EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC"

Transcrição

1 Indicadores EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO ANO TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB TAXA DE JUROS SELIC TAXA DE CÂMBIO R$/US$ TAXA DE INFLAÇÃO IPCA ,06 10,31 1,80 5, ,45 11,52 1,85 4, ,48 10,99 1,89 4, ,71 10,40 1,92 4, ,70 9,99 1,96 4,50 FONTE: Banco Central do Brasil, Gerin. Com base nas expectativas de 30/04/2010 INDICADORES CONJUNTURAIS DA INDÚSTRIA BRASILEIRA, SEGUNDO REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO - FEVEREIRO 2010 GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO SELECIONADAS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Últimos Mensal Acumulado 12 meses Mensal FOLHA DE PAGAMENTO REAL Últimos Acumulado 12 meses Mensal NÚMERO DE HORAS PAGAS Acumulado Últimos 12 meses Brasil 100,72 99,76 95,23 102,77 102,31 97,47 101,62 100,67 95,22 Região Norte e Centro-Oeste 99,63 98,37 92,27 107,86 105,15 96,01 99,49 98,7 91,38 Região Nordeste 102,86 102,41 97,69 103,27 104,23 100,38 103,19 102,44 97,03 Ceará 108,49 107,22 101,3 111,12 111,49 105,77 107,89 106,62 101,49 Pernambuco 101,8 102,56 96,52 106,13 107,44 100,01 104, ,39 Bahia 103,75 103,41 98,5 101,24 101,87 99,94 103,21 102,49 96,42 Região Sudeste 100,93 99,82 95,54 102,29 101,53 97,22 102,11 101,1 95,89 Minas Gerais 98,77 97,1 91,53 99,88 98,85 92,62 100,19 98,44 92,32 Espírito Santo 102,11 100,21 94,81 104,02 99,52 101,13 100,43 99,15 94,65 Rio de Janeiro 101,4 100,36 96,61 114,76 111,32 103,78 102,99 102,05 96,53 São Paulo 101,44 100,52 96,62 100,89 100,74 97,06 102,64 101,84 96,95 Região Sul 99,53 98,74 94,47 102,31 103,03 97,4 100,49 99,46 94,36 Paraná 98, ,77 103,36 105,28 99,06 100,9 100,19 95,02 Santa Catarina 100, ,42 105,19 104,7 100,7 100,86 99,68 96,21 Rio Grande do Sul 99,32 98,25 93,35 99,2 99,87 93,43 99,77 98,6 92,16 FONTE: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria. Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (www.ibge.gov.br) NOTAS: Número índice base = 100 Índice Mensal: compara os dados do mês de referência do índice com os de igual mês do ano anterior; Índice Acumulado: compara os dados acumulados no ano, de janeiro até o mês de referência do índice, com os de igual período do ano anterior; Índice Acumulado 12 Meses: compara os dados acumulados nos últimos 12 meses de referência do índice, com os dos 12 meses imediatamente anteriores. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

2 EVOLUÇÃO DIÁRIA DO ÍNDICE IBOVESPA ABRIL/2009 MARÇO/2010 DIA ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,54 Mínimo , , , , , , , , , , , ,93 Máximo , , , , , , , , , , , ,54 Médio , , , , , , , , , , , ,44 FONTE: Bovespa NOTA: Índice Ibovespa é o valor atual, em moeda corrente, de uma carteira teórica de ações constituída em 2/1/1968 (valor-base: 100 pontos), a partir de uma aplicação hipotética. Supõe-se não ter sido efetuado nenhum investimento adicional desde então, considerando-se somente os ajustes efetuados em decorrência da distribuição de proventos pelas empresas emissoras (tais como reinversão de dividendos recebidos e do valor apurado com a venda de direitos de subscrição, e manutenção em carteira das ações recebidas em bonificação). Dessa forma, o índice reflete não apenas as variações dos preços das ações, mas também o impacto da distribuição dos proventos, sendo considerado um indicador que avalia o retorno total de suas ações componentes (IBOVESPA). Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

3 INDICADORES CONJUNTURAIS DA INDÚSTRIA BRASILEIRA, SEGUNDO TIPO DE INDÚSTRIA - PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO FEVEREIRO 2010 INDÚSTRIA MENSAL ACUMULADO ÚLTIMOS 12 MESES Indústria Geral 100,7 99,76 95,23 Indústrias Extrativas 101,5 101,1 97,8 Indústria de Transformação 100,7 99,73 95,16 Alimentos e Bebidas ,7 99 Fumo 98,03 96,93 98 Têxtil 104,6 103,7 97,27 Vestuário 96,64 95,97 92,78 Calçados e Couro 103,2 102,7 93,47 Madeira 87,54 86,57 83,19 Papel e Gráfica 108,2 108,5 108,3 Coque, Refino de Petróleo, Comb. Nucleares e Álcool 103,3 101,6 98,91 Produtos Químicos 98, ,09 Borracha e Plástico 101,8 100,4 92,19 Minerais Não-Metálicos 101,8 100,5 98,66 Metalurgia Básica 97,81 95,97 92,02 Produtos de Metal - exclusive máquinas e equipamentos 100,6 98,67 91,5 Máquinas e Equips - excl. elétr., eletrôn., de precisão e de comun. 100,9 99,34 91,65 Máquinas e Aparelhos Elétr., Eletrôn. de Precisão e de Comunicações 102,4 100,3 93,59 Fabricação de Meios de Transporte 99,05 97,51 90,35 Fabricação de Outros Produtos da Indústria de Transformação 100,5 99,61 94,41 FONTE: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria. Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (www.ibge.gov.br) NOTAS: Número índice base = 100 Índice Mensal: compara os dados do mês de referência do índice com os de igual mês do ano anterior; Índice Acumulado: compara os dados acumulados no ano, de janeiro até o mês de referência do índice, com os de igual período do ano anterior; Índice Acumulado 12 Meses: compara os dados acumulados nos últimos 12 meses de referência do índice, com os dos 12 meses imediatamente anteriores. BRASIL - DESEMBOLSOS DO SISTEMA BNDES, SEGUNDO OS GÊNEROS INDUSTRIAIS GÊNERO INDUSTRIAL Jan-Mar (Em US$ milhões) VAR. (%) 2010/2009 Indústria de Transformação ,1 Produtos Alimentícios ,8 Bebidas ,6 Produtos do Fumo Produtos Têxtil ,9 Confecção de Artigos do Vestuário e Acessórios ,1 Couros, Calçados e Artefatos ,0 Produtos de Madeira ,3 Celulose, Papel e Produtos de papel ,4 Impressão, Reprodução de Gravações ,4 Refino Petróleo, Coque e Biocombustíves ,4 Produtos Químicos ,0 Produtos Farmaquímicos e Farmacêuticos ,2 Produtos de Borracha e Material Plástico ,7 Produtos Minerais Não-Metálicos ,6 Metalúrgica ,4 Produtos de Metal, exceto Máquinas e Equipamentos ,7 Equipamentos de Informática, Produtos de Eletrônica e Ópticos ,3 Máq. Aparelhos e Mat. Elétricos ,5 Máquinas e Equipamentos ,6 Veículos Automotores, Reboques e Carrocerias ,0 Outros Equipamentos de Transporte, exceto Veículos Automotores ,5 Móveis ,3 Produtos Diversos ,0 Manutenção, Reparação e Instalação de Máquinas e Equipamentos ,0 FONTE: BNDES Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

4 NÍVEL MÉDIO DE UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA E BALANÇA COMERCIAL POR GÊNEROS DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NÍVEL MÉDIO DE UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA (%) BALANÇA COMERCIAL - (US$ MILHÕES FOB) DISCRIMINAÇÃO 2009 e 2010 Jan-Mar/2010 Jan-Mar/2010 Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Exp. Imp. Saldo Exp. Imp. Saldo Indústria de Transformação 77,1 77,6 78,7 79,0 79,8 81,6 82,8 83,7 84,5 84,2 82,1 83,1 83, Minerais Não-Metálicos 79,9 78,5 77,3 77,0 80,4 80,7 82,6 83,9 86,0 86,3 85,1 86,1 89, Metalúrgica 66,0 68,5 71,3 73,2 75,2 78,6 81,6 82,6 83,9 84,9 85,2 85,8 86, Mecânica 71,1 73,0 71,7 71,6 71,9 74,2 77,1 76,6 76,9 81,4 80,8 82,9 85, Mat. Elétr. e de Comunicação 68,2 69,0 69,8 72,1 72,6 78,9 79,6 80,0 79,7 78,7 76,8 80,1 81, Material de Transporte 80,0 81,3 83,2 83,7 84,7 86,7 87,3 88,5 88,1 88,0 87,3 88,3 89, Madeira Mobiliário 75,7 73,8 72,9 70,6 75,9 75,5 74,3 73,2 79,3 79,2 75,4 74,9 76, Celulose e Papel 86,3 87,1 89,0 86,9 88,1 90,3 91,4 92,2 91,7 90,9 88,0 89,8 91, Borracha Couros e Peles Química 82,3 82,8 82,4 83,1 83,9 84,1 84,6 85,0 85,2 84,6 83,2 83,1 83, Farmacêutica e Veter. 73,5 73,1 72,4 74,4 74,6 76,9 75,2 75,1 75,7 72,0 68,5 74,3 71, Perfumaria, Sabões e Velas Prod. Matérias Plásticas 78,1 78,8 79,7 80,3 82,0 86,8 88,5 84,6 87,2 87,2 83,9 85,6 87, Têxtil 84,0 85,8 85,6 84,4 85,0 86,4 86,5 86,8 86,9 83,2 85,4 85,1 87, Vestuário, Calç. e Art.Tec. 82,4 84,9 84,3 83,9 84,8 88,1 87,1 88,5 87,4 87,9 87,9 87,1 88, Produtos Alimentares 78,1 77,1 80,5 78,9 79,5 80,0 82,1 85,0 84,7 83,7 76,6 77,7 76, Bebidas/Álcool Carburante Fumo Manufaturado Indústrias Diversas 77,2 76,0 77,8 78,5 77,2 78,7 79,2 80,8 84,4 83,0 80,3 81,2 79, FONTE: FGV/SECEX (disponível em: NOTA: Porcentagem da capacidade máxima operacional utilizada no mês. O complemento de 100 representa o nível médio de ociosidade. Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

5 PREÇO MÉDIO MENSAL E NOMINAL NO ATACADO EM REAIS (R$) DE PRODUTOS AGRÍCOLAS SELECIONADOS - DEZ 2000-MAR 2010 PERÍODO SÃO PAULO PARANÁ Arroz (30 kg) Feijão Preto (30 kg) Soja (em farelo), ( t) Trigo (em grão) (60 kg) Milho (60 kg) Dez./ ,69 19,08 434,03 15,03 10,30 Dez./ ,00 49,95 496,42 17,80 11,78 Dez./ ,00 48,47 745,55 34,94 24,37 Dez./ ,36 43,16 756,77 28,58 17,73 Dez./ ,78 48,65 522,76 21,26 15,00 Dez./ ,00 60,01 513,04 21,96 14,26 Dez./ ,01 33,47 506,57 29,23 19,44 Dez./ ,67 72,29 682,33 34,35 28,69 Jan./ ,95 78,10 712,80 37,02 26,30 Fev./ ,75 84,87 713,92 38,52 23,98 Mar./ ,75 82,93 661,77 42,89 22,89 Abr./ ,14 79,74 642,38 44,79 23,02 Maio/ ,50 88,06 644,12 45,45 23,00 Jun./ ,00 100,73 724,68 43,56 22,90 Jul./ ,80 95,44 751,79 40,60 24,26 Ago./ ,15 91,89 647,56 33,68 21,03 Set./ ,25 104,87 679,14 30,36 20,26 Out./ ,32 114,79 725,43 29,65 19,59 Nov./ ,50 88,57 747,37 28,79 18,30 Dez./ ,54 85,72 736,91 28,50 17,93 Jan./ ,00 90,34 854,85 29,93 20,52 Fev./ ,62 77,38 870,88 31,54 20,02 Març./ ,45 61,21 768,29 31,79 18,60 Abr./ ,26 52,83 804,18 31,22 19,02 Mai./ ,81 47,32 869,23 30,49 20,15 Jun./ ,95 48,66 876,14 30,61 19,99 Jul/ ,56 51,69 806,75 30,04 18,17 Ago/ ,49 48,87 823,62 29,36 17,18 Set/ ,06 48,07 828,86 27,30 17,17 Out/ ,67 48,15 776,34 27,54 18,01 Nov/ ,02 46,16 751,96 27,95 18,34 Dez/ ,34 44,14 740,11 27,50 17,66 Jan/ ,29 47,07 742,18 26,68 17,17 Fev/ ,29 44,85 664,87 26,57 16,42 Mar/ ,58 550,39 25,12 15,99 FONTE: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); CONAB; SEAB-PR NOTA: Cotação para o arroz longo fino agulinha. Sinal convencional utilizado: Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

6 PREÇO MÉDIO DO ALUMÍNIO, SOJA E PETRÓLEO, BRASIL 2000 A MAR 2010 (Em US$) PERÍODO ALUMÍNIO (por tonelada) SOJA EM GRÃO (por tonelada) PÉTROLEO BRUTO (por brent, barril) ,5 183,0 28, ,7 168,8 24, ,1 188,8 25, ,8 233,3 28, ,5 276,8 38, ,5 223,2 54, ,1 217,4 65, ,8 423,0 90,9 Jan./ ,1 461,72 92,2 Fev./ ,9 508,22 95,0 Mar./ ,1 495,69 103,6 Abr,/ ,79 122,8 Maio/ ,3 489,09 109,1 Jun./ ,9 552,47 138,4 Jul./ ,5 554,15 124,1 Ago./ ,6 471,07 113,49 Set./ ,1 437,84 93,51 Out./ ,78 60,00 Nov./ ,1 329,14 47,72 Dez./ ,4 318,81 35,82 Jan./ ,4 364,72 44,17 Fev./ ,1 341,27 44,41 Mar./ ,1 333,66 49,13 Abr./ ,8 374,47 50,3 Mai./ ,4 422,28 64,98 Jun/ ,3 445,15 68,11 Jul/ ,33 398,16 70,08 Ago/ ,64 408,96 69,02 Set/ ,6 349,05 65,82 Out/ ,66 354,86 74,91 Nov/ ,55 370,71 77,77 Dez/ ,26 379,3 77,91 Jan/ ,11 358,97 71,20 Fev/ ,27 344,66 76,36 Mar/ ,53 348,95 79,46 FONTE: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); Fundo Monetário Internacional (FMI) Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

7 INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO NACIONAL E INTERNACIONAL BRASIL EUA DATA Fundo de Investimento Financeiro FIF (PL mensal, R$ milhões) (1) Valor das empresas listadas no Ibovespa (R$ bilhões) (3) Índice Ibovespa fechamento mensal (pontos) (2) Emissão Primária de Debêntures (R$ milhões) Dow Jones NYSE média mensal (pontos) (3) Nasdaq média mensal (pontos) (4) Jan./ Fev./ Mar./ Abr./ Maio./ Jun./ Jul./ Ago./ Set./ Out./ Nov./ Dez./ Jan./ Fev./ Mar/ Abr/ Mai/ Jun/ Jul/ ,5 Ago/ Set/ Out/ Nov/ Dez/ Jan/ Fev/ Mar/ Abr/ FONTES: (1) Banco Central do Brasil, (2) Bovespa (Índice de Fechamento do último dia útil do mês), (3) Dow Jones, (4) Nasdaq NOTA: Para os anos de 1995 a 2007, os valores referem-se ao mês de dezembro, exceto para emissão de debênture que é o total do ano. Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

8 VOLUME E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DOS 10 PRINCIPAIS PAÍSES NO COMÉRCIO MUNDIAL DE PRODUTOS (Em bilhões de dólares) RANKING EXPORTRADORES VALOR (%) RANKING IMPORTADORES VALOR (%) 1 Alemanha 1.461,85 9,1 1 Estados Unidos 2.169,49 13,21 2 China 1.428,33 8,89 2 Alemanha 1.203,79 7,33 3 Estados Unidos 1.287,44 8,01 3 China 1.132,49 6,9 4 Japão 782,05 4,87 4 Japão 762,59 4,64 5 Holanda 633,01 3,94 5 França 705,58 4,3 6 França 605,4 3,77 6 Reino Unido 632,02 3,85 7 Itália 538,03 3,35 7 Holanda 573,19 3,49 8 Bélgica 475,55 2,96 8 Itália 554,91 3,38 9 Rússia 471,6 2,93 9 Bélgica 469,49 2,86 10 Reino Unido 458,57 2,85 10 Coréia do Sul 435,27 2,65 FONTE: Organização Mundial do Comércio (disponível em: EXPORTAÇÕES MUNDIAIS DE PRODUTOS POR REGIÕES E PAÍSES SELECIONADOS , 1953, 1963, 1973, 1983, 1993, 2003 e 2008 (Em bilhões de dólares) REGIÃO Valor (Bilhões de dólares) Mundo Distribuição Percentual Mundo 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 América do Norte 28,1 24,8 19,9 17,3 16,8 18,0 15,8 12,67 Estados Unidos 21,7 18,8 14,9 12,3 11,2 12,6 9,8 8,01 México 0,9 0,7 0,6 0,4 1,4 1,4 2,2 1,82 América do Sul e Central 11,3 9,7 6,4 4,3 4,4 3,0 3,0 3,73 Brasil 2,0 1,8 0,9 1,1 1,2 1,0 1,0 1,23 Argentina 2,8 1,3 0,9 0,6 0,4 0,4 0,4 0,44 Europa 35,1 39,4 47,8 50,9 43,5 45,4 45,9 40,12 África 7,3 6,5 5,7 4,8 4,5 2,5 2,4 3,47 Oriente Médio 2,0 2,7 3,2 4,1 6,8 3,5 4,1 6,35 Ásia 14,0 13,4 12,5 14,9 19,1 26,1 26,2 29,29 China 0,9 1,2 1,3 1,0 1,2 2,5 5,9 8,89 Japão 0,4 1,5 3,5 6,4 8,0 9,9 6,4 4,87 Índia 2,2 1,3 1,0 0,5 0,5 0,6 0,8 1,10 FONTE: Organização Mundial do Comércio (disponível em: Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

9 IMPORTAÇÕES MUNDIAIS DE PRODUTOS POR REGIÕES E PAÍSES SELECIONADOS , 1953, 1963, 1973, 1983, 1993, 2003 e 2008 (Em bilhões de dólares) REGIÃO Valor (bilhões de dólares) Mundo Distribuição Percentual Mundo 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,00 América do Norte 18,5 20,5 16,1 17,2 18,5 21,5 22,6 17,73 Estados Unidos 13,0 13,9 11,4 12,3 14,3 16,0 17,0 13,21 México 1,0 0,9 0,8 0,6 0,7 1,8 2,3 1,97 América do Sul e Central 10,4 8,3 6,0 4,4 3,8 3,3 2,5 3,63 Brasil 1,8 1,6 0,9 1,2 0,9 0,7 0,7 1,11 Argentina 2,5 0,9 0,6 0,4 0,2 0,4 0,2 0,35 Europa 45,3 43,7 52,0 53,3 44,2 44,8 45,3 41,53 África 8,1 7,0 5,2 3,9 4,6 2,6 2,1 2,84 Oriente Médio 1,8 2,1 2,3 2,7 6,2 3,4 2,7 3,53 Ásia 13,9 15,1 14,1 14,9 18,5 23,3 23,1 27,68 China 0,6 1,6 0,9 0,9 1,1 2,8 5,4 6,9 Japão 1,1 2,8 4,1 6,5 6,7 6,4 5,0 4,64 Índia 2,3 1,4 1,5 0,5 0,7 0,6 0,9 1,79 FONTE: Organização Mundial do Comércio (www.wto.org) CRESCIMENTO DO VOLUME DE EXPORTAÇÕES, DE PRODUÇÃO MUNDIAL DE PRODUTOS E DO PIB MUNDIAL (Em % ao ano) PRODUTOS/PIB Exportações mundiais de produtos 5,0 8,5 6,0 1,5 Produtos Agrícolas 4,0 6,0 5,0 2,5 Combustíveis e produtos das indústria extrativas 3,0 4,0 3,5 0,5 Produtos Industrializados 6,0 10,5 7,5 2,0 Produção mundial de produtos 2,5 4,0 1,5-0,5 Agricultura 2,5 1,5 2,5 3,0 Indústria extrativa 1,5 1,0 0,0 1,0 Produtos Industrializados 2,5 5,5 1,5-1,5 PIB mundial real 3,0 3,5 3,5 1,5 FONTE: Organização Mundial do Comércio (disponível em: CRESCIMENTO DO VOLUME DO COMÉRCIO MUNDIAL DE PRODUTOS POR REGIÕES SELECIONADAS (Em % ao ano) REGIÃO EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES Mundo 5,0 6,0 1,5 5,0 6,0 1,5 América do Norte 2,5 5,0 1,5 3,0 2,0-2,5 América do Sul e Central 5,5 3,5 0,5 8,5 17,5 13,5 Europa 3,5 4,0 0,0 3,0 4,0-1,5 União Europea (27) 3,5 3,5-0,5 3,0 3,5-1,5 Comunidade dos Estados Independentes (CEI) 7,5 7,5 2,5 17,0 20,0 16,5 Ásia 10,0 11,5 5,5 8,0 8,0 4,5 Japão 6,0 9,5 2,0 2,5 1,5-2,0 Seis países comerciantes da Ásia Oriental 8,0 8,5 4,5 5,5 5,0 4,0 FONTE: Organização Mundial do Comércio (disponível em: Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

10 COMÉRCIO INTRA-REGIONAL E INTER-REGIONAL DE PRODUTOS DESTINO ORIGEM América do Norte América do Sul e Central Europa CEI África Oriente Médio Ásia Mundo Valor (bilhões de dólares) Mundo América do Norte 1014,5 164,9 369,1 16,0 33,6 60,2 375,5 2035,7 América do Sul e Central 169,2 158,6 121,3 9,0 16,8 11,9 100,6 599,7 Europa 475,4 96,4 4695,0 240,0 185,5 188,6 486,5 6446,6 Comunidade de Estados Independentes (CEI) 36,1 10,1 405,6 134,7 10,5 25,0 76,8 702,8 África 121,6 18,5 218,1 1,5 53,4 14,0 113,9 557,8 Oriente Médio 116,5 6,9 125,5 7,2 36,6 122,1 568,9 1021,2 Ásia 775,0 127,3 801,0 108,4 121,3 196,4 2181,4 4353,0 Participação das correntes comerciais regionais nas exportações totais de mercadorias de cada região (%) Mundo 17,2 3,7 42,9 3,3 2,9 3,9 24,8 100,0 América do Norte 49,8 8,1 18,1 0,8 1,7 3,0 18,4 100,0 América do Sul e Central 28,2 26,5 20,2 1,5 2,8 2,0 16,8 100,0 Europa 7,4 1,5 72,8 3,7 2,9 2,9 7,5 100,0 Comunidade de Estados Independentes (CEI) 5,1 1,4 57,7 19,2 1,5 3,6 10,9 100,0 África 21,8 3,3 39,1 0,3 9,6 2,5 20,4 100,0 Oriente Médio 11,4 0,7 12,3 0,7 3,6 12,0 55,7 100,0 Ásia 17,8 2,9 18,4 2,5 2,8 4,5 50,1 100,0 Participação das correntes comerciais regionais nas exportações mundiais de mercadorias (%) Mundo 17,2 3,7 42,9 3,3 2,9 3,9 24,8 100,0 América do Norte 6,5 1,0 2,3 0,1 0,2 0,4 2,4 13,0 América do Sul e Central 1,1 1,0 0,8 0,1 0,1 0,1 0,6 3,8 Europa 3,0 0,6 29,9 1,5 1,2 1,2 3,1 41,0 Comunidade de Estados Independentes (CEI) 0,2 0,1 2,6 0,9 0,1 0,2 0,5 4,5 África 0,8 0,1 1,4 0,0 0,3 0,1 0,7 3,5 Oriente Médio 0,7 0,0 0,8 0,0 0,2 0,8 3,6 6,5 Ásia 4,9 0,8 5,1 0,7 0,8 1,2 13,9 27,7 FONTE: Organização Mundial do Comércio (disponível em: BALANÇA COMERCIAL DO PARANÁ (Em $ 1000 (FOB) e Variação % anual) ANO EXPORTAÇÃO (X) IMPORTAÇÃO (M) Valor Var. % Valor Var. % SALDO (X-M) VALOR (13) (32) (0) (26,29) (33,97) FONTE: MDIC/SECEX Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

11 BALANÇA COMERCIAL DO BRASIL Em $ 1000 (FOB) e Variação % anual ANO EXPORTAÇÃO (X) IMPORTAÇÃO (M) SALDO (X-M) Valor Var. % Valor Var. % Valor Var. % , , , (3,48) (3,32) (2,08) , (3,31) (88,95) , (0,45) (466,91) , (15,03) , , , , , , , , , , , , , , , (13,84) , , (38,18) (22,71) (26,28) ,33 FONTE: MDIC/SECEX Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. CUSTO MENSAL DE PRODUÇÃO NOMINAL DE FRANGO DE CORTE NO PARANÁ POR TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO JAN-DEZ/2009 TECNOLOGIA/MÊS CLIMATIZADO AVES POR LOTE AUTOMÁTICO AVES POR LOTE MANUAL AVES POR LOTE PREÇO DO FRANGO VIVO R$/kg R$/Frango R$/kg R$/Frango R$/kg R$/Frango R$/KG Janeiro 1,74 4,34 1,70 4,24 1,74 4,34 1,65 Fevereiro 1,72 4,31 1,69 4,21 1,73 4,31 1,72 Março 1,63 4,07 1,59 3,98 1,63 4,08 1,69 Abril 1,62 4,04 1,58 3,95 1,62 4,05 1,66 Maio 1,66 4,16 1,63 4,07 1,67 4,17 1,61 Junho 1,61 4,02 1,57 3,94 1,61 4,03 1,73 Julho 1,62 4,06 1,59 3,98 1,63 4,06 1,71 Agosto 1,62 4,04 1,59 3,98 1,63 4,05 1,62 Setembro 1,60 3,99 1,56 3,90 1,60 3,99 1,61 Outubro 1,55 3,87 1,51 3,78 1,55 3,88 1,57 Novembro 1,55 3,87 1,51 3,79 1,55 3,88 1,59 Dezembro 1,54 3,86 1,51 3,78 1,55 3,87 1,59 FONTE: CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento; EMBRAPA SUÍNOS E AVES (www.conab.gov.br) Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

12 OFERTA E DEMANDA DOS PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS BRASILEIROS - SAFRAS 1997/ /2007 (MIL TONELADAS) CULTURA SAFRA ESTOQUE INICIAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO SUPRIMENTO CONSUMO EXPORTAÇÃO ESTOQUE FINAL Algodão em Pluma Arroz em Casca Feijão em Cores Milho Soja em Grãos Farelo de Soja Óleo de Soja Trigo 2003/04 344, ,4 105, ,4 903,4 331,0 525,0 2004/05 525, ,7 37, ,3 945,9 391,0 524,4 2005/06 524, ,8 81, ,8 983,4 304,5 355,9 2006/07 355, ,0 96, ,7 990,0 419,4 567,3 2007/08 567, ,2 33, , ,2 532,9 661,1 2008/09 661, ,7 14, ,3 948,6 504,9 435,8 2009/10 435, ,3 40, ,1 996,0 400,0 354,1 2003/ , , , , ,0 92, ,4 2004/ , ,2 728, , ,0 397, ,1 2005/ , ,7 827, , ,0 452, ,3 2006/ , , , , ,0 313, ,7 2007/ , ,6 589, , ,0 789, ,3 2008/ , ,6 908, , ,0 894, ,5 2009/ , ,7 1200, , ,0 500,0 885,2 2003/04 243, ,3 78, , ,0 2,0 19,1 2004/05 149, ,5 100, , ,0 2,1 92,9 2005/06 92, ,2 69, , ,0 7,7 176,2 2006/07 176, ,7 96, , ,0 30,5 81,4 2007/08 81, ,9 209, , ,0 2,0 180,0 2008/09 180, ,7 110, , ,0 25,0 267,7 2009/10 267, ,4 80, , ,0 25,0 200,1 2003/ , ,5 330, , , , ,7 2004/ , ,7 597,0 43,405,4 39,200, , ,4 2005/ , ,9 956,0 46,606, , , ,3 2006/ , , ,5 55,733, , , ,0 2007/ , ,3 808,0 62,760, , , ,5 2008/ , , ,9 63,997, , , ,8 2009/ , ,1 750, , , , ,9 2003/ , ,9 349, , , , ,2 2004/ , ,6 368, , , , ,7 2005/ , ,1 48, , , , ,7 2006/ , ,8 97, , , , ,6 2007/ , ,7 96, ,6 34,750, , ,1 2008/ , ,6 100, , , ,7 675,0 2009/10 675, ,7 70, , , , ,7 2003/ , ,0 187, , , , ,6 2004/ , ,0 188, , , , ,6 2005/ , ,0 152, , , , ,6 2006/ , ,0 101, , , , ,6 2007/ , ,0 117, , , , ,0 2008/ , ,8 100, , , , ,8 2009/ , ,4 100, , , , ,2 2003/04 319, ,4 27, , , ,2 330,1 2004/05 330, ,8 3, , , ,1 279,0 2005/06 279, ,5 25, , , ,4 214,5 2006/07 214, ,0 44, , , ,5 275,1 2007/08 275, ,5 27, , , ,8 246,2 2008/09 246, ,2 30, , , ,6 289,8 2009/10 289, , , , , ,0 389,7 2003/04 971, , , , , , ,8 2004/ , , , , ,0 3, ,4 2005/ , , , , ,0 784, ,8 2006/ , ,7 7,164, , ,0 19, ,9 2007/ , , , , ,0 746, ,7 2008/ , , , , ,0 351, ,7 2009/ , , , , ,0 750, ,0 FONTE: Conab (disponível em: Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

13 PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E RENDIMENTO MÉDIDO DA SOJA - BRASIL E MAIORES ESTADOS PRODUTORES (Mil toneladas e mil hectares) BRASIL MAIORES ESTADOS PRODUTORES ANO Produção Área Colhida Rendimento Médio (kg/ha) Mato Grosso Paraná Goiás Mato Grosso do Sul Minas Gerais Produção Área Colhida Produção Área Colhida Produção Área Colhida Produção Área colhida Produção Área colhida 1989/ , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , /2009(1) , /2010(2) , FONTE: CONAB (1) Preliminar.(2) Estimativas Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

14 TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB REAL PARA PAÍSES SELECIONADOS PAÍSES MÉDIA DO CRESCIMENTO Alemanha 1,7 0,8 1,5 1,8 2,1 3,2 1,2 0,0-0,2 1,1 0,8 2,9 2,5 1,4 Argentina -2,9 5,5 8,1 3,9-3,4-0,8-4,4-10,9 8,8 9,3 9,2 8,5 8,7 2,6 Bolívia 4,7 4,4 5,0 5,0 0,4 2,5 1,7 2,4 2,8 3,6 4,0 4,6 4,3 3,4 Brasil 4,2 2,2 3,4 0,0 0,3 4,3 1,3 2,7 1,1 5,7 3,2 3,8 5,4 2,7 Canadá 2,8 1,6 4,2 4,1 5,5 5,3 1,4 3,0 2,3 2,9 3,7 1,8 2,7 3,2 Chile 10,6 7,4 6,6 3,2-0,8 15,3 7,1-6,7-0,7 6,0 5,7 4,3 5,1 4,8 Colômbia 5,2 2,1 3,4 0,6-4,2 2,9 1,5 1,9 3,9 4,9 4,7 6,8... 2,8 Coréia do Sul 9,2 7,0 4,7-6,9 9,5 8,5 3,8 7,0 3,1 4,7 4,2 5,0... 5,0 Equador 1,8 2,4 4,1 2,1-6,3 2,8 5,1 4,2 3,6 8,0 6,0 3,9... 3,1 Estados Unidos 2,5 3,7 4,5 4,2 4,5 3,7 0,8 1,6 2,5 3,6 3,1 2,9 2,2 3,1 França 1,9 1,1 1,9 3,5 3,1 3,8 2,1 1,2 0,5 2,3 1,7 2,2 1,9 2,1 Indonésia 8,2 7,8 4,7-13,1 0,8 50,1 4,2-4,3 2,7 4,9 5,7 5,5 6,3 6,4 Itália 2,9 1,1 2,0 1,8 1,7 3,0 1,8 0,4 0,3 1,5 0,6 1,8 1,5 1,6 Japão 1,9 3,6 1,8-1,2 0,2 3,1-1,2 1,0 3,3 2,8 1,9 2,4 2,1 1,6 México -6,2 5,2 6,8 5,0 3,8 6,6 0,0 0,8 1,4 4,2 2,8 4,8... 2,9 Paraguai 4,7 1,3 2,6-0,4 0,5-0,4 2,7-2,3 3,8 4,1 2,9 4,3... 2,0 Peru 8,6 2,5 6,9-0,7 0,9 3,0 0,2 5,0 4,0 5,1 6,7 7,6 9,0 4,2 Reino Unido 2,8 2,7 3,3 3,1 2,8 3,8 2,1 1,7 2,1 3,3 1,8 2,9... 2,7 Tailândia 9,2 5,9-1,4-10,5 4,5 4,8 2,2 5,3 6,9 6,3 4,5 5,1 4,8 3,6 Uruguai -1,9 7,3 7,6 5,5-3,8-1,0-4,6-16,4 3,2 16,0 7,7 9,8... 2,5 Venezuela 4,0-0,2 6,4 0,2-6,0 3,7 3,4-8,9-7,7 18,3 10,3 10,3 8,4 2,8 Crescimento médio Países Industrializados 2,4 2,1 2,7 2,5 2,8 3,7 1,2 1,3 1,5 2,5 2,0 2,4... 2,3 Países Asiáticos 7,1 6,1 2,4-7,9 3,7 16,6 2,2 2,3 4,0 4,7 4,1 4,5... 4,2 América Latina 3,0 3,6 5,5 2,2-1,7 3,5 1,3-2,6 2,2 7,7 5,7 6,2... 3,1 Países Selecionados 3,6 3,6 4,2 0,5 0,8 6,1 1,5-0,5 2,3 5,6 4,3 4,8... 3,1 FONTE: Fundo Monetário Nacional, FMI-IFS e bancos centrais dos países selecionados NOTA: Para o ano de 2007 dados preliminares. Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

15 TAXA DE INFLAÇÃO ANUAL PARA PAÍSES SELECIONADOS PAÍSES MÉDIA DO CRESCIMENTO Alemanha 1,5 1,5 2,0 0,4 1,1 2,1 1,6 1,2 1,1 2,1 2,1 1,4 2,4 1,5 Argentina 3,4 0,2 0,5 0,9-1,2-0,9-1,1 25,9 13,4 4,4 9,6 10,9 8,5 5,5 Bolívia 12,6 7,9 6,7 4,4 3,1 3,4 0,9 2,4 3,9 4,6 4,9 4,9 11,7 5,0 Brasil 22,4 9,6 5,2 1,7 8,9 6,0 7,7 12,5 9,3 7,6 5,7 3,1 4,5 8,3 Canadá 1,7 2,2 0,7 1,0 2,6 3,2 0,7 3,9 2,0 2,1 2,2 1,7... 2,0 Chile 8,2 7,4 6,1 5,1 3,3 3,8 3,6 2,5 2,8 1,1 3,1 2,6 7,8 4,2 Colômbia 18,9 21,6 17,7 16,7 9,2 8,8 7,6 7,0 6,5 5,5 4,8 4,5 5,7 10,7 Coréia do Sul 4,8 4,9 6,6 4,0 1,4 3,2 2,8 3,7 3,4 3,0 2,8 2,2... 3,6 Equador 22,9 25,5 30,7 43,4 60,7 91,0 22,4 9,4 6,1 1,9 4,3 1,7 2,4 26,7 EUA 2,5 3,3 1,7 1,6 2,7 3,4 1,5 2,4 1,9 3,3 3,4 2,5 3,5 2,5 França 2,1 1,7 1,1 0,3 1,3 1,6 1,4 2,3 2,2 2,1 1,5 1,5 2,0 1,6 Indonésia 9,0 6,0 10,3 77,6 1,9 9,3 12,5 10,0 5,1 6,4 17,1 6,6 6,6 14,3 Itália 5,6 2,8 1,9 1,7 2,1 2,7 2,4 2,8 2,5 2,0 2,0 1,9 2,1 2,5 Japão -0,4 0,6 1,8 0,6-1,1-0,4-1,2-0,3-0,4 0,2-0,1 0, ,1 México 35,0 34,4 20,6 15,9 16,6 9,5 6,4 5,0 4,5 4,7 4,0 3, ,4 Paraguai 10,5 8,2 6,2 14,7 5,4 8,6 8,4 14,6 9,3 2,8 9,9 12,5... 9,3 Peru 10,2 11,8 6,5 6,0 3,7 3,7-0,1 1,5 2,5 3,5 1,5 1,1 3,1 4,3 Reino Unido 3,2 2,5 3,6 2,7 1,8 2,9 0,7 2,9 2,8 3,5 2,2 4,4 4,2 2,8 Tailândia 7,5 4,8 7,6 4,3 0,6 1,4 0,7 1,6 1,8 2,9 4,5 4,7 2,3 3,5 Uruguai 35,5 24,3 15,2 8,6 4,2 5,1 3,6 26,0 10,1 7,6 4,9 6,4 8,9 12,6 Venezuela 56,6 103,2 37,6 29,9 20,0 13,4 12,3 31,2 27,1 19,2 14,4 17,0 17,2 31,8 Crescimento médio Países Industrializados 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 Países Asiáticos 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 América Latina 13,0 15,9 8,4 7,5 5,4 5,2 3,9 7,5 6,2 5,0 4,7 4,9 4,5 7,3 Países Selecionados 30,2 31,4 20,9 26,8 16,4 20,0 10,4 18,6 13,0 9,8 11,4 10,5 8,2 18,3 FONTE: Fundo Monetário Nacional, FMI-IFS e bancos centrais dos países selecionados NOTA: Para o ano de 2007 dados preliminares. Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC Indicadores EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO - 2011-2014 ANO TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB TAXA DE JUROS SELIC TAXA DE CÂMBIO R$/US$ TAXA DE INFLAÇÃO

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Outubro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM OUTUBRO Exportações A exportação de produtos básicos registrou queda de 87,3% ante outubro

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2012 Unidade de Estudos Econômicos PRINCIPAIS ESTADOS EXPORTADORES NO MÊS jan/11 Part(%) jan/12 Part(%) Var (%) SAO PAULO 3.328 21,9% 3.672 22,7% 10,3% 344

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2016 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações O principal destaque negativo ficou por conta do impacto contracionista

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Setembro 2012 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM SETEMBRO Exportações A queda de 28% na comparação mensal pode ser explicada por: 1) Dois

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Junho 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JUNHO Exportações A forte redução no mês foi causada pela contabilização como exportação da

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Fevereiro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM FEVEREIRO Exportações Apesar da queda nos embarques para a Argentina (6%), trata-se do melhor

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Além da forte queda da indústria (-18,5%), ressalta-se o fato de que somente

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Fevereiro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Dez16/Nov16 (%) dessaz. Dez16/Dez15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Projeto desenvolvido por:

Projeto desenvolvido por: Coordenação Geral Kennya Beatriz Siqueira Alziro Vasconcelos Carneiro Equipe Técnica Kennya Beatriz Siqueira - Pesquisadora Embrapa Gado de Leite Alziro Vasconcelos Carneiro - Analista Embrapa Gado de

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Junho/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Abr17/Mar17 (%) dessaz. Abr17/Abr16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até abril

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2017 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out17/Set17 (%) dessaz. Out17/Out16 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

A Economia Brasileira em 2007 e Perspectivas para 2008

A Economia Brasileira em 2007 e Perspectivas para 2008 A Economia Brasileira em 2007 e Perspectivas para 2008 Francisco E. P. de Souza Rio de Janeiro, 17/01/2008 Tabela 2 - Projeções do mercado e do Grupo de Conjuntura para 2007 Mercado Grupo de Conjuntura

Leia mais

Indicadores selecionados do RS*

Indicadores selecionados do RS* 67 Indicadores selecionados do RS* Tabela 1 Taxas de crescimento da produção, da área colhida e da produtividade dos principais produtos da lavoura no Rio Grande do Sul /06 PRODUTOS / 2006/ (1) Produção

Leia mais

INFORME ESTATÍSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA

INFORME ESTATÍSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA Documento Interno para discussão Nº LC/BRS/R.289/Add.8-9 Agosto-Setembro 2014 Original: Espanhol CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escritório em Brasília INFORME ESTATÍSTICO DA

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 21 de Agosto de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite

CIP-Brasil. Catalogação-na-publicação. Embrapa Gado de Leite Ano 7, n. 44 - Dezembro/2016 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br www.embrapa.br/fale-conosco/sac

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho):

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho): Julho / 2012 Destaques Julho: - Exportação: 2º maior valor para julho (exp: US$ 21,0 bi); anterior jul-11 (US$ 22,3 bi); - Importação: 2º maior valor para julho (US$ 18,1 bi); anterior jul-11: US$ 19,1

Leia mais

Vale do Aço. Fevereiro/2016

Vale do Aço. Fevereiro/2016 Fevereiro/2016 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Boletim da Balança Comercial do RS Abril de 2016

Boletim da Balança Comercial do RS Abril de 2016 Boletim da Balança Comercial do RS Abril de 2016 Tópicos 1. Exportações do Rio Grande do Sul Abril Setores de atividade CNAE 2.0 Principais destinos 2. Importações do Rio Grande do Sul Abril Setores de

Leia mais

Boletim da Balança Comercial do RS Maio de 2016

Boletim da Balança Comercial do RS Maio de 2016 Boletim da Balança Comercial do RS Maio de 2016 Tópicos 1. Exportações do Rio Grande do Sul Maio Setores de atividade CNAE 2.0 Principais destinos 2. Importações do Rio Grande do Sul Maio Setores de destaque

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 28 de março de 2016 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2016 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

INFORME ESTATÍSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA

INFORME ESTATÍSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA Documento Interno para discussão Nº LC/BRS/R.289/Add.10-12 Outubro-Dezembro 2014 Original: Espanhol CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escritório em Brasília INFORME ESTATÍSTICO

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Abril , , , ,2

Abril , , , ,2 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2010 US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Período Dias Valor Média Valor Média Valor Média Valor Média Úteis p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA. Minas Gerais

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA. Minas Gerais PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA Minas Gerais Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais FIEMG. Ficha Técnica Elaboração:

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

Boletim da Balança Comercial do RS Dezembro de 2016

Boletim da Balança Comercial do RS Dezembro de 2016 Boletim da Balança Comercial do RS Dezembro de 2016 Tópicos 1. Exportações do Rio Grande do Sul Dezembro Setores de atividade CNAE 2.0 Principais destinos 2. Importações do Rio Grande do Sul Dezembro Setores

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Divulgação dos Resultados da Indústria Geral e Setorial 1º Trimestre de 2011 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Maio de 2011 Objetivos Calcular

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

Agosto , , , ,9

Agosto , , , ,9 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA AGOSTO 2010 US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Período Dias Valor Média Valor Média Valor Média Valor Média Úteis p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15).

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15). 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em jan-jul.15 caíram, em valor (US$), 5,93%, as exportações caíram 8,66%, enquanto a queda do déficit na Balança Comercial foi de 5,38% em

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Dezembro/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Geografia. O Comércio Exterior do Brasil. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. O Comércio Exterior do Brasil. Professor Luciano Teixeira. Geografia O Comércio Exterior do Brasil Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia O BRASIL NO COMÉRCIO EXTERIOR O comércio exterior é a troca de bens e serviços realizada entre

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

ano V, n 47, Março de 2015

ano V, n 47, Março de 2015 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES FEVEREIRO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Abril 2016 As exportações do Estado do Paraná, em abril de 2016, foram de US$ 1,499 bilhão. As principais contribuições foram de produtos alimentares (complexo

Leia mais

(+0,5% sobre dez-12), 2ª maior média para meses de dezembro, anterior dez-11: US$ 1,006 bi; sobre nov-13, houve redução de 4,8%;

(+0,5% sobre dez-12), 2ª maior média para meses de dezembro, anterior dez-11: US$ 1,006 bi; sobre nov-13, houve redução de 4,8%; Resultados dezembro de - Exportação: US$ 20,8 bilhões e média diária de US$ 992,7 milhões (+0,5% sobre dez-12), 2ª maior média para meses de dezembro, anterior dez-11: US$ 1,006 bi; sobre nov-13, houve

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA SETEMBRO 2012 Período Dias Úteis US$ milhões FOB EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil

Leia mais

- Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões),

- Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões), Dezembro / 2014 Resultados de Dezembro de 2014 - Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões), redução de 19,9%, pela média diária; - Importação:

Leia mais

ano IV, n 40 agosto de 2014

ano IV, n 40 agosto de 2014 ano IV, n 40 agosto de 2014 SÍNTESE JULHO DE 2014 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Julho 23.024 21.450 1.574 Variação em relação a julho de 2013 10,7% - 5,5 % 3.473 Acumulado no ano

Leia mais

ano XVI, n 6, junho de 2012

ano XVI, n 6, junho de 2012 ,, junho de 2012 EM FOCO O índice de preços das exportações apresentou alta de 0,3% em maio na comparação com abril, causada pela evolução positiva em produtos básicos e manufaturados (0,4%). Contudo,

Leia mais

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 SÍNTESE JANEIRO DE 2015 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Janeiro 13.704 16.878-3.174 Variação em relação a Janeiro de 2014-14,5 % -16,0 % 894 Acumulado

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Julho de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO Julho de 2017 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Riscos reduzidos de crise, com o crescimento global se sustentando em ritmo positivo, de forma generalizada. Aumento gradual de juros nos EUA.

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Novembro de 2016 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Novembro de 2016 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities. Desaceleração moderada da China. Aumento de juros nos EUA, mas de forma gradual.

Leia mais

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital

A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital A economia do Rio de Janeiro Estado e Capital William Figueiredo Divisão de Estudo Econômicos do Rio de Janeiro (DIERJ) Gerência de Estudos Econômicos (GEE) Rio de Janeiro, 27 de junho de 2017 Estado do

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MATO GROSSO OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DO MATO GROSSO Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 903.386 10,63% 56,24% População

Leia mais

CARNE AVÍCOLA JUNHO DE 2017

CARNE AVÍCOLA JUNHO DE 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA JUNHO DE 2017 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por

Leia mais

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial

Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial XIX Congresso Brasileiro de Economia Painel: O desempenho econômico brasileiro no cenário mundial Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda aclacerda@pucsp.br Bonito, 09 de Setembro de 2011. Page 1 Economia

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Janeiro de 2017 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities, com estabilização dos preços nos últimos meses. Desaceleração moderada da China.

Leia mais

Panorama Conjuntural do Segmento de Etiquetas Adesivas

Panorama Conjuntural do Segmento de Etiquetas Adesivas Panorama Conjuntural do Segmento de Etiquetas Adesivas São Paulo, janeiro de 2013 Índice Etiquetas adesivas impressas o Produção anual e mensal do segmento de etiquetas o Mercado Externo o Balança Comercial

Leia mais

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões

Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões São Paulo, 18 de janeiro de 2016 NOVEMBRO DE 2015 Acumulado até novembro registra IED de US$ 52,7 bilhões No acumulado até novembro, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO

ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO ALGODÃO TENDÊNCIAS PARA O MERCADO Analista de Mercado Élcio A. Bento elcio@safras.com.br ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/@ Preço Mínimo R$ 44,6/@ ALGODÃO CIF SÃO PAULO R$/2 Jul A FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO

Leia mais

Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro

Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro Dados estatísticos dos principais produtos do Agronegócio Brasileiro CADERNO DE ESTATÍSTICAS Uma publicação da Representação do IICA/Brasil Elaboração: Daniela Faria e Diego Machado 1. Apresentação 2.

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional. Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA A Produtividade e a Competitividade da Indústria Naval e de BK Nacional Fernanda De Negri Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Produtividade e sustentabilidade do crescimento econômico Decomposição

Leia mais

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014

Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Indústria Janeiro/2014 EMPREGO INDUSTRIAL Janeiro de 2014 Emprego industrial 25 de Fevereiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O MELHOR DESEMPENHO

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO.

EMPREGO INDUSTRIAL SUMÁRIO EXECUTIVO EMPREGO MAIO DE 2013 A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. EMPREGO INDUSTRIAL MAIO DE 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA FOI O SETOR QUE MAIS CONTRATOU EM MAIO E NO ACUMULADO DO ANO. FORAM GERADAS 31.531 VAGAS ENTE JANEIRO E MAIO, correspondendo a um acréscimo

Leia mais

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA

PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA PAINEL DA INDÚSTRIA MINEIRA Fevereiro/2017 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais FIEMG. Ficha Técnica Elaboração:

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS AGOSTO/2016 Resumo de desempenho Agosto 2016 Variáveis R$ milhões constantes Variação percentual sobre Mês No ano mês anterior

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Junho/2012 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Jun/12 = R$ 7.158 milhões -0,5% sobre Mai/12 3,8%

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O volume de vendas no varejo registrou queda de 0,4%, quando comparado ao mês imediatamente anterior, na série com ajuste sazonal, marcando a quinta queda consecutiva. Sete das dez

Leia mais

ano III, n 21, janeiro de 2013 Período Exportações Importações Saldo

ano III, n 21, janeiro de 2013 Período Exportações Importações Saldo ano III, n 21, janeiro de 2013 SÍNTESE DEZEMBRO DE 2012 (Em US$ milhões) Período Exportações Importações Saldo Dezembro de 2012 19.748 17.500 2.249 Variação em relação a dezembro de 2011-10,8 % - 4,4 %

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CENÁRIO MACROECONÔMICO. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CENÁRIO MACROECONÔMICO Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AMBIENTE INTERNACIONAL o Riscos reduzidos de crise. O crescimento global continua a ganhar tração, com maior

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Novembro de 2013 Emprego industrial 02 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO A INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO APRESENTOU O SEGUNDO MELHOR

Leia mais

AGROSAFRA SETEMBRO DE 2015

AGROSAFRA SETEMBRO DE 2015 AGROSAFRA SETEMBRO DE 2015 1. Indicadores da macroeconomia brasileira. 2. Agro-cotações no PR para soja, trigo e milho - anual e mensal. 3. Agro-cotações na CBOT (bolsa de Chicago) para soja, trigo e milho

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares 1 BALANÇA COMERCIAL GOIÁS OUTUBRO 2015 US$ FOB MÊS EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES SALDO OUTUBRO/2015 516.095.546 262.729.719 253.365.827 2 EVOLUÇÃO DA

Leia mais

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014

ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 ano XVIII, n 1, Janeiro de 2014 EM FOCO O índice de preços das exportações encerrou o ano de 2013 com queda de 3,2% em relação ao ano anterior. A redução dos preços de exportação foi generalizada, afetando

Leia mais

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012

GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 GRUPO DE CONJUNTURA CAIO PRATES 29 MAI 2012 Tabela 1 - Projeções para 2011 e 2012 Mercado 2012 2013 PIB (%) 2,99 4,50 Indústria Geral (%) 1,58 4,20 IPCA (%) 5,17 5,60 Taxa Selic fim de ano 8,00 9,50 Taxa

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Junho 2017

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Junho 2017 >> Exportações de produtos industriais Grupos de Produtos Industriais Junho - US$ Janeiro a Junho - US$ 2016 2017 Var. % 2016 2017 Var. % Celulose e Papel 84.431.684 90.047.004 7% 522.390.072 501.962.469-4%

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15 abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15-822 -869-928 -761-829 -678-749 -708-748 -537-482 -349 I Resultados Mensal: -31,9% Acum. Ano:

Leia mais

Indicadores Conjunturais

Indicadores Conjunturais Ano 31 número 10 novembro 2016 Indicadores Conjunturais SISTEMA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ - DEPARTAMENTO ECONÔMICO Resultados de Outubro de 2016 Vendas Industriais página 04 O resultado

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Fevereiro/2013 Faturamento Bruto mensal R$ milhões constantes (defl. Col. 32/FGV) Média Jan-Fev 2008 6.188 2009 4.446 2010 5.178

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças fev/15 mar/15 mai/15 jun/15 ago/15 set/15 nov/15 dez/15 fev/15 mar/15 mai/15 jun/15 ago/15 set/15 nov/15 dez/15-748 -635-482 -548-559 -508-395 -457-386 -404-359 -113 I Resultados Mensal: -67,5% Acum. Ano:

Leia mais

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima?

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Maio 2014 Apresentar a Indústria de MT Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Diagnosticar as NECESSIDADES MÚTUAS Do que precisamos? Do que podemos fornecer mutuamente?

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Brasileiro Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior

Desempenho do Comércio Exterior Brasileiro Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior Desempenho do Comércio Exterior Brasileiro -2013 Tatiana Lacerda Prazeres Secretária de Comércio Exterior Resultados de 2013 - MAIO/2013 - Exportação:média diária (US$ 1,04 bi) acima de US$ 1 bilhão; 3ªmaior

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Julho 2016

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Julho 2016 >> Exportações de produtos industriais Mato Grosso do Sul - Exportação de Produtos Industriais (Receita - US$) Grupos de Produtos Industriais Julho Janeiro a Julho 2015 2016 Var. % 2015 2016 Var. % Celulose

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR MAIO

COMÉRCIO EXTERIOR MAIO MAIO EXPORTAÇÕES No mês de maio de 2017, as exportações catarinenses somaram US$ 802,8 milhões, o que representou um avanço de 15,8% frente a maio de 2016. Esse crescimento é o melhor para o mês desde

Leia mais

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016

Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial. Brasília, julho de 2016 Reformulação da metodologia dos Coeficientes de abertura comercial Brasília, julho de 2016 Coeficientes de abertura comercial Estrutura 1. O que são os coeficientes de exportação e penetração de importações?

Leia mais

Total das exportações do Rio Grande do Sul. Exportações no período acumulado de janeiro a fevereiro de 2016.

Total das exportações do Rio Grande do Sul. Exportações no período acumulado de janeiro a fevereiro de 2016. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio exterior do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de fevereiro de 2016. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Dezembro 2016

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Dezembro 2016 >> Exportações de produtos industriais Mato Grosso do Sul - Exportação de Produtos Industriais (Receita - US$) Grupos de Produtos Industriais Dezembro Janeiro a Dezembro 2015 2016 Var. % 2015 2016 Var.

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14 dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14-1.067-914 -822-869 -707-761 -829-928 -678-749 -708-528 I Resultados Mensal: -30,3% Acum.

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

Produção Industrial Maio de 2014

Produção Industrial Maio de 2014 Produção Industrial Maio de 214 PRODUÇÃO INDU S TRI AL DE SANTA C AT AR INA EM M AIO/14 A produção industrial de Santa Catarina ficou estável em maio (,%), em relação ao mesmo mês do ano anterior. Resultado

Leia mais

Indicador de Sentimento Económico. 80 Portugal. Dez-08. Dez-07

Indicador de Sentimento Económico. 80 Portugal. Dez-08. Dez-07 Dez-03 Dez-04 Dez-05 Dez-06 Dez-07 Dez-08 Dez-09 Dez-10 Análise de Conjuntura Janeiro 2014 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico manteve em Dezembro, a tendência de melhoria

Leia mais

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

AGRICULTURA. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AGRICULTURA Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DA AGRICULTURA o o Algodão Embora não tenha alcançado recorde, as 3 últimas safras globais seguiram em recuperação

Leia mais