QUESTÕES PROPOSTAS RESOLUÇÃO POR ETAPAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUESTÕES PROPOSTAS RESOLUÇÃO POR ETAPAS"

Transcrição

1 13 Síntese do amoníaco e balanço energético Pág 167A 4 (C) 5 (D) O saldo energético é apenas de (-760) 6 kj/mol Pág 167B 61 CH 4 + O " H O + CO H + O " H O C OH (l) + 3 O " 3 H O + CO 61 Determinar a massa de metano E libertada n(ch 4 ) E libertada pela combustão de uma mol de metano 5400 n(ch 4 ) n(ch 4 ) 6,00 mol 900 (CH 4 ) A r (C) + 4 A r (H) (CH 4 ) (CH 4 ) 16,05 ± M(CH 4 ) 16,05 g mol -1 m(ch 4 ) n(ch 4 ) M(CH 4 ) m(ch 4 ) 6,00 16,05 m(ch 4 ) 96,3 g Determinar a massa de hidrogénio E libertada ) E libertada pela combustão de uma mol de hidrogénio 5400 ) ) 0,0 mol 70 (H ) A r (H) (H ) 1 (H ),0 ± M(H ),0 g mol -1 m(h ) ) M(H ) m(h ) 0,0,0 m(h ) 40,4 g Determinar a massa de álcool etílico 5400 n(c OH) n(c OH) 4,000 mol 1350 (C OH) A r (0) + A r (C) + 5 A r (H) (C OH) 16, (C OH) 46,08 M(C OH) 46,08 g mol -1 m(c OH) n(c OH) M(C OH) m(c OH) 4,000 46,08 m(c OH) 184,3 g Concluir, com base nos cálculos efetuados, qual o combustível mais económico O combustível mais económico é o hidrogénio pois é aquele que necessita de menor massa para libertar a mesma energia 6 Determinar a massa molar do CO (CO ) A r (C) + A r (O) (CO ) ,00 (CO ) 44,01 ± M(CO ) 44,01 g mol -1 Determinar a massa de CO libertada quando se produzem 5400 kj por combustão de 6 mol de CH 4 Tendo em consideração a equação química que traduz a reação de combustão do metano CH 4 + O " CO + H O e sabendo que n(ch 4 ) 6,00 mol, pode estabelecer-se que n(co ) n(ch 4 ) n(co ) 6,00 mol m(co ) n(co ) M(CO ) m(co ) 6,00 44,01 m(co ) 64,06 g Determinar a massa de CO libertada quando se produzem 5400 kj por combustão de 0 mol de H Tendo em consideração a equação química que traduz a reação de combustão do hidrogénio: H + O " H O e sabendo que ) 0,0 mol, pode estabelecer-se que n(co ) 0 mol, já que a combustão de H não produz CO Determinar a massa de CO libertada quando se produzem 5400 kj por combustão de 4 mol de C OH Tendo em consideração a equação química que traduz a reação de combustão do álcool etílico: C OH + 3 O " CO + 3 H O e sabendo que n(c OH) 4,000 mol, pode estabelecer-se que n(co ) n(c OH) n(co ) 4,000 n(co ) 8,000 mol m(co ) n(co ) M(CO ) m(co ) 8,000 44,01 m(co ) 35,1 g Concluir, a partir dos cáculos efetuados, qual o combustível mais poluente O combustível mais poluente é aquele que liberta maior quantidade e, consequentemente maior massa, de CO, ou seja, é o C OH 14 B Produção industrial de amoníaco Pág 179A 11 N Tetraóxido de diazoto NO Dióxido de azoto 1 Averiguar em que sentido o sistema vai evoluir para atingir equilíbrio

2 " NO 1,50 início/mol ariação -x +x 1,50 - x x equilíbrio/mol Determinar a quantidade de NO quando se atinge o equilíbrio n(no [NO n(no [NO n(no 0,050,0 n(no 0,100 mol Determinar a quantidade x x 0,100 mol x 0,0500 mol Determinar a quantidade de N quando se atinge o equilíbrio n(n 1,50-0,050 n(n 1,45 mol Determinar a massa de N presente quando se atinge o equilíbrio (N ) A r (N) + 4 A r (O) (N ) 14, ,00 (N ) 9,0 M(N ) 9,0 g mol -1 m(n ) n(n ) M(N ) m(n ) 1,45 9,0 m(n ) 1,3 10 g A massa de N quando se atinge o equilíbrio é 1,3 10 g 13 Determinar as quantidades de N e NO m(n 1,84 n(n n(n M(N ) 9,0 n(n 0,00 mol (NO ) A r (N) + A r (O) (NO ) 14, ,00 (NO ) 46,01 M(NO ) 46,01 g mol -1 m(no 0,46 n(no n(no M(NO ) 46,01 n(no 0,010 mol Determinar as concentrações de N e NO n(n 0,00 [N [N 0,500 [N 0,040 mol dm -3 n(no [NO 0,010 [NO 0,500 [NO 0,00 mol dm -3 Determinar K C nestas condições [NO (0,00) K C K C K C 0,010 [N 0,040 Determinar a temperatura em graus Celsius q( C) T(K) 73,15 q( C) 33,15 73,15 q( C) 50,00 C De acordo com os dados fornecidos, a esta temperatura 0,00 Como o valor de calculado é diferente de 0,00, no caso em estudo q( C) 0 50 C 141 Determinar para cada experiência o valor do quociente da reação [NO ] Q [N ] () Experiencia 1: Q Q 0,33 3,0 (,0) Experiencia : Q Q 0,50 8,0 (4,0) Experiencia 3: Q Q 4,0 4,0 Avaliar para cada experiência se o sistema se encontra em equilíbrio e, caso não se encontre, averiguar em que sentido evolui para atingir o equilíbrio Experiência 1: Q <, logo o sistema não se encontra em equilíbrio Para que se atinja um estado de equilíbrio, o quociente da reação terá de aumentar até igualar Tal verifica-se quando as concentrações dos produtos aumentam e as dos reagentes diminuem, isto é, quando o sistema progride no sentido direto Experiência : Q O sistema está em equilíbrio Experiência 3: Q >, logo o sistema não se encontra em equilíbrio Para que se atinja um estado de equilíbrio, o quociente da reação terá de diminuir até igualar Tal verifica-se quando as concentrações dos produtos diminuem e as dos reagentes aumentam, isto é, quando o sistema progride no sentido inverso 14 (A) De acordo com os resultados do item anterior: Na experiência 1, o sistema evolui no sentido direto até atingir o equilíbrio, instante em que Q, o que implica aumento da [NO ] 3

3 e diminuição da [N ] Assim, a alternativa D é falsa, já que evidencia para a experiência 1 aumento de [NO [N ] Na experiência, o sistema já se encontra em equilíbrio pelo que a [NO a [N ] não sofrem alteração A opção C é falsa, já que sugere diminuição da [NO aumento da [N ]; Na experiência 3, o sistema evolui no sentido inverso até atingir o equilíbrio, instante em que Q, o que implica diminuição da [NO ] e aumento da [N ] Assim, a opção D é falsa, já que evidencia para a experiência 1 aumento da [NO diminuição [N ] erificação das condições da opção A: Determinar Q nestas condições (1,) Q Q 0,50 ± A opção A é a,9 correta 11 Determinar para as condições iniciais o quociente da reação [CO ] [H ] Q [CO] [H O] hco k hh k j m j m Q hcok hh Ok j m j m 3,0 3,0 Q Q 9,0 Q >, logo o sistema não se encontra em equilíbrio Para que um estado de equilíbrio seja atingido, Q terá de diminuir até igualar, o que se verifica quando as concentrações de produtos da reação diminuem e as de reagentes aumentam, isto é, quando o sistema evolui no sentido inverso Este evoluir no sentido inverso com aumento das concentrações de reagentes e diminuição da concentração dos produtos da reação, significa que a rapidez de formação de reagentes é maior que a sua rapidez de consumo, o que se traduz numa maior rapidez da reação no sentido inverso 1 Averiguar em que sentido o sistema vai evoluir para atingir equilíbrio início/mol [CO [H [CO [H O CO + H O CO + H 3,0 3,0 ariação +x +x -x -x equilíbrio/mol + x + x 3,0 - x 3,0 - x n(co n(co O n(co n(co O (3,0 - x) (3,0 - x) ( + x) ( + x) 0, (3,0 - x) 0,316 ( + x) 0,316( + x) (3,0 - x) 0, ,316 x 3,0 - x,684 1,316 x,684 x x,04 1,316 Determinar as quantidades de cada constituinte quando se atinge o equilíbrio n(co 3,0 -,04 0,96 mol n(co 0,96 mol O n(co O +,04 O 3,04 mol n(co 3,04 mol Determinar as concentrações de cada constituinte quando se atinge o equilíbrio [H [CO porque n(co 0,96 [H [H [H 0,96 mol dm -3 [CO 0,96 mol dm -3 [H O [CO porque O n(co O 3,04 [H O [H O [H O 3,0 mol dm -3 [CO 3,0 mol dm -3 4

4 Depois de atingido o equilíbrio à temperatura de 450 C, as concentrações são 0,96 mol dm -3 para o hidrogénio e para o dióxido de carbono e têm o valor de 3,0 mol dm -3 para a água e o monóxido de carbono (C) Averiguar em que sentido o sistema vai evoluir para atingir equilíbrio início/mol [CO [H [CO [H O CO + H O CO + H y y 0 0 ariação -x -x +x +x equilíbrio/mol y - x y - x x x n(co n(co O n(co x n(co O (y - x) (A) Alternativa incorreta A 50 C, 0,08, pelo que as concentrações e as respetivas quantidades de CO e H no equilíbrio são menores que as concentrações e respetivas quantidades de CO e H O no equilíbrio Assim, os compostos que predominam no equilíbrio são o CO e a H O (B) Alternativa incorreta A 950 C, 1,80, pelo que as concentrações e as respetivas quantidades de CO e H no equilíbrio são maiores que as concentrações e respetivas quantidades de CO e H O no equilíbrio Assim, os compostos que predominam no equilíbrio são o CO e H (C) Alternativa correta A 850 C, 0, x pelo que 0 (y - x) x (y - x) x (y - x ) x y - x y x Assim, como y x, y - x x Deste modo: n(co n(co O x Assim, como todos os gases existem em quantidades iguais, as suas concentrações também vão ser iguais (D) Alternativa incorreta Pois de acordo com os dados da tabela, aumenta com o aumento da temperatura 3 A afirmação é falsa Nos dois casos, o aumento de temperatura conduz a um aumento da constante de equilíbrio, pelo que os dois processos são favorecidos por um aumento de temperatura Assim, não é possível um ser endotérmico e o outro exotérmico De acordo com os dados da tabela, a constante de equilíbrio da reação " NO aumenta com o aumento de temperatura Tal significa que o aumento de temperatura leva o sistema a evoluir no sentido direto diminuindo a concentração dos reagentes e aumentando a concentração dos produtos da reação Assim, pode dizer-se que o aumento de temperatura favorece a reação no sentido direto Dado que neste sentido ocorre consumo de energia, o processo é endotérmico De acordo com os dados da tabela, a constante de equilíbrio da reação CO + " CO + H também aumenta com o aumento de temperatura, pelo que também será um processo endotérmico 15 Controlo da produção industrial de amoníaco Pág 184A 41 (B) (A) ariações de pressão não constituem perturbação para este sistema uma vez que evolui dos reagentes para os produtos sem que ocorra variação da quantidade química existente na fase gasosa (B) Ao diminuir a temperatura, o sistema vai reagir de modo a contrariar a perturbação a que foi sujeito, evoluindo no sentido da reação que ocorre com libertação de energia Uma vez que DH < 0, o sistema é exotérmico no sentido direto (evolui no sentido direto com libertação de energia) Assim, a diminuição de temperatura conduz a uma evolução do sistema no sentido direto, com o consequente aumento da quantidade de produtos e diminuição da quantidade de reagentes, o que conduz a um aumento do valor da constante de equilíbrio 5

5 (C) Se a concentração de CO aumentar por adição CO, o sistema vai evoluir no sentido direto de forma a contrariar a perturbação a que foi sujeito, consumindo CO Porém, como a temperatura não variou, a constante de equilíbrio também se manterá inalterada (D) A adição de um catalisador não afeta a posição equilíbrio, apenas altera a velocidade da reação fazendo que o intervalo de tempo que demora a ser atingido seja diferente (maior ou menor consoante o tipo de catalisador usado) Assim, não havendo alteração de temperatura não haverá alteração da constante de equilíbrio Nota: Independentemente das reações, a única perturbação que faz variar o valor da constante de equilíbrio é a temperatura 4 Afirmação falsa Alterações de pressão não influenciam a posição de equilíbrio deste sistema, pois evolui dos reagentes para os produtos da reação sem variação da quantidade química contida na fase gasosa 5 (C) De acordo com o gráfico, verifica-se que para a mesma pressão, a percentagem de Z na amostra é tanto maior quanto menor for a temperatura Daqui se constata que o sistema tende a evoluir no sentido direto com a diminuição de temperatura Para contrariar a diminuição de temperatura, o sistema evolui no sentido que ocorre com libertação de energia, ou seja, sentido da reação exotérmica Pelo que se conclui que a reação é exotérmica no sentido direto Por outro lado, também se verifica que para a mesma temperatura, a percentagem de Z na amostra é tanto maior quanto maior for a pressão Assim, pode concluir-se que o sistema tende a evoluir no sentido direto com o aumento de pressão O sistema progride dos reagentes para os produtos com diminuição da quantidade química contida na fase gasosa, pelo que a + b > c 61 Quando se elevou a temperatura de 400 C para 940 C, a concentração de HI diminuiu e as de I e H aumentaram, pelo que o sistema evolui no sentido inverso Quando se aumenta a temperatura de um sistema em equilíbrio, este, de forma a contrariar a perturbação a que foi sujeito, reage no sentido da reação endotérmica (Princípio de Le Châtelier) Neste caso, a reação é endotérmica no sentido inverso, pelo que a reação de formação de HI (aquela que ocorre no sentido direto) será exotérmica 6 (D) O instante t 4 corresponde ao estabelecimento do primeiro estado de equilíbrio (o equilíbrio a 400 C), pois é o instante a partir do qual (e até t 5 ) a concentração de reagentes e de produtos da reação não varia O instante t 1 é o único em que as concentrações de reagentes e produtos se igualam, isto é, têm o mesmo valor O instante t 6 corresponde ao estabelecimento do segundo estado de equilíbrio, pois é o instante a partir do qual a concentração de reagentes e de produtos deixa de variar O instante t 5 corresponde ao efetuar de uma perturbação, pois até esse momento o sistema encontrava-se em equilíbrio, já que as concentrações dos seus constituintes não variavam e a partir dele as concentrações começam a variar, atingindo-se novo estado de equilíbrio no instante t 6 63 Determinar a concentração de HI e de I, no primeiro estado de equilíbrio, por leitura gráfica Como já foi referido em 6, a 400 C, o sistema entra em equilíbrio no instante t 4 mantendo-se nesta condição até ao instante t 5 [I 0,00 mol dm -3 e [HI 0,160 mol dm -3 Determinar a concentração H no primeiro estado de equilíbrio Tendo em conta a estequiometria da reação, verifica-se que a quantidade de iodo (I de hidrogénio (H ) consumidas até se atingir o estado de equilíbrio é igual A quantidade inicial de H e I também era igual Assim, quando se atinge o equilíbrio as quantidades de H e I serão iguais e as respetivas concentrações também [I e [H e [H q 0,00 mol dm -3 Apresentar a expressão da constante de equilíbrio [HI [I [H Determinar o valor numérico de 0, ,00 0,00 Nestas condições, a constante de equilíbrio da reação,, é 64 6

6 64 (D) Determinar a concentração de HI e de I, no instante t, por leitura gráfica [I ] 0,030 mol dm -3 e [HI] 0,140 mol dm -3 Determinar, no mesmo instante a concentração de H Tendo em conta a estequiometria da reação, verifica-se que a quantidade de iodo (I de hidrogénio (H ) consumidas até se atingir o instante t é igual A quantidade inicial de H e I também era igual Assim, quando se atinge o instante t, as quantidades de H e I serão iguais e as respetivas concentrações também [I ] [H ] [H ] 0,030 mol dm -3 Determinar no mesmo instante o quociente da reação [HI] 0,14 Q Q [I ] [H ] 0,030 0,030 Q 1,8 Relacionar o valor encontrado para o quociente da reação com o da constante de equilíbrio à mesma temperatura Como nesse instante a temperatura é 400 C, a constante de equilíbrio para essa temperatura é 64 erifica-se que Q < pelo que o sistema não se encontra em equilíbrio Para que uma situação de equilíbrio seja atingida, o sistema terá de evoluir de forma a permitir que o valor numérico de Q aumente até igualar a, a essa temperatura Para que tal se verifique, as concentrações dos produtos têm de aumentar e as dos reagentes diminuir, o que se verifica quando o sistema evolui no sentido direto 65 A partir do gráfico, pode verificar-se que, quando a temperatura aumentou de 400 C para 940 C, o sistema evolui no sentido inverso dado que as concentrações de reagentes aumentaram e a do produto da reação diminuiu Tendo em consideração a expressão da constante de equilíbrio, [HI, facilmente [I [H se depreende que tal implica uma diminuição da constante de equilíbrio Assim, a 940 C a constante de equilíbrio é menor que a 400 C 661 Averiguar em que sentido o sistema vai evoluir para atingir o equilíbrio Quando se atingir o equilíbrio têm de coexistir todos os componentes do sistema, isto é, reagentes e produtos da reação Dado que inicialmente só existem reagentes, o equilíbrio vai ser atingido por evolução do sistema no sentido direto, consumindo reagentes e formando produtos início/mol [HI [H [I hn(hi k j m n(i H + I HI 0,5 0,5 0 ariação -x -x +x equilíbrio/mol 0,5 x 0,5 - x x n (HI n(i n (HI n(i (x) ( x ) (0,5 - x) (0,5 - x ) x 7,369 x 7,6390 (5 - x) 0,5 - x x 3,685-7,369 x 3,685 9,369 x 3,685 x x 0,39 9,369 Determinar as quantidades de cada constituinte quando se atinge o equilíbrio n(i 0,50-0,39 0,11 mol n(i 0,11 mol Determinar as concentrações de cada constituinte quando se atinge o equilíbrio [H [I porque n(i 0,11 [H [H 10 [H 0,011 mol dm -3 7

7 [H [I [I 0,011 mol dm -3 n(hi) [HI e 0,78 [HI 10 [HI 0,078 mol dm -3 Depois de atingido o equilíbrio à temperatura de q x, as concentrações são 0,011 mol dm -3 para o hidrogénio e para o iodo e 0,078 mol dm -3 para o iodeto de hidrogénio 66 (A) Determinar o valor de a 400 C A 400 C, tem o valor de 64 (determinado no item 63) Determinar o valor de a 940 C (ver determinação de a 400 C, item 63) [I 0,030 mol dm -3 e [HI 0,14 mol dm -3 [I [H [H 0,030 mol dm -3 [HI 0,14 [I [H 0,030 0,030 Estabelecer uma relação entre a temperatura e o valor da constante de equilíbrio Quanto maior a temperatura, menor o valor de Como (940 C) < (q x C) < (400 C), pode concluir-se que 400 C < q x C < 940 C D Água gaseificada e água da chuva Pág 5 61 Determinar a composição do sistema atingido o equilíbrio de ionização do ácido fórmico Para facilidade de cálculo, admitir que o volume de solução é dm 3 Determinar a quantidade de ácido fórmico n[hcooh] [HCOOH] n(hcooh) [HCOOH] n(hcooh) n(hcooh) mol Determinar a quantidade de ácido fórmico que se encontra ionizado n(hcooh) ionizado a n(hcooh) ionizável n(hcooh) ionizado a n(hcooh) ionizável n(hcooh) ionizado 0,013 n(hcooh) ionizado 0,013 Sendo n(hcooh) ionizado x HCOOH (aq) + H O (l) HCOO (aq) + H 3 O + (aq) n i /mol 0 ] 0 ariação -x +x +x n eq /mol - 0,013 0,013 0,013 A quantidade inicial de H 3 O + não é zero, devido à autoionização da água No entanto a quantidade de H 3 O + proveniente da auto-ionização da água é muito pequena quando comparada com a proveniente da ionização do ácido Assim, pode considerar-se praticamente zero, e por isso pode desprezar-se a quantidade inicial de H 3 O +, pois ela é a proveniente da autoionização da água Apresentar a expressão da constante de equilíbrio do ácido acético O + [HCOO - K a [HCOOH Determinar a constante de equilíbrio do ácido ácetico O + [HCOO - K a [HCOOH n(h n(hcoo - 3 O + n(hcooh 0,013 0,013 0,0987 1, A constante de acidez do ácido fórmico a 5 C é 1, Admitir, por facilidade de cálculo que o volume de solução é 1 dm 3 Determinar o ph antes da adição do formato de sódio Determinar a quantidade de ácido fórmico n[hcooh] [HCOOH] n(hcooh) [HCOOH] n(hcooh) 0,30 n(hcooh) 0,30 mol Determinar a quantidade de H 3 O + formado quando se atinge o equilíbrio de ionização do ácido fórmico nestas condições HCOOH (aq) + H O (l) HCOO (aq) + H 3 O + (aq) n i /mol 0,30 0 ] 0 ariação -x +x +x n eq /mol 0,30 - x x x A quantidade inicial de H 3 O + não é zero, devido à autoionização da água No entanto a quantidade de H 3 O + 8

8 proveniente da auto-ionização da água é muito pequena quando comparada com a proveniente da ionização do ácido Assim, pode considerar-se praticamente zero, e por isso pode desprezar-se a quantidade inicial de H 3 O +, pois ela é a proveniente da autoionização da água O + [HCOO - K a [HCOOH n(h n(hcoo - 3 O + n(hcooh x x 0,30 - x x 1, ,30 - x 0,30 - x 1, (0,30 - x) x x + 1, x - 5, x 7, ou x -7, 10-3 (este valor não tem significado físico) Determinar a concentração de H 3 O + n(h 7, O + 3 O + ) ] O + ] O + ] 7, mol dm 3 Determinar o ph ph -log O + ] ph -log (7, ) ph, Determinar o ph depois da adição do formato de sódio Determinar a quantidade de formato de sódio adicionada n(nahcoo) [NaHCOO] n(nahcoo) [NaHCOO] n(nahcoo) 0,10 n(nahcoo) 0,10 mol Admitir que o formato de sódio se encontra totalmente dissociado de acordo com a equação química NaHCOO (aq) " Na + (aq) + HCOO - (aq determinar a quantidade de anião formiato n(hcoo - ) n(nacooh) n(hcoo - ) 0,10 mol A adição do formato vai constituir uma perturbação ao sistema do tipo aumento da concentração de um produto Para contrariar a perturbação a que foi sujeito, o sistema vai reagir no sentido inverso de forma a gastar o ião formato e assim contrariar a perturbação a que foi sujeito x Determinar a quantidade de H 3 O + no sistema depois de atingido o novo estado de equilíbrio após a adição de formato HCOOH (aq) + H O (l) HCOO (aq) + H 3 O + (aq) n i /mol 0,30-7, , ] 7, A quantidade de H 3 O + proveniente da auto -ionização da água é muito pequena quando comparada com a proveniente da ionização do ácido por isso pode considerar-se praticamente zero No início o sistema encontra-se em equilíbrio Imediatamente após a adição de formiato o sistema deixa de estar em equilíbrio Estado de equilíbrio atingido após a adição de formiato O + [HCOO - K a [HCOOH n(h n(hcoo - 3 O + n(hcooh 7, x 0, x 0,99 - x (7, x) (0, x) 0,99 - x 1, (0,99 - x) (7, x) (0, x) x - 0,1149x + 7, x 6, ou x 0,108 este valor não tem significado físico pois é superior à quantidade inicial de H 3 O + Determinar a quantidade de H 3 O + depois de atingido o equilíbrio n(n 3 O + ) 7, , n(n 3 O + ) 5, mol Determinar a concentração de H 3 O + n(, O + 3 O + ) ] O + ] O + ] 7, mol dm 3 Determinar o ph ph -log O + ] ph -log (5, ) ph 3,3 ph da solução antes da adição de formiato de sódio é, e depois da adição de formiato de sódio é 3,3 Perturbação + 0,10 ariação +x -x -x n eq /mol 0,99 + x 0, x 7, x 9

9 631 A titulação ao ácido fórmico com hidróxido de sódio pode ser traduzida pela seguinte equação química: HCOOH (aq) + NaOH (aq) " " HCOO - (aq) + Na + (aq) + H O (l) No ponto de equivalência existem os iões HCOO - que tem comportamento básico, pois é a base conjugada do ácido fórmico que não é um ácido forte e o Na + que tem comportamento neutro (ácido-base) por ser a base conjugada de um ácido forte Assim, no ponto de equivalência a solução apresenta caráter básico 63 Averiguar o ph no ponto de equivalência por leitura gráfica Por leitura gráfica verifica-se que o ph no ponto de equivalência se situa na proximidade de ph 8 Averiguar a cor da solução quando o ph se situa na proximidade de 8 Quando PH 8 a cor da solução é azul Inferir que quando as quantidades de ácido fórmico de hidróxido de sódio se igualam atingese o ponto de equivalência 3 Chuva ácida Pág 3A 6 (C) Determinar os números de de todos os elementos envolvidos na reação O número de (no) do alumínio (Al) e da prata (Ag) é zero porque o número de de uma substância elementar ou de um elemento no estado livre é sempre zero O no do catião alumínio (Al 3+ ) é (+ 3 o no do anião sulfureto (S ) é (- ) porque número de de um ião monoatómico é igual à carga do ião O no da prata, no composto sulfureto de prata (Ag S) é (+ 1) porque o a soma algébrica dos números de de todos os átomos que constituem uma molécula é igual a zero (regra da electroneutralidade porque o número de do enxofre no sulfureto é menos dois no(ag) + no(s) 0 Ag S Ag S no(ag)a Ag + (- ) 0 S no(ag) 1 Ag S Identificar a e a bem como o agente oxidante e o agente redutor no Al (s) + 3 Ag S (aq) " Al 3+ (aq) + 6 Ag (s) + 3 S (aq) O alumínio sofre pois é a espécie química que perde eletrões, funcionando como agente redutor A prata sofre pois é a espécie química que ganha eletrões, funcionando como agente oxidante Avaliar a veracidade ou falsidade das afirmações (A) Falsa, porque o alumínio sofre, cede eletrões, sendo portanto o agente redutor (B) Falsa, porque o composto Ag S é o agente oxidante, pois contém o elemento prata (Ag), que sofre (D) Falsa, porque a prata capta eletrões O seu número de passa de +1 para 0, sofre, sendo por isso o agente oxidante 71 (B) Determinar os números de de todos os elementos envolvidos na reação O no do carbono (C), do ferro (Fe do manganês (Mn) é zero porque o número de de uma substância elementar ou de um elemento no estado livre é sempre zero O no do ferro, no composto trióxido de diferro (Fe ) é (+ 3) porque o a soma algébrica dos números de de todos os átomos que constituem uma molécula é igual a zero (regra da electroneutralidade porque o número de do oxigénio é (- xceto nos peróxidos em que é (- 1) no(fe) Fe + 3 no(o) Fe 0 no(fe) Fe + 3 (-) 0 no(fe) Fe 3 O no do manganês no composto dióxido de manganês (MnO ) é (+ 4) porque o a soma algébrica dos números de de todos os átomos que constituem uma molécula é igual a zero (regra da electroneutralidade porque o número de do oxigénio é (- ), exceto nos peróxidos em que é (- 1) no(mn) MnO + no(o) MnO 0 no(mn) MnO + (-) 0 no(mn) MnO 4 O no do carbono no composto monóxido de carbono (CO) é (+ ) porque o a soma algébrica dos números de de todos os átomos que constituem uma molécula é igual a zero 10

10 (regra da electroneutralidade porque o número de do oxigénio é (- xceto nos peróxidos em que é (- 1) no(c) CO + no(o) CO 0 no(c) CO + (-) 0 no(c) CO Identificar a e a bem como o agente oxidante e o agente redutor no MnO (s) + Fe (s) + 5 C (s) " Mn (s) + Fe (s) + 5 CO O carbono sofre pois é a espécie química que perde eletrões, funcionando como agente redutor O ferro sofre pois é a espécie química que ganha eletrões, funcionando como agente oxidante O manganês sofre pois é a espécie química que ganha eletrões, funcionando como agente oxidante Avaliar a veracidade ou falsidade das afirmações (A) Falsa, já que a espécie redutora é o C (s o elemento que se é o carbono (B) erdadeira, já que espécie redutora é o C (s o elemento que se oxida é o carbono (C) Falsa, já que uma das espécies oxidantes é o Fe e um dos elementos que se reduz é o ferro em Fe (D) Falsa, já que uma das espécies oxidantes é o MnO e um dos elementos que se reduz é o manganês em MnO O oxigénio não sofre variação do número de 7 O número de eletrões envolvidos na reação é 10 No decurso de uma reação de -, o número de eletrões cedidos nos processos de é igual ao número de eletrões recebidos nos processos de Cada átomo de C perde dois eletrões e como são 5 átomos, então, o número de eletrões são Determinar a massa de MnO pura que foi utilizada m(mno ) impura 173,8 g Grau de pureza m(cu) impura m(mno ) pura ,0 173,8 m(mno ) pura 100 m(mno ) pura 139 g Determinar a quantidade de MnO m(mno ) pura 139 g (MnO ) A r (Mn) + A r (O) (MnO ) 54,94+ 16,00 (MnO ) 86,94 ± MMnO 86,94 g mol -1 m(mno ) pura n(mno ) M(MnO ) 139 n(mno ) n(mno ) 1,60 mol 86,94 Determinar, tendo em conta a estequiometria da reação, a quantidade teoricamente prevista (a quantidade máxima de ferro, ou seja, aquela que se obteria se o rendimento fosse de 100%) de ferro n(fe) tp n(mno ) n(fe) tp 1,60 n(fe) tp 3,0 mol Determinar a quantidade de ferro realmente obtida n(fe) ro h n(fe) tp h 100 n(fe) ro n(fe) tp ,0 3,0 n(fe) ro 100 n(fe) ro,4 mol Determinar a massa de ferro realmente obtida (Fe) 55,85 ± M(Fe) 55,85 g mol -1 m(fe) n(fe) M(Fe) m(fe),4 55,85 m(fe) 15 g A massa de ferro obtido foi 15 g 81 (B) Determinar os números de de todos os elementos envolvidos na reação O no do alumínio (Al) é zero porque o número de de uma substância elementar ou de um elemento no estado livre é sempre zero O no do oxigénio, não varia é (-)porque o número de do oxigénio é (-xceto nos peróxidos em que é (-1) O no do hidrogénio, no hidróxido de sódio (NaOH), na água (H O no anião Al(OH) 4- é (+1) porque o número de do hidrogénio é sempre (+1), exceto nos hidretos em que é (-1 O no do sódio, no composto hidróxido de sódio é (+1) porque a soma algébrica dos números de de todos os átomos que constituem uma molécula é igual a zero (regra da electroneutralidade) O no do sódio, no catião sódio (Na + ), é (+1) 11

11 porque a no de um ião monoatómico é igual à carga do ião O no do hidrogénio (H ) é zero porque o número de de uma substância elementar ou de um elemento no estado livre é sempre zero no(na) NaOH + no(o) NaOH + no(h) NaOH 0 no(na) NaOH + (-) no(na) NaOH +1 Identificar a e a bem como o agente oxidante e o agente redutor no Al (s) + NaOH (aq) + H O (l) " Al(OH) 4- (aq) + Na + (aq) + H O alumínio metálico sofre pois é a espécie química que perde eletrões Cada átomo cede três eletrões, funcionando como agente redutor O hidrogénio sofre pois é a espécie química que ganha eletrões Cada átomo capta um eletrão, funcionando como agente oxidante 8 Determinar a massa de solução utilizada solução 100 cm 3 m solução r solução m solução r solução solução solução m solução m solução 108 g Determinar a massa de NaOH utilizada hmk m NaOH % 100 jmm m solução m NaOH m % hmk solução jmm ,0 m NaOH m NaOH 8,64 g 100 Determinar a quantidade de NaOH utilizada m(naoh) 8,64 g (NaOH) A r (Na) + A r (O) + A r (H) (NaOH), , (NaOH) 40,00 ± ± M(NaOH) 40,00 g mol -1 m(naoh) pura n(naoh) M(NaOH) 8,64 n(naoh) n(naoh) 0,16 mol 40,00 Determinar o reagente limitante Tendo em conta a estequiometria da reação: n(naoh) n(al) n(naoh) 0,30 mol Para que 0,30 mol de alumínio reajam completamente são necessários 0,30 mol de NaOH Como existe 0,16 mol de NaOH, e são necessários 0,30 mol, este está em defeito Assim, o NaOH é o reagente limitante 91 Indicar as expressões das respetivas constantes de equilíbrio [HCr- [Cr O + K 1 K [Cr [HCr- [Cr O + K 3 [Cr K w O + ] [OH - ] Averiguar que o produto K 1 (K ) é igual a K 3 K 1 (K ) K 3 [HCrO K 1 (K ) 4- h[cr O + k [Cr j [HCr- m [HCrO K 1 (K ) 4- [Cr O + [Cr [HCr- [CrO K 1 (K ) 4 O + [Cr K 1 (K ) K 3 Determinar K 3 K 3 K 1 (K ) K 3, (7, ) K O valor da constante de equilíbrio, K 3, é Determinar a O + ] quando o ph é neutro (ph 7) ph - log O + ] O + ] 10 -ph O + ] 10 (-7,0) O + ] 10-7 mol dm -3 [Cr Determinar o valor da razão [Cr [Cr K 3 [Cr O + [Cr [Cr ( 10-7 ) [Cr [Cr A razão é 93 A afirmação é falsa no Cr (aq) + H O (l) H + (aq) + Cr (aq) 1

12 como o sistema evolui de reagentes para produtos da reação sem que ocorra variação dos números de das espécies logo não é uma reação - envolvidas na reação 101 (A) no H O (aq) H O + O 101 no Mg (s) + HCl (aq) MgCl (aq) + H Dno no(mg) MgCl - no(mg) Mg Dno - 0 Dno A variação do número de do magnésio é dois 10 (D) (A) O hidrogénio presente no ácido sofre (B) O magnésio sofre por isso age como agente redutor (C) O ácido clorídrico sofre por isso é o agente oxidante 111 no CH 4 + O (aq) CO + H O 11 no(o) O 0 no(o) CO - no(o) - H O Dno(O) Dno(O) - A variação do número de do oxigénio é Os pares conjugados de oxidante/redutor, são O /CO ou CO /CH Por análise dos números de do item 111, verifica-se que quando 1 mol de CH 4 de trasforma em 1 mol de CO transferem-se 8 mol de eletrões 8 6, electrões 10 5 electrões 890 kj x x, 10 3 kj Libertam, 10 3 kj de energia 13

Tabela de Constantes Constante de Avogadro N A = 6, mol 1 Volume molar a PTN V m (PTN) = 22,4 dm 3. Formulário

Tabela de Constantes Constante de Avogadro N A = 6, mol 1 Volume molar a PTN V m (PTN) = 22,4 dm 3. Formulário Ficha de Avaliação Sumativa Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos DISCIPLINA: Física e Química Módulo: Q3 2015/2016 10 ºAno de escolaridade Data: 15 de janeiro

Leia mais

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Equilíbrio Químico Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Reações completas Combustão do carvão C (s) + O 2 (g) CO 2 (g) Reações completas Reação do Ácido clorídrico com o Magnésio 2 HCl (aq) + Mg

Leia mais

Componente de Química

Componente de Química Componente de Química 1.5 Controlo da produção industrial Alteração do estado de equilíbrio de um sistema O carácter dinâmico do equilíbrio (num sistema em equilíbrio, a uma dada temperatura, as velocidades

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS 8º Teste sumativo de FQA 20. maio. 2015 Versão 1 11º Ano Turma A Professor: Maria do Anjo Albuquerque Duração da prova: 90 minutos. Este teste é constituído por 9 páginas

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) 4ª Série de Exercícios EQUILÍBRIO QUÍMICO Tomar (2003) 1 Equilíbrio

Leia mais

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO EQUILÍBRIO QUÍMICO CONSTANTE DE EQUILÍBRIO A maneira de descrever a posição de equilíbrio de uma reação química é dar as concentrações de equilíbrio dos reagentes e produtos. A expressão da constante de

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13 P - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 18/05/13 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Dados: T (K) = T ( C) + 73,15 R = 8,314 J mol -1 K -1

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE FICHA DE AVALIAÇÃO DE QUÍMICA ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE FICHA DE AVALIAÇÃO DE QUÍMICA ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE FICHA DE AVALIAÇÃO DE QUÍMICA ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 12.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. A maioria das reacções químicas ocorre com

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Química. Programa do 10º ano e do 11º ano de Química do Ensino Secundário

Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Química. Programa do 10º ano e do 11º ano de Química do Ensino Secundário Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Departamento de Química Programa da Prova de Acesso de Química (2016): Exemplos de exercícios 1.Indique a afirmação correcta. Programa do 10º ano e do 11º

Leia mais

Atividade complementar. Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos

Atividade complementar. Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos Atividade complementar Substâncias e transformações químicas, entendendo os aspectos quantitativos Esta atividade tem como objetivo complementar e aprofundar os estudos sobre as transformações químicas,

Leia mais

Física e Química A 715 (versão 1)

Física e Química A 715 (versão 1) Exame (Resolução proposta por colaboradores da Divisão de Educação da Sociedade Portuguesa de Física) Física e Química A 715 (versão 1) 0 de Junho de 008 1. 1.1. Átomos de ferro A espécie redutora é o

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto Lei n.º 64/2006, de 21 de Março) 2010 PROVA DE QUÍMICA Data da prova:

Leia mais

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v

Pb 2e Pb E 0,13 v. Ag 2e Ag E +0,80 v. Zn 2e Zn E 0,76 v. Al 3e Al E 1,06 v. Mg 2e Mg E 2,4 v. Cu 2e Cu E +0,34 v QUÍMICA 1ª QUESTÃO Umas das reações possíveis para obtenção do anidrido sulfúrico é a oxidação do anidrido sulfuroso por um agente oxidante forte em meio aquoso ácido, como segue a reação. Anidrido sulfuroso

Leia mais

Equilíbrio Químico. É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa.

Equilíbrio Químico. É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa. Equilíbrio Químico É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES Uma reação química diz-se completa quando leva ao esgotamento

Leia mais

Reacções químicas. Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química. Grau de pureza de uma substância

Reacções químicas. Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química. Grau de pureza de uma substância Reacções químicas Aspectos qualitativos e quantitativos de uma reacção química Prof. Luís Perna 2010/11 Grau de pureza de uma substância Muitos dos materiais que utilizamos no dia-a-dia possuem impurezas

Leia mais

Reacções de oxidação-redução em solução aquosa. Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p.

Reacções de oxidação-redução em solução aquosa. Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p. Reacções de oxidação-redução em solução aquosa Livro Química Inorgânica Básica na página da cadeira no Moodle Capítulo 4, p. 116 até ao final REACÇÕES de OXIDAÇÃO-REDUÇÃO reacções que envolvem troca de

Leia mais

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração de O 2 as concentrações de NO 2 e de NO são

Leia mais

Leia com atenção as questões do teste. Apresente na folha de teste todos os cálculos, expressões que utilizar nas resoluções dos exercícios.

Leia com atenção as questões do teste. Apresente na folha de teste todos os cálculos, expressões que utilizar nas resoluções dos exercícios. ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE VELAS Física e Química A 11º ANO ANO LECTIVO 2010/2011 Ficha de Avaliação Sumativa nº 5 Física e Química A Duração da Prova: 90 minutos 02.06.2011 11º ano de Escolaridade

Leia mais

FÍSICO QUÍMICA AULA 2 - OXIDO- REDUÇÃO. Parte 2 Reações e conceitos

FÍSICO QUÍMICA AULA 2 - OXIDO- REDUÇÃO. Parte 2 Reações e conceitos FÍSICO QUÍMICA AULA 2 - OXIDO- REDUÇÃO Parte 2 Reações e conceitos Vimos anteriormente que oxidação é o processo no qual um átomo perde elétrons, tendo um aumento no N ox, enquanto na redução ganham-se

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/07/10 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,14

Leia mais

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor

- Exotérmico: ocorre com liberação de calor - Endotérmico: ocorre com absorção de calor Fala gás nobre! Tudo bem? Hoje vamos para mais um assunto de química: A termoquímica. Você sabia que as reações químicas absorvem ou liberam calor, e desta forma, ocorre uma troca de energia? Pois é, a

Leia mais

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS PROVA ESPECIALMENTE ADEQUADA DESTINADA A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto-Lei n.º 64/2006, de 21 de março) 2016 PROVA DE QUÍMICA Data da prova:

Leia mais

QUESTÕES DE EXAME Tabela Periódica. Física e Química A

QUESTÕES DE EXAME Tabela Periódica. Física e Química A QUESTÕES DE EXAME 2 Física e Química A Questões de provas nacionais realizadas entre 2008 e 2014 organizados por subdomínio e por secção, por ordem cronológica. Os itens estão identificados por data e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEP. BIOLOGIA / LIC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEP. BIOLOGIA / LIC UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEP. DE CIÊNCIAS NATURAIS DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL 2/2016 CURSOS: BIOMEDICINA / BACH. BIOLOGIA / LIC. BIOLOGIA LISTA

Leia mais

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h

Nome Completo : Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos. Candidatura de Junho de 2013, 10: h Nome Completo : B. I. n.º Prova de Acesso de Química para Maiores de 23 Anos Candidatura 2013-2014 18 de Junho de 2013, 10:00 12.30 h Respostas às perguntas de escolha múltipla: assinale a resposta certa

Leia mais

ALQ1.3 - Efeito da variação de temperatura e da variação de concentração na progressão global de uma reação

ALQ1.3 - Efeito da variação de temperatura e da variação de concentração na progressão global de uma reação ALQ1.3 - Efeito da variação de temperatura e da variação de concentração na progressão global de uma reação A situação de equilíbrio de um sistema químico pode alterar-se quando lhe provocamos uma perturbação:

Leia mais

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação:

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação: 3ª Série / Vestibular 01. I _ 2SO 2(g) + O 2(g) 2SO 3(g) II _ SO 3(g) + H 2O(l) H 2SO 4(ag) As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar

Leia mais

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09

Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Química Atividade de Autoavaliação Recuperação 2 os anos Rodrigo ago/09 Re Resolução 1. O carbeto de cálcio CaC 2 (s) (massa molar = 64 g mol 1 ), também conhecido como carbureto, pode ser obtido aquecendo-se

Leia mais

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar:

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar: LISTA DE EXERCÍCIOS CINÉTICA QUÍMICA 1) O NO 2 proveniente dos escapamentos dos veículos automotores é também responsável pela destruição da camada de ozônio. As reações que podem ocorrer no ar poluído

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Informação Prova da Disciplina de Física e Química - Módulo: 10 Equilíbrio de ácido-base.

Leia mais

REAÇÕES DE OXIDAÇÃO-REDUÇÃO. O oxigénio diminui a sua carga de zero para -2, através do ganho de 2 eletrões.

REAÇÕES DE OXIDAÇÃO-REDUÇÃO. O oxigénio diminui a sua carga de zero para -2, através do ganho de 2 eletrões. REAÇÕES DE OXIDAÇÃO-REDUÇÃO REAÇÃO DE REDUÇÃO Nesta reação há uma diminuição da carga (número de oxidação) do elemento. 1 2 O - 2-2 2 e O O oxigénio diminui a sua carga de zero para -2, através do ganho

Leia mais

Gabarito Química Grupo J. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor. Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo,

Gabarito Química Grupo J. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor. Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo, VESTIB LAR Gabarito Química Grupo J 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Considerando-se as substâncias I, II e III mostradas abaixo, I) 2-clorobutano II) hidroxi benzeno III) tolueno a) Escreva

Leia mais

Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º, 2010, 2.ª fase, versão 1

Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º, 2010, 2.ª fase, versão 1 Resolução do Exame Nacional de Física e uímica A 11.º, 010,.ª fase, versão 1 Sociedade Portuguesa de Física, Divisão de Educação, 15 de Julho de 010, http://de.spf.pt 1. 1.1. O aumento da acidez da água

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 1 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 12.º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto) Cursos Gerais Agrupamentos 1 e 2 PROVA 142/10 Págs. Duração da prova: 120 minutos 1.ª FASE 2002 2.ª

Leia mais

Deve-se esperar uma redução na velocidade de rotação do hidrômetro em dias frios.

Deve-se esperar uma redução na velocidade de rotação do hidrômetro em dias frios. 01. Considere que dez litros de cada um dos seguintes gases estão nas mesmas condições de pressão e temperatura: PH 3, C 2 H 6 O, H 2, NH 3, Ne, Cl 2 e SO 2. A alternativa que apresenta corretamente os

Leia mais

a) Escreva os nomes das substâncias presentes nos frascos A, B e C. A B C

a) Escreva os nomes das substâncias presentes nos frascos A, B e C. A B C PROVA DE QUÍMICA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2006 (cada questão desta prova vale até cinco pontos) Questão 01 Foram encontrados, em um laboratório, três frascos A, B e C, contendo soluções incolores e sem rótulos.

Leia mais

+1 2 Nox +1 2 Carga Nox +7 8 Carga

+1 2 Nox +1 2 Carga Nox +7 8 Carga 01 Cl 2 Cl Nox = 0 Nox = 1 Cl O +1 2 Nox +1 2 Carga Cl O 4 +7 2 Nox +7 8 Carga Resposta: Respectivamente zero, 1, +1, +7. 1 02 a) NH 4 NO 3 NH 4 + cátion + NO 3 ânion N H 4 + 3 +1 Nox 3 +4 Carga N O 3

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equilíbrio Químico EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-RS) Dada a expressão da constante de equilíbrio em termos de concentração de produtos e reagentes a equação química que pode ser representada por essa

Leia mais

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR

COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR ASSESSORIA TÉCNICA Processo Avaliativo Recuperação - 3º Bimestre/2015 Disciplina: QUÍMICA 3ª série EM A/B Nome do aluno Nº Turma A Recuperação deve ser entregue no dia 08/09/2015.

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre Podemos conhecer as grandezas que regem a quantificação dos fenômenos químicos identificando o comportamento da massa, do número de partículas e do volume de diferentes substâncias.

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

NOÇÕES GERAIS de EQUILÍBRIO em REACÇÕES QUÍMICAS

NOÇÕES GERAIS de EQUILÍBRIO em REACÇÕES QUÍMICAS 1 Valentim M B Nunes, Instituto Politécnico de Tomar, 007 NOÇÕES GERAIS de EQUILÍBRIO em REACÇÕES QUÍMICAS 1. GENERALIDADES SOBRE CINÉTICA QUÍMICA A partir da nossa experiência quotidiana, verificamos

Leia mais

Fundamentos de Química

Fundamentos de Química FCiências Fundamentos de Química Apontamentos Equilíbrio químico, Ácido e Bases, Cinética Química Produzido por Filipa França Divulgado e Partilhado por FCiências Equilíbrio Químico FCiências Reações em

Leia mais

Reacções incompletas e equilíbrio químico

Reacções incompletas e equilíbrio químico Reacções incompletas e equilíbrio químico Reversibilidade das reacções químicas Reversibilidade das reacções químicas Uma reacção química diz-se reversível quando pode ocorrer nos dois sentidos, isto é,

Leia mais

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08 P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/1/08 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,314

Leia mais

Ficha Informativa n.º 2 Tipos de Reações Químicas

Ficha Informativa n.º 2 Tipos de Reações Químicas FÍSICO-QUÍMICA 8º ANO DE ESCOLARIDADE Ficha Informativa n.º 2 Tipos de Reações Químicas Nome: Data: / /20 INTRODUÇÃO TEÓRICA Reações Químicas Nas reações químicas, uma ou várias substâncias iniciais (reagentes)

Leia mais

EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I

EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I Capítulo 6. Termoquímica Ficha de exercícios 1. Uma amostra de azoto gasoso expande-se do seu volume inicial de 1.6 L para 5.4 L, a temperatura constante. Calcule

Leia mais

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao

Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Box 6 Determinaçao Indireta do Calor De Reaçao Vimos anteriormente que a variação de entalpia de uma reação é determinada experimentalmente no calorímetro. Existem, no entanto, maneiras indiretas de determinação

Leia mais

Reacções de Oxidação-Redução

Reacções de Oxidação-Redução Reacções de Oxidação-Redução Há transferência de electrões entre espécies reagentes, com variação do número de oxidação de elementos dessas espécies. Regras simples para determinar o número de oxidação

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Equilíbrio químico David P. White Conceito de equilíbrio Considere o N 2 O 4 congelado e incolor. À temperatura ambiente, ele se decompõe em NO 2 marrom: N 2 O 4 (g)

Leia mais

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM)

NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) NOME: ANO: 2º ENSINO: MÉDIO TURMA: DATA: / / PROF(ª).: Luciano Raposo Freitas EXERCÍCIOS TERMOQUÍMICA QUÍMICA II (2º BIM) 1. Nos motores de explosão existentes hoje em dia utiliza-se uma mistura de gasolina

Leia mais

O que é uma solução-tampão

O que é uma solução-tampão Soluções Tampão O que é uma solução-tampão Soluções-tampão são soluções que não apresentam variação significativa de ph por adição de pequenas quantidades de ácido ou de base fortes. Dulce Campos 27-11-2011

Leia mais

1- Reação de auto-ionização da água

1- Reação de auto-ionização da água Equilíbrio Iônico 1- Reação de auto-ionização da água A auto- ionização da água pura produz concentração muito baixa de íons H 3 O + ou H + e OH -. H 2 O H + (aq) + OH - (aq) (I) ou H 2 O + H 2 O H 3 O

Leia mais

Reações Químicas GERAL

Reações Químicas GERAL Reações Químicas GERAL É o processo no qual 1 ou mais substâncias (reagentes) se transformam em 1 ou mais substâncias novas (produtos). Formação de ferrugem Combustão de um palito de fósforo Efervescência

Leia mais

Apostila de Química 02 Termoquímica

Apostila de Química 02 Termoquímica Apostila de Química 02 Termoquímica 1.0 Introdução A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas; Não há reação química que ocorra sem variação de

Leia mais

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos

Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos Avaliação da Capacidade para Frequência do Ensino Superior de Candidatos Maiores de 23 anos 2016 QUÍMICA Conteúdos Programáticos MATERIAIS - Origem - Constituição e composição dos materiais: - Constituição

Leia mais

Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio.

Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio. EQUILÍBRIO QUÍMICO Metas Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio. Objetivos Ao final desta aula, o

Leia mais

6ª OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA EXAME 2011

6ª OLIMPÍADA BAIANA DE QUÍMICA EXAME 2011 Data da prova: 30.07.2011 Data da publicação do gabarito: 01.09.2011 GABARITO QUESTÕES DISCURSIVAS QUESTÃO 1. (Peso 2) Uma vela de massa 34,5g é acesa e encoberta por um bequer. Após algum tempo a chama

Leia mais

L E I S D A S R E A Ç Õ E S Q U Í M I C A S PROF. AGAMENON ROBERTO < 2011 >

L E I S D A S R E A Ç Õ E S Q U Í M I C A S PROF. AGAMENON ROBERTO < 2011 > L E I S D A S R E A Ç Õ E S Q U Í M I C A S PROF. AGAMENON ROBERTO < 2011 > Prof. Agamenon Roberto LEIS DAS REAÇÕES QUÍMICAS www.agamenonquimica.com 2 LEIS DAS REAÇÕES QUÍMICAS Um trabalho muito complicado

Leia mais

Colégio Avanço de Ensino Programado

Colégio Avanço de Ensino Programado α Colégio Avanço de Ensino Programado Trabalho Bimestral 1º Semestre - 1º Bim. /2016 Nota: Professor (a): Cintia Disciplina: Química Turma: 3ª Série Médio Nome: Nº: Atividade deverá ser entregue em pasta

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 04

2005 by Pearson Education. Capítulo 04 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções David P. White Propriedades gerais das soluções aquosas Propriedades eletrolíticas As soluções aquosas

Leia mais

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia.

Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Combustíveis Energia e Ambiente De onde vem a energia dos combustíveis? Energia, calor, entalpia e variação de entalpia. Sistema; Universo; Sistema Aberto, Fechado e Isolado; Estado final e Inicial; Energia

Leia mais

formado nas etapas anteriores, na presença de radiação (E = h f), sofre a reação oposta provocando a dissociação do NO 2 , segundo as equações: NO 2

formado nas etapas anteriores, na presença de radiação (E = h f), sofre a reação oposta provocando a dissociação do NO 2 , segundo as equações: NO 2 GRUPO I Os óxidos de azoto, NOx, desempenham um papel fundamental na formação de novos compostos na atmosfera, como o ozono e outros. Um modelo simplificado da ação do NOx na atmosfera pode ser descrito

Leia mais

ENSINO MÉDIO QUÍMICA

ENSINO MÉDIO QUÍMICA ENSINO MÉDIO QUÍMICA TERMOQUÍMICA TERMOQUÍMICA Termoquímica é a parte da química que estuda o calor associado a uma reação química. A unidade usada para medir a energia liberada ou absorvida por um sistema

Leia mais

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI

PROFª. KAÍZA CAVALCANTI Processos Químicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos tipos de substâncias presentes ou de suas proporções. Processos Físicos Quando ocorre uma alteração qualitativa do sistema, dos

Leia mais

Reações de oxirredução

Reações de oxirredução LCE-108 Química Inorgânica e Analítica Reações de oxirredução Wanessa Melchert Mattos 2 Ag + + Cu (s) 2 Ag (s) + Cu 2+ Baseada na transferência de elétrons de uma substância para outra Perde oxigênio e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM QUÍMICA. Exame de Seleção para o Mestrado em Química-2011.

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM QUÍMICA. Exame de Seleção para o Mestrado em Química-2011. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Exame de Seleção para o Mestrado em Química-2011.2 PROVA DE QUÍMICA CÓDIGO do CANDIDATO: INSTRUÇÕES: Confira o caderno

Leia mais

ÉPOCA ESPECIAL DE EXAMES ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DO EXAME DO MÓDULO QM5 Equilíbrio de Oxidação-Redução. Química

ÉPOCA ESPECIAL DE EXAMES ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DO EXAME DO MÓDULO QM5 Equilíbrio de Oxidação-Redução. Química ÉPOCA ESPECIAL DE EXAMES ANO LETIVO 2011/2012 MATRIZ DO EXAME DO MÓDULO QM5 Equilíbrio de Oxidação-Redução. Química MATERIAL A UTILIZAR TIPO DE PROVA DURAÇÃO DA PROVA Manual da disciplina, livros de Química,

Leia mais

1. A fermentação é um processo químico complexo do fabrico de vinho no qual a glucose é convertida em etanol e dióxido de carbono:

1. A fermentação é um processo químico complexo do fabrico de vinho no qual a glucose é convertida em etanol e dióxido de carbono: EB: QUÍMICA GERAL/ EQB: QUÍMICA GERAL I Capítulo 4. Reacções químicas II Ficha de exercícios 1. A fermentação é um processo químico complexo do fabrico de vinho no qual a glucose é convertida em etanol

Leia mais

Velocidade inicial (mol L -1 s -1 ) 1 0,0250 0,0250 6,80 x ,0250 0,0500 1,37 x ,0500 0,0500 2,72 x 10-4.

Velocidade inicial (mol L -1 s -1 ) 1 0,0250 0,0250 6,80 x ,0250 0,0500 1,37 x ,0500 0,0500 2,72 x 10-4. P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 31/05/14 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = - n F E G = G o + RT Q ΔE RT ΔE nf Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0

Leia mais

GABARITO - QUÍMICA - Grupo A

GABARITO - QUÍMICA - Grupo A GABARITO - QUÍMICA - Grupo A 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor O teor do íon Cl - existente nos fluidos corporais pode ser determinado através de uma analise volumétrica do íon Cl - com o íon

Leia mais

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril

3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 3ª Série / Vestibular _ TD 08 _ 19 de abril 01. A corrosão de um metal é a sua destruição ou deterioração, devida à reação com o meio ambiente. O enferrujamento é o nome dado à corrosão do ferro: Fe(s)

Leia mais

Exercícios de Funções Inorgânicas 2

Exercícios de Funções Inorgânicas 2 Exercícios de Funções Inorgânicas 2 Material de apoio do Extensivo 1. A contaminação do leite com substâncias químicas nocivas à saúde, infelizmente, ainda é notícia na mídia. Uma das substâncias encontradas

Leia mais

Prática 09 Princípios de Equilíbrio Químico

Prática 09 Princípios de Equilíbrio Químico UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 09 Princípios de Equilíbrio Químico 1. Introdução

Leia mais

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos

QUÍMICA Exercícios de revisão resolvidos 17. (ENEM 2010) No que tange à tecnologia de combustíveis alternativos, muitos especialistas em energia acreditam que os álcoois vão crescer em importância em um futuro próximo. Realmente, álcoois como

Leia mais

UNIDADE 1 QUÍMICA E INDÚSTRIA: Equilíbrios e Desequilíbrios

UNIDADE 1 QUÍMICA E INDÚSTRIA: Equilíbrios e Desequilíbrios Extensão da reacção UNIDADE 1 QUÍMICA E INDÚSTRIA: Equilíbrios e Desequilíbrios Reversibilidade da reacção Equilíbrio Químico Principio de Le Châtelier 1.4. Produção Industrial de Amoníaco Relação entre

Leia mais

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib.

TERMOQUÍMICA. Prof. Neif Nagib. TERMOQUÍMICA Prof. Neif Nagib neifnagib@yahoo.com.br Os princípios fundamentais do calor e do trabalho se aplicam no estudo de uma reação química e nas mudanças do estado físico de uma substância. Nesses

Leia mais

Exercícios de Equilíbrio Químico

Exercícios de Equilíbrio Químico Exercícios de Equilíbrio Químico 1. Para a produção de energia, os mamíferos oxidam compostos de carbono nos tecidos, produzindo dióxido de carbono gasoso, CO (g), como principal subproduto. O principal

Leia mais

AULA 17- ph e poh. Equilíbrio Iônico da Água. K w = [H + ].[OH - ] Tipos de Soluções (a 25 C)

AULA 17- ph e poh. Equilíbrio Iônico da Água. K w = [H + ].[OH - ] Tipos de Soluções (a 25 C) AULA 17- ph e poh Hoje iremos falar sobre um caso particular de equilíbrio iônico, o equilíbrio iônico da água. A água sofre uma auto-ionização, só que a água é um eletrólito muito fraco, portanto, ela

Leia mais

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a

02)Numa reação endotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a 01)Numa reação exotérmica, há [1] de calor, a entalpia final (produtos) é [2] que a entalpia inicial (reagentes) e a variação de entalpia é [3] que zero. Completa-se corretamente essa frase substituindo-se

Leia mais

RESPOSTAS ESPERADAS QUÍMICA

RESPOSTAS ESPERADAS QUÍMICA Questão 1 C 4 N 3 OH 7 - massa molar = 113 g mol -1 A concentração de creatinina no exame foi de 1,20 x 10-4 mol L -1, ou 1,20 x 10-5 mol dl -1. Assim, a concentração = 113.000 x 1,20 x 10-5 = 1,36 mg

Leia mais

Exercícios de Revisão - 2

Exercícios de Revisão - 2 Exercícios de Revisão - 2 1. Na tentativa de explicar a origem dos seres vivos, Müller reproduziu, em seu experimento, as condições atmosféricas primitivas, que continham os gases metano (CH4); amônia

Leia mais

(aq) + H 3 O + (aq) K 1 = 1,0 x (aq) + H 3 O + (aq) K 2 = 1,0 x 10-11

(aq) + H 3 O + (aq) K 1 = 1,0 x (aq) + H 3 O + (aq) K 2 = 1,0 x 10-11 Questão 1 O ácido carbônico é formado quando se borbulha o dióxido de carbono em água. Ele está presente em águas gaseificadas e refrigerantes. Em solução aquosa, ele pode sofrer duas dissociações conforme

Leia mais

QUESTÕES OBJETIVAS. a) b) +110 c) -55 d) -110 e) -676

QUESTÕES OBJETIVAS. a) b) +110 c) -55 d) -110 e) -676 QUESTÕES OBJETIVAS Questão 9: O óxido de cálcio, conhecido como cal virgem, é comumente utilizado na construção civil. Sobre essa substância é INCORRETO afirmar que: a) pode ser obtida pelo aquecimento

Leia mais

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos

FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos FUP - Faculdade UnB Planaltina Disciplina: Energia e Dinâmica das Transformações Químicas Professor: Alex Fabiano C. Campos 1. Conceitue colisão efetiva, colisão não-efetiva, energia de ativação e complexo

Leia mais

1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s. Reação: A B

1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s. Reação: A B Físico-Química Prof. José Ginaldo Silva Jr. Lista de Exercícios de Cinética Química 1 Calcule a velocidade média de desaparecimento de A (bolinhas vermelhas) durante o intervalo de tempo de 20 a 40 s.

Leia mais

QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS

QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS Os cálculos estequiométricos correspondem aos cálculos de massa, de quantidade de matéria e em alguns casos, de volumes das substâncias envolvidas

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08 2 - ROVA DE QUÍMICA GERAL - 09/05/08 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Quão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes: R 8,314 J mol -1 K -1 0,0821 atm L

Leia mais

Δt = 8. Cinética Química

Δt = 8. Cinética Química Cinética Química Velocidade das Reações A velocidade média de consumo de um reagente ou de formação de um produto é calculada em função da variação da quantidade de reagentes e produtos pela variação do

Leia mais

Ácidos & Bases 1) Qual das alternativas não representa um par ácido-base conjugado?

Ácidos & Bases 1) Qual das alternativas não representa um par ácido-base conjugado? Ácidos & Bases 1) Qual das alternativas não representa um par ácido-base conjugado? A) B) C) HSO-4, H 2SO 4 D) -OH, O2- E) NO3-, NO2-2) A espécie que aceita prótons está definindo um A) Ácido de Arrenhius

Leia mais

VII Olimpíada Catarinense de Química Etapa I - Colégios

VII Olimpíada Catarinense de Química Etapa I - Colégios VII Olimpíada Catarinense de Química 2011 Etapa I - Colégios Fonte: Chemistryland Segunda Série 1 01 200 ml de uma solução de hidróxido de alumínio são diluídos em água destilada até a sua concentração

Leia mais

Nome do(a) candidato(a):

Nome do(a) candidato(a): Universidade Federal do Rio Grande do Norte Instituto de Química Programa de Pós Graduação em Química Concurso para Entrada no Curso de Mestrado/Doutorado do PPGQ UFRN 2016.2 Instruções 1. Não identifique

Leia mais

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 19 EQUILÍBRIO IÔNICO - PARTE 1

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 19 EQUILÍBRIO IÔNICO - PARTE 1 QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 19 EQUILÍBRIO IÔNICO - PARTE 1 H O 2 + H + 2 - H - 2 O + 2 - H + - H O 2 2 + H + - Como pode cair no enem (PUC) A tabela abaixo se refere a dados de forças relativas de ácidos

Leia mais

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 17 EQUILÍBRIO QUÍMICO: DESLOCAMENTO DO EQUILÍBRIO

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 17 EQUILÍBRIO QUÍMICO: DESLOCAMENTO DO EQUILÍBRIO QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 17 EQUILÍBRIO QUÍMICO: DESLOCAMENTO DO EQUILÍBRIO Como pode cair no enem (UFJF) Dado o sistema em equilíbrio abaixo: 2NO 2(g) + 7H 2(g) 2NH 3(g) + 4H 2 O (g) Indique qual a providência,

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE 1.ª FASE (VERSÃO 1) GRUPO I

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE 1.ª FASE (VERSÃO 1) GRUPO I PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE 1.ª FASE - 2014 (VERSÃO 1) GRUPO I 1. (D) Havendo movimento relativo entre um barra magnetizada e uma bobina, gera-se nesta uma força eletromotriz induzida e consequentemente

Leia mais

Disciplina: Química Geral Docente Responsável: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran. Assunto: Ácidos e Bases de Lewis/ Óxidos/ Sais: classificação

Disciplina: Química Geral Docente Responsável: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran. Assunto: Ácidos e Bases de Lewis/ Óxidos/ Sais: classificação Disciplina: Química Geral Docente Responsável: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1 Assunto: Ácidos e Bases de Lewis/ Óxidos/ Sais: classificação 1. Ácidos e Bases: conceito de Lewis O modelo de Lewis baseia-se

Leia mais

Ao aplicar o operador matemático logaritmo, obtém-se a seguinte expressão: ph= - log [H + ]

Ao aplicar o operador matemático logaritmo, obtém-se a seguinte expressão: ph= - log [H + ] SIMULAR A OCORRÊNCIA DE CHUVAS ÁCIDAS DEVIDA A ÓXIDOS DE ENXOFRE INTRODUÇÃO Um ácido pode ser definido como uma espécie química que doa protões H + numa reacção química. A espécie química que aceita esses

Leia mais

Exercícios sobre Equilíbrio químico

Exercícios sobre Equilíbrio químico Exercícios sobre Equilíbrio químico 01 - (Ueg GO) Baseado na charge e em seus conhecimentos sobre Química, responda ao que se pede. a) Caso o cientista tivesse misturado quantidades adequadas de ácido

Leia mais

12 GAB. 1 1 o DIA PASES 1 a ETAPA TRIÊNIO QUÍMICA QUESTÕES DE 21 A 30

12 GAB. 1 1 o DIA PASES 1 a ETAPA TRIÊNIO QUÍMICA QUESTÕES DE 21 A 30 12 GAB. 1 1 o DIA PASES 1 a ETAPA TRIÊNIO 2005-2007 QUÍMICA QUESTÕES DE 21 A 30 21. A hemoglobina das células vermelhas do sangue contém o complexo de ferro com uma porfirina. Sabendo que um indivíduo

Leia mais

Equipe de Química QUÍMICA REDOX

Equipe de Química QUÍMICA REDOX Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Química Data: QUÍMICA REDOX O número de átomos numa reação química deve ser o mesmo nos reagentes e nos produtos. Para isso, existem diversos

Leia mais