CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSILIUM. Schengen. A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011"

Transcrição

1 PT CONSILIUM Schengen A porta para a sua liberdade de circulação na Europa JUNHO DE 2011

2 Índice INTRODUÇÃO 1 LIVRE CIRCULAÇÃO DE PESSOAS 2 COOPERAÇÃO POLICIAL E ADUANEIRA 2 Fronteiras internas 2 Fronteiras externas 3 SIS (Sistema de Informação Schengen) 4 COOPERAÇÃO JUDICIÁRIA 5 VISTOS 6 ASILO 7 MAPA DE SCHENGEN 8 A presente brochura é publicada pelo Secretariado-Geral do Conselho a título meramente informativo. Para qualquer informação sobre o Conselho Europeu e o Conselho, consulte o sítio União Europeia, 2011 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte.

3 Schengen, uma pequena localidade situada no sul do Luxemburgo, junto do rio Mosela, tornou-se sinónimo de abolição dos controlos nas fronteiras internas e de liberdade de circulação na Europa. O espaço Schengen foi evoluindo gradualmente: * Foi criado em 14 de Junho de 1985, com a assinatura do Acordo de Schengen entre cinco países (Bélgica, França, Alemanha, Luxemburgo e Países Baixos). * Cinco anos mais tarde, a Convenção de Schengen definiu a forma como a abolição dos controlos nas fronteiras internas seria aplicada na prática. Estabeleceu também uma série de medidas compensatórias necessárias para reforçar os controlos nas fronteiras externas, definir procedimentos de emissão de vistos uniformes, lutar contra o tráfico de droga e instituir um sistema comum de partilha de informações, o Sistema de Informação Schengen (SIS). * Na prática, a abolição dos controlos nas fronteiras começou em 26 de Março de 1995, altura em que sete países (os cinco iniciais, a que se juntaram Portugal e Espanha) aboliram os controlos nas suas fronteiras internas. * Desde então, o espaço Schengen expandiu-se a um ritmo constante e, no futuro, com a adesão da Bulgária, da Roménia e do Listenstaine, passará a contar com 28 países europeus. Alguns deles (Islândia, Noruega, Suíça e o Listenstaine) não são membros da União Europeia. * Três dos Estados-Membros (Chipre, Irlanda e Reino Unido) não fazem parte do espaço Schengen, embora participem em algumas das regras que lhe são aplicáveis. * Cada um dos países do espaço Schengen é objecto de uma avaliação periódica, que tem por objectivo verificar se as regras acordadas são por todos devidamente aplicadas. A abolição dos controlos nas fronteiras internas tem consequências noutros domínios de acção, como sejam a luta contra a criminalidade transfronteiras, as deslocações transfronteiras, o comércio e a justiça transfronteiras. Como tal, as regras aplicáveis ao espaço Schengen dizem respeito não só à livre circulação de pessoas, mas também à política de vistos, asilo e cooperação nos domínios policial, aduaneiro e judiciário. EU 1

4 LIVRE CIRCULAÇÃO DE PESSOAS * A liberdade de circulação no espaço Schengen constitui um direito, não só para mais de 500 milhões de cidadãos europeus, mas também para todos os nacionais de países terceiros que se encontrem legalmente no espaço Schengen. Os cidadãos estrangeiros que nele residam gozam desse direito, sem precisarem de vistos, desde que possuam um título de residência válido. Os cidadãos estrangeiros que viajem dentro do espaço Schengen têm a liberdade de o fazer por períodos máximos de 90 dias em cada seis meses. * Liberdade de circulação significa: acabar com as filas nos aeroportos, fronteiras marítimas ou terrestres e com os controlos de passaportes. Foram também suprimidas as infra-estruturas de controlo, como as guaritas dos guardas de fronteiras e outras barreiras físicas. * Todos os países participantes têm, no entanto, o direito de, no âmbito do trabalho de rotina da polícia, das alfândegas ou dos serviços de controlo da imigração, efectuar controlos de pessoas e controlos aduaneiros em qualquer ponto do seu território nacional. Da circulação rodoviária à luta contra o crime organizado, não faltam exemplos desse tipo de operações. 2 COOPERAÇÃO POLICIAL E ADUANEIRA Fronteiras internas * Os países vizinhos, que estabeleceram entre si uma estreita cooperação, podem efectuar controlos e operações conjuntas de ambos os lados da fronteira comum. São disso exemplo as entregas vigiadas de droga e os patrulhamentos policiais conjuntos. * Os agentes responsáveis pela aplicação da lei podem também efectuar operações de vigilância e perseguição transfronteiras no território dos Estados-Membros vizinhos, nomeadamente quando um criminoso suspeito tente evadir-se de um país atravessando a fronteira com o país vizinho. * Em caso de ameaça grave à ordem pública ou à segurança interna, um Estado-Membro pode, a título excepcional e durante um período máximo de 30 dias, reintroduzir controlos em todas ou em algumas das suas fronteiras internas. Esses casos abrangem, por exemplo, as manifestações desportivas importantes susceptíveis de representar um risco para a segurança.

5 Frontex Fronteiras externas * A fronteira externa do espaço Schengen, com mais de km de comprimento (aproximadamente 80% dos quais de fronteira marítima e 20% de fronteira terrestre), inclui centenas de aeroportos e portos marítimos, bem como de pontos de passagem das fronteiras terrestres. * Cada um dos Estados Schengen é responsável pelo controlo das suas fronteiras externas. As normas e o nível de controlo aplicados dentro do espaço Schengen são idênticos em todos os pontos de passagem das fronteiras externas, independentemente da sua localização. O «Código das Fronteiras Schengen» estabelece as regras comuns a aplicar. * Em 2005, foi criada a Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas (Frontex) ( 1 ), que começou a funcionar no mesmo ano. Compete-lhe essencialmente complementar os sistemas de gestão das fronteiras dos Estados-Membros pertencentes ao espaço Schengen promovendo a gestão integrada das fronteiras externas e coordenando a cooperação operacional a nível da União Europeia, com o objectivo de reforçar a segurança na fronteira externa do espaço Schengen. * Podem ser destacados guardas de fronteiras de um país para outro a fim de participarem em operações conjuntas e prestarem apoio aos Estados-Membros que se vejam confrontados com situações de especial pressão. * De acordo com as regras da União Europeia em matéria de pequeno tráfego fronteiriço nas fronteiras externas, vários foram os Estados Schengen que celebraram acordos bilaterais com países terceiros vizinhos, nomeadamente com vista à obtenção de uma autorização de pequeno tráfego fronteiriço, de molde a facilitar, nas zonas fronteiriças, o tráfego, o comércio, o intercâmbio social e cultural e a cooperação regional. ORIS-MULTIMEDIA DPTO AUDIOVISUALES 1 3

6 ORIS-MULTIMEDIA DPTO AUDIOVISUALES Sistema de Informação Schengen (SIS) * A criação do SIS constitui uma das principais medidas adoptadas para compensar a abolição dos controlos nas fronteiras internas ( 1 ). Trata-se de uma base de dados comum de que dispõem, nos países participantes, as autoridades responsáveis pelas fronteiras, pela migração e pela aplicação da lei. A ela têm acesso as autoridades presentes nas fronteiras, dentro do território nacional e nos consulados no estrangeiro. São aplicáveis ao SIS rigorosas regras específicas de protecção de dados. * Em Maio de 2011, o SIS continha mais de 38 milhões de entradas respeitantes a: pessoas (mais de 1 milhão): não autorizadas a entrar e permanecer no espaço Schengen (77%), a deter (mandado de detenção europeu) (4%), desaparecidas (6%), notificadas para comparecer perante uma autoridade judiciária (9%), a submeter a controlos discretos ou específicos (4%); objectos perdidos ou roubados (quase 37 milhões) destinados a serem apreendidos ou a servirem de prova em processos penais: documentos em branco ou já emitidos (86%), nomeadamente passaportes, bilhetes de identidade, cartas de condução, títulos de residência, documentos de viagem, documentos de registo de veículos, veículos e chapas de matrícula (12%), armas de fogo (1%), notas de banco (menos de 1%). * Em 2010, verificaram-se mais de «respostas positivas», tendo sido detectados cerca de pessoas e objectos, incluindo mais de veículos roubados. Significa isto que todos os dias se obtêm aproximadamente 250 respostas positivas (incluindo, em média, 35 veículos roubados por dia). 4 1

7 Europol EU COOPERAÇÃO JUDICIÁRIA * Os países do espaço Schengen aplicam uma série de regras específicas para facilitar os procedimentos de cooperação judiciária. Entre elas conta-se o princípio ne bis in idem, que impede que uma pessoa seja julgada e sancionada mais de uma vez pelos mesmos factos em diferentes países do espaço Schengen. A grande maioria das disposições de Schengen inicialmente adoptadas em matéria de cooperação policial e judiciária foi, entretanto, integrada em actos da União Europeia aplicáveis a todos os seus Estados-Membros. EU 5

8 VISTOS * Aos cidadãos estrangeiros que visitam o espaço Schengen é concedido um visto comum que lhes permite circular livremente no território Schengen durante o seu período de validade. Esse período não pode ultrapassar 90 dias. As estadias de duração superior a 90 dias e as condições de residência nos países Schengen são regidas pela legislação nacional. * Alguns números respeitantes a 2009 no espaço Schengen: foram emitidos quase 10 milhões de vistos Schengen no mundo inteiro. O número de vistos de longa duração (para estadias superiores a 90 dias) emitidos por países Schengen ascendeu a mais de 1 milhão. * Os Estados Schengen cooperam no sentido de facilitar aos requerentes a apresentação dos pedidos de visto Schengen nos seus próprios países ou regiões. * Todos os consulados de países Schengen existentes a nível mundial aplicam as mesmas regras de emissão de vistos. Dentro em breve estará operacional uma base de dados comum, o Sistema de Informação sobre Vistos (VIS). 6

9 ORIS-MULTIMEDIA DPTO AUDIOVISUALES ASILO * Em 2010, os 27 Estados-Membros da União Europeia proferiram, no seu conjunto, mais de decisões em primeira instância sobre pedidos de asilo. Cerca de um quarto dessas decisões foi favorável, o que significa que três quartos dos pedidos foram rejeitados. * Foi criado um mecanismo (o Regulamento de Dublim) para determinar qual o Estado responsável pelo tratamento dos pedidos de asilo, a fim de impedir que a mesma pessoa apresente múltiplos pedidos de asilo em diferentes países Schengen e evitar que se corra o risco de nenhum desses países se ocupar dos pedidos. Para isso, foi criada uma base de dados destinada a transmitir e comparar impressões digitais (a Eurodac). * Os Estados-Membros da União Europeia estão também a trabalhar no sentido de, até 2012, ser instituído um Sistema Europeu Comum de Asilo (SECA), o que, para além da necessidade de actualizar uma série de medidas legislativas já em vigor por forma a garantir a aplicação de normas de protecção exigentes e de procedimentos objectivos e eficazes, implica também que se reforce a cooperação prática através do recém-criado Gabinete Europeu de Apoio em matéria de Asilo (GEAA). 7

10 ESTADOS-MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA QUE PARTICIPAM NO ESPAÇO SCHENGEN (*) 1995: Alemanha, Bélgica, Espanha, França, Luxemburgo, Países Baixos, Portugal 1997: Áustria, Itália 2000: Grécia 2001: Dinamarca, Finlândia, Suécia 2007: Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Malta, Polónia, República Checa ESTADOS NÃO MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA QUE PARTICIPAM NO ESPAÇO SCHENGEN (*) 2001: Islândia, Noruega 2008: Suíça ESTADOS-MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA EM VIAS DE ADESÃO AO ESPAÇO SCHENGEN (*) Bulgária, Roménia ESTADOS NÃO MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA EM VIAS DE ADESÃO AO ESPAÇO SCHENGEN (*) Liechtenstein ESTADOS-MEMBROS DA UNIÃO EUROPEIA QUE NÃO PARTICIPAM NO ESPAÇO SCHENGEN (*) Chipre, Irlanda, Reino Unido (*) Em Junho de

11 LI : Liechtenstein LI

12 QC PT-C CONSILIUM Rue de la Loi/ Wetstraat Bruxelles/Brussel BELGIQUE/BELGIË Tel doi: /27456 ISBN

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS:

NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 003/2010 DATA: 29/09/2010 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTOS: Acesso a cuidados de saúde programados na União Europeia, Espaço Económico Europeu e Suiça. Procedimentos para a emissão do Documento

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 15/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTO DE ADESÃO, ANEXO II PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS

Leia mais

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II

Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II P6_TA(2005)044 Sistema de Informação Schengen - acesso pelos serviços de emissão de certificados de matrícula dos veículos ***II Resolução legislativa do Parlamento Europeu referente à posição comum adoptada

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido?

Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? PT Pedi asilo na UE Que país vai processar o meu pedido? A Informações sobre o Regulamento de Dublim destinadas aos requerentes de proteção internacional, em conformidade com o artigo 4.º do Regulamento

Leia mais

GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL

GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL GOLDEN VISA Junho 2013 AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA ATRAVÉS DE INVESTIMENTO EM PORTUGAL Portugal já está a atribuir os Golden Residence Permit a cidadãos não- Europeus no caso de realização de determinados

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Cartão Europeu de Seguro de Doença Nº: 20/DSPCS DATA: 18/05/04 Para: Todos os serviços dependentes do Ministério da Saúde Contacto

Leia mais

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N

AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N DECRETO N.º 36/VIII AUTORIZA O GOVERNO A ALTERAR A ESTRUTURA ORGÂNICA E AS ATRIBUIÇÕES DO SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS, REVOGANDO O DECRETO-LEI N.º 440/86, DE 31 DE DEZEMBRO, ESPECIALMENTE PARA

Leia mais

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )...

Diretiva (UE) 2016/97 do Parlamento Europeu e do Conselho de 20 de janeiro de 2016 sobre a distribuição de seguros (reformulação) ( 1 )... Jornal Oficial da União Europeia L 26 Edição em língua portuguesa Legislação 59. o ano 2 de fevereiro de 2016 Índice I Atos legislativos REGULAMENTOS Regulamento (UE) 2016/93 do Parlamento Europeu e do

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

O ESPAÇO DE SCHENGEN. Trabalho feito por João Dias nº 8 do 2ºJ

O ESPAÇO DE SCHENGEN. Trabalho feito por João Dias nº 8 do 2ºJ O ESPAÇO DE SCHENGEN Trabalho feito por João Dias nº 8 do 2ºJ O QUE É O ESPAÇO DE SCHENGEN? O espaço e a cooperação Schengen assentam no Acordo Schengen de 1985. O espaço Schengen representa um território

Leia mais

istockphoto/m. Boncina A Europa da livre circulação: o espaço Schengen Assuntos Internos

istockphoto/m. Boncina A Europa da livre circulação: o espaço Schengen Assuntos Internos istockphoto/m. Boncina A Europa da livre circulação: o espaço Schengen Assuntos Internos 1 Espaço Schengen em 19 de dezembro de 2011 Estados-Membros da União Europeia pertencentes ao espaço Schengen Estados-Membros

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 23/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTA FINAL PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS

Leia mais

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA?

NOTA INFORMATIVA SINGLE EURO PAYMENTS AREA. 1. O que é a SEPA? 1 NOTA INFORMATIVA 1. O que é a SEPA? Para harmonização dos sistemas de pagamento no espaço europeu no sentido de impulsionar o mercado único, foi criada uma Área Única de Pagamentos em Euro (denominada

Leia mais

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV

CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV CASSTM NOTA 376/03 ANEXO 2REV DOCUMENTO 3 DIREITOS E OBRIGAÇÕES DOS TITULARES DOS CARTÕES EUROPEUS DE SEGURO DE DOENÇA OU DE DOCUMENTOS EQUIVALENTES NA SEQUÊNCIA DAS ALTERAÇÕES DO PONTO I DA ALÍNEA A)

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

Aula 7. O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE

Aula 7. O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE Aula 7 O espaço Schengen e a livre circulação de pessoas na UE O O Ano Europeu do Diálogo Intercultural (AEDI) 2008 reconhece a grande diversidade cultural da Europa como um benefício único. Fronteira

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Resolução da Assembleia da República n.º 21/99 Acordo de Cooperação entre o Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Baixos,

Leia mais

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.8.2011 COM(2011) 516 final 2011/0223 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 810/2009, de 13 de Julho de 2009,

Leia mais

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2

DIREITO COMUNITÁRIO. Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 DIREITO COMUNITÁRIO Aula 4 As revisões dos instrumentos fundamentais: o aprofundamento 2 As revisões dos tratados fundadores 07/02/1992: Assinatura do Tratado sobre a União Européia,, em Maastricht; 20/10/1997:

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

SEPA - Single Euro Payments Area

SEPA - Single Euro Payments Area SEPA - Single Euro Payments Area Área Única de Pagamentos em euros APOIO PRINCIPAL: APOIO PRINCIPAL: Contexto O que é? Um espaço em que consumidores, empresas e outros agentes económicos poderão efectuar

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 18.10.2007 COM(2007) 619 final 2007/0216 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n. 2252/2004 do Conselho

Leia mais

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA)

Atualidades. Blocos Econômicos, Globalização e União Européia. 1951 - Comunidade Européia do Carvão e do Aço (CECA) Domínio de tópicos atuais e relevantes de diversas áreas, tais como política, economia, sociedade, educação, tecnologia, energia, ecologia, relações internacionais, desenvolvimento sustentável e segurança

Leia mais

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44

Quadro 1 Número de empresas de seguros a operar em Portugal. 2014 Vida Não Vida Mistas Total. Empresas de seguros de direito português 15 23 6 44 Quadro Número de empresas de seguros a operar em Portugal 24 Vida Não Vida Mistas Total Em regime de estabelecimento 2 46 2 78 Empresas de seguros de direito português 5 23 6 44 Empresas de seguros 5 2

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 ACTA FINAL FA/TR/EU/HR/pt 1 2 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische

Leia mais

Decreto do Governo n.º 6/84 Acordo Europeu sobre o Regime da Circulação das Pessoas entre os Países Membros do Conselho da Europa

Decreto do Governo n.º 6/84 Acordo Europeu sobre o Regime da Circulação das Pessoas entre os Países Membros do Conselho da Europa Decreto do Governo n.º 6/84 Acordo Europeu sobre o Regime da Circulação das Pessoas entre os Países Membros do Conselho da Europa O Governo decreta, nos termos da alínea c) do n.º 1 e do n.º 2 do artigo

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas

Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas Portugees - Portugais Serviço de Assistência Tutelar Serviço de Tutelas Como podemos ajudar-te? À tua chegada à Bélgica Tens menos de 18 anos e chegaste à Bélgica sem o teu pai ou a tua mãe? Estás a procurar

Leia mais

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL abril 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança

Leia mais

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA

Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Golden Residence Permit Program BES IMÓVEIS AREA GESTÃO IMOBILIÁRIA Em que consiste, razões para a existência do programa e benefício principal Quem pode beneficiar do programa Como beneficiar do programa

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes

HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes HBL15 Trabalhar na Irlanda do Norte: Subsídio de Alojamento Um folhetim informativo do Executivo de Alojamento para Trabalhadores Migrantes Este folheto explica as regras que se aplicam ao Benefício de

Leia mais

MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA

MÓDULO II A COOPERAÇÃO NOS DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA MÓDULO II DOMÍNIOS DA JUSTIÇA E DOS ASSUNTOS INTERNOS NA UNIÃO EUROPEIA: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE, PRÁTICA E EFICÁCIA O ESPAÇO EUROPEU DE LIBERDADE, O QUE É A COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE JUSTIÇA E ASSUNTOS

Leia mais

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE

CENTRO EUROPEU DO CONSUMIDOR - PORTUGAL EUROPEAN CONSUMER CENTRE ECC-Net: Travel App Uma nova aplicação para telemóveis destinada aos consumidores europeus que se deslocam ao estrangeiro. Um projeto conjunto da Rede de Centros Europeus do Consumidor Nome da app: ECC-Net:

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora

UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA. Maria do Rosário Baeta Neves Professora Coordenadora UNIÃO EUROPEIA A CRIAÇÃO EUROPEIA 1952 CECA (TRATADO DE PARIS 18 de Abril 1951) Países aderentes: França Alemanha Bélgica Holanda Luxemburgo Itália Objectivos do Tratado de Paris: Criação do Mercado Comum

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 18 de Dezembro de 2003 (19.12) (OR. en) 16277/03 Dossier interinstitucional: 2003/0299 (CNS)

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 18 de Dezembro de 2003 (19.12) (OR. en) 16277/03 Dossier interinstitucional: 2003/0299 (CNS) CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 18 de Dezembro de 2003 (19.12) (OR. en) 16277/03 Dossier interinstitucional: 2003/0299 (CNS) ASIE 38 JAI 379 TOUR 20 PROPOSTA Origem: Comissão Europeia Data: 15 de

Leia mais

http://www.dgs.pt/wwwbase/raiz/mlkimprimir.aspx?codigoms=0

http://www.dgs.pt/wwwbase/raiz/mlkimprimir.aspx?codigoms=0 Página Web 1 de 5 Mobilidade de Doentes imprimir adicionar aos favoritos Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) Aconselhamos vivamente que leve consigo o seu Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD)

Leia mais

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR

OCDE/ITF - IRTAD 5 6 6.1 6.2 A ANSR Jorge Jacob Agenda: 1 Sinistralidade Rodoviária um flagelo mundial 2 Organização Mundial MACRO 3 WHO The Decade of Action for Road Safety 4 OCDE/ITF - IRTAD 5 UE/Comissão Europeia 6 Portugal: 6.1 Situação

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007

Reembolso em espécie das prestações acumuladas na Previdência Profissional ao deixar definitivamente a Suíça a partir de 1 de Junho de 2007 Sicherheitsfonds BVG Geschäftsstelle Postfach 1023 3000 Bern 14 Tel. +41 31 380 79 71 Fax +41 31 380 79 76 Fonds de garantie LPP Organe de direction Case postale 1023 3000 Berne 14 Tél. +41 31 380 79 71

Leia mais

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido

Áustria, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Liechtenstein, Noruega, Suécia, Reino Unido PROGRAMA ERASMUS+ AÇÃO 1 MOBILIDADE INDIVIDUAL PARA FINS DE APRENDIZAGEM ENSINO SUPERIOR 2015 TABELA DE BOLSAS DE MOBILIDADE ESTUDANTES PARA ESTUDOS E ESTÁGIOS TABELA 1 De Portugal Continental para: Valor

Leia mais

@Telmo Miller GOLDEN VISA. Autorização de Residência para Actividade de Investimento

@Telmo Miller GOLDEN VISA. Autorização de Residência para Actividade de Investimento @Telmo Miller GOLDEN VISA Autorização de Residência para Actividade de Investimento ÍNDICE I. SOBRE A BR (QUEM SOMOS) 3 II. BR INTERNATIONAL ALLIANCE (PRESENÇA NO ESTRANGEIRO) 3 III. AUTORIZAÇÃO DE RESIDÊNCIA

Leia mais

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES

PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA DOS FAMILIARES A COMISSÃO ADMINISTRATIVA PARA A SEGURANÇA SOCIAL DOS TRABALHADORES MIGRANTES Ver «Instruções» na página 4 E 411 ( 1 ) PEDIDO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS AO DIREITO ÀS PRESTAÇÕES FAMILIARES NO ESTADO DE RESIDÊNCIA

Leia mais

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos

Guia do Estudante Erasmus - Período de Estudos ESTE ANO VOU CONHECER NOVAS PESSOAS ESTE ANO VOU ALARGAR CONHECIMENTOS ESTE ANO VOU FALAR OUTRA LÍNGUA ESTE ANO VOU ADQUIRIR NOVAS COMPETÊNCIAS ESTE ANO VOU VIAJAR ESTE ANO VOU SER ERASMUS Guia do Estudante

Leia mais

É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu!

É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu! F É UM CIDADÃO EUROPEU A RESIDIR NA BÉLGICA? Então venha votar no dia 25 de Maio de 2014 para o Parlamento Europeu! 1 QUEM PODE VOTAR A 25 DE MAIO DE 2014? Para poder participar nesta eleição na qualidade

Leia mais

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012?

1. 2. 3. 4. PASSO A PASSO. Links para saber mais. A União Europeia. Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? junho 2012 PASSO A PASSO 1. 2. 3. 4. A União Europeia Ano Europeu: o que é? o que se comemora em 2012? Ano Europeu 2012: curiosidades iniciativas quiz Links para saber mais 1. A União Europeia 27 Estados-Membros

Leia mais

SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS

SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS SERVIÇO DE ESTRANGEIROS E FRONTEIRAS O SEF pretende dar execução à política de imigração e asilo de Portugal, de acordo com as disposições da Constituição e da Lei e as orientações do Governo. O Serviço

Leia mais

III ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE

III ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE L 138/14 Jornal Oficial da União Europeia 4.6.2009 III (Actos aprovados ao abrigo do Tratado UE) ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE DECISÃO 2009/426/JAI DO CONSELHO de 16 de Dezembro

Leia mais

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos

Geografia Econômica Mundial. Organização da Aula. Aula 4. Blocos Econômicos. Contextualização. Instrumentalização. Tipologias de blocos econômicos Geografia Econômica Mundial Aula 4 Prof. Me. Diogo Labiak Neves Organização da Aula Tipologias de blocos econômicos Exemplos de blocos econômicos Algumas características básicas Blocos Econômicos Contextualização

Leia mais

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL

Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL Changing lives. Opening minds. Mobilidade de Estudantes Sessão de Esclarecimento 2015/2016 janeiro 2015 Núcleo de Relações Internacionais do ISEL ERASMUS + Uma porta aberta para a Europa : O novo programa

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 5 de Dezembro de 2000 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a passagem das fronteiras externas

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA COMISSÃO DE ASSUNTOS EUROPEUS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 557/X/4.ª Iniciativa Europeia Proposta de Decisão - Quadro COM (2007) 654 final SEC (2007) 1422 e 1453, relativa à utilização dos dados do Registo de Identificação de Passageiros

Leia mais

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras DISCURSO PRESIDENTE SCIF XVIII CONGRESSO

Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização Serviço de Estrangeiros e Fronteiras DISCURSO PRESIDENTE SCIF XVIII CONGRESSO DISCURSO PRESIDENTE SCIF XVIII CONGRESSO 16 DN SCIF2015 DE 29/05/2015 EXCELÊNCIAS A 14 de Junho de 1985 foi assinado entre a Alemanha, a Bélgica, a França, o Luxemburgo e a Holanda, o Acordo de Schengen,

Leia mais

PT 2014. Relatório Especial TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU. n.º

PT 2014. Relatório Especial TRIBUNAL DE CONTAS EUROPEU. n.º PT 2014 n.º 15 Relatório Especial O Fundo para as Fronteiras Externas reforçou a solidariedade financeira mas é necessário melhorar a medição dos resultados e aumentar o seu valor acrescentado europeu

Leia mais

Geografia 03 Tabata Sato

Geografia 03 Tabata Sato Geografia 03 Tabata Sato IDH Varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1 maior o IDH de um país. Blocos Econômicos Economia Globalizada Processo de Regionalização Tendência à formação de blocos econômicos

Leia mais

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe

Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Directiva Europeia para a Igualdade de Tratamento no Emprego e na actividade profissional Inclusion Europe Relatório A Inclusion Europe e os seus 49 membros de 36 países lutam contra a exclusão social

Leia mais

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS

(Atos não legislativos) REGULAMENTOS 5.5.2012 Jornal ficial da União Europeia L 120/1 II (Atos não legislativos) REGULAMENTS REGULAMENT (UE) N. o 383/2012 DA CMISSÃ de 4 de maio de 2012 que estabelece os requisitos técnicos relativos às cartas

Leia mais

ANEXO. Recomendação da Comissão

ANEXO. Recomendação da Comissão COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 15.6.2015 C(2015) 3894 final ANNEX 1 ANEXO da Recomendação da Comissão que altera a Recomendação relativa ao estabelecimento de um «Manual prático para os guardas de fronteira

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009

ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 ESTATÍSTICAS DA IMIGRAÇÃO 2009 Entrada e Permanência I. FONTES OFICIAIS NACIONAIS... 3 Vistos de Estada Temporária (VET) e de Residência (VR), emitidos em 2009, por Tipo de Visto... 4 Vistos de Estada

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=168982 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET ATRAVÉS DE BANDA LARGA 3º TRIMESTRE DE 2005 NOTA: O presente documento constitui

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco BPI, Sociedade

Leia mais

de 23 de Maio de 2007

de 23 de Maio de 2007 L 144/22 PT Jornal Oficial da União Europeia 6.6.2007 DECISÃO N. o 574/2007/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Maio de 2007 que cria o Fundo para as Fronteiras Externas para o período de 2007

Leia mais

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/17 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pedido de

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

Previdência social. Social Welfare

Previdência social. Social Welfare Direitos trabalhistas Saúde 75 a 08 Previdência social Social Welfare 08 76 VIDA NA IRLANDA Os pagamentos se dividem em 3 categorias: 1. Contributivos: Os pagamentos do seguro social (geralmente chamados

Leia mais

Conferência Processos de Contra-Ordenação: Autoridades Administrativas e Tribunais

Conferência Processos de Contra-Ordenação: Autoridades Administrativas e Tribunais Conferência Processos de Contra-Ordenação: Autoridades Administrativas e Tribunais Lisboa, 31 de Maio de 2011 Carlos Tavares 83.83 65.000 200.000 1.276.17 282.76 395.000 35.99 873.996 1.036.52 123.253

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente. Nome Completo B.I./ Cartão Cidadão Nº Contribuinte Código Repartição Finanças Morada de residência 1 Proposta de Adesão de Crédito - Particulares Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ Identificação do titular Nome Completo B.I./ Cidadão Nº Contribuinte

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.821, DE 5 DE OUTUBRO DE 2012 Promulga o Acordo entre a República Federativa do Brasil e a União Europeia sobre Isenção

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E INTERINSTITUCIONAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E INTERINSTITUCIONAIS Visto para estudante na Suíça Para os estudantes aceitos em uma instituição de ensino ou curso, por um período de estudos superior a 90 dias. Formulário de visto preenchido e assinado em três vias originais.

Leia mais

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR

TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR Revogada pela RN 020/06 Resolução Normativa RN-007/2006 Revoga a RN 001/05 TABELA DE VALORES DE BOLSAS NO EXTERIOR O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq,

Leia mais

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente

Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente 1 Proposta de Adesão Particulares Cartão de Crédito Miles & More Gold da Caixa (para residentes no estrangeiro) Agência Nº Conta de Depósitos à Ordem Nº Cliente _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Leia mais

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar

2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar 2 DISCIPLINA: Economia M6 Ano :11º C DATA: 10/07/2013 Cursos Profissionais: Técnico de Restauração Variante de Restaurante - Bar Nome: N.º: Classificação: Ass.Professor: GRUPO I Este grupo é constituído

Leia mais

Pedido de Visto Schengen

Pedido de Visto Schengen Pedido de Visto Schengen FOTO Este impresso é gratuito 1. Apelido PARTE RESERVADA À ADMINISTRAÇÃO 2. Apelido quando do nascimento (apelido anterior) Data do pedido: 3. Nome(s) próprio(s) Número do pedido

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO. relativa à conclusão do Acordo entre a União Europeia e a Geórgia sobre a facilitação da emissão de vistos

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO. relativa à conclusão do Acordo entre a União Europeia e a Geórgia sobre a facilitação da emissão de vistos PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 5.5.2010 COM(2010)198 final 2010/0106 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à conclusão do Acordo entre a União Europeia e a Geórgia sobre a facilitação da

Leia mais

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações).

Espanha continuou a ser o país com maior peso nas transações comerciais de bens com o exterior (23,5% nas exportações e de 32,5% nas importações). Estatísticas do Comércio Internacional 214 7 de julho de 215 Resultados preliminares do Comércio Internacional em 214: em termos nominais, as exportações aumentaram 1,8% e as importações aumentaram 3,2%

Leia mais

MINIGUIA DA EUROPA 2011 Comunicar com os Europeus Línguas Na Europa fala-se muitas línguas, cujas principais famílias são a germânica, a românica, a eslava, a báltica e a céltica. As instituições da União

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business Estrangeiro:

Leia mais

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE)

11. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (OUTROS CLIENTES) ( ÍNDICE) 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é 3. Substituição de 4. Inibição do 5. Comissão pela recuperação de valores em dívida 6. Não pagamento até à data limite Cartão Business 43,27 43,27

Leia mais

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016

GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 GUIA do ESTUDANTE ERASMUS+ 2015-2016 Esclarecimentos de dúvidas/informações adicionais: Carolina Peralta/Isabel Silva Gabinete de Relações Internacionais - GRI Rua de Santa Marta, 47, 1º Piso sala 112-1169-023

Leia mais

ACORDO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA REPÚBLICA DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA NO ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU

ACORDO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA REPÚBLICA DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA NO ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU 443 der Beilagen XXIII. GP - Beschluss NR - 18 portugiesischer Vertragstext PT (Normativer Teil) 1 von 21 ACORDO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA REPÚBLICA DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA NO ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU EEE/BG/RO/pt

Leia mais

Golden Visa. Autorização de Residência para Actividade de Investimento

Golden Visa. Autorização de Residência para Actividade de Investimento Golden Visa Autorização de Residência para Actividade de Investimento Índice I. Sobre a BR (Quem somos) 3 II. BR International Alliance (Presença no Estrangeiro) 3 III. Autorização de Residência para Actividade

Leia mais

BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda a Europa.

BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda a Europa. BMW Motorrad Após-Venda Serviços Móveis BMW Motorrad Após-Venda Pelo prazer de conduzir Serviços Móveis BMW Motorrad Mobile Care. BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda

Leia mais