PROPOSTA DE UM PROTOCOLO LEVE PARA CLUSTERS DE COMPUTADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPOSTA DE UM PROTOCOLO LEVE PARA CLUSTERS DE COMPUTADORES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PROJETO DE GRADUAÇÃO PROPOSTA DE UM PROTOCOLO LEVE PARA CLUSTERS DE COMPUTADORES JOSÉ CARLOS CAMPANA FILHO

2 VITÓRIA ES 05/2002 José Carlos Campana Filho PROPOSTA DE UM PROTOCOLO LEVE PARA CLUSTERS DE COMPUTADORES Parte manuscrita do Projeto de Graduação do aluno José Carlos Campana Filho, apresentado como requisito para requerer o grau de bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Espírito Santo.

3 VITÓRIA ES 05/2002 JOSÉ CARLOS CAMPANA FILHO PROPOSTA DE UM PROTOCOLO LEVE PARA CLUSTERS DE COMPUTADORES COMISSÃO EXAMINADORA: Prof. Msc Sérgio A. Andrade de Freitas Orientador Prof. Dr. Neyval Costa Reis Júnior Examinador Profa. Dra. Lúcia Catabriga Examinadora Vitória - ES, 06/05/2002

4

5 dedicatória Aos meus pais.

6 agradecimentos Agradeço a Sérgio A. Andrade de Freitas, meu orientador, pela ajuda prestada na elaboração dos algoritmos desenvolvidos para este projeto de graduação e que cumpriu seu papel de maneira exemplar.

7 SUMÁRIO DEDICATÓRIA...I AGRADECIMENTOS...II SUMÁRIO...III RESUMO...VI CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...7 CAPÍTULO 2 - CLUSTERS CAMADAS DE UM CLUSTER Cluster de carga balanceada Web server cluster Application server cluster Database server cluster Cluster Beowulf Arquitetura de Cluster Usuário Controle Gerenciamento Armazenamento Instalação Computação (Cálculo) Arquitetura de rede Tecnologias Switch Como projetar a rede cluster Acesso remoto/equinox terminal server Arquitetura de Software Sistema Operacional Sistema de arquivo Sistema de arquivo paralelo Parallel Virtual Machine (PVM) Máquina Virtual Paralela...21

8 Message Passing Interface (MPI) Interface por Passagem de Mensagem OpenMP Gerenciamento de Recursos Gerenciamento do trabalho Gerenciador de recursos Job scheduler/policy manager...24 CAPÍTULO 3 TCP/IP E RTP Introdução Arquitetura TCP/IP A camada de Aplicação A camada de Transporte A camada Inter-Redes ou Internet A camada Host-Rede (Físico) Protocolo TCP Funções do TCP Formato do Cabeçalho do TCP [4] Protocolo IP Desvantagens do IP Formato do cabeçalho IP [4] Funcionamento do TCP/IP Nível TCP Nível IP Fragmentação de datagramas e Reagrupamento RTP (Real Time Protocol) RTCP (RTP Control Protocol)...44 CAPÍTULO 4 O PROTOCOLO TCP-CAMP Introdução TCP-Camp mínimo Vantagens Desvantagens...50

9 4.3 - TCP-Camp Vantagens Desvantagens TCP-Camp com janela variável (JV) Vantagens Desvantagens TCP-Camp com campo de dados variável (CDV) Vantagens Desvantagens Análise Final...60 CONCLUSÕES E TRABALHOS FUTUROS...61 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...62

10 Resumo O objetivo deste Projeto de Graduação é a elaboração de um protocolo de transporte leve para clusters de computadores, para aumentar a performance de transmissão de dados e com isso tornar mais rápida a execução de aplicações paralelas.

11 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O presente texto apresenta uma proposta de um protocolo de transporte leve para clusters de computadores denominado TCP-Camp. Tal protocolo foi criado tendo por base o protocolo TCP/IP [2] [3] [4] e o protocolo RTP (para multimídia) [5]. A principal motivação para esta proposta é que em breve teremos no Departamento de Informática um cluster de 48 máquinas, o qual será ostensivamente usado por diversos grupos de pesquisa e em diversos níveis: estudo de arquitetura, desenvolvimento de aplicações paralelas e testes. Principalmente ao nível de testes e desenvolvimento de aplicações paralelas, faz-se necessário a execução o mais rápida o possível, o que em grande parte demanda tempo de máquina, mas que tem com um de seus gargalos a velocidade da troca de mensagens entre os diversos nodos de computadores que compõem o cluster. É fácil perceber que se o protocolo de transporte for pesado (com grandes cabeçalhos nos pacotes de transporte e com protocolos muito redundantes) logo a transmissão de mensagens através da rede será lenta, acarretando um atraso na execução da aplicação ou teste como um todo. Vale aqui ressaltar, por motivos de comparação, que a rede de comunicação do cluster comporta-se, por analogia, como o barramento interno de um computador e o cluster pode ser comparado a um grande computador com múltiplos processadores. Esta monografia esta assim estruturada: no capítulo 2 são apresentados os conceitos fundamentais de um cluster de computadores, no capítulo 3 são apresentados os protocolos TCP/IP e RTP, no capítulo 4 é apresentado o TCP-Camp e suas diversas variantes e são feitos os testes de desempenho comparativos com o TCP/IP. Finalmente no capítulo 5 são apresentadas as conclusões e algumas propostas de trabalhos futuros.

12 CAPÍTULO 2 - CLUSTERS Sempre que se tem dois ou mais computadores juntos para resolver um problema, se tem um cluster. Todos os clusters [1] caem basicamente em duas grandes categorias: High Availability (HA) ou Alta Eficácia, e High-Performance Computing (HPC) ou Computação de Alta Performance. O cluster HA é proposto para fornecer serviços de extrema confiança. E o HPC é uma configuração de cluster projetada para fornecer uma potência computacional maior do que um computador sozinho poderia fornecer. 2.1 Camadas de um Cluster Uma rede típica de cluster, como mostra a figura 2.1, é formada por várias camadas: figura 2.1 Cluster genérico

13 Cluster de carga balanceada No alto do diagrama da figura 2.1 está a Internet. Note que há múltiplas conexões redundantes. Estas irão amarrar dentro de um método de carga balanceada, através de hardware dedicado ou através dos vários produtos de software, tais como o Linux Virtual Server (LVS) Web server cluster A camada seguinte é onde os servidores de rede residem. Este é simplesmente um grupo de máquinas rodando uma aplicação do servidor Web, tal como Apache. Estes servidores podem apresentar páginas estáticas ou podem ter a infra-estrutura do núcleo das páginas mais complexas com conteúdo dinâmico. Se um servidor falhar, isto será notado pelos equilibradores de carga, e as requisições futuras serão enviadas para outros servidores. Se a carga aumentar dramaticamente, os servidores adicionais podem facilmente ser adicionados Application server cluster É na camada de aplicação que o código do servidor é executado. O servidor Java TM é mantido e executado nesta camada. Este será geralmente um tipo de solução de alta eficácia. Neste nível, é ainda razoavelmente fácil adicionar máquinas adicionais para aumentar a capacidade Database server cluster Finalmente a camada da base de dados. Esta camada requer geralmente alguma forma de solução de HA. Não é difícil, usando os procedimentos esboçados acima, criar uma base de dados robusta, com elevada eficácia para o backend usando Linux e várias escolhas para bases de dados, tais como DB2 ou MySQL. É razoavelmente difícil aumentar a capacidade neste nível sem algum estudo e planejamento no começo. Note também que, no espaço do servidor Web, essas várias camadas podem ser combinadas em uma máquina ou em um par das máquinas.

14 2.2 - Cluster Beowulf figura Componentes do Cluster Beowulf O Beowulf é baseado principalmente no hardware, no software, e nos padrões do produto. É uma das arquiteturas usadas quando as aplicações de computação intensiva são essenciais para um resultado bem sucedido. É uma união de diversos componentes que, se ajustado e selecionado apropriadamente, podem acelerar a execução de uma aplicação bem escrita. Uma visão lógica da arquitetura de Beowulf é ilustrada na figura 2.2. Os sistemas de Beowulf podem ser construídos usando partes diferentes de hardware e de software. Clusters Beowulf são classificados como: CLASSE I: Construído inteiramente usando o hardware e o software do fabricante. As vantagens são o preço, e o uso da tecnologia padrão (SCSI,Ethernet, IDE). 0

15 CLASSE II: Construído não necessariamente usando o hardware e o software do fabricante sozinho. O desempenho é melhor do que o da CLASSE I. A escolha deve ser baseada no orçamento e nas necessidades que você tem; A CLASSE II não é necessariamente a melhor escolha. Os programas de Beowulf são escritos geralmente usando linguagens tais como C e FORTRAN, e usam a passagem de mensagem para conseguir a computação paralela. Um cluster de Beowulf pode ser tão simples quanto dois computadores ligados em rede, cada um rodando Linux e compartilhando um sistema de arquivo através do NFS e usando o comando rsh (shell remoto). Ou pode ser tão complicado quanto 1024 nós com uma velocidade elevada, rede de baixa latência consistindo de nós de gerência e de mestre da rede, e assim por diante Arquitetura de Cluster Esta seção mostra quais componentes existem em um cluster Beowulf, para cada função de nó para a arquitetura de rede. É mostrado um exemplo de como um cluster Beowulf pode ser projetado na Figura

16 Figura 2.3 Exemplo de Cluster Beowulf no Linux Os nós do cluster podem ser divididos baseados em sua função. É importante notar que estas funções podem residir em uma ou mais máquinas. Em um cluster pequeno, todas as funções estarão provavelmente em uma máquina. Em clusters maiores, elas podem ser divididas em muitas unidades. Em clusters muito grandes, uma única função pode ser espalhada através de diversos nós similares. Segue a lista de funções e estrutura dos nós: Usuário; Controle; 2

17 Gerenciamento; Armazenamento; Instalação; Nó de computação Usuário O nó do usuário é a passagem para que o mundo exterior alcance o cluster. Os Usuários logam em uma sessão geralmente na máquina do nó do usuário e compila ou executa seus trabalhos. É preciso ter um ótimo hardware neste nó. Se houver falha, os usuários não podem acessar o cluster. O nó do usuário pode também estar no mesmo servidor que é usado para a gerência ou a instalação Controle O nó de controle pode estar na mesma máquina que cuida de funções de gerência e de instalação. É responsável de controlar os trabalhos. A função de controle pode ser alocada em um dos nós de cálculo ou em qualquer outra máquina responsável para controlar ou gerenciar o cluster. O nó de controle fornece serviços tais como o Protocolo de Configuração Dinâmica de Host (DHCP), o Sistema de Nome de Domínio (DNS), e o Sistema de Arquivos de Rede (NFS). Além disso, o sistema de grupo portátil (PBS) e o escalonador são instalados geralmente nesta máquina. É necessária uma grande preocupação para este hardware e para os dados porque, ao contrário dos nós do cálculo, a falha do nó de controle pode afetar a disponibilidade inteira do cluster Gerenciamento A gerência é a função que gerencia e controla o cluster e seus componentes, por exemplo, switches. Pode estar presente em máquinas dedicadas chamadas nós de gerência, ou, por razões de orçamento, em uma máquina com outras funções, tais como mestre, instalação, e os nós de cálculo. Pode também ser encontrada em uma área local virtual da rede dedicada 3

18 (VLAN), definida como gerenciamento, e acessível somente pelo administrador (para razões da segurança). Pode haver mais de um nó da gerência em um cluster, como em clusters grandes; depende de quantos nós e componentes se necessita gerenciar. O gerente de cluster faz o controle dos nós e coleta alarmes do Simple Network Management Protocol (SNMP). Assim como para os nós de controle, é preciso para este nó um hardware seguro, pois a falha do nó de gerenciamento pode afetar a disponibilidade inteira do cluster Armazenamento A função de armazenamento é executada por máquinas dedicadas e é responsável para armazenar quantidades grandes de dados necessitados pelas aplicações que funcionam em nós de cálculo. Os nós que executam esta função são chamados geralmente nós de armazenamento. É recomendado equipar nós do armazenamento com: Controladores ServeRAID que dão a proteção dos dados usando um dos diferentes níveis RAID disponíveis; Canal de filamento, para velocidade e taxa de transferência melhor; Ethernet 10/100Mbit, para eventualmente conectar a uma gerência VLAN ou rede Instalação O nó da instalação é responsável para a instalação dos nós de cálculo e é consultado às vezes como um servidor ou nó de plataforma. É geralmente um servidor que exporta um sistema de arquivo contendo o sistema operacional, bibliotecas e todo o software necessário para os nós de cálculo. Tem geralmente um adaptador PCI Gigabit Ethernet que permite mais largura de banda e acelera a instalação do cluster. Um servidor de instalação compartilha geralmente de um sistema de arquivo que possa ser acessado via NFS, da web ou do File Transfer Protocol (ftp). É onde o sistema operacional e o software relevante necessitado para que cada nó de cálculo trabalhe são instalados. O nó de instalação pode também ser configurado como um nó de cálculo desde que realize computações. É o único nó na rede pública, visto que os usuários necessitam acessá-lo para poder executar seus trabalhos. 4

19 Computação (Cálculo) A função ou o nó de cálculo é o coração computacional do cluster. Sua atividade principal é executar os cálculos. A função do cálculo é chamada geralmente de nó de cálculo, especialmente para clusters grandes, porque esta função é atribuída às máquinas dedicadas. A escolha de hardware e os parâmetros da configuração do nó de cálculo devem ser baseados nas aplicações que serão executadas no sistema. As seguintes características devem ser consideradas: Tipo de processador; Tamanho e velocidade de cache nível 2; Número de processador por nó; Velocidade do barramento front-side; Escalabilidade do subsistema de memória; Velocidade do barramento PCI. A aplicação interfere na decisão de como construir os nós de cálculo. Por exemplo, se o nó do cálculo for requerido para acessar freqüentemente o cache, o tamanho do subsistema de cache nível 2 e da memória deve ser considerado; um cache grande pode elevar o desempenho. Entretanto, algumas experiências mostram que se sua aplicação puder caber no cache nível 2 e não necessitar acessar freqüentemente o subsistema da memória, o desempenho do nó de cálculo aumenta. Por outro lado, as aplicações que usam grandes quantidades de memória irão se beneficiar de um processador, sistema de barramento, e subsistema de memória mais rápidos. Do ponto de vista do desempenho do processador, o ideal é um processador por um nó de cálculo. Se tiver limitações de orçamento, o recomendado é usar uma máquina SMP. Nos termos da relação do desempenho e preço, uma máquina SMP com dois processadores é melhor do que uma máquina com três ou quatro. O escalonador interno do Linux determina como estes CPUs são compartilhados. Não se pode atribuir uma tarefa específica a um processador específico de SMP. Pode-se, entretanto, começar dois processos independentes ou uma thread e esperar para ver um aumento do desempenho sobre um sistema de uma simples CPU. 5

20 O Hardware de elevada eficácia não é tão importante quanto nas outras partes do cluster. Se houver uma falha no nó, perde-se apenas uma parte do trabalho que pode ser executado mais tarde em um outro nó. Se sua aplicação usar a passagem de mensagem, ou se a aplicação requerer transferência de partes grandes de dados através da rede, pode-se querer considerar adaptadores PCI Gigabit ou Myrinet. Neste caso, é recomendado escolher máquinas com 64-bit, barramento PCI 66MHz para conseguir o máximo desempenho do barramento desses adaptadores. É possível que um nó de cálculo pode ter o controle de outras funções também, tais como: controle, instalação e gerência. É desejável condensar funções múltiplas no mesmo nó se seu orçamento for um fator importante, ou para pequenos clusters Arquitetura de rede Network é a conversão de um grupo das máquinas em um único sistema. O networking em clusters de Beowulf é muito importante. A maior demanda de comunicação ocorre entre os nós de cálculo. Devido à demanda de comunicação entre nós de cálculo, o desempenho da rede é um tópico muito importante a ser considerado em um tipo Beowulf de cluster. Dependendo das características dos programas que estão sendo executados, as redes de elevada largura de banda, velocidade e baixa latência podem ser requeridas. A comunicação da rede determinará a classe Beowulf do sistema e o grau de complexidade na construção de programas eficientes. Os gargalos preliminares de Beowulf são a travessia da largura de banda da rede, latência, e sincronização global Tecnologias É mostrado abaixo algumas tecnologias e protocolos usados na comunicação interprocesso de um cluster Beowulf: Fast Ethernet Gigabit Ethernet Myrinet 6

21 Switch A demanda para larguras de banda elevadas e o crescente número dos nós na mesma rede são as razões as mais importantes para o uso de um switch. Um switch aceita pacotes em fios de par trançado dos nós e não os transmite a todos os nós conectados para determinar quem é o receptor, como um hub faz. Ao invés, um switch usa o campo de endereço do destino do pacote para determinar quem é o receptor e envia o pacote somente para ele. Entretanto, como o número dos nós em um cluster aumenta, um switch não pode ser suficiente. Cada nó deve poder se comunicar com todos os outros nós do cluster na mesma rede sem ter roteadores no caminho, porque os roteadores podem afetar o desempenho Como projetar a rede cluster O cluster necessita uma topologia da rede a fim de poder se comunicar entre os nós (bem como com o resto do mundo). Os componentes da rede cluster podem ser resumidos como: IPC: para permitir que os nós passem mensagens e bloco de dados; Gerenciamento: para satisfer a todas as necessidades dos administradores do cluster; Cluster: usado somente para o I/O e tráfego do trabalho. público: pela necessidade de uma maneira de se comunicar à rede LAN ou de área larga (WAN) a fim ter o acesso ao cluster. É preciso decidir o que fazer para sua rede: topologia de rede simples, onde o cálculo, o mestre, a instalação, e os nós de armazenamento estão todos conectados dividir sua rede em diversas redes de área local virtuais (VLANs). É criado geralmente diversas VLANs. Para fazer isto, é preciso um swicth inteligente ou de nível 2 capaz de controlar uma rede virtual, isto é, a habilidade de configurar topologias lógicas no alto da infra-estrutura física da rede. A VLAN oferece benefícios em termos da eficiência no uso da largura de banda, da flexibilidade, do desempenho, e da segurança. Do ponto de vista lógico, a tecnologia VLAN é uma segmentação da rede em domínios diferentes da transmissão de modo que os pacotes sejam comutados somente entre as portas designadas para ser parte da mesma VLAN. 7

22 A figura 2.4 mostra as seguintes VLAN s: Gerenciamento: Esta VLAN é usada para acessar Myrinet ou outro switch da camada 2 usado para o IPC, Rede do Processador de Serviço, e o Equinox TM (somente para fins da gerência). Telnet e SNMP são usados controlar o swicth, Equinox e a Rede do Processador de Serviço. Esta VLAN é isolada geralmente por razões de segurança. Cluster: Os nós de cálculo e de armazenamento usam esta VLAN somente para o tráfego de I/O. O nó mestre usa esta rede somente para a gerência do cluster e instalação. Público: O nó mestre é conectado a esta rede para o acesso de usuário e abertura de trabalho. Rede do Processador de Serviço: Uma ligação Ethernet ao Processador de Serviço; usado para finalidades da gerência. Figura 2.4: esquema de rede de cluster Beowulf Acesso remoto/equinox terminal server O sistema operacional Linux, como todos os sistemas operacionais baseados em UNIX antes dele, fala em um nível muito baixo à porta serial na máquina. Um nível extremamente elevado do controle remoto está disponível através desta porta serial. A gerência remota do sistema operacional é facilitada pelo uso de um terminal de servidor. 8

23 O terminal de servidor conecta à porta serial em cada nó de cálculo e nos permite ao telnet, ou compartilha, esta porta de comunicações. Pode-se remotamente acessar o sistema operacional de algum e todos nós de calculo usando o terminal de servidor Arquitetura de Software Para desenvolver e rodar aplicações em um cluster são necessários muitos componentes de software: Sistema Operacional Drivers de dispositivo Bibliotecas Ferramentas de desenvolvimento e debugger Compiladores Ferramentas de recursos de gerenciamento Sistema Operacional Um sistema operacional executa diversas tarefas, como reconhecer a entrada do teclado, emitindo a saída na tela, controlando dispositivos periféricos, e mantendo-se a par de arquivos e de diretórios no disco. Diversos sistemas operacionais podem ser usados para criar um cluster de Beowulf e Linux é um deles Sistema de arquivo O sistema de arquivo é a parte principal de todo o sistema operacional; é um repositório para programas e dados. O sistema de arquivo tem dois significados separados em Linux: pode ser o conceito de uma hierarquia do diretório raiz, com as partições diferentes montadas sob o diretório de raiz. Não há nenhuma letra, como com Microsoft Windows, para identificar as partições, e tudo é visto como um arquivo. que pode consultar aos formatos específicos para representar arquivos ou diretórios em um disco ou em uma memória, por exemplo, em EXT2 e em JFS. Em um ambiente de cluster, faz sentido falar sobre sistemas de arquivos distribuídos. Cada nó de Beowulf, se não é um cliente sem disco, têm um sistema de arquivo local que 9

24 possa necessitar acessar os processos que executam nos outros nós. Esta é a razão básica para usar um sistema de arquivo distribuído em um cluster de Beowulf. Um sistema de arquivo distribuído tem as características que o distinguem de um sistema de arquivo local: Transparência da rede: arquivos remotos e locais podem ser acessados usando a mesma chamada ao sistema Transparência da localização: O nome do arquivo não é limitado a sua localização, porque o servidor que o contem não é parte do caminho. Independência de localização: Se a posição física do arquivo mudar, seu nome não muda necessariamente, porque o nome do servidor que o contém o não é parte do caminho do arquivo Sistema de arquivo paralelo Uma área crítica que onde os clusters em Linux tinham era a falta de suporte ao sistema de arquivo paralelo, que é essencial para o alto desempenho de I/O. Os sistemas de arquivo locais trabalham por um lado criando um mapa entre os blocos encontrados nos dispositivos de armazenamento e por outro em arquivos e em diretórios. Por causa disto, os dispositivos são vistos como locais e não compartilhados, assim não há necessidade de o sistema de arquivo reforçar a semântica de dispositivo compartilhado. Para melhorar o desempenho do sistema de arquivo, pode-se melhorar o caching e combinar operações de sistema de arquivo para reduzir o número de acessos ao disco requeridos para cada operação de sistema de arquivo. As tecnologias atuais permitem que as múltiplas máquinas compartilhem os dispositivos de armazenamento. Os sistemas de arquivos que permitem que estas máquinas montem simultaneamente e acessem arquivos nestes dispositivos compartilhados são chamados sistemas de arquivos de disco compartilhado. Ao contrário dos sistemas de arquivos distribuídos tradicionais onde o servidor controla os dispositivos e é o foco de todos os dados compartilhados. Uma abordagem de sistema de arquivo de dispositivo compartilhado oferece muitas vantagens em relação ao tradicional sistema de arquivo do cliente-servidor: Aumento da disponibilidade do sistema de arquivo: não há um ponto de falha no host porque o sistema de arquivo é ainda acessível a outros hosts. 0

25 Equilíbrio da carga: o cliente pode acessar qualquer bloco de dados em qualquer dispositivo de armazenamento. Escalabilidade na capacidade, conectividade, e largura de banda pode ser conseguida sem as limitações inerentes nos sistemas de arquivo da rede, tais como o NFS, que são projetados em torno de um servidor centralizado. Os sistemas de arquivos paralelos são vitais para aplicações paralelas de I/O intensivo. Os sistemas de arquivos globais (GFS) e os sistemas de arquivos virtuais paralelos (PVFS) são disponíveis atualmente, e a IBM planeja executar os sistemas de arquivos paralelos gerais (GPFS) para a plataforma Linux Comunicação entre processos (IPC) Uma comunicação entre processos (IPC) é a troca dos dados entre um processo e outro, seja na rede ou no mesmo computador. A troca dos dados implica em um protocolo que garanta que uma resposta ocorra para cada requisição. As tecnologias apresentadas na subseção de Tecnologias são apropriadas para o IPC. É recomendado usar uma largura de banda elevada e uma tecnologia de baixa latência, tal como Myrinet ou Giganet, com uma aplicação que use a troca de mensagem entre processadores em placas-mãe diferentes. O Fast Ethernet é adequado onde o trabalho da rede não é um gargalo. O IPC é um elemento que é levado em conta nas definições dos níveis e classes de um cluster Beowulf Parallel Virtual Machine (PVM) Máquina Virtual Paralela PVM é uma interface de programação de aplicação (API) que facilita a computação paralela. PVM é projetado para o uso através de cluster. Ao codificar uma aplicação usando o PVM API, tem-se então uma aplicação que funciona em um cluster. Neste ambiente, uma máquina executa o console PVM. O console PVM está ciente de todos os nós disponíveis a ele. Um trabalho é submetido ao console PVM onde é distribuído através dos nós PVM. Os resultados são retornados ao console PVM e recompilado em um resultado completo. PVM é muito eficiente para os trabalhos que podem ser feitos em um ambiente pouco acoplado, isto é, aqueles que podem ser feitos em partes individuais. Há outras soluções que são provavelmente mais satisfatórias para trabalhos com exigências mais estritas de uma comunicação. 1

26 Message Passing Interface (MPI) Interface por Passagem de Mensagem As especificações MPI são usadas geralmente onde há necessidade de uma camada lógica da estrutura para uma camada física de uma comunicação, por exemplo, quando as aplicações necessitam interagir com diversos CPUs em placas-mãe diferentes. MPI é uma especificação padrão de bibliotecas de passagem de mensagem para escrita de programas paralelos. A passagem de mensagem foi adotada extensamente por causa de sua associação próxima com os atributos físicos da arquitetura de SMP. A passagem da mensagem suporta uma interação entre processos seqüenciais. Um ou mais processos rodam em cada processador e eles interagem via mensagens conduzidas através da rede física. MPICH é a implementação mais portável e mais usada especificação de MPI para uma grande variedade de ambientes paralelos e de computação distribuída. O uso de MPICH é particularmente popular em redes da estação de trabalho e nos cluster Beowulf heterogêneos, onde nenhuma implementação do vendedor está disponível. O paradigma de programação passagem de mensagem supõe que um programa de aplicação está dividido em diversas tarefas, cada tarefa tem seus próprios dados privados e espaço de endereçamento. Não há nenhum dado global compartilhado entre tarefas do programa. Toda a sincronização e comunicação entre as tarefas são realizadas por chamadas explícitas à biblioteca entre tarefas, tais como a MPI_RECEIVE e MPI_SEND. Como o programador tem o controle total sobre a interação da tarefa, uma melhor escalabilidade pode ser conseguida projetando a sincronização e a comunicação entre tarefas corretamente, mais do que todas outras técnicas de paralelização usadas hoje OpenMP O PVM e o MPI são projetados especificamente para trabalhar em um cluster. OpenMP é projetado para trabalhar em uma máquina de multi-processadores simétricos (SMP). No modelo SMP, os processadores têm um espaço de endereço compartilhado da memória, que pode ser usado para transportar mensagens. OpenMP usa este espaço de endereço compartilhado da memória e é conseqüentemente muito eficiente no ambiente SMP. Entretanto, não é útil em um ambiente de cluster. Contudo em determinadas situações, OpenMP pode ser combinado com o MPI ou o PVM para utilizar ambos o SMP e ambientes de cluster. 2

27 Gerenciamento de Recursos Do ponto de vista do usuário, um cluster é como todos os outros servidores ou PC. O usuário se loga e executa programas interativos. Isto é verdade para todos os usuários que acessem o mesmo cluster. Entretanto, deve-se manter baixo o uso intenso por indivíduos; se muitos dos recursos de clusters forem usados ao mesmo tempo, o desempenho irá diminuir. O escalonador é responsável pela gerência de recurso no cluster. Embora seja possível executar um trabalho que use todos os recursos disponíveis, um trabalho usa tipicamente muito menos recursos do que usaria. Com o escalonador, você especifica quantos nós você necessita e quanto tempo é esperado que seu trabalho rode (junto com várias outras informações). O escalonador então organiza a melhor maneira para executar o trabalho, tentando manter o cluster o máximo uso possível em todo o tempo Gerenciamento do trabalho Os clusters Beowulf requerem um mecanismo para controlar e programar os trabalhos e a carga de trabalho de diferentes usuários. A idéia é utilizar a máxima eficiência possível em um dado tempo e hardware. Isto assegura o uso otimizado do tempo do cálculo do cluster e obterá resultados tão rapidamente quanto possível Gerenciador de recursos É essencial que o usuário possa pedir um nó computacional apropriado para uma dada tarefa. Para permitir que isso aconteça, o gerenciador de recursos coordena as ações de todos os outros componentes no sistema mantendo uma base de dados de todos recursos, requisições submetidas, e trabalho rodando. Em um ambiente heterogêneo, é importante que o gerenciador de recursos conserve seu mais poderoso recurso o maior tempo possível, a menos que tenha sido especificamente requerido. É necessário também fornecer algum nível de redundância para problemas com a falha computacional do nó e escalonar centenas de trabalhos em milhares de nós. Deve também suportar os ganchos para a acumulação de máquinas múltiplas em locais diferentes. 3

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte

Redes de Computadores. Camada de Transporte Redes de Computadores Camada de Transporte Objetivo! Apresentar as características da camada de transporte da arquitetura TCP/IP! Apresentar os serviços fornecidos pela camada de transporte! Estudar os

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 5-1. A CAMADA DE TRANSPORTE Parte 1 Responsável pela movimentação de dados, de forma eficiente e confiável, entre processos em execução nos equipamentos conectados a uma rede de computadores, independentemente

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Camada de Transporte, protocolos TCP e UDP Conhecer o conceito da camada de transporte e seus principais protocolos: TCP e UDP. O principal objetivo da camada de transporte é oferecer um serviço confiável,

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Comunicação Inter-Processos Sockets e Portas Introdução Sistemas distribuídos consistem da comunicação entre processos

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Rede de Computadores

Rede de Computadores Escola de Ciências e Tecnologia UFRN Rede de Computadores Prof. Aquiles Burlamaqui Nélio Cacho Luiz Eduardo Eduardo Aranha ECT1103 INFORMÁTICA FUNDAMENTAL Manter o telefone celular sempre desligado/silencioso

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Redes de Computadores. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Redes de Computadores Prof. Dr. Rogério Galante Negri Rede É uma combinação de hardware e software Envia dados de um local para outro Hardware: transporta sinais Software: instruções que regem os serviços

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Introdução à Redes de Computadores

Introdução à Redes de Computadores Introdução à Redes de Computadores 1 Agenda Camada 4 do modelo OSI 2 1 Camada 4 do modelo OSI 3 Camada 4 - Transporte O termo "qualidade de serviço" é freqüentemente usado para descrever a finalidade da

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP

Camada de Transporte. Protocolos TCP e UDP Camada de Transporte Protocolos TCP e UDP Protocolo UDP Protocolo de transporte da Internet sem gorduras Serviço best effort, segmentos UDP podem ser: perdidos entregues fora de ordem para a aplicação

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB. Principais Protocolos na Internet Aula 2. Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Principais Protocolos na Internet Aula 2 Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Compreender os conceitos básicos de protocolo. Definir as funcionalidades dos principais protocolos de Internet.

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais

Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação

Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação Universidade do Sul de Santa Catarina Camada de Transporte TCP/IP e Aplicação 1 Camada de Transporte Os serviços de transporte incluem os seguintes serviços básicos: Segmentação de dados de aplicações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PROJETO DE GRADUAÇÃO OZIANDER PAULA NUNES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PROJETO DE GRADUAÇÃO OZIANDER PAULA NUNES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PROJETO DE GRADUAÇÃO OZIANDER PAULA NUNES AVALIAÇÃO DE UM PROTOCOLO LEVE NO CLUSTER DE COMPUTADORES DO DI/UFES VITÓRIA

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Processos- Clientes, Servidores, Migração Capítulo 3 Agenda Clientes Interfaces de usuário em rede Sistema X Window Software do lado cliente para

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES O QUE É PROTOCOLO? Na comunicação de dados e na interligação em rede, protocolo é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas. Sem protocolos, uma rede

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE INTRODUÇÃO (KUROSE) A Camada de Rede é uma peça central da arquitetura de rede em camadas A sua função é a de fornecer serviços de comunicação diretamente aos processos

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP

Redes de Computadores. Protocolos de comunicação: TCP, UDP Redes de Computadores Protocolos de comunicação: TCP, UDP Introdução ao TCP/IP Transmission Control Protocol/ Internet Protocol (TCP/IP) é um conjunto de protocolos de comunicação utilizados para a troca

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Camada de Transporte

Camada de Transporte Camada de Transporte Conceitos Básicos Redes de Computadores A. S. Tanenbaum Mário Meireles Teixeira. UFMA-DEINF Protocolos Protocolo: Conjunto de regras e formatos usados para comunicação entre entidades,

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Questionário de RC Nota3

Questionário de RC Nota3 Questionário de RC Nota3 Entrega: Individual e escrita à mão. Data de entrega: 30/10. Em todas as questões deverão constar o desenvolvimento da sua resposta, caso contrário a questão será desconsiderada.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto

Computadores Digitais 2. Prof. Rodrigo de Souza Couto Computadores Digitais 2 Linguagens de Programação DEL-Poli/UFRJ Prof. Miguel Campista ATENÇÃO Esta apresentação foi retirada e adaptada dos seguintes trabalhos: Notas de aula do Prof. Miguel Campista da

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP

Programação TCP/IP. Protocolos TCP e UDP Programação TCP/IP Protocolos TCP e UDP Tecnologia em Redes de Computadores Unicesp Campus I Prof. Roberto Leal Visão Geral da Camada de Transporte 2 1 Protocolo TCP Transmission Control Protocol Protocolo

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Segundo Bimestre Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Segundo Bimestre Exercicio 1: Considere a seguinte configuração de rede estruturada em VLANs 220.0.0.2/24 C VLAN 2 B VLAN 1 A VLAN 1 VLAN 1,2,3

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Internet G G G Introdução Protocolo: Conjunto de regras que determinam como o hardware e o software de uma rede devem interagir para

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP. Prof. MSc. Hugo Souza

Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP. Prof. MSc. Hugo Souza Redes de Computadores Modelo de referência TCP/IP Prof. MSc. Hugo Souza É uma pilha de protocolos de comunicação formulada em passos sequenciais de acordo com os serviços subsequentes das camadas pela

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Conteúdo 1 Topologia de Redes 5 Escalas 5 Topologia em LAN s e MAN s 6 Topologia em WAN s 6 2 Meio Físico 7 Cabo Coaxial 7 Par Trançado 7 Fibra Óptica 7 Conectores 8 Conector RJ45 ( Par trançado ) 9 Conectores

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais