A rara flor que se apega ao tronco, que se faz fruto e sustenta o mundo Partido Socialista Brasileiro - PSB Roberto Amaral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A rara flor que se apega ao tronco, que se faz fruto e sustenta o mundo Partido Socialista Brasileiro - PSB Roberto Amaral"

Transcrição

1 A rara flor que se apega ao tronco, que se faz fruto e sustenta o mundo Partido Socialista Brasileiro - PSB Roberto Amaral O mínimo que se pode dizer é que estamos mais pobres, mais sós, mais desamparados, e isso é doloroso em país pobre de homens, pobre de idéias e falho de estadistas. Pois somos país cujo passado suas elites querem reescrever, para negá-lo, desfazendo suas conquistas sociais --alcançadas a preço político tão alto! Somos país cujas elites, desapartadas de seu povo e dos interesses do País, desde a Colônia, intentam destruir mesmo aqueles valores que construíram a nacionalidade, que amalgamaram nossa civilização, nossa consciência de povo e nossa cidadania, valores e saga que unificaram o território, e possibilitaram a construção de uma das mais notáveis províncias do mundo. Que, todavia, não consegue compartilhar sua riqueza com sua gente: somos, após 500 anos tentando construir uma civilização, e hoje mais do que nunca, uma sociedade perversa, país rico habitado por pobres: pobres de saúde, pobres de teto, pobres de terra, pobres de trabalho, pobres de educação, pobres de cidadania, pobres de renda. País antes da Nação, Estado antes de País, ainda carecemos de um projeto nacional unificador, leito de nossas aspirações de povo. Projeto a que se opõem as elites dominantes, desvinculadas do nacional e do popular, forâneas, alienadas. Nossos colonizadores cometeram-- e neles perseveram nossas elites, desde sempre!-- os crimes da opressão, do egoísmo e da violência contra os fracos, contra os pobres, contra os negros, contra os índios, contra as mulheres, contra a terra, num processo interminável de depredação de valores, da natureza e do homem. Em compensação, as virtudes do trabalho, da solidariedade e o orgulho de pertencer a uma mesma nação, foi a grande contribuição de nosso povo, responsável pelo que temos de unidade e de expectativa de futuro digno. Era com esse povo, com essa nação e com esse país pobre, que buscava porém o desenvolvimento e a democracia --e que já chegou a sonhar com a igualdade!--, que se identificava Barbosa Lima Sobrinho. Foi esse o povo que chorou sua perda. Durante muitos anos, principalmente nas últimas décadas, sua existência era a segurança de que alguém estava velando por nós, velando pela pátria, velando pelos seus valores, velando mesmo pela sua integridade. É isto que queremos pôr de manifesto: Barbosa reeditou entre nós os conceitos de pátria e patriotismo, rejeitados pela modernidade. Seu magistério de escritor, jornalista, político e advogado foi a defesa de nossa sobrevivência como povo, de um povo explorado; a luta pela nossa sobrevivência como nação, de uma nação ameaçada em suas riquezas; pela nossa sobrevivência como projeto nacional autônomo, de um País ainda em busca de sua emancipação. Um projeto questionado por uma elite alienada inculta e tola, descomprometida com o País, uma elite dirigente que não acredita em seu povo, uma tecno-burocracia governante colonizada intelectualmente, colonizada culturalmente e colonizada emocionalmente. Destituída de valores justificadores de um projeto nacional. A vida toda o Dr. Barbosa foi isso: um defensor do projeto-brasil, de um país, são palavras suas, que só conhecia dois Partidos: o de Tiradentes e o de Silvério dos Reis. Seu ofício era a defesa do desprotegido; seu magistério, a defesa da liberdade. Clamou, falando muitas vezes às pedras do deserto, pelas riquezas da Pátria e ousou identificar-se como patriota e nacionalista quando patriotismo e nacionalismo são ridicularizados como arcaísmos antiprogressistas. Ridicularizados pelas elites dominantes, que jamais entenderam que o dr. Barbosa estivesse do outro lado. A vida toda. Pensador liberal, foi crítico da Revolução 30 e adversário do Estado Novo. Esteve na boa trincheira da luta pelo O Petróleo é nosso. Servo da liberdade e da dignidade humana, foi adversário do golpe militar de 1964 e combatente contra a ditadura. Integrou, como Presidente da ABI, o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, e, com a Ordem dos Advogados do Brasil, rompeu com o compromisso do sigilo exigido pela ditadura. Combateu sempre a emenda permissiva da reeleição e, até o último dia, até o último artigo, publicado quando velávamos seu corpo, verberou contra o neoliberalismo e a globalização, para ele, pseudônimos de um novo imperialismo. Para Barbosa, e não temia dizê-lo, pois dizia e repetia em seus discursos e em seus artigos, modernidade era a pátria livre. Democracia era a igualdade social: não se fazem países ou nações com a miséria, a fome e o desemprego. Quando o país se cansou do autoritarismo militar, regime que, exausto, se prorrogava a si mesmo, assumiu, com Ulisses Guimarães, a anticandidatura presidencial. O que parecia mero quixotismo se transformou, graças a ele, numa campanha cívica, lembrando os grandes momentos das peregrinações civilistas de Rui Barbosa. Começava ali, com ele, a redemocratização do País, porque a democracia é o único regime que só serve

2 ao povo, enquanto as elites não têm compromissos com a liberdade: ela se adapta facilmente a qualquer regime pois sua tábua de valores se confunde com seus interesses. Interesses e Poder se conjugam muito bem em nosso país. Sua voz e seu esforço não nos faltaram quando o país, naquele que talvez tenha sido o mais memorável movimento de massas da história republicana, foi às ruas para clamar pelas Diretas-já. Sua voz e sua pena uma vez mais se colocaram ao serviço do País e de sua gente. Foi um paradigma para os jovens caras-pintadas. Desde o primeiro momento, isto é, desde sempre, lutou pela Anistia, e quando ela nos chegou ditada pela ditadura, mesquinha e restrita, condenou seus limites e lutou por sua ampliação. Foi incansável batalhador pela reforma agrária e pela defesa dos direitos humanos. Sob sua presidência, e sobretudo sob sua liderança, as portas da ABI estiveram permanentemente abertas a todos os movimentos sociais, de particular aqueles em defesa da soberania nacional, da liberdade e da democracia. Salvando-a, situou a grande entidade na defesa da Amazônia, ameaçada em sua integridade, ocupada e explorada ilegalmente. Situou-a na luta contra as privatizações das empresas estatais imprescindíveis ao desenvolvimento econômico do país. Sob sua liderança a ABI lutou contra o pagamento da dívida externa. Sob sua Presidência, a Associação Brasileira de Imprensa foi cidadela de liberdade: mas não se tratava apenas de defender a liberdade de imprensa, a liberdade de expressão; impunha-se a defesa da liberdade como valor da nacionalidade: a liberdade que tem o povo de construir seu próprio destino. Essa liberdade não se encontra nos textos jurídicos nem depende de regras constitucionais. Está na raiz de nossa civilização, de nossa história: é a fonte do contrato sobre o qual se edificou o Estado. Em momento crucial da Pátria, quando a honra do povo exigia a punição de um presidente que atentara contra a ética coletiva, foi ele o advogado de defesa do Brasil. Quando, curvado pelo peso da idade, assumiu a Tribuna da Câmara dos Deputados para, falando pelo seu País, exigir o impeachment, a nação se sentiu salva. Salva em sua honra, protegida pela honra de um ancião que nenhum adversário ousaria enfrentar. Enquanto ele estivesse de pé, saberíamos que não estávamos sós. Deputado e deputado constituinte pelo Partido Socialista Brasileiro, governador do Estado de Pernambuco, procurador do antigo Distrito Federal, escritor e, sempre, jornalista, Barbosa Lima Sobrinho fez de cada espaço de trabalho, de cada tribuna, uma trincheira em defesa do País. E o País com o qual se identificava, não era uma abstração, uma cifra, um PIB. Seu País era feito de uma terra ameaçada que ele sabia ser de seu dever defender. Seu País era só a sua gente, uma gente rica empobrecida pela exploração secular do capital. Quando o modismo alienado implantou o desmantelamento do Estado social, ergueu sua voz em defesa do interesse público. Da educação pública, vilipendiada; da universidade pública, sucateada; da saúde pública, aniquilada. Contra o privatismo predador, defendeu aquelas empresas públicas que asseguraram as bases indispensáveis de nosso desenvolvimento, como a Petrobras, a Companhia Siderúrgica Nacional, a Cia. Vale do Rio do Doce, a Eletrobrás, a Embratel. Quando o neoliberalismo se instaurou no país, fez-se seu adversário; denunciou suas falácias. Foi guerreiro de luta sem quartel, diária, cotidiana, permanente. Jamais temeu a onipotência do discurso único, jamais se curvou ao modernismo entreguista, ao globalismo excludente de nações e povos. Seus artigos dominicais no Jornal do Brasil eram o fio de Ariadne nos garantindo a existência de uma saída no final do túnel, a lanterna acesa no meio da noite, iluminando a resistência, estimulando seus contemporâneos à resistência, ensinando-nos que ela era necessária e possível, indicando aos jovens novos caminhos, novas formas de luta, e a todos fornecendo os argumento de sua lucidez cívica, de seu patriotismo e de sua generosidade. Barbosa Lima Sobrinho foi exemplar paradigmático de intelectual engajado, comprometido com seu povo; símbolo de intelectual que rompeu com suas origens de classe para ficar com a Pátria e o povo. Esta foi sua escolha, desde sempre, renovando-se diariamente nos embates da nacionalidade. Quando seu corpo baixou à tumba, envolto nas bandeiras do Brasil e da ABI, mas acima de tudo envolto em nosso carinho, a nação se sentiu ainda mais só, mais desamparada; mas muito orgulhosa de haver produzido um estadista de tal porte, da rara estirpe dos construtores de exemplos. Ou, como dizia Vieira, a rara flor que se apega ao tronco, que se faz fruto e sustenta o mundo: As flores, umas caem, outras secam, outras murcham, outras leva o vento; aquelas poucas que se pegam ao tronco e se convertem em fruto, só essas são as venturosas, só essas são as discretas, só essas são as que duram, só essas são as que aproveitam, só essas são as que sustentam o mundo [2]. Ao grande brasileiro Alexandre Barbosa Lima Sobrinho, o Centro Brasileiro de Estudos Latino- Americanos e Comunicação&política rendem o preito de sua homenagem e de sua gratidão. (2003)

3 [1] Editorial (revisto) da revista Comunicação&política, n. 2/2000. [2] Padre Antônio Vieira. Sermão da Sexagésima

O homem é as suas ações *

O homem é as suas ações * O homem é as suas ações * Roberto Amaral Designou-me o Presidente do Partido para saudar o socialista e intelectual do povo Antônio Houaiss. Mas preciso falar do meu amigo Antônio Houaiss. Preciso falar

Leia mais

Cartilha da Participação Cidadã

Cartilha da Participação Cidadã Escola de Cidadania de Santos Cartilha da Participação Cidadã Diocese de Santos Fórum da Cidadania de Santos Universidade Católica de Santos Santos - 2010 Fique de olho; informe-se e participe ativamente

Leia mais

O que foi o Programa Democrático e Popular do PT? João Machado

O que foi o Programa Democrático e Popular do PT? João Machado O que foi o Programa Democrático e Popular do PT? João Machado Um dos temas que tem sido discutido nos debates preparatórios ao I Congresso do P-SOL é o antigo Programa Democrático e Popular (PDP) do PT.

Leia mais

O PROCESSO MIGRATÓRIO NO BRASIL E OS DESAFIOS DA MOBILIDADE HUMANA NA GLOBALIZAÇÃO. Jurandir Zamberlam

O PROCESSO MIGRATÓRIO NO BRASIL E OS DESAFIOS DA MOBILIDADE HUMANA NA GLOBALIZAÇÃO. Jurandir Zamberlam O PROCESSO MIGRATÓRIO NO BRASIL E OS DESAFIOS DA MOBILIDADE HUMANA NA GLOBALIZAÇÃO Jurandir Zamberlam 2 Z23 Zamberlam, Jurandir O processo migratório no Brasil e os desafios da mobilidade humana na globalização.

Leia mais

A RETOMADA DO TRABALHO DE BASE *

A RETOMADA DO TRABALHO DE BASE * A RETOMADA DO TRABALHO DE BASE * Ranulfo Peloso da Silva CEPIS, SP 1. INTRODUÇÃO Achavam-se agrupados e presos à terra, por uma raiz comum, como uma moita de bambu. E como esse vegetal, inclinavam-se e

Leia mais

Eu faria o mesmo. Fonte: Associação Brasileira de Imprensa, 1978.

Eu faria o mesmo. Fonte: Associação Brasileira de Imprensa, 1978. Eu faria o mesmo Ao agradecer as manifestações do Conselho, em nome da sua família, Renato Jobim repassou com grande precisão os pronunciamentos feitos, acrescentoulhes detalhes de quem conheceu Danton

Leia mais

Cartilha Plebiscito por um novo Sistema Político

Cartilha Plebiscito por um novo Sistema Político Cartilha Plebiscito por um novo Sistema Político Esta publicação é uma realização conjunta das entidades abaixo Articulação de Mulheres Brasileiras(AMB) Assembleia Popular Associação Brasileira de ONGs

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL UM MODO DE CONSTRUIR A DEMOCRACIA E A PARTICIPAÇÃO. José Bernardo Toro A. Nisia Maria Duarte Werneck

MOBILIZAÇÃO SOCIAL UM MODO DE CONSTRUIR A DEMOCRACIA E A PARTICIPAÇÃO. José Bernardo Toro A. Nisia Maria Duarte Werneck MOBILIZAÇÃO SOCIAL UM MODO DE CONSTRUIR A DEMOCRACIA E A PARTICIPAÇÃO José Bernardo Toro A. Nisia Maria Duarte Werneck 1 MOBILIZAÇÃO SOCIAL: UM MODO DE CONSTRUIR A DEMOCRACIA E A PARTICIPAÇÃO c. UNICEF-

Leia mais

Rua Pirituba, 61/65 - B. Casa Branca - Santo André - SP - CEP: 09015-540 - Fone: 4994-0700. Ser Professor (a)

Rua Pirituba, 61/65 - B. Casa Branca - Santo André - SP - CEP: 09015-540 - Fone: 4994-0700. Ser Professor (a) Outubro/2003 Nº 261 Rua Pirituba, 61/65 - B. Casa Branca - Santo André - SP - CEP: 09015-540 - Fone: 4994-0700 Ser Professor (a) É buscar dentro de cada um de nós forças para prosseguir, mesmo com toda

Leia mais

- Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis»

- Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis» - Pai, temos estado a falar em Cidadania, mas ainda me disseste pouco sobre a origem da palavra e do conceito. Acho que me falaste só na «polis» grega, não foi? - Sim, de facto, a origem mais longínqua

Leia mais

As instituições e sua reconstrução

As instituições e sua reconstrução O Estado, a classe média e os pobres O falso consenso em torno do lema "retomada do crescimento com inclusão social" esconde as escolhas decisivas que o Brasil enfrenta. Arraigou-se sob o atual governo

Leia mais

Roberto Freire...83. Mikhail Bakunin...86. José Maria Carvalho Ferreira...97 * PEDAGOGIA LIBERTÁRIA "VERSUS" PEDAGOGIA AUTORITÁRIA

Roberto Freire...83. Mikhail Bakunin...86. José Maria Carvalho Ferreira...97 * PEDAGOGIA LIBERTÁRIA VERSUS PEDAGOGIA AUTORITÁRIA Sílvio Gallo...03 * A EDUCAÇÃO BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA NUMA PERSPECTIVA LIBERTÁRIA * A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FUNÇÃO DO ESTADO * A FILOSOFIA POLÍTICA MODERNA E O CONCEITO DE ESTADO * CONHECIMENTO, TRANSVERSALIDADE

Leia mais

Doutora em Educação pela UFSC. Membro do Núcleo de Estudos Negros NEN. 3

Doutora em Educação pela UFSC. Membro do Núcleo de Estudos Negros NEN. 3 As desigualdades educacionais, a população negra e a Educação de Jovens e Adultos 1 Joana Célia dos Passos 2 Introdução As desigualdades acumuladas na experiência social da população negra 3, nos processos

Leia mais

UM DEBATE DISPERSO violência e crime no Brasil da redemocratização

UM DEBATE DISPERSO violência e crime no Brasil da redemocratização UM DEBATE DISPERSO violência e crime no Brasil da redemocratização ALBA ZALUAR Professora de Antropologia do Instituto de Medicina Social da Uerj. Autora de Condomínio do diabo e Cem anos de favela, entre

Leia mais

O Estatuto da Cidade Comentado

O Estatuto da Cidade Comentado O Estatuto da Cidade Comentado PULICCOMPLETA FINALport.indd 1 3/11/10 12:46:59 PM Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) E79 O Estatuto da Cidade : comentado = The City Statute of Brazil

Leia mais

Nas três últimas décadas, a história intelectual, ou história das idéias,

Nas três últimas décadas, a história intelectual, ou história das idéias, Luzes a quem está nas trevas: a linguagem política radical nos primórdios do Império * Marcello Basile Nas três últimas décadas, a história intelectual, ou história das idéias, em suas vertentes diversas,

Leia mais

O governo Lula e a construção de

O governo Lula e a construção de brasil em debate volume4 O governo Lula e a construção de um Brasil mais justo Aloizio Mercadante Fundação Perseu Abramo Instituída pelo Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores em maio de 1996.

Leia mais

TEXTOS 7.º VOLUME (1980)

TEXTOS 7.º VOLUME (1980) TEXTOS 7.º VOLUME (1980) Francisco Sá Carneiro TEXTOS 7.º VOLUME (1980) Todos os direitos de publicação em Portugal reservados por: Instituto Sá Carneiro ALÊTHEIA EDITORES Escritório na Rua do Século,

Leia mais

A construção social de um sistema público de segurança alimentar e nutricional. A experiência brasileira

A construção social de um sistema público de segurança alimentar e nutricional. A experiência brasileira A construção social de um sistema público de segurança alimentar e nutricional A experiência brasileira A construção social de um sistema público de segurança alimentar e nutricional: a experiência brasileira

Leia mais

Aprimeira quinzena republicana, que vai

Aprimeira quinzena republicana, que vai JOSÉ MURILO DE CARVALHO Os três povos da República Aprimeira quinzena republicana, que vai de 1889 até a Revolta da Vacina em 1904, foi turbulenta. Houve assassinatos políticos, golpes de estado, revoltas

Leia mais

Gênese, evolução e universalidade dos direitos humanos frente à diversidade de culturas

Gênese, evolução e universalidade dos direitos humanos frente à diversidade de culturas Gênese, evolução e universalidade dos direitos humanos frente à diversidade de culturas ETIENNE-RICHARD MBAYA EM VISTA DO tempo acadêmico de uma hora, que me foi concedido, e no intuito de clareza na apresentação

Leia mais

O LUCRO OU AS PESSOAS

O LUCRO OU AS PESSOAS NOAM CHOMSKY O LUCRO OU AS PESSOAS 1999 Seven Stories Press, NY TÍTULO ORIGINAL: Profit over People TRADUTOR: Pedro Jorgensen Jr. BERTRAND BRASIL 2002 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 I NEOLIBERALISMO EM ORDEM GLOBAL

Leia mais

REDE JUBILEU SUL/BRASIL

REDE JUBILEU SUL/BRASIL ABC da Dívida Sabe quanto você está pagando? REDE JUBILEU SUL/BRASIL Auditoria Cidadã da Dívida 2ª Edição Revista e Atualizada ABC da Dívida - Sabe quanto você está pagando? FICHA TÉCNICA Iniciativa: Auditoria

Leia mais

Direitos Humanos? O que temos a ver com isso?

Direitos Humanos? O que temos a ver com isso? Direitos Humanos? O que temos a ver com isso? conselho regional de psicologia do rio de janeiro crp 05 conselheiros do xi plenário [2004 2007] Alessandra Daflon dos Santos [crp 05/26697] Ana Lúcia de Lemos

Leia mais

Tolerância e seus limites: um olhar latino-americano sobre diversidade e desigualdade 1

Tolerância e seus limites: um olhar latino-americano sobre diversidade e desigualdade 1 Tolerância e seus limites: um olhar latino-americano sobre diversidade e desigualdade 1 Dr. Clodoaldo Meneguello Cardoso 2 clocar@uol.com.br Resumo O texto tem como objetivo refletir sobre os diversos

Leia mais

O QUE É O LIBERALISMO

O QUE É O LIBERALISMO DONALD STEWART JR. O QUE É O LIBERALISMO 5 9 EDIÇÃO REVISTA E AUMENTADA IL INSTITUTO LIBERAL RIO DE JANEIRO /1995 Copyright Donald Stewart Jr., 1988. Direitos reservados para publicação: INSTITUTO LIBERAL

Leia mais

A UNIVERSIDADE PÚBLICA NO BRASIL. Thimoteo Camacho *

A UNIVERSIDADE PÚBLICA NO BRASIL. Thimoteo Camacho * REVISTA DE SOCIOLOGÍA Facultad de Ciencias Sociales - Universidad de Chile (p.100-133) 101 A UNIVERSIDADE PÚBLICA NO BRASIL Thimoteo Camacho * Muitas são as maneiras de entender o significado da Universidade

Leia mais

O PLURALISMO JURÍDICO DO MOVIMENTO DOS SEM TERRAS NO BRASIL NA CONSTRUÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS

O PLURALISMO JURÍDICO DO MOVIMENTO DOS SEM TERRAS NO BRASIL NA CONSTRUÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS GRACE VIRGÍNIA RIBEIRO DE MAGALHÃES TANAJURA O PLURALISMO JURÍDICO DO MOVIMENTO DOS SEM TERRAS NO BRASIL NA CONSTRUÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS DOCTORADO EM DERECHOS HUMANOS Y DESARROLLO UNIVERSIDADE PABLO

Leia mais

Trabalho Escravo no Brasil do Século XXI

Trabalho Escravo no Brasil do Século XXI Trabalho Escravo no Brasil do Século XXI ISBN 92-2-819328-X 978-92-2-819328-2 Primeira edição 2006 Coordenação do estudo: Leonardo Sakamoto As designações empregadas nas publicações da OIT, segundo a praxe

Leia mais

AGRADECIMENTOS A VEZ E A VOZ DA PAZ PROJETO MULHERES DA PAZ DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS

AGRADECIMENTOS A VEZ E A VOZ DA PAZ PROJETO MULHERES DA PAZ DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS AGRADECIMENTOS Governo Federal Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Segurança Pública Prefeitura Municipal de São José dos Pinhais Secretarias Municipais de São José dos Pinhais Rede Comunitária

Leia mais