INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO"

Transcrição

1 INDUÇÃO DE RAÍZES EM ESTACAS DO ALGODOEIRO ARBÓREO EM CONDIÇÕES EX VITRO Julita Maria Frota Chagas Carvalho (Embrapa Algodão / Francisco Pereira de Andrade (Embrapa Algodão), Cristiane Miranda Furtado (UFRN), Juliana Pereira de Castro (Embrapa Algodão), José Wellington dos Santos (Embrapa Algodão), Marcia Soares Vidal (Embrapa Algodão). RESUMO - Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito de diferentes auxinas (AIA, AIB e ANA) no enraizamento de estacas de algodão arbóreo. O ensaio foi realizado na Embrapa Algodão, localizada em Campina Grande, PB, Brasil. As estacas foram tratadas com duas concentrações (0,5 g.l -1 e 1,0 g.l -1 ) das auxinas por 10, 15, 20 e 25 minutos. Depois de tratadas, as mesmas foram plantadas e mantidas em casa-de-vegetação por 30 dias. Aos 30 dias foram feitas as avaliações relativas ao número de brotos emitidos e ao desenvolvimento radicular. Os melhores resultados para a indução de enraizamento foram obtidos quando as estacas foram tratadas por 15 minutos em uma solução de AIB. Palavras-chave: algodão, auxinas, enraizamento. ROOTING INDUCTION IN CUTTINGS OF ARBOREAL COTTON IN EX VITRO CONDICTIONS ABSTRACT - The objective of this work was to evaluate the effect of different auxins (IAA, IBA, NAA) on the rooting of cotton cuttings. The trial was carried out at Embrapa Algodão, located in Campina Grande, PB, Brazil. The cuttings were treated with two concentrations (0.5 g.l -1 or 1.0 g.l -1 ) of the auxins for 10, 15, 20 and 25 minutes. The cuttings were planted and maintained in the greenhouse for 30 days. After 30 days, evaluations were done relative to the number of shoots emited and the root development. The best results for rooting induction were obtained when the cuttings were treated for 15 minutes in a solution of IBA Key words: cotton, Auxins, Rooting INTRODUÇÂO O algodoeiro arbóreo é um rico repositório de genes que podem ser de utilidade nos programas de melhoramento genético que visem incorporar muitas de suas características, em especial as relacionadas com as excepcionais propriedades tecnológicas de sua fibra. Portanto, é de grande valia a preservação deste patrimônio genético, visando barrar o processo violento de erosão genética a que ele vem sendo submetido no Nordeste brasileiro. A propagação por estaquia, que é um dos métodos mais importantes no processo de propagação de plantas, destaca-se por promover a multiplicação de plantas matrizes selecionadas, como por exemplo, genótipos coletados no campo, maximizando e mantendo as características genéticas desejáveis da mesma, permitindo, assim acelerar os métodos convencionais de propagação vegetativa, dentro outras finalidades (MELETTI, 2000). Por outro lado, existem clones com grande facilidade de propagação vegetativa, em que procedimentos mais simples e de menor custo, como o enraizamento de estacas, podem ser suficientes para atender ao processo da ampliação dos acessos do Banco de Germoplasma (BAG) do algodoeiro. A aplicação de fitoreguladores é uma prática muito utilizada para promover o enraizamento de estacas. O grupo de reguladores de crescimento usado com maior freqüência é o das auxinas, que são essenciais no processo de enraizamento, possivelmente por estimularem a síntese de etileno, favorecendo assim a emissão de raízes (ZELENÁ e FUKSOVÁ, 1991; NORBERTO et al., 2001).

2 Segundo Pasqual et al (2001), é necessário que haja um balanço hormonal endógena adequado, especialmente entre auxinas, giberelinas e citocininas, ou seja, equilíbrio entre promotores e inibidores do processo de iniciação radicular. A maneira mais comum de promover esse equilíbrio é pela aplicação exógena de reguladores de crescimento sintéticos, como AIB (ácido indol-butírico), que podem elevar o teor de auxina no tecido. Assim, o objetivo do presente trabalho é avaliar a influência dos tipos de auxinas bem como, suas concentrações e período de imersão na indução do enraizamento em estacas do algodoeiro arbóreo. MATERIAL E MÉTODOS Plantas do algodoeiro arbóreo em bom estado fisiológico e fitossanitário foram selecionadas no campo experimental de Patos - PB e, estacas de ± 15 cm de tamanho foram coletadas e levadas à sala de Cultivo de Tecidos do Laboratório de Biotecnologia da Embrapa Algodão a fim de serem preparadas e, em seguida, translocadas para casa-de-vegetação onde foi instalado o ensaio. As estacas foram imersas parcialmente em soluções de auxina e, logo após os períodos de imersão estabelecidos, estas foram plantadas em saco plástico, contendo uma mistura de esterco areia e argila mantida em casa-devegetação. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, com arranjo fatorial de 3 X 2 X 4 +1 com um controle (água), três tipos de auxinas (ácido indol-acético (AIA), ácido indolbutírico (AIB) e ácido naftalenoacético (ANA) com duas concentrações (0,5 g.l -1 e 1,0 g.l -1 ) destes reguladores de crescimento para indução do enraizamento em quatro períodos de imersão (10, 15, 20 e 25 minutos). Utilizou-se 10 estacas por tratamento, dividindo em 5 repetições com 2 estacas por saco. As avaliações dos tratamentos foram realizadas 30 dias após a instalação do ensaio, através de coleta do seguinte dado: peso seco do sistema radicular de cada estaca e número de brotos emitidos. O software utilizado nas analises estatística foi (SAS/STAT ). RESULTADOS E DISCUSSÃO Na Tabela 1 são apresentados os valores médios referentes às variáveis número de brotos emitidos e peso seco de raízes de estacas do algodoeiro arbóreo, quando submetidas ao tratamento com diferentes auxinas, concentrações e períodos de imersão. Para a variável peso seco de raízes, não houve efeito significativo entre concentração de auxinas e tempo de imersão. Em relação aos tipos de auxinas utilizadas constatou-se que as auxinas AIA e AIB foram significativamente iguais, apesar da auxina AIB ter apresentado média superior. Monette (1986) e, Ducan e Tuener (1984) trabalharam com outras culturas e também obtiveram sucesso no enraizamento diretamente em substrato, após tratamento com auxina ácido indol-butírico em solução aquosa. Os dados de peso seco de raízes para a auxina ANA indicam que esta apresenta atividade inibitória na produção de raízes de estacas do algodoeiro arbóreo.

3 Tabela 1. Valores médios referentes às variáveis número de brotos emitidos e peso seco de raízes de estacas do algodoeiro arbóreo em função de diferentes tipos de auxinas, concentrações e períodos de imersão. Campina Grande-PB, Embrapa Fatores Variáveis Peso seco de raízes Número de brotos emitidos a. Tipos de auxinas Acido indol-acético 0,2503 a 3,1105 a Acido indol-butírico 0,3173 a 2,4986 b Acido naftalenoacético 0,0073 b 1,1825 c b. Concentração de auxinas 0,5 g.l -1 0,1974 a 2,3988 a 1,0 g.l -1 0,1809 a 2,1289 b c. Período de imersão 10 minutos 0,1878 a 2,4657 a 15 minutos 0,2182 a 2,3972 ab 20 minutos 0,1992 a 2,1124 b 25 minutos 0,1515 a 2,0801 b Média 0,1840 2,2499 Médias seguidas das mesmas letras dentro de cada fator nas colunas não diferem estatisticamente entre si pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. No desdobramento da interação significativa entre concentrações de auxina e período de imersão para a variável peso de raízes (Tab. 2), verificou-se que houve superioridade no peso de raízes das estacas imersas na solução de concentração de 1,0 g.l -1 por um período de 15 minutos, no entanto, observou-se que independente da concentração de auxina empregada o peso seco da raiz não variou, mesmo com aumento do tempo de imersão das estacas nas soluções de auxinas. Tabela 2. Valores médios referentes ao desdobramento da interação significativa entre concentração de auxinas e período de imersão para a variável peso seco de raízes. Campina Grande-PB, Embrapa Concentração de auxinas Tempos de imersão 10 min. 15 min. 20 min. 25 min. 0,5 mg.l -1 0,241aA 0,151bA 0,245aA 0,153aA 1,0 mg.l -1 0,135aA 0,286aA 0,154aA 0,149aA Com relação à análise estatística da indução do enraizamento ex vitro de estacas do algodoeiro arbóreo para a variável número de brotos emitidos, observou-se efeito significativo para tipo de auxina, concentração e período de imersão (Tab. 1) e para as interações entre tipo de auxina e concentração e tipo auxina e período de imersão (Tabs. 3 e 4). Foi verificado que no tratamento das estacas com a auxina AIA, o número de brotos emitidos foi superior ao observado nos demais tratamentos e, que, o melhor período de imersão das estacas foi o de 10 minutos, onde foi possível de se observar uma média de 2,4657 brotos emitidos, embora este resultado não seja estatisticamente distinto do observado com 15 minutos de imersão.

4 Tabela 3. Valores médios referentes ao desdobramento da interação significativa entre tipo de auxina e período de imersão para a variável número de brotos emitidos. Campina Grande-PB, Embrapa Auxinas Tempos de imersão 10 min. 15 min. 20 min. 25 min. Acido indol-acético 3,59aA 3,19aAB 2,68aB 2,97aAB Acido indol-butírico 2,52bA 2,88aA 2,42aA 2,18bA Acido naftalenoacético 1,28cA 1,12bA 1,23bA 1,09cA Tabela 4. Valores médios referentes ao desdobramento da interação significativa entre tipo de auxina e concentração de auxina para a variável número de brotos emitidos. Campina Grande-PB, Embrapa Auxinas Concentração de auxina 0,5 mg.l -1 1,0 mg.l -1 Acido indol-acético 3,20aA 3,02aA Acido indol-butírico 2,82aA 2,17bB Acido naftalenoacético 1,17bA 1,19cA Diante do exposto, pode-se inferir que as tanto a auxina AIB e AIA podem ser empregadas no processo de estaquia do algodão arbóreo, uma vez que geraram resultados satisfatórios tanto quando se avaliou o peso seco de raízes como quando se avaliou o número de brotos emitidos. Com relação à concentração ideal de auxina a ser empregada é a de 0,5 mg.l -1, pois ao se observar os dados obtidos com o peso seco de raiz, estes não diferiram estatisticamente dos obtidos com a concentração de 1,0 mg.l -1 de auxina, porém ao se avaliar os dados de número de brotos emitidos verifica-se superioridade no número de brotos emitidos quando se emprega a concentração de 0,5 mg.l -1. E com relação ao período de imersão, este pode ser realizado por 15 minutos uma vez que para a variável peso de raiz foi o tempo que gerou melhor resposta de enraizamento das estacas quando as mesmas foram submetidas ao tratamento com a concentração de 0,5 mg.l -1 de auxina, bem como, com relação a variável CONCLUSÔES De acordo com os resultados adquiridos neste trabalho e nas condições em que o mesmo foi desenvolvido, conclui-se que: 1. As auxinas AIA e AIB podem ser utilizadas para a indução de raízes em estacas do algodoeiro arbóreo; 2. A auxina ANA inibe a indução de raízes; 3. A concentração 0,5 mg.l -1 das auxinas AIA e AIB por um período de 15 minutos de imersão respondem bem na indução de raízes.

5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DUNSTAN, D. I.; TURNER, K. E. The acclimatization of micropropagated plants. In: VASIL, I.K. ed. Cell culture and somatic cell geneties of plants. London. Acadermic Press, v.1. p , MELETTI, L. M. M. Propagação de frutíferas tropicais. Guaíba: Agropecuária, p. MONNETE, P. L. Micropropagação of kiwifruit using non axenic shot tips. Plant Cell Tissue and Organ Culture, v. 6, p.73-82, NORBERTO, P. M.; CHALFUN, N. N. J.; PASQUAL, M.; VEIGA, R. D.; PEREIRA, G. E.; MOTA, J. H. Efeito da época de estaquia e do AIB no enraizamento de estacas de figueira (Ficus carica L.). Ciência e Agrotecnologia, v. 25, n. 3, p , PASQUAL, M.; CHALFUN, N. N. J.; RAMOS, J. D.; VALE, M. R. do; SILVA, C. R. R. de. Fruticultura comercial: propagação de plantas frutíferas. Lavras: UFLA: FAEPE, p. SAS/STAT. User s guide. In: SAS Institute SAS ONlindoc: Version 8.2, Cary, CD-Rom ZELENÁ, E.; FUKSOVÁ, K. The effect of indole-3-acetylaspartic acid on adventitious root formation on bean cuttings. Plant Growth Regulation, v. 10, p , 1991.

INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Mariane de Jesus da Silva de Carvalho 1, Antônio da Silva Souza 2, Mariana Conceição

Leia mais

EFEITO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO SOBRE A GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DO ALGODOEIRO

EFEITO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO SOBRE A GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DO ALGODOEIRO EFEITO DE REGULADOR DE CRESCIMENTO SOBRE A GERMINAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DO ALGODOEIRO Celma Lidiane Diogo de Lima 1, Virgínea de Araújo Farias 1, Liv Soares Severino 2, Napoleão Esberard de Macêdo

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB)

PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB) ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA 15/01/2007 COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA Km 47 da BR 110 Bairro Presidente Costa e Silva CEP: 59625-900 C. postal 137 Telefone (084)3315.1796

Leia mais

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1

COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Página 1650 COMPORTAMENTO DE LINHAGENS DE MAMONA (Ricinus communis L.), EM BAIXA ALTITUDE NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE 1 Marcelo Abdon Lira 1 ; Máira Milani 2 ; Hélio Wilson Lemos de Carvalho 3 ; João

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS

AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS Francisco Pinheiro de Araújo Carlos Antonio F.Santos Everaldo Rocha Porto Embrapa Semi-Árido

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB Rafaelle da Silva Soares 1 ; Leonardo Cury da Silva 2 ; Paulo

Leia mais

Revista Caatinga ISSN: X Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil

Revista Caatinga ISSN: X Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Revista Caatinga ISSN: 1-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Ribeiro do Vale, Márcio; Chalfun, Nilton Nagib Jorge; Mendonça, Vander; Spuri de Miranda, Clecius; Vilela

Leia mais

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Rural ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Rural ISSN: 0103-8478 cienciarural@mail.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Spaziani Tiberti, Andrei; Pio, Rafael; de Assis, Cynthia Natally; Nascimento Silva, Kelly; Tadeu, Maraisa

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

ATIVIDADE HORMONAL DO EXTRATO DE TIRIRICA NA RIZOGÊNESE DE ORA PRO NOBIS

ATIVIDADE HORMONAL DO EXTRATO DE TIRIRICA NA RIZOGÊNESE DE ORA PRO NOBIS XI CONGRESSO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE DE POÇOS DE CALDAS 21 A 23 DE MAIO DE 2014 POÇOS DE CALDAS MINAS GERAIS ATIVIDADE HORMONAL DO EXTRATO DE TIRIRICA NA RIZOGÊNESE DE ORA PRO NOBIS Ana Rita Ribeiro

Leia mais

INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1

INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1 INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1 ROCHA, Bruna N. 3 ; ZULIANI, Alberi J. B. 2 ; LÖBLER, Lisiane 3 ; BERTÊ, Rosiana

Leia mais

INDUÇÃO DE MULTIBROTAÇÕES IN VITRO, A PARTIR DE GEMAS COTILEDONARES DE ALGODÃO (Gossypium hirsutum L.) DA CULTIVAR CNPA

INDUÇÃO DE MULTIBROTAÇÕES IN VITRO, A PARTIR DE GEMAS COTILEDONARES DE ALGODÃO (Gossypium hirsutum L.) DA CULTIVAR CNPA INDUÇÃO DE MULTIBROTAÇÕES IN VITRO, A PARTIR DE GEMAS COTILEDONARES DE ALGODÃO (Gossypium hirsutum L.) DA CULTIVAR CNPA 98-1034 Adriana Carneiro Tavares (UEPB / adrianaestevam@yahoo.com.br), Morganna Pollynne

Leia mais

Scientia Agraria ISSN: Universidade Federal do Paraná Brasil

Scientia Agraria ISSN: Universidade Federal do Paraná Brasil Scientia Agraria ISSN: 1519-1125 sciagr@ufpr.br Universidade Federal do Paraná Brasil BORTOLINI, Michele Fernanda; LIMA, Daniela Macedo de; ALCANTARA, Giovana Bomfim de; Pereira FANTI, Fernanda; BIASI,

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística RELATÓRIO PARCIAL Analise Estatística ASSUNTO: Experimento Gel Estagiário: Elbert Viana Ferreira Junior Supervisor : Fausto Hissashi Takizawa Projeto Mutum Data: 09/2008 1 - APRESENTAÇÃO: Neste documento

Leia mais

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA

LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA Página 1417 LINHAGENS FINAIS DE ALGODÃO DE FIBRAS MÉDIAS E LONGAS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 200910. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Nelson Dias Suassuna 2, Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

Enraizamento de estacas de oliveira (Olea europaea L.) utilizando diferentes substratos e ácido indolbutírico

Enraizamento de estacas de oliveira (Olea europaea L.) utilizando diferentes substratos e ácido indolbutírico Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Enraizamento de estacas de oliveira (Olea europaea L.) utilizando diferentes substratos e ácido indolbutírico Paula Nogueira Curi

Leia mais

Desenvolvimento de mudas de cupuaçuzeiro (Theobroma grandiflorum) submetidas a diferentes tipos de substrato

Desenvolvimento de mudas de cupuaçuzeiro (Theobroma grandiflorum) submetidas a diferentes tipos de substrato Desenvolvimento de mudas de cupuaçuzeiro (Theobroma grandiflorum) submetidas a diferentes tipos de substrato Ricardo de Sousa Nascimento 1, Dalton Mazzutti 2, Juliana Pereira da Silva 2, Janailson Pereira

Leia mais

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe ARBORICULTURA I Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias Por: Augusto Peixe Tipos de Estacas Estacas Caulinares Lenhosas Semi-lenhosas Herbáceas Evolução de meristemas

Leia mais

Extrato de Tubérculos de Cyperus rotundus L. na Clonagem da Cnidoscolus quercifolius por Alporquia

Extrato de Tubérculos de Cyperus rotundus L. na Clonagem da Cnidoscolus quercifolius por Alporquia Extrato de Tubérculos de Cyperus rotundus L. na Clonagem da Cnidoscolus quercifolius por Alporquia Marllus Adiel Carneiro Pimenta (1) ; Eder Ferreira Arriel (2) ; Marcelo Soares Pìmentel (1) Diércules

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 AVALIAÇÃO DA MORFOLOGIA DOS GRÂNULOS DE

Leia mais

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1)

TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA. Milena Fontenele dos Santos (1) TRATAMENTO DE SEMENTES COM BIOESTIMULANTES NO CRESCIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS DE SOJA Milena Fontenele dos Santos (1) 1 Aluna de graduação do curso de Agronomia do Centro Universitário de Patos de Minas

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213 Página 1213 COMPORTAMENTO DA CULTIVAR DE MAMONA BRS ENERGIA CULTIVADA SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTIO EM IRECÊ, BA Jalmi Guedes Freitas 1, José Carlos Aguiar da Silva 1, Jocelmo Ribeiro Mota 1 Gilvando

Leia mais

Autores: considerado como não seletivo, atuando apenas em pósemergência

Autores: considerado como não seletivo, atuando apenas em pósemergência UEM - Universidad e Estadual de Maringá DAG - Departamento de Agronomia PGA - Programa de Pós-graduação em Agronomia ISSN 2 238-2 879 Vol. 02 Número - 001 Jul ho 2013 INFORME TÉCNICO PGA-UEM Programa de

Leia mais

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Magda Araújo Brito 1 ; Valéria Gomes Momenté²; Ildon Rodrigues do Nascimento 3 1 Aluna do Curso de Engenharia de

Leia mais

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO Página 1481 CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. Murilo Barros Pedrosa (Fundação Bahia / algodao@fundacaoba.com.br), Camilo de Lelis Morello (Embrapa

Leia mais

EFEITO DO AIB NA MINIESTAQUIA DE Eucalyptus benthamii A PARTIR DE MATERIAL JUVENIL

EFEITO DO AIB NA MINIESTAQUIA DE Eucalyptus benthamii A PARTIR DE MATERIAL JUVENIL EFEITO DO AIB NA MINIESTAQUIA DE Eucalyptus benthamii A PARTIR DE MATERIAL JUVENIL IBA EFFECT ON MINICUTTINGS OF Eucalyptus benthamii ORIGINATED FROM JUVENILE MATERIAL Cristiane Carla Benin 1, Fabiana

Leia mais

EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA.

EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA. EFEITO DA TORTA DE MAMONA SOBRE O CRESCIMENTO DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA Joab Josemar Vitor Ribeiro do Nascimento 1, Maria José Vieira Tavares 2, Liv Soares Severino 3, Valdinei Sofiatti 3 1UFCG,

Leia mais

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa Aspectos hormonais do crescimento fitormônios e reguladores de crescimento a Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves/RS 1 Introdução! Hormônio: Palavra de origem grega

Leia mais

Efeito das concentrações de vitaminas e reguladores de crescimento no superbrotamento da cultivar BRS-verde

Efeito das concentrações de vitaminas e reguladores de crescimento no superbrotamento da cultivar BRS-verde REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 8 - Número 2-2º Semestre 2008 Efeito das concentrações de vitaminas e reguladores de crescimento no superbrotamento da cultivar BRS-verde Nara

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA João Paulo Tadeu Dias 1 ; Elizabeth Orika Ono 2 A cultura da amoreira-preta (Rubus sp.) surge como opção para a diversificação do cultivo de frutas, pois apresenta rusticidade

Leia mais

Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015

Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015 V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 243 Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015 Isis Bacelar Araújo 1, Ana Letícia Sirqueira Nascimento 2, Marina

Leia mais

Produtividade e qualidade de diferentes genótipos de Bourbon cultivados em Minas Gerais visando à produção de cafés especiais

Produtividade e qualidade de diferentes genótipos de Bourbon cultivados em Minas Gerais visando à produção de cafés especiais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Produtividade e qualidade de diferentes genótipos de Bourbon cultivados em Minas Gerais visando à produção de cafés especiais Priscilla

Leia mais

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura

Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Análise estatística do ganho de peso de suínos alojados em ambiente de alta temperatura Wederson Leandro Ferreira 1 3 Naje Clécio Nunes da Silva 1 3 Augusto Ramalho de Morais 2 3 1 Introdução Segundo Wolp

Leia mais

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044 Página 1044 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO FUNGICIDA TIOFANATO METÍLICO-CIPROCONAZOLE NO CONTROLE DA MANCHA DE RAMULÁRIA (RAMULARIA AREOLA) EM ALGODOEIRO Luiz Gonzaga Chitarra (Embrapa Algodão / chitarra@cnpa.embrapa.br),

Leia mais

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS SECREATARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO AMAZONAS E INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011 TESTE DE GERMINAÇÃO PARA AVALIAR A QUALIDADE DA SEMENTE DO MILHO PIPOCA Laianny Morais Maia¹, Silvério de Paiva Freitas Júnior², Mikaelle Cavalcante de Brito¹, Cícero Secifram da Silva¹, Edilza Maria Felipe

Leia mais

CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO E ÁREA FOLIAR NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE QUIVIZEIRO `BRUNO

CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO E ÁREA FOLIAR NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE QUIVIZEIRO `BRUNO Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC 2016 Rafain Palace Hotel & Convention Center- Foz do Iguaçu - PR 29 de agosto a 1 de setembro de 2016 CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CEDRO-ROSA POR MINIESTAQUIA 1

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CEDRO-ROSA POR MINIESTAQUIA 1 Trab-7- (5 páginas) Propagação Vegetativa de Cedro-Rosa por Miniestaquia 39 PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CEDRO-ROSA POR MINIESTAQUIA Aloisio Xavier, Glêison Augusto dos Santos, Ivar Wendling e Marcelo Lelis

Leia mais

Produção de pimenta cumari em relação a incidência solar

Produção de pimenta cumari em relação a incidência solar Produção de pimenta cumari em relação a incidência solar Anderson I. F. Kobayashi, Denis M. Fernandes, Abílio J. Meiato, Gustavo Pedrazzi, Amalia Estela Mozambani Centro Universitário Moura Lacerda, Caixa

Leia mais

PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE

PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG PERFIL SENSORIAL DE CAFÉS TRADICIONAL E EXTRAFORTE Carla M. de MORAES 1

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1. Priscila Maria Silva Francisco

PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1. Priscila Maria Silva Francisco Página 1075 PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1 Jefferson Luis Anselmo 1 ; Denis Santiago da Costa; Thiago Zago Leonel; Fábio da Silva

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ÁCIDOS NAFTALENO ACÉTICO E ÁCIDO INDOL BUTÍRICO (AUXINAS) NO DESENVOLVIMENTO

INFLUÊNCIA DOS ÁCIDOS NAFTALENO ACÉTICO E ÁCIDO INDOL BUTÍRICO (AUXINAS) NO DESENVOLVIMENTO INFLUÊNCIA DOS ÁCIDOS NAFTALENO ACÉTICO E ÁCIDO INDOL BUTÍRICO (AUXINAS) NO DESENVOLVIMENTO in vitro DE PLÂNTULAS DE Cyrtopodium saintlegerianum Rchb. F. (ORCHIDACEAE) RESUMO Daniella de Jesus Mendes 1

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONA DAS VARIEDADES BRS 149 NORDESTINA E BRS 188 PARAGUAÇU EM FUNÇÃO DO VOLUME DO RECIPIENTE

DETERMINAÇÃO DO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONA DAS VARIEDADES BRS 149 NORDESTINA E BRS 188 PARAGUAÇU EM FUNÇÃO DO VOLUME DO RECIPIENTE DETERMINAÇÃO DO CRESCIMENTO DE MUDAS DE MAMONA DAS VARIEDADES BRS 149 NORDESTINA E BRS 188 PARAGUAÇU EM FUNÇÃO DO VOLUME DO RECIPIENTE Djair Felix da Silva 1, Roseane Cristina Prédes Trindade 2, Mauro

Leia mais

Influência do ácido indol-butírico no enraizamento da cana-de-açúcar¹. Silva, Dierlei Bispo², Frassetto, Eduardo Garcia³

Influência do ácido indol-butírico no enraizamento da cana-de-açúcar¹. Silva, Dierlei Bispo², Frassetto, Eduardo Garcia³ Influência do ácido indol-butírico no enraizamento da cana-de-açúcar¹ Silva, Dierlei Bispo², Frassetto, Eduardo Garcia³ ¹Artigo apresentado à Faculdade de Engenharia Ambiental como parte dos requisitos

Leia mais

RIZOGÊNESE DAS ESTACAS DE CANELA-SASSAFRÁS (Ocotea odorifera (Vellozo) Rohwer) ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE FITOHORMÔNIO

RIZOGÊNESE DAS ESTACAS DE CANELA-SASSAFRÁS (Ocotea odorifera (Vellozo) Rohwer) ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE FITOHORMÔNIO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN: 1677-0293 Número 28 Dezembro de 2015 Periódico Semestral RIZOGÊNESE DAS ESTACAS DE CANELA-SASSAFRÁS (Ocotea odorifera (Vellozo) Rohwer) ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO

Leia mais

EFEITO DO AIB NO DESENVOLVIMENTO DE MUDAS CLONAIS EM GENÓTIPOS DE ERVA-MATE

EFEITO DO AIB NO DESENVOLVIMENTO DE MUDAS CLONAIS EM GENÓTIPOS DE ERVA-MATE EFEITO DO AIB NO DESENVOLVIMENTO DE MUDAS CLONAIS EM GENÓTIPOS DE ERVA-MATE Raíssa Eiko Nagaoka 1 ; Fabiana Schmidt Bandeira Peres 2 ; Ana Lídia Moura Carmo 3 ; Flávio Augusto de Oliveira Garcia 4. 1.

Leia mais

Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil.

Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil. Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil. Luís Cláudio de Faria 1, Patrícia Guimarães Santos Melo 2, Leonardo Cunha Melo 1, 1, 1, Antônio Joaquim Braga

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Algodão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Algodão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Algodão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento VII CONGRESSO BRASILEIRO DO ALGODÃO Sustentabilidade da Cotonicultura

Leia mais

Produção de mudas de mamoeiro com substrato orgânico e sementes de duas origens

Produção de mudas de mamoeiro com substrato orgânico e sementes de duas origens 10755 - Produção de mudas de mamoeiro com substrato orgânico e sementes de duas origens Production of papaya seedlings with organic substrate and seeds of two origins LIMA, Lucas Kennedy Silva 1 ; SANTOS,

Leia mais

ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA

ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA Matheus Collet Tambosi 2, Cristiano Reschke Lajús 1, Ernandes

Leia mais

Hortic. bras., v. 30, n. 2, (Suplemento - CD Rom), julho 2012 S 6016

Hortic. bras., v. 30, n. 2, (Suplemento - CD Rom), julho 2012 S 6016 Tipo de estaca e concentração de ácido indol butírico no enraizamento de alecrim da chapada Nerimar G B Silva 1 ; Ana Valéria V Souza 1 ; Danilo D Souza 1 ; Flávio J V Oliveira 2 1 Embrapa Semiárido Centro

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE TOMATE Sweet Grape PRODUZIDO COM EFLUENTE DE ESGOTO TRATADO ENRIQUECIDO 1

CLASSIFICAÇÃO DE TOMATE Sweet Grape PRODUZIDO COM EFLUENTE DE ESGOTO TRATADO ENRIQUECIDO 1 CLASSIFICAÇÃO DE TOMATE Sweet Grape PRODUZIDO COM EFLUENTE DE ESGOTO TRATADO ENRIQUECIDO 1 Ananda Helena Nunes Cunha 2, Rafael Batista Ferreira 3, Delvio Sandri 4 RESUMO: O objetivo desse trabalho foi

Leia mais

Importância e objetivos do melhoramento de plantas

Importância e objetivos do melhoramento de plantas Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Importância e objetivos do melhoramento de plantas Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Introdução

Leia mais

BIOMETRIC EVALUATION OF SUGARCANE IRRIGATED IN CONDITIONS SEMI ARID ON APPLICATION GROWTH REGULATOR.

BIOMETRIC EVALUATION OF SUGARCANE IRRIGATED IN CONDITIONS SEMI ARID ON APPLICATION GROWTH REGULATOR. BIOESTIIMULANTE E O CULTIVO DA CANA DE AÇÚCAR EM CONDIÇÕES SEMIÁRIDAS. E.S.C. BARROS 1, J.A.B. DA SILVA 2, W. L. SIMÕES 3, I. LOPES 4, F.M.F DO NASCIMENTO 4, I.E.A SANTOS 4, F.M.T NERY 4 RESUMO: O presente

Leia mais

ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL PROFª CYNTHIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE

ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL PROFª CYNTHIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Secretaria do Estado da Educação, da Cultura e dos Desportos - SECD UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE

PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE PROPAGAÇÃO DE SEMENTES DE TAMARINDO EM FUNÇÃO DE DIFERENTES AMBIENTES E SUBSTRATO NA INTERFACE CERRADO-PANTANAL SUL-MATOGROSSENSE Antonio Flávio Arruda Ferreira 1 ; Edilson Costa 2 1 Estudante do Curso

Leia mais

COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE MAMONA DE PORTE BAIXO AVALIADOS EM RORAIMA 2008

COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE MAMONA DE PORTE BAIXO AVALIADOS EM RORAIMA 2008 COMPETIÇÃO DE GENÓTIPOS DE MAMONA DE PORTE BAIXO AVALIADOS EM RORAIMA 2008 Oscar José Smiderle, CPAFRR, ojsmider@cpafrr.embrapa.br Gilvan B. Ferreira, CPAFRR, gilvan@cpafrr.embrapa.br Juliana Espindola

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

PRODUÇÃO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS EM JARDIM CLONAL E VIGOR E SOBREVIVÊNCIA DAS MINICEPAS E MICROCEPAS DE ERVA-MATE 1

PRODUÇÃO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS EM JARDIM CLONAL E VIGOR E SOBREVIVÊNCIA DAS MINICEPAS E MICROCEPAS DE ERVA-MATE 1 PRODUÇÃO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS EM JARDIM CLONAL E VIGOR E SOBREVIVÊNCIA DAS MINICEPAS E MICROCEPAS DE ERVA-MATE 1 QUADROS, Kenia Michele de 2 ; COMIRAN, Mariane 3 ; BISOGNIN, Dilson Antônio 4 ;

Leia mais

COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES INTRODUÇÃO

COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES INTRODUÇÃO COLETA DE GERMOPLASMA DE CAJUEIRO COMUM EM PLANTIOS SEGREGANTES Joquebede Bezerra Cacau 1 ; João Rodrigues de Paiva 2 ; João Ribeiro Crisóstomo 2 ; José Maurício Magalhães 3 1 Estudante de Graduação de

Leia mais

218 Caracterização dos Frutos de Variedades do Banco Ativo de Germoplasma de Mangueira. da Embrapa Semi-Árido

218 Caracterização dos Frutos de Variedades do Banco Ativo de Germoplasma de Mangueira. da Embrapa Semi-Árido 218 Caracterização dos Frutos de Variedades do Banco Ativo de Germoplasma de Mangueira Caracterização dos Frutos de Variedades do Banco Ativo de Germoplasma de Mangueira Characterization of Mango Fruits

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo

XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo XX Congreso Latinoamericano y XVI Congreso Peruano de la Ciencia del Suelo EDUCAR para PRESERVAR el suelo y conservar la vida en La Tierra Cusco Perú, del 9 al 15 de Noviembre del 2014 Centro de Convenciones

Leia mais

Termos para indexação: Passiflora spp., propagação, produção de mudas, estaquia, hormônio.

Termos para indexação: Passiflora spp., propagação, produção de mudas, estaquia, hormônio. ENRAIZAMENTO DE ESPÉCIES SILVESTRES DE MARACUJÁ UTILIZANDO CINCO DOSES DE REGULADOR DE CRESCIMENTO AIB (ácido indolbutírico). Carolina de Faria Vaz 1 ; Marcelo Fideles Braga 1 ; Nilton Tadeu Vilela Junqueira

Leia mais

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL Daiane Silva Lattuada 1 ; Paulo Vitor Dutra de Souza 2 ; Mateus Pereira Gonzatto 1 ; Sérgio Francisco Schwarz 2 1 Eng. Agrônomo, mestrando no

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE PEPINO EM IPAMERI-GO

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE PEPINO EM IPAMERI-GO AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE PEPINO EM IPAMERI-GO Érica Fernandes Leão¹, Valdivina Lúcia Vidal²; Emersom Rodrigues de Moraes³; José Antônio de Paula Oliveira³ Odilon Peixoto de Morais Junior³ ¹Bolsista PBIC/UEG

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE Passiflora foetida SUBMETIDAS A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB)

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE Passiflora foetida SUBMETIDAS A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB) ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE Passiflora foetida SUBMETIDAS A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB) ROOTING OF Passiflora foetida UNDER DIFFERENT CONCENTRATIONS BUTYRIC ACID (IBA) LAVEZO 1,

Leia mais

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L.

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L. MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Jatropha curcas L. Maria Regina G. Ungaro, Centro de Grãos e Fibras, IAC, ungaro@iac.sp.gov.br Amadeu Regitano Neto, Centro de Grãos e Fibras, IAC, regitano@iac.sp.gov.br

Leia mais

TÍTULO: BIOESTIMULANTES APLICADOS VIA FOLIAR EM CAFEEIROS COFFEA ARABICA EM PRODUÇÃO EM MINAS GERAIS

TÍTULO: BIOESTIMULANTES APLICADOS VIA FOLIAR EM CAFEEIROS COFFEA ARABICA EM PRODUÇÃO EM MINAS GERAIS TÍTULO: BIOESTIMULANTES APLICADOS VIA FOLIAR EM CAFEEIROS COFFEA ARABICA EM PRODUÇÃO EM MINAS GERAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais PROPAGAÇÃO Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação de espécies importância estabelecimento dos cultivos e hortos garantia da identidade das espécies

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas

HORMÔNIOS VEGETAIS. Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIOS VEGETAIS Katia Christina Zuffellato-Ribas HORMÔNIO VEGETAL COMPOSTO ORGÂNICO, NÃO NUTRIENTE, DE OCORRÊNCIA NATURAL, PRODUZIDO NA PLANTA, O QUAL, EM BAIXAS CONCENTRAÇÕES (10-4 A 10-6 M), PROMOVE,

Leia mais

Resultados e Discussão

Resultados e Discussão AVALIAÇÃO E ADAPTAÇÃO DE METODOLOGIA PARA SELEÇÃO FENOTÍPICA DE PORTA- ENXERTOS DE VIDEIRA PARA TOLERÂNCIA AO ALUMÍNIO TÓXICO CULTIVADOS EM SOLUÇÃO NUTRITIVA (1) Franscinely Aparecida de Assis (2), Ângelo

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA Rhododendron indicum: CULTIVAR TERRA NOVA TRATADAS COM ÁCIDO INDOL- BUTÍRICO, COM O USO OU NÃO DE FIXADOR Elisabete Domingues Salvador 1 Sidney Osmar Jadoski 1 Juliano

Leia mais

ELIMINAÇÃO DAS MAÇÃS INDESEJADAS DO ALGODOEIRO NO SISTEMA ADENSADO EM PRIMAVERA DO LESTE MT INTRODUÇÃO

ELIMINAÇÃO DAS MAÇÃS INDESEJADAS DO ALGODOEIRO NO SISTEMA ADENSADO EM PRIMAVERA DO LESTE MT INTRODUÇÃO ELIMINAÇÃO DAS MAÇÃS INDESEJADAS DO ALGODOEIRO NO SISTEMA ADENSADO EM PRIMAVERA DO LESTE MT Edson R. de Andrade Junior (Pequisador IMAmt edsonjunior@imamt.com.br) Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar

Leia mais

ENRAIZAMENTOS DE ESTACAS DE URUCUZEIRO (Bixa Orellana L.) EM DIFERENTES SUBSTRATOS LUÍSA, S. SALGADO 1 ; ELIANE, G. FABRI 2.

ENRAIZAMENTOS DE ESTACAS DE URUCUZEIRO (Bixa Orellana L.) EM DIFERENTES SUBSTRATOS LUÍSA, S. SALGADO 1 ; ELIANE, G. FABRI 2. ENRAIZAMENTOS DE ESTACAS DE URUCUZEIRO (Bixa Orellana L.) EM DIFERENTES SUBSTRATOS LUÍSA, S. SALGADO 1 ; ELIANE, G. FABRI 2 N o 10123 RESUMO O cultivo do urucum (Bixa orellana L.) tem despertado interesse

Leia mais

Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo

Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Acúmulo de macronutrientes em roseiras em função do manejo do solo Iara Cristina Santos Curvelo (1), Elka Fabiana Aparecida Almeida

Leia mais

AVALIAÇÃO DO COMPRIMENTO E NÚMERO DE RAÍZES EM MINI-ESTACAS HERBÁCEAS DE JABUTICABEIRA (Myrciaria cauliflora (DC) Berg).

AVALIAÇÃO DO COMPRIMENTO E NÚMERO DE RAÍZES EM MINI-ESTACAS HERBÁCEAS DE JABUTICABEIRA (Myrciaria cauliflora (DC) Berg). AVALIAÇÃO DO COMPRIMENTO E NÚMERO DE RAÍZES EM MINI-ESTACAS HERBÁCEAS DE JABUTICABEIRA (Myrciaria cauliflora (DC) Berg). Tiago de Souza Marçal 1, Madlles Martins Queiroz 1, Wagner Bastos dos Santos Oliveira

Leia mais

Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos pré-germinativos

Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos pré-germinativos 125 Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos... Germinação de híbridos de melancia triploide submetidos a procedimentos pré-germinativos Germination of watermelon triploid

Leia mais

ESTAQUIA LENHOSA DE PORTA-ENXERTOS DE VIDEIRA PROMISSORES PARA REGIÕES COM HISTÓRICO DE MORTE DE PLANTAS 1

ESTAQUIA LENHOSA DE PORTA-ENXERTOS DE VIDEIRA PROMISSORES PARA REGIÕES COM HISTÓRICO DE MORTE DE PLANTAS 1 534 http://dx.doi.org/10.1590/0100-2945-124/14 COMUNICAÇÃO CIENTIFICA ESTAQUIA LENHOSA DE PORTA-ENXERTOS DE VIDEIRA PROMISSORES PARA REGIÕES COM HISTÓRICO DE MORTE DE PLANTAS 1 JEAN CARLOS BETTONI 2, JOÃO

Leia mais

TEOR E EXTRAÇÃO DE NPK EM DOIS GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA SOLTEIRO E CONSORCIADO COM BRAQUIÁRIA

TEOR E EXTRAÇÃO DE NPK EM DOIS GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA SOLTEIRO E CONSORCIADO COM BRAQUIÁRIA TEOR E EXTRAÇÃO DE NPK EM DOIS GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA SOLTEIRO E CONSORCIADO COM BRAQUIÁRIA Adriano dos Santos (1), Neriane de Souza Padilha (2), Valdecir Batista Alves (3), Gessí Ceccon (4) Introdução

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA

EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA EFEITO DA TEMPERATURA E DO FOTOPERÍODO NO DESENVOLVIMENTO in vitro E in vivo DE Aspergillus niger EM CEBOLA Cargnim, Jaqueline Marques ; Marcuzzo, Leandro Luiz Instituto Federal Catarinense, Rio do Sul/SC

Leia mais

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Pesquisa em laboratórios na Embrapa Anos 70 Anos 80 Anos 90 Século 21 Precisão em Laboratórios:

Leia mais

Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos

Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos Cícero Pereira Cordão Terceiro Neto 1 ; Fred Carvalho Bezerra 2 ; Fernando Felipe Ferreyra Hernandez 1 ; José Vagner

Leia mais

Qualidade de mudas de mamoeiro utilizando diferentes substratos comerciais e orgânicos

Qualidade de mudas de mamoeiro utilizando diferentes substratos comerciais e orgânicos 10742 - Qualidade de mudas de mamoeiro utilizando diferentes substratos comerciais e orgânicos Quality of papaya seedlings using different substrates and organic trade SILVA, Fabiano Cordeiro 1 ; ALVES,

Leia mais

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL Adeliano Cargnin 1, João Augusto Müller 1, Fernando Daminelli Araújo Mello 1, Cláudia Martellet Fogaça 1 ( 1 Embrapa

Leia mais

A experiência da Embrapa Milho e Sorgo com análises de solo cultivado com milho transgênico

A experiência da Embrapa Milho e Sorgo com análises de solo cultivado com milho transgênico A experiência da Embrapa Milho e Sorgo com análises de solo cultivado com milho transgênico Francisco Adriano de Souza Embrapa Milho e Sorgo - CNPMS Porque nos devemos zelar pela saúde do solo? 1. Nos

Leia mais

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS E FREQUÊNCIA DE IRRIGAÇÃO NO CULTIVO DE TOMATE CEREJA EM SISTEMA HIDROPÔNICO Rodrigo de Rezende Borges Rosa 1 ; Delvio Sandri 2 1 Eng. Agrícola, Discente do Mestrando Engenharia

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

Influência do substrato e do recipiente no desenvolvimento de mudas de maracujá-amarelo (Passsiflora edulis Sims f.flavicarpa O. Deg.).

Influência do substrato e do recipiente no desenvolvimento de mudas de maracujá-amarelo (Passsiflora edulis Sims f.flavicarpa O. Deg.). Influência do substrato e do recipiente no desenvolvimento de mudas de maracujá-amarelo (Passsiflora edulis Sims f.flavicarpa O. Deg.). Maria Clarete Cardoso Ribeiro¹, Marcos Jerônimo Araújo de Morais¹,

Leia mais

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO *

VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA DO CULTIVO DO TOMATEIRO IRRIGADO * VIEIRA, T.A. 1 ; SANTANA, M.J. 2 ; BARRETO, A.C. 2 * Projeto financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG).

Leia mais

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM*

EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* EFEITO DOS NÍVEIS DE SALINIDADE DA ÁGUA DE IRRIGAÇÃO NA PRODUÇÃO DO FEIJOEIRO COMUM* SILVEIRA, A.L. 1 ; SANTANA, M.J. ; BARRETO, A.C. ; VIEIRA, T.A. 3 * Projeto com apoio da FAPEMIG. 1 Estudante Agronomia

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais