MODOS DE ENDEREÇAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MODOS DE ENDEREÇAMENTO"

Transcrição

1 UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ERINALDO SANCHES NASCIMENTO MODOS DE ENDEREÇAMENTO MARINGÁ 2014

2 SUMÁRIO 6 MODOS DE ENDEREÇAMENTO ENDEREÇAMENTO REGISTER-ONLY ENDEREÇAMENTO IMEDIATO ENDEREÇAMENTO BASE REGISTRADORES PRESERVADOS ENDEREÇAMENTO PSEUDO DIRETO EXERCÍCIOS REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA...6

3 6 MODOS DE ENDEREÇAMENTO O microprocessador MIPS utiliza cinco modos de endereçamento: register-only, imediato, base, relativo ao PC, e pseudo-direto. Os três primeiros modos ( endereçamento register-only, imediato e base) definem os modos de leitura e escrita dos operandos. Os dois últimos (endereçamento relativo ao PC e pseudo-direto) definem modos de escrita do contador de programa, PC. 6.1 ENDEREÇAMENTO REGISTER-ONLY Endereçamento somente registradores usa registradores para todos os operandos de origem e destino. Todas as instruções do tipo R usam endereçamento registar-only. 6.2 ENDEREÇAMENTO IMEDIATO Endereçamento imediato usa o imediato 16-bit acompanhado de registradores e operandos. Algumas instruções tipo I, tais como adicionar imediata (addi) e load upper immediate (lui), usam endereçamento imediato. 6.3 ENDEREÇAMENTO BASE Instruções de acesso à memória, como load word (lw) e store word (sw), usam endereçamento base. O endereço efetivo do operando memória é encontrado adicionando o endereço de base no registrador rs para o deslocamento de 16 bits estendido encontrado no campo imediato. 2

4 6.4 REGISTRADORES PRESERVADOS As instruções de desvio condicional usam o endereçamento relativo ao PC para especificar o novo valor do PC, se o desvio condicional é executado. O deslocamento indicado no campo imediato é adicionado ao PC para obter o novo PC; portanto, o endereço de destino do desvio é dito ser relativa ao atual PC. O código de exemplo no quadro 1 mostra parte da função fatorial. A Figura 1 mostra o código de máquina para a instrução beq. O endereço de destino de desvio (EDD) o endereço da próxima instrução a ser executada se o desvio for executado. A instrução beq na Figura 1 tem um EDD de 0xB4, o endereço de instrução do rótulo else. Quadro 1: Calcular o endereço de destino do desvio Código assembly 0xA4 0xA8 0xAC 0xB0 0xB4 0xB8 beq $t0, $0, else addi $v0, $0, 1 addi $sp, $sp, 8 jr $ra else: addi $a0, $a0, -1 jal fatorial Figura 1: Código de máquina para a instrução beq. O campo imediato de 16 bits dá o número de instruções entre o EDD e a instrução após a instrução de desvio (a instrução no PC + 4). Neste caso, o valor do campo de imediato beq é 3 porque o EDD (0xB4) é terceira instrução após PC + 4 (0xA8). O processador calcula o EDD da instrução pelo imediato de 16 bits, multiplica-o por 4 (para converter palavras de bytes), e adiciona-o ao PC

5 6.5 ENDEREÇAMENTO PSEUDO DIRETO No endereçamento direto, um endereço é especificado na instrução. As instruções de salto, j e jal, idealmente usariam endereçamento direto para especificar um endereço alvo para salto de 32 bits para indicar o endereço de instrução a ser executada em seguida. A codificação de instruções tipo J não tem bits suficientes para especificar um endereço para salto de 32 bits completo. Seis bits da instrução são utilizados para o código de operação (opcode), de modo que apenas 26 bits são deixados para codificar o endereço para salto. Os dois bits menos significativos, JTA 1:0, deve ser sempre 0, porque as instruções são palavra alinhada. Os próximos 26 bits, JTA 27:2, são formados a partir do campo de endereço da instrução. Os quatro bits mais significativos, JTA31:. 28, são obtidos a partir dos quatro bits mais significativos do PC + 4 Este modo de endereçamento é denominado pseudo direto. O exemplo no quadro 2 ilustra uma instrução jal usando endereçamento pseudo direto. O endereçamento alvo para salto da instrução jal é 0x004000A0. Quadro 2 Calcular o endereço alvo para salto Código Assembly 0x C... 0x004000a0 jal soma soma: add $v0, $a0, $a1 A Figura 2 mostra o código de máquina para a instrução jal do quadro 2. Os quatro primeiros bits e os dois últimos bits do endereço de salto são 4

6 descartados. Os restantes bits são armazenados no campo do endereço de 26 bits (addr). O processador calcula o endereço de salto da instrução tipo J, acrescentando dois zeros e antecedendo os quatro bits mais significativos do PC + 4 para o campo de endereço de 26 bits (addr). Os quatro bits mais significativos são formados a partir de PC + 4, a faixa de salto é limitada. Todas as instruções tipo J, j e jal, usam endereçamento pseudo direto. A instrução de salto registo, jr, não é uma instrução tipo J. É uma instrução do tipo R, que salta para o valor de 32 bits, mantida em registrador rs. 6.6 EXERCÍCIOS 1. Calcule o campo imediato e mostre o código de máquina para a instrução de desvio não igual (bne)no programa seguinte. # código assembly MIPS 0x40 Loop: add $t1, $a0, $s0 0x44 lb $t1, 0 ($t1) 0x48 add $t2, $a1, $s0 0x4C sb $t1, 0 ($t2) 0x50 addi $s0, $s0, 1 0x54 bne $t1, $0, Loop 0x58 lw $s0, 0 ($sp) 2. Converta as seguintes instruções de montagem beq, j, e jal em código de máquina. Os endereços das instruções são dados à esquerda de cada instrução. a) b) 5

7 c) d) e) 3. Considere o seguinte trecho de linguagem assembly MIPS. Os números à esquerda de cada instrução indicam o endereço da instrução. a) Traduza a sequência de instruções em código de máquina. Escreva as instruções de código de máquina em hexadecimal. b) Liste o modo de endereçamento usado em cada linha de código. 6.7 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA HARRIS, David Money & HARRIS, Sarah L. Digital Design and Computer Architecture, 2ª ed., Elsevier:

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados Slide 1 Sumário Introdução Convenções Lógicas de Projeto Construindo um Caminho de Dados O Controle da ULA Projeto da Unidade de Controle Principal

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Linguagem de Máquina

Arquitetura de Computadores. Linguagem de Máquina Arquitetura de Computadores Linguagem de Máquina Ivan Saraiva Silva Formato de Instrução MAC O MIC possui dois formatos de instrução: 4 bits 12 bits Formato 1 CODOP ENDEREÇO 8 bits 8 bits Formato 2 CODOP

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Curso de Pós-Graduação em Ciência da Computação Aula 2 Arquitetura do Processador MIPS: características gerais, registradores, formatos de instrução,

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 8: 04 de maio de 2010 1 Formatos de instruções MIPS 2 Endereçamento de operandos imediatos de 32 bits Endereçamento em desvios Modos de endereçamento do MIPS 3

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados Slide 1 Sumário Introdução Convenções Lógicas de Projeto Construindo um Caminho de Dados O Controle da ULA Projeto da Unidade de Controle Principal

Leia mais

MIPS. Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br

MIPS. Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br MIPS Prof. Carlos Bazilio http://www.ic.uff.br/~bazilio bazilio@ic.uff.br Introdução Plataforma projetada da parceria entre NEC, Nintendo, Silicon Graphics e Sony Possui um conjunto de instruções que e

Leia mais

Computadores de Programação (MAB353)

Computadores de Programação (MAB353) Computadores de Programação (MAB353) Aula 6: 27 de abril de 2010 1 Recaptulando operações já estudadas Operações lógicas 2 3 Exercícios Referências bibliográficas Recaptulando operações já estudadas Operações

Leia mais

Conjunto de. Instrução MIPS. Parte II. Instruções MIPS. Instruções MIPS. Instruções MIPS :: Instruções lógicas. :: Instruções lógicas

Conjunto de. Instrução MIPS. Parte II. Instruções MIPS. Instruções MIPS. Instruções MIPS :: Instruções lógicas. :: Instruções lógicas Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina FACAPE Conjunto de Pae II Transferência de Dados Lógicas Controle Supoe a procedimentos Prof. Sérgio Adaptado dos slides de Sistemas Processadores

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Pipeline Slide 1 Pipeline Pipeline Hazards: Hazards Estruturais Hazards de Dados Hazards de Controle Organização e Arquitetura de Computadores I Caminho de Dados

Leia mais

Aula 14: Instruções e Seus Tipos

Aula 14: Instruções e Seus Tipos Aula 14: Instruções e Seus Tipos Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Instruções e Seus Tipos FAC 1 / 35 Conceitos Básicos Diego Passos

Leia mais

Prova P4/PS Disciplina: Organização de Computadores-EC Professor: Ney Laert Vilar Calazans lui+ori syscall 1. .text 2. main: $s0, string 3.

Prova P4/PS Disciplina: Organização de Computadores-EC Professor: Ney Laert Vilar Calazans lui+ori syscall 1. .text 2. main: $s0, string 3. Prova P4/PS Disciplina: Organização de Computadores-EC Professor: Ney Laert Vilar Calazans Aluno: 30/novembro/2012 1. (4 pontos) Assumindo uma frequência de relógio de 500 MHz para a organização MIPS multiciclo

Leia mais

PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR

PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR PARTE II - CONJUNTO DE INSTRUÇÕES ARQUITETURA DE COMPUTADORES ANTONIO RAMOS DE CARVALHO JÚNIOR Introdução Instruções são representadas em linguagem de máquina (binário) E x i s t e m l i n g u a g e n

Leia mais

Processadores BIP. Conforme Morandi et al (2006), durante o desenvolvimento do BIP, foram definidas três diretrizes de projeto:

Processadores BIP. Conforme Morandi et al (2006), durante o desenvolvimento do BIP, foram definidas três diretrizes de projeto: Processadores BIP A família de processadores BIP foi desenvolvida por pesquisadores do Laboratório de Sistemas Embarcados e Distribuídos (LSED) da Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI com o objetivo

Leia mais

Registradores na Arquitetura MIPS. 29/4/2016 MIPS - Instruction Set Architecture

Registradores na Arquitetura MIPS. 29/4/2016 MIPS - Instruction Set Architecture Registradores na Arquitetura MIPS 29/4/2016 MIPS - Instruction Set Architecture 1 Mapa de Memória da Arq. MIPS 2 GB 2 GB 256 MB 64 KB 2 GB 64 KB 256 4 MB 4 MB 29/4/2016 MIPS - Instruction Set Architecture

Leia mais

Conjunto de Instruções e Arquitectura p.1

Conjunto de Instruções e Arquitectura p.1 Conjunto de Instruções e Arquitectura Luís Nogueira luis@dei.isep.ipp.pt Departamento Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Conjunto de Instruções e Arquitectura p.1 Organização

Leia mais

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos

Componentes do Computador e. aula 3. Profa. Débora Matos Componentes do Computador e modelo de Von Neumann aula 3 Profa. Débora Matos O que difere nos componentes que constituem um computador? Princípios básicos Cada computador tem um conjunto de operações e

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Pipeline -- Conflito de dados paradas e adiantamentos -- Conflito de controle detecção de desvios e descarte de instruções -- Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 04: ASPECTO BÁSICO DO PROJETO DE UMA CPU SIMPLES E LINGUAGEM DE MONTAGEM Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia

Leia mais

Anotações da 2a Edição

Anotações da 2a Edição Anotações da 2a Edição OBS: Essas anotações são adaptações do material suplementar (apresentações PPT) ao Livro do Hennessy e Patterson. Supõe-se que os estudantes tenham noções de lógica digital e linguagem

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Digitais (FTL066) Instruções: Linguagem do Computador Segunda Lista de Exercícios

Arquitetura de Sistemas Digitais (FTL066) Instruções: Linguagem do Computador Segunda Lista de Exercícios Arquitetura de Sistemas Digitais (FTL066) Instruções: Linguagem do Computador Segunda Lista de Exercícios 1) Explore conversões de números a partir de números binárias com sinal e sem sinal para decimal:

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva

Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva Arquitetura de Computadores MIPS Pipeline Ivan Saraiva Silva Pipeline 4 pessoas (A, B, C, D) possuem sacolas de roupa para lavar, secar e dobrar A B C D Lavar leva 30 minutos Secar leva 40 minutos Dobrar

Leia mais

Pipeline. Todos os estágios devem estar prontos ao mesmo tempo para prosseguir.

Pipeline. Todos os estágios devem estar prontos ao mesmo tempo para prosseguir. O throughput de um pipeline é determinado pela freqüência com que uma instrução sai do pipeline Todos os estágios devem estar prontos ao mesmo tempo para prosseguir O tempo requerido para mover uma instrução

Leia mais

Conjunto de Instruções. Conjunto de Instruções

Conjunto de Instruções. Conjunto de Instruções Conjunto de Instruções It is easy to see by formal-logical methods that there exist certain [instruction sets] that are in abstract adequate to control and cause the execution of any sequence of operations...

Leia mais

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2)

Conjunto de instruções do CPU. Arquitectura de um computador. Definição das instruções (1) Definição das instruções (2) Arquitectura de um computador Caracterizada por: Conjunto de instruções do processador (ISA Estrutura interna do processador (que registadores existem, etc Modelo de memória (dimensão endereçável, alcance

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Assembly Miscelâneas. Mário O. de Menezes. http://www.tf.ipen.br/~mario

Arquitetura de Computadores. Assembly Miscelâneas. Mário O. de Menezes. http://www.tf.ipen.br/~mario Arquitetura de Computadores Assembly Miscelâneas Mário O. de Menezes http://www.tf.ipen.br/~mario AC Mário O. de Menezes 1 Lembrando Instruções Lógicas e Shift operam em bits individuais, diferente de

Leia mais

SSC0611 Arquitetura de Computadores

SSC0611 Arquitetura de Computadores SSC0611 Arquitetura de Computadores 2ª e 3ª Aulas Arquitetura MIPS: ISA, Formato das instruções e Modos de endereçamento Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br 1 Arquitetura MIPS MIPS: Microprocessor

Leia mais

Caminho dos Dados e Atrasos

Caminho dos Dados e Atrasos Caminho dos Dados e Atrasos Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Pipeline MIPS O MIPS utiliza um pipeline com profundidade 5, porém

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 5 CONJUNTO DE INSTRUÇÕES Prof. Luiz Gustavo A. Martins Introdução O que é um conjunto de instruções? Coleção completa das instruções que a CPU é capaz de executar (entende).

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Introdução à Arquitetura de Computadores Hardware e software Organização de um computador: Processador: registradores, ALU, unidade de controle Memórias Dispositivos de E/S Barramentos Linguagens de

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 5 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 5 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 5 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

PROJETO LÓGICO DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 5 - O NÍVEL DA LINGUAGEM DE MONTAGEM 1. INTRODUÇÃO É relativamente fácil compreender os fundamentos da programação de computadores, sob o ponto de vista da inteligibilidade dos comandos de alto

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

O Processador: Caminho de Dados e Controle

O Processador: Caminho de Dados e Controle 22 Capítulo 3 O Processador: Caminho de Dados e Controle O desempenho de um computador é determinado por três fatores principais: o número de instruções executadas, o período do clock e o número de ciclos

Leia mais

Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar

Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar Componentes de um Computador (5) Linguagem de Montagem Funcionamento de CPU e Assembly Rudimentar Prof. João Paulo A. Almeida (jpalmeida@inf.ufes.br) 2007/01 - INF02597 Com slides de Roberta Lima Gomes

Leia mais

SSC0114 Arquitetura de Computadores

SSC0114 Arquitetura de Computadores SSC0114 Arquitetura de Computadores 3ª Aula Arquitetura MIPS: ISA, Formato das instruções e Modos de endereçamento MIPS Monociclo: Caminho de Dados e Unidade de Controle Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br

Leia mais

Sistemas de Computação. Instruções de Linguagem de Máquina

Sistemas de Computação. Instruções de Linguagem de Máquina Instruções de Linguagem de Máquina Linguagem de montagem do processador MIPS Operações aritméticas Instrução Exemplo Significado soma add a, b, c a = b + c subtração sub a, b, c a = b - c Compilação de

Leia mais

RISC simples. Aula 7. 31 de Março de 2005 1

RISC simples. Aula 7. 31 de Março de 2005 1 RISC simples Aula 7 31 de Março de 2005 1 Estrutura desta aula Principais características dos processadores RISC Estrutura de um processador (MIPS) sem pipeline, de ciclo único O datapath ou circuito de

Leia mais

Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter

Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter Primeiro Trabalho de POO Emulador para o Processador Winter Prof. Pedro Carlos da Silva Lara Entrega: 21/10/2014 1 Informações Gerais Winter é um processador hipotético especificado com fim puramente acadêmico.

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Implementação de um soft-core em VHDL baseado no conjunto de instruções MIPS-I

Implementação de um soft-core em VHDL baseado no conjunto de instruções MIPS-I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Rafael Vargas Implementação de um soft-core em VHDL baseado no conjunto de instruções MIPS-I

Leia mais

Conjunto de Instruções

Conjunto de Instruções Conjunto de Instruções Para comandar o hardware do computador, é necessário que falemos sua língua: As palavras da linguagem de máquina são chamadas de instruções; O vocabulário forma o conjunto de instruções,

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Pipeline Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Organização do MIPS: pipeline Visão geral do pipeline Analogia com uma Lavanderia doméstica 1

Leia mais

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA VII

ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA VII ARQUITECTURA DE COMPUTADORES CAPÍTULO II AULA VII Índice Endereçamento MIPS: 32-bits imediatos; Endereços em branches e jumps; Modos de endereçamento; MARS Exercício 5: Fibonnaci Problema Apesar de instruções

Leia mais

Organização de Computadores Hardware

Organização de Computadores Hardware Organização de Computadores Hardware Professor Marcus Vinícius Midena Ramos Colegiado de Engenharia de Computação (74)3614.1936 marcus.ramos@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~marcus.ramos Computador Ferramenta

Leia mais

AULA 05: LINGUAGEM DE MONTAGEM: SUPORTE A PROCEDIMENTOS

AULA 05: LINGUAGEM DE MONTAGEM: SUPORTE A PROCEDIMENTOS ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 05: Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação O QUE SÃO PROCEDIMENTOS? Procedimentos são um conjunto

Leia mais

1: 2: 2, [1] [2] 0x x001f8021 $16,$0,$31 13 [3] 0x x

1: 2: 2, [1] [2] 0x x001f8021 $16,$0,$31 13 [3] 0x x Prova P1 Disciplina: Organização de Computadores Professor: Ney Laert Vilar Calazans Aluno: 14/setembro/2012 Lista de associação de números e mnemônicos para os registradores do MIPS Número (Decimal) Nome

Leia mais

Arquitetura de Computadores Moderna

Arquitetura de Computadores Moderna Arquitetura de Computadores Moderna Eduardo Barrére (eduardo.barrere@ice.ufjf.br) DCC/UFJF Baseado no material do prof. Marcelo Lobosco Agenda Visão Geral Objetivos do Curso Ementa Bibliografia Avaliações

Leia mais

MIPS Implementação. sw) or, slt. Vamos examinar uma implementação que inclui um subconjunto de instruções do MIPS

MIPS Implementação. sw) or, slt. Vamos examinar uma implementação que inclui um subconjunto de instruções do MIPS Datapath do MIPS MIPS Implementação Vamos examinar uma implementação que inclui um subconjunto de instruções do MIPS Instruções de leitura (load lw) e de escrita (store sw) Instruções aritméticas e lógicas

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 2 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 2 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 2 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

Computador: Hardware + Software

Computador: Hardware + Software Conceitos Básicos de Arquitetura de Computadores Capítulo 3 Computador: Hardware + Software 1 Computador: Hardware + Software Aplicação (Netscape) Software Hardware Compilador Montador Processor Memory

Leia mais

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis

Introdução. Introdução. Introdução. Organização Estruturada de Computadores. Introdução. Máquinas Multiníveis Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Máquinas Multiníveis Prof. Sergio Ribeiro Computador digital máquina que resolve problemas executando uma série de instruções. Programa conjunto de instruções

Leia mais

Registradores de uma CPU. Registradores de uma CPU - Acumulador

Registradores de uma CPU. Registradores de uma CPU - Acumulador Prof. Eduardo ppel Eng.DSc. appel@upf.tche.br Denominação dos registradores Função dos registradores Características dos registradores Utilização dos registradores - cumulador Um registrador é um local

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização do Processador - Parte A Capítulo 5 Patterson & Hennessy Prof. Fábio M. Costa Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás Conteúdo Caminho de dados Caminho de controle Implementação

Leia mais

Paralelismo a Nível de Instrução

Paralelismo a Nível de Instrução Paralelismo a Nível de Instrução É possível obter maior desempenho computacional com: tecnologias mais avançadas, tais como circuitos mais rápidos; melhor organização da CPU, tais como o uso de múltiplos

Leia mais

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos

Linguagem de Montagem 2. Operações e Operandos Linguagem de Montagem 2 Operações e Operandos Revisão Para executar uma tarefa qualquer, um computador precisa receber instruções precisas sobre o que fazer Esse conjunto de instruções chamamos de algoritmo

Leia mais

Exercícios resolvidos (aula de 4 de Maio) Resolução:

Exercícios resolvidos (aula de 4 de Maio) Resolução: Exercícios resolvidos (aula de 4 de Maio) 1. Um microprocessador gera endereços de memória de 14 bits. Desenhe um mapa de memória dos seus endereços de memória fronteira especificados em hexadecimal. Uma

Leia mais

4-1. Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções

4-1. Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções 4-1 Parte2: A Arquitetura do Conjunto de Instruções 4-2 Bibliografia [1] Miles J. Murdocca e Vincent P. Heuring, Introdução à Arquitetura de Computadores [2] Marcelo Rubinstein Transparências do curso

Leia mais

ArchC. Wesley Nunes Gonçalves

ArchC. Wesley Nunes Gonçalves Implementação do Processador ARM7 em ArchC Wesley Nunes Gonçalves 23 de novembro de 2007 ARM7 Instruções Implementadas O ARM possui 37 registradores, sendo 31 registradores de propósito geral e 6 registradores

Leia mais

Arquitectura de Computadores

Arquitectura de Computadores Arquitectura de Computadores Prof. Doutora Ana Isabel Leiria Ano Lectivo 2004/05 Prof. Doutora Margarida Madeira e Moura Eng. António Rosado Ano lectivo 2005/06 Pág. 1 Guias das aulas práticas 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Disciplina: Organização e Arquitetura de Computadores II Professores: Fabiano Hessel e Ney Calazans 22/abril/2009

Disciplina: Organização e Arquitetura de Computadores II Professores: Fabiano Hessel e Ney Calazans 22/abril/2009 Prova P1 Aluno Disciplina: Organização e Arquitetura de Computadores II Professores: Fabiano Hessel e Ney Calazans 22/abril/2009 Valor das questões: 1) 3 pontos 2) 3 pontos 3) 4 pontos 1. O fragmento de

Leia mais

Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas

Conjunto de instruções. O Conjunto de Instruções. Conjunto de instruções. Instruções típicas. Instruções típicas. Instruções típicas Conjunto de instruções O Conjunto de Instruções ISA Instruction Set Architecture Alguns conceitos... Linguagem máquina Combinação de 0 s e 1 s organizados segundo palavras que são as instruções que o processador

Leia mais

Programando o computador IAS

Programando o computador IAS Programando o computador IAS Edson Borin e Rafael Auler 21 de março de 2012 1 Introdução O computador IAS foi um dos primeiros computadores a implementar o conceito do programa armazenado. Neste paradigma,

Leia mais

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann

NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann Universidade Federal de Santa Maria NOTAS DE AULA Prof. Antonio Carlos Schneider Beck Filho (UFSM) Prof. Júlio Carlos Balzano de Mattos (UFPel) Arquitetura de Von Neumann O modelo (ou arquitetura) de von

Leia mais

Disciplina: Organização de Computadores Professor: Ney Laert Vilar Calazans

Disciplina: Organização de Computadores Professor: Ney Laert Vilar Calazans Prova P2 isciplina: Organização Computadores Professor: Ney aert Vilar Calazans luno: 3/maio/21 Para realizar a prova, refira-se à proposta organização MIPS monociclo vista em aula. O senho da versão monociclo

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Instruindo um Computador Subrotinas, Tipos de Dados e Modos de Endereçamento

Infraestrutura de Hardware. Instruindo um Computador Subrotinas, Tipos de Dados e Modos de Endereçamento Infraestrutura de Hardware Instruindo um Computador Subrotinas, Tipos de Dados e Modos de Endereçamento Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de

Leia mais

Arquitectura de Computadores ARQC MIPS. Exemplos. Serviços de Sistema

Arquitectura de Computadores ARQC MIPS. Exemplos. Serviços de Sistema Arquitectura de Computadores ARQC MIPS Exemplos 1 Serviços de Sistema 2 O MIPS tem 32 registradores de precisão simples (32 bits) para manipular números em ponto flutuante Registradores nomeados $f0 $f31

Leia mais

MIPS ISA (Instruction Set Architecture)

MIPS ISA (Instruction Set Architecture) MIPS ISA (Instruction Set Architecture) MIcroprocessor without Interlocking Pipeline Stages MIPS Processador RISC de 32 bits Referência dos Processadores RISC Mais de 100 Milhões de processadores vendidos

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Instruindo um Computador

Infraestrutura de Hardware. Instruindo um Computador Infraestrutura de Hardware Instruindo um Computador Componentes de um Computador Unid. Controle Controle Memória Registradores PC MAR IR AC Programa + Dados Instrução Endereço Operando ALU Temp Datapath

Leia mais

Sumário. Aula Anterior. Exercício 7.1 Contagem de bits a 1 numa palavra Exercício 7.2 Deslocamento de n bits num operando de 64 bits.

Sumário. Aula Anterior. Exercício 7.1 Contagem de bits a 1 numa palavra Exercício 7.2 Deslocamento de n bits num operando de 64 bits. Sumário Aula Anterior Exercício 7.1 Contagem de bits a 1 numa palavra Exercício 7.2 Deslocamento de n bits num operando de 64 bits Aula 12 1 Sumário Nesta Aula Esclarecimento de dúvidas para o Exame Resolução

Leia mais

Máquina Multinível. Um programa pode ser definido como uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa.

Máquina Multinível. Um programa pode ser definido como uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa. Máquina Multinível Um programa pode ser definido como uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa. Uma instrução pode ser definida como um comando para o processador.

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva

Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva Arquitetura de Computadores Introdução Ivan Saraiva Silva Sumário Introdução Bibliografia Recomendada O que é um computador Organização de um Computador Modelo de Von Neumann IAS Máquina de Von Neuman

Leia mais

Organização e Projetos de Computadores. Capítulo 2. Organização e Projetos de Computadores. Instruções

Organização e Projetos de Computadores. Capítulo 2. Organização e Projetos de Computadores. Instruções Capítulo 2 Hennessy Patterson 1 Instruções Linguagem da máquina Vamos trabalhar com a arquitetura do conjunto de instruções MIPS (Micrrocessor without interlocked pipeline stages Micrrocessador sem estágios

Leia mais

INF1004 e INF1005: Programação 1. Introdução à Programação

INF1004 e INF1005: Programação 1. Introdução à Programação INF1004 e INF1005: Programação 1 Introdução à Programação Tópicos Principais Modelo de um Computador Um computador hipotético Ciclo de Desenvolvimento Modelo de um Computador Modelo de um Computador A

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

ULA Sinais de Controle enviados pela UC

ULA Sinais de Controle enviados pela UC Solução - Exercícios Processadores 1- Qual as funções da Unidade Aritmética e Lógica (ULA)? A ULA é o dispositivo da CPU que executa operações tais como: Adição Subtração Multiplicação Divisão Incremento

Leia mais

66 [2] 0x x c

66 [2] 0x x c Prova P1 Disciplina: Organização de Computadores Professor: Ney Laert Vilar Calazans Aluno: 16/setembro/2015 Lista de associação de números e mnemônicos para os registradores do MIPS Número (Decimal) Nome

Leia mais

Figura 1 - O computador

Figura 1 - O computador Organização e arquitectura dum computador Índice Índice... 2 1. Introdução... 3 2. Representação da informação no computador... 4 3. Funcionamento básico dum computador... 5 4. Estrutura do processador...

Leia mais

Revisão dependências de dados

Revisão dependências de dados Revisão dependências de dados Dependências de dados resolvidas com adiantamento (quase sempre) Deve garantir que instruções anteriores escreverão resultado, destino é mesmo que fonte, e instrução anterior

Leia mais

Relembrando desempenho...

Relembrando desempenho... Parte 5 OBS: Essas anotações são adaptações do material suplementar (apresentações PPT) ao Livro do Hennessy e Patterson, 2ª e 3ª Ed. e do Livro do 5ª Ed. A parte final do material corresponde às aulas

Leia mais

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br Introdução INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br introdução Tópicos conceitos básicos o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CURSO: CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMPILADORES PROFESSOR: JOHNI DOUGLAS MARANGON Back-End Compilação 1. Compilação etapa Back-end

Leia mais

Geração de código intermediário. Novembro 2006

Geração de código intermediário. Novembro 2006 Geração de código intermediário Novembro 2006 Introdução Vamos agora explorar as questões envolvidas na transformação do código fonte em uma possível representação intermediária Como vimos, nas ações semânticas

Leia mais

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy)

Capítulo 4. MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Capítulo 4 João Lourenço Joao.Lourenco@di.fct.unl.pt Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa 2007-2008 MARIE (Machine Architecture Really Intuitive and Easy) Adaptado dos transparentes

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Unidade cadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e rquitetura de Computadores I Organização e rquitetura Básicas

Leia mais

Relembrando desempenho...

Relembrando desempenho... Parte 5 OBS: Essas anotações são adaptações do material suplementar (apresentações PPT) ao Livro do Hennessy e Patterson, 2ª e 3ª Ed. e do Livro do 5ª Ed. A parte final do material corresponde às aulas

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação Faculdade de Computação Arquitetura e Organização de Computadores 2 1 a Laboratório de Programação MIPS entrega 03/05/2018 Prof. Cláudio C. Rodrigues Problemas: P1) Execute as conversões abaixo: a) Converta

Leia mais

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação

28/9/2010. Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Funcionamento e Implementação Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Operação da Unidade de Controle Unidade de controle: parte do

Leia mais

Infra-estrutura de Hardware

Infra-estrutura de Hardware CPU: Estrutura e Funcionalidade Roteiro da Aula Ciclo de Instrução Projeto de uma CPU simples: conceitos Componentes básicos Leitura da instrução Operação entre registradores Acesso à memória Implementação

Leia mais

Codificação 1. Introdução. C 2 R r {! + codificação

Codificação 1. Introdução. C 2 R r {! + codificação Codificação 1. Introdução A unidade básica de memória é o digito binário (bit). Para representar diferentes em memória é necessário que o bit armazene pelo menos 2 valores. A informação pode ser armazenada

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 10

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 10 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 10 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação QUAL É A INTERFACE ENTRE

Leia mais

Usando o simulador MIPS

Usando o simulador MIPS Usando o simulador MIPS O objetivo desta aula prática será a utilização do simulador MipsIt para executar programas escritos em linguagem de máquina do MIPS. 1 Criando um projeto Cada programa a ser executado

Leia mais

2 Formalidades referentes ao trabalho

2 Formalidades referentes ao trabalho Bacharelado em Ciência da Computação DINF / UFPR Projetos Digitais e Microprocessadores 1 o Semestre de 2006 MICO-v12.r0 07/03/2006 Profs. Luis Allan Künzle e Armando Luiz Nicolini Delgado Atenção: Este

Leia mais

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO Geração de código Ivan Ricarte 2008 Sumário Geração de código intermediário Código de três endereços Notação pós-fixa Otimização de código Heurísticas de otimização Geração de código em linguagem simbólica

Leia mais

Disciplina: Organização de Computadores Professor: Ney Laert Vilar Calazans

Disciplina: Organização de Computadores Professor: Ney Laert Vilar Calazans Prova P1 Disciplina: Organização de Computadores Professor: Ney Laert Vilar Calazans Aluno: 18/abril/2012 Lista de associação de números e mnemônicos para os registradores do MIPS Número (Decimal) Nome

Leia mais

Escreva um programa em código assembly correspondente ao seguinte programa C.

Escreva um programa em código assembly correspondente ao seguinte programa C. Exercício 11.1 Escreva um programa em código assembly correspondente ao seguinte programa C. cont=0; for (n=0; n

Leia mais

ORGANIZACÃO DE COMPUTADORES PROCESSADORES CHIPS TRANSISTORES

ORGANIZACÃO DE COMPUTADORES PROCESSADORES CHIPS TRANSISTORES PROCESSADORES CHIPS TRANSISTORES O que é um chip? - conhecido como circuito integrado; - pequeno e fino pedaço de silício no qual os transistores, que formam o microprocessador, foram encapsulados; - processadores

Leia mais

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores.

Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. Tais operações podem utilizar um (operações unárias) ou dois (operações binárias) valores. 7.3.1.2 Registradores: São pequenas unidades de memória, implementadas na CPU, com as seguintes características:

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO Capítulo 1 INTRODUÇÃO ÀS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO 1.1 Histórico de Linguagens de Programação Para um computador executar uma dada tarefa é necessário que se informe a ele, de uma maneira clara, como ele

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Aula 10 Ponto Flutuante Parte I. 2002 Juliana F. Camapum Wanderley

Organização e Arquitetura de Computadores. Aula 10 Ponto Flutuante Parte I. 2002 Juliana F. Camapum Wanderley Organização e Arquitetura de Computadores Aula 10 Ponto Flutuante Parte I 2002 Juliana F. Camapum Wanderley http://www.cic.unb.br/docentes/juliana/cursos/oac OAC Ponto Flutuante Parte I - 1 Panorama Números

Leia mais