ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS. Cap QCO CARLOS EDUARDO ARRUDA DE SOUZA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS. Cap QCO CARLOS EDUARDO ARRUDA DE SOUZA"

Transcrição

1 ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS Cap QCO CARLOS EDUARDO ARRUDA DE SOUZA PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO LINUX TERMINAL SERVER PROJECT PARA AUXÍLIO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL DO SOLDADO DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR Rio de Janeiro 2009

2 Cap QCO CARLOS EDUARDO ARRUDA DE SOUZA PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO LINUX TERMINAL SERVER PROJECT PARA AUXÍLIO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL DO SOLDADO DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, como requisito parcial para a obtenção do Grau de Aperfeiçoamento em Conhecimentos Militares. Orientadora Externa: Cap QCO Selma Lúcia de Moura Gonzales Rio de Janeiro 2009

3 Cap QCO CARLOS EDUARDO ARRUDA DE SOUZA PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO LINUX TERMINAL SERVER PROJECT PARA AUXÍLIO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL DO SOLDADO DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, como requisito parcial para a obtenção do Grau de Aperfeiçoamento em Conhecimentos Militares. Aprovado em: 23 / 10 /2009 COMISSÃO DE AVALIAÇÃO GERALDO PEREIRA JUNIOR Cap Com Presidente Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais do Exército APOLLO CRISTI POLIESTI NOGUEIRA Cap Mat Bel 1º Membro Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais do Exército MARCELO SAMPAIO PEREIRA Cap Int 2º Membro Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais do Exército

4 AGRADECIMENTOS A Deus pelas inúmeras graças recebidas. A minha Orientadora Cap QCO Selma Lúcia de Moura Gonzales meus sinceros agradecimentos pela orientação firme e objetiva na relização deste trabalho. Aos meus pais Carlos Delmiro de Souza e Ivaní Francisco Arruda de Souza, pelo amor com que me conceberam e educaram. A minha esposa e a minha filha pela compreensão, apoio e companheirismo nos momentos em que este trabalho foi priorizado. A todos aqueles que direta ou indiretamente colaboraram para este projeto fosse concluído.

5 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DFA ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS (EsAO/1919) DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TERMO DE CESSÃO DE DIREITO SOBRE TRABALHO ACADÊMICO TÍTULO DO TRABALHO PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO LINUX TERMINAL SERVER PROJECT PARA AUXÍLIO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL DO SOLDADO DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR IDENTIFICAÇÃO DO AUTOR CARLOS EDUARDO ARRUDA DE SOUZA 1. Este trabalho, nos termos da legislação que resguarda os direitos autorais, é considerado de minha propriedade. 2. Conforme o contido nas IPG 2009, autorizo a EsAO a utilizar meu trabalho para uso específico no aperfeiçoamento e evolução das Forças Armadas, bem como a divulgá-lo por meio de revistas, informativos ou outros veículos de comunicação. 3. A EsAO poderá fornecer cópia do trabalho de acordo com as normas da escola. 4. É permitida a transcrição parcial de trechos do trabalho para comentários e citações desde que sejam transcritos os dados bibliográficos dos mesmos, de acordo com a legislação sobre direitos autorais. 5. A divulgação do trabalho, por qualquer meio, somente pode ser feita com a autorização do autor e da Direção de Ensino da EsAO. Salvador, 23 de outubro de CARLOS EDUARDO ARRUDA DE SOUZA Cap QCO

6 MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DECEx - DFA ESCOLA DE APERFEIÇOAMENTO DE OFICIAIS (EsAO/1919) DIVISÃO DE ENSINO / SEÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTADOR EXTERNO 1. Eu, Cap QCO Selma Lúcia de Moura Gonzales, Idt Nr , doravante designada orientadora, comprometo-me a conduzir a orientação do Cap QCO Carlos Eduardo Arruda de Souza do CAM, inscrito no Curso de Pós-Graduação no nível Lato Sensu em Conhecimentos Militares, cujo trabalho monográfico versa sobre o tema: Analisar a inclusão digital nas Organizações Militares (OM), propondo melhorias e identificando as limitações, vantagens e desvantagens à sua operacionalização, inserido na Linha de Pesquisa Instrução e Ensino Militar. 2. Declaro, ainda, estar ciente de todas as normas que regem os Cursos de Pós-Graduação da EsAO e de todas as prescrições contidas nas Instruções de Pós-Graduação (IPG) vigentes. Salvador, 15 de junho de SELMA LÚCIA DE MOURA GONZALES Cap QCO Orientadora Visto Of Co-Orientador GERALDO PEREIRA JUNIOR Cap Com

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivo Justificativa Metodologia INCLUSÃO DIGITAL A inclusão digital no Brasil A inclusão digital no Exército Brasileiro A inclusão digital na Escola de Administração do Exército e Colégio Militar de Salvador LINUX TERMINAL SERVER PROJECT O que é a solução LTSP Os serviços-base O entendimento do LTSP O dimensionamento dos equipamentos Os terminais O servidor IMPLEMENTAÇÃO DA SOLUÇÃO Materiais Configuração lógica do servidor Configurações iniciais Instalação dos serviços-base e dos pacotes LTSP Configuração dos serviços-base Configuração lógica dos terminais Custos CONCLUSÃO REFERÊNCIAS GLOSSÁRIO APÊNDICE A Roteiro de entrevista para pesquisa sobre inclusão digital na Escola de Administração do Exército e Colégio Militar de Salvador APÊNDICE B Termo de Consentimento Livre e Esclarecido APÊNDICE C Arquivo de configuração do serviço DHCP APÊNDICE D Arquivo de configuração lts.conf... 42

8 7 PROPOSTA DE IMPLEMENTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO LINUX TERMINAL SERVER PROJECT PARA AUXÍLIO NO PROCESSO DE INCLUSÃO DIGITAL DO SOLDADO DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DO EXÉRCITO E COLÉGIO MILITAR DE SALVADOR Carlos Eduardo Arruda de Souza 1, Selma Lúcia de Moura Gonzales 2 Resumo: A Escola de Administração do Exército e Colégio Militar de Salvador (EsAEx/CMS) é uma Organização Militar (OM) que congrega no mesmo aquartelamento dois estabelecimentos de ensino com características distintas. A Escola de Administração do Exército que tem como missão formar oficiais do quadro complementar e o Colégio Militar de Salvador que tem como missão proporcionar ensino fundamental e médio aos dependentes de militares e civis de Salvador. Apesar de contar com uma grande estrutura para abrigar estas escolas, possuir laboratórios de informática e professores que podem orientar o uso correto dos meios de tecnologia da informação disponíveis, esta OM não possui, ainda, um local específico para trabalho da inclusão digital, já que os laboratórios existentes são destinados às atividades do Curso de Formação de Oficiais do Quadro Complementar e aos alunos do Colégio Militar. Através da pesquisa bibliográfica e em sítios da internet, e da realização de entrevistas, foi possível diagnosticar que a falta deste local representa um empecilho para desenvolvimento de atividades regulares para proporcionar inclusão digital. Com a finalidade de criar um espaço destinado ao soldado, onde seria possível aproximá-lo de recursos como computador e internet, permitindo uma orientação consciente de seu uso, aponta-se como uma alternativa viável a implementação de um laboratório baseado na solução Linux Terminal Server Project (LTSP) nas instalações da EsAEx/CMS. PALAVRAS-CHAVE: Inclusão digital, solução LTSP e laboratório. The Escola de Administração do Exército and Colégio Militar de Salvador (EsAEx/CMS) are one military organization (OM) that brings in two schools with different characteristics. The Escola de Administração do Exército has the mission to train officers from the Quadro Complementar de Oficiais and the Colégio Militar de Salvador has the mission to provide elementary and secondary education to militaries and civilians children. Although the OM has a large structure that includes computer labs and teachers, who can guide the proper use of information technology media available, it does not still have an appropriate place to work with digital inclusion, since the existing laboratories are intended for the activities of the training course for officers of the Quadro Complementar and for the students from the Colégio Militar. Through bibliography and web sites researches, and interviews, it was possible to check that the lack of this proper place represents a problem for the development of regular activities to provide digital inclusion. In order to make available a room for the soldier, where he can be closer to resources such as computers and internet, allowing a conscious guidance of their use, it is pointed out as a viable alternative to implement a lab based on the Linux Terminal Server Project (LTSP) solution at EsAEx/CMS. KEY WORDS: Digital Inclusion, LTSP solution and laboratory. 1 Especialista em Tecnologia e Projeto de redes. Escola de Administração do Exército (EsAEx), Salvador, Brasil. 2 Doutora em Geografia Humana. Escola de Administração do Exército (EsAEx), Salvador, Brasil.

9 8 1 INTRODUÇÃO A Escola de Administração do Exército e Colégio Militar de Salvador (EsAEx/CMS) é uma Organização Militar (OM) que congrega no mesmo aquartelamento dois estabelecimentos de ensino com características distintas. A Escola de Administração do Exército que tem como missão formar oficiais do quadro complementar e o Colégio Militar de Salvador que tem como missão proporcionar ensino fundamental e médio aos dependentes de militares e civis de Salvador. A Companhia de Comando e Serviço é a subunidade que apoia com pessoal toda a estrutura da EsAEx/CMS, contando com um contingente de cerca de trezentos e vinte quatro militares, atuando no sentido de proporcionar aos integrantes dessas Escolas as melhores condições de trabalho. Dentre esses militares observa-se um efetivo considerável de soldados, que, anualmente, ao término do período de formação básica são empregados nas diversas seções e divisões da OM para auxiliar no cumprimento das mais variadas missões, desde a limpeza e manutenção das instalações até a confecção de documentos. Entretanto, ao longo dos anos, observa-se que muitos soldados incorporados não tiveram oportunidade sequer de utilizar um computador, pois verifica-se que é uma ferramenta com alto custo, ainda, para a grande parte deles que são oriundos de comunidades carentes de Salvador. Mesmo aqueles que tiveram oportunidade, o fizeram através das Lan Houses existentes nos seus bairros e no máximo utilizaram essa ferramenta para acesso à Internet e, na maioria dos casos, sem nenhuma orientação. Como consequência, os integrantes das seções e divisões que recebem esses militares têm dificuldade em delegar atividades e missões que exijam o uso do computador e recursos de rede. Dessa maneira, como introduzir e orientar esse jovem para uso da tecnologia de forma eficaz, usufruindo desse suporte digital de maneira responsável e com o objetivo de melhorar suas condições de vida e, por conseguinte, melhor aproveitar sua capacidade de trabalho? Sugere-se que devam ser elaboradas estratégias para disponibilizar computador, acesso à rede e condições necessárias para domínio dessas ferramentas, como por exemplo: a implementação de um laboratório baseado na solução Linux Terminal Server Project (LTSP). Neste sentido, foram formuladas diversas questões de estudo que envolvem a problemática desta investigação, conforme listadas abaixo: a) O que é Inclusão Digital? b) Como proporcionar a inclusão digital do soldado da EsAEx/CMS? c) Qual custo para a operacionalização dessa inclusão digital?

10 9 Espera-se que, em se respondendo mesmo que parcialmente estas questões, seja possível solucionar o problema de estudo e atingir os objetivos de pesquisa, conforme a seguir formulados. 1.1 Objetivo O presente estudo pretende propor a implementação de um laboratório baseado na solução LTSP para auxílio no processo de inclusão digital do soldado da EsAEx/CMS. A fim de viabilizar a consecução do objetivo geral de estudo, foram formulados os objetivos específicos, abaixo relacionados, que permitirão o encadeamento lógico do raciocínio descritivo apresentado neste estudo: a) realizar uma pesquisa bibliográfica a fim de levantar e elucidar os principais conceitos relativos à inclusão digital; b) realizar o levantamento dos programas de inclusão digital existentes no País, no Exército Brasileiro e na EsAEx/CMS; c) realizar uma pesquisa bibliográfica a fim de levantar e elucidar os principais conceitos relativos à solução LTSP; d) realizar a escolha dos equipamentos e do local que será sugerido para a implementação da solução LTSP na EsAEx/CMS; d) descrever como implementar a solução LTSP; e) realizar o levantamento dos custos necessários para a implementação da solução LTSP. 1.2 Justificativa A EsAEX/CMS apesar de possuir laboratórios de informática e professores que podem orientar o uso correto dos meios de tecnologia da informação disponíveis, não possui, ainda, um local específico para trabalho da inclusão digital, já que os laboratórios existentes são destinados às atividades do Curso de Formação de Oficiais do Quadro Complementar e aos alunos do Colégio Militar, o que faz crescer em importância iniciativas neste sentido, tornando este estudo altamente relevante. A estratégia que vem sendo utilizada é o recrutamento de soldados voluntários para receberem treinamento no 51º Centro de Telemática, OM na Guarnição de Salvador que possui um núcleo de inclusão digital. Entretanto, não tem sido a solução ideal tendo em vista

11 10 o número limitado de vagas e a falta de flexibilidade no calendário para atender a todos os interessados. Com a finalidade de criar um espaço destinado ao soldado, onde seria possível aproximá-lo de recursos como computador e internet, permitindo uma orientação consciente de seu uso, aponta-se como uma alternativa viável a implementação de um laboratório baseado na solução LTSP nas instalações da EsAEx/CMS. Neste sentido, o presente estudo justifica-se por contribuir com o processo de inclusão digital do soldado de maneira mais eficaz, pois torna possível o treinamento na própria Unidade e para um número maior de instruendos. Além disso, o custo para implementação é mínimo tendo em vista que essa solução é baseada em software livre e na reutilização de equipamentos antigos. 1.3 Metodologia Para levantamento do referencial teórico foram realizadas pesquisas em fontes primárias e secundárias. Informações importantes foram levantadas através de sítios da internet, principalmente no que diz respeito aos programas de inclusão digital. Vários artigos foram consultados e destaque pode ser dado ao sítio do Projeto LTSP. Também foram realizadas entrevistas com dois Chefes de Divisão da EsAEx/CMS, conforme pode ser observado no Apêndice B. Estes foram selecionados pelo fato de ambos terem passado pelas Divisões de Ensino da EsAEx e de Telemática entre os anos de 2005 e 2009, as quais possuem ligação direta com a temática em questão. Os questionamentos podem ser verificados no Apêndice A e o roteiro consta de oito perguntas abertas que tiveram por objetivo levantar a real situação da inclusão digital nessa Organização Militar. Dessa maneira, pôde-se verificar a adequação da proposta do presente trabalho. Para melhor compreensão da pesquisa, o desenvolvimento do trabalho foi dividido em três capítulos, apresentados de acordo com a estrutura que se segue: o primeiro capítulo trata da situação da inclusão digital, levantando os principais conceitos envolvidos e as medidas que tem sido tomadas no País, no Exército Brasileiro e na EsAEx/CMS para contribuir com o processo; no capítulo seguinte, verifica-se a descrição dos conceitos que envolvem a solução LTSP, o entendimento do seu funcionamento e o embasamento para escolha e dimensionamento dos equipamentos para a sua implementação; e o capítulo final relaciona os equipamentos que foram utilizados, descreve a implementação e os custos para a solução.

12 11 2 INCLUSÃO DIGITAL Entende-se que o acesso às tecnologias de informação e comunicação (TICs) de forma orientada e consciente, também chamado de inclusão digital, está diretamente ligado aos direitos básicos à informação e à liberdade de opinião e expressão. Segundo Mendes (2008), as TICs são tecnologias usadas para reunir, distribuir e compartilhar informações, como por exemplo: sítios da internet, equipamentos de informática, programas, telefonia, quiosques de informação e balcões de serviços automatizados. No século atual, o desenvolvimento socioeconômico e político passa pelo domínio dessas tecnologias que, para uma proposta de inclusão digital eficiente, devem ser manipuladas com o objetivo de buscar a melhoria da qualidade de vida da sociedade. As tecnologias da informação e da comunicação precisam se tornar ferramentas que contribuam para o desenvolvimento social, intelectual, econômico e político do cidadão. Do ponto de vista de uma comunidade, isto significa aplicá-las a processos que contribuam para o fortalecimento de suas atividades econômicas, de sua capacidade de organização, do nível educacional e da autoestima de seus integrantes, de sua comunicação com outros grupos, de suas entidades e serviços locais e de sua qualidade de vida. (CRUZ, 2004, p. 13). A simples disponibilização de instalações dotadas de computadores com acesso à internet não contribui para o processo de inclusão digital em sua plenitude. Segundo Rebêlo (2005), o próprio governo e várias empresas promovem o conceito de inclusão digital sem critério e sem a devida preocupação com os resultados que deveriam ser alcançados. A melhoria do quadro social e a revelação para a comunidade, do pulo do gato para o benefício próprio e coletivo por meio das TICs, devem ser os objetivos nobres dessas organizações que se propõem a contribuir com o processo. É um erro de interpretação muito comum tratar esse conceito como sinônimo de alfabetização digital, ou seja, como uma espécie de domínio das TICs. É indiscutível que a aproximação entre a comunidade e essas ferramentas tem a sua importância, entretanto constitui apenas um primeiro passo no caminho que deve ser trilhado em busca da inclusão digital. Parece haver um entendimento no sentido de assumir alfabetização digital como a manipulação e conforto com o uso de computadores, seus softwares utilitários e operacionais, caixas eletrônicos de banco, aparelhos de celular e outros equipamentos eletrônicos. Sendo um estágio necessário porém não suficiente para a inclusão digital. (CRUZ, 2007, p. 17).

13 12 Uma visão mais completa do assunto é observada por Silveira (2006), quando afirma que a política de inclusão digital pode ser implementada por níveis de acessibilidade distintos dentro de cada bloco abaixo: a) Unidades de inclusão são os locais de acesso às TICs como por exemplo as bibliotecas informatizadas e conectadas à rede, os laboratórios escolares de informática conectados à internet, as salas de aula informatizadas e conectadas, telecentros, quiosques, tótens ou orelhões de internet. b) Opções tecnológicas dizem respeito aos tipos de hardwares e softwares utilizados nas unidades de inclusão. Em relação ao hardware, existem soluções inovadoras, como o uso de terminais burros (equipamentos desprovidos de poder de processamento e que utilizam recursos de um computador com configurações robustas), ou tradicionais do uso individual e caseiro. Os softwares podem ser livres ou proprietários e voltados ou não, à interação e à solução de problemas das comunidades. c) Atividades disponíveis uso livre, limitado ou monitorado; impressão de documentos; cursos presenciais ou à distância; acesso a correio eletrônico e à área de arquivo própria; atividades comunitárias em rede. d) Monitoria das unidades com ou sem monitores ou orientadores contratados; com ou sem envolvimento de voluntários; com ou sem controle da comunidade, a partir de conselhos gestores eletivos. e) Sustentabilidade das unidades recursos do fundo público; recursos das empresas; contribuições individuais e coletivas; cobrança do usuário. f) Autonomia e participação das unidades comunidades têm poder de decisão sobre a gestão; comunidades têm poder consultivo sobre a gestão; comunidades têm poder fiscalizador sobre a gestão. 2.1 A inclusão digital no Brasil No Brasil podem ser identificadas várias iniciativas no sentido de promover o combate à exclusão digital, dentre elas estão as diversas parcerias envolvendo o governo, as empresas e o terceiro setor, ou ainda, atitudes pró-ativas isoladas dessas entidades para tratamento da temática. Por iniciativa do Governo Federal foi criado o Observatório Nacional de Inclusão Digital (ONID) que em conjunto com a sociedade tem como função realizar o acompanhamento e a avaliação dos esforços de inclusão digital no Brasil. O ONID

14 13 disponibiliza informações à sociedade acerca dos telecentros ou outros espaços coletivos com acesso às TICs e conectados à internet. Essas informações são consolidadas a partir do cadastramento das unidades de inclusão no portal do Observatório pelos interessados em contribuir com o processo, entretanto, para tal, a unidade candidata precisa atender três requisitos principais: a existência de conexão à internet no estabelecimento, que tem que possuir mais que três computadores (a não ser em áreas remotas ou com problemas de energia); ser aberto à população, ainda que em tempo parcial (uma escola, por exemplo, desde que libere o acesso nos finais de semanas); não possuir fins lucrativos e, se cobrar por necessidade de sustentabilidade, é preciso informar o que é feito com os recursos. (ONID, 2009). Os telecentros, muitas vezes também chamados de infocentros, são unidades de acesso às TICs onde a comunidade local pode receber orientação adequada para uso dessas ferramentas e frequentar cursos. Também pode ser prevista no espaço, a disponibilização de equipamentos para uso por tempo determinado, geralmente com auxílio de monitores. A utilização do espaço se relaciona com serviços, lazer, capacitação profissional, educação, política, saúde, produção cultural, comunicação e demais áreas, já que consiste em uma ferramenta de acesso e de produção de informação e conhecimento. A manutenção do espaço e dos equipamentos pode estar a cargo de um projeto público ou privado, ou mesmo da própria comunidade. (ONID, 2009). As unidades de acesso podem estar inseridas em um programa de inclusão digital (PID) que, por sua vez, pode ter abrangência nacional, regional, estadual ou municipal e ainda, pode ser de gestão pública ou de gestão sociedade civil. Dentre os programas de inclusão digital no país, merece destaque o desenvolvido pela Prefeitura Municipal de São Paulo, considerado uma referência, constituindo-se no maior programa de abrangência municipal mapeado pelo ONID, contando com 194 (cento e noventa e quatro) telecentros, conforme pode ser observado no gráfico 1.

15 14 Outros programas 3 Gráfico 1 Maiores programas de inclusão digital municipais mapeados pelo ONID ( número de telecentros por programas de inclusão digital). Fonte: Observatório Nacional de Inclusão Digital (2009). que vem sendo desenvolvidos com sucesso, dando importante contribuição na qualidade de vida das comunidades, seguem abaixo: a) Ministério da Defesa programa de inclusão digital de abrangência nacional e de gestão pública que conta com 42 (quarenta e dois) telecentros mapeados; b) Fundação Bradesco programa de inclusão digital de abrangência nacional e de gestão sociedade civil que conta com 92 (noventa e dois) telecentros mapeados; c) Quiosque Cidadão programa de inclusão digital de abrangência regional e de gestão pública que conta com 66 (sessenta e seis) telecentros mapeados; d) Ação Digital Nordeste programa de inclusão digital de abrangência regional e de gestão sociedade civil que conta com 41 (quarenta e um) telecentros mapeados; e) Ação Digital (MT) programa de inclusão digital de abrangência estadual e de gestão pública que conta com 52 (cinquenta e dois) telecentros mapeados; f) Telecentros Jovem Cidadão (MA) programa de inclusão digital de abrangência estadual e de gestão sociedade civil que conta com 11 (onze) telecentros mapeados; g) BH Digital programa de inclusão digital de abrangência municipal e de gestão pública que conta com 79 (setenta e nove) telecentros mapeados; h) Núcleo Sabe Tudo Sorocaba programa de inclusão digital de abrangência municipal e de gestão sociedade civil que conta com cinco telecentros mapeados. As iniciativas listadas acima apenas ilustram a importância que vem sendo dispensada ao processo de inclusão digital no País por diversas organizações. Com preocupação similar, o Exército Brasileiro, como instituição nacional, também tem buscado alternativas para que essa inclusão efetivamente ocorra. 3 Informações mais específicas podem ser obtidas no sítio

16 A inclusão digital no Exército Brasileiro Com a finalidade de promover a inclusão digital e ser solidário aos demais programas do Governo Federal, como por exemplo, o Programa Primeiro Emprego, o Exército Brasileiro (EB) criou os Centros de Ensino de Informática (CEI) que de maneira similar aos telecentros vem contribuindo no combate à exclusão digital, instruindo tanto o soldado que presta o serviço militar inicial obrigatório como também os indivíduos das comunidades locais. De acordo com o Departamento de Ciência e Tecnologia, do Comando Militar de Operações Terrestres e dos Comandos Militares de Área, órgãos do EB responsáveis pela implantação e operação desses centros, os objetivos almejados são: a) Apoiar a formação e a especialização do contingente de militares temporários; b) Possibilitar uma maior utilização de meios de informática pelo Exército Brasileiro; c) Atender a programas federais que tratem da utilização de software livre; d) Colaborar com o Programa Primeiro Emprego e com a inclusão social pretendidos pelo Governo Federal; e) Proporcionar a expansão do programa para o atendimento de comunidades mais carentes, quando possível; e f) Preparar o jovem para o mercado de trabalho, após o seu licenciamento do serviço militar. (BRASIL, 2006, p. 94). Como exemplo de algumas organizações militares, que tiveram seus trabalhos divulgados na mídia, por ocasião da prestimosa contribuição no programa, cabe destacar: a) O 40º Batalhão de Infantaria de Crateús (CE) que promoveu cursos de informática básica para alunos da rede pública de ensino, como pode ser observado na figura 1, com o objetivo de proceder à inclusão digital dos jovens para o mercado de trabalho, habilitando-os para o desempenho de diversas especialidades, inclusive nas novas tecnologias de informação (BRASIL, 2009); b) O 5º Centro de Telemática de Área de Recife (PE) que ofereceu cursos com uma semana de duração ao grupo de estudantes da comunidade do Pilar. As atividades realizadas uniram elementos lúdicos e interdisciplinares aos ensinamentos de informática. Os alunos tiveram a oportunidade de aprender conteúdos de Matemática, Ciências e Meio Ambiente, além de Língua estrangeira, de maneira divertida e interativa com o uso de softwares livres. (LYRA, 2007).

17 16 Figura 1 Alunos da rede pública no curso promovido pelo 40º Batalhão de Infantaria. Fonte: Brasil (2009). Outro programa de inclusão digital do Governo Federal em parceria com o EB que merece destaque, é o Governo Eletrônico Serviço de Atendimento ao Cidadão, conhecido como GESAC. O programa é coordenado pelo Ministério das Comunicações e é operacionalizado pela parceria com instituições sem fins lucrativos, chamados de Pontos de Presença (PPs). Esses pontos são aquinhoados com um serviço de acesso à internet de banda larga gratuito, via satélite, incluindo o suporte técnico necessário. O GESAC tem como diretrizes I Promover a inclusão digital; II ampliar o atendimento às instituições públicas para acesso à Internet; III contribuir para a universalização do acesso à Internet; IV apoiar o uso das TIC's em ações governamentais; V incentivar a prática de trabalhos colaborativos; VI incentivar a formação de redes de conhecimento; VII incentivar o uso de software livre; e VIII incentivar o desenvolvimento da comunidade beneficiada. (BRASIL, 2007, p.6). Como consequência da sua participação nos programas de inclusão digital, o EB tem colhido como fruto imediato um militar melhor capacitado para operar os meios de tecnologia da informação disponíveis nas suas Unidades e, em um futuro próximo, entregue um cidadão muitas vezes especializado e apto a competir no mercado de trabalho. Ainda fruto dessa contribuição, pode ser observado um aumento nos laços com a comunidade. É a presença do Estado, por meio da Mão Amiga, fazendo o seu papel e angariando a confiança da população daquela localidade beneficiada.

18 A inclusão digital na Escola de Administração do Exército e Colégio Militar de Salvador Esta seção foi construída com base nos dados levantados por ocasião das entrevistas com dois Chefes de Divisão da EsAEx/CMS, conforme pode ser observado no Apêndice B. A escolha destes militares é justificada pela passagem de ambos pela Divisão de Ensino da EsAEx e pela Divisão de Telemática entre os anos de 2005 e Os questionamentos podem ser verificados no Apêndice A e tiveram como objetivo levantar a real situação da inclusão digital nesta Organização Militar para que seja verificada se a proposta do presente trabalho é adequada. Do material coletado nas entrevistas, pode-se observar que a EsAEx/CMS, através de iniciativas dessas Divisões, tem nos últimos cinco anos contribuído com a inclusão digital do seu público interno, seja através de Projetos Interdisciplinares dos seus alunos ou através de cursos de capacitação em informática ministrados. Entretanto, não existe um calendário bem definido que permita um programa de acesso continuado e orientado às TICs. Os entrevistados destacaram a importância da capacitação do público interno para eficiência das atividades de ensino e administrativas, mas que o principal alvo deve ser o soldado. Com este foco, ambos acreditam que o Exército estaria contribuindo de forma eficaz para a vida desse militar após o licenciamento. Consideram que um fator que contribui para a solução de continuidade do programa é a falta de local específico destinado às atividades de inclusão digital, tendo em vista o uso intenso dos laboratórios da OM. Também foi levantado que não existem parcerias com outras instituições, mas que a OM possui um link de internet disponibilizado pelo Programa GESAC desde 2006, ocasião em que se buscou disponibilizar na Companhia de Comando e Serviço computadores para utilização pelo soldado, contudo a iniciativa não obteve êxito por questões de prioridade na destinação destes meios. Existem vários casos de sucesso de instituições que utilizam a tecnologia LTSP para operacionalização da inclusão digital. Dentre eles podem ser citados os projetos desenvolvidos pelo 51º Centro de Telemática, localizado em Salvador e o Projeto Escola Livre da Universidade Federal de Santa Catarina. Da análise das informações levantadas, pode-se concluir que este trabalho oferece uma alternativa viável, com baixo custo e de total aderência à necessidade acima exposta, podendo contribuir sobremaneira no processo de inclusão digital soldado da EsAEx/CMS.

19 18 3 LINUX TERMINAL SERVER PROJECT (LTSP) Este capítulo tem por finalidade descrever os conceitos que envolvem a solução LTSP, entender o seu funcionamento, fornecendo todo o embasamento para escolha e dimensionamento dos equipamentos para a sua implementação. 3.1 O que é a solução LTSP A solução LTSP foi criada por James McQuillan em 1999 para atender a necessidade de um cliente em Detroit, Michigan, Estados Unidos da América. O cliente, uma empresa de home care, necessitava de um método barato e funcional que permitisse 35 (trinta e cinco) usuários acessarem uma aplicação em um servidor. Segundo Colcernian (2009), o LTSP consiste em um pacote acrescentado ao sistema operacional Linux que permite o uso simultâneo por muitos usuários de um mesmo computador. As aplicações são executadas no computador central, denominado de servidor, através dos terminais, também conhecidos como thin clients que geralmente têm baixa potência e não possuem disco rígido. Em suma, toda entrada de dados, bem como a exposição dos resultados ocorrem nos terminais enquanto que a execução da aplicação e o processamento da massa de dados acontecem no servidor, conforme pode ser ilustrado na figura 2. Figura 2 Topologia LTSP. Fonte: LTSP (2007). Nesta topologia verifica-se que as conexões dos terminais (LTSP wokstations) e do servidor (LTSP Server) estão concentradas em um equipamento de rede chamado switch, necessário para que haja conectividade. Observa-se, ainda, que além de ter disponibilidade às aplicações, as estações clientes, por intermédio do servidor também podem ter acesso à internet.

20 Os serviços-base Para que se entenda o funcionamento do LTSP, é necessário a compreensão dos quatro serviços-base que devem ser instalados e configurados no servidor, permitindo a implementação da solução em tela. São eles o Dynamic Host Configuration Protocol (DHCP), o Trivial File Transfer Protocol (TFTP), o Network File System (NFS) e o X Display Manager Control Protocol (XDMCP), que serão explicados a seguir de maneira sucinta: a) DHCP cada computador na rede necessita de um endereço lógico chamado de Endereço IP, que é um pré-requisito para a conectividade. Existem duas formas de se configurar esse Endereço na máquina: estática ou dinâmica. No primeiro caso, o administrador configura diretamente na estação e no segundo, a estação no momento de boot (carga do sistema operacional) recebe as configurações de rede de um servidor DHCP. Estas configurações são: Endereço IP, máscara de sub-rede e configurações opcionais, tais como: endereço do roteador (default gateway) e endereço dos servidores de nomes; (PALMA; PRATES, 2000). b) TFTP de acordo com Palma e Prates (2000, p. 111), é um protocolo utilizado para transferir arquivos entre dois computadores em uma rede, onde um dos computadores é o servidor TFTP. ; c) NFS protocolo que permite que os computadores clientes tenham acesso à árvore de diretórios do servidor, acessando este recurso remoto como se fosse local. Através do NFS, usuários e programas da rede podem acessar remotamente pastas e arquivos no servidor, como se estivessem fazendo isso em sua estrutura local de diretórios. Além de pastas e arquivos, o protocolo NFS também tem a capacidade de compartilhar, em uma rede, dispositivos, como CD-ROM, disquetes e outros periféricos. (FILLITO; OLIVEIRA JUNIOR, 2007, p. 3). d) XDMCP protocolo que permite que seja compartilhado para os computadores clientes o ambiente gráfico do sistema operacional Linux, que é conhecido como X.

HOWTO de LTSP v4.1 no Debian Sarge : * LTSP como Servidor de Terminais GNU/Linux:

HOWTO de LTSP v4.1 no Debian Sarge : * LTSP como Servidor de Terminais GNU/Linux: HOWTO de LTSP v4.1 no Debian Sarge : * LTSP como Servidor de Terminais GNU/Linux: O LTSP (Linux Terminal Server Project) é uma solução que agrega um conjunto de serviços, de forma que máquinas clientes

Leia mais

INCLUD: TRABALHANDO A INCLUSÃO DIGITAL PARA ESCOLAS PÚBLICAS E COMUNIDADES CARENTES

INCLUD: TRABALHANDO A INCLUSÃO DIGITAL PARA ESCOLAS PÚBLICAS E COMUNIDADES CARENTES INCLUD: TRABALHANDO A INCLUSÃO DIGITAL PARA ESCOLAS PÚBLICAS E COMUNIDADES CARENTES Jefferson ARANHA (1);(2)Elionildo MENEZES;(3) Aécio PIRES;(4)Marcus PINHO;(5)Pedro PAIVA;. (1) Centro Federal de Educação

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Revisão: Seg, 21 de Março de 2011 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4 1.1. Pré Requisitos...4 1.2. Na Prática...4 1.2.1. Download...4

Leia mais

Administração de Redes Redes e Sub-redes

Administração de Redes Redes e Sub-redes 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Administração de Redes Redes e Sub-redes Prof.

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Centro de Inclusão Digital

Centro de Inclusão Digital Câmara Municipal de Ribeirão Preto Ishida TI Agradecimento CODERP (Amarildo e Jeová) GITEC (Todos) Interlegis ;-) LTPS LTPS Linux Terminal Server Project http://en.wikipedia.org/wiki/linux_terminal_server_project

Leia mais

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações

Manual de Instalação de Telecentros Comunitários. Ministério das Comunicações Manual de Instalação de Telecentros Comunitários Ministério das Comunicações As informações contidas no presente documento foram elaboradas pela International Syst. Qualquer dúvida a respeito de seu uso

Leia mais

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede

Sistemas Operacionais de Rede. Configuração de Rede Sistemas Operacionais de Rede Configuração de Rede Conteúdo Programático! Interfaces de rede! Ethernet! Loopback! Outras! Configuração dos parâmetros de rede! Dinâmico (DHCP)! Manual! Configuração de DNS

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia,

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

LTSP - Documentação para instalação sobre plataforma LibertasBR

LTSP - Documentação para instalação sobre plataforma LibertasBR LTSP - Documentação para instalação sobre plataforma LibertasBR Projeto LibertasBR http://www.libertasbr.org.br 15 de junho de 2005 Introdução O LTSP (Linux Terminal Server Project) é um conjunto de ferramentas

Leia mais

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO

UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO UM PBX GENUINAMENTE BRASILEIRO MANUAL DE INSTALAÇÃO COM IMAGEM ISO Criado por: Flavio Henrique Somensi flavio@opens.com.br Revisão: qui, 25 de abril de 2013 www.sneplivre.com.br Índice 1. Instalação...4

Leia mais

MANUAL CONFIGURAÇÃO CLIENTES LEVES

MANUAL CONFIGURAÇÃO CLIENTES LEVES MANUAL CONFIGURAÇÃO CLIENTES LEVES CAIXA MÁGICA 14 Maio 2010 Vasco da Gama Centro de Estudos e Desenvolvimento do Instituto Politécnico de Beja Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 1 2. SOBRE O DOCUMENTO... 1 3.

Leia mais

Manual ETHERNET - WIRELESS. Configuração de redes - wireless. Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre

Manual ETHERNET - WIRELESS. Configuração de redes - wireless. Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração de Rede ETHERNET - WIRELESS Configuração de redes - wireless Produzido por: Sergio Graças Giany Abreu Desenvolvedores do Projeto GNU/Linux VRlivre Manual Configuração de Rede ETHERNET

Leia mais

1. Considerações...3. 2. Introdução...3. 3. Arquitetura...3. 3.1. Topologia Básica...4. 3.2. Hardware mínimo recomendado...5

1. Considerações...3. 2. Introdução...3. 3. Arquitetura...3. 3.1. Topologia Básica...4. 3.2. Hardware mínimo recomendado...5 ÍNDICE 1. Considerações...3 2. Introdução...3 3. Arquitetura...3 3.1. Topologia Básica...4 3.2. Hardware mínimo recomendado...5 3.3. Sistemas Operacionais...5 4. Configurações Necessárias...6 4.1. Nas

Leia mais

Terminais LTSP com opensuse Um caso prático

Terminais LTSP com opensuse Um caso prático Terminais LTSP com opensuse Um caso prático Bruno Santos (feiticeir0@feiticeir0.no-ip.org) Caldas da Rainha, 1 de Setembro 2007 António Martins (digiplan.pt@gmail.com) Terminais LTSP com opensuse Agenda

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

O que é uma rede de computadores?

O que é uma rede de computadores? O que é uma rede de computadores? A rede é a conexão de duas ou mais máquinas com objetivo de compartilhar recursos entre elas. Os recursos compartilhados podem ser: Compartilhamento de conteúdos do disco

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Linux Terminal Server - Vantagens e Limitações

Linux Terminal Server - Vantagens e Limitações Linux Terminal Server Vantagens e Limitações IV Encontro de Informática Inmetro & Rbmlq 19 a 21 de Outubro de 2004. Daniel Cordeiro de Morais Neto APRESENTAÇÃO Daniel Cordeiro de Morais Neto João Pessoa

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis

Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis Perfil Guarulhos é um dos 39 municípios da Grande São Paulo, região economicamente

Leia mais

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE CONFIGURAÇÃO MANUAL DE CONFIGURAÇÃO CONTMATIC PHOENIX SUMÁRIO CAPÍTULO I APRESENTAÇÃO DO ACESSO REMOTO... 3 1.1 O que é o ACESSO REMOTO... 3 1.2 Como utilizar o ACESSO REMOTO... 3 1.3 Quais as vantagens em usar o PHOENIX

Leia mais

Configuração de Rede

Configuração de Rede Configuração de Rede Introdução Quando uma interface de rede comum, que utiliza o padrão de rede Ethernet, é reconhecida no sistema (seja na inicialização ou acionando o módulo desta interface), o sistema

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do SISLOC Sumário Pré-Requisitos de Instalação Física e Lógica do SISLOC...3 Servidores de Dados...3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)...3 Estações

Leia mais

Inclusão Digital com Software Livre p. 1/25

Inclusão Digital com Software Livre p. 1/25 Introdução Hoje em dia os computadores tem muito poder de processamento, porém os aplicativos não utilizam este processamento de forma contínua e sim em picos de carga. Isto é verdade para a maioria das

Leia mais

Linux Network Servers

Linux Network Servers DHCP Podemos configurar a rede de um cliente para obter IP dinamicamente ou configurar um IP estático. Encontramos configuração dinâmica em modems de banda larga, redes Wi-Fi etc, pois é mais prático para

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

Tutorial de Instalação do Software das Carteiras Informatizadas Oppitz

Tutorial de Instalação do Software das Carteiras Informatizadas Oppitz P á g i n a 1 Estado de Santa Catarina Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Organização, Controle e Avaliação Gerência de Recursos Humanos Tecnologia Administrativa Rua Antônio Luz, 111 Centro

Leia mais

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Manual de Instalação LOCKSS IBICT Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia Elaborado por: Alexandre Faria de Oliveira Março de 2013 1 P á g i n a Sumário 1. Introdução... 3 2. Visão Geral...

Leia mais

MANUAL INSTALAÇÃO/CONFIGURAÇÃO RASPBERRYPI/DACPYTHON

MANUAL INSTALAÇÃO/CONFIGURAÇÃO RASPBERRYPI/DACPYTHON MANUAL INSTALAÇÃO/CONFIGURAÇÃO RASPBERRYPI/DACPYTHON 1. Primeiramente leia todo o manual, após ler, inicie instalando o sistema no Raspberry conforme tutorial abaixo: 2. Baixe os arquivos e verifique a

Leia mais

Manual de Instalação SNEP 3 Asterisk 13

Manual de Instalação SNEP 3 Asterisk 13 Manual de Instalação SNEP 3 Asterisk 13 2015 Autoria: Flávio Henrique Somensi Baseado na versão 3.0-betha-rc2 por OpenS Tecnologia LTDA. Rua dos Cisnes, 541 Pedra Branca CEP 88137-300 - Palhoça - SC www.opens.com.br

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Instalação Remota Distribuição Linux

Instalação Remota Distribuição Linux Instalação Remota Distribuição Linux A distribuição linux utilizada para a instalação é a Debian. Download pode ser realizado acessando o site: http://www.debian.org Distribuição Linux Instalação Remota

Leia mais

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc

Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Pré-requisitos para Instalação Física e Lógica do Sisloc Sumário: 1. Pré-requisitos de instalação física e lógica do Sisloc... 3 Servidores de Dados... 3 Servidores de Aplicação (Terminal Service)... 3

Leia mais

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL

Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor. Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Manual de Instalação Linux Comunicações - Servidor Centro de Computação Científica e Software Livre - C3SL Sumário 1 Instalando o Linux Comunicações para Telecentros (servidor) 2 1.1 Experimentar o Linux

Leia mais

Inicialização remota do Thinstation para ambiente Windows Terminal Service

Inicialização remota do Thinstation para ambiente Windows Terminal Service Inicialização remota do Thinstation para ambiente Windows Terminal Service Fábio Fernando Pereira Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba,

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

TERMINAIS LEVES COM LTSP (LINUX TERMINAL SERVER PROJECT) Lucas Queiroz Braga ¹, Hermes Nunes Pereira Júnior ²

TERMINAIS LEVES COM LTSP (LINUX TERMINAL SERVER PROJECT) Lucas Queiroz Braga ¹, Hermes Nunes Pereira Júnior ² 295 TERMINAIS LEVES COM LTSP (LINUX TERMINAL SERVER PROJECT) Lucas Queiroz Braga ¹, Hermes Nunes Pereira Júnior ² Resumo: O Linux Terminal Server Project (LTSP) é um conjunto de serviços que proporcionam

Leia mais

Guia para atualização de Firmware dos consoles CL5, CL3 e CL1. (Firmware 1.51)

Guia para atualização de Firmware dos consoles CL5, CL3 e CL1. (Firmware 1.51) Guia para atualização de Firmware dos consoles CL5, CL3 e CL1 (Firmware 1.51) Yamaha Musical do Brasil www.yamaha.com.br PRECAUÇÕES 1. O usuário assume total responsabilidade pela atualização. 2. Atualize

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Ministério das Comunicações

Ministério das Comunicações Ministério das Comunicações MANUAL DE BOAS PRÁTICAS TELECENTROS COMUNITÁRIOS PROJETO MINICOM ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 1. Objetivo Deste Manual... 3 2. Telecentro Comunitário... 3 1.1. O que é?... 3 1.2.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 3.1. Estação... 4 3.2. Servidor... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5

Leia mais

Manual de instalação do: Servidor Offline Clickideia Educacional v1.5

Manual de instalação do: Servidor Offline Clickideia Educacional v1.5 DOCUMENTO CONFIDENCIAL Manual de instalação do: Servidor Offline Clickideia Educacional v1.5 2 Sumário Introdução:...3 Configuração Mínima:...3 Conhecimento necessário para instalação:... 3 Suporte:...4

Leia mais

Sistema de Atendimento v1.3 Manual de Instalação v1.0

Sistema de Atendimento v1.3 Manual de Instalação v1.0 Sistema de Atendimento v1.3 Manual de Instalação v1.0 Brasília, 29 de junho de 2010 Sumário Licença deste Documento...3 Introdução ao Sistema de Atendimento...4 Características e módulos...4 Arquitetura...5

Leia mais

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves

Conceitos Básicos de Informática. Antônio Maurício Medeiros Alves Conceitos Básicos de Informática Antônio Maurício Medeiros Alves Objetivo do Material Esse material tem como objetivo apresentar alguns conceitos básicos de informática, para que os alunos possam se familiarizar

Leia mais

Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D. (Firmware 1.50)

Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D. (Firmware 1.50) Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D (Firmware 1.50) PRECAUÇÕES 1. O usuário assume total responsabilidade pela atualização. 2. Atualize o Firmware de uma unidade por vez.

Leia mais

Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das

Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das 324 Sistema de Monitoramento Visual das Telas Gráficas das Estações Linux numa Rede LTSP Herlon Ayres Camargo 1, Joaquim Quinteiro Uchôa 2 1 Departamento de Desenvolvimento Educacional Escola Agrotécnica

Leia mais

Configuração endereço IP da interface de rede

Configuração endereço IP da interface de rede Configuração endereço IP da interface de rede Download Imprimir Para configurar a interface de sua placa de rede como DHCP para obter um endereço IP automático ou especificar um um endereço IP estático

Leia mais

Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0

Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 2007 Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 Por: Rafael Nink de Carvalho Web site: 2 Manual de Instalação do Linux Educacional 1.0 Por: Rafael Nink de Carvalho Machadinho D Oeste RO Agosto 2007

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 04/2010 ABERTURA E DISPOSIÇÕES GERAIS DO CURSO DE INFORMÁTICA

Leia mais

Manual de Instalação Flex

Manual de Instalação Flex Manual de Instalação Flex Sumário 1. Sobre este documento... 3 2. Suporte técnico... 3 3. Requisitos de hardware... 4 4. Instalação... 5 4.1. Instalação no servidor... 5 4.1.1. Instalação do sistema...

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB.

O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB. O Servidor de impressão DP-300U atende a seguinte topologia: Podem ser conectadas 2 impressoras Paralelas e 1 USB. 1 1- Para realizar o procedimento de configuração o DP-300U deve ser conectado via cabo

Leia mais

ManualdeInstalação. Win

ManualdeInstalação. Win ManualdeInstalação 10100101010 101010101010101010101 1100110101100101101010001011 + 55 (61) 3037-5111 suporte@thinnet.com.br www.thinnet.com.br Skype: thinnetworks Skype2: thinnetworks1 SAAN Quadra 2 Número

Leia mais

O Servidor de impressão DP-301U atende a seguinte topologia: Com o DP-301U pode ser conectada uma impressora USB.

O Servidor de impressão DP-301U atende a seguinte topologia: Com o DP-301U pode ser conectada uma impressora USB. O Servidor de impressão DP-301U atende a seguinte topologia: Com o DP-301U pode ser conectada uma impressora USB. 1 1- Para realizar o procedimento de configuração o DP-301U deve ser conectado via cabo

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4

Librix...3. Software Livre...3. Manual Eletrônico...3. Opções de Suporte...3. Configuração de Dispositivos Básicos...4 Índice Introdução Librix...3 Software Livre...3 Manual Eletrônico...3 Opções de Suporte...3 Dicas para a Instalação Configuração de Dispositivos Básicos...4 Teclado...4 Mouse...5 Vídeo...5 Rede...6 Configuração

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL

CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Secretaria Municipal de Educação SME Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação CTIC Núcleo de Tecnologia Municipal NTM CONCEITOS BÁSICOS DE REDES E FIREWALL Amauri Soares de Brito Mário Ângelo

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

Introdução à redes de computadores

Introdução à redes de computadores 1/8 Introdução à redes de computadores Faz todo o sentido ligar os computadores em rede. Você não precisa ter uma impressora, um HD de grande capacidade, um gravador de DVDs e conexão via ADSL para cada

Leia mais

Configuração de redes no Gnu/Linux

Configuração de redes no Gnu/Linux Configuração de redes no Gnu/Linux Comando ifconfig: É utilizado basicamente para configurar o ip, a mascara de rede e outras opções de placas de rede. Rodado sem opções ele retorna todas as placas de

Leia mais

Manual de instalação. Manual de instalação. Liberdade. Liberdade. Versão 1.0.0-31/10/2002. Versão 1.0.0-31/10/2002

Manual de instalação. Manual de instalação. Liberdade. Liberdade. Versão 1.0.0-31/10/2002. Versão 1.0.0-31/10/2002 Liberdade Manual de instalação Liberdade Manual de instalação Versão 1.0.0-31/10/2002 Versão 1.0.0-31/10/2002 Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 3210-3100 http:\\www.procergs.com.br

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10

INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 Duração: 02:45 min INSTALAÇÃO DO SUSE LINUX ENT. DESKTOP 10 1. Inicializar o Virtual PC 2007 e criar uma máquina virtual. a. Salvar em C:\Laboratorio b. O nome da máquina virtual será: Linux_Suse_Seunome.vmc

Leia mais

Configurando um servidor DHCP

Configurando um servidor DHCP Configurando um servidor DHCP OBS.: Esse documento retrata uma configuração em uma rede do tipo rede local (192.168.xx.xx), onde existe um servidor contendo duas interfaces de rede, eth0 e eth1. Hoje em

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7 ÍNDICES OBJETIVOS 1 JUSTIFICATIVAS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 SEGURANÇA - INTERNET 1 SISTEMA OPERACIONAL 2 PROTOCOLO TCP/IP 2 INTRANET 2 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 ESTAÇÕES 2 MICROS 3 IMPRESSORAS 3 PLANTA

Leia mais

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA

Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA #20 Ferramenta para gerenciamento de impressão CURUPIRA VITEC Versão 1.0 Agosto/2007 1 Revisões Versão Data Descrição 1.0.0 03/08/2007 Elaboração do Manual. Página 2 de 18 Índice 1 REVISÕES... 2 2 PRÉ-REQUISITOS...

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo

Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo Sistema Operacional Saber Gnu/Linux Prefeitura de São Paulo Descrição Sistema operacional baseado na distribuição Debian-Linux. Otimizado para o ambiente de terminais gráficos remotos. Customizado para

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE

PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE PADRÃO DE INFRAESTRUTURA DE TECNOLOGIA PARA PRESTADORES DA UNIMED RIO VERDE Versão 1.0 Data: 09/12/2013 Desenvolvido por: - TI Unimed Rio Verde 1 ÍNDICE 1. Objetivo... 4 2. Requsitos de Infraestrutura

Leia mais

Linux no Hospital Amato Lusitano. Bruno Santos bsvantos @hal.min-saude.pt

Linux no Hospital Amato Lusitano. Bruno Santos bsvantos @hal.min-saude.pt Linux no Hospital Amato Lusitano Bruno Santos bsvantos @hal.min-saude.pt Programa Hospital Amato Lusitano Informatica Porque Linux Sincronismo Linux & Windows Partilha de pastas Rede e Internet (DNS, DHCP,

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

Edital 012/PROAD/SGP/2012

Edital 012/PROAD/SGP/2012 Edital 012/PROAD/SGP/2012 Nome do Candidato Número de Inscrição - Assinatura do Candidato Secretaria de Articulação e Relações Institucionais Gerência de Exames e Concursos I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM

Leia mais

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução

MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução MicrovixPOS Requisitos, Instalação e Execução Autor Público Alvo Rodrigo Cristiano dos Santos Suporte Técnico, Consultoria e Desenvolvimento. Histórico Data 13/06/2012 Autor Rodrigo Cristiano Descrição

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes.

É o UniNorte facilitando a vida de nossos docentes e discentes. ACESSO REMOTO Através do Acesso Remoto o aluno ou professor poderá utilizar em qualquer computador que tenha acesso a internet todos os programas, recursos de rede e arquivos acadêmicos utilizados nos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES TEXTOS DE REFORÇO Michel da Rocha Fragoso 2010 2 Saudações Olá, meus caros alunos. Esta é uma série de textos de reforço de minha autoria sobre o nosso próximo módulo a ser estudado

Leia mais

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores

Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Laboratório de IER 7 o experimento Objetivo: Criar redes locais virtuais (VLANs) usando switches e computadores Introdução LANs Ethernet (padrão IEEE 802.3 e extensões) atualmente são construídas com switches

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Ambiente LTSP 4.2 com MT1000LX/TA2000LX Daruma

STK (Start Kit DARUMA) Ambiente LTSP 4.2 com MT1000LX/TA2000LX Daruma STK (Start Kit DARUMA) Ambiente LTSP 4.2 com MT1000LX/TA2000LX Daruma Esse STK apresentará como montar um servidor provendo imagens Linux para pontas cliente sem HD ou Flash através do protocolo PXE dos

Leia mais

Prof. Rossano Pablo Pinto Dezembro/2012 Versão 0.2 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br 1

Prof. Rossano Pablo Pinto Dezembro/2012 Versão 0.2 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br 1 Visão geral sobre o processo de instalação e manutenção de instalações de software. Notas de aula. (aka lecture notes on Package Management Systems and software installation :)) Prof. Rossano Pablo Pinto

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Berimbau GNU/Linux 5. Instalação/Configuração

Berimbau GNU/Linux 5. Instalação/Configuração Berimbau GNU/Linux 5 Instalação/Configuração Data de Criação: 10/10/2012 Criador: Equipe de Desenvolvimento PISD 16/05/2013 Atualizado Versão do documento 2.0 15/05/2013 Resumo Este documento descreve

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Procedimento de configuração para usuários VONO

Procedimento de configuração para usuários VONO Adaptador de telefone analógico ZOOM Procedimento de configuração para usuários VONO Modelos 580x pré configurados para VONO 1 - Introdução Conteúdo da Embalagem (ATENÇÃO: UTILIZE APENAS ACESSÓRIOS ORIGINAIS):

Leia mais

Dell Infrastructure Consulting Services

Dell Infrastructure Consulting Services Proposta de Serviços Profissionais Implementação do Dell OpenManage 1. Apresentação da proposta Esta proposta foi elaborada pela Dell com o objetivo de fornecer os serviços profissionais de implementação

Leia mais