Programa. Ano Base. Área de Avaliação ECONOMIA. Área Básica HISTÓRIA ECONÔMICA Instituição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa. Ano Base. Área de Avaliação ECONOMIA. Área Básica HISTÓRIA ECONÔMICA 6.03.01.04-0. Instituição"

Transcrição

1 Ano Base 2004 Área de Avaliação ECONOMIA Área Básica HISTÓRIA ECONÔMICA Instituição UNESP/ARAR - UNIVERSIDADE EST.PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO/ARARAQUARA (SP) ECONOMIA P-0 1 de 7

2 P-PG-01 Cursos Nível Início M0 - ECONOMIA Mestrado Acadêmico 1998 Proposta do - Áreas de Concentração / Linhas de Pesquisa (P-PG-02a/b) Nível Economia Mestrado Acadêmico Início 2004 História Econômica Teoria Econômica Proposta do - Recursos Humanos (P-PG-04) Ref. 1 Docentes 6 Participante Externo Qtd. 14,0 28,6 % 19,0 27,9 % Proposta do - Requisitos para Titulação (P-PG-05) Créditos Nível Disciplinas Tese / Outros Equivalência Carga horária Dissertação horas / crédito exigida Mestrado Acadêmico Proposta do - Visão geral, evolução e tendências (P-PG-06) O de Pós-Graduação em Economia da UNESP tem por objetivo a formação de docentes, pesquisadores e profissionais em geral, oferecendo-lhes sólida base analítica, instrumental e amplo conhecimento da produção acadêmica relevante na área. Privilegiando o estudo dos principais temas, teorias e métodos de análise que caracterizam as áreas de Economia e História Econômica, atualmente o está estruturado em torno de um núcleo curricular em que as atividades de formação concentram-se em disciplinas de teoria econômica, história econômica comparada, métodos quantitativos e métodos de análise em história econômica. Este núcleo completa-se com um conjunto de disciplinas temáticas relacionadas às linhas de pesquisa do - as quais devem ser selecionadas de acordo com o tema de estudo particular do aluno - e com a realização de seminários onde são apresentados e discutidos resultados parciais ou finais de pesquisas. A estrutura do curso, assim, visa garantir as condições adequadas para o desenvolvimento progressivo do aluno em direção a uma proposta de trabalho que reflita domínio do instrumental teórico e analítico, bem como capacidade de interpretação e de julgamento que o diferencie enquanto um profissional com formação qualificada em Economia. A partir de 2004, o passou a funcionar com uma nova estrutura tendo como base duas Linhas de Pesquisa, História Econômica e Teoria Econômica, e uma nova Estrutura Curricular Como nos anos anteriores, o tem dado grande ênfase na participação dos alunos em seminários da pós-graduação com professores convidados e em eventos científicos com apresentação de trabalhos. No último ano, o deu continuidade à realização do Seminários da Pós. Esse evento consiste em apresentações de trabalhos recentemente concluídos e de pesquisas em andamento por pesquisadores e professores convidados externos ao de Pós-Graduação da UNESP. Como poderá ser visto no item Intercâmbios Institucionais, os "Seminários da Pós" têm constituído um fórum importante de apresentação e debate de resultados de pesquisa em História Econômica e Teoria Econômica. Cabe destacar a publicação de trabalhos de docentes e/ou discentes no IX Encontro Nacional de Economia Política, no VII Encontro de Economia da Região Sul-ANPEC/SUL, no II Encontro de Pós-Graduação em História Econômica, XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais, no 59th European Meeting of the Econometric Society, no 2004 Latin American Meeting of the Econometric Society, no VIII Seminário Internacional da Rede de Investigadores Latino Americanos-ANPUR, no IV Congreso Europeo de Latinoamericanistas e no I Congreso de la Asociación Latino-Americana de Poblacíon. Além disso, ressaltamos a participação de um de nossos docentes na comissão organizadora do Symposium Globalization and Environment in the Americas - ISEE 2004 Montréal, evento em que o mesmo docente também apresentou trabalho. Por fim, vale destacar que dois docentes do organizaram uma Conferência Internacional em Araraquara sobre "Novas Perspectivas sobre a História Econômica do Brasil", que contou com a presença de 23 professores provenientes de várias instituições de vários países. Em 2004, os resultados em termos de dissertações concluídas foram bastante positivos, todos os alunos que efetivamente iniciaram o Curso de Mestrado do em 2002 defenderam suas dissertações (10 defesas). Proposta do - Integração com a Graduação Benefícios recíprocos da integração com cursos de graduação. Resultados obtidos (P-PG-07) 2 de 7

3 p g ç g ç ( ) O de Pós-Graduação em Economia da UNESP mantém estreito contato com o Curso de Graduação em Ciências Econômicas da FCL/CAr-UNESP. O Conselho do definiu como política oficial que todos os docentes do com vínculo empregatício com a UNESP são obrigados a oferecer disciplinas na graduação. Essa política tem sido mantida e se reflete nos dados apresentados no presente relatório, em que todos os docentes do com vínculo empregatício com a UNESP assumiram disciplinas obrigatórias e/ou optativas na graduação. Outro indicador de integração com a graduação é a significativa participação de alunos desse nível em pesquisas dos docentes do. Como pode ser observado pelos dados dos projetos de pesquisa de docentes, 23 alunos de graduação estiveram vinculados a projetos de pesquisa conduzidos pelos professores do. Por outro lado, as atividades regulares do são divulgadas amplamente e contam com grande participação de alunos de graduação. O evento Seminários da Pós tem recebido sempre um número expressivo de alunos de graduação. Proposta do - Integração com a Graduação Estágio de docência do pós graduando junto aos alunos da graduação (P-PG-07a) O mestrando Fábio Rodrigo Romão cumpriu o estágio docência. Proposta do - Infraestrutura - Laboratórios (P-PG-08) Proposta do - Infraestrutura - Biblioteca (P-PG-09) O de Pós-Graduação em Economia conta com a Biblioteca da Faculdade de Ciências e Letras no Câmpus de Araraquara (FCL/CAr). Ao final do ano de 2004, o acervo da Biblioteca possuía cerca de títulos, incluindo aproximadamente livros e teses, e títulos de periódicos. a) Aquisições e novos livros no ano de 2004 As novas aquisições têm procurado atender as necessidades do de Pós-Graduação em Economia, complementando a biblioteca básica de obras clássicas e fundamentais relacionadas ao. É importante ressaltar, que a Biblioteca também ampliou o acervo com doações de títulos das coleções do Prof. Otávio Ianni (5.000 volumes) e Prof. Edgar Carone (3.000 volumes), que devem reforçar os títulos relacionados com a área do. b) Bases de dados on-line e em CD-Rom Os alunos e docentes do possuem acesso direto via terminais de Internet a bases bibliográficas relacionadas à Economia e História Econômica. As principais são as seguintes: - Web of Science: esta base é referencial e indexa mais de títulos de periódicos de todas as áreas do conhecimento, desde 1945, com atualização semanal. - SilverPlatter: contém as bibliotecas de referência eletrônicas EconLit (Literatura Internacional de Economia, ) e Sociofile (Literatura Internacional de Ciências Sociais, ); - Current Contents Connect: biblioteca de referência eletrônica; - Darwent Innovations Index: base de dados de patentes; - Portal CAPES: O Consórcio USP-UNESP-UNICAMP mantém a base retrospectiva dos periódicos assinados pela CAPES, o que permite acesso aos textos integrais de alguns dos principais periódicos internacionais em Economia e História Econômica. Proposta do - Infraestrutura - Recursos de Informática (P-PG-10) Impressoras laser: 34 Impressoras jato de tinta: 138 Impressoras matriciais: 30 Laboratórios de Informática da Pós-Graduação: Laboratório da Pós-Graduação da FCL/CAr: 10 Pentium, 1 impressora laser 16 ppm e 1 scanner. Sala de micros do de Pós-Graduação em Economia: 3 Pentium, 2 terminais de rede, 1 impressora laser, 1 impressora jato de tinta e 1 scanner. Microcomputadores Pentium: 398 Rede: Servidor para 1 Pentium III 800Mhz Servidor para WWW: 1 Duron 1.4 Ghz Servidor para biblioteca: 1 Sparc SUN Servidor para aplicativos: 3 P4 2.4 Ghz Servidor para acesso discado: 2 com 8 linhas disponíveis Switch central Mbits: 1 Switch departamental 10/100 Mbits: 24 Pontos de dados: 520 Link interno com fibras óticas: 8 (100 Mbits) Link para Internet: 100 Mbits Softwares: Sistemas operacionais: Free BSD, Linux, NT Terminal Server, Solaris, Windows 98 e 2000 Aplicativos: Corel Draw, Dreamweaver, Office 97/2000, Page Maker, Photoshop 5.0 Navegadores/ Outlook, Eudora, Explorer Anti-vírus: AVG, Norton Antivírus, VirusScan Compiladores: Clipper Cobol Delphi PHP 3 de 7

4 Compiladores: Clipper, Cobol, Delphi, PHP Proposta do - Infraestrutura - Outras Informações (P-PG-10a) Proposta do - Intercâmbios Institucionais (P-PG-11) O de Pós-Graduação em Economia da UNESP tem mantido tradicionalmente uma série de contatos e atividades envolvendo pesquisadores e docentes de outros centros, do Brasil e do exterior. No ano de 2004, o deu prosseguimento à principal atividade de intercâmbio: os Seminários da Pós-Graduação. Nos Seminários da Pós o recebeu a visita dos seguintes professores e pesquisadores expondo sobre os seguintes temas: a) Fábio Barbieri (FECAP) Tema: O debate do cálculo socialista o seu papel na formação do programa de pesquisa austríaco. b) Carlos Roberto Azzoni (FEA/USP) Tema: Crescimento econômico e desigualdade regional. c) Jean Stubbs (London Metropolitan University) Tema: Reflections on class, race, gender and nation in Cuba tobacco, Ainda com relação a intercâmbios institucionais, vale a pena ressaltar que os professores Renato Colistete e Maria Lúcia Lamounier, juntamente com o Prof. William Summerhill (University of California, Los Angeles), organizaram uma conferência internacional sobre o tema "Novas Perspectivas sobre História Econômica do Brasil", que reuniu pesquisadores que, a partir de diversas abordagens, têm contribuído para renovar os estudos de história econômica do Brasil através de sólida pesquisa empírica, busca de novas fontes, novos problemas e novos métodos de análise. O evento foi realizado nos dias 6, 7 e 8 de setembro e contou com a presença de 23 professores de várias instituições de vários países. Os autores preparam trabalhos abordando temas relevantes da história econômica do país (séculos XIX e XX), que foram apresentados em reuniões conjuntas. O material resultante das discussões será publicado em forma de livro, em inglês e português, para o que já estão sendo realizadas negociações com editoras nacional e estrangeira. A preparação do evento tem levado os professores envolvidos a um intercâmbio bastante positivo com pesquisadores de outras instituições. Proposta do - Auto-Avaliação (P-PG-12) O continua apresentando deficiência significativa no que diz respeito ao quesito Produção Intelectual, relacionado com a qualidade e quantidade das publicações do nosso corpo docente. O Conselho do, considerando que tal deficiência poderá resultar na redução da nota do ao final do triênio , com conseqüente redução do número de bolsas e recursos, ou mesmo ameaçar a existência do Curso de Mestrado, resolveu adotar novas medidas que visam a incentivar o incremento das publicações do corpo docente para o próximo triênio. Mais precisamente, estabeleceu critérios de avaliação individual dos docentes do baseados na média móvel trienal dos pontos de publicação. Esta avaliação deverá ser feita anualmente e servirá para avaliar a permanência ou não de cada docente no. O Conselho estabeleceu critério objetivos para credenciamento de novos docentes, um dos quais é o desempenho em termos de publicação compatível com o desempenho médio alcançado pelo corpo docente do. Vale notar que o Conselho tem buscado, por diversas vezes, chamar a atenção dos docentes do para a importância da produção acadêmica como um aspecto essencial da participação na pós-graduação. Proposta do - Auto-Avaliação - Deficiências a serem corrigidas (P-PG-12a) O apresenta as disciplinas básicas da área de Economia. Por outro lado, a especialização em história econômica e teoria econômica é manifestada pela participação de especialistas, conferindo ao consistência e coerência. Não há problema de endogenia no corpo docente, o qual é diversificado e adequadamente formado. Há a participação de professores de outras instituições com altíssima qualificação. Uma característica marcante da estrutura do Curso de Mestrado do implementada em 2004 é a perspectiva integrada da formação nas duas grandes Linhas de Pesquisa. A interação efetiva entre pesquisadores em História Econômica e em Teoria Econômica é uma experiência praticamente inédita nos s de Economia do país. Essa interação é feita especialmente por meio da estrutura curricular que oferece uma formação básica comum, bem como uma formação específica que permite que o aluno curse matérias optativas associadas a uma e outra área de pesquisa. Além disso, os seminários regulares promovidos pelo de Pós-Graduação em Economia são comuns às áreas e com temas diversificados. Proposta do - Outras Informações (P-PG-13) Como foi mencionado em nosso relatório anterior, as mudanças no corpo docente, a contratação de novos professores especializados em teoria econômica e métodos quantitativos e o reforço significativo dessas áreas de pesquisa do, bem como o amadurecimento e os resultados alcançados pelo curso contribuíram positivamente para a discussão e aprovação pelo Conselho de Curso de reformulações na área de concentração, nas linhas de pesquisa e na estrutura curricular. As novas mudanças já foram aprovadas nos órgãos superiores da universidade e foram implantadas em De acordo com as novas alterações, o passou a ser estruturado em duas Linhas de Pesquisa: Teoria Econômica e História Econômica. Tendo como eixo estas duas linhas de pesquisa, as alterações na estrutura curricular do visaram preservar o objetivo central de oferecer uma formação acadêmica rigorosa e crítica aos alunos e proporcionar ao corpo discente, em primeiro lugar, uma formação básica tanto em Teoria Econômica como em História Econômica e, em segundo lugar, uma formação aprofundada em uma destas áreas de pesquisa. 4 de 7

5 Proposta do - Ensino a Distância (P-PG-14) Não. Proposta do - Trabalhos em Preparação (P-PG-15) Proposta do - Atividades Complementares (P-PG-16) Os docentes do de Pós-Graduação em Economia da UNESP participaram em várias atividades externas em 2004, principalmente como bancas examinadoras de teses e dissertações, consultores de instituição de fomento (FAPESP), pareceristas de revistas e membros de conselhos editoriais. Exemplos de participação externa de expressão do corpo docente são os seguintes: a) A Profa. Cláudia Heller atuou como membro da Comissão Examinadora do 27º Prêmio BNDES de Economia e da Comissão Científica do IX Encontro Nacional de Economia Política b) O Prof. Adilson Marques Gennari foi membro do corpo de avaliadores de curso de economia do Ministério da Educação c) A Profa. Luciana Togeiro de Almeida atuou como Co-coordenadora do Working Group on Development and Environment in the Americas. d) A Profa. Maria Alice Rosa Ribeiro foi membro das Comissões Científicas do VI Congresso Brasileiro de História Econômica de Empresas e da II Jornadas de História Regional Comparada. Proposta do - Críticas/Sugestões para Comitê de Avaliação (P-PG-17) 5 de 7

6 6 de 7

7 7 de 7

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3

CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 CAPES - ÁREA DE ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA ÁREA 46 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA PROGRAMAS ACADÊMICOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CARACTERÍSTICAS DE UM PROGRAMA (MESTRADO) NOTA 3 Para obter nota

Leia mais

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática

Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Anais do VIII ENEM Mesa Redonda 1 Pós-Graduação e Ensino de Ciências e Matemática Tânia Maria Mendonça Campos - tania@pucsp.br A Pós-Graduação é a Unidade Universitária responsável pela formação de recurso

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Avaliação - DAV DOCUMENTO DE ÁREA 2009 Identificação Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Coordenadora de Área: CLARILZA PRADO DE SOUSA Coordenadora-Adjunta de Área: ELIZABETH FERNANDES DE MACEDO Modalidade: Acadêmica I. Considerações gerais sobre o

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas

Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas Pós-Graduação em Genética e Biologia Molecular Universidade Estadual de Campinas Avaliação Triênio 2004-2006 Prof. Marcelo Menossi Teixeira coordgbm@unicamp.br Processo de avaliação Anualmente cada PPG

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PESQUISA CLÍNICA EM DOENÇAS INFECCIOSAS (Regimento Interno aprovado pela Comissão de Pós-graduação do IPEC em 25/08/2010 e pelo Conselho Deliberativo

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO COMUNICADO no 002/2012 ÁREA DE ZOOTECNIA E RECURSOS PESQUEIROS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Zootecnia e Recursos Pesqueiros PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS Aprovada pelo Conselho do Programa em 16/06/2015 Aprovado pelo Conselho Deliberativo do CAUNESP em 03/07/2015

INSTRUÇÕES NORMATIVAS Aprovada pelo Conselho do Programa em 16/06/2015 Aprovado pelo Conselho Deliberativo do CAUNESP em 03/07/2015 INSTRUÇÕES NORMATIVAS Aprovada pelo Conselho do Programa em 16/06/2015 Aprovado pelo Conselho Deliberativo do CAUNESP em 03/07/2015 O Conselho do Programa de Pós-Graduação em Aquicultura aprova as Instruções

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE NÚCLEO DE DESIGN

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE NÚCLEO DE DESIGN SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE NÚCLEO DE DESIGN CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 05, de 11 de fevereiro de 2014, publicado

Leia mais

Ítens 1) Avaliação 2)

Ítens 1) Avaliação 2) Área de Avaliação: Período: 2001/2003 Área de Avaliação: Programa: Instituição: QUESITOS I - Proposta do Programa Ítens 1) Avaliação 2) 1 Coerência e consistência da Proposta do Programa. 2 Adequação e

Leia mais

Edital nº 74, de NOVEMBRO de 2015, publicado no Diário Oficial da União nº 211, de 05 de NOVEMBRO de 2015.

Edital nº 74, de NOVEMBRO de 2015, publicado no Diário Oficial da União nº 211, de 05 de NOVEMBRO de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO ACADÊMICO DO AGRESTE NÚCLEO DE GESTÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 74, de NOVEMBRO de 2015, publicado

Leia mais

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA

INTRODUÇÃO. Capes Critérios de Avaliação Trienal Triênio Avaliado 2004 2006 Área de Avaliação: ARTES / MÚSICA INTRODUÇÃO Os Critérios de Avaliação da área de Artes/Música estão consolidados a partir dos Documentos de Área resultantes da avaliação dos triênios 1998-2000 e 2001-2003 e dos Requisitos Mínimos para

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICAS TERRITORIAIS E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Documento sobre a Pós-graduação na subárea e descrição da sistemática de trabalho de avaliação:

Documento sobre a Pós-graduação na subárea e descrição da sistemática de trabalho de avaliação: Subárea: FILOSOFIA Coordenador: Oswaldo Giacoia Júnior (UNICAMP) Consultores: Danilo Marcondes de Souza Filho (PUC-RIO) Maria das Graças de Souza (USP) Nelson Gonçalves Gomes (UnB) Paulo Francisco Estrella

Leia mais

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico;

III conferir, de acordo com o regime didático-científico do Programa, os graus de Doutor e Mestre Acadêmico; 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS-GRADUADOS EM SERVIÇO SOCIAL 1. Objetivos do Programa Artigo 1º - São objetivos do Programa: I formar pessoal nível de Mestrado Acadêmico, Doutorado e Pós-Doutorado,

Leia mais

R E G I M E N T O I N T E R N O

R E G I M E N T O I N T E R N O , REDE DE BIODIVERSIDADE E BIOTECNOLOGIA DA AMAZÔNIA LEGAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PPG-BIONORTE R E G I M E N T O I N T E R N O DOS OBJETIVOS Art. 1º - O Programa objetiva a formação de Doutores para

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I - II - III IV - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA

Leia mais

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL

REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 22.scol@capes.gov.br REQUISITOS PARA A CRIAÇÃO DE CURSOS NOVOS MESTRADO PROFISSIONAL IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Documento sobre a Pós-graduação na subárea e descrição da sistemática de trabalho de avaliação:

Documento sobre a Pós-graduação na subárea e descrição da sistemática de trabalho de avaliação: Coordenador: Marcelo Perine (PUC/SP) Consultores: José Raimundo Maia Neto (UFMG) Luiz Bernardo Leite Araújo (UERJ) Danilo Marcondes de Souza Filho (PUC-RIO) Nelson Gonçalves Gomes (UnB) Nythamar Hilário

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

Manual do Aluno. Escola de Engenharia Kennedy. Faculdade Kennedy. Faculdade de Ciências jurídicas Prof. Alberto Deodato

Manual do Aluno. Escola de Engenharia Kennedy. Faculdade Kennedy. Faculdade de Ciências jurídicas Prof. Alberto Deodato Manual do Aluno Escola de Engenharia Kennedy Faculdade Kennedy Faculdade de Ciências jurídicas Prof. Alberto Deodato Apresentação 01 Missão Escola de Engenharia e Faculdade Kennedy Missão Faculdade de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL E MEIO AMBIENTE - UNIARA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: DINÂMICA REGIONAL E ALTERNATIVAS DE SUSTENTABILIDADE. CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AGRONOMIA/ENTOMOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO

Leia mais

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010

Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 Portaria nº 64, de 24 de março de 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR CAPES, no uso das atribuições conferidas pelo art. 26, inciso IX, do Decreto nº 6.316,

Leia mais

EDITAL INTERNO Nº 07 / 2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PIVICT 2013-2014

EDITAL INTERNO Nº 07 / 2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PIVICT 2013-2014 EDITAL INTERNO Nº 07 / 2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA PIVICT 2013-2014 O Pró-Reitor de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação (PROPPI) do Instituto Federal de

Leia mais

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior. Diretoria de Avaliação Ministério da Educação Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior Diretoria de Avaliação 50.nutr@capes.gov.br DOCUMENTOS DA PRIMEIRA REUNIÃO DA COMISSAO PRO-TEMPORE DE ESTRUTURAÇÃO DA

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA - CCS. Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO

FACULDADE DE MEDICINA - CCS. Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO FACULDADE DE MEDICINA - CCS Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO PROF. Grupo I - Ensino de Graduação e Pós-Graduação (Até 50 pontos) Mínimo

Leia mais

Recredenciamento do curso de pós-graduação em Sociologia, em nível de mestrado.

Recredenciamento do curso de pós-graduação em Sociologia, em nível de mestrado. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Recredenciamento do curso de pós-graduação em Sociologia, em nível de mestrado. ARNALDO NISKIER I - RELATÓRIO 0 Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro solicita

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

A primeira delas tem como objetivos uma formação básica em Antropologia Social e orientar a elaboração do projeto de pesquisa que conduzira à

A primeira delas tem como objetivos uma formação básica em Antropologia Social e orientar a elaboração do projeto de pesquisa que conduzira à INTERESSADO/MANTENEDORA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UF SP ASSUNTO RENOVAÇÃO DE CREDENCIAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL Nível de Mestrado. RELATOR: SR.CONS. Layrton Borges

Leia mais

Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF)

Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF) Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF) 1. Sobre o Programa O Programa Nacional de Mestrado Profissional em Ensino de Física (MNPEF) é um programa nacional de pós-graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO. Das Finalidades PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS REGIMENTO Das Finalidades Art. 1º Os Cursos de Doutorado e Mestrado em Direito da Faculdade de Direito de Vitória (FDV) objetivam

Leia mais

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3

Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Seminário de Acompanhamento de Programas de Pós-Graduação em Odontologia 3 x 3 Isabela Almeida Pordeus (UFMG) Arnaldo de França Caldas Jr (UFPE) Outubro 2011 OBJETIVOS Refletir sobre trajetórias, discutir

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MESTRADO E DOUTORADO CAPÍTULO I - OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1. - O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TRANSPORTES do Departamento

Leia mais

PERFIL E INTERDISCIPLINARIDADE DA ÁREA

PERFIL E INTERDISCIPLINARIDADE DA ÁREA COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE ASTRONOMIA E FÍSICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 18 de Abril de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ASTRONOMIA E FÍSICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PPGE / UCB REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Brasília-DF CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art. 1º. O presente

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de Avaliação: 2010 a 2012 Etapa: Avaliação Trienal 2013 Área de Avaliação: 27 - ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO IES: 42001013 - UFRGS - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Programa:

Leia mais

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO 2013 CURSOS DE MESTRADO ACADÊMICO E DOUTORADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO

Leia mais

Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos UFC UFPB UFRN - UFRPE. Manual do Aluno

Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos UFC UFPB UFRN - UFRPE. Manual do Aluno Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos UFC UFPB UFRN - UFRPE Manual do Aluno Manual do aluno PPgDITM Bem-vindo! O Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PESQUISA EDITAL PROIC BOLSA 1º/2012

COORDENAÇÃO DE PESQUISA EDITAL PROIC BOLSA 1º/2012 FACULDADES INTEGRADAS DO NORTE DE MINAS FUNORTE INSTITUTO DE CIÊNCIAS DE SAÚDE - ICS FACULDADE DE SAÚDE IBITURUNA FASI COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROIC EDITAL PROIC BOLSA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO DA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UNESP CÂMPUS MARÍLIA Resolução Unesp-95, de 26/10/05 Seção I Dos Objetivos Artigo 1º - O programa

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE O roteiro e normas abaixo discriminados foram aprovados pela Congregação da FEA em 17.8.2005. ROTEIRO E NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE UM MEMORIAL PADRÃO PARA CONCURSOS DA CARREIRA DOCENTE NA FEA SUMÁRIO (para

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

EDITAL Nº 01/2013 - DG

EDITAL Nº 01/2013 - DG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CÂMPUS SÃO VICENTE DO SUL Rua 20 de Setembro, s/nº - 97420-000 São

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Porto Alegre, março de 2009. 1. O Programa O Programa de Pós-Graduação em Patologia (PPG-Patol) foi criado com o objetivo de formar pessoal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Nome completo do Pesquisador: Programa de Iniciação Científica da UNILA Identificação do Proponente Área doqualis

Leia mais

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013

PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 PORTARIA Nº, DE FEVEREIRO DE 2013 Define as diretrizes gerais para o processo de avaliação de desempenho para fins de progressão e de promoção das Carreiras do Magistério Superior e do Ensino Básico, Técnico

Leia mais

I - Proposta do Programa

I - Proposta do Programa Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior SERVIÇO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE 04 Ano Base 01_02_03 SERVIÇO SOCIAL / ECONOMIA DOMÉSTICA CAPES Período de Avaliação: 01-02-03 Área

Leia mais

Deliberação CPG CCD 04/2014. Sobre a validação de créditos e revalidação de títulos. Sobre a creditação em Atividades Complementares

Deliberação CPG CCD 04/2014. Sobre a validação de créditos e revalidação de títulos. Sobre a creditação em Atividades Complementares Deliberação CPG CCD 04/2014 Das disciplinas e dos créditos Modelo de ementa Sobre a validação de créditos e revalidação de títulos Sobre a creditação em Atividades Complementares Do relatório discente

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015.

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO. Ji-Paraná RO, 2015. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES DE EXTENSÃO Ji-Paraná RO, 15. CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E DIRETRIZES DAS ATIVIDADES

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DOS OBJETIVOS Secção I - Dos Objetivos do Programa Art. 1. O Programa de Pós-Graduação em Comunicação

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 32 - SERVIÇO SOCIAL IES: 33004072 - UNESP/FR - UNIVERSIDADE EST.PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO/FRANCA Programa: 33004072067P2 - SERVIÇO SOCIAL Modalidade:

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE NORMAS ESPECÍFICAS DA FEA SÃO PAULO I Taxas 1. Não serão cobradas taxas nos processos seletivos dos programas de pós-graduação desta Faculdade. 2. Não será cobrada dos alunos especiais taxa de matrícula

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

CRÉDITOS MÍNIMOS. 1. Do candidato ao grau de Mestre serão exigidos, no mínimo, 128 unidades de crédito, assim distribuídos:

CRÉDITOS MÍNIMOS. 1. Do candidato ao grau de Mestre serão exigidos, no mínimo, 128 unidades de crédito, assim distribuídos: NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I - II - III IV - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da UNILA Identificação do Proponente

Programa de Iniciação Científica da UNILA Identificação do Proponente Programa de Iniciação Científica da UNILA Identificação do Proponente Nome completo do Pesquisador: Área do qualis CAPES pela qual o(s) artigo(s) foi/foram avaliado(s): (conforme Resolução COSUP nº 0/0)

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 - O Curso de Doutorado em Ciência do Sistema Terrestre do INPE tem como objetivo a formação de recursos

Leia mais

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014.

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. Regulamenta o procedimento de concessão de créditos para as atividades complementares dos alunos dos Cursos de Graduação em Engenharia Industrial Madeireira ingressantes

Leia mais

NORMAS PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE UNIGRAN CAPITAL

NORMAS PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE UNIGRAN CAPITAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC NORMAS PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE UNIGRAN CAPITAL Capítulo I Da Natureza e das Finalidades Art. 1º Por Iniciação Científica

Leia mais

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da Universidade Nove de Julho UNINOVE destinase a alunos de graduação para desenvolvimento de pesquisa científica (IC) ou tecnológica

Leia mais

Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa

Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE INESP INSTITUTO NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA Em conformidade com o Parecer CES/CNE 146/2002, homologado em 13 de maio de

Leia mais

Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae

Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae Como elaborar Memorial e Curriculum Vitae Luciana Pizzani Rosemary Cristina da Silva Memorial Memorial é o relatório circunstanciado que se apresenta à comissão de progressão funcional, o qual inclui a

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 013 / 2015

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 013 / 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitoria de Graduação Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

Programa. Ano Base. Área de Avaliação ENGENHARIAS III. Área Básica ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 3.08.00.00-5. Instituição

Programa. Ano Base. Área de Avaliação ENGENHARIAS III. Área Básica ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 3.08.00.00-5. Instituição Ano Base 2004 Área de Avaliação ENGENHARIAS III Área Básica ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 3.08.00.00-5 Instituição UFRN - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE (RN) ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 23001011021P-2

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004

AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS CRITÉRIOS PARA ACOMPANHAMENTO DE AVALIAÇÃO DE 2004 Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Capes Documento de Área: Ciências e Tecnologia de Alimentos AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA PÓS-GRADUAÇÃO AREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO

PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO PROGRAMA ANALÍTICO E EMENTA DE DISCIPLINA DA PÓS GRADUAÇÃO Rodrigo Rizzi IDENTIFICAÇÃO Disciplina Seminários I de Engenharia Rural Professor Responsável pela Disciplina Outros Professores Envolvidos Código

Leia mais

FICHA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA

FICHA DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA Período de Avaliação: 2001/200 - Acompanhamento 200 - Ano Base 2002 Área de Avaliação: LETRAS / LINGUÍSTICA Programa: 2008018005P5 - LETRAS E CULTURA REGIONAL / UCS Curso LETRAS E CULTURA REGIONAL Dados

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO DA REGULAÇÃO REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDOS DA FGV DIREITO RIO RIO DE JANEIRO 2015 SUMÁRIO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2004 a 2006 Etapa: Trienal 2007 Área de : 10 - ENGENHARIAS I IES: 24009016 - UFCG - UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Programa: 24009016002P1 - ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL Modalidade:

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 18 - ODONTOLOGIA IES: 33003033 - UNICAMP/Pi - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS/PIRACICABA Programa: 33003033005P9 - RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA Modalidade:

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA EDITAL 11/201 De acordo com a legislação vigente e regimento do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva PPGSC, sobre o processo de credenciamento de docentes colaboradores, faço público, para conhecimento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIEDADE E AMBIENTE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIEDADE E AMBIENTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE MORRINHOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SOCIEDADE E AMBIENTE Rua 14, nº 625 Jardim América Morrinhos - GO - CEP 75.650-000 Telefax (064) 3413-1097

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NORMAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO I. COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) 1. A Comissão

Leia mais

Manual do curso de bacharelado em Física

Manual do curso de bacharelado em Física Instituto de Física Universidade de São Paulo Manual do curso de bacharelado em Física 2013 Apresentação Este manual tem como objetivo descrever os currículos vigentes dos Cursos de Bacharelado em Física

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Materiais PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO A estrutura do Curso dará ênfase à formação do pós-graduando como docente-pesquisador. O Curso buscará atribuir

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 74,

Leia mais

O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS

O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS O P²CEM FIQUE POR DENTRO DAS NORMAS!!! Programa de Pós-Graduação em Ciência e Engenharia de Materiais P²CEM/UFS Coordenação: Prof. Dr. Luís Eduardo Almeida Prof. Dr. Marcelo Massayoshi Ueki http://www.engenhariademateriais-ufs.net/

Leia mais