Systems Engineering. Luís Carlos Catarino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Systems Engineering. Luís Carlos Catarino"

Transcrição

1 Concurrent Design & Systems Engineering Luís Carlos Catarino CSE Introdução à 29/05/2012

2 Agenda Engenharia de Sistemas Engenharia Simultânea Projeto Simultâneo Exemplo: Concurrent Design Facility da ESA 2 /18

3 Engenharia de Sistemas Systems Engineering is an interdisciplinary approach and means to enable the realization of a successful systems. It focuses on defining customer needs and required funcionality early in the development cycle, documenting requirements and then proceeding with design synthesis and system validation while considering the complete problem: operations, cost and schedule, performance, training and support, test, manufacturing and disposal. se considers both the business and the technical needs of all customers with ihthe goal of providing a quality product that meets the user needs. (INCOSE 2011) Palavras chave: Complexidade; Colaboração; Multidisciplinaridade; Antecipação para a fase de concepção e projeto: Requisitos técnicos e organizacionais a partir do ciclo de Vida; Necessidades de diferentes Stakeholders; 3 /18

4 Engenharia seqüencial ( por cima do muro ) Fluxo de atividades seqüencial e unidirecional; Informações fragmentadas que perdem a consistência com o tempo; Departamentalização ; Baixo nível de interação; GAP s de informação entre projeto e cliente. 4 /18

5 Engenharia Simultânea Engenharia simultânea é uma abordagem sistemática para desenvolvimento integrado de produto que enfatiza a resposta às expectativas do cliente. Ela incorpora valores de trabalho em equipe como cooperação, confiança e compartilhamento, de maneira que as decisões tomadas são por consenso, envolvendo todas as perspectivas em paralelo, do ínicio ao fim do ciclo de vida do produto (European Space Agency) 5 /18

6 Engenharia Simultânea Contexto Novas tecnologias; Complexidade cresente de produtos; Aumento do lead time de desenvolvimento; Lançamento de produtos em intervalos de tempo cada vez menores; Necessidade de reduzir os ciclos de desenvolvimento; Aumentar o grau de paralelismo; Atividades posteriores dependentes do ciclo de aprovação das anteriores. Palavras chave: Complexidade; Colaboração; Multidisciplinaridade; Paralelismo; Localidade (equipes); Desenvolvimento integrado. 6 /18

7 Engenharia Simultânea Impacto das modificações ao longo da fase de desenvolvimento 7 /18

8 Engenharia Simultânea Comprometimento dos custos no tempo (adaptado do INCOSE-2011) Engenharia sequencial Engenharia de Sistemas/Simultânea 8 /18

9 Projeto simultâneo Ferramentas computacionais com um grande papel no processo de engenharia: Recursos CAD/CAE/CAM, modelos de simulação com maior precisão; Capacidade de modificação rápida de modelos digitais e previsão de futuros problemas; A prática de engenharia simultânea e de sistemas se torna muito mais efetiva com abordagem colaborativa ao levar em conta que os modelos de cada engenheiro/equipe devem ser capazes de interagir i uns com os outros. Engenharia de Sistemas Engenharia Simultânea Facilities Projeto Simultâneo Palavras chave: Infraestrutura Ambiente integrado de desenvolvimento Colaboração 9 /18

10 Exemplo: Concurrent Design Facility (ESA) Engenharia Simultânea aplicada a estudos de futuras missões espaciais Sede: Noordwijk, Holanda Operacional desde 2000 Ambiente integrado de desenvolvimento 10 /18

11 Exemplo: Concurrent Design Facility (ESA) Organização das equipes do CDF: 11 /18

12 Exemplo: Concurrent Design Facility (ESA) Elementos do processo: Conduzido em sessões Reuniões plenárias com representantes de todo os domínios de engenharia espacial, desde as fases iniciais (análise de requisitos) até o fim do projeto (custeio); 6 a 10 sessões/estudo; Sessões de 4 horas Frequência de 2 vezes por semana; Participação do cliente do estudo; Orientado por modelos; Projeto online; Altamente cooperativo e interativo; Iterações; Comparação entre alternativas e trade-offs. 12 /18

13 Exemplo: Concurrent Design Facility (ESA) Processo iterativo 13 /18

14 Exemplo: Concurrent Design Facility (ESA) Processo de Projeto 14 /18

15 Exemplo: Concurrent Design Facility (ESA) Arquitetura de Hardware 15 /18

16 Exemplo: Concurrent Design Facility (ESA) ESA-CDF: Ferramentas de Software Geral Domínio Ferramenta(s) System modelling MS Excel spreadsheets Documentation storage and archive Terminal Server (TSE) Project documentation MS Word Electronic communication within the team Lotus Notes Storage for all data iscsi SAW Remote audio/visual communication Video-conferencing and WEB EX Application Deployment Citrix XenApp6 Application Streaming & Hyper=V Virtual Servers Dominio System of Systems Requirements Management Software and System Modelling AOCS Communications Cost Modelling and Estimation Instruments Mission Analysis Mission Simulation and Visualisation Power Programmatics Risk Structural design, Configuration,Accomodation Thermal Multibody Simulations Específicas Ferramenta(s) IBM System Architect and Focal Point IBM DOORS MagicDraw, Teamwork Server, Cameo Altova Matrix X, Matlab STK CEDRE, Small Satellite Cost Model, RACE Model, TIW-O,TIW-D, PRICE MathCAD STK, ORION, Swing-by calculator, ATOS EUROSIM PowerCAP MS Project Ceris, MS Access, Matlab CATIA, PATRAN, NASTRAN, SimDesigner ThermXL TCDT (Thermal Concept Design Tool) DCAP, Adams, MECANO, SimPACK 16 /18

17 Exemplo: Concurrent Design Facility (ESA) Principais benefícios obtidos com o CDF: Performance (i (tipicamentei pré-fase A): Redução em 4 vezes no tempo de execução dos estudos; Redução em 2 vezesno custo para o cliente; Melhoria da Qualidade com estudos rápidos, completos e consistentes de projetos de missão, incluindo estudos de viabilidade técnica, riscos e custos. Capitalização do conhecimento corporativo para reúso; Ferramenta essencial para ESA no processos de tomada de decisão e gestão de risco; Spin-off: Transferência de know-how do CDF para as agências nacionais, indústria e universidades. 17 /18

18 Referências Systems Engineering Handbook, INCOSE International Council On Systems Engineering, january 2011, NUMA - Núcleo de Manufatura Avançada: ESA European Space Agency - Concurrent Design Facility 18 /18

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Pólo de Viseu Instituto Universitário de Desenvolvimento e Promoção Social DISCIPLINA Controlo Informático da Gestão LICENCIATURA Informática

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web } Com o forte crescimento do comércio eletrônico por

Leia mais

A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS A ABORDAGEM UTILIZADA PELO GRUPO SIMUCAD: SIMULAÇÃO & CAD, NO DESENVOLVIMENTO DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Nilton Luiz Menegon menegon@power.ufscar.br Miguel Antonio Bueno da Costa mbcosta@power.ufscar.br

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Infraestrutura no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Infraestrutura no Brasil Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PLM como iniciativa estratégica para o desenvolvimento de produtos. Henrique Ladeira Gerente Programa PLM Nov, 2014

PLM como iniciativa estratégica para o desenvolvimento de produtos. Henrique Ladeira Gerente Programa PLM Nov, 2014 PLM como iniciativa estratégica para o desenvolvimento de produtos Henrique Ladeira Gerente Programa PLM Nov, 2014 Como manter a competitividade? Tempo, Custo e Qualidade não são mais suficientes Globalização

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador

CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador CSCW - Trabalho Cooperativo Suportado por Computador Luís Manuel Borges Gouveia Aveiro, Janeiro de 2002 evolução dos sistemas de interacção o impacto dos computadores e a preocupação das TI foi-se desenvolvendo

Leia mais

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering.

Parte I Requirement Engineering. Gestão de Projectos Informáticos. Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering. Parte I Requirement Engineering Gestão de Projectos Informáticos Gestão do Âmbito (Scope Management) Requirement Engineering Introduzir as noções requisitos de sistema e processo de engª de requisitos

Leia mais

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes Gerência de Projetos e Fabiana Costa Guedes 1 Agenda O que é um Projeto O que é Gerenciamento de Projetos O Contexto da Gerência de Projetos PMI Project Management Institute Ciclo de Vida do Projeto Áreas

Leia mais

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco

Software product lines. Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Software product lines basic concepts Paulo Borba Informatics Center Federal University of Pernambuco Um produto www.usm.maine.edu

Leia mais

Rafael Latorre Antares Vision Brasil

Rafael Latorre Antares Vision Brasil Rafael Latorre Antares Vision Brasil YOUR INSPECTION AND TRACEABILITY PARTNER Antares Vision do BRASIL Rua Guaratiba 132 Santo Amaro São Paulo Brasil Tel. (+55) 11 2364-7512 / Fax (+55) 112364-7526 www.antaresvision.com

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE 6 Disponibilizado no endereço http://www.acaoergonomica.ergonomia.ufrj.br Ação Ergonômica vol 3 nº. 1 (2007) pp. 01-06 METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup )

Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup ) Tecnologia, Negócio e Educação ( Startup ) Palestra: Desafios do Analista de Negócio na Era do Digital Business Agenda Apresentação Trends Analista de Negócio Digital transformation A & Q Apresentação

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem:

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem: Descrição de Serviços Serviços Business Transformation and Plan O SAP Business Transformation and Plan é um serviço de consultoria e prototipagem para promover a inovação e transformação da Licenciada

Leia mais

Accountable Marketing Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Accountable Marketing Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Instrumentos de alinhamento do negócio

Instrumentos de alinhamento do negócio Virtualização e Consolidação: Instrumentos de alinhamento do negócio com as TIC José Casinha (Oni Communications) jose.casinha@oni.pt i Alinhamento das TI com o negócio Pessoas Skills Conhecimento Produtividade

Leia mais

inlux Desvende o seu IT

inlux Desvende o seu IT inlux Desvende o seu IT Luís Ganhão Sales Consultant Manager Ask not what your Country can do for you Ask what you can do for your Country John F. Kennedy, Washington, 20 de Janeiro

Leia mais

Worldwide Enterprise Support Services

Worldwide Enterprise Support Services Worldwide Enterprise Support Services Agenda O Suporte Premier Suporte Preventivo Resolução de Problemas Relacionamento com a Microsoft Suporte Consultivo O Suporte Premier Apoio ao cliente na prevenção

Leia mais

Gerência de Projetos

Gerência de Projetos Gerência de Projetos Escopo Custo Qualidade Tempo CONCEITO PROJETOS: são empreendimentos com objetivo específico e ciclo de vida definido Precedem produtos, serviços e processos. São utilizados as funções

Leia mais

> outsourcing > > consulting > > training > > engineering & systems integration > > business solutions > > payment solutions > Portugal

> outsourcing > > consulting > > training > > engineering & systems integration > > business solutions > > payment solutions > Portugal > outsourcing > > consulting > > training > > business solutions > > engineering & systems integration > > payment solutions > Portugal Há sempre um melhor caminho para cada empresa. Competências Outsourcing

Leia mais

SPED e NF- e Claudio Coli

SPED e NF- e Claudio Coli SPED e NF- e Claudio Coli A MASTERSAF Nossa Visão Missão Negócio Nossa Razão Convergência Promover Ética e Responsabilidade Social deixando um legado que seja motivo de Orgulho para nossos Clientes e Colaboradores

Leia mais

Integrando pessoas ao negócio através de um portal colaborativo. ROGÉRIO INOMATA inomata@br.ibm.com Portal Sales Leader, IBM América Latina

Integrando pessoas ao negócio através de um portal colaborativo. ROGÉRIO INOMATA inomata@br.ibm.com Portal Sales Leader, IBM América Latina Integrando pessoas ao negócio através de um portal colaborativo ROGÉRIO INOMATA inomata@br.ibm.com Portal Sales Leader, IBM América Latina Por quê? INOVAÇÃO Então O que é um portal mesmo? Serviços de Apresentação

Leia mais

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Engenharia de Software: Introdução Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Programa 1. O processo de engenharia de software 2. UML 3. O Processo Unificado 1. Captura de requisitos 2.

Leia mais

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata:

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: Vaga: Estagiário Área Jurídica Área: Legal Department O Departamento Jurídico é uma área dinâmica que possui

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE TESTE PARA COMPUTADORES DE SUPERVISÃO DE BORDO DE SATÉLITES

PADRONIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE TESTE PARA COMPUTADORES DE SUPERVISÃO DE BORDO DE SATÉLITES PADRONIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE TESTE PARA COMPUTADORES DE SUPERVISÃO DE BORDO DE SATÉLITES Thiago Duarte Pereira 1, Fabricio de Novaes Kucinskis 2 e Mauricio Gonçalves Vieira Ferreira 3 Instituto Nacional

Leia mais

Estágios Tecnológicos no CERN, ESA e ESO

Estágios Tecnológicos no CERN, ESA e ESO Estágios Tecnológicos no CERN, ESA e ESO Casos de Sucesso 30 Abril 2010 Copyright Active Space Technologies 2004-2010 Conteúdo Percurso Académico dos Promotores Estágio na ESA Projecto Empreendedor Sugestões

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Workshop de Virtualização de Desktops. Braga, 12 de Junho de 2013

Workshop de Virtualização de Desktops. Braga, 12 de Junho de 2013 Workshop de Virtualização de Desktops Braga, 12 de Junho de 2013 AGENDA AGENDA 09h30 Welcome Coffee Sala contígua ao Auditório do ILCH-UMinho, no piso 0 09h50 Boas Vindas Luís Costa, Senior Account Manager,

Leia mais

Garantindo a produtividade dos usuários e o máximo uso de aplicações SAP

Garantindo a produtividade dos usuários e o máximo uso de aplicações SAP SAP Forum 2013 Garantindo a produtividade dos usuários e o máximo uso de aplicações SAP Versão 5.0 / Março 2013 Siemens Ltda. 2010 2013. / Todos os direitos reservados. SAP UEM by Knoa Case Siemens A Siemens

Leia mais

Recuperação Judicial de Empresas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Recuperação Judicial de Empresas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processo de Software Thiago P. da Silva thiagosilva.inf@gmail.com Agenda Revisando Engenharia de Software Engenharia de Sistemas Processo de software Fases Genéricas de Modelos de

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Gestão Estratégica de Projetos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Gestão Estratégica de Projetos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas)

Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Information technology specialist (systems integration) Especialista em tecnologia da informação (integração de sistemas) Professional activities/tasks Design and produce complex ICT systems by integrating

Leia mais

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br)

Investigando aspectos da geração de novos produtos de software. Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Investigando aspectos da geração de novos produtos de software Daniel Arcoverde (dfa@cin.ufpe.br) Estrutura Parte1. Inovação é igual em software? Parte 2. Processo de Desenvolvimento de Novos Produtos

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer

Gestão do Produto. Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura Prof. Dr.-Ing. K. Schützer FEAU - UNIMEP Gestão do Produto Prof. Dr.-Ing. Klaus Schützer Lab. de Sistemas Computacionais para Projeto e Manufatura

Leia mais

O que é um processo de software?

O que é um processo de software? O que é um processo de software? Um conjunto de atividades realizadas por pessoas cujo objetivo é desenvolvimento ou evolução de software e sua documentação. Atividades genéricas em todos os processos:

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Capítulo 3 Processos de Software Slides do Livro do Sommerville, 2000 Disponíveis em inglês em www.software-engin.com Traduzidos por Jacinta Pereira Graduando do Curso de Letras

Leia mais

Descrição das Áreas de Processo

Descrição das Áreas de Processo Descrição das Áreas de Processo Níveis 2 e 3 Foco em CMMI para SW INF326 - Modelos de Qualidade de SW - Mario L. Côrtes CMMI parte B 5B - 1 Convenções gráficas Repositório de Medições Repositório de Informações

Leia mais

Gestão Financeira Empresarial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Gestão Financeira Empresarial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software

Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software Uma Abordagem de Engenharia de Requisitos Para Linhas de Produtos de Software Gabriela Guedes de Souza, Jaelson Castro e Carla Silva ggs@cin.ufpe.br, jbc@cin.ufpe.br, carla@dce.ufpb.br DEPARTAMENTO DE

Leia mais

Os Desafios da Segurança no Desenvolvimento com Métodos Ágeis. OWASP Education Project. The OWASP Foundation http://www.owasp.org

Os Desafios da Segurança no Desenvolvimento com Métodos Ágeis. OWASP Education Project. The OWASP Foundation http://www.owasp.org Os Desafios da Segurança no Desenvolvimento com Métodos Ágeis Education Project Rafael Dreher Porto Alegre Chapter - Co-founder Security Consultant @ Dell dreher@owasp.org Copyright 2007 The Foundation

Leia mais

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento

Desenvolvimento Iterativo. Unified Process (UP) Esta abordagem ao desenvolvimento Desenvolvimento Iterativo Esta abordagem ao desenvolvimento assegura que o sistema cresce de forma incremental assegura que a complexidade se mantém controlada permite ainda obter rápido feedback de várias

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

4. Aplicações de Software

4. Aplicações de Software 1. Introdução 2. Sistemas de Fabrico 3. Actividades na Gestão do Processo Produtivo 4. Aplicações de Software 5. e-manufacturing 6. Conclusões Eduardo Tovar, Novembro 2002 20 Aplicações de Software (1)

Leia mais

Pesquisa sobre Iniciativas em BPM

Pesquisa sobre Iniciativas em BPM Pesquisa sobre Iniciativas em BPM Apresentação...2 1. Perfil dos Participantes da Pesquisa...3 2. Como as organizações estão adotando o BPM... 4 2.1. Como as organizações entendem o conceito de BPM?...

Leia mais

Os benefícios e as restrições do uso da simulação virtual no processo de desenvolvimento de produtos.

Os benefícios e as restrições do uso da simulação virtual no processo de desenvolvimento de produtos. Os benefícios e as restrições do uso da simulação virtual no processo de desenvolvimento de produtos. Ana Cristina Mongelli Martin (MEA/POLI/USP) ana.mongelli@uol.com.br Marly Monteiro de Carvalho (PRO/POLI/USP)

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Private Equity e Venture Capital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Private Equity e Venture Capital Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência

Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Scrum e CMMI no C.E.S.A.R Relato de Experiência Felipe Furtado Engenheiro de Qualidade Izabella Lyra Gerente de Projetos Maio/2008 Agenda Motivação Pesquisas Adaptações do Processo Projeto Piloto Considerações

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica

Avaliação Ambiental Estratégica Mestrado em Engenharia do Ambiente Avaliação Ambiental Estratégica O que é a AAE? Evolução, âmbito, formas, benefícios 2 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário O que é a AAE? Instrumento (processo)

Leia mais

Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade

Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade Encontro Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias Grupo de Trabalho WG3 Privacidade, Segurança e Qualidade Caparica, 3 de Dezembro de 2015 Comissão Técnica CT199 - Sistemas

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

CA ERwin Data Modeling Visualize the Power of Your Data On Premise or in the Cloud

CA ERwin Data Modeling Visualize the Power of Your Data On Premise or in the Cloud CA ERwin Data Modeling Visualize the Power of Your Data On Premise or in the Cloud Luis Alfonso Rey 05 06 2012 Programa 1 O desafio: Lidar com a complexidade dos dados 2 A solução CA ERwin: Visualize o

Leia mais

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano

Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Microsoft Nosso Comprometimento Mais de 9 bilhões em P&D/ano Windows e Web Dynamics Comunicação e Produtividade Servidores Infraestrutura Empresarial Busca e Anúncios Mobilidade Entretenimento e TV Microsoft

Leia mais

Aplicativo para ITIL - Conectando os processos ITIL com o CMDB. Guilherme Azevedo EMC Ionix. Copyright 2009 EMC Corporation. All rights reserved.

Aplicativo para ITIL - Conectando os processos ITIL com o CMDB. Guilherme Azevedo EMC Ionix. Copyright 2009 EMC Corporation. All rights reserved. Aplicativo para ITIL - Conectando os processos ITIL com o CMDB Guilherme Azevedo EMC Ionix 1 ITIL V3 - Abordagem do ciclo de vida do serviço Estratégia do Serviço Gerenciamento de Serviços como uma ferramenta

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I Aula 3

Processos de Desenvolvimento de Software. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I Aula 3 Processos de Desenvolvimento de Software Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I Aula 3 Modelos de Processo de Software O Modelo Sequencial Linear Aula passada também chamado Modelo Cascata

Leia mais

Proteção de Dados no Contexto do Outsourcing de Infraestrutura de TI TIVIT Leonardo Brito Gibrail

Proteção de Dados no Contexto do Outsourcing de Infraestrutura de TI TIVIT Leonardo Brito Gibrail Proteção de Dados no Contexto do Outsourcing de Infraestrutura de TI TIVIT Leonardo Brito Gibrail Engenharia de Negócios 1 Agenda 1 Sobre a TIVIT 2 IT Outsourcing 3 Parceria TIVIT & Symantec 4 Projeto

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r v.1.8 de 14/07/2010 1 1993: fundada como Integradora de Sistemas 2009: reconhecida Inteligência em Projetos 16 anos de realizações: + 350 projetos no

Leia mais

Apresentando Sonic V7.0

Apresentando Sonic V7.0 Apresentando Sonic V7.0 A próxima geração do ESB Renato L. Rissardi System Engineer Agenda Apresentando Sonic v7.0 Novas Ferramentas de desenvolvimento Web Services Avançados Demo Resumo Q & A 2 Progress

Leia mais

Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI

Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI Introdução Conceituação Transformando a TI: de Operacional para Estratégica Por que implementar Quem implementou Quem está implementando Como Implementar

Leia mais

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r Microsoft Mobile BI v.0.0.1 de 05/11/2015 Projetos Digitais 1 G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r 1993: fundada como Integradora de Sistemas

Leia mais

Resumo. Sobre a Produtivit Quem somos Missão, Visão e Valores O que fazemos Como fazemos Especialidades Parcerias Cases Clientes

Resumo. Sobre a Produtivit Quem somos Missão, Visão e Valores O que fazemos Como fazemos Especialidades Parcerias Cases Clientes Resumo Sobre a Produtivit Quem somos Missão, Visão e Valores O que fazemos Como fazemos Especialidades Parcerias Cases Clientes Sobre a Produtivit Fundada em 2009, a Produtivit é uma empresa capixaba que

Leia mais

Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Dezembro/ 2009

Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Dezembro/ 2009 Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Dezembro/ 2009 Usando o PRINCE2 TM como base para todos os Projetos Diferença entre projetos e operação O que uma organização procura em uma metodologia

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Go To Market Estratégias de Otimização de Resultados Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Go To Market Estratégias de Otimização de Resultados Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão 3URFHVVRV(QJ GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville

Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão 3URFHVVRV(QJ GH5HTXLVLWRV. Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville Análise e Conc epç ão de Sist em as de Inform aç ão 3URFHVVRV(QJ GH5HTXLVLWRV Adaptado a partir de Gerald Kotonya and Ian Sommerville 1 Objectivos Introduzir a noção de processos e de modelos de processos

Leia mais

Turnaround de Empresas da reestruturação à recuperação judicial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Turnaround de Empresas da reestruturação à recuperação judicial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

NCR CONNECTIONS. CxBanking

NCR CONNECTIONS. CxBanking CxBanking NCR CONNECTIONS Nossa soluc a o multicanal permite aos bancos implementar rapidamente servic os empresariais personalizados em canais fi sicos e digitais. Um guia de soluções da NCR Visão geral

Leia mais

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com

IBM Rational Quality Manager. Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Gerenciamento de Qualidade IBM Rational Quality Manager Felipe Freire IBM Rational pfreire@br.ibm.com Introdução Jazz Rational Quality Manager Demonstração Agenda 2 Teste de software?!? O que é? Para que

Leia mais

Progen: SAP Business All-in-One traz precisão total nas informações

Progen: SAP Business All-in-One traz precisão total nas informações Picture Credit Customer Name, City, State/Country. Used with permission. Progen: SAP Business All-in-One traz precisão total nas informações Geral Executiva Nome da Progen Indústria Engineering Produtos

Leia mais

Gerenciamento Ágil de Projetos HEITOR RORIZ FILHO, MSc, PMI-ACP, CST Massimus C&T

Gerenciamento Ágil de Projetos HEITOR RORIZ FILHO, MSc, PMI-ACP, CST Massimus C&T Evento técnico mensal Gerenciamento Ágil de Projetos HEITOR RORIZ FILHO, MSc, PMI-ACP, CST Massimus C&T : Organização Apoio 1 de xx Agenda Porque o framework Scrum? O contexto de Scrum no PMBOK O que é

Leia mais

Engenharia de Ontologias Seminário UPON

Engenharia de Ontologias Seminário UPON Engenharia de Ontologias Seminário UPON Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias Bruno Nandolpho Machado Vinícius Soares Fonseca Professor: Ricardo de Almeida Falbo Agenda RUP Método UPON

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS DE APLICAÇÕES WEB: UMA ABORDAGEM PARA MINIMIZAÇÃO DE INCERTEZAS NA DEFINIÇÃO DE ESCOPO

GESTÃO DE PROJETOS DE APLICAÇÕES WEB: UMA ABORDAGEM PARA MINIMIZAÇÃO DE INCERTEZAS NA DEFINIÇÃO DE ESCOPO GESTÃO DE PROJETOS DE APLICAÇÕES WEB: UMA ABORDAGEM PARA MINIMIZAÇÃO DE INCERTEZAS NA DEFINIÇÃO DE ESCOPO Cristina Coelho de Abreu Pinna Mestranda da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Depto.

Leia mais

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes (jhcf@cic.unb.br) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis

Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Requisitos para Gestão de Requisitos no Desenvolvimento de Software que Utilizam Prática Ágeis Abstract. Resumo. 1. Introdução Vinicius A. C. de Abreu 1 Departamento de Ciência da Computação - DCC Universidade

Leia mais

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T

B U S I N E S S I M P R O V E M E N T BUSINESS IMPROVEMENT A I N D E V E QUEM É A Indeve é uma empresa especializada em Business Improvement, composta por consultores com uma vasta experiência e com um grande conhecimento do mundo empresarial

Leia mais

TI deseja Consolidação FILIAL FILIAL FILIAL. Controle. Diminuir Custos. Reduzir Riscos VM VM VM VM VM VM DATA CENTER

TI deseja Consolidação FILIAL FILIAL FILIAL. Controle. Diminuir Custos. Reduzir Riscos VM VM VM VM VM VM DATA CENTER Riverbed Granite TI deseja Consolidação FILIAL FILIAL FILIAL Controle Diminuir Custos Reduzir Riscos DATA CENTER 2 Consolidação de escritórios ou filiais HOJE 3 BRANCH OFFICE #1 WAN BRANCH OFFICE #2 DATA

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

PrimeUp Educação. Caso real: implantação de solução de ALM. sergio.fernandes@primeup.com.br

PrimeUp Educação. Caso real: implantação de solução de ALM. sergio.fernandes@primeup.com.br PrimeUp Educação Caso real: implantação de solução de ALM sergio.fernandes@primeup.com.br Roteiro Slide 2 Objetivo Escopo Esforço PrimeUp Estratégia proposta para o projeto Detalhamento Aumento de Produtividade

Leia mais

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Finanças para Executivos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Inovação 2.0. John C. Timmerman, Ph.D. Presidente do Conselho, ASQ. Estrategista Sênior, Experiência do Cliente e Inovação Gallup.

Inovação 2.0. John C. Timmerman, Ph.D. Presidente do Conselho, ASQ. Estrategista Sênior, Experiência do Cliente e Inovação Gallup. Inovação 2.0 John C. Timmerman, Ph.D. Presidente do Conselho, ASQ Estrategista Sênior, Experiência do Cliente e Inovação Gallup 15 de julho, 2013 Objetivos 1. Compreender a importância da economia comportamental

Leia mais

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 Os níveis 3, 4 e 5 No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 descrição sucinta das KPAs dos níveis 3, 4 e 5 INF310 - Modelos

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

Avaliação de Empresas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Avaliação de Empresas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Gerenciamento de Projetos de Sistemas ERP. Ricardo Viana Vargas, MsC, PMP rvargas@aec.com.br

Gerenciamento de Projetos de Sistemas ERP. Ricardo Viana Vargas, MsC, PMP rvargas@aec.com.br Gerenciamento de Projetos de Sistemas ERP Ricardo Viana Vargas, MsC, PMP rvargas@aec.com.br Ricardo Viana Vargas, MsC, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos, membro do Project

Leia mais