Sumário. Aula Anterior. Exercício 7.1 Contagem de bits a 1 numa palavra Exercício 7.2 Deslocamento de n bits num operando de 64 bits.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário. Aula Anterior. Exercício 7.1 Contagem de bits a 1 numa palavra Exercício 7.2 Deslocamento de n bits num operando de 64 bits."

Transcrição

1 Sumário Aula Anterior Exercício 7.1 Contagem de bits a 1 numa palavra Exercício 7.2 Deslocamento de n bits num operando de 64 bits Aula 12 1

2 Sumário Nesta Aula Esclarecimento de dúvidas para o Exame Resolução da Frequência Aula 12 2

3 Problema 1 1) Considere o seguinte código escrito em linguagem assembly MIPS la $t, palavra #palavra corresponde ao end. do data seg. x115 lw $a, ($t) jal contabits #contabits corresponde ao end. do text seg. x46 add $t2,$v,$ Sabendo que a 1ª instrução tem como endereço x42, traduza o segmento para linguagem máquina MIPS e escreva o conteúdo de cada instrução em binário e hexadecimal numa tabela com o seguinte aspecto: RESOLUÇÂO: Endereço Cod op rs rt rd Shamt Func Observações x42 15 x11 lui $, x11 * x42c 5 addi $, $, 5 * x lw $4, ($) x434 3 x46 jal x46 x add $1, $2, $ 6 bits 6 bits EM HEXADECIMAL x x3c11 x42c x215 x xd4 x ØØ xc11 ** x x452 Aula 12 3

4 Problema 2 2) Considere o seguinte programa em assembly MIPS, que tem como objectivo imprimir na consola a soma de inteiros contidos numa array nums até encontrar o caracter definido em char. Identifique e corrija os 6 erros de programação que se encontram neste código. Especifique o numero da linha em que, ou entre quais, estão os erros RESOLUÇÂO.data nums:.word 21,11,33,23,, char:.byte 32.text main: la $a, nums la $t, char lb $a1, ($t) jal soma add $a, $v, $zero li $v, 1 syscall soma: add $s, $a, $ add $v, $zero, $zero L1:lw $t, ($a) add $v, $t, $v addi $a,$a,1 bne $v, $zero, L a 5b a 12b 13.data nums:.word 21,11,33,23,, char:.byte 32.text main: addi $sp, $sp, -4 sw $ra, ($sp) la $a, nums la $t, char lb $a1, ($t) jal soma add $a, $v, $zero li $v, 1 syscall lw $ra, ($sp) addi $sp, $sp, 4 13a soma: addi $sp, $sp, -4 13b sw $s, ($sp) 14 add $s, $a1, $ 15 add $v, $zero, $zero 16 L1:lw $t, ($a) 17 add $v, $t, $v 1 addi $a,$a,4 19 bne $t, $s, L1 19a lw $s, ($sp) 19b addi $sp, $sp, Aula 12 4

5 Problema 3a 3) Considere um programa que pede na consola a introdução duma primeira string, depois pede uma segunda string e posteriormente escreve a seguir a uma mensagem, a concatenação das duas strings na consola. a) Implemente em assembly um procedimento strcat que recebe dois parâmetros que são os endereços da posição de memória onde se encontram as duas strings já lidas, processa a concatenação das strings, e devolve o endereço de memoria onde se encontra a string concatenada. de acordo com o seguinte algoritmo em C: strcat( char *str1, char *str2){ Int i = ; Int j = ; while ( str1[ i ]!= \ ) i = i + 1; i = i + 1; while ( str1[ i ] = str2[ j ]!= \ ){ i = i + 1; j = j + 1; } return *str1; } O procedimento pedido é: strcat: addi $sp, $sp, - # Preservar $s e $s1 sw $s, ($sp) # sw $s1, -4($sp) # add $s, $a, $ # Guardar end. str1 em $s add $s1, $a1, $ # Guardar end. str2 em $s1 # Cilco encontra fim str1 conta: lb $t, ($s) # Carrega byte de str1 addi $s, $s, 1 # Incrementa apontador de str1 bne $t, $, conta # Testa se chegou ao fim de str1 addi $s, $s, -1 # Decrementa apontador str1 para # escerver por cima de \ # Ciclo copia str2 para fim str1 copia: lb $t1, ($s1) # Carrega byte str2 em $t1 sb $t1, ($s) # Carrega byte $t1 em str1 addi $s, $s, 1 # Incrementa apontador str2 addi $s1, $s1, 1 # incrementa apontador str1 bne $t1, $, copia # Testa se chegou fim de str2 la $v, str1 # Devolve end. str1 onde # esta string concatenada lw $s1, -4($sp) # Recuperar $s e $s1 lw $s, ($sp) addi $sp, $sp, Aula 12 5

6 Problema 3b O programa principal pedido é: b) Implemente em assembly o programa principal correspondente, que faz a apresentação de mensagens, leitura das strings e apresentação da string concatenada, tendo em conta que vai evocar o procedimento strcat que foi implementado na alínea anterior..data str1:.space 12 # buffer para receber 1ª string e concat str2:.space # buffer para receber 2º string msg1:.asciiz "Introduza a str1:" msg2:.asciiz "Introduza a str2:" msg3:.asciiz "A concat das Strings e:".text main: addi $sp, $sp, -4 # Preserver ran a stack sw $ra, ($sp) # la $a, msg1 # Imprimir 1ª addi $v, $, 4 # mensagem na consola syscall # la $a, str1 # Ler 1ª string do teclado addi $a1, $, # até /n ou 79 chars addi $v, $, # la $a, msg2 # Imprimir 2ª mensagem na consola addi $v, $, 4 # la $a, str2 # Ler 2ª string do teclado addi $a1, $, # addi $v, $, # la $a, str1 # Passar end. de 1ª str. como parametro la $a1, str2 # Passar end. de 2ª str. como parametro jal strcat # Chamar Proc. strcat add $t1, $v, $ # Guardar endereço de string concat la $a, msg3 # Imprimir na consola 3ª mensagem addi $v, $, 4 # add $a, $t1, $ # Imprimir na consola str.concatenada Syscall lw $ra, ($sp) addi $sp, $sp, 4 # Recuperar ra da stack Aula 12 6

Escreva um programa em código assembly correspondente ao seguinte programa C.

Escreva um programa em código assembly correspondente ao seguinte programa C. Exercício 11.1 Escreva um programa em código assembly correspondente ao seguinte programa C. cont=0; for (n=0; n

Leia mais

PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR

PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR Introdução Instruções são representadas em linguagem de máquina (binário) E x i s t e m l i n g u a g e n

Leia mais

Sistemas de Computação. Instruções de Linguagem de Máquina

Sistemas de Computação. Instruções de Linguagem de Máquina Instruções de Linguagem de Máquina Linguagem de montagem do processador MIPS Operações aritméticas Instrução Exemplo Significado soma add a, b, c a = b + c subtração sub a, b, c a = b - c Compilação de

Leia mais

Registradores na Arquitetura MIPS. 29/4/2016 MIPS - Instruction Set Architecture

Registradores na Arquitetura MIPS. 29/4/2016 MIPS - Instruction Set Architecture Registradores na Arquitetura MIPS 29/4/2016 MIPS - Instruction Set Architecture 1 Mapa de Memória da Arq. MIPS 2 GB 2 GB 256 MB 64 KB 2 GB 64 KB 256 4 MB 4 MB 29/4/2016 MIPS - Instruction Set Architecture

Leia mais

Procedimentos e Gestão de Subrotinas

Procedimentos e Gestão de Subrotinas 5 Procedimentos e Gestão de Subrotinas Wait a minute, Doc. Are you telling me you built a time machine out of a DeLorean? Marty McFly para o Dr. Brown no filme de 1985, Back to the future O desenho de

Leia mais

SSC0611 Arquitetura de Computadores

SSC0611 Arquitetura de Computadores SSC0611 Arquitetura de Computadores 2ª e 3ª Aulas Arquitetura MIPS: ISA, Formato das instruções e Modos de endereçamento Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br 1 Arquitetura MIPS MIPS: Microprocessor

Leia mais

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA VII

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA VII ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA VII Índice Endereçamento MIPS: 32-bits imediatos; Endereços em branches e jumps; Modos de endereçamento; MARS Exercício 5: Fibonnaci Problema Apesar de instruções

Leia mais

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA III Março 2014 Índice Instruction Set Revisões Procedimentos Stack Comunicar com pessoas ASCII Programar em MIPS estrutura, input e output Programar em MIPS

Leia mais

MODOS DE ENDEREÇAMENTO

MODOS DE ENDEREÇAMENTO UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODOS DE ENDEREÇAMENTO MARINGÁ 2014 SUMÁRIO 6 MODOS DE ENDEREÇAMENTO...2 6.1 ENDEREÇAMENTO

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 2 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 2 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 2 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Digitais (FTL066) Instruções: Linguagem do Computador Segunda Lista de Exercícios

Arquitetura de Sistemas Digitais (FTL066) Instruções: Linguagem do Computador Segunda Lista de Exercícios Arquitetura de Sistemas Digitais (FTL066) Instruções: Linguagem do Computador Segunda Lista de Exercícios 1) Explore conversões de números a partir de números binárias com sinal e sem sinal para decimal:

Leia mais

Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Linguagem de Montagem Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO 1 Introdução Independente da linguagem de programação utilizada, todo programa

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação Problemas: Faculdade de Computação Arquitetura e Organização de Computadores 2 1 a Laboratório de Programação MIPS entrega 18/04/2016 Prof. Cláudio C. Rodrigues P1) Considere que você é um projetista da

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Linguagem de Máquina

Arquitetura de Computadores. Linguagem de Máquina Arquitetura de Computadores Linguagem de Máquina Ivan Saraiva Silva Formato de Instrução MAC O MIC possui dois formatos de instrução: 4 bits 12 bits Formato 1 CODOP ENDEREÇO 8 bits 8 bits Formato 2 CODOP

Leia mais

Disciplina de Algoritmos e Programação

Disciplina de Algoritmos e Programação Disciplina de Algoritmos e Programação Aula Passada Prática com declaração e inicialização de variáveis Capacidade de representação (estouro de representação) Tamanho ocupado pela variável na memória (comando

Leia mais

Arquitectura de Computadores ARQC MIPS. Serviços de Sistemas Exemplos. Serviços de Sistema

Arquitectura de Computadores ARQC MIPS. Serviços de Sistemas Exemplos. Serviços de Sistema Arquitectura de Computadores ARQC MIPS Serviços de Sistemas Exemplos Serviços de Sistema Exemplo 1 Somar duas variáveis veis em um registrador register int a=1, b=3, c; c = a + b; (usar os códigos c de

Leia mais

Prova P4/PS Disciplina: Organização de Computadores-EC Professor: Ney Laert Vilar Calazans lui+ori syscall 1. .text 2. main: $s0, string 3.

Prova P4/PS Disciplina: Organização de Computadores-EC Professor: Ney Laert Vilar Calazans lui+ori syscall 1. .text 2. main: $s0, string 3. Prova P4/PS Disciplina: Organização de Computadores-EC Professor: Ney Laert Vilar Calazans Aluno: 30/novembro/2012 1. (4 pontos) Assumindo uma frequência de relógio de 500 MHz para a organização MIPS multiciclo

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 8: 04 de maio de 2010 1 Formatos de instruções MIPS 2 Endereçamento de operandos imediatos de 32 bits Endereçamento em desvios Modos de endereçamento do MIPS 3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO. Manipulação de strings. Prof. Alex Camargo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO. Manipulação de strings. Prof. Alex Camargo UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS BAGÉ ALGORITMOS E PROGRAMAÇÃO Manipulação de strings Prof. Alex Camargo alexcamargoweb@gmail.com Variáveis "string" Na linguagem C uma cadeia de caracteres (string)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas de Computação 2016.2 Profa.: Simone Martins Lista 1 - Gabarito 1. Um programa P foi compilado com

Leia mais

Procedimentos. Sistemas de Computação

Procedimentos. Sistemas de Computação Procedimentos Chamada de Procedimentos Utilização de procedimentos: Facilitar entendimento do programa Reutilização de código Passos necessários para execução de um procedimento: Os parâmetros a serem

Leia mais

Estruturas de controlo condicional

Estruturas de controlo condicional 4 Estruturas de controlo condicional Would you tell me, please, which way I ought to go from here? That depends a good deal on where you want to get to. said the Cat. I don't much care where said Alice.

Leia mais

Figura 1. Datapath do MIPS Superescalar Especulativo CES SE

Figura 1. Datapath do MIPS Superescalar Especulativo CES SE Especificação do Projeto Simulador MIPS Superescalar Especulativo CES- 25 Arquiteturas para Alto Desempenho Prof. Paulo André Castro Equipe: até quatro alunos 1. Objetivo Exercitar e fixar conhecimentos

Leia mais

TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS

TÉCNICO DE INFORMÁTICA - SISTEMAS 782 - Programação em C/C++ - estrutura básica e conceitos fundamentais Linguagens de programação Linguagem de programação são conjuntos de palavras formais, utilizadas na escrita de programas, para enunciar

Leia mais

MIPS. Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br

MIPS. Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br MIPS Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br Introdução Plataforma projetada da parceria entre NEC, Nintendo, Silicon Graphics e Sony Possui um conjunto de instruções que e

Leia mais

Linguagem C: Ponteiros. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Ponteiros. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Ponteiros Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Ponteiros; Variáveis ponteiros; Operadores de ponteiros; Expressões com ponteiros; Atribuição de ponteiros; Aritmética de ponteiros; Comparação

Leia mais

Cap - 3: Linguagem de Máquina - MIPS

Cap - 3: Linguagem de Máquina - MIPS Cap - 3: Linguagem de Máquina - MIPS Arquitetura de Sistemas Computacionais Prof Ricardo Pannain 1 Arquitetura MIPS MIPS Microprocessor without Interlocking Pipes Stages (Microprocessador sem Intertravamento

Leia mais

Descrição e análise da implementação em Assembly MIPS da função itoa

Descrição e análise da implementação em Assembly MIPS da função itoa Descrição e análise da implementação em Assembly MIPS da função itoa Alana Rocha 1, Guilherme Alves 2, Guilherme Nunes 3 e Luiz Guilherme 4 Objetivo e visão geral do documento Este documento tem o objetivo

Leia mais

Organização e Projetos de Computadores. Capítulo 2. Organização e Projetos de Computadores. Instruções

Organização e Projetos de Computadores. Capítulo 2. Organização e Projetos de Computadores. Instruções Capítulo 2 Hennessy Patterson 1 Instruções Linguagem da máquina Vamos trabalhar com a arquitetura do conjunto de instruções MIPS (Micrrocessor without interlocked pipeline stages Micrrocessador sem estágios

Leia mais

Disciplina: Organização de Computadores Professor: Ney Laert Vilar Calazans

Disciplina: Organização de Computadores Professor: Ney Laert Vilar Calazans Prova P1 Disciplina: Organização de Computadores Professor: Ney Laert Vilar Calazans Aluno: 19/abril/2013 Lista de associação de números e mnemônicos para os registradores do MIPS Número (Decimal) Nome

Leia mais

Gestão dos Dados em Memória

Gestão dos Dados em Memória 2 Gestão dos Dados em Memória "The struggle of man against power is the struggle of memory against forgetting." Milan Kundera O primeiro passo para o desenvolvimento de programas em Assembly consiste em

Leia mais

Relembrando desempenho...

Relembrando desempenho... Parte 5 OBS: Essas anotações são adaptações do material suplementar (apresentações PPT) ao Livro do Hennessy e Patterson, 2ª e 3ª Ed. e do Livro do 5ª Ed. A parte final do material corresponde às aulas

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS 1º Semestre 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS 1º Semestre 2014/2015 UNIVERSIDADE LUSÓFONA DE HUMANIDADES E TECNOLOGIAS 1º Semestre 2014/2015 Programação em C 15/01/2015 Resolução 1. Descreva, em Português, cada uma das seguintes declarações em C: 1.1. char str[512]; Array

Leia mais

Questionário 1 Arquitetura e Organização de Computadores

Questionário 1 Arquitetura e Organização de Computadores Questionário 1 Arquitetura e Organização de Computadores Os exercícios desta lista estão em geral organizados seguindo a apresentação do conteúdo em aula. No entanto, alguns exercícios podem requerem conhecimentos

Leia mais

a) Calcule o valor médio de CPI apresentado na execução deste programa P, utilizando-se C1 sem e com otimização.

a) Calcule o valor médio de CPI apresentado na execução deste programa P, utilizando-se C1 sem e com otimização. UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Sistemas de Computação 2016.2 Profa.: Simone Martins Lista 1 1. Um programa P foi compilado com um compilador

Leia mais

4. Modelo de Programação do DLX Introdução

4. Modelo de Programação do DLX Introdução 4. Modelo de Programação do DLX Quero que o matemático Beremiz Samir nos conte uma lenda, ou uma simples fábula, na qual apareça uma divisão de 3 por 3 indicada, mas não efetuada, e outra de 3 por 2, indicada

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

Disciplina de Algoritmos e Programação

Disciplina de Algoritmos e Programação Disciplina de Algoritmos e Programação Último Conteúdo Estruturas de condição Estrutura condicional simples Utilização da estrutura de condição if com expressões lógicas simples Utilização do comando if

Leia mais

Introdução ao Assembly usando o Simulador SPIM

Introdução ao Assembly usando o Simulador SPIM Arquitectura de Computadores 2004 / 2005 Introdução ao Assembly usando o Simulador SPIM Guia dos Laboratórios Departamento de Matemática e Engenharias Universidade da Madeira Planeamento dos Laboratórios:

Leia mais

Arquitetura de Computadores I. Prof. Ricardo Santos (Cap 2)

Arquitetura de Computadores I. Prof. Ricardo Santos (Cap 2) Arquitetura de Computadores I Prof. Ricardo Santos ricr.santos@gmail.com (Cap 2) Fluxo de Controle Vimos até agora: beq, bne Uma nova instrução: slt $t0, $s1, $s2 if $s1 < $s2 then $t0 = 1 else $t0 = 0

Leia mais

Dados estruturados. Sistemas de Computação

Dados estruturados. Sistemas de Computação Dados estruturados Alocação de arrays TA[L]: Array com elementos do tipo T e tamanho L Região de tamanho L * sizeof(t) bytes alocada contiguamente char string[12]; int val[5]; double a[4]; x x + 12 x x

Leia mais

Exercícios resolvidos (aula de 4 de Maio) Resolução:

Exercícios resolvidos (aula de 4 de Maio) Resolução: Exercícios resolvidos (aula de 4 de Maio) 1. Um microprocessador gera endereços de memória de 14 bits. Desenhe um mapa de memória dos seus endereços de memória fronteira especificados em hexadecimal. Uma

Leia mais

Conjunto de Instruções. Conjunto de Instruções

Conjunto de Instruções. Conjunto de Instruções Conjunto de Instruções It is easy to see by formal-logical methods that there exist certain [instruction sets] that are in abstract adequate to control and cause the execution of any sequence of operations...

Leia mais

Relembrando desempenho...

Relembrando desempenho... Parte 5 OBS: Essas anotações são adaptações do material suplementar (apresentações PPT) ao Livro do Hennessy e Patterson, 2ª e 3ª Ed. e do Livro do 5ª Ed. A parte final do material corresponde às aulas

Leia mais

Arquitetura de Computadores I Prof. Ricardo Santos (Cap 2)

Arquitetura de Computadores I Prof. Ricardo Santos (Cap 2) Arquitetura de Computadores I Prof. Ricardo Santos ricr.santos@gmail.com (Cap 2) 1 Fluxo de controle Vimos até agora: beq, bne Uma nova instrução: if $s1 < $s2 then $t0 = 1 slt $t0, $s1, $s2 else $t0 =

Leia mais

Referências. Linguagem C. Tipos de variáveis em XC8. Tipos de variáveis. Tipos de variáveis em XC 8 Exemplo. Radicais numéricos em C

Referências. Linguagem C. Tipos de variáveis em XC8. Tipos de variáveis. Tipos de variáveis em XC 8 Exemplo. Radicais numéricos em C Referências Linguagem C Jun Okamoto Jr. Kernighan, Brian W. and Ritchie, Dennis M. The C Programming Language (ANSI C); Prentice Hall; 2ª Edição; 1988 Microchip Technology Inc. MPLAB XC8 C Compiler User

Leia mais

Do alto-nível ao assembly

Do alto-nível ao assembly Do alto-nível ao assembly Compiladores Cristina C. Vieira 1 Viagem Como são implementadas as estruturas computacionais em assembly? Revisão dos conceitos relacionados com a programação em assembly para

Leia mais

Conjunto de Instruções MIPS Parte I

Conjunto de Instruções MIPS Parte I Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina FACAPE Conjunto de Parte I Prof. Sérgio Adaptado dos slides de Sistemas Processadores do Prof. Frank Torres - UFMG O que aprenderemos hoje? Barramento

Leia mais

Programação C/C++ Slide 5 Nielsen Castelo Damasceno

Programação C/C++ Slide 5 Nielsen Castelo Damasceno Programação C/C++ Slide 5 Nielsen Castelo Damasceno Programação estruturada Programação estruturada Programação estruturada Programação estruturada Programação estruturada vetores vetores vetores vetores

Leia mais

Programação. Folha Prática 7. Lab. 7. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal Copyright 2010 All rights reserved.

Programação. Folha Prática 7. Lab. 7. Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal Copyright 2010 All rights reserved. Programação Folha Prática 7 Lab. 7 Departamento de Informática Universidade da Beira Interior Portugal 2015 Copyright 2010 All rights reserved. 1. Revisão. 2. Objectivos. 3. Exercícios LAB. 7 7ª semana

Leia mais

arquitetura de computadores

arquitetura de computadores arquitetura de computadores Laboratório 4 Subrotinas UTFPR DAELN Engenharia de Computação prof. Juliano Funções em assembly são usualmente chamadas de subrotinas e possuem várias convenções para interoperabilidade,

Leia mais

Vetores e Matrizes. Prof. Fabrício Olivetti de França Charles Henrique

Vetores e Matrizes. Prof. Fabrício Olivetti de França Charles Henrique Vetores e Matrizes Prof. Fabrício Olivetti de França Charles Henrique Vetores Estáticos Um vetor em C é declarado como: tipo nome[tamanho]; 2 Vetores Estáticos /* vetor de nome v1 com 100 elementos do

Leia mais

Anotações da 2a Edição

Anotações da 2a Edição Anotações da 2a Edição OBS: Essas anotações são adaptações do material suplementar (apresentações PPT) ao Livro do Hennessy e Patterson. Supõe-se que os estudantes tenham noções de lógica digital e linguagem

Leia mais

Capítulo 3. Instruções: Aritmética MIPS

Capítulo 3. Instruções: Aritmética MIPS Capítulo 3 Permission is granted to copy and distribute this material for e ducational purposes only, provided that the complete bibliographic citation and following credit line is included: "Copyright

Leia mais

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S

PROGRAMAÇÃO I E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S PROGRAMAÇÃO I VA R I Á V E I S, C O N S TA N T E S, O P E R A D O R E S E N T R A DA E S A Í DA D E DA D O S Variáveis 2 Variáveis são locais onde são armazenados os valores na memória. Toda variável é

Leia mais

Curso Básico de Programação Aula 11. Revisão Aula Anterior Laços de Repetição While; Do-While; For.

Curso Básico de Programação Aula 11. Revisão Aula Anterior Laços de Repetição While; Do-While; For. Curso Básico de Programação Aula 11 Revisão Aula Anterior Laços de Repetição While; Do-While; For. Introdução à Linguagem C Laços de Repetição While Do-While For while () { } do {

Leia mais

Capítulo 3. This material may not be copied or distributed for commercial purposes without express written permission of the copyright holder.

Capítulo 3. This material may not be copied or distributed for commercial purposes without express written permission of the copyright holder. Capítulo 3 Permission is granted to copy and distribute this material for educational purposes only, provided that the complete bibliographic citation and following credit line is included: "Copyright

Leia mais

Bits e operações. Sistemas de Computação

Bits e operações. Sistemas de Computação Bits e operações Porque utilizar base 2? Representação na base 10 Estamos acostumados Representação natural para transações financeiras (precisão) Implementação eletrônica na base 10 Difícil de armazenar

Leia mais

1) Operadores de auto incremento ++ e auto decremento --

1) Operadores de auto incremento ++ e auto decremento -- Aula 09 - Operadores de auto incremento e auto decremento, atribuição múltipla, atribuição na declaração, atribuição resumida e algumas regras de boa programação. 1) Operadores de auto incremento ++ e

Leia mais

Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter

Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter Prof. Pedro Carlos da Silva Lara Entrega: 21/10/2014 1 Informações Gerais Winter é um processador hipotético especificado com fim puramente acadêmico.

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 3 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 3 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 3 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Assembly Miscelâneas. Mário O. de Menezes. http://www.tf.ipen.br/~mario

Arquitetura de Computadores. Assembly Miscelâneas. Mário O. de Menezes. http://www.tf.ipen.br/~mario Arquitetura de Computadores Assembly Miscelâneas Mário O. de Menezes http://www.tf.ipen.br/~mario AC Mário O. de Menezes 1 Lembrando Instruções Lógicas e Shift operam em bits individuais, diferente de

Leia mais

Seqüências de Caracteres

Seqüências de Caracteres Seqüências de Caracteres Strings Material da Prof. Ana Eliza Definição Uma STRING é uma seqüência de caracteres. Exemplos Maria José Número 10 5% de R$ 20,00 Introdução a Programação II - Prof. Márcio

Leia mais

Conjunto de Instruções

Conjunto de Instruções Conjunto de Instruções Para comandar o hardware do computador, é necessário que falemos sua língua: As palavras da linguagem de máquina são chamadas de instruções; O vocabulário forma o conjunto de instruções,

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 1 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 1 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 1 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Primeiro programa em C #include int main() { int num1, num2, result; scanf("%d",&num1); scanf("%d",&num2); result = num1 + num2; printf("%d",

Leia mais

ção de Computadores I

ção de Computadores I Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura e Organizaçã ção de Computadores I Aula 2 1. Projeto da Arquitetura

Leia mais

Programação. MEAer e LEE. Manipulação de ficheiros de texto. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. 2010/2011 1º Semestre

Programação. MEAer e LEE. Manipulação de ficheiros de texto. Bertinho Andrade da Costa. Instituto Superior Técnico. 2010/2011 1º Semestre Programação MEAer e LEE Bertinho Andrade da Costa 2010/2011 1º Semestre Instituto Superior Técnico Manipulação de ficheiros de texto Programação 2010/2011 IST-DEEC Manipulação de Ficheiros 1 Sumário Ficheiros

Leia mais

Organização de Computadores μarquitetura. Na Aula Anterior... Introdução. Nesta Aula. MIPS-Monociclo. Formas de Organização 17/10/2016

Organização de Computadores μarquitetura. Na Aula Anterior... Introdução. Nesta Aula. MIPS-Monociclo. Formas de Organização 17/10/2016 GBC06 Arq. e Org. de Computadores I 17/10/2016 Organização de Computadores μarquitetura Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Prof. Dr. rer. nat. Daniel D. Abdala Na Aula Anterior...

Leia mais

Revisão C++ - Parte 1

Revisão C++ - Parte 1 Revisão C++ - Parte 1 Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central Disciplina Programação para Ambiente de Redes 5/3/2010 Objetivo da Aula 5/3/2010 5/3/2010 OBJETIVO DA AULA Revisar os principais comandos

Leia mais

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes

Introdução à Programação. Introdução a Linguagem C. Prof. José Honorato F. Nunes Introdução à Programação Introdução a Linguagem C Prof. José Honorato F. Nunes honorato.nunes@ifbaiano.bonfim.edu.br Resumo da aula Introdução Variáveis Tipos de dados Operadores e Expressões: Operadores

Leia mais

ção de Computadores I

ção de Computadores I Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura e Organizaçã ção de Computadores I Aula 4 1. Projeto da Arquitetura

Leia mais

Neander - características

Neander - características NEANDER x RAMSES (Ou porque da necessidade de upgrade :-) Texto original: ftp://ftp.inf.ufrgs.br/pub/inf108/ramses-instrucoes.ppt Neander - características Largura de dados e endereços de 8 bits Dados

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4

Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1. Estruturas Básicas. Aula Tópico 4 Algoritmos e Estruturas de Dados I (DCC/003) 2013/1 Estruturas Básicas Aula Tópico 4 1 Problema 3 Exibir o maior número inteiro que pode ser representado no computador. 2 Qual o maior número inteiro? Para

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 25 Conjunto de Instruções: Modos de Endereçamento e Formatos Rodrigo Hausen 11 de novembro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/26 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização

Leia mais

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados

Métodos Computacionais. Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Métodos Computacionais Operadores, Expressões Aritméticas e Entrada/Saída de Dados Tópicos da Aula Hoje aprenderemos a escrever um programa em C que pode realizar cálculos Conceito de expressão Tipos de

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

Classificação das linguagens de programação

Classificação das linguagens de programação Introdução Linguagem É um meio de comunicação entre pessoas. Faculdade de expressão audível e articulada do homem. Conjunto de sinais falados, escritos ou gesticulados de que se serve o homem para demonstrar

Leia mais

Linguagem C: Introdução

Linguagem C: Introdução Linguagem C: Introdução Linguagem C É uma Linguagem de programação genérica que é utilizada para a criação de programas diversos como: Processadores de texto Planilhas eletrônicas Sistemas operacionais

Leia mais

Exercícios Resolvidos

Exercícios Resolvidos Exercícios Resolvidos Exame de Época Normal, 2003/2004, Parte Prática: 1.(0,5 val.) Considere o seguinte troço de programa em linguagem Assembly do MIPS:.data 0x10010000 palavra1:.word 13 palavra2:.word

Leia mais

ção de Computadores II

ção de Computadores II Universidade Federal de Pelotas Instituto de Física e Matemática Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação Arquitetura e Organizaçã ção de Computadores II Aula 2 2. MIPS monociclo:

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Professor: Diego Oliveira Conteúdo 05: Linguagem Java Conteúdo da Aula Linguagem Java Tipos Primitivos Operadores Aritiméticos Operadores Lógicos Precedência de Operadores

Leia mais

Cap. 2 Expressões na linguagem C

Cap. 2 Expressões na linguagem C Programação de Computadores II Cap. 2 Expressões na linguagem C Livro: Waldemar Celes, Renato Cerqueira, José Lucas Rangel. Introdução a Estruturas de Dados, Editora Campus (24) Slides adaptados dos originais

Leia mais

Conceitos básicos de programação

Conceitos básicos de programação Constantes class Exemplo { static void Main() { float fahr, celsius; int lower, upper, step; lower = 0; /* limite inferior da tabela de temperaturas */ upper = 300; /* limite superior */ step = 20; /*

Leia mais

Programação Estruturada Prof. Rodrigo Hausen Organização e Gerenciamento de Memória

Programação Estruturada Prof. Rodrigo Hausen  Organização e Gerenciamento de Memória Programação Estruturada Prof. Rodrigo Hausen http://progest.compscinet.org Organização e Gerenciamento de Memória 1 AULA PASSADA - vetores ou arrays Declaração de um vetor (array) em C: tipo nome[tamanho];

Leia mais

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação

Algoritmos e Introdução à Programação. Lógica e Linguagem de Programação Algoritmos e Introdução à Programação Lógica e Linguagem de Programação Prof. José Honorato Ferreira Nunes honoratonunes@softwarelivre.org http://softwarelivre.org/zenorato/honoratonunes Linguagem C Prof.

Leia mais

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza.

Fundamentos de Programação. Turma CI-240-EST. Josiney de Souza. Fundamentos de Programação Turma CI-240-EST Josiney de Souza josineys@inf.ufpr.br Agenda do Dia Aula 3 (12/08/15) Saídas Entradas Operadores Atribuição Aritméticos Expressões Aritméticas Saída Permite

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

Representação de Dados (inteiros não negativos)

Representação de Dados (inteiros não negativos) Representação de Dados (inteiros não negativos) Noemi Rodriguez Ana Lúcia de Moura http://www.inf.puc-rio.br/~inf1018 Memória Pode ser vista como um array de bytes, identificados por seus "índices" (endereços)

Leia mais

Strings. Introdução. Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos.

Strings. Introdução. Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos. Introdução Definição de strings. Criação/Declaração de strings. Inicialização de strings. Manipulação de strings. Exemplos. 1 definições Uma string é uma sequência, um conjunto, ou uma cadeia de caracteres.

Leia mais

Programação de Computadores IV. Introdução a Linguagens de Programação Simone Martins SLIDES CEDIDOS POR BRUNO MARQUES 1

Programação de Computadores IV. Introdução a Linguagens de Programação Simone Martins SLIDES CEDIDOS POR BRUNO MARQUES 1 Programação de Computadores IV Introdução a Linguagens de Programação Simone Martins simone@ic.uff.br SLIDES CEDIDOS POR BRUNO MARQUES 1 Arquitetura de programação 2 O Que é um Dado? Dado é o elemento

Leia mais

CPU Implementação. Multiciclo. Prof. Carlos Bazilio

CPU Implementação. Multiciclo. Prof. Carlos Bazilio CPU Implementação Multiciclo Prof. Carlos Bazilio bazilio@ic.uff.br Até então, tínhamos t... Problemas com Implementação Monociclo Ciclo de clock tem o mesmo tamanho para todas as instruções implementadas;

Leia mais

Arquitetura de Um Processador III

Arquitetura de Um Processador III Arquitetura de Um Processador III José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico 2013-11-15 José Costa (DEI/IST) Arquitetura

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO. Sistemas Digitais II. Filipe Moreira

INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO. Sistemas Digitais II. Filipe Moreira INSTITUTO POLITÉCNICO DE BRAGANÇA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E DE GESTÃO Sistemas Digitais II Filipe Moreira Exercícios sobre Assembly Z80 Exercícios gerais de dificuldade baixa e média 1. Escrever

Leia mais

Introdução à Computação MAC0110

Introdução à Computação MAC0110 Introdução à Computação MAC0110 Prof. Dr. Paulo Miranda IME-USP Aula 2 Variáveis e Atribuições Memória Principal: Introdução Vimos que a CPU usa a memória principal para guardar as informações que estão

Leia mais

Introdução à Linguagem C

Introdução à Linguagem C Introdução à Linguagem C Eduardo Simões de Albuquerque Instituto de Informática UFG 13/03/2006 1 História Inventada e desenvolvida por Dennis Ritchie em um DEC- PDP 11 Originária de: BCPL desenvolvida

Leia mais

Aula 9 Oficina de Programação Strings. Profa. Elaine Faria UFU

Aula 9 Oficina de Programação Strings. Profa. Elaine Faria UFU Aula 9 Oficina de Programação Strings Profa. Elaine Faria UFU - 2017 String Cadeia de caracteres (ou String) É uma seqüência de letras e símbolos, na qual os símbolos podem ser espaços em branco, dígitos

Leia mais

Slides trabalhados durante a quinta aula

Slides trabalhados durante a quinta aula Slides trabalhados durante a quinta aula prática Estruturas de Controle de Fluxo 3. Laços de repetição (continuação) Exercício: Construa um algoritmo, representando-o através de um pseudocódigo e de um

Leia mais

Representação de Dados (inteiros não negativos)

Representação de Dados (inteiros não negativos) Representação de Dados (inteiros não negativos) 1 Memória Armazena instruções e dados durante a execução de um programa A memória principal pode ser vista como um array de bytes, cada um com seu endereço

Leia mais

Implementação da UCP. Construção do caminho de dados Controle Implementação monociclo. Organização de Computadores

Implementação da UCP. Construção do caminho de dados Controle Implementação monociclo. Organização de Computadores Implementação da UCP Construção do caminho de dados Controle Implementação monociclo Conceitos Gerais para Implementação do Processador Conceito de caminho de dados e controle Caminho dos bits de instrução

Leia mais