EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO TAXA DE JUROS SELIC"

Transcrição

1 Indicadores EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO ANO TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB TAXA DE JUROS SELIC TAXA DE CÂMBIO R$/US$ TAXA DE INFLAÇÃO IPCA ,06 10,31 1,80 5, ,45 11,52 1,85 4, ,48 10,99 1,89 4, ,71 10,40 1,92 4, ,70 9,99 1,96 4,50 FONTE: Banco Central do Brasil, Gerin. Com base nas expectativas de 30/04/2010 INDICADORES CONJUNTURAIS DA INDÚSTRIA BRASILEIRA, SEGUNDO REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO - FEVEREIRO 2010 GRANDES REGIÕES E UNIDADES DA FEDERAÇÃO SELECIONADAS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Últimos Mensal Acumulado 12 meses Mensal FOLHA DE PAGAMENTO REAL Últimos Acumulado 12 meses Mensal NÚMERO DE HORAS PAGAS Acumulado Últimos 12 meses Brasil 100,72 99,76 95,23 102,77 102,31 97,47 101,62 100,67 95,22 Região Norte e Centro-Oeste 99,63 98,37 92,27 107,86 105,15 96,01 99,49 98,7 91,38 Região Nordeste 102,86 102,41 97,69 103,27 104,23 100,38 103,19 102,44 97,03 Ceará 108,49 107,22 101,3 111,12 111,49 105,77 107,89 106,62 101,49 Pernambuco 101,8 102,56 96,52 106,13 107,44 100,01 104, ,39 Bahia 103,75 103,41 98,5 101,24 101,87 99,94 103,21 102,49 96,42 Região Sudeste 100,93 99,82 95,54 102,29 101,53 97,22 102,11 101,1 95,89 Minas Gerais 98,77 97,1 91,53 99,88 98,85 92,62 100,19 98,44 92,32 Espírito Santo 102,11 100,21 94,81 104,02 99,52 101,13 100,43 99,15 94,65 Rio de Janeiro 101,4 100,36 96,61 114,76 111,32 103,78 102,99 102,05 96,53 São Paulo 101,44 100,52 96,62 100,89 100,74 97,06 102,64 101,84 96,95 Região Sul 99,53 98,74 94,47 102,31 103,03 97,4 100,49 99,46 94,36 Paraná 98, ,77 103,36 105,28 99,06 100,9 100,19 95,02 Santa Catarina 100, ,42 105,19 104,7 100,7 100,86 99,68 96,21 Rio Grande do Sul 99,32 98,25 93,35 99,2 99,87 93,43 99,77 98,6 92,16 FONTE: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria. Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (www.ibge.gov.br) NOTAS: Número índice base = 100 Índice Mensal: compara os dados do mês de referência do índice com os de igual mês do ano anterior; Índice Acumulado: compara os dados acumulados no ano, de janeiro até o mês de referência do índice, com os de igual período do ano anterior; Índice Acumulado 12 Meses: compara os dados acumulados nos últimos 12 meses de referência do índice, com os dos 12 meses imediatamente anteriores. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

2 EVOLUÇÃO DIÁRIA DO ÍNDICE IBOVESPA ABRIL/2009 MARÇO/2010 DIA ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,54 Mínimo , , , , , , , , , , , ,93 Máximo , , , , , , , , , , , ,54 Médio , , , , , , , , , , , ,44 FONTE: Bovespa NOTA: Índice Ibovespa é o valor atual, em moeda corrente, de uma carteira teórica de ações constituída em 2/1/1968 (valor-base: 100 pontos), a partir de uma aplicação hipotética. Supõe-se não ter sido efetuado nenhum investimento adicional desde então, considerando-se somente os ajustes efetuados em decorrência da distribuição de proventos pelas empresas emissoras (tais como reinversão de dividendos recebidos e do valor apurado com a venda de direitos de subscrição, e manutenção em carteira das ações recebidas em bonificação). Dessa forma, o índice reflete não apenas as variações dos preços das ações, mas também o impacto da distribuição dos proventos, sendo considerado um indicador que avalia o retorno total de suas ações componentes (IBOVESPA). Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

3 INDICADORES CONJUNTURAIS DA INDÚSTRIA BRASILEIRA, SEGUNDO TIPO DE INDÚSTRIA - PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO FEVEREIRO 2010 INDÚSTRIA MENSAL ACUMULADO ÚLTIMOS 12 MESES Indústria Geral 100,7 99,76 95,23 Indústrias Extrativas 101,5 101,1 97,8 Indústria de Transformação 100,7 99,73 95,16 Alimentos e Bebidas ,7 99 Fumo 98,03 96,93 98 Têxtil 104,6 103,7 97,27 Vestuário 96,64 95,97 92,78 Calçados e Couro 103,2 102,7 93,47 Madeira 87,54 86,57 83,19 Papel e Gráfica 108,2 108,5 108,3 Coque, Refino de Petróleo, Comb. Nucleares e Álcool 103,3 101,6 98,91 Produtos Químicos 98, ,09 Borracha e Plástico 101,8 100,4 92,19 Minerais Não-Metálicos 101,8 100,5 98,66 Metalurgia Básica 97,81 95,97 92,02 Produtos de Metal - exclusive máquinas e equipamentos 100,6 98,67 91,5 Máquinas e Equips - excl. elétr., eletrôn., de precisão e de comun. 100,9 99,34 91,65 Máquinas e Aparelhos Elétr., Eletrôn. de Precisão e de Comunicações 102,4 100,3 93,59 Fabricação de Meios de Transporte 99,05 97,51 90,35 Fabricação de Outros Produtos da Indústria de Transformação 100,5 99,61 94,41 FONTE: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Indústria. Pesquisa Industrial Mensal de Emprego e Salário (www.ibge.gov.br) NOTAS: Número índice base = 100 Índice Mensal: compara os dados do mês de referência do índice com os de igual mês do ano anterior; Índice Acumulado: compara os dados acumulados no ano, de janeiro até o mês de referência do índice, com os de igual período do ano anterior; Índice Acumulado 12 Meses: compara os dados acumulados nos últimos 12 meses de referência do índice, com os dos 12 meses imediatamente anteriores. BRASIL - DESEMBOLSOS DO SISTEMA BNDES, SEGUNDO OS GÊNEROS INDUSTRIAIS GÊNERO INDUSTRIAL Jan-Mar (Em US$ milhões) VAR. (%) 2010/2009 Indústria de Transformação ,1 Produtos Alimentícios ,8 Bebidas ,6 Produtos do Fumo Produtos Têxtil ,9 Confecção de Artigos do Vestuário e Acessórios ,1 Couros, Calçados e Artefatos ,0 Produtos de Madeira ,3 Celulose, Papel e Produtos de papel ,4 Impressão, Reprodução de Gravações ,4 Refino Petróleo, Coque e Biocombustíves ,4 Produtos Químicos ,0 Produtos Farmaquímicos e Farmacêuticos ,2 Produtos de Borracha e Material Plástico ,7 Produtos Minerais Não-Metálicos ,6 Metalúrgica ,4 Produtos de Metal, exceto Máquinas e Equipamentos ,7 Equipamentos de Informática, Produtos de Eletrônica e Ópticos ,3 Máq. Aparelhos e Mat. Elétricos ,5 Máquinas e Equipamentos ,6 Veículos Automotores, Reboques e Carrocerias ,0 Outros Equipamentos de Transporte, exceto Veículos Automotores ,5 Móveis ,3 Produtos Diversos ,0 Manutenção, Reparação e Instalação de Máquinas e Equipamentos ,0 FONTE: BNDES Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

4 NÍVEL MÉDIO DE UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA E BALANÇA COMERCIAL POR GÊNEROS DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NÍVEL MÉDIO DE UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA (%) BALANÇA COMERCIAL - (US$ MILHÕES FOB) DISCRIMINAÇÃO 2009 e 2010 Jan-Mar/2010 Jan-Mar/2010 Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Exp. Imp. Saldo Exp. Imp. Saldo Indústria de Transformação 77,1 77,6 78,7 79,0 79,8 81,6 82,8 83,7 84,5 84,2 82,1 83,1 83, Minerais Não-Metálicos 79,9 78,5 77,3 77,0 80,4 80,7 82,6 83,9 86,0 86,3 85,1 86,1 89, Metalúrgica 66,0 68,5 71,3 73,2 75,2 78,6 81,6 82,6 83,9 84,9 85,2 85,8 86, Mecânica 71,1 73,0 71,7 71,6 71,9 74,2 77,1 76,6 76,9 81,4 80,8 82,9 85, Mat. Elétr. e de Comunicação 68,2 69,0 69,8 72,1 72,6 78,9 79,6 80,0 79,7 78,7 76,8 80,1 81, Material de Transporte 80,0 81,3 83,2 83,7 84,7 86,7 87,3 88,5 88,1 88,0 87,3 88,3 89, Madeira Mobiliário 75,7 73,8 72,9 70,6 75,9 75,5 74,3 73,2 79,3 79,2 75,4 74,9 76, Celulose e Papel 86,3 87,1 89,0 86,9 88,1 90,3 91,4 92,2 91,7 90,9 88,0 89,8 91, Borracha Couros e Peles Química 82,3 82,8 82,4 83,1 83,9 84,1 84,6 85,0 85,2 84,6 83,2 83,1 83, Farmacêutica e Veter. 73,5 73,1 72,4 74,4 74,6 76,9 75,2 75,1 75,7 72,0 68,5 74,3 71, Perfumaria, Sabões e Velas Prod. Matérias Plásticas 78,1 78,8 79,7 80,3 82,0 86,8 88,5 84,6 87,2 87,2 83,9 85,6 87, Têxtil 84,0 85,8 85,6 84,4 85,0 86,4 86,5 86,8 86,9 83,2 85,4 85,1 87, Vestuário, Calç. e Art.Tec. 82,4 84,9 84,3 83,9 84,8 88,1 87,1 88,5 87,4 87,9 87,9 87,1 88, Produtos Alimentares 78,1 77,1 80,5 78,9 79,5 80,0 82,1 85,0 84,7 83,7 76,6 77,7 76, Bebidas/Álcool Carburante Fumo Manufaturado Indústrias Diversas 77,2 76,0 77,8 78,5 77,2 78,7 79,2 80,8 84,4 83,0 80,3 81,2 79, FONTE: FGV/SECEX (disponível em: NOTA: Porcentagem da capacidade máxima operacional utilizada no mês. O complemento de 100 representa o nível médio de ociosidade. Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

5 PREÇO MÉDIO MENSAL E NOMINAL NO ATACADO EM REAIS (R$) DE PRODUTOS AGRÍCOLAS SELECIONADOS - DEZ 2000-MAR 2010 PERÍODO SÃO PAULO PARANÁ Arroz (30 kg) Feijão Preto (30 kg) Soja (em farelo), ( t) Trigo (em grão) (60 kg) Milho (60 kg) Dez./ ,69 19,08 434,03 15,03 10,30 Dez./ ,00 49,95 496,42 17,80 11,78 Dez./ ,00 48,47 745,55 34,94 24,37 Dez./ ,36 43,16 756,77 28,58 17,73 Dez./ ,78 48,65 522,76 21,26 15,00 Dez./ ,00 60,01 513,04 21,96 14,26 Dez./ ,01 33,47 506,57 29,23 19,44 Dez./ ,67 72,29 682,33 34,35 28,69 Jan./ ,95 78,10 712,80 37,02 26,30 Fev./ ,75 84,87 713,92 38,52 23,98 Mar./ ,75 82,93 661,77 42,89 22,89 Abr./ ,14 79,74 642,38 44,79 23,02 Maio/ ,50 88,06 644,12 45,45 23,00 Jun./ ,00 100,73 724,68 43,56 22,90 Jul./ ,80 95,44 751,79 40,60 24,26 Ago./ ,15 91,89 647,56 33,68 21,03 Set./ ,25 104,87 679,14 30,36 20,26 Out./ ,32 114,79 725,43 29,65 19,59 Nov./ ,50 88,57 747,37 28,79 18,30 Dez./ ,54 85,72 736,91 28,50 17,93 Jan./ ,00 90,34 854,85 29,93 20,52 Fev./ ,62 77,38 870,88 31,54 20,02 Març./ ,45 61,21 768,29 31,79 18,60 Abr./ ,26 52,83 804,18 31,22 19,02 Mai./ ,81 47,32 869,23 30,49 20,15 Jun./ ,95 48,66 876,14 30,61 19,99 Jul/ ,56 51,69 806,75 30,04 18,17 Ago/ ,49 48,87 823,62 29,36 17,18 Set/ ,06 48,07 828,86 27,30 17,17 Out/ ,67 48,15 776,34 27,54 18,01 Nov/ ,02 46,16 751,96 27,95 18,34 Dez/ ,34 44,14 740,11 27,50 17,66 Jan/ ,29 47,07 742,18 26,68 17,17 Fev/ ,29 44,85 664,87 26,57 16,42 Mar/ ,58 550,39 25,12 15,99 FONTE: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); CONAB; SEAB-PR NOTA: Cotação para o arroz longo fino agulinha. Sinal convencional utilizado: Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

6 PREÇO MÉDIO DO ALUMÍNIO, SOJA E PETRÓLEO, BRASIL 2000 A MAR 2010 (Em US$) PERÍODO ALUMÍNIO (por tonelada) SOJA EM GRÃO (por tonelada) PÉTROLEO BRUTO (por brent, barril) ,5 183,0 28, ,7 168,8 24, ,1 188,8 25, ,8 233,3 28, ,5 276,8 38, ,5 223,2 54, ,1 217,4 65, ,8 423,0 90,9 Jan./ ,1 461,72 92,2 Fev./ ,9 508,22 95,0 Mar./ ,1 495,69 103,6 Abr,/ ,79 122,8 Maio/ ,3 489,09 109,1 Jun./ ,9 552,47 138,4 Jul./ ,5 554,15 124,1 Ago./ ,6 471,07 113,49 Set./ ,1 437,84 93,51 Out./ ,78 60,00 Nov./ ,1 329,14 47,72 Dez./ ,4 318,81 35,82 Jan./ ,4 364,72 44,17 Fev./ ,1 341,27 44,41 Mar./ ,1 333,66 49,13 Abr./ ,8 374,47 50,3 Mai./ ,4 422,28 64,98 Jun/ ,3 445,15 68,11 Jul/ ,33 398,16 70,08 Ago/ ,64 408,96 69,02 Set/ ,6 349,05 65,82 Out/ ,66 354,86 74,91 Nov/ ,55 370,71 77,77 Dez/ ,26 379,3 77,91 Jan/ ,11 358,97 71,20 Fev/ ,27 344,66 76,36 Mar/ ,53 348,95 79,46 FONTE: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA); Fundo Monetário Internacional (FMI) Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

7 INDICADORES DO MERCADO FINANCEIRO NACIONAL E INTERNACIONAL BRASIL EUA DATA Fundo de Investimento Financeiro FIF (PL mensal, R$ milhões) (1) Valor das empresas listadas no Ibovespa (R$ bilhões) (3) Índice Ibovespa fechamento mensal (pontos) (2) Emissão Primária de Debêntures (R$ milhões) Dow Jones NYSE média mensal (pontos) (3) Nasdaq média mensal (pontos) (4) Jan./ Fev./ Mar./ Abr./ Maio./ Jun./ Jul./ Ago./ Set./ Out./ Nov./ Dez./ Jan./ Fev./ Mar/ Abr/ Mai/ Jun/ Jul/ ,5 Ago/ Set/ Out/ Nov/ Dez/ Jan/ Fev/ Mar/ Abr/ FONTES: (1) Banco Central do Brasil, (2) Bovespa (Índice de Fechamento do último dia útil do mês), (3) Dow Jones, (4) Nasdaq NOTA: Para os anos de 1995 a 2007, os valores referem-se ao mês de dezembro, exceto para emissão de debênture que é o total do ano. Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

8 VOLUME E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DOS 10 PRINCIPAIS PAÍSES NO COMÉRCIO MUNDIAL DE PRODUTOS (Em bilhões de dólares) RANKING EXPORTRADORES VALOR (%) RANKING IMPORTADORES VALOR (%) 1 Alemanha 1.461,85 9,1 1 Estados Unidos 2.169,49 13,21 2 China 1.428,33 8,89 2 Alemanha 1.203,79 7,33 3 Estados Unidos 1.287,44 8,01 3 China 1.132,49 6,9 4 Japão 782,05 4,87 4 Japão 762,59 4,64 5 Holanda 633,01 3,94 5 França 705,58 4,3 6 França 605,4 3,77 6 Reino Unido 632,02 3,85 7 Itália 538,03 3,35 7 Holanda 573,19 3,49 8 Bélgica 475,55 2,96 8 Itália 554,91 3,38 9 Rússia 471,6 2,93 9 Bélgica 469,49 2,86 10 Reino Unido 458,57 2,85 10 Coréia do Sul 435,27 2,65 FONTE: Organização Mundial do Comércio (disponível em: EXPORTAÇÕES MUNDIAIS DE PRODUTOS POR REGIÕES E PAÍSES SELECIONADOS , 1953, 1963, 1973, 1983, 1993, 2003 e 2008 (Em bilhões de dólares) REGIÃO Valor (Bilhões de dólares) Mundo Distribuição Percentual Mundo 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 América do Norte 28,1 24,8 19,9 17,3 16,8 18,0 15,8 12,67 Estados Unidos 21,7 18,8 14,9 12,3 11,2 12,6 9,8 8,01 México 0,9 0,7 0,6 0,4 1,4 1,4 2,2 1,82 América do Sul e Central 11,3 9,7 6,4 4,3 4,4 3,0 3,0 3,73 Brasil 2,0 1,8 0,9 1,1 1,2 1,0 1,0 1,23 Argentina 2,8 1,3 0,9 0,6 0,4 0,4 0,4 0,44 Europa 35,1 39,4 47,8 50,9 43,5 45,4 45,9 40,12 África 7,3 6,5 5,7 4,8 4,5 2,5 2,4 3,47 Oriente Médio 2,0 2,7 3,2 4,1 6,8 3,5 4,1 6,35 Ásia 14,0 13,4 12,5 14,9 19,1 26,1 26,2 29,29 China 0,9 1,2 1,3 1,0 1,2 2,5 5,9 8,89 Japão 0,4 1,5 3,5 6,4 8,0 9,9 6,4 4,87 Índia 2,2 1,3 1,0 0,5 0,5 0,6 0,8 1,10 FONTE: Organização Mundial do Comércio (disponível em: Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

9 IMPORTAÇÕES MUNDIAIS DE PRODUTOS POR REGIÕES E PAÍSES SELECIONADOS , 1953, 1963, 1973, 1983, 1993, 2003 e 2008 (Em bilhões de dólares) REGIÃO Valor (bilhões de dólares) Mundo Distribuição Percentual Mundo 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,00 América do Norte 18,5 20,5 16,1 17,2 18,5 21,5 22,6 17,73 Estados Unidos 13,0 13,9 11,4 12,3 14,3 16,0 17,0 13,21 México 1,0 0,9 0,8 0,6 0,7 1,8 2,3 1,97 América do Sul e Central 10,4 8,3 6,0 4,4 3,8 3,3 2,5 3,63 Brasil 1,8 1,6 0,9 1,2 0,9 0,7 0,7 1,11 Argentina 2,5 0,9 0,6 0,4 0,2 0,4 0,2 0,35 Europa 45,3 43,7 52,0 53,3 44,2 44,8 45,3 41,53 África 8,1 7,0 5,2 3,9 4,6 2,6 2,1 2,84 Oriente Médio 1,8 2,1 2,3 2,7 6,2 3,4 2,7 3,53 Ásia 13,9 15,1 14,1 14,9 18,5 23,3 23,1 27,68 China 0,6 1,6 0,9 0,9 1,1 2,8 5,4 6,9 Japão 1,1 2,8 4,1 6,5 6,7 6,4 5,0 4,64 Índia 2,3 1,4 1,5 0,5 0,7 0,6 0,9 1,79 FONTE: Organização Mundial do Comércio (www.wto.org) CRESCIMENTO DO VOLUME DE EXPORTAÇÕES, DE PRODUÇÃO MUNDIAL DE PRODUTOS E DO PIB MUNDIAL (Em % ao ano) PRODUTOS/PIB Exportações mundiais de produtos 5,0 8,5 6,0 1,5 Produtos Agrícolas 4,0 6,0 5,0 2,5 Combustíveis e produtos das indústria extrativas 3,0 4,0 3,5 0,5 Produtos Industrializados 6,0 10,5 7,5 2,0 Produção mundial de produtos 2,5 4,0 1,5-0,5 Agricultura 2,5 1,5 2,5 3,0 Indústria extrativa 1,5 1,0 0,0 1,0 Produtos Industrializados 2,5 5,5 1,5-1,5 PIB mundial real 3,0 3,5 3,5 1,5 FONTE: Organização Mundial do Comércio (disponível em: CRESCIMENTO DO VOLUME DO COMÉRCIO MUNDIAL DE PRODUTOS POR REGIÕES SELECIONADAS (Em % ao ano) REGIÃO EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES Mundo 5,0 6,0 1,5 5,0 6,0 1,5 América do Norte 2,5 5,0 1,5 3,0 2,0-2,5 América do Sul e Central 5,5 3,5 0,5 8,5 17,5 13,5 Europa 3,5 4,0 0,0 3,0 4,0-1,5 União Europea (27) 3,5 3,5-0,5 3,0 3,5-1,5 Comunidade dos Estados Independentes (CEI) 7,5 7,5 2,5 17,0 20,0 16,5 Ásia 10,0 11,5 5,5 8,0 8,0 4,5 Japão 6,0 9,5 2,0 2,5 1,5-2,0 Seis países comerciantes da Ásia Oriental 8,0 8,5 4,5 5,5 5,0 4,0 FONTE: Organização Mundial do Comércio (disponível em: Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

10 COMÉRCIO INTRA-REGIONAL E INTER-REGIONAL DE PRODUTOS DESTINO ORIGEM América do Norte América do Sul e Central Europa CEI África Oriente Médio Ásia Mundo Valor (bilhões de dólares) Mundo América do Norte 1014,5 164,9 369,1 16,0 33,6 60,2 375,5 2035,7 América do Sul e Central 169,2 158,6 121,3 9,0 16,8 11,9 100,6 599,7 Europa 475,4 96,4 4695,0 240,0 185,5 188,6 486,5 6446,6 Comunidade de Estados Independentes (CEI) 36,1 10,1 405,6 134,7 10,5 25,0 76,8 702,8 África 121,6 18,5 218,1 1,5 53,4 14,0 113,9 557,8 Oriente Médio 116,5 6,9 125,5 7,2 36,6 122,1 568,9 1021,2 Ásia 775,0 127,3 801,0 108,4 121,3 196,4 2181,4 4353,0 Participação das correntes comerciais regionais nas exportações totais de mercadorias de cada região (%) Mundo 17,2 3,7 42,9 3,3 2,9 3,9 24,8 100,0 América do Norte 49,8 8,1 18,1 0,8 1,7 3,0 18,4 100,0 América do Sul e Central 28,2 26,5 20,2 1,5 2,8 2,0 16,8 100,0 Europa 7,4 1,5 72,8 3,7 2,9 2,9 7,5 100,0 Comunidade de Estados Independentes (CEI) 5,1 1,4 57,7 19,2 1,5 3,6 10,9 100,0 África 21,8 3,3 39,1 0,3 9,6 2,5 20,4 100,0 Oriente Médio 11,4 0,7 12,3 0,7 3,6 12,0 55,7 100,0 Ásia 17,8 2,9 18,4 2,5 2,8 4,5 50,1 100,0 Participação das correntes comerciais regionais nas exportações mundiais de mercadorias (%) Mundo 17,2 3,7 42,9 3,3 2,9 3,9 24,8 100,0 América do Norte 6,5 1,0 2,3 0,1 0,2 0,4 2,4 13,0 América do Sul e Central 1,1 1,0 0,8 0,1 0,1 0,1 0,6 3,8 Europa 3,0 0,6 29,9 1,5 1,2 1,2 3,1 41,0 Comunidade de Estados Independentes (CEI) 0,2 0,1 2,6 0,9 0,1 0,2 0,5 4,5 África 0,8 0,1 1,4 0,0 0,3 0,1 0,7 3,5 Oriente Médio 0,7 0,0 0,8 0,0 0,2 0,8 3,6 6,5 Ásia 4,9 0,8 5,1 0,7 0,8 1,2 13,9 27,7 FONTE: Organização Mundial do Comércio (disponível em: BALANÇA COMERCIAL DO PARANÁ (Em $ 1000 (FOB) e Variação % anual) ANO EXPORTAÇÃO (X) IMPORTAÇÃO (M) Valor Var. % Valor Var. % SALDO (X-M) VALOR (13) (32) (0) (26,29) (33,97) FONTE: MDIC/SECEX Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

11 BALANÇA COMERCIAL DO BRASIL Em $ 1000 (FOB) e Variação % anual ANO EXPORTAÇÃO (X) IMPORTAÇÃO (M) SALDO (X-M) Valor Var. % Valor Var. % Valor Var. % , , , (3,48) (3,32) (2,08) , (3,31) (88,95) , (0,45) (466,91) , (15,03) , , , , , , , , , , , , , , , (13,84) , , (38,18) (22,71) (26,28) ,33 FONTE: MDIC/SECEX Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. CUSTO MENSAL DE PRODUÇÃO NOMINAL DE FRANGO DE CORTE NO PARANÁ POR TECNOLOGIA DE PRODUÇÃO JAN-DEZ/2009 TECNOLOGIA/MÊS CLIMATIZADO AVES POR LOTE AUTOMÁTICO AVES POR LOTE MANUAL AVES POR LOTE PREÇO DO FRANGO VIVO R$/kg R$/Frango R$/kg R$/Frango R$/kg R$/Frango R$/KG Janeiro 1,74 4,34 1,70 4,24 1,74 4,34 1,65 Fevereiro 1,72 4,31 1,69 4,21 1,73 4,31 1,72 Março 1,63 4,07 1,59 3,98 1,63 4,08 1,69 Abril 1,62 4,04 1,58 3,95 1,62 4,05 1,66 Maio 1,66 4,16 1,63 4,07 1,67 4,17 1,61 Junho 1,61 4,02 1,57 3,94 1,61 4,03 1,73 Julho 1,62 4,06 1,59 3,98 1,63 4,06 1,71 Agosto 1,62 4,04 1,59 3,98 1,63 4,05 1,62 Setembro 1,60 3,99 1,56 3,90 1,60 3,99 1,61 Outubro 1,55 3,87 1,51 3,78 1,55 3,88 1,57 Novembro 1,55 3,87 1,51 3,79 1,55 3,88 1,59 Dezembro 1,54 3,86 1,51 3,78 1,55 3,87 1,59 FONTE: CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento; EMBRAPA SUÍNOS E AVES (www.conab.gov.br) Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

12 OFERTA E DEMANDA DOS PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS BRASILEIROS - SAFRAS 1997/ /2007 (MIL TONELADAS) CULTURA SAFRA ESTOQUE INICIAL PRODUÇÃO IMPORTAÇÃO SUPRIMENTO CONSUMO EXPORTAÇÃO ESTOQUE FINAL Algodão em Pluma Arroz em Casca Feijão em Cores Milho Soja em Grãos Farelo de Soja Óleo de Soja Trigo 2003/04 344, ,4 105, ,4 903,4 331,0 525,0 2004/05 525, ,7 37, ,3 945,9 391,0 524,4 2005/06 524, ,8 81, ,8 983,4 304,5 355,9 2006/07 355, ,0 96, ,7 990,0 419,4 567,3 2007/08 567, ,2 33, , ,2 532,9 661,1 2008/09 661, ,7 14, ,3 948,6 504,9 435,8 2009/10 435, ,3 40, ,1 996,0 400,0 354,1 2003/ , , , , ,0 92, ,4 2004/ , ,2 728, , ,0 397, ,1 2005/ , ,7 827, , ,0 452, ,3 2006/ , , , , ,0 313, ,7 2007/ , ,6 589, , ,0 789, ,3 2008/ , ,6 908, , ,0 894, ,5 2009/ , ,7 1200, , ,0 500,0 885,2 2003/04 243, ,3 78, , ,0 2,0 19,1 2004/05 149, ,5 100, , ,0 2,1 92,9 2005/06 92, ,2 69, , ,0 7,7 176,2 2006/07 176, ,7 96, , ,0 30,5 81,4 2007/08 81, ,9 209, , ,0 2,0 180,0 2008/09 180, ,7 110, , ,0 25,0 267,7 2009/10 267, ,4 80, , ,0 25,0 200,1 2003/ , ,5 330, , , , ,7 2004/ , ,7 597,0 43,405,4 39,200, , ,4 2005/ , ,9 956,0 46,606, , , ,3 2006/ , , ,5 55,733, , , ,0 2007/ , ,3 808,0 62,760, , , ,5 2008/ , , ,9 63,997, , , ,8 2009/ , ,1 750, , , , ,9 2003/ , ,9 349, , , , ,2 2004/ , ,6 368, , , , ,7 2005/ , ,1 48, , , , ,7 2006/ , ,8 97, , , , ,6 2007/ , ,7 96, ,6 34,750, , ,1 2008/ , ,6 100, , , ,7 675,0 2009/10 675, ,7 70, , , , ,7 2003/ , ,0 187, , , , ,6 2004/ , ,0 188, , , , ,6 2005/ , ,0 152, , , , ,6 2006/ , ,0 101, , , , ,6 2007/ , ,0 117, , , , ,0 2008/ , ,8 100, , , , ,8 2009/ , ,4 100, , , , ,2 2003/04 319, ,4 27, , , ,2 330,1 2004/05 330, ,8 3, , , ,1 279,0 2005/06 279, ,5 25, , , ,4 214,5 2006/07 214, ,0 44, , , ,5 275,1 2007/08 275, ,5 27, , , ,8 246,2 2008/09 246, ,2 30, , , ,6 289,8 2009/10 289, , , , , ,0 389,7 2003/04 971, , , , , , ,8 2004/ , , , , ,0 3, ,4 2005/ , , , , ,0 784, ,8 2006/ , ,7 7,164, , ,0 19, ,9 2007/ , , , , ,0 746, ,7 2008/ , , , , ,0 351, ,7 2009/ , , , , ,0 750, ,0 FONTE: Conab (disponível em: Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

13 PRODUÇÃO, ÁREA COLHIDA E RENDIMENTO MÉDIDO DA SOJA - BRASIL E MAIORES ESTADOS PRODUTORES (Mil toneladas e mil hectares) BRASIL MAIORES ESTADOS PRODUTORES ANO Produção Área Colhida Rendimento Médio (kg/ha) Mato Grosso Paraná Goiás Mato Grosso do Sul Minas Gerais Produção Área Colhida Produção Área Colhida Produção Área Colhida Produção Área colhida Produção Área colhida 1989/ , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , / , /2009(1) , /2010(2) , FONTE: CONAB (1) Preliminar.(2) Estimativas Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

14 TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB REAL PARA PAÍSES SELECIONADOS PAÍSES MÉDIA DO CRESCIMENTO Alemanha 1,7 0,8 1,5 1,8 2,1 3,2 1,2 0,0-0,2 1,1 0,8 2,9 2,5 1,4 Argentina -2,9 5,5 8,1 3,9-3,4-0,8-4,4-10,9 8,8 9,3 9,2 8,5 8,7 2,6 Bolívia 4,7 4,4 5,0 5,0 0,4 2,5 1,7 2,4 2,8 3,6 4,0 4,6 4,3 3,4 Brasil 4,2 2,2 3,4 0,0 0,3 4,3 1,3 2,7 1,1 5,7 3,2 3,8 5,4 2,7 Canadá 2,8 1,6 4,2 4,1 5,5 5,3 1,4 3,0 2,3 2,9 3,7 1,8 2,7 3,2 Chile 10,6 7,4 6,6 3,2-0,8 15,3 7,1-6,7-0,7 6,0 5,7 4,3 5,1 4,8 Colômbia 5,2 2,1 3,4 0,6-4,2 2,9 1,5 1,9 3,9 4,9 4,7 6,8... 2,8 Coréia do Sul 9,2 7,0 4,7-6,9 9,5 8,5 3,8 7,0 3,1 4,7 4,2 5,0... 5,0 Equador 1,8 2,4 4,1 2,1-6,3 2,8 5,1 4,2 3,6 8,0 6,0 3,9... 3,1 Estados Unidos 2,5 3,7 4,5 4,2 4,5 3,7 0,8 1,6 2,5 3,6 3,1 2,9 2,2 3,1 França 1,9 1,1 1,9 3,5 3,1 3,8 2,1 1,2 0,5 2,3 1,7 2,2 1,9 2,1 Indonésia 8,2 7,8 4,7-13,1 0,8 50,1 4,2-4,3 2,7 4,9 5,7 5,5 6,3 6,4 Itália 2,9 1,1 2,0 1,8 1,7 3,0 1,8 0,4 0,3 1,5 0,6 1,8 1,5 1,6 Japão 1,9 3,6 1,8-1,2 0,2 3,1-1,2 1,0 3,3 2,8 1,9 2,4 2,1 1,6 México -6,2 5,2 6,8 5,0 3,8 6,6 0,0 0,8 1,4 4,2 2,8 4,8... 2,9 Paraguai 4,7 1,3 2,6-0,4 0,5-0,4 2,7-2,3 3,8 4,1 2,9 4,3... 2,0 Peru 8,6 2,5 6,9-0,7 0,9 3,0 0,2 5,0 4,0 5,1 6,7 7,6 9,0 4,2 Reino Unido 2,8 2,7 3,3 3,1 2,8 3,8 2,1 1,7 2,1 3,3 1,8 2,9... 2,7 Tailândia 9,2 5,9-1,4-10,5 4,5 4,8 2,2 5,3 6,9 6,3 4,5 5,1 4,8 3,6 Uruguai -1,9 7,3 7,6 5,5-3,8-1,0-4,6-16,4 3,2 16,0 7,7 9,8... 2,5 Venezuela 4,0-0,2 6,4 0,2-6,0 3,7 3,4-8,9-7,7 18,3 10,3 10,3 8,4 2,8 Crescimento médio Países Industrializados 2,4 2,1 2,7 2,5 2,8 3,7 1,2 1,3 1,5 2,5 2,0 2,4... 2,3 Países Asiáticos 7,1 6,1 2,4-7,9 3,7 16,6 2,2 2,3 4,0 4,7 4,1 4,5... 4,2 América Latina 3,0 3,6 5,5 2,2-1,7 3,5 1,3-2,6 2,2 7,7 5,7 6,2... 3,1 Países Selecionados 3,6 3,6 4,2 0,5 0,8 6,1 1,5-0,5 2,3 5,6 4,3 4,8... 3,1 FONTE: Fundo Monetário Nacional, FMI-IFS e bancos centrais dos países selecionados NOTA: Para o ano de 2007 dados preliminares. Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

15 TAXA DE INFLAÇÃO ANUAL PARA PAÍSES SELECIONADOS PAÍSES MÉDIA DO CRESCIMENTO Alemanha 1,5 1,5 2,0 0,4 1,1 2,1 1,6 1,2 1,1 2,1 2,1 1,4 2,4 1,5 Argentina 3,4 0,2 0,5 0,9-1,2-0,9-1,1 25,9 13,4 4,4 9,6 10,9 8,5 5,5 Bolívia 12,6 7,9 6,7 4,4 3,1 3,4 0,9 2,4 3,9 4,6 4,9 4,9 11,7 5,0 Brasil 22,4 9,6 5,2 1,7 8,9 6,0 7,7 12,5 9,3 7,6 5,7 3,1 4,5 8,3 Canadá 1,7 2,2 0,7 1,0 2,6 3,2 0,7 3,9 2,0 2,1 2,2 1,7... 2,0 Chile 8,2 7,4 6,1 5,1 3,3 3,8 3,6 2,5 2,8 1,1 3,1 2,6 7,8 4,2 Colômbia 18,9 21,6 17,7 16,7 9,2 8,8 7,6 7,0 6,5 5,5 4,8 4,5 5,7 10,7 Coréia do Sul 4,8 4,9 6,6 4,0 1,4 3,2 2,8 3,7 3,4 3,0 2,8 2,2... 3,6 Equador 22,9 25,5 30,7 43,4 60,7 91,0 22,4 9,4 6,1 1,9 4,3 1,7 2,4 26,7 EUA 2,5 3,3 1,7 1,6 2,7 3,4 1,5 2,4 1,9 3,3 3,4 2,5 3,5 2,5 França 2,1 1,7 1,1 0,3 1,3 1,6 1,4 2,3 2,2 2,1 1,5 1,5 2,0 1,6 Indonésia 9,0 6,0 10,3 77,6 1,9 9,3 12,5 10,0 5,1 6,4 17,1 6,6 6,6 14,3 Itália 5,6 2,8 1,9 1,7 2,1 2,7 2,4 2,8 2,5 2,0 2,0 1,9 2,1 2,5 Japão -0,4 0,6 1,8 0,6-1,1-0,4-1,2-0,3-0,4 0,2-0,1 0, ,1 México 35,0 34,4 20,6 15,9 16,6 9,5 6,4 5,0 4,5 4,7 4,0 3, ,4 Paraguai 10,5 8,2 6,2 14,7 5,4 8,6 8,4 14,6 9,3 2,8 9,9 12,5... 9,3 Peru 10,2 11,8 6,5 6,0 3,7 3,7-0,1 1,5 2,5 3,5 1,5 1,1 3,1 4,3 Reino Unido 3,2 2,5 3,6 2,7 1,8 2,9 0,7 2,9 2,8 3,5 2,2 4,4 4,2 2,8 Tailândia 7,5 4,8 7,6 4,3 0,6 1,4 0,7 1,6 1,8 2,9 4,5 4,7 2,3 3,5 Uruguai 35,5 24,3 15,2 8,6 4,2 5,1 3,6 26,0 10,1 7,6 4,9 6,4 8,9 12,6 Venezuela 56,6 103,2 37,6 29,9 20,0 13,4 12,3 31,2 27,1 19,2 14,4 17,0 17,2 31,8 Crescimento médio Países Industrializados 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 2,4 Países Asiáticos 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 7,1 América Latina 13,0 15,9 8,4 7,5 5,4 5,2 3,9 7,5 6,2 5,0 4,7 4,9 4,5 7,3 Países Selecionados 30,2 31,4 20,9 26,8 16,4 20,0 10,4 18,6 13,0 9,8 11,4 10,5 8,2 18,3 FONTE: Fundo Monetário Nacional, FMI-IFS e bancos centrais dos países selecionados NOTA: Para o ano de 2007 dados preliminares. Sinal convencional utilizado:... Dado não disponível. Vitrine da Conjuntura, Curitiba, v.3, n. 3, maio

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Julho 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JULHO Exportações As exportações da indústria atingiram o nível mais baixo desde 2006 para o

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS

A INDÚSTRIA EM NÚMEROS A INDÚSTRIA EM NÚMEROS Dezembro/2016 1. Desempenho conjuntural da indústria Principais indicadores da indústria Variável Out16/Set16 (%) dessaz. Out16/Out15 (%) Taxa acumulada nos últimos 12 meses; até

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Dezembro 2013 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM 2013 Exportações A contabilização como exportação de três plataformas de petróleo e gás somou

Leia mais

Indicadores selecionados do RS*

Indicadores selecionados do RS* 67 Indicadores selecionados do RS* Tabela 1 Taxas de crescimento da produção, da área colhida e da produtividade dos principais produtos da lavoura no Rio Grande do Sul /06 PRODUTOS / 2006/ (1) Produção

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 20 de março de 2015 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2015 INDICADOR SANTA CATARINA

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15).

No mês de junho em 2015 a Produção Física do setor têxtil caiu 1,1% e o vestuário apresentou recuo de 0,4%. (Comparando Jun/15 com Maio/15). 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em jan-jul.15 caíram, em valor (US$), 5,93%, as exportações caíram 8,66%, enquanto a queda do déficit na Balança Comercial foi de 5,38% em

Leia mais

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria

Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria Rede Setorial da Indústria Os desafios setoriais à competitividade da indústria brasileira Economia brasileira: situação atual e desafios ao crescimento da indústria São Paulo, 10 de setembro de 2013 ROTEIRO

Leia mais

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016

Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Produto Interno Bruto Estado de São Paulo Fevereiro de 2016 Diretoria Adjunta de Análise e Disseminação de Informações Gerência de Indicadores Econômicos Em fevereiro de 2016, no acumulado de 12 meses,

Leia mais

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande

PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG. Vale do Rio Grande PAINEL REGIONAL DA INDÚSTRIA MINEIRA REGIONAIS FIEMG Vale do Rio Grande Julho/2016 Objetivo Prover informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria no Estado de Minas Gerais e nas Regionais

Leia mais

INFORME ESTATÍSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA

INFORME ESTATÍSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA Documento Interno para discussão Nº LC/BRS/R.289/Add.10-12 Outubro-Dezembro 2014 Original: Espanhol CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escritório em Brasília INFORME ESTATÍSTICO

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Dezembro/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

ano V, n 46, Fevereiro de 2015

ano V, n 46, Fevereiro de 2015 ,, Fevereiro de 2015 EM FOCO O Índice de rentabilidade das exportações registrou queda de 10,1% em janeiro de 2015 na comparação com janeiro de 2014 (Tabela 1). A queda do Índice resultou da forte diminuição

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares

BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares BALANÇA COMERCIAL GOIANA OUTUBRO 2015 Dados preliminares 1 BALANÇA COMERCIAL GOIÁS OUTUBRO 2015 US$ FOB MÊS EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES SALDO OUTUBRO/2015 516.095.546 262.729.719 253.365.827 2 EVOLUÇÃO DA

Leia mais

3º Trimestre de 2011

3º Trimestre de 2011 Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 3º Trimestre de 2011 Coordenação de Contas Nacionais 06 de dezembro de 2011 Revisões nas Contas Nacionais Trimestrais No 3º trimestre

Leia mais

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013

EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 EMPREGO INDUSTRIAL Dezembro de 2013 Emprego industrial 28 de Janeiro de 2014 FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA SUMÁRIO EXECUTIVO INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO - no acumulado do ano, foi

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

ano V, n 47, Março de 2015

ano V, n 47, Março de 2015 ,, Março de 2015 EM FOCO Em fevereiro, o Índice de rentabilidade das exportações totais registrou aumento de 2,6%, em relação a janeiro. O aumento da Rentabilidade exportadora no mês foi devido ao impacto

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15 abr/14 mai/14 jul/14 ago/14 out/14 nov/14 jan/15 fev/15-822 -869-928 -761-829 -678-749 -708-748 -537-482 -349 I Resultados Mensal: -31,9% Acum. Ano:

Leia mais

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015

ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 ano IV, n 46 Fevereiro de 2015 SÍNTESE JANEIRO DE 2015 Em US$ milhões Período Exportações Importações Saldo Janeiro 13.704 16.878-3.174 Variação em relação a Janeiro de 2014-14,5 % -16,0 % 894 Acumulado

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14 dez/13 jan/14 mar/14 abr/14 jun/14 jul/14 set/14 out/14-1.067-914 -822-869 -707-761 -829-928 -678-749 -708-528 I Resultados Mensal: -30,3% Acum.

Leia mais

No comparativo Dez.13/ Dez.12 o setor têxtil apresentou crescimento de 2,49% e o vestuário apresentou queda de 4,9%.

No comparativo Dez.13/ Dez.12 o setor têxtil apresentou crescimento de 2,49% e o vestuário apresentou queda de 4,9%. 1- Comércio Exterior As Importações de têxteis e confeccionados em 2013 cresceram, em valor (US$), 2,4%, as exportações caíram 1,4%, enquanto o crescimento do déficit na Balança Comercial foi de 3,4% em

Leia mais

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos).

Na atividade de têxtil e confecção ocorreu o maior volume de contratações (1.069 postos). JAN/2016 Sumário Executivo No mês de janeiro de 2016, o saldo de empregos em Santa Catarina aumentou em relação a dezembro (7.211 postos e variação de 0,4%). A indústria de transformação também teve desempenho

Leia mais

Números da Indústria Gráfica Brasileira

Números da Indústria Gráfica Brasileira Ago/2016 Números da Indústria Gráfica Brasileira Números da Indústria Gráfica Brasileira Jun/2016 INDÚSTRIA GRÁFICA BRASILEIRA Exportação Importação Indústria Gráfica Brasileira em 2015 FOB - US$ 270,4

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro

Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Relatório dos Investimentos Estrangeiros no Brasil - 2013 Fluxos de IED e sua contribuição para o comércio exterior brasileiro Unidade de Negociações Internacionais Confederação Nacional da Indústria -

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,51% em março

IGP-M registra variação de 0,51% em março Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,51% em março O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,51%, em março. Em fevereiro, o índice variou 1,29%. Em março de 2015, a variação

Leia mais

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Competitividade na indústria brasileira e momento econômico Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Julho/2016 Evolução do PIB a preços de mercado (em US$ correntes) Fonte: World

Leia mais

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação

Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES. Informações Econômicas e da Indústria de Transformação Mogi das Cdr_mogi_das_cruzes 21 DIRETORIA REGIONAL DO CIESP DE MOGI DAS CRUZES Informações Econômicas e da Indústria de Última atualização em 16 de dezembro de 2016 A Diretoria Regional do CIESP de Mogi

Leia mais

Taxa de Câmbio Efetiva Real

Taxa de Câmbio Efetiva Real Taxa de Câmbio Efetiva Real Andréia C. O. Adami Outubro/2015 Bibliografia Cap. 8 Carvalho & Silva (1999) Cap. 10 - Gonçalves et al.(1998) Sayad, J. Comércio Internacional. In:Pinho & Vasconcellos (1996).

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit

COLETIVA DE IMPRENSA. Rafael Cervone Presidente da Abit COLETIVA DE IMPRENSA Rafael Cervone Presidente da Abit RESULTADOS 2014 Var.% em relação ao mesmo período do ano anterior 2013 2014* Perfil 2014* Emprego +7.273-20.000 1,6 milhão Produção Vestuário -1,3%

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO

CENÁRIO MACROECONÔMICO CENÁRIO MACROECONÔMICO SEGUE PAUTADO PELAS MUDANÇAS NO CENÁRIO GLOBAL, AFETANDO DIRETAMENTE O CÂMBIO, E PELO CRESCIMENTO MAIS MODERADO DA ECONOMIA DOMÉSTICA Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Leia mais

Relações Comerciais Brasil-Alemanha

Relações Comerciais Brasil-Alemanha Relações Comerciais Brasil-Alemanha Balança Comercial Brasil Alemanha / 2002 Mar 2015 (em mil US$ - FOB) Ano Exportação Importação Saldo Volume de Comércio 2002 2.539.954 4.418.971-1.879.016 6.958.926

Leia mais

IGP-M registra variação de 0,33% em abril

IGP-M registra variação de 0,33% em abril Segundo Decêndio Março de 2014 IGP-M registra variação de 0,33% em abril O Índice Geral de Preços Mercado (IGP-M) variou 0,33%, em abril. Em março, o índice variou 0,51%. Em abril de 2015, a variação foi

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados de 2011 Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular São Paulo, 07 de fevereiro de 2012 Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior -

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Relatório da Balança Comercial de Autopeças

Relatório da Balança Comercial de Autopeças jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16 jul/15 ago/15 out/15 nov/15 jan/16 fev/16 abr/16 mai/16-559 -457-490 -395-386 -404-359 -380-436 -327-226 -113 I Resultados Mensal: -14,22% Acum.

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO

BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO São Paulo, 20 de março de 2016 Fevereiro 2016 BALANÇA COMERCIAL ACUMULA SUPERÁVIT DE US$ 4,0 BILHÕES NO PRIMEIRO BIMESTRE DO ANO Em fevereiro, a corrente de comércio brasileira totalizou US$ 23,7 bilhões,

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Agosto de 2014 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

INDX apresenta alta de 2,67% em março

INDX apresenta alta de 2,67% em março INDX apresenta alta de 2,67% em março Dados de Março/11 Número 51 São Paulo O Índice do Setor Industrial (INDX), composto pelas ações mais representativas do segmento, encerrou o mês de março de 2010,

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de maio de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA ITÁLIA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO BRASIL

A CONTRIBUIÇÃO DA ITÁLIA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO BRASIL A CONTRIBUIÇÃO DA ITÁLIA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO BRASIL 1 Entre 2002 e 2013 o intercâmbio entre a Itália e o Brasil cresceu 211% 12 11,7 10,8 10,8 10 9,4 9,1 8 6 4 3,6 4 5 5,5 6,4 7,8 6,7 2

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior

ESTADOS UNIDOS. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ESTADOS UNIDOS Comércio Exterior Março de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003:

PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: PRODUÇÃO INDUSTRIAL EM NOVEMBRO DE 2003: CONDIÇÕES ADVERSAS DO MERCADO INTERNO LIMITAM A RECUPERAÇÃO INDUSTRIAL Segundo o IBGE, em novembro, a produção industrial cresceu 0,8% na comparação com o mês outubro,

Leia mais

Brasil, conjuntura e perspectiva

Brasil, conjuntura e perspectiva Brasil, conjuntura e perspectiva Julho 2015 Rodolfo Margato Estrutura da Apresentação: 1) Conjuntura Macroeconômica; 2) Principais Oportunidades e Desafios para a Economia Brasileira. Cenário Internacional

Leia mais

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009

DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 2009 DESEMPENHO DA INDÚSTRIA CATARINENSE EM 20 Em 20 a indústria catarinense enfrentou um ambiente econômico adverso, marcado por restrições de liquidez no mercado internacional e incertezas quanto ao futuro

Leia mais

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007.

Estatísticas básicas de turismo. Brasil. Brasília, novembro de 2007. Brasil Brasília, novembro de 2007. Índice Páginas I Turismo no mundo 1. Fluxo receptivo internacional 1.1 - Chegadas de turistas no Mundo por Regiões e Sub-regiões - 2002/2006 03 1.2 - Chegada de turistas:

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Junho de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti

Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil. Prof. Dr. Fernando Sarti Reunião Mensal Plenária CIESP - Campinas Crise Internacional e Impactos sobre o Brasil Prof. Dr. Fernando Sarti NEIT-IE IE-UNICAMP fersarti@eco.unicamp. @eco.unicamp.br Campinas, 18 de fevereiro de 2009

Leia mais

SÍNTESE DE CONJUNTURA

SÍNTESE DE CONJUNTURA SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal dezembro 2016 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 4 Comércio internacional...

Leia mais

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE

GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE GEOGRAFIA 9 ANO ENSINO FUNDAMENTAL PROF.ª ANDREZA XAVIER PROF. WALACE VINENTE CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Comunicação e tecnologia. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 7.2 Conteúdos A presença da economia

Leia mais

Emprego Industrial Setembro de 2014

Emprego Industrial Setembro de 2014 Emprego Industrial Setembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de setembro de 2014, o saldo do emprego voltou a crescer em Santa Catarina (7.033 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de agosto).

Leia mais

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA

O investimento direto estrangeiro e o Brasil. Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA O investimento direto estrangeiro e o Brasil Elton Jony Jesus Ribeiro IPEA 1. O que é o IDE? Investimento de Portfólio X Investimento Direto Investimento de Portfólio: É baseado na percepção do ganho financeiro

Leia mais

Emprego Industrial Agosto de 2014

Emprego Industrial Agosto de 2014 Emprego Industrial Agosto de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de agosto de 2014, o saldo de emprego em Santa Catarina voltou a crescer (6.599 postos e variação de 0,3% em relação ao estoque de julho). A indústria

Leia mais

Emprego Industrial Dezembro de 2014

Emprego Industrial Dezembro de 2014 Emprego Industrial Dezembro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de dezembro de 2014, o saldo de empregos em Santa Catarina recuou em relação ao estoque de novembro (-36.691 postos e variação de -1,8%). A

Leia mais

MUNDO. Elaboração: EMBRAPA TRIGO/Socioeconomia JANEIRO, 2014

MUNDO. Elaboração: EMBRAPA TRIGO/Socioeconomia JANEIRO, 2014 Elaboração: EMBRAPA TRIGO/Socioeconomia JANEIRO, 2014 MUNDO Tabela 1. Área, rendimento e oferta e demanda de TRIGO no mundo, safras 2011/12, 2012/13 e 2013/14. Item 2011/2012 2012/2013(A) 2013/2014 (B)

Leia mais

Seção fechada com dados disponíveis até o dia 31/1/2015. Fevereiro 2015 Conjuntura Econômica I

Seção fechada com dados disponíveis até o dia 31/1/2015. Fevereiro 2015 Conjuntura Econômica I Índices Econômicos II Índices gerais II Índice de preços ao produtor amplo origem Brasil III Preços ao consumidor Brasil V Preços ao consumidor Rio de Janeiro V Preços ao consumidor São Paulo V Preços

Leia mais

Emprego Industrial Janeiro de 2015

Emprego Industrial Janeiro de 2015 Emprego Industrial Janeiro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de janeiro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação a dezembro (14.637 postos e variação de 0,7%). A indústria de transformação

Leia mais

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ABRIL 2012 US$ milhões FOB Período Dias Úteis EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO CORR. COMÉRCIO SALDO Média Média Média Média Valor Valor Valor Valor p/dia útil p/dia útil p/dia útil p/dia

Leia mais

COMENTÁRIOS. O emprego industrial, que ficou praticamente estável nos últimos três. meses, recuou 0,6% em novembro frente a outubro, na série livre de

COMENTÁRIOS. O emprego industrial, que ficou praticamente estável nos últimos três. meses, recuou 0,6% em novembro frente a outubro, na série livre de COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO O emprego industrial, que ficou praticamente estável nos últimos três meses, recuou 0,6% em novembro frente a outubro, na série livre de influências sazonais. Esta

Leia mais

TRIGO ABASTECIMENTO NACIONAL

TRIGO ABASTECIMENTO NACIONAL TRIGO ABASTECIMENTO NACIONAL Paulo Magno Rabelo Diretoria de Política Agrícola e Informações Analista de Mercado SITUAÇÃO NO MUNDO PRODUÇÃO MUNDIAL E BRASILEIRA DOS PRINCIPAIS GRÃOS EM 2014/15 ÁREA, PRODUÇÃO,

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

Panorama Conjuntural do Segmento de Embalagens

Panorama Conjuntural do Segmento de Embalagens Panorama Conjuntural do Segmento de Embalagens Índice Embalagens o Mercado Interno Produção o Número de Empresas e Emprego o Comércio Exterior o Balança Comercial o Exportações o Importações Brasil: Crescimento

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009

As exportações chinesas e o impacto na FIAM 2009 As exportações chinesas e o impacto na Zona Franca de Manaus FIAM 2009 Modelo econômico de desenvolvimento chinês P d Produção para exportação China A retração do mercado americano e europeu As alternativas

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO DE 2016 FABIANA D ATRI Departamento

Leia mais

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NOVA ZELÂNDIA Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores

Leia mais

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005

2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência. Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 2005: Prêmio de Risco; Cenário Externo e Convergência Dany Rappaport Corecon, 27 de janeiro de 2005 Cenário Externo Maior crescimento global em 30 anos. Crescimento do PIB em 2004 - Expectativa Área do

Leia mais

TRIGO Período de 27 a 30/07/2015

TRIGO Período de 27 a 30/07/2015 TRIGO Período de 27 a 30/07/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço PR 60 kg 34,43 34,35 34,45 34,42 Semana Atual Preço

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PNEUS E BORRACHA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Emprego Industrial Outubro de 2015

Emprego Industrial Outubro de 2015 Emprego Industrial Outubro de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de ubro de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina reduziu em relação ao estoque de setembro (-4.475 postos e variação de -0,2%). A indústria

Leia mais

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Panorama Econômico e Desempenho Setorial

Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica. Panorama Econômico e Desempenho Setorial Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica Panorama Econômico e Desempenho Setorial 2009 Apresentação Fundada em 1963, a Abinee - Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica

Leia mais

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento

Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Indicadores do Mercado de Meios Eletrônicos de Pagamento Janeiro de 2008 Apresentado por Fernando Chacon Diretor de Marketing de Cartões do Banco Itaú 1 Mercado de Cartões Faturamento anual: R$ bilhões

Leia mais

Perfil País. Moçambique

Perfil País. Moçambique Perfil País Moçambique Elaborado pela: Unidade de - ic@apexbrasil.com.br Apex-Brasil Tel: +55 613426.0202 Fax: +55 613426.0332 www.apexbrasil.com.br 1 Moçambique Indicadores Econômicos Crescimento do PIB

Leia mais

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016

COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos COMÉRCIO VAREJISTA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL AGOSTO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL AGOSTO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos BENS DE CAPITAL AGOSTO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro

A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro A Economia Global e as Perspectivas para o Agronegócio Brasileiro Henrique de Campos Meirelles Julho de 20 1 pico = 100 Valor de Mercado das Bolsas Mundiais pico 100 Atual 80 Japão 60 40 crise 1929 20

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo

A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL. Eugenio Stefanelo A ECONOMIA MUNDIAL E NA AMÉRICA DO SUL E O AGRONEGÓCIO 3 FORO DE AGRICULTURA DA AMÉRICA DO SUL Eugenio Stefanelo ECONOMIA MUNDIAL PIB em % ao ano: Média de 50 anos: 3,5% 2004 a 2007: 5% 2008 e 2009: 3,1%

Leia mais

IGP-M. Abril/ de abril de Secretaria de Política Econômica

IGP-M. Abril/ de abril de Secretaria de Política Econômica IGP-M Abril/2016 28 de abril de 2016 abr 99 out 99 abr 00 out 00 abr 01 out 01 abr 02 out 02 abr 03 out 03 abr 04 out 04 abr 05 out 05 abr 06 out 06 abr 07 out 07 abr 08 out 08 abr 09 out 09 abr 10 out

Leia mais

Junho 2014 Conjuntura Econômica I

Junho 2014 Conjuntura Econômica I Índices Econômicos II Índices gerais II Índice de preços ao produtor amplo origem Brasil III Preços ao consumidor Brasil IV Preços ao consumidor Rio de Janeiro V Preços ao consumidor São Paulo V Preços

Leia mais

Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014

Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014 São Paulo, 06 de outubro de 2015 AGOSTO DE 2015 Ingressos de IED diminuem 12,3% frente a 2014 Até agosto de 2015, os fluxos de investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil totalizaram US$ 36,8 bilhões.

Leia mais

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007

Ceará: Resultados do PIB Trimestral 3 0 Trimestre/2007 Ceará: Resultados do PIB Trimestral 2003-2007 eloisa@ipece.ce.gov.br rogerio.soares@ipece.ce.gov.br Fortaleza 2009 CEARÁ: COMPOSIÇÃO Ceará: DO Resultados PRODUTO INTERNO do PIB BRUTO Trimestral A PREÇOS

Leia mais

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS

TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRATORES E MÁQUINAS AGRÍCOLAS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações

Leia mais

Nº 016 JUNHO 16. Vendas As vendas de produtos siderúrgicos

Nº 016 JUNHO 16. Vendas As vendas de produtos siderúrgicos E S T A T Í S T I C A Preliminar Notas Nº 016 JUNHO 16 www.acobrasil.org.br (21) 3445-6300 acobrasil@acobrasil.org.br Produção A produção brasileira de aço bruto em junho de 2016 foi de 2,5 milhões de

Leia mais

URUGUAI. Comércio Exterior

URUGUAI. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC URUGUAI Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais indicadores

Leia mais

INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE MÓVEIS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

PANORAMA DO SETOR LÁCTEO AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA FEDERAL. Brasília, 27 de Agosto de 2015

PANORAMA DO SETOR LÁCTEO AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA FEDERAL. Brasília, 27 de Agosto de 2015 PANORAMA DO SETOR LÁCTEO AUDIÊNCIA PÚBLICA CÂMARA FEDERAL Brasília, 27 de Agosto de 2015 PRODUÇÃO MUNDIAL Ano 2013 2014 Crescimento Produção Total de 717,72 778,15 8,42% Leite Cru Total de Leite Inspecionado

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A cultura da soja apresenta relevante importância para a economia brasileira, sendo responsável por uma significativa parcela na receita cambial do Brasil, destacando-se

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE. Mês de referência: Abril de 2011

BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE. Mês de referência: Abril de 2011 Ano III - número 04 BOLETIM DE CONJUNTURA ECONÔMICA FLUMINENSE Mês de referência: Abril de 2011 Tel.: 2334 7320. Junho de 2011 Apresentação Este Boletim de Conjuntura Econômica Fluminense, elaborado pelo

Leia mais