TEORIA DA CONTABILIDADE. Michael Dias Corrêa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEORIA DA CONTABILIDADE. Michael Dias Corrêa"

Transcrição

1 TEORIA DA CONTABILIDADE Michael Dias Corrêa

2 Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade Aprovado em 2008 pelo CPC, apresenta os aspectos básicos para a preparação e apresentação das demonstrações para usuários externos. Em 2011, foi revisado, gerando o CPC 00 R1. Ao contrário da estrutura conceitual do CFC, a do CPC não fala em princípios contábeis. Trata do objetivo e das características qualitativas da divulgação de relatórios financeiros.

3 Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade O objetivo do relatório contábil-financeiro, pelo qual trata a estrutura conceitual do CPC, é fornecer informações contábil-financeiras sobre a entidade que reporta essa informação e que sejam úteis a investidores existentes e em potencial, a credores de empréstimos e a outros credores.

4 Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade A estrutura conceitual do CPC se divide em dois grupos de usuários: os primários - investidores e credores e os secundários - demais usuários. Para que os Relatórios Contábeis atendam ao máximo às necessidades dos usuários, eles devem possuir algumas características.

5 Características Qualitativas Fundamentais Relevância: informação relevante é aquela capaz de fazer diferença nas decisões que possam ser tomadas pelos usuários.

6 Características Qualitativas Fundamentais Um atributo da relevância é a materialidade. A materialidade é um aspecto de relevância específico da entidade baseado na natureza ou na magnitude dos itens. Sendo assim, a informação é material se a sua omissão ou sua divulgação distorcida puder influenciar decisões que os usuários venham a tomar.

7 Características Qualitativas Fundamentais Representação Fidedigna (Confiabilidade): a representação fidedigna indica que a informação está livre de erros e vieses, representando, de forma adequada, aquilo que se propõe informar. Para que a informação represente com fidedignidade aquilo que se propõe, a realidade retratada precisa de três atributos: completa; neutra; e livre de erro.

8 Características Qualitativas de Melhoria Comparabilidade: é a característica qualitativa que permite que os usuários identifiquem e compreendam similaridades dos itens e diferenças entre eles.

9 Características Qualitativas de Melhoria Verificabilidade: ajuda a assegurar aos usuários que a informação representa fidedignamente o fenômeno econômico que se propõe representar.

10 Características Qualitativas de Melhoria Esta verificação pode ser direta ou indireta. A direta significa verificar um montante ou outra representação por meio de observação direta, como, por exemplo, por meio da contagem de caixa. Já a indireta significa checar os dados de entrada do modelo, fórmula ou outra técnica e recalcular os resultados obtidos por meio da aplicação da mesma metodologia.

11 Características Qualitativas de Melhoria Tempestividade: significa ter informação disponível para tomadores de decisão a tempo de poder influenciálos em suas decisões. Para essa característica, a demora na divulgação das informações pode significar a perda de relevância. Sendo assim, em geral, a informação mais antiga é a que tem menos utilidade.

12 Características Qualitativas de Melhoria Compreensibilidade: Classificar, caracterizar e apresentar a informação com clareza e concisão torna-a compreensível. Nessa característica de melhoria, as demonstrações contábeis devem ser prontamente entendidas pelos usuários que possuam um conhecimento razoável dos negócios, das atividades econômicas e, principalmente, da contabilidade.

13 Características Qualitativas de Melhoria A principal restrição quanto à elaboração e divulgação das informações contábeis é o custo de produzir e divulgar versus os benefícios a serem obtidos com essas informações.

14 Elementos das Demonstrações Contábeis Nesta parte, falaremos sobre os Ativos, Passivos, Patrimônio Líquido, Receitas e Despesas, evidenciando as formas de avaliação, definição e reconhecimento de todos estes itens.

15 Ativos A definição de ativo apresenta três elementos: (a) é um recurso controlado pela entidade; (b) como resultado de eventos passados; (c) e do qual se espera que resultem futuros benefícios econômicos para a entidade.

16 Ativos O processo de reconhecimento na Contabilidade diz respeito à incorporação nas demonstrações contábeis de um item desde que o mesmo se enquadre na definição. Para reconhecer um elemento contábil como ativo, o mesmo deve satisfazer às seguintes questões: a) Irá gerar um futuro benefício econômico para a entidade? b) O recurso econômico é controlado pela entidade? c) É derivado de eventos passados?

17 Ativos Além desses itens, três aspectos também devem ser levados em consideração: a) A materialidade; b) A probabilidade de ocorrência; e c) a confiabilidade da avaliação.

18 Ativos Materialidade: quando o valor é pouco expressivo, é possível que seja tratado logo como despesa diretamente na demonstração de resultados. Probabilidade de Ocorrência: diz respeito à incerteza com que o benefício econômico futuro irá ocorrer. A determinação da chance com que o registro será concedido é fundamental para o reconhecimento do ativo.

19 Ativos Confiabilidade: quando não se pode fazer uma mensuração confiável, o recurso econômico não pode ser considerado um ativo, mesmo que satisfaça aos outros requisitos.

20 Ativos O processo de mensuração contábil de um ativo consiste em atribuir um valor monetário a esse recurso econômico. As bases de avaliação do ativo podem assumir duas formas: valores de entrada e valores de saída. O valor de entrada se refere àquele obtido pela entidade no mercado de compra. Já o valor de saída refere-se ao montante obtido no mercado de venda.

21 Ativos Os valores de entrada são: a) Custo histórico; b) Custo histórico corrigido; c) Custo corrente e de reposição; d) Custo corrente corrigido.

22 Ativos Os valores de saída são: a) Valores descontados de entradas de caixa futura; b) Preços correntes de venda; c) Equivalentes correntes de caixa; d) Valores de liquidação.

23 Ativos Vale salientar que outros critérios podem ser utilizados quando exigidos por normas ou legislações, tal como o Valor Justo. O Valor Justo pode ser entendido como a quantia pela qual um ativo pode ser trocado, ou um passivo liquidado, entre partes conhecedoras e dispostas a isso numa transação em que não existe relacionamento entre elas.

24 Ativos O Valor Justo distingue-se do valor realizável líquido na medida em que enquanto o justo valor reflete a quantia pela qual o mesmo ativo pode ser trocado entre compradores e vendedores conhecedores e dispostos a isso, o valor realizável líquido se refere à quantia líquida que uma entidade espera realizar com a venda do ativo no decurso ordinário da sua atividade operacional.

25 Passivos O passivo corresponde a: a) obrigação presente da entidade; b) derivada de eventos passados; c) cuja liquidação se espera que resulte em saída de recursos capazes de gerar benefícios econômicos.

26 Passivos O reconhecimento de um passivo diz respeito ao fato de incorporar ao balanço patrimonial de uma entidade um determinado item que se enquadre na definição de passivo. O primeiro passo é satisfazer à definição de passivo. A segunda condição é que o item deve ser mensurado em bases confiáveis.

27 Passivos A mensuração do passivo geralmente é feita pelo valor de face da obrigação. Entretanto, alguns passivos são difíceis de serem mensurados por causa das incertezas sobre a existência da obrigação, qual o valor necessário para encerrá-lo e quando será o impacto sobre as demonstrações contábeis.

28 Passivos No que diz respeito à incerteza do passivo, uma obrigação pode ser classificada em quatro categorias: a) o passivo é conhecido, assim como seu montante - nessa situação não existe razão para que o mesmo não apareça nas demonstrações contábeis;

29 Passivos b) o passivo é conhecido, mas seu montante não - a entidade sabe da existência do passivo, muito embora seu valor seja apresentado através de estimativa. Esse caso também deve ser considerado pela contabilidade da entidade; c) a existência do passivo não é certa, mas o pagamento pode ser estimado pode ser o caso das milhas aéreas, por exemplo.

30 Passivos d) existem dúvidas sobre a existência do passivo e do seu montante: é a contingência. Exemplos são os processos judiciais. Esses eventos são classificados de acordo com sua probabilidade de ocorrência, da seguinte forma: - Provável: a chance de ocorrência é provável, logo, reconhece-se o passivo no balanço;

31 Passivos - Razoável: a chance de ocorrência é razoavelmente provável, nesse caso, destaca-se o evento em notas explicativas, porém, nada vai constar no balanço; e - Remota: a chance de ocorrência é remota, logo, não se faz nenhum registro.

32 Patrimônio Líquido Em razão das limitações do processo de reconhecimento e mensuração, o patrimônio líquido contábil não corresponde ao valor de mercado das ações.

33 Patrimônio Líquido O fato de a definição do patrimônio líquido depender da definição de ativo e passivo gera um problema prático: se um determinado item não se enquadrar na definição de passivo, logo, por exclusão, deve ser considerado como parte do patrimônio líquido.

34 Patrimônio Líquido e manutenção de capital Existem dois conceitos de capital que podem ser adotados por uma entidade: i) capital físico; e ii) capital financeiro. O primeiro se refere ao recurso monetário que foi investido na entidade. Já o segundo está vinculado à capacidade produtiva da entidade.

35 Patrimônio Líquido e manutenção de capital Quando o usuário estiver interessado na manutenção do capital nominal investido ou no seu poder de compra, a escolha será o capital financeiro. Caso a preocupação seja a capacidade operacional da entidade, o conceito de capital físico será a alternativa escolhida.

36 Patrimônio Líquido e manutenção de capital A busca pela manutenção do capital financeiro significa que a entidade só terá lucro se o montante financeiro de ativos líquidos no final do período for maior que o do início, depois de excluídos os aportes de capital e as distribuições aos proprietários.

37 Patrimônio Líquido e manutenção de capital Já a manutenção do capital físico significa que haverá lucro somente se a capacidade física produtiva da entidade no final do período for maior que a capacidade do início, também depois de excluídos as distribuições e aportes de capital.

38 Teorias do Patrimônio Líquido Teoria do Proprietário: segundo esta teoria, a entidade existe para satisfazer aos objetivos e necessidades do dono, razão pela qual a principal finalidade da contabilidade é a determinação da riqueza líquida do proprietário. A equação contábil, sob a ótica do proprietário, é dada por: PL = Ativo Passivo.

39 Teorias do Patrimônio Líquido Teoria da Entidade: Nesta teoria, o patrimônio líquido deixa, então, de ser considerado o centro da contabilidade para ser mais uma fonte de recursos para o ativo. Em linhas gerais, essa teoria prega que o centro de interesse da contabilidade deve ser a entidade. Logo, a entidade deve ser representada pela igualdade entre o ativo e as obrigações: Ativo = Obrigações (Passivo + PL).

40 Teorias do Patrimônio Líquido Teoria do Fundo: A base da contabilidade deixa de ser o proprietário ou a entidade para considerar um grupo de ativos e suas obrigações relacionadas. Um fundo é, pois, considerado um grupo homogêneo dentro da organização, que possui obrigações que lhes são específicas.

41 Teorias do Patrimônio Líquido Teoria do Comandante: Defende que a contabilidade, mesmo a financeira, deve estar voltada para o gestor.

42 Teorias do Patrimônio Líquido Teoria do Empreendimento: Considera que a contabilidade deve estar voltada para os usuários, como empregados, governo, entidades reguladoras e público em geral.

43 Teorias do Patrimônio Líquido Teoria Residual: Tem como foco a figura dos acionistas ordinários. Os acionistas ordinários seriam os donos do negócio e a informação contábil deve ser focada na decisão destes acionistas e a previsão dos seus dividendos futuros.

44 Receitas e Despesas Receitas são aumentos nos benefícios econômicos durante o período contábil sob a forma de entrada de recursos, aumento de ativos ou diminuição de passivos, que resulta em aumento do patrimônio líquido e que não sejam provenientes de aporte dos proprietários.

45 Receitas e Despesas Um aspecto relevante na definição de receita é que não existe diferença entre receita e ganho. No entanto, a contabilidade societária considera em separado das atividades normais. ` Ou seja, os ganhos se diferenciam no sentido de não fazerem parte da atividade operacional da entidade, como, por exemplo, o ganho na venda de um imobilizado.

Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro Egbert Buarque

Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro Egbert Buarque Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro Egbert Buarque (egbert.buarque@yahoo.com.br) 1. Introdução As demonstrações contábeis são elaboradas e apresentadas para

Leia mais

Questões da Prova CFC

Questões da Prova CFC Questões da Prova CFC 2013.1 27. De acordo com a NBC TG Estrutura Conceitual, é condição necessária à caracterização de uma informação como relevante: a) apresentar dados inéditos, não antecipados por

Leia mais

1 Características Qualitativas de Melhoria da Informação Contábil-Financeira Útil

1 Características Qualitativas de Melhoria da Informação Contábil-Financeira Útil 1 Características Qualitativas de Melhoria da Informação Contábil-Financeira Útil... 1 1.1 Característica da Comparabilidade... 1 1.2 Característica da Verificabilidade... 3 1.3 Característica da Tempestividade...

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONTÁBEIS EM VIGOR NO BRASIL

OS PRINCÍPIOS CONTÁBEIS EM VIGOR NO BRASIL OS PRINCÍPIOS CONTÁBEIS EM VIGOR NO BRASIL Pronunciamento Técnico CPC OO Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação do Relatório Contábil Financeiro Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação

Leia mais

Maria da Conceição B.de Rezende Ladeira

Maria da Conceição B.de Rezende Ladeira Maria da Conceição B.de Rezende Ladeira Junho 2017 LEI FEDERAL 4.320/64 LEI RESPONSABI LIDADE FISCAL LC 101/2000 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE

Leia mais

Estrutura Conceitual da Contabilidade: Características qualitativas da informação contábil. Prof. Amaury José Rezende

Estrutura Conceitual da Contabilidade: Características qualitativas da informação contábil. Prof. Amaury José Rezende Estrutura Conceitual da Contabilidade: Características qualitativas da informação contábil Prof. Amaury José Rezende Agenda 3. Aspectos conceituais e aprofundados de teoria da contabilidade 3.4. Características

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Passivo e PL. Prof. Dr. AMAURY JOSE REZENDE

Teoria da Contabilidade. Passivo e PL. Prof. Dr. AMAURY JOSE REZENDE Teoria da Contabilidade Passivo e PL Prof. Dr. AMAURY JOSE REZENDE Passivo Definições Teoria da Propriedade: Exigibilidades são subtraendos dos ativos, ativos negativos (Hatfield, 1927). Teoria dos Fundos:

Leia mais

Estrutura Conceitual da Contabilidade: Aspectos Iniciais

Estrutura Conceitual da Contabilidade: Aspectos Iniciais FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-106 Contabilidade Introdutória Estrutura Conceitual da Contabilidade: Aspectos Iniciais Prof. Fernando Dal-Ri Murcia Programa de Aula Estrutura Conceitual

Leia mais

Como se relaciona a visão geral de uma empresa, as decisões de longo prazo tomadas e a gestão do dia-a-dia, com as suas informações

Como se relaciona a visão geral de uma empresa, as decisões de longo prazo tomadas e a gestão do dia-a-dia, com as suas informações USP-FEA Curso de Economia Disciplina: EAC0111 - Noções de Contabilidade para Administradores TEMA I. INTRODUÇÃO Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) Quais são os objetivos do Tema 1-Introdução...

Leia mais

CURSO COMPLETO DE TEORIA DA CONTABILIDADE. Prof. Me. Luiz Felipe F. de Andrade

CURSO COMPLETO DE TEORIA DA CONTABILIDADE. Prof. Me. Luiz Felipe F. de Andrade CURSO COMPLETO DE TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Me. Luiz Felipe F. de Andrade TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Me. Luiz Felipe Figueiredo de Andrade Exame de Suficiência Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTIONÁRIO 6

TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTIONÁRIO 6 QUESTIONÁRIO 6 (Questões Exame de Suficiência 1 2013) 2. Relacione os grupos do Ativo descritos, na primeira coluna, com as suas respectivas propriedades, na segunda coluna, e, em seguida, assinale a opção

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis

Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo apresentado

Leia mais

1 Definição, reconhecimento e mensuração de elementos das demonstrações contábeis

1 Definição, reconhecimento e mensuração de elementos das demonstrações contábeis 1 Definição, reconhecimento e mensuração de elementos das demonstrações contábeis... 1 1.1 Itens componentes das demonstrações... 1 1.2 Reconhecimento dos itens das demonstrações... 4 1.3 Mensuração dos

Leia mais

Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil- Financeiro

Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil- Financeiro Sumário do Pronunciamento Conceitual Básico Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil- Financeiro Observação: Este sumário, que não faz parte do Pronunciamento, está sendo

Leia mais

Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil- Financeiro. A finalidade da Estrutura Conceitual é.

Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil- Financeiro. A finalidade da Estrutura Conceitual é. Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil- Financeiro Conceitos A Resolução CFC nº 1.374/2011 dá nova redação à NBC TG Estrutura Conceitual Estrutura Conceitual para Elaboração

Leia mais

Exercendo Julgamentos sobre o Processo Contábil: da Contabilização às Notas Explicativas Seminário IFRS

Exercendo Julgamentos sobre o Processo Contábil: da Contabilização às Notas Explicativas Seminário IFRS Exercendo Julgamentos sobre o Processo Contábil: da Contabilização às Notas Explicativas Seminário IFRS Prof. Dr. José Elias Feres de Almeida Universidade Federal do Espírito Santo Algumas regras para

Leia mais

Contabilidade Geral ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA- CPC 00. Questão 5: CESPE - Cont (DPU)/DPU/2016

Contabilidade Geral ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA- CPC 00. Questão 5: CESPE - Cont (DPU)/DPU/2016 Contabilidade Geral ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA- CPC 00 TODAS AS QUESTŌES COBRADAS NO ANO DE 2016 PELAS DIVERSAS BANCAS DE CONCURSOS Questão 1: CESPE - Cont (DPU)/DPU/2016 De acordo com o pronunciamento

Leia mais

QUESTÕES EXAME SUFICIÊNCIA TEORIA DA CONTABILIDADE

QUESTÕES EXAME SUFICIÊNCIA TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTÕES EXAME SUFICIÊNCIA TEORIA DA CONTABILIDADE 1) (CFC/2016) De acordo com a NBC TG Estrutura Conceitual Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro, no que se

Leia mais

sumário Apresentação, xvii Introdução, 1

sumário Apresentação, xvii Introdução, 1 sumário Apresentação, xvii Introdução, 1 1 Estrutura conceitual básica e apresentação das demonstrações contábeis, 3 1.1 Introdução, 3 1.2 Finalidade da estrutura conceitual, 5 1.3 Objetivo do relatório

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE

TEORIA DA CONTABILIDADE TEORIA DA CONTABILIDADE ATIVIDADES PRÁTICAS_CPC00 Capítulo 1: Objetivo da elaboração e divulgação de relatório contábil financeiro útil. 1) Quais órgãos foram responsáveis pela R-1 do CPC_00: 2) De acordo

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Antônio Carlos Palácios Vice Presidente Técnico CRCRS O tema no contexto da CONVERGÊNCIA das Normas Contábeis A CRONOLOGIA DA CONVERGÊNCIA

Leia mais

ADOÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS PELA PRIMEIRA VEZ

ADOÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS PELA PRIMEIRA VEZ ADOÇÃO DAS NORMAS INTERNACIONAIS PELA PRIMEIRA VEZ 2 ANDRÉ CARVALHO 7149162 MARCELO DIAS JUNIOR 8599692 3 OBJETIVO Compreender como adotar e implementar pela primeira vez as normas internacionais de contabilidade

Leia mais

QUESTÕES EXAME CFC: TEORIA DA CONTABILIDADE

QUESTÕES EXAME CFC: TEORIA DA CONTABILIDADE QUESTÕES EXAME CFC: TEORIA DA CONTABILIDADE 2017/1 01) De acordo com a NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL ESTRUTURA CONCEITUAL PARA ELABORAÇÃO E DIVULGAÇÃO DE RELATÓRIO CONTÁBIL-FINANCEIRO, as Características

Leia mais

Estrutura Conceitual. para a Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil Financeiro

Estrutura Conceitual. para a Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil Financeiro Estrutura Conceitual para a Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil Financeiro NOTAS SOBRE O AUTOR DAVID JOSÉ SOARES Técnico em Contabilidade, bacharel em Ciências Contábeis, com atuação na área

Leia mais

Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1

Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1 Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1 Objetivos dos Relatórios Financeiros Desem -penho Fluxos de Caixa Posição Financeira e Patrimonial Usuário Externo Propriedade X Gestão Projeção do Futuro Fluxos

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade. 1 Ativo Definição Reconhecimento Mensuração... 4

Fundamentos Decifrados de Contabilidade. 1 Ativo Definição Reconhecimento Mensuração... 4 1 Ativo... 1 1.1 Definição... 1 1.2 Reconhecimento... 3 1.3 Mensuração... 4 1 Ativo 1.1 Definição Ativo é um recurso controlado pela entidade como resultado de eventos passados e do qual se espera que

Leia mais

WEBINAR: IFRS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. Marçal Serafim Cândido 11/05/2017

WEBINAR: IFRS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS. Marçal Serafim Cândido 11/05/2017 WEBINAR: IFRS EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Marçal Serafim Cândido 11/05/2017 Programação I Conceito de PME segundo IFRS II Conceitos Gerais III Notas Explicativas IV Estoques V Imobilizado VI Redução

Leia mais

Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes

Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes Aula 2 Fonte: CPC 25, disponível em: http://static.cpc.mediagroup.com.br/documentos/304_cpc_25_rev%2006.pdf, grifos nossos. De que estamos falando?

Leia mais

Curso Preparatório para o Exame de Suficiência CFC Momento de Estudar. Aula 02

Curso Preparatório para o Exame de Suficiência CFC Momento de Estudar. Aula 02 Curso Preparatório para o Exame de Suficiência CFC 2017.1 Momento de Estudar Aula 02 Teoria da Contabilidade - Estrutura Conceitual e Característica Qualitativa da Informação Contábil Exame de Suficiência

Leia mais

Contabilidade Avançada. Apostila I. Prof. Marcelo Evandro Alves

Contabilidade Avançada. Apostila I. Prof. Marcelo Evandro Alves ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIENCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE TANGARA DA SERRA. DEPARTAMENTO DE CIENCIAS CONTABEIS Missão da UNEMAT: Garantir a produção

Leia mais

PRONUNCIAMENTOS CPC (COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS)

PRONUNCIAMENTOS CPC (COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS) PRONUNCIAMENTOS CPC (COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS) CAPÍTULO 1 PRONUNCIAMENTOS CPC (COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS) SUMÁRIO: 1.1 - Pronunciamento Conceitual Básico (R1) - Estrutura Conceitual

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 Características dos PFC Por ser uma Ciência Social e não exata, a Contabilidade prescinde de princípios que

Leia mais

FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs

FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs FUCAPE Business School Exercícios de múltipla escolha CPCs Instruções: - responda apenas 10 perguntas desta lista. A folha com as respostas entrega deverá ser realizada ao início do próximo encontro (21

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS. Prof. Eliseu Martins

NOTAS EXPLICATIVAS. Prof. Eliseu Martins NOTAS EXPLICATIVAS Prof. Eliseu Martins Tema em debate no mundo todo EFRAG European Financial Reporting Advisory Group - 2012 : Towards a Disclosure Framework for the Notes ASAF Accounting Standards Advisory

Leia mais

CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇOS

CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇOS CONTABILIDADE E ANÁLISE DE BALANÇOS (EAC0549) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Prof. Renê Coppe Pimentel Pg. 1 Atuação do Contador Administração

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R2) Demonstrações Separadas

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R2) Demonstrações Separadas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R2) Demonstrações Separadas Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 27 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. CPC 27 Ativo Imobilizado e Depreciação. Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. CPC 27 Ativo Imobilizado e Depreciação. Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27 Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27 O Ponto chave a ser considerado com o Pronunciamento Técnico CPC 27 referente a contabilização dos ativos imobilizado, são exatamente o reconhecimento

Leia mais

1 Características Qualitativas Fundamentais da Informação Contábil-Financeira Útil

1 Características Qualitativas Fundamentais da Informação Contábil-Financeira Útil 1 Características Qualitativas Fundamentais da Informação Contábil-Financeira Útil... 1 1.1 Característica da Relevância... 1 1.2 Característica da Representação Fidedigna... 2 2 Obs.: Cotejo com o tema

Leia mais

Como Melhorar a Qualidade das Informações Contábeis das Empresas: Julgamento Profissional do Preparador das Demonstrações Contábeis

Como Melhorar a Qualidade das Informações Contábeis das Empresas: Julgamento Profissional do Preparador das Demonstrações Contábeis Clemir Uhlein Contador 16 de setembro de 2013 Objetivo das Demonstrações Contábeis O objetivo das demonstrações contábeis é fornecer informações que sejam úteis a um grande número de usuários em suas avaliações

Leia mais

CPC 26 - APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

CPC 26 - APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CPC 26 - APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBJETIVOS O objetivo deste Pronunciamento Técnico é definir a base para a apresentação das demonstrações contábeis, para assegurar: a comparabilidade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO DE PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS N.º 10/2016

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO DE PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS N.º 10/2016 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS REVISÃO DE PRONUNCIAMENTOS TÉCNICOS N.º 10/2016 Este documento de revisão apresenta alterações nos Pronunciamentos Técnicos: CPC 03 (R2) e CPC 32. Este documento estabelece

Leia mais

IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis

IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis IAS 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis CPC 26 / NBC TG 26 Apresentação das Demonstrações Contábeis FAS 205 Histórico Emitida em 1997, já foi revisada em 2003,2004,2005 e 2007 Substituiu: IAS 1

Leia mais

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas:

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas: Objeto, objetivo e finalidade Contabilidade Conceitos iniciais - Ativo Objeto: o patrimônio Objetivo: estudo, controle e apuração do resultado Finalidade: Fornecer informações econômicas e financeira sobre

Leia mais

Contabilidade Geral EXAME CFC AULA 02 DA JORNADA DE REVISÃO PARA O EXAME CFC

Contabilidade Geral EXAME CFC AULA 02 DA JORNADA DE REVISÃO PARA O EXAME CFC Contabilidade Geral EXAME CFC 2017.1 AULA 02 DA JORNADA DE REVISÃO PARA O EXAME CFC 2017.1 QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS Para que os informes contábeis possam ser considerados úteis, as empresas,

Leia mais

Receitas e Despesas Entretanto, a venda não é o critério de reconhecimento. Normalmente, a teoria da contabilidade privilegia o reconhecimento da rece

Receitas e Despesas Entretanto, a venda não é o critério de reconhecimento. Normalmente, a teoria da contabilidade privilegia o reconhecimento da rece Receitas e Despesas A receita é reconhecida quando pode ser medida em base confiável e grau suficiente de certeza. Em suma, o processo de reconhecimento da receita está ligado à venda. Receitas e Despesas

Leia mais

CPC25 Provisões e Passivos Contingentes

CPC25 Provisões e Passivos Contingentes + GEDEC GRUPO DE ESTUDOS EM DIREITO E CONTABILIDADE CPC25 Provisões e Passivos Contingentes LUCIANA I. LIRA AGUIAR lla@marizsiqueira.com.br Reconhecimento Mensuração Divulgação Redução da assimetria de

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 (R1)/ IAS 1 (IASB BV 2011) Apresentação das Demonstrações Contábeis - Notas explicativas

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 (R1)/ IAS 1 (IASB BV 2011) Apresentação das Demonstrações Contábeis - Notas explicativas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 (R1)/ IAS 1 (IASB BV 2011) Apresentação das Demonstrações Contábeis - Notas explicativas OCPC 07 - Evidenciação na Divulgação dos Relatórios

Leia mais

Melhorias da Estrutura Conceitual

Melhorias da Estrutura Conceitual International Financial Reporting Standards Melhorias da Estrutura Conceitual Mary Barth, Professora de Contabilidade, Stanford University e ex-membro do IASB Bob Garnett, ex-chairman, IFRS Interpretations

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

probabilidades associadas. O nome para esse método estatístico de estimativa é valor esperado.

probabilidades associadas. O nome para esse método estatístico de estimativa é valor esperado. Mensuração O valor reconhecido como provisão deve ser a melhor estimativa do desembolso exigido para liquidar a obrigação presente na data do balanço. Isto é, o valor que a entidade racionalmente pagaria

Leia mais

FACULDADE AÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALINE WANZUITA GIOSELE CRISTIANI NUNES ALBERTON RICARDO LUIS CECHET

FACULDADE AÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALINE WANZUITA GIOSELE CRISTIANI NUNES ALBERTON RICARDO LUIS CECHET FACULDADE AÇÃO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ALINE WANZUITA GIOSELE CRISTIANI NUNES ALBERTON RICARDO LUIS CECHET 1 FUNDAMENTOS LEGAIS A Lei 11.638/07 passou a exigir a obrigatoriedade do ajuste a valor presente

Leia mais

A INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA EVOLUÇÃO DA ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA RELATO FINANCEIRO IASB

A INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA EVOLUÇÃO DA ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA RELATO FINANCEIRO IASB A INFORMAÇÃO CONTABILÍSTICA EVOLUÇÃO DA ESTRUTURA CONCEPTUAL PARA RELATO FINANCEIRO IASB Período 2010/2016 Leopoldo de Assunção Alves setembro/2015 Informação Contabilística A Contabilidade Financeira

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 07. Distribuição de Lucros In Natura

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 07. Distribuição de Lucros In Natura COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 07 Distribuição de Lucros In Natura Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRIC 17 Índice REFERÊNCIAS Item ANTECEDENTES 1 2

Leia mais

Variações do Patrimônio Líqudio

Variações do Patrimônio Líqudio Variações do Patrimônio Líqudio Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Eventos que alteram o valor do Patrimônio Líquido Investimentos dos acionistas(inicial e posteriores) Distribuição de dividendos (transferência

Leia mais

Sérgio Adriano CONTABILIDADE. Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços. 3.ª edição revista e atualizada

Sérgio Adriano CONTABILIDADE. Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços. 3.ª edição revista e atualizada Sérgio Adriano CONTABILIDADE Básica Intermediária Avançada Análise de Balanços DESCOMPLICADA DECIFRADA DESMITIFICADA 3.ª edição revista e atualizada 2016 Capítulo 1 Conceitos Básicos 1. CONCEITO DE CONTABILIDADE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 24. Evento Subsequente. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 10

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 24. Evento Subsequente. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 10 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 24 Evento Subsequente Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 10 Índice OBJETIVO 1 ALCANCE 2 Item DEFINIÇÕES 3 7 RECONHECIMENTO

Leia mais

Rodada #1 Contabilidade Geral

Rodada #1 Contabilidade Geral Rodada #1 Contabilidade Geral Professor Marcelo Seco Assuntos da Rodada Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro aprovado pelo Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito

CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito . UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2010 e 1 o semestre letivo de 2011 CURSO de CIÊNCIAS CONTÁBEIS VOLTA REDONDA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Verifique se este

Leia mais

Estrutura Conceitual da Contabilidade: Objetivos e usuários. Prof. Amaury José Rezende

Estrutura Conceitual da Contabilidade: Objetivos e usuários. Prof. Amaury José Rezende Estrutura Conceitual da Contabilidade: Objetivos e usuários Prof. Amaury José Rezende Agenda 3. Aspectos conceituais e aprofundados de teoria da contabilidade 3.1. Estrutura conceitual da contabilidade

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE Convergência ao Padrão Internacional. Luciano Guerra

A NOVA CONTABILIDADE Convergência ao Padrão Internacional. Luciano Guerra A NOVA CONTABILIDADE Convergência ao Padrão Internacional Luciano Guerra 1 Sobre o autor Luciano Guerra é contador formado pela UFC Universidade Federal do Ceará, Mestre em Contabilidade Gerencial pela

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

Sumário. Capítulo 1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade. Princípios de Contabilidade 1. Contábil-Financeiro Útil...11

Sumário. Capítulo 1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade. Princípios de Contabilidade 1. Contábil-Financeiro Útil...11 Sumário Capítulo 1 Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade. Princípios de Contabilidade 1 1.1. Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade e Princípios de Contabilidade...1 1.1.1. Conceito e Objetivo...1

Leia mais

profs. Moraes Junior e Alexandre Lima 2

profs. Moraes Junior e Alexandre Lima  2 Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro aprovado pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) Conteúdo 1. Estrutura Conceitual da Contabilidade... 3 1.1. Introdução...

Leia mais

Manual das. Demonstrações Contábeis. 2ª Edição

Manual das. Demonstrações Contábeis. 2ª Edição Manual das Demonstrações Contábeis 2ª Edição CLEÔNIMO DOS SANTOS é bacharel em Ciências Contábeis, com MBA em Controladoria Estratégica. Professor universitário em cursos de graduação e pós-graduação.

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA EM EXERCÍCIOS COMENTADOS - FCC AGENTE FISCAL DE RENDAS SEFAZ/SP PROF. MORAES JUNIOR Aula 00 Aula Demonstrativa

CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA EM EXERCÍCIOS COMENTADOS - FCC AGENTE FISCAL DE RENDAS SEFAZ/SP PROF. MORAES JUNIOR Aula 00 Aula Demonstrativa Aula 00 Aula Demonstrativa Tudo bem? Está pronto(a) para estudar Contabilidade Geral e Avançada para o concurso de Agente Fiscal de Rendas da Sefaz/SP? Antes de explicar como o curso foi montado gostaria

Leia mais

I Seminário de Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo

I Seminário de Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo I Seminário de Empresas de Serviços Contábeis do Espírito Santo Lei nº 12.973/2014 x IFRS: Avaliação pelo Valor Justo: Situações de Incidência, Cálculo e Contabilização Eduardo José Zanoteli Doutorando

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 28 Investments in Associates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE. 1. Introdução O IAS 28 Investments in Associates é aplçicado ao registro de investimentos

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Aula 01

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Aula 01 PRÁTICAS CONTÁBEIS Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Aula 01 Estática Patrimonial: o Balanço, Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido A contabilidade deve tratar a pessoa

Leia mais

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini

Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS. Prof. Rubens Pardini Unidade I AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Rubens Pardini Introdução No curso dos negócios existem ocasiões em que é necessário estimar, total ou parcialmente, o valor de mercado de uma empresa. Entre essas

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas

Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA. Prof. Walter Dominas Unidade I CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um grupo

Leia mais

ATIVO Nota PASSIVO Nota

ATIVO Nota PASSIVO Nota Balanços patrimoniais ATIVO Nota 2016 2015 PASSIVO Nota 2016 2015 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 165 528 Recursos a serem aplicados em projetos 7 23.836 23.413 Caixa e equivalentes

Leia mais

CPC 28. Propriedade para Investimento. Balanço Patrimonial - Grupos. Definição de PI. Investimentos Participações Permanentes em outras sociedades

CPC 28. Propriedade para Investimento. Balanço Patrimonial - Grupos. Definição de PI. Investimentos Participações Permanentes em outras sociedades CPC 28 Propriedade para Investimento PAULA NARDI Balanço Patrimonial - Grupos Ativo Circulante ATIVO Ativo Não Circulante Ativo Realizável a Longo Prazo Investimento Propriedade para Investimento Imobilizado

Leia mais

O CPC 31 não se aplica:

O CPC 31 não se aplica: CPC 31 O CPC 31 não se aplica: (a) imposto de renda diferido ativo (Pronunciamento Técnico CPC 32 Tributos sobre o Lucro); (b) ativos provenientes de benefícios a empregados (Pronunciamento Técnico CPC

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL

CONTABILIDADE GERENCIAL CONTABILIDADE GERENCIAL 1 1.1 - Objetivos da Contabilidade 1.1.1 - Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade Deliberação CVM* nº 29 de 05/02/1986: A Contabilidade é, objetivamente, um sistema de informação

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

Ativo Não Circulante Mantido para Venda (CPC 31 / IFRS 5). Por Ivandro Oliveira [1]

Ativo Não Circulante Mantido para Venda (CPC 31 / IFRS 5). Por Ivandro Oliveira [1] Ativo Não Circulante Mantido para Venda (CPC 31 / IFRS 5). Por Ivandro Oliveira [1] O CPC 31 / IFRS 5 compreende os ativos não circulante mantidos para venda e as operações descontinuadas mas vamos falar

Leia mais

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa

Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Goodwill, mais valia de ativos, menos valia de ativos e Ganho por compra vantajosa Universidade Federal de Pernambuco Disciplina: Contabilidade Societária 2 Profa. Márcia Ferreira E- mail: marcia@ferreiraauditores.com.br

Leia mais

Sumário. Parte I Auditoria Básica, 1. Apresentação, xi. 1 Aspectos conceituais, 3

Sumário. Parte I Auditoria Básica, 1. Apresentação, xi. 1 Aspectos conceituais, 3 Sumário Apresentação, xi Parte I Auditoria Básica, 1 1 Aspectos conceituais, 3 1.1 Introdução, 3 1.2 Tipos de auditoria, 4 1.2.1 Auditoria interna, 4 1.2.2 Auditoria externa ou independente, 11 1.2.2.1

Leia mais

Contabilidade Básica I Seção 2 Definições

Contabilidade Básica I Seção 2 Definições Contabilidade Básica I Seção 2 Definições Prof. Me. Hélio Esperidião Objetivos: Compreender os princípios elementares da contabilidade. Capital social Capital social é o montante necessário para se constituir

Leia mais

CPC 01 - VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Prof. Mauricio Pocopetz

CPC 01 - VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Prof. Mauricio Pocopetz CPC 01 - VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS Prof. Mauricio Pocopetz APLICAÇÃO Observação O CPC 01 não se aplica somente ao ativo imobilizado; Praticamente todo ativo está sujeito ao teste de recuperação; OBJETIVOS

Leia mais

NBC TG 48- INSTRUMENTOS FINANCEIRO

NBC TG 48- INSTRUMENTOS FINANCEIRO NBC TG 48- INSTRUMENTOS FINANCEIRO Instrumento Financeiros O Conselho Federal de Contabilidade tem por objetivo de estabelecer princípios para os relatórios financeiros de ativos financeiros e passivos

Leia mais

Glades Chuery. Auditoria em PMEs - Aspectos Críticos

Glades Chuery. Auditoria em PMEs - Aspectos Críticos Glades Chuery Auditoria em PMEs - Aspectos Críticos Perfil do Palestrante Glades Chuery Ameneiro Ferreira, formada em Administração de Empresas pela UNIP e Ciências Contábeis (FECAP). Atua na BDO RCS Auditores

Leia mais

Índice. Introdução...7. Capítulo Introdução a Contabilidade A Importância da Contabilidade O Patrimônio...

Índice. Introdução...7. Capítulo Introdução a Contabilidade A Importância da Contabilidade O Patrimônio... Contábil - MÓDULO 1 Índice Introdução...7 Capítulo 1...9 1.1 Introdução a Contabilidade...10 1.1.1 A Importância da Contabilidade...11 1.1.2 O Patrimônio...12 1.1.3 Aspecto qualitativo e quantitativo do

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS A LUZ DO CPC00R1 E DO CPC09

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS A LUZ DO CPC00R1 E DO CPC09 DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO: UM ESTUDO SOBRE A EVIDENCIAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS A LUZ DO CPC00R1 E DO CPC09 Contabilidade Financeira Autores: Eduardo Felicíssimo Lyrio Fernanda Fernandes Maceira

Leia mais

Teste de Recuperabilidade (Impairment)

Teste de Recuperabilidade (Impairment) Teste de Recuperabilidade (Impairment) Elsa Martins dos Reis Geysa Amanda Pereira Martins Karina Teixeira Pires Milena Vieira Soares Thyálita Dyalean Ribeiro Rocha Em que consiste o Teste de Recuperabilidade?

Leia mais

REVOGAÇÃO DA RESOLUÇÃO DE PRINCIPIOS DE CONTABILIDADE E APROVAÇÃO DA ESTRUTURA CONCEITUAL DO SETOR PÚBLICO

REVOGAÇÃO DA RESOLUÇÃO DE PRINCIPIOS DE CONTABILIDADE E APROVAÇÃO DA ESTRUTURA CONCEITUAL DO SETOR PÚBLICO REVOGAÇÃO DA RESOLUÇÃO DE PRINCIPIOS DE CONTABILIDADE E APROVAÇÃO DA ESTRUTURA CONCEITUAL DO SETOR PÚBLICO Dra. Janyluce Rezende Gama Dezembro de 2016 PROGRAMA Contextualização Resolução de Princ. Contábeis

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO (R1)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO (R1) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO CONCEITUAL BÁSICO (R1) Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

EARNINGS RELEASE 3T17

EARNINGS RELEASE 3T17 Recuperação do Lucro Líquido e margem EBITDA crescendo em torno de 10 p.p.. São Paulo, 31 de Outubro de 2017 - A Inbrands S.A. ( Inbrands ou Companhia ), uma empresa brasileira consolidadora e operadora

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 23. Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 23. Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 23 Políticas Contábeis, Mudança de Estimativa e Retificação de Erro Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 8 Índice Item

Leia mais

Curso Online Contabilidade Geral e Avançada. Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil - AFRFB. Egbert Buarque

Curso Online Contabilidade Geral e Avançada. Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil - AFRFB. Egbert Buarque Olá pessoal, Chegamos à nossa sexta aula. O conteúdo a ser ministrado será: 1. Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil- Financeiro aprovado pelo Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34. Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34. Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 34 Exploração (*) e Avaliação de Recursos Minerais (*) exploração, no contexto deste Pronunciamento, se refere à fase entre a obtenção do

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Demonstração dos Fluxos de Caixa A Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) faz parte do grupo de demonstrações contábeis obrigatórias a serem apresentadas pelas companhias abertas. No entanto, esta demonstração

Leia mais

CONTABILIDADE. O OBJETO da Contabilidade é o patrimônio das entidades. Patrimônio administrável e em constante alteração.

CONTABILIDADE. O OBJETO da Contabilidade é o patrimônio das entidades. Patrimônio administrável e em constante alteração. 1 CONTABILIDADE 1.1 CONCEITO É a ciência que tem como objetivo observar, registrar e informar os fatos econômico-financeiros acontecidos dentro de um patrimônio pertencente a uma entidade; mediante a aplicação

Leia mais

Comunicação com o mercado, o IFRS e a regulação. IFRS Board Class 1

Comunicação com o mercado, o IFRS e a regulação. IFRS Board Class 1 Comunicação com o mercado, o IFRS e a regulação IFRS Board Class 1 Comunicação com o mercado Empresa Investidores e analistas Relatório da administração Medições não contábeis Info trimestral Demonstrações

Leia mais

Auditoria Trabalhos Especiais Principais Aspectos de Aplicação Prática. Cristiano Seguecio 21/10/2015

Auditoria Trabalhos Especiais Principais Aspectos de Aplicação Prática. Cristiano Seguecio 21/10/2015 Auditoria Trabalhos Especiais Principais Aspectos de Aplicação Prática Cristiano Seguecio 21/10/2015 Agenda Introdução NBC TA 800 - Alcance, objetivos, requisitos, relatórios e exemplos NBC TA 805 - Alcance,

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa

Demonstração dos Fluxos de Caixa Aspectos gerais A Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) faz parte do grupo de demonstrações contábeis obrigatórias a serem apresentadas pelas companhias abertas. No entanto, esta demonstração estava desobrigada

Leia mais