OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL CATALISADA POR ÓXIDOS DE FERRO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL CATALISADA POR ÓXIDOS DE FERRO"

Transcrição

1 OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL CATALISADA POR ÓXIDOS DE FERRO Wallyson Ribeiro Parente 1 ; Miguel de Araujo Medeiros 2. 1 Aluno do Curso de Ciências Biológicas; Campus de Porto Nacional; PIBIC/CNPq 2 Orientador do Curso de Ciências Biológicas; Campus de Porto Nacional; RESUMO Neste trabalho, foi estudada a reação de oligomerização do glicerol, catalisada por H 2 SO 4 e óxidos de ferro (magnetita e hematita). Para o sistema promovido por ácido, foi variada a concentração do catalisador, entre 1 e 5 %. Para acompanhar estas reações, foram realizadas medidas da variação da massa do sistema (devido à perda de moléculas de H 2 O) e viscosidade da solução. Já em relação à variação da viscosidade, pode-se perceber um acentuado aumento, alcançando mais de 150 vezes a viscosidade do glicerol. Em relação às reações promovidas por óxidos de ferro, foi verificado que a magnetita apresenta um potencial para a reação, ao contrário do que foi observado para a hematita, em concentrações de 5 mol% e 150 C. Os resultados indicaram o favorecimento da reação de oligomerização do glicerol, assim como a desidratação dos oligômeros, no entanto, ainda há um mecanismo de reação não compreendido, no sistema. As reações promovidas por óxidos de ferro foram caracterizadas por Espectrometria de Massas com Ionização por Electrospray. Palavras chave: glicerol; subproduto do biodiesel; polímeros. INTRODUÇÃO Atualmente, o glicerol derivado da indústria petroquímica (que apresenta alta pureza) é empregado na produção de cosméticos, fármacos, bronzeadores, aditivos alimentares e estabilizantes para PVC, aplicações que não são facilmente acessíveis para o glicerol derivado do biodiesel (que apresenta grau de pureza variável) [1]. Uma alternativa de transformação química, entre diversas descritas na literatura [2], para consumir parte desse glicerol derivado do biodiesel é a reação de polimerização (Esquema 2), pois os polímeros produzidos podem ter diferentes aplicações, tais como

2 substitutos de polióis, e.g. álcool polivinílico, aditivos para tintas, lubrificantes, aditivos para cimentos e matéria-prima para produção de poliuretanas e resinas de aplicações pouco nobres. Esquema 1. Polimerização do glicerol. Na reação de polimerização, as unidades de glicerol se condensam através dos grupos hidroxilas, formando éteres, que podem ter cadeias carbônicas de comprimento e complexidade variada. Vários trabalhos [2,3] descrevem a polimerização do glicerol para obter oligômeros (Esquema 1, 1 n 18), utilizando catalisadores homogêneos e heterogêneos. Nesses trabalhos, são apresentadas moléculas de cadeia curta e simples (di, tri, tetra, penta e hexaglicerol) como produto. No entanto, a polimerização para a formação de resinas termofixas derivadas da polimerização extensiva do glicerol (Esquema 1, n 19) foi pouco estudada até o momento. MATERIAL E MÉTODOS Glicerol P.A. (11 mmol), H 2 SO 4,Fe 3 O 4 e Fe 2 O 3 em concentrações variando entre 0,5 e 5 mol%, foram misturados em um reator de vidro de 200mL. O sistema foi aquecido a 150 C, por até 5 horas, mantido sob agitação constante. As reações foram acompanhadas através de medidas de viscosidade e perda de massa, devido à liberação de moléculas de H 2 O. Os produtos foram caracterizados por ESI(+)-MS Espectrometria de Massas com Ionização por Electrospray. RESULTADOS E DISCUSSÃO Neste trabalho foi investigada a natureza do catalisador (H 2 SO 4, Fe 3 O 4 e Fe 2 O 3 ), na oligomerização do glicerol. (i) H 2 SO 4

3 A oligomerização do glicerol foi realizada na presença de H 2 SO 4, em concentrações variando entre 0,5 e 5%, em até 3 horas. A polimerização do glicerol ocorre com liberação de grande quantidade de água, dessa forma, pode-se verificar o efeito da concentração do catalisador no andamento e no rendimento da reação. A partir da análise do gráfico apresentado na Figura 1, pode-se perceber que quantidades crescentes de catalisador influenciam positivamente na maior formação de H 2 O, pois os dados mostram que há um aumento significativo na formação de água, até 45 min, pois a curva apresenta comportamento linear. A partir desses resultados, podese calcular a constante de velocidade (k) da formação de água (Tabela 1), que é diretamente proporcional ao número de condensações de grupos OH. Ainda analisando a Figura 1, pode-se perceber que as concentrações (0,5; 1 e 3 mol%) de H 2 SO 4, no final de 240 min, levam a materiais semelhantes, pois a perda de água do sistema é de 47%. Entretanto, é importante perceber que os sistemas promovidos por 1 e 3% são mais ativos, desde o início da reação, pois promovem maior formação de H 2 O, em relação ao sistema com 0,5 mol% de catalisador (maior rapidez de formação de H 2 O, o que pode ser observado pelo valor da constante de velocidade k, que tem seu valor praticamente duplicado, Tabela 1). Ao comparar os dois sistemas (1 e 3% de H 2 SO 4 ), percebe-se maior atividade do sistema com 3 mol% de catalisador (maior valor de constante k), nos primeiros minutos de reação. Ao elevar a concentração de catalisador para 5%, nota-se um aumento da rapidez de polimerização do glicerol (condensações entre grupos OH), desde o início do processo (aumento da constante k para 0,8850 gh 2 O.min -1 ). Entretanto, é importante destacar que o aumento da polimerização não é tão representativo quanto o aumento da concentração do catalisador. Isso pode ser uma evidência do limite máximo da concentração do catalisador no meio reacional, que estaria próximo a 3%. A polimerização catalítica do glicerol provoca um aumento considerável na viscosidade relativa da solução (viscosidade dos produtos/viscosidade do glicerol), nos primeiros 60 min de reação, para todos os sistemas, exceto o com 0,5% de H 2 SO 4 (Figura 2). A análise das curvas apresentadas na Figura 2 indica um aumento expressivo da viscosidade relativa do sistema, ao variar a concentração de H 2 SO 4, de 0,5 a 5%.

4 Tabela 1. Constantes de velocidade para as reações de polimerização feitas na presença de 0,5; 1; 3 e 5 mol% de H 2 SO 4. Amostras (%mol) 0,5 0, , , ,8850 Valor da constante k (gh 2 O.min -1 ) Figura 1. Efeito da concentração de H 2 SO 4 na polimerização do glicerol, a 150 C. Detalhe: inclinação das curvas de formação de H 2 O, em diferentes concentrações de catalisador. Os sistemas com 0,5; 1 e 3% de H 2 SO 4 mostram aumento de viscosidade relativa semelhantes. Nos primeiros 15 min de reação, está ocorrendo uma pequena diminuição da viscosidade do meio (não é mostrado), o que é evidência da diminuição de interações intermoleculares (ligações de hidrogênio), pois há decomposição de álcoois e formação de éteres. Esse aumento de viscosidade é devido à maior dificuldade de movimentação das cadeias dos oligômeros e polímeros, umas sobre as outras. Figura 2. Variação da viscosidade relativa da solução, para a reação de polimerização do glicerol, com 0,5; 1; 3 e 5 mol% de H 2 SO 4. (Os valores de viscosidade são relativos ao do glicerol). Ao analisar os dados do sistema com 5% de catalisador (Figura 2), percebe-se que este sistema é bastante ativo para a polimerização do glicerol, produzindo um material sólido e elástico em apenas 45 min de reação, enquanto os outros sistemas necessitaram de pelo menos 120 min para obter material semelhante.

5 (ii) Óxidos de ferro (Fe 3 O 4 e Fe 2 O 3) A oligomerização do glicerol, promovida por óxidos de ferro teve seu estudo iniciado. O espectro de massas, exibido na Figura 3, mostra diversos picos associados à oligomerização do glicerol, tais como os sinais m/z 167 (diglicerol), m/z 241 (triglicerol), m/z 315 (tetraglicerol). Os outros sinais m/z representam derivados de desidratação dos oligômeros do glicerol e também produtos de reações secundárias. Os resultados obtidos até o momento revelam que a hematita, nas condições de reação estudadas (150 C e 5 h de reação), não é um bom catalisador para a oligomerização, pois este catalisador, mesmo em concentrações variando de 1 a 5% não foi capaz de promover a oligomerização do glicerol. Já a magnetita mostrou resultados satisfatórios para a oligomerização e desidratação do glicerol, no entanto, reações paralelas ainda ocorrem, formando produtos até então desconhecidos (Figura 3). Os poucos resultados obtidos utilizando o Fe 3 O 4 como catalisador da reação, até o momento, sugerem que o estudo com este óxido deve ser aprofundado. Figura 3. Espectro de massas para a oligomerização do glicerol promovida por Fe 3 O 4 a 5% e 5 h de reação. LITERATURA CITADA 1. Medeiros, M.A.; Sansiviero, M.T.C.; Araujo, M.H. & Lago, R.M. Appl. Clay Sci. 45, p.213 (2009). 2. da Silva, C.X.A.; Gonçalves, V.L.C. & Mota, C.J.A. Green Chem, 11, p.38 (2009). 3. Klepácová, K.; Miravec, E. & Bajus, M. - Chem. Pap., 60, p.224 (2006). 4. Barrault, J.; Clacens, Y. & Pouilloux, Y. Topics Catal., 27, p.137 (2004). AGRADECIMENTOS "O presente trabalho foi realizado com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq Brasil"

Catalisador na Polimerização do Glicerol

Catalisador na Polimerização do Glicerol RTIGOTÉCNICOCIENTÍFICO188 Polímeros, vol. 20, nº 3, p. 188-193, 2010AInfluência da Temperatura e da Natureza do Catalisador na Polimerização do Glicerol Miguel de A. Medeiros Departamento de Ciências Biológicas,

Leia mais

POLIMERIZAÇÃO DO GLICEROL: UMA REAÇÃO SIMPLES E VERSÁTIL PARA PRODUZIR DIFERENTES MATERIAIS A PARTIR DO CO-PRODUTO DO BIODIESEL

POLIMERIZAÇÃO DO GLICEROL: UMA REAÇÃO SIMPLES E VERSÁTIL PARA PRODUZIR DIFERENTES MATERIAIS A PARTIR DO CO-PRODUTO DO BIODIESEL POLIMERIZAÇÃO DO GLICEROL: UMA REAÇÃO SIMPLES E VERSÁTIL PARA PRODUZIR DIFERENTES MATERIAIS A PARTIR DO CO-PRODUTO DO BIODIESEL Miguel de Araújo Medeiros*, Bruno Rocha S. Lemos, Carla Maria M. Leite, Maria

Leia mais

OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL UTILIZANDO CATALISADORES BÁSICOS HOMOGÊNEOS: NaOH E CaO

OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL UTILIZANDO CATALISADORES BÁSICOS HOMOGÊNEOS: NaOH E CaO OLIGOMERIZAÇÃO DO GLICEROL UTILIZANDO CATALISADORES BÁSICOS HOMOGÊNEOS: NaOH E CaO F. J. S. BARROS 1, F. L. MARQUES 1, R. S. VIEIRA 1, e F. M. T. de LUNA 1 1 Universidade Federal do Ceará, Departamento

Leia mais

METAIS E LIGAS METÁLICAS

METAIS E LIGAS METÁLICAS DEPARTAMENTO DE C. Físico-Químicas DISCIPLINA: Química COMPETÊNCIAS/CONTEÚDOS 12º ano... Domínios / Objetivos Conceitos/ Conteúdos Calendarização (blocos) METAIS E LIGAS METÁLICAS METAIS E LIGAS METÁLICAS

Leia mais

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário

UFSC. Química (Amarela) , temos 10 mol de Mg, ou seja, 243 g de Mg. Resposta: = 98. Comentário Resposta: 02 + 32 + 64 = 98 01. Incorreta. carbonato de magnésio é um sal insolúvel em H 2, logo não dissocia-se em Mg 2+ e (aq) C2. 3(aq) 02. Correta. 12 Mg 2+ = 1s 2 2s 2 2p 6 K L 04. Incorreta. É um

Leia mais

Metais e ligas metálicas Estrutura e propriedades dos metais

Metais e ligas metálicas Estrutura e propriedades dos metais AGRUPAMENTO de ESCOLAS de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Química / Metas Curriculares ENSINO SECUNDÁRIO 12º ANO-QUÍMICA DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos. Rapidez Média das Reações Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÉ-VESTIBULAR RUMO À UNIVERSIDADE CAMPUS JOÃO MONLEVADE QUÍMICA ORGÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÉ-VESTIBULAR RUMO À UNIVERSIDADE CAMPUS JOÃO MONLEVADE QUÍMICA ORGÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÉ-VESTIBULAR RUMO À UNIVERSIDADE CAMPUS JOÃO MONLEVADE QUÍMICA ORGÂNICA ORIENTADORA: PROF.ª DRA. KARLA VIEIRA P R OF.ª LUCAS SIQUEIRA ÁLCOOIS Álcoois são compostos

Leia mais

FUVEST 2015 (Questões 1 a 6)

FUVEST 2015 (Questões 1 a 6) (Questões 1 a 6) Provas de Vestibular 1. O metabissulfito de potássio (K 2 S2O 5 ) e o dióxido de enxofre (SO 2 ) são amplamente utilizados na conservação de alimentos como sucos de frutas, retardando

Leia mais

Ácidos,sais carboxílicos e ésteres. Karla Gomes Diamantina-MG

Ácidos,sais carboxílicos e ésteres. Karla Gomes Diamantina-MG Ácidos,sais carboxílicos e ésteres Karla Gomes Diamantina-MG ÁCIDOS CARBOXÍLICOS São compostos que possuem como grupo funcional a carbonila (C=O), ligada a uma hidroxila (-OH),e que se denomina grupo carboxila.

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2011.1

Vestibular Comentado - UVA/2011.1 Vestibular omentado - UVA/2011.1 onhecimentos Gerais QUÍMIA omentários: Profs. Bibil e Tupinambá 45. A Figura 1 apresenta, de forma genérica, a reação química de formação de um triacilglicerol a partir

Leia mais

COVEST/UFPE ª FASE

COVEST/UFPE ª FASE VEST/UFPE 2003 1ª FASE 17. Isótopos radiativos são empregados no diagnóstico e tratamento de inúmeras doenças. Qual é a principal propriedade que caracteriza um elemento químico? a) número de massa b)

Leia mais

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO

REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO REVISIONAL DE QUÍMICA 1º ANO PROF. RICARDO 1- Um aluno de química, ao investigar as propriedades de gases, colocou uma garrafa plástica (PET), contendo ar e devidamente fechada, em um freezer e observou

Leia mais

Aluno(a): COMENTADA. Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016

Aluno(a): COMENTADA. Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016 QUÍMICA AVALIAÇÃO CLAUDI / SARA III UNIDADE Aluno(a): COMENTADA Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016 1. A prova é composta de 07 questões abertas e 03 questões objetivas. 2.

Leia mais

BIODIESEL OBTIDO A PARTIR DE REJEITO DE GORDURA ANIMAL

BIODIESEL OBTIDO A PARTIR DE REJEITO DE GORDURA ANIMAL BIODIESEL OBTIDO A PARTIR DE REJEITO DE GORDURA ANIMAL Cheila G. Mothé 1 Denise Z. Correia 2 Bruno C. S. de Castro 3 Moisés Caitano 4 Donato A. G. Aranda 5 RESUMO Após várias oscilações nos preços do petróleo

Leia mais

Resoluções Química. - Cálculo da massa de ferro que restou na peça sem ter sido oxidada (z): z = 56,0 2,8 = 53,2 g

Resoluções Química. - Cálculo da massa de ferro que restou na peça sem ter sido oxidada (z): z = 56,0 2,8 = 53,2 g Resoluções Química Comentários sobre as questões de Química. 19 Resposta E. - Cálculo da quantidade de ferrugem formada, em mol (x): Fe 2 O 3.H 2 O (s) + 2H 3 PO 4 (aq) 2FePO 4 (s) + 4H 2 O (l) 1mol 2.

Leia mais

Química Orgânica Aplicada a Engenharia Geológica

Química Orgânica Aplicada a Engenharia Geológica Química Orgânica Aplicada a Engenharia Geológica Aula 10 Estudo dos alcoóis Prof. Dr. Leandro Vinícius Alves Gurgel 1. Introdução Os alcoóis são compostos que possuem um ou mais grupos hidroxila ligados

Leia mais

OBJETIVOS BIBLIOGRAFIA ENZIMAS E INIBIDORES ENZIMÁTICOS

OBJETIVOS BIBLIOGRAFIA ENZIMAS E INIBIDORES ENZIMÁTICOS OBJETIVOS Enzimas: Funções, Nomenclatura e Propriedades Fundamentos da Cinética Enzimática Cinética Enzimática: Michaelis-Menten Ensaios Cinéticos: Padronização e Validação Parâmetros Cinéticos: vo, KM,

Leia mais

RESPOSTAS DAS TAREFAS 2ª SÉRIE. Química - Setor A. Aulas 43 e 44. Aula 43. Aula 44 ENSINO MÉDIO 1. D 2. C

RESPOSTAS DAS TAREFAS 2ª SÉRIE. Química - Setor A. Aulas 43 e 44. Aula 43. Aula 44 ENSINO MÉDIO 1. D 2. C ESI MÉDI RESPSTAS DAS TAREFAS 2ª SÉRIE 16 Química - Setor A Aulas 43 e 44 Aula 43 1. D 2. 3. a) idrólise alcalina ou saponificação b) Sais de ácidos carboxílicos Aula 44 1. A interação intermolecular que

Leia mais

ESTEQUIOMETRIA DE REAÇÕES QUÍMICAS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS

ESTEQUIOMETRIA DE REAÇÕES QUÍMICAS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS ESTEQUIOMETRIA DE REAÇÕES QUÍMICAS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS Aula 10 META Mostrar como se realizam cálculos estequiométricos de reações em que um dos reagentes encontra-se em excesso, além de calcular

Leia mais

CATÁLISE ENZIMÁTICA. CINÉTICA Controle da velocidade de reações. CINÉTICA Equilíbrio e Estado Estacionário

CATÁLISE ENZIMÁTICA. CINÉTICA Controle da velocidade de reações. CINÉTICA Equilíbrio e Estado Estacionário CATÁLISE ENZIMÁTICA Equilíbrio e Estado Estacionário P U T F M A Velocidade: período inicial Tempo As medidas de velocidade inicial (v 0 ) são obtidas com a variação da concentração de S btenção de várias

Leia mais

H 2 C OCH 3 H 2 C OH EXERCÍCIOS DE CLASSE

H 2 C OCH 3 H 2 C OH EXERCÍCIOS DE CLASSE EXERCÍCIOS DE CLASSE 1- De um modo geral, o ponto de ebulição dos compostos orgânicos cresce com o aumento do peso molecular, o que não acontece com os compostos do quadro abaixo: COMPOSTO PESO MOLECULAR

Leia mais

Principais rotas tecnológicas de produção do biodiesel

Principais rotas tecnológicas de produção do biodiesel Principais rotas tecnológicas de produção do biodiesel Hanniel Freitas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - Campus Apodi Hanniel Freitas Principais rotas tecnológicas

Leia mais

Cinética Química 17/04/17. V m h. Prof. Xuxu. Velocidade das reações químicas. Velocidade das reações químicas. Velocidade Média. Hora da saída: 11:45

Cinética Química 17/04/17. V m h. Prof. Xuxu. Velocidade das reações químicas. Velocidade das reações químicas. Velocidade Média. Hora da saída: 11:45 Seja Bem-indo a Goiânia elocidade Média Cinética Química Hora da saída: 11:45 Δd 40km m 40 km Δt 1h h Distância Hidrolândia: 40 km Seja Bem-indo a Hidrolândia Prof. Xuxu Hora da chegada: 12:45 elocidade

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Cinética Química. Prof. Alex Fabiano C. Campos Cinética Química Prof. Alex Fabiano C. Campos Rapidez Média das Reações A cinética é o estudo da rapidez com a qual as reações químicas ocorrem. A rapidez de uma reação pode ser determinada pela variação

Leia mais

APLICAÇÃO DE QUITOSANA MODIFICADA COMO CATALISADOR HETEROGÊNEO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR ESTERIFICAÇÃO

APLICAÇÃO DE QUITOSANA MODIFICADA COMO CATALISADOR HETEROGÊNEO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR ESTERIFICAÇÃO APLICAÇÃO DE QUITOSANA MODIFICADA COMO CATALISADOR HETEROGÊNEO NA PRODUÇÃO DE BIODIESEL POR ESTERIFICAÇÃO D. GURGEL 1, A. L. FREIRE 1, B. J. P. COSTA 1, I. L. LUCENA 1 e Z. M. dos SANTOS 1 1 Universidade

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito nas melhores faculdades FUVEST 2 a Fase 11/janeiro/2011 QUÍMICA 01. s componentes principais dos óleos vegetais são os triglicerídeos, que possuem a seguinte fórmula genérica: Nessa fórmula,

Leia mais

1.1. Tipos de ligações químicas. Tipos de ligações químicas

1.1. Tipos de ligações químicas. Tipos de ligações químicas 1.1. Tipos de ligações químicas Tipos de ligações químicas LIGAÇÃO QUÍMICA Tipos de ligações químicas As ligações covalentes, iónicas e metálicas caraterizam-se por uma partilha significativa de eletrões

Leia mais

POLIMEROS. Por que estudar Polimeros?

POLIMEROS. Por que estudar Polimeros? POLIMEROS Por que estudar Polimeros? A estrutura dos polimeros afeta suas propriedades e o comportamento dos materiais poliméricos. Exemplos: (1)O grau de cristalinidade influi na massa específica, rigidez,

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1998 QUESTÃO 01 Uma mistura de hidrogênio, H 2 (g), e oxigênio, O 2 (g), reage, num recipiente hermeticamente fechado, em alta temperatura e em presença de um catalisador, produzindo

Leia mais

Gabarito-R Profº Jaqueline Química. a) Dados: Solubilidade do KOH em etanol a 25 C

Gabarito-R Profº Jaqueline Química. a) Dados: Solubilidade do KOH em etanol a 25 C 1: a) Dados: Solubilidade do KOH em etanol a 25 C 40 g em 100 ml. Adicionou-se 1,5 g de KOH a 35 ml de etanol, agitando-se continuamente a mistura. 100 ml (etanol) 40 g (KOH) 35 ml (etanol) mkoh mkoh 14

Leia mais

ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL

ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL ESTUDO DA SOLUBILIDADE DO PARACETAMOL EM ALGUNS SOLVENTES UTILIZANDO O MODELO NRTL H. A. R. GOMES 1, A. B. N. BRITO 1 1 Universidade Federal do Espírito Santo, Centro Universitário Norte do Espírito Santo,

Leia mais

Luis Eduardo C. Aleotti. Química. Aula 61 - Propriedades Físicas dos Compostos Orgânicos

Luis Eduardo C. Aleotti. Química. Aula 61 - Propriedades Físicas dos Compostos Orgânicos Luis Eduardo C. Aleotti Química Aula 61 - Propriedades Físicas dos Compostos Orgânicos PROPRIEDADES FÍSICAS O que é? - Características da matéria, determinadas de forma experimental. - Não são alteradas,

Leia mais

PRODUÇÃO NÃO CATALITÍCA DE ETIL ÉSTERES DE ÁCIDOS GRAXOS DO ÓLEO DE SOJA

PRODUÇÃO NÃO CATALITÍCA DE ETIL ÉSTERES DE ÁCIDOS GRAXOS DO ÓLEO DE SOJA PRODUÇÃO NÃO CATALITÍCA DE ETIL ÉSTERES DE ÁCIDOS GRAXOS DO ÓLEO DE SOJA Camila da Silva; Fernanda C. Corazza; Karina Fiametti; Marcos L. Corazza; José Vladimir de Oliveira. Departamento de Engenharia

Leia mais

QUÍMICA. CO (g) + 2H 2 (g) CH 3 OH(g) 1M 2M 0 1M x 2M 2x 0 + x 0,5M 1M 0,5M PROVA 3 - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 05 RESPOSTA: 29 - NÍVEL FÁCIL

QUÍMICA. CO (g) + 2H 2 (g) CH 3 OH(g) 1M 2M 0 1M x 2M 2x 0 + x 0,5M 1M 0,5M PROVA 3 - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 05 RESPOSTA: 29 - NÍVEL FÁCIL PROVA 3 - CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS É uma forma de os professores do Colégio Platão contribuírem com seus alunos, orientando-os na resolução das questões do vestibular da UEM. Este caderno ajuda o vestibulando

Leia mais

TAREFA DA SEMANA DE 31 DE MARÇO A 04 DE ABRIL

TAREFA DA SEMANA DE 31 DE MARÇO A 04 DE ABRIL TAREFA DA SEMANA DE 31 DE MARÇO A 04 DE ABRIL QUÍMICA 3ª SÉRIE 1. (Udesc) Considere que um prego é fabricado apenas com o metal Fe. Se este prego entrar em contato com uma solução aquosa de HC, irá acontecer

Leia mais

R: a) t r = 2,23 h b) nº bateladas = 7 c) N Rt = 179,4 kmol por dia

R: a) t r = 2,23 h b) nº bateladas = 7 c) N Rt = 179,4 kmol por dia Reator batelada 1- Uma solução aquosa de acetato de etila deve ser saponificada com uma solução diluída de hidróxido de sódio. A concentração inicial de acetato é 5 g/l e a densidade de mistura reacional

Leia mais

UFSC. Resposta: 76. Comentário. 01. Incorreta. É formado pela reação de neutralização entre o hidróxido de potássio e ácido carbônico.

UFSC. Resposta: 76. Comentário. 01. Incorreta. É formado pela reação de neutralização entre o hidróxido de potássio e ácido carbônico. Resposta: 76 01. Incorreta. É formado pela reação de neutralização entre o hidróxido de potássio e ácido carbônico. H 2 CO 3 + KOH = K 2 CO 3 + H 2 0 02. Incorreta. O nox do carbono é +4. 04. Correta.

Leia mais

Química Orgânica Ambiental

Química Orgânica Ambiental Química Orgânica Ambiental Aula 12 Estudo dos éteres Prof. Dr. Leandro Vinícius Alves Gurgel 1. Introdução Os éteres são compostos que possuem um átomo de oxigênio ligado a dois átomos de carbono, independentemente

Leia mais

PROMOVE PROCESSOS DE CONVERSÃO

PROMOVE PROCESSOS DE CONVERSÃO 1.1.Definição: 1. ALQUILAÇÃO CATALÍTICA Molécula Leve Energia Térmica ou catalisadores Molécula com massa molar pesada Catalisadores HF, H 2 SO 4 e AlCl 3. Catalisador HF: usado como referência no processo.

Leia mais

Alcenos: estrutura, síntese e reatividade. Fundamentos de Química Orgânica Fábio Herbst Florenzano

Alcenos: estrutura, síntese e reatividade. Fundamentos de Química Orgânica Fábio Herbst Florenzano Alcenos: estrutura, síntese e reatividade Fundamentos de Química Orgânica Fábio Herbst Florenzano Estrutura Alcenos (e alcinos) Importância Substâncias naturais Reagentes de partida para materiais como

Leia mais

UDESC 2016/2 QUÍMICA. Comentário. I. Verdadeira. 0,07 mg 1 kg x mg 14 kg. Na 2 PO 3. F 144 g 19 g 7,58 mg x mg. x = 0,98 (limite de ingestão diária)

UDESC 2016/2 QUÍMICA. Comentário. I. Verdadeira. 0,07 mg 1 kg x mg 14 kg. Na 2 PO 3. F 144 g 19 g 7,58 mg x mg. x = 0,98 (limite de ingestão diária) QUÍMICA I. Verdadeira. 0,07 mg 1 kg x mg 14 kg x = 0,98 (limite de ingestão diária) Na PO 3 F 144 g 19 g 7,58 mg x mg x = 1 mg (que já é maior que o limite de ingestão diária) 1 II. Verdadeira. 0,07 mg

Leia mais

Cinética Química. Prof. Alexandre D. Marquioreto

Cinética Química. Prof. Alexandre D. Marquioreto Prof. Alexandre D. Marquioreto Estuda as velocidades, mecanismos e os fatores que podem interferir nas reações químicas. Lentas Reações Químicas Rápidas Reação Rápida Cinética Química Faísca 2 H 2(g) +

Leia mais

Escola Estadual Antunes de Andrade CINÉTICA QUÍMICA

Escola Estadual Antunes de Andrade CINÉTICA QUÍMICA Escola Estadual Antunes de Andrade CINÉTICA QUÍMICA Sidrolândia, MS, 2013 Escola Estadual Sidrônio Antunes de Andrade Estudantes: Thaís Silva e Giovani N : 45 e 15 1 - CINÉTICA QUÍMICA Existe um ramo na

Leia mais

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação.

Concentração dos reagentes Quanto maior a concentração dos reagentes, maior a velocidade da reação. Setor 3306 Aula 20 Lei da velocidade das reações Complemento. As reações químicas podem ocorrer nas mais diferentes velocidades. Existem reações tão lentas que levam milhares de anos para ocorrer, como

Leia mais

Química. Professor Duda 27/03/2013. Aluno (a): e) Nos três experimentos após o término da reação, foi obtida a mesma quantidade de amônia.

Química. Professor Duda 27/03/2013. Aluno (a): e) Nos três experimentos após o término da reação, foi obtida a mesma quantidade de amônia. Química Professor Duda 06 Aluno (a): 27/03/2013 01 - (UEG GO) Durante a manifestação das reações químicas, ocorrem variações de energia. A quantidade de energia envolvida está associada às características

Leia mais

Resumo de Mecanismos de fragmentação

Resumo de Mecanismos de fragmentação Resumo de Mecanismos de fragmentação Clivagem s. Clivagem a: iniciada pelo sítio radicalar. Clivagem i: iniciada pela carga do íon. Fragmentações subseqüentes por transferência 1,2 ou 1,4 de H. Rearranjo

Leia mais

PRODUÇÃO DE ETILENO A PARTIR DO ETANOL COM USO DE DIFERENTES ALUMINAS COMERCIAIS COMO CATALISADORES

PRODUÇÃO DE ETILENO A PARTIR DO ETANOL COM USO DE DIFERENTES ALUMINAS COMERCIAIS COMO CATALISADORES PRODUÇÃO DE ETILENO A PARTIR DO ETANOL COM USO DE DIFERENTES ALUMINAS COMERCIAIS COMO CATALISADORES L. T. SILVA 1, T. F. BRAGA 1, F. S. FERRATO 1, K. A. RESENDE 2 e S. C. DANTAS 1 1 Universidade Federal

Leia mais

SIMULADO EXTENSIVO QUÍMICA

SIMULADO EXTENSIVO QUÍMICA P R É - V E S T I B U L A R 04.09 QUÍMICA QUESTÃ 49 jornal Folha de São Paulo publicou, em 19/06/07, matéria sobre empresas norte-americanas que estavam falsificando suco de laranja. produto, vendido como

Leia mais

Professor Marcus Ennes. -Estequiometria

Professor Marcus Ennes. -Estequiometria Professor Marcus Ennes -Estequiometria - RELAÇÕES FUNDAMENTAIS RAZÃO E PROPORÇÃO 1) Um formigueiro é composto por 2.000 formigas. Cada formiga consome por dia, 1.500 moléculas de glicose (C 6 H 12 O 6

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA FOLHA DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA FOLHA DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO QUÍMICA FOLHA DE QUESTÕES 2007 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 A A configuração eletrônica de um átomo X é [ X ]. Determine: Z a) os valores de Z e de n, para

Leia mais

X Congresso Brasileiro de Engenharia Química Iniciação Científica

X Congresso Brasileiro de Engenharia Química Iniciação Científica Blucher Chemical Engineering Proceedings Dezembro de 2014, Volume 1, Número 1 X Congresso Brasileiro de Engenharia Química Iniciação Científica Influência da pesquisa em Engenharia Química no desenvolvimento

Leia mais

Lista de exercícios - Bloco 2 - Aula 25 a 28 - Equilíbrio Químico - Conceitos gerais e cálculo (Kc e Kp) 1. (Unicid - Medicina 2017) Considere os equilíbrios: 1. 2 SO 2 (g) + O 2 (g) 2 SO 3 (g) 25 Kc =

Leia mais

~ 1 ~ PARTE 1 QUESTÕES DE ESCOLHA SIMPLES

~ 1 ~ PARTE 1 QUESTÕES DE ESCOLHA SIMPLES Questão 03: Os alimentos são constituídos de diversos nutrientes e minerais. Considerando substâncias bioquímicas, algumas predominam mais que outras nos alimentos. Baseado nessa ideia faça uma associação

Leia mais

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular)

Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Curso Preparatório para o Ingresso no Ensino Superior (Pré-Vestibular) Os conteúdos conceituais de Química estão distribuídos em 5 frentes. Química Extensivo A)Meio ambiente; estrutura atômica; Classificação

Leia mais

Exercíciosde Funções Orgânicas 1) Identifique as funções químicas presentes em cada uma das estruturas seguintes. Faça um círculo e dê o nome da

Exercíciosde Funções Orgânicas 1) Identifique as funções químicas presentes em cada uma das estruturas seguintes. Faça um círculo e dê o nome da Exercíciosde Funções Orgânicas 1) Identifique as funções químicas presentes em cada uma das estruturas seguintes. Faça um círculo e dê o nome da função. REVISÃO DE ISOMERIA PLANA E GEOMETRICA 1) Indique

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas)

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2014 Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas) Disciplina: Química Trimestre: 1º Professor(a): Rodrigo Valério e Georgia Monique. Série: 1º Turmas: 101,102,103,104. Conteúdos/ atividades Habilidades Avaliação/ Atividade 1º Trimestre: (12 semanas) 1-

Leia mais

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação:

3ª Série / Vestibular. As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar que, na reação: 3ª Série / Vestibular 01. I _ 2SO 2(g) + O 2(g) 2SO 3(g) II _ SO 3(g) + H 2O(l) H 2SO 4(ag) As equações (I) e (II), acima, representam reações que podem ocorrer na formação do H 2SO 4. É correto afirmar

Leia mais

Δt = 8. Cinética Química

Δt = 8. Cinética Química Cinética Química Velocidade das Reações A velocidade média de consumo de um reagente ou de formação de um produto é calculada em função da variação da quantidade de reagentes e produtos pela variação do

Leia mais

Revisão Específicas Fuvest

Revisão Específicas Fuvest Revisão Específicas Fuvest Material de Apoio para Monitoria 1. Um aluno efetuou um experimento para avaliar o calor envolvido na reação de um ácido com uma base. Para isso, tomou 8 tubos de ensaio e a

Leia mais

4013 Síntese de benzalacetofenona a partir de benzaldeído e acetofenona

4013 Síntese de benzalacetofenona a partir de benzaldeído e acetofenona NP 4013 Síntese de benzalacetofenona a partir de benzaldeído e acetofenona KSF/ + + H 2 C 8 H 8 C 7 H 6 C 15 H 12 (120.2) (106.1) (208.3) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias reação

Leia mais

OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA 2015 Modalidade EM2-26/09/2015 FASE II

OLIMPÍADA PIAUIENSE DE QUÍMICA 2015 Modalidade EM2-26/09/2015 FASE II INSTRUÇÕES 1 Esta prova contém cinco questões no total, sendo todas elas de múltipla escolha. 2 Antes de iniciar a prova, confira se todas as folhas estão presentes, com os espaços para as resposta. Caso

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equilíbrio Químico EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-RS) Dada a expressão da constante de equilíbrio em termos de concentração de produtos e reagentes a equação química que pode ser representada por essa

Leia mais

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Cinética Química

Química Geral e Inorgânica. QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin. Cinética Química Química Geral e Inorgânica QGI0001 Eng a. de Produção e Sistemas Prof a. Dr a. Carla Dalmolin Cinética Química Cinética Química É a área da química que está preocupada com a velocidade das reações químicas.

Leia mais

FUVEST ª Fase (Questões 1 a 7)

FUVEST ª Fase (Questões 1 a 7) 1ª Fase (Questões 1 a 7) Provas de Vestibular 1. O ácido gama-hidroxibutírico é utilizado no tratamento do alcoolismo. Esse ácido pode ser obtido a partir da gamabutirolactona, conforme a representação

Leia mais

QUÍMICA. Afirmação 2: A partir da reação de regeneração (reação inversa), o íon ferro +2 (ferrocianeto) sofre oxidação a íon ferro +3 (ferricianeto).

QUÍMICA. Afirmação 2: A partir da reação de regeneração (reação inversa), o íon ferro +2 (ferrocianeto) sofre oxidação a íon ferro +3 (ferricianeto). QUÍMICA Comentário Geral A prova de química deste ano foi atípica, abordando questões de forma não convencional. Infelizmente, faltaram alguns assuntos importantes, tais como: atomística, tabela periódica,

Leia mais

Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos

Propriedades Físicas de Compostos Orgânicos Os principais fatores que influenciam nas propriedades físicas dos compostos orgânicos são: O tamanho das moléculas; Os tipos de interação intermolecular. Temperatura de Ebulição e Fusão Quanto mais fortes

Leia mais

Solução Comentada Prova de Química

Solução Comentada Prova de Química 34. A histamina, estrutura mostrada abaixo, é uma substância orgânica que provoca inchaço e coceira, e que é liberada pelas células de defesa, quando somos picados por insetos. N NH 2 N H Se quisermos

Leia mais

Cálculos Estequiométricos

Cálculos Estequiométricos Estequiometria significa medida de um elemento Com base numa equação química, podemos calcular o número de mols, o número de moléculas, a massa, o volume de uma ou mais substâncias, em função de algum

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS PROVA DE QUÍMICA TABELA PERIÓDICA DOS ELEMENTOS FONTE: Tabela Periódica da IUPAC/versão 2005(adaptada). Acesso: http://www.iupac.org/reports/periodic_table/ 25 QUESTÃO 3 Analise este quadro, em que se

Leia mais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais

Materiais Poliméricos. Conceitos Gerais Materiais Poliméricos Conceitos Gerais ESTRUTURA DOS POLIMEROS DEFINIÇÃO São moléculas muito grandes (macromoléculas) formadas pela repetição de pequenas e simples unidades químicas (monômeros), ligadas

Leia mais

4. Resultados e Discussão

4. Resultados e Discussão Absorbância 4. Resultados e Discussão 4.1. Obtenção da curva de calibração A obtenção da curva de calibração, absorbância vs. concentração de Paraquat, é necessária para a análise química do pesticida.

Leia mais

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados:

Modelos Atômicos. Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Modelos Atômicos Niels Bohr propôs um modelo baseado em postulados: Os elétrons giram, ao redor do núcleo, somente em determinadas órbitas permitidas e com energia quantizada. ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Os

Leia mais

Físico-química Farmácia 2014/02

Físico-química Farmácia 2014/02 Físico-química Farmácia 2014/02 1 Decomposição Química Cinética de decomposição Lei de velocidade Ordem de reação Tempo de meia vida e prazo de validade Fatores que influenciam a estabilidade Equação de

Leia mais

Expectativa de resposta

Expectativa de resposta 1) Sobre os aminoácidos e proteínas, assinale a alternativa INCORRETA: a) O ponto isoelétrico de um aminoácido corresponde ao ph em que a sua carga elétrica líquida é zero. b) A determinação do ponto isoelétrico

Leia mais

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R.

ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS. PMT Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. ESTRUTURA E PROPRIEDADES DE POLIMÉROS PMT 2100 - Introdução à Ciência dos Materiais para Engenharia 8 a aula autora: Nicole R. Demarquete 1 Roteiro da Aula Histórico Química das moléculas poliméricas Estrutura

Leia mais

DESVENDAR OS SEGREDOS DAS PEDRAS FERVENTES

DESVENDAR OS SEGREDOS DAS PEDRAS FERVENTES DESVENDAR OS SEGREDOS DAS PEDRAS FERVENTES http://ricardojchp.wordpress.com/page/18/ http://profs.ccems.pt/ricardopim entel/africa.htm Estágio realizado: 11 de Julho de 2011 a 15 de Julho de 2011 No âmbito

Leia mais

EMESCAM COLETÂNEA UFES REVISÃO

EMESCAM COLETÂNEA UFES REVISÃO EMESCAM COLETÂNEA UFES REVISÃO GABARITO DISCURSIVAS RESPOSTA DA QUESTÃO 1: a) Definições utilizadas: Carbono primário: aquele ligado a um ou a nenhum outro carbono. Carbono secundário: aquele ligado a

Leia mais

Processos Oxidativos Avançados (POA s)

Processos Oxidativos Avançados (POA s) Processos Oxidativos Avançados (POA s) Nomes: Arthur Barra Pâmmella Ribeiro Professor: Dr. Rafael Arromba de Sousa Sumário 2 Contextualização; Introdução; Classes; Literatura; Conclusões; Referências.

Leia mais

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar:

Com base nessas informações e nos conhecimentos sobre cinética química, pode-se afirmar: LISTA DE EXERCÍCIOS CINÉTICA QUÍMICA 1) O NO 2 proveniente dos escapamentos dos veículos automotores é também responsável pela destruição da camada de ozônio. As reações que podem ocorrer no ar poluído

Leia mais

A) Se a massa molar do composto C é 76 g.mol 1, determine as fórmulas químicas para os compostos A, B, C, D e E.

A) Se a massa molar do composto C é 76 g.mol 1, determine as fórmulas químicas para os compostos A, B, C, D e E. VTB 2008 2ª ETAPA Solução Comentada da Prova de Química 01. Na análise de 5 (cinco) diferentes compostos (A, B, C, D e E) formados apenas por nitrogênio e oxigênio, observou-se que as relações de massas

Leia mais

Reações Orgânicas - Adição e Eliminação

Reações Orgânicas - Adição e Eliminação Reações Orgânicas - Adição e Eliminação Reações Orgânicas - Adição e Eliminação 1. São apresentados, abaixo, quatro compostos pertencentes a várias funções orgânicas: CH 3OH CH 3NH 2 CH 2 = CH 2 A alternativa

Leia mais

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência.

QUÍMICA. a) linha horizontal. b) órbita. c) família. d) série. e) camada de valência. 13 QUÍMICA A posição dos elementos na Tabela Periódica permite prever as fórmulas das substâncias que contêm esses elementos e os tipos de ligação apropriados a essas substâncias. Na Tabela Periódica atual,

Leia mais

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 14 CINÉTICA QUÍMICA: LEI DA VELOCIDADE

QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 14 CINÉTICA QUÍMICA: LEI DA VELOCIDADE QUÍMICA - 2 o ANO MÓDULO 14 CINÉTICA QUÍMICA: LEI DA VELOCIDADE V V [ A ] [ B ] Como pode cair no enem Considerem-se a reação A + B C e as informações contidas no quadro abaixo: Experimentos [A] (mol/l)

Leia mais

A química dos lipídios. Ácidos Graxos e Fosfolipídios

A química dos lipídios. Ácidos Graxos e Fosfolipídios A química dos lipídios Ácidos Graxos e Fosfolipídios Lipídeos Do grego lipos é gordura. Componente hidrocarboneto expressivo. Alta solubilidade em compostos orgânicos não polares. Armazenados na forma

Leia mais

Materiais Poliméricos

Materiais Poliméricos Materiais Poliméricos -Introdução O termo "plástico" é geralmente empregado para designar os materiais orgânicos que podem ser moldados por deformação plástica, adquirindo e conservando uma forma planejada,

Leia mais

ÓLEOS E GORDURAS (LIPÍDEOS) - TRIGLICERÍDEOS

ÓLEOS E GORDURAS (LIPÍDEOS) - TRIGLICERÍDEOS Moléculas Orgânicas constituintes dos seres vivos (Biomoléculas Orgânicas) Gorduras ou Lipídeos (Triglicerídeos) Derivadas de ácidos graxos e podem se classificar em: Gorduras Saturadas Gorduras insaturadas

Leia mais

Material Suplementar. Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, S1-S9, 2015

Material Suplementar. Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, S1-S9, 2015 Quim. Nova, Vol. 38, No. 6, S1-S9, 2015 DESENVLVIMENT DE FÁRMACS PR HIBRIDAÇÃ MLECULAR: UMA AULA PRÁTICA DE QUÍMICA MEDICINAL USAND CMPRIMIDS DE PARACETAML E SULFADIAZINA E A FERRAMENTA VIRTUAL SciFinder

Leia mais

Química D Extensivo V. 3

Química D Extensivo V. 3 GABARIT Química D Extensivo V. 3 Exercícios 01) A 02) D 03) D 04) 05) B 06) D adeia aberta, ramificada, saturada (somente ligações simples entre carbonos) e homogênea (somente carbonos e hidrogênios na

Leia mais

Colégio João Paulo I. Questões complementares de Cinética Química. Prof. Cristiano Rupp

Colégio João Paulo I. Questões complementares de Cinética Química. Prof. Cristiano Rupp Colégio João Paulo I Questões complementares de Cinética Química Prof. Cristiano Rupp 1- A quimotripsina é uma enzima que catalisa a clivagem heterolítica das ligações peptídicas, processo que faz parte

Leia mais

formação de grupos intermediários instáveis

formação de grupos intermediários instáveis RUPTURA DE LIGAÇÃO Nas reações orgânicas é muito comum a formação de grupos intermediários instáveis, sendo, portanto, de existência transitória, nos quais o carbono não tem efetuadas suas quatro ligações.

Leia mais

Avaliação para Seleção de Mestrado em Agroquímica I. Número ou código do(a) candidato(a): INSTRUÇÕES

Avaliação para Seleção de Mestrado em Agroquímica I. Número ou código do(a) candidato(a): INSTRUÇÕES Universidade Federal de Viçosa Departamento de Química Programa de Pós-Graduação em Agroquímica Avaliação para Seleção de Mestrado em Agroquímica - 2012-I Número ou código do(a) candidato(a): INSTRUÇÕES

Leia mais

Química. Xandão (Victor Pontes) Compostos Orgânicos

Química. Xandão (Victor Pontes) Compostos Orgânicos Compostos Orgânicos Compostos Orgânicos 1. Três frascos não-rotulados encontram-se na prateleira de um laboratório. Um contém benzeno, outro, tetracloreto de carbono e o terceiro, metanol. Sabe-se que

Leia mais

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob

DIAGRAMA DE FASES. 4) (ITA) Considere as seguintes afirmações relativas aos sistemas descritos a seguir, sob DIAGRAMA DE FASES 1) O gráfico abaixo apresenta a variação das pressões de vapor do sulfeto de carbono, metanol, etanol e água em função da temperatura. De acordo com o gráfico, assinale a afirmativa INCORRETA.

Leia mais

Com base nos dados acima, responda as questões propostas (cuidado com as unidades):

Com base nos dados acima, responda as questões propostas (cuidado com as unidades): Curso: Farmácia Atenção, dois dos exercícios da lista entrarão na P1. Concentrações: 01. Em uma rápida pesquisa pela internet é possível achar diversas receitas relacionadas à preparação de alguns cosméticos

Leia mais

Enzimas - Sítio catalítico

Enzimas - Sítio catalítico Enzimas - Sítio catalítico Significado de cofator, grupo prostético e coenzima Enzima holozima Grupo prostético metal cofator coenzima Distinção entre cofator e coenzima depende da força de ligação com

Leia mais

1. (Fuvest modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química:

1. (Fuvest modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação representada pela equação química: Química Avaliação Mensal 3 os anos Décio e Vivian mar/12 Nome: Nº: Turma: GABARITO PROVA MENSAL 1º BIMESTRE 1. (Fuvest 2012 - modificado) Ao misturar acetona com bromo, na presença de ácido, ocorre a transformação

Leia mais

ÁLCOOIS, FENÓIS, ÉTERES,ALDEÍDOS E CETONAS. Karla Gomes Diamantina-MG

ÁLCOOIS, FENÓIS, ÉTERES,ALDEÍDOS E CETONAS. Karla Gomes Diamantina-MG ÁLCOOIS, FENÓIS, ÉTERES,ALDEÍDOS E CETONAS Karla Gomes Diamantina-MG ÁLCOOIS Grupo funcional OH, hidroxila, ligada diretamente a um carbono saturado. Classificação quanto ao número de hidroxilas: monoálcool,

Leia mais

ÁLCOOIS, FENÓIS, ÉTERES,ALDEÍDOS E CETONAS. Karla Gomes Diamantina-MG

ÁLCOOIS, FENÓIS, ÉTERES,ALDEÍDOS E CETONAS. Karla Gomes Diamantina-MG ÁLCOOIS, FENÓIS, ÉTERES,ALDEÍDOS E CETONAS Karla Gomes Diamantina-MG ÁLCOOIS Grupo funcional OH, hidroxila, ligada diretamente a um carbono saturado. Classificação quanto ao número de hidroxilas: monoálcool,

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS PRODUZINDO CORRENTE ELÉTRICA CORRENTE ELÉTRICA PRODUZINDO REAÇÃO QUÍMICA PROF. RODRIGO BANDEIRA

REAÇÕES QUÍMICAS PRODUZINDO CORRENTE ELÉTRICA CORRENTE ELÉTRICA PRODUZINDO REAÇÃO QUÍMICA PROF. RODRIGO BANDEIRA REAÇÕES QUÍMICAS PRODUZINDO CORRENTE ELÉTRICA CORRENTE ELÉTRICA PRODUZINDO REAÇÃO QUÍMICA A relação entre as reações químicas e a corrente elétrica é estudada por um ramo da química chamado ELETROQUÍMICA

Leia mais