Caderno de Técnica e Prática Musical Prof. Juarez Barcellos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caderno de Técnica e Prática Musical Prof. Juarez Barcellos"

Transcrição

1 Caderno de Técnica e Prática Musical Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas residências, precisei de um material didático organizado e adaptável às necessidades e interesses dos alunos, decidi então, criá-lo. Comecei por manuscritos, dois anos após, o recriei no Word em forma de métodos e apostilas, e, em 2012, comecei a editá-lo na internet em forma de aulas. Em 2007, parei de dar aulas particulares e, em 2008, fui convidado pela Secretaria de Cultura de Piraí, para dar aulas no projeto Piraí, Acordando Sons, Musicando Cultura. O resultado da soma desses anos de estudo e ensino está em alunos que tocam e cantam, outros que tocam samba e bossa nova, alguns tocam com palhetas, outros dedilham, alguns são eruditos e outros improvisadores, em fim, cada um com a sua característica respeitada e trabalhada. Classificação dos alunos: Iniciante; Popular (cifras); Erudito (cifras e partituras); Mestre (harmonia leitura e técnica). Diferenças entre Violão Popular e Violão Clássico ou Erudito O violonista popular toca suas músicas, guiado por acordes cifrados, mesmo que ele saiba ler partitura, não estará nela o foco de seus arranjos e composições. Violonistas populares podem adquirir muita técnica, tanto para execução, quanto para composição de peças e arranjos, porém, seus sentidos estão sempre voltados para o bom uso da harmonia cifrada e das técnicas improvisação. Compositores de música popular (MPB, Bossa Nova, Jazz, etc) têm suas composições analisadas e executadas, por cifras; algumas análises mais precisas apresentam a melodia em partitura e a harmonia cifrada. O violonista clássico, ou erudito, foca todo o seu trabalho na partitura, estudos, composições, arranjos, interpretações, etc., mesmo conhecendo as cifras. Os arranjos para violão clássico apresentam na partitura, além da melodia, a harmonia (acordes) com suas vozes, muitas vezes adaptadas por serem composições originais para piano ou orquestra. O Prelúdio nº3, de Heitor Villa-Lobos, é uma peça típica para violonistas eruditos, porém ao analisála, encontramos em seus primeiros compassos, uma série de movimentos com acordes m7 utilizando toda a extensão do braço do instrumento com as cordas mi, si, sol e ré (1ª, 2ª, 3ª e 4ª); utiliza também, o desenho do acorde B7, sem pestana, formado a partir da primeira casa, se movimentando para a sétima e sexta casa; além de fazer arpejo do acorde F#7 começando na sexta corda, segunda casa (nota fá sustenido), encerrando na primeira corda, décima primeira casa (nota mi), movimento empregado em técnica de improvisação para violão e guitarra. Por meio de cifras não seria possível documentar tudo o que o autor da obra queria transmitir para os ouvintes; muito menos, para outros violonistas executarem, pois, o objetivo das cifras não é apenas facilitar, mas dar liberdade, abrindo margens para a improvisação, e esta, é o princípio da criação. 1

2 As Notas no Braço: 6.ª CORDA 5.ª CORDA 4.ª CORDA 3.ª CORDA 2.ª CORDA MI FÁ SOL LÁ SI DÓ RÉ MI FÁ SOL LÁ SI DÓ RÉ 1.ª CORDA MI FÁ SOL Ainda na 1.ª CORDA LÁ SI DÓ RÉ MI FÁ Ambos com os dedos: 1, 3 e 4 ( nas casas correspondentes) * A 6.ª corda é a de cima (mais grossa) e a 1.ª corda é a de baixo (mais fina). * Os números representam as casas na extensão do braço do instrumento. Os números acima das notas representam as casas no braço do instrumento: 0 = corda solta ( conta-se da esquerda para a direita) 1 = 1.ª casa ( dedo 1 da mão esquerda ) 2 = 2.ª casa. ( dedo 2 da mão esquerda ) 3 = 3.ª casa ( dedo 3 ) 4 = 4.ª casa ( dedo 4 ) 5 = 5.ª casa (nesta casa e nas demais, deve ser usado o dedo que facilite a ligação com a próxima nota) Os dedos da mão direita: O exercício acima deve ser executado da seguinte maneira: executar as notas da 6.ª corda com o Polegar e em seguida apoiá-lo na mesma, executar as notas das demais cordas alternando os dedos Indicador e Médio, nota por nota, com o polegar apoiado na 6.ª corda. A Palheta: A palheta, firme entre o Polegar e o Indicador (fechado), alterna movimentos para baixo e para cima, aproveitando o sentido da palheta na mudança de corda, evitando alternar novamente o sentido da palheta. 2

3 Dedilhados diversos: Analisando os dedos a serem usados e seus nomes: Da mão esquerda usaremos os dedos: indicador, médio, anular e mínimo; respectivamente nomeados com os números: 1, 2, 3 e 4. Da mão direita usaremos os dedos: polegar (p), indicador (i), médio (m) e anular (a). Os acordes usados em todos os dedilhados aqui expostos são C e G7. P i m a P a m i p a m i Nos dois modelos abaixo toca-se com os quatro dedos da mão direita simultaneamente: 3

4 Dedilhados numerados para estudo, usando dois acordes (C e G7) : * Os dois primeiros são de compasso composto e os demais são simples. Todos os modelos estudados aqui podem ser usados em progressões harmônica e em músicas, porém o músico não deve se limitar, mas sim, pesquisar e criar novos recursos dentro de uma técnica eficaz. n.º 1 p i m a m i p a m i m a n.º 2 p i m i a i m i n.º 3 n.º 4 p m i m a m i m m n.º 5 p i m i a i m i p n.º 6 p m i m a m i m p p m a m i m a m n.º 7 p a m a i a m a n.º 8 4

5 1.º Desenho: - O 1.º desenho se une ao 2.º substituindo o dedo 4, da 6.ª corda, no 1.º des., pelo dedo 1 do 2.º Escala Diatônica 1.ª corda Escala de Dó (maior) ou Lá menor relativa. 1.º desenho iniciado na 3.ª desenhos 6.ª corda 2. º Desenho: - - O 2.º desenho se une ao 3.º substituindo os dedos 3 e 4, da 6.ª corda, no 2.º des., por 1 e 2 do 3.º Escala de Lá (maior) ou Fá # menor relativa. 2.º desenho iniciado na 2.ª desenhos. 3.º Desenho: - - O 3.º desenho se une ao 4.º substituindo o dedo 4, da 6.ª corda no 3.º des., pelo dedo 1 do 4.º des., também na 6.ª corda. Escala de Sol (maior) ou Mi menor relativa. 3.º desenho iniciado na 2.ª desenhos. 4.º Desenho: - - O 4.º desenho se une ao 5.º substituindo os dedos 3 e 4, da 6.ª corda, no 4.º des., por 1 e 2 do 5.º Escala de Mi (maior) ou Dó # menor relativa. 4.º desenho iniciado na 2.ª desenhos. 5.º Desenho: - O 5.º desenho se une ao 1.º substituindo o dedo 4, da 6.ª corda, no 5.º des., pelo dedo 2, do 1.º Escala de Ré (maior) ou Si menor relativa. 5.º desenho iniciado na 2.ª desenhos. Obs.: Ao unir o 5.º desenho ao 1.º, reinicia-se a seqüência, podendo novamente unir o 1.º des. ao 2.º, o 2.º ao 3.º, etc. : até alcançar as notas agudas que estão afrente da XII casa, ou até mesmo afrente da XX casa, no caso das guitarras. Observe que na Escala de Dó que o 1.º desenho é iniciado na III casa, o 2.º des. é iniciado na V casa, o 3.º des. é iniciado na VII casa, o 4.º des. é iniciado na X casa, o 5.º des. é iniciado na XII casa. E unindo o 5.º des. ao 1.º, faz com que o 1.º des. seja repetido, iniciando na XV casa, se tornando então, o 6.º desenho, e assim sucessivamente. É muito importante saber que nas outras escalas a ordem de ligação dos desenhos é a mesma, porém, suas casas são diferentes. Por exemplo: o 1.º desenho na Escala de Dó é iniciado na 3.º casa, porém, na Escala de Lá, este mesmo 1.º desenho é iniciado na XII casa. 5

6 Escala Pentatônica 1.º Desenho: - O 1.º desenho se une ao 2.º substituindo o dedo 4, da 6.ª corda, no 1.º des., pelo dedo 1 do 2.º Escala de Dó (maior) ou Lá menor relativa. 1.º desenho iniciado na 3.ª desenhos 2.º Desenho: - O 2.º desenho se une ao 3.º substituindo o dedo 4, da 6.ª corda, no 2.º des., pelo dedo 2 do 3.º Escala de Lá (maior) ou Fá # menor relativa. 2.º desenho iniciado na 2.ª desenhos. 3.º Desenho: - O 3.º desenho se une ao 4.º substituindo o dedo 4, da 6.ª corda, no 3.º des., pelo dedo 2 do 4.º Escala de Sol (maior) ou Mi menor relativa. 3.º desenho iniciado na 3.ª desenhos. 4.º Desenho: - O 4.º desenho se une ao 5.º substituindo o dedo 4, da 6.ª corda, no 4.º des., pelo dedo 1 do 5.º Escala de Mi (maior) ou Dó # menor relativa. 4.º desenho iniciado na 2.ª desenhos. 5.º Desenho: - O 5.º desenho se une ao 1.º substituindo o dedo 4, da 6.ª corda, no 5.º des., pelo dedo 2 do 1.º Escala de Ré (maior) ou Si menor relativa. 5.º desenho iniciado na 2.ª desenhos. A Escala Pentatônica possui cinco notas, enquanto a Escala Diatônica possui sete notas, porém, seguem o mesmo critério, podendo alcançar notas agudas repetindo os desenhos, que se interligam com maior facilidade na Escala Pentatônica. Mesmo assim a Escala Diatônica é muito mais usada, pois exerce maior importância melódica, tanto para composição, quanto para improvisação. 6

7 Escala Pentablues 1.º Desenho: - O 1.º desenho se une ao 2.º substituindo o dedo 3, da 6.ª corda, no 1.º des., pelo dedo 1 do 2.º Escala de Dó (maior) ou Lá menor relativa. Pode ser usada também para Lá maior. 2.º Desenho: - O 2.º desenho se une ao 3.º substituindo o dedo 4, da 6.ª corda, no 2.º des., pelo dedo 1 do 3.º Escala de Lá (maior) ou Fá # menor relativa. Pode ser usada também para Fá # maior. 3.º Desenho: - O 3.º desenho se une ao 4.º substituindo os dedos 3 e 4, da 6.ª corda, no 3.º des., por 1 e 2 do 4.º Escala de Sol (maior) ou Mi menor relativa. Pode ser usada também para Mi maior. 4.º Desenho: - O 4.º desenho se une ao 5.º substituindo o dedo 3, da 6.ª corda, no 4.º des., pelo dedo 1 do 5.º Escala de Mi (maior) ou Dó # menor relativa. Pode ser usada também para Dó # maior. 5.º Desenho: - O 5.º desenho se une ao 1.º substituindo o dedo 4, da 6.ª corda, no 5.º des., pelo dedo 1 do 1.º Escala de Ré (maior) ou Si menor relativa. Pode ser usada também para Si maior. A Escala Pentablues é uma escala de blues simplificada, sua aplicação se dá melhor no Blues, no Rock, ou em qualquer ritmo ou estilo que se queira aplicar um efeito blues. A escala menor pode ser usada também para tons maiores. Até mesmo a pentatônica menor pode ser aplicada em um tom maior. Porém, seu uso deve ser cauteloso, pois seu efeito pode não soar bem em alguns casos. Faça experiências seguindo os critérios acima. 7

8 ESCALA MENOR HARMÔNICA A escala menor harmônica interliga seus desenhos da mesma maneira que as outras escalas. Sua aplicação principal é para improvisação ou composição apoiada por acorde dominante e, preferencialmente, antecedendo acorde menor quarta justa acima. Além disso, pode ser aplicada em acordes formados em sua seqüência harmônica. O mais importante para improvisar com essa ou com qualquer outra escala é a qualidade melódica. Depois o músico deve pensar em técnicas modernas, técnicas adequadas para cada estilo, sonoridade com dissonância, e muitas outras coisas que podem enriquecer o poder de criação do músico. Eu acredito que uma melodia para ser agradável e manter preservada a capacidade musical de expressar algum sentimento deva ser: a) pouco repetitiva; b) que não extrapole em dissonância; c) que não oscile bruscamente entre graves e agudos; d) que não tenha a velocidade como principal virtude; e) e que a aplicação dos recursos técnicos do instrumento não sejam para um exibicionismo vaidoso. 2 LÁ MENOR HARMÔNICA FÁ# MENOR HARMÔNICA MI MENOR HARMÔNICA RÉ MENOR HARMÔNICA SÍ MENOR HARMÔNICA * As bolinhas coloridas correspondem à nota tônica da escala harmônica citada ao lado. Exemplos de aplicação da Escala Lá Menor Harmônica, sendo Lá Menor o tom Real ou Implícito : V V7 V7 V7(b13) VIIº Im (7M) biii7m(#5) E ; E7 ; E7 ; E7(b13) ; G#º Am(7M) ; C7M (#5) Faça a transposição deste exemplo para outros tons menores e pratique com instrumentos. Não se esqueça: para solar bem é muito importante que todos os desenhos estejam memorizados. 8

9 ESCALA MENOR MELÓDICA A escala menor melódica, assim como toda escala, pode ser usada para compor canções, fazer arranjos e para improvisar. Não é difícil encontrar músicos que não se dedicam ao estudo ou à prática dessa escala, porém ela possui recursos que vão enriquecer muito seu poder de criação. No quarto e quinto graus desta escala encontramos dois acordes com sétima ( IV7 e V7 ) que proporcionam a aplicação da mesma como fonte de recurso melódico. Sem usar os nomes gregos (para facilitar o entendimento) tome como exemplo os acordes IV7 e V7 da escala Dó menor melódica que são F7 e G7, respectivamente; fica claro que a mesma escala pode ser aplicada no momento em que estes acordes soarem como base harmônica. Veja também que os mesmos acordes pertencem a outras escalas ( ex.: F7 = V7 na escala de Si bemol e G7 = V7 na escala de Dó). Veja todos os acordes formados na escala menor melódica e faça experiências aplicando, sobre eles, os desenhos da mesma. Sem dúvida, o objetivo é observar os acordes mais representativos para essa escala, e não confundir o músico com possibilidades que na prática não tem sonoridade agradável. 2 DÓ MENOR MELÓDICA SOL MENOR MELÓDICA MÍ MENOR MELÓDICA RÉ MENOR MELÓDICA Exemplos de aplicação da Escala Lá Menor Melódica: (7M) (#5) Im (7M) biii7m (#5 IV7 V7 VIIm7 Am C7M D7 E7 G#m7 Faça a transposição deste exemplo para outros tons menores e pratique com instrumentos. Não se esqueça: para solar bem é muito importante que todos os desenhos estejam memorizados. 9

10 Progressão com tríades em escala diatônica: I IIm IIIm IV V VIm C Dm Em F G Am G Am Bm C D Em D Em F#m G A Bm A Bm C#m D E F#m E F#m G#m A B C#m B C#m D#m E F# G#m F Gm Am Bb C Dm Bb Cm Dm Eb F Gm Eb Fm Gm Ab Bb Cm Ab Bbm Cm Db Eb Fm A seqüência acima deve ser executada em linha ascendente e descendente, ou seja, do acorde I ao VIm e do acorde VIm ao I, de preferência com ritmos. 10

11 Progressões com tríades invertidas. (3.ª e 5.ª no baixo) I V VIm V IV I IIm I (3.ª) 4/4 C G/B / Am G / F C/E / Dm / C // // G D/F# / Em D / C G/B / Am / G // // D A/C# / Bm A / G D/F# / Em / D // // A E/G# / F#m E / D A/C# / Bm / A // // E B/D# / C#m B / A E/G# / F#m / E // A seqüência acima é muito popular e combina acordes em estado fundamental com acordes invertidos (com terça no baixo), fazendo um movimento de baixo descendente. E deve ser executada com muita atenção para não comprometer a sonoridade dos acordes invertidos. I IV V I 4/4 C / F/C / G/D / C // (5.ª) // G / C/G / D/A / G // // D / G/D / A/E / D // // A / D/A / E/B / A // // E / A/E / B/F# / E // A seqüência acima combina acordes em estado fundamental com acordes invertidos com a quinta no baixo. 11

12 Progressões com tríades e tétrades. I IV V I I7M IV7M V7 I7M C F G C C7M F7M G7 C7M G C D G G7M C7M D7 G7M D G A D D7M G7M A7 D7M A D E A A7M D7M E7 A7M E A B E E7M A7M B7 E7M B E F# B B7M E7M F#7 B7M F Bb C F F7M Bb7M C7 F7M Bb Eb F Bb Bb7M Eb7M F7 Bb7M Eb Ab Bb Eb Eb7M Ab7M Bb7 Eb7M Ab Db Eb Ab Ab7M Db7M Eb7 Ab7M *As progressões acima são de tom maior, para serem de tom menor a análise é muito parecida: Im IVm V7 (Vm) Im Am Dm E7 (Em) Am Em tom menor, o acorde do V grau pode ser menor ou maior. Veja Escala Menor Harmônica. 12

13 Progressão em tétrade em escala diatônica: I7M IIm7 IIIm7 IV7M V7 VIm7 VIIm7 I7M C7M Dm7 Em7 F7M G7 Am7 Bm7 C7M G7M Am7 Bm7 C7M D7 Em7 F#m7 G7M D7M Em7 F#m7 G7M A7 Bm7 C#m7 D7M A7M Bm7 C#m7 D7M E7 F#m7 G#m7 A7M E7M F#m7 G#m7 A7M B7 C#m7 D#m7 E7M B7M C#m7 D#m7 E7M F#7 G#m7 A#m7 B7M F7M Gm7 Am7 Bb7M C7 Dm7 Em7 F7M Bb7M Cm7 Dm7 Eb7M F7 Gm7 Am7 Bb7M Eb7M Fm7 Gm7 Ab7M Bb7 Cm7 Dm7 Eb7M Ab7M Bbm7 Cm7 Db7M Eb7 Fm7 Gm7 Ab7M Esta seqüência também deve ser executada em linha ascendente e descendente, de preferências com ritmo. 13

14 A.E.M. Progressões com acordes de empréstimo modal em tríade e tétrade: I IV IVm I 4/4 C / F / Fm / C // / G / C / Cm / G // I I7M V7/IV IV IVm 4/4 C / C7M / C7 / F / Fm / C // / G / G7M / G7 / C / Cm / G // I bvi bvii I / D / Bb / C / D // / A / F / G / A // I7M IV7M IVm6 I7M 4/4 D7M / G7M / Gm6 / D7M // / G7M / C7M / Cm6 / G7M // bvii I/3.ª no baixo V7 I 4/4 G / D/F# / E7 / A // / C / G/B / A7 / D // 14

15 Progressões com IIm substituindo IV subdominante. Segundo Cadencial com Dominante Secundário: IIm7 V7 I7M IIm7 V7 Im7 Dm7 G7 C7M Bm7 E7 Am7 Am7 D7 G7M F#m7 B7 Em7 Em7 A7 D7M C#m7 F#7 Bm7 Bm7 E7 A7M G#m7 C#7 F#m7 C#m7 F#7 B7M A#m7 D#7 G#m7 Gm7 C7 F7M Em7 A7 Dm7 Cm7 F7 Bb7M Am7 D7 Gm7 Fm7 Bb7 Eb7M Dm7 G7 Cm 7 Bbm7 Eb7 Ab7M Gm7 C7 Fm7 *O acorde I7M pode ser IV7M ou V7 (de outro tom) *E o acorde Im7 pode ser IIm7 ou IIIm7 (de outro tom) *O acorde IIm substitui o IV por promover melhor movimentação de baixo, em tom maior e menor. Ele exerce a mesma função do IV (subdominante). *O acorde V7 substitui o Vm por exercer melhor a função dominante. Ele pertence à escala menor harmônica. 15

16 Progressão com V7(9) (com sétima e nona) Segundo Cadencial com Dominante Secundário: IIm7 V7 9 I7M IIm7 V7 Im7 Dm7 G7 9 C7M Bm7 E7 Am7 Am7 D7 9 G7M F#m7 B7 Em7 Em7 A7 9 D7M C#m7 F#7 Bm7 Bm7 E7 9 A7M G#m7 C#7 F#m7 C#m7 F#7 9 B7M A#m7 D#7 G#m7 Gm7 C7 9 F7M Em7 A7 Dm7 Cm7 F7 9 Bb7M Am7 D7 Gm7 Fm7 Bb7 9 Eb7M Dm7 G7 Cm 7 Bbm7 Eb7 9 Ab7M Gm7 C7 Fm7 * O acorde dominante com sétima tem sua função fortalecida quando lhe é acrescentada a nona. * Quando o dominante antecede acorde menor a nona deve ser menor, porém, quando esse acorde menor é IIm, a nona pode ser maior ou menor. * A nona menor pode ser substituída por nona aumentada. 16

17 (13) Progressão com V7 (com sétima e décima terceira) Segundo Cadencial com Dominante Secundário: (13) (b13) IIm7 V7 I7M IIm7 V7 Im7 13 (b13) Dm7 G7 C7M Bm7 E7 Am7 13 (b13) Am7 D7 G7M F#m7 B7 Em7 13 (b13) Em7 A7 D7M C#m7 F#7 Bm7 13 (b13) Bm7 E7 A7M G#m7 C#7 F#m7 13 (b13) C#m7 F#7 B7M A#m7 D#7 G#m7 13 (b13) Gm7 C7 F7M Em7 A7 Dm7 13 (b13) Cm7 F7 Bb7M Am7 D7 Gm7 13 (b13) Fm7 Bb7 Eb7M Dm7 G7 Cm7 13 (b13) Bbm7 Eb7 Ab7M Gm7 C7 Fm7 * É comum o uso de décima terceira acrescida ao acorde dominante. *Décima terceira maior para preparar acorde maior e décima terceira menor para preparar acorde menor. 17

18 Progressão com IIm7(11) (sétima e décima primeira) IIm7 V7 I7M IIm7 V7 I7M Dm7 G7 C7M Dm7 G7 C7M Am7 D7 G7M Am7 D7 G7M Em7 A7 D7M Em7 A7 D7M Bm7 E7 A7M Bm7 E7 A7M C#m7 F#7 B7M C#m7 F#7 B7M Gm7 C7 F7M Gm7 C7 F7M Cm7 F7 Bb7M Cm7 F7 Bb7M Fm7 Bb7 Eb7M Fm7 Bb7 Eb7M Bbm7 Eb7 Ab7M Bbm7 Eb7 Ab7M * O acorde IIm7 soa bem com décima primeira e também com nona. * Substitua o acorde IIm7 (11) por IIm7 (9) em todos os exemplos acima: 18

19 Progressão com Sub. V7 (#11) (décima primeira aumentada) Segundo Cadencial com Dominante Substituto (#11) (#11) IIm7 subv7 I7M IIm7 subv7 Im7 (#11) (#11) Dm7 Db7 C7M Bm7 Bb7 Am7 (#11) (#11) Am7 Ab7 G7M F#m7 F7 Em7 (#11) (#11) Em7 Eb7 D7M C#m7 C7 Bm7 (#11) (#11) Bm7 Bb7 A7M G#m7 G7 F#m7 (#11) (#11) C#m7 C7 B7M A#m7 A7 G#m7 (#11) (#11) Gm7 Gb7 F7M Em7 Eb7 Dm7 (#11) (#11) Cm7 *B7 Bb7M Am7 Ab7 Gm7 (#11) (#11) Fm7 *E7 Eb7M Dm7 Db7 Cm7 (#11) (#11) Bbm7 *A7 Ab7M Gm7 Gb7 Fm7 * O acorde sub.v7 não pode ter o mesmo nome do seu alvo. * O acorde I7M pode ser IV7M ou V7 (de outros tons) * E o acorde Im7 pode ser IIm7 ou IIIm7 (de outros tons) O acorde sub. V7(#11) pode receber a nota 9. Caderno de Técnica e Prática Musical de Juarez Barcellos de Paula é licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada. 19

Prof. Juarez Barcellos

Prof. Juarez Barcellos Diferenças entre Violão Popular e Violão Clássico ou Erudito O violonista popular toca suas músicas, guiado por acordes cifrados, mesmo que ele saiba ler partitura, não estará nela o foco de seus arranjos

Leia mais

Improvisação. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Improvisação. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Improvisação Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas particulares

Leia mais

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos CURSO DE MÚSICA PARA VIOLÃO Módulo III juarezbarcellos.com Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem. Glória en excelsis

Leia mais

Caderno de Acordes Prof. Juarez Barcellos

Caderno de Acordes Prof. Juarez Barcellos Caderno de Acordes Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas

Leia mais

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos CURSO DE MÚSICA PARA VIOLÃO Módulo I juarezbarcellos.com Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem. Glória en excelsis

Leia mais

Harmonia Musical. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Harmonia Musical. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Harmonia Musical Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas

Leia mais

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos CURSO DE MÚSICA PARA VIOLÃO Módulo IV juarezbarcellos.com Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem. Glória en excelsis

Leia mais

Prof. Juarez Barcellos

Prof. Juarez Barcellos Intervalos Intervalo é a distância existente entre duas notas. (harmônico ou melódico) Acorde é um grupo de notas que soam simultaneamente formando a base harmônica da música. (intervalo harmônico) Um

Leia mais

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos

Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos Ensaio Musical Prof. Juarez Barcellos CURSO DE MÚSICA PARA VIOLÃO Módulo II juarezbarcellos.com Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem. Glória en excelsis

Leia mais

Apostila de Violão e Guitarra

Apostila de Violão e Guitarra Apostila de Violão e Guitarra Criação e edição: MIGUEL URTADO Distribuição: CÂNONE MUSICAL CÂNONE MUSICAL *Mais sobre música!!!* www.canone.com.br Belo Horizonte Brasil 2010 ----**---- Para reproduzir

Leia mais

Juarez Barcellos OS ACORDES MAIS USADOS NO VIOLÃO

Juarez Barcellos OS ACORDES MAIS USADOS NO VIOLÃO Juarez Barcellos OS ACORDES MAIS USADOS NO VIOLÃO EDIÇÃO 2015 ACORDES MAIORES EM TRÍADES TRÊS NOTAS Estes são os desenhos de acordes maiores mais usados de maneira geral. São tríades (acordes com três

Leia mais

I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. II- Representação violão ou guitarra Gráfica do braço do

I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. II- Representação violão ou guitarra Gráfica do braço do I- Música É a arte dos sons. É constituída de melodia, ritmo e harmonia. a) Melodia É uma sucessão de sons musicais combinados b) Ritmo É a duração e acentuação dos sons e pausas c) Harmonia é a combinação

Leia mais

Violão Popular. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Violão Popular. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Violão Popular Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas particulares

Leia mais

Violão Clássico. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos!

Violão Clássico. Prof. Juarez Barcellos. Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Violão Clássico Prof. Juarez Barcellos Licença Creative Commons Violonistas, músicos, alunos, amigos e companhia, bem vindos! Em 2002, comecei a dar aulas particulares nas Em 2002, comecei a dar aulas

Leia mais

Daniel Faustino

Daniel Faustino Daniel Faustino http://danielfaustino.webnode,pt ÍNDICE 1. Improvisação 3 2. Modos Gregos ou Eclesiásticos 3 2.1. Modo Jónio 3 2.2. Modo Mixólidio 4 2.3. Modo Lídio 4 2.4. Modo Dórico 5 2.5. Modo Frígio

Leia mais

ACORDES. Acorde Cluster: 2M/2m. Acorde Triádico: 3M/3m. Acorde Quartal: 4J/4A

ACORDES. Acorde Cluster: 2M/2m. Acorde Triádico: 3M/3m. Acorde Quartal: 4J/4A ACORDES Acorde Cluster: 2M/2m Acorde Triádico: 3M/3m Acorde Quartal: 4J/4A ACORDES TRIÁDICOS Acorde de 3 sons: Acorde tríade ou acorde de quinta Acorde de 4 sons: Acorde tétrade ou acorde de sétima Acorde

Leia mais

APOSTILA 1, MÉTODO DE GUITARRA ALEX MEISTER

APOSTILA 1, MÉTODO DE GUITARRA ALEX MEISTER Índice Introdução... 0 Notas & Cifras... 0 Intervalos... 05 Acordes Maiores... 06 Acordes Menores... 07 Sistema Cinco Para Inversão De Acordes... 08 Acordes sus (sus11)... 09 Acordes sus9 (sus)... 10 Acordes

Leia mais

Conteúdo {Curso Básico}

Conteúdo {Curso Básico} Conteúdo {Curso Básico} Dicas para comprar um bom instrumento Tipos de Palhetas Segurando a palheta Posição da mão esquerda Posição para pestana Afinador Digital Metrônomo Afinando do Cavaquinho Intervalos

Leia mais

Tríades. Teoria Musical. Formação acordes I. Tríades. Assista a aula completa em: http://youtu.be/zw7v4tma8j4

Tríades. Teoria Musical. Formação acordes I. Tríades. Assista a aula completa em: http://youtu.be/zw7v4tma8j4 Teoria Musical Formação acordes I Tríades Assista a aula completa em: http://youtu.be/zw7v4tma8j4 1 Fórmula para Tríades Maiores: Fundamental 3ª Maior 5ª Justa C Dó Mi Sol Terça maior Fórmula para Tríades

Leia mais

Conceitos para tirar e tocar músicas de ouvido Teclado, violão, etc ÍNDICE 1 OBJETIVO NOTAS MUSICAIS INTERVALOS...

Conceitos para tirar e tocar músicas de ouvido Teclado, violão, etc ÍNDICE 1 OBJETIVO NOTAS MUSICAIS INTERVALOS... ÍNDICE 1 OBJETIVO... 02 2 NOTAS MUSICAIS... 02 3 INTERVALOS... 02 4 ACIDENTES... 02 5 FORMAÇÃO DOS ACORDES... 03 6 ESTUDO DAS ESCALAS... 04 7 INVERSÃO DE ACORDES... 10 8 TIRANDO E TOCANDO AS MÚSICAS DE

Leia mais

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Apostila de Iniciação ao Violão e Guitarra Miigueell do Prrado Urrttado São Carlos SP, 23 de fevereiro de 2006. Contatos: miguelurtado@yahoo.com.br miguelurtado@polvo.ufscar.br Proibido reprodução do material

Leia mais

Programa do concurso

Programa do concurso UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO CENTRO DE LETRAS E ARTES - CLA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO MUSICAL - DEM CONCURSO PARA PROFESSOR ASSISTENTE - EDITAL 121-2014 Área de conhecimento:

Leia mais

NELSON FARIA HARMONIA. Um estudo das possibilidades para guitarra Solo (Chord Melody) Chord Melody

NELSON FARIA HARMONIA. Um estudo das possibilidades para guitarra Solo (Chord Melody) Chord Melody NELSON FARIA HARMONIA Um estudo das possibilidades para guitarra Solo (Chord Melody) Foto:Nelsinho Faria Chord Melody Edição e distribuição exclusiva: www.nossamusica.com - Nossa Música Prod. Mus. Ltda.

Leia mais

CAMPO HARMÔNICO MAIOR

CAMPO HARMÔNICO MAIOR CAMPO HARMÔNICO MAIOR CENTROS TONAIS CAMPO HARMÔNICO MAIOR Todas as músicas que você escuta habitualmente, utilizam algum tipo de centro tonal (campo harmônico), estes campos são as famílias de acordes

Leia mais

Vejamos abaixo, por exemplo, o campo harmônico de C Maior com suas dominantes secundárias: C7M Dm7 Em7 F7M

Vejamos abaixo, por exemplo, o campo harmônico de C Maior com suas dominantes secundárias: C7M Dm7 Em7 F7M Dominantes Secundárias Cada um dos acordes diatônicos do campo harmônico, pode ser preparado por um acorde de dominante. Esse acorde se chama dominante secundário. A dominante primária de uma tonalidade

Leia mais

INTERVALO MUSICAL. Nota.: Os intervalos são contados em semitom, que é o menor intervalo entre duas notas, no sistema musical ocidental.

INTERVALO MUSICAL. Nota.: Os intervalos são contados em semitom, que é o menor intervalo entre duas notas, no sistema musical ocidental. 1 Definição: INTERVALO MUSICAL Intervalo é a distância entre duas notas. São numerados segundo a ordem natural das notas musicais. Ex: Do, Re, Mi, Fa, Sol, La, Si, Do... Como as notas musicais sâo teoricamente

Leia mais

Teoria Musical. Prof. Rodrigo Faleiros. Prof. Rodrigo Faleiros. blog: rodfaleiros.wordpress.com

Teoria Musical. Prof. Rodrigo Faleiros. Prof. Rodrigo Faleiros.   blog: rodfaleiros.wordpress.com Teoria Musical Prof. Rodrigo Faleiros Prof. Rodrigo Faleiros e-mail: rodfaleiros@gmail.com blog: rodfaleiros.wordpress.com 2 Aula 1 Ritmo Ritmo é a sucessão de tempos fortes e fracos que se alternam com

Leia mais

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI VIOLÃO POPULAR

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI VIOLÃO POPULAR MÓDULO I 1º Semestre 1.1 Apresentação do instrumento. No primeiro módulo o aluno conhecerá seu instrumento fisicamente bem como suas características. 1.2 Afinação do instrumento e postura. Postura corporal

Leia mais

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I.

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I. Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. As questões 1 e 8 exigem respostas a serem construídas; a questão 2 é de associação. A resposta a essa questão deverá ser transcrita

Leia mais

trecho musical ì í î ï ð

trecho musical ì í î ï ð Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. As questões 1, 4, 6, 7 e 9 exigem respostas a serem construídas; as questões 2 e 8 são de associação. As respostas a essas questões

Leia mais

Violão Módulo I Iniciantes. Versão 1.0 MFA 1

Violão Módulo I Iniciantes. Versão 1.0 MFA 1 Violão Módulo I Iniciantes Versão 1.0 MFA 1 O princípio de tudo A música é transformação, a música é capaz de transformar som em sentimento, em emoção, é capaz de transformar o momento, o minuto, é capaz

Leia mais

VIOLÃO 7 CORDAS CURSO BÁSICO

VIOLÃO 7 CORDAS CURSO BÁSICO VIOLÃO 7 CORDAS CURSO BÁSICO NOTAS MUSICAIS: Existem sete notas musicais: DÓ, RÉ, MI, FÁ, SOL, LÁ, SI. De uma nota para a outra, seguindo a seqüência natural, existe um tom de distância, exceto de MI para

Leia mais

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I.

Para responder à questão 1, ouça atentamente o trecho musical I. Nas questões de 1 a 10, responda de acordo com o comando de cada uma delas. As questões 1, 3 e 8 exigem respostas a serem construídas; as questões 2, 7, 9 e 10 são de associação. As respostas a essas questões

Leia mais

Marcelo Morales Torcato. Arranjos Musicais. 1ª Edição. Pauliceia Marcelo Morales Torcato Marcelo Torca Início em Arranjos Musicais 1

Marcelo Morales Torcato. Arranjos Musicais. 1ª Edição. Pauliceia Marcelo Morales Torcato Marcelo Torca Início em Arranjos Musicais 1 Marcelo Morales Torcato Arranjos Musicais 1ª Edição Pauliceia Marcelo Morales Torcato 2009 Marcelo Torca Início em Arranjos Musicais 1 Pauliceia, agosto de 2009. Marcelo Torca Início em Arranjos Musicais

Leia mais

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI GUITARRA

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI GUITARRA MÓDULO I 1º Semestre 1.1 Apresentação do instrumento. Conhecer o instrumento fisicamente bem como suas características. Nomes das partes e funções. 1.2 Afinação e postura. Postura corporal correta e a

Leia mais

Acordes naturais maiores e menores - cifras para violão e guitarra - VERSÃO DE AVALIAÇÃO - VENDA PROIBIDA. Índice!

Acordes naturais maiores e menores - cifras para violão e guitarra - VERSÃO DE AVALIAÇÃO - VENDA PROIBIDA. Índice! Acordes naturais maiores e menores - cifras para violão e guitarra - VERSÃO DE AVALIAÇÃO - VENDA PROIBIDA Índice Versão de avaliação 4 Como interpretar os diagramas (cifras) 8 Para que serve isso? 9 Formação

Leia mais

Prof. Juarez Barcellos

Prof. Juarez Barcellos Acordes Elementares Acordes maiores e menores (terça maior ou menor) em tríade (três notas) no estado fundamental (sem inversão) (Para acordes maiores basta dizer o nome da nota tônica e fica subentendido

Leia mais

Notas do acorde M b b M. 1 - b3-5 - b7

Notas do acorde M b b M. 1 - b3-5 - b7 Categorias dos acordes com 4 notas Aula 1 Um bom conhecimento da formação e das características de cada tipologia de tétrade é indispensável. Para simplificar o estudo, vamos organizar esses acordes em

Leia mais

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI BAIXO

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI BAIXO MÓDULO I 1º Semestre 1.1 Apresentação do instrumento. No primeiro módulo o aluno conhecerá seu instrumento fisicamente bem como suas características - Partes do baixo e nome das cordas. 1.2 Afinação e

Leia mais

ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO...

ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO... Índice ÍNDICE... 1 APRESENTAÇÃO... 3 CONHECENDO O SEU INSTRUMENTO... 4 O TECLADO... 4 TIPOS DE TECLADOS... 4 Sintetizadores... 4 Teclados com acompanhamento automático... 4 Workstations... 4 Pianos digitais...

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS APLICAÇÃO DE ESCALAS PARA IMPROVISO São Paulo 2013 SUMARIO O QUE É IMPROVISO... 02 MODELOS DE ESCALAS... 02 ENCERRAMENTO... 05 O QUE É IMPROVISO? Improvisar

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS TREINOS COM TRÊS DEDOS E OS PRIMEIROS ACORDES PARA TOCAR AS PRIMEIRAS MÚSICAS São Paulo 2013 SUMARIO OBJETIVO DA AULA... 02 TREINOS A SEREM EXECUTADOS...

Leia mais

A ANÁLISE MUSICAL. No âmbito da música popular, ao falarmos de análise musical, estamos nos referindo:

A ANÁLISE MUSICAL. No âmbito da música popular, ao falarmos de análise musical, estamos nos referindo: A ANÁLISE MUSICAL Por Turi Collura No âmbito da música popular, ao falarmos de análise musical, estamos nos referindo: 1) À análise harmônica 2) À análise da forma musical 1 A análise harmônica busca as

Leia mais

CURSO BÁSICO DE VIOLÃO

CURSO BÁSICO DE VIOLÃO 1 1 EDIÇÃO DO LIVRO Este arquivo foi produzido no Brasil em 2006 no formato ODT (OpenDocumentText), no OpenOffice e exportado no mesmo aplicativo para PDF. A edição mais atualizada está disponível gratuitamente

Leia mais

001. Prova de Conhecimento e Habilidade em Música

001. Prova de Conhecimento e Habilidade em Música vestibular 2014 001. Prova de Conhecimento e Habilidade em Música presencial Confira seus dados impressos neste caderno. Esta prova contém 30 questões objetivas e terá duração total de 2 horas. Para cada

Leia mais

Curso Básico de Música

Curso Básico de Música Curso Básico de Música Betel Brasileiro - Juazeirinho Instrutores: Alex Junior e Nilson Barbosa Contatos: (83)9333-4185 Facebook Page: www.facebook.com/musicadicas 1 Dicas Se você deseja ser um bom músico

Leia mais

Curso de Violão - Iniciante

Curso de Violão - Iniciante Curso de Violão - Iniciante Iniciante Música - É a arte de combinar sons de uma maneira agradável. Algumas partes fundamentais: Melodia - Combinação de sons sucessivos; Harmonia - Combinação de sons simultâneos;

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS ESCALAS E ACORDES São Paulo 2013 SUMARIO ALTURA MUSICAL... 02 INTERVALO... 02 POSIÇÃO DAS NOTAS MUSICAIS... 02 ESCALA MAIOR... 03 MONTAGEM DE ACORDES...

Leia mais

Apostila de Ensino Teoria Musical Noções Gerais

Apostila de Ensino Teoria Musical Noções Gerais Apostila de Ensino Teoria Musical Noções Gerais Edição 2016 APRESENTAÇÃO Esta apostila reúne uma compilação de estudos embasados nas devidas referências bibliográficas, notações complementares e exercícios

Leia mais

1.1. CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES

1.1. CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES VIOLÃO 1. O QUE SÃO CIFRAS 1.1. CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES CIFRA DE ACORDES A Cifra é um símbolo usado para representar um acorde de uma forma prática. A Cifra é composta de letras, números e sinais.

Leia mais

Professor: Filipe Gonzalez Martinez CURSO DE GUITARRA E VIOLÃO INDIVIDUAL OU EM GRUPO

Professor: Filipe Gonzalez Martinez CURSO DE GUITARRA E VIOLÃO INDIVIDUAL OU EM GRUPO Professor: Filipe Gonzalez Martinez CURSO DE GUITARRA E VIOLÃO INDIVIDUAL OU EM GRUPO 2014 RESUMO O projeto Curso de guitarra e violão individual ou em grupo visa proporcionar para os alunos alguns caminhos

Leia mais

OFICINA DE VIOLÃO - Módulo Básico -

OFICINA DE VIOLÃO - Módulo Básico - OFICINA DE VIOLÃO - Módulo Básico - ELABORAÇÃO: Frank Tagino MMA-RCC-DF REVISÃO: Nilton Vilhena SETOR XII - MMA-RCC-DF 1 HISTÓRIA DO INSTRUMENTO Antes de começarmos a abordar nossos assuntos referente

Leia mais

Programa Curricular do módulo de INSTRUMENTO, variante GUITARRA. Fornecer um sólido conhecimento técnico do instrumento.

Programa Curricular do módulo de INSTRUMENTO, variante GUITARRA. Fornecer um sólido conhecimento técnico do instrumento. Programa Curricular do módulo de INSTRUMENTO, variante GUITARRA Objectivos Gerais Fornecer um sólido conhecimento técnico do instrumento. Desenvolver a coordenação entre raciocínio musical e execução no

Leia mais

Por Celsinho Gomes. Edição Própria - Celsinho Gomes - Todos os direitos reservados.

Por Celsinho Gomes. Edição Própria - Celsinho Gomes - Todos os direitos reservados. Edição Própria - Celsinho Gomes - Todos os direitos reservados. Por Celsinho Gomes ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 SISTEMA DE NOTAÇÃO GRADE 4 ESCALA MAIOR DIATÔNICA 5 ESCALA MENOR DIATÔNICA 7 MENOR HARMÔNICA 9 MENOR

Leia mais

APRENDA A TOCAR VIOLÃO EM 5 PASSOS!

APRENDA A TOCAR VIOLÃO EM 5 PASSOS! APRENDA A TOCAR VIOLÃO EM 5 PASSOS! por estrategiaeexcelencia, em 01.07.11 APRENDA A TOCAR VIOLÃO EM 5 AULAS MÉTODO SIMPLES E PRÁTICO POR MARCOS F.SILVA INTRODUÇÃO Antes de mais nada, quero explicar que

Leia mais

Prof. Juarez Barcellos

Prof. Juarez Barcellos ou Notação Musical A teoria serve para que o músico organize a aplicação de sua técnica. Ela é o intelecto, a compreensão da arte. É através dela que as composições rompem os séculos com uma linguagem

Leia mais

Baixarias no violão de 6 cordas - Matéria publicada na Revista Violão Pró

Baixarias no violão de 6 cordas - Matéria publicada na Revista Violão Pró Baixarias no violão de 6 cordas - Matéria publicada na Revista Violão Pró Olá pessoal. Hoje vamos falar sobre as baixarias feitas pelo violão de seis cordas Historicamente, o instrumento acompanhante,

Leia mais

Introdução 11 Sobre este Livro 11 Para quem é este livro? 11 Como está organizado este livro 12 Para onde ir a partir daqui 13 PARTE I 15 Ritmo 15

Introdução 11 Sobre este Livro 11 Para quem é este livro? 11 Como está organizado este livro 12 Para onde ir a partir daqui 13 PARTE I 15 Ritmo 15 Introdução 11 Sobre este Livro 11 Para quem é este livro? 11 Como está organizado este livro 12 Para onde ir a partir daqui 13 PARTE I 15 Ritmo 15 Capítulo 1 16 O que é a Teoria musical afinal? 16 Como

Leia mais

Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES ICHCA

Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES ICHCA CADERNO DE QUESTÕES Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES ICHCA TESTE ESPECÍFICO PROVA ESCRITA Processo

Leia mais

07 de JUNHO de Conteúdo: NOME: CARTEIRA Nº. 20 questões. Este caderno não será liberado

07 de JUNHO de Conteúdo: NOME: CARTEIRA Nº. 20 questões. Este caderno não será liberado 07 de JUNHO de 2009 ²3½ ±æ è ÜËÎßY]Ñ Üß ÐÎÑÊßæ ìø Conteúdo: 20 questões Este caderno não será liberado NOME: CARTEIRA Nº PROVA DE HABILIDADES ESPECÍFICAS MÚSICA ETAPA TEÓRICA Para responder às questões

Leia mais

Intervalos Lista de exercícios 1

Intervalos Lista de exercícios 1 Teoria musical 1 Intervalos Lista de exercícios 1 Assista a aula completa em: http://www.youtube.com/watch?v=x-hkueowgly Elaboração e diagramação: Philippe Lobo Intervalos Exercícios Respostas na última

Leia mais

Escala Maior Natural

Escala Maior Natural EXERCÍCIOS PARA FIXAÇÃO - ESCALAS 1. Escreva a Escala Maior nas tonalidades relacionadas abaixo. Siga o modelo com a seqüência de tons e semitons acrescentando acidentes (# ou b) quando necessário para

Leia mais

Curso de Violão. Música & Adoração. Música & Adoração. Ministério. Igreja Batista em Hidrolândia. Uma igreja que te ama

Curso de Violão. Música & Adoração. Música & Adoração. Ministério. Igreja Batista em Hidrolândia. Uma igreja que te ama Igreja Batista em Hidrolândia Uma igreja que te ama Curso de Violão Ministério Música & Adoração Produzido pelo Departamento de Ação Social da Igreja Batista em Hidrolândia. Proibida a reprodução por quaisquer

Leia mais

Vestibular O Ex. 4 começa em Fá Maior e modula para Ré Menor.

Vestibular O Ex. 4 começa em Fá Maior e modula para Ré Menor. Questão 01 As metáforas e analogias estão presentes nos mais diversos assuntos da teoria musical. Em 1755, o teórico, violinista e compositor austríaco Joseph Riepel (1709 1782) elaborou uma comparação

Leia mais

Programa Curricular do módulo de INSTRUMENTO, variante BAIXO EL./CONTRABAIXO. Fornecer um sólido conhecimento técnico do instrumento.

Programa Curricular do módulo de INSTRUMENTO, variante BAIXO EL./CONTRABAIXO. Fornecer um sólido conhecimento técnico do instrumento. Programa Curricular do módulo de INSTRUMENTO, variante BAIXO EL./CONTRABAIXO Objectivos Gerais Fornecer um sólido conhecimento técnico do instrumento. Desenvolver a coordenação entre raciocínio musical

Leia mais

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI TECLADO

GRADE CURRICULAR CAVALLIERI TECLADO MÓDULO I 1º Semestre 1.1 Apresentação do instrumento - Conhecimento das características e possibilidades de uso com seus recursos sonoros e eletrônicos e diferenças entre o teclado e o piano. 1.2 Postura,

Leia mais

O uso das tétrades na linguagem harmônica de Barry Galbraith

O uso das tétrades na linguagem harmônica de Barry Galbraith O uso das tétrades na linguagem harmônica de Barry Galbraith Adriano Carvalho Resumo: Este artigo discorre sobre a análise harmônica feita sobre a transcrição de um acompanhamento de blues tocado pelo

Leia mais

MÚSICA LEIA AS INSTRUÇÕES

MÚSICA LEIA AS INSTRUÇÕES MÚSICA 20 de março 2016 INÍCIO: 8h DURAÇÃO: 4 horas CONTEÚDO: 20 questões LEIA AS INSTRUÇÕES 1. Confira, na etiqueta colada na carteira, os seus dados cadastrais. Qualquer erro, solicite a correção ao

Leia mais

HARMONIA. A à Z. Por: Fábio Leão

HARMONIA. A à Z. Por: Fábio Leão HARMONIA DE A à Z Por: Fábio Leão 1 Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição -Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil. Para ver uma cópia desta licença, visite:

Leia mais

Quando estamos falando sobre Cifras para Acordes, a Cifra quando encontrada sozinha, entende-se que é um Acorde Maior. Exemplo:

Quando estamos falando sobre Cifras para Acordes, a Cifra quando encontrada sozinha, entende-se que é um Acorde Maior. Exemplo: Cifras para Acordes Nesta aula iremos falar sobre a Nomenclatura das Cifras para Acordes e Sinais de Alteração. Aproveite e assista, pois é um conhecimento básico que você utilizará para sempre durante

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço

IGREJA CRISTÃ MARANATA. Apostila De Teclado. Comissão de ensino Vale do Aço IGREJA CRISTÃ MARANATA Apostila De Teclado Comissão de ensino Vale do Aço Introdução O Teclado é um dos instrumentos mais utilizados hoje em dia, por sua grande flexibilidade e diversificação. Com um simples

Leia mais

VIOLÃO Flaviano Malara

VIOLÃO Flaviano Malara VIOLÃO Flaviano Malara DEDILHADOS para VIOLÃO Flaviano Malara DEDILHADOS para VIOLÃO RECOMENDAÇÕES POSTURA CORPO/INSTRUMENTO O violão possui 6 cordas; a primeira corda é a mais fina (aguda) e a sexta

Leia mais

CADERNO DE PROVA (Manhã)

CADERNO DE PROVA (Manhã) Universidade do Estado de Santa Catarina Vestibular 2013.1 CADERNO DE PROVA (Manhã) Conhecimentos Musicais 30 questões NOME DO(A) CANDIDATO(A) Instruções Para fazer a prova você usará: este caderno de

Leia mais

MÚSICA. 1ª QUESTÃO A tonalidade relativa de Mi Bemol Maior é. A) Sol Menor. B) Ré Sustenido Maior. C) Dó Menor. D) Dó Maior. E) Mi Bemol Menor.

MÚSICA. 1ª QUESTÃO A tonalidade relativa de Mi Bemol Maior é. A) Sol Menor. B) Ré Sustenido Maior. C) Dó Menor. D) Dó Maior. E) Mi Bemol Menor. MÚSICA 1ª QUESTÃO A tonalidade relativa de Mi Bemol Maior é A) Sol Menor. B) Ré Sustenido Maior. C) Dó Menor. D) Dó Maior. E) Mi Bemol Menor. 2ª QUESTÃO A tonalidade de Si Maior tem, em sua armadura convencional,

Leia mais

4. COMO TRANSPOR AS CIFRAS NO VIOLÃO

4. COMO TRANSPOR AS CIFRAS NO VIOLÃO 4. COMO TRANSPOR AS CIFRAS NO VIOLÃO 4.1. Como Fazer A transposição de cifras no braço do violão deslocando o acorde para a direita ou para a esquerda é muito fácil. Basta conhecer as notas das cordas

Leia mais

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO

INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO INICIAÇÃO À MÚSICA E AO VIOLÃO MARIO SALES SANTOS ASSUNTOS IMPORTANTES PARA INICIANTES DA MÚSICA E DO VIOLÃO São Paulo 2013 SUMARIO O QUE É A MÚSICA... 02 AS TRÊS PARTES DA MÚSICA... 02 NOTAS MUSICAIS...

Leia mais

HARMONIA I. I Breves Considerações:

HARMONIA I. I Breves Considerações: HARMONIA I I Breves Considerações: i- Conceito simplificado de Música: É a arte de expressar os sentimentos, emoções e situações através dos sons e do silêncio; ii- A música tem três componentes que a

Leia mais

TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo UFAL 2016 Edital nº 02/2016/PROGRAD-UFAL. Curso INSTRUÇÕES GERAIS

TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo UFAL 2016 Edital nº 02/2016/PROGRAD-UFAL. Curso INSTRUÇÕES GERAIS Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Instituto de Ciências Humanas, Comunicação e Artes - ICHCA TESTE ESPECÍFICO - PROVA ESCRITA Processo Seletivo

Leia mais

- PROVA TEÓRICA - LICENCIATURA EM MÚSICA

- PROVA TEÓRICA - LICENCIATURA EM MÚSICA Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ EDITAL 20/2016 COPESE COORDENADORIA PERMANENTE DE SELEÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PROVA TEÓRICA - LICENCIATURA EM MÚSICA DATA: 04/12/2016

Leia mais

TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA

TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA TESTE DE HABILIDADE ESPECÍFICA THE 2010 MÚSICA CONQUISTE ESTA VITÓRIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE Centro de Humanidades Coordenação do Curso de Bacharelado e Licenciatura em Música THE 2010

Leia mais

P á g i n a 1. Vinicius Fabri

P á g i n a 1. Vinicius Fabri P á g i n a 1 P á g i n a 2 Aula 1 Violão A história do violão é um pouco confusa porque foi criado em épocas de grandes guerras entre culturas, mas sendo assim, a história mais certa é que em meio ao

Leia mais

O violão é um dos instrumentos dos mais populares do mundo e estou disposto a lhe oferecer algumas ferramentas para que você o use de forma adequada.

O violão é um dos instrumentos dos mais populares do mundo e estou disposto a lhe oferecer algumas ferramentas para que você o use de forma adequada. VIOLÃO 1. Introdução O violão é um dos instrumentos dos mais populares do mundo e estou disposto a lhe oferecer algumas ferramentas para que você o use de forma adequada. 2. Anatomia do Violão Boca Braço

Leia mais

SÉRIE HARMÔNICA. As notas do contraponto são formadas com intervalos de repouso e/ou tensão,

SÉRIE HARMÔNICA. As notas do contraponto são formadas com intervalos de repouso e/ou tensão, 1 SÉRIE HARMÔNICA Texto: Prof. Dirso Anderle SESC/2001 As notas do contraponto são formadas com intervalos de repouso e/ou tensão, consonantes e/ou dissonantes entre as linhas (vozes) da melodia e as linhas

Leia mais

Blues Maior Estrutura. Análise do Turn Around Verticalização. Exemplo A: 1) Campo Harmônico "A" A 7+ tônico Bm 7 C #m

Blues Maior Estrutura. Análise do Turn Around Verticalização. Exemplo A: 1) Campo Harmônico A A 7+ tônico Bm 7 C #m Blues Maior Estrutura Exemplo A: 1) Campo Harmônico "A" A 7+ tônico Bm 7 C #m 7 D 7+ Subdom. E 7 dom. F #m 7 2) Principais Cadências / graus Bm 7 E 7 C # 6 F #7 D # 0 G #7 E m7a 7 F #m 7 B 7 G # 0 C #7

Leia mais

APOSTILA DE VIOLÃO POPULAR SOL MAIOR. Escola de Música O SEU FUTURO COMEÇA AQUI.

APOSTILA DE VIOLÃO POPULAR SOL MAIOR. Escola de Música O SEU FUTURO COMEÇA AQUI. MÚSICA APOSTILA DE VIOLÃO POPULAR O SEU FUTURO COMEÇA AQUI. NA musicaemsolmaior SUÇA Comunicação APOSTILA DE VIOLÃO POPULAR Professor Gesiel Rocha INTRODUÇÃO História do violão Uma casca de tartaruga

Leia mais

Para além das "decorebas" de padrões de digitação de escalas no braço da guitarra e do baixo, acredito que o estudo destes elementos deveria ajudar no entendimento de conceitos de teoria musical e na forma

Leia mais

CURSO DE CAMPO HARMÔNICO

CURSO DE CAMPO HARMÔNICO CURSO DE CAMPO HARMÔNICO APOSTILA CH-1 CAMPO HARMÔNICO COMO TIRAR MÚSICA DE OUVIDO Daniel Darezzo / Cezar Romero Belo Horizonte/MG Juiz de Fora/MG 2015 www.violaoparainiciantes.com Página 1 CURSO DE CAMPO

Leia mais

42. Construa a escala maior e indique os tetracordes de cada uma das tonalidades indicadas abaixo:

42. Construa a escala maior e indique os tetracordes de cada uma das tonalidades indicadas abaixo: Escalas Exercícios 42. Construa a escala maior e indique os tetracordes de cada uma das tonalidades indicadas abaixo: A. SOL maior B. LA maior C. SI maior D. FA maior E. MI maior F. RE maior 89 43. Construa

Leia mais

a) Os sons guia são inprecindíveis; b) O baixo pode ser omitido, especialmente se estiver presente na TES.

a) Os sons guia são inprecindíveis; b) O baixo pode ser omitido, especialmente se estiver presente na TES. TRÍADES DE ESTRUTURA SUPERIOR (TES) É possível desmembrar um acorde e suas respectivas tensões em dois pequenos acordes sobrepostos e diferentes, resultando em um acorde hibrido ou biacorde (às vezes chamado

Leia mais

Cavalete: Serve para prender as cordas, deixando-as esticadas.

Cavalete: Serve para prender as cordas, deixando-as esticadas. VIOLÃO Escala Pentatônica Primeiros passos para tocar violão Para se tornar um bom músico, primeiramente você precisa conhecer bem o seu instrumento, então vamos lá? Segue abaixo um resumo para você

Leia mais

Plano de Ensino usual

Plano de Ensino usual Plano de Ensino usual Aulas de Música Instrumental Este plano de ensino será o roteiro das aulas de como ocorrerão e quais serão os conteúdos abordados em cada aula e também os acordos para que ocorra

Leia mais

Processo Seletivo

Processo Seletivo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO Processo Seletivo 2011.2 2ª Fase Habilidades Específicas Candidato (a): Feira de Santana, de julho de 2011. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE

Leia mais

FÓRMULA VIOLÃO EXPRESS. Direitos Autorais

FÓRMULA VIOLÃO EXPRESS. Direitos Autorais Direitos Autorais Todos os Direitos reservados a Fábio de Amorim Teodoro. Este e-book só pode ser distribuído juntamente com o Curso Gratuito Fórmula Violão Express. Partes SEJA BEM do Violão VINDO Seja

Leia mais

Harmonia 2. Por: Alan Gomes

Harmonia 2. Por: Alan Gomes Harmonia 2 Por: Alan Gomes NOTA Este método foi planejado e desenvolvido para ser um diferencial no mercado, com conteúdos bastante explicativos e completos, visando tanto o iniciante quanto o profissional

Leia mais

E-book Técnicas Incríveis

E-book Técnicas Incríveis E-book Técnicas Incríveis Ricardinho Paraíso 1 Técnicas avançadas Abordarei as principais bases para que o baixista tenha acesso e consiga executar qualquer técnica.vocês sabiam que todos os fundamentos

Leia mais

Dicas e Truques para Piano e Teclado

Dicas e Truques para Piano e Teclado COMUNICADO: Proibido por lei a cópia e alteração de qualquer parte desse e-book sem a prévia autorização do autor. Se souber de algum caso, denuncie. Dicas e Truques para Piano e Teclado www.teclasmagicas.com

Leia mais

NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música?

NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música? NOTAÇÃO MUSICAL: Como se escreve música? A música é uma linguagem sonora como a fala. Assim como representamos a fala por meio de símbolos do alfabeto, podemos representar graficamente a música por meio

Leia mais

VIOLÃO POPULAR EXPLICANDO TUDO PELAS CIFRAS. Autor: MR. DIRSOM

VIOLÃO POPULAR EXPLICANDO TUDO PELAS CIFRAS. Autor: MR. DIRSOM VIOLÃO POPULAR EXPLICANDO TUDO PELAS CIFRAS Autor: MR. DIRSOM 1. O QUE SÃO CIFRAS 1.1. CIFRA DE ACORDES CONCEITO A Cifra é um símbolo usado para representar um acorde de uma forma prática. A Cifra é composta

Leia mais

Princípios básicos de violão - Bruno Grunig 2. Princípios básicos de violão. para iniciantes

Princípios básicos de violão - Bruno Grunig  2. Princípios básicos de violão. para iniciantes Princípios básicos de violão - Bruno Grunig http://videoauladeviolao.com.br 2 Princípios básicos de violão para iniciantes Esta é uma apostila com alguns princípios básicos para estudo de violão, não se

Leia mais

Programa Curricular do módulo de INSTRUMENTO, variante CANTO. Fornecer um sólido conhecimento técnico do instrumento.

Programa Curricular do módulo de INSTRUMENTO, variante CANTO. Fornecer um sólido conhecimento técnico do instrumento. Programa Curricular do módulo de INSTRUMENTO, variante CANTO Objectivos Gerais Fornecer um sólido conhecimento técnico do instrumento. Desenvolver a coordenação entre raciocínio musical e execução no instrumento.

Leia mais