste

Leia mais

Projeto de Interfaces de Usuário

Projeto de Interfaces de Usuário Projeto de Interfaces de Usuário Perspectivas Cognitivas e Semióticas Clarisse Sieckenius de Souza *, Jair Cavalcanti Leite, Raquel Oliveira Prates *, Simone D.J. Barbosa * clarisse@inf.puc-rio.br; jair@dimap.ufrn.br;

Leia mais

NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA

NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA 1. Introdução Com frequência sou consultada a respeito do caráter legal das Normas Técnicas Brasileiras e tenho percebido que esse tema é recorrente

Leia mais

MANUAL. As Borboletas da Floresta Amarela

MANUAL. As Borboletas da Floresta Amarela MANUAL As Borboletas da Floresta Amarela Xana Sá Pinto (xanasapinto@gmail.com) Rita Campos (ritacampos@cibio.up.pt) Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO) 2012 Design: Joana

Leia mais

O LETRAMENTO A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA TEÓRICA: ORIGEM DO TERMO, CONCEITUAÇÃO E RELAÇÕES COM A ESCOLARIZAÇÃO

O LETRAMENTO A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA TEÓRICA: ORIGEM DO TERMO, CONCEITUAÇÃO E RELAÇÕES COM A ESCOLARIZAÇÃO O LETRAMENTO A PARTIR DE UMA PERSPECTIVA TEÓRICA: ORIGEM DO TERMO, CONCEITUAÇÃO E RELAÇÕES COM A ESCOLARIZAÇÃO Katlen Böhm Grando 1 PUCRS Projeto Observatório da Educação/CAPES 2 Resumo: O tema letramento,

Leia mais

O CAD APLICADO AO PROJETO DO PRODUTO: O PONTO DE VISTA DOS DESIGNERS INDUSTRIAIS. Francisco Duarte Magalhães Silva

O CAD APLICADO AO PROJETO DO PRODUTO: O PONTO DE VISTA DOS DESIGNERS INDUSTRIAIS. Francisco Duarte Magalhães Silva O CAD APLICADO AO PROJETO DO PRODUTO: O PONTO DE VISTA DOS DESIGNERS INDUSTRIAIS Francisco Duarte Magalhães Silva Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção,

Leia mais

Recursos. Abertos. e Inovação. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura

Recursos. Abertos. e Inovação. Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura Andreia Inamorato dos santos Recursos Educacionais Abertos no Brasil O Estado da Arte, Desafios e Perspectivas para o Desenvolvimento e Inovação Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência

Leia mais

Manual de normalização. ISBN 978-85-88755-28-4

Manual de normalização. ISBN 978-85-88755-28-4 Capa: Luiz Eduardo Souza Fernanda Beles Lussari Departamento de Comunicação - Unoeste Revisão de texto: Dra. Maria de Lourdes Zizi Trevizan Perez Docente do Mestrado em Educação Formato on-line: Eduardo

Leia mais

PARA QUE SERVE A AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO. A VISÃO DA CAPES.

PARA QUE SERVE A AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO. A VISÃO DA CAPES. PARA QUE SERVE A AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO. A VISÃO DA CAPES. Renato Janine Ribeiro, Universidade de Sao Pablo O texto que se segue reúne os artigos que publiquei semanalmente, em 2007, entre 18 de julho

Leia mais

O USO DA INTERNET POR ADOLESCENTES. UNICEF/BRZ/Ratão Diniz

O USO DA INTERNET POR ADOLESCENTES. UNICEF/BRZ/Ratão Diniz O USO DA INTERNET POR ADOLESCENTES UNICEF/BRZ/Ratão Diniz Expediente Realização Fundo das Nações Unidas para a Infância UNICEF Gary Stahl Representante do UNICEF no Brasil Antonella Scolamiero Representante-adjunta

Leia mais

ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS TESES E DISSERTAÇÕES DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS TESES E DISSERTAÇÕES DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DAS TESES E DISSERTAÇÕES DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REITOR Ricardo Vieiralves de Castro VICE-REITOR Paulo Roberto Volpato

Leia mais

COLETA DE DADOS Conceitos e orientações

COLETA DE DADOS Conceitos e orientações Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) Diretoria de Avaliação (DAV) COLETA DE DADOS Conceitos e orientações Manual de preenchimento da Plataforma Sucupira

Leia mais

Sistema ISBN International Standard Book Number. Manual do Utilizador do ISBN

Sistema ISBN International Standard Book Number. Manual do Utilizador do ISBN Sistema ISBN International Standard Book Number Manual do Utilizador do ISBN Edição Internacional Quinta Edição Agência Internacional do ISBN A versão mais actualizada do Manual do ISBN pode ser encontrada

Leia mais

FMEA Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos

FMEA Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos Capítulo 5 1 FMEA Análise dos Modos de Falha e seus Efeitos 4.1 Introdução Este capítulo apresenta uma revisão bibliográfica sobre o FMEA, tendo como tópicos as definições, descrição da equipe responsável

Leia mais

MANUAL DE TRABALHOS ACADÊMICOS

MANUAL DE TRABALHOS ACADÊMICOS UNIVERSIDADE DE ITAÚNA MANUAL DE TRABALHOS ACADÊMICOS Ms. Eunice Batista Gonçalves Dra. Glória Maria de Pádua Moreira Dr. Lúcio Aparecido Moreira Dra. Maria José de Morais Pereira Dra. Patrícia Martins

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO SCEN, Trecho 2, Ed. Sede do IBAMA, Bloco G - 70.818-900 - Brasília - DF Telefone: (61) 3307-7118 - Fax: (61) 3307-7124 http://www.mma.gov.br/cgen

Leia mais

COMO SE FAZ A EDIÇÃO DE UM LIVRO? José Pereira da Silva (UERJ/UFAC) pereira@filologia.org.br

COMO SE FAZ A EDIÇÃO DE UM LIVRO? José Pereira da Silva (UERJ/UFAC) pereira@filologia.org.br COMO SE FAZ A EDIÇÃO DE UM LIVRO? José Pereira da Silva (UERJ/UFAC) pereira@filologia.org.br Naturalmente, o editor não precisa ser autor nem organizador de livros, mas não é possível editar uma obra que

Leia mais

COMO ELABORAR UM TRABALHO ESCRITO, ACADÉMICO E CIENTÍFICO: NORMAS PARA A SUA ESTRUTURAÇÃO E ESCRITA

COMO ELABORAR UM TRABALHO ESCRITO, ACADÉMICO E CIENTÍFICO: NORMAS PARA A SUA ESTRUTURAÇÃO E ESCRITA Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Escola Básica e Secundária do Vale de Ovil COMO ELABORAR UM TRABALHO ESCRITO, ACADÉMICO E CIENTÍFICO: NORMAS PARA A SUA ESTRUTURAÇÃO E ESCRITA Biblioteca do Agrupamento

Leia mais

Forest Stewardship Council. Norma FSC. Norma para Certificação de Cadeia de Custódia FSC FSC-STD-40-004 V2-1 POR CADEIA DE CUSTÓDIA

Forest Stewardship Council. Norma FSC. Norma para Certificação de Cadeia de Custódia FSC FSC-STD-40-004 V2-1 POR CADEIA DE CUSTÓDIA Forest Stewardship Council Norma FSC Norma para Certificação de Cadeia de Custódia FSC FSC-STD-40-004 V2-1 POR CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do documento: Escopo: Norma para Certificação

Leia mais