PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DISCURSIVA CONCURSO PÚBLICO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS (TRE/MG)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PADRÃO DE RESPOSTA PROVA DISCURSIVA CONCURSO PÚBLICO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE MINAS GERAIS (TRE/MG)"

Transcrição

1 CARGO: ANALISTA JUDICIÁRIO ANÁLISE DE SISTEMAS O canddato deverá apresentar, em seu texto, as seguntes nformações: a forma de ncar o Remote Desktop Connecton (Conexão do Desktop Remoto); como sera feta a conexão; em que porta a conexão se dará (porta 3389); o tpo de lcença que será utlzada; e, os recursos apresentados. Fonte: BATTISTI, J.; SANTANA, F. Wndows Server 2008 Gua de estudos completo: mplementação, admnstração e certfcação. Ro de Janero: Novaterra, Espera-se que o canddato apresente as seguntes nformações: a) A forma de ncar o Remote Desktop Connecton (Conexão do Desktop Remoto). Valor: 1 ponto O canddato deverá menconar as duas formas de se ncar o Remote Desktop Connecton; para ncar o Remote Desktop Connecton, podem ser utlzadas duas formas. Utlzando o comando mstsc, na aba Executar do Wndows, será mostrada uma tela do RDC (Remote Desktop Clent Clente de Desktop Remoto). A outra forma é: Incar Todos os programas Acessóros Conexão da Área de Trabalho Remota. b) Como sera feta a conexão. Valor: 1 ponto O canddato deverá ctar essa opção, para acessar o servdor ou as máqunas da rede, remotamente. Para que a conexão ou o acesso remoto possa ser realzado, deve-se ncalmente habltar o Remote Desktop no servdor. Devese utlzar o clente RDC (Remote Desktop Clent Clente de Desktop Remoto) para que a conexão remota seja estabelecda. c) Em que porta a conexão se dará (porta 3389). Valor: 1 ponto O canddato deverá ctar a porta utlzada pelo Termnal Server. A porta utlzada é a 3389 d) Tpo de lcença utlzada. Valor: 1 ponto Os dos tpos de lcença que o canddato deverá menconar são Per-user (Por usuáro): Per-devce (Por dspostvo): e) Recursos apresentados. Valor: 2 pontos Espera-se que o canddato dsserte sobre os componentes utlzados para exercer os trabalhos, nclusve uma breve explcação sobre os tpos de lcença usados. O Remote Desktop permte admnstrar servdores e estações de trabalhos remotamente, sem a necessdade de estar fscamente ao lado do servdor ou estação de trabalho. É um recurso extremamente útl para os admnstradores de rede e analstas de suporte, pos exclu, na maora dos casos, a necessdade de se deslocar para resolução de problemas smples. O canddato deve menconar os seguntes recursos, ou alguns deles, dependendo do conteúdo da resposta: Instalação dos seguntes componentes: Termnal Server (deve ser ctado) Lcencamento do TS (deve ser ctado) Per-user (Por usuáro): esse tpo de lcença é váldo somente para um usuáro específco e será valdado futuramente através do GUID da conta do usuáro. Per-devce (Por dspostvo): esse tpo de lcença é váldo somente para um computador específco e será valdado futuramente através do GUID da conta do usuáro.

2 Um detalhe que deverá ser nformado é que todos os usuáros que desejarem se conectar com o termnal server de forma remota deverão possur uma lcença válda. As seguntes conexões se relaconam a esse detalhe: utlzação do RDP, RDP sobre HTTPS ou qualquer outro protocolo de tercero. Agente de Sessão TS (opconalmente poderá ser meconado) Gateway TS (opconalmente poderá ser ctado) TS Web Access (opconalmente poderá ser ctado). Esse tem deve ser menconado, caso o canddato opte em ctar o acesso ao Termnal Server va Web, que é uma opção muto vável para as empresas, atualmente.

3 CARGO: ANALISTA JUDICIÁRIO ADMINISTRATIVA Entendendo o Accountablty (texto de Paludo, 2010): Embora de orgem remota, o termo Accountablty veo para fcar a partr da tercera onda de democratzação dos anos 80/90. Um objetvo dos regmes democrátcos é aumentar a responsablzação (accountablty) dos governantes. Os polítcos devem estar permanentemente prestando contas aos cdadãos. Quanto mas clara for a responsabldade do polítco perante os cdadãos, e a cobrança destes em relação ao governante, mas democrátco será o regme (Caderno Mare 01). A utlzação de recursos públcos e a prestação de contas sempre foram objeto de debate e preocupação, haja vsta os constantes e contínuos desvos e má aplcação desses recursos, alados à falta de penalzação das autordades responsáves pela sua destnação. Como solução, busca-se não só fortalecer os controles, mas também despertar a conscênca da correta utlzação dos recursos e da necessdade de prestação de contas transparentes. O controle socal também exerce mportante papel neste contexto. A noção de accountablty encontra-se relaconada com o uso do poder e dos recursos públcos, em que o ttular da cosa públca é o cdadão, e não os polítcos eletos. Nas experêncas de accountablty quase sempre estão presentes 3 dmensões: nformação, justfcação e punção. Essas dmensões podem ser vstas como dferentes modos para se evtar e corrgr abusos cometdos por governos, polítcos e gestores públcos, obrgando que seu exercíco seja transparente; obrgando que os atos pratcados sejam justfcados; e sujetando o poder à ameaça de sofrer sanções. (Schleder, apud Ana Mota, 2006) O conceto de accountablty pressupõe duas partes: uma que delega a responsabldade e a outra que é responsável por gerr os recursos. Concomtantemente, cra-se a obrgação de prestação de contas por parte de quem admnstra os recursos, que deverá demonstrar, através dos resultados obtdos, o bom uso desses recursos. Accountablty pode ser entenddo como a capacdade do sstema polítco de prestar contas de suas promessas aos cdadãos. Em audtora, accountablty é a obrgação de responder por uma responsabldade outorgada. Isso nclu o lado que delega responsabldade e o lado que presta contas pelos recursos utlzados. Ana Mota (2006) entende que accountablty consste na relação obrgaconal que determna que quem recebeu um múnus de alguém deve prestar esclarecmentos de seus atos, motvando-os, e, se apurada alguma rregulardade, estará sujeto a sanção. Refere-se à contrapartda do poder de tomar decsões e de utlzar recursos públcos, refere-se à prestação de contas. Mas não resde somente no fato da prestação de contas, mas no fato de responsablzar-se pela correta utlzação dos recursos, para que atendam às necessdades públcas e, ao mesmo tempo, respetem as normas legas aplcáves. Há um lado de responsablzação pessoal nesse conceto, por sso, quanto mas pulverzada a decsão e a aplcação dos recursos mas dfícl será o accountablty. (Herman Bakvs e Luc Jullet, 2004) Atenção: Accountablty nclu a obrgação de prestar contas, mas a responsablzação pelos atos e resultados decorrentes da utlzação dos recursos. Outro termo utlzado nesse contexto é a responsvdade, em que os governantes responsvos obedecem aos desejos ou determnações dos cdadãos (o que os levara a adotar polítcas para atender esses desejos). Os governos são responsvos quando promovem os nteresses dos cdadãos, adotando polítcas escolhdas pelos cdadãos. (Wagner Araújo e Marco Gomes, 2006) A responsvdade não é um termo autônomo, ela vncula-se ao termo accountablty, como um de seus elementos, assm como a responsabldade. Segundo Lamartne Braga et al (2008), o governo responsvo executa felmente as polítcas do da a da; satsfaz as necessdades dos grupos de clentes; comunca-se e toma conselhos; usa polítcas atuas que satsfazem as necessdades dos cdadãos envolvdos.

4 Num ambente democrátco há um forte aspecto polítco no accountablty. Para Adam Przeworsk (1996), há accountablty nos governos quando os cdadãos têm possbldade de dscernr aqueles que agem em seu benefíco, e, assm, são capazes de lhes conceder aprovação e/ou lhes mpor sanções, de forma que os governantes que atuam em prol do benefíco dos cdadãos sejam reeletos, e os que não o fazem sejam derrotados. Na lteratura há menção a 3 tpos de accountablty: o horzontal e o vertcal estabelecdos por Gullermo O Donnel e o socetal. O accountablty horzontal ocorre através da mútua fscalzação e controle exstente entre os poderes (os freos e contrapesos), ou entre os órgãos, por meo dos Trbunas de Contas ou Controladoras Geras e agêncas fscalzadoras pressupõe uma ação entre guas ou autônomos. Esse accountablty refere-se a transparênca das ações da gestão públca em relação aos agentes que podem fscalzá-las e pun-las. (Marcelo Amaral, 2007) O accountablty horzontal pressupõe que exstam órgãos própros de Estado detentores de poder e capacdade, legal e de fato, para realzar ações, tanto de montoramento de rotna quanto de mposção de sanções crmnas ou de mpeachment, em relação a ações ou omssões legas exercdas por outros órgãos ou agentes do Estado. (O Donnel, apud Ana Mota, 2006) Atenção: A ação entre guas ocorre entre os poderes (freos e contrapesos) e a ação entre autônomos se dá medante as agêncas e órgãos (dos poderes ou ndependentes). São mecansmos/nstrumentos de exercíco do accountablty horzontal: o sstema de freos e contrapesos estabelecdos na consttução; a atuação do Mnstéro Públco; os Trbunas de Contas, as Controladoras Geras e Agêncas Fscalzadoras; as Ouvdoras Públcas; os Partdos Polítcos. Há autores que também ncluem a mprensa em geral. O accountablty vertcal ocorre quando os cdadãos controlam os polítcos e governos através de plebscto, referendo e voto, ou medante o exercíco do controle socal pressupõe uma ação entre desguas. O accountablty vertcal refere-se à transparênca das gestões em relação aos eletores que podem assm fscalzá-las e pun-las, prncpalmente através do voto em eleções lvres e justas. (Marcelo Amaral, 2007) Na teora da relação agente-prncpal, os cdadãos são o prncpal e os governos e polítcos são o agente. O accountablty vertcal tem caráter polítco e pode ser consderado um mecansmo de soberana popular, ncdndo sobre os atos dos polítcos e demas agentes públcos. Os prncpas mecansmos/nstrumentos são o voto e a ação popular. Para O Donnel apud Ana Mota (2006) accountablty vertcal são os mecansmos nsttuconas que possbltam ao cdadão e à socedade cvl exgr a prestação de contas pelos agentes públcos, sendo as eleções lvres e justas, o prncpal. Atenção: Os prncpas mecansmos de accountablty vertcal são o voto e a ação popular. O tercero tpo é o accountablty socal (ou socetal), que não está lgado ao cdadão e ao voto, mas, sm, às dversas entdades socas, como assocações, sndcatos, ONG s, mída etc., que nvestgam e denuncam abusos cometdos e cobram responsablzação. Segundo Smulovtz e Peruzzott (2000) o accountablty socal é um mecansmo de controle não eletoral, que utlza ferramentas nsttuconas e não nsttuconas, e envolve múltplas assocações, movmentos ou mída, com vstas a expor erros e falhas do governo, nclur novas questões na agenda públca ou nfluencar as decsões polítcas. É uma espéce de controle socal realzado pela socedade cvl, que procura alcançar também os burocratas gestores, e não somente polítcos ou governos. São característcas dessas entdades a grande dferença (assmetra) de recursos e a ausênca de mandato legal para o exercíco de accountablty. O accountablty socetal é ncapaz de aplcar sanções contra os agentes públcos em casos de transgressões, pos não possu competênca/poder legal para sso; e pressupõe a exstênca de lberdade de expressão para denuncar os erros/falhas dos governos e gestores públcos. Segundo Lus Mguel (2005), suas advertêncas e denúncas ganham efetvdade apenas quando sensblzam alguma nsttução de controle: o Mnstéro Públco, o Trbunal de Contas ou o eletorado. Atenção: O accountablty socetal é capaz de alcançar também os gestores públcos.

5 Accountablty no Brasl: O processo de construção do accountablty é lento, e depende em grande parte de cobrança pela população. Queremos dzer que a accountablty é um processo em construção na socedade braslera, e não dá para esperar da note para o da uma mudança radcal nos processos e na cultura polítca. (José Pnho, 2008) Falta maor conscênca e organzação por parte da socedade e dos cdadãos. Segundo Ana Campos (1990), somente a partr da organzação de cdadãos vglantes e conscentes de seus dretos haverá condção para a accountablty. Não haverá tal condção enquanto o povo se defnr como tutelado e o Estado como tutor. Os autores consderam que no Brasl exste uma stuação de fraca accountablty. O resultado vem de uma baxa pressão por transparênca e prestação de contas pela socedade, alado ao nsulamento dos governos em relação à socedade cvl. Atenção: No Brasl exste uma stuação de fraca accountablty. Sodré (2002) afrma que A LRF cra normas que (I) melhoram a efcáca dos nstrumentos orçamentáros, como a Le de Dretrzes Orçamentáras (LDO) e a Le Orçamentára Anual (LOA), que são mecansmos de planejamento da Admnstração Públca; (II) nsttuem mecansmos para o controle do défct públco e da dívda consoldada do setor públco; e, (III) aprmoram a transparênca da gestão dos recursos públcos [...]. (Ctação de Paglasur e Lopes) Mecansmos de controles: Horzontal (ação entre guas): ocorre através da mútua fscalzação e controle exstente entre os poderes, chamado de sstema de freos e contrapesos, ou entre os órgãos, por meo dos Trbunas de Contas ou Controladoras Geras e agêncas fscalzadoras pressupõe uma ação entre guas ou autônomos. Esse accountablty refere-se à transparênca das ações da gestão públca em relação aos agentes que podem fscalzá-las e pun-las (Marcelo Amaral, 2007). O accountablty horzontal pressupõe que exstam órgãos própros de Estado detentores de poder e capacdade, legal e de fato, para realzar ações, tanto de montoramento de rotna quanto de mposção de sanções crmnas ou de mpeachment, em relação a ações ou omssões legas exercdas por outros órgãos ou agentes do Estado (O donel, apud Ana Mota, 2006). São nstrumentos do exercíco de accountablty: atuação do Mnstéro Públco, Trbunas de Contas, Controladoras geras, agêncas fscalzadoras, ouvdoras públcas, partdos polítcos e mprensa em geral. Embora a stuação geral no Brasl seja de fraca accountablty, cabe destacar os nvestmentos macços em tecnologa da nformação realzados pelo governo federal, a enorme quantdade de nformações dsponblzadas nos portas públcos e Les como a de Responsabldade Fscal. Valor: 2 pontos Vertcal (ação entre desguas): ocorre quando os cdadãos controlam os polítcos e governos através de plebscto, referendo e voto, ou medante o exercíco do controle socal exercdo pelos cdadãos através do voto e da ação popular. Refere-se à transparênca das gestões em relação aos eletores que podem assm fscalzá-las e pun-las, prncpalmente através do voto em eleções lvres e justas (Marcelo Amaral, 2007). O accountablty vertcal tem caráter polítco e pode ser consderado um mecansmo de soberana popular, ncdndo sobre os atos dos polítcos e demas agentes públcos. Para O donel apud Ana Mota (2006) accountablty vertcal são os mecansmos nsttuconas que possbltam ao cdadão e à socedade cvl exgr a prestação de contas pelos agentes públcos, sendo as eleções lvres e justas o prncpal. Os prncpas mecansmos de accountablty vertcal são o voto e a ação popular. Valor: 2 pontos Socal ou Socetal: não está lgado ao cdadão e ao voto, mas lgado às dversas entdades socas como assocações, sndcatos, ONG s, mída etc, que nvestgam e denuncam abusos cometdos e cobram responsablzação. Segundo Smulovtz e Peruzzott (2000), o accountablty socal é um mecansmo de controle não eletoral, que utlza ferramentas nsttuconas e não nsttuconas, e envolve múltplas assocações, movmentos ou mída, com vstas a expor erros e falhas do governo, nclur novas questões na agenda públca ou nfluencar as decsões polítcas.

6 É ncapaz de aplcar sanções contra os agentes públcos em casos de transgressões, pos não possu competênca/poder legal para sso; e pressupõe a exstênca de lberdade de expressão para denuncar os erros/falhas dos governos e gestores públcos. Segundo Lus Mguel (2005) suas advertêncas e denúncas ganham efetvdade apenas quando sensblzam alguma nsttução de controle: o Mnstéro Públco, o Trbunal de Contas, ou o eletorado. Valor: 1 ponto Fontes: PALUDO, Augustnho Vcente. Orçamento Públco e Admnstração Fnancera e Orçamentára e LRF. 2ª Ed. Ro de Janero: Campus, Jan/ Admnstração Públca. Ro de Janero: Campus, Mao/2010. PAGLIASURI, Marcelo; LOPES, Venna. Le de Responsabldade Fscal e Efcáca dos Instrumentos Orçamentáros: um estudo exploratóro na Prefetura de Vtóra. Congresso USP. FIPECAFI. Dsponível em: ROCHA, Arlndo Carvalho. Accountablty na Admnstração Públca Modelos Teórcos e Abordagens. Revsta Contabldade, Gestão e Governança ISSN

7 CARGO: ANALISTA JUDICIÁRIO ESTATÍSTICA A) Apresentar o modelo para a proporção em função da classfcação da localdade onde está stuada a seção eletoral quanto à oferta de servços públcos e a proporção de eletores da seção que se declaram como profssonal autônomo. Valor: 3 pontos Deseja-se modelar a proporção Y, = 1,2,..., n: Y = X / E E Y = [ ] E[ X ] / E Assumndo X ~ Posson (μ ), temos E = µ / E [ Y ] Modelo: In ( E [ ]) = β + β + β Z + β (W Z ) Y 0 1W β1w + β2z + 12 (W Z In ( µ / E ) = β β ) In µ ) = In( E ) + β + β W + β Z + (W Z ), =1,2,..., n ( β12 ou, alternatvamente: µ = E. e β + β W + β Z + β ( W Z ), = 1,2,..., n B) Apresentar cada componente do modelo demonstrado anterormente (componente aleatóro, componente sstemátco e função de lgação) e justfcar suas escolhas. Valor: 3 pontos Componente aleatóro: varável resposta X, número de eletores da seção que se voluntarou para a função de mesáro. X tem dstrbução de probabldade de Posson com méda µ. Componente sstemátco (predtor lnear): ln ( E ): termo de offset do modelo; β 0 : ntercepto do predtor lnear; β 1 : coefcente assocado ao tpo de área na qual está localzada a seção eletoral (área carente ou não); β 2 : coefcente assocado à proporção de eletores da seção eletoral que se declaram como profssonal autônomo ; β 12 : coefcente assocado ao termo de nteração entre as duas varáves explcatvas do modelo. Função de lgação: função de lgação logarítmca (logartmo neperano).

8 C) Justfcatva para a escolha do componente sstemátco: Como os analstas acredtam que as varáves W e Z, defndas no enuncado, nfluencam a varável resposta, é natural que elas façam parte do predtor lnear (componente sstemátco) do modelo. A nclusão do termo de nteração justfca-se por causa da suspeta de que a nfluênca do percentual de eletores que se declaram como profssonal autônomo na proporção de eletores voluntáros de uma seção seja dferente nas seções localzadas em áreas carentes de servços públcos em relação às áreas não carentes, o que sgnfca que pode haver nteração entre as varáves W e Z. A nclusão do termo de offset, ln ( E ), justfca-se pelo fato de que as seções eletoras podem possur populações de eletores de tamanhos dferentes e o tamanho da população de uma seção afeta o seu número médo µ de eletores voluntáros. Justfcatva para a escolha do componente aleatóro: os dados dsponíves estão na forma de contagem, X, em uma regão do espaço (seção eletoral). O modelo probablístco natural para este tpo de varável dscreta é modelo de Posson. Justfcatva para a escolha da função de lgação: sendo Y uma varável dervada de uma varável Posson, o modelo lnear generalzado mas aproprado para a sua méda utlza a função de lgação logarítmca (logartmo neperano), que é a função de lgação canônca no caso da dstrbução de Posson. Fontes: DOBSON, Annette J. (2002) An ntroducton to generalzed lnear models. 2nd ed. Boca Raton: Chapman & Hall/CRC, 225 p. ISBN JONG, Pet de; HELLER, Gllan Z. (2208) Generalzed lnear models for nsurance data. Cambrdge; New York: Cambrdge Unversty Press, 196 p. : (Internatonal seres on actuaral scence) ISBN

9 CARGO: ANALISTA JUDICIÁRIO JUDICIÁRIA A Consttução estabelece, no seu Art. 1º, V, os cnco fundamentos da Repúblca Federatva do Brasl: pluralsmo polítco; soberana; cdadana; dgndade da pessoa humana; e, valores socas do trabalho e da lvre ncatva. O pluralsmo polítco garante a coexstênca de váras opnões e deas com o respeto por cada uma delas. Como base do Estado Democrátco de Dreto, tal prncípo aponta o reconhecmento de que a socedade é formada por város grupos, portanto, composta pela multplcdade de város centros de poder em dferentes setores. O Estado Democrátco de Dreto, ao ser nsttuído pela Consttução, buscou assegurar o exercíco dos dretos socas e ndvduas, devendo o poder ser exercdo pelo povo através de representantes eletos, exercendo sua cdadana, consagrando, dessa manera, a partcpação de todos no processo polítco da Nação. Através da dea de pluralsmo polítco, busca-se assegurar a lberdade de expressão, manfestação e opnão, com respeto à pessoa humana e sua lberdade, garantndo-se a partcpação do povo na formação da democraca do país, através do exercíco da cdadana. No dreto eletoral, o prncípo do pluralsmo polítco, que não se confunde com o multpartdarsmo, garante a lberdade e a gualdade entre os canddatos. As pessoas têm, portanto, lberdade para expor suas deas, através da cração e flação em determnado partdo polítco, da canddatura, do dreto à reunão, à petção, ao acesso à justça, à canddatura, à propaganda eletoral. Além dsso, a legslação eletoral garante o tratamento gual entre os dversos canddatos, representantes de dferentes grupos que formam a socedade plural, respetadas as ressalvas legas. Dstrbução de valores Conceto de pluralsmo polítco Valor: 1 ponto Ctação dos demas fundamentos da Repúblca Valor: 1 ponto Lgação entre os fundamentos no Estado Democrátco de Dreto Valor: 1 ponto Pluralsmo polítco e lberdade Valor: 1 ponto Pluralsmo polítco e gualdade Valor: 1 ponto Fontes: TRINDADE, Fernando. Fnancamento eletoral e pluralsmo polítco. Dsponível em: GOMES, José Jaro. Dreto eletoral. 8ª Ed. São Paulo: Atlas, 2012.

10 CARGO: ANALISTA JUDICIÁRIO MEDICINA (CLÍNICA MÉDICA) A estratfcação de sntomas pela classe funconal, e pela progressão da nsufcênca cardíaca permte uma compreensão evolutva da doença e, anda, serve de base para a dentfcação de pacentes com ndcação de ntervenções predomnantemente preventvas, terapêutca ou seleção de pacentes para procedmentos especalzados e cudados palatvos. As classes de estratfcação de sntomas pela classe funconal da nsufcênca cardíaca são: (valor: 2 pontos) 1. Classe I ausênca de sntomas (dspnea) durante atvdades cotdanas. A lmtação para esforços é semelhante à esperada em ndvíduos normas; 2. Classe II sntomas desencadeados por atvdades cotdanas; 3. Classe III sntomas desencadeados em atvdades menos ntensas que as cotdanas ou pequenos esforços; 4. Classe IV sntomas em repouso. A classfcação da nsufcênca cardíaca baseada na progressão da doença é: (valor: 2 pontos) 1. Estágo A nclu pacentes sob rsco de desenvolver nsufcênca cardíaca, mas anda sem doença estrutural perceptível e sem sntomas atrbuíves à nsufcênca cardíaca; 2. Estágo B pacentes que adqurram lesão estrutural cardíaca, mas anda sem sntomas atrbuíves à nsufcênca cardíaca. 3. Estágo C pacentes com lesão estrutural cardíaca e sntomas atuas ou pregressos de nsufcênca cardíaca; 4. Estágo D pacentes com sntomas refratáros ao tratamento convenconal, e que requerem ntervenções especalzadas ou cudados palatvos. De acordo com o posto laboral deve-se avalar as condções de saúde do trabalhador para determnadas funções e/ou ambentes, ndcando sua alocação para trabalho compatível com suas condções de saúde, orentando-o, se necessáro, no processo de adaptação. Deve-se verfcar a possbldade de adaptação ao novo posto laboral e avalar se a atvdade de servente de obras, caso não se adapte em outro posto, traga agravo a doença atual, deverá ser afastado por 15 das. Retornar no 16º da para uma nova avalação, com parecer do médco assstente. Caso mantenha-se napto para a função, encamnhamento para o auxílo doença no INSS. (valor: 2 pontos) Fontes: III Dretrz de Insufcênca Cardíaca. Atualzação da Dretrz Braslera de Insufcênca Cardíaca Crônca 2012.

11 CARGO: ANALISTA JUDICIÁRIO MEDICINA (MEDICINA DO TRABALHO) A NR 7 tem como objetvo a promoção e a preservação da saúde do conjunto de seus trabalhadores, realzando rastreamento e dagnóstco precoce aos agravos à saúde relaconados ao trabalho. (valor: 2 pontos) O PCMSO Programa de Controle Médco de Saúde Ocupaconal deverá consderar as questões ncdentes sobre o ndvíduo e a coletvdade do trabalhador, tendo como nstrumento o conhecmento clínco epdemológco na abordagem da relação entre sua saúde e o trabalho, além da prevenção, rastreamento e dagnóstco precoces dos agravos à saúde relaconados ao trabalho, de natureza subclínca e da exstênca de casos de doenças profssonas. Consdere que o PCMSO deverá ser planejado e mplantado com base nos rscos à saúde dos trabalhadores, prncpalmente nos dentfcados através das avalações prevstas nas demas NR s. (valor: 1 ponto) Caberá, no caso exposto, ao Analsta Judcáro Medcna (Medcna do Trabalho) correlaconar a avalação clínca epdemológca da pacente com seu posto de trabalho. Deverá realzar uma anamnese acurada, correlaconando à sua atvdade laboral e, também, possíves atvdades fora do ambente ocupaconal, além de exame físco e solctações de exames complementares e pareceres que o auxlem no racocíno epdemológco e dagnóstco do caso. Identfcar possíves alterações pscológcas que nterfram em seu quadro clínco e que, ao retornar ao trabalho, tenham possbldade de agravo. (valor: 1 ponto) No caso exposto, é necessáro fazer um dagnóstco dferencal com doenças reumatológcas, cervcobraqualga e fbromalga, solctando parecer do médco assstente especalsta; dagnostcar snas e sntomas de depressão ou outra patologa psquátrca que agrave o quadro clínco; solctar exames complementares, mesmo os que não sejam obrgatóros pela função, para complementar dagnóstco e correlaconar o estudo que embasa o relatóro PCMSO (valor: 1 ponto), a fm de determnar um possível nexo causal para doença ocupaconal e, com sso, possível emssão de CAT Comuncação de Acdente de Trabalho. Através do relatóro PCMSO e da avalação clínca da pacente será determnada a conduta a ser tomada. Como se trata de exame de retorno ao trabalho, deve-se consderar as seguntes possbldades: aptdão para o retorno do trabalho; mudança de função, se há esta possbldade na empresa (base nas nformações do PCMSO); naptdão com reencamnhamento à Prevdênca Socal para estabelecer o nexo causal, avalação de ncapacdade; e, possbldade de ser encamnhada ao Programa de Reabltação Profssonal do INSS. (valor: 1 ponto)

12 CARGO: ANALISTA JUDICIÁRIO MEDICINA (PSIQUIATRIA) A percada apresenta quadro de produção delberada ou smulação de sntomas, ou de ncapacdades, físcas ou pscológcas (transtorno fctíco) CID 10: F 68. O transtorno fctíco caracterza-se por pacentes ntenconalmente produzrem snas e sntomas de transtornos mentas e apresentarem de forma enganosa suas hstóras e sntomas. O únco objetvo aparente do comportamento consste em assumr o papel de pacente. Os transtornos têm uma qualdade compulsva, mas os comportamentos são consderados voluntáros no sentdo de serem delberados e drgdos a um fm, mesmo que não possam ser controlados. No caso da percanda, os snas apresentados são: produção ntenconal, motvação para seu comportamento. O quadro de smulação consste em assumr o papel de enferma e ncentvo externo para o comportamento, em seu caso vantagens econômcas e esquvas em assumr responsabldades no trabalho. Segundo o DSMIV, no quadro de smulação, há combnações dos seguntes fatores: acentuada dscrepânca entre o sofrmento e/ou a defcênca apontados pela pacente e os achados objetvos; falta de cooperação durante avalação dagnóstca e de aderênca ao regme de tratamento prescrto; presença de transtorno de personaldade antssocal; percado encamnhado pela Empresa para o INSS, após os prmeros 15 das de afastamento do trabalho. Dstrbução de valores Sntomas mentas apresentados de forma errátca Valor: 2 pontos Negação de qualquer outro dstúrbo psquátrco reconhecdo centfcamente Valor: 2 pontos Característcas da smulação Valor: 2 pontos Fontes: CID 10 / Classfcação Estatístca Internaconal de Doenças e Problemas Relaconados com a Saúde. DSM IV / Manual Dagnóstco e Estatístco de Transtornos Mentas 4ª Ed., Texto Revsado.

13 CARGO: ANALISTA JUDICIÁRIO ODONTOLOGIA Dagnóstco para a dor na gengva: devdo às característcas clíncas apresentadas (nversão de paplas na face vestbular dos ncsvos nferores, presença de membrana branco-amarelada e haltose ntensa), confgura-se um quadro de gengvte ulceratva necrosante aguda GUNA ou gengvte ulceratva necrosante GUN. Fonte: Lndhe J, Lang NP, Karrng T. Tratado de perodonta clínca e Implantologa oral. 5ª Ed. Ro de Janero, Guanabara Koogan, 2010, págna 440. Valor: 1 ponto Procedmentos corretos para tratamento do quadro de dor desse pacente: na prmera consulta deve ser realzada uma raspagem, tão completa quanto às condções permtrem. Pode ser utlzada a raspagem com ultrassom ou até mesmo a remoção da membrana branco-amarelada com uma bolnha de algodão embebda em solução de clorexdna a 0,12%, solução de clorexdna a 0,2%, ou peróxdo de hdrogêno 3%, ou soro fsológco. Podem ser utlzados bochechos com partes guas de peróxdo de hdrogêno 3% e água morna. Bochechos de 12 em 12 horas com solução de clorexdna a 0,12% ou 0,2% podem ser utlzados como tratamento únco ou adjunto. No caso em questão não há necessdade de prescrção de antbótco, tendo em vsta que o pacente apresenta-se sem febre e sem snas de envolvmento sstêmco. Fonte: Lndhe J, Lang NP, Karrng T. Tratado de perodonta clínca e Implantologa oral. 5ª Ed. Ro de Janero, Guanabara Koogan, 2010, págnas 450 e 451. Valor: 2 pontos Plano de tratamento para as outras necessdades apresentadas pelo pacente: Tratamento endodôntco do dente 35 (necropulpectoma). Fonte: Estrela C. Cênca Endodôntca. São Paulo: Artes Médcas, 2004, volume 1. Restauração do dente 35 (podendo ou não ser proposta a cmentação de pno ou núcleo metálco funddo). Fonte: Conceção, E.N. et al. Dentístca: Saúde e Estétca. 2ª Ed. Porto Alegre: Artmed, Restauração dos dentes 24 e 25 com resna composta, ou onômero de vdro, ou amálgama. Fonte: Conceção, E.N. et al. Dentístca: Saúde e Estétca. 2ª Ed. Porto Alegre: Artmed, Valor: 3 pontos

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza Processos partcpatvos na estratéga para a redução da pobreza Conteúdo J. Edgerton, K. McClean, C. Robb, P. Shah e S. Tkare Resumo 1. Introdução 1.1 Defnções 1.2 Que são abordagens partcpatvas? 1.3 Fundamento

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados Audênca Públca Comssão de Cênca e Tecnologa, Comuncação e Informátca Câmara dos Deputados Superntendente de Servços Prvados Brasíla, 11 de julho de 2007 AGENDA 1 2 3 4 DEFINIÇÕES DA LGT REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 7 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR Cesar Augusto Taconel Curtba-PR . INTRODUÇÃO Taconel, C.A. Análse de Regressão Lnear Ao se tratar da relação

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS 1. Introdução A busca de uma base concetual para a obtenção de meddas de bem-estar

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 0101-7438 / versão onlne ISSN 1678-5142 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO

REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL. Normas Regulamentares PREÂMBULO REGULAMENTO GERAL DOS CICLOS DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE DA FCT- UNL Normas Regulamentares PREÂMBULO O regulamento geral dos cclos de estudos conducentes ao grau de Mestre da FCT-UNL organza,

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c Marcos hstórcos: 1993 1996 2004 Objetvo da Pastoral da Pessoa Idosa A Pastoral da Pessoa Idosa tem por

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

TRANSPLANTES RENAIS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM DA TEORIA DA AGÊNCIA

TRANSPLANTES RENAIS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM DA TEORIA DA AGÊNCIA TRANSPLANTES RENAIS NO BRASIL: UMA ABORDAGEM DA TEORIA DA AGÊNCIA RESUMO Cássa Kely Favoretto Costa (CESUMAR) Gácomo Balbnotto Neto (PPGE/UFRGS). Lucano Menezes Bezerra Sampao (UFRN) O objetvo deste estudo

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

RAE-eletrônica ISSN: 1676-5648 rae@fgv.br. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Brasil

RAE-eletrônica ISSN: 1676-5648 rae@fgv.br. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Brasil RAE-eletrônca ISSN: 676-5648 rae@fgv.br Escola de Admnstração de Empresas de São Paulo Brasl Gumarães, Ináco Andrusk; Chaves Neto, Anselmo RECONHECIMENTO DE PADRÕES: METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS EM CRÉDITO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências Governança Corporatva e Estrutura de Propredade no Brasl: Causas e Conseqüêncas Anaméla Borges Tannús Dam (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Pablo Rogers (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Kárem

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL 1 UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL Área 4 - Desenvolvmento, Pobreza e Eqüdade Patríca Ullmann Palermo (Doutoranda PPGE/UFRGS) Marcelo Savno Portugal (Professor do PPGE/UFRGS)

Leia mais

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo Resumo Desempenho dos mcroempreendedores no Brasl Adrana Fontes 1 Valéra Pero 2 Os mcroempreendedores formam um grupo muto heterogêneo no Brasl, mas sobre-representados na pobreza. Este artgo examna, com

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

Apresentação Adelmir Araújo Santana

Apresentação Adelmir Araújo Santana A étca, como morada humana, não é algo pronto e construído de uma só vez. O ser humano está sempre tornando habtável a casa que construu para s. Étco sgnfca, portanto, tudo aqulo que ajuda a tornar melhor

Leia mais

Goal Programming como Ferramenta de Gestão

Goal Programming como Ferramenta de Gestão Resumo Goal Programmng como Ferramenta de Gestão Dmtr Pnhero SANTANNA Fláva Zóbol DALMÁCIO Lucene Laurett RANGEL Valcemro NOSSA O objetvo deste artgo é demonstrar como o gestor pode aplcar a técnca do

Leia mais

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica Empreendmentos de economa soldára e dscrmnação de gênero: uma abordagem econométrca Grazelle Isabele Crstna Slva Sucupra Marcelo José Braga RESUMO A realdade vvencada por mutas mulheres no mundo atual

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS resumo A partr da motvação de contrbur para a nvestgação

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ESTUDANTES DE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO DA UFRN: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ESTUDANTES DE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO DA UFRN: UMA ANÁLISE COMPARATIVA PERCEPÇÃO AMBIETAL DOS ESTUDATES DE EGEHARIA DA PRODUÇÃO DA UFR: UMA AÁLISE COMPARATIVA Rose M. P. R. de Macêdo 1, Sayonara S. Rocha 1, Esmeraldo M. dos Santos 1, Marcus A. F. Melo 1 e Sérgo M. Júnor 1

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais Estudo para Implementação de um Sstema de Roterzação e um Novo Centro de Dstrbução para uma Empresa de Água Mneral do Sul de Mnas Geras Ilton Curty Leal Junor ltoncurty@gmal.com UFF Dego de Olvera Pexoto

Leia mais

PPSS. Análise de Comportamentos para Função 27.05.2014. Este relatório é fornecido por:

PPSS. Análise de Comportamentos para Função 27.05.2014. Este relatório é fornecido por: PP Análse de omportamentos para Função Análse de omportamentos para Função Função: ontabldade argo: Gerente de contabldade epartamento: Operações Empresa: orporação TUV Referênca: Paula da lva.0.0 Este

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 13 n.4 Out/Dez 2008, 83-98 Mercado de Água e o Estado: Lções da Teora dos Jogos Francsco de Asss de Souza Flho Unversdade Federal do Ceará - UFC assssouzaflho@gmal.com

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Câmara Municipal d.~rio Claro

Câmara Municipal d.~rio Claro Câmara Muncpal d.~ro Claro Estado d e 5ão Pau o ~ ORDEM DO DA N 45/2014 Sessão Ordnára - 24J11/2014 1-2 8 Dscussão da PROPOSTA DE EMENDA À LE ORGÂNCA N 04/2014 - PREFETO MUNCPAL - Altera o artgo 139 da

Leia mais

Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), No. 1757

Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), No. 1757 econstor www.econstor.eu Der Open-Access-Publkatonsserver der ZBW Lebnz-Informatonszentrum Wrtschaft The Open Access Publcaton Server of the ZBW Lebnz Informaton Centre for Economcs Barbosa, Klêno Workng

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA *

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * 39 Danel A. Das ** Carlos Robalo Marques *** Fernando Martns **** Artgos Resumo Este artgo nvestga a forma

Leia mais