Margarida Flores Martins DOENÇAS IMUNIDADE E CONTROLO DE. O Sistema imunitário possui uma capacidade de memória invejável.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Margarida Flores Martins DOENÇAS IMUNIDADE E CONTROLO DE. O Sistema imunitário possui uma capacidade de memória invejável."

Transcrição

1 IMUNIDADE E CONTROLO DE DOENÇAS Margarida Flores Martins O Sistema imunitário possui uma capacidade de memória invejável.

2 Imunidade e controlo de doenças Número de aulas previstas Número de aulas leccionadas 20 2 AULA Sumário Realização de uma pesquisa orientada sobre a biotecnologia no diagnóstico e terapêutica de doenças responsáveis por diversas patologias. Construção de um guião para a realização de uma curta metragem. Referências relevantes ab.pt/~bidarra/hyperscapes/video grafias 130.htm para curta metragem.html camoes.pt/fichaspraticas/2005/04/jornalfalado.html ab.pt/~bidarra/hyperscapes/video grafias 151.htm Problematizar Sugestões do programa

3 Sistematização da informação recolhida, por aluno ou grupo de alunos, seguida de debate alargado à turma dos seguintes tópicos: Utilização de anticorpos monoclonais (ex. na localização e diagnóstico de tumores, tratamento de doenças autoimunes, testes de gravidez, antídotos para drogas e venenos,...); Engenharia genética na produção de substâncias com valor terapêutico (ex. insulina, hormona de crescimento, factor VIII anti hemofílico, interferon,...), no diagnóstico prénatal de doenças, na avaliação da compatibilidade de órgãos para transplante, em testes de paternidade... Bioconversão na produção de antibióticos (vantagens relativas à via de administração, ao espectro de acção e à redução de reacções alérgicas) e produção de esteróides (contraceptivos orais e anabolizantes). Enquadramento teórico A melhor maneira de aprender a fazer um filme é fazer um. Stanley Kubrick Stanley Kubrick (Nova Iorque,26 de Julho de 1928 Hertfordshire, 7 de Março de 1999) foi um dos cineastas mais importantes do século XX, responsável por uma obra polémica, mas que gozou de uma excelente recepção crítica. Planificação de uma curta metragem Curta metragem é um filme de duração inferior a trinta minutos, havendo no entanto quem, para o classificar estabeleça um padrão variável de mais ou menos dez minutos. O termo começou a ser utilizado nos Estados Unidos na década de 1910, quando boa parte dos filmes começava a ter durações cada vez maiores. O género que mais utilizou o formato de curta metragem foi as animações.

4 PROJECTO CURTASCIENCE FAZES DE ELABORAÇÃO DE UMA CURTA METRAGEM DE FICÇÃO, DOCUMENTÁRIO E VÍDEO Sinopse/Storyline A SINOPSE, também denominada story line, deve ter entre 3 a 10 páginas numa grande metragem de cinema, e entre 5 a 20 linhas num programa de formação ou divulgação. Em primeiro lugar o autor redige um texto que indica muito sumariamente os elementos fundamentais da história bem como a sua forma (documentário, ficção, publicidade, videoclip, programa de formação, de divulgação, científico... ou ainda no caso multimédia, um jogo educativo, um programa de ensino assistido por computador, uma demonstração...). Esta sinopse é de certo modo o cartão de visita do futuro produto e serve para serem tomadas as decisões fundamentais relativas à produção. Deverá ter os seguintes elementos: TEMA (veja se a título de exemplo a apresentação de um filme numa revista de programação de TV). ESTRUTURA DA NARRATIVA (tem como sequência a apresentação, o desenvolvimento e o desfecho). CENÁRIOS E PERSONAGENS (noções fundamentais). Exemplo 1. SINOPSE BREVE: Na privacidade do lar, duas velhinhas são assaltadas por um jovem criminoso. Entre uma ameaça e outra, serve se bolinhos de chuva, guloseimas e café preto bem docinho para a visita. É uma questão de boa educação, afinal. Guião Para se chegar ao guião, é necessário começar por uma Planificação do Trabalho Definir os objectivos pretendidos Analisar os recursos disponíveis

5 conhecimentos recursos bibliografia Identificar o público alvo quem porquê Elaboração do projecto: o guião de autor título da obra nome dos realizadores nº de ordem da folha Local da acção nº de Cena e/ou Sequência se é interior ou exterior se é Dia ou Noite a acção Há duas convenções do ponto de vista formal que é costume seguir durante a redacção das primeiras etapas da redacção do guião e que são as seguintes: 1. Primeira pessoa do plural A utilização da primeira pessoa do plural, o "nós", funciona de forma a dirigir se a todos os elementos da equipa, realizador, operadores, etc. Ex: "Seguimos a personagem X" ou "Fazemos uma panorâmica de Y" 2. Tempo presente Todas as sinopses, sequências, tratamentos e guiões devem ser escritos no presente. Esta convenção trata se dum reflexo da natureza básica do meio. Com efeito, em qualquer meio audiovisual existe única e exclusivamente o presente. Mesmo quando existem prolepses e analepses, essa fracção de segundo em que se modifica a matriz do tempo é rapidamente adaptada ao tempo presente pelo espectador. Recursos utilizados *CURTA METRAGEM (PPT) *Como fazer uma curta metragem? (pdf) *Artigos científicos/livros

6 AULA Sumário Finalização do guião associado à curta metragem. Realização de filmagens Referências relevantes Problematizar Qual a importância da ciência e tecnologia e as implicações de ambas para a sociedade? De que modo a Ciência e a Tecnologia podem contribuir para a prevenção, detecção ou resolução de desequilíbrios imunológicos? Qual é o papel da Engenharia Genética na produção de substâncias com interesse farmacológico? Qual a importância da produção de anticorpos monoclonais? Recursos utilizados *Como fazer uma curta metragem? (pdf) *Artigos científicos/livros

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR 520 PLANIFICAÇÃO

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR 520 PLANIFICAÇÃO ANO: 12º NÍVEL: Biologia ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/5 1º PERÍODO 45 UNIDADE 1 REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÂO DA FERTILIDADE 1- REPRODUÇÃO HUMANA Gametogénese e fecundação Controlo Hormonal Desenvolvimento embrionário

Leia mais

Workshop de Escrita de Argumento

Workshop de Escrita de Argumento Workshop de Escrita de Argumento Data: Maio e Junho de 2012 Concepção e monitorização dos workshops: Ana Sofia Pereira Cimbalino Filmes Programa: Sessão 1: Introdução ao Argumento Sessão 2: O Guião Técnico

Leia mais

Sequência didática Práticas pedagógicas e cinema: contribuições à Educação Ambiental Crítica

Sequência didática Práticas pedagógicas e cinema: contribuições à Educação Ambiental Crítica Sequência didática Práticas pedagógicas e cinema: contribuições à Educação Ambiental Crítica Objetivos: - Discutir concepções da Educação Ambiental crítica em sala de aula; - Estimular a divulgação de

Leia mais

Plano Nacional de Leitura

Plano Nacional de Leitura 2012-2014 Plano Nacional de Leitura 1 I. O que motivou o projeto? Centralidade da leitura Leitura como ponto de partida para: - Aprender (competência transversal ao currículo) - Colaborar - Interagir /

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE PELOTAS SECRETARIA DE CULTURA EDITAL 010/2017 PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA PROCULTURA ANEXO I

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE PELOTAS SECRETARIA DE CULTURA EDITAL 010/2017 PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA PROCULTURA ANEXO I EDITAL 010/2017 PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA PROCULTURA ANEXO I DOCUMENTOS DE ACORDO COM A ÁREA EM QUE SE ENQUADRA SEU PROJETO SÃO ACEITAS AS EXTENSÕES DE ARQUIVO: AVI, MP3, MP4, PDF, JPG

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS. Apresentação ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES SECUNDÁRIO DISCIPLINA: OFICINA DE MULTIMÉDIA B ANO: º ANO LECTIVO 00/0 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

DISCIPLINA DE ÁREA PROJECTO

DISCIPLINA DE ÁREA PROJECTO DISCIPLINA DE ÁREA PROJECTO 3º Ciclo TEMA Metodologia de trabalho projecto Trabalho em grupo e trabalho individual Nome: Nº Turma: Metodologia de Trabalho Projecto Trabalho de projecto é uma metodologia

Leia mais

Especificações do Trabalho Prático de Informática I

Especificações do Trabalho Prático de Informática I Especificações do Trabalho Prático de Informática I (Contabilidade/Marketing e Comércio Internacional) Ano Lectivo 2002/2003 Cada grupo (4 elementos) deverá definir a entidade alvo do estudo (que poderá

Leia mais

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - CÂMARA E ILUMINAÇÃO PARA AUDIOVISUAIS

PROGRAMA DA FORMAÇÃO - CÂMARA E ILUMINAÇÃO PARA AUDIOVISUAIS DESIGNAÇÃO Nome: Câmara e Iluminação para Audiovisuais Carga horária total: 300 horas Acreditação profissional: n/a Forma de organização da formação: Presencial Público-alvo: Estudantes e profissionais

Leia mais

Calendário exames Finalistas 2015/2016 (versão ) Design de Jogos Digitais

Calendário exames Finalistas 2015/2016 (versão ) Design de Jogos Digitais Design de Jogos Digitais Desenho Matemática para Jogos /09 09:0 Narrativa Não-Linear Programação I 9/09 09:0 Semiótica Animação D Design D 4/09 09:0 Imagem Programação II /09 09:0 Teoria dos Jogos 0/09

Leia mais

Nome da disciplina CrT CrP. Teorias e estéticas da arte Oficina de roteiro Oficina de produção Oficina de som 1 3 4

Nome da disciplina CrT CrP. Teorias e estéticas da arte Oficina de roteiro Oficina de produção Oficina de som 1 3 4 MATRIZ CURRICULAR Disciplinas Obrigatórias Nome da disciplina CrT CrP Total de créditos SEMESTRE I Teorias e estéticas da arte Teorias e estéticas clássicas do cinema e Teorias e estéticas contemporâneas

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES Outubro / Dezembro 2009

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES Outubro / Dezembro 2009 FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES Outubro / Dezembro 2009 OBJECTIVOS GERAIS Visa-se com este programa a melhoria da qualidade da formação profissional, através da aquisição e do desenvolvimento

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina A - Telejornalismo II

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo. Ênfase. Disciplina A - Telejornalismo II Curso 2202D - Comunicação Social: Jornalismo Ênfase Identificação Disciplina 0003038A - Telejornalismo II Docente(s) Mayra Fernanda Ferreira Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

Planificação Anual GR Disciplina Aplicações Informáticas B 12ºAno

Planificação Anual GR Disciplina Aplicações Informáticas B 12ºAno Planificação Anual GR 550 - Disciplina Aplicações Informáticas B 12ºAno 1º Identificar as componentes essenciais de uma estrutura de programação Compreender o funcionamento das estruturas de controlo Criar

Leia mais

Disciplina de Imagem e Som A 11º Ano Planificação do ano lectivo de 2011/2012

Disciplina de Imagem e Som A 11º Ano Planificação do ano lectivo de 2011/2012 Disciplina de Imagem e Som A 11º Ano Planificação do ano lectivo de 2011/2012 Professor: Alberto Pires TEMAS / CONTEÚDOS OBJECTIVOS METODOLOGIA 1º Período I Comunicação e Cultura audiovisual 1 1 Imagem

Leia mais

Linguagem Cinematográfica. Myrella França

Linguagem Cinematográfica. Myrella França Linguagem Cinematográfica Myrella França I. Termos Básicos TOMADA - Filmagem contínua de cada segmento específico da ação do filme. "TAKE" - Tomada; começa no momento em que se liga a câmara até que é

Leia mais

15º Festival Internacional de Cinema Infantil FICI 2017

15º Festival Internacional de Cinema Infantil FICI 2017 15º FICI 2017 INSCRIÇÕES DE FILMES BRASILEIROS REGULAMENTO 1. APRESENTAÇÃO O 15 acontecerá entre setembro e novembro de 2017 em diferentes cidades brasileiras. As inscrições para filmes brasileiros estão

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

MOSTRAS AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DE VÍDEOS. Com colaboração da Msc Anna Claudia Thinen

MOSTRAS AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DE VÍDEOS. Com colaboração da Msc Anna Claudia Thinen MOSTRAS AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DE VÍDEOS Com colaboração da Msc Anna Claudia Thinen Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental Surge em 1999, Goiás. Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira

Leia mais

A EDIÇÃO DE DOCUMENTARIOS EM VÍDEO. Ingresso janeiro Informações: (51)

A EDIÇÃO DE DOCUMENTARIOS EM VÍDEO. Ingresso janeiro Informações: (51) A EDIÇÃO DE DOCUMENTARIOS EM VÍDEO Ingresso janeiro 2016 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias A edição do documentário Proporcionar aos alunos a oportunidade de conhecer e experimentar

Leia mais

ESCOLA ARTÍSTICA SOARES DOS REIS DISCIPLINA DE IMAGEM E SOM B - 12º Ano Ano lectivo 2011 / 2012 : Nuno Lacerda PLANIFICAÇÃO ANUAL

ESCOLA ARTÍSTICA SOARES DOS REIS DISCIPLINA DE IMAGEM E SOM B - 12º Ano Ano lectivo 2011 / 2012 : Nuno Lacerda PLANIFICAÇÃO ANUAL ESCOLA ARTÍSTICA SOARES DOS REIS DISCIPLINA DE IMAGEM E SOM B - 12º Ano Ano lectivo 2011 / 2012 : Nuno Lacerda PLANIFICAÇÃO ANUAL 1º Período Imagem e Som B 12º 2011/2012 I - Práticas da imagem e do som:

Leia mais

realizarem curtas-metragens e de, através da transmissão televisiva dos seus filmes, poderem divulgar o seu talento.

realizarem curtas-metragens e de, através da transmissão televisiva dos seus filmes, poderem divulgar o seu talento. REGULAMENTO Fá-las Curtas! é um concurso, produzido pela Valentim de Carvalho Televisão, para a RTP 2, que acompanha equipas, compostas por um argumentista e um realizador, na sua busca pela arte cinematográfica

Leia mais

PARA QUEM? PARA QUÊ? São objectivos do CURTAS QUE PREVINEM:

PARA QUEM? PARA QUÊ? São objectivos do CURTAS QUE PREVINEM: PARA QUEM? PARA QUÊ? São objectivos do CURTAS QUE PREVINEM: O Programa CURTAS QUE PREVINEM destina-se a todos os Jovens que queiram, individualmente ou em grupo, realizar uma Curta-Metragem no âmbito dos

Leia mais

Oficina de Roteiro. Oficina de Roteiro. copyright - Felipe Neves

Oficina de Roteiro. Oficina de Roteiro. copyright - Felipe Neves Oficina de Roteiro Oficina de Roteiro O que é Roteiro? Podemos definir um roteiro de diversas maneiras. A forma escrita de qualquer espetáculo áudio e/ou visual. ( Doc Comparato) 2. Planta baixa ou um

Leia mais

Curso: Formação Profissional em Comunicação Multimédia 14 de Março a 08 de Maio de Local: S. Domingos Guiné Bissau

Curso: Formação Profissional em Comunicação Multimédia 14 de Março a 08 de Maio de Local: S. Domingos Guiné Bissau Curso: Formação Profissional em Comunicação Multimédia 14 de Março a 08 de Maio de 2012-04-12 Local: S. Domingos Guiné Bissau Realizou-se de 14 de Março a 08 de Maio de 2012, a 1ª fase 1 da acção de formação

Leia mais

Concurso Escola Alerta! 2015/2016

Concurso Escola Alerta! 2015/2016 Concurso Escola Alerta! 2015/2016 Concurso Escola Alerta! 2015/2016 13ª Edição O Concurso Escola Alerta! acessibilidade a todos existe desde 2003/2004 com o intuito de construir uma sociedade mais igualitária

Leia mais

CINE TEXTOS A CASA DE ALICE

CINE TEXTOS A CASA DE ALICE 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010/ 2011 Ciências Naturais 9º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL POR PERÍODO 1º Período

ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010/ 2011 Ciências Naturais 9º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL POR PERÍODO 1º Período ESCOLA E.B. 2,3 PEDRO DE SANTARÉM Ano lectivo 2010/ 2011 Ciências Naturais 9º Ano PLANIFICAÇÃO ANUAL POR PERÍODO 1º Período Objectivos / Competências Compreender que a saúde envolve o bem estar físico,

Leia mais

Na Fundação Calouste Gulbenkian

Na Fundação Calouste Gulbenkian Antes de Começar, de Almada Negreiros Na Fundação Calouste Gulbenkian M/4 A Companhia da Esquina estará em cena para Escolas durante o Ano Lectivo 2016/17 com o espectáculo Antes de Começar na Fundação

Leia mais

PORTO7 Festival Internacional de Curtas-metragens do Porto Edição 2012

PORTO7 Festival Internacional de Curtas-metragens do Porto Edição 2012 PORTO7 Festival Internacional de Curtas-metragens do Porto Edição 2012 - REGULAMENTO Artigo 1º Organização é um evento organizado pela FICP Associação para a promoção da cultura, cinema, artes e meios

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1102D - Comunicação Social: Radialismo. Ênfase. Disciplina A - Roteiros para Televisão

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1102D - Comunicação Social: Radialismo. Ênfase. Disciplina A - Roteiros para Televisão Curso 1102D - Comunicação Social: Radialismo Ênfase Identificação Disciplina 0003119A - Roteiros para Televisão Docente(s) Marcos Américo Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

Festival Internacional de Cinema da Praia REGULAMENTO. Artigo 1º. (Objectivo)

Festival Internacional de Cinema da Praia REGULAMENTO. Artigo 1º. (Objectivo) Festival Internacional de Cinema da Praia REGULAMENTO Artigo 1º (Objectivo) PLATEAU Festival Internacional de Cinema da Praia, tem como objectivo principal a exibição pública de filmes de todo o mundo

Leia mais

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado!

CENTRO PSICOPEDAGÓGICO DA LINHA. Programa Formativo. Atenção! Este Programa Formativo pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Atenção! Este pode ser atualizado a qualquer momento! Mantenha-se Informado! Treino de Competências Sociais em Crianças e Jovens: Uma Abordagem Prática Contribuir para o enriquecimento teo rico-pra tico

Leia mais

Noite de Forró. Série Matemática na Escola

Noite de Forró. Série Matemática na Escola Noite de Forró Série Matemática na Escola Objetivos 1. Definir a probabilidade de eventos; 2. Calcular a probabilidade de eventos complementares; 3. Introduzir a regra do produto em probabilidade. Noite

Leia mais

COMO SE TORNAR UM ROTEIRISTA ROTEIRO E NARRATIVA

COMO SE TORNAR UM ROTEIRISTA ROTEIRO E NARRATIVA COMO SE TORNAR UM ROTEIRISTA ROTEIRO E NARRATIVA Objetivos Desenvolver as competências profissionais relacionadas à criatividade e construção de narrativas com foco em roteiros para narrativas em diferentes

Leia mais

A REALIZAÇÃO DO DOCUMENTÁRIO: do desenvolvimento do projeto às novas narrativas do real

A REALIZAÇÃO DO DOCUMENTÁRIO: do desenvolvimento do projeto às novas narrativas do real A REALIZAÇÃO DO DOCUMENTÁRIO: do desenvolvimento do projeto às novas narrativas do real Ingresso: Janeiro 2018 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias A REALIZAÇÃO DO DOCUMENTÁRIO: Do

Leia mais

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida

Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Escola Secundária Dr. Manuel Gomes de Almeida Ficha de trabalho de Biologia - 12º Ano Sistema Imunitário Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: 1. Para cada uma das seguintes questões,

Leia mais

Formação Pedagógica Inicial de Formadores Objetivos Gerais Este Curso, homologado pelo IEFP, visa dotar os participantes das técnicas, conhecimentos e competências necessárias á apresentação com sucesso

Leia mais

Infovini cria maior base de dados de vinhos portugueses

Infovini cria maior base de dados de vinhos portugueses Página Web 1 de 5 As Ciências A Revista Fóruns Dossiers Podcast Classificados Contactos Guia do Ensino Superior Guia Prático UE quer reforçar controlo das fronteiras a partir de 2010 Os ministros de Administração

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas)

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES (90 horas) DESTINATÁRIOS: O curso de Formação Pedagógica Inicial de Formadores da SALSUS destina-se a 14 formandos por grupo, sendo que deverá cumprir as seguintes

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CURSO DE MESTRADO DISCIPLINAS BIOESTATÍSTICA Ementa: conceitos básicos; descrição e apresentação de dados; representação gráfica; análise descritiva; introdução

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IMAGEM Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IMAGEM Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA IMAGEM Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas

TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas TIC e Inovação Curricular História de algumas práticas Era uma vez um processo de investigação Agora vão a www.pensamentocritico.com e clicam em Respostas!!! AVALIAÇÃO FORMATIVA E APRENDIZAGEM DA LÍNGUA

Leia mais

Aulas: Sumário / Resumo

Aulas: Sumário / Resumo Aulas: Sumário / Resumo a. Aula 1 (05-03-07) Aula em que foi apresentada a disciplina, e a plataforma que será usada na disciplina (teleduc); (aula em que não estive presente). b. Aula 2 (12-03-07) Aula

Leia mais

PORTO7 Festival Internacional de Curtas-metragens do Porto Edição 2013

PORTO7 Festival Internacional de Curtas-metragens do Porto Edição 2013 PORTO7 Festival Internacional de Curtas-metragens do Porto Edição 2013 - REGULAMENTO Artigo 1º Organização é um evento organizado pela FICP Associação para a promoção da cultura, cinema, artes e meios

Leia mais

Programação de Dispositivos Móveis

Programação de Dispositivos Móveis Programação de Dispositivos Móveis EDIÇÕES 2017 RIO TINTO Programação de Dispositivos Móveis CURSO: Programação de Dispositivos Móveis - 50 horas (NOTA: com base no Catálogo Nacional de Qualificações)

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Cadaval Departamento Línguas 1 Planificação Anual Língua Escola Portuguesa Básica dos 6º 2º e Ano 3ª Ciclos ida Ano lectivo 2009/2010 Planificação Anual Língua Portuguesa

Leia mais

PLANIFICAÇÃO LONGO PRAZO

PLANIFICAÇÃO LONGO PRAZO PLANIFICAÇÃO LONGO PRAZO INFORMÁTICA ANO LETIVO 01/017 Curso Vocacional do 3º Ciclo.º ANO Módulos Horas Letivos 5 Período Semanas Data 5 - Processador de texto 30 0 1.º 7 Setembro/Outubro - Apresentações

Leia mais

Artefatos culturais e educação...

Artefatos culturais e educação... Artefatos culturais e educação... USO DAS TDIC NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROFª. JOICE ARAÚJO ESPERANÇA Vídeos: artefatos culturais? Vídeos Filmes Desenhos animados documentários Propagandas Telenovelas

Leia mais

Planificação anual de Português 12º ano

Planificação anual de Português 12º ano Planificação anual de Português 12º ano 1 OBJETIVOS Desenvolver os processos linguísticos, cognitivos e metacognitivos necessários à operacionalização de cada uma das competências de compreensão e produção

Leia mais

Relatório Mensal FCTY-RTM-EDA Referência: Programa de Educação Ambiental Meu Primeiro Curta Metragem. Abril/2014

Relatório Mensal FCTY-RTM-EDA Referência: Programa de Educação Ambiental Meu Primeiro Curta Metragem. Abril/2014 Relatório Mensal FCTY-RTM-EDA-002-02-14 Referência: Programa de Educação Ambiental Meu Primeiro Curta Metragem. Abril/2014 At.: Gerência de Sustentabilidade FCTY Abril de 2014 1 APRESENTAÇÃO... 1 2 OBJETIVOS...

Leia mais

- Responda na folha de exame -

- Responda na folha de exame - PROVA DE AVALIAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS Ano letivo 2014/15 BIOLOGIA 17/06/2015 Duração: 90 min (2 valores por questão) Nome: - Responda na folha de exame - 1. As hormonas sexuais femininas,

Leia mais

MEDIATECA PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011

MEDIATECA PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 Mediateca Plano de Actividades 2010/2011 pág. 1/7 Introdução MEDIATECA PLANO DE ACTIVIDADES 2010/2011 A Mediateca estrutura-se como um sector essencial do desenvolvimento do currículo escolar e as suas

Leia mais

UNIDADES DE ESTUDO 1ª ETAPA º Ano EF II Turmas: A/B/C/D

UNIDADES DE ESTUDO 1ª ETAPA º Ano EF II Turmas: A/B/C/D UNIDADES DE ESTUDO 1ª ETAPA - 2016 9º Ano EF II Turmas: A/B/C/D Basta que sejais jovens para que eu vos ame profundamente. Dom Bosco. CRONOGRAMA DE AVALIAÇÕES Avaliações 1ª Etapa 2ª Etapa 16/05 a 31/08

Leia mais

VIVER MELHOR NA TERRA 1º PERÍODO. Apresentação. - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde.

VIVER MELHOR NA TERRA 1º PERÍODO. Apresentação. - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde. p.1/8 VIVER MELHOR NA TERRA 40 1º PERÍODO OBSERVAÇÃO: Apresentação SAÚDE INDIVIDUAL COMUNITÁRIA E - Indicadores do estado de saúde de uma população. - Medidas de acção para a promoção da saúde. - Conhecer

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Escrita e Narrativa Área Científica: CSH Som e Imagem Ciclo de Estudos: 1º Ciclo - Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 2º ECTS: 6 Tempo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III - TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III - TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular OPÇÃO III TECNOLOGIAS DIGITAIS AVANÇADAS Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Especialização em Programação de Dispositivos Móveis EDIÇÕES 2017 RIO TINTO

Especialização em Programação de Dispositivos Móveis EDIÇÕES 2017 RIO TINTO Especialização em Programação de Dispositivos Móveis EDIÇÕES 2017 RIO TINTO Especialização em Programação de Dispositivos Móveis ESPECIALIZAÇÃO Especialização em Programação de Dispositivos Móveis - 100

Leia mais

DOURO FILM HARVEST REGULAMENTO DOURO FILM HARVEST 2014 MEO Curtas da Casa

DOURO FILM HARVEST REGULAMENTO DOURO FILM HARVEST 2014 MEO Curtas da Casa REGULAMENTO DOURO FILM HARVEST 2014 MEO Curtas da Casa Preâmbulo O MEO Curtas da Casa pretende estimular a produção e a exibição de curtas-metragens entre toda a região do Alto Douro Vinhateiro e o rio

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR PERCURSO DE UM MODELO EM (RE)CONSTRUÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR PERCURSO DE UM MODELO EM (RE)CONSTRUÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE PROFESSORES DO ENSINO SUPERIOR PERCURSO DE UM MODELO EM (RE)CONSTRUÇÃO VII Congresso Iberoamericano de Docência Universitária, FPCEUP, 2012 Ilídia Vieira, Luísa Ribeiro Trigo e José

Leia mais

Biologia. Transplantes e Doenças Autoimunes. Professor Enrico Blota.

Biologia. Transplantes e Doenças Autoimunes. Professor Enrico Blota. Biologia Transplantes e Doenças Autoimunes Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia HEREDITARIEDADE E DIVERSIDADE DA VIDA- TRANSPLANTES, IMUNIDADE E DOENÇAS AUTOIMUNES Os transplantes

Leia mais

MONTAGEM CINEMATOGRÁFICA. Ingresso julho Informações: (51)

MONTAGEM CINEMATOGRÁFICA. Ingresso julho Informações: (51) MONTAGEM CINEMATOGRÁFICA Ingresso julho 2017 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias Montagem Cinematográfica Proporcionar aos alunos uma oportunidade de desenvolver e aprofundar suas

Leia mais

Informação Prova Prova código 302 de Biologia

Informação Prova Prova código 302 de Biologia Informação Prova Prova código 302 de Biologia Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Despacho normativo n.º 1-D/2016, de 4 de março O presente documento

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular REALIZAÇÃO E PRODUÇÃO MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular REALIZAÇÃO E PRODUÇÃO MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular REALIZAÇÃO E PRODUÇÃO MULTIMÉDIA Ano Lectivo 205/206. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA 3. Ciclo de Estudos

Leia mais

Clube da Proteção Civil

Clube da Proteção Civil Agrupamento de Escolas das Taipas Clube da Proteção Civil 1. Estrutura organizacional Coordenadora: Paula Ribeiro da Silva Grupo de Recrutamento: 620 Departamento: Expressões Composição do grupo de trabalho:

Leia mais

Filmmaker - Novas possibilidades para captação de vídeo digital.

Filmmaker - Novas possibilidades para captação de vídeo digital. Filmmaker - Novas possibilidades para captação de vídeo digital. Ingresso Agosto 2015 Programa do Curso da Escola de Criação Filmmaker - Novas possibilidades para captação de vídeo digital O curso trata

Leia mais

Almada. o teu futuro passa por aqui. Oferta Formativa. a iniciar Ano Lectivo 2009/2010. Suplemento do Boletim Municipal Nº 149 Maio 2009

Almada. o teu futuro passa por aqui. Oferta Formativa. a iniciar Ano Lectivo 2009/2010. Suplemento do Boletim Municipal Nº 149 Maio 2009 Suplemento do Boletim Municipal Nº 149 Maio 2009 Oferta Formativa a iniciar Ano Lectivo 2009/2010 Almada o teu futuro passa por aqui Almada o teu futuro passa por aqui Almada Escolas Para a Vida Pelo terceiro

Leia mais

HDSLR: DA TEORIA À PRÁTICA. Ingresso Janeiro Informações: (51)

HDSLR: DA TEORIA À PRÁTICA. Ingresso Janeiro Informações: (51) HDSLR: DA TEORIA À PRÁTICA Ingresso Janeiro 2014 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias HDSLR: DA TEORIA À PRÁTICA Através da consolidação do conhecimento dos atributos que compõem a

Leia mais

MOSTRA DE CINEMA INDEPENDENTE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

MOSTRA DE CINEMA INDEPENDENTE DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO A Mostra Audiovisual de Filmes Independentes de São José do Rio Preto tem por finalidade promover a troca de experiências entre artistas e público, um contato direto com as obras produzidas na cidade,

Leia mais

Escola Básica e Secundária À Beira Douro. Planificação de Língua Portuguesa 6º ano. Ano lectivo

Escola Básica e Secundária À Beira Douro. Planificação de Língua Portuguesa 6º ano. Ano lectivo Escola Básica e Secundária À Beira Douro Planificação de Língua Portuguesa 6º ano Ano lectivo 2010-2011 COMPETÊNCIAS Alargamento da compreensão a géneros formais e públicos do oral. Criação de autonomia

Leia mais

MIPL Materiais Interactivos para Português L2 na Web PROJECTO A Menina do Mar

MIPL Materiais Interactivos para Português L2 na Web PROJECTO A Menina do Mar PROJECTO A Menina do Mar Deolinda Natalina Barbosa Quintas Página 1 Índice Introdução... 3 Objectivos... 4 Destinatários... 4 Metodologia... 5 Estratégias e recursos utilizados... 7 Conclusão... 10 Deolinda

Leia mais

EQUIPAMENTOS BÁSICOS. Iluminação natural

EQUIPAMENTOS BÁSICOS. Iluminação natural AULA 2 EQUIPAMENTOS BÁSICOS Celular, câmera fotográfica, tablet ou outro equipamento portátil para captação de imagens [e áudio, se não tiver gravador separado] Iluminação natural Equipamento portátil

Leia mais

Planificação Anual TIC 8º Ano 2012/ PERÍODO

Planificação Anual TIC 8º Ano 2012/ PERÍODO Ano Letivo 2012/2013 TIC 8º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS 1 PERÍODO 1 TEMPO- 45 MINUTOS Domínio Duração Objectivos Gerais Objectivos Específicos Estratégias/ Actividades Subdomínio 8ºA 8ºB Informação

Leia mais

Aula 05. Vídeo de bolso: roteiro

Aula 05. Vídeo de bolso: roteiro Aula 05 Vídeo de bolso: roteiro O roteiro ou argumento é a forma escrita de qualquer espetáculo audiovisual, escrito por um ou vários profissionais que são chamados de roteiristas (argumentistas). O roteiro

Leia mais

Seminário de 20 e 21 de outubro de 2016 em Castelo de Vide

Seminário de 20 e 21 de outubro de 2016 em Castelo de Vide Seminário de 20 e 21 de outubro de 2016 em Castelo de Vide Projetos, métodos e experiências: Disseminação de narrativas dos grupos minoritários dentro da memória dos grupos maioritários Este seminário

Leia mais

ANEXO F ÁRVORE DE CATEGORIAS DAS ENTREVISTAS APRECIATIVAS

ANEXO F ÁRVORE DE CATEGORIAS DAS ENTREVISTAS APRECIATIVAS ANEXO F ÁRVORE DE CATEGORIAS DAS ENTREVISTAS APRECIATIVAS Categorias Número de Referências Projecto Intervir A Técnicos no O Estruturação do Reconhecimento do Actividades Enquadramento da intervenção Trabalho

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade 1º Período 1/13 Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Ano Lectivo

Leia mais

REALIZAÇÃO DO DOCUMENTÁRIO: Do desenvolvimento do projeto às novas narrativas do real.

REALIZAÇÃO DO DOCUMENTÁRIO: Do desenvolvimento do projeto às novas narrativas do real. REALIZAÇÃO DO DOCUMENTÁRIO: Do desenvolvimento do projeto às novas narrativas do real. Ingresso Janeiro 2016 Informações: (51) 3218-1400 - www.espm.br/cursosdeferias A REALIZAÇÃO DO DOCUMENTÁRIO: Do desenvolvimento

Leia mais

A educação é um processo social. É desenvolvimento. Não é preparação para a vida, é a própria vida. JOHN DEWEY - Educador

A educação é um processo social. É desenvolvimento. Não é preparação para a vida, é a própria vida. JOHN DEWEY - Educador A educação é um processo social. É desenvolvimento. Não é preparação para a vida, é a própria vida. JOHN DEWEY - Educador SINOPSE Apresentação do Projeto Histórico 2014-2016 OBJETIVOS 2017 Apresentação

Leia mais

Ensino básico-3ºciclo

Ensino básico-3ºciclo Ensino básico-3ºciclo Objectivos pedagógicos Compreensão de que a dinâmica dos ecossistemas resulta de uma interdependência entre seres vivos, materiais e processos. Compreensão de que o funcionamento

Leia mais

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ANO LECTIVO 2010/2011 Introdução O Plano do Departamento de Línguas tem como pressupostos o Projecto Educativo em vigor da Escola Secundária da Baixa da Banheira cujos

Leia mais

SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO

SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO SISTEMAS MULTIMÍDIA PROF MOZART DE MELO Programa da Disciplina Multimídia conceitos, comunicação homemmáquina. Autoria produção de diversos tipos de aplicativos multimídia, examinando-se as alternativas

Leia mais

PORTUGUÊS: Assid. Mín [h] INGLÊS: Assid. Mín [h]

PORTUGUÊS: Assid. Mín [h] INGLÊS: Assid. Mín [h] PORTUGUÊS: Módulo 1.1.: Textos de Carácter Autobiográfico 30 27,0 Módulo 1.2.: Textos Expressivos e Criativos e Textos Poéticos 24 22,0 Módulo 1.3.: Textos dos Media I 24 22,0 Módulo 1.4.: Textos Narrativos

Leia mais

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015

Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina de Geografia 9º Ano Ano letivo 2014/2015 Nº de aulas (45 minutos) 1º Período 2º Período 3º Período Total Previstas 41 31 27 99 /Correção 6 6 6 18 Tema 4: As atividades económicas*

Leia mais

Escola Secundária de Forte da Casa

Escola Secundária de Forte da Casa Escola Secundária de Forte da Casa Que Profissão? Que Futuro? AEFC Oferta Formativa Disponível Cursos Científico-Humanísticos Vocacionados para o ensino superior Exames nacionais 12º ano (Ciências e Tecnologias;

Leia mais

FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL ª EDIÇÃO

FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL ª EDIÇÃO ANEXO VI: FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL 2014 7ª EDIÇÃO REGULAMENTO - DESENVOLVIMENTO DE ROTEIROS 1. DO OBJETO DA PREMIAÇÃO 1.1 Serão analisadas propostas de desenvolvimento de roteiros

Leia mais

1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté Regulamento 1º FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR DE TAUBATÉ TEMA: LITERATURA INFANTIL

1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté Regulamento 1º FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR DE TAUBATÉ TEMA: LITERATURA INFANTIL 1º FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR DE TAUBATÉ TEMA: LITERATURA INFANTIL 1. APRESENTAÇÃO a. O 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté, festival audiovisual, totalmente voltado para a realização

Leia mais

Classificação indicativa: Aspectos normativos e Metodologia *

Classificação indicativa: Aspectos normativos e Metodologia * Classificação indicativa: Aspectos normativos e Metodologia * * Apresentação feita pelo diretor do DJCTQ, José Eduardo Elias Romão no primeiro encontro de grupo de trabalho que debateu regulamentação para

Leia mais

Actividades Organizadores Destinatários Recursos Previsão de Custos Calendarização Sem custos. Alunos da Turma. Alunos da turma.

Actividades Organizadores Destinatários Recursos Previsão de Custos Calendarização Sem custos. Alunos da Turma. Alunos da turma. 1º período Estrutura Educativa: Conselho de Turma. Ensino Secundário 10ºAno 10º H 1 Resultados Escolares Promover a aquisição de saberes e o desenvolvimento de competências essenciais de cada disciplina/ano/ciclo

Leia mais

Planificação periódica de LÍNGUA PORTUGUESA. 5ºAno 2010/20011

Planificação periódica de LÍNGUA PORTUGUESA. 5ºAno 2010/20011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Planificação periódica de LÍNGUA PORTUGUESA 5ºAno 200/200 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2/3 João

Leia mais

Documentário em formato de curta metragem sobre a Rede de Museologia Social do Estado do Rio de Janeiro.

Documentário em formato de curta metragem sobre a Rede de Museologia Social do Estado do Rio de Janeiro. TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO POR SERVIÇO ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA PATRIMONIAL E HISTÓRICO DE DUQUE DE CAXIAS (AA-CRPH) E REDE DE MUSEOLOGIA SOCIAL DO RIO DE JANEIRO (REMUS-RJ)

Leia mais

Boas Práticas. da Leitura e da Oralidade uma perspetiva dialogante. AEPL/Padrão da Légua 3º ciclo Ema Alves Luís Pereira

Boas Práticas. da Leitura e da Oralidade uma perspetiva dialogante. AEPL/Padrão da Légua 3º ciclo Ema Alves Luís Pereira Boas Práticas da Leitura e da Oralidade uma perspetiva dialogante AEPL/Padrão da Légua 3º ciclo Ema Alves Luís Pereira L e i t u r a e c o m p r e e n s ã o d o a r t i g o d e a p r e c i a ç ã o c r

Leia mais

Plano Sequência - Quatro minutos na balada 1

Plano Sequência - Quatro minutos na balada 1 Plano Sequência - Quatro minutos na balada 1 Rafael de JESUS 2 Ana Carolina Grützmann da SILVA 3 Luiza Torres LOPES 4 Marciele Ferrari TRINDADE 5 Taís IENSEN 6 Michele Kapp TREVISAN 7 Centro Universitário

Leia mais

DOIS FOCOS: DOCUMENTÁRIOS FILME: LONGA-METRAGEM

DOIS FOCOS: DOCUMENTÁRIOS FILME: LONGA-METRAGEM DOIS FOCOS: DOCUMENTÁRIOS FILME: LONGA-METRAGEM REFERENCIAL DOCUMENTÁRIOS A FALA DE UM CIENTISTA, SEJA NA FORMA DE DISCURSO DIRETO OU INDIRETO, É UM DOS FATORES QUE CONFEREM CREDIBILIDADE AO DISCURSO

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

Caros Irmãos Escutas,

Caros Irmãos Escutas, Circular 10-1-048 de 06 de Abril De: Para: Assunto: Data: Secretário Nacional Pedagógico JJRR, JJNN, Agrupamentos, Mesas dos Conselhos Nacional, Regionais e Núcleo, Formadores Acções de Formação Membros

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

Planeamento de Unidade Linux no programa de TIC do 9º e 10º ano

Planeamento de Unidade Linux no programa de TIC do 9º e 10º ano Planeamento de Unidade Linux no programa de do 9º e 10º ano Tecnologias da Informação e Comunicação Versão Date: Pages: Issue: State: Access: Reference: 23/9/2004 14 Draft Public i Approved Version: RR

Leia mais