REGENERAÇÃO IN VITRO DE Oncidium leucochilum BATEM. EX LINDL. (ORCHIDACEAE).

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGENERAÇÃO IN VITRO DE Oncidium leucochilum BATEM. EX LINDL. (ORCHIDACEAE)."

Transcrição

1 REGENERAÇÃO IN VITRO DE Oncidium leucochilum BATEM. EX LINDL. (ORCHIDACEAE). ALESSANDRO IGLIKOSKI BERNARDI 1, RODRIGO CAETANO DA SILVA 1, ANDRÉ LUÍS LOPES DA SILVA 2, AUREA PORTES FERRIANI Acadêmico do curso superior de Tecnologia em Bioprocessos e Biotecnologia, Universidade Tuiuti do Paraná. 2- Biólogo, Professor Doutorando, Pontifícia Universidade Católica do Paraná. 3- Bióloga, Professora Doutora, Universidade Tuiuti do Paraná. Endereço eletrônico para correspondência: Aurea Portes Ferriani, Endereço: Rua Sydnei Antonio Rangel dos Santos, Santo Inácio Curitiba, PR. CEP: Telefone:

2 RESUMO Oncidium leucochilum apresenta características ornamentais muito desejadas para obtenção de híbridos com interesse comercial. Orquídeas ocupam posição de destaque no comércio global da floricultura. A produção por sementes apresenta desuniformidade fenotípica, o que não é desejável. Para superar esse problema, técnicas de cultivo in vitro são empregadas. Tal técnica baseia-se na teoria da totipotência onde células únicas são capazes de gerar um organismo inteiro. O objetivo deste trabalho foi avaliar a regeneração in vitro da Oncidium leucochilum em diferentes concentrações de BAP (6-Benzilaminopurina) em meio de cultura MS. As cápsulas foram desinfestadas e inoculadas no meio MS contendo 30 g.l -1 de sacarose, 7 g.l -1 de ágar e ph ajustado para 5,7. Para o experimento utilizou-se brotos de 1 cm de parte aérea como explantes. Adicionou-se no meio MS suplementação do regulador de crescimento BAP. Para o enraizamento utilizou-se o mesmo meio sem suplementação. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com cinco repetições de cinco plântulas por unidade experimental. Os cultivos mantiveram-se em sala de crescimento sob fotoperíodo de 16 horas, temperatura de 25 ± 2ºC e intensidade luminosa de 35 µm.m -2.s -1. Avaliou-se aos 60 dias de cultivo o número de brotos, folhas e raízes e para o enraizamento o número de raízes, folhas e brotações. Verificou-se que é possível multiplicar plantas de O. leucochilum com 1,15 mg.l -1 de BAP e enraizá-las completamente em meio MS sem suplementação de reguladores de crescimento. Palavras-chave: orquídeas; planta ornamental; cultura de tecidos; BAP. 2

3 ABSTRACT Oncidium leucochilum presents ornamental characteristics very wanted for obtaining of hybrids with commercial interest. Orchids possess high position in the global trade of flowers. The production for seeds presents very variability, what is not desirable. To overcome this problem, techniques of in vitro propagation are used. The aim of this research was to evaluate in vitro regeneration of O. leucochilum in different concentrations of BAP (6-Benzylaminopurine) on MS medium. Capsules were disinfected and cultivated on the MS medium with 30 g.l -1 sucrose, 7 g.l -1 agar and ph adjusted to 5.7. Shoots (ca. 1 cm aerial part) were used as explants and cultivated on MS medium supplemented with different BAP levels. For the rooting, the MS medium was used without growth regulators. The experimental design was completely randomized with five replicates of five plants for experimental unit. The cultivations were maintained at growth room under photoperiod of 16 hours, temperature at 25 ± 2ºC and luminous intensity of 35 µm.m -2.s -1. In the multiplication were evaluated the number of shoots, leaves and roots and for the rooting the number of roots; leaves and shoots, both evaluations were accomplished to the 60 days of in vitro culture. It was possible to multiply plants of O. leucochilum with 1.15 mg.l -1 BAP and to induce roots in a MS medium without growth regulators. Keywords: orchid; ornamental plant; tissue culture; BAP. 3

4 1.INTRODUÇÃO A família Orchidaceae corresponde ao maior grupo das angiospermas, estima-se um número superior de espécies nativas, dentre as quais 910 são do gênero Oncidium, com centenas de espécies e milhares de híbridos produzidos, apresenta distribuição cosmopolita, entretanto é nas regiões tropicais onde é encontrada a maior diversidade (Scheidt, 2008). Por sua diversidade de flores, cores, formas e tamanhos, e sua capacidade de suportar ser transportada por longas distâncias, tornou-se uma das 10 principais flores de corte no mercado internacional. Orquídeas ocupam 8% do comércio global da floricultura, o equivalente a mais do que U$ 40 bilhões (Martin & Madassery, 2006). No Brasil, já foram identificadas mais de espécies de orquídeas, mas muitas estão correndo o risco de extinção, devido à destruição de seu habitat e às coletas predatórias (Colombo et al., 2004). Oncidium leuchochilum Batem. Ex. Lindl. ocorre no México, Guatemala e Honduras. Esta espécie apresenta características ornamentais muito desejadas para a obtenção de híbridos com interesse comercial (Hágsater et al.,2005). A produção por sementes apresenta variabilidade genética nas plantas, o que resulta numa desuniformidade em seus fenótipos, o que não é desejado para propagação de determinadas espécies. Para superar esse problema, a clonagem in vitro é o método apropriado. A cultura de meristema de orquídeas teve início em 1960, quando Morel adaptou a técnica de micropropagação para Cymbidium, visando salvar uma planta atacada por virose. Através da cultura de gemas meristemáticas, Morel conseguiu obter várias plantas geneticamente idênticas a matriz e livres de viroses (Pierik, 1997). Após o trabalho de Morel, muitas outras técnicas de cultura de meristemas de orquídeas foram criadas para Cymbidium e também para uma série de outros gêneros e espécies. Atualmente é possível multiplicar diversas espécies de orquídeas através da micropropagação de meristemas ou outros explantes. Esta técnica é ainda mais importante para a perpetuação de formas híbridas únicas, que jamais chegariam ao conhecimento do público em geral de outra forma, devido à morosidade da multiplicação vegetativa (Arditti & Ernst, 1993). A cultura de tecidos é uma excelente ferramenta para clonar plantas em escala comercial, além de colaborar na realização de estudos de transformação 4

5 genética e conservação de espécies vegetais. Permite ainda aperfeiçoar a interação entre fatores abióticos (nutricionais, luminosos, temperatura etc) e bióticos (hormonais e genéticos), resultando em plantas sadias, vigorosas e geneticamente superiores, que podem ser multiplicadas massivamente. A cultura se baseia na teoria da totipotência onde os seres vivos têm a capacidade de regenerar organismos inteiros, idênticos à matriz doadora, a partir de células únicas (Alves et al.,2008). Os meios nutritivos utilizados para a cultura de células, tecidos e órgãos de plantas fornecem as substâncias essenciais para o crescimento dos tecidos e controlam, em grande parte, o padrão de desenvolvimento in vitro. As mesmas vias bioquímicas e metabólicas básicas que funcionam nas plantas são conservadas nas células cultivadas, embora alguns processos, como fotossíntese, possam ser inativados pelas condições de cultivo e pelo estado de diferenciação das células. Por isso os meios nutritivos se baseiam nas exigências das plantas quanto aos nutrientes minerais, com algumas modificações para atender às necessidades específicas in vitro. Complementando as substâncias biossintetizadas pelas células, vários compostos orgânicos são adicionados ao meio para suprirem as necessidades metabólicas, energéticas e estruturais da célula (Caldas et al., 1998). Os hormônios (reguladores de crescimento), representam a alma mater da cultura de tecido, porque são eles que direcionam o processo morfogenético. Agrupam-se tradicionalmente em 5 grupos: auxinas, citocininas, giberelinas, etileno e ac. absísico, sendo, os três primeiros os mais usados na micropropagação (Barrueto, 2001). Auxina e citocinina mostram uma ação sinergística no crescimento e divisão celular. A diferenciação de parte aérea, raiz ou ambos em calo de fumo é regulada pelo balanço auxina/citocinina. Concentrações relativamente elevadas de auxina favorecem a formação de raízes, enquanto que a relação inversa induz a regeneração de parte aérea (Miller et al.,1955; Skoog & Miller, 1957 apud Torres et al.,1998). Ressalta-se que alguns tecidos vegetais são autônomos na síntese de hormônios, enquanto outros dependem da aplicação de reguladores junto ao meio nutritivo. A interação e o balanço entre os reguladores adicionados no meio e os hormônios produzidos de forma endógena nas células, regulam o crescimento e a morfogênese de células e tecidos in vitro; desta forma e de acordo com a parte da 5

6 planta da qual foi retirado o explante, mesmo sendo da mesma planta ou de uma espécie para outra, as concentrações de reguladores a serem utilizados devem variar, em função das diferenças endógenas naturais nos níveis dessas substâncias (Aires et al., 2008). O trabalho teve como objetivo promover a regeneração in vitro da espécie Oncidium leucochilum, utilizando brotações como explante. Especificamente, testar diferentes níveis de BAP (6-Benzilaminopurina) visando otimizar as taxas de multiplicação. 2.MATERIAL E MÉTODO 2.1 DESINFESTAÇÃO Realizou-se a desinfestação das cápsulas fechadas de Oncidium leuchochilum Batem. Ex Lindl. com imersão em álcool 70% por 1 minuto, seguida da imersão em NaOCl (2,5%) por 20 minutos, e após foram lavadas três vezes em água destilada e autoclavada (Scheidt et al., 2009). 2.2 CULTIVO Abriu-se as cápsulas e as sementes foram inoculadas em meio MS (Murashige e Skoog, 1962), contendo 30 g.l -1 de sacarose e solidificado com 7 g.l -1 de ágar (ph ajustado para 5,7). Aos 30 dias da inoculação das sementes, as plântulas originadas da germinação in vitro foram subcultivadas para o mesmo meio até obter-se o número suficiente de plantas para a instalação do experimento. 2.3 EXPERIMENTO Utilizou-se brotos de 1 cm de parte aérea como explante. Testou-se uma citocinina, BAP (6-Benzilaminopurina) nas concentrações de 0,15; 0,30; 0,60; 1,15 mg.l -1. Utilizou-se como controle, unidades experimentais com ausência de regulador. Avaliou-se aos 60 dias de cultivo o número de brotos, folhas e raízes. Para o enraizamento in vitro utilizou-se o meio MS sem suplementação de reguladores de crescimento e avaliou-se a porcentagem de enraizamento. 6

7 2.4 ANÁLISE ESTATÍSTICA E CONDIÇÕES DE CULTIVO O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com cinco repetições de cinco plântulas por unidade experimental. Os dados oriundos de contagens foram transformados para x + 0,5. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância e regressão, ambas ao nível de 5% de probabilidade de erro. Todos os cultivos foram mantidos em sala de crescimento sob fotoperíodo de 16 horas, temperatura de 25 ± 2ºC e intensidade luminosa de 35 µm.m -2.s -1 (controlada durante o experimento) fornecida por lâmpadas fluorescentes do tipo branca-fria. 3.RESULTADOS E DISCUSSÃO O BAP promoveu o efeito linear positivo com relação ao número de brotos obtidos, sugerindo que concentrações superiores possam aumentar as brotações ( figura 1 ). 3 número de brotos por explante y = 0,0636x + 2,0515 R 2 = 0,72 0 0,00 0,15 0,30 0,45 0,60 0,75 1,00 1,15 BAP (mg.l -1 ) Figura 1. Número de brotos de Oncidium leucochilum cultivado em diferentes níveis de 6- benzilaminopurina (BAP) aos 60 dias de cultivo in vitro. Em relação ao número de folhas, observou-se que o BAP também causou efeito linear positivo e sugere-se que maiores concentrações possam aumentar a quantidade de folhas ( figura 2 ). 7

8 12 número de folhas por explante y = 0,5058x + 5,4745 R 2 = 0,60 0 0,00 0,15 0,30 0,45 0,60 0,75 1,00 1,15 BAP (mg.l -1 ) Figura 2. Número de folhas por explantes de Oncidium leucochilum cultivado em diferentes níveis de 6-benzilaminopurina (BAP) aos 60 dias de cultivo in vitro. Quanto ao número de raízes observa-se que o BAP promoveu um efeito linear negativo, demonstrando que essa citocinina afeta a formação de raízes ( figura 3 ). 0.8 número de raízes por broto y = -0,0888x + 0,7833 R 2 = 0,89 0 0,00 0,15 0,30 0,45 0,60 0,75 1,00 1,15 BAP (mg.l -1 ) Figura 3. Número de raízes de Oncidium leucochilum cultivado em diferentes níveis de 6- benzilaminopurina (BAP) aos 60 dias de cultivo in vitro. Quanto ao experimento de enraizamento verificou-se que em 100 % das unidades experimentais as plântulas enraizaram. 8

9 Em Villa, et al. (2010), observou-se que em cultivo in vitro de amoreira-preta (Rubus sp.) o número de folhas foi estimulado pelo tipo de meio de cultura e pelas concentrações de BAP, observando a interação entre esses dois fatores. Observouse também, que com o incremento nas concentrações de BAP ocorre um aumento de forma quadrática no número de brotos de amoreira-preta. Segundo Ferriani (2008) altas concentrações de citocinina geralmente inibem ou atrasam a formação de raízes. Por esta razão, as citocininas são geralmente omitidas do meio de cultura no estágio de enraizamento das brotações. Isso justifica o resultado linear negativo relacionado ao número de raízes do meio suplementado com BAP. As auxinas são fitorreguladores com maior efetividade na promoção de enraizamento, podendo ser utilizada isoladamente ou combinadas no processo de indução de raízes, em concentrações variadas conforme a espécie (Alvarenga & Carvalho, 1983 apud Sorace et al., 2007). O uso de citocinina estimula maior produção de partes aéreas, mas o seu excesso é tóxico e causa sérios problemas na fase de enraizamento (Lane, 1979; Leshem et al., 1998 apud Torres et al., 1998). 4.CONCLUSÃO Plantas de Oncidium leucochilum podem ser multiplicadas com 1,15 mg.l -1 de BAP e enraizadas completamente em meio MS sem suplementação de reguladores de crescimento. Sugere-se para estudos futuros experimentos com diferentes níveis de BAP e associação com auxinas, com objetivo de obter a melhor taxa de multiplicação e enraizamento. 5.REFERÊNCIAS ALVARENGA, L. R.; CARVALHO, V. D. Uso de substâncias promotoras de enraizamento de estacas frutíferas. Informe Agropecuário, Belo Horizonte, v.9, n.101, p.47-55, In: SORACE, M.; FARIA, R. T.; YAMAMOTO, L. Y.; SCHNITZER, J. A.; TAKAHASHI, L. S. A. Influência de auxina na aclimatização de 9

10 Oncidium baueri (Orchidaceae). Ciências Agrárias. Londrina, v.28, n.2, p , ALVES, C.; OLIVEIRA, J. R.; REIS, E. S.; CORRÊA, R. M.; SOUZA, J.; SILVA, J. C. O.; DE PAULA, J. C. R.; RODRIGUES, L. H. F.; DE SOUZA, M. A.; MENDONÇA, M. R. A cultura de tecidos na agricultura. I Jornada Cientifica e VI FIPA do CEFET Bambuí. p. 1, AIRES, P. S. R.; CARVALHO, J. M. C.; PIMENTEL, N. W.; SILVA, H. Efeito da citocinina 6-bencilaminopurina na micropropagação in vitro da mamona utilizando o genótipo BRS nordestina. Revista de biologia e ciências da terra. v. 8, n.2, ARDITTI, J.; ERNST, R. Micropropagation of orchids. New York: John Wiley and sons Inc., 1993, 64p. BARRUETO CID, L.P. Cultura de tecidos vegetais uma ferramenta fundamental no estudo da biologia moderna de plantas. Biotecnologia. Ano III, n.19. p , CALDAS, L. S.; HARIDASAN, P.; FERREIRA, M. E.. Meios nutritivos. In: TORRES, A. C.; CALDAS, L. S.; BUSO, J. A. Cultura de Tecidos e Transformação Genética de Plantas. Brasília: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, v.1, 864 p COLOMBO L. A.; FARIA, R. T.; CARVALHO, J. F. R. P.; ASSIS, A. M.. FONSECA, I.C.B. Influencia do fungicida clorotalonil no desenvolvimento vegetativo e no enraizamento in vitro de duas espécies de orquídeas brasileiras. Acta Scientiarum, Maringá, v.6, n.2, p , FERRIANI, A. P. Reguladores vegetais e biotecnologia. Apostila de Biotecnologia Vegetal. Universidade Tuiuti do Paraná. Curitiba GRATTAPAGLIA, D.; MACHADO, M. A. Micropropagação. In: TORRES, A. C.; CALDAS, L. S.; BUSO, J. A. Cultura de Tecidos e Transformação Genética de Plantas. Brasília: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, v.1, 864 p

11 HÁGSATER, E.; SOTO ARENAS, M. Á.; SALAZAR CHÁVEZ, G. A.; JIMENEZ MACHORRO, R.; LÓPEZ ROSAS, M. A.; DRESSLER, R. L. Las orquídeas de México. Instituto Chinoín, México, D. F. p MARTIN, K.P; MADASSERY, J. Rapid in vitro propagation of Dendrobium hybrids through direct shoot formation from foliar explants, and protocorm-like bodies. Scientia Horticulturae. V.108, p , MURASHIGUE, T.; SKOOG, F. A revised medium for rapid growth and bioassays with tobacco tissue culture. Physiologia Plantarum, Copenhagen, v.15, p , PIERIK, R. L. M. In vitro culture of higher plants. The Nertherlands: Kluwer Academic Publishers. p SCHEIDT, N. G. Desenvolvimento e validação de um biorreator do tipo imersão por bolhas para micropropagação de plantas. (Doutorado em Processos Biotecnológicos) - Universidade Federal do Paraná. p. 30, SCHEIDT, N.G; SILVA, A. L. L; DRONK, A. G; BIASI, L. A; ARAKAKI, A. H; SOCCOL, C.R. Multiplicação in vitro de Oncidium leucochilum (Orchidaceae) em diferentes sistemas de cultivo. Biociências. Porto Alegre. V.17, n TORRES, A. C.; CALDAS, L. S.; BUSO, J. A. Cultura de tecidos e transformação genética de plantas. Brasília: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária,v.1, 864 p, VILLA, F.; PASQUAL, M.; SOUZA, A. G. ; VILELA, X. M. S. Meios de cultura e reguladores de crescimento na multiplicação in vitro de amoreira-preta. Scientia Agrária. Curitiba. V.11, n

INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) INFLUÊNCIA DO MEIO DE CULTURA E DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL NA MICROPROPAGAÇÃO DA MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Mariane de Jesus da Silva de Carvalho 1, Antônio da Silva Souza 2, Mariana Conceição

Leia mais

ESTABELECIMENTO IN VITRO

ESTABELECIMENTO IN VITRO ESTABELECIMENTO IN VITRO DE CANA-DE-AÇÚCAR. Paulo Sérgio Gomes da Rocha 1 ; Antonio Sergio do Amaral 1 ; Amito José Teixeira 1, Mayara Luana Coser Zonin 2 ; Sergio Delmar dos Anjos 3. INTRODUÇÃO O estabelecimento

Leia mais

Comportamento de plântulas de Laelia tenebrosa Rolfe (Orchidaceae), inoculadas in vitro sob diferentes substratos

Comportamento de plântulas de Laelia tenebrosa Rolfe (Orchidaceae), inoculadas in vitro sob diferentes substratos Volumen 29, Nº 1. Páginas 103-105 IDESIA (Chile) Enero-Abril, 2011 Comportamento de plântulas de Laelia tenebrosa Rolfe (Orchidaceae), inoculadas in vitro sob diferentes substratos Behavior of Laelia tenebrosa

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

ARTIGO. Fontes e concentrações de carboidratos no crescimento vegetativo e no enraizamento in vitro de Miltonia flavescens Lindl.

ARTIGO. Fontes e concentrações de carboidratos no crescimento vegetativo e no enraizamento in vitro de Miltonia flavescens Lindl. Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences ARTIGO Instituto de Biociências UFRGS ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) Fontes e concentrações de carboidratos no crescimento

Leia mais

). Segmentos nodais foram cultivados em meio nutritivo MS reduzido à metade da concentração de sais ( 1 / 2

). Segmentos nodais foram cultivados em meio nutritivo MS reduzido à metade da concentração de sais ( 1 / 2 Alongamento in ALONGAMENTO vitro de genótipos de in Eucalyptus vitro DE GENÓTIPOS DE Eucalyptus dunnii MAIDEN 545 Marcio Carlos Navroski 1 *, Lia Rejane Silveira Reiniger 2, Mariane de Oliveira Pereira,

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS: TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE ALUNOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS NA ÁREA DE BIOTECNOLOGIA VEGETAL 1

MICROPROPAGAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS: TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE ALUNOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS NA ÁREA DE BIOTECNOLOGIA VEGETAL 1 MICROPROPAGAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS: TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE ALUNOS DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS NA ÁREA DE BIOTECNOLOGIA VEGETAL 1 Tatiana Carvalho de Castro 2, Aline Medeiros Saavedra de Paula 3, Claudia

Leia mais

Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador

Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador Sueli Lourdes Ferreira Tarôco (1), Erivelton

Leia mais

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento

Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Hormônios Vegetais Regulação do crescimento Interações de fatores no desenvolvimento vegetal Genoma da planta Codificação de enzimas catalisadoras de reações bioquímicas de desenvolvimento Estímulos ambientais

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE NITRATO DE AMÔNIO E DE URÉIA COMO FONTES DE NITROGÊNIO NA MICROPROPAGAÇÃO DE AMOREIRA-PRETA

UTILIZAÇÃO DE NITRATO DE AMÔNIO E DE URÉIA COMO FONTES DE NITROGÊNIO NA MICROPROPAGAÇÃO DE AMOREIRA-PRETA Scientia Agraria ISSN 1519-1125 (printed) and 1983-2443 (on-line) VILLA, F. et al. Utilização de nitrato de amônio e de uréia como fontes... UTILIZAÇÃO DE NITRATO DE AMÔNIO E DE URÉIA COMO FONTES DE NITROGÊNIO

Leia mais

Meios de cultura utilizados na micropropagação de híbridos de orquídeas. Culture media used in the micropropagation of orchids hybrids

Meios de cultura utilizados na micropropagação de híbridos de orquídeas. Culture media used in the micropropagation of orchids hybrids DOI: 10.5433/1679-0359.2014v35n4p1731 Meios de cultura utilizados na micropropagação de híbridos de orquídeas Culture media used in the micropropagation of orchids hybrids Luzia Yuriko Miyata 1 ; Fabíola

Leia mais

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS

FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS BIOLOGIA FISIOLOGIA DE ANGIOSPERMAS Prof. TOSCANO O que você deve saber sobre FISIOLOGIA DAS PLANTAS ANGIOSPERMAS A capacidade de responder a mudanças ambientais e a adaptação a diferentes situações são

Leia mais

Uso de LEDs na multiplicação e enraizamento in vitro de framboeseiras 1. LED - New light source for multiplication and rooting in vitro of raspberry

Uso de LEDs na multiplicação e enraizamento in vitro de framboeseiras 1. LED - New light source for multiplication and rooting in vitro of raspberry PAULO SÉRGIO GOMES DA ROCHA, ROBERTO PEDROSO DE OLIVEIRA, WALKYRIA BUENO SCIVITTARO Uso de LEDs na multiplicação e enraizamento in vitro de framboeseiras 1 Paulo Sérgio Gomes da Rocha 2 *, Roberto Pedroso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA COMPONENTES CURRÍCULARES Código Nome Nível de Ensino 1 FTC0001 AGROECOLOGIA STRICTO

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO Crescimento Inibição Produção Raízes Gemas Caules Produção de Etileno 10-11 10-9 10-7 10-5 10-3 10-1 Concentração

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil

Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Revista Brasileira de Ciências Agrárias ISSN: 1981-1160 editorgeral@agraria.pro.br Universidade Federal Rural de Pernambuco Brasil Moreira, Rodrigo A.; Rodrigues, Filipe A.; Monfort, Lucila E. F.; Pires,

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ÁCIDOS NAFTALENO ACÉTICO E ÁCIDO INDOL BUTÍRICO (AUXINAS) NO DESENVOLVIMENTO

INFLUÊNCIA DOS ÁCIDOS NAFTALENO ACÉTICO E ÁCIDO INDOL BUTÍRICO (AUXINAS) NO DESENVOLVIMENTO INFLUÊNCIA DOS ÁCIDOS NAFTALENO ACÉTICO E ÁCIDO INDOL BUTÍRICO (AUXINAS) NO DESENVOLVIMENTO in vitro DE PLÂNTULAS DE Cyrtopodium saintlegerianum Rchb. F. (ORCHIDACEAE) RESUMO Daniella de Jesus Mendes 1

Leia mais

Semina: Ciências Agrárias ISSN: X Universidade Estadual de Londrina Brasil

Semina: Ciências Agrárias ISSN: X Universidade Estadual de Londrina Brasil Semina: Ciências Agrárias ISSN: 1676-546X semina.agrarias@uel.br Universidade Estadual de Londrina Brasil Oliveira Ribeiro, Márcia de Nazaré; Pasqual, Moacir; Villa, Fabíola; de Lima Cavallari, Ludmilla

Leia mais

Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro na Multiplicação e Alongamento de Eucalyptus Saligna Smith

Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro na Multiplicação e Alongamento de Eucalyptus Saligna Smith Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro na Multiplicação e Alongamento de Eucalyptus Saligna Smith Caroline Ribeiro Tunes 1 e Gessiel Newton Scheidt 2 1 Aluno do Curso de Biotecnologia; Campus

Leia mais

Seleção de genótipos de Dendrobium phalaenopsis (Orchidaceae) nas fases de propagação in vitro e aclimatização

Seleção de genótipos de Dendrobium phalaenopsis (Orchidaceae) nas fases de propagação in vitro e aclimatização Seleção de genótipos de Dendrobium phalaenopsis (Orchidaceae) nas fases de propagação in vitro e aclimatização Selection of Dendrobium phalaenopsis (Orchidaceae) genotypes in the in vitro propagation and

Leia mais

PROPAGAÇÃO IN VITRO DE Kalanchoe blossfeldiana Poelln., VIA ORGANOGÊNESE

PROPAGAÇÃO IN VITRO DE Kalanchoe blossfeldiana Poelln., VIA ORGANOGÊNESE PROPGÇÃO IN VITRO DE Kalanchoe blossfeldiana Poelln., VI ORGNOGÊNESE In vitro PROPGTION OF Kalanchoe blossfeldiana Poelln., BY ORGNOGENESIS THOMÉ, Gladis C. H. 1 ; GRESSLER, Pablo D. 2 ; SNTOS, Genise

Leia mais

Cultivo in vitro de Salvia hispanica L.

Cultivo in vitro de Salvia hispanica L. Artigo original DOI: 105902/2236117015566 Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Santa Maria, v. 19, n.2, mai-ago. 2015, p. 1555-1560 Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas

Leia mais

PROPAGAÇÃO IN VITRO DE PORTA-ENXERTO DE MACIEIRA (MALUS PRUNIFOLIA) CV. MARUBAKAIDO: EFEITO DE BENZILAMINOPURINA E ÁCIDO GIBERÉLICO 1

PROPAGAÇÃO IN VITRO DE PORTA-ENXERTO DE MACIEIRA (MALUS PRUNIFOLIA) CV. MARUBAKAIDO: EFEITO DE BENZILAMINOPURINA E ÁCIDO GIBERÉLICO 1 PROPAGAÇÃO IN VITRO DE PORTA-ENXERTO DE MACIEIRA (MALUS PRUNIFOLIA) CV. MARUBAKAIDO: EFEITO DE BENZILAMINOPURINA E ÁCIDO GIBERÉLICO 1 SOUZA, Letiele Bruck de 2 ; COGO, Maurício Ricardo de Melo 2 ; SANTOS,

Leia mais

Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro de Jatropha curcas Rosetânia Neves da Conceição 1 e Gessiel Newton Scheidt 2

Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro de Jatropha curcas Rosetânia Neves da Conceição 1 e Gessiel Newton Scheidt 2 Comparação de Diferentes Sistemas de Cultivo in vitro de Jatropha curcas Rosetânia Neves da Conceição 1 e Gessiel Newton Scheidt 2 1 Aluna do Curso de Biotecnologia; Campus de Gurupi; e-mail: rncrose@hotmail.com

Leia mais

Efeito da citocinina 6-bencilaminopurina na micropropagação in vitro da mamona utilizando o genótipo BRS nordestina

Efeito da citocinina 6-bencilaminopurina na micropropagação in vitro da mamona utilizando o genótipo BRS nordestina REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 8 - Número 2-2º Semestre 2008 Efeito da citocinina 6-bencilaminopurina na micropropagação in vitro da mamona utilizando o genótipo BRS nordestina

Leia mais

Germinação in vitro de embriões zigóticos e sementes de nim indiano (Azadirachta indica A. Juss.)

Germinação in vitro de embriões zigóticos e sementes de nim indiano (Azadirachta indica A. Juss.) Germinação in vitro de embriões zigóticos e sementes de nim indiano (Azadirachta indica A. Juss.) 1 LÉDO, A.S. 1 ; BLANK, A.F. 2 ; BARBOZA, S.B.S.C. 3 ; RANGEL, M.S.A. 4 ; LÉDO, C.A.S. 5 1Embrapa Tabuleiros

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB)

PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB) ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO

Leia mais

INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1

INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1 INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DA ESTACA NO RAMO E DO TIPO DE SUBSTRATO SOBRE O ENRAIZAMENTO DE Alternanthera brasiliana L. (Kuntze) 1 ROCHA, Bruna N. 3 ; ZULIANI, Alberi J. B. 2 ; LÖBLER, Lisiane 3 ; BERTÊ, Rosiana

Leia mais

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo

Hormônios vegetais Prof.: Eduardo Prof.: Eduardo Fitormônios: É um composto orgânico sintetizado em alguma parte do vegetal que pode ser transportado para outra parte e assim em concentrações muito baixas causar uma resposta fisiológica

Leia mais

FLÁVIA MONIQUE DA SILVA SALES MORFOGÊNESE IN VITRO DE REBENTOS DE SISAL

FLÁVIA MONIQUE DA SILVA SALES MORFOGÊNESE IN VITRO DE REBENTOS DE SISAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS FLÁVIA MONIQUE DA SILVA SALES MORFOGÊNESE IN VITRO DE REBENTOS DE SISAL CAMPINA

Leia mais

Revista Ceres ISSN: X Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Ceres ISSN: X Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Soares Reis, Érika; B. P. Pinto, José Eduardo; Silva Rosado, Luciana Domiciano; Monteiro Corrêa, Ricardo Influência

Leia mais

Ciência Florestal, Santa Maria, v.9, n.1, p ISSN MICROPROPAGAÇÃO DE CAIXETA, Didymopanax morototoni (Aubl.) Dcne. et Planch.

Ciência Florestal, Santa Maria, v.9, n.1, p ISSN MICROPROPAGAÇÃO DE CAIXETA, Didymopanax morototoni (Aubl.) Dcne. et Planch. Ciência Florestal, Santa Maria, v.9, n.1, p.47-61 47 ISSN 0103-9954 MICROPROPAGAÇÃO DE CAIXETA, Didymopanax morototoni (Aubl.) Dcne. et Planch. MICROPROPAGATION OF CAIXETA Didymopanax morototoni (Aubl.)

Leia mais

ESTABELECIMENTO, MULTIPLICAÇÃO E ALONGAMENTO in vitro DE Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage x Eucalyptus dunnii Maiden 1

ESTABELECIMENTO, MULTIPLICAÇÃO E ALONGAMENTO in vitro DE Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage x Eucalyptus dunnii Maiden 1 11 ESTABELECIMENTO, MULTIPLICAÇÃO E ALONGAMENTO in vitro DE Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage x Eucalyptus dunnii Maiden 1 Gilvano Ebling Brondani 2, Leonardo Ferreira Dutra 3, Fernando Grossi 4, Ivar

Leia mais

Desenvolvimento de mudas de cupuaçuzeiro (Theobroma grandiflorum) submetidas a diferentes tipos de substrato

Desenvolvimento de mudas de cupuaçuzeiro (Theobroma grandiflorum) submetidas a diferentes tipos de substrato Desenvolvimento de mudas de cupuaçuzeiro (Theobroma grandiflorum) submetidas a diferentes tipos de substrato Ricardo de Sousa Nascimento 1, Dalton Mazzutti 2, Juliana Pereira da Silva 2, Janailson Pereira

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea

Parede primária e secundária. Lomandraceae, Monocotiledônea Parede primária e secundária Lomandraceae, Monocotiledônea Lamela média Cordia trichotoma Corte transversal caule Parede primária e secundária Parede primária Constituição 65% de água 25% celulose 25%

Leia mais

Floricultura e Plantas Ornamentais

Floricultura e Plantas Ornamentais Métodos de Propagação em Ornamentais: TRADICIONAL Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues MÉTODOS PROPAGATIVOS VEGETATIVOS: ENXERTIA, ESTAQUIA, MERGULHIA E ALPORQUIA. Vantagens:

Leia mais

MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE EXPLANTES DE Bambusa vulgaris Schrad ex Wendl PROVENIENTES DE DIFERENTES GENÓTIPOS

MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE EXPLANTES DE Bambusa vulgaris Schrad ex Wendl PROVENIENTES DE DIFERENTES GENÓTIPOS XV EBRAMEM - Encontro Brasileiro em Madeiras e em Estruturas de Madeira 09-11/Mar, 2016, Curitiba, PR, Brasil MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE EXPLANTES DE Bambusa vulgaris Schrad ex Wendl PROVENIENTES DE DIFERENTES

Leia mais

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN )

GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN ) GLOBAL SCIENCE AND TECHNOLOGY (ISSN 1984-3801) RENDIMENTO DE EXPLANTES E ESTABELECIMENTO IN VITRO DE SEGMENTOS NODAIS DE Anacardium othonianum RIZZ., ORIUNDOS DE SEMENTES ARMAZENADAS POR DIFERENTES PERÍODOS

Leia mais

Biotecnologia da Piper hispinervium - Pimenta Longa

Biotecnologia da Piper hispinervium - Pimenta Longa PESQUISA Biotecnologia da Piper hispinervium - Pimenta Longa Rosete Pescador Patrícia Sibila Araújo Cláudio Hermes Maas Laboratório de Biotecnologia: Micropropagação Vegetativa Universidade Regional de

Leia mais

INFLUENCIA DE BAP E ANA NA FORMAÇÃO DE CALOS DE Jatropha curcas L. INTRODUÇÃO

INFLUENCIA DE BAP E ANA NA FORMAÇÃO DE CALOS DE Jatropha curcas L. INTRODUÇÃO Página 270 INFLUENCIA DE BAP E ANA NA FORMAÇÃO DE CALOS DE Jatropha curcas L. Wesley Machado 1, Andréa Almeida Carneiro 2 e Gracielle Teodora da Costa Pinto Coelho 3 1 Agrônomo, Pós-graduando em Biotecnologia,

Leia mais

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS

HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS OU FITORMÔNIOS São substâncias ativas, em quantidades mínimas que induzem efeitos especiais crescimento e desenvolvimento vegetal ( estimulando ou inibindo ). Ex. Auxinas, Giberelinas,

Leia mais

Propagação vegetativa de Epidendrum ibaguense Lindl. (Orchidaceae) em substratos alternativos ao xaxim

Propagação vegetativa de Epidendrum ibaguense Lindl. (Orchidaceae) em substratos alternativos ao xaxim Propagação vegetativa de Epidendrum COMUNICAÇÕES ibaguense Lindl. / COMMUNICATIONS (Orchidaceae) em substratos alternativos ao xaxim Propagação vegetativa de Epidendrum ibaguense Lindl. (Orchidaceae) em

Leia mais

TÍTULO: BIOESTIMULANTES APLICADOS VIA FOLIAR EM CAFEEIROS COFFEA ARABICA EM PRODUÇÃO EM MINAS GERAIS

TÍTULO: BIOESTIMULANTES APLICADOS VIA FOLIAR EM CAFEEIROS COFFEA ARABICA EM PRODUÇÃO EM MINAS GERAIS TÍTULO: BIOESTIMULANTES APLICADOS VIA FOLIAR EM CAFEEIROS COFFEA ARABICA EM PRODUÇÃO EM MINAS GERAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA

FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA FISIOLOGIA E NUTRIÇÃO DA VIDEIRA aaa Aspectos hormonais do crescimento fitormônios e reguladores de crescimento a Prof. Leonardo Cury Bento Gonçalves/RS 1 Introdução! Hormônio: Palavra de origem grega

Leia mais

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Magda Araújo Brito 1 ; Valéria Gomes Momenté²; Ildon Rodrigues do Nascimento 3 1 Aluna do Curso de Engenharia de

Leia mais

BIOLOGIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2005

BIOLOGIA 2ª ETAPA do VESTIBULAR 2005 IOLOGIA 2ª ETAPA do VESTIULAR 2005 QUESTÃO 01 Os hormônios sexuais são substâncias que, no sistema reprodutor feminino, promovem interações que regulam o ciclo menstrual. Analise a possibilidade de ocorrência

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA João Paulo Tadeu Dias 1 ; Elizabeth Orika Ono 2 A cultura da amoreira-preta (Rubus sp.) surge como opção para a diversificação do cultivo de frutas, pois apresenta rusticidade

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO

EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO EMENTAS DAS DISCIPLINAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GENÉTICA E MELHORAMENTO DAG4097 - Análise Multivariada Aplicada à Agricultura Ementa: Distribuições multinormal, Wishart e T2 de Hotelling. Análise

Leia mais

EFEITO DE BAP E CINETINA NA MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE IPÊ-ROXO (Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos)¹

EFEITO DE BAP E CINETINA NA MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE IPÊ-ROXO (Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos)¹ EFEITO DE BAP E CINETINA NA MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE IPÊ-ROXO (Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos)¹ PIMENTEL, Nathalia 2 ; HEBERLE, Michele 3 ; KIELSE, Paula 4 ; LENCINA, Kelen H. 5 ; FISCHER,Hardi

Leia mais

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays)

Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Efeito do Tratamento de Sementes com Fitormônio Sobre o Desenvolvimento de Plântulas de Milho (Zea mays) Amadeu J. de Melo Neto 1, Ernane R. da Costa 1, Marcelo M. Pereira 1, Flávio P. dos Santos 1 e Luiz

Leia mais

POLIPLOIDIA EM AMOREIRA BRANCA NATIVA DO SUL DO BRASIL Rubus imperialis VISA O MELHORAMENTO VEGETAL DA ESPÉCIE

POLIPLOIDIA EM AMOREIRA BRANCA NATIVA DO SUL DO BRASIL Rubus imperialis VISA O MELHORAMENTO VEGETAL DA ESPÉCIE POLIPLOIDIA EM AMOREIRA BRANCA NATIVA DO SUL DO BRASIL Rubus imperialis VISA O MELHORAMENTO VEGETAL DA ESPÉCIE Larissa Costa MELLO 1, Maria do Carmo Bassols RASEIRA 2, Marco Antonio DALBÓ 3, Clenilso Sehnen

Leia mais

ESTUDOS PARA DEFINIÇÃO DE MEIOS DE CULTURA E MÉTODOS DE DESINFESTAÇÃO DE EXPLANTES DE PLANTAS ADULTAS DE ERVA-MATE

ESTUDOS PARA DEFINIÇÃO DE MEIOS DE CULTURA E MÉTODOS DE DESINFESTAÇÃO DE EXPLANTES DE PLANTAS ADULTAS DE ERVA-MATE 1 ESTUDOS PARA DEFINIÇÃO DE MEIOS DE CULTURA E MÉTODOS DE DESINFESTAÇÃO DE EXPLANTES DE PLANTAS ADULTAS DE ERVA-MATE (Ilex paraguarienses St. Hill) SANTOS, D.C. DOS 1 e WENDLING, I. 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

DESINFESTAÇÃO DE SEGMENTOS NODAIS DE EUCALYPTUS DUNNII VISANDO ESTABELECIMENTO IN VITRO

DESINFESTAÇÃO DE SEGMENTOS NODAIS DE EUCALYPTUS DUNNII VISANDO ESTABELECIMENTO IN VITRO DESINFESTAÇÃO DE SEGMENTOS NODAIS DE EUCALYPTUS DUNNII VISANDO ESTABELECIMENTO IN VITRO DISINFESTATION OF NODAL SEGMENTS OF EUCALYPTUS DUNNII AIMING AT ESTABLISHMENT IN VITRO Juliana Rodrigues de Almeida

Leia mais

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio

Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Hormonas vegetais Uma das características básicas da vida é a capacidade de responder a estímulos do meio Em resposta a factores externos, as plantas produzem mensageiros químicos, as hormonas vegetais

Leia mais

ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL PROFª CYNTHIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE

ROTEIRO DE AULAS PRÁTICAS DA DISCIPLINA FISIOLOGIA VEGETAL PROFª CYNTHIA CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Secretaria do Estado da Educação, da Cultura e dos Desportos - SECD UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS

PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS Fred Carvalho Bezerra 1 ; Tiago da Costa Silva²; Fernando Vasconcellos Meyer Ferreira²; Daniel Barbosa Araújo 3 1 Eng.

Leia mais

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal

Agricultura geral. de plantas. UFCG Campus Pombal Agricultura geral Propagação de plantas UFCG Campus Pombal Tipos de propagação de plantas Sexuada ou seminífera Sistema de propagação de plantas que envolve a união de gametas, gerando a semente que é

Leia mais

Conservação in vitro de Cochlospermum regium (Schrank) Pilg.- Cochlospermaceae sob regime de crescimento mínimo

Conservação in vitro de Cochlospermum regium (Schrank) Pilg.- Cochlospermaceae sob regime de crescimento mínimo 184 Conservação in vitro de Cochlospermum regium (Schrank) Pilg.- Cochlospermaceae sob regime de crescimento mínimo CAMILLO, J. 1 ; SCHERWINSKI-PEREIRA, J.E. 2* ; VIEIRA, R.F. 2 ; PEIXOTO, J.R. 1 1 Universidade

Leia mais

Influência do 2,4-D, nitrato de prata e ácido acetilsalicílico no cultivo in vitro de anteras de cafeeiro (Coffea arabica L.).

Influência do 2,4-D, nitrato de prata e ácido acetilsalicílico no cultivo in vitro de anteras de cafeeiro (Coffea arabica L.). Influência do 2,4-D, nitrato de prata e ácido acetilsalicílico no cultivo in vitro de anteras de cafeeiro (Coffea arabica L.). 2,4-D, Silver nitrate, and acetylsalicylic acid influence on the in vitro

Leia mais

GERMINAÇÃO in vitro PRUDENTE, E ACLIMATIZAÇÃO D. de O. et al. DE SEMPRE-VIVA

GERMINAÇÃO in vitro PRUDENTE, E ACLIMATIZAÇÃO D. de O. et al. DE SEMPRE-VIVA 62 GERMINAÇÃO in vitro PRUDENTE, E ACLIMATIZAÇÃO D. de O. et al. DE SEMPRE-VIVA In vitro GERMINATION AND ACCLIMATIZATION OF EVERLASTING FLOWER DÉBORA DE OLIVEIRA PRUDENTE 1, FERNANDA CARLOTA NERY 2*, MICHELE

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill)

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) Gleberson Guillen Piccinin 1, Lilian Gomes de Moraes

Leia mais

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe

ARBORICULTURA I. Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias. Por: Augusto Peixe ARBORICULTURA I Elementos sobre a anatomia e fisiologia da formação de raízes adventícias Por: Augusto Peixe Tipos de Estacas Estacas Caulinares Lenhosas Semi-lenhosas Herbáceas Evolução de meristemas

Leia mais

BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA

BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA - 1998 QUESTÃO 01 Observa-se que as bananeiras inibem o crescimento de outras espécies de vegetais plantadas próximo a elas. Para verificar se essa inibição é provocada por uma

Leia mais

Micropropagação de babosa (Aloe vera L.)

Micropropagação de babosa (Aloe vera L.) 36 Micropropagação de babosa (Aloe vera L.) DEBIASI, C. 1,2* ; SILVA, C.G. 1 ; PESCADOR, R. 1 1 FURB - Fundação Universidade Regional de Blumenau, Blumenau-SC, 89010-971; 2 Doutorando em Agronomia, bolsista

Leia mais

Carvão ativado e estiolamento no estabelecimento in vitro de romãzeira

Carvão ativado e estiolamento no estabelecimento in vitro de romãzeira Carvão ativado e estiolamento no estabelecimento in vitro de romãzeira 1 2 3 Márcia Maria Dias, Silvia Nietsche e Marlon Cristian Toledo Pereira 2 Eng. Agr. Mestre Agronomia/Fitotecnia. E-mail: marciamaridias@yahoo.com.br

Leia mais

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA

PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PLANTIO CONSORCIADO DE PIMENTA DEDO-DE-MOÇA COM ADUBOS VERDES: PROMOÇÃO DE CRESCIMENTO E OCORRÊNCIA DE PRAGAS PROJETO DE PESQUISA PROFESSOR: MARCELO TAVARES DE CASTRO ALUNO: FABIOLA DOS REIS LIMA CURSO:

Leia mais

EMENTÁRIO. Ementa: Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas.

EMENTÁRIO. Ementa: Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas. EMENTÁRIO 1º SEMESTRE CALCULO I Limites. Continuidades de Função. Derivadas. Aplicação de derivadas. AGROINFORMÁTICA Conceitos básicos da informação. Organização de máquinas, Sistemas operacionais, Ambiente

Leia mais

Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos

Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos Aclimatização de mudas micropropagadas de violeta africana em diferentes substratos Cícero Pereira Cordão Terceiro Neto 1 ; Fred Carvalho Bezerra 2 ; Fernando Felipe Ferreyra Hernandez 1 ; José Vagner

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PROPAGAÇÃO DO MANGOSTÃO ATRAVÉS DO CULTIVO IN VITRO Valter de Oliveira Neves Júnior1; Zélio de Lima Vieira 1; Leandro Martins Prudente1; Rafael Benetti1; Sebastião Pedro da Silva Neto 2 1 Acadêmico PVIC/UEG

Leia mais

PROVA DE DISSERTATIVA (01/novembro/2013) Nome. Assinatura

PROVA DE DISSERTATIVA (01/novembro/2013) Nome. Assinatura Concurso Público para o preenchimento de uma vaga na carreira do Grupo Técnico I A (Técnico de Laboratório) (com área de atuação em cultura de tecidos vegetais, biologia molecular de plantas e métodos

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA MICROPROPAGAÇÃO DE VRIESEA GIGANTEA GAUDICH. (BROMELIACEAE), UMA ESPÉCIE AMEAÇADA DE EXTINÇÃO, NATIVA DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL.

OTIMIZAÇÃO DA MICROPROPAGAÇÃO DE VRIESEA GIGANTEA GAUDICH. (BROMELIACEAE), UMA ESPÉCIE AMEAÇADA DE EXTINÇÃO, NATIVA DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. OTIMIZAÇÃO DA MICROPROPAGAÇÃO DE VRIESEA GIGANTEA GAUDICH. (BROMELIACEAE), UMA ESPÉCIE AMEAÇADA DE EXTINÇÃO, NATIVA DO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Marta Bencke 1 Annette Droste 2 Abstract Bromeliads are

Leia mais

Polpa de banana e fertilizantes comerciais no cultivo in vitro de orquídea

Polpa de banana e fertilizantes comerciais no cultivo in vitro de orquídea Polpa de banana e fertilizantes comerciais no cultivo in vitro de orquídea Banana pulp and commercial fertilizers in the in vitro cultivation of orchid Mei Ju Su 1, Jenniffer Aparecida Schnitzer 2, Ricardo

Leia mais

Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA a

Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA a Resumos do IX Congresso Brasileiro de Agroecologia Belém/PA 28.09 a 01.10.2015 Acúmulo de massa fresca e seca de plântulas de tomate em função dos diferentes tipos de substratos utilizados Fresh and dry

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata).

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). Rezanio Martins Carvalho (bolsista do PIBIC/CNPq), Fabiano André Petter

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 3º EM Biologia A Marli Av. Trimestral 16/09/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

CULTURA DE TECIDOS APLICADA À MANUTENÇÃO DE GERMOPLASMA IN VITRO E AO MELHORAMENTO GENÉTICO DO MARACUJÁ (Passiflora spp.).

CULTURA DE TECIDOS APLICADA À MANUTENÇÃO DE GERMOPLASMA IN VITRO E AO MELHORAMENTO GENÉTICO DO MARACUJÁ (Passiflora spp.). CULTURA DE TECIDOS APLICADA À MANUTENÇÃO DE GERMOPLASMA IN VITRO E AO MELHORAMENTO GENÉTICO DO MARACUJÁ (Passiflora spp.). Dra. Ilene Ribeiro da Silva Passos Pesquisador Científico -VI IAC- CPD Recursos

Leia mais

Produtividade e qualidade de diferentes genótipos de Bourbon cultivados em Minas Gerais visando à produção de cafés especiais

Produtividade e qualidade de diferentes genótipos de Bourbon cultivados em Minas Gerais visando à produção de cafés especiais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Produtividade e qualidade de diferentes genótipos de Bourbon cultivados em Minas Gerais visando à produção de cafés especiais Priscilla

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina BVE100 Botânica Geral

Programa Analítico de Disciplina BVE100 Botânica Geral Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Biologia Vegetal - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo)

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo) (2º ciclo) 5º ano Compreender a como um planeta especial. Compreender que o solo é um material terrestre de suporte de vida. Compreender a importância das rochas e dos minerais. Compreender a importância

Leia mais

USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA

USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA USO DE PLANEJAMENTO COMPOSTO CENTRAL NA AVALIAÇÃO DAS VARIÁVEIS TEMPERAURA E CONCENTRAÇÃO DE SOLVENTES NO ESTUDO DA SOLUBILIDADE DA UREIA F. M. A. S. COSTA 1, A. P. SILVA 1, M. R. FRANCO JÚNIOR 1 e R.

Leia mais

Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro

Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro Substratos para Produção de Mudas de Tomateiro Substrates for Tomato Seedlings Production PEREIRA, Dercio Ceri. UNIOESTE, dcpereirasp@hotmail.com; COSTA, Luiz Antonio de Mendonça. UNIOESTE, lmendo@ig.com.br;

Leia mais

Produção de mudas de tomate submetida à água residuária. Production of seedlings of tomato plants submitted to residual water

Produção de mudas de tomate submetida à água residuária. Production of seedlings of tomato plants submitted to residual water 10843 - Produção de mudas de tomate submetida à água residuária Production of seedlings of tomato plants submitted to residual water ALVES, Rita de Cássia¹; NASCIMENTO, Maria Laiane¹; CAVALCANTE, Jussiara

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

11349 - Propagação vegetativa de Poiretia latifolia Vogel, uma espécie negligenciada

11349 - Propagação vegetativa de Poiretia latifolia Vogel, uma espécie negligenciada 11349 - Propagação vegetativa de Poiretia latifolia Vogel, uma espécie negligenciada Neglected plant species, in vitro and cutting propagation of Poiretia latifolia Vogel TEIXEIRA, Cristhian dos Santos¹;

Leia mais

UFSM. MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE Cedrela fissilis Vell. Dissertação de Mestrado

UFSM. MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE Cedrela fissilis Vell. Dissertação de Mestrado UFSM MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE Cedrela fissilis Vell. Dissertação de Mestrado Vanessa Fiad Martins do Amaral PPGEF Santa Maria, RS, Brasil 2006 MULTIPLICAÇÃO IN VITRO DE Cedrela fissilis Vell. por Vanessa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIA AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRARIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIA AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRARIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA CENTRO DE CIÊNCIA AGRÁRIAS, AMBIENTAIS E BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRARIAS MICROPROPAGAÇÃO DE BABOSA (Aloe vera L.) CANDICE FERREIRA DE

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES Disciplina Nutrição aplicada à Educação Física e ao Esporte Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior HISTÓRICO

Leia mais

Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Rodrigues Soares, Joyce Dória; Almendagna Rodrigues, Filipe; Gomes de Araujo, Aparecida; Pasqual, Moacir; Aparecida

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103

Trabalho de biologia. Nome: Naiheverton e wellinton. Turma:103 Trabalho de biologia Nome: Naiheverton e wellinton Turma:103 VITAMINAS São compostos orgânicos imprescindível para algumas reações metabólicas especificas,requeridos pelo corpo em quantidade minimas para

Leia mais

SUBSTRATOS COMERCIAIS NO DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE CALCEOLÁRIA

SUBSTRATOS COMERCIAIS NO DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE CALCEOLÁRIA SUBSTRATOS COMERCIAIS NO DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE CALCEOLÁRIA GRZEÇA, G.T. 1 ; WINHELMANN M. C. 1 ; PAOLAZZI J. 1 ; PARIS, P 1. TEDESCO, M 1. SCHAFER G 2. RESUMO: A calceolária é uma planta ornamental

Leia mais

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015 Terra, um planeta com vida Sistema Terra: da célula à biodiversidade 1. Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o único planeta com vida conhecida no Sistema Solar 1.1. Identificar a posição

Leia mais

Introdução à Fisiologia Vegetal

Introdução à Fisiologia Vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PÓLO AVANÇADO DE XERÉM GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CURSO FISIOLOGIA VEGETAL(XBT355) TURMA 2014/2 Introdução à Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Silas Pessini Rodrigues

Leia mais

PROPAGAÇÃO IN VITRO DE ESPÉCIES ORNAMENTAIS

PROPAGAÇÃO IN VITRO DE ESPÉCIES ORNAMENTAIS PROPAGAÇÃO IN VITRO DE ESPÉCIES ORNAMENTAIS 1 INTRODUÇÃO 1 Eng ª. Agro ª., Mestranda Fitotecnia - UFLA 2 Estudante Agronomia 9º período- UFLA 3 Biólogo DAG - UFLA 4 Eng ª. Agro ª., Doutoranda Fitotecnia

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011

Universidade Federal do Ceará Campus Cariri 3 o Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 26 a 28 de Outubro de 2011 TESTE DE GERMINAÇÃO PARA AVALIAR A QUALIDADE DA SEMENTE DO MILHO PIPOCA Laianny Morais Maia¹, Silvério de Paiva Freitas Júnior², Mikaelle Cavalcante de Brito¹, Cícero Secifram da Silva¹, Edilza Maria Felipe

Leia mais