Gestão baseada no desempenho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão baseada no desempenho"

Transcrição

1 Gestão baseada no desempenho Enquadramento conceptual do modelo em aplicação no Centro Hospitalar de Lisboa Central Daniel Ferro Modelo de Gestão do desempenho Permite: aumento da produtividade aumenta o desenvolvimento dos colaboradores e a concretização dos objectivos; Melhora o desempenho define claramente os objectivos e apresenta actividades de aprendizagem dirigidas a necessidades específicas; Reduz os custos Inspira-se: Teoria do Capital Humano o rendimento é proporcional ao capital humano investido Modelo de Gestão por objectivos e por 1

2 Premissas da Teoria do Capital Humano O envolvimento, o compromisso com a organização, o saber e o desenvolvimento de são pilares do investimento individual efectivo. As pessoas que executam estratégias, administram activos e avaliam a desilusão, afectam profundamente o rendimento do capital humano de cada indivíduo. Para além das tarefas de comando, controlo, programação e coordenação, as chefias têm de criar ambientes de trabalho de alto rendimento. A informação é essencial na vinculação do investimento do capital humano com a estratégia e na ajuda para que as pessoas sejam capazes de fazer frente á mudança Componentes do Capital Humano Capacidade Conhecimento Técnica + Comportamento x Esforço x Tempo Talento Capacidade (e sub componentes) e Comportamento: utilizar escala 1 a 10 Esforço: utilizar escala % Tempo: utilizar horas 2

3 Significado dos componentes do Capital Humano Capacidade perícia numa série de actividades ou formas de trabalho: Conhecimento domínio de um conjunto de acções requeridas para desempenhar um cargo; Técnica familiaridade com os meios e métodos para realizar uma determinada tarefa; Talento faculdade inata para realizar uma tarefa específica Comportamento meios observáveis de actuar que contribuem para a realização de uma tarefa Esforço aplicação concreta dos recursos mentais e físicos a um fim concreto Tempo elemento cronológico do investimento em capital humano Como funciona o investimento em Capital Humano Identificação com o trabalho Dedicação Compromisso Investimento em Capital Humano Atitude identificar-se com a organização, envolver-se nas suas actividades e apreciam pertencer-lhe. Sentir-se motivado a trabalhar em benefício da empresa. Trabalham mais do que os que não possuem compromisso de atitude. Programático induz os trabalhadores a permanecer na empresa porque não podem permitir-se abandoná-la. Baseado na lealdade sente-se ligado á empresa pelo sentido de obrigação. Associado a intensa motivação e dedicação notável aos objectivos da empresa. 3

4 Relação entre o rendimento e o compromisso Rendimento Alto De Atitude Baseado na lealdade Programático Baixo Baixo Compromisso Alto Determinantes do investimento em capital humano Factores estimulantes: (I) ter a responsabilidade do próprio trabalho (II) fazer um trabalho de valor (III) oportunidade de fazer bom uso das técnicas e capacidades (IV) reconhecimento da entrega individual Factores não estimulantes: (I) compensação baseada no rendimento (II) programa generalizado de benefícios (III) trabalho em equipa (IV) confiança nas chefias superiores Factores frustrantes: (I) falta de reconhecimento e apreço (II) desconfiança das chefias (III) gestão débil (Yankelovich e Immerwarhr) 4

5 Determinantes do investimento em capital humano Satisfação Intrínseca Recompensas económicas Salário base Incentivos Gratificações Comissões Planos de Reforma Rendimento variável Benefício sociais Férias Protecção laboral Interesse Desafio Criatividade Variedade Diversão Liberdade Relações sociais Controlo de Valores Recompensa Apreço Prémios Reconhecimento Prestígio Respeito Progressão Oportunidade chefia Educação Qualificação Aprendizagem Oportunidades de desenvolvimento Reconhecimento Adaptado de Thomas O. Davemport Financeira Equilíbrio sustentável Maximização receita Contenção despesa Cliente Interna Melhorar acessibilidade Integração estruturas Melhorar satisfação Optimização capacidade instalada B S C Sistema de qualidade Aperfeiçoamento estrutura e modelo gestão Desenvolvimento Criar centros de excelência Inovação e modernização Formação, ensino e investigação Avaliação desempenho com incentivos 5

6 A Gestão Global do Desempenho Missão Estratégia da Empresa Cultura/ Valores Objectivos Comportamentos/ Competências Plano desempenho serviços Plano Desempenho individual Análise Objectivos da Função Comportamentos esperados Condução Modelo Integrado de Gestão do Desempenho Planeamento Acompanhamento Estabelecer objectivos e metas Definir recursos necessários Definir indicadores de desempenho Planear actividades Identificar desvios actividades planeadas Tomar medidas correctivas Avaliação Comparar resultados alcançados e esperados Apurar resultados alcançados 6

7 Modelo de gestão de desempenho baseado em Competências Formulação da Estratégia Organizacional Definição da Visão, Negócio E Modelo de Gestão Diagnóstico das Identificação e desenvolvimento internas Formulação de planos individuais de trabalho Diagnóstico das Competências essenciais á organização Definição de Objectivos e Indicadores de desempenho da empresa Captação e desenvolvimento externas Definição de indicadores de desempenho e de remuneração de indivíduos Guimarães (1999) Acompanhamento e Avaliação Modelo de gestão de Planeamento Estabelecer objectivos e metas Avaliação Comparar resultados alcançados e esperados Apurar resultados alcançados Identificar necessárias Ineaga (1998) Mapear o Gap de Inventariar internas Planear a captação de Captação Seleccionar externas Desenvolvimento Definir o mecanismo de desenvolvimento Admitir e integrar Disponibilizar e orientar o aproveitamento 7

8 Modelo de gestão por objectivos e Recrutamento e Selecção Plano de Progressões e Promoções Gestão por Objectivos e Competências Mobilidade, Formação e Desenvolvimento Avaliação e Gestão do Desempenho Área de Recursos Humanos Formação Profissional Gestão Administrativa de RH Desenvolvimento Organizacional Saúde Ocupacional 8

9 Modelo de Gestão por Objectivos e Competências Pessoal Administrativo e Auxiliar Projectos Constituição de perfís funcionais (Int, Ce,Mcdt,Urg) Levantamento funcional (funções, tarefas, cargas trabalho) Inventário de (motiv, traços, conh, compt) Diagnóstico necessidades e avaliação de desempenho Plano de mobilidade (areas e serviços de apoio, Aprov, RH) Plano integrado de formação Plano de concursos Execução Out Nov Dez Jan 9

Open Doors A SHL Portugal abre as portas a todas as empresas em colaboração com a Escrita Digital. Lisboa 4 de Março de 2010

Open Doors A SHL Portugal abre as portas a todas as empresas em colaboração com a Escrita Digital. Lisboa 4 de Março de 2010 Open Doors A SHL Portugal abre as portas a todas as empresas em colaboração com a Escrita Digital Lisboa 4 de Março de 2010 AVALIAÇÃO E GESTÃO DO DESEMPENHO Quem vai estar convosco Jorge Horta Alves Managing

Leia mais

Gestão de Pessoas: Fases Evolutivas

Gestão de Pessoas: Fases Evolutivas Gestão de Pessoas: Fases Evolutivas Transição: de Operacional para Estratégico Fischer (2002) 4 fases correntes teóricas: Departamento pessoal até 20s controle, eficiência, taylorismo, fordismo; Gestão

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Submodelo estrutural da satisfação dos colaboradores da DGPJ com a cooperação e comunicação Submodelo estrutural da satisfação

Submodelo estrutural da satisfação dos colaboradores da DGPJ com a cooperação e comunicação Submodelo estrutural da satisfação Análise da Satisfação, Lealdade e Envolvimento dos Colaboradores Lisboa, Março de 2015 Índice 1. Modelo de medida da satisfação dos colaboradores da DGPJ e respetivos indicadores... 4 1.1. Dimensão expectativas

Leia mais

Workshop de Gestão de Recursos Humanos Objetivos Gerais Dotar os participantes de técnicas, métodos e instrumentos que vão fazer melhorar o planeamento, o acompanhamento e a Gestão dos Recursos Humanos.

Leia mais

2011 PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICA QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

2011 PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICA QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2011 PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICA QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO Área dos Recursos Humanos Não Docentes NOTA INTRODUTÓRIA O Plano de Acção Estratégica especifica o rumo de acção que o Agrupamento

Leia mais

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016

ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 ALAIN AREAL LISBOA, 03 DE OUTUBRO 2016 Enquadramento Na Europa, 60% dos acidentes de trabalho de que resultam mortos são acidentes rodoviários, incluindo os acidentes de trajecto para o trabalho. Acidentes

Leia mais

Propostas de Alteração à Lei da Saúde Ocupacional

Propostas de Alteração à Lei da Saúde Ocupacional CATEGORIA AUTORIA JUNHO 16 Comentários Técnicos Gabinete de Estudos e Contributos OPP Técnicos Propostas de Alteração à Lei da Saúde Ocupacional Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2016).

Leia mais

TREINO. Transmissão de informações

TREINO. Transmissão de informações Treino nas Organizações Recrutamento e Selecção As quatro classes de mudança do comportamento Transmissão de informações Aumentar o conhecimento das pessoas Informação sobre a organização, seus produtos

Leia mais

A Tecnologia na Gestão de Talento e Performance

A Tecnologia na Gestão de Talento e Performance A Tecnologia na Gestão de Talento e Performance A gestão de talento como fator fulcral na estratégia de negócio e na obtenção de objetivos organizacionais (Francois Coentro) AGENDA Ciclo de Vida do Colaborador

Leia mais

Submodelo estrutural da satisfação dos colaboradores da DGPJ com a cooperação e comunicação Submodelo estrutural da satisfação

Submodelo estrutural da satisfação dos colaboradores da DGPJ com a cooperação e comunicação Submodelo estrutural da satisfação Análise da Satisfação, Lealdade e Envolvimento dos Colaboradores Lisboa, Março de 2014 Índice 1. Modelo de medida da satisfação dos colaboradores da DGPJ e respetivos indicadores... 4 1.1. Dimensão expectativas

Leia mais

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição.

No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 1. OBJETIVOS GERAIS No final do curso os formandos deverão realizar a gestão de uma IPSS, promovendo a sustentabilidade da instituição. 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Descrever a orgânica das Instituições Sociais;

Leia mais

A Informação nos Recursos Humanos

A Informação nos Recursos Humanos A Informação nos Recursos Humanos Para que haja uma correcta Gestão de Recursos Humanos, o Banco tem de (entre toda a informação que recebe sobre este assunto), seleccionar a que é realmente relevante

Leia mais

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH

CEVALOR. AEP Seminário. 02 de Abril de 2008 CEVALOR. Breves reflexões sobre a GRH AEP Seminário 02 de Abril de 2008 Breves reflexões sobre a GRH - Programas de desenvolvimento dos recursos humanos não estão interligados com a estratégia - Recursos Humanos geridos como centros de custo

Leia mais

1. Objetivos do capítulo Uma nova geração de reformas na administração pública Redes para a burocracia 55

1. Objetivos do capítulo Uma nova geração de reformas na administração pública Redes para a burocracia 55 Índice Índice de ferramentas, quadros e figuras 15 Prefácio 21 CAPÍTULO 1 GOVERNAÇÃO COLABORATIVA NAS BUROCRACIAS PÚBLICAS 1. Objetivos do capítulo 25 2. Uma nova geração de reformas na administração pública

Leia mais

Documento para reflexão

Documento para reflexão Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte Documento para reflexão 13-02-2007 AGENDA Apresentação da DRAP-Norte Missão, Visão e Valores Análise SWOT Vectores estratégicos Mapa Estratégico Mapa

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Gestão de Recursos Humanos

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Gestão de Recursos Humanos Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Gestão de Recursos Humanos 8 de abril de 06 Bárbara Batista José Edgar Pacheco Pedro Esmeriz Roberto Oliveira AGENDA Seleção no Trabalho Porquê a EDP? Apresentação

Leia mais

Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C)

Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C) Como implementar os requisitos dos Manuais das Repostas Sociais do ISS (níveis A, B e C) www.sinase.pt Márcio Rodrigues 29 de Maio de 2010 ÁREAS DE INTERVENÇÃO Áreas de Intervenção Qualidade, Ambiente,

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB,

Grupo MARTIFER Um Case-Study. Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, Grupo MARTIFER Um Case-Study Iniciativa sobre o Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial CCB, 23.11.2007 AGENDA 1.Apresentação do Grupo Martifer 2.Motivação 3.Metodologia 4.Resultados / diagnóstico

Leia mais

Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa

Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa Joint Africa Institute World Bank Institute World Health Organization Sandton, África

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DA CCDR LVT: DA ESTRATÉGIA AOS RESULTADOS

MODERNIZAÇÃO DA CCDR LVT: DA ESTRATÉGIA AOS RESULTADOS MODERNIZAÇÃO DA CCDR LVT: DA ESTRATÉGIA AOS RESULTADOS Paula Cristina Cunha Vice Presidente 2009-04-15 MATRIZ DA APRESENTAÇÃO Como usamos e gerimos os recursos humanos e financeiros A integração de sistemas

Leia mais

3. Balanced Scorecard. 3.1 Introdução

3. Balanced Scorecard. 3.1 Introdução 3. Balanced Scorecard 3.1 Introdução 1 Utilização do BSC 60% das empresas do Fortune1000 utilizava o BSC (Silk, 1998) 30% de 163 empresas inglesas de manufactura com vendas acima de 50 milhões implementaram

Leia mais

Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento

Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento Soluções em Recursos Humanos, Treinamento e Conhecimento Habilidade, métodos, políticas, técnicas e práticas QUEM SOMOS Somos uma empresa jovem com a visão de valorização do recurso humano como impulso

Leia mais

BARÓMETRO DA SATISFAÇÃO, LEALDADE E ENVOLVIMENTO DOS ATIVOS HUMANOS EM PORTUGAL

BARÓMETRO DA SATISFAÇÃO, LEALDADE E ENVOLVIMENTO DOS ATIVOS HUMANOS EM PORTUGAL BARÓMETRO DA SATISFAÇÃO, LEALDADE E ENVOLVIMENTO DOS ATIVOS HUMANOS EM PORTUGAL 2015 47,1% 52,9% Questionário: constituído por 52 perguntas, posteriormente agrupadas em 12 dimensões; Recolha dos dados:

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO OBJECTIVOS Nº PARTICIPANTES ENTIDADE

ACÇÃO DE FORMAÇÃO OBJECTIVOS Nº PARTICIPANTES ENTIDADE ACÇÃO DE FORMAÇÃO OBJECTIVOS Nº PARTICIPANTES ENTIDADE DURAÇÃO ANO Novo Modelo de Avaliação de Desempenho dos Funcionários Públicos Apresentar o novo modelo proposto para a administração pública. INA 8

Leia mais

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES

Programa Gestão Estratégica de Pessoas. Projeto Corporativo BNDES Programa Gestão Estratégica de Pessoas Projeto Corporativo BNDES CONTEXTO Desafios novos e crescentes Produtividade 1950 1960 Infraestrutura Econômica - Siderurgia Indústrias de Base - Bens de Consumo

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular.

AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. O MODELO DE AUTO-AVALIA AVALIAÇÃO DAS BE e a MUDANÇA A ORGANIZACIONAL: Papel do CREM/BE no desenvolvimento curricular. ESRDL/CREM CREM/Carlos Carlos Carvalho 1 Interacção Sociedade-Escola Escola-NTI Vivemos

Leia mais

Sistemas de gestão de recursos humanos- Requisitos. Systèmes de management de ressources humaines - Exigences

Sistemas de gestão de recursos humanos- Requisitos. Systèmes de management de ressources humaines - Exigences Norma Portuguesa NP 4427 Sistemas de gestão de recursos humanos- Requisitos Systèmes de management de ressources humaines - Exigences Human resources management systems - Requirements ICS 03.100.30; 03.120.10

Leia mais

Conferência BPM Lisbon /06/2011. Amélia Cardoso - SGMTSS

Conferência BPM Lisbon /06/2011. Amélia Cardoso - SGMTSS Desenvolvimento da Arquitectura Organizacional assente em competências organizacionais uma experiência 2001/2002 - Programa de Melhoria Contínua para o Ministério PMC/PDCA 4 Organismos SNRIPD CNPRP CDSSSS

Leia mais

CURSOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

CURSOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Página 1 de 8 CURSOS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL Formação Interna Financiada pelo Programa Operacional da Administração Pública (POAP) Acção-Tipo 2.1.1.2 Formação Autónoma Formação Profissional para Funcionários

Leia mais

Apresentação de Resultados. Ano (Resumo)

Apresentação de Resultados. Ano (Resumo) Apresentação de Resultados Ano 2012 (Resumo) * Indicadores de Impacto CLIENTES 1015 clientes atendidos mais 3,8% do que em 2011 Taxa de concretização dos PIC = 74% - mais 6% do que em 2011 Taxa de clientes

Leia mais

APOIOS MAIS RELEVANTES PARA AS EMPRESAS

APOIOS MAIS RELEVANTES PARA AS EMPRESAS APOIOS MAIS RELEVANTES PARA AS EMPRESAS AEP 21 de Fevereiro de 2008 2ª versão 1 Dotações financeiras EIXO EIXO 9 EIXO 8 EIXO 7 EIXO 6 EIXO EIXO 4 EIXO 3 EIXO 2 EIXO 1 0 00 1.000 1.00 2.000 2.00 3.000 3.00

Leia mais

Training Course MBA - METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Training Course MBA - METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MBA - METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DESCRIÇÃO Avaliação de Desempenho é uma importante ferramenta de Gestão de Pessoas que corresponde a uma análise sistemática do desempenho do profissional em

Leia mais

PROCEDIMENTO. Gestão de Recursos

PROCEDIMENTO. Gestão de Recursos 1 Objetivo Descrever as atividades do processo de gestão de recursos de modo a: Disponibilizar os recursos necessários, ao nível de capacidades, competências, tecnologias, pessoas, equipamentos e instalações

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO. Designação: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. (IEFP, I.P.) Área de Negócio: Enquadramento:

CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO. Designação: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. (IEFP, I.P.) Área de Negócio: Enquadramento: CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO Designação: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. (IEFP, I.P.) Área de Negócio: Serviço público de emprego nacional responsável pela execução das políticas activas

Leia mais

Mestrado em Contabilidade e Finanças. Novas Tendências de Contabilidade de Gestão. O Balanced Scorecard. Contexto Histórico

Mestrado em Contabilidade e Finanças. Novas Tendências de Contabilidade de Gestão. O Balanced Scorecard. Contexto Histórico Mestrado em Contabilidade e Finanças Novas Tendências de Contabilidade de Gestão Trabalho sobre: O Balanced Scorecard António Fontes nº 3798 Olivério Marcelino nº 5436 Balanced Scorecard 1 Contexto Histórico

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO

PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO PROGRAMA OPERACIONAL TEMÁTICO POTENCIAL HUMANO 2007-201 Apresentação da Proposta ÍNDICE 1 O PROBLEMA 2 A ESTRATÉGIA 4 PLANO DE FINANCIAMENTO 1 1 O PROBLEMA Taxa de emprego Emprego em média e alta tecnologia

Leia mais

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE Pólo de Competitividade das Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica TICE.PT PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE Qualificação e Certificação em Gestão da Investigação,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA ANEXOS ÀS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS 2008 Abril de 2009 2 INDICE Pág. 8.1 CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE... 3 8.1.1 Identificação... 3 8.1.2 Enquadramento... 3 8.1.3 Estrutura organizacional efectiva... 4 8.1.4

Leia mais

Qualificação das Respostas Sociais

Qualificação das Respostas Sociais Qualificação das Respostas Sociais Instituto da Segurança Social, I.P Curso Nacional de Gestão do Serviço o de Apoio Domiciliário Santarém 30 de Novembro de 2006 1 Qualidade - Definição O QUE É QUALIDADE

Leia mais

As organizações de saúde

As organizações de saúde Orientações estratégicas para o desenvolvimento do Plano de Actividades A. Neto Rodrigues, Dr. Unidade Local de Saúde de Matosinhos, EPE As organizações de saúde Existem para: Concretizar resultados quantitativos

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020

PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 FORUM REGIONAL ALENTEJO 2020 DESAFIOS E OPORTUNIDADES PLANO DE ACÇÃO REGIONAL ALENTEJO 2020 COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO ALENTEJO Joaquim Fialho joaquim.fialho@ccdr-a.gov.pt Vendas

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE IPSS

ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE IPSS ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE IPSS Área de 347 Enquadramento na Organização Profissional de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 3 3- OBJECTIVOS ESPECÍFICOS... 3 4 - POPULAÇÃO-ALVO...

Leia mais

Conselho Científico PLANO DE ACTIVIDADES. Conselho Científico

Conselho Científico PLANO DE ACTIVIDADES. Conselho Científico Conselho Científico PLANO DE ACTIVIDADES Conselho Científico Ano 2012 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO 2 1. ENQUADRAMENTO 3 2. OBJECTIVOS 5 3. PLANO DE ACÇÃO 7 4. MONITORIZAÇÃO DA IMPLEMENTAÇÃO 9 5. RESULTADOS

Leia mais

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL (PENSAR, SENTIR E FAZER) PRÁTICA (REGULAR) DE ACTIVIDADE FÍSICA AUTO-ESTIMA AUTO-CONFIANÇA (S&F) (M) (R)

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL (PENSAR, SENTIR E FAZER) PRÁTICA (REGULAR) DE ACTIVIDADE FÍSICA AUTO-ESTIMA AUTO-CONFIANÇA (S&F) (M) (R) O BINYOU Mental Fitness é área de treino mental e comportamental do BLIVE Health&Fitness, orientando a sua atividade para o desenvolvimento pessoal e comportamental ao nível corporativo e individual. O

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2011 Ministério: Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Organismo: Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) MISSÃO: A qualificação de alto nível dos cidadãos,

Leia mais

Grelha resumo da auto-avaliação por critério do modelo CAF

Grelha resumo da auto-avaliação por critério do modelo CAF Grelha resumo da auto-avaliação por critério do modelo CAF O que a liderança da organização faz para CRITÉRIO 1: LIDERANÇA Subcritérios () 1.1 Dar uma orientação à organização desenvolvendo e comunicando

Leia mais

questionários de avaliação da satisfação

questionários de avaliação da satisfação questionários de avaliação da satisfação Introdução Tendo como referência o Modelo de Avaliação da Qualidade, o desenvolvimento de um Sistema de Gestão da Qualidade aplicado aos serviços prestados pelas

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL Cada Unidade Orgânica deve constituir uma bateria de objectivos directamente relacionados com o QUAR / Plano de Actividades por carreiras de onde serão seleccionados

Leia mais

AVAL DESEMP - INMETRO

AVAL DESEMP - INMETRO AVAL DESEMP - INMETRO 1 Contextualização Societal da Avaliação Globalização Competitividade global Eficiência Qualidade Inovação Redução défices orçamentais Economia Eficiência Complexidade governação

Leia mais

BALANCED SCORECARD. PARA MANUTENÇÃO para melhorar a performance do departamento. Elabore, Planeie, Implemente. Curso.

BALANCED SCORECARD. PARA MANUTENÇÃO para melhorar a performance do departamento. Elabore, Planeie, Implemente. Curso. Curso Elabore, Planeie, Implemente BALANCED SCORECARD PARA MANUTENÇÃO para melhorar a performance do departamento Balanced Scorecard como ferramenta de gestão estratégica Como elaborar o mapa estratégico

Leia mais

Constituir Equipas e Gerir Pessoas. Prof. Doutora Maria José Sousa

Constituir Equipas e Gerir Pessoas. Prof. Doutora Maria José Sousa Constituir Equipas e Gerir Pessoas Prof. Doutora Maria José Sousa Introdução Conceito de Gestão de Recursos Humanos Conjunto de políticas e práticas necessárias para gerir as pessoas de uma organização,

Leia mais

Organização da Aula. Auditoria em Recursos Humanos. Aula 5. Contextualização. Definições de Padrão. Instrumentalização

Organização da Aula. Auditoria em Recursos Humanos. Aula 5. Contextualização. Definições de Padrão. Instrumentalização Auditoria em Recursos Humanos Aula 5 Prof. Me. Elizabeth Franco Organização da Aula Planejamento, métodos e procedimentos em auditoria de RH Contextualização A auditoria de RH abrange uma avaliação de

Leia mais

Sessão de Trabalho SIADAP 1 - MEI

Sessão de Trabalho SIADAP 1 - MEI Sessão de Trabalho SIADAP 1 - MEI 17 Novembro Agenda Ciclo de gestão 2008/2009 Balanço da aplicação do SIADAP 1-2008 Boas práticas na definição dos objectivos do QUAR Intervenções e debate 1 Ciclo de Gestão

Leia mais

e a Formação Profissional

e a Formação Profissional A Reforma da Administração i Pública e a Formação Profissional 1ª abordagem a uma análise de coerência Matilde Gago da Silva EMIC /INA Outubro 2008 Políticas Públicas DIAGNÓSTICO CONCEPÇÂO Sociedade em

Leia mais

RECURSOS HUMANOS DEFINIÇÃO DE CARGOS / JOB DESIGN

RECURSOS HUMANOS DEFINIÇÃO DE CARGOS / JOB DESIGN RECURSOS HUMANOS / JOB DESIGN Introdução Conceitos, definição e origens Introdução Conceitos, definição e origens (Re)Definição de cargos? Introdução Conceitos, definição e origens Definição, conceitos

Leia mais

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO

Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO Congresso da Administração Pública 2015 Showcasing de Boas Práticas de Valorização das Pessoas - REGULAMENTO ENQUADRAMENTO Visão do INA: ser reconhecido como um serviço de referência na qualificação e

Leia mais

Especialização em Gestão e Auditorias da Qualidade. Porto Aveiro Coimbra

Especialização em Gestão e Auditorias da Qualidade. Porto Aveiro Coimbra Especialização em Gestão e Auditorias da Qualidade Porto Aveiro Coimbra Especialização em Gestão e Auditorias da Qualidade ESPECIALIZAÇÃO Gestão e Auditorias da Qualidade - 75 horas (NOTA: com base no

Leia mais

Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial. Ponta Delgada, 18 de Novembro

Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial. Ponta Delgada, 18 de Novembro Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial Ponta Delgada, 18 de Novembro Objectivo central estimular as empresas para o desenvolvimento sistemático e sustentado da inovação, com vista ao reforço

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Responsabilidade Social das Empresas: Factor de Competitividade ANOS A PROMOVER OS INTERESSES DOS EMPRESÁRIOS

Responsabilidade Social das Empresas: Factor de Competitividade ANOS A PROMOVER OS INTERESSES DOS EMPRESÁRIOS Responsabilidade Social das Empresas: Factor de Competitividade Responsabilidade Social: Factor de Competitividade Integração voluntária de preocupações sociais e ambientais por parte das empresas nas

Leia mais

A FORMAÇÃO E A QUALIFICAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO NA AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS NAS AUTARQUIAS NELSON MARÇAL

A FORMAÇÃO E A QUALIFICAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO NA AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS NAS AUTARQUIAS NELSON MARÇAL A FORMAÇÃO E A QUALIFICAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS A IMPORTÂNCIA DA FORMAÇÃO NA AVALIAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS NAS AUTARQUIAS NELSON MARÇAL SUMÁRIO Avaliação de Recursos O Modelo O Balanced Scorecard Princípios

Leia mais

A Qualidade como Prioridade Estratégica

A Qualidade como Prioridade Estratégica A Qualidade como Prioridade Estratégica - Processos Integrados para a Excelência - Pedro Álvares Ribeiro AEP- 20 de Abril de 2010 1 Agenda 1 A Cultura Organizacional 2 Pessoas: a Variável Chave 3 Processos

Leia mais

O Perfil dos Psicólogos do Trabalho

O Perfil dos Psicólogos do Trabalho CATEGORIA AUTORIA JULHO 15 Perfis do Psicólogo Gabinete de Estudos Técnicos O Perfil dos Psicólogos do Trabalho Sugestão de Citação Ordem dos Psicólogos Portugueses (2015). O Perfil dos Psicólogos do Trabalho.

Leia mais

O caminho para uma Administração Pública capaz de responder aos desafios do século XXI

O caminho para uma Administração Pública capaz de responder aos desafios do século XXI O caminho para uma Administração Pública capaz de responder aos desafios do século XXI Qualificar a Administração Pública para a excelência Gonçalo Castilho dos Santos (Secretário de Estado da Administração

Leia mais

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho

Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho O QUE É O MODELO O Modelo SESI de Sustentabilidade no Trabalho é uma ferramenta de diagnóstico e auto-avaliação que propõe às indústrias brasileiras uma reflexão

Leia mais

Administração. Gestão Por Competências. Professor Rafael Ravazolo.

Administração. Gestão Por Competências. Professor Rafael Ravazolo. Administração Gestão Por Competências Professor Rafael Ravazolo www.acasadoconcurseiro.com.br Administração Aula XX GESTÃO POR COMPETÊNCIAS A proposta da Gestão por Competências é compreender quais são

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA. Rui Fiolhais

APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA. Rui Fiolhais APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA Rui Fiolhais AGENDA AS 5 MARCAS DO POPH I FORMAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ARRANQUE DO PROGRAMA II III I AS 5 MARCAS DO POPH AS 5 MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA OPERACIONAL

Leia mais

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia

GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL. Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL Experiência da Direcção Regional do Comércio, Indústria e Energia Isabel Catarina Abreu Rodrigues Conselho Regional para a Modernização Administrativa 19 de Outubro de 2005

Leia mais

PLANO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA

PLANO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA PLANO DE AVALIAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DE LISBOA 2007-2013 Outubro de 2008 Plano de do aprovado em 23 De Dezembro de 2008 pela Comissão 1 ÍNDICE 1. AVALIAÇÃO DO PROGRAMAS OPERACIONAIS 2007-2013...3

Leia mais

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio

Curso-Piloto de Formação de Consultores de Negócios. Módulo 2 Compreender o próprio negócio José Soares Ferreira Projecto financiado com apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela

Leia mais

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção

Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção Manual Técnico Das Equipas Locais de Intervenção pág. 1/18 Índice 1 - Enquadramento do SNIPI 1.1 - Objectivos do SNIPI 1.2 Competências dos 3 Ministérios 1.3 Organização do Sistema 2 - Legislação 3 - Regulamento

Leia mais

Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar..." Guimarães Rosa

Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar... Guimarães Rosa Clima organizacional Cada criatura é um rascunho,a ser retocado sem cessar..." Guimarães Rosa Conceitos básicos Clima Organizacional é o potencial de energia disponível para alavancar resultados. Perfil

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Training Course MBA - RECRUTAMENTO & SELEÇÃO MELHORES PRÁTICAS

Training Course MBA - RECRUTAMENTO & SELEÇÃO MELHORES PRÁTICAS MBA - RECRUTAMENTO & SELEÇÃO MELHORES PRÁTICAS DESCRIÇÃO Ter equipas qualificados e motivadas desempenha um papel crucial para garantir o sucesso futuro de uma organização. Recrutar o pessoal errado tem

Leia mais

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição)

CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) CURSO DE TÉCNICO DE ACÇÃO GERIÁTRICA (24ª edição) Atendendo ao envelhecimento crescente a que se assiste a nível mundial, é imprescindível os cuidadores, formais e informais, dispensarem a formação neste

Leia mais

Formação de Formadores em e-learning

Formação de Formadores em e-learning SAF03C2_05 Módulo 01 Actividade 02 A Gestão do Conhecimento na Organização e em Formação - Modelo de Keller - Carlos Adão carlos@localweb.pt 1. RESUMO Este documento, desenvolvido no âmbito de uma actividade

Leia mais

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli

Unidade I. Avaliação de Desempenho. Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Unidade I Avaliação de Desempenho Profª. Ana Paula de Andrade Trubbianelli Avaliação / desempenho Avaliação: apreciação, análise Desempenho: possibilidade de atuação Conceituação de avaliação de desempenho

Leia mais

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças

Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Planos de Mobilidade e Transportes (PMT) e Planos de Mobilidade Urbana Sustentável (SUMP / PMUS): Diferenças e Semelhanças Susana Castelo TIS.pt Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável 2º Workshop

Leia mais

Os Recursos Humanos e os Desafios da Formação. Daniel Ferro 3º Congresso Internacional dos Hospitais Lisboa - 8/9 Novembro 2010

Os Recursos Humanos e os Desafios da Formação. Daniel Ferro 3º Congresso Internacional dos Hospitais Lisboa - 8/9 Novembro 2010 Os Recursos Humanos e os Desafios da Formação Daniel Ferro 3º Congresso Internacional dos Hospitais Lisboa - 8/9 Novembro 2010 Recursos Humanos da Saúde (Evolução contextual) Aplicação legislação trabalho

Leia mais

POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS CONHECENDO UM POUCO MAIS...

POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS CONHECENDO UM POUCO MAIS... POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS CONHECENDO UM POUCO MAIS... As avaliações e premiações são consideradas salários indiretos que tem como principal objetivo motivar, reter e consequentemente garantir bons

Leia mais

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos

Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Ciclo Completo de Gestão de Recursos Humanos Gestão de Recursos Humanos Ref #GRH090 Nº Horas: 48 h Nº de Dias: 8 dias Hora de Início:

Leia mais

A quem se destina. Período de Realização. Requisitos de elegibilidade EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

A quem se destina. Período de Realização. Requisitos de elegibilidade EMPRESAS BENEFICIÁRIAS PROJETO EMPRESAS BENEFICIÁRIAS A quem se destina PME localizadas em todas as regiões do continente com atividade económica em bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis com intensidade exportadora

Leia mais

10/8/2011. Administração de Recursos Humanos TREINAMENTO: DESENVOLVIMENTO: Concluindo: T&D é o processo educacional aplicado de

10/8/2011. Administração de Recursos Humanos TREINAMENTO: DESENVOLVIMENTO: Concluindo: T&D é o processo educacional aplicado de TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL Administração de Recursos Humanos É o processo de desenvolver qualidades nos RHs para habilitá-los a serem mais produtivos e contribuir melhor para o alcance dos

Leia mais

Developing your business through qualified people and efficient operations

Developing your business through qualified people and efficient operations Developing your business through qualified people and efficient operations Apresentação actualizada em 20Mar08 e mail@vnetg.com t +351 305525530 f +351 305525559 w www.vnetg.com quem somos A ValueNetworks

Leia mais

Especialização Gestão de Recursos Humanos EDIÇÕES Porto Coimbra Viseu Aveiro

Especialização Gestão de Recursos Humanos EDIÇÕES Porto Coimbra Viseu Aveiro Especialização Gestão de Recursos Humanos EDIÇÕES 2017 Porto Coimbra Viseu Aveiro Especialização Gestão de Recursos Humanos ESPECIALIZAÇÃO Gestão de Recursos Humanos 100 horas (NOTA: com base no Catálogo

Leia mais

Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares

Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares Professora Bibliotecária: Isabel Mota 2009/2010 A Escola, a Biblioteca e a Auto-Avaliação A Biblioteca: É um recurso fundamental para o ensino e aprendizagem

Leia mais

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO

Local e Data: A GESTÃO DA INOVAÇÃO A GESTÃO DA INOVAÇÃO Enquadramento: O ambiente no qual hoje actuam as empresas mudou radicalmente: imprevisibilidade, turbulência, mudança, rapidez,..., são constantes do processo de decisão. Num mundo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA ANEXOS ÀS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS 2009 Abril de 2010 2 INDICE Pág. 8.1 CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE... 3 8.1.1 Identificação... 3 8.1.2 Enquadramento... 3 8.1.3 Estrutura organizacional efectiva... 5 8.1.4

Leia mais

Especialização em Gestão da Qualidade. Coimbra Porto

Especialização em Gestão da Qualidade. Coimbra Porto Especialização em Gestão da Qualidade Coimbra Porto Especialização em Gestão da Qualidade ESPECIALIZAÇÃO Gestão da Qualidade 100 horas (NOTA: com base no Catálogo Nacional de Qualificações) Coordenação

Leia mais

A quem se destina. Período de Realização. Requisitos de elegibilidade EMPRESAS BENEFICIÁRIAS

A quem se destina. Período de Realização. Requisitos de elegibilidade EMPRESAS BENEFICIÁRIAS PROJETO EMPRESAS BENEFICIÁRIAS A quem se destina PME localizadas em todas as regiões do continente com atividade económica em bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis com intensidade exportadora

Leia mais

Fundamentos de Gestão

Fundamentos de Gestão Fundamentos de Gestão Recursos Humanos LCI FEUP/FLUP 2009/10 Rui Padrão Gestão de RH Gestão de RH visa: Levar as pessoas a dar o seu melhor contributo para que os objectivos da organização se atinjam,

Leia mais

Serviços Imobiliários

Serviços Imobiliários Serviços Imobiliários A Empresa A City Property presta serviços imobiliários dirigidos a clientes que pretendem tomar decisões imobiliárias informadas e criar valor acrescentado na promoção, investimento,

Leia mais

Balanced Scorecard A experiência do IGFSS

Balanced Scorecard A experiência do IGFSS A experiência do IGFSS - IGFSS- 1 AGENDA 1. Quem somos 2. Balanced Scorecard 3. Resultados - IGFSS- 2 1. Quem Somos - IGFSS- 3 QUEM SOMOS? Somos o primeiro e único organismo da AP em Portugal com o reconhecimento

Leia mais

CIDADES SUSTENTÁVEIS

CIDADES SUSTENTÁVEIS CIDADES SUSTENTÁVEIS Promover um crescimento sustentável ABAE Fevereiro 2015 Apresentação 1. Desafios de gestão do património municipal 2. Solução 3. Metodologia lightcube CUBE 4D 4. Conclusão 1. DESAFIOS

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências Sociedade moderna é complexa, exige um novo tipo de profissional: com visão estratégica, que se desenvolve de maneira dinâmica, etc. Dutra: no Brasil, as organizações que estão

Leia mais