SUMÁRIO 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES"

Transcrição

1 ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ESTABILIZAÇÃO DE ENCOSTAS SUMÁRIO ESCOPO 1.1 PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 COMPONENTES ESPECÍFICOS 2.0 CRITÉRIOS DE PROJETO 2.1 GERAL 2.2 DIMENSIONAMENTO 3.0 ELABORAÇÃO DE PROJETO COM USO DE COBERTURA VEGETAL ANEXO A1 TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES A2 OBRAS DE CONTENÇÃO DE TALUDE (APOSTILA Eng. Aldo da Cunha Rosa) A3 COMPARATIVO DE CUSTOS EM OBRAS DE CONTENÇÃO (GEO-RIO, Eng. Fábio Lessa Figueira)

2 Fl.: 2/ ESCOPO PROCEDIMENTOS FORMAIS Os projetos de obras de estabilização de encostas serão elaborados conforme orientação da Secretaria Municipal de Obras - SEMOB ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO Os projetos de obras de estabilização de encostas serão elaborados com base nos ensaios geotécnicos e dados hidrológicos realizados e deverão apresentar todos os elementos necessários à execução das contenções. Os seguintes fatores condicionantes serão considerados na escolha da solução a ser adotada: - Acesso - Altura do talude - Materiais disponíveis - Características do terreno - Presença de construção - Possibilidade ou não da instalação de ancoragens sub-horizontais - Situações do perfil projetado em relação ao existente - Meio ambiente - Relocações Deverá ser prevista a execução de contenção ou outra medida corretiva nas áreas de risco e em locais que, durante o desenvolvimento do Projeto Geométrico e de Terraplanagem, tenha sido detectada sua necessidade, visando a obtenção da perfeita estabilidade dos maciços. Os muros deverão ser projetados de forma a apresentar baixos custos, podendo ser do tipo gabião, de gravidade, de flexão, atirantados, ou outros tipos julgados convenientes. As soluções adotadas podem ser enquadradas em uma ou mais das seguintes classificações: - Obras de estabilização sem elementos de contenção: - modificação da geometria do talude (retaludamento total ou parcial do solo ou rocha, desmonte de partes instáveis, aterro estabilizante de pé de talude, dentre outros); - modificação do regime geo-hidrológico (drenos sub-horizontais profundos, poços ou drenos verticais de rebaixamento de lençol freático, galerias de drenagem, trincheiras drenantes, dentre outros); - melhoria de resistência ao cisalhamento do solo e de zonas de fraqueza de terrenos rochosos (injeção de calda de cimento com produtos químicos, preenchimento de fendas em talude rochosos com argamassas de cimento, dentre outros);

3 Fl.: 3/21 - Obras de estabilização com elementos de contenção: - estruturas de alvenaria ou concreto (muros de arrimo de peso, muros esbeltos de paramento inclinado na direção do talude, muros à flexão de concreto armado ou protendido, dentre outros); - estruturas chumbadas ou ancoradas (estruturas ancoradas na fundação, estruturas com ancoragem passivas em blocos ou placas verticais, cortinas com ancoragens injetadas e protendidas, dentre outros.); - estruturas diversas e dispositivos de reforço e proteção do terreno: telas de aço galvanizadas fixadas com chumbadores, gunitagem com ou sem malha fixada, chumbadores e tirantes protendidos em taludes rochosos, estacas-raiz, presso-ancoragens, gabiões, aterro de base de taludes com geo-texteis, micro ancoragens ou terra armada, dentre outros.) - Obras de proteção contra processos indutores de instabilidade: - contra erosão; - de prevenção de deslizamentos; - Obras e outras medidas proteção contra os efeitos de instabilidade: - adoção de áreas de segurança junto à locais instáveis; - estrutura de impacto para circunscrição de áreas de risco; - anteparos em taludes rochosos; - cortinas de impacto sucessivas em taludes rochosos COMPONENTES ESPECÍFICOS PROJETO BÁSICO: Na fase do projeto básico, deverão ser avaliadas alternativas de contenção para cada local sob a coordenação da Secretaria Municipal de Desenvolvimento da Cidade - SEDEC, em conjunto com a Secretaria Municipal de Obras - SEMOB, visando a escolha da solução mais viável do ponto de vista técnico e econômico. Após discussão das alternativas serão apresentados os seguintes documentos: - Projeto Básico (formas preliminares) das contenções e outras soluções de estabilização de encostas. - Pré-dimensionamento. - Planta geral da comunidade indicando tipo, localização e detalhes. - Levantamento preliminar dos quantitativos de materiais e de serviços e respectivo orçamento (tabela PMV).

4 Fl.: 4/21 PROJETO EXECUTIVO: - Relatório detalhado contendo memórias descritiva, justificativa e de cálculo. - Desenhos: * plant as de forma e armação das contenções, na escala de 1:50 * plant as dos dispositivos de drenagem (detalhes de dreno de areia, calhas de drenagem, dentre outros.) na escala de 1:20 * Dime nsionamento - Quantitativo de materiais e serviços de obra e orçamento (tabela PMV). Nos casos onde forem adotadas soluções que não utilizem elementos de contenção, deverão ser indicados todos os detalhes como desmonte de partes instáveis, retaludamento, detalhes de drenagem e atirantamento, etc CRITÉRIOS DO PROJETO GERAL - Nos locais onde forem necessários trabalhos de estabilização de encostas, a firma contratada deverá prever visitas de técnicos (em conjunto com a SEMOB), tantas quantas forem necessárias, com o objetivo de conhecer todos os aspectos pertinentes na fase inicial do projeto. - Nos casos em que os dados existentes forem insuficientes para execução do projeto, a firma contratada deverá propor ensaios geotécnicos adicionais, para a aprovação pela SEMOB. - Após seleção do tipo adequado de contenção, o cálculo e o dimensionamento devem ser desenvolvidos de acordo com métodos e normas reconhecidamente utilizados DIMENSIONAMENTO - Cálculo do Empuxo - A adoção de soluções que utilizem empuxo ativo implicarão naturalmente em movimento do material suportado. Estes movimentos podem ser inaceitáveis nos casos onde houverem construções a montante, próximas às novas contenções. Nestas condições deverá ser adotada solução que evite tais movimentos. - Nos casos onde forem considerados o efeito benéfico do empuxo passivo em contenções ( ex.: muro em L em concreto) especial atenção deve ser dada à proteção do solo a fim de evitar possíveis descalçamentos devido a erosão do pé do muro. - Influência do nível d água Empuxos adicionais devido a elevação do nível do lençol freático provocado por chuvas, serão evitados através do projeto de um sistema de drenos. No mínimo, os seguintes pontos devem ser considerados no projeto:

5 Fl.: 5/21 - entre o muro e o talude será previsto uma camada drenante de areia suficiente para garantir a não elevação do lençol freático. - Drenos de 4 a cada 4.0 de muro. - Calhas de coleta a montante (incluído no sistema de drenagem). - Drenos de areia inclinados no talude quando possível. - o solo utilizado para repor o material depois da construção do muro deve ser bastante permeável para não inibir o funcionamento dos drenos de areia. - Cargas Adicionais Deverão ser consideradas cargas adicionais quando as áreas sobre o muro a ser construído possam ser utilizadas como deposito de material de construção, trafego de caminhões e etc. - Coeficientes de segurança As contenções deverão ser calculadas considerando-se o escorregamento, flexão, falta de apoio e estabilidade do talude. O coeficiente de segurança será estabelecido considerando o tipo de ruptura e as características do solo em questão, de acordo com normas e bibliografia adequadas. ANEXOS A1 - TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES A2 - PRINCIPAIS TIPOS DE OBRAS DE CONTENÇÃO (APOSTILA Eng. Aldo Da Cunha Rosa) A3 - COMPARATIVO DE CUSTOS EM OBRAS DE CONTENÇÃO (GEO-RIO, Eng. Fábio Lessa Figueira) DEFINIÇÕES: A1 - TIPOS MAIS FREQÜENTES DE SOLUÇÕES DE PROJETO DE ESTABILIZAÇÃO DE TALUDES A TALUDES EM SOLO - Muros de Peso * Alven aria de pedra argamassada * Conc reto ciclópico * Gabi ões * Gabi ões ancorados

6 Fl.: 6/21 - Muros em Concreto Armado * Em forma de L ou T invertido * Em forma de L com ancoragens na base * Em contrafortes * Em contrafortes chumbados em rocha * Em contrafortes engastados em estrutura de concreto ciclópico enterrada - Cortinas ancoradas (em alguns casos apoiadas em estacas). - Revestimento em concreto envolvendo tela metálica fixada no terreno por meio de chumbadores, quase sempre precedido de acertos e suavização parcial. - Suavização com drenagem e proteção superficial com vegetação. - Drenagem superficial e/ou profunda. A TALUDES ROCHOSOS E BLOCOS ISOLADOS - Grelha ancorada (também utilizada para reforço de estruturas de arrimo). - Contrafortes ancorados e/ou chumbados - Chumbadores isolados - Ancoragens isoladas - Vigas em concreto armado, chumbadas - Tela galvanizada, plastificada ou não, fixada no terreno por meio de chumbadores. - Revestimento em concreto envolvendo tela fixada no terreno por meio de chumbadores e/ou ancoragens isoladas. A MURALHAS DE IMPACTO E/OU DE RETENÇÃO DE MATÉRIA SÓLIDA - Em gabiões ancorados ou não - Em concreto ciclópico - Em contrafortes chumbados - Soluções acima com perfis metálicos e tela. - Dique de terra

7 Fl.: 7/21 A.1.4 REFLORESTAMENTO A2 - PRINCIPAIS TIPOS DE OBRAS DE CONTENÇÃO DE TALUDE (07 páginas) (Apostila, Eng. Aldo da Cunha Rosa) PRINCIPAIS TIPOS DE OBRAS DE CONTENÇÃO DE TALUDE 3.1 Muros de Peso ou de Gravidade Pedra Argamassada Devem ser aplicados em locais de fácil acesso, ou com facilidade de obtenção de pedras de mão, tendo em vista o grande consumo de materiais. Não devem ser utilizados à meia-encosta ou na zona superior do talude, considerando que representam acréscimo de carga ao mesmo. A seção (3) é adequada a solos residuais de boas características de resistência Concreto Ciclópico Sugerimos as mesmas ações com utilização de pedra argamassada. Valem as observações acima para muros com pedra argamassada Com utilização de Gabiões

8 Fl.: 8/21 Apresentam as seguintes vantagens: grande flexibilidade; fácil execução e custo relativo baixo; boa drenagem pelo corpo da estrutura, desde que haja graduação da granulometria do material de preenchimento das células ou quando se coloca um colchão drenante junto ao tardoz. aproveitamento de fragmentos de desmonte de blocos de rocha em locais de difícil acesso e quando há necessidade de remoção dos mesmos, resultanto, como outra vantagem, uma obra de arrimo ou de impacto Crib-Wall Solução geralmente usada em obras rodoviárias

9 Fl.: 9/21 Vantagens: execução fácil e rápida; possibilidade de reaproveitamento em outros locais; custo relativo baixo; boa drenagem desde que sejam preenchidos com pedras de mão com granulometria graduada ou quando se coloca um colchão drenante junto ao tardoz. Obs: A base do Crib-Wall deve ser assente em terreno resistente.

10 Fl.: 10/ Muro em Concreto Armado Esta solução é muito eficiente e de custo relativo baixo, principalmente quando implica em pequeno volume de escavação. A opção da fig. 2 é adequada a solos residuais de boas características de resistência Muro em Concreto Armado, Ancorado na Base

11 Fl.: 11/21 Vantagens: pequeno volume de escavação; é muito aplicado junto às divisas de edificações urbanas, face ao pequeno espaço que ocupa e à elevada capacidade de resistência, considerando a utilização de ancorangens. As ancoragens podem ser provisórias (fator de seg. = 1,5) ou dispensadas, em alguns casos, quando houver possibilidade de transmissão de esforços à estrutura da edificação; menor interferência das ancoragens no terreno adjacente, tornando mais fácil, quando for o caso, a obtenção da licença obrigatória do proprietário do terreno vizinho para a sua execução. Desvantagem: Exige a participação de uma firma especializada para implantação das ancoragens Muro de Concreto Armado, com Contrafortes Chumbados Esta solução é de grande eficiência, podendo ser aplicada em casos com ocorrência de rocha e pequena profundidade, a qual pode ser atingida apenas pelos contrafortes. Devem ser previstos dispositivos de proteção dos chumbadores que são de fácil execução e baixo custo, principalmente no contato com a rocha. Trata-se de obra muito aplicada nas encostas desta cidade, como arrimo ou obra de impacto. Neste caso, a sua eficiência pode ser aumentada colocando-se, junto ao tardoz, sacos de ninhagem cheios de terra ou uma estrutura de gabiões de espessura de 50cm

12 Fl.: 12/ Cortinas Ancoradas Trata-se de um processo muito eficiente e único para alguns casos, introduzido, pioneiramente, no Brasil e no mundo por uma firma do Rio de Janeiro, no final da década de 50. Logo após foi introduzido, também, na Alemanha, que já o utilizava, porém em obras provisórias. Devemos ao Profº. A. J. da Costa Nunes e à sua equipe técnica, a criação deste tipo de contenção e o seu aprimoramento. O método de cálculo das cortinas ancoradas passou a se chamar após alguns anos, de Método Brasileiro, que também pode ser utilizado para os arrimos convencionais. Vantagens: viabiliza contenções de grande altura, tendo em vista que o método pode ser executado de cima para baixo, ao contrário dos convencionais. No Rio, em João Monlevade e em Porto Alegre existem cortinas com altura entre 20 e 25m de altura evita a descompressão do solo, evitando-se, assim, o aparecimento de trincas ou fendas no terreno ou nas estruturas junto e a montante; ocupa um espaço de até 30 cm, normalmente 20 cm, quando se utiliza as ancoragens de menor carga; possibilidade de acréscimo na altura, tanto para cima como para baixo, quando houver interesse; maior segurança na execução de contenções com qualquer altura, tendo em vista o método construtivo, a principal característica deste método; aplicação na parte superior de taludes, principalmente junto a rodovias e a logradouros públicos; implica em menor volume de escavação.

13 Fl.: 13/21 Desvantagens: exige a participação de firma especializada; custo relativo maior para arrimos de pequena altura. PRINCIPAIS TIPOS DE ANCORAGENS ANCORAGEM AÇO Ø ESFORÇOS ADMISSÍVEIS (tf) ENSAIOS(+) TRAB. (++) INCORP. (+++) BARRA CA - 50 B 1¼ BARRA GEWI - 42/50 32 mm BARRA GEWI - 50/55 32 mm BARRA ST - 55/ mm (+) 90% da carga de escoamento ( De acordo com a Norma NBR-5629) (++) F8 = 1,75 (Ancoragens permanentes) (+++) Geralmente 80% da carga de trabalho OBRAS DE CONTENÇÃO DE BLOCOS E LASCAS E DE TALUDE ROCHOSO a) - Contrafortes em concreto armado, ancorados e/ou chumbados b) - Vigas em concreto armado, chumbadas; c) - Ancoragens isoladas; d) - Chumbadores isolados; e) - Envolvimento da face rochosa com tela gabião de alta resistência, galvanizada ou plastificada, fixada ao maciço por meio de chumbadores; f) - Revestimento do talude com concreto projetado sobre tela metálica fixada ao maciço, também, por meio de chumbadores, quando a rocha já se apresentar em decomposição; g) - Grelha em concreto armado, ancorada MICRO-ANCORAGENS E TERRA ARMADA Soluções próprias para contenção de aterros a serem executados. O seu custo é cerca de 30% inferior ao das cortinas ancoradas.

14 Fl.: 14/ ESTRUTURA DE IMPACTO a) - Muro em gabiões ou em concreto ciclópico, com ou sem tela de alta resistência, superposta e fixada em perfís metálicos engastados na estrutura principal (geralmente são utilizados trilhos usados TR-37 ou TR-32; b) - Muro em concreto armado, com contrafortes chumbados, com ou sem estruturas de amortecimento na parte posterior (tedoz), com ou sem tela de alta resistência, idem; c) - Diques de Terra, revestidos com grama; d) - Diques de pedra REFORÇO DE OBRAS DE ARRIMO a) - Grelha em concreto armado, ancorada; b) - Ancoragens isoladas; c) - Contrafortes em concreto armado, ancorados e/ ou chumbados, na ocorrência de rocha na base da obra a ser reforçda, ou quando a rocha ocorre em pequena profundidade; d) - Contrafortes em concreto armado, engastados em blocos de concreto ciclópico enterrados, junto a base da obra instável (quando a obra instável estiver assente em solo); e) - Ancoragens aplicadas sobre placas pré-moldadas. A3 - COMPARATIVO DE CUSTOS EM OBRAS DE CONTENÇÃO ( 06 páginas) (GEO-RIO, Eng. Fábio Lessa Figueira) COMPARATIVO DE CUSTOS EM OBRAS DE CONTENÇÃO Além de possibilitar uma melhor avaliação de custos quando da escolha do tipo de serviço a ser executado em determinada frente, foi elaborada proposta de método circunstanciado em parâmetros dos orçamentos que visam a fornecer dados para tomada de decisão. Os quadros que serão apresentados foram criados objetivando simplificar a consulta, fornecendo ao fiscal de obras, valores e comparativo de custo em determinadas situações, não restringindo o seu uso para estes casos, pois permite a extrapolação em função da posição na encosta em que o serviço será executado. Para melhor adequar os parâmetros de cálculo, foram consideradas situações com relação ao talude a ser contido, o tipo de material, sua inclinação e a posição da contenção em relação ao mesmo.

15 Fl.: 15/21 A figura-1 mostra uma situação genérica que configura as considerações apresentadas. Foram elaborados orçamentos para cada tipo de serviço selecionado, levando-se em consideração as características configuradas e suas respectivas dimensões no cálculo de cada quantidade de cada item. O quadro a seguir apresenta um resumo de todos os orçamentos elaborados de maneira que possamos avaliar as características de cada serviço específico. Nº ITENS UNID. CORTINA ANCORADA MURO ANCORADO MURO CONC. ARMADO M. EM CICLÓPICO CONCRETO PROJ M 1, M 8,40 6,30 10, M 3,60 2, M2 1,50 3,00 1,50 1,50 10, M3 25,00 20,00 10,00 10, M2 10,00 8,00 4,00 4, M2 10,00 8,00 4,00 4, M3 1,837 8,575 3,75 3,375 5, M3 4,28 6,25 8,75 7, M3 6,125 4,851 12,50 7, T.KM 159, ,75 159, ,26 225, T 5,312 10,625 5,312 11,742 8, M3 1,177 4,851 2,733 6,422 13, T.DAM 42, ,644 97, ,88 451, T.DAM 79, ,375 79, ,606 1, M 1,50 1,50 1,50 3, M2 5,00 10,00 5,00 4, SACO 6,00 5, M3 0,07 0,48 0,30

16 Fl.: 16/ M3 3,93 2, M3 5, M2 2,185 10,00 10, M2 10,00 10, KG 20,00 128, KG 20,00 128, KG 216,00 4, M3 1,00 216, M 12,00 9, M2 100, M2 100, M2 5,00 9,20 4,00 4,50 Mês de Referência: Março de A seguir é apresentado o quadro que traz os valores finais para cada serviço. CORTINA ANCORADA MURO EM CONC. ARM. ANCORADO MURO EM CONC. ARMADO MURO EM CONC. CICLÓPICO CONCRETO PROJETADO BEIRA DA ESTRADA R$ 280,00 / R$ 190,00 / R$ 160,00 / R$ 180,00 / R$ 37,00 / A 15,00dam. NA ENCOSTA R$ 390,00 / R$ 390,00 / R$ 380,00 / R$ 600,00 / R$ 76,00 / A 30,00dam. NA ENCOSTA R$ 520,00 / R$ 590,00 / R$ 600,00 / R$ 1020,00 / R$ 115,00 / ACRÉSCIMO POR dam./m2 R$ 8,70 R$ 13,50 R$ 14,70 R$ 28,00 R$ 2,80 No quadro acima são apresentados diversos tipos de contenções de taludes em situações diferentes em relação a sua poisção na encosta,seus respectivos custos por metro quadrado () e o acréscimo que inicia em cada tipo de serviço ao se variar sua posição a montante ou a jusante. Os valores de acréscimo são diretamente proporcionais a distância encosta acima ou abaixo sendo sua variação linear. Este quadro permite avaliarmos o tipo de serviço, do ponto de vista de custo, que poderá ser adotado em determinada situação desde que as definições de projeto nos permitam esta opção. O quadro a seguir mostra o comparativo entre os tipos de serviço selecionados, indicando para cada distância na encosta qual a solução mais viável economicamente, em distâncias superiores à indicada a solução e a da coluna correspondente e inferiores a da linha correspondente. Vale ressaltar que não há comparação entre serviços iguais.

17 Fl.: 17/21 TIPOS DE ESTRUTURAS SELECIONADAS PARA ESTE ESTUDO

18 Fl.: 18/21 CORTINA ANCORADA MURO EM CONC. ANCORADO MURO EM CONC. ARMADO MURO EM CONC. CICLÓPICO CORTINA ANCORADA acima MURO EM CONC. ANCORADO D = 150,00m abaixo acima acima MURO EM CONC. ARMADO D = 170,00m D = 215,00m abaixo abaixo acima acima acima MURO EM CONC. CICLÓPICO D = 40,00m D = 7,00m D = 15,00m abaixo abaixo abaixo OBS: O Valor negativo mostra que o MURO EM CONC. CICLÓPICO é sempre mais caro que o MURO EM CONC. ARMADO. OBSERVAÇÃO: Os valores de distância apresentados foram calculados através de comparação de duas equações de primeiro grau, onde o resultado da igualdade define a distância em metros (0,10 dam) que limita a escolha, do ponto de vista de custo, entre dois tipos de solução. Exemplo: - Comparação entre CORTINA ANCORADA E MURO EM CONCRETO ARMADO: 260,00/ + D x R$ 8,70dam/ = R$ 160,00/ + D X R$ 14,70dam/ R$ (260,00-160,00) /= D (R$14,70-8,70) dam/ D = R$ 100,00/ / R$ 6,00dam/ = 17,00dam = 170,00m

19 Fl.: 19/21 CONCLUSÃO: O custo dos serviços considerados sofrem substancial variação quando executados em encostas. O quadro-1 mostrado caracteriza a variação dos diferentes tipos de obra em função da distância em decâmetros (10,00m), tendo em vista o custo com transporte manual na encosta. Um exemplo importante desta variação se refere a um muro executado em concreto ciclópico que pelo seu elevado volume e consequentemente elevado peso, seu custo, a partir de determinada distância, passa a ser maior que todos os tipos selecionados neste estudo. Os levantamentos de custo elaborados nos mostra que a distância em encosta é fator que deverá merecer atenção especial do engenheiro de obras e do projetista quando da definição da solução final, pois sua observação poderá trazer redução substancial no custo final de obra.

20 Fl.: 20/21 Estrutura e Conteúdo Geral para Elaboração de Projetos de Estabilização de Encostas Com uso de Cobertura Vegetal 3.0 I Escopo I.1 Procedimentos Formais Os Projetos de Estabilização de encostas, com uso de Cobertura Vegetal, serão elaborados conforme orientações da Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SEMMAM. I.2 Elementos para Elaboração do Projeto Tais Projetos serão elaborados com base em um Diagnóstico Ambiental da área, contendo elementos necessários de suporte para sua execução. II Estrutura Básica - Diagnóstico - Plano de Intervenção - Projeto Básico - Projeto Executivo - Fundamentação Técnica II.1 Diagnóstico - Cobertura vegetal pretérita e atual; - Problemas ambientais existentes na área e no entorno (Poluição, erosão, áreas degradadas, etc.); - Aspectos geomorfológicos, geológicos e pedológicos; - Identificação de áreas de risco (Instabilização de encostas / rolamento de matacões, etc.); - Identificação de pontos naturais de escoamento d água;

21 Fl.: 21/21 - Legislação ambiental; - Situação fundiária. II.2 Plano de Intervenção - Apresentação - Objetivos gerais - Objetivos específicos - Análise e fundamentação das Intervenções pertinentes - Metodologia II.3 Projeto Básico Na fase do projeto básico, deverão ser avaliadas alternativas de contenção para cada local sob a coordenação da Secretaria Municipal de Desenvolvimento da Cidade - SEDEC, em conjunto com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SEMMAM, visando a escolha da solução mais viável do ponto de vista técnico e econômico. Entre as alternativas para este tipo de contenção, temos: - revegetação do solo com espécies forrageiras; - revegetação do solo com espécies arbóreas (endêmicas ou não) de pequeno, médio ou grande porte; - revegetação do solo usando técnica de bioengenharia; - revegetação do solo associando duas ou três técnicas acima. Obs.: Associado a estas, poderão ser indicadas outras intervenções, como drenos superficiais para contenção de grandes fluxos d'água, ou outras alternativas como obras de estabilização. Após discussão das alternativas serão apresentados os seguintes documentos: - Projeto Básico (Formas Preliminares) de estabilização de encostas; - Pré-dimensionamento; - Planta Geral da comunidade indicando tipo, localização e detalhes;

22 Fl.: 22/21 - Levantamento preliminar dos quantitativos de materiais, insumos e de serviços e respectivo orçamento (tabela PMV). II.4 Projeto Executivo - Apresentação/introdução; - Escolha das espécies, indicando nome vulgar e científico, família, hábito (arbóreo, arbustivo ou herbáceo), grupo sucessional, e tipo de muda; - Preparo do terreno (discriminando cada operação detalhadamente); - Plantio e replantio (inclusive adubação e irrigação, se necessário); - Manutenção (detalhar cada atividade detalhadamente, inclusive quantitativos e épocas); - Cronograma Físico; - Cronograma Financeiro. II.5 Fundamentação Técnica Relacionar as bibliografias utilizadas.

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO

OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas

Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Curso de Multiplicadores em Florianópolis, 24/02/2010 Controle Geotécnico de uso e ocupação das encostas Eng. Geotécnica Regina Davison Dias, D.Sc. NUGEOTEC/CENTRO TECNOLÓGICO/UNISUL 24/02/2010 UNISUL

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC

OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC SIMPÓSIO SOBRE FUNDAÇÕES E CONTENÇÕES OBRAS DE CONTENÇÃO NA BR-101/SC Autor: Samuel Maggioni Mezzomo Eng Civil Geotécnico samuel.mezzomo@arteris.com.br 20.08.2014 ITAJAÍ/SC INTRODUÇÃO E LOCALIZAÇÃO RODOVIAS

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos

UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012. Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos UFABC- Universidade Federal do ABC- PROEXT 2011/2012 Gestão de Riscos Geológicos em Ambiente Urbano: Escorregamentos e Processos Correlatos 2º OFICINA: SOLUÇÕES DE ESTABILIZAÇÃO CLÁUDIA PAIVA DATA: 11/10/2012

Leia mais

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA

NOTAS GET-CAD. Mg04 -EXECUÇÃO DE ESTACÕES. Mg-04 SEQÜÊNCIA CONSTRUTIVA BÁSICA S/ESCALA 1 - PARA PROJETO E EXECUÇÃO DAS OBRAS DEVERÃO SER RESPEITADAS AS DP-F02 - DIRETRIZES DE PROJE- TO PARA FUNDAÇÕES PROFUNDAS DA PCR E A NBR- 6122 - PROJETO E EXECUÇÃO DE FUNDAÇÕES DA ABNT. 2 - AS NORMAS

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo

TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo TÓPICOS ESPECIAIS DE CONCRETO ARMADO Muros de arrimo Rodrigo Gustavo Delalibera Engenheiro Civil - Doutor em Engenharia de Estruturas dellacivil@yahoo.com.br Dimensionamento de estruturas especiais de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB NA ROTEÇÃO SUPERFICIAL DE TALUDE DO EDIFICIO BANCO SULAMÉRICA SEGUROS SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Hérsio Antonio Ranzani Júnior JULHO 1998 Revisado

Leia mais

Muro de Arrimo por Gravidade

Muro de Arrimo por Gravidade Muro de Arrimo por Gravidade CONCEITO É a solução estrutural mais antiga e por ser relativamente barato e não exigir mão de obra especializada é mais comum. É executado junto a um talude (inclusive de

Leia mais

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES

Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES Unidade 03 GEOTECNIA DE CONTENÇÕES 3. 1 Obras de revestimento proteção x obras de contenção Os tipos de obra voltados para a estabilização de encostas evoluem constantemente, em função de novas técnicas

Leia mais

Contenção com muros terrae

Contenção com muros terrae Contenção com muros terrae Prefeitura de Jacareí analisa três soluções para conter talude em área escolar e opta por sistema de blocos de concreto pré-fabricados. Veja comparativo técnico e orçamentário

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Fundações UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Fundações ETAPAS IMPORTANTES: Determinar o número de furos de sondagem, bem como a sua localização; Analisar

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH

MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH MUROS DE TERRA ARMADA - TERRAMESH Rodolfo Amaro Junho de 2006 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como objectivo o estudo do sistema construtivo de Muros de Terra Armada, designadamente o sistema Terramesh.

Leia mais

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica.

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica. A seguir explicitam-se todas as etapas do trabalho de engenharia geotécnica recomendáveis para parecer técnico e ou projeto deste tipo, a fim de: - Orientar

Leia mais

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos

DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Ciclo de Palestras 2010 DESASTRES AMBIENTAIS ESCORREGAMENTOS DE ENCOSTAS Formas de Intervenção e Redução de Riscos Tipos de Escorregamentos de Encostas Soluções de Estabilização Ciclo de Palestras 2010

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado

O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado O uso de blocos de concreto pré-moldados para a face da contenção em solo grampeado Ferreira Jr, J. A., Mendonça, M. B. e Saramago, R. P. Terrae Engenharia, Rio de Janeiro, RJ, Brasil RESUMO: A participação

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente /2009 TRANSPORTE Um caso de obra especial: contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente ALBERTO CASATI ZIRLIS* / CAIRBAR AZZI PITTA** / GEORGE JOAQUIM TELES DE

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

GEOGRELHAS TECIDAS PARA TALUDE REFORÇADO COM ELEMENTOS TERRAMESH VERDE

GEOGRELHAS TECIDAS PARA TALUDE REFORÇADO COM ELEMENTOS TERRAMESH VERDE GEOGRELHAS TECIDAS PARA TALUDE REFORÇADO COM ELEMENTOS TERRAMESH VERDE Eder José Paulo Tavares Engenheiro Civil Maccaferri do Brasil eder.tavares@maccaferri.com.br Petrucio José dos Santos Junior MSc.

Leia mais

Construção. Contenções

Construção. Contenções Construção 18 Contenções A engenharia oferece soluções de contenção variadas, adequadas para as situações mais diversas. Geologia do terreno, estudo de riscos, custo e cronograma da obra influenciam a

Leia mais

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio UNIVERSIDADE: Curso: Fundações: Escoramento de Escavação / Abaixamento de Lençol Freático Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, agosto de 2004. 0 FUNDAÇÕES:

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA

INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DE FOSSA SÉPTICA E SUMIDOURO EM SUA CASA A participação da Comunidade é fundamental Na preservação do Meio Ambiente COMPANHIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL DO DISTRITO FEDERAL ASSESSORIA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO SARJETAS E VALETAS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-01/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de sarjetas e valetas,

Leia mais

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES

Capítulo 6 CAP 5 OBRAS DE TERRA - ENGª KÁRITA ALVES Capítulo 6 SOLOS REFORÇADOS - EXECUÇÃO 6. Solo reforçado Com o aumento das alturas de escavação, os custos com estruturas de contenção tradicionais de concreto aumentam consideravelmente. Assim, as soluções

Leia mais

Muro de arrimo segmentado

Muro de arrimo segmentado 1 de 12 01/11/2010 18:40 Muro de arrimo segmentado Este artigo apresenta a seqüência executiva de um muro de arrimo segmentado. A técnica consiste no reforço de solo pela inclusão de elementos planos (geogrelhas

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

Rebaixamento de lençol freático

Rebaixamento de lençol freático Rebaixamento de lençol freático Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR Necessidade do Controle da Água Subterrânea Interceptação da água percolada que emerge nos taludes e fundo de escavações Aumentar a estabilidade

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE ATERRO RODOVIÁRIO COM ESTRTURA EM SOLO REFORÇADO E GEOSSINTÉTICOS

CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE ATERRO RODOVIÁRIO COM ESTRTURA EM SOLO REFORÇADO E GEOSSINTÉTICOS CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE ATERRO RODOVIÁRIO COM ESTRTURA EM SOLO REFORÇADO E GEOSSINTÉTICOS Monique Lacerda de V. Sobral Engenheira Civil Maccaferri do Brasil monique@maccaferri.com.br Paulo Cesar Belesso

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS

ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS ESTRADAS E AEROPORTOS DRENAGEM DE VIAS Prof. Vinícius C. Patrizzi 2 DRENAGEM PROFUNDA 3 DRENAGEM PROFUNDA 4 DRENAGEM PROFUNDA DRENAGEM PROFUNDA OBJETIVOS INTERCEPTAR AS ÁGUAS QUE POSSAM ATINGIR O SUBLEITO;

Leia mais

Considerações Preliminares

Considerações Preliminares UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Construção Civil I Fundações Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Considerações Preliminares Para se optar por uma

Leia mais

Muros de de gravidade

Muros de de gravidade Muros de gravidade Muros de de gravidade Muros Muros de de flexão; flexão; Muros Muros de de alvenaria; Muros Muros de de solo solo estabilizado; Muros Muros celulares; Muros Muros de de solo solo reforçado.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2013 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 Serviços de Terraplanagem na Subestação de Interligação à Rede Básica Construção de novo Bay de Saída

Leia mais

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política

Desastre de 2008 no vale do Itajaí. Água, gente e política Desastre de 2008 no vale do Itajaí Água, gente e política FUNDAÇÃO AGÊNCIA DE ÁGUA DO VALE DO ITAJAÍ CONSELHO EDITORIAL Beate Frank Ernesto Jacob Keim Julio Cesar Refosco Lourdes Maria Pereira Sedlacek

Leia mais

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

SÉRIE: DISCIPLINA: CARGA HORÁRIA SEMANAL: CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: OBRAS DE TERRA MUROS DE ARRIMO OU DE CONTENÇÃO CURSO: Engenharia Civil SÉRIE: 10º Semestre DISCIPLINA: Obras de Terra CARGA HORÁRIA SEMANAL: 02 aulas-hora CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 40 aulas-hora 1.DEFINIÇÕES

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Obras com Estrutura de Contenção

Obras com Estrutura de Contenção CAPÍTULO 11 Obras com Estrutura de Contenção Muro de arrimo 11. 1 Outras soluções de contenção 11. 2 189 Todos os muros deverão ser construídos com base em projeto executivo e com acompanhamento técnico

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP

UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP UTILIZAÇÃO DE GEOWEB EM DRENAGEM DO CANAL DA VILA NATAL CUBATÃO SP Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Pedro Henrique Piassa Distribuidor: Ramalho Comercial Ltda. SETEMBRO 1997

Leia mais

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior

Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro. Gersina N. da R. Carmo Junior Fechamento e Sistema de Monitoramento do Aterro Gersina N. da R. Carmo Junior Objetivo: avaliar as conseqüências da presença dos efluentes do aterro no meio ambiente. Sistema de Monitoramento do Aterro

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA

MÉTODO/TÉCNICA CONSTRUTIVA CONCEITO É uma estaca de pequeno diâmetro concretada in loco, cuja perfuração é realizada por rotação ou roto-percussão (no caso de rochas), em direção vertical ou inclinada. Utilizada para reforço de

Leia mais

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS

Profª. Angela A. de Souza DESENHO DE ESTRUTURAS DESENHO DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO A estrutura de concreto armado é resultado da combinação entre o concreto e o aço. Porém, para a sua execução, não é suficiente apenas a presença desses dois materiais;

Leia mais

Aços Longos. Gabiões Belgo. Produtos

Aços Longos. Gabiões Belgo. Produtos Aços Longos Gabiões Belgo Produtos Gabiões Belgo A mais nova solução para obras geotécnicas e hidráulicas Uma linha de produtos com a qualidade Belgo Bekaert para o mercado de construção civil. São elementos

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial

A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial Mesa Redonda Recuperação de áreas Degradadas por Catástrofes e Reconstrução Emergencial A Natureza, Seu Fator de Segurança e os Eventos de SC Reflexões sobre Reconstrução Emergencial Fernando A. M. Marinho

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

Alternativa de faceamento para contenções em solo reforçado com geossintéticos composto por tela metálica e brita

Alternativa de faceamento para contenções em solo reforçado com geossintéticos composto por tela metálica e brita Alternativa de faceamento para contenções em solo reforçado com geossintéticos composto por tela metálica e brita José Orlando Avesani Neto Geo Soluções, avesani.neto@geosolucoes.com Eduardo Menani Hayashida

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Projeto de Cortina Atirantada em Obras Rodoviarias - Caso de instabilidade de encosta íngreme

Projeto de Cortina Atirantada em Obras Rodoviarias - Caso de instabilidade de encosta íngreme Projeto de Cortina Atirantada em Obras Rodoviarias - Caso de instabilidade de encosta íngreme Carlos Williams Carrion Encibra Estudos e Projetos de Engenharia, São Paulo / SP, carloscarrion@uol.com.br

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento.

Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento. Figura 4.4 Exemplo de escoramento com atirantamento. 36 37 Figura 4.5 Exemplo da seqüência executiva de tirantes. Figura 4.6 Sistema de atirantamento por rosqueamento 38 Figura 4.7 Execução da perfuração.

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 14. MUROS Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP MUROS Os muros são construções feitas de alvenaria de blocos de concreto ou tijolos, que tem a

Leia mais

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto

Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Projeto estrutural de edifícios de alvenaria: decisões, desafios e impactos da nova norma de projeto Prof. Associado Márcio Roberto Silva Corrêa Escola de Engenharia de São Carlos Universidade de São Paulo

Leia mais

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3

200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 200888 Técnicas das Construções I FUNDAÇÕES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 3 O que são?: São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES OBRA: ESTACIONAMENTOS DO COMPLEXO MULTIEVENTOS E CAMPUS DE JUAZEIRO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1/5 PISOS EXTERNOS Pavimentação em Piso Intertravado de Concreto Conforme delimitado

Leia mais

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco.

Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Estabilização de uma área utilizando a contribuição da sucção: O caso de Barro Branco. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Fonseca, E. C. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, evan@ufba.br

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada:

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.0 - Calçadas Externas/rampa/escada: PROJETO Nº 051/2013 Solicitação: Memorial Descritivo Tipo da Obra: Reforma, ampliação e adequação acesso Posto de Saúde Santa Rita Área existente: 146,95 m² Área ampliar: 7,00 m² Área calçadas e passeio:

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação

ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação 1 Informações iniciais Indentificação do empreendedor Responsável pelo empreendimento: Responsável pelo RAS ROTEIRO PARA A ELABORAÇÃO DO RAS - Obras de Telecomunicação Razão Social CNPJ Telefone Nome CPF

Leia mais

Reforço de Aterro Sobre Solo Mole em Empreendimento Residencial Reinforced Embankment on Soft Soil in a Residential Building

Reforço de Aterro Sobre Solo Mole em Empreendimento Residencial Reinforced Embankment on Soft Soil in a Residential Building Reforço de Aterro Sobre Solo Mole em Empreendimento Residencial Reinforced Embankment on Soft Soil in a Residential Building Nome dos autores: Jaime da Silva Duran Giancarlo Domingues Instituição: Maccaferri

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica

Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica Escopo Geral de Serviços de Engenharia Geotécnica A seguir explicitam-se todas as etapas do trabalho de engenharia geotécnica recomendáveis para parecer técnico e ou projeto deste tipo, a fim de: Orientar

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 3 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes Aterros em Solos Reforçados (ASR) Princípio Geral: inclusão de reforços em uma massa de solo, conformando uma estrutura composta

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes 2.1 Critérios de Projeto de Muros de Arrimo. 2.2 Análises da Estabilidade de Muros de Arrimo. 2.3 Exemplo de Cálculo. Aula

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos

2.6.12-1 Implementação de Medidas de Controle de Processos Erosivos 2.6.12 O PCPE foi implementado com base no Plano Ambiental para Construção PAC a fim de proteger, estabilizar e mitigar as interferências na faixa de servidão, bota-foras, acessos, canteiro de obras e

Leia mais

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal

Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Análise Numérica em Uma Estrutura de Contenção do Tipo Estaca Justaposta Grampeada Assente no Solo Poroso no Distrito Federal Alexandre Gil Batista Medeiros e Renato Pinto da Cunha Departamento de Engenharia

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

Eng Mauro Hernandez Lozano

Eng Mauro Hernandez Lozano 1. Problemas, Causas e Soluções 1.1. Trincas 1.1.1. Aterros em Seção Mista 1.1.2. Aterros sem Controle Tecnológico 1.1.3. Atrito Negativo 1.1.4. Rebaixamento do Lençol Freático 1.1.5. Elevação do Lençol

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia.

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM Objetivo: a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. Terraplenagem mecanizada: requer grandes investimentos em equipamentos

Leia mais

PROJETO DE CORTINA ATIRANTADA EM OBRAS RODOVIÁRIAS CASO DE INSTABILIDADE DE ENCOSTA ÍNGREME

PROJETO DE CORTINA ATIRANTADA EM OBRAS RODOVIÁRIAS CASO DE INSTABILIDADE DE ENCOSTA ÍNGREME ARTIGO PROJETO DE CORTINA ATIRANTADA EM OBRAS RODOVIÁRIAS CASO DE INSTABILIDADE DE ENCOSTA ÍNGREME Carlos Williams Carrion, Ms ENCIBRA Estudos e Projetos de Engenharia, São Paulo / SP carloscarrion@uol.com.br

Leia mais

Informativo técnico- Trilho Estaca

Informativo técnico- Trilho Estaca Informativo técnico- Trilho Estaca Vantagens Introdução No Brasil o uso de aço como elementos de fundações profundas tem grandes avanços. Há pouco tempo, as vigas metálicas eram apenas soluções alternativas

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

C o n s t r u t o r a

C o n s t r u t o r a C o n s t r u t o r a Trabalhamos em todo território nacional, com equipes qualificadas, supervisão diária, trazendo qualidade, preço, prazo e excelência em sua obra. Clientes Principais Serviços Projetos

Leia mais

SOLUÇÕES TRADICIONAIS E EXPERIÊNCIAS RECENTES EM CONTENÇÃO DE ENCOSTAS NA GEO-RIO

SOLUÇÕES TRADICIONAIS E EXPERIÊNCIAS RECENTES EM CONTENÇÃO DE ENCOSTAS NA GEO-RIO SOLUÇÕES TRADICIONAIS E EXPERIÊNCIAS RECENTES EM CONTENÇÃO DE ENCOSTAS NA GEO-RIO Helio G. de Brito Filho Fundação Instituto de Geotécnica - GEORIO Luiz Otávio Martins Vieira Fundação Instituto de Geotécnica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ÂNGELO MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma muro lateral, calçadas e cercas E. M. E. F. Marcelino José Bento Champagnat GENERALIDADES Execução por empreitada global O presente

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

Proteção do corpo estradal - estruturas de arrimo com gabião

Proteção do corpo estradal - estruturas de arrimo com gabião MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS

DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS DER/PR ES-P 27/05 PAVIMENTAÇÃO: DEMOLIÇÃO DE PAVIMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304

Leia mais

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Geotecnia e Fundações, Arquitectura

Geotecnia e Fundações, Arquitectura. Geotecnia e Fundações, Arquitectura Capítulo 8 TALUDES 1. Tipos de taludes Um talude é uma superfície de terreno exposta que faz um dado ângulo α com a horizontal. Tipos de taludes: Taludes naturais Taludes de escavação Taludes de aterro

Leia mais