Recenseamento Geral da População e Habitação (RGPH) 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recenseamento Geral da População e Habitação (RGPH) 2014"

Transcrição

1 Recenseamento Geral da População e Habitação (RGPH) 2014 Resultados Preliminares 16 de Outubro 2014

2 Estrutura da apresentação 1 2 Contexto Enquadramento metodológico a b Conceitos chave Processo de apuramento dos resultados 3 Apresentação dos resultados a b Nível nacional Nível provincial 4 Próximos passos

3 Contexto O RGPH 2014 é o 1º Censo Geral da População e da Habitação, nos 38 anos de Independência; Surge num período pós-conflito, com o país em plena fase de reconstrução, após 12 anos de paz; Início de preparação num contexto caracterizado por: Falta de experiência prática (institucional e pessoal) do INE e outros órgãos que, directa ou indirectamente, lidaram com este processo; Algumas áreas do País, ainda, inacessíveis; Recursos humanos concentrados nos principais centros urbanos; Mapas desactualizados e sem cobertura nacional; Oferta de bens e serviços limitada no mercado nacional.

4 Contexto Para além da criação da base legal, do GCC e de um Programa Global para o RGPH-2014, primeiros passos incidiram sobre: Estabelecimento de parcerias com entidades nacionais e internacionais; Realização de visitas de estudo (Brasil, África do Sul, Moçambique, Cabo Verde, etc.); Processo de actualização cartográfica, com actividades de campo em toda extensão do território nacional, desde Fevereiro de 2012; A tomada de algumas decisões estruturantes de todo o processo (Uso do questionário em papel, processamento por leitura óptica e terceirização de alguns serviços ); Testagem de toda a estratégia para o Censo com a realização do Censo Piloto em Maio de 2013.

5 Enquadramento Metodológico

6 Conceitos chave Momento Censitário: momento de referência para a recolha de dados durante o recenseamento. Para o Censo 2014, foi definido como Momento Censitário as zero horas (00h00) do dia 16 de Maio de Residente: pessoa que reside no agregado familiar há mais de seis meses, quer esteja presente ou não no momento da entrevista. Incluí as que vivem há menos de seis meses e têm a intenção de ficar durante os próximos seis meses. Residência Habitual: lugar onde a pessoa tem vivido de forma ininterrupta durante a maior parte dos últimos 12 meses, sem contar as ausências temporárias por férias, ou motivos laborais. Residente Ausente: pessoa que habitualmente reside no agregado familiar, mas que, por diversos motivos, não passou a noite de referência na sua residência habitual. Visitante: pessoa que não reside habitualmente no agregado familiar, mas que aí passou a noite de referência, mesmo que não se encontre na habitação no momento da entrevista.

7 Unidades de observação Censo da Habitação Censo da População Todas as habitações existentes no país População Presente ou de Facto População Residente ou de Jure Habitação Todo e qualquer lugar construído ou adaptado para alojar pessoas Agregado Familiar Pessoa ou grupo de pessoas com ou sem relação de parentesco, que: 1) Vivem, habitualmente, sob o mesmo tecto; 2) Partilham do mesmo orçamento (mesma mesa, panela); e 3) Identificam dentro do grupo 1 chefe.

8 Processo de apuramento dos resultados QUESTIONÁRIOS FORMULÁRIOS F1

9 Processo de apuramento dos resultados 2 1 Processamento informático, Validação e Análise dos dados (em 18 Meses) Questionários Resultados Definitivos Transcrição diária dos dados sobre o número de pessoas residentes, discriminados por sexo Resultados Preliminares Formulários F1 Processamento informático, Validação e Análise dos dados (em 3 a 4 Meses)! Resultados definitivos tendem a ser ligeiramente diferentes Resultados preliminares perdem validade a partir da divulgação dos resultados definitivos

10 Apresentação dos Resultados Nível Nacional

11 Tamanho da População e Distribuição por Províncias

12 População residente quadruplicou nos últimos 44 anos Censo 1970: 5,6 milhões de pessoas residentes 4,3 Vezes Censo 2014: 24,4 milhões de pessoas residentes Anos

13 Luanda Huila Benguela Huambo Cuanza Sul Uige Bié Malanje Cunene Lunda Norte Moxico Cabinda Zaire Lunda Sul Cuando Cubango Namibe Cuanza Norte Bengo As 7 províncias mais populosas do país: Ultrapassam, cada, o milhão de habitantes As 7 províncias menos populosas do país: Não ultrapassam, cada, os 700 mil habitantes

14 Luanda 26,8 Huila 9,7 Benguela Huambo Cuanza Sul Uige Bié 5,8 5,5 8,4 7,8 7,4 Forte Concentração da população em parte do território nacional Malanje 4,0 Cunene 4,0 Lunda Norte 3,3 Moxico 3,0 Cabinda 2,8 Zaire 2,3 Lunda Sul 2,1 Cuando Cubango 2,1 Namibe 1,9 Cuanza Norte 1,8 Bengo 1,4 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0

15 População residente fortemente concentrada em parte do território nacional 14,5% 5 Vezes Bengo, Cuanza Norte, Namibe, C. Cubango, Lunda Sul, Zaire, Cabinda 71,3% Luanda, Huila, Benguela, Huambo, Cuanza Sul, Uíge, Bié

16 População residente fortemente concentrada em parte do território nacional Bengo (Menos Populosa) 19 vezes menos Huila (2ª Mais Populosa) 3 vezes menos Luanda (Mais populosa)

17 Densidade demográfica em Angola Em Angola existem 19 pessoas por cada KK 2 O País com maior densidade no mundo, Mónaco, tem pessoas por cada km² (2005) Luanda 347,4 Cabinda 94,4 Huambo 56,9 Benguela 51,9 C. Sul 32,3 Huila 29,9 Uíge 22,8

18 Distribuição por Sexo e Índice de Masculinidade

19 Distribuição por sexo A população residente é maioritariamente constituída por mulheres, embora a disparidade não seja substancial 51,6 48,4 Homens Mulheres

20 100,0 A Lunda Norte é a única província onde o número de homens é superior ao das mulheres 90,0 53,3 52,8 52,6 52,5 52,5 51,8 51,7 51,4 51,3 51,3 51,2 51,0 51,0 51,0 50,8 50,4 50,3 48,6 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 46,7 47,2 47,4 47,5 47,5 48,2 48,3 48,6 48,7 48,7 48,8 49,0 49,0 49,0 49,2 49,6 49,7 51,4 30,0 20,0 Percentagem de Homens Aumenta 10,0 0,0 Homens Mulheres

21 Índice de masculinidade em Angola Em Angola existem cerca de 94 homens para cada 100 mulheres L. Norte 105,7 Zaire 98,8 Bengo 98,4 L. Sul 96,7 Uíge 96,1 Luanda 96,0 Cabinda 96,0

22 Angola no seio dos 20 países mais populosos de África 1. Nigéria 2. Etiópia 3. Egipto 4. RDC 5. África do Sul 6. Tanzânia 7. Quênia 8. Argélia 9. Uganda 11. Marroco 10. Sudão 12. ANGOLA 13. Gana 14. Moçambique 15. Costa do Marfim 16. Madagáscar 17. Camarões 18. Burkina Faso 19. Níger 20. Malawi 50,0 45,0 40,8 35,4 33,8 31,9 31,9 24,4 24,3 23,4 21,6 21,1 20,0 16,3 15,9 15,7 67,8 79,2 78,8 170,1 Angola situa-se, em termos do tamanho da população (em milhões de habitantes) em: 12º entre os 54 países de África; 4º entre os países da SADC;

23 Distribuição por Área de Residência

24 Distribuição por área de residência A população reside, maioritariamente, na área urbana 37,7 62,3 Urbana Rural

25 Cunene é a província com a proporção mais baixa da população em áreas urbanas e Luanda a província com a proporção mais alta 100,0 2,5 90,0 79,1 66,8 61,8 61,3 57,4 56,1 53,3 45,3 45,0 43,5 37,2 36,8 34,4 33,9 26,1 22,4 20,5 97,5 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 20,9 33,2 38,2 38,7 42,6 43,9 46,7 54,7 55,0 56,5 62,8 63,2 65,6 66,1 73,9 77,6 % da população residente em áreas urbanas aumenta 79,5 0,0 Urbana Rural

26 Apresentação dos Resultados Província de Luanda

27 Tamanho da População e Distribuição por Municípios

28 População residente cresceu pelo menos 12 vezes nos últimos 44 anos Censo 1970: pessoas residentes 11,7 Vezes Censo 2014: 6,5 milhões de pessoas residentes Anos

29 Luanda Viana Belas Os 3 municípios mais populosos de Luanda: Ultrapassam, cada, o milhão de habitantes Cacuaco Cazenga Icolo e Bengo Quissama Os 2 municípios menos populosos de Luanda: Não ultrapassam os 75 mil habitantes

30 A população residente nos 3 municípios mais populosos de Luanda supera A população combinada da 2ª e 3ª províncias mais populosas do país

31 A população residente nos 3 municípios mais populosos de Luanda supera A população combinada das 8 províncias menos populosas do país

32 Luanda 32,2 Viana Belas 16,3 23,3 Forte Concentração da população em 3 municípios Cacuaco 13,5 Cazenga 13,2 Icolo e Bengo 1,1 Quissama,4,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0

33 População residente fortemente concentrada em 3 municípios (Luanda, Viana e Belas) 28,2% 2,5 Vezes Cacuaco, Cazenga, Icolo e Bengo e Quissama 71,8% Luanda, Viana e Belas

34 Densidade Demográfica em Luanda Na Província de Luanda existem 347,4 pessoas por cada KK 2 Cidade com maior densidade no mundo: Mumbai, India pessoas ppp cccc KK 2 (2007) Cazenga ,0 Luanda ,0 Cacuaco 2.828,0 Viana 2.202,0 Belas 1.018,0 Icolo e Bengo 24,4 Quissama 1,8

35 Distribuição por Sexo e Índice de Masculinidade

36 Distribuição por sexo A população residente é maioritariamente constituída por mulheres, embora a disparidade não seja substancial 51,0 49,0 Homens Mulheres

37 Os municípios de Icolo e Bengo e Quissama existem mais homens que mulheres 100,0 90,0 51,2 51,1 51,0 51,0 50,8 49,2 47,6 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 48,8 48,9 49,0 49,0 49,2 50,8 52,4 30,0 20,0 Percentagem de Homens Aumenta 10,0 0,0 Cacuaco Luanda Belas Viana Cazenga Icolo e Bengo Quissama Homens Mulheres

38 Índice de Masculinidade em Luanda Na província de Luanda existem cerca de 96 homens para cada 100 mulheres Quissama 110,2 Icolo e Bengo 103,3 Cazenga 96,7 Viana 96,0 Belas 96,0 Luanda 95,6 Cacuaco 95,5

39 Distribuição por Área de Residência

40 Distribuição por área de residência A população reside, maioritariamente, na área urbana 2,5 97,5 Urbana Rural

41 O município da Quissama é apresenta a proporção mais baixa da população em áreas urbanas e o de Luanda e o de Cazenga, respectivamente, as proporção mais alta 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 95,9 73,3 96,8 97,6 97,9 100,0 100,0 4,1 26,7 3,2 2,4 2,1 % da população residente em áreas urbanas aumenta Quissama Icolo e Bengo Belas Cacuaco Viana Cazenga Luanda Urbana Rural

42 Próximos Passos

43 Próximos passos Conclusão das actividades do Inquérito de Cobertura (IC) Conclusão da leitura óptica dos questionários, processamento, crítica e validação dos dados Elaboração de relatórios temáticos e disseminação dos resultados definitivos O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J

44 Muito Obrigado

RESULTADOS PRELIMINARES

RESULTADOS PRELIMINARES RESULTADOS PRELIMINARES RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAÇÃO E HABITAÇÃO - 2014 Resultados Preliminares do Censo 2014 1 FICHA TÉCNICA Director Geral Camilo Ceita Editor Instituto Nacional de Estatística Subcomissão

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS EM ANGOLA. Por: Manuel Quintino Director Nacional de Recursos Hídricos Luanda, 07 de Fevereiro de 2011

RECURSOS HÍDRICOS EM ANGOLA. Por: Manuel Quintino Director Nacional de Recursos Hídricos Luanda, 07 de Fevereiro de 2011 RECURSOS HÍDRICOS EM ANGOLA Por: Manuel Quintino Director Nacional de Recursos Hídricos Luanda, 07 de Fevereiro de 2011 Área, Precipitação Média Annual, Evaporação Potencial e Escoamento Médio Anual Área

Leia mais

Garantia de qualidade dos produtos farmacêuticos :

Garantia de qualidade dos produtos farmacêuticos : Garantia de qualidade dos produtos farmacêuticos : Controlo de humidade e temperatura para boa conservação dos 07. Outubro 2015, Luanda Irene Diogo Farmacêutica Controlo de humidade e temperatura para

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appears e Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Angola Catarina Nunes Agenda Introdução 1 Ficha de Angola:

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO DE AGUAS RESIDUAIS- EXPERIÊNCIA DE ANGOLA,

ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO DE AGUAS RESIDUAIS- EXPERIÊNCIA DE ANGOLA, E ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO DE AGUAS RESIDUAIS- EXPERIÊNCIA DE ANGOLA, 2000-20015 Lucrécio Costa, Katila Ribeiro Direcção Nacional de Águas Ministério de Energia e Águas Governo de Angola Conferência

Leia mais

ANGOLA. Como Melhorar o Acesso à Informação em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, de Junho de 2007

ANGOLA. Como Melhorar o Acesso à Informação em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, de Junho de 2007 SEMINÁRIO e-portuguese Como Melhorar o Acesso à Informação Científica e Técnica T em Saúde nos PALOP S. PAULO, BIREME/OPAS/OMS, 11-15 15 de Junho de 2007 ANGOLA Participantes: Edna Nascimento (Psicóloga)

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (QUIBB-SIIAF)

REPÚBLICA DE ANGOLA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (QUIBB-SIIAF) REPÚBLICA DE ANGOLA INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA (QUIBB-SIIAF) QUESTIONÁRIO DE INDICADORES BÁSICOS DE BEM-ESTAR INQUÉRITO DE BASE DO SISTEMA INTEGRADO DE INQUÉRITOS AOS AGREGADOS FAMILIARES (Projecto)

Leia mais

FUNDAÇÃO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO DIÁLOGO EM FAMÍLIA AGRICULTURA É A BASE E A INDÚSTRIA O FACTOR DECISIVO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO

FUNDAÇÃO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO DIÁLOGO EM FAMÍLIA AGRICULTURA É A BASE E A INDÚSTRIA O FACTOR DECISIVO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO FUNDAÇÃO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO DIÁLOGO EM FAMÍLIA AGRICULTURA É A BASE E A INDÚSTRIA O FACTOR DECISIVO ANTÓNIO AGOSTINHO NETO TEMA: AGRICULTURA FAMILIAR E AGRONEGÓCIO: PRODUÇÃO DE ALIMENTOS E PRODUTOS

Leia mais

II Conferência da Distribuição em Expansão A evolução do sector da Distribuição Moderna em Angola

II Conferência da Distribuição em Expansão A evolução do sector da Distribuição Moderna em Angola II Conferência da Distribuição em Expansão A evolução do sector da Distribuição Moderna em Angola Pedro Miguel Silva, Associate Partner Deloitte Angola Luanda, 12 de Março de 2014 Como tem evoluído a Distribuição

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE REFRIGERAÇÃO (RMP)

PLANO DE GESTÃO DE REFRIGERAÇÃO (RMP) REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE DIRECÇÃO NACIONAL DE GESTÃO DO AMBIENTE UNIDADE NACIONAL DO OZONO PLANO DE GESTÃO DE REFRIGERAÇÃO UNIDADE NACIONAL DO OZONO LUANDA ANGOLA 2010 PLANO DE GESTÃO

Leia mais

INAMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA E GEOFÍSICA

INAMET INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA E GEOFÍSICA ACTUALIZAÇÃO DA PREVISÃO SAZONAL PARA A ÉPOCA 2013/2014 REFERENTE AO PERÍODO DE JANEIRO-FEVEREIRO-MARÇO DE 2014 JANEIRO, 2014 LUANDA-ANGOLA 1 1. INTRODUÇÃO Os peritos da área do clima dos países da Comunidade

Leia mais

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO SUB-SECTOR SECTOR DOS DIAMANTES EM ANGOLA JULHO 2012

OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO SUB-SECTOR SECTOR DOS DIAMANTES EM ANGOLA JULHO 2012 OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS NO SUB-SECTOR SECTOR DOS DIAMANTES EM ANGOLA JULHO 2012 1 ÍNDICE CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA RELANÇAMENTO DO SUBSECTOR DIAMATÍNFERO APÓS A CRISE 2008 INVESTIR NO SUBSECTOR DIAMANTÍFERO

Leia mais

Para que a sua marca chegue ainda mais longe.

Para que a sua marca chegue ainda mais longe. Somos o maior grupo de comunicação privado de Angola. Transversal a vários meios, somos reconhecidos no mercado pelos nossos selos de qualidade, rigor na informação e inovação nos conteúdos. Desde do nosso

Leia mais

Informação útil sobre Angola

Informação útil sobre Angola adso Comunicação Informação útil sobre Angola Este documento e o seu conteúdo são da responsabilidade do autor. A ADSO disponibiliza-o como suporte de informação às potencialidades do mercado angolano.

Leia mais

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS

MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DE QUADROS O PNFQ E O MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR Ministério do Ensino Superior é responsável pela formação de quadros superiores altamente especializados

Leia mais

A bancarização da economia em Angola

A bancarização da economia em Angola ASSOCIAÇÃO ANGOLANA DE BANCOS A bancarização da economia em Angola O que os dados d estatísticos tí ti nos dizem III Fórum de Economia e Finanças 24 de Novembro de 2010 Com a colaboração da: 08 Novembro

Leia mais

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária

Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária Republica de Angola Ministério da Agricultura Instituto dos Serviços de Veterinária REUNIÃO DOS DIRECTORES DE PRODUÇÃO ANIMAL, RECURSOS ANIMAIS EM AFRICA de 14 15 de Abril de 2013 - ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E A QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO

A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E A QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E A QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO TRABALHO DOMÉSTICO DR. Manuel Mbangui CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015 Aumentar a oferta de

Leia mais

Empreendedorismo: Experiências de Angola

Empreendedorismo: Experiências de Angola Empreendedorismo: Experiências de Angola Globalização Resulta Redução do emprego formal Esbarra Visão Empreendedora Exige Necessidade de mudança Mecanismos de Incentivo ao Empreendedorismo Programas do

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DEFINITIVOS DO CENSO 2007

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DEFINITIVOS DO CENSO 2007 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DEFINITIVOS DO CENSO 2007 18 de Novembro, 2009: Dia Africano de Estatística INTRODUÇÃO Nesta apresentação vamos abordar 15 tópicos do Censo 2007 relacionados com: Tamanho e

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS PETRÓLEOS. Informação sobre o Sector de Petróleo e Gás Agosto de 2014

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS PETRÓLEOS. Informação sobre o Sector de Petróleo e Gás Agosto de 2014 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS PETRÓLEOS Informação sobre o Sector de Petróleo e Gás Agosto de 2014 INTRODUÇÃO O presente documento reporta a execução do Sector Petrolífero ao longo do mês de Agosto

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA

SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA Embaixada da República de Angola no Reino Unido da Grã-Bretanha e República da Irlanda do Norte SITUAÇÃO ACTUAL DA EPIDEMIA DO VIH/SIDA EM ANGOLA 22 Dorset Street London W1U 6QY United Kingdom embassy@angola.org.uk;

Leia mais

Maputo, 5 e 6 de Dezembro Unbundling O Caso de Angola

Maputo, 5 e 6 de Dezembro Unbundling O Caso de Angola Maputo, 5 e 6 de Dezembro 2016 Unbundling O Caso de Angola Apresentação de : Eng.º Luís Mourão da Silva Presidente do Conselho de Adminstração do IRSEA 1 Agenda : 1 Os Desafios e Objectivos do Sector Eléctrico

Leia mais

Conheça as candidatas ao título de "Sete Maravilhas de Angola"

Conheça as candidatas ao título de Sete Maravilhas de Angola Conheça as candidatas ao título de "Sete Maravilhas de Angola" por Por Dentro da África - terça-feira, outubro 22, 2013 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/conheca-as-candidatas-ao-titulo-de-sete-maravilhas-de-angola

Leia mais

SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DO INSTITUTO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS

SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DO INSTITUTO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS SITUAÇÃO E PERSPECTIVAS DO INSTITUTO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS Por: Manuel Quintino Director-Geral do Instituto Nacional de Recursos Hídricos 3º Conselho Consultivo do Ministério da Energia e Águas

Leia mais

MERSADEV. www.mersadev.co.ao MERSAGROUP

MERSADEV. www.mersadev.co.ao MERSAGROUP MERSADEV www.mersadev.co.ao MERSAGROUP O QUE NOS DIFERENCIA MÉTODO FLEXÍVEL RESULTADOS FORMAÇÃO 80% PRÁTICA GESTÃO DE PROJECTO QUALITY CONTROL DISPONIBILIDADE QUALQUER HORÁRIO NA SUA EMPRESA 90% DE SATISFAÇÃO

Leia mais

ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2016 UM OLHAR A PROVÍNCIA DE BENGUELA

ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2016 UM OLHAR A PROVÍNCIA DE BENGUELA ORÇAMENTO GERAL DO ESTADO 2016 UM OLHAR A PROVÍNCIA DE BENGUELA Por: Belarmino Jelembi Benguela, 14 de Dezembro de 2015 Índice 1. Questões prévias Objectivos da sessão Conceptualização do OGE O processo

Leia mais

Construir Angola Cimentar Parcerias

Construir Angola Cimentar Parcerias Construir Cimentar Parcerias Aspectos fiscais do investimento português em Rosa Areias em AICCOPN em Tributação das pessoas colectivas principais impostos: Imposto Industrial Imposto sobre a Aplicação

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

Desafios da Regulação Regional

Desafios da Regulação Regional Desafios da Regulação Regional A perspectiva da Movicel no contexto da implementação da nova rede G/ U Carlos Brito Data: 14 de Abril de 2011 Agenda 01. A Movicel no contexto das Telecomunicações Móveis

Leia mais

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111

CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA. Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 CONDIÇÕES FAVORÁVEIS À PROMOÇÃO DO INVESTIMENTO PRIVADO NA AGRICULTURA Lisboa, 20-21 de Janeiro de 20111 Por: António Prata, Director do Departamento de Informação e Relações Internacionais Objectivos

Leia mais

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Paulo Tafner I n st itut o T eot ônio Villela I T V Br a sília N ov embro

Leia mais

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011

ALMADA FICHA TÉCNICA. Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 DMPATO DPU Divisão de Estudos e Planeamento A ALMADA FICHA TÉCNICA Título Território e População Retrato de Almada segundo os Censos 2011 Serviço Divisão de Estudos e Planeamento Departamento de Planeamento

Leia mais

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA República de Angola. Risco político: B (AAA = risco menor; D = risco maior) (1 = risco menor; 7 = risco maior)

PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA República de Angola. Risco político: B (AAA = risco menor; D = risco maior) (1 = risco menor; 7 = risco maior) % % 789.452 % 789.452 1523% 123% 123% 7.% 123.250 123.250 123.250 589 7.1589$ 7.1589$ 7.1589$ 10545k.545k 00.5 00.5 0.545k 545k 10.545 OGE OGE %12 %12 % OGE OGE OGE 123% % $ 1485645 985 985 7.1589$ 458

Leia mais

Trata-se de um município eminentemente rural, onde apenas uma ínfima percentagem

Trata-se de um município eminentemente rural, onde apenas uma ínfima percentagem I.3. População De acordo com o censo 0, osteiros tinha uma população residente de 9.469 habitantes, sendo a projecção para o ano 6, de acordo com os estudos do INE, de 9.806 habitantes. Trata-se de um

Leia mais

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof.

Estado e políticas sociais na América Latina. Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal. Prof. Estado e políticas sociais na América Latina Aula 8 Política social em situações de fragilidade econômica e estatal Prof.: Rodrigo Cantu Crise do Estado de Bem-Estar nos países ricos? Manutenção (ou aumento)

Leia mais

DELIBERAÇÃO SOBRE A RECLAMAÇÃO DA CASA CE. Deliberação n.º / De de SETEMBRO. O Plenário da Comissão Nacional Eleitoral, em conformidade

DELIBERAÇÃO SOBRE A RECLAMAÇÃO DA CASA CE. Deliberação n.º / De de SETEMBRO. O Plenário da Comissão Nacional Eleitoral, em conformidade DELIBERAÇÃO SOBRE A RECLAMAÇÃO DA CASA CE CONVERGÊNCIA AMPLA DE SALVAÇÃO DE ANGOLA COLIGAÇÃO ELEITORAL Deliberação n.º / 20012 De de SETEMBRO O Plenário da Comissão Nacional Eleitoral, em conformidade

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA

BANCO NACIONAL DE ANGOLA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA BANCO NACIONAL DE ANGOLA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA 01 ÍNDICE 1. Missão e Visão 2. 1.ª Etapa - Actividades Estruturantes 2.ª Etapa Acções de Sensibilização 3.ª Etapa Dinamização do Programa

Leia mais

Angola. Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) Principais Resultados

Angola. Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) Principais Resultados Angola Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) 2015-2016 Principais Resultados O Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS 2015-2016) foi realizado pelo Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS DEZ (10) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS DEZ (10) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.africa-union.org CONSELHO EXECUTIVO Décima Segunda Sessão Ordinária

Leia mais

AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS

AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS Dia Mundial da Criança 1 de Junho 30 de Maio de 2005 AS CRIANÇAS EM PORTUGAL - ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS O conteúdo do presente Destaque está alterado na página 2, relativamente ao divulgado em 30-05-2005.

Leia mais

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola

e.mail: anip.caf@multitel.co.ao República de Angola República de Angola 1 FORUM DE NEGOCIOS ANGOLA - ARGENTINA Córdoba, 20 de Mayo de 2010 santprata@hotmail.com 2 Slide 2/2 Quadro Legal sobre o Investimento Garantias ao Investidor Incentivos ao Investimento

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS PETRÓLEOS. Informação sobre o Sector de Petróleo e Gás Fevereiro de 2014

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS PETRÓLEOS. Informação sobre o Sector de Petróleo e Gás Fevereiro de 2014 REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DOS PETRÓLEOS Informação sobre o Sector de Petróleo e Gás Fevereiro de 2014 INTRODUÇÃO O presente documento reporta a execução do Sector Petrolífero ao longo do mês de Fevereiro

Leia mais

notas e informações 161

notas e informações 161 notas e informações 161 162 Administração, n.º 7, vol. III, 1990-1.º, 163-166 OS CENSOS, SUA INTEGRAÇÃO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA João Carlos Neves* O objectivo deste texto é enquadrar os Censos

Leia mais

89$ 15% k OGE 15% 100% 123% 12 00% k k 100% %100% 7.5% ANGOLA OVERVIEW 589$ k PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA

89$ 15% k OGE 15% 100% 123% 12 00% k k 100% %100% 7.5% ANGOLA OVERVIEW 589$ k PERSPECTIVAS ECONÓMICAS PARA $ MI FMI 15 FMI 89.45 789.45 89.452 789.452 789.45 123% 123% 123% % 00% 00% 300% 300% 300 00% 23% % 15 15 7.5% 7.5%.5% 7.5% 7.5% 7.5% 7.1 9$ 7.1589 7.1589 7.1 123.250 123.250.250 89$ 89$ 10.545k 10.545k

Leia mais

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO ZIKA VIRUS RELATÓRIO DA SITUAÇÃO FEBRE AMARELA 26 DE MAIO DE 2016 RESUMO No final de Dezembro de 2015, foi detectado em Luanda, Angola, um surto de febre amarela. Os primeiros casos foram confirmados pelo

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO INTRODUÇÃO Em obediência ao despacho de missão número 0164/03/GPAN/2013, exarado por Sua Excelência

Leia mais

Projeto Twendela kumwe 1

Projeto Twendela kumwe 1 Avaliação Intercalar Ano 1 Janeiro 2011 - Janeiro 2012 Projeto Twendela kumwe 1 - Capacitação Institucional da Cáritas de Angola - SUMÁRIO EXECUTIVO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INTERCALAR - ANO 1 [01 DE JANEIRO

Leia mais

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO

RELATÓRIO DA SITUAÇÃO 4BABAY ZIKA VIRUS RELATÓRIO DA SITUAÇÃO FEBRE AMARELA 2 DE SETEMBRO DE 2016 PRINCIPAIS ATUALIZAÇÕES Informação atualizada sobre a situação epidemiológica em Angola (até 25 de Agosto): o Não há novos casos

Leia mais

UNTA-CONFEDERAÇÃO SINDICAL COMUNICADO FINAL

UNTA-CONFEDERAÇÃO SINDICAL COMUNICADO FINAL 1 UNTA-CONFEDERAÇÃO SINDICAL IV CONFERÊNCIA DO COMITÉ NACIONAL DA MULHER SINDICALIZADA COMUNICADO FINAL Aos dias 21 do mês de Setembro de 2015, realizou-se na sala de Reuniões do Futungo II, a IV Conferência

Leia mais

Taxa de variação da população residente ( ) (%) por Local de residência

Taxa de variação da população residente ( ) (%) por Local de residência Taxa de variação da população residente (1991-2001) (%) Taxa de variação da população residente (1991-2001) (%) por Local de residência [(População residente 2001 - População residente 1991)/ População

Leia mais

Angola. Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) Relatório de Indicadores Básicos

Angola. Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) Relatório de Indicadores Básicos Angola Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) 2015-2016 Relatório de Indicadores Básicos Angola Inquérito de Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) 2015-2016 Relatório de Indicadores Básicos

Leia mais

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho

DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS. Carlos Nadalutti Filho DIÁLOGO LATINOAMERICANO SOBRE LAS MEJORES PRÁCTICAS EN EL DESARROLLO DE GRANDES CENTRALES HIDROELÉCTRICAS 22.11.2011 - Tucuruí,, Brasil Carlos Nadalutti Filho APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE CAPANDA Início:

Leia mais

República de Angola Ministério da Juventude de Desportos Instituto Angolano da Juventude

República de Angola Ministério da Juventude de Desportos Instituto Angolano da Juventude República de Angola Ministério da Juventude de Desportos Instituto Angolano da Juventude CONTEÚDOS 1.Sumário do Projecto 3 2. Parceiros & Entidades Implementadoras 3 2.1 Titular do Projecto 3 2.2 Parceiros

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE 40 ANOS DO SERVIÇO NACIONAL DE SAUDE Luanda, 06 Outubro de 2015 PLANO DE APRESENTAÇÃO Caracterização geográfica, demográfica e administrativa de Angola Evolução

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ECONÓMICO DE Alves da Rocha

APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ECONÓMICO DE Alves da Rocha APRESENTAÇÃO DO RELATÓRIO ECONÓMICO DE 2013 Alves da Rocha Luanda, 11 de Junho de 2014 A EQUIPA Alves da Rocha - Coordenador Regina Santos João Fonseca Carlos Leite Fernando Pacheco Ana Duarte (Instituto

Leia mais

Ministério da Agricultura ESTUDO DO IMPACTO DO VIH NA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR

Ministério da Agricultura ESTUDO DO IMPACTO DO VIH NA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR Ministério da Agricultura ESTUDO DO IMPACTO DO VIH NA AGRICULTURA E SEGURANÇA ALIMENTAR Apresentação dos resultados Página 1/7 Sumário Executivo Introdução: Angola possui um potencial agro-pecuário, com

Leia mais

458=5 100% 458= $ % % 7.5% 7.5% 7.5% 458=5 458=5 7.5% 123% %12 OGE 100% 100% FMI 15% 458=5 100% 100% 15% 458=5 458=5. 545k. 0.

458=5 100% 458= $ % % 7.5% 7.5% 7.5% 458=5 458=5 7.5% 123% %12 OGE 100% 100% FMI 15% 458=5 100% 100% 15% 458=5 458=5. 545k. 0. % % 789.452 % 789.452 1523% 123% 123% 7.% 123.250 123.250 123.250 589 7.1589$ 7.1589$ 7.1589$ 10545k.545k 00.5 00.5 0.545k 545k 10.545 %12 %12 % 123% % $ 1485645 985 985 7.1589$ 458 45=5 356 2568 256 PERSPECTIVAS

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Sistema de Registo Civil

Sistema de Registo Civil Sistema de Registo Civil Junho de 2012 1 Director Geral Camilo Ceita Editor Instituto Nacional de Estatística Rua Ho-Chi-Min Caixa Postal nº 1215 Tel. (+244) 938 217 557 Luanda Angola www.ine.gov.ao Impressão

Leia mais

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10)

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) IDH País Pontuação Esperança de vida (anos) Média de anos de Anos de esperados RNBpc PPC em USD 2008 Posição no RNBpc menos

Leia mais

ÍNDICE. Prefácio. História. Divisão Política e Administrativa. Dados Gerais 13. População e Habitação. Educação. Economia

ÍNDICE. Prefácio. História. Divisão Política e Administrativa. Dados Gerais 13. População e Habitação. Educação. Economia ÍNDICE Prefácio 2 História 5 Divisão Política e Administrativa 9 Dados Gerais 13 Clima 17 População e Habitação 21 Educação Saúde 33 Economia 27 41 Angola em Números 2015 Prefácio A ideia de publicar,

Leia mais

DOTAÇÃO ORÇAMENTAL POR ORGÃO

DOTAÇÃO ORÇAMENTAL POR ORGÃO Página : 76 Órgão: 311 - Despesas Com O Pessoal Civil 321 - Contribuições Do Empregador Para A Segurança Social 331 - Bens 332 - Serviços 352 - Transferencias Correntes 411 - Aquisição De Bens De Capital

Leia mais

Diáspora Portuguesa em

Diáspora Portuguesa em Diáspora Portuguesa em Angola (2002/12) Conferência Internacional CIES-IUL, Instituto Universitário de Lisboa Emigração portuguesa contemporânea 12 Março 2014 Carlos Sangreman e Maria Sousa Galito Índice

Leia mais

A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA. Maputo, Dezembro de 2015

A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA. Maputo, Dezembro de 2015 MINISTÉRIO DO GÉNERO, CRIANÇA E ACÇÃO SOCIAL A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA Maputo, Dezembro de 2015 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. Introdução; 2. Situação

Leia mais

DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO

DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA DISCIPLINA: SOCIOLOGIA E ÉTICA Curso de Zootecnia DEFINIÇÕES DE RURAL E URBANO MAIO 2017 Definição sociológica de rural: é um espaço

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE República de Angola MINISTÉRIO DO AMBIENTE PLANO DE ACÇÃO NACIONAL SOBRE MARFIM NIAP 2015-2016 12 de Fevereiro de 2015 0 Abreviatura: DINIC DIPIC DNB DNF IDF INBAC INTERPOL ME MINHOTUR MINJDH NIAP UNODEC

Leia mais

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014

ORÇAMENTO CIDADÃO 2014 ORÇAMENTO CIDADÃO 214 Um compromisso do Governo com o Cidadão República de Angola Ministério das Finanças ORÇAMENTO CIDADÃO 214 O que é o PND? O Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 213-217, elaborado

Leia mais

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho

LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho LEI DE INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS AO INVESTIMENTO PRIVADO Lei nº 17 / 03 de 25 de Julho a) Critérios de Aplicação sector de actividade zonas de desenvolvimento zonas económicas especiais b) Objectivos

Leia mais

BPI. Global - previsões económicas revistas em baixo mais uma vez. E.E.F. Mercados Financeiros Novembro Economias

BPI. Global - previsões económicas revistas em baixo mais uma vez. E.E.F. Mercados Financeiros Novembro Economias E.E.F. Mercados Financeiros Novembro Global - previsões económicas revistas em baixo mais uma vez A Comissão Europeia divulgou recentemente as previsões para as principais economias mundiais, com especial

Leia mais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais

Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais 1 Objetivos Evolução e diversidade nas famílias monoparentais Quais as mudanças e as continuidades ocorridas nestas famílias entre 1991-2011? Qual o impacto das mudanças na conjugalidade e na parentalidade,

Leia mais

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010

NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 NOTÍCIAS ETENE 04 DE MAIO DE 2011 RESULTADOS DO CENSO 2010 População brasileira cresce quase 20 vezes desde 1872 A população do Brasil alcançou a marca de 190.755.799 habitantes na data de referência do

Leia mais

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO 1 Operações de investimento estrangeiro (%) Outros investimentos 2 Processo de investimento externo Reinvestimento externo ETAPAS DE INVESTIMENTO 3 INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS

Leia mais

Geografia 8.º. População e povoamento - 1

Geografia 8.º. População e povoamento - 1 Geografia 8.º População e povoamento - 1 GRUPO I A figura 1 representa as fases da evolução da população mundial, entre o ano 500 e 2050* (*estimativa). A figura 2 representa a repartição da taxa bruta

Leia mais

AS CIDADES EM NÚMEROS

AS CIDADES EM NÚMEROS CD-ROM As Cidades em Números 2000-2002 17 de Junho de 2004 AS CIDADES EM NÚMEROS Caracterizar e quantificar o conhecimento sobre as actuais 141 cidades portuguesas, espaços que, cada vez mais, concentram

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento do Sector de Abastecimento de Água em Angola. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa LUCRÉCIO COSTA

Estratégia de Desenvolvimento do Sector de Abastecimento de Água em Angola. 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa LUCRÉCIO COSTA 1.º Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa A Engenharia como fator decisivo no processo de desenvolvimento" Estratégia de Desenvolvimento do Sector de Abastecimento de Água em Angola LUCRÉCIO COSTA

Leia mais

CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A "Zona D"

CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A Zona D CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE ÁFRICA COORDENAÇÃO INTER-REGIONAL PARA SEGURANÇA MARÍTIMA CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A "Zona D" YAOUNDÉ / 11-14 de julho de 2017 Comandante Cyrille Serge

Leia mais

ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE 14 15 DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE Por : Manuel MAIDI Abolia, Chefe do Departamento de Produção, Tecnologia e Industria Animal do ISV 1 -

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA FAMÍLIA E PROMOÇÃO DA MULHER COMUNICADO FINAL

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA FAMÍLIA E PROMOÇÃO DA MULHER COMUNICADO FINAL REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA FAMÍLIA E PROMOÇÃO DA MULHER 18ª ª SESSÃO DO CONSELHO NACIONAL DA FAMÍLIA COMUNICADO FINAL Realizou-se nos dias 14 e 15 de Maio de 2015, na cidade de Luanda, no Auditório

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE DIVULGAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA NOS MUNICÍPIOS DA PROVÍNCIA DE LUANDA

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL PROGRAMA DE DIVULGAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA NOS MUNICÍPIOS DA PROVÍNCIA DE LUANDA REPÚBLICA DE ANGOLA PROGRAMA DE DIVULGAÇÃO DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE ANGOLA NOS MUNICÍPIOS DA PROVÍNCIA DE LUANDA N.º DATA DELEGAÇÃO MUNICIPIO ACTIVIDADE 1 FRANCISCO DE CASTRO MARIA- RUTH ADRIANO

Leia mais

ANÚNCIO PÚBLICO. Cursos Legalmente Criados nas Instituições de Ensino Superior Públicas

ANÚNCIO PÚBLICO. Cursos Legalmente Criados nas Instituições de Ensino Superior Públicas RPÚBLICA D ANGOLA MINISTÉRIO DO NSINO SUPRIOR INSTITUTO NACIONAL D AVALIAÇÃO, ACRDITAÇÃO RCONHCIMNTO D STUDOS DO NSINO SUPRIOR (INAARS) ANO ACADÉMICO 2016 II SPCIAL NSINO SUPRIOR JORNAL D ANGOLA Sexta-feira,

Leia mais

Manteigas em Números. Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte. Território. População

Manteigas em Números. Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte. Território. População Designação do indicador Valor Unidade Ano Fonte Território Área total 122 km 2 2012 INE Anuário Estatístico da Região Centro - 2012 Perímetro 65 km2 2012 INE Anuário Estatístico da Região Centro - 2012

Leia mais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais

NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais ------------------ NTRODUÇÃO ======================================= 1. 1 Considerações Iniciais A ANIP Agência Nacional para o Investimento Privado é o órgão do Governo encarregue da execução, coordenação,

Leia mais

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA

INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME: ANGOLA 12 de Junho de 2013 Índice REGIME DO INVESTIMENTO ESTRANGEIRO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA ESTRANGEIRA OU DE GESTÃO REGIME CAMBIAL SISTEMA FISCAL Regime

Leia mais

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento

POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal. Módulo 3 Incentivos ao investimento POST CONFERENCE WORKSHOP PRIMEIRA PARTE Enquadramento Legal, Regulamentar, Burocrático e Fiscal Módulo 3 Incentivos ao investimento 5 de Julho de 2012 1 Sumário UMA SOCIEDADE DE ADVOGADOS DE REFERÊNCIA,

Leia mais

ANGOLA E A SUA MODERNIZAÇÃO AEROPORTUÁRIA

ANGOLA E A SUA MODERNIZAÇÃO AEROPORTUÁRIA ANGOLA E A SUA MODERNIZAÇÃO AEROPORTUÁRIA 4ª Conferência de Aeroportos da China e dos Países de Língua Empresa Nacional de Exploração de Aeroportos e Navegação Aérea E.P. 1 ANGOLA UM PAÍS EM FRANCO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010

Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010 Consumo de Energia no Sector Doméstico 20 Julho de 2011 2010 (1) Resultados Preliminares do Inquérito ao Consumo de Energia no Sector Doméstico 2010 Em Portugal assistiu-se a uma alteração dos hábitos

Leia mais

III. A Comissão Nacional Eleitoral

III. A Comissão Nacional Eleitoral III. A Comissão Nacional Eleitoral 1. Papel da Comissão Nacional Eleitoral 1.1 Nos termos do Art.º 154º da Lei Constitucional (Lei Nº 6/05, de 10 de Agosto), a Comissão Nacional Eleitoral (CNE) é o órgão

Leia mais

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade de Ciência e Tecnologia

UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Faculdade de Ciência e Tecnologia DEFESA DE TESE DE DOUTORAMENTO O Governo Electrónico Local no Contexto de Angola: Proposta de um Modelo Conceptual Aluno: Pereira Alfredo

Leia mais

-Divulgar a fim de dar visibilidade ao inquérito e conseguir o feedback

-Divulgar a fim de dar visibilidade ao inquérito e conseguir o feedback Objectivos Gerais da Campanha de sensibilização A Campanha visará informar, divulgar e mobilizar as famílias cabo-verdianas para o Inquérito às Despesas e Receitas Familiares, a fim de conseguir informações

Leia mais

Clique para editar o estilo

Clique para editar o estilo BACIAS HIDROGRÁFICAS DA REPÚBLICA DE ANGOLA Manuel Quintino Director-Geral do Instituto Nacional de Recursos Hídricos Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE ENERGIA E ÁGUAS

Leia mais

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES AS ENERGIAS RENOVÁVEIS EM ANGOLA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Engª Sandra Cristóvão Directora Nacional de Energias Renováveis Ministério da Energia e Águas Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

e Habitação RGPH 2010

e Habitação RGPH 2010 Instituto t Nacional de Estatística tí ti Gabinete do Recenseamento Geral da População e Habitação RGPH 2010 Resultados preliminares do recenseamento Praia, 24 de Setembro de 2010 População de cabo Verde

Leia mais

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado

Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Investir em Angola A nova Lei do Investimento Privado Aprovação da nova Lei do Investimento Privado em Angola Lei nº 14/15, de 11 de Agosto Investimento Privado Para efeitos da presente Lei, considera-se

Leia mais

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário

Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário 1º ENCONTRO LUSO-ANGOLANO DE ECONOMIA, SOCIOLOGIA E DESENVOLVIMENTO RURAL Valorização Energética dos Resíduos Derivados do Sector Pecuário BIAVANGA GUEVARA ZIONE 16 a 18 de Outubro de 2008, Universidade

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA 2ª COMISSÃO COMISSÃO DE DEFESA, SEGURANÇA NACIONAL E ORDEM INTERNA

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA 2ª COMISSÃO COMISSÃO DE DEFESA, SEGURANÇA NACIONAL E ORDEM INTERNA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DA 2ª COMISSÃO COMISSÃO DE DEFESA, SEGURANÇA NACIONAL E ORDEM INTERNA Após as eleições gerais de 2008 e indicado os Deputados pelo Partido com assento no Parlamento, constituiu-se

Leia mais

BANCOS COMERCIAIS AUTORIZADOS

BANCOS COMERCIAIS AUTORIZADOS BANCOS COMERCIAIS AUTORIZADOS NOME SIGLA N.º DE REGISTO 1 BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, S.A. BAI 40 2 BANCO YETU, S.A. YETU 66 3 BANCO ANGOLANO DE NEGÓCIOS E COMÉRCIO, S.A. BANC 53 4 BANCO BAI MICRO

Leia mais

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.

Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG. Projecto de Apoio Institucional aos Sectores de Águas e Saneamento no âmbito do 10º Fundo Europeu de Desenvolvimento (10.ACP.ANG.01) PAISAS VISÃO GERAL - 1 COMPONENTES - Informação Chave do Projecto ConMngências

Leia mais

Acesso à informação estatística oficial para fins de investigação científica. Jose A. PINTO MARTINS Diretor do Serviço de Difusão

Acesso à informação estatística oficial para fins de investigação científica. Jose A. PINTO MARTINS Diretor do Serviço de Difusão Acesso à informação estatística oficial para fins de investigação científica Jose A. PINTO MARTINS Diretor do Serviço de Difusão POLITICA DE DIFUSÃO DO INE ( ) As estatísticas oficiais são um bem público,

Leia mais

Índice. Aquisições da nacionalidade portuguesa (Nº), por tipo de aquisição e sexo,

Índice. Aquisições da nacionalidade portuguesa (Nº), por tipo de aquisição e sexo, Índice Processos Entrados e Findos de Concessão de Nacionalidade Portuguesa, de 2007 a 2011, por Artigo da Lei da Nacionalidade (Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro alterada e republicada pela Lei Orgânica

Leia mais