Desenvolvimento de Sistema Computacional para a Integração do Diagnóstico de Defeitos de Transformadores de Potência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de Sistema Computacional para a Integração do Diagnóstico de Defeitos de Transformadores de Potência"

Transcrição

1 1 Desenvolvimento de Sistema Computacional para a Integração do Diagnóstico de Defeitos de Transformadores de Potência L. F. A. Nascimento, C.C. Santos, J. S. Silva, ELETRONORTE e C. J. Dupont, M. P. Moreira, C. Ducharme, W. M. H. Cuenca, C. G. Mata, F. S. Gomes, R. A. L. Barros, K. C.Lam, A. J. Junqueira, R. T. Verdolim, CEPEL Resumo- Este trabalho documenta o Sistema DianE 1.8.1, gerado como produto do projeto de pesquisas da carteira Eletronorte / Aneel - Projeto ELN / Cepel número 1562 Desenvolvimento de Metodologias para a Integração do Diagnóstico de Defeitos de Transformadores de Potência. O projeto foi desenvolvido com o Cepel no período de dezembro/2001 a dezembro/2006. O documento contém as informações relativas às etapas do projeto e os benefícios esperados. Adicionalmente são apresentadas a visão geral do produto e as modificações / complementações de funcionalidades solicitadas pela Eletronorte ao longo do desenvolvimento do mesmo. Dois exemplos de utilização bem sucedida, demonstram os benefícios que começam a ser obtidos pela utilização do Sistema na empresa. Palavras-chave Análise; Diagnóstico; Equipamentos de Subestações; Transformadores I. INTRODUÇÃO A demanda crescente por energia e a sobrecarga atual dos sistemas de potência exigem a utilização de ferramental capaz de aumentar a confiabilidade e reduzir o número de paradas programadas e ocasionais, otimizando assim o fornecimento de energia elétrica e o uso das instalações. Além disso, a implantação de subestações desassistidas é uma tendência importante atualmente presente no planejamento da expansão de praticamente todas as empresas do setor elétrico brasileiro, o que reforça a necessidade de utilização de sistemas on-line de supervisão e controle. Seguindo essa tendência, o Cepel desenvolveu em parceria com a Eletronorte até 2000 o projeto PI SID - Sistema Inteligente de Diagnóstico, que permitiu o desenvolvimento de técnicas e a análise de vários aspectos da questão e gerou uma primeira versão de programa computacional de diagnóstico de transformadores (programa AIDA v.1.0). Paralelamente, Eletronorte e Cepel realizaram nos anos de 1999 e 2000 o projeto proposta técnica DPP-029/98 - "Implementação do Sistema Inteligente de Monitoramento e Diagnóstico de Transformadores - SID, software AIDA, em duas subestações piloto da Eletronorte". Esta parceria aprimorou o programa original e o adaptou às características específicas da Eletronorte, culminando em uma segunda versão do programa. Ainda no ano 2000 o Cepel iniciou o desenvolvimento de um sistema totalmente novo de análise e diagnóstico de defeitos de transformadores desenvolvido desde sua concepção para contemplar todos os transformadores de L. F. A. Nascimento e J. S. Silva trabalham no LACEN e C. C. Santos no COTM da ELETRONORTE ( C. J. Dupont e demais autores trabalham no Centro de Pesquisas de E- nergia Elétrica - CEPEL ( potência da empresa, atendendo os requisitos de grande porte de dados e de processamento em ambiente em rede corporativa. Como requisitos adicionais a este sistema, de forma a alargar seu horizonte de aplicação, previu-se a necessidade de gerar um programa anfitrião ("host") de longa vida, extensível futuramente a outros equipamentos, facilmente a- daptável às necessidades de diferentes empresas quanto à emissão de laudos e relatórios, modular para a fácil inserção/remoção de metodologias de análise com o tempo, padronizado quanto a interfaces gráficas, acesso a banco de dados e geração de análises e ainda, preparado para interagir com diferentes sistemas de supervisão e controle existentes para a realização de análises "on-line". Este novo sistema recebeu o nome de Sistema DianE Sistema de Análise e Diagnóstico de Equipamentos. Para que este sistema continuasse seu desenvolvimento na direção de uma otimização de diagnósticos, para desenvolver métodos e modelos de análise e integrá-las apropriadamente, mais dados de campo e pesquisas eram necessárias. No período de dezembro/2001 a dezembro/2006, em um projeto de pesquisa da carteira Aneel e utilizando os conhecimentos anteriores, Eletronorte e Cepel desenvolveram o projeto número Desenvolvimento de Metodologias para a Integração do Diagnóstico de Defeitos de Transformadores de Potência. O projeto foi realizado para suprir a lacuna acima mencionada. Este trabalho, juntamente com o manual do Sistema, documenta as atividades desenvolvidas no projeto e o produto (Sistema DianE 1.8.1) resultante. II. OBJETIVO O objetivo do projeto foi o de estabelecer bases para o desenvolvimento a médio prazo de módulos computacionais e modelos voltados ao aprimoramento da integração das metodologias de análise do estado operativo e do diagnóstico de defeitos de transformadores de potência. Para tal foram realizadas atividades de pesquisa sobre os dados que estavam sendo disponibilizados em base de dados histórica única implantada na Eletronorte, para identificar deficiências nos modelos de análise e gerar outros módulos computacionais mais adequados para substituir modelos menos eficientes por outros e/ou inserir novos módulos de análise. Esta é uma tarefa demorada pois depende da consolidação dos dados ao longo do tempo, que requer alguns anos para se efetivar. Como produto final do projeto foram disponibilizadas metodologias aprimoradas de análise sendo o sistema de diagnóstico e análise de equipamentos otimizados a partir de uma longa observação da história dos dados. No período do projeto o Sistema DianE evoluiu da versão 1.0 até a versão 1.8.1

2 2 O projeto excedeu as expectativas iniciais, de forma a que em seu final foi disponibilizado em produção na empresa um sistema de análises e diagnósticos não apenas de transformadores, mas de todos os tipos de equipamentos de SE s. O sistema foi concebido para ser um sistema de uso corporativo, modular e evolutivo (longa vida), capaz de favorecer a coleta adequada de dados de diversas procedências (online e/ou off-line) e estabelecer uma base para a otimização das técnicas de análise a partir de uma proposta de integração e padronização dos diagnósticos. O sistema será ainda aprimorado ao longo dos anos em outros projetos da Carteira Institucional (PI) do Cepel com a Eletronorte e outras empresas do Grupo Eletrobrás. III. BENEFÍCIOS Os seguintes benefícios são esperados com a implantação na Eletronorte do sistema computacional DianE utilizando a metodologia integrada aprimorada no projeto: - Processo aperfeiçoado para execução de análises e diagnóstico de transformadores de potência e demais e- quipamentos de subestações, através da integração de técnicas tradicionais e novas técnicas em desenvolvimento; - Utilização de um produto customizável e de longa vida (somente módulos são substituídos); - Aumento da confiabilidade e da flexibilidade operativa; - Redução do número de falhas; - Redução na quantidade de interrupções do fornecimento de energia; - Extensão da vida útil dos equipamentos; - Decisões quanto ao aumento do carregamento admissível; - Auxílio no processo de gerenciamento e manutenção dos equipamentos na empresa com conseqüente redução de custos; - Otimização da operação e da manutenção dos equipamentos a partir da tomada de decisões on-line pela extensão das facilidades já providas pelo projeto anterior; - Consolidação de uma base de dados histórica com informações sobre os transformadores de potência e demais equipamentos da Empresa, gerando maiores condições para o aprimoramento das metodologias atuais de análise e a criação de novos módulos de avaliação do estado operativo. IV. ETAPAS DO PROJETO As etapas previstas para a execução do projeto foram: Etapa 1 - Especificação, aquisição e instalação de sensores nos Transformadores Etapa 2 - Instalação e Adaptações de sensores nos transformadores e SE's Etapa 3 - Instalação inicial do sistema anfitrião dos métodos de diagnóstico Etapa 4 - Customização do Sistema Etapa 5 - Desenvolvimento de novos modelos de análise / estudo / diagnóstico Etapa 6 - Implantação e Acompanhamento de modificações e novos modelos Etapa 7 - Emissão de relatório de acompanhamento para a Aneel Etapa 8 - Emissão de relatório técnico Durante o projeto as etapas 4 e 5 foram estendidas de forma a que o sistema pudesse ser utilizado também para outros equipamentos de subestações e não apenas para transformadores de potência. V. VISÃO GERAL DO PRODUTO O sistema DianE é um aplicativo para uso em análise e diagnóstico de equipamentos de subestações, que pode ser acessado de qualquer computador que tenha acesso à rede intranet da Eletronorte. Tendo como ponto de partida os métodos de análise de transformadores, já utilizados pelo CEPEL em outros sistemas, o objetivo do sistema é unir muitas das técnicas conhecidas em um único sistema, capaz de dar ao usuário o máximo de informações que o auxiliem na tomada de decisões sobre o uso e manutenção dos equipamentos. O Sistema DianE é uma única aplicação composta de módulos. No escopo do projeto para a Eletronorte, foram integrados em um único sistema os seguintes módulos: Cadastro de transformadores de potência, buchas, comutadores, TP s, TC s, TPC s, disjuntores, seccionadoras, GIS e pára-raios; Cadastro de movimentações e manutenções realizadas nos equipamentos cadastrados; Cadastro de ensaios off-line e on-line e de resultados de avaliações autônomas para os equipamentos cadastrados; Visualização de figuras para os dados dos ensaios para os equipamentos cadastrados; Telas acessórias para cadastro e demais funcionalidades; Telas para análise de defeitos / métodos de análise; Telas para análise de situação geral dos defeitos; Telas para diagnóstico com emissão de rankings de causas e ações mais adequadas, baseada em análise de risco; Telas para ranking de análises simultâneas de todos os equipamentos; Telas para ranking de riscos simultâneos de todos os equipamentos; Telas para emissão de relatórios e laudos; Os cadastros referidos acima como on-line referem-se a variáveis que podem ser aquisitadas a partir de uma interação com o sistema supervisivo SAGE (grande volume de dados históricos). Os demais cadastros de ensaios referemse a resultados que podem ser cadastrados manualmente ou importados (caso do 2fal, físico-químico e cromatografia gasosa) a partir de plugins de aquisição, especialmente desenvolvidos para a empresa, como o plugin para importação do sistema SIGLACEN da Eletronorte.

3 3 VI. MODIFICAÇÕES REALIZADAS NO PROJETO Ao longo do desenvolvimento do projeto do software DianE foram feitas várias correções e alterações na interface e banco de dados por solicitação da Eletronorte e empresas do Grupo Eletrobrás. As principais alterações foram as solicitações para que o sistema incluísse não apenas transformadores mas todos os equipamentos de subestações, e para que permitisse uma visualização de defeitos, causas e ações e dos graus de defeitos e riscos ranqueados em uma interface que apresentasse uma figura da empresa. Com essa modificação ficou muito mais fácil para os usuários acompanhar simultaneamente o estado de todos os equipamentos da empresa. As figuras do sistema apresentadas no Anexo-A refletem as principais modificações com telas de diagnóstico e riscos e visualização de riscos. Os valores apresentados e as telas mostram como o sistema é visto no seu ambiente de desenvolvimento no Cepel. O sistema em produção na Eletronorte apresenta telas diferentes quanto a seu conteúdo. VII. IMPLANTAÇÃO NA ELETRONORTE Por tratar-se de um sistema de grande porte, o sistema passou por várias fases de implantação e testes até o momento de entrada definitiva em produção na empresa. Durante essas fases, foram implementadas funcionalidades adicionais e desenvolvidos plugins para captura automática de informações sobre resultados de gases e de físicoquímico do óleo isolante, a partir do sistema SIGLACEN da Eletronorte e variáveis de processo, como tensões, correntes e temperaturas, a partir do sistema supervisivo SAGE. O sistema foi também preparado para receber futuramente outras informações provenientes de sistemas de monitoramento que venham a ser adquiridos pela empresa. Uma revisão de dados cadastrais foi (e está sendo) realizada na empresa para que os dados possam ser inseridos no sistema e utilizados com confiabilidade. No momento todos os transformadores de grande porte da empresa já se encontram cadastrados. O cadastro de outros equipamentos como reatores, pára-raios, disjuntores, etc está sendo providenciado. Devido a sua facilidade de utilização o sistema não requer um grande período de treinamento por parte dos usuários. Uma vez treinados para a análise de um tipo de equipamento, por exemplo transformadores, os usuários podem utilizar os mesmos conhecimentos para realizar a análise de qualquer tipo de equipamento de Subestação que esteja devidamente cadastrado no Sistema. A fase de treinamento ocorreu em diversas oportunidades, sendo um total de aproximadamente 80 empregados treinados ao longo do tempo, em curso com até 2-3 dias de duração. A Tabela 1 apresenta o cronograma de entrega de versões do sistema, sua documentação e as datas de realização de treinamentos. ENTREGA DE PRODUTOS E REALIZAÇÃO DE TREINAMENTOS PARA A ELETRONORTE PRODUTO/ VERSÃO DATA DA INSTALAÇÃO DIANE MARÇO MANUAL DO USUÁRIO E DO MAIO ADMINISTRADOR DO SISTEMA DIANE 1.3 SETEMBRO DIANE MANUAL DO USUÁRIO E DO SETEMBRO ADMINISTRADOR DO SISTEMA DIANE a 04 CURSO DE TREINAMENTO DIANE 1.4 OUTUBRO 02 A DIANE DEZEMBRO 02 A MANUAL DO USUÁRIO E DO 03DEZEMBRO ADMINISTRADOR DO SISTEMA DIANE A CURSO DE TREINAMENTO DIANE DEZEMBRO DIANE TREINAMENTO E MANUAL DO USUÁRIO E DO ADMINISTRADOR DO SISTEMA DIANE DIANE MANUAL DO USUÁRIO E DO ADMINISTRADOR DO SISTEMA CURSO DE TREINAMENTO DIANE VER- SÃO E VERSÃO CORRIGIDA DO MANUAL VER- SÃO DIANE COM MANUAL COMPLETO VIII. CASOS DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA OUTUBRO 2003 DEZEMBRO A 18 DE JUNHO ,15E 16 DE JUNHO ,15E 16 DE JUNHO DE NOVEMBRO A 02 DE DEZEMBRO DE NOVEMBRO DE 2007 São apresentados a seguir dois casos recentes onde a utilização do sistema foi fundamental para determinar uma intervenção pró-ativa em transformadores da Eletronorte. CASO 1: FUSÃO/CORROSÃO NOS LINKS DE INTERLIGAÇÃO DAS BUCHAS DE BT E TERMINAIS DO COMUTADOR DO TAPE FIXO DO TRAFO ELEVADOR DA UHE TUCURUI (FIGURAS 1 A 8) Em 25/01/2003, foi solicitada pelo ONS a comutação dos tap s dos doze transformadores da primeira etapa na UHE Tucuruí Após esta comutação, verificou-se pela manutenção preditiva e por meio das análises de gás-cromatográfica, a geração de gases que sugeria defeito térmico de alta temperatura nos transformadores. TABELA I

4 4 O resultado da Figura 2 foi obtido pela integração da opinião dos 4 métodos de análise utilizados na Figura 3. As curvas no gráfico da Figura 4 mostram o crescimento e as tendências de geração dos gases de aquecimento. Figura 1 Transformador Caso 1 Com os resultados dos ensaios de óleo dos transformadores, as análises e diagnóstico dos defeitos nestes equipamentos foram processados pelo Sistema DianE, conforme segue as figuras abaixo: Figura 4 Geração de Gases Caso 1 As Figuras 5 até 8 apresentam fotografias do transformador quando aberto para manutenção. Figura 2 Sobreaquecimento na Parte Ativa Caso 1 A Figura 2 indica em vermelho que o defeito principal é de sobreaquecimento na parte ativa. Figura 5 Detalhe do flange da bucha Caso 1 Figura 6 Detalhe dos links de interligação Caso 1 Figura 3 Opinião dos métodos ABNT, Dornemburg, Rogers, Dornemburg e IEC Caso 1

5 5 Figura 7 Detalhe dos terminais de AT Caso 1 Figura 9 Arco Elétrico e Descargas Parciais Caso 2 Figura 8 Detalhe de conexão de AT Caso 1 As figuras comprovam as análises fundamentadas na base de dados do DianE: Todas as buchas de BT se encontravam em processo de corrosão/fusão nas suas faces de conexão; Todos os flanges dos links de interligação das buchas de BT se encontravam em processo de corrosão/fusão nas suas faces de conexão O terminal do cabo de conexão do comutador se encontrava em processo de corrosão/fusão nas suas faces de conexão Figura 10 Opinião dos métodos ABNT, Dornemburg, Rogers, Dornemburg e IEC Caso 2 Percebe-se na Figura 10 que apesar de utilizarem os mesmos dados, diferentes métodos podem apresentar conflitos de opinião quando à gravidade do defeito. CASO 2: FUSÃO/DESCARGA NO TERMINAL DE CONEXÃO DO ANEL DE EQUALIZAÇÃO DE TENSÃO DA BUCHA DE AT E BORNES DAS TAMPAS DAS JANELAS DE INSPEÇÃO DO TRAFO ELEVADOR DA UHE TUCURUI (FIGURAS 9 A 8) Embora as análises de gás-cromatográficas anteriores, a partir da entrada em operação em 01/2003, sempre apresentarem-se dentro dos valores aceitáveis, na última análise semestral do ano de 2006 o valor da taxa de crescimento de gases combustíveis se elevou com o aparecimento do gás acetileno, tal gás não tinha sido manifestado anteriormente. Com o surgimento deste o gás foi solicitado que se efetua uma reamostragem, onde foi confirmada a presença do gás, caracterizando o defeito de arco elétrico, descargas parciais, com algum sobreaquecimento, conforme identificado na Figura 9, no DianE. Figura 11 Geração de Gases Caso 2 As curvas da Figura 11 mostram o crescimento e as tendências de geração dos gases de descargas parciais e arcos elétricos. As Figuras 12 a 14 apresentam fotografias do transformador quando aberto para manutenção.

6 6 Só em termos de preço do transformador, sem levar em conta as possíveis perdas na SE blindada, os periféricos e o tempo fora de operação, evitou-se perdas na ordem de R$ ,00/trafo. Figura 12 Detalhe do Terminal de Conexão- Caso 2 IX. PESQUISAS FUTURAS Conforme demonstrado pelos casos de utilização do item VIII, o sistema já começa a demonstrar o potencial da utilização de técnicas integradas de diagnóstico para a ação próativa visando a redução de perdas econômicas e de confiabilidade nos sistema resultantes de defeitos nos equipamentos. A arquitetura atual do sistema está baseada em acesso via intranet utilizando o Terminal Server da Microsoft. Essa arquitetura tem permitido o acesso ao sistema pela rede corporativa em toda a empresa mesmo em condições adversas de banda ou conexões remotas via modem. Apesar de atender bem os requisitos funcionais atuais, Eletronorte e Cepel entendem que a estrutura pode ainda evoluir para uma arquitetura totalmente voltada à Web. De fato, um novo projeto já está em andamento. Esse projeto, feito em parceria com outras empresas do grupo Eletrobrás, tem por objetivo consolidar definitivamente a questão do diagnóstico corporativo de equipamentos e o acesso integrado às informações na empresa a partir do estabelecimento de uma CME Central de monitoramento de equipamentos. A nova arquitetura proposta representará uma evolução dos conceitos atuais uma vez que permitirá: Adesão a padrões consagrados, Aumento de portabilidade; Aumento do alcance dos usuários do DianE; Melhor integração com outros sistemas; Participação mais ativa das empresas no desenvolvimento do DianE. A Figura 1 apresenta esquematicamente a nova arquitetura proposta para o sistema. Figuras 13/14 Detalhes da janela de inspeção Caso 2 As figuras comprovaram as análises fundamentadas na base de dados do DianE: O terminal de conexão do anel de equalização de tensão apresentava-se com pontos de descarga e quebrado; As bordas das tampas das janelas de inspeção e respectivas janelas encontravam-se com pontos de descargas elétricas e fusão. Assim, a utilização do sistema de diagnóstico de equipamentos elétricos DianE subsidiou a decisão para retirada dos transformadores de operação permitindo a inspeção interna da parte ativa dos trafos. Analisando as anormalidades encontradas na inspeção interna do transformador, podemos concluir que a nossa expectativa foi atendida, por termos detectado todos os locais de geração de gases. Esta predição evitou possível sinistro com perda total dos equipamentos. Figura 1. Futura arquitetura do Sistema DianE Servidor Web-.Services permitindo acesso à rede corporativa, telefonia celular e outros sistemas corporativos. X. CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÃO Eletronorte e Cepel realizaram a partir de dez/2001 até dez/2006 o projeto da carteira Eletronorte / Aneel - Projeto ELN

7 7 / Cepel número 1562 Desenvolvimento de Metodologias para a Integração do Diagnóstico de Defeitos de Transformadores de Potência. A partir da implantação das diversas versões do software ao longo do projeto, as empresas aprimoraram as interfaces do mesmo e suas funcionalidades. Com o término do projeto foi disponibilizado na Eletronorte um sistema corporativo de análises e diagnósticos de equipamentos de subestações (Sistema DianE 1.8.1) com acesso via intranet para toda a empresa e, em meio digital, uma base de dados única histórica - via banco de dados O- racle, que permite avanços na compreensão do relacionamento entre as variáveis de diagnóstico, a ampliação do conhecimento e novos caminhos para a otimização dos modelos de análise de equipamentos de subestações. Foram disponibilizadas interfaces que permitem o cadastro e a análise de transformadores, reatores, TP s, TC s, TPC s, seccionadoras, disjuntores, GIS e pára-raios. Como a metodologia implementada no DianE é genérica e baseada na filosofia do RCM (Reliability Centered Maintenance) recomenda-se, em futuras pesquisas, a evolução das técnicas para e outros tipos de equipamentos (linhas de transmissão, por exemplo) e para um sistema com arquitetura WEB. Figura A.2 Tela com visualização de todas as Ses da empresa XI. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem a toda a equipe Eletronorte e Cepel envolvida no projeto. Um agradecimento especial àqueles desenvolvedores do sistema em suas versões anteriores e que hoje não se encontram mais trabalhando no Cepel. XII. BIBLIOGRAFIA [1] C. J. Dupont, A. F. Levy, M. C. Aboumrad, R. B. M. Costa, M. P. Moreira, R. M. de Oliveira, A. T. Carvalho, P. N. Mendonça,V. D. Monteiro, J. A. M. Chaves, G. Pesenti, Diagnóstico de Transformadores de Potência em SETD`S e SESD`S Relatório Final Aneel, Relatório Técnico CEPEL DPP/TEQ 817/01, Out [2] Dupont, C. J.; Falcão, D. M.; Tese de Doutorado: Integração de Análises de Defeitos e Definição de um Grau de Risco Global para Transformadores de Potência - COPPE/UFRJ Rio de Janeiro RJ, Março de Figura A.3 Tela de Ranking de Riscos - visualização de unifilar de SE ANEXO A Figuras Ilustrativas do DianE Figura A.4 Tela de Diagnóstico - visualização da Comparação de Defeitos Figura A.1 Tela inicial de login.

8 8 Figura A.5 Tela de Diagnóstico - Risco da Causa (GoxS) Figura A.8 Tela com exemplo de Impressão de Relatório Figura A.6 Tela de Diagnóstico - visualização ordenada da Lista de Causas Figura A.9 Tela com exemplo de visualização múltipla de resultados e dados Figura A.7 Tela com Gráfico de Descargas Parciais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Nombre Carlos Guilherme Gonzales Correo cgonzale@cteep.com.br Empresa www.cteep.com.br Cargo

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Sistema de envio automático de mensagens no celular sobre eventos no sistema de automação

Leia mais

Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson

Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson Tecnologia Preditiva no Transformador de Potência da Johnson&Johnson Luiz B. S. Chacon (1) 1 Murilo Armelin Toledo (2) 2 Lucas Pavan Fritoli (3) 3 Hirokazu T. B. Ito (4) 4 RESUMO A energia elétrica é um

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos*

on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves e Vagner Vasconcellos* Aula Prática 114 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Especificação de sistemas de monitoração on-line para transformadores de potência baseados em uma arquitetura descentralizada Por Marcos E. G. Alves

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA CODEN - Nova Odessa CODEN 1. OBJETIVO Apresentar ao CODEN a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Nova Odessa 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Experiência com a Monitoração On-Line de Transformadores Elevadores da Usina de Tucuruí

Experiência com a Monitoração On-Line de Transformadores Elevadores da Usina de Tucuruí 1 Experiência com a Monitoração On-Line de Transformadores Elevadores da Usina de Tucuruí José Aliezio. A. Severo, Eletrobras Eletronorte, Klaxon. V. Fantin, Eletrobras Eletronorte, e Marcos. E. G. Alves,

Leia mais

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como:

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: X SIMPASE Temário TEMA 1 Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: - Implantação, operação e manutenção de sistemas de automação

Leia mais

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância Monitoramento de Transformadores de Potência Gerenciamento de Dados para o Monitoramento e Avaliação da Condição Operativa de Transformadores Seminário: Transmissão de Energia Elétrica a Longa Distância

Leia mais

XXI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XXI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XXI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 23 a 26 de Outubro de 2011 Florianópolis - SC GRUPO -XXIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS

Leia mais

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO

Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Sistema Remoto de Monitoramento On- Line das Pressões de Óleo de Cabos OF (Oil Fluid) da AES ELETROPAULO Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Paulo Deus de Souza Técnico do Sistema Elétrico

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Avaliação Dielétrica de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Medição em Máquinas Rotativas Apresentador: Alain F. S. Levy Objetivos A medição

Leia mais

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008 Cigré/Brasil CE B5 Proteção e Automação Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008 Rio de Janeiro, 26-27 de junho de 2008 Dados do Artigo Número B5-106 Título Autoria Processo de comunicação

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Resumo A Spin Engenharia participou da implantação do Centro de Operações Integrado (COI) da Queiroz Galvão Energias Renováveis (QGER).

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 0714 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAAE - Atibaia SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Atibaia 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814

Análise Termográfica Relatório Técnico 0814 ANÁLISE TERMOGRÁFICA VALINHOS Valinhos DAEV 1. OBJETIVO Apresentar ao DAEV a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Valinhos 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão

Audiência Pública 022/2014. Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Audiência Pública 022/2014 Aprimoramento do Plano Mínimo de Manutenção e do Monitoramento da Manutenção de Instalações da Transmissão Introdução Papel da ANEEL buscar melhoria da qualidade do serviço prestado,

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS Prof. Roberto A. Dias, Dr. Eng CEFET-SC Igor Thiago Marques Mendonça Reginaldo

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN

II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE SOBRECARGAS EM TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA (Projeto de P&D CTEEP) Erasmo Fontana Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista CTEEP erfontana@cteep.com.br Emanuel Vendramin

Leia mais

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição ID-6.016 Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia de Medição Elaborado por: Colaboradores: Verificado

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico. David Scaquetti

Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico. David Scaquetti Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico David Scaquetti Introdução Importância dos transformadores no sistema de potência Evolução do monitoramento: - Medição

Leia mais

EXPERIÊNCIA COM SISTEMA DE MONITORAMENTO PREDITIVO DE TRANSFORMADORES DE ALTA TENSÃO EM PLANTAS DA BRASKEM

EXPERIÊNCIA COM SISTEMA DE MONITORAMENTO PREDITIVO DE TRANSFORMADORES DE ALTA TENSÃO EM PLANTAS DA BRASKEM EXPERIÊNCIA COM SISTEMA DE MONITORAMENTO PREDITIVO DE TRANSFORMADORES DE ALTA TENSÃO EM PLANTAS DA BRASKEM José Rafael dos Santos (2) 2 Silas Sampietri Costa (3) 3 Gilberto Amorim Moura (4) 4 Daniel Pedrosa

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-40 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM DIGITRACE NGC-40 O NGC-40 é um avançado sistema modular

Leia mais

ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA -

ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA - ANÉXO PADRÃO TERMO_130607 TERMOG RAFIA - Técnica que estende a visão humana ao espectro infravermelho, sendo a aquisição e análise das informações térmicas feitas a partir de dispositivos de obtenção de

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SUBESTAÇÕES SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SCMS / STRAY CURRENT MONITORING SYSTEM (SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CORRENTE DE FUGA) Definição de corrente de fuga O funcionamento dos sistemas

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015 Projeto SAAT/SAGER Reunião com os Proponentes 1 18/03/2015 Agenda Visão Geral dos Sistemas SAGER SAAT Requisitos Contexto Plataforma Tecnológica Plano do Projeto Estrutura de Gestão Atividades de apoio

Leia mais

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Premissas básicas de projetos Foram desenhados

Leia mais

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP GSE/ 2 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP Antônio Carlos T. Diogo (*) Manabu

Leia mais

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente Servidor Lista de Preparação de OpenLAB do Data Local Store A.02.01 Objetivo do Procedimento Assegurar que a instalação do Servidor de OpenLAB Data Store pode ser concluída com sucesso por meio de preparação

Leia mais

COMPONENTES. Contatores de potência Tipo BMS09.08 / 18.08

COMPONENTES. Contatores de potência Tipo BMS09.08 / 18.08 COMPONENTES Contatores de potência Tipo 09.08 / 18.08 Informações gerais O contator, com mais de cem mil unidades em operação em todo o mundo, é um contator valorizado pelos construtores de vagões e operadores

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

CEP 2 100 99010-640 0 (XX) 54 3316 4500 0 (XX)

CEP 2 100 99010-640 0 (XX) 54 3316 4500 0 (XX) ANEXO 2 INFORMAÇÕES GERAIS VISTORIA 1. É obrigatória a visita ao hospital, para que a empresa faça uma vistoria prévia das condições, instalações, capacidade dos equipamentos, migração do software e da

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO GSE/ 19 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

Otimização de máquinas de papel da SKF

Otimização de máquinas de papel da SKF Otimização de máquinas de papel da SKF Aumentando a eficiência e a produtividade global das máquinas O Poder do Conhecimento em Engenharia Operação mais rápida e eficiente Nunca foi tão difícil operar

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1 1 PI System na CEMIG Presented by André Cavallari Wantuil D. Teixeira Agenda Institucional; Implantação do PI System na CEMIG; Hidrologia e Planejamento Energético; CMDR - Centro de Monitoramento e Diagnóstico

Leia mais

CIINF SISTEMA DE INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA

CIINF SISTEMA DE INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA CIINF SISTEMA DE INFRA-ESTRUTURA DE INFORMÁTICA Agenor Costa Filho 1 agenor.costa@pop.com.b r Jéssica Lehmann de Morais 1 jessicalehmann@pop.com. br Renata Sant Anna Krauss 1 renatakrauss@superonda.com.br

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Atualização Volare 17 Release 010

Atualização Volare 17 Release 010 Atualização Volare 17 Release 010 Principais novidades do Volare 17: Release 010 CORREÇÕES: Ao trazer um item da base SINAPI ou SICRO2 DNIT para o orçamentos. Ele não estava deixando adicionar componentes

Leia mais

FIEE Elétrica 2007 Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores

FIEE Elétrica 2007 Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores Ferramentas para o Monitoramento da Vida Útil de Transformadores. Power Transmission and Distribution O transformador é o componente mais crítico de uma subestação Page 2 Abril -2007 Alaor Scardazzi Número

Leia mais

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 1014

Análise Termográfica RELATÓRIO TÉCNICO 1014 ANÁLISE TERMOGRÁFICA SAAE - Pedreira SAAE 1. OBJETIVO Apresentar ao SAAE a Inspeção Termográfica realizada nos equipamentos de suas unidades em Pedreira 2. INSTRUMENTAÇÃO UTILIZADA Termovisor Flir Systems

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Sistemas de informação da rede de laboratorios da visa/sgaweb

Sistemas de informação da rede de laboratorios da visa/sgaweb 4 ENCONTRO LACENS/ 2 ENCONTRO LACENS, VISA E ANVISA SEMINARIO TEMATICO SOBRE LABORATORIOS ANALITICOS Sistemas de informação da rede de laboratorios da visa/sgaweb Eduardo C. Leal Brasilia 08 e 09 de Dezembro

Leia mais

Reparo de Transformador de Potência da Linha 1 do METRÔ-SP

Reparo de Transformador de Potência da Linha 1 do METRÔ-SP Reparo de Transformador de Potência da Linha 1 do METRÔ-SP Avaliação Técnica x Custos x Experiências Adquiridas GERSON DIAS Mapa da Rede Metropolitana S/E Primária Cambuci - YCI Atuação do relé de presença

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER

AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER AUTOMAÇÃO DA SUBESTAÇÃO DA USINA TERMELÉTRICA DE LINHARES (ES) COM O ELIPSE POWER Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para controlar a subestação da Usina Termelétrica de Linhares,

Leia mais

GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS ETECNOLOGIAS EMERGENTES- GTM

GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS ETECNOLOGIAS EMERGENTES- GTM XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE Grupo XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS ETECNOLOGIAS

Leia mais

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. - Eletronorte Responsável: Uriel de Almeida Papa Equipe: Sérgio de Souza Cruz, Willams

Leia mais

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização TRANSMISSOR ECF Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista Manual de Utilização 1. Histórico de alterações Data Versão Alteração 04/12/2012 1 Criação do documento 28/02/2013 2 Revisão 2. Proposta

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy.

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. Monitoramento altamente confiável com valor agregado ACM avançado ACM básico Contadores

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton

Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton Metering system for billing in the National Interconnected System Sistema de Medição para Faturamento no Sistema Interligado Nacional Neyl Hamilton M. Soares Medição para Faturamento no Sistema Interligado

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 24 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico. Brasil

Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico. Brasil Sistemas de monitoramento on-line aplicados aos diversos segmentos do sistema elétrico David Scaquetti Siemens Ltda. Danilo Santos Siemens Ltda. Brasil RESUMO As mudanças impostas à filosofia de operação

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, designado pela Portaria nº 149/2013-PRE, de 29 de agosto de 2013, em razão de solicitação da empresa

Leia mais

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas PIE - Prontuário das Instalações Elétricas Autor: Masatomo Gunji - Engº Eletricista e de Segurança do Trabalho: O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores

Leia mais

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos

12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos 12ª Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos COTEQ2013-340 DETECÇÃO E CONTROLE DE POLUIÇÃO EM ISOLADORES DE ALTA TENSÃO ATRAVÉS DE TERMOGRAFIA Laerte dos Santos 1, Marcelo O. Morais Filho 2, Rodolfo

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC Configurador Automático e Coletor de Informações Computacionais GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO software livre desenvolvido pela Dataprev Sistema de Administração

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM digitrace ngc-30 O DigiTrace NGC-30 é um avançado sistema

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais