AVALIAÇÃO MICROBIOLOGICA DE PRESUNTO COZIDO FATIADO COMERCIALIZADO EM SUPERMERCADOS DE ARACAJU-SE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO MICROBIOLOGICA DE PRESUNTO COZIDO FATIADO COMERCIALIZADO EM SUPERMERCADOS DE ARACAJU-SE."

Transcrição

1 AVALIAÇÃO MICROBIOLOGICA DE PRESUNTO COZIDO FATIADO COMERCIALIZADO EM SUPERMERCADOS DE ARACAJU-SE. T.A.C. Aquino 1, R.A. Nascimento 2, J. Serio 3 1- Graduanda em Tecnologia em Alimentos Instituto Federal de Sergipe Campus São Cristóvão CEP: São Cristóvão SE Brasil, Telefone: 55 (79) Graduanda em Tecnologia em Alimentos Instituto Federal de Sergipe Campus São Cristóvão CEP: São Cristóvão SE Brasil, Telefone: 55 (79) Professora Dra. do curso superior em Tecnologia de Alimentos - Instituto Federal de Sergipe Campus São Cristóvão CEP: São Cristóvão SE Brasil, Telefone: 55 (79) RESUMO A alta demanda de frios inteiros e fatiados, associados a manipulação e armazenamento inadequados, além de características físico-químicas favoráveis ao crescimento microbiano, refletem o presunto cozido como possível fonte de doenças transmitidas por alimentos. O trabalho teve por objetivo avaliar a qualidade microbiológica (presença de coliformes totais, contagem total de mesófilos, psicrófilos, bolores e leveduras) de presunto inteiro, fatiado assepticamente, em comparação a qualidade de presuntos fatiados comercializados, com data de validade determinada pelo estabelecimento comercializante, armazenados sob refrigeração, em Aracaju, Sergipe. Foram analisadas 9 (nove) amostras da peça inteira (controle), e 4 (quatro) amostras coletadas no comércio. Todas as amostras apresentaram resultado negativo para coliformes ou micro-organismos psicrófilos, entretanto o alto crescimento em mesófilos, bolores e leveduras reflete a importância da refrigeração do produto além de outros métodos de conservação do alimento e coloca em discussão o risco de se aplicar datas de validade diferentes do recomendado pelo fabricante. ABSTRACT The high demand of cold cuts, sliced or not, associated with inadequate handling and storage, as well as physicochemical characteristics favorable to microbial growth, show the cooked ham as a possible source of foodborne illnesses. This study aimed the microbiological quality evaluation (presence of total coliforms, total count of mesophilic, psychrophilic, yeast and mold) of ham, sliced under aseptic conditions, compared the quality of sliced hams commercially available, with store determined expiration date, stored under refrigeration, in Aracaju, Sergipe. Nine (9) samples of the whole piece were used as control samples and 4 (four) collected in stores were analyzed. All samples resulted negative for coliforms or psychrophilics micro-organisms, however the high growth in mesophilic, yeasts and molds reflects the importance of product refrigeration and the use of other food preservation methods, as well as brings to the discussion the risk of applying different expiration dates than the producers recommendation. PALAVRAS-CHAVE: Presunto cozido; segurança alimentar; microbiologia de alimentos. KEYWORDS: ham; food safety; food microbiology.

2 1. INTRODUÇÃO O presunto cozido é sem dúvida a especialidade mais importante no grupo de produtos cárneos tratados pelo calor. É definido como o produto elaborado a partir do pernil de suíno, sem osso, sem pele, curado em salmoura e cozido em seu pedaço original, com o valor de PH da peça original em torno de 5,8 (Pereda et al., 2007). Apresentando também valor máximo de ph de 6,1 (Jay, 2009). A atividade de água (aw) com valor mínimo encontrado 0,91 e máximo 0,977, na peça de presunto embutido cozido, favorece o crescimento de bactérias Gram positivas (Jay, 2009). O tratamento térmico tem o objetivo de aquecer a 70 C o interior da peça, o qual destrói formas vegetativas dos micro-organismos (72 C). Desenvolvendo também, características sensoriais desejadas, como sabor, textura e cor. Após esse tratamento térmico e a fim de assegurar sua eficácia, procede-se ao resfriamento rápido das peças, de preferência em duchas de água fria (0 a 4 C) seguido de armazenamento a temperaturas que nunca devem superar 10 c (Pereda et al., 2007). Além dos seus parâmetros intrínsecos favoráveis a multiplicação microbiana, a manipulação e o armazenamento inadequado podem torná-lo um importante veículo de gastroenterites alimentares. Superfícies mal higienizadas podem prover o contato inicial necessário para a adesão microbiana. Portanto o fatiamento pode ser considerado um fator determinante para a qualidade do presunto, já que a má higienização dos equipamentos pode representar uma importante fonte de micro-organismos deteriorantes ou patogênicos, trazendo riscos à saúde do consumidor, ocasionando ainda, a formação de biofilme em sua superfície comprometendo a qualidade sensorial do produto (Serio et al., 2009). Conhecidas as características físicas e químicas, e os fatores intrínsecos e extrínsecos ao comércio de presunto suíno cozido fatiado, entende-se o perigo e a importância do estudo da sua exposição em características não adequadas a longo prazo. Assim, esse trabalho buscou comparar os resultados obtidos para as análises microbiológicas realizadas na peça recém-aberta e fatiada em laboratório sob condições higiênicas controladas, nas validades encontradas nos centros de comercialização e as peças fracionadas expostas à comercialização. 2. MATERIAIS E METODOS No período entre maio e junho de 2016 foram adquiridas amostras de presunto suíno cozido (peça inteira lacrada e amostras fatiadas embaladas). A partir do fatiamento da peça padrão inteira em embalagem original e refrigerada, as 9 amostras (4 foram embaladas em bandejas de polietileno expandido envoltas por filme PVC e 5 embaladas a vácuo). Foram coletadas ainda para fim de comparação com a peça fracionada em condições assépticas, 4 (quatro) amostras comercializadas em bandejas de polietileno expandido envoltas por filme PVC, dentro do prazo de validade. As amostras foram acondicionadas em recipiente de isopor com gelo, sendo imediatamente encaminhadas para o Laboratório de Microbiologia de Alimentos do Instituto Federal de Sergipe, campus São Cristóvão, para então serem analisadas. Todas as análises foram realizadas segundo a metodologia preconiza em Silva et al. (2001). As análises microbiológicas foram feitas para determinação da presença de coliformes totais, contagem total de mesófilos, contagem total de psicrófilos e contagem total de bolores e leveduras. A primeira análise é feita após o fatiamento da amostra padrão (t1), e as seguintes após três dias (t2), cinco dias (t3), sete dias (t4), dez dias (t5), e doze dias (t6), em cada tempo serão feitas análises do material embalado à vácuo e em bandejas de polietileno expandido envoltas por filme PVC (até t4).

3 Em comparação aos resultados encontrados no material padrão, foram feitas as mesmas análises, de presunto cozido fatiado exposto comercialmente com as mesmas características de composição, embalagem e temperatura de armazenamento e tempo de exposição e fatiamento não superior a 48 horas. Para a realização das análises, inicialmente foram preparadas diluições seriadas (10-1, 10-2 e 10-3) a partir de 25g de amostra e 225 ml de água peptonada, para cada amostra. Em seguida, procedeu-se às determinações de coliformes totais, pelo método de Número mais provável (NMP), em triplicata, incubadas em estufa a 35 c entre 24 e 48 horas. Contagem total de mesófilos e contagem total de psicrófilos pelo método spread plate em placas de Petri com ágar nutritivo, incubadas a 35 c e 10 c, respectivamente, entre 24 e 48 horas; e contagem total de bolores e leveduras, pelo método spread plate em placas de Petri com ágar batata, incubadas a temperatura ambiente, também entre 24 e 48 horas, de acordo com as metodologias descritas por Silva et al. (2001). 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES A caracterização microbiológica completa do presunto cozido avaliado para micro-organismos mesófilos, bolores e leveduras está expressa na Tabela 1. Tabela 1 Caracterização microbiológica de presunto cozido fatiado Amostra Embalagem Bactérias aeróbias mesófilas (UFC/g) Bolores e Leveduras (UFC/g) Amostra controle T1 Bandeja 5, T2 T3 T4 Bandeja 7, , Vácuo Bandeja 2, , Vácuo 3, Bandeja 8, Vácuo 2, T5 Vácuo 1, , T6 Vácuo 1, Amostras comercializadas A1 Bandeja 6, , A2 Bandeja , A3 Bandeja 1, A4 Bandeja 1, ,5.10 2

4 Das 13 amostras analisadas, todas apresentaram resultado negativo para coliformes totais. Segundo Silva et al. (2001) o grupo coliformes inclui todas as bactérias na forma de bastonetes gramnegativos, não esporogênicos, aeróbios ou anaeróbios facultativos, capazes de fermentar a lactose com produção de gás, em 24 a 48 horas a 35ºC. São micro-organismos indicadores de condições higiênico sanitárias inadequadas, o que representa qualidade na higiene e sanitização de equipamentos, ambientes, e manipuladores das amostras. Na análise para determinação de micro-organismos psicrófilos também não houve crescimento em nenhuma das amostras, apresentando resultado negativo em 100%. Micro-organismos psicrófilos são aqueles capazes de se reproduzir em temperatura de refrigeração. Refletindo então na importância da refrigeração de produtos cárneos, mesmo que industrializados, como o presunto cozido até o momento de consumo como principal forma de preservação da segurança dos alimentos. A legislação vigente brasileira, Resolução - RDC nº 12, de 2 de janeiro de 2001 da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária, para padrões microbiológicos em alimentos não estabelece padrões de contagem para micro-organismos mesófilos ou bolores e leveduras, porém contagens elevadas de microorganismos mesófilos, que em sua maioria são bactérias patogênicas ou deteriorantes, em alimentos são indicadores de que houve condições inadequadas de temperatura durante o armazenamento. A deficiência no processo de equipamentos e utensílios, aumenta o risco de contaminação, que é um fator crítico na segurança alimentar principalmente por serem na maioria das vezes, áreas de grande circulação, favorecendo assim o risco de contaminação cruzada. Bressan et al. (2007) observou ainda o crescimento de bactérias aeróbias mesófilas durante o período de estocagem de presuntos fatiados em diversos tipos de embalagens e adotou o limite máximo de 10 3 UFC/g como controle de qualidade. O maior crescimento de bactérias mesófilas em bandejas de polietileno expandido envoltas por filme PVC, para amostra padrão foi de 5, UFC/g, e em embalagem a vácuo 3, UFC/g. Entre os mesófilos, as amostras comercializadas apresentaram o maior crescimento de bactérias aeróbias mesófilas com valor de 1, UFC/g em relação ao maior valor da amostra padrão de 5, UFC/g. Todas com valores acima do ideal de acordo com Bressan et al. (2007). Refletindo a possibilidade de contaminação durante o fatiamento comercial, que em sua maioria, não emprega as Boas Práticas de Fabricação. Como a legislação vigente Portaria nº 451 de 19/09/1997 do MAPA não apresenta limites microbiológicos para esse produto, Bressan et al. (2007) adotou o limite como inferior a 10 2 UFC/g. A presença de fungos em presunto fatiado também, foi descrita como indesejável na literatura, pois seu desenvolvimento acarreta alterações no odor, sabor e pode promover o estufamento da embalagem. O crescimento de bolores e leveduras em amostras padrão em bandeja foi de no máximo 2,6.10 2, em relação a vácuo que foi de 1, Já o crescimento em amostras comercializadas foi de 3, Definido em Bressan et al (2007) como possível alterador de características sensoriais no presunto cozido. Destacamos que o fabricante informa em sua embalagem que, após aberto manter sob refrigeração e ser consumido em até 5 dias, o que observamos comumente no comércio são estabelecimento de comercialização fracionando o produto e atribuindo prazos de validade diversos (5, 7, 10 e 15 dias), ação essa que gera ao consumidor, uma situação insegura ao consumir o produto. 4. CONCLUSÕES Embora a legislação brasileira não apresente valores para contagem de micro-organismos mesófilos e bolores e leveduras, a sua caracterização é de grande importância, principalmente em

5 produtos perecíveis e de características tão favoráveis ao desenvolvimento microbiano como o presunto cozido, a fim de definir quais são os pontos críticos do consumo. A manipulação para o fatiamento do presunto, e sua distribuição em diferentes embalagens favorece o contato inicial com os micro-organismos, sendo o possível ponto principal de contaminação, refletindo na importância das boas práticas de fabricação e higiene de manipuladores, bancadas, superfícies e equipamentos para a integridade do produto final, já que por muitas vezes o mesmo não sofre qualquer método de conservação pelo calor antes de ser consumido. A alta contagem de baterias mesófilas aeróbias, e bolores e leveduras, reflete a importância da refrigeração do alimento, o que neste caso, é constatado como o melhor método de conservação do alimento, aliado a higienização eficiente dos equipamentos antes da comercialização, evitando possíveis gastroenterites e surtos alimentares. 5. AGRADECIMENTOS Em agradecimento ao Instituto Federal de Sergipe campus São Cristóvão, pela disponibilidade do Laboratório de Microbiologia de alimentos e apoio na unidade de processamento de alimentos. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Brasil, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. (2001). Dispõe sobre os princípios gerais para o estabelecimento de critérios e padrões microbiológicos para alimentos. (Resolução - RDC nº 12, de 2 de janeiro de 2001). Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2001/res0012_02_01_2001.html>. BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento. (1997). Regulamento Técnico Princípios Gerais para o Estabelecimento de Critérios e Padrões Microbiológicos para Alimentos e seus Anexos I, II e III. (Portaria n º 451, 19 Setembro de 1997). Disponível em: < LOGICO_ALIMENTOS_PRONTOS_PARA_CONSUMO.pdf>. Bressan, M. C., Lodi, F., Ferreira, M. W., Andrade, P. L., Boari, C. A., Piccoli, R.H. (2006). Influência da embalagem na vida útil de presuntos fatiados. Ciênc. agrotec., Lavras, (v. 31), n. 2, p , mar./abr., Disponível em: < Jay, J. M. (2009). Microbiologia de alimentos (6. ed.). Porto Alegre: Artmed. Pereda, J. A. O., Rodrigues, M. I. C., Álvarez, L. F., Sanz, M. L.G., Minguillón, G. D. G. F., Perales, L. H., Cortecero, M. D. S., Murad, F. (2007). Tecnologia de alimentos: alimentos de origem animal (2. Vol.). Porto Alegre: Artmed. Serio, J., Muniz, C. R., Freitas, C. A. S., Lima, J. R., Neto, J. A. S. (2009). Avaliação microbiológica e microscópica de presuntos fatiados refrigerados. Alim. Nutr. Araraquara (v.20), n.1, p ,

6 jan./mar Disponível em: < 2010/11430/1/PB09011.pdf>. Silva, N., Junqueira, V. C. A., Silveira, N. F. A. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. (2.ed.). São Paulo: Varela, 2001.

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE MÃOS DE MANIPULADORES, MÁQUINAS DE MOER CARNE E FACAS DE CORTE, EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE APUCARANA- PR

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE MÃOS DE MANIPULADORES, MÁQUINAS DE MOER CARNE E FACAS DE CORTE, EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE APUCARANA- PR ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE MÃOS DE MANIPULADORES, MÁQUINAS DE MOER CARNE E FACAS DE CORTE, EM SUPERMERCADOS DA CIDADE DE APUCARANA- PR SOUZA M. C; TOLEDO E. A Resumo Este trabalho teve como objetivo identificar

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE EMBUTIDOS CÁRNEOS DO TIPO PRESUNTO COMERCIALIZADOS EM SÃO PAULO/SP

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE EMBUTIDOS CÁRNEOS DO TIPO PRESUNTO COMERCIALIZADOS EM SÃO PAULO/SP TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE EMBUTIDOS CÁRNEOS DO TIPO PRESUNTO COMERCIALIZADOS EM SÃO PAULO/SP CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O. Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: Controle de Qualidade Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Segurança Alimentar e Curso: Técnico em Agroindústria Professora: Roberta M. D. Cardozo Segurança Alimentar Grupos ou espécies de microrganismos

Leia mais

Pesquisa de microrganismos indicadores de condições higiênico sanitárias em água de coco

Pesquisa de microrganismos indicadores de condições higiênico sanitárias em água de coco Pesquisa de microrganismos indicadores de condições higiênico sanitárias em água de coco Nome dos autores: Carolina Rosa Carrilho de Castro Carolina Rosa Carrilho de Castro; Aluna do Curso de Engenharia

Leia mais

CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF

CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO PRODUTO CARNE BOVINA SALGADA CURADA DESSECADA OU JERKED BEEF 1. DESCRIÇÃO DO OBJETO Entende-se por Jerked Beef ou Carne Bovina Salgada Curada Dessecada, o produto cárneo industrializado,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE PRESUNTOS FATIADOS, COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE PRESUNTOS FATIADOS, COMERCIALIZADOS NO MUNICÍPIO DE FRANCISCO BELTRÃO, PARANÁ ISSN 0103-4235 ISSN 2179-4448 on line Alim. Nutr.= Braz. J. Food Nutr., Araraquara v. 24, n. 3, p. 333-337, jul./set. 2013 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE PRESUNTOS FATIADOS, COMERCIALIZADOS NO

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO

TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS-GO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE ESPONJAS UTILIZADAS NA HIGIENIZAÇÃO DE UTENSÍLIOS DE COZINHA DE RESTAURANTES

Leia mais

Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado tipo C produzido na região de Araguaína-TO

Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado tipo C produzido na região de Araguaína-TO Avaliação da qualidade microbiológica do leite pasteurizado tipo C produzido na região de Araguaína-TO Iangla Araújo de Melo ¹, Maykon Jhuly Martins de Paiva 1, Ricardo Consigliero Guerra 2 ¹ Acadêmica

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE MANTEIGAS COMERCIALIZADAS EM VIÇOSA (MG) 1. Introdução

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE MANTEIGAS COMERCIALIZADAS EM VIÇOSA (MG) 1. Introdução 531 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE MANTEIGAS COMERCIALIZADAS EM VIÇOSA (MG) 1 Natália Mara dos Santos 2 ; Jéssica Pires Ávila Rasmini 2, Isabela de Castro Oliveira 2, Cíntia da Cunha Abreu 2, Eduardo Nogueira

Leia mais

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA MINERAL DO TRIANGULO MINEIRO

10º ENTEC Encontro de Tecnologia: 28 de novembro a 3 de dezembro de 2016 QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA MINERAL DO TRIANGULO MINEIRO QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA MINERAL DO TRIANGULO MINEIRO Bruna Santos Morais 1, Danusa Carolina Santos Fernandes 2, Thaís Cristina Carneiro Gonçalves 3, Elizabeth Uber Bucek 4, Ana Claudia Chesca

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE CHÁS INDUSTRIALIZADOS E IN NATURA MICROBIOLOGICAL QUALITY COMPARISON OF INDUSTRIALIZED TEAS AND IN NATURA

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE CHÁS INDUSTRIALIZADOS E IN NATURA MICROBIOLOGICAL QUALITY COMPARISON OF INDUSTRIALIZED TEAS AND IN NATURA COMPARAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE CHÁS INDUSTRIALIZADOS E IN NATURA MICROBIOLOGICAL QUALITY COMPARISON OF INDUSTRIALIZED TEAS AND IN NATURA Resumo Daiane Teles de Oliveira (1) Paulo Henrique M.

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril)

DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) DETERMINAÇÃO DE VIDA DE PRATELEIRA DA FARINHA OBTIDA A PARTIR DAS CASCAS DE ABACAXI (Ananas comosus L. Merril) Thiago Silva Novais¹; Abraham Damian Giraldo Zuniga²; ¹ Aluno do Curso de Engenharia de Alimentos;

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA MASSA DE TRUFA DE BRIGADEIRO E BEIJINHO

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA MASSA DE TRUFA DE BRIGADEIRO E BEIJINHO ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA MASSA DE TRUFA DE BRIGADEIRO E BEIJINHO G. M. Frantz 1, P. R.da Costa 2, D. R. Possi 3, U.C. Sarmento 4, R. de C. A. Guimarães 5. E. F. dos Santos 6 1 Curso de Nutrição Universidade

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOC

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOC 7CTDTQAMT04.P QUALIDADE HIGIÊNICO SANITÁRIO DE EQUIPAMENTOS E UTENSÍÍLIOS EM ALGUMAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTOS DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB. Angela Lima Menêses de Queiroz (2) ; Ana Maria Vieira de Castro

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 7CTDTQAMT05-P QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DE 10 AMOSTRAS DE POLPA DE AÇAÍ CONGELADA FABRICADA POR UMA INDÚSTRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB Natália Pires Ramos (1), Dayana do Nascimento Ferreira (1),

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CONSUMO NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA RESUMO - Alimentos e água são elementos primordiais à vida e todos os seres humanos devem ter acesso com valor nutricional adequado e de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CURSO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS DEPARTAMENTO Engenharia de Alimentos

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO MEL DE ABELHA Apis mellifera DO SERTÃO PARAIBANO

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO MEL DE ABELHA Apis mellifera DO SERTÃO PARAIBANO QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO MEL DE ABELHA Apis mellifera DO SERTÃO PARAIBANO MELO, F. S. N. MELO 1, W. F. MARTINS 2, G. NICOLETTI 2, C. SILVEIRA 2, M. S. A. RODRIGUES 3, S. S. MARTINS 3 e A. dos S. ARAUJO

Leia mais

DETERIORANTES E INDICADORES DE HIGIENE AROMAS

DETERIORANTES E INDICADORES DE HIGIENE AROMAS ll WORKSHOP DE MICROBIOLOGIA EUROFINS DETERIORANTES E INDICADORES DE HIGIENE AROMAS Aromas - conceitos O que são aromas? São substâncias ou misturas com propriedades odoríferas, capazes de conferir, mascarar

Leia mais

Biologia NATURA COMERCIALIZADOS EM LANCHONETES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ (UVA)

Biologia NATURA COMERCIALIZADOS EM LANCHONETES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ (UVA) Biologia AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO- SANITÁRIAS DOS SUCOS DE LARANJA IN NATURA COMERCIALIZADOS EM LANCHONETES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ (UVA) Raquel Oliveira dos Santos Fontenelle

Leia mais

Anexo I Especificação de carne completa

Anexo I Especificação de carne completa Item ESPECIFICAÇÃO 1 ACEM MOIDO: Carne Bovina de 2ª Moída Magra (Acém): Carne bovina; acém; moída; resfriada; e no máximo 10% de sebo e gordura, com aspecto, cor, cheiro e sabor próprios; embalada em saco

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL EM PEQUENAS AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL EM PEQUENAS AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL EM PEQUENAS AGROINDÚSTRIAS DA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SANTA CATARINA. Autor 1 Leania Maria Fabbi E-mail: leania@sc.senai.br Autor 2

Leia mais

Métodos físicos e químicos no controle microbiano de esponjas de Poliuretano usadas em unidades de alimentação de Montes Claros, MG

Métodos físicos e químicos no controle microbiano de esponjas de Poliuretano usadas em unidades de alimentação de Montes Claros, MG 45 Métodos físicos e químicos no controle microbiano de esponjas de Poliuretano usadas em unidades de alimentação de Montes Claros, MG Klinger Vinícius de Almeida 1, Roberta Torres Careli 2, Alécia Daila

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO CALDO DE CANA EM FEIRAS LIVRES DO ESTADO DE RONDÔNIA

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO CALDO DE CANA EM FEIRAS LIVRES DO ESTADO DE RONDÔNIA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO CALDO DE CANA EM FEIRAS LIVRES DO ESTADO DE RONDÔNIA INTRODUÇÃO Fernanda Rosan Fortunato Seixas 1 Bruna Leticia de Souza Nascimento; Elisangela dos Santos Vicente 2 A garapa

Leia mais

TÍTULO: QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE PESCADO COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA RJ

TÍTULO: QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE PESCADO COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA RJ TÍTULO: QUALIDADE MICROBIOLÓGICA E CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE PESCADO COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE VOLTA REDONDA RJ CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA

Leia mais

Avaliação da qualidade microbiológica de queijo Minas Padrão produzido no município de Januária - MG

Avaliação da qualidade microbiológica de queijo Minas Padrão produzido no município de Januária - MG 57 Avaliação da qualidade microbiológica de queijo Minas Padrão produzido no município de Januária - MG Cynthia Ryanne Ferreira Rodrigues 1, Luiz Carlos Ferreira 2 * Resumo O queijo Minas Padrão é um produto

Leia mais

Challenge testing and shelf-life studies

Challenge testing and shelf-life studies Challenge testing and shelf-life studies 20 Junho 2008 Gonçalo Almeida e Tim Hogg Escola Superior de Biotecnologia, Universidade Católica Portuguesa Segurança Alimentar Garantir que os alimentos não apresentam

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE CACHORROS QUENTE COMERCIALIZADOS NA CIDADE DE UBERABA, MG.

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE CACHORROS QUENTE COMERCIALIZADOS NA CIDADE DE UBERABA, MG. ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE CACHORROS QUENTE COMERCIALIZADOS NA CIDADE DE UBERABA, MG. ALVES, P. T. 1 ; JARDIM, F. B. B. 2 1 Engenheira de alimentos; Especialização em Controle de Qualidade na Indústria

Leia mais

ANÁLISE DE BOLORES E LEVEDURAS EM QUEIJOS TIPO MINAS, PRODUZIDOS ARTESANALMENTE E COMERCIALIZADOS EM FEIRAS LIVRES NA CIDADE DE PELOTAS / RS.

ANÁLISE DE BOLORES E LEVEDURAS EM QUEIJOS TIPO MINAS, PRODUZIDOS ARTESANALMENTE E COMERCIALIZADOS EM FEIRAS LIVRES NA CIDADE DE PELOTAS / RS. ANÁLISE DE BOLORES E LEVEDURAS EM QUEIJOS TIPO MINAS, PRODUZIDOS ARTESANALMENTE E COMERCIALIZADOS EM FEIRAS LIVRES NA CIDADE DE PELOTAS / RS. Autor(es): BAIRROS, Jacqueline Valle; DESTRI, Kelli; VARGAS,

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 7CTDTQAMT06-p AVALIAÇÃO HIGIÊNICO-SANITÁRIA DE 10 AMOSTRAS DE SORVETE DE CHOCOLATE FABRICADO POR UMA INDÚSTRIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB Dayana do Nascimento Ferreira (1) ; Natália Pires Ramos (1),

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=375>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Enumeração de coliformes termotolerantes em pescados frescos e congelados Vera Lúcia

Leia mais

Análise Técnica. Segurança Microbiológica de Molhos Comercializados em Embalagens Tipo Sache: Avaliação de um Abridor de Embalagens

Análise Técnica. Segurança Microbiológica de Molhos Comercializados em Embalagens Tipo Sache: Avaliação de um Abridor de Embalagens Análise Técnica Segurança Microbiológica de Molhos Comercializados em Embalagens Tipo Sache: Avaliação de um Abridor de Embalagens Coord. Prof. Dr. Marco Antônio Lemos Miguel Equipe: Carolina Beres & Priscila

Leia mais

AVALIAÇÃO DO BINÔMIO TEMPO X TEMPERATURA DE PREPAROS ALIMENTARES EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÕES DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB

AVALIAÇÃO DO BINÔMIO TEMPO X TEMPERATURA DE PREPAROS ALIMENTARES EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÕES DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB AVALIAÇÃO DO BINÔMIO TEMPO X TEMPERATURA DE PREPAROS ALIMENTARES EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÕES DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA/PB Yohanna de Oliveira; Keylha Querino de Farias Lima; Erika Epaminondas

Leia mais

ESTUDO DO CRESCIMENTO DE BACTÉRIAS PSICROTRÓFICAS E MESÓFILAS EM IOGURTE ENRIQUECIDO COM GRÃOS

ESTUDO DO CRESCIMENTO DE BACTÉRIAS PSICROTRÓFICAS E MESÓFILAS EM IOGURTE ENRIQUECIDO COM GRÃOS ESTUDO DO CRESCIMENTO DE BACTÉRIAS PSICROTRÓFICAS E MESÓFILAS EM IOGURTE ENRIQUECIDO COM GRÃOS LIMA, S.E.R 1, MARTINS, W.F 2, MELO, F.S.N 3, SILVA, E.V 4, ARAÚJO, A.S 5 1 Mestrando em Ciência e Tecnologia

Leia mais

Análise microbiológica de alfaces comercializadas em restaurantes self-service de Brasília-DF.

Análise microbiológica de alfaces comercializadas em restaurantes self-service de Brasília-DF. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE CURSO DE NUTRIÇÃO Análise microbiológica de alfaces comercializadas em restaurantes self-service de Brasília-DF. Autora:

Leia mais

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital Espessare

NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA FICHA DE ESPECIFICAÇÃO. BemVital Espessare FICHA DE ESPECIFICAÇÃO BemVital Espessare IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA NOME DA EMPRESA: NUTRICIUM INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Pitangui, n 77 Bairro Concórdia, Belo Horizonte MG CNPJ. 04.040.657/0001-33

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

PROJETO DE PESQUISA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROJETO DE PESQUISA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Análise microbiológica de alimentos em restaurantes self-service localizados no bairro de Taguatinga em Brasília, Distrito Federal. Aluna: Elaine Márcia Morais

Leia mais

QUALIDADE DA FARINHA DE MANDIOCA COMERCIALIZADA NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO ACRE S. da S. Torres 2, M. T. Furtado 1,

QUALIDADE DA FARINHA DE MANDIOCA COMERCIALIZADA NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO ACRE S. da S. Torres 2, M. T. Furtado 1, QUALIDADE DA FARINHA DE MANDIOCA COMERCIALIZADA NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO ACRE S. da S. Torres 2, M. T. Furtado 1, 1- Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal do Acre (UFAC), Rio Branco, AC, Brasil.

Leia mais

Análise de coliformes totais e termotolerantes em leites in natura do comércio informal no município de Currais Novos.

Análise de coliformes totais e termotolerantes em leites in natura do comércio informal no município de Currais Novos. Análise de coliformes totais e termotolerantes em leites in natura do comércio informal no município de Currais Novos. Maria Cecília Galdino de ARAÚJO 1 ; Alinne Louise Feliciano DANTAS 1 ; Regina Célia

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE FORMULAÇÕES LÁCTEAS INFANTIS PREPARADAS EM LACTÁRIOS HOSPITALARES DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS (SP) E REGIÃO

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE FORMULAÇÕES LÁCTEAS INFANTIS PREPARADAS EM LACTÁRIOS HOSPITALARES DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS (SP) E REGIÃO AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE FORMULAÇÕES LÁCTEAS INFANTIS PREPARADAS EM LACTÁRIOS HOSPITALARES DO MUNICÍPIO DE CAMPINAS (SP) E REGIÃO Harumi Colussi Horita 1, Gina Maria Bueno Quirino Cardozo 2, Fabiana

Leia mais

Análise de coliformes e verificação das Boas Práticas de Fabricação de carne moída comercializada na cidade de Campina Grande-PB

Análise de coliformes e verificação das Boas Práticas de Fabricação de carne moída comercializada na cidade de Campina Grande-PB Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável http://www.gvaa.com.br/revista/index.php/rvads ARTIGO CIENTÍFICO Análise de coliformes e verificação das Boas Práticas de Fabricação de carne

Leia mais

Cuidados a serem tomados para que produtos apícolas tenham qualidade

Cuidados a serem tomados para que produtos apícolas tenham qualidade Cuidados a serem tomados para que produtos apícolas tenham qualidade LIDIANA SOUZA CORREIA LIMA Profa. MSc. IFCE Campus Fortaleza O QUE É QUALIDADE? Conjunto de características de todo produto e serviço,

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DA POPULAÇÃO DE STAPHYLOCOCCUS EM PATÊ DE PEITO DE PERU SABOR DEFUMADO DURANTE 45 DIAS DE ARMAZENAMENTO

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DA POPULAÇÃO DE STAPHYLOCOCCUS EM PATÊ DE PEITO DE PERU SABOR DEFUMADO DURANTE 45 DIAS DE ARMAZENAMENTO TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DA POPULAÇÃO DE STAPHYLOCOCCUS EM PATÊ DE PEITO DE PERU SABOR DEFUMADO DURANTE 45 DIAS DE ARMAZENAMENTO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DE CACHORROS-QUENTES COMERCIALIZADOS POR VENDEDORES AMBULANTES NO LAGO MUNICIPAL DE TOLEDO-PR

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DE CACHORROS-QUENTES COMERCIALIZADOS POR VENDEDORES AMBULANTES NO LAGO MUNICIPAL DE TOLEDO-PR Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v.10, n.1, jan./mar., 2006 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE HIGIÊNICO-SANITÁRIA DE CACHORROS-QUENTES COMERCIALIZADOS POR VENDEDORES AMBULANTES NO LAGO MUNICIPAL DE TOLEDO-PR *

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Ensino Técnico. Engenharia de Alimentos.

PALAVRAS-CHAVE Ensino Técnico. Engenharia de Alimentos. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO

Leia mais

PERFIL MICROBIOLÓGICO DE AMOSTRAS DE LEITE PASTEURIZADO DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES MUNICIPAIS (SIM) E ESTADUAIS (IMA)

PERFIL MICROBIOLÓGICO DE AMOSTRAS DE LEITE PASTEURIZADO DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES MUNICIPAIS (SIM) E ESTADUAIS (IMA) PERFIL MICROBIOLÓGICO DE AMOSTRAS DE LEITE PASTEURIZADO DE ACORDO COM AS ESPECIFICAÇÕES MUNICIPAIS (SIM) E ESTADUAIS (IMA) Microbiological Profile of pasteurized milk samples in accordance with the municipal

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALGUNS ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NAS IMEDIAÇÕES DE HOSPITAIS PÚBLICOS EM ARAGUAÍNA, TOCANTINS

DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALGUNS ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NAS IMEDIAÇÕES DE HOSPITAIS PÚBLICOS EM ARAGUAÍNA, TOCANTINS DETERMINAÇÃO DA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE ALGUNS ALIMENTOS COMERCIALIZADOS NAS IMEDIAÇÕES DE HOSPITAIS PÚBLICOS EM ARAGUAÍNA, TOCANTINS Tatiane Torcato de Oliveira 1, Lilyan Rosmery Luizaga² 1 Aluno

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 1 DE MARÇO DE 2004 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Quantificação de coliformes totais e termotolerantes em queijo Minas Frescal artesanal

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Quantificação de coliformes totais e termotolerantes em queijo Minas Frescal artesanal PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Quantificação de coliformes totais e termotolerantes em queijo Minas Frescal artesanal Renata Marques Ferreira 1 ; Janise de Castro Moraes Spini

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CURSO DE FARMÁCIA PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA Nome da Disciplina: Microbiologia de Alimentos Curso: Farmácia Termo: 5º Carga Horária Semanal (h/a): 4 Carga Horária Semestral (h/a): 60 Teórica: 2 Prática: 2 Total:

Leia mais

Avaliação microbiológica da qualidade higiênica de queijos tipo Minas, comercializados em Brasília.

Avaliação microbiológica da qualidade higiênica de queijos tipo Minas, comercializados em Brasília. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE CURSO DE NUTRIÇÃO Avaliação microbiológica da qualidade higiênica de queijos tipo Minas, comercializados em Brasília.

Leia mais

RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS

RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS RELATÓRIO DA VERIFICAÇÃO DE CONTAMINAÇÃO MICROBIANA EM EMBALAGENS PARA TRANSPORTE DE ALIMENTOS 2011 A reprodução deste documento só poderá ser feita integralmente, sem nenhuma alteração e com o conhecimento

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA DE CARNE CAPRINA E OVINA DEFUMADA

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA DE CARNE CAPRINA E OVINA DEFUMADA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DE LINGUIÇA DE CARNE CAPRINA E OVINA DEFUMADA Rita de Cássia Ferreira de Carvalho 1, Rodolfo de Moraes Peixoto 2, Mateus Matiuzzi da Costa 3, Luciana Jatobá e Silva Peixoto 4 1

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA

ANEXO III REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA ANEXO III REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE LINGÜIÇA 1. Alcance 1.1. Objetivo: Fixar a identidade e as características mínimas de qualidade que deverá apresentar o produto cárneo denominado

Leia mais

Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017

Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017 Portaria SES-RS Nº 66 DE 26/01/2017 Publicado no DOE em 31 jan 2017 Redação atualizada pela Portaria SES nº 146 de 23/03/2017, publicada no DOE em 29 março de 2017 Estabelece os requisitos e exigências

Leia mais

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE PASTEURIZADO COMERCIALIZADO EM JUIZ DE FORA NO

QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE PASTEURIZADO COMERCIALIZADO EM JUIZ DE FORA NO QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE PASTEURIZADO COMERCIALIZADO EM JUIZ DE FORA NO ANO DE 2004 SOB INSPEÇÃO MUNICIPAL MICROBIOLOGICAL QUALITY OF THE PASTEURIZED MILK MARKETED IN JUIZ DE FORA IN THE YEAR

Leia mais

REFRIGERAÇÃO UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS

REFRIGERAÇÃO UTILIZAÇÃO DE BAIXAS TEMPERATURAS NA CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS REFRIGERAÇÃO Ivo Rodrigues 2007/2008 1. Objectivos da refrigeração de Alimentos... prolongar a vida útil dos alimentos aumentando as possibilidades de conservação (geral) 1 1. Objectivos da refrigeração

Leia mais

Relatório CETEA A187-1/07 - Parcial. Data: 18 de dezembro de Preparado por: Centro de Tecnologia de Embalagem - CETEA/ITAL

Relatório CETEA A187-1/07 - Parcial. Data: 18 de dezembro de Preparado por: Centro de Tecnologia de Embalagem - CETEA/ITAL Relatório CETEA A187-1/07 - Parcial Avaliação de efeito do selo de alumínio na qualidade microbiológica de latas de cerveja Interessado: Companhia de Bebidas das Américas Estrada Ary Jorge Zeitune, 3100,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO TÉRMICO DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C, COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE UBERLANDIA-MG.

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO TÉRMICO DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C, COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE UBERLANDIA-MG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA 4ª Semana do Servidor e 5ª Semana Acadêmica 2008 UFU 30 anos AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO TÉRMICO DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C, COMERCIALIZADO NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Manual de Ambiente Refrigerado Boas práticas para conservação de alimentos

Manual de Ambiente Refrigerado Boas práticas para conservação de alimentos Manual de Ambiente Refrigerado Boas práticas para conservação de alimentos 1. Introdução - Ambientes refrigerados O principal desafio do armazenamento em ambientes refrigerados é a manutenção da qualidade

Leia mais

CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO DE HORTIFRUTIGRANJEIROS DE UMA EMPRESA PRIVADA PRESTADORA DE SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO

CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO DE HORTIFRUTIGRANJEIROS DE UMA EMPRESA PRIVADA PRESTADORA DE SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO CONTROLE HIGIÊNICO-SANITÁRIO DE HORTIFRUTIGRANJEIROS DE UMA EMPRESA PRIVADA PRESTADORA DE SERVIÇO DE ALIMENTAÇÃO GOVEIA, Mariane Beloni 1 ; MELLER, Fernanda de Oliveira 2 ; SCHÄFER, Antônio Augusto 3 ;

Leia mais

TÍTULO: PESQUISA DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS, ESCHERICHIA COLI E SALMONELLA SPP EM KETCHUPS E MAIONESES EMBALADOS EM SACHÊS.

TÍTULO: PESQUISA DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS, ESCHERICHIA COLI E SALMONELLA SPP EM KETCHUPS E MAIONESES EMBALADOS EM SACHÊS. TÍTULO: PESQUISA DE STAPHYLOCOCCUS AUREUS, ESCHERICHIA COLI E SALMONELLA SPP EM KETCHUPS E MAIONESES EMBALADOS EM SACHÊS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

LEITE EM PÓ INTEGRAL

LEITE EM PÓ INTEGRAL ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO PRODUTO LEITE EM PÓ INTEGRAL 1. DESCRIÇÃO DO OBJETO Entende-se por leite em pó o produto obtido por desidratação do leite de vaca integral, desnatado ou parcialmente desnatado

Leia mais

Avaliação de parâmetros de qualidade de doce em massa e das matérias primas utilizadas na formulação

Avaliação de parâmetros de qualidade de doce em massa e das matérias primas utilizadas na formulação RESUMO Avaliação de parâmetros de qualidade de doce em massa e das matérias primas utilizadas na formulação Cristina Pereira de SÁ 1 ; Cláudia Helena de MAGALHÃES 2, Wellingta C. Almeida do Nascimento

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 6CCSDNOUT05 AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE COMPOTAS OBTIDAS DO BENEFICIAMENTO DE MAMÃO (Carica-papaya) COM ELEVADO ESTADO DE MATURAÇÃO ADQUIRIDO DE FEIRAS LIVRES Amanda de Andrade Marques (2); Michelle Kércia

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICAS DE ALFACES (LACTUCA SATIVA) COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE ERECHIM-RS*

CONDIÇÕES HIGIÊNICAS DE ALFACES (LACTUCA SATIVA) COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE ERECHIM-RS* ISSN 0103-4235 ISSN 2179-4448 on line Alim. Nutr., Araraquara v. 22, n. 2, p. 301-305, abr./jun. 2011 CONDIÇÕES HIGIÊNICAS DE ALFACES (LACTUCA SATIVA) COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE ERECHIM-RS* Simone Ecléa

Leia mais

INDICADORES DE CONDIÇÕES HIGIÊNCICO SANITÁRIAS EM PREPARAÇÕES ORIENTAIS SERVIDAS EM RESTAURANTES NA CIDADE DE SALVADOR - BA

INDICADORES DE CONDIÇÕES HIGIÊNCICO SANITÁRIAS EM PREPARAÇÕES ORIENTAIS SERVIDAS EM RESTAURANTES NA CIDADE DE SALVADOR - BA INDICADORES DE CONDIÇÕES HIGIÊNCICO SANITÁRIAS EM PREPARAÇÕES ORIENTAIS SERVIDAS EM RESTAURANTES NA CIDADE DE SALVADOR - BA J.C.N. Nascimento 1,2, D.M. Vilas Boas 2, A.B.C. Silva 2, C.M. Lima 2, C.C. Leite

Leia mais

ADEQUAÇÃO DA TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DO QUEIJO TIPO MUSSARELA NOZINHO NO SETOR DE AGROINDÚSTRIA DO CEFET-UBERABA

ADEQUAÇÃO DA TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DO QUEIJO TIPO MUSSARELA NOZINHO NO SETOR DE AGROINDÚSTRIA DO CEFET-UBERABA ADEQUAÇÃO DA TECNOLOGIA DE FABRICAÇÃO DO QUEIJO TIPO MUSSARELA NOZINHO NO SETOR DE AGROINDÚSTRIA DO CEFET-UBERABA AZEVEDO, K.P. 1 ; GONÇALVES, C.A. 2 ; CIABOTTI, S. 3 ; CIABOTTI, E.D., 4 JERÔNIMO, M. 5.

Leia mais

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO. Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato

ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO. Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DE ACIDEZ DO LEITE EM DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO Nutr. Márcia Keller Alves Acad. Franciele Cechinato Fatores determinantes: - Raça - Período de lactação; - Alimentação; - Saúde

Leia mais

Caracterização físico-química e microbiológica dos sucos de laranja, manga e mangaba não pasteurizados comercializados na região central de Aracaju

Caracterização físico-química e microbiológica dos sucos de laranja, manga e mangaba não pasteurizados comercializados na região central de Aracaju Caracterização físico-química e microbiológica dos sucos de laranja, manga e mangaba não pasteurizados comercializados na região central de Aracaju Albert Aguiar Santos², Everton Henrique Lazaro Santos²,

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE.

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE. AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE. Lúcia Monteiro Dias Gomes 1 ; Maura Regina Ribeiro 2 & Vanuza Salgado Moreira 3 RESUMO Este estudo

Leia mais

Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais. Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné

Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais. Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné Conservação de frutos secos: resultados de ensaios experimentais Paula Correia Cátia Almeida Raquel Guiné 31-06-2016 Introdução A qualidade dos alimentos é um conceito que tem vindo a despertar o interesse

Leia mais

CARACTERÍSTICAS MICROBIOLÓGICAS DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C PRODUZIDO E COMERCIALIZADO NA CIDADE DE IMPERATRIZ/MA

CARACTERÍSTICAS MICROBIOLÓGICAS DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C PRODUZIDO E COMERCIALIZADO NA CIDADE DE IMPERATRIZ/MA ARS VETERINARIA, Jaboticabal, SP, Vol. 18, nº 2, 137-141, 2002. ISSN 0102-6380 CARACTERÍSTICAS MICROBIOLÓGICAS DO LEITE PASTEURIZADO TIPO C PRODUZIDO E COMERCIALIZADO NA CIDADE DE IMPERATRIZ/MA (MICROBIOLOGICAL

Leia mais

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE

DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE DIREÇÃO DE COMPROVAÇÃO DA QUALIDADE Análise Laboratorial de Conservantes em Produtos Cosméticos e de Higiene Corporal de Hidratação e Limpeza Destinados a Crianças Enquadramento No âmbito da análise do

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE COCO OBTIDA POR DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, RONDÔNIA.

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE COCO OBTIDA POR DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, RONDÔNIA. AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DA ÁGUA DE COCO OBTIDA POR DIFERENTES MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, RONDÔNIA. MICROBIOLOGICAL EVALUATION OF COCONUT WATER CONSERVATION OBTAINED BY DIFFERENT

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA E DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE COMERCIALIZAÇÃO DE SUCOS DE LARANJA IN NATURA

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA E DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE COMERCIALIZAÇÃO DE SUCOS DE LARANJA IN NATURA ISSN 0103-4235 ISSN 2179-4448 on line Alim. Nutr., Araraquara v. 23, n. 3, p. 461-466, jul./set. 2012 AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA E DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE COMERCIALIZAÇÃO DE SUCOS DE LARANJA

Leia mais

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES 10º Encontro de Higienização e Lavanderia AÇÃO DESINFETANTE NO PROCESSO DE LAVAGEM EM ROUPAS HOSPITALARES CONTROLE MICROBIOLÓGICO NO PROCESSO DE LAVAGEM DE ROUPAS HOSPITALARES AVALIAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE HORTALIÇAS SERVIDAS NO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UFPEL, CAMPUS CAPÃO DO LEÃO. 1. INTRODUÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE HORTALIÇAS SERVIDAS NO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UFPEL, CAMPUS CAPÃO DO LEÃO. 1. INTRODUÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE HORTALIÇAS SERVIDAS NO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UFPEL, CAMPUS CAPÃO DO LEÃO. SILVA, Vanessa Silva da 1 ; LOPES, Caroline de Paula 1 ; RIBEIRO, Gladis Aver 1 1 Laboratório

Leia mais

Condições higiênico-sanitárias de cenouras minimanente processadas. Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia, MG, Brasil (UFU- MG).

Condições higiênico-sanitárias de cenouras minimanente processadas. Medicina Veterinária da Universidade Federal de Uberlândia, MG, Brasil (UFU- MG). PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Condições higiênico-sanitárias de cenouras minimanente processadas Patrícia Ferreira Lacerda 1 ; Letícia Ríspoli Coelho 1,2 ; Eliane Pereira Mendonça

Leia mais

curados e introdução à formulações

curados e introdução à formulações TECNOLOGIA DE PRODUTOS CÁRNEOS CURADOS E FERMENTADOS 1-Classificação de produtos cárneos curados e introdução à formulações Prof. Dr. Estevãn Martins de Oliveira 1 Classificação de embutidos Crus Frescais

Leia mais

A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria. Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013

A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria. Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013 A Ovinicultura de leite /queijo Relação produção e Industria Maria Eugenia Lemos DSAVRC Gouveia Janeiro 2013 Estruturas e Normas de Higiene e de Refrigeração na recolha e transporte do leite de ovelha

Leia mais

Microbiologia de farinhas de mandioca (Manihot esculenta Crantz) durante o armazenamento

Microbiologia de farinhas de mandioca (Manihot esculenta Crantz) durante o armazenamento Ciência Rural, Santa Microbilogia Maria, v.34, de n.2, farinhas p.551-555, de mandioca mar-abr, (Manihot 2004 esculenta Crantz) durante o amarzenamento. ISSN 0103-8478 551 Microbiologia de farinhas de

Leia mais

FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS

FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria Estadual da Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM AÇOUGUES E FIAMBRERIAS Méd. Vet. Ayres

Leia mais

MODELO AGRODEFESA. Revisão 00. Logomarca da empresa. Programa de Autocontrole PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04. Ventilação

MODELO AGRODEFESA. Revisão 00. Logomarca da empresa. Programa de Autocontrole PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04. Ventilação PAC 04 Página 1 de 7 PAC 04 Ventilação PAC 04 Página 2 de 7 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03 2.

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE CACHORROS QUENTES AMBULANTES DO MUNICÍPIO DE APUCARANA- PR

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE CACHORROS QUENTES AMBULANTES DO MUNICÍPIO DE APUCARANA- PR CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS DE CACHORROS QUENTES AMBULANTES DO MUNICÍPIO DE APUCARANA- PR Melo, H. K.; Toledo, E. A. RESUMO As condições higiênico-sanitárias de cachorro-quente ambulante possuem uma

Leia mais

PROCEDIMENTO-PADRÃO DE HIGIENE OPERACIONAL NA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - CARNE. Introdução

PROCEDIMENTO-PADRÃO DE HIGIENE OPERACIONAL NA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - CARNE. Introdução 251 PROCEDIMENTO-PADRÃO DE HIGIENE OPERACIONAL NA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - CARNE Henrique Alves Ribeiro Macedo 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2 Resumo: Esta revisão bibliográfica objetivou

Leia mais

Análise Microbiológica de fórmulas enterais artesanais produzidas segundo as recomendações da ANVISA.

Análise Microbiológica de fórmulas enterais artesanais produzidas segundo as recomendações da ANVISA. CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E SAÚDE CURSO DE NUTRIÇÃO Análise Microbiológica de fórmulas enterais artesanais produzidas segundo as recomendações da ANVISA.

Leia mais

ANÁLISE DA VIDA DE PRATELEIRA DE DIFERENTES MARCAS DE LEITE UHT/UAT ENCONTRADAS NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA- RJ.

ANÁLISE DA VIDA DE PRATELEIRA DE DIFERENTES MARCAS DE LEITE UHT/UAT ENCONTRADAS NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA- RJ. ANÁLISE DA VIDA DE PRATELEIRA DE DIFERENTES MARCAS DE LEITE UHT/UAT ENCONTRADAS NO MUNICÍPIO DE SEROPÉDICA- RJ. Rodrigo dos Santos NASCIMENTO 1, Jeferson Manoel TEIXEIRA 1, Lívia Nolasco Macedo MURUCI

Leia mais

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA E CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE MIÚDOS EM ABATEDOURO FRIGORÍFICO

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA E CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE MIÚDOS EM ABATEDOURO FRIGORÍFICO MONITORAMENTO DA TEMPERATURA E CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE MIÚDOS EM ABATEDOURO FRIGORÍFICO P. Carvalho 1, L.C.P. Oliveira 2, P.C.P. Peron 3, M.S. Amorim 4, E.M. Arcanjo 5, C.M. Decol 6 1 Engenheira

Leia mais

OCORRÊNCIA DE COLIFORMES TERMOTOLERANTES E SALMONELLA spp. EM SUSHIS COMERCIALIZADOS NAS CIDADES DE JOÃO PESSOA E CAMPINA GRANDE/PB

OCORRÊNCIA DE COLIFORMES TERMOTOLERANTES E SALMONELLA spp. EM SUSHIS COMERCIALIZADOS NAS CIDADES DE JOÃO PESSOA E CAMPINA GRANDE/PB OCORRÊNCIA DE COLIFORMES TERMOTOLERANTES E SALMONELLA spp. EM SUSHIS COMERCIALIZADOS NAS CIDADES DE JOÃO PESSOA E CAMPINA GRANDE/PB T.P. Lucena 1, C.R.M. Silva Filho 2, C.D.L. Araújo 3, W.S. Morais 4 1-

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE AMBIENTES DE DIFERENTES LATICÍNIOS DA REGIÃO DE RIO POMBA-MG

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE AMBIENTES DE DIFERENTES LATICÍNIOS DA REGIÃO DE RIO POMBA-MG Pág. 11 AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE AMBIENTES DE DIFERENTES LATICÍNIOS DA REGIÃO DE RIO POMBA-MG Microbiological evaluation of different environments in dairy of the region of Rio Pomba-MG Kamila Ferreira

Leia mais

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE PREPARAÇÕES FRIAS DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO COMERCIAL DA CIDADE DE SANTA MARIA -RS 1 RESUMO

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE PREPARAÇÕES FRIAS DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO COMERCIAL DA CIDADE DE SANTA MARIA -RS 1 RESUMO MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE PREPARAÇÕES FRIAS DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO COMERCIAL DA CIDADE DE SANTA MARIA -RS 1 Alves, M. 2 ; Mesquita. M. O de 2 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso

Leia mais

MICROBIOLOGIA DE FRUTAS E HORTALIÇAS MINIMAMENTE PROCESSADAS

MICROBIOLOGIA DE FRUTAS E HORTALIÇAS MINIMAMENTE PROCESSADAS MICROBIOLOGIA DE FRUTAS E HORTALIÇAS MINIMAMENTE PROCESSADAS Prof. Assoc. Mariza Landgraf Depto Alimentos e Nutrição Experimental/FCF/USP e-mail: landgraf@usp.br I Simpósio Ibero-Americano de Frutas e

Leia mais

FEIRA TECNOLÓGICA sobre PALMITO PUPUNHA. APTA REGIONAL POLO do VALE DO RIBEIRA. 06 e 07 de AGOSTO de 2014

FEIRA TECNOLÓGICA sobre PALMITO PUPUNHA. APTA REGIONAL POLO do VALE DO RIBEIRA. 06 e 07 de AGOSTO de 2014 FEIRA TECNOLÓGICA sobre PALMITO PUPUNHA APTA REGIONAL POLO do VALE DO RIBEIRA 06 e 07 de AGOSTO de 2014 REGULAMENTO TÉCNICO SOBRE CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS E DE BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES

CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES CONTROLE DE QUALIDADE E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS EM PRODUÇÃO DE REFEIÇÕES Nutricionista Especialista Tecnologia de Alimentos UFMA Consultor em Implementação de Unidades de Alimentação e Nutrição. Controle

Leia mais

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE BEBIDAS LÁCTEAS ADQUIRIDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA DO SUL DE MINAS GERAIS 1

AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE BEBIDAS LÁCTEAS ADQUIRIDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA DO SUL DE MINAS GERAIS 1 AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE BEBIDAS LÁCTEAS ADQUIRIDAS NO COMÉRCIO VAREJISTA DO SUL DE MINAS GERAIS 1 THALES LEANDRO COUTINHO DE OLIVEIRA 2, VICTOR M. R. TEBALDI 3, JAÍNE G. O. S. RESENDE 3, GUILHERME

Leia mais

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PATÊ.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DE PATÊ. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 21, DE 31 DE JULHO DE 2000 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDNMT06-P AVALIAÇÃO MICROBIOLÓGICA DE ÁGUA, SALADA DE FRUTAS E LEITE COMERCIALIZADOS EM LANCHONETES DO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Dêmia Kellyani Eleoterio Veiga (2), Cássia de Andrade

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB VIDAL, Ana Renally Cardoso 1, GOMES, Liana Santos do Nascimento 2, TEODOSIO, Albert Einstein

Leia mais

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO

Centro de Educação Superior do Oeste - CEO CURSO: Engenharia de Alimentos ANO/SEMESTRE: 2012/1 DISCIPLINA: Higiene e Legislação de FASE: 6ª (6HGLA) Alimentos CARGA HORÁRIA 36 h/a TURNO: Vespertino PROFESSOR(A): Marlene Gomes Pereira CRÉDITOS: 02

Leia mais