DNS com Opportunistic Encryption Guia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DNS com Opportunistic Encryption Guia"

Transcrição

1 DNS com Opportunistic Encryption Guia Este guia destina-se a mostrar os passos seguidos por nós para a implementação de um DNS com opportunistic encryption (OE) usando o Linux FreeS/WAN, e o Bind 9. Introdução. O que é e o que não é. Para principiantes, DNS é o Servidor de Nomes do Domínio. O DNS converte os nomes das máquinas para números IP, que são os endereços das máquinas, mapeando de nome para endereço e de endereço para nome. Um mapeamento é simplesmente uma associação entre duas informações, neste caso um nome de máquina, como ftp.linux.org, e o número IP da máquina, como por exemplo O serviço de nomes no Unix é feito por um programa servidor denominado named. Sendo este integrante do pacote do bind que é coordenado por Paul Vixie para o consórcio de programas para a Internet. O servidor de nomes está incluído na maioria das distribuições Linux e é usualmente instalado como /usr/sbin/named. Caso se tenha um named à disposição pode-se usá-lo; caso contrário é possível obter-se um binário a partir de um site ftp Linux. O DNS é um banco de dados distribuídos por toda a rede. É necessário ter-se extremo cuidado com tudo o que for colocado nele. Ao colocar dados sem significado, outros utilizarão estes dados e certamente tudo ficará um pouco "estranho". O DNS deve estar sempre actualizado e ordenado, evitando-se assim problemas desagradáveis. Deve-se aprender a usá-lo e administrá-lo. Agora iremos falar do funcionamento do DNS. DNS é um sistema hierárquico. O mais alto nível é representado por. e denominado por raiz. Sob. há diversos domínios de alto nível (TLDs), sendo os mais conhecidos ORG, COM, EDU e NET, mas existem muitos mais. Ao procurar-se uma máquina, a pesquisa ocorre recursivamente dentro da hierarquia, começando no topo. Caso se queira descobrir o endereço de prep.ai.mit.edu, o servidor de nomes local tem que encontrar um nome de servidor que responda pelo domínio edu. Ele pergunta a um servidor. (ele já conhece os servidores., a partir do arquivo root.hints), e o servidor. fornecerá uma lista dos servidores do domínio edu: $ nslookup Default Server: localhost Address: Começaremos por perguntar a um servidor de raiz: > server c.root -servers.net. Default Server: c.root -servers.net

2 Address: A seguir iremos definir o tipo de pesquisa que desejamos fazer. Neste caso NS (registros de servidore de nomes): > set q=ns A seguir perguntaremos pelos servidores que respondem pelo domínio edu: > edu. O ponto após edu é significativo. Ele indica ao servidor que estamos pesquisando os servidores sob os quais o domínio edu está configurado (isto de alguma maneira simplifica a busca): edu nome do servidor = A.ROOT-SERVERS.NET edu nome do servidor = H.ROOT-SERVERS.NET edu nome do servidor = B.ROOT-SERVERS.NET edu nome do servidor = C.ROOT-SERVERS.NET edu nome do servidor = D.ROOT-SERVERS.NET edu nome do servidor = E.ROOT-SERVERS.NET edu nome do servidor = I.ROOT-SERVERS.NET edu nome do servidor = F.ROOT-SERVERS.NET edu nome do servidor = G.ROOT-SERVERS.NET A.ROOT-SERVERS.NET endereço na internet = H.ROOT-SERVERS.NET endereço na internet = B.ROOT-SERVERS.NET endereço na internet = C.ROOT-SERVERS.NET endereço na internet = D.ROOT-SERVERS.NET endereço na internet = E.ROOT-SERVERS.NET endereço na internet = I.ROOT-SERVERS.NET endereço na internet = F.ROOT-SERVERS.NET endereço na internet = G.ROOT-SERVERS.NET endereço na internet = A resposta nos indica que *.root-servers.net serve edu., podemos então continuar perguntando, por exemplo ao servidor C.ROOT-SERVERS.NET. Agora queremos saber quem serve o próximo nível do nome da máquina: mit.edu.: > mit.edu. Server: c.root-servers.net Address: Non-authoritative answer: mit.edu nameserver = W20NS.mit.edu mit.edu nameserver = BITSY.mit.edu mit.edu nameserver = STRAWB.mit.edu Authoritative answers can be found from: W20NS.mit.edu internet address = BITSY.mit.edu internet address =

3 STRAWB.mit.edu internet address = A resposta indica que strawb, w20ns e bitsy servem o domínio mit. Vamos selecionar um deles e perguntar-lhe sobre ai.mit.edu: > servidor W20NS.mit.edu. Os nomes das máquinas não são sensíveis a maiúsculas e minúsculas. Servidor: W20NS.mit.edu Endereço: > ai.mit.edu. Server: W20NS.mit.edu Address: Non-authoritative answer: ai.mit.edu nameserver = ALPHA-BITS.AI.MIT.EDU ai.mit.edu nameserver = GRAPE-NUTS.AI.MIT.EDU ai.mit.edu nameserver = TRIX.AI.MIT.EDU ai.mit.edu nameserver = MUESLI.AI.MIT.EDU ai.mit.edu nameserver = LIFE.AI.MIT.EDU ai.mit.edu nameserver = BEET-CHEX.AI.MIT.EDU ai.mit.edu nameserver = MINI-WHEATS.AI.MIT.EDU ai.mit.edu nameserver = COUNT-CHOCULA.AI.MIT.EDU ai.mit.edu nameserver = MINTAKA.LCS.MIT.EDU Authoritative answers can be found from: AI.MIT.EDU nameserver = ALPHA-BITS.AI.MIT.EDU AI.MIT.EDU nameserver = GRAPE-NUTS.AI.MIT.EDU AI.MIT.EDU nameserver = TRIX.AI.MIT.EDU AI.MIT.EDU nameserver = MUESLI.AI.MIT.EDU AI.MIT.EDU nameserver = LIFE.AI.MIT.EDU AI.MIT.EDU nameserver = BEET-CHEX.AI.MIT.EDU AI.MIT.EDU nameserver = MINI-WHEATS.AI.MIT.EDU AI.MIT.EDU nameserver = COUNT-CHOCULA.AI.MIT.EDU AI.MIT.EDU nameserver = MINTAKA.LCS.MIT.EDU ALPHA-BITS.AI.MIT.EDU internet address = GRAPE-NUTS.AI.MIT.EDU internet address = TRIX.AI.MIT.EDU internet address = MUESLI.AI.MIT.EDU internet address = LIFE.AI.MIT.EDU internet address = BEET-CHEX.AI.MIT.EDU internet address = MINI-WHEATS.AI.MIT.EDU internet address = COUNT-CHOCULA.AI.MIT.EDU internet address = MINTAKA.LCS.MIT.EDU internet address = Desta forma, obtemos que museli.ai.mit.edu é um dos servidores de nomes de ai.mit.edu:

4 > server MUESLI.AI.MIT.EDU Default Server: MUESLI.AI.MIT.EDU Address: Agora mudaremos o tipo de pergunta. Já que encontramos o servidor de nomes, agora podemos perguntar tudo o que quisermos sobre prep.ai.mit.edu. > set q=any > prep.ai.mit.edu. Server: MUESLI.AI.MIT.EDU Address: prep.ai.mit.edu CPU = dec/decstation OS = unix prep.ai.mit.edu inet address = , protocol = tcp ftp telnet smtp finger prep.ai.mit.edu preference = 1, mail exchanger = gnu-life.ai.mit.edu prep.ai.mit.edu internet address = ai.mit.edu nameserver = beet-chex.ai.mit.edu ai.mit.edu nameserver = alpha-bits.ai.mit.edu ai.mit.edu nameserver = mini-wheats.ai.mit.edu ai.mit.edu nameserver = trix.ai.mit.edu ai.mit.edu nameserver = muesli.ai.mit.edu ai.mit.edu nameserver = count-chocula.ai.mit.edu ai.mit.edu nameserver = mintaka.lcs.mit.edu ai.mit.edu nameserver = life.ai.mit.edu gnu-life.ai.mit.edu internet address = beet-chex.ai.mit.edu internet address = alpha-bits.ai.mit.edu internet address = mini-wheats.ai.mit.edu internet address = trix.ai.mit.edu internet address = muesli.ai.mit.edu internet address = count-chocula.ai.mit.edu internet address = mintaka.lcs.mit.edu internet address = life.ai.mit.edu internet address = Assim começando por. fomos capazes de descobrir os nomes dos servidores do próximo nível de domínio. Caso se esteja a usar um servidor DNS próprio ao invés de usar todos aqueles outros servidores, o named certamente guardaria no cache todas as informações que tenha encontrado, não sendo necessária toda esta pesquisa na próxima vez que fosse realizada uma nova pesquisa de localização desta máquina. Um tema muito menos comentado, mas também muito importante é in-addr.arpa. Ele também está indicado como um domínio 'normal'. in-addr.arpa permite-nos conseguir os nomes das máquinas através de seus endereços. Uma ponto importante aqui, é notar que os ip s são escritos ao contrário no campo in-addr.arpa. Caso se tenha o endereço da máquina: , named procederá exatamente como no exemplo prep.ai.mit.edu: encontrar servidores arpa., in-addr.arpa., 192.in-addr.arpa., inaddr.arpa., in-addr.arpa.. Encontrando então os registros necessários para

5 in-addr.arpa. Engenhoso não? Porém não se preocupe endereços reversos somente são confusos nos dois primeiros anos. Acabamos de contar uma mentira. O DNS não funciona exactamente da maneira aqui descrita. Mas não tenha dúvida que é muito próximo disso. Requerimentos FreeS/WAN 2.02 ou posterior Bind 9 Procedimento Após a instalação do Bind 9, e a configuração dos IP s e GateWays tal como indicado na figura 1, podemos passar á configuração dos ficheiros. O nome atribuído á zona é xpto.pt. Fig.1 Aspecto da rede e os ip s e gw das maquinas. Agora passaremos á configuração dos ficheiros necessários. PC- DNS No PC com o nome de DNS (Servidor DNS), primeiro iremos definir qual o IP a ser atribuído á maquina que neste caso será , para tal teremos de configurar o ficheiro interfaces (/etc/network) da seguinte forma: # /etc/network/interfaces configuration file for ifup(8), ifdown(8) # The loopback interface auto lo iface lo inet loopback

6 auto eth0 iface eth0 inet static address netmask network broadcast O ficheiro ipsec.conf (/etc), não sofre qualquer alteração. Para se obter uma chave, é preciso gerá-la com o comando: $ipsec rsasigkey --verbose 2048 > mykey (ficando a chave guardada no ficheiro mykey, em seguida copia-se o ficheiro para ipsec.secrets) No ficheiro ipsec.secrets (/etc): : RSA { # RSA 2048 bits dns Thu Apr 1 18:11: # for signatures only, UNSAFE FOR ENCRYPTION # pubkey=0saqpr/0bllnlqmfau/gq.. Modulus: 0xd1ff46e59672ea985014fe0 PublicExponent: 0x03 # everything after this point is secret PrivateExponent: 0x22ffe12643bdd1c40.. Prime1: 0xf706b483838b6d9f22f Prime2: 0xd9a b7abb2b5dca4 Exponent1: 0xa4af230257b24914c1f55 Exponent2: 0x c03251d21ce93 Coefficient: 0x7bfd0ed1fd2bc40656f05 } Agora iremos configurar os ficheiros do Bind 9. Deverá apresentar: O ficheiro resolv.conf (/etc): search xpto.pt nameserver O ficheiro named.conf (/etc,) : options { directory /var/named ; auth-nx domain no; # Conform // prime the server with knowledge of the root servers zone. { Type hint; File /etc/bind/db.root ;

7 // be authoritative for the localhost forward and reverse zones, and for // broadcast zones as per RFC 1912 zone localhost { typemaster; file /etc/bind/db.local ; zone 127.in-addr.arpa { type master; file /etc/bind/db.127 ; zone 0.in-addr.arpa { type master; file /etc/bind/db.0 ; zone 255.in-addr.arpa { type master; file /etc/bind/db.255 ; // add entries for other zones below here zone xpto.pt { type master; file /var/named/xpto.interno ; zone in-addr.arpa { type master; file /var/named/rev-xpto.interno ; O ficheiro xpto.interno (/var/named) : ; ;Bind data file for local loopback interfaces ; $TTL IN SOA ns.xpto.pt. root.xpto.pt ( 1 ; Serial ; Refresh ; Retry ; Expire ) ; Negative Cache TTL IN A IN NS ns.xpto.pt. ns IN A miguel IN A petrus IN A

8 gway CNAME ns ns.xpto.pt IN NS ; RSA 2048 bits dns Thu Apr 1 18:11: IN TXT X-IPsec-Server(10)= AQPR/0bllnLqmFAU/. miguel IN A ;RSA 2192 bits miguel Wed Mar 17 11:21: IN TXT X-IPsec-Server(10)= AQOeuWei9jq6LLzBlf. petrus IN A ;RSA 2048 bits petrus Thu Mar 18 15:24: IN TXT X-IPsec-Server(10)= AQN4IE7EhUzwRUxB O ficheiro rev-xpto.interno (/var/named) ; ;Bind reverse data file broadcast zone ; $TTL IN SOA ns.xpto.pt. root.xpto.pt ( 1 ; Serial ; Refresh ; Retry ; Expire ) ; Negative Cache TTL IN NS ns 200 IN PTR ns.xpto.pt. ; RSA 2048 bits dns Thu Apr 1 18:11: IN TXT X-IPsec-Server(10)= AQPR/0bllnLqmFAU/. 11 IN PTR miguel.xpto.pt. ;RSA 2192 bits miguel Wed Mar 17 11:21: IN TXT X-IPsec-Server(10)= AQOeuWei9jq6LLzBlf. 25 IN PTR petrus.xpto.pt. ;RSA 2048 bits petrus Thu Mar 18 15:24: IN TXT X-IPsec-Server(10)= AQN4IE7EhUzwRUxB (Sendo estas chaves, as chaves publicas geradas anteriormente em cada um dos PC s). PC-MIGUEL No PC com o nome de MIGUEL (Cliente), primeiro iremos definir qual o IP a ser atribuído á maquina que neste caso será , para tal teremos de configurar o ficheiro interfaces (/etc/network) da seguinte forma: # /etc/network/interfaces configuration file for ifup(8), ifdown(8) # The loopback interface auto lo iface lo inet loopback auto eth0 iface eth0 inet static address netmask

9 network broadcast O ficheiro ipsec.conf (/etc), não sofre qualquer alteração. Para se obter uma chave, é preciso gerá-la com o comando: $ipsec rsasigkey --verbose 2192 > mykey (ficando a chave guardada no ficheiro mykey, em seguida copia-se o ficheiro para ipsec.secrets) No ficheiro ipsec.secrets (/etc): : RSA { # RSA 2192 bits xpto.pt Wed Mar 17 11:21: # for signatures only, UNSAFE FOR ENCRYPTION #pubkey=[keyid AQOeuWei9] Modulus: [...] PublicExponent: [...] # everything after this point is secret PrivateExponent: [...] Prime1: [...] Prime2: [...] Exponent1: [...] Exponent2: [...] Coefficient: [...] } Para saber se está tudo a funcionar executa-se o comando: $ipsec verify --host xpto.pt No qual se espera obter: Checking your system to see if IPsec got installed and started correctly: Version check and ipsec on-path Linux FreeS/WAN 2.04 Checking for KLIPS support in kernel Checking for RSA private key (/etc/ipsec.secrets) Checking that pluto is running Opportunistic Encryption DNS checks: Looking for TXT in forward map: miguel Does the machine have at least one non-private address? [FAILED] Para se verificar se o túnel esta estabelecido executa-se: $ipsec_eroute

10 No qual se espera obter: /0:0 -> /0:0 => %trap: /32:0 -> /32:0 => Para se saber qual o tipo de encriptação usada pelo ipsec, basta fazer: $ipsec_spi E obtem-se o resultado : IPIP: dir=out src= life(c,s,h)=bytes(49816,0,0) addtime (1094,0,0) usetime (1094,0,0) packets (479,0,0) idle=208 refcount =4 ref=654 IPIP: dir=in src= policy= /32- > /32 flags=0x8<> life(c,s,h)=bytes(49816,0,0) addtime (1094,0,0) usetime (1094,0,0) packets(479,0,0) idle=208 refcount=4 ref=649 ESP_3DES_HMAC_MD5: dir=in src= iv_bits=64bits iv=0xeb9448f210a7a7c9 ooowin=64 seq=479 bit=0xffffffffffffffff alen=128 aklen=128 eklen=192 life(c,s,h) = bytes (49816,0,0) addtime(1094,0,0) usetime (1094,0,0) packets (479,0,0) idle=208 refcount=483 ref=650 ESP_3DES_HMAC_MD5: dir=out src= iv_bits=64bits iv=0xe107db798e3040a1 ooowin=64 seq=479 alen=128 aklen=128 eklen=192 life(c,s,h) = bytes(65144,0,0) addtime (1094,0,0) usetime (1094,0,0) packets (479,0,0) idle=208 refcount=4 ref=655 Para saber o estado do ipsec : $ipsec auto status Ao qual obtemos o resultado: 000 interface ipsec0/eth %myid = (none) 000 debug none "block": [%myid] %group; unrouted; eroute owner: #0 000 "block": ike_life:3600s;ipsec_life: 28800s;rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "block": policy:tunnel+pfs+group+grouted+reject+never_negotiate+lkod+rkod;prio:32,0; interface: eth0; 000 "block": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "block": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "block": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "block": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "block": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "clear": [%myid] %group; unrouted; eroute owner: #0 000 "clear": ike_life:3600s;ipsec_life: 28800s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries:0 000 "clear": policy: TUNNEL+PFS+GROUP+GROUTED+PASS+NEVER_NEGOTIATE+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "clear": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "clear": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "clear": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "clear": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "clear": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000"clear-or-private": [%myid] %opportunisticgroup;unrouted; eroute owner: 000"clear-or-private":ike_life:3600s;ipsec_life:3600s;rekey_margin:540s;rekey_fuzz:100%;keyingtries:3 000"clear-or-private": policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+GROUP+GROUTED+PASS+failurePASS+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "clear-or-private": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "clear-or-private": IKE algorithms wanted:5_ ,5_ ,5_ ,5_ ,flags=-strict 000 "clear-or-private": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_ "clear-or-private": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "clear-or-private": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "packetdefault": /0=== [%myid] %opportunistic; prospective erouted; eroute owner: #0 000 "packetdefault": ike_life:3600s;ipsec_life:3600s;rekey_margin:540s;rekey_fuzz:100%; keyingtries:3 000 "packetdefault": policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+failurePASS+lKOD+rKOD; prio: 0,0; interface: eth0; 000 "packetdefault": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0;

11 000 "packetdefault": IKE algorithms wanted:5_ ,5_ ,5_ , 5_ , flags=-strict 000 "packetdefault": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_ "packetdefault": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "packetdefault": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "private": [%myid] %opportunisticgroup; unrouted; eroute owner: #0 000 "private": ike_life:3600s;ipsec_life:3600s;rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "private": policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+GROUP+GROUTED+failureDROP+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "private": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "private": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "private": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "private": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "private": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "private# /32": [%myid] %opportunistic=== /32; prospective erouted; eroute owner: #0 000 "private# /32":ike_life:3600s; ipsec_life: 3600s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "private# /32": policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+failureDROP+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "private# /32": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "private# /32": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "private# /32": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 000 "private# /32": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "private# /32": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "private# /32"[1]: [%myid] ===?; unrouted; eroute owner: #0 000 "private# /32"[1]: ike_life: 3600s; ipsec_life: 3600s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "private# /32"[1]: policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+failureDROP+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "private# /32"[1]: newest ISAKMP SA: #1; newest IPsec SA: #0; 000 "private# /32"[1]: IKE algorithms wanted:5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "private# /32"[1]: IKE algorithms found:5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_ "private# /32"[1]: IKE algorithm newest: 3DES_CBC_192-MD5-MODP "private# /32"[1]: ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "private# /32"[1]: ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "private# /32"[2]: [%myid] ; erouted; eroute owner: #2 000 "private# /32"[2]: ike_life: 3600s; ipsec_life: 3600s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "private# /32"[2]: policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+failureDROP+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "private# /32"[2]: newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #2; 000 "private# /32"[2]: IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "private# /32"[2]: IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_ "private# /32"[2]: ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "private# /32"[2]: ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "private# /32"[2]: ESP algorithm newest: 3DES_0-HMAC_MD5; pfsgroup=<phase1> 000 "private-or-clear": [%myid] %opportunisticgroup; unrouted; eroute owner: #0 000"private-or-clear":ike_life:3600s;ipsec_life:3600s;rekey_margin:540s;rekey_fuzz:100%;keyingtries:3 000 "private-or-clear": policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+GROUP+GROUTED+failurePASS+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "private-or-clear": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "private-or-clear": IKE algorithms wanted:5_ ,5_ ,5_ ,5_ ,flags=-strict 000 "private-or-clear": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_ "private-or-clear": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "private-or-clear": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 #1: "private# /32"[1] ===? STATE_MAIN_R3 (sent MR3, ISAKMP SA established); EVENT_SA_EXPIRE in 2505s; newest ISAKMP 000 #2: "private# /32"[2] STATE_QUICK_R2 (IPsec SA established); EVENT_SA_EXPIRE in 2505s; newest IPSEC; eroute owner 000 #2: "private# /32"[2] used 142s ago; PC-PETRUS No PC com o nome de PETRUS (Cliente), primeiro iremos definir qual o IP a ser atribuído á maquina que neste caso será , para tal teremos de configurar o ficheiro interfaces (/etc/network) da seguinte forma: # /etc/network/interfaces configuration file for ifup(8), ifdown(8) # The loopback interface auto lo iface lo inet loopback auto eth0 iface eth0 inet static

12 address netmask network broadcast O ficheiro ipsec.conf (/etc), não sofre qualquer alteração. Para se obter uma chave, é preciso gerá-la com o comando: $ipsec rsasigkey --verbose 2048 > mykey (ficando a chave guardada no ficheiro mykey, em seguida copia-se o ficheiro para ipsec.secrets) No ficheiro ipsec.secrets (/etc): : RSA { # RSA 2048 bits petrus Thu Mar 18 15:24: # for signatures only, UNSAFE FOR ENCRYPTION #pubkey=[keyid AQN4IE7Eh] Modulus: [...] PublicExponent: [...] # everything after this point is secret PrivateExponent: [...] Prime1: [...] Prime2: [...] Exponent1: [...] Exponent2: [...] Coefficient: [...] } Para saber se está tudo a funcionar executa-se o comando: $ipsec verify --host xpto.pt No qual se espera obter: Checking your system to see if IPsec got installed and started correctly: Version check and ipsec on-path Linux FreeS/WAN 2.04 Checking for KLIPS support in kernel Checking for RSA private key (/etc/ipsec.secrets) Checking that pluto is running Opportunistic Encryption DNS checks: Looking for TXT in forward map: miguel Does the machine have at least one non-private address? [FAILED] Para se verificar se o túnel esta estabelecido executa-se:

13 $ipsec_eroute No qual se espera obter: /0:0 -> /0:0 => %trap: /32:0 -> /32:0 => Para se saber qual o tipo de encriptação usada pelo ipsec, basta fazer: $ipsec_spi E obtem-se o resultado : IPIP: dir=in src= policy= /32- > /32 flags=0x8<> life(c,s,h)= bytes(172959,0,0) addtime(2099,0,0) usetime (2099,0,0) packets (1953,0,0) idle=143 refcount=4 ref=280 IPIP: dir=out src= life(c,s,h)=bytes(313839,0,0) addtime (2099,0,0) usetime (2099,0,0)packets(1673,0,0) idle=143 refcount=4 ref=285 ESP_3DES_HMAC_MD5: dir=out src= iv_bits=64bits iv=0x67c9e dc ooowin=64 seq=1673 alen=128 aklen=128 eklen=192 life(c,s,h)=bytes(367384,0,0) addtime (2099,0,0) usetime (2099,0,0) packets (1673,0,0) idle=143 refcount =4 ref=286 ESP_3DES_HMAC_MD5: dir=in src= iv_bits=64bits iv=0x654123ac138c83f5 ooowin=64 seq=1953 bit=0xffffffffffffffff alen=128 aklen=128 eklen=192 life(c,s,h) = bytes(172959,0,0) addtime(2099,0,0) usetime(2099,0,0) packets(1953,0,0) idle=143 refcount=1957 ref=281 Para saber o estado do ipsec : $ipsec auto status Ao qual obtemos o resultado: 000 interface ipsec0/eth %myid = debug none "block": [%myid] %group; unrouted; eroute owner: #0 000 "block": ike_life: 3600s; ipsec_life: 28800s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "block": policy: TUNNEL+PFS+GROUP+GROUTED+REJECT+NEVER_NEGOTIATE+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "block": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "block": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "block": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "block": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "block": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "clear": [%myid] %group; unrouted; eroute owner: #0 000 "clear": ike_life: 3600s; ipsec_life: 28800s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "clear": policy: TUNNEL+PFS+GROUP+GROUTED+PASS+NEVER_NEGOTIATE+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "clear": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "clear": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "clear": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "clear": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "clear": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "clear-or-private": [%myid] %opportunisticgroup; unrouted; eroute owner: #0 000 "clear-or-private": ike_life: 3600s; ipsec_life: 3600s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "clear-or-private": policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+GROUP+GROUTED+PASS+failurePASS+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "clear-or-private": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "clear-or-private": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "clear-or-private": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "clear-or-private": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict

14 000 "clear-or-private": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "packetdefault": /0=== [%myid] %opportunistic; prospective erouted; eroute owner: #0 000 "packetdefault": ike_life: 3600s; ipsec_life: 3600s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "packetdefault": policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+failurePASS+lKOD+rKOD; prio: 0,0; interface: eth0; 000 "packetdefault": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "packetdefault": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "packetdefault": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "packetdefault": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "packetdefault": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "private": [%myid] %opportunisticgroup; unrouted; eroute owner: #0 000 "private": ike_life: 3600s; ipsec_life: 3600s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "private": policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+GROUP+GROUTED+failureDROP+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "private": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "private": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "private": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "private": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "private": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "private# /32": [%myid] %opportunistic=== /32; eroute eclipsed; eroute owner: #0 000 "private# /32": ike_life: 3600s; ipsec_life: 3600s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "private# /32": policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+failureDROP+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "private# /32": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "private# /32": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "private# /32": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "private# /32": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "private# /32": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "private# /32"[1]: [%myid] ; erouted; eroute owner: #2 000 "private# /32"[1]: ike_life: 3600s; ipsec_life: 3600s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "private# /32"[1]: policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+failureDROP+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "private# /32"[1]: newest ISAKMP SA: #1; newest IPsec SA: #2; 000 "private# /32"[1]: IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "private# /32"[1]: IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "private# /32"[1]: IKE algorithm newest: 3DES_CBC_192-MD5-MODP "private# /32"[1]: ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "private# /32"[1]: ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 "private# /32"[1]: ESP algorithm newest: 3DES_0-HMAC_MD5; pfsgroup=<phase1> 000 "private-or-clear": [%myid] %opportunisticgroup; unrouted; eroute owner: #0 000 "private-or-clear": ike_life: 3600s; ipsec_life: 3600s; rekey_margin: 540s; rekey_fuzz: 100%; keyingtries: "private-or-clear": policy: RSASIG+ENCRYPT+TUNNEL+PFS+DONTREKEY+OPPORTUNISTIC+GROUP+GROUTED+failurePASS+lKOD+rKOD; prio: 32,0; interface: eth0; 000 "private-or-clear": newest ISAKMP SA: #0; newest IPsec SA: #0; 000 "private-or-clear": IKE algorithms wanted: 5_ , 5_ , 5_ , 5_ , flags=-strict 000 "private-or-clear": IKE algorithms found: 5_192-1_128-5, 5_192-2_160-5, 5_192-1_128-2, 5_192-2_160-2, 000 "private-or-clear": ESP algorithms wanted: 3_000-1, 3_000-2, flags=-strict 000 "private-or-clear": ESP algorithms loaded: 3_168-1_128, 3_168-2_160, 000 #2: "private# /32"[1] STATE_QUICK_I2 (sent QI2, IPsec SA established); EVENT_SA_REPLACE_IF_USED in 888s; newest IPSEC; eroute owner 000 #2: "private# /32"[1] used 60s ago; #1: "private# /32"[1] STATE_MAIN_I4 (ISAKMP SA established); EVENT_SA_REPLACE_IF_USED in 956s; newest ISAKMP 000

DNS Ubuntu Server 14.04

DNS Ubuntu Server 14.04 DNS Ubuntu Server 14.04 1. Passo Configuração do servidor (nomes e endereçamentos exemplos) IP: 192.168.0.1 Nome da máquina: professor Nome do domínio: aula.net 2. Passo Instalar pacote DNS #apt-get install

Leia mais

Capítulo 5. nome. DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND. Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS.

Capítulo 5. nome. DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND. Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Capítulo 5 DNS ( Domain Name System ). O serviço BIND Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Exemplo: www.google.pt

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System DNS - Domain Name System Converte nome de máquinas para seu endereço IP. Faz o mapeamento de nome para endereço e de endereço para nome. É mais fácil lembramos dos nomes. Internamente, softwares trabalham

Leia mais

Opportunistic Encryption Guia

Opportunistic Encryption Guia Opportunistic Encryption Guia Este guia destina-se a mostrar os passos seguidos por nós para a opportunistic encryption (OE) usando o Linux FreeS/WAN. OE permite criar túneis IPsec sem ser necessário a

Leia mais

Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP!

Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS. Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Capítulo 5 DNS ( Domain Name System ) O serviço BIND Um dos serviços mais importantes numa rede TCP/IP é o serviço DNS Porquê? Porque é muito mais fácil lembrar nomes do que números IP! Exemplo: wwwgooglept

Leia mais

Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa. Segurança de Redes e Protocolos de Comunicação. 1º Trabalho de Acompanhamento

Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa. Segurança de Redes e Protocolos de Comunicação. 1º Trabalho de Acompanhamento Instituto Superior das Ciências do Trabalho e da Empresa Segurança de Redes e Protocolos de Comunicação 1º Trabalho de Acompanhamento Docente: Professor José Guimarães Realizado por: António Monteiro João

Leia mais

Instalação e Configuração Servidor DNS

Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Instalação e Configuração Servidor DNS Passo Nº 1 Conferir o nome da máquina ( já configurado no passo Servidor Configuração DHCP ). # nano /etc/hostname Passo Nº

Leia mais

Breve introdução ao DNS Uma abordagem prática (aka crash course on DNS :))

Breve introdução ao DNS Uma abordagem prática (aka crash course on DNS :)) Breve introdução ao DNS Uma abordagem prática (aka crash course on DNS :)) Prof. Rossano Pablo Pinto Novembro/2012-v0.3 Abril/2013-v0.5 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br

Leia mais

DNS Parte 2 - Configuração

DNS Parte 2 - Configuração DNS Parte 2 - Configuração Adriano César Ribeiro (estagiário docente) adrianoribeiro@acmesecurity.org Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Tópicos em Sistemas de Computação 1 Revisão Prof. Dr.

Leia mais

Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores. Módulo Laboratório de Linux Apostila 2. Serviço DNS

Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores. Módulo Laboratório de Linux Apostila 2. Serviço DNS Curso de Pós Graduação em Redes de Computadores Módulo Laboratório de Linux Apostila 2 Serviço DNS Introdução DNS é o Servidor de Nomes do Domínio. Ele converte os nomes das máquinas para números IP, que

Leia mais

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo,

UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, Laboratório de Redes. Domain Name Service - DNS Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução UM dos protocolos de aplicação mais importantes é o DNS. Para o usuário leigo, problemas com o DNS são interpretados

Leia mais

BIND Um DNS Server Completo

BIND Um DNS Server Completo BIND Um DNS Server Completo Parque Tecnológico Itaipu (PTI) Missão ITAIPU: Gerar energia elétrica de qualidade, com responsabilidade social e ambiental, impulsionando o desenvolvimento econômico, turístico

Leia mais

Serviços de Redes. Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes

Serviços de Redes. Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Serviços de Redes Servidor DNS (Bind) Professor: Alexssandro Cardoso Antunes Atividades Roteiro Objetivos Instalação (projeto) Definições, Características, Vantagens e Hierarquia Clientes, Processo de

Leia mais

Configuração de Servidores. 1. Introdução. 1. Introdução. Por Rubens Queiroz de Almeida. Data de Publicação: 14 de Março de 2007

Configuração de Servidores. 1. Introdução. 1. Introdução. Por Rubens Queiroz de Almeida. Data de Publicação: 14 de Março de 2007 1. Introdução Configuração de Servidores Por Rubens Queiroz de Almeida Data de Publicação: 14 de Março de 2007 1. Introdução Os servidores DNS podem ser divididos em três tipos principais: servidores que

Leia mais

Laboratório 3. Configurando o Serviço DNS

Laboratório 3. Configurando o Serviço DNS Neste laboratório iremos falar sobre o serviço DNS (Domain Name System). O DNS é um sistema de gerenciamento de nomes hierárquico e distríbuido visando resolver nomes de domínio em endereços de rede IP.

Leia mais

Gestão de Sistemas e Redes

Gestão de Sistemas e Redes Gestão de Sistemas e Redes Domain Name System (DNS) e Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP) Paulo Coelho, 2005 1 Visão geral Para que servem os nomes? identificar objectos Ajudar a localizar objectos

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Sistema Operacional Linux > Servidor DNS (BIND) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução O DNS é um dos serviços mais importantes na Internet porque

Leia mais

DNS. Parte 2 - Configuração. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org

DNS. Parte 2 - Configuração. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org DNS Parte 2 - Configuração Tópicos em Sistemas de Computação 2014 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Vinícius Oliveira viniciusoliveira@acmesecurity.org 1 Neste

Leia mais

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback

Resolução de nomes. Professor Leonardo Larback Resolução de nomes Professor Leonardo Larback Resolução de nomes A comunicação entre os computadores e demais equipamentos em uma rede TCP/IP é feita através dos respectivos endereços IP. Entretanto, não

Leia mais

Configuração de um servidor DNS. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Configuração de um servidor DNS. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração de um servidor DNS Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Configuração DNS O servidor DNS usado é o BIND versão 9. Para configuração do servidor DNS, deve-se acessar os arquivos de

Leia mais

Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede.

Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede. Configurando servidor de DNS no CentOS O Domain Name System Sistema de Nomes de Domínio é de fundamental importância em uma rede. O DNS é um sistema hierárquico em árvore invertida. Tem como origem o ponto

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes. Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva

Sistemas Operacionais de Redes. Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva Sistemas Operacionais de Redes Aula: Gerenciamento de rede Professor: Jefferson Igor D. Silva Agenda Conhecer o funcionamento do mecanismo de rede Configurar as configurações básicas de rede Compreender

Leia mais

Rafael Goulart - rafaelgou@gmail.com Curso ASLinux v.3

Rafael Goulart - rafaelgou@gmail.com Curso ASLinux v.3 Conceito Serviço que traduz RESOLVE nomes de máquinas para endereços IP e endereços IP para nomes de máquina. É um sistema hierárquico e descentralizado/distribuído. Simplifica a administração do complexo

Leia mais

Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação

Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação Universidade Católica de Brasília Pró-reitoria de Graduação Curso de Ciência da Computação INTRODUÇÃO 6 LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Serviços Básicos de Rede DNS Para o correto funcionamento de

Leia mais

Fernando M. V. Ramos, fvramos@ciencias.ulisboa.pt, RC (LEI), 2015-2016 TP03. DNS. Redes de Computadores

Fernando M. V. Ramos, fvramos@ciencias.ulisboa.pt, RC (LEI), 2015-2016 TP03. DNS. Redes de Computadores TP03. DNS Redes de Computadores Objetivos Uma introdução ao protocolo DNS Um olhar com algum detalhe para dentro do protocolo O mundo sem DNS DNS: domain name system Domain Name System Uma base de dados

Leia mais

edu com org pt ibm sapo cs iscap

edu com org pt ibm sapo cs iscap TEMA Serviços de nomes no Linux TEÓRICA-PRÁTICA 1. Introdução Necessidade de utilizar nomes em vez de endereços IP: Endereços IP são óptimos para os computadores No entanto, para humanos, são difíceis

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede Sistemas Operacionais de Rede Configuração de Rede Conteúdo Programático! Interfaces de rede! Ethernet! Loopback! Outras! Configuração dos parâmetros de rede! Dinâmico (DHCP)! Manual! Configuração de DNS

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System DNS 1 Objectivo / Motivação 2 'What's the use of their having names the Gnat said if they won't answer to them?' Alice no País das Maravilhas Resolução de nomes

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

DNS Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com

DNS Linux. Rodrigo Gentini gentini@msn.com Linux Rodrigo Gentini gentini@msn.com Domain Name System (DNS). O DNS é o serviço de resolução de nomes usado em todas as redes TCP/IP, inclusive pela Internet que, sem dúvidas, é a maior rede TCP/IP existente.

Leia mais

Relatório do Trabalho Prático nº 1. DNS e DHCP. Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva

Relatório do Trabalho Prático nº 1. DNS e DHCP. Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Relatório do Trabalho Prático nº 1 DNS e DHCP Documento elaborado pela equipa: Jorge Miguel Morgado Henriques Ricardo Nuno Mendão da Silva Data de entrega: 22.10.2006 Indíce Introdução... 2 Configuração

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System Arq. de Redes - Pedro Brandão - 2004 1 Objectivo / Motivação Resolução de nomes (alfanuméricos) para endereços IPs Será que 66.102.11.99 é mais fácil de decorar

Leia mais

Configuração do Servidor DNS. Mcedit /etc/named.conf. mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux

Configuração do Servidor DNS. Mcedit /etc/named.conf. mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux Configuração do Servidor DNS Mcedit /etc/named.conf mkdir /var/named/estudolinux cp /var/named/* estudolinux Configurando o Bind no Slackware 10 ::: Bind / Named Enviado por: Geyson Rogério L. Silva Data:

Leia mais

BIND 9 Instalação e configuração

BIND 9 Instalação e configuração BIND é um software de código aberto que implementa os protocolos para a Internet Domain Name System (DNS), sendo o software DNS mais amplamente utilizado na Internet, proporcionando uma plataforma robusta

Leia mais

Aula 3 Servidor DNS BIND

Aula 3 Servidor DNS BIND 1 Aula 3 Servidor DNS BIND Um servidor DNS é responsável em responder pelos domínios e direcionar tudo que é relacionado a ele, nele por exemplo pode se apontar onde fica www.dominio.com.br, vai apontar

Leia mais

LAB012 Configuração de uma rede privada virtual (VPN) com a aplicação FreeSWAN

LAB012 Configuração de uma rede privada virtual (VPN) com a aplicação FreeSWAN LAB012 Configuração de uma rede privada virtual (VPN) com a aplicação FreeSWAN Neste laboratório vamos implementar uma ligação segura (túnel encriptado) entre dois escritórios da mesma empresa: filial

Leia mais

DNS: Domain Name System

DNS: Domain Name System DNS: Domain Name System O objetivo desta unidade é apresentar o funcionamento de dois importantes serviços de rede: o DNS e o DHCP. O DNS (Domain Name System) é o serviço de nomes usado na Internet. Esse

Leia mais

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira

Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Orientador de Curso: Rodrigo Caetano Filgueira Serviço DNS DNS significa Domain Name System (sistema de nomes de domínio). O DNS converte os nomes de máquinas para endereços IPs que todas as máquinas da

Leia mais

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08

Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 Formação IPv6 Maputo Moçambique 26 Agosto 29 Agosto 08 DNS Pedro Lorga (lorga@fccn.pt) Carlos Friaças (cfriacas@fccn.pt) Exercício Prático: DNS Objectivos Neste exercício completará as seguintes tarefas:

Leia mais

DNS: Domain Name System DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol. Edgard Jamhour

DNS: Domain Name System DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol. Edgard Jamhour DNS: Domain Name System DHCP: Dynamic Host Configuration Protocol Serviço DNS: Domain Name System nome - ip nome - ip Nome? IP nome - ip nome - ip Árvore de nomes br RAIZ br pucpr ufpr Pucpr Ufpr ppgia

Leia mais

Artigo adaptado do link: http://www.debianfordummies.org/wiki/index.php/dfd_dns_howto

Artigo adaptado do link: http://www.debianfordummies.org/wiki/index.php/dfd_dns_howto Introdução ao DNS Artigo adaptado do link: http://www.debianfordummies.org/wiki/index.php/dfd_dns_howto Boa parte da usabilidade da Internet vem da facilidade que temos para localizar um computador conectado.

Leia mais

Arquitectura de Redes

Arquitectura de Redes Arquitectura de Redes Domain Name System DNS 1 Objectivo / Motivação 2 'What's the use of their having names the Gnat said, 'if they won't answer to them?' Alice no País das Maravilhas Resolução de nomes

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Curso de extensão em Administração de Serviços GNU/Linux Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DNS Parte 1 Linux Network Servers DNS é a abreviatura de Domain Name System. O DNS é um serviço de resolução de nomes. Toda comunicação entre os computadores e demais equipamentos de uma rede baseada no

Leia mais

Servidor de e-mail corporativo com Zimbra.

Servidor de e-mail corporativo com Zimbra. UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina Unisul TechDay 2013 Servidor de e-mail corporativo com Zimbra. Palestrante: Irineu Teza Nunes E-mail: irineu@idinf.com.br Website: www.idinf.com.br Blog: itnproducoes.blogspot.com

Leia mais

LPI nível 2: Aula 11

LPI nível 2: Aula 11 Décima primeira aula de preparação LPIC-2 TUTORIAL LPI nível 2: Aula 11 Configuração do servidor BIND, criação e manutenção de arquivos de zonas e ferramentas relacionadas. por Luciano Siqueira Irum_Shahid

Leia mais

LAB06 Configuração de um servidor de DNS Aplicação nslookup. Servidor BIND.

LAB06 Configuração de um servidor de DNS Aplicação nslookup. Servidor BIND. LAB06 Configuração de um servidor de DNS Aplicação nslookup Servidor BIND A Configuração de um PC como cliente de um servidor de DNS O ficheiro que define qual o(s) servidor(es) de DNS do domínio local

Leia mais

Prática DNS. Edgard Jamhour

Prática DNS. Edgard Jamhour Prática DNS Edgard Jamhour Exercícios práticos sobre DNS. Esse roteiro de prática inclui apenas aspectos básicos de configuração desses serviços. Apenas esses aspectos básicos é que serão cobrados em relatório.

Leia mais

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I UNIDADE 1 - CONCEITOS BÁSICOS DE REDES... 3 1.1 TCP/IP - O INÍCIO... 3 1.2 ENTENDENDO O IP... 3 1.3 ENTENDENDO O GATEWAY DE REDE... 5 1.4 O SERVIDOR

Leia mais

Ferramentas de Análise de Rede. Hermes Senger hermes@dc.ufscar.br

Ferramentas de Análise de Rede. Hermes Senger hermes@dc.ufscar.br Ferramentas de Análise de Rede Hermes Senger hermes@dc.ufscar.br Notação O "#" significa que o comando dever ser executado como usuário "root". O "$" significa que o comando deve ser executado como usuário

Leia mais

Capítulo 8 Introdução a redes

Capítulo 8 Introdução a redes Linux Essentials 450 Slide - 1 Capítulo 8 Quando falamos de redes de computadores, estamos falando de muitos hosts interconectados por alguns aparelhos especiais chamados roteadores. Vamos aprender um

Leia mais

Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma

Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma Formando-Fernando Oliveira Formador- João Afonso Mediador-Cristina Goulão Curso Técnico de Informática e Gestão de Redes ufcd / 20 11/11/2013 Turma -SDR LINUX ADMINISTRAÇÃO DNS significa (sistema de nomes

Leia mais

# dnssec-keygen -a HMAC-MD5 -b 128 -n USER chave

# dnssec-keygen -a HMAC-MD5 -b 128 -n USER chave Como integrar o serviço de DHCP com o de DNS no CentOS A integração dos serviços de dhcp e dns é um recurso muito útil em uma rede. Pois minimiza o trabalho do administrador de redes e maximiza seu controle

Leia mais

Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio.

Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio. APÊNDICE 10 Neste apêndice mostraremos o que é e como funciona o serviço de nomes de domínio. Infelizmente, informações sobre características mais avançadas não serão encontradas aqui. Para mais informações

Leia mais

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: DNS. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: DNS Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Como descrito na seção 2.5 do livro, o Domain Name

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 DNS - DOMAIN NAME SYSTEM Mecanismo que converte uma string ASCII em endereço de rede (IP) Motivação: No início da ARPANET,

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 3 - DNS

Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 3 - DNS Projeto e Instalação de Servidores Servidores Linux Aula 3 - DNS Prof.: Roberto Franciscatto Introdução O que é? Domain Name Server Introdução Domain Name Server Base de dados distribuída Root Servers

Leia mais

Configurando um servidor DHCP

Configurando um servidor DHCP Configurando um servidor DHCP OBS.: Esse documento retrata uma configuração em uma rede do tipo rede local (192.168.xx.xx), onde existe um servidor contendo duas interfaces de rede, eth0 e eth1. Hoje em

Leia mais

GNU/Linux Debian Servidor DNS

GNU/Linux Debian Servidor DNS GNU/Linux Debian Servidor DNS Neste tutorial, será apresentado a configuração do serviço de rede DNS (Domain Name System) utilizando o sistema operacional GNU/Linux, distribuição Debian 7.5. Antes de começamos

Leia mais

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh.

Passos Preliminares: Acessando a máquina virtual via ssh. CIn/UFPE Sistemas de Informação Redes de Computadores Professor: Kelvin Lopes Dias Monitor: Edson Adriano Maravalho Avelar {kld,eama}@cin.ufpe.br Instalando/Configurando Servidor DNS. Este tutorial irá

Leia mais

Configuração de redes no Gnu/Linux

Configuração de redes no Gnu/Linux Configuração de redes no Gnu/Linux Comando ifconfig: É utilizado basicamente para configurar o ip, a mascara de rede e outras opções de placas de rede. Rodado sem opções ele retorna todas as placas de

Leia mais

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS?

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? 1 2 Agenda Rafael Freitas Reale reale@ifba.edu.br http://www.rafaelreale.net Cedido por: Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys O que é DNS? Funcionamento básico Caching Requisição

Leia mais

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Configurando DNS Server. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o DNS É o serviço responsável por: Traduzir nomes em endereços IP (e vice-versa), de um determinado

Leia mais

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX

RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX RELATÓRIO DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS APLICATIVOS BIND E POSTFIX EDFRANCIS PEREIRA MARQUES SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO V INTRODUÇÃO NESTE RELATÓRIO VEREMOS A IMPORTÂNCIA DE CONHECER CADA COMANDO EXECUTADO,

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System 1 of 8 28-07-2011 9:21 DNS - Domain Name System Introdução Componentes dum sistema DNS Zonas e Domínios Resolução DNS Vs. WINS Ferramentas Introdução Na Internet, para que as máquinas possam comunicar

Leia mais

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico 1 2 Agenda Volnys Borges Bernal volnys@uspbr O que é DNS? Caching Laboratório de Sistemas Integráveis http://wwwuspbr/ 3 4 O que é DNS? O que é DNS? Domain Name System Serviço que permite a resolução de

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2011 Camada de Aplicação

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR I

PROJETO INTERDISCIPLINAR I PROJETO INTERDISCIPLINAR I Linux e LPI www.lpi.org João Bosco Teixeira Junior boscojr@gmail.com Certificação LPIC-1 Prova 102 105 Shell, Scripting, e Gerenciamento de Dados 106 Interface com usuário e

Leia mais

O que é uma rede de computadores?

O que é uma rede de computadores? O que é uma rede de computadores? A rede é a conexão de duas ou mais máquinas com objetivo de compartilhar recursos entre elas. Os recursos compartilhados podem ser: Compartilhamento de conteúdos do disco

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

V Workshop de Tecnologias de Rede do PoP-BA

V Workshop de Tecnologias de Rede do PoP-BA V Workshop de Tecnologias de Rede do PoP-BA www.pop-ba.rnp.br/wtr2014 IPv6 Um novo não tão novo protocolo de Internet Instrutor: Thiago Bomfim thiagobomfim@pop-ba.rnp.br Monitoria: Jundaí Abdon jundai@pop-ba.rnp.br

Leia mais

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico

Agenda. Introdução ao DNS. O que é DNS? O que é DNS? O que é DNS? Funcionamento básico 1 2 Agenda Volnys Borges Bernal volnys@lsiuspbr O que é DNS? Caching Laboratório de Sistemas Integráveis http://wwwlsiuspbr/ 3 4 O que é DNS? O que é DNS? Domain Name System Serviço que permite a resolução

Leia mais

Configurando um servidor DNS com atualização automática via DHCP

Configurando um servidor DNS com atualização automática via DHCP Configurando um servidor DNS com atualização automática via DHCP João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) 1 Introdução Neste tutorial iremos descrever a configuração de um servidor DNS para uma rede local

Leia mais

Introdução às Redes e Protocolos TCP/IP Sessão nº7. Jorge Gomes jorge@lip.pt

Introdução às Redes e Protocolos TCP/IP Sessão nº7. Jorge Gomes jorge@lip.pt Introdução às Redes e Protocolos TCP/IP Sessão nº7 Jorge Gomes jorge@lip.pt DNS (Domain Name System) Resolução de Nomes Os humanos são melhores com nomes do que com números Memorizar e usar nomes de maquinas

Leia mais

Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux Curso de extensão em Administração de serviços GNU/Linux Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Administração

Leia mais

Introdução ao DNS. Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys. Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp.

Introdução ao DNS. Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys. Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp. 1 Introdução ao DNS Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Laboratório de Sistemas Integráveis http://www.lsi.usp.br/ 2 Agenda O que é DNS? Servidores DNS Requisição DNS Caching

Leia mais

Configuração de DNS Reverso

Configuração de DNS Reverso Configuração de DNS Reverso Nos casos em que os serviços fornecidos pela Brasil Telecom exigirem configurações de DNS Reverso, estas serão executadas de forma centralizada pelo CNRS em Brasília. As solicitações

Leia mais

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9

Redes de Computadores. Funcionamento do Protocolo DNS. Consulta DNS. Consulta DNS. Introdução. Introdução DNS. DNS Domain Name System Módulo 9 Slide 1 Slide 2 Redes de Computadores Introdução DNS Domain Name System Módulo 9 EAGS SIN / CAP PD PROF. FILIPE ESTRELA filipe80@gmail.com Ninguém manda uma e-mail para fulano@190.245.123.50 e sim para

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Domain Name System (DNS) Aula 25 Máquinas na Internet são identificadas por endereços IP Nomes simbólicos são atribuídos a máquinas

Leia mais

Servidor DNS. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) Fatern 2009.1 1 / 15

Servidor DNS. João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) Fatern 2009.1 1 / 15 Servidor João Medeiros (joao.fatern@gmail.com) Fatern 2009.1 1 / 15 O que? O que? O que o define Domain Name Server Serviço utilizado para traduzir nomes em endereços IP e vice-versa Baseado em uma hierarquia

Leia mais

Sobre a licença Para cada novo uso ou distribuição, você deve deixar claro para outros os termos da licença desta obra. No caso de criação de obras derivadas, os logotipos do CGI.br, NIC.br, IPv6.br e

Leia mais

Configuração endereço IP da interface de rede

Configuração endereço IP da interface de rede Configuração endereço IP da interface de rede Download Imprimir Para configurar a interface de sua placa de rede como DHCP para obter um endereço IP automático ou especificar um um endereço IP estático

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Domain Name System (DNS) Aula 25 Máquinas na Internet são identificadas por endereços IP Nomes simbólicos são atribuídos a máquinas

Leia mais

Capitulo 4: DNS (BIND)

Capitulo 4: DNS (BIND) Por Eduardo Scarpellini odraude@usa.com Capitulo 4: DS (BID) 4.1 do HOSTS.TXT ao DS a década de 70, a ARPAnet era uma pequena rede de algumas centenas de computadores. Um único arquivo, chamado HOSTS.TXT,

Leia mais

Serviço DNS no PoP-SC

Serviço DNS no PoP-SC Ponto de Presença da RNP em Santa Catarina Rede Metropolitana de Educação e Pesquisa da Região de Florianópolis 04 e 05 Outubro/2012 Serviço DNS no PoP-SC Rodrigo Pescador PoP-SC/RNP Organização: Apoio:

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

DNS - Domain Name System

DNS - Domain Name System DNS - Domain Name System IFSC UNIDADE DE SÃO JOSÉ CURSO TÉCNICO SUBSEQUENTE DE TELECOMUNICAÇÕES! Prof. Tomás Grimm DNS Pessoas: muitos identificadores: RG, nome, passporte Internet hosts, roteadores: endereços

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM)

FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) FUNDAÇÃO DE ESTUDOS SOCIAIS DO PARANÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DNS (DOMAIN NAME SYSTEM) CURITIBA 2006 GUILHERME DE SOUZA JEAN THIAGO MASCHIO

Leia mais

Instalando e Configurando o DNS Server

Instalando e Configurando o DNS Server Instalando e Configurando o DNS Server Seg, 27 de Outubro de 2008 18:02 Escrito por Daniel Donda A instalação do serviço DNS no Windows Server 2008 é bem simples e de extrema importância para uma rede.

Leia mais

Configuração de DNS em Windows Servidor 2008

Configuração de DNS em Windows Servidor 2008 Reflexão Turma S-12-ano lectivo-2010-1011 Formador-João Afonso Formando-Pedro Gonçalves 14 Unidade: 14 Configuração de DNS em Windows Servidor 2008 Instalar o DNS 1. Abra o Servidor Manager Start\Administrative

Leia mais

Serviços de Directoria

Serviços de Directoria Universidade da Beira Interior Departamento de Informática Unidade Curricular Serviços de Directoria Licenciatura em Tecnologias e Sistemas de Informação Cap. 2 - Sumário ü Domain Name System (DNS) ü Whois

Leia mais

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark.

Wireshark Lab: TCP. Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Wireshark Lab: TCP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2011 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Neste laboratório, investigaremos o comportamento do

Leia mais

Troubleshooting em rede básica

Troubleshooting em rede básica Troubleshooting em rede básica - 2 Sumário Capítulo 1 Troubleshooting em rede básica... 3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1. Objetivos... 14 2.1. Troubleshooting...

Leia mais

IPv6 Provedor PyTown.com. Fabiano Weimar dos Santos [Xiru] xiru@xiru.org

IPv6 Provedor PyTown.com. Fabiano Weimar dos Santos [Xiru] xiru@xiru.org IPv6 Provedor PyTown.com Fabiano Weimar dos Santos [Xiru] xiru@xiru.org Roteiro Um pouco sobre mim... Histórico Endereçamento Implementação Desafios Configuração IPv6 - Provedor PyTown.com 2 Um pouco sobre

Leia mais

Segurança em Redes e Sistemas Operacionais

Segurança em Redes e Sistemas Operacionais Segurança em Redes e Sistemas Operacionais Segurança - ale.garcia.aguado@gmail.com 1 Agenda Preparação do Ambiente Como é o Ambiente em que vamos trabalhar? Visão Macro Passos... Segurança - ale.garcia.aguado@gmail.com

Leia mais

Configuração de Rede

Configuração de Rede Configuração de Rede Introdução Quando uma interface de rede comum, que utiliza o padrão de rede Ethernet, é reconhecida no sistema (seja na inicialização ou acionando o módulo desta interface), o sistema

Leia mais

Leia atentamente o roteiro abaixo executando as instruções que se seguem.

Leia atentamente o roteiro abaixo executando as instruções que se seguem. Leia atentamente o roteiro abaixo executando as instruções que se seguem. Redes de Computadores Aula Prática. Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar

Leia mais

Resolução de Nomes e Endereços

Resolução de Nomes e Endereços Resolução de Nomes e Endereços MC833 Programação em Redes de Computadores Instituto de Computação UNICAMP Carlos A. Astudillo Trujillo Roteiro 1.Noção sobre nomes e funcionamento do DNS 2.Funções para

Leia mais

FormaçãoIPv6-Maputo. DNS Maputo 27 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga

FormaçãoIPv6-Maputo. DNS Maputo 27 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga FormaçãoIPv6-Maputo DNS Maputo 27 de Agosto de 2008 Carlos Friaças e Pedro Lorga DNS Agenda/Índice Registos IPv6 Queries de DNS Delegações Funcionamento Questões Operacionais e Recomendações Software Registos

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais. Prof.: Marlon Marcon

Administração de Sistemas Operacionais. Prof.: Marlon Marcon Administração de Sistemas Operacionais Prof.: Marlon Marcon Introdução O DNS é um dos principais serviços de redes TCP/IP Converte nomes (domínios) em endereços IP, e também realiza o mesmo processo reversamente,

Leia mais